SlideShare uma empresa Scribd logo

Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA

1 de 25
Baixar para ler offline
Quatro olhos
Peixe voador
                         Tremelga
Rémora



       Roncador
                                 Polvo
RONCADOR
Nomes comuns: Roncador, roncador canário ou
cocoroca (brasileiro).
Grupo taxonómico:
Filo: Chordata
Classe: Osteichthyes (peixes ósseos)
Ordem: Perciformes
Família: Haemulidae
Espécie: Conodon nobilis (Linnaeus, 1758)

Características:
•Peixe de escamas abundantes, com corpo
alongado, focinho cónico e boca relativamente
pequena. Coloração de um prateado a amarelo ou
oliváceo, mais escuro no dorso e com cerca de oito
faixas escuras evidentes na lateral do corpo. Tem
também algumas linhas amareladas longitudinais.
•Comprimento comum - 25 cm; máximo conhecido -
34 cm.




                      continuar     Voltar ao início
RONCADOR (continuação)

•Pode alcançar uma idade máxima de 10 anos.
•Os roncadores possuem dentes faríngeos, isso
mesmo, dentes na faringe, ao rangerem esses dentes
o som é ampliado por uma câmara de ar - a bexiga
natatória - órgão que tem nesta espécie uma dupla
função, a sua função básica é diminuir a densidade
do animal e permitir a sua permanência na massa de
água sem ter de recorrer a movimentos (em todos
os peixe ósseos este órgão existe com essa função).
Os sons produzidos parecem estar associados a
comportamentos alimentares e a situações de stress.




                      continuar     Voltar ao início
RONCADOR (continuação)

Habitat: Frequenta águas costeiras com fundo de
lodo ou areia, em canais, baías, enseadas, estuários
e praias. Os adultos encontram-se, durante o dia,
em águas mais profundas (até 100) em fundos
rochosos ou recifes de coral, durante a noite
aproximam-se da costa para se alimentarem.
Distribuição: Costa Atlântica das Américas: Texas e
Florida (USA) e Jamaica até ao Brasil, incluindo o
Golfo do México, Porto rico e Antilhas.

Alimentação: Alimenta-se à noite de crustáceos e
pequenos peixes.

Reprodução: Atingem a maturidade no terceiro
ano. A desova faz-se em estuários ou junto à costa
em fundos com vegetação, os juvenis permanecem
nestas regiões.

Estatuto de ameaça: Vulnerabilidade baixa a
moderada.
                       continuar     Voltar ao início
RONCADOR (continuação)

Curiosidades: O facto de “roncarem” não impede o
homem de os utilizar na alimentação. São comuns
em aquários.

MITOS
Segundo O Padre António Vieira estes pequenos
peixinhos seriam arrogantes, orgulhosos e cheios de
soberba, porque se expressam muito através de
vocalizações (ao contrário dos outros peixes que
acatam mudos a ordem divina – sinal de
obediência).
São realmente uns pequenos peixes, são facilmente
pescados pois frequentam as zonas costeiras e
mesmo as praias. Mas o seu comportamento é
tímido, alimentando-se de preferência à noite.
Os “roncos “ que produzem são sobretudo uma
manifestação de stress, observável quando são
retirados da água.


                                    Voltar ao início
PEIXE VOADOR
Nomes-comuns: Peixe voador. Ao contrário do
comum, esta designação é usada para todas as
espécies desta família e em todas as línguas.
Grupo taxonómico:
Filo: Chordata
Classe: Osteichthyes (peixes ósseos)
Ordem: Beloniformes
Família: Exocoetidae

Características:
•Apesar desta família ser constituída por mais de 60
espécies (64/65), distribuídas em nove géneros, há
todo um conjunto de características bem marcantes:
•A mais marcante é o grande desenvolvimento das
barbatanas peitorais (para alguns géneros também
as ventrais);
•A linha lateral colocada em posição muito inferior e
a barbatana caudal com o lóbulo inferior mais
desenvolvido;
•Podem atingir um tamanho máximo de 45 cm.


                       continuar      Voltar ao início

Recomendados

Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesDina Baptista
 
Louvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixesLouvor das virtudes aos peixes
Louvor das virtudes aos peixesDina Baptista
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesLiliana Matos
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresRenata Antunes
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesAnaGomes40
 
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoEstatuto moral dos animais - Filosofia 12º ano
Estatuto moral dos animais - Filosofia 12º anoDaniela França
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesbeonline5
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousananasimao
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseJulianaOmendes
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deFernanda Pantoja
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulosClaudiaSacres
 

Mais procurados (20)

Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 

Semelhante a Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA

Semelhante a Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA (20)

Apres peixes para blog
Apres peixes para blogApres peixes para blog
Apres peixes para blog
 
Peixe borboleta
Peixe borboletaPeixe borboleta
Peixe borboleta
 
Animais marinhos
Animais marinhosAnimais marinhos
Animais marinhos
 
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Baleias 3º A
 
Inês e sofia
Inês e sofiaInês e sofia
Inês e sofia
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Anfibius
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Vamos descobrir o mar
Vamos descobrir o marVamos descobrir o mar
Vamos descobrir o mar
 
Peixes e anfíbios(1)
Peixes e anfíbios(1)Peixes e anfíbios(1)
Peixes e anfíbios(1)
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Apostila cordados
Apostila cordadosApostila cordados
Apostila cordados
 
Animais Marinhos
Animais MarinhosAnimais Marinhos
Animais Marinhos
 
Guia de campo crustáceos
Guia de campo crustáceosGuia de campo crustáceos
Guia de campo crustáceos
 
Principais filos do reino animália $raisa
Principais filos do reino animália $raisaPrincipais filos do reino animália $raisa
Principais filos do reino animália $raisa
 
Principais filos do reino animália $raisa
Principais filos do reino animália $raisaPrincipais filos do reino animália $raisa
Principais filos do reino animália $raisa
 
Chondrichthyes
Chondrichthyes  Chondrichthyes
Chondrichthyes
 
Apresentação 1o A - peixes e anfíbios
Apresentação 1o A - peixes e anfíbiosApresentação 1o A - peixes e anfíbios
Apresentação 1o A - peixes e anfíbios
 

Mais de ecolealcamara

Mais de ecolealcamara (12)

Benefícios das maçãs
Benefícios das maçãsBenefícios das maçãs
Benefícios das maçãs
 
Imagens dia mundial da alimentação
Imagens dia mundial da alimentaçãoImagens dia mundial da alimentação
Imagens dia mundial da alimentação
 
Exp indíces
Exp indícesExp indíces
Exp indíces
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
 
Ecocódigo2013
Ecocódigo2013Ecocódigo2013
Ecocódigo2013
 
Campanha da caneta
Campanha da canetaCampanha da caneta
Campanha da caneta
 
áRvores
áRvoresáRvores
áRvores
 
Jra prémio
Jra prémioJra prémio
Jra prémio
 
Prémios c fotográfico
Prémios c fotográficoPrémios c fotográfico
Prémios c fotográfico
 
A passarada[1]
A passarada[1]A passarada[1]
A passarada[1]
 
AA
AAAA
AA
 
Feira do Livro Usado
Feira do Livro UsadoFeira do Livro Usado
Feira do Livro Usado
 

Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA

  • 1. Quatro olhos Peixe voador Tremelga Rémora Roncador Polvo
  • 2. RONCADOR Nomes comuns: Roncador, roncador canário ou cocoroca (brasileiro). Grupo taxonómico: Filo: Chordata Classe: Osteichthyes (peixes ósseos) Ordem: Perciformes Família: Haemulidae Espécie: Conodon nobilis (Linnaeus, 1758) Características: •Peixe de escamas abundantes, com corpo alongado, focinho cónico e boca relativamente pequena. Coloração de um prateado a amarelo ou oliváceo, mais escuro no dorso e com cerca de oito faixas escuras evidentes na lateral do corpo. Tem também algumas linhas amareladas longitudinais. •Comprimento comum - 25 cm; máximo conhecido - 34 cm. continuar Voltar ao início
  • 3. RONCADOR (continuação) •Pode alcançar uma idade máxima de 10 anos. •Os roncadores possuem dentes faríngeos, isso mesmo, dentes na faringe, ao rangerem esses dentes o som é ampliado por uma câmara de ar - a bexiga natatória - órgão que tem nesta espécie uma dupla função, a sua função básica é diminuir a densidade do animal e permitir a sua permanência na massa de água sem ter de recorrer a movimentos (em todos os peixe ósseos este órgão existe com essa função). Os sons produzidos parecem estar associados a comportamentos alimentares e a situações de stress. continuar Voltar ao início
  • 4. RONCADOR (continuação) Habitat: Frequenta águas costeiras com fundo de lodo ou areia, em canais, baías, enseadas, estuários e praias. Os adultos encontram-se, durante o dia, em águas mais profundas (até 100) em fundos rochosos ou recifes de coral, durante a noite aproximam-se da costa para se alimentarem. Distribuição: Costa Atlântica das Américas: Texas e Florida (USA) e Jamaica até ao Brasil, incluindo o Golfo do México, Porto rico e Antilhas. Alimentação: Alimenta-se à noite de crustáceos e pequenos peixes. Reprodução: Atingem a maturidade no terceiro ano. A desova faz-se em estuários ou junto à costa em fundos com vegetação, os juvenis permanecem nestas regiões. Estatuto de ameaça: Vulnerabilidade baixa a moderada. continuar Voltar ao início
  • 5. RONCADOR (continuação) Curiosidades: O facto de “roncarem” não impede o homem de os utilizar na alimentação. São comuns em aquários. MITOS Segundo O Padre António Vieira estes pequenos peixinhos seriam arrogantes, orgulhosos e cheios de soberba, porque se expressam muito através de vocalizações (ao contrário dos outros peixes que acatam mudos a ordem divina – sinal de obediência). São realmente uns pequenos peixes, são facilmente pescados pois frequentam as zonas costeiras e mesmo as praias. Mas o seu comportamento é tímido, alimentando-se de preferência à noite. Os “roncos “ que produzem são sobretudo uma manifestação de stress, observável quando são retirados da água. Voltar ao início
  • 6. PEIXE VOADOR Nomes-comuns: Peixe voador. Ao contrário do comum, esta designação é usada para todas as espécies desta família e em todas as línguas. Grupo taxonómico: Filo: Chordata Classe: Osteichthyes (peixes ósseos) Ordem: Beloniformes Família: Exocoetidae Características: •Apesar desta família ser constituída por mais de 60 espécies (64/65), distribuídas em nove géneros, há todo um conjunto de características bem marcantes: •A mais marcante é o grande desenvolvimento das barbatanas peitorais (para alguns géneros também as ventrais); •A linha lateral colocada em posição muito inferior e a barbatana caudal com o lóbulo inferior mais desenvolvido; •Podem atingir um tamanho máximo de 45 cm. continuar Voltar ao início
  • 7. PEIXE VOADOR (continuação) •A sua característica distintiva é certamente o voo, ou melhor a capacidade de saírem da água e conseguirem planar durante alguns metros (máximo 400m). Toda a sua morfologia ajuda a realizar esta proeza. As alterações, que resultaram da evolução e levaram ao aparecimento destes seres, foram sobretudo ao nível das barbatanas, que não possuem raios rígidos mas são resistentes. As peitorais (junto ao centro de massa) estão obrigatoriamente desenvolvidas e a caudal tem o lóbulo inferior mais desenvolvido para poder propulsionar o animal mesmo quando este está praticamente fora de água ( acauda pode agitar-se 70 vezes por segundo). A forma geral do corpo já é aerodinâmica. •São planadores extremamente eficazes, mais rápidos que algumas aves, parte do “segredo” é deslocam-se junto à superfície da água o que lhes confere maior sustentação. Este comportamento original é uma forma de escaparem aos numerosos e rápidos predadores que têm na água, como os espadartes, atuns e golfinhos. continuar Voltar ao início
  • 8. PEIXE VOADOR (continuação) Habitat: Os peixes voadores são principalmente habitantes do mar aberto, mas com frequência são observados em águas profundas junto da costa ou de recifes de coral. Distribuição: Encontram-se representantes desta família em todas os mares tropicais e no Mediterrâneo ocidental. Alimentação: Alimentam-se principalmente de organismos planctónicos. Reprodução: Os ovos são relativamente grandes e apresentam filamentos pegajosos para aderirem a algas ou outros substratos flutuantes. Estatuto de ameaça: Algumas espécies estão em declínio devido a sobrepesca. continuar Voltar ao início
  • 9. PEIXE VOADOR (continuação) Curiosidades: São peixes utilizados na alimentação e bastante apreciados. Nos Barbados, “Terra dos Peixes Voadores”, são uma das bases da gastronomia nacional e têm relevo noutras formas de cultura como por exemplo na escultura e literatura (contos populares). Estão em curso estudos da aerodinâmica destes animais e que visam o aperfeiçoamento de aeronaves. MITOS Os gregos acreditavam que os peixes voadores abandonavam as águas para dormirem. Segundo O Padre António Vieira estes peixes quiseram alcançar mais do que lhes estava destinado e “como castigo” acabam até por saltar para as embarcações dos pescadores. Esta afirmação é correta, mas não é a ambição de ser ave que os move, mas sim o receio de ser refeição de algum peixe maior. Voltar ao início
  • 10. QUATRO OLHOS Nomes-comuns: Quatro olhos Grupo taxonómico: Filo: Chordata Classe: Osteichthyes (peixes ósseos) Ordem: Cyprinidontiformes Família: Anablepidae Espécie: Anableps anableps (Linnaeus, 1758) Características: •Corpo alongado; cabeça grande e achatada; mandíbula superior prolongada com muitos dentes pequenos. •Os olhos são proeminentes e ao contrário do que poderíamos ser levados a pensar, este peixe tem só dois olhos. No entanto, cada olho é uma estrutura dupla, que se projeta acima da linha da água. Os olhos são atravessados por uma linha pigmentada que os divide em duas metades, quando o animal se desloca na superfície da água essa linha coincide com a superfície da água. continuar Ler mais Voltar ao início
  • 11. QUATRO OLHOS (continuação) •A córnea está assim dividida numa zona superior, fortemente convexa e numa zona inferior, plana; a íris possui duas projeções que dividem a pupila em duas. Os cristalinos são ovais e funcionam como óculos bifocais: a parte superior é própria para ver no ar e a parte inferior para ver na água. •Apresenta dimorfismo sexual distinguindo-se o macho pela presença de um gonopódio (barbatana anal modificada para poder realizar a transferência de esperma par o interior da fêmea). As fêmeas podem atingir 30 cm e os machos 25 cm. continuar Voltar ao início
  • 12. QUATRO OLHOS (continuação) Habitat: Pode ser encontrado em águas doces ou salobras, frequentemente em mangais; está adaptado ás variações do nível de água e salinidade provocadas pelas marés e pode permanecer fora de água por algum tempo (as peitorais são musculadas e permitem algum suporte). O peixe nada na superfície da água, com metade de cada um dos olhos submersa, e usa os dois tipos de visão ao mesmo tempo, desloca-se muitas vezes em cardume. Distribuição: Vive nos rios do México, da América Central e do norte do Brasil. continuar Voltar ao início
  • 13. QUATRO OLHOS (continuação) Alimentação: Passam a maior parte do tempo à superfície e a sua dieta são essencialmente insetos que caem na água, mas também capturam outros invertebrados e pequenos peixes. Reprodução: A fecundação é interna, curiosamente, machos e fêmeas possuem os seus orgãos sexuais orientados, ou para a direita, ou para a esquerda. Devido a este facto, os machos destros apenas podem copular com fêmeas sinistras e, vice-versa. São ovovivíparos a gestação dura 3 meses. As crias, um reduzido numero, nascem com 4-5cm e a aparência dos adultos. Estatuto de ameaça: Quase ameaçada. Muitos exemplares são capturados para: alimentação, aquariofilia e pesquisa médica. continuar Ler mais Voltar ao início
  • 14. QUATRO OLHOS (continuação) Curiosidades: A capacidade de ver simultaneamente dentro e fora de água não é encontrada em nenhum outro vertebrado. São úteis no combate de doenças propagadas por mosquitos pois consomem-nos em grande número. MITOS Segundo o Padre António Vieira este peixe tem como virtude a vigilância pois olhava diretamente para cima das águas, para Deus, e para baixo, para o Inferno, conseguindo assim situar-se no mundo. A biologia deste animal não está totalmente de acordo com essa conceção, não há dúvida que é de cima que lhe vem o alimento, mas o inferno também pode materializar-se na forma de uma ave predadora. Ler mais Voltar ao início
  • 15. TREMELGA Nomes-comuns: Torpedo, tremedeira, treme-mão ou tremelga. Grupo taxonómico: Filo: Chordata Classe: Chondrichthyes (peixes cartilagíneos) Ordem: Torpediniformes Família: Torpedinidae Características: •Corpo mole e flácido, achatado, cuja cabeça, tronco e barbatanas peitorais alargadas formam um disco mais ou menos circular. •Face dorsal cinzenta ou castanho clara na, por vezes com 5 ocelos azuis, simétricos. continuar Voltar ao início
  • 16. TREMELGA (continuação) •Gera eletricidade através dos órgãos elétricos (tecidos musculares modificados) que libertam energia para o meio ambiente. Surge assim, à volta do peixe, um campo elétrico que, ao ser modificado pela presença de um corpo estranho, alerta o peixe e este emite uma descarga elétrica. A potência de descarga aumenta com o tamanho dos indivíduos (pode atingir 200 volts). Os órgãos elétricos possuem células que se começam a desenvolver no embrião e ficam funcionais antes do nascimento. •60 cm a 1,8 m de comprimento. Habitat: Fundos móveis, normalmente junto da costa, embora possa descer até aos 150m. continuar Voltar ao início
  • 17. TREMELGA (continuação) Alimentação: Peixes pequenos e crustáceos. Reprodução: São vivíparos e aplacentários. O período de gestação é de cerca de um ano. Na altura do nascimento medem 8-10 cm de comprimento. Dependendo do tamanho da fêmea podem nascer 3-20 crias. A maturidade sexual ocorre quando os machos atingem 19 cm de comprimento e as fêmeas 26 cm. Estatuto de ameaça: Não conhecido Curiosidades: Este peixe foi usado na medicina pelos antigos Romanos e Gregos devido às propriedades elétricas para tratamento de dores musculares. Antes do século XIX o óleo do seu fígado foi usado como combustível, para iluminação. Voltar ao início
  • 18. RÉMORA Nomes-comuns: Rémora, pegador, peixe-piolho, agarrador. Grupo taxonómico: Filo: Chordata Classe: Osteichthyes (peixes ósseos) Ordem: Perciformes Família: Echeneidae (apenas 8 espécies) Características: •Cabeça larga e achatada com um disco oval com lâminas transversais (16 a 20 pares), inclinadas para frente. Quando pressionadas contra o hospedeiro, as lâminas formam vácuo, garantindo a fixação. Quando se movem para a frente, empurram as lâminas para baixo, libertando-se. Assim, quanto maior a velocidade do hospedeiro, maior será o vácuo e a aderência. continuar Voltar ao início
  • 19. RÉMORA (continuação) •Há espécies com hospedeiros específicos, mas outras são generalistas, fixando-se a várias espécies de animais maiores. Podem ser encontradas de uma a dezenas num único hospedeiro (tartarugas, golfinhos, baleias, atuns, tubarões, etc.) Os adultos são geralmente encontrados no corpo dos hospedeiros, os jovens e as espécies menores podem ser observados na cavidade branquial, espiráculos, cloaca e mesmo na boca. •Corpo alongado e delgado. •Cor cinzento-escura ou cinzento acastanhada. •Algumas espécies têm tamanho reduzido (cerca de 42 cm de comprimento), outras podem atingir os 2 m. •aproveitam o movimento do hospedeiro para se movimentarem, conseguindo assim uma poupança de energia significativa. continuar Voltar ao início
  • 20. RÉMORA (continuação) Habitat: Regiões tropicais (tanto em zonas costeiras como fora destas) e com águas de temperatura elevada, a uma profundidade que varia entre os 20 e os 50 metros. Alimentação: pequenos crustáceos (caranguejos), lulas, ou peixes pequenos, mas principalmente dos restos das refeições e dos parasitas da pele do hospedeiro. Reprodução: A desova ocorre na primavera e no verão. Quando os embriões saem do ovo medem entre 0,45 e 0,75 cm, e normalmente vivem até um ano a nadar livremente até formarem o disco oval na cabeça e desenvolverem a dentição. Quando atingem aproximadamente 3 cm de comprimento fixam-se a outros peixes. Estatuto de ameaça: Não ameaçados, devido à sua abundância um pouco por todo o globo. Não têm predadores nem parasitas conhecidos. continuar Voltar ao início
  • 21. RÉMORA (continuação) Curiosidades: Em certos locais do mundo, a rémora é utilizada como “aparelho de pesca” - os pescadores amarram a cauda da rémora a uma corda e lançam-na à água. Assim que esta se fixa a um hospedeiro, o pescador recolhe-a e fica com o animal ao qual a rémora se fixou. MITOS Dada a diferença de porte, são incapazes de causar desvios na rota dos hospedeiros. Ainda mais difícil seria impedir ou perturbar a navegação dos barcos. A rémora não é um parasita do tubarão. A rémora obtém proteção e alimento dos hospedeiros e desparasita-os. Esta associação é benéfica para ambos. Estes peixes têm tanto a capacidade de se pegarem aos animais como de se despegarem, portanto não morrem se o seu hospedeiro morrer. Voltar ao início
  • 22. POLVO POLVO Filo: Mollusca Classe: Cephalopoda Ordem: Octopoda Subordem Cirrina (5 famílias) e Subordem Incirrina (9 famílias) Características: •O polvo é um molusco marinho. Tem corpo mole sem esqueleto interno. •Possui oito braços, com fortes ventosas, dispostos à volta da boca. •Como meio de defesa, possui a capacidade de largar tinta, camuflagem (conseguida através dos cromatóforos) e autotomia de seus braços. •Possui visão binocular e olhos que permitem a perceção da cor. continuar Voltar ao início
  • 23. POLVO (continuação) •Atingem normalmente os 10 Kg de peso e mais de 1 metro de comprimento. •Os polvos possuem 3 métodos de defesas: a tinta; a camuflagem (que também pode ser considerada método de ataque) e a autonomia com os braços. •Os polvos libertam uma densa nuvem de tinta, composta por melanina, que possibilita a fuga. Esta tinta para além de ser escura, possui cheiro, que faz com que o olfato de predadores, como o tubarão, fique confuso. •Podem alterar a sua cor e opacidade da pele, através de células especializadas. A mudança de cor também está envolvida com o aviso a outros polvos, de que estão em perigo ou que se aproxima outro predador. •As suas ventosas são equipadas com quimioreceptores o que permite que possam sentir o gosto do objeto em que tocam. continuar Voltar ao início
  • 24. POLVO (continuação) Reprodução: No polvo o dimorfismo sexual é pouco significativo, sendo o macho menor que a fêmea. A reprodução é sexuada e inicia-se com um ritual de acasalamento que pode durar várias horas ou dias. Quando a fêmea está pronta para a fecundação liberta uma substância que além de atrativa, previne que o parceiro sexual a devore (o canibalismo é comum em várias espécies de polvos). O acasalamento realiza-se através do hectocótilo (braço modificado dos machos dos cefalópodes que durante a cópula é usado para transferir os espermatozoides. Dependendo da espécie, a fêmea deposita os ovos fecundados num "ninho" em fileiras ou isoladamente que podem atingir até 200.000 ovos. continuar Voltar ao início
  • 25. POLVO (continuação) Durante a maturação dos ovos, a fêmea cuida deles, evitando que algas e outros organismos os ataquem, deixando de se alimentar. Também facilita a circulação de correntes de água para favorecer a oxigenação. Durante esse período a fêmea não se alimenta e normalmente morre pouco depois dos ovos eclodirem. O macho morre num período de alguns meses após a cópula. Alimentação: Todos os polvos são predadores e alimentam-se de peixes, crustáceos e outros moluscos, que caçam com os braços e matam com o bico quitinoso. Habitat: O polvo é uma espécie com uma vasta distribuição mundial, ocorrendo nas águas tropicais, subtropicais e temperadas, desde as zonas das marés até profundidades elevadas. Normalmente vivem escondidos em fendas, conchas vazias de moluscos ou aglomerados de algas. Voltar ao início