Dizjornal136

506 visualizações

Publicada em

Edição 136 Diz Jornal

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
506
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dizjornal136

  1. 1. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com Edição Online Para Um Milhão e Oitocentos Mil Leitores Zona Sul, Oceânica e Centro de Niterói16 Mil Exemplares Impressos D i r e t o r R e s p o n s á v e l: E d g a r d F o n s e c a Circula por 15 dias VanessaRossi-BelezaWagnerRaiol-foto:JulioCerino 1ª Quinzena Nº 136 de Setembro Ano 08 de 2015 Diz: Todo Mundo Gosta Página 03 da Rede Hospitalar A Realidade Grande Niterói. Pública da
  2. 2. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 2 Cultura Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Ansiedade Anuncio Módulo 1A ANUNCIE AQUI R$ 200,00 Por inserção ou 12 inserções por R$ 1.080,00 em 6 mensais de R$ 360,00 EDITORA DizDiz3628-0552 • 3628-5252 www.dizjornal.com Edição de Livros sem Custo Particularmente, já estou me preparan- do para o Oscar 2016. Até porque, diversos filmes lançados nos últimos meses do ano é que, em geral, compõem a disputa. É claro que, alguns levam tempo para chegar no Brasil. Muitas vezes, só te- mos a chance de assistir ao filme depois da premiação, que ocorre no final do primeiro trimestre, entre fevereiro e março. Pois bem, uma das minhas apostas chama-se “Freeheld”. Película bastante polêmica, cujo cartaz provisório estampa os dizeres: “Uma história real de amor e injustiça”. Trata-se, pois, de um drama que acompanha a dura caminhada de uma policial – interpretada magistralmente por Julianne Moore (“Minhas Mães e Meu Pai” e “Ensaio Sobre a Ce- gueira”) – em estágio terminal de câncer. A mesma, além de lutar contra a enfermidade, passa seus últimos momentos de vida ten- tando garantir que sua companheira, vivida por Ellen Page (“A Origem” e “Para Roma, com Amor”), receba pensão após sua morte. Além de ter que brigar contra uma doença tão covarde como o câncer, a mesma terá de passar seus últimos dias protagonizando uma verdadeira guerra na justiça visando conquis- tar igualdade de direitos. Mais polemico e atual que isso, impossível! A previsão de es- treia é para o próximo dia 8 de outubro. Outro filme no qual aposto fichas para o Os- car 2016 é a adaptação de Macbeth. Este clássico shakespeariano foi exibido no último Festival de Cannes. Encabeçam o drama Michael Fassben- der (“Bastardos Inglórios” e “Prometheus”), como o general traidor que deseja ser rei a qualquer custo, e Marion Cotillard (“Fer- rugem e Osso” e “Con- tágio”) na pele de sua manipuladora esposa. A previsão de chegada do filme ao Brasil é para o dia 19 de novembro. Porém, há também os filmes que, possivel- mente estarão escalados no Oscar de 2017. Sim, eu posso estar exagerando em minhas previsões, entretanto, conhecendo o gosto da Academia de Cinema, sabendo os temas mais favoráveis e dando uma olhada afinada no diretor e no elenco, consigo fazer algu- mas previsões - mesmo que premeditadas. Esta película que destaco tem fulcro em fatos ocorridos durante a Segunda Grande Guer- ra. Um casal trabalhava no Jardim Zoológico de Varsóvia quando o exército nazista alemão invadiu a Polônia em 1939. Mesmo a cidade sofrendo grandes danos após a invasão, os dois permaneceram no local e começaram a contribuir para a resistência. Eles passaram a esconder judeus dentro da área desativada, salvando, dessa forma, a vida de muitos de- les. O filme deverá ser lançado com o titulo homônimo ao do livro que lhe deu origem “O Zoológico de Varsóvia”, escrito por Dia- ne Ackerman. Esta produção terá as grava- ções iniciadas neste mês de setembro, sobre a tutela do diretor Niki Caro (“Terra Fria” e “Encantadora de Baleias”). No elenco primo- roso, teremos Jessica Chastain (“A Hora Mais Escura” e “Histórias Cruzadas”) e Daniel Brühl (“Adeus, Lenin!” e “Edukators”) como os protagonistas. É ou não é um fortíssimo candidato a uma estatueta muito em breve? Tangenciando um pouco o tema “Oscar”, porém, tratando ainda das minhas “previ- sões de bons filmes”, mal posso esperar para assistir a “A Festa de Despedida”. Lendo assim, apressadamente, poderíamos julgar errado essa produção israelense. Entretanto, o tema é de uma densidade sem igual. Imagi- ne diversos idosos, todos moradores de um asilo... Imagine também que eles mesmos in- ventam uma máquina de eutanásia para aju- dar seus amigos que se encontram em con- dições críticas. A invenção é, digamos assim, “bem sucedida” e a informação de que ela existe corre como rastro de pólvora, fazendo com que inúmeros interessados apareçam, desejando poder utilizá-la. Adoro quando o cinema aborda temas polêmicos como este. A crítica internacional ovacionou de pé e eu mal posso esperar para aplaudi-lo também! Dizem que “depressão é excesso de pas- sado, ansiedade é excesso de futuro e que o presente é a chave para a cura de todos os males”. Bem, como o passado já se faz morto e o presente está bem morno, prefiro sofrer de ansiedade e viver imaginando um futuro melhor. E já que politica e economicamente será di- fícil conquistar uma perspectiva positiva para 2016, vou devanear e me deliciar apenas com as conjunturas cinematográficas dema- siadamente positivas. Estas, certamente, me farão sorrir no ano vindouro. Amém! - A Sociedade Fluminense de Fotografia/ SFF já possui uma sala de aula com o nome do consagrado fotógrafo Chico Nascimen- to. Bela homenagem! - O 20º livro deste colunista, “Palavras In- tensas” - haicais onomásticos, será lançado no dia 20 de setembro, domingo, a partir das 10 horas da manhã, na Praça Getúlio Vargas, Icaraí. Esta proposta poética faz parte da “Trilogia das Palavras”. Primeiro publiquei “Palavras Pintadas”; agora, este segundo: “Palavras Intensas”; e, para bre- ve, fechando o ciclo, o terceiro, “Palavras Guardadas”. Então, marque na sua agenda e compareça!!! O evento faz parte do proje- to cultural “Escritores ao ar Livro”. - Vem aí a XVII Bienal Internacional do Livro Rio! De 3 a 13 de setembro, no Riocentro. Im-per-dí-vel!!! - O Espaço UFF de Fotografia apresenta “Devaneios Portucalenses”, de Vitor Vogel, até 13 de setembro. Visitação: de 2ª a 6ª, das 10 às 21 h; sáb. e dom., das 13 às 21 h. Local: Centro de Artes UFF (Rua Miguel de Frias, nº 9 - Icaraí). - “Rabiscos da Alma” é a exposição do jor- nalista Mario de Sousa, com curadoria de P.R.Cecchetti, que acontece na GLIA (Rua Nilo Peçanha, nº 142 - Ingá - Niterói), no período de 15 de setembro a 02 de ou- tubro de 2015. O vernissage acontece dia 14 de setembro, 2ª feira, às 19 horas. Vale conferir. - A fotógrafa Sylvia Coelho é uma das in- tegrantes da exposição “Feira Moderna” que acontece na Sociedade Fluminense de Fotografia (Rua Dr. Celestino, nº 115 - Centro), sob curadoria de Alcyr Cavalcanti. A exposição acontece durante o mês de setembro, com vernissage no dia 03/9 , a partir das 19 horas.
  3. 3. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 3 Documento dizjornal@hotmail.com Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores A Realidade da Rede Hospitalar Pública da Grande Niterói A saúde pública no Brasil é um problema que atinge a todos. Mesmo nos estados mais desenvolvidos as dificuldades persistem, pois todos pertencem ao mesmo controle e se nutrem da mesma fonte que é o “Sistema Único de Saúde” o popular SUS. Fica sempre a pergunta: se uns conseguem melhorias significativas, qual a razão de outros serem tão deficitários e chegam a situações de verdadeiro desespero? A questão é mais complexa e nem sempre existe apenas uma razão. São diversas questões que convergem para o mesmo núcleo de dificuldades. Muitos dizem que é mera questão de gestão. Sintetizando até faz sentido se atribuirmos a cada dificuldade uma causa administrativa. A dificuldade vai das regras de partilha de recursos até a economia de uso de alguns insumos básicos. Neste emaranhado de problemas todo esforço e todo afrouxamento faz diferença. Um município como Niterói, que tem um alto índice de escolaridade e de renda média entre os maiores do país, dá para fazer uma avaliação dentro do parâmetro de “gestão”. Num passado mui- to recente, mais especificamente na gestão do PDT, onde o secretário de Saúde era o médico Gilson Cantarino, a cidade chegou a níveis de qualidade invejáveis. Dizia-se e era comparado a padrões europeus, como Suécia e Noruega. Foi um período de mui- tos projetos vitoriosos, inclusive da criação do “Médico de Família”. Mesmo as pessoas de melhor renda usavam o sistema público de Saúde, pois era conveniado com institui- ções particulares de qualidade e se torna- va atraente e acessível a todos. Marcava-se uma consulta em curtos espaços de tempo e o atendimento tinha uma precisão “britâ- nica”. Qualquer cidadão, mediante de uma requisição de exame municipal, entrava em qualquer laboratório de analises, fazia todos os procedimentos e a conta ia para a secre- taria de Saúde que pagava pontualmente. Era uma gestão modelar, o que prova que é possível este exercício e prática funcional. Os problemas nessa área são muito antigos, mas agravados sensivelmente nos últimos 12 anos, pela má gestão petista nacional , que desperdiçou recursos, priorizou o apa- relhamento das instituições por partidários e apaniguados, quase sempre sem a qualifica- ção necessária para a função. A prioridade foi “acomodar” sindicalistas e afilhados do projeto de poder, sem a menor preocupa- ção com resultados e consequências para a população. Chegamos à atual realidade caó- tica e a população atordoada não consegue entender e nem diferenciar as instituições. Nesta matéria tentaremos criar um panora- ma que facilite o entendimento de todos. Em primeiro lugar existem na cidade de Ni- terói representações hospitalares das três instâncias. Federal, Estadual e Municipal. É importante entender cada realidade e a quem pertence cada instituição. Para começar, o único hospital de caráter federal é o Hospital Antônio Pedro, que é um hospital-escola, que tem como mantene- dor principal o Ministério da Educação, via Universidade Federal Fluminense. Existem equívocos, quando afirmam que a prefeitu- ra de Niterói “ajuda” a manter o hospital. Na verdade o único vínculo é o do repasse de verbas que já são destinadas pelo SUS, e que a prefeitura faz meramente a entrega da verba. O Hospital Universitário Antônio Pedro não tem qualquer dependência ou obrigação hierárquica com o município. Neste momento, este Hospital Escola atra- vessa uma grande dificuldade. Nos últimos anos, desde a gestão do professor Tarcísio Rivello, a instituição, até então usada indis- criminadamente para atendimento de todos e sem a contrapartida necessária para o seu funcionamento, foi administrativamen- te reformada. Condutas foram mudadas, reformas físicas foram implementadas e a condição de hospital-escola de excelência foi reposta. A emergência passou a ter aten- dimentos referenciados. Ou seja, o paciente é admitido após passar por exame e avalia- ção em outra entidade médica. A emergên- cia continua, apenas de forma seletiva para manter a qualidade do atendimento e fazer o papel real de ensinamento da profissão médica dentro de padrões corretos. Assim, a entidade atingiu a um grau de excelência hospitalar, como uma escola médica deve ser. Todo este trabalho está sendo posto em risco neste momento por atraso dos repas- ses financeiros e recursos humanos. Com estas dificuldades federais a instituição so- fre de desabastecimento e encontra-se em estado crítico, sobrevivendo por um esforço de gestão e empenho de idealismo de co- laboradores, alguns pertencentes ao quadro da instituição e outros que colaboram atra- vés da ACHUAP (Associação dos Colabo- radores do Hospital Universitário Antônio Pedro). As questões deste hospital nada têm a ver com modelo de gestão. Suas dificuldades são de caráter de abastecimento e recur- sos, que são destinados pelo Governo Fe- deral que neste momento descumpre a sua parte. Se persistir este quadro, no final do ano quando as indústrias e distribuidores de insumos médicos fazem uma pausa, poderá haver um desabastecimento total destes in- sumos (que são comprados através de pre- gão) e o hospital terá que parar por absoluta falta de meios para o funcionamento. Consultamos o vereador Paulo Eduardo Go- mes, presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores de Niterói, para que ele desse o seu parecer diante da situação hospitalar do município. Ele fez severas crí- ticas ao Hospital Municipal Carlos Tortely (CPN) quando diz unidade sofre a falta de tudo, com profissionais contatados por RPA, e é a única emergência de portas abertas da Rede Municipal. Fomos checar as informa- ções. Realmente é carente de estrutura e parece desprovido de controle. Mais parece uma embarcação que anda empurrada pelo vento e sem rumo. Ouvimos de um funcio- nário que não quis se identificar: “isto aqui é muito difícil, até para trabalhar. Sempre falta alguma coisa. É triste e não estimula...” Paulo Eduardo chamou o Hospital Getúlio Vargas (Getulinho) de farsa: “já que a pro- paganda oficial diz que a emergência foi rea- berta, mas, na prática, funciona improvisada num contêiner há dois anos”. Checamos e realmente é um serviço muito precário. O Hospital Orêncio de Freitas já teve dias de glória e era considerado um dos melhores do Estado. E hoje, (pelo que constatamos) reflete a fala do vereador: “As cirurgias feitas hoje no Orêncio de Freitas não atendem o que a cidade precisa e muito menos o que deveria ser feito pelo hospital pediátrico. São feitas apenas pequenas cirurgias eleti- vas… Como se não bastassem essas preca- riedades, a falta de medicamentos e insumos em geral vem tomando proporções cada vez maiores na cidade e levando pessoas a óbito diariamente, em especial nos CTIs e UTIs. Fizemos uma Representação ao Ministério Público e estamos juntando elementos para buscar responsabilizar os gestores da saúde municipal pela falta constante de medica- mentos em toda a rede.” Já na Rede Estadual o Hospital Azevedo Lima foi uma das discordâncias que encontramos na fala do vereador. Ele acusou o hospital de só receber na emergência pacientes re- ferenciados. A nossa reportagem foi para o HAL e permaneceu na porta de entrada por duas horas. Não houve qualquer ocorrên- cia de impedimento de acesso ou pedidos de referências. Encontramos o hospital com as portas abertas e em perfeitas condições de funcionamento. Buscamos informações e recebemos da assessoria os seguintes da- dos: O Azevedo Lima tem portas abertas, e os números de atendimentos e internações respondem a estas acusações. Fora isto, faz 2.200 tomografias mês, internamente e para outras unidades de saúde. A maternidade faz em média 260 partos por mês e é a úni- ca de atendimento para alto risco em toda Região Metropolitana 2. Realmente encon- tramos um hospital em movimento pleno, fazendo obras e com várias intervenções de reformas físicas e sem queixas de funcioná- rios - como encontramos nos outros hospi- tais da Rede Municipal. O Azevedo Lima foi de todos os hospitais visitados por nós o de melhor aparência, dinâmica, movimentação e ausência de atritos com familiares durante toda a nossa verificação. Nenhuma ocorrên- cia negativa. Quanto as UPAS, o vereador Paulo Eduar- do Gomes nos relatou que o tempo médio para atendimento era de 6 horas. Fizemos uma verificação na UPA do Fonseca; esta- tisticamente, pelo menos no período em que ficamos na unidade, o tempo para atendi- mento variou muito, dependendo da gravi- dade aparente dos pacientes. Nos quadros relatados com mais problemas foram aten- didos num prazo médio de 15 minutos; e os mais corriqueiros num prazo médio de 45 minutos. Verificamos também o Hospital Alberto Tor- res (estadual) em São Gonçalo, para onde também são mandados pacientes de Niterói e de todo entorno. O hospital mostrou-se em funcionamento pleno, organizado e dos relatos ouvidos de funcionários e familiares de pacientes, todos deram boas referências, e muito poucas insatisfações, que podería- mos classificar como “ânimos familiares al- terados pelo estresse”. O mesmo não pode- mos dizer da Rede Hospitalar Municipal de São Gonçalo. Acumula problemas e neces- sita urgentemente de uma nova política de administração. Numa síntese comparativa a Rede Estadual em Niterói e em São Gonçalo encontra-se bem melhor que as dos dois municípios.
  4. 4. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 4 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. R Otavio Carneiro 143/704 - Niterói/RJ. Diretor/Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição, circulação e logística: Ernesto Guadelupe Diagramação: Eri Alencar Impressão: Tribuna | Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz R. Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ - Tel: 3628-0552 |9613-8634 CEP 24.020-270 dizjornal@hotmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! Nutrição clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara PetrucciEdição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Benefícios do Chá Ochá pode ser um grande aliado para sua saúde quando tomado adequadamente. Possuímos uma gama gigantesca de opções e indicações de chás. Chá que acalma, que acelera, que emagrece, digestivo, tônico, refrescante.... Ufa! E não citei nem a metade! Bom, os chás são infusões feitas com fo- lhas, flores, cascas, e com água morna. Sim, água morna; a água não deve ser fervida. Deve estar quente o suficiente para que a determinada planta libere suas propriedades e sabor na água, mas, se a água estiver fervendo, muitos compostos benéficos a saúde podem ser inativados. Outro hábito que deve ser levado em conta é o momento que o chá vai ser tomado. O ideal é que ele seja tomado isolada- mente e não junto com alguma refeição. Primeiro que o próprio chá pode com- prometer a absorção de alguns nutrien- tes do alimento ingerido concomitante e sua ação em si pode ser comprometida. Chás da moda como hibisco e chá-verde, são ricos em antioxidantes e aceleram o metabolismo, porém, possuem ação diuré- tica, o que pode ser prejudicial a saúde em geral se tomado em excesso. Chá de centella asiática tem excelente ação tônica e ajuda a desinflamar o organismo, sendo muito utilizado no auxílio do trata- mento da celulite. Existem muitos recursos naturais que tra- zem inúmeros benefícios a saúde, se utili- zados de forma correta. E não pense que só porque é natural pode ser tomado in- discriminadamente! Tudo depende da sua dose e do seu organismo. Por isso, procure um nutricionista, converse com ele quais recursos podem ser utilizados na sua dieta, e que chás podem ser incluídos como alia- dos nesta metodologia. Sem contar que é uma delicia! Quente ou frio abraçam alma da gente! Ah! Os de caixinha não contam, tá? A maioria possui maltodextrina e açúcares em geral; por isso confira os rótulos e peça ajuda ao seu nu- tricionista para saber qual a melhor opção para você. Bom chá! Debate Sobre Caio Martins e o Botafogo No próximo dia 14, às 18 horas, na Câmara de Vereadores de Ni- terói será discutida com a população a possibilidade do Botafogo de Futebol e Regatas voltar a usar o Estádio Caio Martins para partidas do Campeonato Carioca de 2016. A audiência pública será presidida pelo vereador Luiz Carlos Gallo de Freitas (PROS), autor do pedido, e terá a participação de representantes da Prefeitura de Niterói, da diretoria do Botafogo e da Polícia Militar. “Queremos avaliar o impacto que a possível volta dos jogos do Carioca do ano que vem pode trazer para a cidade. Questões sobre o tráfego, o controle urbano e a segurança pública serão discutidas, assim como a con- trapartida que o Botafogo pretende oferecer à cidade.” Falou o vereador Gallo. “Olhar o Mar” Será no dia 10 de setembro, quinta feira, às 18h30min, o lan- çamento do livro “Olhar o Mar”, de Maria Caú. É um en- saio que traz importante contribuição para os estudos de cinema e literatura ao dialogar com as obras de dois importantes autores: Woody Allen e Philip Roth. Maria é mestre em Literatura Comparada, graduada em Cinema, é adepta pertinente e assídua de café, Beatles, viajar, cinema e em conversas longas sobre assuntos improváveis. O evento ocorrerá no Cine Botequim, um ambiente que incorpora ao espírito boêmio o universo fascinante do cinema mundial, O endereço é: Rua Conse- lheiro Saraiva, 39 – Centro do Rio de Janeiro. Módulo Patrocínio 1 Anuncie Aqui R$ 150,00Por inserção ou 12 inserções por R$ 1.440,00 em 6 mensais de R$ 270,00 Moção de Aplausos Overeador Bruno Lessa PSDB (foto) entrega Moção de Aplausos ao atleta Pedro Paulo Neves da Silva, morador do Morro do Cavalão, em Niterói. Conquistou o ouro no salto à distância nos jogos do Parapan-Americanos 2015, de Toronto, no Canadá. vereador Luiz Carlos Gallo de Freitas Distribuidora Guadalupe 25 Anos de bons serviços Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - Encartes Demonstração de Placas Sinalizadoras Entrega de Encomendas e Entregas Seletivas Niterói - Rio de Janeiro - São Gonçalo - Itaboraí - Magé - Rio Bonito - Maricá - Macaé eguada@ar.microlink.com.br guada@ar.microlink.com.br 99625-5929 | 98111-0289 3027-3281 | 2711-0386 (sec.elet. 7867-9235 ID 10*73448 DG
  5. 5. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 5 InternetLaio Brenner - dizjornal@hotmail.com Travou e Agora? D epois de algum tempo de uso, celulares costumam sofrer con- gelamentos repentinos. O tra- vamento pode acontecer por falta de memória para rodar o volume de dados armazenado no aparelho ou significa que ele precisa de um upgrade no sistema. As atualizações dão aos smartphones condições de gerenciar melhor arquivos, aplicativos, fotos, vídeos e tudo mais que estiver guardado na memória. Estes são apenas alguns motivos que po- dem fazer o seu celular travar constante- mente. Ainda há telefones que param de responder por causa de aplicativos e até pela presença de vírus. Na coluna desta edição aponto alguns motivos que podem ser a origem do problema. • Memória insuficiente – Existem apli- cativos que facilitam o dia a dia e isso é motivo para que o usuário se renda a eles. Tantos apps no celular costumam resultar em travamentos. Aquela mensagem de “memória insufi- ciente”, exibida quando mais um aplica- tivo é barrado no telefone, é apenas um sinal de que tem dados demais. Para se livrar do problema desinstale os ORAÇÃOASANTO EXPEDITO Festa 19 de abril. Comemora-se todo dia 19 Se vc. está com algum , precisa de , peça a Santo Expedito. Ele é o Santo dos Negócios que precisam de pronta solução e cuja invocação nunca é tardia. Problema Difícil e aparentemente sem Solução Ajuda Urgente ORAÇÃO Obrigado. : Meu Santo Expedito da Causas Justas e Urgentes, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero. Intercedei junto ao Nosso Senhor Jesus Cristo! Vós que sois o Santo dos Aflitos, Vós que sois o Santo das Causas Urgentes, protegei-me, ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade. Atendei o meu pedido: (fazer o pedido) Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis, protegei-me de todos que possam me prejudicar; Protegei minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a Paz a Tranqüilidade Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos que têm fé. Rezar 1 Padre Nosso,1 Ave Maria e Fazer o sinal da cruz. “para que os pedidos sejam atendidos é necessário que sejam justos”. Agradeço a Santo Expedito a Graça Alcançada.Santo Expedito Dr. Helder Machado Urologia Tratamentode Cálculo Renal a Raio Laser Rua Dr. Celestino, 26 Centro - Niterói. Tels:2620-2084 /2613-1747 Clínica Atendemos UNIMED eParticular Atendimento 24H pelo tels: 8840-0001e9956-1620 Apps que não são mais usados. Também é indicado limpar o cache e os dados dos aplicativos que são usados com frequên- cia. Estas medidas vão ajudar a liberar uma parte significativa da memória do aparelho. • Sistema operacional desatualizado - Um sistema desatualizado também pode causar lentidão e travamentos, já que as atualizações servem para corrigir falhas. Para resolver, vá na seção de configura- ções, busque a opção “Sobre o telefone” e depois ”Atualizar Sistema”. • Aplicativos de plano de fundo - Mui- tos aplicativos agem em segundo plano, como os papéis de parede e outros servi- ços que funcionam mesmo que o usuário não esteja com sua interface aberta, e po- dem ser o motivo para que o telefone dê algumas engasgadas. Dependendo da quantidade, estes Apps consomem muita memória e exigem mais atividade do sistema operacional de for- ma “escondida”. O sistema, então, não aguenta o tranco e para de funcionar. A solução: se não são importantes, delete- os. • Reset - Atualizações de aplicativos também podem resultar em travamentos. Para eliminar o problema, basta resetar o telefone, reiniciando-o para que a atuali- zação seja efetivada. Outra alternativa é desligar o telefone e aguardar por volta de cinco minutos para ligá-lo novamente. • Formatação - Assim como acontece no computador, uma formatação pode elimi- nar arquivos problemáticos e aplicações desnecessárias no celular. Antes de for- matar, é indicado fazer um backup para garantir que nenhum dado seja perdido. Bem, essas são apenas algumas das inu- meras causas para travamento nos celu- lares. A solução nem sempre é simples e cabe ao usuário achar uma forma de destravar seu amado cel! Inte!!!
  6. 6. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 6 Edgard Fonseca edgard.fonseca22@hotmail.com Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Que Obra é Essa? N inguém discute ou se opõe a re- alização de obras. São melhora- mentos necessários e contribuem para saltos maiores no futuro. Entretanto, é também sabido que determinadas obras exigem um planejamento mais apurado pelo grau de dificuldade apresentados as possíveis consequências colaterais. Esta tão decantada obra de remodelação da Rua Moreira César em Icaraí já vem sen- do discutida há anos e seria esperado que as decisões sobre ela envolvessem as medi- das sensatas e de cuidados, por se tratar da via de maior volume comercial da cidade. Podemos dizer que a Moreira César é o co- ração comercial da cidade, principalmente pelo volume de negócios, padrão das lojas e indiscutivelmente pelo maior recolhimen- to de impostos em todos os níveis. Para começar, teria que ser gerida e adminis- trada por um Conselho de Lojistas, dado a importância e possíveis com sequencias deste movimento. A prefeitura executa as obras mas, alinhada aos acordos com a classe lojista. Aí vão dizer que é assim que se processa e que os lojistas “estão no co- mando”. Conversa mole e basta conversar com inúmeros lojistas da rua que eles dirão que não possuem poderes gestão de abso- lutamente nada. A bem da verdade a prefeitura reina ab- soluta e usa a obra como uma grande ou- tdoor de propaganda. É mostrar escancara- damente para população que “faz obras”. Obras de marketing como de resto são as maiores realizações desta administração. Basta ver os milhões que são gastos em marketing e propaganda enquanto um hos- pital municipal de emergência como o Car- los Tortely (CPN) parece com um campo de refugiados de guerra e na mais absoluta pobreza. Quem quiser ver, basta ir até lá. Não sou eu que estou querendo criar ima- gens. Está lá! E não dá para maquiar em pouco tempo. Quanto a representação lojista, que deveria estar tomando as dores dos colegas, nada fazem e nem podem. O Fabiano Gonçal- ves, presidente da CDL, desde a campa- nha eleitoral está vinculado ou submisso ao prefeito. Inclusive de forma indevida e ilegal, ofereceu as instalações da entidade para ser um grande Comitê Eleitoral. Na verdade foi o quartel general da campanha. Recebeu como prêmio uma secretaria. De- veria ser uma grande secretaria e útil à clas- se: “secretaria de Desenvolvimento Econô- mico”. Mas nada faz, além de projetinhos de interesse eleitoral do Fabiano que sonha ser vereador e usa em benefício próprio uma instituição do porte da CDL, que é um grande coletivo, submetido às vontades primárias do seu presidente. Vai defender a classe? Nunca! Vaidosamente vai repetindo um claudicante discurso de pré-candidato. Vai ser um fracasso se assim Deus é justo! Luiz Paulino Moreira Leite, presidente da Associação Comercial. Bom sujeito, ho- mem de bem, um gentleman. Também tem uma secretaria. Mas convenhamos: é uma secretaria de caráter político e “simplesi- nha”. Os maiores interesses de Luiz Paulino estão no Paraná, onde está a sua empresa ( que vai bem, obrigado), onde mora com a sua esposa e tem obviamente que tomar conta daquilo que é seu. Dizem que ele fica de lá pra cá e de cá pra lá. Enfim, ele é também um empresário tradicional na cida- de e é o presidente de uma instituição do Rio de Janeiro. Mas, vai tomar as dores dos lojistas? Só se for em outra gestão. Nesta, ele está comprometido na condição de “se- cretário Municipal”. Charbel Tauil, presidente do Sindicato dos Lojistas de Niterói. Não é secretário, mas tem cargo na prefeitura. Se trabalha ou não, eu não sei, mas que não vai se insurgir con- tra o patrão, isso ele não vai... Até porque, se depender de enfrentamento ele não é a pessoa mais habilitada. Sempre muito di- plomático e fala mansa, vai costear o alam- brado e ninguém vai ouvir a sua voz. Pobres lojistas desta cidade. Abandonados, mas também responsáveis por este quadro. Quem cala e permite é também culpado. Deveriam se unir e tomar as rédeas dos seus interesses. Esta turma “milenar” que aí está, só vai cuidar dos próprios interesses. Estão cooptados, como manda o sistema implantado pelo executivo. Todos envolvi- dos e ninguém pode falar nada. E dizem que traficantes é que pegam pesado com a lei do silêncio. O prefeito, sem dar um tiro, submeteu a todos e colocou, da forma mais petista possível, todos no balaio dos benefícios e obediência servil. Enquanto isso, nada acontece. Nem mesmo as obras que deveriam. Se não fosse o interesse de mostra trabalho, esta obra começaria pela Avenida Ari Par- reiras. Viria fazendo um quarteirão por vez. Mas precisam mostrar serviço, atrapalhan- do a vida de quem mora, de quem passa e principalmente de quem vende. Pobres lo- jistas, no meio de uma crise econômica que o PT criou, e ainda vão pagar pelo marke- ting desmedido com suas próprias cabeças se destinos. PR Cecchetti
  7. 7. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 7 Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Posse na Academia Fluminense ADiretoria da Academia Fluminense de Letras está convidando para a Sessão Solene de Posse do Acadêmico Célio Er- thal Rocha como Membro Titular da Classe de Letras, sucedendo o Acadêmico Alber- to Francisco Torres, na Cadeira nº 27, que tem como Patrono Luiz Pistarini.Será em 10 de setembro corrente, às 16 horas, no Auditório da AFL, na Praça da República, nº 7, Centro,Niterói. A saudação ao novo Imortal será feita pelo Acadêmico Sávio Soares de Sousa. Parece Brincadeira Depois do anúncio de que o prefeito de Niterói iria diminuir seu salário e dos de- mais secretários e presidentes de autarquias em 10%, saiu o texto da mensagem do prefeito. Diz: a Mensagem-Executiva 14/2015 (Projeto de Lei 162/2015) reduz, temporariamente, em 10% o salário dos cargos de simbologia SS (subsecretários) da Administração Direta e dos cargos de presidente, vice-presidente e diretores no âmbito das entidades da Administração Indireta. O marketing está feito e o caixa continua intacto. Bolsos plenos e almas lavadas. Tudo como “dantes na terra de Abrantes” Que Cidade é Essa? P oderia ser qualquer pessoa. Por in- felicidade, se avizinha mais por ser uma pessoa conhecida. Mas poderia ser a mulher de qualquer um de nós; e esta grave proximidade faz soar o alarme do medo, da perda da insubsistência. A violência banalizada atingiu a Ana Lucia (foto), mãe de três filhos, mulher do em- presário e politico Sávio Neves. E todos vão se perguntar: como uma se- nhora branca, da sociedade, mulher de um homem que tem poder, primo do senador Aécio Neves, sobrinho do vice-governador Dornelles? Pois é, a violência desenfreada e banalizada atinge a qualquer um. Lamentei e me deprimi, tanto pelo absur- do, quanto pela possibilidade de estar no seu lugar. Que Sávio tenha forças para resistir a este ultraje e os filhos possam livrar-se do estigma da tragédia urbana, numa cidade tão desigual e tão igual na proximidade do sofrimento. Convênio com a UFF Futuros profissionais de saúde, estudantes da Universidade Federal Fluminense pas- sarão pela experiência de acompanhar a rotina das unidades da rede estadual, unindo o conteúdo das salas de aula à prática do dia a dia, graças a um Termo de Cooperação Técnica assinado no último dia 13 entre o secretário de Estado de Saúde, Felipe Peixoto, e o vice-reitor da instituição, Antonio Cláudio da Nóbrega. A assinatura garante a implementação de programa supervisionado curricular. Vasconcelos Torres no PSDB Secretário de Saúde do Estado Felipe Peixoto com vice-reitor da UFF Antonio Cláudio da Nóbrega Rosalvo Vasconcelos Torres assinou ficha de filiação abonada pelo senador Aécio Neves e capitaneado pelo vereador Bruno Lessa
  8. 8. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 8 Renda Fina Aniversariantes da Edição Isabela Blanc Sergio Marinho Liana Saldanha Alexandre Ignácio Luiza Petrucci da Fonseca Leda Mendes Jorge Aidar Edição na internet para Hum milhão e 700 mil leitores Comte Prestigia a AFR Outubro Rosa 2015 Caminhando e Cantando: Memórias da Ditadura Adriana Rettori, Roberto Ricardo de Souza e Janaina BoechatDeputado Comte Bittencourt e administrador AFR Telmo Hoelz Eliana Bueno Ribeiro, Eurídice Figueiredo, Marcia Paraquett, Lívia Reis e Luiz Fernando Gualda Pereira A.Camila Cavalcanti e Terezinha Calil Julio Cerino Aniversário da JanaFausto e Valéria Fausto e Valéria PR Cecchetti
  9. 9. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 9 Conexões erisveltonsantana@gmail.com E! Games dizjornal@hotmail.com Jêronimo Falconi Pane no Sistema Alguém me Desconfigurou... Módulo PB R$ 240,00Por inserção ou 12 inserções por R$ 2.590,00 em 6 mensais de R$ 432,00 Anuncie Aqui P ane no sistema, alguém me descon- figurou, onde estão os meus olhos de robô? “Eu não sabia, não tinha percebido, sempre achei que era vivo...” Calma, você não está lendo uma coluna sobre rock , apesar de iniciar o tema des- sa edição com a música “admirável chip novo” da cantora Pitty. O que aconteceu foi que a produtora Ne- ther Realm Studios e a Warner Bros Games, responsáveis pelo jogo "Mortal Kombat X" anunciaram que as edições para PS 3 e Xbox 360 foram can- celadas. Segundo o comunica- do, as empresas che- garam à decisão após meses de desenvolvimento do game, ape- sar que as edições para PC, PS4 e Xbox One foram lançadas em abril. "Não conseguimos fazer as versões de PS3 e X360 apresentarem a qualidade esperada de um jogo 'Mortal Kombat' e sentimos muito por não poder entregar estes produtos como planejado original- mente"; disse o comunicado no fórum oficial da WB Games. A adaptação de "MKX" para PS3 e X360 estava aos cui- dados do estúdio High Voltage Software (que fez "Injustice" para PC) enquanto a Ne- therRealm se dedicou ao jogo para as plata- formas mais novas. A produtora sugere que os jogadores que fizeram a compra an- tecipada de "Mortal Kombat X" para essas plataformas procurem as lojas onde fize- ram a encomenda para solicitar o dinheiro de volta. Dublado em português e com a cantora Pitty, olha que coincidência, no pa- pel da lutadora Cassie Cage, "Mortal Kombat X" está disponível ape- nas para PC, PlayStation 4 e Xbox One. É nem sempre as notí- cias são boas no mundo dos videogames. Até a próxima! Horários da Barcas Desrespeitados Algo deve ser feito. As Barcas de Niterói agem com um autoritarismo sem explica- ções e desrespeitam o usuário. Os horários são uma espécie de contrato de prestação de serviço. Eles não podem mudar a mecânica dos horários e quando pedimos explicações os funcionários não sabem ou não querem responder. Dizem que é assim mesmo. Fui, com pressa, pegar uma barca que sairia em poucos minutos. Eram 19:35 e estava previsto uma saída às 19:40h. A barca que estava descarregando passageiros e seria a única disponível para fazer a próxima viagem, quando descarregou o último passageiro, partiu para o Rio, que devido ao horário oferecia maior demanda. E aí ficamos na estação esperando a próxima barca que no final nos atrasou em 35 minu- tos. Não estamos aqui para pagar igualmente e ficar sujeitos as convenientes mecânicas da empresa. Afinal pagamos a mesma tarifa e os horários devem ser respeitados. Não Funciona Mais Os ônibus da Zona Sul e Oceânica de Niterói ensaiaram umas melhorias. Algumas ficaram, como o ar condicionado, elevador para deficientes físicos, ancoragem e principalmente carros no- vos. Apenas um melhoramento já foi esquecido. O serviço de TV. Já não funciona mais. Que pena. Divertia muito. As TVs estão lá, mas, caladas e sem brilho. Vão Derrubar Alguém Estas Calçadas da Rua Moreira Cé- sar estão perigosas. De um tempo para cá ficaram muito ruins. Agora com obras, piorou ainda. Não tem sinalização suficiente e vão aca- bar derrubando alguém. Será que ninguém vê que esta obra de ma- quiagem não vai ajudar ninguém... Pelo contrário: em tempos de crise econômica, com obras impedindo os clientes, os comerciantes estão amargando a solidão. Vem aí que- bradeira e como disse, vão derrubar
  10. 10. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com 10 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello ATENÇÃO PARAA MUDANÇA Novos e-mails do Jornal Diz Redação dizjornal@hotmail.com | contato@dizjornal.com Editoria edgardfonseca22@hotmail.com Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com Quando você dá uma chance para o cigarro, ele não dá a menor chance para você. Fumar provoca inúmeros males para o seu corpo. Lute contra o vício e proteja sua saúde. Afinal, quando o adversário é o cigarro, todo dia é uma nova chance de ganhar. O Tal do WhatsApp S im! Todo mundo está usando o tal WhatsApp, aquele famoso aplicativo para smartphones e que tem tirado o sono das operadoras de celulares, que dizem estar amargando prejuízos gigantes. O WhatsApp, posso iniciar assim meus co- mentários, é um belo aplicativo de troca de mensagens, reconhecido por muitos como muito útil pela rapidez aliado à simplicida- de de manejo. Vejo muitos e muitos usuários, com suas telinhas brilhantes e de cabeça baixa lendo e teclando. Muitos outros falam frases lon- gas, bem pensadas e elaboradas. Esse WhatsApp é tão simples de usar que até senhores acima de 70 anos vêm usan- do com muita habilidade e facilidade. Uma distração, né? Isso tudo parece muito bonito e legal. Tam- bém acho. Adoro tecnologias e avanço nas comunicações. Mas, quando há exagero no uso de certas tecnologias, considero um retrocesso em nossas vidas. E é isso que vem acon- tecendo com o uso exa- gerado dos smartphones porque tem gente usan- do sem qualquer con- trole. Já vi advogados usando o WhatsApp em plena audiência, em bai- xo da mesa, totalmente alheios aos aconteci- mentos. Já vi uma motorista “te- clando” em plena Av. Roberto Silveira e no horário do rush, o que demonstra falta total de autocontrole e ausência de autocensura em des- favor da própria segu- rança e de terceiros. O uso descontrolado do WhatsApp está tão gran- de que tem gente usan- do até para conversar com parentes próximos, ao invés de sim- plesmente telefonar. Estamos com saudades do toque do celular com uma chamada de um amigo. Ou- vir a voz de quem está do outro lado é algo que jamais deveremos desconsiderar. É importante dividir emoções, ouvir a respiração, o som ambiente que vem do outro lado, todo o clima, enfim... Usando o WhatsApp acaba- mos por ter aquele tempi- nho para pensar e respon- der... Sem emoção. Acaba que o excelente instrumento de lazer, fer- ramenta de trabalho e de união de pessoas em grupos dos mais va- riados, se transforma numa coisa, digamos, com contornos de falsidade. O tempinho para raciocinar não é coisa para quem fala ao telefone. Nota-se que o pequeno silêncio poderá denotar várias in- terpretações. O telefone desafia a nossa ra- pidez de raciocínio, já o WhatsApp permite pensarmos e, quem sabe, deixar de sermos originais nas respostas. Então estamos ficando menos originais quando usamos o WhatsApp? Acho que possuímos duas respostas para isso: sim e talvez. A velocidade da comunicação já atingiu o limite do ser humano. Deixamos o es- critório e somos perseguidos até em casa com um monte de e-mails e mensagens. Até o lento Tribunal de Justiça manda e- mail do sistema push de acompanhamento de processos. O celular faz plim e lá vem mensagem de cliente, muitas vezes pelo Messenger, WhatsApp, inbox do Face- book e etc. Quase não falamos mais pessoalmente ou pelo telefone com as pessoas. Quase não consigo identificar as emoções, olhar nos olhos, perceber gestos, ver um sorriso e ouvir uma gargalhada. Nos elevadores, as pessoas estão de cabeça baixa e não se cumprimentam mais. Nas ruas e restau- rantes acontece a mesma coisa. A excelente internet está nos transforman- do e seres solitários. Não percebemos, mas estamos perdendo a nossa identidade com a internet, já que a nossa intimidade já foi embora há muito tempo.
  11. 11. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com Pela Cidade 11 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores A principal porta de entrada do Hospital Estadual Azevedo Lima (HEAL) está inteiramente reformada. A Recepção de Informações é um dos espaços contemplados com obras de manutenção e melhoria de infraestrutura iniciadas em julho e que seguem a todo vapor. A Direção da unidade adianta que haverá outras novidades antes da chegada do Re- trofit, projeto de arquitetura que permitirá a readequação de áreas, com recuperação e preservação do prédio original. A verba para a reforma do Azevedo foi anunciada pelo governador Pezão no último dia 18 de agosto. Mas, mesmo antes da liberação, por conta da gestão compartilhada com o Instituto Sócrates Guanaes (ISG) o hospital vem recebendo melhorias significa- tivas, implementadas em áreas internas e externas. Muitas delas já são percebidas - e A Nova Porta de Entrada do HEAL elogiadas - por funcionários, pacientes e visitantes, como o hall do elevador e oito enfermarias da Clínica Médica, que estão novos. A equipe de operários agora trabalha na Emergência e Admissão da Mater- nidade, visando tornar os ambientes mais confortáveis e acolhedores para os usuários. As melhorias do Hospital Azevedo Lima é uma das metas de trabalho eficiente do atual secretário de Saúde Felipe Peixoto. “O Hospital Azevedo Lima é uma referência na Região. A sua importância diz muito ao município de Niterói, mas cobre e atende todo entorno, principalmente Maricá e São Gonçalo, chegando até Itaboraí e Rio Bonito. Daí, a nossa preocupação em mantê-lo bem equipado e disponível ao pronto atendimento da população.” Disse o secretário. Pré-Candidatos à Eleição da OAB Niterói S ob a bandeira de “Prerrogativas em 1º Lugar”, uma chapa já está lan- çada. Será encabeçada pelo advogado crimina- lista João Marcos Genn, que tem ampla experiência profissional e administrativa, conhece bem os problemas dos advoga- dos de Niterói. Sabe que as prerrogativas têm que ser defendidas por quem conhece os caminhos a serem percorridos. Ele con- sidera inadmissível o tratamento recebido pelos advogados nos Cartórios Niteroien- ses, como se eles nada representassem. João Marcos Genn, tem tradição na profis- são, vindo de uma família de advogados, é o atual delegado das Prerrogativas da OAB e precisa de instrumental mais pode- roso para realizar as transformações onde conhece mais. Vem apoiado por muitos colegas e na chapa estão Antônio Ribamar de Carvalho, Henrique Padilha, Fernando Sarmento Bastos, Itacolimi Lima Cardoso e Gabriel Assunção. Processo Criativo OSOPA, em parceria com a Biblioteca Pública de Niterói, transformará a pu- blicação em um grupo de estudos mensal sobre criatividade e seus padrões. Em forma de "palestra" conjugada com reu- niões mais dinâmicas, serão propostos te- mas a discussão e todos os insigths serão considerados. O objetivo final é inspirar uma futura publicação sobre esse período de imersão junto à BPN e a formação da turma. O objetivo central do grupo de es- tudos é investigar os padrões e paradigmas que compõem a percepção de um sujeito criativo. O terceiro encontro, será no dia 12 de se- tembro às 14h, com o tema “Caos e Aca- so”. O neurologista, escritor e artista Mes- sias Reis ministrará a palestra. Antônio Ribamar de Carvalho, Henrique Padilha, João Marcos Geen, Fernando Sarmento Bastos, Itacolomi Lima Cardoso e Gabriel Assunção ANTES DEPOIS
  12. 12. Niterói 05/09 a 19/09/15 www.dizjornal.com Em Foco 12 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Foto Luiz Barros Mais Recursos para o Rio de Janeiro O s secretários estaduais de Saúde, Felipe Peixoto, e Segurança, José Mariano Bel- trame, se reuniram, nesta quarta-feira (2/9), em Brasília, com deputados da ban- cada federal do Rio de Janeiro. A pedido do governador Luiz Fernando Pezão, eles apresentaram projetos para que os deputados possam escolher o destino de suas emendas parlamentares. Em reunião no mês passado com Pezão, a bancada concordou em destinar cerca de R$ 200 milhões para as duas áreas. Entre os projetos apresentados pela Secretaria de Saúde em busca de recursos, estão equipamentos e construção do Hospital da Baixada e dos novos hospitais estaduais Rocha Faria e Azevedo Lima, além da compra de equipamentos do Hospital Regional de Volta Redonda. - A gente gostaria de construir esses hospitais com a ajuda dos deputados. São obras para serem tocadas ao longo de 3 anos. Esses projetos já foram discutidos com as secretarias municipais e, assim, poderemos dar suporte às regiões do estado com especialidades em saúde - disse Felipe Peixoto. Apesar de toda crise econômica o secretário Felipe Peixoto, se estica para todos os lados, e apesar da maratona, corta custos e faz o pouco virar muito e suprir as deficiências exis- tentes. Secretário Felipe Peixoto e ministro da Saúde Artur ChioroSecretários José Mariano Beltrame e Felipe Peixoto, deputados Hugo Leal e Jandira Feghali em Brasilia

×