Diz Jornal 174

56 visualizações

Publicada em

Diz jornal, um jornal plural que aborda temas desde política, saúde e internet passando por games e direitos do consumidor. Circula 15 dias nas principais regiões da cidade de Niterói e online para mais de 1 milhão de leitores.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
56
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diz Jornal 174

  1. 1. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com Diretor Responsável: Edgard Fonseca Circula por 15 dias Diz: Todo Mundo GostaThaysSilva–makeupartist:PriscilaSarzedas–foto:JulioCezarCerino Edição Online Para Um Milhão e Oitocentos Mil Leitores Zona Sul, Oceânica e Centro de Niterói16 Mil Exemplares Impressos 1ª Quinzena Nº 174 de Maio Ano 09 de 2017 Página 03 Solução para o Trânsito: Revezamento de Placas Niterói e a
  2. 2. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com 2 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. R Otavio Carneiro 143/704 - Niterói/RJ. Diretor/Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição, circulação e logística: Ernesto Guadelupe Diagramação: Eri Alencar Impressão: Tribuna | Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz R. Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ - Tel: 3628-0552 |9613-8634 CEP 24.020-270 dizjornal@hotmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! Nutrição clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara PetrucciEdição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Distribuidora Guadalupe 25 Anos de bons serviços Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - Encartes Demonstração de Placas Sinalizadoras Entrega de Encomendas e Entregas Seletivas Niterói - Rio de Janeiro - São Gonçalo - Itaboraí - Magé - Rio Bonito - Maricá - Macaé eguada@ar.microlink.com.br guada@ar.microlink.com.br 99625-5929 | 98111-0289 3027-3281 | 2711-0386 (sec.elet. 7867-9235 ID 10*73448 DG Faz Diferença S er mãe, madrinha, dona de casa, esposa, filha, amiga e profissional ao mesmo tempo exigem muito mais de nós do que imagina- mos e nos faz cometer mais erros - equivalente do ser hu- mano descompromissado. Ten- tamos exercer todas as funções com excelência, mas somos hu- manos, não é? Nessa semana fui entregar a dieta de uma paciente muito querida, e como cada pa- ciente é único, procuro respeitar as di- ferenças e as fases de cada um. Na dieta dela, estamos, no momento, alternando a ingestão de carboidratos de acordo com a necessidade média diária compatível ao seu nível de atividades. Mas, como o nos- so objetivo é "secar", fiz uma dieta restrita, e no momento de exercer mil funções me esqueci de calcular a quantidade de inges- tão "a mais de carboidratos" nos dias que a paciente tem maior demanda. Fiquei atordoada com meu erro, mandei mensagem assim que revisei e tinha me dado conta. Pedi milhões de desculpas e assim que pude ajustei a dieta e mandei corrigida. Foi uma diferença muito peque- na, mas que para um profissional, sabemos que é nas mínimas diferenças que colhemos o sucesso. Isso me fez refletir bastante sobre aquele pequeno brigadeiro que a gente come fora da dieta, o chope "a mais" do fim de sema- na, o pão de queijo pra estudar... E me dei conta de que realmente o pouquinho faz toda diferença! Se ele é o que faz a diferen- ça para não catabolisarmos músculo, para melhorarmos a qualidade muscular, para modularmos hormônios e neurotransmis- sores, ele mesmo vai colocar em risco todo seu empenho nos treinos e dieta. Não se permita comer aquele “pouquinho” sempre. O pouco se torna muito em uma semana, um mês, um ano. Exceção, já diz na própria palavra! Então não faça das ex- ceções uma regra porque faz diferença! Até mais. Espaço Cinema da Câmara ACâmara de Vereadores de Niterói reinicia no próximo dia 16 de maio o Projeto Espaço Cinema. Consiste em uma vez por mês uma sessão gratuita de um filme no Auditório Cláudio Moacyr, no segundo andar do prédio. A progra- mação desse período apresentará seleção de filmes ligados a biografias de artistas da Música Popular Brasileira; personagens da história do Brasil, como Carlota Joaquina, além de temas como Carandirú e Tropa de Elite. O filme para iniciar a temporada será o filme “Senna”, documentário dirigido por Asif Kapadia, que conta a trajetória do ídolo brasileiro morto tragicamente na curva Tam- burello, no circuito de Ímola, na Itália. Todos os filmes serão exibidos sempre às 17 horas. Doação para a Pestalozzi Os diretores da Associação Pestalozzi de Niterói, José Raymundo Martins Romeo e Pietro Accetta recebem em sua sede o CEO mundial da GE Óleo e Gás, Alberto Matucci e o gerente geral da uni- dade brasileira da multinacional inglesa, Marcio Laureano. Os empresários fizeram a entrega de um cheque correspondente ao valor de 12 mil dólares para ser aplicado na manutenção das unidades de reabilitação e educação da tradicional instituição niteroiense. A Pestalozzi foi escolhida a partir de uma avaliação feita pela empresa, tendo como base o impacto social que ela gera dentro da comunidade a que assiste, fazendo a diferença para a comunidade Pietro Accetta e José Raymundo Martins Romeo
  3. 3. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com 3 Documento Solução para o Trânsito é o Revezamento de Placas O município de Niterói, como as demais cidades brasileiras em desenvolvimento, atingiu o ponto crítico relativo à sua mobilidade urbana. O trânsito em determi- nadas horas do dia tornou-se insuportável e carece urgentemente de providencias imediatas. Não se trata apenas de reorganizar trajetos e baseados em cálculos redirecionar os fluxos. Existe uma questão objetiva e indefensável: o aumento da quantidade de veículos é inteiramente desproporcional ao reordenamento urba- no, incluindo o planejamento e execução de obras viárias. Não foi previsto, nem fizeram as obras compatíveis para receber este imenso número de novos veículos. O resultado se traduz em estresse e prejuízos econômicos, com um desperdício imenso de tempo e produtividade. Ir a algum lugar com hora marcada pressupõe a utilização dobrada de tempo. E tempo é dinheiro. N iterói, por ter uma das melhores rendas da população brasileira, adquire carros numa escalada des- truidora. Além da poluição, do aumento de ruídos e do estresse diário, com pre- juízos para saúde da população, este des- compromisso individualista do niteroiense, acarreta problemas para todos, incluindo para os próprios. S Estes motoristas soli- tários (é comum encontrar em cada carro apenas um ocupante) que contribuem para os engarrafamentos não atentarem para o quanto estão perdendo individualmente, pelo exercício de práticas individualistas e pelo preconceito contra o uso de transpor- te coletivo. Em Niterói existe uma cultura muito antiga, e baseada em crenças supera- das, que o status da pessoa bem sucedida anda de carro, de preferência num modelo novo e de alto valor. Este comportamen- to equivocado, culturalmente subalterno e pequeno burguês, mantém padrão anti- go, pela falta de informação que crê que o transporte público é ruim e andar de ônibus “é coisa de pobre”. Atualmente os ônibus da cidade, se ainda carecem de melhorias, são de bom nível. Na Zona Sul, quase to- dos possuem ar condicionado, não são comumente lotados e em número bastante razoáveis. Pode melhorar e a oferta aumen- tar, mas, são bastante capazes para atender minimamente a demanda. Para a Região Oceânica os veículos são de boa qualidade, embora ainda precise aumentar o número de coletivos, o que ocorrerá gradualmente, assim que aumentar a demanda de novos passageiros. Para a Região Norte, apesar de muitos ônibus possuírem ar condicionado, muitos ainda não possuem o equipamento, talvez por menor exigência desses morado- res, ditos de menor renda e prestígio pes- soal. Grandes cidades no mundo possuem expe- riências exitosas com a limitação de circu- lação de veículos em determinadas áreas, com Centro e locais históricos e dedicados ao turismo. O revezamento de veículos, baseados na numeração das placas é uma solução adotada com sucesso. A limitação pode estabelecer horários ou simplesmente dias pares e impares. Melhora substancial- mente os problemas de engarrafamentos e a utilização maciça da população em trans- portes coletivos aumenta o nível de exigên- cia e melhoria das condições de uso. São Paulo foi a pioneira no Brasil a usar o sistema de limitação de fluxo de veículos, usando a prática de revezamento de placas, entre pares e Impares. Quem desobedece ao rodízio leva multa de R$ 85,12 e quatro pontos na carteira de habilitação. Alguns motoristas não são obrigados a obedecer ao rodízio, como os portadores de deficiên- cia. Mas é preciso conseguir a permissão da prefeitura. Também não precisam respeitar o rodízio veículos de médicos, ambulâncias, policias, correios, serviços públicos essen- ciais. Além de guinchos, socorro mecâni- co de emergência, transporte de alimentos perecíveis, Corpo de Bombeiros e Serviço Funerário. Alemanha, França, Itália e Reino Unido priorizam suas cidades a favor dos pedes- tres. Há décadas reduziram o tráfego em suas capitais, para deixá-las mais transitá- veis. Na Alemanha, desde 2008, é preciso ter uma placa de identificação para entrar na “Zona Ambiental”, ou seja, as zonas verdes das grandes cidades alemãs. Os veí- culos sem “placa ambiental” que circularem pela zona restrita são multados em 40 eu- ros (123 reais) e um ponto na carteira de motorista. O adesivo necessário para tran- sitar pela área restrita custa 6 euros (18,45 reais) para veículos alemães e 12,5 euros (38 reais) para os estrangeiros. A Prefeitura de Madri limitou o tráfego de carros uma área de 190 hectares do Centro, onde apenas podem circular os veículos dos moradores da área. Aumentaram o preço dos estacionamentos públicos e limitaram o tempo em no máximo de duas horas para cada carro estacionado. E multiplicaram as faixas de ônibus. Na Itália, com a intenção de preservar o patrimônio histórico os centros antigos das principais cidades tiveram seu acesso restringido. A área restrita é chamada de Zona de Tráfego Limitado (ZTL), onde só podem entrar os veículos com permis- sões especiais. Existem sistemas de vigi- lância automática para controlar o acesso e multar os transgressores. A restrição aplica-se somente de segunda à sexta no horário comercial. Muitas cidades como Estocolmo, Atenas e Hong Kong estimulam o uso de bici- cletas, que não existe limitação de uso. Londres aplica a taxa de congestiona- mento, que é um imposto cobrado dos veículos motorizados que operam dentro da Zona de Pedágio , no centro da ci- dade. Os finais de semana, feriados e o período entre o Natal e o Ano Novo não são cobrados. A cobrança padrão é de 14,6 euros (44,9 reais) por dia para cada veículo que entrar na zona, com uma multa que varia de 82 a 247 euros (252 a 759 reais) para quem não pagar. Daí, não resta alternativa para Niterói senão avançar nessa direção. É planejar e desco- brir com as experiências existentes, qual é a melhor maneira para a nossa população. A municipalidade é que deveria encabeçar esta modalidade, inclusive, gerando novas receitas, que para eles é o mais importante.
  4. 4. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com 4 Cultura Paulo Roberto Cecchetti cecchettipaulo@gmail.com annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Geral P or conta de problemas financeiros, um garotinho se muda para outro bairro com sua família. Lá, ele faz um novo amigo. Os dois se tornam inseparáveis. O problema é que questões financeiras, entre os pais dos meninos, irão influenciar na relação de ambos. Percebam: as crianças têm uma linda amizade em "Melhores Amigos", filme que, em alguns dias, aterrissa nos cinemas nacionais. A princípio, nada poderia impedir o relacionamento dos dois. Uma amizade pura, neutra, independente de proveitos. Todavia, são os interesses dos outros que minam a convivência dos dois. Será que com o tempo as coisas se concertam? Será que as crianças teriam o poder de alinhar, entre elas, a sua convivência, de forma a se unirem contra esta possível ditadura que desestabiliza uma tão doce relação? Bem, agora, vamos traçar um paralelo? O que, ou melhor, quem é que manda nos seus relacionamentos e na sua vida? Sob qual lógi- ca você age quando o assunto é olhar o pró- ximo, o outro? E quando se refere aos direitos coletivos? Você pensa em si ou no grupo? E se eu te perguntar quem mais te influencia? Será que você é uma criancinha sem opinião, cujos superiores ditam ordens, você crê e as obedece? Será que você ainda é uma vaca de presépio, muito obediente, pacífica e calada? As ligações sociais estão cada vez mais esgarçadas. Nossos vínculos são virtuais, nossos amigos nos felicitam por Redes Sociais e nos comunicam fatos por Whatsapp. Fazemos com- pras pela Internet, vamos ao banco pelo Tablet, cursamos fa- culdade à distância. Nossas co- nexões estão se apagando. Porém, preciso dividir com vo- cês o que me dá mais medo atu- almente: é a incorreta interpre- tação do vocábulo "geral". Até pouco tempo atrás, tratava-se de uma palavra de significado simples, explícito, cristalino. Contudo, isso mudou... "Geral" deixou de ser algo completo, global, universal, total, integral, ecumênico. O "geral" se quebrou, rachou, partiu, sumiu. Quando se falava em direitos do cidadão, eu acredita- va que todos nós iríamos levantar e lutar por eles, pois, seriam direitos "gerais". Ora bolas, isso não ocorre mais! As pessoas dizem que uma "manifestação geral" está atingindo o "direito de ir e vir" do cidadão. Ei espere! A manifestação está ali para defender os direi- tos mais importantes da coletividade. Jamais se consegue voz sem gritos, barricadas, pro- testos. Não iremos conseguir nada nos mani- festando pelo Facebook! Textinhos de quatro linhas é exatamente o que os comandantes deste genocídio social desejam. Amigos vejam bem, ao tentar parar o país, o que se almeja é convocar uma "Greve Ge- ral". E se as pessoas "furam" a suposta "Ma- nifestação Geral", esta deixa de ser "Geral". E, portanto, ela perde força e credibilidade. Ela se deslegitima. Não adianta apenas uma parte da sociedade lutar por um direito que é "geral". As pessoas podem não concordar com a corrupção, com os políticos, com al- guns partidos. Cada um apóia o que quiser. Somos livres! O que não podemos esquecer é que o Direito do qual você goza hoje, é o mesmo que eu faço jus. E isso significa dizer que, caso você não lute pelos seus direitos, você está diminuindo o meu poder de lutar pelos meus. Quando você abre mãos dos seus direitos, você me atinge. Ou seja, você está roubando os meus direitos! Dessa forma, da próxima vez que alguém sair às ruas para lutar pela educação, saúde, pre- vidência, emprego, enfim, sempre que uma pessoa for às ruas lutar por você, pense! Eu juro que compreendo se você ficar em casa, sem se manifestar. Entretanto, pense duas ve- zes antes de enfraquecer o movimento, furar a greve, dar entrevista para canais de televisão manipulados e, principalmente, tenha cautela antes de distorcer as lutas sociais. Restam-nos bem poucas coisas neste país, meus senhores... O Brasil está, dia-a-dia, afundando. E, levando junto, nossos direitos mais basilares, como o emprego e a aposen- tadoria. É muito fácil falar da corrupção, da roubalheira, etc. Difícil mesmo é se integrar com a luta e fazer a sua parte. Antes de falar mal dos supostos "vândalos", "manifestantes" ou "grevistas", satanizados violentamente por uma mídia que adora dis- torcer os fatos, pergunte-se: você faz parte de que "geral"? De uma fábrica? De uma loja? De um consultório? De uma escola? Ou você faz parte do grupo subjugado à Constituição Federal de 1988, que está sendo esfacelada vergonhosamente? Quem é você, meu amigo? E à que "geral" você pertence? Vejam este filme que sugiro. Pensem nas rela- ções como se formam e como são comanda- das. Observem onde estão e para onde vão. - A Academia Niteroiense de Letras/ANL perdeu o jorna- lista e historiador Emmanuel de Macedo Soares. Acadêmi- co polêmico, de memória afiada com a história de Niterói, vai deixar saudade! - Com curadoria de Guilherme Vergara, o Museu de Arte Contemporânea/MAC (Mirante da Boa Viagem, s/nº) apresenta “Varanda Circular”, exposição de Leonardo Te- pedino, com visitação até 04 de junho. - Dia 5 de maio, 6ª feira, às 19 horas, foi aberta, na Sala Leila Diniz (Rua Professor Heitor Carrilho, nº 81 - Centro) a exposição “Entermeio”, de Luciane Valença e este colu- nista. São aquarelas e haicais que, além da exposição das pranchas, também são apresentados num livro. - A 3ª Edição da Feira Ingart (Rua Visconde de Moraes, nº 255 - Ingá) acontece dia 06 de maio, sábado, das 11 às 20 h, no Curso Animator, coordenado por Levi Luz, Ludmila Kraichete e Thais Leal. O evento traz elementos da cultura pop, moda, histórias em quadrinhos, animação e games. Entrada franca. Contato: 3741-2150, ou www. animator.com.br - A escritora mineira Laís Ferreira Oliveira acaba de lançar seu 2º livro "Canções do Porto e do Mar". Mais informa- ções: imprensa@romainpress.com.br.
  5. 5. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com 5 Edgard Fonsecaedgardfonseca22@hotmail.com O Buraco do Tatu É preciso ter clareza dos fatos e fazer uma análise desapaixonada em rela- ção à inauguração do Túnel Cafubá- Charitas. A semana inteira ouvi declarações de apoio e criticas contundentes de todos os lados. Gente que elogia e outros que dizem que não passa de um “Buraco de Tatu”. Na minha visão existe uma questão funda- mental que é a real necessidade da obra. Isso é indiscutível. Entretanto, o que mais incomoda a todos é como foi feita e que ingredientes foram usados. O que mais aborrece a todos é o excesso de marketing proselitista do prefeito. Poderia ter feito a obra, divulgá-la como feito positivo e até ser sensível a críticas e rebatendo-as na coerência de quem tem equilíbrio. Mas, infelizmente o delírio perene de grandeza desse “mecenas político” o impede de ser eficiente e plural. Ele esbarra exatamen- te na megalomania, e aí inventa até dados históricos. Primeiro declarou que estaria realizando um projeto criado há 40 anos atrás, e que ninguém conseguiu realizá-lo. Vai aumentando o tom, e no final, (como todo mito maníaco) perdido em números e inverdades do marketing desvairado, atingiu a marca dos 70 anos do projeto e do “de- sejo reprimido do povo”. A verdade é que a obra em si (necessária e bem vinda) foi feita aos trancos, e o plane- jamento de escoamento do trânsito ainda é uma incógnita. O acabamento deixa muito a desejar, como de resto, qualquer ação des- te pobre rapaz. Os acessos são estreitos, com curvas agudas, e basta olhar o nível do piso que acompanha a via para perceber os desníveis que mais parecem degraus. A versão de ciclovia, por enquanto não exis- te. É pura falação. Não vou nem discutir os métodos de apresentação de projetos, sem- pre faraônicos e resultados finais acanhados e desmesurados. Esta “prática” de mudar projeto, ou não ter projeto final, que possi- bilita os “adendos e aditamentos”, põe ime- diatamente tudo no patamar da suspeição. Ou há incompetência crônica ou há má fé, gerando custos adicionais que encarecem a obra e não existem explicações razoáveis. Fica tudo com cara de petismo oportunis- ta. A verdade é que a escola petista desse moço ficou no seu sangue. Pode oportu- namente trocar de sigla, mas os vícios de comportamento permanecem. A tal continuidade, com a obra da Transo- ceânica, é um desvario. Ali, poderia ter sido feita uma reforma e alargamento das pistas, com prioridade de faixas para coletivos, e não resultaria nesse descalabro que é o pre- juízo de todo comercio e o desespero dos moradores. Mais uma vez perguntamos? Somente ago- ra vão decidir sobre as estações e paradas do “veículo leve”? Não é um ato de desper- dício depois de pronta uma obra ter que re- mendá-la gerando mais custos? Será que é só incompetência e desatino administrativo, ou tem alguém se beneficiando de tantas e novas despesas? Esta mania de gastar fortunas em publicida- de e marketing pessoal, com dinheiro pú- blico, é um delito que precisa ser punido. O TCE está mandando suspender a nova licitação milionária para publicidade. Será que vai parar aí, ou ele vai criar um novo expediente? O município tem outras tantas prioridades que estão em falta, e o alcaide megalômano vai usar dinheiro do povo para se autopromover? Existe a possibilidade do MP Estadual en- trar na questão, antes que o MP Federal o faça. Pois, a lentidão estadual está dando o que falar. Tenho certeza que o MP Estadu- al, assoberbado, vai tomar as providências. Aguardemos. À Luz do Espiritismo O pesquisador e focalizador de danças cir- culares, Flavio Mina, fará a palestra "A Tra- jetória dos Afro-americanos à Luz do Es- piritismo", neste sábado, dia 13 de maio, a partir das 17 horas no Instituto Ortobio. Rua Miguel de Frias, 40/504. Icaraí. Preto Velho no Quilombo Ainda neste sábado, 13 de maio, a co- munidade quilombola do Quilombo do Grotão, localizado na Serra da Tiririca, no bairro do Engenho do Mato, em Niterói, vai comemorar o Dia de Preto Velho. Vai ter capoeira, feijoada, celebração e roda de samba. Para os umbandistas o dia 13 de maio é a data que festejam as entidades chamadas Pretos Velhos, que representam os antigos negros e negras escravos. Os Pretos Velhos focalizam o espírito de su- peração e transcendência de toda tortura e sofrimento vividos pelos negros escraviza- dos no passado. A comunidade quilombo- la crê que esses espíritos retornam à terra para ajudar as pessoas e contribuir com a luta e resistência do povo negro. Um Brinde à Poesia no Jambeiro OSolar do Jambeiro recebe a edição mensal de “Um Brinde à Poesia” no próximo dia 20 de maio, às 17h30. A foto- jornalista, editora e poeta Lucilia Dowslley, responsável pelo evento, comemorará seus trinta anos de atuação cultural. Ocorrerá o Momento D’versos, em que os espectado- res podem expor seus textos. Entrada Fran- ca, com senhas a serem retiradas às 17h no dia do evento. Zelly no Municipal Ocompositor, multi-mídia, Zelly Man- sur, fez no dia 14 passado, no Teatro Municipal de Niterói, uma apresentação onde tinha como roteiro, relançar o seu CD “Mais Além...”. Foi uma oportunidade fantástica para reunir uma banda composta por “feras” musicais, como o Aires na bate- ria, Poubel na Percursão, Falcon no contra baixo e Jacaré nas cordas, entre outros. Be- leza de apresentação. Clara Petrucci
  6. 6. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com 6 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello ATENÇÃO PARAA MUDANÇA Novos e-mails do Jornal Diz Redação dizjornal@hotmail.com | contato@dizjornal.com Editoria edgardfonseca22@hotmail.com Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com Alerj. Aqui você tem poder. Baixe na Chegou o aplicativo Carteirada do Bem. As leis daAlerj servem para quem tem sede de justiça. Ou só sede, mesmo. Lei Estadual 2424/95: “Bares e restaurantes estão obrigados a oferecer água filtrada de graça quando solicitada pelo cliente.” Lembrete aos leitores: na edição passada (173) ocorreu pela primeira vez em quase dez anos da nossa existência um erro de edição. Publicamos um texto (que estava anexado no programa para marcação de espaço) que já havia sido publicado. Foi um duplo erro: de programa e humano. Pedimos desculpas aos leitores e ao colunista Fernando Mello; e aí está o texto destinado. A Obra do Inferno C omo muitos niteroienses, optei por viver na Região Oceânica com mi- nha família graças a qualidade de vida que havia por lá. Vivia em Icaraí, mas acreditei que a R.O. poderia me dar mais. Entendo por qualidade de vida a segurança pública, a presença forte da natureza, lim- peza, urbanização. Frequento a R.O. desde menino e lá vivo há quase 20 anos e, por isso, me sinto seguro em afirmar que nunca aquele ex-paraíso esteve tão caótico como atualmente. Tudo porque a prefeitura inventou a obra do inferno, a tal da Transoceânica,um con- junto de bizarrices que começa num túnel que vai ligar o Complexo do Preventório ao Complexo do Cafubá. A obra está atrasada meses e ninguém afirma quando será inau- gurada. De minha casa em Itaipu até o meu trabalho, no Centro de Niterói, consumo diariamente uma hora e meia de engarra- famento e desvios esburacados, sem sinali- zação, correndo todos os riscos. Vejo meia dúzia de operários trabalhando lentamente no tal BHRSX@#!¨&* que ninguém está entendendo como vai funcionar. Se é que vai funcionar. Não satisfeita em destruir a qualidade de vida dos habitantes da R.O. a obra do infer- no parece não andar. Pior: quando vão em- bora, os operários largam vias interditadas sem qualquer sinalização (as vezes os mo- radores pintam tábuas), as picadas laterais “provisórias” que misturam buracos e lama, com quatro ou cinco operadores de trânsito ao longo de toda a estrada tentando fazer milagres. O comércio na Região sucumbiu, é lógico. Afinal, no meio daquela anarquia, como e onde parar para comprar alguma coisa? E as perguntas que fazemos, parados no meio daquele caos, parecem obvias: - O que levou a Prefeitura gastar mais de R$ 300 milhões (emprestados) numa obra sem consultar a população que mora na Re- gião Oceânica? - Por que, em vez do túnel e BRs, a Prefei- tura não alargou e sinalizou decentemente a estrada Francisco da Cruz Nunes, uma obra que sairia mais barata e levaria muito mais ganhos a população? - Por que os vereadores não questionaram a Prefei- tura sobre a necessidade dessa obra, antes dela ser iniciada? Não foi por causa de aviso já que o prefeito Rodrigo Neves anunciou aos quatro ventos que a obra do túnel era a mais aguardada por Niterói nos últimos 40 anos. - O que os vereadores, fis- cais da população junto a Prefeitura, pretendem co- brar agora, quando tudo parece ter desan- dado? Duvidam? Apareçam lá diariamente entre 6 da manhã e 8 da noite e assistam ao caos urbano provocado pela igno- rância. Como todos os habitantes da R.O. en- frento a insegurança pública. A ques- tão ambiental parece abandonada já que as lagoas de Itaipu e Piratininga secam visivelmente, a mata é arranca- da para dar lugar a casas, barracos e similares e as praias se tornaram proi- bitivas para nós que moramos perto delas porque a desordem geral toma conta e a prefeitura pouco ou nada faz. Hospital praticamente não existe. Já tive uma péssima experiência no Mário Monteiro em fevereiro. Amigos me perguntam por que ain- da vivo na Região Oceânica. Porque graças a Prefeitura os imóveis em toda área desvalorizaram brutalmente e, lamentavelmente, a situação tende a piorar porque essa obra chamada Transoceânica, a obra do inferno, tem dois caminhos a seguir: vai parar, vi- rando mais um elefante branco ou ao ser inaugurada, cheia de erros como curvas de quase 90 graus para ônibus em torno do quartel dos Bombeiros, vai virar uma central de tragédias.
  7. 7. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com 7 Conexões erialencar.arte@gmail.com E! Games dizjornal@hotmail.com Jêronimo Falconi Lamentável N ão é segredo para ninguém que o Brasil passa por uma grave crise econômica, e ao que parece atin- giu os jogadores de futebol. Mais de 20 es- portistas estão processando produtoras de game alegando “direitos de imagem”. Entre os demandantes estão o goleiro do Santos Vanderlei e o ex-lateral da Seleção Kleber; e cujo valor médio é de 80 mil reais. A EA Sports e Konami produtoras dos games Fifa e Pro Evolution Soccer realizam o pagamento pelo uso de imagem através da FIFpro, porém o Brasil não possui uma legislação vigente, cabendo uma negociação individual com cada jo- gador. Essa situação é tão lamentá- vel que muitos internautas criticam os jogadores brasileiros os chamando de merce- nários e outros adjetivos impublicáveis. Em 2014 todos os times brasileiros foram retirados dos jogos devido a esse impasse que já perdura desde 2007. Os clubes só foram readmitidos após a realização de um acordo entre as partes, porém muitos dos joga- dores brasileiros hoje são representados generica- mente nos jogos. E minha gente, a situação está realmente muito ruim. O que resta aos aficionados dos games de futebol e torcer por um acor- do ou se acostumar a não ter mais nenhum time brasileiro nos games do esporte mais amado da terra. Luis Antonio P. ? Uma vergonha! Colocaram uma placa no novo túnel: LUIS ANTONIO P. Fizeram um marke- ting político quando da morte do jornalista, profes- sor, historiador, poeta e ícone da cultura em nossa cidade-LuísAntônioPIMENTEL-para,agora,pres- tar esta ridícula homenagem: Quem é LUIS ANTO- NIO P.??? Com as devidas explicações o secretário de Cultura da cidade de Niterói, Sr. Marcos Gomes. Cabines de Segurança Desertas Sabemos que o Estado está quebrado e a Prefeitura de Niterói, apesar do marketing do “tudo bem”, também atraves- sa dificuldades. Mas, o quesito segurança da cidade está em desespero, com a violência cres- cendo e nada está efetivamente sendo feito; cada um jogando a responsabilidade no outro. A prefeitura alega que o problema é a ineficiência da PM e da Polí- cia Civil. A prefeitura, entretanto, tem a Guarda Municipal e está abandonando as cabines de vigilância. No Fonseca, que é chamado de “Fonsequistão”, onde tiro, porrada e bomba é rotina, a cabine da Alameda está deserta. Será o retrato da falência da administração municipal? Deu Ruim Pode ser até que os “técni- cos” da prefeitura de Ni- terói façam ajustes e a rotina seja outra. Mas, a inauguração do Túnel Cafubá-Charitas, por enquanto, só está dando ze- bra. Parece até que piorou o trânsito... Charitas e São Fran- cisco se deram mal com essa nova opção do trânsito. Não vou nem falar do pessoal da RO, que está comendo o pão que o diabo amassou. Passei pelo Túnel: são ruelas estrei- tas, mal acabadas e tem luga- res que ainda mal inaugurou e já apresentam sinais de desgaste. Desse jeito, em pouco tempo vai estar tudo em ruínas. E esse dinheirão todo gasto nessa obra? Foi para isso?
  8. 8. Niterói 12/05 a 27/05/17 www.dizjornal.com Renda Fina 8 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Como Assim Produção? O mundo está ficando de cabeça para baixo, ao ponto que familiares de vitimas de um trágico atentado ocorrido em 2015 em San Bernardino (EUA) abriram um processo contra o Google, Facebook e Twitter. É isso mesmo, você não leu errado. As famílias SierraClayborn, TinNguyen e Nicholas Thala- sinos se uniram e abriram um processo alegando que as empresas permitiram que o Estado Islâmico se proliferas- se nas redes sociais, pois segundo os acusadores essas criaram um ambiente no qual o grupo pode espalhar seus ideais e táticas de ataque. No dia 2 de dezembro de 2015, SyedRizwanFarook e sua mulher, TashfeenMalik, abriram fogo em uma festa de fim de ano do trabalho de Farook em um prédio do governo na cidade da Califórnia, deixando 14 mortos e 22 feridos. InternetLaio Brenner - dizjornal@hotmail.com Farook, um americano de 28 anos, filho de imigrantes pa- quistaneses, e Malik, uma paquistanesa de 29 anos, mor- reram em tiroteio com a polícia após o massacre. Autori- dades afirmam que eles agiram inspirados por militantes do Estado Islâmico. Seguindo essa lógica então todas as empresas desenvol- vedoras de armas deveriam ser penalizadas por todas as mortes em decorrência do seu uso ou todas as montadoras responsabilizadas pelas mortes no transito. Não faz o me- nor sentido. É provável que o processo seja arquivado devido a sua total falta se sentido. Não da para entender, se bem que esta- mos num momento onde até jogador de futebol processa desenvolvedora! O que esperar disso? Aniversariantes da Edição Helder Machado Fátima Mader Eduardo Caminha Mônica Santos Fabiano Pereira Lucilia Dowslley Vernissage da Expo Entremeio Dora Cecchetti, Renata Palmier e Paulo Roberto Cecchetti Lu Valença e Paula Lessa Marina Gonçalves e Lu Valença Roberto Pinheiro

×