SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
FERRAMENTAS DA QUALIDADE Professor Anderson Pontes
TOTAL QUALITY MANAGMENT
Total Quality Managment (do inglês, Gestão da
Qualidade Total) consiste numa estratégia de
administração orientada a criar consciência da
qualidade em todos os processos organizacionais.
TOTAL QUALITY MANAGMENT
A busca pela qualidade de produtos e
serviços trás como resultados:
• Aumento de satisfação dos clientes
• Aumento de produtividade
• Redução de custos
• Melhoria dos processos de fabricação
• Possibilidade de acesso a novos mercados
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA QUALIDADE TOTAL
Produção de bens e serviços que respondam concretamente as necessidades dos clientes
Garantir a sobrevivência da empresa por meio do lucro
Identificação e resolução rápida de problemas com soluções eficazes
Falar, raciocinar e decidir com base em fatos
Administração por processos e não por resultados
Colocação dos clientes em pedestais; Ele merece os melhores produtos/serviços
TQC EM
MANUTENÇÃO
Qualidadetotal
Disponibilidade
de máquina
Aumento de
competitividade
Aumento da
lucratividade
Satisfação dos
clientes
Defeito zero
JUST IN TIME
Sistema de administração da produção que
determina que nada deve ser produzido,
transportado ou comprado antes da hora exata.
Pode ser aplicado em qualquer organização, para
reduzir estoques e custos decorrentes.
Está relacionado com o conceito de produção por
demanda
HISTÓRICO
O JIT é considerado uma completa filosofia de trabalho podendo ser
considerado como um programa da qualidade tal qual o 5S. Este
aborda os seguintes aspectos:
 Atividades administrativas
 Gestão da Qualidade
 Arranjo físico
 Projeto de lançamento de produto ou de construção
 Organização do trabalho e gestão de recursos humanos
FILOSOFIA DAS OPERAÇÕES JIT
Eliminação dos
desperdícios
Envolvimento
dos funcionários
na produção
Esforço de
aprimoramento
contínuo
ELIMINAÇÃO
DOS
DESPERDÍCIOS
Superprodução
Tempo de espera
Transporte
Processo
Estoque
Movimentação
Produtos defeituosos
ENVOLVIMENTO DE TODOS
Cultura organizacional
Resolução de problemas por equipes
Inclusão de tarefas de manutenção e set-up
Rotação de cargos
Multi-habilidades
Responsabilidade pessoal e engajamento
KAIZEN
Desempenho real
x ideal
Aproximação com
o tempo
Critério –
Medida de
desempenho
Qualidade,
Flexibilidade,
Velocidade,
Confiabilidade, Custo
CICLO PDCA
É um ciclo de análise e melhoria, criado por Walter
Shewart, em meados da década de 20.
Ferramenta de fundamental importância para análise e
melhoria dos processos organizacionais e para a eficácia
do trabalho em equipe.
CICLO PDCA
O ciclo PDCA é uma ferramenta gerencial de tomada de
decisões para garantir o alcance das metas necessárias á
sobrevivência de uma organização, sendo composto das
seguintes etapas
PLAN DO CHECK ACTION
ETAPAS DO PDCA
Planejar
Definir as metas a serem
alcançadas
Definir os métodos para
alcançar as metas
propostas
Executar
Executar as tarefas
exatamente como foram
planejadas
Coletar dados que serão
utilizados na próxima etapa de
verificação do processo
ETAPAS DO PDCA
Verificar, checar
Verificar se o executado está
conforme o planejado, ou seja,
se a meta foi alcançada dentro
do método definido
Identificar os desvios na meta
ou no método
Agir corretamente
Definir soluções e eliminar
os desvios
Realizar um trabalho preventivo,
fazendo uma identificação dos
possíveis desvios que possam
ocorrer no futuro
CICLO PDCA
FERRAMENTAS DA QUALIDADE 5 S
São cinco sensos que podem proporcionar um
cotidiano com menos desperdício, mais
organizado, mais limpo e claro, mais
transparente, mais sincero e disciplinado.
HISTÓRICO
Este método foi concebido por Kaoru Ishikawa, em 1950, no
Japão do pós guerra, inspirado na necessidade que havia de
colocar ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país
após a derrota na Segunda Guerra Mundial.
O método demonstrou ser tão eficaz enquanto reorganizador
das empresas e da própria economia japonesa que, até hoje,
é considerado o principal instrumento de gestão da qualidade
e produtividade utilizado naquele país.
HISTÓRICO
O 5S é uma prática desenvolvida no Japão, onde os
pais ensinam a seus filhos princípios educacionais
que os acompanham até a idade adulta, constitui um
programa de educação e treinamento que busca a
Qualidade Total, de modo simples, através do
aperfeiçoamento constante, da prática de bons
hábitos, procedimentos, comportamentos etc.
OBJETIVOS
Mudanças comportamentais, incorporando à cultura
existente novos hábitos, valores e costumes;
Melhorias na qualidade de vida dos empregados
Ganhos de produtividade e de qualidade dos produtos
Facilitador da obtenção das certificações ISO
OS 5 SENSOS DA QUALIDADE
O termo 5S é derivado de cinco palavras japonesas iniciadas com
a letra S.
A melhor forma encontrada para expressar a abrangência e
profundidade dessas palavras foi acrescentar o termo "Senso de"
antes de cada palavra em português. Assim, o termo original 5S
foi mantido, mesmo na língua portuguesa.
O termo "Senso de' significa "exercitar a capacidade de apreciar,
julgar e entender". Significa ainda a "aplicação correta da razão
para julgar ou raciocinar em cada caso particular.”
Seiri
Seiton
Seisou
Seiketsu
Shitsuke
Senso de Arrumação
Senso de Ordenação
Senso de Limpeza
Senso de Asseio
Senso de Autodisciplina
IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S
1º
• Criação de um comitê de responsáveis pelo
treinamento dos demais envolvidos no processo
2º
• Mapeamento das áreas nas quais haverá a
implantação do 5S
3º
• Sensibilização – deverá ser realizada pelo comitê que deverá
apresentar os conceitos, cronograma de implantação e dia D,
inclusive “indicando” a força-tarefa e seus respectivos
representantes
IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S
4º
• Reuniões entre comitê e representantes para
relatar ações planejadas e realizadas
5º
• Levantamento das necessidades;
6º
• Documentação sobre a situação atual, incluindo fotos, que
deverá compor o quadro;
IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S
7º
• Seleção de ações viáveis e feedback para as não viáveis
8º
• Definição das áreas de descarte local e global;
9º
• Distribuição das atividades e programação do dia D
10º
• Dia D – Implantação do sistema
SEIRI Utilização
Arrumação
Organização
Seleção
Senso de utilização. Refere-se à prática de verificar
todas as ferramentas, materiais, etc. na área de
trabalho e manter somente os itens essenciais para o
trabalho que está sendo realizado. Tudo o mais é
guardado ou descartado. Este processo conduz a uma
diminuição dos obstáculos à produtividade do trabalho.
COMO PRATICAR O SEIRI
É identificar materiais, equipamentos, ferramentas, utensílios, informações e
dados necessários e desnecessários, descartando ou dando a devida
destinação àquilo considerado desnecessário ao exercício das atividades .
EMPRESA
Basta verificar aquele espaço da casa onde colocamos tudo que não serve,
os brinquedos quebrados que não usamos mais, a roupa velha que
guardamos, as revistas e jornais que jamais serão lidos novamente, dentre
outros exemplos que você já deve estar imaginando .
EMCASA
Utilização é preservar consigo apenas os sentimentos valiosos como amor,
amizade, sinceridade, companheirismo, compreensão, descartando aqueles
sentimentos negativos e criando atitudes positivas para fortalecer e ampliar
a convivência, apenas com sentimentos valiosos.
NAVIDA
Material Tempo de decomposição
Lixo orgânico Alguns dias
Papel 3 a 6 meses
Pano 6 meses a 1 ano
Chiclete 5 anos
Filtro de cigarro 5 anos
Madeira pintada 13 anos
Nylon Mais de 30 anos
Garrafa pet e outros plásticos Mais de 100 anos
Latinhas, metais Mais de 100 anos
Vidro 1.000.000 de anos
Pneu, borracha Indeterminado
SEITON
Ordenação
Sistematização
Classificação
Senso de ordenação. Enfoca a necessidade de um espaço
organizado. A organização, neste sentido, refere-se à
disposição das ferramentas e equipamentos em uma
ordem que permita o fluxo do trabalho. Ferramentas e
equipamentos deverão ser deixados nos lugares onde
serão posteriormente usados. O processo deve ser feito
de forma a eliminar os movimentos desnecessários.
SEITON - ORDENAÇÃO
ANÁLISE FREQUÊNCIA AÇÃO
Constantemente
Manter no local de
trabalho ou próximo a
ele
Quando eu uso Periodicamente
manter um pouco
afastado do local de
trabalho
Raramente (necessário)
Manter em depósito
afastado do local de
trabalho
Nunca (ou muito tempo
sem usar
Enviar para área de
descartados
SEITON - ORDENAÇÃO
Transferirdesetor
Materialaser
vendido
Materialpara
recuperação
Lixo
DATA DISCRIMINAÇÃO QUANTIDADE
Classificação
Nomedaempresa:
Balançodosdescartados
COMO PRATICAR O SEITON
Na definição dos locais apropriados, adota-se como critério a facilidade para
estocagem, identificação, manuseio, reposição, retorno ao local de origem
após uso, consumo dos itens mais velhos primeiro.
EMPRESA
Não é incomum para você as cenas de correria pela manhã à procura da
agenda, dos Crachá, dos cadernos, das chaves, do uniforme. E na hora de
declarar o imposto de renda? E as idas e vindas ao mercado? Cada hora falta
alguma coisa para comprar.
EMCASA
É distribuir adequadamente o seu tempo dedicado ao trabalho, ao lazer, à
família, aos amigos. É ainda não misturar suas preferências profissionais com
as pessoais, ter postura coerente, serenidade nas suas decisões, valorizar e
elogiar os atos bons, incentivar as pessoas e não somente criticá-las.
NAVIDA
SEISOU Limpeza
Zelo
Senso de limpeza. Designa a necessidade de manter o mais
limpo possível o espaço de trabalho. A limpeza, nas
empresas japonesas, é uma atividade diária. Ao fim de
cada dia de trabalho, o ambiente é limpo e tudo é
recolocado em seus lugares, tornando fácil saber o que vai
aonde, e saber onde está aquilo que é essencial. O foco
deste procedimento é lembrar que a limpeza deve ser parte
do trabalho diário, e não uma mera atividade ocasional
quando os objetos estão muito desordenados.
SEISOU - LIMPEZA
Consideram-se sujeiras, sendo passíveis de verificação nessa etapa, entre
outros aspectos:
 má situação de iluminação dos locais, o que pode causar desgaste da visão, acidentes
de trabalho e erros nas atividades;
 nível elevado de ruídos, prejudicando a audição e dificultando o processo de
comunicação;
 odores fortes que possam prejudicar a saúde das pessoas;
 excesso de partículas sólidas (pó e poeira) em suspensão ou acumuladas sobre os
objetos, prejudicando a saúde e camuflando anormalidades nos objetos;
 objetos danificados;
 equipamentos funcionando mal, com problemas de vazamento, desregulados,
descalibrados.
COMO PRATICAR O SEISOU
É eliminar a sujeira ou objetos estranhos para manter limpo o ambiente
(parede, armários, o teto, gaveta, estante, piso) bem como manter dados e
informações atualizados para garantir a correta tomada de decisões.
EMPRESA
Também é eliminar a sujeira ou objetos estranhos para manter limpo o
ambiente (parede, armários, o teto, gaveta, estante, piso), usar roupas,
lençóis, lingerie, limpos e passados, manter lixeiras, quintal e banheiro sempre
limpos.
EMCASA
É procurar ser honesto ao se expressar, ser transparente, cordial, prestativo,
sem segundas intenções, com os amigos, com a família, com os subordinados,
com os vizinhos, etc.
NAVIDA
SEISOU – BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO
redução dos
desperdícios
redução de
acidentes no
trabalho
redução do nível
de estresse
aumento da vida
útil dos objetos e
equipamentos
limpeza no local
de trabalho
prevenção da
poluição
aumento do
prazer de
trabalhar
maior
confiabilidade no
trabalho
melhora da
imagem da
empresa
SEIKETSU
Significa criar condições favoráveis à saúde física e mental,
garantir ambiente não agressivo e livre de agentes
poluentes, manter boas condições sanitárias nas áreas
comuns, zelar pela higiene pessoal e cuidar para que as
informações e comunicados sejam claros, de fácil leitura e
compreensão.
Asseio
Higiene
Saúde
SEIKETSU - HIGIENE
Manter as condições do ambiente propícias ao
processo de educação ou reeducação é fator
determinante na fase da Higiene. Portanto, procure
observar tudo que, de alguma forma, possa
comprometer ou dificultar o processo de educação
das pessoas, como:
SEIKETSU - HIGIENE
situação de iluminação nas áreas
nível de ruído/vibração
temperatura do ambiente
existência de fontes de sujeira
situações que possam causar algum tipo de poluição
situação de armazenamento de substâncias perigosas
situações que possam colocar em risco as pessoas e instalações da empresa
COMO PRATICAR O SEIKETSU
Manter boas condições sanitárias nas áreas comuns (lavatórios, banheiros,
cozinha, restaurante, etc.), zelar pela higiene pessoal usar EPI e cuidar para
que as informações e comunicados sejam claros, de fácil leitura e
compreensão.
EMPRESA
Cuidar do asseio de banheiro, cozinha, higienizar alimentos, vacinação em
dias, usar tapetes, cortinas, capas de proteção, escovar os dentes, manter
limpos, cabelos, barba, unhas, roupas e calçados.
EMCASA
Ter comportamento ético, promover um ambiente saudável nas relações
interpessoais, sejam sociais, familiares ou profissionais, cultivando um clima de
respeito mútuo nas diversas relações.
NAVIDA
SHITSUKE
É desenvolver hábito de observar e seguir normas, regras,
procedimentos, atender especificações, sejam escritas ou
informais. Este hábito é resultado do exercício da força
mental, moral e física. Não se trata de uma obediência
cega, submissa, “Atitude de Cordeiro". É a demonstração
de respeito a si próprio e aos outros.
Auto-disciplina
Educação
Compromisso
SHITSUKE - AUTODISCIPLINA
Disciplina;
Educação;
Continuidade, aperfeiçoamento e consolidação
do Descarte, Organização, Limpeza e Higiene;
Motivação para aprender novas tarefas e
evoluir em conhecimento;
Padronização das atividades rotineiras para
que sejam executadas sempre da mesma
maneira;
Respeito aos horários;
Conhecimento e obediência aos regulamentos;
Manutenção dos padrões de qualidade;
Redução da burocracia;
Cumprimento dos prazos de entrega e dos
compromissos assumidos com clientes, colegas e
superiores;
Observância das normas de segurança,
especificações dos serviços/produtos e do
código do consumidor
COMO PRATICAR O SHITSUKE
Seguir os procedimentos, regras e normas da empresa, bem como a cultura,
buscando contribuir sempre para melhoria do ambiente de trabalho com
sugestões e instruindo os colegas com boas práticas.
EMPRESA
Ensinar aos familiares o que aprender na empresa, praticar as técnicas que
se encaixarem em casa e se policiar para não voltar os velhos costumes.
EMCASA
Desenvolver o autocontrole (contar sempre até dez), ter paciência, ser
persistente na busca de seus sonhos, anseios e aspirações, respeitar o espaço
e a vontade alheias.
NAVIDA
VANTAGENS DO 5S
Trabalha com segurança
Mantém bons hábitos para a
saúde
Busca limpeza e organização
Combate os desperdícios
Tem espírito de equipe
Aceita os desafios
É responsável
DIFICULDADES
Resistência das pessoas por técnicas ou ações novas;
Tempo limitado do pessoal para envolvimento no
programa;
“Enxergar” os participantes do programa como um
mutirão de organização e limpeza;
Manter a ideia viva na organização depois do Dia
D.
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

OSM : Formulários
OSM : FormuláriosOSM : Formulários
OSM : Formulários
 
Gestão Visual e Manutenção
Gestão Visual e ManutençãoGestão Visual e Manutenção
Gestão Visual e Manutenção
 
2 plano de negócios dornelas
2 plano de negócios dornelas2 plano de negócios dornelas
2 plano de negócios dornelas
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Senai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdfSenai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdf
 
Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral
 
Teoria neoclássica da Administração
Teoria neoclássica da AdministraçãoTeoria neoclássica da Administração
Teoria neoclássica da Administração
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Treinamento 5s
Treinamento 5sTreinamento 5s
Treinamento 5s
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
 
Palestra "Gestão do Tempo e Produtividade Pessoal
Palestra "Gestão do Tempo e Produtividade PessoalPalestra "Gestão do Tempo e Produtividade Pessoal
Palestra "Gestão do Tempo e Produtividade Pessoal
 
Mapeamento processos
Mapeamento processosMapeamento processos
Mapeamento processos
 
5s
5s5s
5s
 
Apresentação do Programa 5S
Apresentação do Programa 5SApresentação do Programa 5S
Apresentação do Programa 5S
 
Gestao Visual 2018
Gestao Visual 2018Gestao Visual 2018
Gestao Visual 2018
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 
Empreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedorEmpreendedorismo e o empreendedor
Empreendedorismo e o empreendedor
 
Otimização Do Tempo
Otimização Do TempoOtimização Do Tempo
Otimização Do Tempo
 
Programa 5 s apresentação
Programa 5 s apresentaçãoPrograma 5 s apresentação
Programa 5 s apresentação
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
 

Destaque

Gestão Aplicada 3 - Aula 01
Gestão Aplicada 3 - Aula 01Gestão Aplicada 3 - Aula 01
Gestão Aplicada 3 - Aula 01Anderson Pontes
 
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºanoFerramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºanoCTDI Grupo5
 
Principais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadePrincipais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadeNara Oliveira
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásAnderson Pontes
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesAnderson Pontes
 
Sistemas organizacionais e introdução á gestão
Sistemas organizacionais e introdução á gestãoSistemas organizacionais e introdução á gestão
Sistemas organizacionais e introdução á gestãoSousa1973
 
1 análise de vibração - definições técnicas
1  análise de vibração - definições técnicas1  análise de vibração - definições técnicas
1 análise de vibração - definições técnicasEvaldo Agnoletto
 
Para apresentação de inglês 2013
Para apresentação de inglês 2013Para apresentação de inglês 2013
Para apresentação de inglês 2013Delziene Jesus
 
Procedimento analise de vibração
Procedimento analise de vibraçãoProcedimento analise de vibração
Procedimento analise de vibraçãoEdinhoguerra
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsAnderson Pontes
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeMauro Sobrenome
 
Trabalhos de Inglês
Trabalhos de InglêsTrabalhos de Inglês
Trabalhos de Inglêsragpaz
 
FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...
FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...
FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...Israel Evangelista Dias
 
Apresentação de trabalhos na disciplina de inglês
Apresentação de trabalhos na disciplina de inglêsApresentação de trabalhos na disciplina de inglês
Apresentação de trabalhos na disciplina de inglêsarcbeantero
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsAnderson Pontes
 

Destaque (20)

Gestão Aplicada 3 - Aula 01
Gestão Aplicada 3 - Aula 01Gestão Aplicada 3 - Aula 01
Gestão Aplicada 3 - Aula 01
 
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºanoFerramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
 
Principais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadePrincipais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidade
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
 
Sistemas organizacionais e introdução á gestão
Sistemas organizacionais e introdução á gestãoSistemas organizacionais e introdução á gestão
Sistemas organizacionais e introdução á gestão
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
 
Apresentação 5 s
Apresentação 5 sApresentação 5 s
Apresentação 5 s
 
1 análise de vibração - definições técnicas
1  análise de vibração - definições técnicas1  análise de vibração - definições técnicas
1 análise de vibração - definições técnicas
 
Para apresentação de inglês 2013
Para apresentação de inglês 2013Para apresentação de inglês 2013
Para apresentação de inglês 2013
 
Procedimento analise de vibração
Procedimento analise de vibraçãoProcedimento analise de vibração
Procedimento analise de vibração
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Análise de vibracao
Análise de vibracaoAnálise de vibracao
Análise de vibracao
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglês
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Trabalhos de Inglês
Trabalhos de InglêsTrabalhos de Inglês
Trabalhos de Inglês
 
FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...
FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...
FAÇA O QUE TE MANDO, NÃO FAÇA O QUE FAÇO. Aprendendo com os erros de líderanç...
 
Apresentação de trabalhos na disciplina de inglês
Apresentação de trabalhos na disciplina de inglêsApresentação de trabalhos na disciplina de inglês
Apresentação de trabalhos na disciplina de inglês
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand Tools
 
Apostila 06 / Monitoramento: Ferramentas de Gestão
Apostila 06 / Monitoramento: Ferramentas de GestãoApostila 06 / Monitoramento: Ferramentas de Gestão
Apostila 06 / Monitoramento: Ferramentas de Gestão
 

Semelhante a Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I (20)

AULA_Ferramentas-de-Qualidade (1).ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade (1).pptAULA_Ferramentas-de-Qualidade (1).ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade (1).ppt
 
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.pptAULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
 
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.pptAULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
 
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.pptAULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
AULA_Ferramentas-de-Qualidade.ppt
 
Gerenciamento da Rotina_MODULO_4
Gerenciamento da Rotina_MODULO_4Gerenciamento da Rotina_MODULO_4
Gerenciamento da Rotina_MODULO_4
 
Programa 5 S
Programa 5 SPrograma 5 S
Programa 5 S
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
5s cap 53
5s cap 535s cap 53
5s cap 53
 
Cinco s
Cinco sCinco s
Cinco s
 
5 s
5 s5 s
5 s
 
5 s
5 s5 s
5 s
 
Programa 5 s trabalho 1
Programa 5 s   trabalho 1Programa 5 s   trabalho 1
Programa 5 s trabalho 1
 
Qualidade Total
Qualidade TotalQualidade Total
Qualidade Total
 
Nillo qsms
Nillo qsmsNillo qsms
Nillo qsms
 
Programa 5-s1
Programa 5-s1Programa 5-s1
Programa 5-s1
 
5s
5s5s
5s
 
5s
5s5s
5s
 
5s
5s5s
5s
 
programa-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).pptprograma-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).ppt
 
programa-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).pptprograma-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).ppt
 

Mais de Anderson Pontes

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoAnderson Pontes
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoAnderson Pontes
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoAnderson Pontes
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOAnderson Pontes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceAnderson Pontes
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnderson Pontes
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosAnderson Pontes
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoAnderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Anderson Pontes
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAnderson Pontes
 
Reservatórios de Petróelo
Reservatórios de PetróeloReservatórios de Petróelo
Reservatórios de PetróeloAnderson Pontes
 
Prospecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoProspecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoAnderson Pontes
 
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásPerfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásAnderson Pontes
 

Mais de Anderson Pontes (20)

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
 
TEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand ToolsTEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of Texts
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
 
Lubrificantes III
Lubrificantes IIILubrificantes III
Lubrificantes III
 
Lubrificantes II
Lubrificantes IILubrificantes II
Lubrificantes II
 
Lubrificaçao I
Lubrificaçao ILubrificaçao I
Lubrificaçao I
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
 
Reservatórios de Petróelo
Reservatórios de PetróeloReservatórios de Petróelo
Reservatórios de Petróelo
 
Prospecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoProspecção de Petróleo
Prospecção de Petróleo
 
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásPerfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 

Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I

  • 1. FERRAMENTAS DA QUALIDADE Professor Anderson Pontes
  • 2. TOTAL QUALITY MANAGMENT Total Quality Managment (do inglês, Gestão da Qualidade Total) consiste numa estratégia de administração orientada a criar consciência da qualidade em todos os processos organizacionais.
  • 3. TOTAL QUALITY MANAGMENT A busca pela qualidade de produtos e serviços trás como resultados: • Aumento de satisfação dos clientes • Aumento de produtividade • Redução de custos • Melhoria dos processos de fabricação • Possibilidade de acesso a novos mercados
  • 4. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA QUALIDADE TOTAL Produção de bens e serviços que respondam concretamente as necessidades dos clientes Garantir a sobrevivência da empresa por meio do lucro Identificação e resolução rápida de problemas com soluções eficazes Falar, raciocinar e decidir com base em fatos Administração por processos e não por resultados Colocação dos clientes em pedestais; Ele merece os melhores produtos/serviços
  • 5. TQC EM MANUTENÇÃO Qualidadetotal Disponibilidade de máquina Aumento de competitividade Aumento da lucratividade Satisfação dos clientes Defeito zero
  • 6. JUST IN TIME Sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata. Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e custos decorrentes. Está relacionado com o conceito de produção por demanda
  • 7. HISTÓRICO O JIT é considerado uma completa filosofia de trabalho podendo ser considerado como um programa da qualidade tal qual o 5S. Este aborda os seguintes aspectos:  Atividades administrativas  Gestão da Qualidade  Arranjo físico  Projeto de lançamento de produto ou de construção  Organização do trabalho e gestão de recursos humanos
  • 8. FILOSOFIA DAS OPERAÇÕES JIT Eliminação dos desperdícios Envolvimento dos funcionários na produção Esforço de aprimoramento contínuo
  • 10. ENVOLVIMENTO DE TODOS Cultura organizacional Resolução de problemas por equipes Inclusão de tarefas de manutenção e set-up Rotação de cargos Multi-habilidades Responsabilidade pessoal e engajamento
  • 11. KAIZEN Desempenho real x ideal Aproximação com o tempo Critério – Medida de desempenho Qualidade, Flexibilidade, Velocidade, Confiabilidade, Custo
  • 12. CICLO PDCA É um ciclo de análise e melhoria, criado por Walter Shewart, em meados da década de 20. Ferramenta de fundamental importância para análise e melhoria dos processos organizacionais e para a eficácia do trabalho em equipe.
  • 13. CICLO PDCA O ciclo PDCA é uma ferramenta gerencial de tomada de decisões para garantir o alcance das metas necessárias á sobrevivência de uma organização, sendo composto das seguintes etapas PLAN DO CHECK ACTION
  • 14. ETAPAS DO PDCA Planejar Definir as metas a serem alcançadas Definir os métodos para alcançar as metas propostas Executar Executar as tarefas exatamente como foram planejadas Coletar dados que serão utilizados na próxima etapa de verificação do processo
  • 15. ETAPAS DO PDCA Verificar, checar Verificar se o executado está conforme o planejado, ou seja, se a meta foi alcançada dentro do método definido Identificar os desvios na meta ou no método Agir corretamente Definir soluções e eliminar os desvios Realizar um trabalho preventivo, fazendo uma identificação dos possíveis desvios que possam ocorrer no futuro
  • 17. FERRAMENTAS DA QUALIDADE 5 S São cinco sensos que podem proporcionar um cotidiano com menos desperdício, mais organizado, mais limpo e claro, mais transparente, mais sincero e disciplinado.
  • 18. HISTÓRICO Este método foi concebido por Kaoru Ishikawa, em 1950, no Japão do pós guerra, inspirado na necessidade que havia de colocar ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota na Segunda Guerra Mundial. O método demonstrou ser tão eficaz enquanto reorganizador das empresas e da própria economia japonesa que, até hoje, é considerado o principal instrumento de gestão da qualidade e produtividade utilizado naquele país.
  • 19. HISTÓRICO O 5S é uma prática desenvolvida no Japão, onde os pais ensinam a seus filhos princípios educacionais que os acompanham até a idade adulta, constitui um programa de educação e treinamento que busca a Qualidade Total, de modo simples, através do aperfeiçoamento constante, da prática de bons hábitos, procedimentos, comportamentos etc.
  • 20. OBJETIVOS Mudanças comportamentais, incorporando à cultura existente novos hábitos, valores e costumes; Melhorias na qualidade de vida dos empregados Ganhos de produtividade e de qualidade dos produtos Facilitador da obtenção das certificações ISO
  • 21. OS 5 SENSOS DA QUALIDADE O termo 5S é derivado de cinco palavras japonesas iniciadas com a letra S. A melhor forma encontrada para expressar a abrangência e profundidade dessas palavras foi acrescentar o termo "Senso de" antes de cada palavra em português. Assim, o termo original 5S foi mantido, mesmo na língua portuguesa. O termo "Senso de' significa "exercitar a capacidade de apreciar, julgar e entender". Significa ainda a "aplicação correta da razão para julgar ou raciocinar em cada caso particular.”
  • 22. Seiri Seiton Seisou Seiketsu Shitsuke Senso de Arrumação Senso de Ordenação Senso de Limpeza Senso de Asseio Senso de Autodisciplina
  • 23. IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S 1º • Criação de um comitê de responsáveis pelo treinamento dos demais envolvidos no processo 2º • Mapeamento das áreas nas quais haverá a implantação do 5S 3º • Sensibilização – deverá ser realizada pelo comitê que deverá apresentar os conceitos, cronograma de implantação e dia D, inclusive “indicando” a força-tarefa e seus respectivos representantes
  • 24. IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S 4º • Reuniões entre comitê e representantes para relatar ações planejadas e realizadas 5º • Levantamento das necessidades; 6º • Documentação sobre a situação atual, incluindo fotos, que deverá compor o quadro;
  • 25. IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA 5S 7º • Seleção de ações viáveis e feedback para as não viáveis 8º • Definição das áreas de descarte local e global; 9º • Distribuição das atividades e programação do dia D 10º • Dia D – Implantação do sistema
  • 26. SEIRI Utilização Arrumação Organização Seleção Senso de utilização. Refere-se à prática de verificar todas as ferramentas, materiais, etc. na área de trabalho e manter somente os itens essenciais para o trabalho que está sendo realizado. Tudo o mais é guardado ou descartado. Este processo conduz a uma diminuição dos obstáculos à produtividade do trabalho.
  • 27. COMO PRATICAR O SEIRI É identificar materiais, equipamentos, ferramentas, utensílios, informações e dados necessários e desnecessários, descartando ou dando a devida destinação àquilo considerado desnecessário ao exercício das atividades . EMPRESA Basta verificar aquele espaço da casa onde colocamos tudo que não serve, os brinquedos quebrados que não usamos mais, a roupa velha que guardamos, as revistas e jornais que jamais serão lidos novamente, dentre outros exemplos que você já deve estar imaginando . EMCASA Utilização é preservar consigo apenas os sentimentos valiosos como amor, amizade, sinceridade, companheirismo, compreensão, descartando aqueles sentimentos negativos e criando atitudes positivas para fortalecer e ampliar a convivência, apenas com sentimentos valiosos. NAVIDA
  • 28. Material Tempo de decomposição Lixo orgânico Alguns dias Papel 3 a 6 meses Pano 6 meses a 1 ano Chiclete 5 anos Filtro de cigarro 5 anos Madeira pintada 13 anos Nylon Mais de 30 anos Garrafa pet e outros plásticos Mais de 100 anos Latinhas, metais Mais de 100 anos Vidro 1.000.000 de anos Pneu, borracha Indeterminado
  • 29. SEITON Ordenação Sistematização Classificação Senso de ordenação. Enfoca a necessidade de um espaço organizado. A organização, neste sentido, refere-se à disposição das ferramentas e equipamentos em uma ordem que permita o fluxo do trabalho. Ferramentas e equipamentos deverão ser deixados nos lugares onde serão posteriormente usados. O processo deve ser feito de forma a eliminar os movimentos desnecessários.
  • 30. SEITON - ORDENAÇÃO ANÁLISE FREQUÊNCIA AÇÃO Constantemente Manter no local de trabalho ou próximo a ele Quando eu uso Periodicamente manter um pouco afastado do local de trabalho Raramente (necessário) Manter em depósito afastado do local de trabalho Nunca (ou muito tempo sem usar Enviar para área de descartados
  • 31. SEITON - ORDENAÇÃO Transferirdesetor Materialaser vendido Materialpara recuperação Lixo DATA DISCRIMINAÇÃO QUANTIDADE Classificação Nomedaempresa: Balançodosdescartados
  • 32. COMO PRATICAR O SEITON Na definição dos locais apropriados, adota-se como critério a facilidade para estocagem, identificação, manuseio, reposição, retorno ao local de origem após uso, consumo dos itens mais velhos primeiro. EMPRESA Não é incomum para você as cenas de correria pela manhã à procura da agenda, dos Crachá, dos cadernos, das chaves, do uniforme. E na hora de declarar o imposto de renda? E as idas e vindas ao mercado? Cada hora falta alguma coisa para comprar. EMCASA É distribuir adequadamente o seu tempo dedicado ao trabalho, ao lazer, à família, aos amigos. É ainda não misturar suas preferências profissionais com as pessoais, ter postura coerente, serenidade nas suas decisões, valorizar e elogiar os atos bons, incentivar as pessoas e não somente criticá-las. NAVIDA
  • 33. SEISOU Limpeza Zelo Senso de limpeza. Designa a necessidade de manter o mais limpo possível o espaço de trabalho. A limpeza, nas empresas japonesas, é uma atividade diária. Ao fim de cada dia de trabalho, o ambiente é limpo e tudo é recolocado em seus lugares, tornando fácil saber o que vai aonde, e saber onde está aquilo que é essencial. O foco deste procedimento é lembrar que a limpeza deve ser parte do trabalho diário, e não uma mera atividade ocasional quando os objetos estão muito desordenados.
  • 34. SEISOU - LIMPEZA Consideram-se sujeiras, sendo passíveis de verificação nessa etapa, entre outros aspectos:  má situação de iluminação dos locais, o que pode causar desgaste da visão, acidentes de trabalho e erros nas atividades;  nível elevado de ruídos, prejudicando a audição e dificultando o processo de comunicação;  odores fortes que possam prejudicar a saúde das pessoas;  excesso de partículas sólidas (pó e poeira) em suspensão ou acumuladas sobre os objetos, prejudicando a saúde e camuflando anormalidades nos objetos;  objetos danificados;  equipamentos funcionando mal, com problemas de vazamento, desregulados, descalibrados.
  • 35. COMO PRATICAR O SEISOU É eliminar a sujeira ou objetos estranhos para manter limpo o ambiente (parede, armários, o teto, gaveta, estante, piso) bem como manter dados e informações atualizados para garantir a correta tomada de decisões. EMPRESA Também é eliminar a sujeira ou objetos estranhos para manter limpo o ambiente (parede, armários, o teto, gaveta, estante, piso), usar roupas, lençóis, lingerie, limpos e passados, manter lixeiras, quintal e banheiro sempre limpos. EMCASA É procurar ser honesto ao se expressar, ser transparente, cordial, prestativo, sem segundas intenções, com os amigos, com a família, com os subordinados, com os vizinhos, etc. NAVIDA
  • 36. SEISOU – BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO redução dos desperdícios redução de acidentes no trabalho redução do nível de estresse aumento da vida útil dos objetos e equipamentos limpeza no local de trabalho prevenção da poluição aumento do prazer de trabalhar maior confiabilidade no trabalho melhora da imagem da empresa
  • 37. SEIKETSU Significa criar condições favoráveis à saúde física e mental, garantir ambiente não agressivo e livre de agentes poluentes, manter boas condições sanitárias nas áreas comuns, zelar pela higiene pessoal e cuidar para que as informações e comunicados sejam claros, de fácil leitura e compreensão. Asseio Higiene Saúde
  • 38. SEIKETSU - HIGIENE Manter as condições do ambiente propícias ao processo de educação ou reeducação é fator determinante na fase da Higiene. Portanto, procure observar tudo que, de alguma forma, possa comprometer ou dificultar o processo de educação das pessoas, como:
  • 39. SEIKETSU - HIGIENE situação de iluminação nas áreas nível de ruído/vibração temperatura do ambiente existência de fontes de sujeira situações que possam causar algum tipo de poluição situação de armazenamento de substâncias perigosas situações que possam colocar em risco as pessoas e instalações da empresa
  • 40. COMO PRATICAR O SEIKETSU Manter boas condições sanitárias nas áreas comuns (lavatórios, banheiros, cozinha, restaurante, etc.), zelar pela higiene pessoal usar EPI e cuidar para que as informações e comunicados sejam claros, de fácil leitura e compreensão. EMPRESA Cuidar do asseio de banheiro, cozinha, higienizar alimentos, vacinação em dias, usar tapetes, cortinas, capas de proteção, escovar os dentes, manter limpos, cabelos, barba, unhas, roupas e calçados. EMCASA Ter comportamento ético, promover um ambiente saudável nas relações interpessoais, sejam sociais, familiares ou profissionais, cultivando um clima de respeito mútuo nas diversas relações. NAVIDA
  • 41. SHITSUKE É desenvolver hábito de observar e seguir normas, regras, procedimentos, atender especificações, sejam escritas ou informais. Este hábito é resultado do exercício da força mental, moral e física. Não se trata de uma obediência cega, submissa, “Atitude de Cordeiro". É a demonstração de respeito a si próprio e aos outros. Auto-disciplina Educação Compromisso
  • 42. SHITSUKE - AUTODISCIPLINA Disciplina; Educação; Continuidade, aperfeiçoamento e consolidação do Descarte, Organização, Limpeza e Higiene; Motivação para aprender novas tarefas e evoluir em conhecimento; Padronização das atividades rotineiras para que sejam executadas sempre da mesma maneira; Respeito aos horários; Conhecimento e obediência aos regulamentos; Manutenção dos padrões de qualidade; Redução da burocracia; Cumprimento dos prazos de entrega e dos compromissos assumidos com clientes, colegas e superiores; Observância das normas de segurança, especificações dos serviços/produtos e do código do consumidor
  • 43. COMO PRATICAR O SHITSUKE Seguir os procedimentos, regras e normas da empresa, bem como a cultura, buscando contribuir sempre para melhoria do ambiente de trabalho com sugestões e instruindo os colegas com boas práticas. EMPRESA Ensinar aos familiares o que aprender na empresa, praticar as técnicas que se encaixarem em casa e se policiar para não voltar os velhos costumes. EMCASA Desenvolver o autocontrole (contar sempre até dez), ter paciência, ser persistente na busca de seus sonhos, anseios e aspirações, respeitar o espaço e a vontade alheias. NAVIDA
  • 44. VANTAGENS DO 5S Trabalha com segurança Mantém bons hábitos para a saúde Busca limpeza e organização Combate os desperdícios Tem espírito de equipe Aceita os desafios É responsável
  • 45. DIFICULDADES Resistência das pessoas por técnicas ou ações novas; Tempo limitado do pessoal para envolvimento no programa; “Enxergar” os participantes do programa como um mutirão de organização e limpeza; Manter a ideia viva na organização depois do Dia D.