SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – UFPI
CAMPUS PROFESSORA CINOBELINA ELVAS – CPCE
CURSO: ENGENHARIA AGRONÔMICA
DISCIPLINA: ENTOMOLOGIA AGRÍCOLA
DOCENTE: JAQUELINE ZANON DE MOURA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA CULTURA DO ALGODOEIRO
DISCENTES:
DIEGO DOS SANTOS ROCHA
IGOR LOPES RIBEIRO
JOSÉ CARLOS SANTOS DE SOUSA
WENASSON SILVA SOUSA
Introdução
 Destinada principalmente à indústria têxtil, a cultura do algodão no
Brasil é considerada uma das dez mais importantes, figurando entre
as cinco maiores do mundo.
 Manter o nível de infestação dos insetos sob controle configura-se
como um grande desafio ao agricultor.
Manejo Integrado de Pragas
 O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é uma filosofia de controle de praga
que procura preservar e incrementar os fatores de mortalidade natural,
através do uso integrado de todas as técnicas de combate possíveis,
selecionadas com base nos parâmetros econômicos, ecológicos e
sociológicos, visando a manter a densidade populacional de um organismo
abaixo do nível de dano econômico (ZANETTI, 2002).
Manejo Integrado de Pragas
 As táticas do MIP incluem:
 Controle biológico
 Controle cultural
 Controle genético (resistência de plantas a insetos)
 Controle comportamental
 Controle químico
Controle biológico do algodoeiro
 A premissa básica do controle biológico é controlar as pragas
agrícolas e os insetos transmissores de doenças a partir do uso de seus
inimigos naturais (ALMEIDA et al., 2017).
 Predadores: Percevejos Podisus nigrispinus,
Geocoris spp., Nabis spp..
 Prasitóides: Trichogramma pretiosum e
Cerastomicra intmaculata (Hymenoptera:
Calcidae).
 Entomopatógenos: Os fungos Beauveria
bassiana, Nomuraea rileyi (Moniliales:
Moniliaceae) e o vírus da poliedrose nuclear
(doença preta).
Fonte: https://3rlab.wordpress.com/category/insetos/
Controle cultural do algodoeiro
 Baseiam-se na utilização dos conhecimentos ecológicos e biológicos
das pragas, empregando práticas culturais, as mais comuns são:
 A uniformização da data de semeadura;
 A catação e destruição de botões florais caídos no solo;
 A destruição dos restos culturais;
 O uso de culturas-armadilha;
 A rotação de culturas.
Fonte: https://amtecbioagricola.com
Controle genético
 Baseia-se no emprego de plantas resistentes a insetos, considerado o
método ideal de controle devido à possibilidade de permitir a
manutenção da praga em níveis inferiores ao de dano econômico,
sem causar prejuízos ao ambiente.
Controle comportamental
 Baseiam-se nos estudos de fisiologia dos insetos. Esses métodos não
apresentam riscos de intoxicação para o homem e para animais
domésticos, não geram resíduos tóxicos e evitam desequilíbrios
ecológicos. Uma das formas de controle por comportamento é o uso de
hormônios de inseto.
 Os feromônios são utilizados no monitoramento das pragas.
Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
Controle químico
 Constitui-se no uso de inseticidas – compostos químicos e biológicos –
que são aplicados, direta ou indiretamente, para matar insetos.
Fonte: http://www.amipa.com.br Fonte: http://www.amipa.com.br
Principais pragas do algodoeiro
 Helicoverpa armigera – (Lepidoptera – Noctuidae)
 Identificação da injúria provocada pela praga;
 Condições favoráveis ao aumento populacional;
 Estratégias de controle.
Fonte: http://ruralpecuaria.com.br
Principais pragas do algodoeiro
 Pulgão - Aphis gossypii e Myzus persicae (Hemiptera: Aphididae)
 Identificação da injúria provocada pela praga;
 Condições favoráveis ao aumento populacional;
 Estratégias de controle.
Fonte: http://br.viarural.com
Fonte: http://br.viarural.com
Principais pragas do algodoeiro
 Curuquerê - Alabama argillacea (Lepidoptera: Noctuidae)
 Identificação da injúria provocada pela praga;
 Condições favoráveis ao aumento populacional;
 Estratégias de controle.
Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
Principais pragas do algodoeiro
 Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae)
 Identificação da injúria provocada pela praga;
 Condições favoráveis ao aumento populacional;
 Estratégias de controle
Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
Principais pragas do algodoeiro
 Bicudo-do-algodoeiro - Anthonomus grandis – (Curculionídeos)
 Identificação da injúria provocada pela praga;
 Condições favoráveis ao aumento populacional;
 Estratégias de controle.
Fonte: http://ruralpecuaria.com.br
Monitoramento
 O monitoramento eficiente e constante da lavoura é fator imprescindível
no manejo de pragas, sendo determinante para que as várias táticas de
controle de pragas possam ser utilizadas com critério e em tempo hábil.
Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
Monitoramento
 Para as principais pragas como: pulgões, mosca branca, bicudo do
algodoeiro, lagarta das maçãs, lagarta-rosada, curuquerê do
algodoeiro, a amostragem é um fator imprescindível para determinar
o momento certo de manter as pragas no nível adequada.
Fonte: https://www.embrapa.br
Monitoramento
Praga
Época de
ocorrência
Amostra Nível de controle Nível de não ação
Pulgão Até 60 dias Plantas 70% da planta
22% de IN nos
ponteiros
Tripes Até 30 dias Folhas 6 tripes/folha -
Ácaros
-rajado
-branco
80-110 dias
70-100 dias
Plantas
Plantas
10% das plantas
atacadas
40% das plantas
atacadas
-
Bicudo 50 dias finais
Botões florais com
grandlure
10% das plantas
atacadas
1 adulto por armadilha
-
Curuquerê 90-140 dias Plantas
2 lagartas/ planta
25% de desfolha
0.5 a 1.0
predador/presa/planta
Lagarta-das-maçãs 70-120 dias Plantas com virelure
Ovos: 20% ponteiros
lagartas: 15%
10 adultos por
armadilha
1.0 predador
chave/planta
Fonte: Conteúdo desta tabela é adaptado do livro Manejo de Sistemas Agrícolas do Cerrado.
Monitoramento
 A área mínima para amostragem das principais culturas é de 10 ha. Para
método convencional é necessário 50 a 100 amostras/ha, em
caminhamento de “zig-zag” (MEDEIROS et al., 2017).
Considerações finais
 Desse modo, o Manejo Integrado de Pragas vem como uma ferramenta
para o controle das pragas-chaves da cultura do algodoeiro. Sendo
totalmente compatível com os sistemas de manejo recomendados como
boas práticas agrícolas. O MIP contribui de forma positiva para que as
pragas possam ser mantidas abaixo do nível de dano econômico. Tendo
como vantagens menores custos ao produtor e causando menos danos ao
agroecossistema em estudo.
Referências Bibliográficas
 ALMEIDA, Raul Porfírio de et al. Manejo Integrado de Pragas do Algodoeiro no
Brasil: Embrapa Algodão. 2017. Disponível em:
<https://www.cnpa.embrapa.br/aunidade/MIP_algodoeiro_2013.pdf>. Acesso em: 28 nov.
2017.
 MEDEIROS, João Carlos et al. Manejo de Sistemas Agrícolas No Cerrado: Bom Jesus-
pi: Crv, 2017. 391 p.
 MIP - Algodão. 2017. Disponível em: <https://www.embrapa.br/arroz-e-
feijao/mip/algodao>. Acesso em: 28 nov. 2017.
 PICANÇO, Marcelo Coutinho. MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS: ;. 2016.
Disponível em: <http://www.den.ufla.br/siteantigo/Professores/Ronald/Disciplinas/Notas
Aula/MIPFlorestas conceitos mip.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2017.
Obrigado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoGeagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroGeagra UFG
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoGeagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Geagra UFG
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraDavid Rodrigues
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuroFerrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuroCristiane Assis
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melanciaIFRO
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoGeagra UFG
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoGeagra UFG
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEGeagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroGeagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoGeagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaSophie Gris
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
 
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuroFerrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
Ácaros predadores de insetos
Ácaros predadores de insetosÁcaros predadores de insetos
Ácaros predadores de insetos
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da soja
 
Técnica do inseto estéril
Técnica do inseto estérilTécnica do inseto estéril
Técnica do inseto estéril
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 

Semelhante a MIP EM ALGODOEIRO (1)

Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Ligia palacio
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...Rodrigo Penna
 
Tratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaTratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaWitalo Silva
 
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...Oxya Agro e Biociências
 
Entomologia Aplicada - Resumo
Entomologia Aplicada - ResumoEntomologia Aplicada - Resumo
Entomologia Aplicada - ResumoTainah Freitas
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaJoão Siqueira da Mata
 
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfDori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfCyntia Silva
 
Manejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasManejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasCácia Viana
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologiaJean Marcel
 
Cartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_webCartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_webMaria Da Penha Silva
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De PragasNuno Correia
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfJudite Silva
 
Manejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhas
Manejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhasManejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhas
Manejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhasGilsonRibeiroNachtig
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De PragasNuno Correia
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De PragasNuno Correia
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasAndresa Gueiros
 
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoTécnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoAgricultura Sao Paulo
 

Semelhante a MIP EM ALGODOEIRO (1) (20)

Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
 
Tratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaTratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doença
 
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
 
Apostila cb (final)
Apostila cb (final)Apostila cb (final)
Apostila cb (final)
 
Entomologia Aplicada - Resumo
Entomologia Aplicada - ResumoEntomologia Aplicada - Resumo
Entomologia Aplicada - Resumo
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
 
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do TrigoControle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
 
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfDori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
 
Manejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasManejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragas
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologia
 
Cartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_webCartilha defensivos alternativos_web
Cartilha defensivos alternativos_web
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
 
Manejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhas
Manejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhasManejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhas
Manejo-integrado-de-Malezas, como manejar plantas daninhas
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
 
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoTécnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...LuisCSIssufo
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoTeorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoEduardoBarreto262551
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptMrciaVidigal
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoAlessandraRaiolDasNe
 

Último (17)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoTeorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
 

MIP EM ALGODOEIRO (1)

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – UFPI CAMPUS PROFESSORA CINOBELINA ELVAS – CPCE CURSO: ENGENHARIA AGRONÔMICA DISCIPLINA: ENTOMOLOGIA AGRÍCOLA DOCENTE: JAQUELINE ZANON DE MOURA MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA CULTURA DO ALGODOEIRO DISCENTES: DIEGO DOS SANTOS ROCHA IGOR LOPES RIBEIRO JOSÉ CARLOS SANTOS DE SOUSA WENASSON SILVA SOUSA
  • 2. Introdução  Destinada principalmente à indústria têxtil, a cultura do algodão no Brasil é considerada uma das dez mais importantes, figurando entre as cinco maiores do mundo.  Manter o nível de infestação dos insetos sob controle configura-se como um grande desafio ao agricultor.
  • 3. Manejo Integrado de Pragas  O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é uma filosofia de controle de praga que procura preservar e incrementar os fatores de mortalidade natural, através do uso integrado de todas as técnicas de combate possíveis, selecionadas com base nos parâmetros econômicos, ecológicos e sociológicos, visando a manter a densidade populacional de um organismo abaixo do nível de dano econômico (ZANETTI, 2002).
  • 4. Manejo Integrado de Pragas  As táticas do MIP incluem:  Controle biológico  Controle cultural  Controle genético (resistência de plantas a insetos)  Controle comportamental  Controle químico
  • 5. Controle biológico do algodoeiro  A premissa básica do controle biológico é controlar as pragas agrícolas e os insetos transmissores de doenças a partir do uso de seus inimigos naturais (ALMEIDA et al., 2017).  Predadores: Percevejos Podisus nigrispinus, Geocoris spp., Nabis spp..  Prasitóides: Trichogramma pretiosum e Cerastomicra intmaculata (Hymenoptera: Calcidae).  Entomopatógenos: Os fungos Beauveria bassiana, Nomuraea rileyi (Moniliales: Moniliaceae) e o vírus da poliedrose nuclear (doença preta). Fonte: https://3rlab.wordpress.com/category/insetos/
  • 6. Controle cultural do algodoeiro  Baseiam-se na utilização dos conhecimentos ecológicos e biológicos das pragas, empregando práticas culturais, as mais comuns são:  A uniformização da data de semeadura;  A catação e destruição de botões florais caídos no solo;  A destruição dos restos culturais;  O uso de culturas-armadilha;  A rotação de culturas. Fonte: https://amtecbioagricola.com
  • 7. Controle genético  Baseia-se no emprego de plantas resistentes a insetos, considerado o método ideal de controle devido à possibilidade de permitir a manutenção da praga em níveis inferiores ao de dano econômico, sem causar prejuízos ao ambiente.
  • 8. Controle comportamental  Baseiam-se nos estudos de fisiologia dos insetos. Esses métodos não apresentam riscos de intoxicação para o homem e para animais domésticos, não geram resíduos tóxicos e evitam desequilíbrios ecológicos. Uma das formas de controle por comportamento é o uso de hormônios de inseto.  Os feromônios são utilizados no monitoramento das pragas. Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
  • 9. Controle químico  Constitui-se no uso de inseticidas – compostos químicos e biológicos – que são aplicados, direta ou indiretamente, para matar insetos. Fonte: http://www.amipa.com.br Fonte: http://www.amipa.com.br
  • 10. Principais pragas do algodoeiro  Helicoverpa armigera – (Lepidoptera – Noctuidae)  Identificação da injúria provocada pela praga;  Condições favoráveis ao aumento populacional;  Estratégias de controle. Fonte: http://ruralpecuaria.com.br
  • 11. Principais pragas do algodoeiro  Pulgão - Aphis gossypii e Myzus persicae (Hemiptera: Aphididae)  Identificação da injúria provocada pela praga;  Condições favoráveis ao aumento populacional;  Estratégias de controle. Fonte: http://br.viarural.com Fonte: http://br.viarural.com
  • 12. Principais pragas do algodoeiro  Curuquerê - Alabama argillacea (Lepidoptera: Noctuidae)  Identificação da injúria provocada pela praga;  Condições favoráveis ao aumento populacional;  Estratégias de controle. Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
  • 13. Principais pragas do algodoeiro  Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae)  Identificação da injúria provocada pela praga;  Condições favoráveis ao aumento populacional;  Estratégias de controle Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
  • 14. Principais pragas do algodoeiro  Bicudo-do-algodoeiro - Anthonomus grandis – (Curculionídeos)  Identificação da injúria provocada pela praga;  Condições favoráveis ao aumento populacional;  Estratégias de controle. Fonte: http://ruralpecuaria.com.br
  • 15. Monitoramento  O monitoramento eficiente e constante da lavoura é fator imprescindível no manejo de pragas, sendo determinante para que as várias táticas de controle de pragas possam ser utilizadas com critério e em tempo hábil. Fonte: http://ibirubaentomologica.blogspot.com.br
  • 16. Monitoramento  Para as principais pragas como: pulgões, mosca branca, bicudo do algodoeiro, lagarta das maçãs, lagarta-rosada, curuquerê do algodoeiro, a amostragem é um fator imprescindível para determinar o momento certo de manter as pragas no nível adequada. Fonte: https://www.embrapa.br
  • 17. Monitoramento Praga Época de ocorrência Amostra Nível de controle Nível de não ação Pulgão Até 60 dias Plantas 70% da planta 22% de IN nos ponteiros Tripes Até 30 dias Folhas 6 tripes/folha - Ácaros -rajado -branco 80-110 dias 70-100 dias Plantas Plantas 10% das plantas atacadas 40% das plantas atacadas - Bicudo 50 dias finais Botões florais com grandlure 10% das plantas atacadas 1 adulto por armadilha - Curuquerê 90-140 dias Plantas 2 lagartas/ planta 25% de desfolha 0.5 a 1.0 predador/presa/planta Lagarta-das-maçãs 70-120 dias Plantas com virelure Ovos: 20% ponteiros lagartas: 15% 10 adultos por armadilha 1.0 predador chave/planta Fonte: Conteúdo desta tabela é adaptado do livro Manejo de Sistemas Agrícolas do Cerrado.
  • 18. Monitoramento  A área mínima para amostragem das principais culturas é de 10 ha. Para método convencional é necessário 50 a 100 amostras/ha, em caminhamento de “zig-zag” (MEDEIROS et al., 2017).
  • 19. Considerações finais  Desse modo, o Manejo Integrado de Pragas vem como uma ferramenta para o controle das pragas-chaves da cultura do algodoeiro. Sendo totalmente compatível com os sistemas de manejo recomendados como boas práticas agrícolas. O MIP contribui de forma positiva para que as pragas possam ser mantidas abaixo do nível de dano econômico. Tendo como vantagens menores custos ao produtor e causando menos danos ao agroecossistema em estudo.
  • 20. Referências Bibliográficas  ALMEIDA, Raul Porfírio de et al. Manejo Integrado de Pragas do Algodoeiro no Brasil: Embrapa Algodão. 2017. Disponível em: <https://www.cnpa.embrapa.br/aunidade/MIP_algodoeiro_2013.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2017.  MEDEIROS, João Carlos et al. Manejo de Sistemas Agrícolas No Cerrado: Bom Jesus- pi: Crv, 2017. 391 p.  MIP - Algodão. 2017. Disponível em: <https://www.embrapa.br/arroz-e- feijao/mip/algodao>. Acesso em: 28 nov. 2017.  PICANÇO, Marcelo Coutinho. MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS: ;. 2016. Disponível em: <http://www.den.ufla.br/siteantigo/Professores/Ronald/Disciplinas/Notas Aula/MIPFlorestas conceitos mip.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2017.