SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Semeadoras Agrícolas 
Prof. Rômulo Souza 
Instituto Federal de Pernambuco - Campus Barreiros 
Departamento de Desenvolvimento Educacional 
Coordenação de Cursos Técnicos 
Mecanização Agrícola
Finalidade 
Distribuir no solo, seja ele preparado de forma convencional ou por práticas conservacionistas, certa quantidade de sementes com uma disposição pré- determinada. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Funções 
As semeadoras devem desempenhar as seguintes funções: 
- abrir um sulco no solo; 
- dosar a quantidade de sementes e posicioná-las no solo; 
-cobrir o sulco e firmar o solo ao redor das sementes. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Características Desejáveis: 
As semeadoras devem permitir também: 
- obter uma regularidade de profundidade e de repartição da semente na linha, 
-um alinhamento e espaçamento perfeitos, 
-uma economia sensível de semente; 
-uma maior rapidez de trabalho 
-ter polivalência em relação ao tipo de sementes 
-e possibilidade de trabalho a velocidades elevadas. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza 
Se a máquina ao mesmo tempo em que dosa e coloca as sementes no solo também executa a mesma operação para fertilizantes e adubos, a máquina é designada então por semeadora- adubadora.
Principais tipos de semeadoras 
As semeadoras devem atender aos diversos sistemas de produção agrícola e podem ser classificadas principalmente como: 
1.Quanto à forma de distribuição das sementes 
2.Quanto à forma de acionamento 
3.Quanto ao tamanho das sementes 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto à forma de distribuição das sementes 
-em linha: 
a)contínua: sementes distribuídas em linha, porém sem precisão na distância entre sementes; 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto à forma de distribuição das sementes 
-em linha: 
b)de precisão: sementes distribuídas em linha com espaçamento entre as sementes bastante uniforme. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto à forma de distribuição das sementes 
-a lanço: 
a)terrestres: sementes soltas ao acaso no solo pelo homem ou por máquinas tracionadaspor trator; 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto à forma de distribuição das sementes 
-a lanço: 
b)aéreas: sementes soltas ao acaso no solo por aviões ou helicópteros. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto à forma de acionamento 
a)manuais: acionadas exclusivamente pelo homem; 
b)tração animal: tracionadas por animais; 
c)motorizadas: possuem apenas os elementos dosadores acionados por motor de combustão interna; 
d)tratorizadas: acionadas e deslocadas pelos tratores agrícolas. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto à forma de acionamento 
Manual Animal Tratorizado 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza 
MATRACA
Classificação das Semeadoras 
As semeadoras acionadas pelo trator são as principais utilizadas em nosso país e quanto à forma de acoplamento ao trator podem ser classificadas como: 
de arrasto: acoplada à barra de tração do trator agrícola 
semimontada: acoplada aos dois pontos inferiores do sistema de levante hidráulico; 
montada: acoplada aos três pontos do sistema de levante hidráulico. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Classificação das Semeadoras 
Quanto ao tamanho das sementes 
a)sementes miúdas: sementes selecionadas quanto à massa, por exemplo, quilogramas de sementes por hectare, e geralmente são gramíneas, com exceção feita ao milho; 
b)sementes graúdas: sementes selecionadas quanto ao número, por exemplo, número de sementes por hectare, e geralmente são leguminosas. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Sementes 
Solo 
Máquina 
Clima 
Operador 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Sementes 
a)Quantidade de sementes 
População final ideal 
•Tipo de cultura 
•Fertilidade do solo 
•Tratos culturais (raleamento, capinas, colheita...) 
•Umidade disponível 
Viabilidade e pureza das sementes 
Sobrevivência 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Sementes 
b)Previsão da quantidade de sementes 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza 
Nº sementes/área = 
% de germinação % sobrevivência . % pureza 
Nº recomendado de plantas/área 
Para 50.000 plantas/ha - milho 
Espaçamento entre linhas (m) 
Sementes por metro linear 
0,90 1,00 1,10 
5,4 6,0 6,6
Fatores que afetam a semeadura 
Sementes 
c)Uniformidade das sementes 
Afetam especialmente os dosadores mecânicos 
Exige classificação das sementes devido à possibilidade de dano às sementes ou erro na distribuição. 
Pode-se modificar as características físicas das sementes. Ex.: retirada química do línter em algodão e peletização de sementes de hortaliças. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Sementes 
d)Profundidade das sementes e adubos 
Varia com a cultura, umidade e tipo de solo, época de semeadura, etc... 
O adubo deve ser depositado ao lado e abaixo da semente. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza 
semente 
adubo
Fatores que afetam a semeadura 
Sementes 
e)Cobertura 
A semeadora deve cobrir as sementes e compactar o solo sobre as mesmas 
Promover o contato solo-semente sem prejudicar a emergência 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Solo 
a)Tipo de Preparo 
 convencional ou conservacionista 
b)Umidade e textura 
c)Tipo de semeadura 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza 
no plano 
em camalhões 
em sulcos
Fatores que afetam a semeadura 
Máquina 
a)Tipo de sulcador 
Características do solo 
b)Mecanismo dosador de sementes 
Danos às sementes 
c)Mecanismo de cobertura 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Máquina 
a)Tipo de sulcador: sulcadores devem manter a regularidade na profundidade nas várias condições de solo 
FACÃO 
ENXADA 
DISCO DUPLO 
FACAS 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
•Sulco aberto pelo deslocamento 
•Utilizado em preparo convencional 
•Duas chapas metálicas que vão se abrindo formando duas asas que ladeiam a abertura de passagem das sementes 
•Não apresenta peças móveis 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza 
ABERTURA DO SULCO - FACÃO
ABERTURA DO SULCO - ENXADAS 
•Utilizadas em preparo convencional 
•Podem abrir sulcos profundos (milho) ou rasos (soja) 
•Apresentam desarme automático 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
ABERTURA DO SULCO DISCOS DUPLOS 
•Utilizado em plantio direto e preparo convencional 
•Pouco sujeito a “embuchamento” 
•Exigem força vertical (“peso”) para penetração no solo e menor esforço de tração 
•Discos planos, em geral com diâmetros diferentes montados em ângulo (8 A 12º) 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
ABERTURA DO SULCO FACAS 
•Utilizado em plantio direto e preparo convencional 
•Em plantio direto exigem a presença de um disco de corte de palhada frontal e próximo 
•Em geral com espessura inferior a 20 mm 
•Exige maior força de tração porém menor força vertical que discos 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Fatores que afetam a semeadura 
Operador 
a)Regulagem da máquina 
b)Velocidade de trabalho adequada e uniforme 
c)Espaçamento adequado entre as linhas 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Atividade Complementar 
Regulagem de uma Semeadora – Adubadora de PD 
a)Vídeo 01 (http://www.youtube.com/watch?v=TpAqpUsvgsE) 
1)Quais os critérios considerados na escolha dos discos para a semeadora? 
2)Em qual situação pode haver a quebra da semente ou travamento dos discos? 
b)Vídeo 2 (http://www.youtube.com/watch?v=hWAs0lmcYMA) 
3)Explique de que forma simplificada, como é feita a regulagem do numero de sementes que serão liberados pelo implemento 
c)Vídeo 4 (http://www.youtube.com/watch?v=IgPuUUDQo9c) 
4)Quais os beneficios obtidos por uma boa regulagem da máquina? 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Atividade Complementar 
Regulagem de Semeadora a lanço para forrageiras 
a)Vídeo 5 
(http://www.youtube.com/watch?v=Amb00PYeFQw) 
1)Explique de que forma simplificada, como é feita a regulagem da quantidade de sementes que serão liberadas pelo implemento? 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Plantadoras 
Plantam partes vegetativas (bulbos, colmos e tubérculos) de culturas como mandioca, cana-de-açúcar e batata. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Tipos de Plantadoras 
Plantadoras de alimentação manual e colocação direta por tubo de descida. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Tipos de Plantadoras 
Plantadoras de alimentação manual e colocação direta por tubo de descida. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Tipos de Plantadoras 
Plantadoras de alimentação manual ou semi-automática, com prato rotativo vertical com alvéolos com deposição controlada. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Tipos de Plantadoras 
Plantadoras de alimentação manual ou semi-automática, com distribuidor vertical de correntes ou correia, com alvéolos ou colheres e com deposição controlada. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Transplantadoras 
distribui plântulas ou mudas das culturas. 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Transplantadoras 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
Formas de Plantio em Culturas Anuais 
Plantio Convencional 
Plantio Direto
Plantio Convencional 
•o cultivo dos campos utilizando as técnicas tradicionais de preparo do solo e controle fitossanitário. 
•No sistema convencional, o cultivo agrícola segue basicamente a seguinte ordem: 
1.) Remoção da vegetação; 
2.) Aração; 3.) Calagem; 4.) Gradagem; 
5.) Semeadura; 
6.) Adubação mineral 
7.) Aplicação de defensivos agrícolas (controle fitossanitário); 
8.) Capinas (manual, mecânica ou por uso de herbicidas); 
9.) Colheita.
Plantio Direto 
•é um sistema de manejo do solo onde a palha e os restos vegetais são deixados na superfície do solo. 
•O solo é revolvido apenas no sulco onde são depositadas sementes e fertilizantes. As plantas infestantes são controladas por herbicidas. Não existe preparo do solo além da mobilização no sulco de plantio. 
•Respeitando os três requisitos mínimos - não revolvimento do solo, rotação de culturas e uso de culturas de cobertura para formação de palhada, associada ao manejo integrado de pragas, doenças e plantas daninhas
Atividade – Colheita Mecanizada 
a)Quais os tipos de colheita existentes? 
b)Enumere as vantagens e desvantagens da colheita mecanizada 
c)Quais os cuidados a serem considerados na colheita mecanizada de grãos? 
d)Quais os cuidados a serem considerados na colheita mecanizada de cana-de-açúcar? 
Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentofabio schwab
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOGeagra UFG
 
Preparo do Solo
Preparo do SoloPreparo do Solo
Preparo do SoloKiller Max
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoKiller Max
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosSabrina Nascimento
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxMateusGonalves85
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoÍtalo Arrais
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozGeagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozGeagra UFG
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoGeagra UFG
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoKiller Max
 

Mais procurados (20)

Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamento
 
08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
Preparo do Solo
Preparo do SoloPreparo do Solo
Preparo do Solo
 
1.histórico e importância
1.histórico e importância1.histórico e importância
1.histórico e importância
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
02 tipos de maquinas e implementos
02  tipos de maquinas e implementos02  tipos de maquinas e implementos
02 tipos de maquinas e implementos
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Introdução a agronomia
Introdução a agronomiaIntrodução a agronomia
Introdução a agronomia
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Tratos culturais
Tratos culturaisTratos culturais
Tratos culturais
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 

Semelhante a Semeadoras Agrícolas: Funções e Classificação

Seminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozSeminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozEvangela Gielow
 
Regulagens da semeadora
Regulagens da semeadoraRegulagens da semeadora
Regulagens da semeadoraTerezaSzalyga
 
Apresentação arroz patricia e vinicius.
Apresentação arroz   patricia e vinicius.Apresentação arroz   patricia e vinicius.
Apresentação arroz patricia e vinicius.Vinicius Vieira Cursino
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Az. O.
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoGeagra UFG
 
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdfaula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdfJanielly Costa
 
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3  do preparo do solo ao corte da canaAula 3  do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3 do preparo do solo ao corte da canaDr. Matrículas Edivaldo
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaRural Pecuária
 
Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...
Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...
Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...Rural Pecuária
 
Plantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e IndicadoresPlantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e IndicadoresMarcelo Venturi
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroGeagra UFG
 

Semelhante a Semeadoras Agrícolas: Funções e Classificação (20)

Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
 
Seminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozSeminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arroz
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
 
Regulagens da semeadora
Regulagens da semeadoraRegulagens da semeadora
Regulagens da semeadora
 
Apresentação arroz patricia e vinicius.
Apresentação arroz   patricia e vinicius.Apresentação arroz   patricia e vinicius.
Apresentação arroz patricia e vinicius.
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
 
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdfaula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
 
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3  do preparo do solo ao corte da canaAula 3  do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
 
Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...
Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...
Calagem e adubação do feijão-vagem, feijão-fava (ou fava-italiana), feijão-de...
 
Olericultura 1
Olericultura 1Olericultura 1
Olericultura 1
 
Plantando aruana
Plantando aruanaPlantando aruana
Plantando aruana
 
Plantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e IndicadoresPlantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e Indicadores
 
apresentacao_feijao.ppt
apresentacao_feijao.pptapresentacao_feijao.ppt
apresentacao_feijao.ppt
 
apresentacao_feijao.ppt
apresentacao_feijao.pptapresentacao_feijao.ppt
apresentacao_feijao.ppt
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptxTRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
TRABALHO DE GRANDES CULTURAS I.pptx
 

Mais de Romulo Vinicius Tio Rominho

Mais de Romulo Vinicius Tio Rominho (8)

Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
 
08.3 preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
08.3   preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador08.3   preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
08.3 preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
 
08.2 preparo periodico - arados de discos
08.2   preparo periodico - arados de discos08.2   preparo periodico - arados de discos
08.2 preparo periodico - arados de discos
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Noções de petrologia
Noções de petrologiaNoções de petrologia
Noções de petrologia
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 

Semeadoras Agrícolas: Funções e Classificação

  • 1. Semeadoras Agrícolas Prof. Rômulo Souza Instituto Federal de Pernambuco - Campus Barreiros Departamento de Desenvolvimento Educacional Coordenação de Cursos Técnicos Mecanização Agrícola
  • 2. Finalidade Distribuir no solo, seja ele preparado de forma convencional ou por práticas conservacionistas, certa quantidade de sementes com uma disposição pré- determinada. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 3. Funções As semeadoras devem desempenhar as seguintes funções: - abrir um sulco no solo; - dosar a quantidade de sementes e posicioná-las no solo; -cobrir o sulco e firmar o solo ao redor das sementes. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 4. Características Desejáveis: As semeadoras devem permitir também: - obter uma regularidade de profundidade e de repartição da semente na linha, -um alinhamento e espaçamento perfeitos, -uma economia sensível de semente; -uma maior rapidez de trabalho -ter polivalência em relação ao tipo de sementes -e possibilidade de trabalho a velocidades elevadas. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza Se a máquina ao mesmo tempo em que dosa e coloca as sementes no solo também executa a mesma operação para fertilizantes e adubos, a máquina é designada então por semeadora- adubadora.
  • 5. Principais tipos de semeadoras As semeadoras devem atender aos diversos sistemas de produção agrícola e podem ser classificadas principalmente como: 1.Quanto à forma de distribuição das sementes 2.Quanto à forma de acionamento 3.Quanto ao tamanho das sementes Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 6. Classificação das Semeadoras Quanto à forma de distribuição das sementes -em linha: a)contínua: sementes distribuídas em linha, porém sem precisão na distância entre sementes; Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 7. Classificação das Semeadoras Quanto à forma de distribuição das sementes -em linha: b)de precisão: sementes distribuídas em linha com espaçamento entre as sementes bastante uniforme. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 8. Classificação das Semeadoras Quanto à forma de distribuição das sementes -a lanço: a)terrestres: sementes soltas ao acaso no solo pelo homem ou por máquinas tracionadaspor trator; Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 9. Classificação das Semeadoras Quanto à forma de distribuição das sementes -a lanço: b)aéreas: sementes soltas ao acaso no solo por aviões ou helicópteros. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 10. Classificação das Semeadoras Quanto à forma de acionamento a)manuais: acionadas exclusivamente pelo homem; b)tração animal: tracionadas por animais; c)motorizadas: possuem apenas os elementos dosadores acionados por motor de combustão interna; d)tratorizadas: acionadas e deslocadas pelos tratores agrícolas. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 11. Classificação das Semeadoras Quanto à forma de acionamento Manual Animal Tratorizado Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza MATRACA
  • 12. Classificação das Semeadoras As semeadoras acionadas pelo trator são as principais utilizadas em nosso país e quanto à forma de acoplamento ao trator podem ser classificadas como: de arrasto: acoplada à barra de tração do trator agrícola semimontada: acoplada aos dois pontos inferiores do sistema de levante hidráulico; montada: acoplada aos três pontos do sistema de levante hidráulico. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 13. Classificação das Semeadoras Quanto ao tamanho das sementes a)sementes miúdas: sementes selecionadas quanto à massa, por exemplo, quilogramas de sementes por hectare, e geralmente são gramíneas, com exceção feita ao milho; b)sementes graúdas: sementes selecionadas quanto ao número, por exemplo, número de sementes por hectare, e geralmente são leguminosas. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 14. Fatores que afetam a semeadura Sementes Solo Máquina Clima Operador Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 15. Fatores que afetam a semeadura Sementes a)Quantidade de sementes População final ideal •Tipo de cultura •Fertilidade do solo •Tratos culturais (raleamento, capinas, colheita...) •Umidade disponível Viabilidade e pureza das sementes Sobrevivência Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 16. Fatores que afetam a semeadura Sementes b)Previsão da quantidade de sementes Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza Nº sementes/área = % de germinação % sobrevivência . % pureza Nº recomendado de plantas/área Para 50.000 plantas/ha - milho Espaçamento entre linhas (m) Sementes por metro linear 0,90 1,00 1,10 5,4 6,0 6,6
  • 17. Fatores que afetam a semeadura Sementes c)Uniformidade das sementes Afetam especialmente os dosadores mecânicos Exige classificação das sementes devido à possibilidade de dano às sementes ou erro na distribuição. Pode-se modificar as características físicas das sementes. Ex.: retirada química do línter em algodão e peletização de sementes de hortaliças. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 18. Fatores que afetam a semeadura Sementes d)Profundidade das sementes e adubos Varia com a cultura, umidade e tipo de solo, época de semeadura, etc... O adubo deve ser depositado ao lado e abaixo da semente. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza semente adubo
  • 19. Fatores que afetam a semeadura Sementes e)Cobertura A semeadora deve cobrir as sementes e compactar o solo sobre as mesmas Promover o contato solo-semente sem prejudicar a emergência Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 20. Fatores que afetam a semeadura Solo a)Tipo de Preparo  convencional ou conservacionista b)Umidade e textura c)Tipo de semeadura Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza no plano em camalhões em sulcos
  • 21. Fatores que afetam a semeadura Máquina a)Tipo de sulcador Características do solo b)Mecanismo dosador de sementes Danos às sementes c)Mecanismo de cobertura Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 22. Fatores que afetam a semeadura Máquina a)Tipo de sulcador: sulcadores devem manter a regularidade na profundidade nas várias condições de solo FACÃO ENXADA DISCO DUPLO FACAS Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 23. •Sulco aberto pelo deslocamento •Utilizado em preparo convencional •Duas chapas metálicas que vão se abrindo formando duas asas que ladeiam a abertura de passagem das sementes •Não apresenta peças móveis Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza ABERTURA DO SULCO - FACÃO
  • 24. ABERTURA DO SULCO - ENXADAS •Utilizadas em preparo convencional •Podem abrir sulcos profundos (milho) ou rasos (soja) •Apresentam desarme automático Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 25. ABERTURA DO SULCO DISCOS DUPLOS •Utilizado em plantio direto e preparo convencional •Pouco sujeito a “embuchamento” •Exigem força vertical (“peso”) para penetração no solo e menor esforço de tração •Discos planos, em geral com diâmetros diferentes montados em ângulo (8 A 12º) Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 26. ABERTURA DO SULCO FACAS •Utilizado em plantio direto e preparo convencional •Em plantio direto exigem a presença de um disco de corte de palhada frontal e próximo •Em geral com espessura inferior a 20 mm •Exige maior força de tração porém menor força vertical que discos Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 27. Fatores que afetam a semeadura Operador a)Regulagem da máquina b)Velocidade de trabalho adequada e uniforme c)Espaçamento adequado entre as linhas Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 28. Atividade Complementar Regulagem de uma Semeadora – Adubadora de PD a)Vídeo 01 (http://www.youtube.com/watch?v=TpAqpUsvgsE) 1)Quais os critérios considerados na escolha dos discos para a semeadora? 2)Em qual situação pode haver a quebra da semente ou travamento dos discos? b)Vídeo 2 (http://www.youtube.com/watch?v=hWAs0lmcYMA) 3)Explique de que forma simplificada, como é feita a regulagem do numero de sementes que serão liberados pelo implemento c)Vídeo 4 (http://www.youtube.com/watch?v=IgPuUUDQo9c) 4)Quais os beneficios obtidos por uma boa regulagem da máquina? Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 29. Atividade Complementar Regulagem de Semeadora a lanço para forrageiras a)Vídeo 5 (http://www.youtube.com/watch?v=Amb00PYeFQw) 1)Explique de que forma simplificada, como é feita a regulagem da quantidade de sementes que serão liberadas pelo implemento? Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 30. Plantadoras Plantam partes vegetativas (bulbos, colmos e tubérculos) de culturas como mandioca, cana-de-açúcar e batata. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 31. Tipos de Plantadoras Plantadoras de alimentação manual e colocação direta por tubo de descida. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 32. Tipos de Plantadoras Plantadoras de alimentação manual e colocação direta por tubo de descida. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 33. Tipos de Plantadoras Plantadoras de alimentação manual ou semi-automática, com prato rotativo vertical com alvéolos com deposição controlada. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 34. Tipos de Plantadoras Plantadoras de alimentação manual ou semi-automática, com distribuidor vertical de correntes ou correia, com alvéolos ou colheres e com deposição controlada. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 35. Transplantadoras distribui plântulas ou mudas das culturas. Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 36. Transplantadoras Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza
  • 37. Formas de Plantio em Culturas Anuais Plantio Convencional Plantio Direto
  • 38. Plantio Convencional •o cultivo dos campos utilizando as técnicas tradicionais de preparo do solo e controle fitossanitário. •No sistema convencional, o cultivo agrícola segue basicamente a seguinte ordem: 1.) Remoção da vegetação; 2.) Aração; 3.) Calagem; 4.) Gradagem; 5.) Semeadura; 6.) Adubação mineral 7.) Aplicação de defensivos agrícolas (controle fitossanitário); 8.) Capinas (manual, mecânica ou por uso de herbicidas); 9.) Colheita.
  • 39. Plantio Direto •é um sistema de manejo do solo onde a palha e os restos vegetais são deixados na superfície do solo. •O solo é revolvido apenas no sulco onde são depositadas sementes e fertilizantes. As plantas infestantes são controladas por herbicidas. Não existe preparo do solo além da mobilização no sulco de plantio. •Respeitando os três requisitos mínimos - não revolvimento do solo, rotação de culturas e uso de culturas de cobertura para formação de palhada, associada ao manejo integrado de pragas, doenças e plantas daninhas
  • 40. Atividade – Colheita Mecanizada a)Quais os tipos de colheita existentes? b)Enumere as vantagens e desvantagens da colheita mecanizada c)Quais os cuidados a serem considerados na colheita mecanizada de grãos? d)Quais os cuidados a serem considerados na colheita mecanizada de cana-de-açúcar? Mecanização Agrícola – Prof. Rômulo Souza