Sebrae Pe Geor T1 2007 Turismo Petrolina

595 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
595
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sebrae Pe Geor T1 2007 Turismo Petrolina

  1. 1. PROJETO SEBRAE Desenvolvimento do Turismo Científico e Rural do Sertão do São Francisco, Petrolina - GEOR Janeiro de 2008
  2. 2. Sumário 1. Apresentação .................................................................................................................... 03 2. Metodologia .................................................................................................................... 03 2.1 Plano amostral .................................................................................................................... 04 . 2.2 Hipóteses Levantadas ............................................................................................................. 05 . 2.3 Etapas da Pesquisa ............................................................................................................. 05 . . 3. Análise dos Dados ............................................................................................................. 06 . 3.1 Análise dos Resultados Intermediários e Finalísticos Objetivados pelo SEBRAE ............ 06 3.1.1. Resultados 1 ................................................................................................................... 06 . 3.1.2. Resultados 2 ................................................................................................................... 08 . 3.1.3. Resultados 3 ................................................................................................................... 09 . 3.1.4. Resultados 4 ................................................................................................................... 11 . 3.2 Perfil dos Entrevistados ......................................................................................................... 12 4. Conclusã .................................................................................................................................. 16 o
  3. 3. 1. Apresentação A principal finalidade deste relatório é descrever as informações básicas necessárias para avaliação e análise do projeto “Desenvolvimento do Turismo Científico e Rural do Sertão de São Francisco, Petrolina – GEOR”. Este projeto foi concebido pelo SEBRAE com o objetivo geral de elevar o nível de competitividade das empresas relacionadas com o turismo da região. Tal nível de competitividade será atingido por meio da promoção com a parceria das associações, prefeituras, conselhos e instituições. No caso do potencial turístico dos municípios pernambucanos abrangidos pela RIDE do bipólo Petrolina/ Juazeiro, através do fortalecimento, estruturação do turismo técnico-científico enoturismo e artesanato, buscando sustentabilidade da região. O SEBRAE-PE dividiu o projeto em resultados Intermediários e Finalísticos. Para cada resultado foi construído um indicador capaz de mediar a situação das empresas que fazem parte tanto do projeto quanto do grupo de controle. Esses indicadores foram mensurados e comparados, sem perder de vista os focos estratégicos a serem atacados durante a execução do trabalho. A Compet Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos analisa os resultados intermediários T1 (Referente ao ano de 2006 e o 1º semestre de 2007) procurando confrontar, na medida do possível, com os resultados obtidos na fase inicial T0 (Referente ao ano de 2005). As informações contidas neste relatório são expressas de forma simples visando facilitar a compreensão dos dados analisados. O resultado final é apresentado em forma de gráficos, tabelas e quadros.
  4. 4. 2. Metodologia da Pesquisa 2.1. Plano Amostral O público alvo, de onde foram sorteadas as empresas vinculadas ao projeto, está constituído de 110 Micros e pequenas empresas, sendo elas: • 17 hotéis; • 36 bares e restaurantes; • 06 vinícolas; • 05 agentes de viagens; • 02 empresas de receptivo; • 02 embarcações; • 42 artesãos dos municípios de Petrolina, Lagoa Grande, Sta. Maria da Boa Vista e Orocó - RIDE (Região Integrada de Desenvolvimento do Pólo Petrolina-PE/ Juazeiro-BA). A amostra é composta por 100 empresários colhidos dentre os segmentos acima mencionados (40 do grupo de controle e 60 vinculados ao projeto), sorteados de forma aleatória e estratificada segundo o tipo de empreendimento, conforme podemos visualizar no quadro 1 abaixo: Quadro 1 – Estratificação da amostra por tipo de empreendimento. Participantes Grupo de Tipo de Empreendimento do projeto controle Hotéis e pousadas 8 7 Bares e restaurantes 21 14 Vinícolas 3 1 Agentes de viagens 5 3 Artesão 23 15 No ano de 2005 foram realizadas 100 entrevistas. Nesta pesquisa, que avalia o ano de 2006 e 1º semestre de 2007, apenas 88 dos 100 entrevistados participaram da
  5. 5. consulta. 12 entrevistados não foram localizados, 3 do grupo de controle e 9 participantes do projeto. As informações mais detalhadas dos questionários não respondidos estão relacionadas no Quadro 15 em anexo. 2.2. Hipóteses Levantadas: • Se a evolução deverá ser no geral, positiva. • Se o desempenho médio das empresas apoiadas pelo SEBRAE será significativamente melhor do que o daquelas que fazem parte do grupo de controle. 2.3. Etapas da Pesquisa • Determinação do espaço amostral, delimitação da amostra e sua respectiva estratificação; • Elaboração do questionário com base na identificação das variáveis relevante a pesquisa; • Aplicação dos questionários; • Lançamento, tabulação, análise estatística (no programa estatístico SPSS) e elaboração do relatório. • Elaboração e apresentação dos resultados em PowerPoint. 3. Análise dos Dados
  6. 6. 3.1. Análise dos Resultados Finalísticos Objetivados pelo SEBRAE 3.1.1. Resultado 1 - Aumento do fluxo de turistas em 40% nos equipamentos atendidos pelo projeto nos municípios pernambucanos da RIDE do pólo Petrolina / Juazeiro até dezembro de 2009, sendo 10% até 2006, 20% até 2007, 30% em 2008 e 40% em 2009. No ano de 2006 a média da quantidade total de hóspedes no período de alta estação aumentou significativamente em relação ao ano de 2005 e se manteve estável em relação ao 1º semestre de 2007. Porém, a média de hóspede mensal das empresas vinculadas ao projeto apresentou queda de aproximadamente 40% (2006 em relação a 2005). Já a média das empresas que fazem parte do grupo de controle evolui tanto no ano de 2006, quanto no 1º semestre de 2007 (Gráfico 1). Gráfico 1 - Número de hóspedes nos meses de alta estação, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Notamos que às médias mensal de hóspede total e do grupo de controle se mostraram crescentes desde 2005 ao 1º semestre de 2007 no período de baixa, embora não tenha ocorrido o mesmo com a das empresas vinculadas ao projeto (Gráfico 2). Gráfico 2 - Número de hóspedes nos meses de baixa estação, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE.
  7. 7. Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Podemos destacar também, que a grande maioria das empresas, de ambos os grupos, hospedaram em torno de 50 pessoas e que a quantidade de empresas com acima de 350 hóspedes aumenta em período de alta estação (Tabela 1). Tabela 1 – Número de hóspedes nos meses de alta e baixa estação, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Ano de 2006 1º Semestre de 2007 Classe de Quantidade de Hóspede Grupo de Vinculada Total Grupo de Vinculada Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto Até 50 81,3% 93,6% 88,6% 81,3% 93,6% 88,6% Meses de pico De 51 a 150 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 2,1% 1,3% De 151 a 250 3,1% 0,0% 1,3% 3,1% 0,0% 1,3% De 251 a 350 6,3% 0,0% 2,5% 6,3% 0,0% 2,5% Acima de 350 9,4% 4,3% 6,3% 9,4% 4,3% 6,3% Total 100,00% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Até 50 81,3% 95,7% 89,9% 81,3% 95,7% 89,9% Meses de baixa De 51 a 150 6,3% 0,0% 2,5% 6,3% 0,0% 2,5% De 151 a 250 6,3% 2,1% 3,8% 3,1% 2,1% 2,5% De 251 a 350 0,0% 0,0% 0,0% 3,1% 0,0% 1,3% Acima de 350 6,3% 2,1% 3,8% 6,3% 2,1% 3,8% Total 100,00% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. A meta de crescimento de 10% no fluxo de turista no ano de 2006 não foi alcançada, pelo contrário, houve queda nos meses de alta e baixa estação de respectivamente 40,4% e 48,3% em relação ao ano de 2005 (Quadro 1).
  8. 8. Quadro 1 Indicador - Quantidade de hóspede por hotel/mês Crescimento T1/T0 Meses T0 (2005) T1 (2006) (%) Pico 458 273 -40,4% Baixa 300 155 -48,3% 3.1.2. Resultado 2 - Aumento em 3 dias a permanência média dos turistas nos equipamentos atendidos pelo projeto, sendo 01 dia até 2006, 1,5 dias até 2007, 2 dias até 2008 e 3 dias em 2009. A permanência média de diárias por hóspedes nos hotéis que fazem parte do projeto passou de 4 dias no ano de 2005 para 6 e 7dias, respectivamente, no ano de 2006 e 1º semestre de 2007. Contudo, a média dos hotéis do grupo de controle se manteve estável neste mesmo período (Gráfico3). Gráfico 3 - Permanência dos turistas, em dias, nos equipamentos turísticos, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. A seguir percebemos que a grande maioria dos hóspedes permaneceu apenas um dia nos hotéis e pousadas pesquisados (Tabela 2). Tabela 2 – Permanência dos turistas, em dias, nos equipamentos turísticos, Lagoa Grande-PE,
  9. 9. Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Ano de 2006 1º Semestre de 2007 Permanência Grupo de Vinculada Grupo de Vinculada Total Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto 1 dia 86,7% 93,5% 90,8% 86,7% 93,5% 90,8% 2 dias 10,0% 0,0% 3,9% 10,0% 2,2% 5,3% 3 dias 3,3% 4,3% 3,9% 3,3% 4,3% 3,9% 4 dias 0,0% 2,2% 1,4% 0,0% 0,0% 0,0% Total 100,00% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. O objetivo de aumentar em 1 dia a permanência média dos turistas nos hotéis e pousadas até 2006 foi superado, conforme mostra os indicadores T0 e T1 a seguir (Quadro 2). Quadro 2 Indicador - Média de diárias por hóspedes Crescimento T1/T0 T0 (2005) T1 (2006) (%) 4 6 50,0% 3.1.3. Resultado 3 - Aumento de 25% na comercialização do artesanato regional até dezembro de 2009, sendo 5% até 2006, 10% até 2007 e 20% até 2008 e 25% em 2009. As médias do faturamento com artesanato regional embora tenham caído no ano de 2006, apresentaram uma boa recuperação no 1º semestre de 2007 (Gráfico 4). O faturamento da maioria dos artesãos se concentrou abaixo de R$ 400,00 em ambos os grupos (Tabela 3). E o tão esperado crescimento de 5% na comercialização do artesanato até 2006 não ocorreu. O que houve foi uma queda de 7,65% no indicador T1 em relação ao indicador T0 (Quadro 3). Gráfico 4 - Faturamento mensal com o artesanato regional, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE.
  10. 10. Tabela 3 - Faturamento mensal com o artesanato regional, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Ano de 2006 Ano de 2006 Classe de Faturamento (R$) Grupo de Vinculada Total Grupo de Vinculada Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto Até 400,00 78,1% 76,6% 77,2% 78,1% 68,1% 72,2% De 401,00 a 800,00 12,5% 14,9% 13,9% 12,5% 21,3% 17,7% De 801,00 a 1.200,00 3,1% 6,4% 5,1% 3,1% 6,4% 5,1% De 1.200,00 a 1.600,00 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 2,1% 1,3% Acima de 1.600,00 6,3% 2,1% 3,8% 6,3% 2,1% 3,8% 100,00 Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% % Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Quadro 3 Indicador - Faturamento mensal com comercialização de artesanato regional T0 (2005) T1 (2006) Crescimento T1/T0 (%) 20.447 18.900 -7,6% 3.1.4. Resultado 4 - Ter índice de satisfação de 70% dos clientes atendidos pelos equipamentos, sendo 40% em 2006, 50% em 2007, 60% em 2008 e 70% em 2009. No geral, os clientes estão satisfeitos com o atendimento prestado pelos equipamentos turísticos. Apesar da queda do indicador T1 em relação ao indicador T0, a meta de
  11. 11. 20% de clientes satisfeitos foi atingida, pois a maioria (84,5%) considera o atendimento entre ótimo e bom (Quadro 5 e 6). Quadro 5 Indicador - Grau de satisfação dos clientes Crescimento T1/T0 T0 (2005) T1 (2006) (%) 90,0% 84,5% -6,1% Quadro 6 – Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo fatores de satisfação dos clientes de Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. 1º Semestre Fatores Ano de2006 de 2007 Ótimo 23,1% 38,5% Bom 30,8% 53,8% Atendimento prestado Regular 0,0% 0,0% Não respondeu 46,2% 7,7% Total 100,0% 100,0% Ótimo 7,7% 15,4% Bom 30,8% 53,8% Disposição em negociar Regular 15,4% 23,1% Não respondeu 46,2% 7,7% Total 100,0% 100,0% Auxílio na escolha dos Ótimo 30,8% 30,8% produtos e serviços Bom 23,1% 61,5% Regular 0,0% 0,0% Não respondeu 46,2% 7,7% Total 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. 3.2. Perfil dos Entrevistados Quadro 7 – Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo algumas variáveis socioeconômicas, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE.
  12. 12. Grupo de Vinculada Variáveis Socioeconômicas Total Controle ao Projeto Masculino 34,4% 53,2% 45,6% Feminino 62,5% 46,8% 53,2% Sexo Não respondeu 3,1% 0,0% 1,3% Total 100,0% 100,0% 100,0% Ensino Fundamental 37,5% 34,0% 35,4% Atividade Exercida Anteriormente Escolaridade Ensino Médio 43,8% 42,6% 43,0% Ensino Superior 15,6% 19,1% 17,7% Não respondeu 3,1% 4,3% 3,8% Total 100,0% 100,0% 100,0% Empregado de Micro e Pequena Empresa 28,1% 29,8% 29,1% Empregado de média ou grande empresa de outra atividade 12,5% 21,3% 17,7% Empregado de micro ou pequena empresa do setor 3,1% 2,1% 2,5% Empregado de média ou grande empresa do setor 0,0% 0,0% 0,0% Funcionário público 9,4% 2,1% 5,1% Empresário em outra localidade 0,0% 4,3% 2,5% Atuou em setor rural 6,3% 12,8% 10,1% Não exerce outra atividade 28,1% 19,1% 22,8% Outra 12,5% 8,5% 10,1% Total 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Quadro 8 –Outras atividades informadas, referente ao quadro 7. Grupo de Vinculada Outra atividade Total Controle ao Projeto Nunca trabalhou 0,0% 3,4% 2,0% Professor 0,0% 1,7% 1,0% Militar 0,0% 1,7% 1,0% Motorista de Táxis 4,9% 0,0% 2,0% Vendedor autônomo 4,9% 0,0% 2,0% Não informou 2,7% 1,7% 2,1% Total 12,5% 8,5% 10,1% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Quadro 9 - Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo tempo que atuação no ramo, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE.
  13. 13. Grupo de Vinculada Classe de Tempo Total Controle ao Projeto Até 10 anos 65,6% 59,6% 62,0% De 11 a 20 anos 15,6% 10,6% 12,7% De 21 a 30 anos 12,5% 23,4% 19,0% De 31 a 40 anos 6,3% 4,3% 5,1% Mais de 40 anos 0,0% 2,1% 1,3% Total 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Quadro 10 – Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo grau de satisfação com os serviços oferecidos pelo SEBARE-PE, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Ano de 2006 1º Semestre de 2007 Opinião Grupo de Vinculada Grupo de Vinculada Total Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto Ótimo 25,0% 40,4% 34,2% 18,8% 38,3% 30,4% Bom 46,9% 31,9% 38,0% 53,1% 46,8% 49,4% Regular 18,8% 12,8% 15,2% 21,9% 10,6% 15,2% Ruim 6,3% 6,4% 6,3% 6,2% 4,3% 5,0% Péssimo 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Não respondeu 3,0% 8,5% 6,3% 0,0% 0,0% 0,0% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Quadro 11 - Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo quantidade de funcionários, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Ano de 2006 1º Semestre de 2007 Classe Grupo de Vinculada Grupo de Vinculada Total Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto Até 5 90,6% 74,5% 81,0% 87,5% 80,9% 83,5% De 6 a 10 9,4% 10,6% 10,1% 12,5% 8,5% 10,1% De 11 a 15 0,0% 6,4% 3,8% 0,0% 4,3% 2,5% De 16 a 21 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 2,1% 1,3% Acima de 21 0,0% 8,5% 5,1% 0,0% 4,3% 2,5% Total 100,00% 100,00% 100,00% 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008.
  14. 14. Quadro 12 – Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo quantidade de funcionário por cargo, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE. Ano de 2006 1º Semestre de 2007 Grupo de Vinculada Grupo de Vinculada Quantidade de Funcionários Total Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto Menor Aprendiz Nenhum 96,9% 91,5% 93,7% 96,9% 89,4% 92,4% Um 0,0% 6,4% 3,8% 3,1% 6,4% 5,1% Dois 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 2,1% 1,3% Três 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 2,1% 1,3% Quatro 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Cinco 3,1% 0,0% 1,3% 0,0% 0,0% 0,0% Dez 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Estagiário Nenhum 93,8% 89,4% 91,1% 90,6% 93,6% 92,4% Um 3,1% 2,1% 2,5% 3,1% 4,3% 3,8% Dois 3,1% 0,0% 1,3% 6,3% 0,0% 2,5% Três 0,0% 6,4% 3,8% 0,0% 2,1% 1,3% Quatro 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 0,0% 0,0% Cinco 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Dez 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Em fase de experiência Nenhum 90,6% 78,7% 83,5% 90,6% 78,7% 83,5% Um 6,3% 12,8% 10,1% 9,4% 12,8% 11,4% Dois 3,1% 6,4% 5,1% 0,0% 4,3% 2,5% Três 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 4,3% 2,5% Quatro 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Cinco 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Dez 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Função de Chefe Nenhum 93,8% 80,9% 86,1% 90,6% 89,4% 89,9% Um 3,1% 12,8% 8,9% 6,3% 8,5% 7,6% Dois 3,1% 4,3% 3,8% 3,1% 0,0% 1,3% Três 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 2,1% 1,3% Quatro 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Cinco 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Dez 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0%
  15. 15. Vendedores Nenhum 90,6% 91,5% 91,1% 90,6% 89,4% 89,9% Um 0,0% 4,3% 2,5% 0,0% 6,4% 3,8% Dois 3,1% 0,0% 1,3% 3,1% 0,0% 1,3% Três 3,1% 0,0% 1,3% 3,1% 2,1% 2,5% Quatro 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 0,0% 0,0% Cinco 3,1% 0,0% 1,3% 3,1% 0,0% 1,3% Dez 0,0% 2,1% 1,3% 0,0% 2,1% 1,3% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008. Quadro 13 – Empresas de turismo científico e rural, por tipo, segundo opção pelo Super Simples, Lagoa Grande-PE, Petrolina-PE, Santa Maria da Boa Vista-PE e Juazeiro-PE, 2008. Ano de 2006 1º Semestre de 2007 Categoria Grupo de Vinculada Grupo de Vinculada Total Total Controle ao Projeto Controle ao Projeto Sim 25,0% 21,3% 22,8% 28,1% 23,4% 25,3% Não 71,9% 72,3% 72,2% 71,9% 72,3% 72,2% Não respondeu 3,1% 6,4% 5,1% 0,0% 4,3% 2,5% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Fonte: COMPET Consultoria, Marketing, Pesquisas e Treinamentos, jan/2008.
  16. 16. 4. Conclusão O projeto Capacitação Turismo Científico e Rural do Sertão de São Francisco, Petrolina – GEOR, idealizado pelo SEBRAE, está fundamentado nas hipóteses levantadas no início do trabalho que visa verificar se evolução deverá ser, no geral, positiva e se o desempenho médio das empresas apoiadas pelo SEBRAE será significativamente melhor do que o daquelas que fazem parte do grupo de controle. Com base nessas hipóteses concluímos que: • As empresas do grupo de controle apresentaram melhor desempenho que as empresas vinculadas ao projeto no que diz respeito a média da quantidade de hóspedes (período de alta e baixa estação); • No geral, o desempenho em relação a média de permanência dos turistas nos hotéis e pousadas foi significativamente bom em ambos os grupos; • Apesar dos artesãos vinculados ao projeto terem melhorado sua média de faturamento mensal, a meta de crescimento de 5% com a comercialização de artesanato regional não foi alcançada; • Por fim, o grau de satisfação dos clientes atendidos pelos equipamentos turísticos foi superado em ambos os grupos.

×