A evolução do pensamento mecanizado até os computadores atuais 4

57 visualizações

Publicada em

..

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
57
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A evolução do pensamento mecanizado até os computadores atuais 4

  1. 1. A evolução do pensamento mecanizado até os computadores atuais 4 Regiane Ragi http://ds-wordpress.haverford.edu/bitbybit/bit-by-bit-contents/chapter-one/the-slide-rule/
  2. 2. 2 A régua de cálculo
  3. 3. 3 O trabalho de Napier teve muitas implicações práticas.
  4. 4. 4 Em 1620, três anos após a morte de Napier, o Inglês e matemático Edmund Gunter (1581-1626) desenvolveu um análogo físico dos logaritmos.
  5. 5. 5 Gunter, um colega de Briggs no Gresham College, desenhou uma grade de linhas em uma folha de pergaminho e multiplicou e dividiu números adicionando e subtraindo comprimentos com um compasso.
  6. 6. 6 Assim como os logs, o princípio operativo é o expoente, e cada ponto na escala ou linha de Gunter, é exponencialmente distante um dos outros.
  7. 7. 7 A "Gunter“, como ficou conhecida, tornou-se uma ferramenta popular do navegador.
  8. 8. 8 Dois anos mais tarde, outro matemático Inglês, William Oughtred (1574-1660), rearranjou as linhas de Gunter em um par de círculos, refigurou seus números, e apresentou um dispositivo que encontrou um lugar de destaque no Régua de cálculo circular William Oughtred
  9. 9. 9 coração dos cientistas e engenheiros por centenas de anos - a régua de cálculo, que permite a execução de multiplicação e divisão grosseira, mas rápida, deslizando um cursor entre duas lâminas fixas. Régua de cálculo circular William Oughtred
  10. 10. 10 Oughtred foi um desses clérigos brilhantes que também se envolveu com a matemática.
  11. 11. 11 Um homem profundamente religioso, que oscilou sua carreira entre a academia e a igreja, e que decidiu seguir seu coração, depois de servir como companheiro por vários anos na Cambridge, sua alma mater, juntou-se ao ministério.
  12. 12. 12 Ele acabou como reitor em Albury, Surrey, onde continuou sua pesquisa e se correspondia com os matemáticos de toda a Europa.
  13. 13. 13 Ele ganhou uma reputação considerável como matemático e atraiu muitos estudantes.
  14. 14. 14 Albury, que fica ao sul de Londres, não estava longe de Oxford, Cambridge, e os outros centros intelectuais da Inglaterra.
  15. 15. 15 Lá, Oughtred ensinava os filhos da nobreza local e ensinou promissores jovens matemáticos de forma gratuita.
  16. 16. 16 Um de seus alunos mais criativos era um sujeito chamado Richard Delamain, que se tornou professor de matemática em Londres, e quem em 1630, publicou um artigo descrevendo uma régua de cálculo circular.
  17. 17. 17 Oughtred, alegou ter inventado a régua circular oito anos antes, e acusou Delamain de roubar sua ideia.
  18. 18. 18 Os dois homens e os seus respectivos simpatizantes lutaram durante anos, de forma impressa e pessoalmente.
  19. 19. 19 Alguns defensores de Oughtred descrevia Delamain como um impostor.
  20. 20. 20 Oughtred finalmente se libertou de sua timidez com a palavra impressa e publicou um documento sobre a régua circular em 1632, e outro, em 1633, sobre a versão retilínea da régua de cálculo.
  21. 21. 21 Enquanto isso, Delamain, graças a sua nova fama como criador da regra circular, foi nomeado intendente geral e matemático tutor do rei Carlos.
  22. 22. 22 Parece que Delamain inventou a régua circular pouco depois, mas de forma independente. Seu professor é indiscutivelmente o criador da versão retilínea, mais útil e mais popular.
  23. 23. 23 Em qualquer caso, a primeira régua retilínea consistia de duas escalas de madeira, marcada com linhas logarítmicas, que eram mantidas nas mãos do usuário e deslizava para trás e para frente.
  24. 24. 24 Em 1654, a régua retilínea como a conhecemos hoje, com um cursor que pode se deslizar entre duas ripas fixas, apareceu.
  25. 25. 25 Conforme o tempo passava, os dois tipos de réguas foram modificadas e aperfeiçoadas, e várias escalas matemáticas, além das originais para multiplicação e divisão, foram incluídas.
  26. 26. 26 Muitas réguas para fins especiais também foram desenvolvidas, em várias formas e tamanhos, para o uso de cientistas e engenheiros.
  27. 27. 27 Com suas escalas numéricas gravadas ou impressas em madeira ou ébano, réguas de cálculo eram precisas apenas para os cálculos até a segunda ou a terceira casa decimal. https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mus%C3%A9e_des_sapeurs_pompiers_de_l%27Orne_-_37_-_r%C3%A8gle_%C3%A0_calcul.jpg
  28. 28. 28 Réguas plásticas surgiram na década de 1950.
  29. 29. 29 No entanto, porque a grande maioria dos problemas práticos em ciência e engenharia não exigem respostas com precisão além da segunda ou terceira casa decimal, a capacidade computacional das réguas de cálculo não foram necessariamente um inconveniente, e por isso, a régua de cálculo desfrutou de uma longa e fecunda vida.
  30. 30. 30 No final do século XIX, a necessidade de dispositivos de cálculo cada vez mais rápidos e precisos, levou a tamanhos enormes de réguas, e, à réguas mais complicadas, sendo que em meados do século XX o dispositivo alcançou dimensões absurdas.
  31. 31. 31 Em 1952, por exemplo, um engenheiro no Aircraft Company Northrop, de Hawthorne, Califórnia, criou uma régua circular que era do tamanho de uma mesa.
  32. 32. 32 Esta foi muito possivelmente a maior régua já construída.
  33. 33. 33 A invenção da régua de cálculo não foi a única contribuição de Oughtred para a matemática.
  34. 34. 34 No início do século XVII, havia ainda pouco consenso sobre o tipo de notação a se usar na matemática, mesmo em operações aritméticas mais básicas.
  35. 35. 35 À Oughtred também é creditado a introdução do sinal de vezes (x) para a multiplicação e dos dois pontos duplos (: :) para expressar razões, embora este, seja um símbolo raramente usado nos dias de hoje.
  36. 36. 36 Napier também fez sua parte para padronizar a notação numérica, dando-nos uma maneira simples e inequívoca para escrever decimais - o ponto decimal.
  37. 37. 37 Continua ...
  38. 38. 38 Agradecimentos adicionais Ao vasto acervo de imagens disponível em https://commons.wikimedia.org usadas nesta apresentação.

×