Gato e a gaivota part i

5.218 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.218
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
37
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
161
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gato e a gaivota part i

  1. 1. 1 O GATO QUE ENSINOU A GAIVOTA A VOAR 1º Capítulo – “Mar do Norte”(Kengah era uma gaivota de penas cor de prata que ia numa viagem em direcção a Hamburgo,em que já viajava há mais de 6 horas. As gaivotas voavam sobre o Rio Elba, no Mar do Norte,aproveitando para pescar arenques.)gaivota 1Kengah- As dificuldades que os humanos têm! Nós, gaivotas, ao menos grasnamos omesmo em todo o mundo!Todas esvoaçavam descontraidamente quando Kengah uma gaivota de penas cor de prata, aomergulhar , umas das gaivotas não ouve e quando Kengah tirou a cabeça da água viu-se sozinhana imensidade do oceano. Kengah, em plena viagem é engolida por uma maré negra. Ela tinhaperdido as suas colegas de vista. O petróleo colava-lhe as asas ao corpo, mas Kengah tinha umaenorme força de vontade, conseguiu voar, e sem mais força caiu na varanda de um gato.) 3º Capítulo “Hamburgo à vista”Kengah- Socorro, socorro…! ... Tirem-me daqui!...…Não me consigo mexer e tenho um ovo para chocar!! !...Ai a minha vida! Isto só acontece graças aoshumanos! Não pensam nos animais, só pensam neles, amaldiçoados sejam!É que...muitas vezes é lá no alto, onde grandes barcos petroleiros atiram ao mar milhares de litros deuma substância espessa que é afastada pelas ondas… (Depois de tanto lutar pela vida esvoaçando muito cansada reconheceu uma grande torre queostentava um cata-vento de ouro.)gaivota 1Kengah- São Miguel!...Eu conheço a torre desta igreja! 4º Capitulo “ O fim de um voo ”(Zorbas, um gato grande, preto e gordo estava a apanhar sol na varanda e derrepente Kengahcai na varanda de Zorbas. Desesperada procura ajuda, mas antes de Zorbas ir pedir ajuda elasuplicou-lhe 3 coisas:1º; para guardar o último ovo que ela iria pôr2º; tomar conta da gaivotinha3º ensiná-la a voar)gato Zorbas - Não foi uma aterragem muito elegante!!!gaivota 1Kengah- Desculpa. Não pude evitar…gato Zorbas- Olha lá, gaivota; até tens um aspeto desgraçado!!!. Que é isso que tens no corpo ? …Eque mal que cheiras !gaivota 1Kengah: Fui apanhada por uma maré negra…. A maldição dos mares...A peste negra… Ai que vou morrer…. Ó meu Deus socorro!!!
  2. 2. 2Gato Zorbas- …morrer????...não digas isso!!!...estás cansada e é só isso!...porque não voas até aojardim zoológico?! Não é longe daqui e lá há veterinários que te poderão ajudar!gaivota 1Kengah- …não posso!...foi o meu voo final…gato Zorbas- …não morras…! Descansa um bocado e verás que recuperas! Tens fome? Olha: eu trago-te um pouco da minha comida, mas não morras!!!…Deixa-me ver como como está a tua respiração….Oh…mas a tua respiração está mesmo muitofraquinha…Olha amiga; eu quero ajudar-te mas não sei como…Agora procura descansar, enquanto eu vou pedirconselho sobre o que se deve fazer com uma gaivota doente. Estás a entender?gaivota 1Kengah- Olha apesar das poucas forças ainda vou pôr um ovo. Sabes amigo gato; vê-se que ésum animal bom e de nobres sentimentos e por isso, vou pedir-te que me faças três promessas. Fazes?!gato Zorbas- …Sim prometo aquilo que tu quiseres !...mas agora descansa!gaivota 1Kengah- Agora não tenho tempo de descansar….Promete-me que não me comes o ovo?gato Zorbas- …Sim prometo que não te como o ovo!gaivota 1Kengah- Promete-me que cuidas dele até que nasça a gaivotinha?gato Zorbas- …Sim prometo que cuido dele até nascer a gaivotinha.gaivota 1Kengah- Promete-me que a ensinas a voar?gato Zorbas- aparte(…oh meu Deus!!!...como esta gaivota está infeliz…além de estar a delirar estátambém completamente louca,,,)…Sim prometo que vou ensiná-la a voar! Agora descansa que vou procurar ajuda.gaivota 1Kengah- Oh meu Deus! Olho para o céu e agradeço a todos os bons ventos que meacompanharam. 5ºCapítulo – “Em busca de conselho”(O gato Zorbas retomou o seu caminho até chegar diante da porta do restaurante.)Gato Zorbas- miau, miau, miau…Gato 4 Secretário – (aproxima-se de Zorbas dizendo)… Temos muita pena, mas se não fez reserva não podemos atendê-lo…. Estamos à cunha…(Zorbas não o deixa acabar de falar dizendo)Gato Zorbas- Preciso de miar com o Colonello. É urgente!Gato 4 Secretário-… Urgente, urgente e mais urgente, sempre com urgências de ultima hora! …Vouver o que posso fazer, mas só porque se trata de uma urgência! (disse regressando ao interior dorestaurante)Narrador- (Secretário volta depois de uma longa conversa com Colonello. Colonello era umaautoridade de todo o tamanho entre os gatos do porto.)Gato4-Secretário- Segue-me! A título excepcional, o Colonello vai receber-te!(Zorbas segue o secretário e entram no gabinete de Colonello)Gato Colonello- Porca miséria! Os ratos roeram as rolhas do melhor champanhe da casa.
  3. 3. 3 Olá Zorbas! …Meu Caro amigo! Gato Zorbas- Desculpa incomodar-te em pleno trabalho, mas tenho um grave problema e preciso dos teus conselhos. Gato Colonello- Estou às tuas ordens, Caro amico Gato Zorbas- …obrigado!! Agora vou contar-lhe da acidentada chegada da gaivota…coitada se visse o seu estado lastimável e as promessas que se viu obrigada a fazer-me…!… nem você calcula!!! (conta em voz baixa o sucedido) Gato Colonello-… Porca miséria!... É preciso ajudar essa pobre gaivota para que possa continuar o seu voo. Gato Zorbas- Sim, mas como? Gato Secretário- O melhor é consultar o Sabetudo! Gato Colonello- Era exactamente o que eu ia sugerir. Porque é que há-de estar sempre a tirar-me as miadelas da boca?...oh! …mas que maçada!!! Gato Zorbas- É isso mesmo! Vou ter com o Sabetudo. Gato Colonello- Vamos todos! Os problemas de um gato do porto, são os problemas de todos os gatos! 6º Capitulo “Um lugar curioso” Narrador - Sabetudo vivia num lugar bastante difícil de descrever. O lugar chamava se HARRY – BAZAR DO PORTO, e o seu dono era um velho lobo-do-mar, que navegou cinquenta anos pelos sete mares dedicou-se a coleccionar toda a espécie de objectos das centenas de poros que conheceu ao longo da sua vida no mar. Quando começou a envelhecer decidiu trocar a sua vida de navegante pela vida de marinheiro e abriu um bazar com todos os objectos reunidos. Para visitar o bazar havia de pagar uma entrada e, uma vez lá dentro, o visitante precisava de um grande sentido de orientação para não se perder no seu labirinto de salas sem janelas, grandes corredores e escadas estreitas. O Harry tinha duas mascotes. Uma era Matias, um chimpanzé que tinha a função de bilheteiro e vigilante de segurança. A outra mascote era Sabetudo, um gato cinzento, pequeno e magro que dedicava a maior parte do tempo ao estudo dos milhares de livros. Colonello, Sabetudo e Zorbas entraram no Bazar de rabos muito empinados e lamentaram não ver Harry atrás da bilheteira. Chimpanzé Matias: - Um momento, ó seus sacos de pulgas! Esquecem-se de pagar a entrada????. Secretário:- Desde quando é que os gatos pagam? Chimpanzé Matias: -O aviso da porta diz: «entrada: dois marcos». Não está escrito em parte nenhuma que os gatos entram de graça!!!.... Oito marcos, ou então põem-se a mexer daqui. Secretário: -Senhor macaco, receio bem que a matemática não seja o seu forte. …!Colonello: -Era exactamente o que eu ia dizer. Lá está você mais uma vez a tirar-me os miados da boca.
  4. 4. 4Chimpanzé Matias: -Bla, bla, bla! Ou pagam ou põem-se a mexer!!!(…Zorbas saltou para o outro lado da bilheteira e olhou fixamente para Matias até ele lacrimejar…)Chimpanzé Matias: -…Bem; realmente são seis marcos. Um erro, qualquer um tem.Chimpanzé Matias:-Por esta vez faço vista grossa! …Vá lá!...Podem passar!!!Capitulo7 ”Um gato que sabe tudo”Narrador- Aconteceu qualquer coisa terrível, miando o gato Sabetudo quando os viu chegar.(Sabetudo): Terrível! Terrível!... Eu estou verdadeiramente desconsolado.(Gato Secretário): Que se passou?(Gato Colonello): Era exactamente o que eu ia perguntar. Parece que me anda a tirar os miados da boca!!!(Gato Zorbas): Vamos. Não há-de ser assim tão grave…o que se passa?(Sabetudo): Esses malditos ratos comeram uma página inteira do atlas.O mapa de Madagáscar desapareceu . É terrível !( Colonello ) : Secretário , lembre-me de que tenho de organizar uma batida contra esses devoradores deMadáscar … Magáscar … , enfim , já sabe ao que me estou a referir .( Secretário ) : Não se pronuncia assim ! A palavra correta é Madagáscar !( Colonello ) : Continua a tirar-me os miados da boca .Porca miséria !( Zorbas ) : A gente dá-te uma maõzinha ,Sabetudo , mas agora estamos aqui porque temos um grandeproblema e , como tu sabes tanto , talvez nos possas ajudar .Vou contar-lhe a história da gaivota, escutacom atenção .( Zorbas ) : E assim a deixei muito mal há um bocadinho…- Terrível história! Terrível! Deixem-me pensar: gaivota … petróleo … petróleo … gaivota …É isso! Temos que consultar a enciclopédia!(Gatos) : A quê ?(Sabetudo) : A en..ci..clo..pé..di ..a . O livro do saber .(Colonelio ) : Ora vejamos essa emplicopé …. Ora bem !( Secretário ) : En-ci-clo-pé-di-a .( Colonello ) : Era o que eu ia dizer ! Verifico mais uma vez que não consegue resistir á tentação de me tiraros miados da boca .( Narrador ) : Sabetudo trepou a um enorme móvel onde estavam vários livros e depois de procurarnas lombadas a letra “G” e “P” , fez cair os livros. Desceu do móvel e de tanto observar os livros foipassando as páginas .( Sabetudo ) : Oiçam isto meus amigos: Parece que vamos no bom caminho. Que interessante! Gaivagem,gaivão, também se chama gaivinha. Interessante!(Secretário): Não nos interessa o que diz aí da gaivina. Estamos aqui por causa de uma gaivota.(Sabetudo):…Desculpem! É que a enciclopédia é para mim uma coisa irresistível.(Narrador): Mas o que a enciclopédia dizia das gaivotas não serviu de grande ajuda. Souberam que agaivota que os preocupava pertencia à espécie das gaivotas devido a cor prata das penas.
  5. 5. 5(Zorbas): Pelos picos do ouriço! Estamos na mesma…!(Sabetudo): É terrível! Foi a primeira vez que a enciclopédia me desiludiu…(Colonello) E nessa empliclopé…. Enfim, bem sabes o que eu quero, não há maneiras de tirar as nódoas dopetróleo?(Sabetudo): genial! Devíamos ter começado por ai! Já vos trago o volume vinte de letra D de tirar nódoas.(colonello): Está a ver secretário? Se você evitasse de me tirar os miados da boca já saberíamos o quetínhamos de fazer!(Sabetudo): aqui encontra-se a maneira de como limpar as nódoas de petróleo. Limpa-se a nódoa com um panohúmido com benzina! ... E cá temos a solução!(Zorbas): Onde diabo é que vamos buscar a benzina?(Colonello): oh secretário já sabes o que tens a fazer não sabes? Temos um boião com pincéis mergulhadosem benzina.(Secretário): desculpa mas não estou a entender a tua ideia…(Colonello):É muito simples! Molhas o rabo com benzina e depois vamos logo tratar dessa pobre gaivota.Secretário- Ah! … não! Isso e que não! Nem pensar!Colonello- Lembro-te que a ementa desta tarde e uma dupla ração de fígado com natas.Secretário- Meter o rabo em benzina! ... mas isso nem pensar!!! Ah! …falaste em fígado com natas???? Colonello, Secretário e Zorbas- …Olha; nós vamos de saída, Sabetudo.Sabetudo- …E eu acompanho-os até à Capitulo 8 – “zorbas começa a cumprir o prometido”(os 4 gatos descem do telhado para a varanda olham para a gaivota morta)Colonello-Oh…coitada como está a pobre gaivota…Sabetudo-…está mesmo sem vida…Zorbas- …como é triste morrer…Colonello – oh…acho que devemos juntar lhe as asas… É o que se faz nestes casos….(descobrem o ovinho branco com pintas azuis)Zorbas – …o ovinho! Chegou a pôr o ovo!Colonello – meteste-te numa boa embrulhada, caro amico!!!... Numa boa embrulhada!Zorbas- (aflito) o que vou fazer com o ovo?Secretario- como um ovo podem fazer-se muitas coisas.Sabetudo- ah, sim! O Zorbas prometeu a essa pobre gaivota que cuidaria do ovo e da gaivotinha. Umapromessa de honra contraída por um gato do porto obriga todos os gatos do porto, e por isso o ovo diz -nosrespeito.Zorbas – mas eu não sei tratar de um ovo! Até agora nunca tive um ovo ao meu cuidado.Sabetudo – tenho de consultar a enciclopédia. De certeza que esta lá tudo o que temos de saber a cerca doovo.!!!Secretario – ou seja; deitar-se junto ao ovo, mas sem o partir.
  6. 6. 6Colonello – era exactamente o que eu ia sugerir. Zorbas, ficas junto do ovo e nós vamos ver o que nos diz asua encimopé…, enfim, já sabes ao que me refiro. Voltamos a noite com novidades e damos sepultura a essapobre gaivota.Zorbas –(pensando) sinto-me ridículo…! Os gatos maus vão todos fazer troça de mim, mas tenho que osenfrentar se os vir …mas eu estou decidido a criar esta gaivotinha! Capítulo 9º ”Uma noite triste”Narrador:- À luz da lua, Secretário, Sabetudo, Colonello e Zorbas cavaram um buraco ao pé docastanheiro. Procuraram não ser vistos por humanos e atiraram a gaivota morta da varanda para opátio interior. Depositaram-na na cova e cobriram-na de terra.Gato Secretário -…Companheiros gatos;. Muito pouco sabemos da gaivota, mas o que importa é que chegoumoribunda até casa de Zorbas, e depositou nele toda a sua confiança.Gato Sabetudo- É exactamente o que o senhor Colonello ia dizer!Gato Secretário-Não lhe tires os miados da boca. … São promessas difíceis de cumprir. Mas sabemos queum gato de porto cumpre sempre os seus miados. Para o ajudar a conseguir, ordeno que o companheiroZorbas não abandone o ovo até a gaivotinha nascer e que Sabetudo consulte a sua encimópé… , enfim,aqueles livros…!Gato Colonello- …E agora digamos adeus a esta gaivota vitima da desgraça provocada pelos humanos.Olhemos para a lua e miemos a canção do adeus.

×