TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE

1.458 visualizações

Publicada em

Trabalho Colaborativo Autoral sobre Inclusão social e Diversidade desenvolvido na EMEF Gal Euclydes de Oliveira Figueiredo. O grupo foi orientado pela Professora Francely de Português.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.458
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
264
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL DIVERSIDADE

  1. 1. TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL - DIVERSIDADE • Alunos: • Nicolle Mikaela Silva • Stephanie Santana Santos • Camila Moura • Fernanda Batista • Isabela Felix • Ligia Castilho • Ana Cláudia S. dos Santos Wanderley • PROFª ORIENTADORA – FRANCELY MARTINS (PORTUGUÊS) • EMEF Gal. EUCLYDES DE OLIVEIRA FIGUEIREDO •Rodrigo Luiz Camargo •Anna Larissa do Vale •Luana Carolina Cavalcante •Jennifer Santos da Silva •Thais Costa de Oliveira •Isabele Lira
  2. 2. Dentro do tema Diversidade escolhemos tratar do assunto inclusão das pessoas com necessidades especiais, que é muito importante, pois é algo que vivemos no nosso dia a dia, seja convivendo com colegas especiais na escola, com membros da família de alguns de nós, ou também com pessoas conhecidas. Com este trabalho queremos chamar a atenção de todos para a necessidade de mudar o cotidiano de muitas pessoas que sofrem de síndromes, autismos ou são cadeirantes. Essas pessoas são como nós, só que com algo especial, por isso não se justifica o fato de muita gente tratá- los como anormais, com preconceito ou discriminação, sendo que todos deveriam proporcionar às pessoas especiais uma inclusão da melhor forma possível. Queremos também fazer uma boa ação e fazer com que outras pessoas nos ajudem a fazer um mundo melhor, sem preconceito e, com isso, podermos ajudar as pessoas com necessidades especiais na questão da luta pela acessibilidade e também na melhoria da autoestima. Por isso fizemos este trabalho para que todos conheçam mais sobre as síndromes de down, kabuki, autismo e cadeirantes, que dentre muitos outros assuntos foram escolhidos por nós para tratarmos aqui, conforme segue o trabalho.
  3. 3. FILME- MEU FILHO É DOWN E AGORA?
  4. 4. • Síndrome de Down ou trissomia 21 é um distúrbio genético causado pela presença de um cromossomo 21 extra, total ou parcial. • Recebe essa homenagem a John Langdon Down, medico britânico que descreveu a síndrome em 1862. • A sua causa genética foi descoberta em 1958 pelo professor Jérôme Leguem, que descobriu uma cópia extra do cromossomo 21. É o distúrbio genético mais comum, estimado em um a casa 100 nascimentos. • A síndrome é caracterizada por uma combinação de diferenças maiores e menores na estrutura corporal. • Geralmente a síndrome de down está associada a algumas dificuldades de habilidade cognitiva e desenvolvimento físico, assim como aparência facial. Ela é geralmente identificada no nascimento. Pessoas com síndrome de Down podem ter uma habilidade cognitiva abaixo da média, geralmente variando de retardo mental leve a moderado. Síndrome de downSíndrome de down
  5. 5. CaraCterístiCas da síndrome de downCaraCterístiCas da síndrome de down Olhos amendoados; Uma praga palmar transversal única; Dedos curtinhos; Fissuras palpebrais oblíquas; Ponte nasal achatada Língua pontua; Pescoço curto; Pontos brancos na íris; Flexibilidade excessiva nas articulações; Defeitos cardíacos congênitos; Espaço excessivo entre o hálux e o segundo dedo do pé; Bocas alongadas; Orelha abaixo dos olhos; Precisam de explicações simples para aprender.
  6. 6. • SÍNDROME DE DONW NÃO É DOENÇA! • A síndrome de Down ocorre quando, ao invés da pessoa nascer com duas cópias do cromossomo 21, ela nasce com 3 cópias. Isso é uma ocorrência genética e não uma doença. Por isso, não é correto dizer que a síndrome de Down é uma doença ou que uma pessoa que tem síndrome de Down é doente. • PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN TÊM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL • Deficiência intelectual não é o mesmo que deficiência mental. Por isso, não é apropriado usar o termo “deficiência mental” para se referir às pessoas com síndrome de Down. Deficiência mental é um comprometimento de ordem psicológica. • PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN TÊM OPINIÃO • As pessoas com síndrome de Down estudam, trabalham e convivem com todos. Esses indivíduos têm opinião e podem se expressar sobre assuntos que lhes dizem respeito. Em caso de entrevistas, procure falar com as próprias pessoas com deficiência, não apenas com familiares, acompanhantes ou especialistas. • DIREITOS CONSTITUCIONAIS À INCLUSÃO E CIDADANIA • A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência foi aprovada no Brasil em 2008 como norma constitucional. Ela diz que cabe ao Estado e a sociedade buscar formas de garantir os direitos de todas as pessoas com deficiência em igualdade de condições com os demais. • • No Brasil, são mais de 270 mil pessoas com a síndrome de Down. Curiosidades
  7. 7. O que é autismo ? • O autismo é uma disfunção global do  desenvolvimento. É uma alteração que afeta a  capacidade de comunicação do indivíduo, de  socialização (estabelecer relacionamentos) e de  comportamento (responder apropriadamente ao  ambiente — segundo as normas que regulam  essas respostas). Esta desordem faz parte de um  grupo de síndromes conhecidas como  transtorno  global do desenvolvimento, embora também seja  cunhado o termo transtorno do especto autista 
  8. 8. QUAIS SÃO SEUS SINTOMAS? • Os principais sintomas são: • - Isolamento do mundo exterior e recusa do contato com os outros.  (Tanto no nível da voz quanto no do olhar). • - Alterações da linguagem que podem ir desde uma ausência total da fala  até uma verbiagem ininteligível. Em algumas ocasiões, repetição de  fragmentos de frases retiradas de filmes ou que foram escutadas de  alguém, estabelecendo verdadeiros solilóquios. • - É uma fala que não se dirige a ninguém, que não é usada nem para  comunicar nem para estabelecer um diálogo mínimo. • - Ausência de interação com os outros. • - Ausência de jogo simbólico. • - Estereotipias • - Rituais • - Temor das mudanças e insistência em manter uma imobilidade naquilo  que o rodeia.
  9. 9. Causas • As causas são desconhecidas apesar das  investigações e estudos feitos.
  10. 10. Parabéns a todos pelo belo  trabalho!

×