Aula 12 - Escalonamento

607 visualizações

Publicada em

Escalonamento em Sistemas Operacionais

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Aula 12 - Escalonamento

  1. 1. CONCEITO DE ESCALONAMENTO  Escalonamento é a forma que os processadores existentes em um sistema utilizam para efetuar a organização de todo o processamento.  A decisão de qual processo executar e em que momento, é feita por rotinas do sistema operacional, chamadas de escalonamento do processador, que seguem vários algoritmos.  Tanenbaum afirma que “Quando mais de um processo é executável, o sistema operacional deve decidir qual será executado primeiro. A parte do sistema responsável por esta decisão é chamada de ‘escalonador’ (Scheduler)” . Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas
  2. 2. Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas  A forma com que se dá o escalonamento é, em grande parte, responsável pela produtividade e eficiência atingidas por um sistema computacional.  Mais que um simples mecanismo, o escalonamento deve representar uma política de tratamento dos processos que permita obter os melhores resultados possíveis.  O projeto de um escalonador adequado deve levar em conta uma série de diferentes necessidades, ou seja, o projeto de uma política de escalonamento deve contemplar os seguintes objetivos:
  3. 3.  Ser justo: Igualdade entre os processos  Maximizar a produtividade (throughput): Maximizar o número de tarefas processadas por unidade de tempo.  Minimizar o tempo de resposta para o usuário.  Minimizar a sobrecarga (overhead): Recursos não de vem ser desperdiçados.  Balancear o uso de recursos: o escalonador deve manter todos os seus recursos ocupados. Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas
  4. 4. NÍVEIS DE ESCALONAMENTO  Escalonamento de baixo nível (curto prazo) Rotinas que determinam quais processos, dentre os processos ativos (pronto), será o próximo processo que efetivamente utilizará o processador. Estas tarefas são executadas pelo 'dispatcher', usualmente uma rotina escrita diretamente em linguagem de máquina que se encontra permanentemente na memória principal.  Escalonamento nível intermediário (médio prazo) Corresponde à determinação de quais processos existentes competirão pelo uso do processador (ou seja, quais processos serão mantidos ativos). Correspondem a rotinas internas do sistema operacional.  Escalonamento de alto nível (longo prazo) Chamado também de escalonamento de tarefas, determina quais tarefas passarão a competir pelos recursos do sistema. Uma vez admitidas, as tarefas transformarão-se em processos (ou seja, quais processos serão aceitos para execução pelo sistema). Correspondem a rotinas de alto nível oferecidas pelas APIs do sistema operacional. Profª. Camila do Nascimento Seixas
  5. 5. Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas
  6. 6. PROBLEMAS DO ESCALONAMENTO Quantidade de tempo de processamento (tempo do processador) é finito. Imprevisibilidade dos processos. Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas
  7. 7. ESCALONAMENTO NÃO PREEMPTIVO  Um algoritmo de escalonamento é considerado não preemptivo quando o processamento de certo processo não pode ser interrompido até que o mesmo seja finalizado ou bloqueado por uma operação externa ( I/O – Entrada e Saída).  Entre exemplos de recursos que não podem sofrer preempção, citamos as impressoras e até mesmo arquivos, dado que muitas vezes não podem ser retirados de um processo sem que ocorra prejuízo para este. Profª. Camila do Nascimento Seixas
  8. 8. EXEMPLOS DE RECURSOS NÃO PREEMPTIVOS Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas
  9. 9. ESCALONAMENTO PREEMPTIVO  Um algoritmo de escalonamento é preemptivo quando o processo pode ser desligado do processador sem que o mesmo tenha concluído sua execução prévia.  A preemptividade representa a troca do processo em execução; assim sendo, para que o processador seja retirado de um processo, interrompendo seu trabalho, e designado a outro processo, é fundamental que ocorra a troca de contexto dos processos. Tal troca exige que todo o estado de execução de um processo seja adequadamente armazenado para sua posterior recuperação. Profª. Camila do Nascimento Seixas
  10. 10. Prof.ª. Camila do Nascimento Seixas EXEMPLOS DE RECURSOS PREEMPTIVOS
  11. 11. Profª. Camila do Nascimento Seixas MAIS ALGUMA PERGUNTA ?

×