Demonologia e angeologia apostila

1.082 visualizações

Publicada em

SINISTRO kk

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.082
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Demonologia e angeologia apostila

  1. 1. Џ*ࡱ*က**************>***** ************* *** *************************************************** ******* ********************************************************************************************* ********************************************************************************************* ********************************************************************************************* ********************************************************************************************* *******************************쥁*�*****�**************@*****bjbj �**********************4< *h***h***@*********************************************************************************|* ******|***ʒ******ʒ******ʒ******ʒ******ʒ********************** ‫ޒ‬******‫ޒ‬******‫ޒ‬******‫ޒ‬ ******b** *L***‫******ޒ‬g***0*******************************************************************掀***** 莀*****莀*****莀*****莀*****莀*****莀 *$***********9***|***************************ʒ*******$***************************************$ *******$**********************ʒ******ʒ**************************‫****.*******.*******.*******!**ۀ‬ ****$**�***************ʒ**************掀 *************.********************************************************$******掀 *************.***************.**************************************************************** ***************.************************ z*3IɁ********‫**^*******ޒ‬b&**.***************Ҏ******7***0***g*******.***************ꄀ*䠀 *********.************************************************************************************ ***********ʒ******.***********‚**K***�*******C*******‫***************************************מ‬ ***********************************************************************Ό**`****************** *****************************************g********$*******$*******$*******$****************** ********************************************************************************************* ********************************************************************************************* ******************************************************************************************|*** ********:************************************************************************************* ********************************************************************************************* ********************************************************************************************* ********************************************************************************************* ********************************************************************* APOSTILA DE ANGEOLOGIA E DEMONOLOGIA Anjos e Dem�s - A Luta Contra o Poder das Trevas Gustavo Ant� Sol*o - Luiz S鲧io Sol*o Editora - Artpress Os anjos e os dem�s n㯠s㯠um fruto da fantasia do homem, nem mera express㯠de suas esperan硳 e temores. Eles existem, s㯠seres reais, dotados de uma natureza puramente espiritual, muito mais perfeita do que a nossa, de uma inteligࡱia agud*ima e uma vontade possante.Eles intervࡱcontinuamente em nossa vida; os santos anjos,por meio das boas inspira絥s que nos sugerem; os dem�s, pelas tenta絥s a que nos submetem. Quais s㯠os poderes reais dos anjos e dos dem�s? Como devemos nos portar diante da a磯 ang鬩ca e como reagir em face da atividade diab�a? Mais especificamente, como resistir ೠtenta絥s do dem�, ࡱua a磯 extraordinࡱa, ೠinfesta絥s e ࡱossess㯿 O que pensarda feiti硲ia,dos sabࡱe das missas negras? Existem ainda hoje bruxos e feiticeiras? O espiritismo e a macumba tࡱalguma influࡱia diab�a? Existe alguma rela磯 entre Rock *n* Roll e satanismo? Para respondera estas perguntas,os autores de Anjos e dem�s * A luta contra o poder das trevas consultaram um sem- n�de obras especializadas, recolhendo o ensinamento de uma centena de te�os, moralistas e canonistas cat�os; percorreram ainda as p᧩ nas de numerosos jornais e revistas, tanto nacionais como estrangeiros. Eles apresentam aqui, numa linguagem acess*l,o resultado de sua pesquisa,colocando nas m㯳 do leitor n㯭especializado um trabalho denso de conte�*ico e teol�o e ao mesmo tempo de leitura amena e atraente.
  2. 2. *Sede s�os e vigiai, porque o dem�, vosso adversࡱo,anda como um le㯠que ruge, buscando a quem devorar. Resisti-lhe fortes na f键(Primeira Ep*ola de S㯠Pedro 5,8) ͮdice INTRODUǃO Os anjos, os dem�s e o homem. I. OS PR͎ CIPES DOS EXɒCITOS DO SENHOR Cap*lo 1 O admirᶥl mundo ang鬩co Cap*lo 2 A natureza ang鬩ca Cap*lo 3 Minist鲩os dos anjos Cap*lo 4 Os Anjos da Guarda Cap*lo 5 Os Tr고Gloriosos Arcanjos Cap*lo 6 Devo磯 aos Santos Anjos II - SATANS E OS ANJOS REBELDES Cap*lo 1 O problema do mal Cap*lo 2 A queda dos anjos maus Cap*lo 3 Psicologia do dem� Cap*lo 4 O poder dos dem�s III - AǃO ORDINRIA E EXTRAORDINRIA DO DEMԎIO Cap*lo 1 A tenta磯 Cap*lo 2 A infesta磯 Cap*lo 3 A possess㯠 Cap*lo 4 Possess㯠diab�a:o diagn�co IV. A LUTA CONTRA O PODER DAS TREVAS Cap*lo 1 Rem餩os gerais, preventivos e liberativos Cap*lo 2 Exorcismo: aspectos hist�os Cap*lo 3 Exorcismo: o que 頿 Cap*lo 4 Exorcismo: legisla磯 Cap*lo 5 *Somos todos exorcistas* V. SATANISMO MAGIA * FEITIǁRIA Cap*lo 1
  3. 3. Da supersti磯ࡱdora磯ao dem� Cap*lo 2 Magia negra ou feiti硲ia: aspectos hist�os Cap*lo 3 Magia * Espiritismo * Macumba Cap*lo 4 Sabࡱe Missas negras Cap*lo 5 O Satanismo moderno Cap*lo 6 O Rock Satࡱco VI. CASOS DE INFESTAǃO E POSSESSÏ * CENAS DE EXORCISMO- CULTO IDOLTRICO AO DEMԎIO Cap*lo 1 A mo硠infestada e o menino possesso Cap*lo 2 Madalena: da frustra磯 ao pacto com o dem� Cap*lo 3 Anneliese: possess㯠oblativa Cap*lo 4 O Diabo no Convento Cap*lo 5 Sacrif*os humanos em honra do dem� CONCLUSÏ A Rainha dos Anjos,terror dos dem�s INTRODUǃO OS ANJOS,OS DEMԎIOS E O HOMEM *(Jac�eve um sonho: Uma escada se erguia da terra e chegava at頯 c鵬 e anjos de Deus subiam e desciam por ela". (Gen 28, 12) CONSIDERANDO * VEZES a beleza de um panorama mar*mo, a elegࡱia das ondas que vࡱsuavemente espraiar- se na areia l*ida em um turbilh㯠de espuma; gaivotas e outros pࡱaros marinhos que planam docemente, sem esfor篠aparente, ao sabordas brisas; o brilho da luminosidade que reverbera nas ᧵ as e parece confundir-se com elas na linha do horizonte; diante de tudo isso sentimos a tranq�ajestade de Deus, sua imensa sabedoria, amor infinito por n�omens, dando-nos,semnenhumm鲩to nosso,tais maravilhas. Mas,se para al魠dos sentidos naturais, considerࡱemos o mesmo panorama tamb魠com os olhos da F鬠perceber*os que a maravilha 頡inda maior, e a sabedoria e a bondade divinas ainda mais perfeitas; sua solicitude em rela磯 a n�homens, ainda mais excelente e carinhosa. ɠque,ao lado de toda aquela perfei磯 material, guardando-a e dirigindo-a, saber*os que est㯠criaturas
  4. 4. espirituais, incomparavelmente mais perfeitas do que n�que tࡱcomo uma de suas miss�ajudar-nos a melhor conhecere amar o Criador, aconselhar-nos em nossas d�s,proteger-nos em todos os perigos,socorrer-nos em todas as dificuldades: os anjos. Os Santos Anjos Coroando a cria磯, acima dos seres inanimados, do mundo vegetale animal, do homem que 頯Rei dessa obra,Deus colocou os esp*tos ang鬩cos,dotadosde inteligࡱia (incomparavelmente mais perfeita que a nossa),por魠n㯠sujeitos ೠlimita絥s do corpo, como n�Explica S㯠Tomࡱque Deus criou todas as coisas para tornarem manifesta a sua bondade e, de algum modo, participarem dessa bondade.Ora essa participa磯e manifesta磯 n㯠seriam perfeit*imas sen㯠no caso em que houvesse,al魠das criaturas, meramente materiais, outras compostas de mat鲩a e esp*to (os homens) e, por fim, outras puramente espirituais, que pudessemas similar de modo mais pleno as perfei絥s divinas. A verdade maravilhosa da existࡱia dos anjos - seres intermediࡱos entre Deus e os homens * 頩lustrada po鴩camente na Escrituras pelo sonho de Jac�atriarca do Povo eleito: *(Jac�teve um sonho:Uma escada se erguia da terra e chegava at頯c鵠e anjos de Deus subiam e desciam por ela* (Gen 28, 12). Do ࡱce da escala da cria磯, os puros esp*tos descemat頡criaturas inferiores, governando o mundo material, amparando protegendo o homem; e sobemat頄eus para oferecer-Lhe a gl�da cria磯, bem como a ora磯e as boas obras dos justos.Essa realidade ang鬩ca foi pressentida pelos povos antigos,em meio ೠbrumas do paganismo e das supersti絥s,sob a forma de gࡱos benfazejos das fontes,dos bosques,dos mares, os quais garantiriam a harmonia do Universo, e eram prop*os aos homens. Mas foi a revela磯divina que apresentou aos homens a verdadeira figura dos esp*tos ang鬩cos,desembara硤a de toda forma de supersti磯. As Sagradas Escrituras e a Tradi磯forneceram os elementos fundamentais, que os grandes te�os Doutores da Igreja * em especial S㯠Tomࡱde Aquino * sistematizaram, dando-nos uma doutrina s�a e coerente sobre o mundo ang鬩co. ɠessa doutrina que procuramos sintetizar no presente trabalho, seguindo o Doutor Angࡱco bem como autores mais recentes que trataram do tema. Estamos certos de que o conhecimento desta doutrina serࡱroveitoso para todos os fi驳. Conhecendo melhor os anjos,teremos mais intimidade com eles e seremos assimlevados a recorrer mais ami� sua prote磯e ao seu amparo, nesta nossa jornada terrestre rumo ao Para*. Sobretudo na luta tremenda que devemos travar contra o Adversࡱo,o Caluniador, que anda ao redor de n�no um le㯠feroz, querendo nos devorar (1 Ped 5, 8- 9): Satanࡱ Satanࡱe os anjos rebeldes Da maravilhosa realidade dos santos anjos,descemos assimpara tenebrosa realidade dos esp*tos infernais,os dem�s. Mais ainda do que em rela磯 aos anjos, os povos pag㯳da Antiguidade (como tamb魠os primitivos de hoje) tiveram a percep磯dos dem�s. A tal ponto,que mentalidades racionalistas do s飵lo passado e deste quiseramver na concep磯b*ica de anjos e dem�s uma mera influࡱia babil�a e grega. Essa aprecia磯頣ompletamente falsa pois a concepࡱb*ica e cristࡱobre os anjos estࡱnteiramente imune dos absurdos supersticiosos dos pag㯳.Em rela磯 aos dem�s, os povos antigos (babil�s, caldeus ou gregos)manifestaram uma grande confus㯬por n㯠terem conseguido resolver o problema da origem do mal. Em suas concep絥s,o bem e o mal se mesclam e se confundem de tal maneira que tanto os deuses como os gࡱos perversos mostram-se amb*os, representando e praticando, uns e outros, tanto o bem como o mal. Entre os gregos, o vocᢵlo daimon designava os deuses e outros seres com for硳 divinas, sobretudo os mal馩cos, dos quais os homens deveriam guardar-se por meio da magia, da feiti硲ia e do esconjuro. A concep磯revelada pela Sagrada Escritura e pela Tradi磯頢em outra: os dem�s n㯠s㯠divindades,mas simples criaturas, dotadas de uma perfei磯 natural muit*imo acima da do homem, por魠infinitamente abaixo da perfei磯 de Deus, seu criador, acima da do homem, por魠infinitamente abaixo da perfei磯 de Deus, seu criador. Se eles s㯠perversos,n㯠頰or teremuma natureza essencialmente mࡱe sim por prevarica磯; feitos bons por Deus, os anjos maus ou dem�s se revoltaram e n㯠quiseram submeter-se Criador, servi-Lo e adorࡱo como sua condi磯 de criatura o exigia. Uma vez revoltados, os anjos rebeldes fixaram-se no mal, e passarama tentar o
  5. 5. homem, procurando arrastࡱo ࡱerdi磯 eterna. Essa atividade demon*a * a tenta磯 * os te�os qualificam de ordinࡱa, por ser a mais freq�e tamb魠a menos espetacular de suas atua絥s sobre o homem. Al魠dessa atividade, ele pode * com a permiss㯠de Deus * perturbar o homem de um modo mais intenso mais sens*l,provocando-lhe vis�fazendo-o ouvir ru*s e sentir dores; ou, ent㯬 atuando sobre as criaturas inferiores * as planta animais, os elementos atmosf鲩cos * para desse modo atingir o homem. ɠa infesta磯 pessoalou local, atividade menos freq�mais vis*l, chamada por isso extraordinࡱa. Em certos casos extremos, podem os dem�s chegara possuiro corpo do homem para atormentࡱo. Temos aqui a possess㯬 a mais rara manifesta磯 extraordinࡱa do Maligno. Deus n㯠nos deixou ࡱercࡱos esp*tos depravados.Al魠da prote磯 especialde nosso Anjo da Guarda e demais esp*tos celestes,entregou ‫ޒ‬greja os meios preventivos e liberativos para enfrentar a a磯 do dem�: ora絥s, sacramentos, sacramentais (bࡱ㯳, medalhas, escapulࡱos). O mais efetivo desses meios sobrenaturais,para os casos de infesta磯 e possess㯠s㯠os exorcismos, pelos quais se d㯠ordens ao dem�, em virtude do nome Jesus,para abandonaro corpo da pessoa ou o lugar que ele infesta ou possui. Devido ࡱua importࡱia, nos deteremos um pouco mais no estudo dos exorcismos, considerando os seus fundamentos teol�os, o modo de praticࡱos, bem como a legisla磯 da Igreja a respeito. Da atua磯 espontࡱa do dem�, passamos ౵ela que ele desenvolve a convite do homem, seja pela invoca磯 direta e explicita, seja pela indireta e impl*ta. Com rela磯 ࡱagia, ࡱeiti硲ia e outras formas de supersti磯,deixamos de lado os aspectos hist�os polࡱcos (que alongariam por demais o presente estudo e fugiriam ao objetivo dele), limitando-nos a considerar sua possibilidade teol�a, afirmada, aliࡱpelo Magist鲩o da Igreja e pela unanimidade dos te�os e moralistas. Dedicamos algumas p᧩ nas ࡱevivescࡱia do satanismo nos dias de hoje, salientando o papel do Rock* n*Roll, sobretudo do Heavy Metal (Rock Pesado) na sua difus㯮 A t*lo de ilustra磯 da doutrina aqui desenvolvida,apresentamos alguns casos de infesta磯 possess㯠diab�a,uns decorrentes de interven磯 espontࡱa do esp*to das trevas,outros conseq�de malef*os ou no de pacto expl*to com o dem�; acrescentamos por fim o relato de uma s鲩e de sacrif*os humanos aqui no Brasil em honra de entidades de macumba e candombl 頨as quais entidades n㯠s㯠coisa sen㯠demࡱs),que revelam, de modo alarmante, o quanto nosso pa*estࡱnvolvido poressa onda de satanismo moderno, conseq�de sua apostasia da F頣at�a. Esperamos que este estudo contribua para reavivar a devo磯santos anjos,nossos fi驳amigos, conselheiros e protetores; e ao mesmo tempo, sirva de alerta aos cat�os para o perigo das das esp*tas ou de macumba, e outras formas de supersti磯( como o uso de amuletos, adivinha絥s, etc.), as quais podem conduzir, muitas vezes sem que se queira, ࡱomunica磯 pelo menos impl*ta com os esp*tos infernais. *** Digne-se a Virgem Sant*ima * que esmaga para sempre a cabe硠da serpente infernal (cf. Gen 3, 15) * proteger e aben篡r este modesto esfor篮 Invocamos tamb魠o patroc*o do glorioso Patriarca S㯠Jos頥 a prote磯 do invenc*l Arcanjo S㯠Miguel * que derrotou Sat㠮o *praelium magnum in caelo* (Apoc 12, 7-l0) * e dos santos anjos que atenderam ao seu brado de guerra: *Quis ut Deus?* * *Quem 頣omo Deus?* I - OS PR͎ CIPES DOS EXɒCITOS DO SENHOR AS NOǕES que correm entre os fi驳, mesmo dentre os mais fervorosos,a respeito dos santos anjos s㯠muito vagas e superficiais. Meras reminiscࡱias e imagens da infࡱia, na maioria dos casos,n㯠muito diferentes de entidades fict*as e de algum modo mitol�as, como as fadas e os duendes.
  6. 6. A iconografia corrente, infelizmente, n㯠ajuda a dar a conhecer a verdadeira fisionomia dos anjos, apresentando-nos seres alados, com vestes e aspecto feminino; ou, ent㯬 anjinhos bochechudos, com cara infantil e tola, brincando despreocupadamente sobre nuvens que mais parecem flocos de algod㯠doce... Esses anjos n㯠existem, nem 頤eles que tratamos aqui. A partir dos dados da Sagrada Escritura e da Tradi磯, dos escritos dos Santos Padres, do ensinamento do Magist鲩o eclesiࡱico, da li磯 dos Doutores e te�os, queremos apresentara verdadeira natureza dos santos anjos:seres puramente espirituais, dotados de uma inteligࡱia agud*ima e de uma possante vontade livre dominando abaixo de Deus sobre todas as demais criaturas, racionais e irracionais, bem como as for硳da natureza, os elementos da atmosfera e subjugando para sempre os esp*tos infernais. Eis os santos anjos, pr*ipes dos ex鲣itos do Senhor, mas tamb魠nossos amigos e protetores. O admirᶥl mundo ang鬩co "E ouvi a voz de muitos anjos em volta do trono... e era o n�deles milhares de milhares". ( Ap 5,11) ALɍ DO MUNDO VIS͖ EL e material, criou Deus tamb魠o mundo invis*l e espiritual, o admirᶥl mundo ang鬩co. A existࡱia dos anjos foi negada na Antiguidade, entre judeus,pela seita dos saduceus (cf. At 23, 8). Mais tarde, por certas seitas protestantes,como os anabatistas.Em nossos dias ela tem por advers ࡱos os ateus,materialistas e positivistas,que n㯠crꥭsen㯠naquilo que seus olhos vꥭe seus sentidos apalpam. Os racionalistas, para encontrar uma excusa aparentemente racional ࡱua incredulidade, alegam que os anjos foram inventados pelos judeus no tempo do cativeiro da Babil�, por imita磯 das entidades ali cultuadas; ou, ent㯬 consideram os anjos como simples modo po鴩co e simb�o de referir-se ೠvirtudes divinas e aos v*os humanos... Contra todos esses, falam os dados da raz㯬 a cren硠comum dos povos e a revela磯 divina. Os anjos existem Pela simples raz㯬 independentemente da revela磯,o homem pode chegar de algum modo ao conhecimento da existࡱia dos anjos.Com efeito, a existࡱia de seres puramente espirituais n㯠repugna ࡱaz㯮 E um exame da cria 磯, ࡱera luz do intelecto pode levar-nos ࡱonclus㯠de que a existࡱia de criaturas puramente espirituais conv魠 ‫ޒ‬armonia do Universo, pois assim estariam representados os tr고gࡱros poss*is de seres: os puramente espirituais, acima do homem; outros,puramente materiais, abaixo do homem; por fim, seres compostos,dotados de mat鲩a e esp*to * os homens. E a cren硠comum dos povos,constante emtodos os lugares e em todas as 鰯cas, sempre afirmou a existࡱia desses seres de natureza superior aos homens e inferior ‫ޒ‬ivindade. Uma coisa, por魬頡mera possibilidade da existࡱia de seres puramente espirituais, e outra 頡sua realidade objetiva. A existࡱia dos anjos (e dos dem�s, anjos deca*s)seria para n�m problema insol�n㯠houvesse a tal respeito especial revela磯 divina por meio da Escritura e da Tradi磯,* que nos garantem a certeza da existࡱia dos anjos.
  7. 7. * Tradi磯, em sentido amplo, 頯 conjunto de id驡s, sentimentos e costumes, como tamb魠de fatos que, numa sociedade, se transmitem de maneira viva de gera磯 a gera磯. Em sentido estrito teol�o, chama-se Tradi磯 o conjunto de verdades reveladas que os ap�los receberam de Cristo ou do Esp*to santo,e transmitiram, independentemente Sagradas Escrituras, ‫ޒ‬greja, que as conserva e transmite sem altera磯.Essa revela磯 foi feita a nossos primeiros pais, e se conservou na Humanidade, por via de transmiss㯠oral pelos Patriarcas. Com o tempo (e tamb魠por obra do dem�, sem d�), essa revela磯 primitiva foi-se corrompendo, restando dela meros vest*os no paganismo antigo e no atual. Nas brumas desse paganismo encontramos seres incorp�s, ora malfazejos ora benignos,quase sempre cultuados como divindades ou quase- divindades.Para preservaro povo judeu da contamina磯 poressa deforma磯 polite*a pag㬠os Autores sagrados, durante largo per*o, evitaram mencionar nominalmente o esp*to das trevas.E, pela mesma raz㯬 n㯠se encontram muitos pormenores no Antigo Testamento sobre a natureza dos anjos e dos dem�s, embora sejam mencionados a cada passo.A revela磯 definitiva s�verifica Nosso Senhor Jesus Cristo. Por魬 a B*ia n㯠traz toda a revela磯 sobre o mundo ang鬩co,sendo necessࡱo recorrer ‫ޒ‬radi磯, Esta, como se sabe, encontra-se recolhida nos documentos dos Santos Padres* e escritores eclesiࡱicos dos primeiros tempos, assim como nos documentos do Magist鲩o - Papas e Conc*o - na Liturgia e nos monumentos da Antiguidade crist㠨catacumbas cemit鲩os, etc.). *Chamam-se Santos Padres ou Padres da Igreja certos escritores eclesiࡱicos antigos,que se distinguiram pela doutrina ortodoxa e santidade de vida e s㯠reconhecido Igreja como testemunhas da tradi磯divina. A existࡱia dos anjos 頵ma verdade de f鬪provada pela Escritura e pela Tradi磯. A Sagrada Escritura refere-se in�s vezes a seres racionais, inferiores a Deus e superiores aos homens; logo, segundo ela, esses seres,que n�enominamos anjos,existem. * Verdade de f頩 aquela que se encontra na Revela磯 e 頰roposta pela Igreja aos fi驳 como verdade que se deve crer. A nega磯 pertinaz de uma verdade de f頣onstitui a heresia. Essa verdade foi definida solenemente como dogma pelo conc*o IV de Latr 㯠(1215): *Deus.., desde o princ*o do tempo criou do nada duas esp飩es de seres * os espirituais e os corporais, isto 鬠os anjos e o mundo*. De forma igual se expressa o I Conc*o do Vaticano (1870). Os nove coros ang鬩cos Existem diferen硳 entre os anjos, mas n㯠consta na Revela磯 qual sua origem nem seu modo preciso. ɠquest㯠de livre discuss㯠se os anjos s㯠todos da mesma esp飩e,ou se existem tantas esp飩es quantos s㯠os coros,ou se cada indiv*o constituiuma esp飩e por si (opini㯠de S㯠Tomࡱ. De acordo com uma tradi磯que remonta ao Pseudo-Dion*o Areopagita,* os te�os costumam agrupࡱos em nove ordens ou coros ang謩cos,distribu*s em tr고hierarquias ( os nomes s㯠tomados da Sagrada Escritura):** *Renomado escritor eclesiࡱico dos primeiros sࡱlos, cuja identidade nࡱse estabeleceu ainda ao certo, durante muito tempo confundido com o sࡱo convertido por S㯠Paulo no Are�o de Atenas (cf. At 17, 34). Uma de suas obras mais c鬥bres 頄e coelesti hierarquia * Sobre a hierarquia celeste, na qual estabelece a ordem dos Anjos,deteminada pelo seu grau de assimila磯 a Deus, de uni㯠com Deus, do dom de luz divina que recebem e transmitem aos Anjos inferiores. ** Por exemplo: Serafins ( Is 6,2); Querubins ( Gen 3,24; Ex 25, 18; 3 Reis 6,23; Sl 17, 11; Ez 10,3; Dan 3,55); Arcanjos ( 1 Tes 4,15; Jud 9); Anjos, Potestades, Virtudes (1 Ped 3,22); Principados, Domina絥s ( Ef 1,20-21); Tronos (Col 1,16). Primeira hierarquia - Serafins, Querubins, Tronos;
  8. 8. Segunda hierarquia - Domina絥s, Potestades, Virtudes; Terceira hierarquia - Principados, Arcanjos e Anjos. Os anjos dos tr고primeiros coros ou primeira hierarquia - Serafins, Querubins e Tronos contemplam e glorificam continuamente a Deus: " Vi o Senhor sentado sobre um alto e elevado trono... Os Serafins estavampor cima do trono ... E clamavam um para o outro e diziam: Santo, Santo, Santo, ࡱ Senhor Deus dos exࡱitos" (Is 6, 1-3 ). " O Senhor reina ... estࡱentado sobre querubins" (Sl 98,1); os tr고coros seguintes - Domina絥s, Virtudes e Potestades - ocupam-se do governo do mundo; finalmente, os tr고�os - Principados, Arcanjos e Anjos - executam as �ns de Deus: "Bendizei ao Senhor, v�odos os seus anjos,fortes e poderosos,que executais as suas ordens e obedeceis as suas palavras" (Sl 102, 20). Todos eles podementretanto ser chamados genericamente anjos, estando ‫ޒ‬isposi磯 de Deus para executar suas vontades. Embora o Evangelho, na Anuncia磯 a Maria, se refira ao anjo Gabriel ( Lc 1,26), isto n㯠quer dizer que ele perten硠ࡱltima das hierarquias ang鬩cas,pois a sublimidade dessa embaixada leva a suporque se trate de um dos primeiros esp*tos que assistemdiante de Deus. Os tr고arcanjos - como s㯠conhecidos comumente S㯠Miguel, S㯠Gabriel e S㯠Rafael - pertencem, provavelmente, ࡱais alta hierarquia ang鬩ca. Falaremos deles mais adiante. Embora n㯠conhe硭os,o n�exato dos anjos, sabemos,pelas Escrituras e pela Tradi磯, que s㯠muit*imos,. ɠo que lemos no livro do Apocalipse: "E ouvi a voz de muitos anjos em volta do trono ... e era o n�deles milhares e milhares" (Apoc 5, 11). E no livro de Daniel: *Eram milhares de milhares de milhares (os anjos) que o serviam, e mil milh�os que assistiamdiante dele* (Dan 7, 10). Muitos te�os deduzem que o n�dos anjos 頳uperior ao dos homens que existiram desde o princ*o do mundo e existir㯠at頯 fim dos tempos. A raz㯠disso 頤ada por S㯠Tomࡱao dizer que, tendo Deus procurado principalmente a perfei磯 do universo ao criar os seres,quanto mais estes forem perfeitos, Deus os terࡱriado com maior prodigalidade. Ora, os anjos s㯠mais perfeitos que os homens, logo foram criados em maior n�. A natureza ang鬩ca *Ent㯠o anjo do Senhor tornou-o pelo alto da cabe硠e, tendo-o pelos cabelos, levou-o com a impetuosidade do seu esp*to at頂abil�, sobre a cova" (Dan 14, 32-35) ɠTAL O ESPLENDOR de um anjo, que as pessoas ೠquais eles aparecem muitas vezes se prostram por terra por temor e reverࡱia para adorࡱos,pensando que se trata do pr�o Deus * conforme relato das Escrituras e da vida dos santos.E assimque S㯠Jo㯠conta no Apocalipse: *Prostrei-me aos p鳠do anjo para o adorar; por魠ele disse-me: Vࡱn㯠fa硳 tal; porque eu sou servo de Deus como tu .... Adora a Deus* (Apoc 22,9). ɠessa natureza maravilhosa que vamos estudaragora. Seres racionais e livres Os anjos s㯠seres intelectuais ou racionais, inferiores a Deus e mais perfeitos que os homens. Eles s㯠puros
  9. 9. esp*tos,n㯠estando ligados a um corpo como n�s㯠dotados de uma inteligࡱia luminosa e de vontade livre e possante.Tendo sido criados por Deus do nada, como tudo o mais, os pelo pr�o fato de serem puramente espirituais, s㯠imortais,pois n㯠tࡱnenhuma liga磯 com a mat鲩a corrupt*l, como os homens. Ao contrࡱo da natureza do homem, que 頣omposta (isto 鬠formada de dois elementos distintos,o corpo e a alma) os anjos tࡱnatureza simples, puramente espiritual. Embora a alma humana seja igualmente espiritual, ela foi criada por Deus para viver em uni㯠substancial como corpo; quando se dࡱ morte e a alma se separa do corpo, ela permanece em um estado de violࡱia, enquanto n㯠se dࡱressurrei磯 dos corpos.Jࡱs anjos n㯠tࡱnecessidade de umcorpo como o homem. Desse modo, 頵m sermuito mais perfeito, sendo inferior, quanto ࡱatureza, apenas ao pr�o Deus. N 㯠se pode pois, ao pensarnos anjos, concebࡱos ࡱaneira de uma alma humana separada de seu corpo. Esta �a n㯠 頣apaz daquilo que o anjo pode fazer sua simples natureza. Tal como o homem, os anjos existem realmente enquanto pessoas; ou seja,eles s 㯠substࡱias individuais, dotadas de inteligࡱia e livre arb*io*. Em outros termos, eles tࡱuma existࡱia real, distinta da de outros seres,sendo capazes de conhecer, de amar, de servir, de escolher entre uma coisa e outra. Eles n㯠s㯠portanto,seres imaginࡱos, fict*os, concebidos pelo homem como mero modo po鴩co de exprimir-se, ou como personifica絥s das virtudes e dos v*os humanos ou das for硳 da natureza,nem tampouco emana絥s do poderde Deus. * ɠclࡱica a defini磯 de pessoa dada porBo飩o: *Rationalis naturae individua substantia ** " Substࡱia individual de natureza racional*. Os anjos foram elevados ࡱrdem sobrenatural, isto 頣hamados a participar da vida da gra硬 cujo fim 頡 vis㯠 beat*ca de Deus. Esta eleva磯 頧ratuita,mas discute-se em que momento se deu (para S㯠Tomࡱ foi no momento mesmo de sua cria磯); 頤e f頱ue os anjos deveram sofrer uma prova, por魠n㯠se sabe qual teria sido. Depois da prova cessou para eles o tempo de merecer; 頴amb魠de f頱ue os anjos bons gozaram e gozam para sempre vis㯠beat*ca e que os maus foram condenados a uma pena eterna. Conhecimento e comunica磯 ang鬩ca ɠquest㯠de livre discuss㯠tudo quanto se refere ao conhecimento ang鬩co,ࡱomunica磯 de uns com os outros, bem como o que se refere ao seu ato de vontade; 頣erto que sua capacidade de conhecer * embora incomparavelmente superior ‫ޒ‬o homem * 頬imitada:eles n㯠conhecem naturalmente os mist鲩os divinos, nem o futuro livre ou contingente;* tamb魠頣erto que tࡱpleno livre arb*io. *Os anjos (e tamb魠os dem�s, que s㯠anjos pervertidos), pela sua pr�a natureza, n㯠tࡱcapacidade de conhecer o futuro que depende de um ato livre de Deus ou do homem; por魬dada sua inteligࡱia agud** e seu conhecimento da natureza e de suas leis, eles podem prever qual o desenrolar dos acontecimentos,postas cenas causas. Tamb魠podem, em raz㯠de sua profunda penetra磯psicolࡱa e do conhecimento da alma humana, fazer conjeturas mais ou menos provᶥis de como os homens reagirࡱdiante de determinada circunstࡱia, e assim prever o que decorrerࡱa* Para dar uma id驡da perfei磯 do conhecimento ang鬩co, parece oportuno transcrevera explica磯 do Cardeal Lepicier, grande especialista na mat鲩a. Comparando o modo de conhecimento humano com o ang鬩co, ressalta o Cardeal que Deus infundiu no intelecto dos anjos,logo que os criou, representa絥s de todas as coisas naturais. Estas imagens *s㯠n㯠somente representativas de princ*os gerais que regulam cada ciࡱia particular, mas encerram tamb魬 distintamente, todos os pormenores virtualmente contidos nesses princ*os,de maneira que uma e a mesma imagem informa a mente ang鬩ca das particularidades de cada ciࡱia. Nࡱpoderࡱois haver confus㯠na mente ang鬩ca, quando ela passa da observa磯de um para a observa磯de outro... "Um anjo, com um simples olhar ࡱmagem que representa * digamos * o reino animal, conhece n㯠s�vࡱas esp飩 es de animais existentes, mas tamb魠cada indiv*o que exista ou tenha existido dentro de cada esp飩e, assim como as suas propriedades particulares e os seus meios de a磯. E o mesmo sucede com o conhecimento de qualquer objeto, seja ele qual for, que se encontre no reino da natureza, seja orgࡱco ou inorgࡱco, material ou espiritual vis*l ou invis*l. Chama-se futuro livre ou contingente aquele que depende,seja da vontade divina, seja da humana. Distingue-se do futuro necessࡱo,o qual n㯠depende do livre arb*io, mas decorre de causas que,uma vez postas, levam necessariamente a um determinado efeito. Assim, ࡱoite sucede o dia; a semente, lan硤a ࡱerra,
  10. 10. germinarࡱentro de determinado tempo, se se verificarem todas as condi絥s necessࡱas a isso,independentemente da vontade divina (que jࡱstࡱanifestada no ato da cria磯 da esp飩e) ou da natureza humana. *Por aqui se pode ver que a ciࡱia humana 頭uito excedida pela ciࡱia da mente ang鬩ca, tanto em extens㯠com precis㯔.* * (Cardeal A. LEPICIER, O Mundo Invis*l pp. 42-43.) S㯠Tomࡱexplica do seguinte modo a comunica磯 dos anjos entre si: como n�omens, os anjos tࡱo verbo interior ou verbo mental, com o qual falamos a n�esmos ou formulamos os conceitos interiormente. Mas,enquanto n��demos comunicar esse pensamento a outros por meio da palavra oral, ou de outro meio externo, pois entre n�os demais existe a barreira do nosso corpo,que vela o pensamento,os anjos n㯠tࡱessa barreira corp�; assim, basta a eles, por um ato de vontade,se dirigirem a outros anjos,para que seu pensamento * ou seja, esse verbo interior ou verbo mental * se manifeste a eles. Como os anjos s㯠diferentes entre si,e uns s㯠mais perfeitos que outros,os mais perfeitos iluminam os menos perfeitos cor comunicando-lhes aquilo que eles vꥭmais em Deus. Do mesmo modo, eles podem iluminar os homens, comunicando-lhes bons pensamentos,embora de forma diferente daquela pela qual um anjo se comunica com outro.Como a mente humana necessita do concurso da fantasia para entenderas coisas, os anjos comunicam as verdades ao homem por meio de imagens sens*is.Quanto ࡱontade humana, s�us ou o pr�o homem s㯠capazes de movࡱa eficazmente; o anjo, ou outro homem. s�demmovࡱa por meio da persuas㯮 Poder dos anjos sobre a mat鲩a ɠum tanto misterioso a n�modo como os anjos,seres espirituais, possammover a mat鲩a. No entanto tal poder estࡱormalmente revelado, como se pode ver, por exemplo, no livro de Daniel. O profeta fora jogado na cova dos le�para que perecesse; pora磯divina, os animais n㯠fizeram mal: *O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos le�e estes n㯠me fizeram mal algum* (Dan 6, 21). No entanto,para alimentࡱo, Deus quis servir-se do profeta Habacuc, conduzido at頡cova por um anjo. Narra a Escritura: *Estava ent㯠o Profeta Habacuc na Jud驡, e tinha cozido um caldo, e esfarelado uns p㥳dentro duma vasilha, e ia levࡱos ao campo aos ceifeiros que lࡱstavam. E o anjo do Senhor disse a Habacuc: Leva a Babilࡱ essa refeiࡱ que tens,para a dares a Daniel que estࡱa cova dos le� E Habacuc respondeu:Senhor eu nunca vi a Babil� e n㯠sei onde 頡cova. Ent㯠o anjo do Senhor tomou-o pelo alto da cabe硠e, tendo-o pelos cabelos, levou-o com a impetuosidade do seu esp*to at頂abil�, sobre a cova* (Dan 14, 32- 35). O pr�o Salvador deixou-se carregar pelo dem� at頯alto monte para sertentado (cf. Mt 4, 5-8). Em S㯠Mateus, sobre a Ressurreiࡱ de Nosso Senhor, estࡱscrito: *Um anjo do Senhor desceu do c鵬e, aproximando-se, revolveu a pedra, e estava sentado sobre ela* (Mt 28, 2).* * Cf. Suma Teol�a, 1,qq. 52, 107,110-112. Embora a quest㯬como dissemos,seja algo misteriosa, procuraremos sintetizar aqui a doutrina de S㯠Tomࡱde Aquino a respeito. Antes de tudo,conv魠lembrar o que ensina o santo Doutor a respeito do modo como os anjos encontram-se em um lugar: enquanto os seres corp�s manifestam sua presen硠num lugar circunscrevendo-o pelo contato f*co de seu corpo com o lugar ocupado,as criaturas incorp�s delimitam o lugar por meio de um contato operativo. Quer dizer: elas est㯠no lugar onde agem. Quanto ao modo como os anjos movem a mat鲩a, 頡seguinte explica磯 tomista: O ser superior pode mover os inferiores porque tem em si, de um modo mais eminente, as virtualidades desses seres inferiores. Assim, o corpo humano 頭ovido por algo superior a ele, a alma, que 頥spiritual,a qual, atrav鳠da vontade,que tamb魠頩material,move os membros corp�s a seu bel-prazer; logo, n㯠repugna ࡱaz㯠que uma substࡱia espiritual possa mover a mat鲩a. Entretanto, no caso da alma humana, ela sࡱde mover diretamente aquele corpo com o qual estࡱubstancialmente unida; as demais coisas,ela s�de mover por meio desse corpo;* ora, como os anjos s㯠seres espirituais,n㯠estando substancialmente unidos a nenhum corpo material, sua for硠de a磯 sobre a mat鲩a nࡱestࡱelimitada por nenhumcorpo determinado; dai se segue que eles podem mover livremente qualquer mat鲩a. * Por exemplo, para mover uma caneta sobre o papel no escrever, nࡱrecisamos segurࡱa com a mࡱe atravࡱdesta
  11. 11. imprimir o impulso que farࡱ caneta deslizar no papel e tra硲as letras que desejamos; eu n㯠posso mover diretamente a caneta,por um simples ato de vontade: pelo ato de vontade eu agarro a caneta e movo minha m㯠segundo meus intentos. Esse movimento se produz pelo contato operativo do anjo a mat鲩a, impulsionando um primeiro movimento local; por meio desse primeiro movimento local o anjo pode produzir outros movimentos na mat鲩a utilizando-se dos pr�os recursos dela, com o ferreiro se utiliza do fogo para dobrar o ferro. O Cardeal Lepicier observa que,como os anjos possuemconhecimento das leis f*cas e qu*cas que ultrapassa tudo quanto a Ciࡱia possa terdescoberto ou venha a descobrir, e, al魠do mais, tࡱum poder imenso sobre a mat鲩a, podemos dizer que dificilmente se encontrar㯠no Universo fen�os que os anjos n㯠possamproduzir, de um modo ou de outro. Esses fen�os s㯠por vezes t㯠surpreendentes,que chegama parecer verdadeiros milagres. Por魬 n㯠s㯠milagres, pois embora ultrapassemde longe a capacidade dos homens, n㯠est㯠acima do poder ang鬩co. Ele exemplifica: *Um rࡱdo exame dos fenࡱos que ocorrem no mundo f*co bastarࡱara nos dar uma id驡dos maravilhosos efeitos a que os seres ang鬩cos podemdar causa.Em primeiro lugar, assim como, devido ೠfor硳da natureza, massas enormes se podem deslocar, ou, sob a a磯de agentes f*cos,os elementos da mat鲩as dissolvem ou trabalham em conjunto, como quando provocamas tempestades,furac�e procelas * assim tamb魠um anjo, sem a coopera磯de quaisquer agentes intermediࡱos, transfere de um lugar para outro os corpos mais pesados,levanta-os e conserva-os suspensos durante determinado tempo, agita as mais pesadas substࡱias e provoca colis�entre elas. Pode o mesmo anjo revolver cidades e vilas, provocar terremotos e encapelar as ondas do mar, originar tempestades e furac�parar a corrente dos rios e, se assim o entender, dividir as ᧵ as do mar. "Al魠de tudo isso,pode tamb魠um anjo, usando das pr�as for硳, produzir os mais surpreendentes efeitos �os,n㯠 s�rigando substࡱias desconhecidaspara n�spargir jorros de luz, mas tamb魠projetando sombras que se assemelham a representa絥s fantasmag�as.Pode ainda, sem a ajuda de qualquer instrumento, p�m movimento os elementos da mat鲩a,fazer ouvir a m� mais harmoniosa ou produzir os mais estranhos ru*s,tais como pancadas repetidas ou explos�s�s. S㯠ainda os anjos capazes de aglomerar nuvens,provocar relࡱagos e trov�arrancar ࡱores gigantescas,arrasar edif*os, rasgar tecidos e quebrar as rochas mais duras. ɭlhes tamb魠poss*lfazer com que um lࡱs escreva, por assimdizer automaticamente, certas frases com um sentido intelig*l, assim como dar aos objetos formas diferentes das que s㯠peculiares ࡱua natureza. Podem, at頣erto ponto,suspenderas fun絥s da vida, parar a respira磯 dumcorpo, acelerar a circula磯 do sangue e fazer com sementes lan硤as ࡱerra cres硭 dentro de pouco tempo, at頡tingirem a altura duma ࡱore, com folhas, bot�e at頣om frutos. "A um anjo 頰oss*l fazer todas estas coisas no mais breve espa篠de tempo por causa do seu poder sobre os elementos da mat鲩a, e sem a menor dificuldade, imitando perfeitamente as obras da natureza e dando em tudo a impress㯠de que se trata de efeitos s a causas naturais* .* * (Cardeal A. LEPICIER, O Mundo Invis*l. pp. 74-75.) Poder dos anjos sobre o homem O anjo pode produzir efeitos corp�s maravilhosos. Ele pode, atrav鳠do movimento que imprime ࡱat鲩a, produzir mudan硳nos corpos,mas de tal forma que apenas se sirva da natureza, desdobrando as potencialidades dela. Assim ele pode,nos homens, favorecer ou impedir a nutri磯ou provocardoen硳. Mas ele n㯠pode fazer qualquer coisa que esteja completamente acima da natureza, como, por exemplo, ressuscitarpessoas mortas.O anjo tem ainda o poder de favorecer ou impedir os movimentos da sensualidade,a delecta磯, a dor, a ira, a mem� e afetar de vࡱos modos os sentidos externos e internos, isto 鬠os cinco sentidos,a mem� e a imagina磯. Do mesmo, modo o anjo pode agu硲 a for硠da inteligࡱia e, de um modo indireto, mover quer o intelecto * excitando imagens na fantasia ou propondo quest�* quer a vontade,solicitando-a para que escolha algo. O anjo pode formar para si um corpo com o qual
  12. 12. aparece aos homens como, por exemplo, o arcanjo S㯠Rafael fez com Tobias. Santo Agostinho diz que os anjos aparecem aos homens com um corpo que eles n㯠somente podem ver, mas tamb魠tocar, como 頰rovado pela Escritura (Gen 18, 2ss; Lc 1, 26ss; At 12, 7ss; o livro de Tobias). O anjo move o corpo que assume,como nࡱoder*os mover um boneco,dando a impress ࡱde que ele estࡱivo, fazendo-os imitar os movimentos do homem. Quando S㯠Rafael parecia comer na companhia de Tobias, ele apenas fazia o corpo do qual estava se servindo mover-se como faz um homem nessa circunstࡱia, mas semconsumir o alimento. Os esp*tos ang鬩cos n㯠podemfazer milagres propriamente ditos, mas sim coisas maravilhosas, que ultrapassamo poder humano, n㯠por魠o ang鬩co. Por exemplo, gra硳ao seu podere conhecimento extraordinࡱo, podem curar doen硳, restituir a vista a cegos (Tob 11, 15); fazer prod*os como elevar uma pessoa e carregࡱa pelos ares (Dan 14, 15), fazer falar serpente (Gen. 3, Iss), etc. Minist鲩os dos anjos "Anjos do Senhor, bendizei ao Senhor... Ex鲣itos do Senhor, bendizei ao Senhor". (Dan 3, 58-61) OS MINISTɒIOS dos anjos s㯺 em rela磯 a Deus, adorࡱo, louvࡱo, servi-Lo, executando todos os Seus decretos em rela磯 aos demais anjos, quer aos homens, como tamb魠a toda a natureza material, animada e inanimada; em rela磯 aos demais anjos,os de natureza superior iluminam os inferiores. dando-lhes a conheceraquilo que vࡱem Deus; em rela磯 aos homens, eles s㯠ministros de Deus para encaminhࡱos ࡱᴲia celeste, protegendo-os, corrigindo-os, instruindo-os,animando-os; em rela磯 ao mundo material, eles s㯠agentes de Deus para o governo do Universo. Ministros da liturgia celeste O principal minist鲩o dos anjos consiste em adorar, louvar e servir a Deus: *Anjos do Senhor, bendizei ao Senhor ... Ex鲣itos do Senhor, bendizei ao Senhor; louvai-O e exaltai-O por todos os s飵los* (Dan 3, 58-61). *Bendizei ao Senhor, v�odos os seus anjos, fortes e poderosos, que executais as suas ordens e obedeceis as suas palavras* (Si 102, 20). *Os Serafins estavam por cima do trono ... E clamavam um para o outro e diziam: Santo, Santo, Santo, 頯 Senhor Deus dos ex鲣itos* (Is 6,2-3). Os santos anjos desempenhamassim a liturgia celeste: "E vi os sete anjos que estavamde p頤iante de Deus ... E veio outro anjo, e parou diante do altar, tendo um tur*lo de ouro; e foram-lhe dados muitos perfumes, a fim de que oferecesse as ora絥s de todos os santos sobre o altar de ouro, que estࡱiante do trono de Deus. E o aroma dos perfumes das ora絥s dos santos subiu da m㯠do anjo at頠presen硠de Deus* (Apoc 8,2-4). Esses puros esp*tos s㯬pois,ministros do altar e ministros do trono de Deus: eles cantam os louvores de Deus na presen硠do Alt*imo, e apresentam-Lhe as nossas preces e as nossas boas obras; ao mesmo tempo, descemat頮�nos trazem as gra硳e bࡱ㯳divinas, verdade belamente expressa na vis㯠da escada de Jac�(Jac�eve um sonho:Uma escada se erguia da terra e chegava at頯c鵬e anjos de Deus subiam desciam por ela* (Gen 28, 12).
  13. 13. Essa verdade, em termos prᴩcos, significa que eles s㯠intercessores poderos*imos diante de Deus. A eficᣩ a da intercess㯠ang鬩ca 頴estemunhada, entre muitas outras passagens da Escritura, por esta do livro do Profeta Zacarias: *E o anjo do senhorreplicou e disse: Senhor dos ex鲣itos, at頱uando diferirࡱtu o compadecer-te de Jerusal魠e das cidades de Judࡱcontra as quais te iraste? Este ࡱࡱ ano septuag鳩mo. ... Isto diz o Senhor dos ex鲣itos: Eu sinto um grande zelo por Jerusal魠e por Si㯮.. Portanto isto diz o Senhor: Voltarei para Jerusal魠com entranhas de miseric�a* (Zac 1,12-16). Isto nos deve mover a recorrer sempre com fervor e cada mais a eles. Guerreiros dos ex鲣itos do Senhor As Sagradas Escrituras nos apresentamos anjos numa guerreira, como a mil*a dos ex鲣itos do Senhor. Assim, o profeta Miqu驡s exclama: *Eu vi o Senhor sentado sobre seu trono, e todo o ex鲣ito do c鵠ao redor dele, ‫ޒ‬ireita e ࡱsquerda* (3 Reis 22, 19). E o livro de Josu鬠ao narrar a luta dos judeus para conquistara Palestina, ap�a*m do Egito, diz: "Ora, estando Josu頮os arredores da cidade de Jeric�evantou os olhos e viu diante de si um homem em p鬠que tinha uma espada desembainhada.Foi ter com ele e disse-lhe: Tu 鳠dos nossos,ou dos inimigos? E ele respondeu:N㯻 mas sou o pr*ipe do to do Senhor* (Jos 5, 13-14).* * No Antigo Testamento os anjos s㯠designados das mais diversas formas: "pr*ipes"; "filhos de Deus"; "santos"; "anjos santos"; "sentidos vigilantes"; "esp*tos"; "homem". O pr�o Deus, a quem servem esses anjos guerreiros, 頡presentado como o Deus dos ex鲣itos.O profeta Os驡s, descrevendo a fidelidade de Jac�egistra: *E o Senhor Deus dos ex鲣itos,este Senhor ficou sempre na sua mem�* (Os 12, 4-5). Am�rofetiza a prevarica磯 de Israel em nome do Senhor Deus dos ex鲣itos:"Ouvi isto, e declarai- o ࡱasa de Jac�iz o Senhor dos ex鲣itos*.E adiante: *Pois sabe,casa de Israel, diz o Senhor Deus dos ex鲣itos, que eu vou suscitarcontra v�ma na磯 vos oprimirᔠ(Am 3, 13; 6, 15). Na vis㯠do profeta Isa*: "Os serafins .. clamavam um para o outro e diziam: Santo, Santo, Santo 頯 Senhor Deus dos ex鲣itos* (Is 6, 2-3). A mesma express㯠頵tilizada nos Salmos de Davi: *Quem 頥sse Rei da Gl� ? O Senhor dos ex鲣itos; esse 頯 Rei da gl�*. *O Senhor dos ex鲣itos estࡱonosco; o Deus de Jac�a nossa cidadela" ( Sl 23,10; 45, 8). O Senhor Deus dos ex鲣itos,ap�desobediࡱia de nossos primeiros pais, *p�iante do para* de del*as Querubins brandindo uma espada de fogo, para guardar o caminho da ࡱore da vida" (Gen 3,24). As hostes celestes combateram no C鵠uma *grande batalha" (Apoc 12, 7), derrotando e expulsando Satanࡱe os anjos rebeldes. E na noite sublime do Natal, esses guerreiros celestes apareceram aos pastores:*E subitamente apareceu com o anjo uma multid㯠da mil*a celeste louvando a Deus e dizendo: Gl� a Deus no mais alto dos C鵳 e paz na terra aos homens de boa vontade* (Lc 2, 8-14). Deus confia ࡱil*a celeste a defesa daqueles que O amam. Segundo os int鲰retes,umanjo exterminador matou em meio ࡱoite todos os primogࡱtos do Egito (Ex 12, 29); e ao serem os judeus perseguidos pelo ex鲣ito do Fara�anjo do Senhor, que ia diante deles, se interp�ntre os eg*ios e o povo escolhido (Ex 14, 19). Quando Senaquerib amea硶a o povo eleito, Deus enviou um de seus terr*is guerreiros ang鬩cos:"Naquela mesma noite saiu o anjo de Iav頥 exterminou no acampamento ass*o cento e oitenta e cinco mil homens* (4 Reis 19, 35). 3 vezes os combatentes celestes se juntam aos combatentes terrestres para dar-lhes a vit�, como se deu numa batalha decisiva de Judas Macabeu: *Mas, no mais forte do combate, apareceram do c鵠aos inimigos cinco homens em cavalos adornados de freios de ouro, que serviam de guia aos judeus. Dois deles, tendo no meio de si Macabeu, cobrindo-o com suas armas, guardavam-no para que andasse sem risco da sua pessoa; e lan硶am dardos e raios contra os inimigos, que iam caindo feridos de cegueira, e cheios de turba磯. Foram pois mortos vinte mil e quinhentos homens, e seiscentos cavalos* (2 Mac 10, 28-32). O Senhor Deus dos ex鲣itos envia igualmente seus guerreiros para livrar seus amigos das m 㯳 dos *ios:
  14. 14. *Deitaram (os judeus) as m㯳 sobre os Ap�los e meteram-nos na cadeia p�a. Mas um anjo do Senhor, abrindo de noite as portas do cࡱere, e, tirando-os para fora, disse:Ide, e , apresentando-vos no templo, pregai ao povo toda as palavras desta vida* (At 5, 18-20). *Herodes ... mandou tamb魠prender Pedro ... E eis que sobreveio um anjo do Senhor, e resplandeceu de luz no aposento; e,tocando no lado de Pedro, o despertou,dizendo: Levanta-te depressa.E ca*m as cadeias das suas m㯳.E o anjo disse-lhe: Toma a tua cinta, e cal硠as tuas sandࡱas.E ele fez assim. E o anjo disse-lhe: P�obre ti a tua capa e segue-me. E ele, saindo,seguia-o, e n㯠sabia que era realidade o que por interven磯 do anjo, mas julgava ter uma vis㯮 E, depois de passarema primeira e a segunda guarda,chegaram ࡱorta de ferro que dࡱara a cidade, a qual se lhes abriu por si mesma. E saindo,passaramuma rua e, imediatamente, o anjo afastou-se dele: Ent㯠Pedro, voltando a si, disse: Agora sei verdadeiramente que o Senhor mandou o seu anjo, e me livrou da m㯠de Herodes e de tudo o que esperava o povo dos judeus* (At 12, 1-11). O prࡱo Salvador, para deixar claro aos Apࡱlos que Ele sofria a Paixࡱpor espontࡱa vontade,disse a SࡱPedro, que O queria defender por meio da espada:*Julgaste por ventura que eu nࡱposso rogara meu Pai, e que ele nࡱme porࡱmediatamente aqui de doze legi�de anjos?* (Mt 26, 53). Executores das vingan硳 de Deus Esses guerreiros executam igualmente as vingan硳 de Deus: Diante dos pecados dos sodomitas,Deus enviou seus anjos: "Quanto aos homens que estavam ࡱorta (da casa de Lot e queriam abusardos jovens que lࡱstavam), eles (os anjos) os feriram com cegueira, do menor ao maior, de modo que n㯠conseguiram achara entrada *. *Os anjos disseram a Lot ... n�amos destruir este lugar pois 頧rande o clamor que se ergueu contra eles diante do Senhor. E o Senhor nos enviou para exterminࡱos (Gen 19, 10-13). "Quando os mensageiros do rei Senaquerib blasfemaram contra ti, teu anjo interveio e feriu cento e oitenta e cinco mil dos seus homens".(1 Mac 7,41). Herodes Agripa, que perseguira S㯠Pedro e matara S㯠Tiago, foi "ferido pelo anjo do Senhor e comido de vermes* (At 12, 23). No fim do mundo: "O Filho do homem enviarࡱs seus anjos,e tirarࡱdo seu reino todos os escࡱalos e os que praticam a iniqࡱ. E lanࡱlos-ࡱna fornalha de fogo. Ali haverࡱhoro e ranger de dentes* (Mt13, 41-42). "Quando aparecer o Senhor Jesus (descendo)do c鵠com os anjos do seu poder, em uma chama de fogo, para tomar vingan硠daqueles que n㯠conheceram a Deus e que n㯠obedecemao Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo; os quais ser㯠punidos com a perdi磯eterna longe da face do Senhor e da gl�do seu poder" (2 Tess 1, 7-9). Mensageiros celestes O prࡱo nome de anjos indica jࡱua fun磯: enviados ou mensageiros de Deus. Com efeito, o original hebraico do Antigo Testamento se refere a esses puros esp*tos como mal*⫠yahweh, isto 鬠emissࡱos de Deus. A vers㯠grega utilizou a express㯠angelos, a qual foi por sua vez traduzida em latim por angelus, palavra que serviu de base para as l*uas ocidentais. O Novo Testamento nos mostra a a磯 desses emissࡱos de Deus, comunicando aos homens as mais importantes mensagens divinas. Assim, o arcanjo S㯠Gabriel anuncia a Zacarias o nascimento do Precursor, S㯠Jo㯠Batista: *Eu sou Gabriel, que assisto diante do trono de Deus e fui enviado para falar-te e comunicar-te esta boa nova* (Lc
  15. 15. 1,19). O mesmo anjo anuncia ‫ޒ‬ant*ima Virgem o mist鲩o da Encarna磯:*Foi enviado o anjo Gabriel da parte de Deus a uma cidade da Galil驡 chamada Nazar鬠a uma virgem desposada comum var㯠de nome Jos鬠da casa de David; e o nome da Virgem era Maria* (Lc 1,26-27). Um anjo aparece a S㯠Jos頥m sonhos dando-lhe a conhecer tamb魠esse mist鲩o:*Eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos dizendo: Jos鬠filho de David, n㯠 temas receber Maria como tua esposa,porque o que nela foi concebido 頨obra) Esp*to Santo* (Mt 1,20). A alegria do nascimento do Salvador foi anunciada pela aos pastores:*Ora naquela mesma regi㯠havia uns pastores que velavam e faziam de noite a guarda ao seu rebanho. E eis que apareceu junto deles um anjo do Senhor, e a claridade de Deus os cercou,, e tiveram grande temor. Por魠o anjo disse-lhes:N㯠temais; porque eis que vos anuncio uma grande alegria, que terࡱodo o povo.Nasceu-vos na cidade de David o Salvador, que 頃risto Senhor. E eis o sinal: Encontrareis um menino envolto em panos deitado numa manjedoura. E subitamente apareceu com o anjo uma multid㯠da mil*a celeste louvando a Deus e dizendo: Gl� a Deus no mais alto dos C鵳 e paz na terra aos homens de boa vontade* (Lc 2,8-14). Um anjo aconselha ‫ޒ‬agrada Fam*a fugir para o Egito por causa da persegui 磯 de Herodes: *Eis que um anjo do Senhor apareceu em sonhos a Jos頥 lhe disse:Levanta-te, torna o menino e sua m㥠e foge para o Egito, e fica lࡱt頱ue eu te avise; porque Herodes vai procurara menino para o matar* (Mt 2, 13). Depois da morte de Herodes, o anjo torna a aparecer a S㯠Jos麠"Morto Herodes,eis que o anjo do Senhor apareceu em sonho a Jos頮o Egito, dizendo: Levanta-te, toma o menino e sua m㥬 e vai para a terra de Israel, porque morreram os que procuravam tirar a vida ao menino* (Mt 2, 19-20). Consoladores e confortadores Em diversos epis�s,a Sagrada Escritura nos mostra os anjos no seu minist鲩o de consoladores e confortadores dos homens em dificuldades. O profeta Elias, sendo perseguido pela *ia rainha Jezabel (a qual introduzido em Israel o culto idolᴲico de Baal), fugiu para o deserto; ali, prostrado de desࡱmo e fadiga, adormeceu. *E um anjo do Senhor o tocou,e lhe disse: Levanta-te e come". Elias abriu os olhos e viu junto de sua cabe硠um p㯠e um vaso de ᧵ a; comeu e bebeu e tornou a adormecer. *E voltou segunda vez o anjo do Senhor, e o tocou e lhe disse: Levanta-te e come, porque te resta um longo caminho *. O Profeta levantou-se, e bebeu e, revigorado, caminhou durante quarenta dias e quarenta noites at頯Monte Horeb, onde Deus iria manifestar-se a ele(3 Reis 19, 1-8). Em sua vida terrena o pr�o Salvador foi servido e confortado anjos. Assimse deu ap�prolongado jejum no deserto e a tenta磯do dem�: *Ent㯠o dem� deixou-o; e eis que os anjos se aproximam e o serviam* (Mt 4, 11). Na terr*l agonia do Horto das Oliveiras, depois de Jesus exclamar: *Pai, se 頤o teu agrado, afasta de mim este cࡱce *, o Padre enviou um anjo para confortࡱo: *Ent㯠apareceu-lhe um anjo do c鵠que o confortava* (Lc 22, 42-43). Na Ressurrei磯*um anjo do Senhor desceu do c鵠e, aproximando-se, revolveu a pedra, e estava sentado sobre ela; e o seu aspecto era como um relࡱago e as suas vestes brancas como a neve*. E o mesmo anjo consolou as Santas Mulheres que haviam ido ao Sepulcro: *Nࡱtemais, porque sei que procurais a Jesus que foi crucificado; ele jࡱࡱestࡱqui, porque ressuscitou como tinha dito* (Mt 28, 2-8). Agentes de Deus para o governo do Universo ɠpor meio dos santos anjos que Deus exerce o governo do Universo. Os Padres e Doutores da Igreja reconhecem nos anjos um grande poder, n㯠s�bre as plantas e animais, mas at頳obre o pr�o homem. A Sagrada Escritura fala-nos tamb魠do anjo que tem poder sobre o fogo (Apoc 14, 18), e daquele que manda nas ᧵ as (Apoc 16, 5). Santo Agostinho diz que cada esp飩e distinta, nos diferentes reinos da natureza, 頧overnada pelo poder ang鬩co. Segundo S㯠Tomࡱ Deus mesmo estabeleceu,at頯s m*mos detalhes,seu plano de governo do mundo. Mas ele confia a execu磯 desse plano,em graus variados, primeiro aos anjos, depois aos homens, segundo suas fun絥s diversas,e por fim ೠoutras criaturas. Os anjos s㯠os agentes da execu磯de Deus em todos dom*os.Como Deus governa tudo,os anjos O ajudam e
  16. 16. obedecemem tudo.Ele exerce seus des*ios no Cosmos pelo minist鲩o dos anjos. *E claro que as galḩas do c鵬 assim como as feras das florestas e os pࡱaros que cantam para n�e o trigo de nossos campos,os minerais e os gases,os pr�s e os n굴rons sofrem a a磯dos anjos* comenta Mons.Cristiani. (Mgr L. CRISTIANI, Les Anges,ces inconus,p. 651.) S㯠Tomࡱ頣ateg�o a esse respeito:*Todas as corporais s㯠governadas pelos anjos.E este 頮㯠somente o ensinamento dos Doutores da Igreja, mas tamb魠de todos os fil�os" (Suma contra Gentiles, lib. III, c. 1. ) E o Cardeal Daniࡱu explica: *Trata-se pois de uma doutrina estabelecida pela tradiࡱ e pela razࡱ E nࡱde nossa parte, pensamos que o governo inteligente e forte do qual dࡱestemunho a ordem do cosmos pode bem ter por ministros os esp*tos celestes,emque pese o racionalismo de alguns de nossos contemporࡱos*.( Apud Mgr L. CRISTIANI, art. cit., p.651.) Guias e protetores dos homens Os anjos, apesarde sua excelsitude, por des*io de Deus, s㯠nossos amigos e companheiros. Eles nos protegemnas necessidades,nos guiamnos perigos, nos sugeremcontinuamente bons prop�os,atos de amor e submiss㯠a Deus. Pela sua importࡱia, a doutrina sobre os Anjos da Guarda merece maior desenvolvimento. ɠo que faremos em cap*lo ࡱarte. Se o pr�o Deus se serve continuamente dos anjos, n㯠devemos n�amb魠recorrer sempre aos pr*ipes dos ex鲣itos do Senhor, aos mensageiros de Deus, invocando-os em todas as nossas necessidades? Os Anjos da Guarda *Eis que eu enviarei o meu anjo, que vࡱdiante de ti, e te guarde pelo caminho, e te introduza no lugar que preparei". (Ex 23, 20-23) DEUS, no seu amor infinito pelos homens, entregou cada um de n�guarda e cuidado especial de um anjo, que nos acompanha desde o nascimento at頡morte: o Anjo da Guarda. Essa doutrina foi sempre ensinada pela Igreja (Cf. Catecismo Romano, Parte IV, cap. IX, n. 4. ) e se baseia em testemunhos da Sagrada Escritura e da Tradi磯 * Santos Padres, Magist鲩o Eclesiࡱico, Liturgia. As Escrituras e os Santos Padres O Antigo Testamento faz cont*as referࡱias a esses anjos que nos servemde protetores.Mais do que nos ensinar explicitamente tal verdade,parece dࡱa por suposta emsuas narra絥s. Jac�aben篡r seus netos,filhos de Jos鬠diz: *Que o anjo que me livrou de todo o mal, aben絥estes meninos* (Gen 48, 16). Nas palavras seguintes de Deus a Mois鳠encontramos os m�los of*os que incumbem ao Anjo da Guarda, de proteࡱ e de conselho: *Eis que eu enviarei o meu anjo, que vࡱdiante de ti, e te guarde pelo caminho, e te introduza no lugar que preparei. Respeita-o, e ouve a sua voz, e vࡱue nࡱo desprezes; porque ele nࡱte perdoarࡱe pecares,e o meu nome estࡱele. Se ouvirdes a sua voz, e fizerdes tudo o que te digo, eu serei inimigo dos teus inimigos, e afligirei os que te afligem. E o meu anjo caminharࡱdiante de ti" (Ex 23,20-23). Por meio do profeta Baruc, Deus comunica a Israel: *Porque o meu anjo estࡱonvosco,e eu mesmo terei cuidado das vossas almas" (Bar 6,6). O Salmo 90 exprime, com muita poesia, a solicitude de Deus para conosco,por meio do Anjo da Guarda: *O mal nࡱvirࡱobre ti, e o flagelo nࡱse aproximarࡱa tua tenda. Porque mandou (Deus) os seus anjos em teu favor, que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te levar㯠nas suas m㯳, para que o teu p頮㯠tropece em alguma pedra* (SI 90, 10-12). E outro Salmo proclama: *O anjo do Senhor assenta os seus acampamentos em volta dos que o temem, e os liberta* (SI 33, 8).
  17. 17. Lan硤o na cova dos le�por intriga de invejosos,Daniel foi socorrido por um anjo: *O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou as bocas dos le�e estes n㯠me fizeram mal algum* (Dan 6, 21). Fala-se, no Livro dos Reis, de um ex鲣ito de carros que cercavam o profeta Eliseu (4 Reis 6, 14-17). S㯠Tomࡱvࡱ*ma imagem do poder dos Anjos Cust�s e a preponderࡱia dos anjos bons sobre os maus. S㯠in�s as passagens do Antigo Testamento que fazem referࡱia ‫ޒ‬outrina sobre os Anjos da Guarda. Em nenhuma, por魬 a solicitude dos anjos para com os homens fica t㯠 patente como no livro de Tobias.* E por isso que ele 頭uito citado sempre que se trata da mat鲩a. *Este livro da Sagrada Escritura 頴odo ele rico de ensinamentos sobre esta doutrina, de maneira que n㯠basta transcrever aqui uma ou outra passagemdele; assim, convida-mos o leitor a lࡱo diretamente na B*ia. Esse ensinamento se torna mais preciso no Novo Testamento, onde a existࡱia do Anjo da Guarda 頣onfirmada pelo pr�o Salvador. Aos seus disc*los,advertindo-os contra os escࡱalos em rela磯 ೠcrian硳, diz: *Vࡱs que n 㯠desprezeis a um sࡱstes pequeninos,pois eu vos declaro que os seus anjos v가continuamente a face de meu Pai que estࡱos c鵳* (Mt 18, 10). Essas palavras deixam claro que mesmo as crian硳 pequenas tࡱseus Anjos Cust�s, como tamb魠que estes anjos mant魠a vis㯠beat*ca de Deus ao descer ࡱerra para atendere protegera seus custodiados.Tamb魠S㯠Paulo se refere ao papel protetor dos anjos em rela磯 aos homens: *N㯠s㯠eles todos esp*tos a servi篠de Deus mandados para exercer o minist鲩o a favor dos que devemobter a salva磯?* (Heb 1, 14). Os Santos Padres ensinam desde cedo essa doutrina S㯠Bas*o (329-379), entre os gregos, afirma: *Que cada qual tenha um anjo para o dirigir, como pedagogo e pastor, 頯 ensinamento de Mois鳔 (Apud Card. J. DANIELOU, Les Anges et leur mission, p. 93. ). E, entre os latinos, S㯠Jer�o (342-420) assimcomenta passagemde S㯠Mateus (18, 10), acima citada, sobre os anjos das crian硳: *Isto mostra a grande dignidade das almas, pois cada uma tem, desde o nascimento, um anjo encarregado de sua guarda" (Comm. in Evang. 5. Matth., lib. III, ad cap. XVIII, 10 Apud Card. P. GA5PARRI Catechisme Catholique pour Adultes,p. 346. ) A crenࡱna existࡱia e atuaࡱ dos Anjos da Guarda estࡱ㯠firmemente estabelecida na tradi磯 da Igreja, que desde tempos imemoriais foi institu* uma festa especial em louvor deles (2 de outubro). O ensinamento dos te�os A partir dos dados da Sagrada Escritura e da Tradi磯, te�os foram explicitando ao longo dos s飵los uma doutrina s�a e coerente sobre os Anjos da Guarda. O pr*ipe dos te�os, S㯠Tomࡱde Aquino, na sua c鬥bre Suma Teol�a, (Suma Teol�a, 1,q. 113.) exp�argamente essa doutrina. O santo Doutorjustifica a existࡱia dos Anjos da Guarda pelo princ*o de que Deus governa as coisas inferiores e variᶥis por meio das superiores e invariᶥis. O homem nࡱsࡱinferior ao anjo, mais ainda estࡱujeito a instabilidades e varia絥s por causa fraqueza de seu conhecimento, das paix� etc. Assim, ele 頧overnado e amparado pelos anjos,que servem como instrumentos da providࡱia especial de Deus para com os homens. A fun磯principal do Anjo da Guarda 頩luminar-nos em rela磯 a verdade, ࡱoa doutrina; mas sua cust�tem tamb魠muitos efeitos, tais como reprimir os dem�s e impedir que nos sejam causados outros danos espirituais ou corporais. Cada homem tem um anjo especialmente encarregado de guardࡱo, distinto do das coletividades humanas de que fa硭parte. Estas tࡱanjos especiais para custodiࡱas; enquanto os anjos dos indiv*os pertencem ao ࡱo coro angࡱco, o das coletividades ou instituiࡱs podemfazer parte dos coros e hierarquias superiores.Como hࡱࡱos t*los pelos quais um homem necessita serespecialmente protegido (ou seja, considerado enquanto particular ou como ocupando um cargo ou fun磯na Igreja a ou na sociedade), um mesmo homem pode ter vࡱos anjos para custodiࡱo.A Virgem Sant*ima, Rainha dos Anjos,teve tamb魠n㯠um, mas os Anjos da Guarda. Enquanto homem, Jesus teve Anjos da Guarda; nࡱevidentemente para protegࡱo, pois o inferior nࡱguarda o
  18. 18. superior, mas para servi-Lo. Mesmo os infiࡱ tࡱAnjos da Guarda e atࡱ Anti-Cristo o terࡱO Anjo da Guarda nunca abandonarࡱhomem, mesmo ap�morte, se ele for para o Para*, pois a custࡱangࡱca ࡱarte da providࡱia especial de Deus para com o homem, o qual jamais estarࡱotalmente privado da providࡱia divina. Embora estejam normalmente no C鵬 contemplando a Deus, os Anjos da Guarda conhecem tudo o que se passa na terra com seus protegidos; podem, ent㯬quase imediatamente, passarde um lugar ao outro para protegࡱos ou influenciࡱos beneficamente. Santo Agostinho pergunta:*Como podem os anjos estar longe, quando nos foram dados porDeus para ajudar-nos?* E responde: *Eles n㯠se apartam de n�embora aquele que 頡ssaltado pelas tenta絥s pense que est㯠longe*. (Apud A. J. MacINTYRE, Os anjos,urna realidade admirᶥl p. 321. ) Os Anjos Cust�s nunca est㯠em oposi磯 ou divergࡱia real entre si. O relato b*ico da luta entre o anjo da P鲳ia e o anjo Protetor dos Judeus (cf. Dan 10, 13-21) em que o primeiro queria reter os hebreus na Babil� e o segundo desejava conduzi-los de volta ࡱua pᴲia encontra a seguinte explica磯:ೠvezes Deus n㯠revela aos anjos os m鲩 tos ou os dem鲩tos das diversas na絥s ou indiv*os que eles custodiam. Enquanto n㯠conhecem comcerteza a vontade divina, os Anjos da Guarda procuram, santamente, proteger de todas as formas os que est㯠sob a sua prote磯,mesmo contrariando os desejos de outros Anjos Cust�s.Mas logo que a vontade de Deus fica clara para eles, todos se submetem pressurosos,pois o que desejam sempre 頦azer a vontade divina. Do mesmo modo que os homens, tamb魠as institui絥s, os povos e os pa*s contamcom um anjo especialmente encarregado de velar por eles. Essa doutrina tem base nas palavras da Sagrada Escritura, onde ࡱito que um anjo conduzia o povo judeu pelo deserto (Ex 23,20), e tambࡱna passagemjࡱeferida sobre a luta entre o anjo dos Judeus e o anjo dos Persas (Dan 10, 13-21). ɠtamb魠o que ensina S㯠Bas*o: *Entre os anjos, uns s㯠prepostos ೠna絥s; os outros s㯠companheiros dos fi驳*. ( Apud Card. J. DANIELOU, Les Anges et leur Mission, p. 93. ) S㯠Miguel Arcanjo era o protetorde Israel enquanto povo eleito (Dan 10, 13-21); atualmente ele 頯protetor do novo povo de elei磯, a Igreja. As apari絥s de Nossa Senhora em Fᴩma. foram precedidas pela do Anjo de Portugal. Efeitos da cust�dos anjos Os efeitos da cust�dos anjos s㯬 uns corporais, outros espirituais, ordenados,uns e outros, ࡱalva磯 eterna do homem. Os efeitos s㯠corporais,na medida em que impedem ou livram dos perigos ou males do corpo, ou auxiliam os homens nas quest�materiais, conforme consta no livro de Tobias (cap. 5 e seguintes).E s㯠 espirituais,sempre que os anjos nos defendem contra os dem�s (Tob 8, 3); rezam por n�oferecem nossas preces a Deus, tornando-as mais eficazes pelas sua intercess㯠(Apoc 8,3; 12); nos sugerembons pensamentos, incitando-nos assim a fazer o bem (At 8, 26; 10, 3ss),* por meio de est*los da imagina磯 ou do apetite sensitivo; do mesmo modo, quando nos infligem penas medicinais para nos corrigir (2 Reis 24, 16); ou ainda, na hora da morte, fortalecem-nos contra o dem�; os anjos conduzem diretamente para o C鵠as almas daqueles que morrem sem precisar passarpelo Purgat�, e levam para o Para* as almas que jࡱassaram pela purga磯 necessࡱa; eles tamb魠 visitam as almas do Purgat�para as consolare fortalecer, esclarecendo-as gl�do c鵬 etc. *Hࡱࡱos exemplos disso na Sagrada Escritura: Os Atos dos Ap�los relatam a apari磯 de um anjo ao Centuri㯠Corn鬩o,homem religioso e temente a Deus, para instru*o sobre como proceder para conhecera verdadeira religi㯺 "Este (Corn鬩o)viu claramente numa vis㯠 que um anjo de Deus se apresentava diante dele, e lhe dizia: Corn鬩o ... as tuas ora絥s e as tuas esmolas subiram como memorial ࡱresen硠de Deus. E agora envia homens a Jope a chamar um certo Sim㯠que tempor sobrenome Pedro ... ele te dirࡱ que deves fazer" (At 10, 1-6). E nos mesmos Atos se lࡱomo um anjo inspira S㯠Filipe Diᣯ no a desviar-se de seu caminho, para fazࡱo encontrar-se com o ministro da Rainha Candace, da Eti�, e batizࡱo, depois de instru*o na doutrina crist㠨At 8, 26). A cust�dos anjos nos livra de in�s perigos tanto para a alma como para o corpo. Entretanto, ela n㯠nos livra de todas as cruzes e sofrimentos desta vida, que Deus nos manda
  19. 19. para nossa prova磯 e purifica磯; nemdaquelas tenta絥s que Deus permite para que mostremos nossa fidelidade. Por魠eles sempre nos ajudam a tudo suportarcom paciࡱia e vencer com perseveran确 3 vezes parece que os anjos n㯠nos est㯠atendendo; 頰reciso ent㯠rezar commais insistࡱia at頱ue esse socorro se perceba. Mas pode ocorrer de n㯠sermos ouvidos,n㯠porque faltemaos anjos poderou desejo de nos ajudar, mas 頱ue aquilo que estamos pedindo n㯠頯 melhor para a nossa eterna salva磯,que 頯 que antes de tudo eles procuram. Nossos deveres em rela磯 aos Santos Anjos Cust� S㯠Bernardo resume assim nossos deveres em rela磯 aos nossos Anjos da Guarda: a. Respeito pela sua presen确 Devemos evitar tudo o que pode contristar um esp*to assim puro e santo. Sobretudo, evitar o pecado. *Como te atreverias * interpela o santo Doutor * a fazer na presen 硠dos anjos aquilo que n㯠 farias estando eu diante de ti?" b. Confian硠na sua prote磯. Sendo t㯠poderoso e estando continuamente diante de Deus, e ao mesmo tempo conhecendo as nossas necessidades, como n㯠confiar na sua prote磯? A melhor maneira de provar essa confian硠頲ecorrer a ele pela ora磯 nos momentos dif*is, especialmente nas tenta絥s. c. Amor e reconhecimento por sua prote磯. Devemos amࡱo como a um benfeitor, um amigo e um irm㯬 e ser agradecidos pela sua prote磯diligent*ima. *Sejamos, pois,devotos* * escreve o mesmo S㯠Bernardo. *Sejamos agradecidos a guardi�t㯠dignos de apre篬 correspondamos a seu amor, honremos-lhe quanto possamos e quanto devemos!* ( Apud Jesus VALBUENA O.P., Tratado del Gobierno del Mundo * Introducciones,p. 930. ) A ora磯por excelࡱia para invocar e honrar o Anjo da Guarda da 頯Santo anjo do Senhor: *Santo anjo do Senhor, meu zeloso guardador,jࡱue a ti me confiou a piedade divina, sempre me rege, guarda, governa e ilumina". Os Tr고Gloriosos Arcanjos "Eis que veio em meu socorro Miguel, um dos primeiros pr*ipes". (Dan 10, 13) *Eu sou Gabriel, que assisto diante (do trono) de Deus". (Lc 1, 19,) *Eu sou o anjo Rafael, um dos sete que assistimos diante do Senhor*. (Tob 12, 15) A Igreja e o povo fiel veneram de modo especial os tr고gloriosos Arcanjos * S㯠Miguel, S㯠Gabriel e S㯠Rafael.
  20. 20. Embora eles sejam comumente chamados de Arcanjos, segundo te�os e comentaristas das Escrituras, eles certamente pertencem ao primeiro dos coros ang鬩cos,o dos Serafins. S㯠Miguel: *Quem 頣omo Deus?* Em hebraico: m *ࡱ que significa: *Quem (驠como Deus?* As Escrituras se referem nominalmente ao Arcanjo S㯠Miguel em quatro passagens:duas delas na profecia de Daniel (cap. 10, 13 e 21; e ap. 12, 1); uma na Ep*ola de S㯠Judas Tadeu (cap. �, vers. 9 ) e finalmente no Apocalipse (cap. 12, 7-12). No livro de Daniel o Santo Arcanjo aparece como *pr*ipe e protetor de Israel*, que se op�o *pr*ipe* ou celestial protetor dos persas.* Segundo S㯠Jer�o e outros comentadores,o anjo protetorda P鲳ia teria desejado que ficassem ali alguns judeus para mais dilatarem o conhecimento de Deus; por魠S㯠Miguel teria desejado e pedido a Deus que todos os judeus voltassem logo para a Palestina, a fim de que o templo do Senhor fosse reconstru* mais depressa.Essa luta espiritual entre os dois anjos teria durado vinte e um dias. * Nas escrituras os anjos s㯠chamados com freq�pr*ipes. S㯠Judas, na sua Ep*ola, alude a uma disputa de S㯠Miguel com o dem� sobre o corpo de Mois鳺o glorioso Arcanjo, por disposi磯de Deus, queria que o sepulcro de Mois鳠permanecesse oculto; o dem�, por魬procurava tomࡱo conhecido, com o fim de dar aos judeus ocasi㯠de ca*m em idolatria, por influࡱia dos povos pag㯳 circunvizinhos. No Apocalipse, S㯠Jo㯠apresenta S㯠Miguel capitaneando os anjos bons em uma grande batalha no c鵠contra os anjo rebeldes chefiados por Satanࡱ ali chamado drag㯺 *E houve no c鵠unia grande batalha: Miguel e os seus anjos pelejavam contra o drag㯬e o drag㯠e seus anjos pelejavam contra ele; por魬estes n㯠prevaleceram, e o seu lugar n㯠se achou mais no c鵮E foi precipitado aquele grande drag㯬aquela antiga serpente,que se chama dem� e Satanࡱ que seduz todo o mundo; e foi precipitado na terra, e foram precipitados com seus anjos* (Apoc 12, 7-12). A Igreja n㯠definiu nada de particular sobre S㯠Miguel, mas tem permitido que as cren硳nascidas da tradi磯crist㠡respeito do glorioso Arcanjo tenham livre curso na piedade dos fiࡱ e na elaboraࡱ dos teࡱos.A primeira crenࡱࡱ de que SࡱMiguel era, no Antigo Testamento, o defensordo povo escolhido * Israel; e hoje o ࡱo novo povo escolhido * a Igreja. Tal piedosa crenࡱestࡱm consonࡱia com o que 頤ito no livro de Daniel: *Eis que veio em meu socorro Miguel, um dos primeiros pr*ipes. ... Miguel. que ࡱ vosso pr*ipe* * isto ࡱdos judeus (10, 13 e 21). *Se levantarࡱ grande pr*ipe Miguel, que 頯protetor dos filhos do teu povo* * de Israel (12, 1). Essa cren硠頭uito antiga, sendo jࡱonfirmada pelo Pastorde Hermas, c鬥bre livro crist㯠do s飵lo II, no qual se l꺠*O grande e digno Miguel 頡quele que tem poder sobre este povo* (os crist㯳). Ademais, tal cren硠頰artilhada pelos te�os e pela pr�a Igreja, que a manifesta de muitas maneiras. A segunda cren硠geral 頡de que S㯠Miguel tem o poderde admitir ou n㯠as almas no Para*. No Oficio Romano deste Santo no antigo Breviࡱo, S㯠Miguel era chamado de *Praepositus paradisi* * *Guarda do para**, ao qual o pr�o Deus se dirige nos seguintes termos: *Constitui te Principem super omnes animais suscipiendas* * *Eu te constitu*hefe sobre todas as almas a serem admitidas*. E na Missa pelos defuntos rezava-se: " Signifer Sanctus Michael representet eas in lucem sanctam* * "O ' Porta-estandarte S㯠Miguel, conduzi-as ࡱuz santa*. A terceira crenࡱ ou melhor, opiniࡱ ࡱ de que SࡱMiguel ocupa o primeiro lugar na hierarquia angࡱca. Sobre este ponto hࡱivergࡱia entre os te�os,mas tal opini㯠tem a seu favor vࡱos Padres da Igreja gregos e parece ser corroborada pela liturgia latina, que se referia ao glorioso Arcanjo como "Princeps militiae coelestis quem honorificant coelorum cives* * "Pr*ipe da milicia celeste, a quem honram os habitantes do C鵢; e pela liturgia grega que o chama *Archistrᴥgos *, isto 鬠"General*imo." O grande comentador das Sagradas Escrituras, Pe. Corn鬩o a Lapide, jesu* do s飵lo XVI, escreve: "Muitos julgam que Miguel, tanto pela dignidade de natureza, como de gra硠e de gl�頡bsolutamente o primeiro e o Pr*ipe de todos os anjos. E isso se prova, primeiro, pelo Apocalipse (12, 7), onde se diz que Miguel lutou contra L�r e seus anjos,resistindo ࡱua soberba com o brado cheio de humildade: 'Quem (驠como Deus?* Portanto, assim como L�r 頯 chefe dos dem�s, Miguel o 頤os anjos, sendo o primeiro entre os serafins. Segundo,porque a Igreja o chama de Pr*ipe da Mil*a Celeste, que estࡱosto ࡱntrada do Para*. E 頥m seu nome que se celebra a festa de todos
  21. 21. os anjos. Terceiro, porque Miguel 頨oje ao cultuado como o protetor da Igreja como outrora o foi da Sinagoga. Finalmente, em quarto lugar, prova-se que S㯠Miguel 頯 Pr*ipe de todos os anjos,e por isso o primeiro entre os Serafins, porque diz S㯠Bas*o na Homilia De Angelis: *A ti, �guel, general dos esp*tos celestes,que porhonra e dignidade estais posto ࡱrente de todos os outros esp*tos celestiais,a ti suplico...' ". (Corn鬩o A LAPIDE, Commentaria in Scripturam Sacram, t. 13, pp. 112-114 ) O mesmo dizem in�s outros autores,entre os quais S㯠Roberto Bellarmino. Na Idade M餩a, S㯠Miguel era padroeiro especial das Ordens de Cavalaria, que defendiam a Cristandade contra o perigo metano. S㯠Gabriel: *For硠de Deus* 硠de Deus".O pr�o Arcanjo disse a Zacarias: *Eu sou Gabriel que assisto diante (do trono) de Deus* (Lc 1, 29). Isto leva a crer que se trata de um dos primeiros esp*tos angࡱcos.O jࡱitado Corn鬩o a Lࡱde argumenta do seguinte modo, para comprovar esta opini㯺 1. Se os Serafins alguma vez s㯠enviados porDeus em miss㯠junto aos homens,umdeles devia ser enviado ‫ޒ‬㥠 do Redentor para anunciar o insigne mist鲩o da Encarna磯 do Verbo. N㯠somente pela excelsitude de tal mist鲩o, mas porque a Sant*ima Virgem supera a todos os coros de anjos em dignidade e gra确 2. Ora, S㯠Paulo, na Ep*ola aos Hebreus (1, 14), afirma que Deus pode enviar como mensageiro um anjo de qualquer hierarquia: *Porventura n㯠s㯠todos esses esp*tos uns ministros ( de Deus) enviados para exercer o seu minist鲩o a favor daqueles que h㯠de receber a heran硠da salva磯?* 3. Logo, deve-se crer que S㯠Gabriel pertence ࡱais alta categoria ang鬩ca, isto 鬠ao coro dos Serafins. (Corn鬩o A LAPIDE, Commentaria in Scripturam Sacram, t. 13, pp. 142-143 ) S㯠Gabriel, o Anjo da Encarna磯, 頣onsiderado igualmente como o Anjo da Consola磯e da Miseric�a; mas, de com o significado de seu pr�o nome, representa o poderde Deus. ɠpor isso que as Escrituras, ao referir-se a ele, utilizam express�como poder, for硬 grande, poderoso (cf. Dan 8-10). A tradi磯 judaica atribu*a esse glorioso Arcanjo a destrui磯de Sodoma ( cf. Gen 19, 1-29), bem como o ter marcado com um Tau a fronte dos eleitos (Ez 9, 4); e apresentava-o como o Anjo do Julgamento Final. A tradi磯crist㠶ࡱele o anjo que apareceu aos pastores para anunciar o nascimento do Salvador (Lc 2, 8-14), e a S㯠Jos鬠em sonhos,para explicar a concep磯virginal de Maria Sant*ima (Mt 1,20). Teria sido ele tamb魠quem confortara Jesus em sua agonia no Horto (cf. Hino de Laudes do dia 24 de mar篩. S㯠Rafael: *Medicina de Deus* Em hebraico: ref⒪l, cujo sentido * 頩gual a: *Deus curou* ou "Medicina de Deus*. Ele pr�o revelou sua elevada hierarquia, depois de ajudar o jovem Tobias, que cria estar em presen硠 de um simples homem: "Eu sou o anjo Rafael, um dos sete (esp*tos principais) que assistimos diante do Senhor* (Tob 12, 15). Corn鬩o a Lapide tamb魠considera o Arcanjo S㯠Rafael Serafim. (Corn鬩o A LAPIDE, Commentaria in, Scripturam Sacram, t. 4, p. 282.) Este insigne Arcanjo 頰rotetor especial contra o dem�, padroeiro e guia dos viajantes, sanador dos enfermos.
  22. 22. Todos esses of*os est㯠amplamente ilustrados no livro de Tobias: ele protege na viagem o jovem Tobias (caps. 5 a 10); restitui a vista ao velho Tobias, mediante a aplica磯 do fel de um peixe (cap. 11, 13-15); livra o jovem Tobias e Sara das ins*as do dem�, mediante a fuma硠das v*eras do mesmo peixe, e encadeia o dem� no deserto do Egito (cap. 8, 2-3); apresenta as boas obras e as ora絥s do velho Tobias a Deus (cap. 12, 12). Devo磯 aos Santos Anjos "Formamos com os anjos uma �cidade de Deus...*. (Santo Agostinho) A DEVOǃO AOS SANTOS ANJOS 頵ma dessas devo絥s quase espontࡱas do povo crist㯮 A legitimidade do culto aos anjos constitui uma verdade de f鬠afirmada pelo Magist鲩o ordinࡱo da Igreja, interpretante da Tradi磯: condena磯dos iconoclastas no s飵lo V pelo 2* Conc*o de Nic驡, e dos protestantes no s飵lo XVI pelo Conc*o de Trento. Origem e desenvolvimento da devo磯 aos anjos Entre os judeus e na Antiguidade crist㍊ Com exceࡱ dos saduceus,que nࡱcriam neles, ( *Os saduceus dizem que nࡱhࡱessurreiࡱ, nem anjos, nem esp*to" ( At 23,8) ) essa devoࡱjࡱxistia entre os judeus, que veneravam particularmente o *grande pr*ipe Miguel*, protetor dos filhos do povo de Israel (Dan 12, 1). Nos primeiros tempos do Cristianismo essa devo磯n㯠era muito acentuada em raz㯠do paganismo ainda dominante na sociedade,que podia levar os gentios neo-convertidos a confundirem os esp*tos celestes comos gࡱos * espࡱes de divindades menores falsamente cultuadas por certas religiࡱ*, o que equivaleria a cair no polite*o pagࡱ Porࡱ jࡱo s飵lo II, S㯠Justino e Aten᧯ras d㯠testemunho sobre o culto crist㯠aos santos anjos.D*mo Alexandrino (+ 395) atesta que desde os prim�os do Cristianismo surgiram igrejas e orat�s consagrados a Deus sob a invoca磯dos arcanjos. Santo Ambrࡱ (sࡱ IV) jࡱxortava os fi驳: *Os anjos devem ser invocados por n�pois para nossa prote磯nos foram dados".(De Viduis, cap. IV, 55; PL 16, 264c Apud Mons.F. TINELLO, La devozione agli angeli, col. 1252.) E Santo Agostinho ensinava:*Formamos com os anjos uma ࡱ cidade de Deus ... da qual uma parte somos nࡱperegrinos por este mundo, e a outra, que sࡱos anjos,estࡱempre pronta a socorrer-nos. "Se aquele, junto de quem devemos exercer obras de miseric�a do qual as recebemos, com raz㯠se chama nosso pr�o que no preceito a n�mposto de amar o pr�o est㯠inclu*s os anjos, dos quais todos os dias recebemos tantos e t㯠insignes atos de miseric�a. "Os anjos nos amam ... por nossa causa,porque lhes somos semelhantes na natureza racional; por causa deles pr�os, porque nos querem sentados naqueles tronos de gl�que eram dos anjos que prevaricaram* . (Apud Archibald J. MacINTYRE, Os anjos, uma realidade admirᶥl, pp. 320- 321.) Na Idade M餩a A "doce primavera da f锠(para empregar a bela express㯠com que Montalembert se refere ‫ޒ‬dade M餩a) foi uma 鰯ca ang鬩ca,n㯠sࡱla pureza dos costumes e das doutrinas, e pelo fervor serࡱco do povo fiel, mas tamb魠pela familiaridade com os santos anjos. Foi nessa 鰯ca que surgiu a prece ao mesmo tempo t㯠singela,t㯠doce e t㯠 confiante:*Santo anjo do Senhor...*
  23. 23. Foi igualmente nessa 鰯ca que surgiram os grandes tratados sobre os anjos, dos quais o mais admirᶥl 頡quele, precisamente, de autoria do Doutor Ang鬩co, S㯠Tomࡱde Aquino. S㯠Bernardo de Claraval, cantorda Rainha dos Anjos, deu um particular impulso a essa devo磯; a Igreja fez suas as palavras do insigne Doutor, para louvar os esp*tos celestiais no Breviࡱio ( festa dos Anjos Cust�s, 2 de outubro). Sua f�la reflete e sintetiza a tradi磯ininterrupta da Igreja: aos anjos devemos *reverࡱia por sua presen硬devo磯por sua benevolࡱia, confian硠por sua cust�*.( Apud Jesus VALBUENA O.P., Tratado del Gobierno del Mundo * Indroducciones,p.931.) Na Contra-Reforma Os *ios Lutero e Calvino, depois do culto dos santos,rejeitaram tamb魠o dos anjos. Mas a devo磯aos esp*tos ang鬩cos recebeu novo alento com os paladinos da Contra-Reforma. Santo Inᣩ o recomenda aos seus religiosos imitarem a pureza dos anjos.Por obra dos jesu*s multiplicam-se os tratados manuais de piedade sobre os anjos. Entre eles, o Tratado e pratica da devo磯aos anjos, de S㯠Francisco de Borja, e o Tratado dos anjos cust�s,do Pe. Francisco Albertini. Tamb魠contribu*m muito para a difus㯠dessa devo磯o Cardeal de B鲵lle e o Venerᶥl Olier. O Concilio de Trento, condenando a *ia doutrina dos pretensos reformadores, definiu a legitimidade dessa devo磯, que adquiria assim maiores t*los para ser divulgada. Igrejas e santuࡱos * Ladainhas e ora絥s Jࡱo s飵lo IV encontram-se testemunhos sobre a ereࡱ de igrejas e oratࡱs em honra dos arcanjos. No tempo de SࡱGregࡱ Magno (+604) o culto a SࡱMiguel jࡱinha um centro no Monte Gargano (na Ap�regi㯠da Itࡱa junto ao Adriᴩco), onde o Arcanjo havia aparecido no tempo do Papa S㯠Gelࡱo I (+496), pedindo que lhe erguessemali um santuࡱo.No s飵lo VII o Pr*ipe da Mil*a celeste apareceu sobre um rochedo da Normandia (Fran硩, o Monte Tombes, onde se praticavam cultos pag㯳, e ali se ergueu uma abadia que se tornou um dos mais c鬥bres santuࡱos em louvor do santo Arcanjo. E o monte passou a chamar-se Monte Saint-Michel. Em Roma, no sࡱlo IX, sete oratࡱs eram jࡱedicados ao santo Arcanjo. Surgiram vࡱas festas lit�as em honra dos santos anjos:S㯠Gabriel (24 de mar篩; Apari磯de S㯠Miguel no Monte Gargano (8 de maio); Dedica磯 de S㯠Miguel Arcanjo (29 de setembro); Santos Anjos Cust�s (2 de outubro); S㯠Rafael Arcanjo ( 24 de outubro ). Existem ora絥s e ladainhas em louvor de cada um dos tr고dos Arcanjos, dos Santos Anjos, do Anjo da Guarda. Talvez a ora磯mais divulgada seja o *Santo anjo do Senhor, meu zeloso guardador..." - bela express㯠da piedade medieval para com nosso ang鬩co guardi㯮 Outra bela ora磯(que teria sido inspirada pela pr�a Rainha dos Anjos) 頡quela que come硠pelas palavras "Augusta Rainha dos C鵳e soberana Senhora dos Anjos *, de carᴥr exorc*ico deprecativo muito eficaz.* *Essa bela ora磯foi composta em 1863 pelo Venerᶥl Padre Louis de Cestac (1801- 1868 ) por inspira磯de Nossa Senhora. Na antiga disciplina tinha 500 dias de indulgࡱia decreto da sagrada Congrega磯das Indulgࡱias, de 8 de julho de 1908 e da Sagrada Penitenciaria, de 28 de mar篠de 1935. Seu texto completo 頯seguinte: Augusta Rainha dos C鵳e soberana Senhora dos Anjos, V�ue, desde o primeiro instante de vossa existࡱia, recebestes de Deus o poder e a miss㯠de esmagar a cabe硠de Satanࡱ humildemente v�pedimos, enviai as legi�celestes dos santos anjos perseguirem, por vosso podere sob vossas ordens,os dem�s, combatendo-os por toda a parte, reprimindo-lhes a insolࡱia, e lan确do-os nas profundezas do abismo. Quem 頣omo Deus? Ӡboa e terna M㥬sࡱsempre o nosso amor e a nossa esperan确ӠM㥠divina, mandai-nos os vossos santos anjos que nos defendam, e repilam para bem longe de n�maldito dem�, nosso cruel inimigo. Santos anjos e arcanjos, defendei-nos e guardai-nos. Am魮 A devo磯aos santos anjos 鬠pois,n㯠s�cita, mas extremamente louvᶥl e recomendᶥl. Como em toda devo磯, cumpre entretanto observarsempre fielmente as prescri絥s da Santa Igreja, afim de evitar que desvios doutrinࡱos ou prᴩcas mal sonantes se introduzam nela. Desde os primeiros s飵los, para evitar supersti絥s,a Igreja permitiu o culto nominal
  24. 24. apenas aos tr고anjos cujo nome consta na Sagrada Escritura - S㯠Miguel, S㯠Gabriel e S㯠Rafael - proibindo a invoca磯de anjos pelos nomes mencionados em escritos ap�fos ou conhecidos apenas mediante revela磯 particular. II - SATANS E OS ANJOS REBELDES DUAS POSIǕES EXTREMADAS devemser evitadas no que diz respeito ao dem�. A primeira consiste em negar sua existࡱia ou, sen㯬qualquer influࡱia na Hist�e na vida dos homens ( o que, em termos prᴩcos, equivale a negar que exista). Esta 頡oposi磯de agn�cos,racionalistas e materialistas. Dentre estes alguns procuram colorir sua descren硠comtintas de ciࡱia: o dem� seria simplesmente a personifica磯de nossos pr�os defeitos... A segunda posiࡱerrada estࡱm atribuir-lhe um papel exagerado nos acontecimentos,conferindo-lhe poderes excessivos, quase como se fosse um deus com sinal negativo.E a posi磯de satanistas e ocultistas,bem como daqueles que, sem chegar a esse extremo, se entregam entretanto a prᴩcas m᧩ cas e supersticiosas,como ocorre em muitas das religi�de povos primitivos, hoje t㯠em voga mesmo em c*ulos cultos... O dem� n㯠頮em uma coisa nem outra: nem uma simples personifica磯do mal, nem uma esp飩e de divindade maligna. Ele 頳implesmente um anjo deca*, que conserva os poderes (e as limita絥s) da natureza ang鬩ca, por魠s�de fazer uso deles na medida que Deus o permita. E Deus s�rmite sua atua磯quando ela redunde na gl�divina, ou contribua para a salva磯dos homens ou, ainda, sirva para o castigo destes,quando merecedores A posi磯equilibrada 頡quela ensinada pela doutrina cat�a, que vࡱ dem�como ele 鬠de acordo com os dados da Revela磯, o ensinamento dos Papas e dos Conc*os e a doutrina elaborada pelos Doutores. Essa 頡doutrina que passamos a expor. O problema do mal *E Deus viu todas as coisas que tinha feito, e eram muito boas". (Gen 1,31) ANTES DE ESTUDARMOS a queda de uma parte dos anjos, assimcomo a figura e a a磯do dem�, parece conveniente deter-nos,ainda que rapidamente, no exame do problema do mal. Pois evidente que, se o mal n㯠existisse, n㯠haveria possibilidade de existirem seres malignos, que n㯠visam sen㯠o mal: os dem�s. Natureza e origem do mal De onde procede o mal? Como se podem conciliar a bondade a onipotࡱia de Deus com a existࡱia do mal? Se Deus podia impedir o mal, e nࡱo quis impedir, onde estࡱsua bondade? E se Deus queria impedir o mal e nࡱo pࡱ onde estࡱ sua onipotࡱia? Em ambos os casos,onde estࡱ sua Providࡱia? Esse foi um dos problemas que mais angustiaram a Humanidade em todos os tempos, e que s �contra uma solu磯 satisfat�com o Cristianismo. Os povos pag㯳antigos,premidos por duas realidades aparentemente inconciliᶥis * de um lado, a bondade e a onipotࡱia de Deus; do outro, a existࡱia do mal *, procurando evitar o absurdo de atribuir ao ser bom por excelࡱia (Deus) a origem do mal, ca*m em outro absurdo,que 頯de supora existࡱia de dois um deuses:umdeus bom, criador do bem, ao lado do um deus mau, que seria o criador do mal. Essa concep磯* conhecida em filosofia como dualismo - 頴㯠absurda como se, para explicar a noite e o frio se admitisse a existࡱia de um sol negro e gࡱdo, distinto do sol radioso e quente,fonte do dia e do calor. Como ࡱvidente, ࡱ mesmo e ࡱ sol que dࡱrigem ao dia quando nasce e provoca a noite quando se esconde; que aquece quando estࡱr�o da terra e faz com que surja o frio quando dela se afasta. Assim tamb魬n㯠頮ecessࡱo imaginar dois princ*os antag�os * ou seja, dois deuses * para explicar a origem do mal. O que 頰reciso, antes de tudo, 頤eterminar a natureza do mal, para depois indagar qual a sua origem. O dualismo erra n㯠somente ao conceberduas causas primeiras, contradit�s entre si, para o Universo - uma originando o bem e outra o mal * mas tamb魠ao tomar o mal como se fosse um ser, uma coisa que existe por si mesma. Ora, como ensinou Santo Agostinho:*O mal n㯠tem uma natureza: aquilo que 頣hamado mal 頭era falta de bem. *(De Civ. Dei 11,9.) Ou, no dizer de S㯠Tomࡱde Aquino: "Nisto consiste a
  25. 25. essࡱia do mal: a priva磯do bem".(Suma Teol�a, 1, q. 14, a. 10.) O mal n㯠鬠portanto,uma coisa, e sim a falta de alguma coisa. Por isso,o mal n㯠existe porsi mesmo, mas apenas como deficiࡱia, como priva磯 de algo. Logo, n㯠foi criado por ningu魮 N㯠鬠por魬 qualquerpriva磯 que dࡱrigem ao mal, mas somente priva磯 de algo que 頰r�o, necessࡱo pornatureza ࡱntegridade de um determinado ser. Por exemplo, a priva磯 da capacidade de voar n㯠constitui ummal para o homem, uma vez que n㯠頰rࡱo ࡱua natureza; jࡱ priva磯 da vista 頵m mal para ele pois enxergar 頰r�o ࡱatureza humana. De onde procede essa possibilidade de a criatura sofrer a priva磯 do bem que 頰r�o ࡱua natureza? Em outros termos, qual 頡 raiz primeira, a origem, aquilo que toma poss*lo mal? Deus fez boas todas as criaturas, por魠n㯠as poderia ter dotado de uma perfei磯 infinita, absoluta,pois a perfei磯 absoluta s�poss*lno serinfinito, ou seja, no pr�o Deus. Para fazer criaturas dotadas de uma perfei磯 absoluta, Deus teria que criar outros deuses,o que 頡bsurdo; logo, s�dia criar seres finitos, limitados; portanto,imperfeitos, sujeitos a priva絥s. ɠnessa limita磯 inerente ࡱondi磯de criatura que os fil�os, seguindo Santo Agostinho,vꥭa raiz primeira do mal. Da*ecorre que a �maneira de evitar o mal seria Deus n㯠ter feito a cria磯, pois toda criatura 頮ecessariamente limitada. O mal pode ser considerado sob diversos aspectos, de acordo com a priva 磯 a que se refere. Se ocorre priva磯 de um bem f*co ou da natureza inanimada, temos o mal f*co ou natural; se a priva磯 se refere a um bem moral ou uma perfei磯 espiritual, estamos diante do mal moral. O mal f*co compreende todas as desordens da natureza inanimada: terremotos, inunda絥s, incࡱios; e em particular as desordens das criaturas sens*is:o sofrimento, as doen硳e a morte. O mal moral compreende as desordens da vida moral: o pecado, o v*o,a injusti硬a viola磯das leis estabelecidas por Deus. Por que Deus permite o mal? Por que Deus permite as catࡱrofes mais ou menos freq�, as doen硳, a morte, enfim? Como pode um pai deixar sofrer assim os seus filhos? N㯠tem Ele poderpara impedir o mal? E se n㯠Lhe falta poder, onde estࡱ sua bondade, se n㯠o impede? Ensina S㯠Tomࡱque Deus n㯠permite o mal f*co sen㯠de um modo inteiramente acidental, como ocasi㯠para os justos exercerem a virtude da constࡱia,praticarem a caridade para com os menos favorecidos ou doentes,etc.Por outro lado, ele deseja alguns males f*cos como pena devida ao pecado,como forma de restabelecer a justi硠ultrajada pelas faltas voluntࡱas. Com rela磯 ࡱorte, longe de ser o termo da vida, ela 頡passagempara uma nova vida, onde a felicidade 頣ompleta, sem mesclar de sofrimento e onde se atinge o Sumo Bem, que 頯pr�o Deus. Quanto ao mal moral ou pecado,Deus n㯠pode querࡱo nem mesmo indiretamente; mas ele pode tirar, corno do mal f*co, algum bem, como por exemplo, do pecado do perseguidora manifesta磯 da constࡱia dos mࡱires. A possibilidade do mal moral * ensinam os fil�os * 頡o mesmo tempo a conseq�de um grande bem, a liberdade; e a condi磯de um bem ainda maior, o m鲩to. As criaturas racionais (os anjos e os homens), por serem dotados de inteligࡱia, possuemo livre arb*io, a liberdade de escolher entre bens poss*is.A capacidade de livre escolha decorre da natureza inteligente desses seres,do conhecimento que eles tࡱde vࡱas a絥s, de seus fins �os e dos meios para chegar a eles. A liberdade mesmo imperfeita, 頡mais bela prerrogativa do ser racional; 頰ois digno da bondade divina tࡱa concedido. Deus n㯠podia suprimir no anjo e no homem a possibilidade de fazerem o mal, a n㯠ser recusando-lhes a liberdade ou dando-lhes liberdade incapaz de falhar; na primeira hip�e, eles ficariam rebaixados ao n*l dos irracionais, o que seria indigno de criaturas espirituais; na segunda,eles se tornariam iguais a Deus, o que 頵m absurdo.Deus quer que a criatura racional observe suas leis, nࡱcomo o animal desprovido de razࡱ que age seguindo os meros instintos, mas moralmente e meritoriamente; ora, sem a possibilidade do mal moral, nࡱhaveria mࡱto na prᴩca do bem, pois nࡱhࡱ鲩to sen㯠se faz o bem podendo n㯠fazࡱo. Deus quis que os anjos e os homens fossemos agentes de sua pr�a felicidade ou se tornassemresponsᶥis pela pr�a desgra硬escolhendo porsi mesmos se colaboravam ou n㯠com a gra硠divina. Quando os anjos pecaram e quando os homens pecam, fazem um uso desviado de sua liberdade; Deus,
  26. 26. por魬n㯠tolhe a liberdade de suas criaturas racionais em raz㯠do seu uso desviado,porque 頰r�o a Ele criar e n㯠destruir; seria contrariar-se a si mesmo fazer criaturas livres e depois tolher-lhes a liberdade quando a usam mal. Por outro lado, a existࡱia de seres racionais n㯭livres 頡bsurda. O mal, conseq�do pecado A estas considera絥s de ordem filos�a, o Cristianismo acrescenta os dados revelados por Deus. Estes n㯠somente confirmam as descobertas da raz㯬 conferindo-lhes uma certeza absoluta,mas, indo al魬nos d㯠os meios de saber ao certo aquilo que de outro modo n㯠passaria de mera suposi磯:corno o mal manifestou concretamente entre os anjos e os homens. O Cristianismo rejeita toda e qualquer forma de dualismo: tudo quanto existe prov魠de um s�� princ*o, puro e bom. Sendo Deus substancialmente bom e santo,tudo quanto provࡱdele tem que ser, necessariamente, bom em si mesmo. Por isso, todas as criaturas, em si mesmas, s㯠boas e aptas para prop�os do Criador. Assim, lemos no primeiro livro da B*ia: *E Deus viu toas as coisas que tinha feito. e eram muito boas* (Gen 1, 31). O livro do Eclesiࡱico completa: *Todas as obras do Senhor sࡱboas e cada uma delas, chegada a sua hora, farࡱeu servi篢(Ecli 39, 39). E o livro da Sabedoria explicita: *Deus n㯠fez a morte, nem se alegra com a perdi磯dos vivos. Porquanto criou ʬe criou todas as coisas para que subsistisseme n㯠havia nelas nenhum veneno mort*ro, nem o dom*o da morte existia sobre a terra* (Sal, 1, 13-14). Diz ainda a Escritura que *foi na soberba que teve in*o a perdi磯* (Tob 4, 14; Vulgata). Parte dos anjos se revoltou contra Deus, e foram expulsos do C鵬 transformando-se em dem�s; do mesmo modo, nos primeiros pais desobedeceramo Criador com o pecado original perderam o estado de inocࡱia e de integridade, sendo expulsos do Para* terrestre. Como decorrࡱia do pecado original, houve uma debilita磯 da natureza humana, tornando-se o homem mais vulnerᶥl ೠpaix�e ೠsedu絥s do dem�, e mais inclinado ao pecado; em castigo desse mesmo pecado, Deus permitiu que o sofrimento se abatesse sobre o homem e a terra se lhe tomasse ingrata. No Gࡱsis, depois da narra磯 da primeira desobediࡱia, vࡱas palavras do Criador ao primeiro homem: *Porque deste ouvidos ࡱoz de tua mulher e comeste da ࡱore de que eu te tinha ordenado que n㯠comesses,a terra serࡱaldita por tua causa; tirarࡱdela o sustento comtrabalhos penosos todos os dias da tua vida. Ela te produzirࡱspinhos e abrolhos* (Gen 3, 17-18). E o inspirado autor do Eclesiࡱico escreve, numa alus㯠ao pecado original: *Da mulher nasceu o princ*o do pecado e por causa dela 頱ue todos morremos" (Eccli 25, 33). O Ap�lo S㯠Paulo resume magnificamente essa doutrina sobre o pecado original, nos seguintes termos: *Assim como por um s�mem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado,a morte, assim tamb魠a morte atingiu todos os homens, porque todos pecaram...Pois o salࡱo do pecado 頡morte* (Rom 5, 12, 23). Em virtude da Reden磯operada por Jesus Cristo, entretanto,o sofrimento e a morte podem ser aproveitados pelo homem como meio de aperfeiࡱmento moral, de santificaࡱ. ɠassimque o mesmo SࡱPaulo exclama: *A morte foi tragada na vitࡱ ( de Cristo). Morte, onde estࡱ tua vitࡱ? Morte, onde estࡱeu aguilhࡱ* E prossegue:*Sejam dadas graࡱ a Deus, que nos dࡱ vit�por nosso SenhorJesus Cristo. Por isso,meus irmࡱ amados, sࡱ firmes, constantes,progredisempre na obra do Senhor, sabendo que o vosso esforࡱnࡱࡱnࡱno Senhor (1 Cor 15, 54-58). Estࡱsperanࡱque nos dࡱ for硠para lutar contra a a磯do mal em n�esmos e no mundo. E 頡doutrina a respeito do pecado original que nos esclarece quanto ࡱrigem hist�a do mal e quanto ao verdadeiro sentido da presen硠do mal no mundo. Do contrࡱo, o problema do mal ficaria insol�e nos atiraria no desespero da incompreens㯠e da revolta. PARTE 2 A queda dos anjos maus "Tu, desde o principio, quebraste o meu jugo, rompeste os meus la篳 e disseste: * N㯠servirei!*
  27. 27. (Jer 2,20) DEUS CRIOU OS ANJOS num alto estado de perfei磯 natural e al魠disso os elevou ࡱrdem sobrenatural.ɠde f 頱ue todos os esp*tos ang鬩cos foram criados bons.* *Essa 頵ma conseq�obrigat�da verdade de f鬠de que todos os esp*tos ang鬩cos foramcriados por Deus, atestada pelo s*olo niceno-constantinopolitano ( o Credo da Missa), o qual proclama: *Creio em Deus Pai Todo-poderoso, criador ... das coisas vis*is e invis*is*; essa verdade foi ainda definida nos Conc*os IV de Latr㯠e I Vaticano. A Sagrada Escritura, com efeito, chama-os *filhos de Deus" (J�, 7), *santos* (Dan 8, 13), *anjos de luz* (2 Cor 11, 14). Entretanto, os pr�os Livros Sagrados se referem a *esp*to imundos* (Lc 8, 29); *esp*tos malignos* (Ef 6, 12); *esp*tos piores" (Lc 11, 26); e outras express�anࡱgas. Isto indica que certos anjos tornaram-se maus, tiveram sua vontade pervertida. Em suma: pecaram. A batalha no C鵍 *Tu, desde o princ*o, quebraste o meu jugo, rompeste os meus la篳 e disseste: * N㯠servirei!* (Jer 2, 20). Este vers*lo do Profeta Jeremias sobre a revolta do povo eleito contra Deus tem sido aplicado ࡱevolta de L�r. Mas ao brado de rebeli㯠de L�r *N㯠servirei!* * respondeu S㯠Miguel como brado de fidelidade: *Quem 頣omo Deus!* (significado do nome Miguel em hebraico). No apocalipse, S㯠Jo㯠descreve essa misteriosa batalha que ent㯠se travou no c鵺 "E houve no c鵠uma grande batalha: Miguel e os seus anjos pelejavam contra o drag㯬e o drag㯠com os seus anjos pelejavam contra ele; por魠estes n㯠prevaleceram e o seu lugar n㯠se achou no c鵮E foi precipitado aquele grande drag㯬aquela antiga serpente, que se chama o Dem� e Satanࡱ que seduztodo o mundo; e foi precipitado na terra e foram precipitados com ele os seus anjos* (Apoc 12,7-9). O prࡱo Jesus dࡱestemunho dessa queda:*Eu via Satanࡱcair do c鵠como um relࡱago* (Lc 10, 18). *(O Dem�) foi homicida desde o principio, e n㯠permaneceu na verdade" (Jo 8,44). Os anjos podiam pecar Como poderia o anjo ter pecado,uma vez que ele nࡱestࡱujeito ೠpaix�ou ao erro no entendimento, como n�omens? "Como compreender semelhante op磯e rebeli㯠a Deus em seres de t㯠viva inteligࡱia?* * pergunta Jo㯠Paulo II. O Pont*ce responde: *Os Padres da Igreja e os te�os n㯠hesitam em falar de cegueira, produzida pela supervaloriza磯 da perfei磯 do pr�o ser, levada at頯ponto de ocultar a supremacia de Deus, a qual exigia, ao contrࡱo, um ato de d� e obediente submiss㯮Tudo isto parece expresso de maneira concisa nas palavras: "N㯠servirei" (Jer 2, 20), que manifestam a radical e irrevers*l rejei磯 de tomar parte na edifica磯 do reino de Deus no mundo criado. Satanࡱ o esp*to rebelde, quer seu pr�o reino, n㯠o de Deus, e se levanta como o primeiro adversࡱo do Criador, como opositorda Providࡱia, antagonista da sabedoria amorosa de Deus* (Apud Mons.C. BALDUCCI, El d*lo, p. 20.) E o Papa explica que os anjos, por serem criaturas racionais, s㯠livres, isto 鬠tࡱa capacidade de escolher a favor ou contra aquilo que conhecemser o bem: *Tamb魠para os anjos a liberdade significa possibilidade de escolha a favor ou contra o bem que eles conhecem, quer dizer, o pr�o Deus*. (Jo㯠Paulo II, Mcm, ibidem). Criando os anjos racionais e livres, quis Deus que eles - com o aux*o da gra硠* fossem os agentes de sua pr�a felicidade ou de sua perda, caso cooperassemou resistissem ࡱra确 Para que merecessem a felicidade eterna, submeteu-os a uma prova. ɠde f頱ue todos os esp*tos ang鬩cos foramsubmetidos a uma prova. Entretanto, n㯠sabemos qual teria sido essa prova. Os te�os procuram excogitar qual teria sido.

×