Relatór reflexcrític.ana aleixo

302 visualizações

Publicada em

Reflexão critica "Integração de Ferramentas Digitais no processo de aprendizagem inclusivo" de Ana Aleixo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
302
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatór reflexcrític.ana aleixo

  1. 1. Relatório de Reflexão Crítica Cursos de Formação Contínua de Professores 1 – IDENTIFICAÇÃO AÇÃO Designação da ação Integração de Ferramentas Digitais no processo de aprendizagem inclusivo Nome do formador Ana Paula Rocha 2 – IDENTIFICAÇÃO FORMANDO Nome do formando Ana Cláudia Aleixo da Costa Escola Escola D. Domingos Jardo Nível Ensino 2º e 3º ciclos Grupo Recrutamento 910 Situação profissional Contratada Email anaaleixoc@gmail.com 3 – REFLEXÃO CRÍTICA 3.1 – MOTIVOS DE INTERESSE NA AÇÃO DE FORMAÇÃO (RAZÕES JUSTIFICATIVAS PARA FREQUENTAREM A FORMAÇÃO) De uma forma geral, todas as formações relativas à utilização de meios informáticos me interessam e agradam, assim, quando me falaram desta formação, que ainda mais seria em regime e-learning imediatamente me despertou interesse. Na verdade, já tinha frequentado uma formação de TIC na educação há alguns anos, mas esta não me permitiu aprender nada de novo uma vez que, apesar de ter regime presencial (e por vezes achamos que aprendemos mais) os formandos tinham quase todos um nível bastante baixo de conhecimentos e por isso o formador não pode alargar os conhecimentos de quem já sabia, no geral, trabalhar com um computador. O nome desta acção despertou-me motivação. “Ferramentas digitais” e “processo de aprendizagem inclusivo” tem tudo a ver com a área que me encontro a leccionar (Educação Especial) porque, na verdade, quase todos os meus alunos ao longo de todos estes anos apresentam um “brilho nos olhos” quando os informo que vamos trabalhar no computador. Sempre fui utilizadora de novas tecnologias na minha prática letiva recorrendo, muitas vezes a elementos existentes na internet para motivar e ensinar temas diferentes. Tenho as vantagens de trabalhar com poucos alunos de cada vez, ter três computadores com internet disponível na minha sala e ainda ter a facilidade de levar o meu próprio computador com algumas pesquisas já preparadas, no entanto, tinha noção das minhas limitações em termos de conhecimento de novas ferramentas que me permitissem diversificar e organizar melhor as minhas aulas. Em suma, quando me falaram desta ação de formação achei que poderia ser uma mais-valia, para que pudesse aprofundar e melhorar os meus conhecimentos na área, podendo ser muito útil usar outras ferramentas digitais na minha atividade profissional. 3 – REFLEXÃO CRÍTICA 3.2 – APRECIAÇÃO CRÍTICA DAS VERTENTES TEÓRICAS E PRÁTICAS DA AÇÃO (IDENTIFICAÇÃO DAS TEMÁTICAS ABORDADAS E DAS METODOLOGIAS UTILIZADAS; REFERÊNCIA CRÍTICA AOS CONTRIBUTOS DA FORMAÇÃO PARA O DESEMPENHO PROFISSIONAL) No módulo 0 foi feito, pela formadora, o enquadramento da ação, foi elaborado o meu portefólio digital, em formato de blog e escolhi para isso o blogspot uma vez que me pareceu simples, intuitivo e estava disponível online para utilização de qualquer um. Elaborei também a minha apresentação em Prezi (ferramenta que nunca tinha utilizado mas achei bastante intuitiva e fácil de usar) e respondi ao questionário Vark proposto, que me permitiu saber qual a minha preferência de aprendizagem (desconhecia este questionário mas os seus
  2. 2. Relatório de Reflexão Crítica Cursos de Formação Contínua de Professores resultados relativamente a mim não surpreenderam). No modulo 1, passamos para concepção, gestão e autoavaliação das aprendizagens através de um recurso escolhido X. Foi-nos proposto que analisássemos as várias opções oferecidas num Think-Tac-Toe (3-em-linha) e que ao longo dos módulos cumpríssemos três tarefas (X, Y, Z), em-linha, de entre nove possíveis. Esta etapa foi, para mim, a mais morosa uma vez que analisei e visualizei todas as ferramentas e todos os tutoriais disponíveis para que pudesse conhecer e perceber todos. Apesar de alguns me terem chamado logo à atenção, tive o cuidado de tentar perceber cada um deles, uma vez que me poderiam ser uteis, na minha prática letiva. Assim, escolhi primeiramente a ferramenta, o Blendspace, e posteriormente o tópico, “As estações do ano”, que era o que estava a abordar com os meus alunos nesse momento. Escolhi esta ferramenta uma vez que me pareceu que poderia compilar os recursos a trabalhar durante uma ou mais aulas, concentrando os documentos num só local. No módulo 2 elaborei um mapa mental com recurso à ferramenta Mind Maps e escolhi o tópico “O euro”. Mais uma vez, escolhi este tópico, uma vez que estava naquele momento a iniciar a abordagem a esta temática com os meus alunos. Considerei esta ferramenta a mais fácil de usar (nas três que escolhi) e que me permite esquematizar facilmente um tema. No módulo 3 restou-me trabalhar o Symbaloo para obedecer ao 3 em linha proposto. Como ainda estou a abordar o tópico “O euro” decidi continuar com este tópico. Esta ferramenta é intuitiva e fácil de usar e permitiu-me organizar websites e assim sequenciar aulas mais facilmente, no entanto, esta é mais uma organização e sequenciação pessoal das aulas uma vez que não permite com tanta facilidade que os alunos trabalhem de forma autónoma. No final de cada módulo fiz a análise crítica do trabalho que desenvolvi e da ferramenta que utilizei, assim como coloquei disponível no meu portefólio digital, sempre com sucesso. Relativamente ao trabalho realizado durante as sessões, adquiri mais competências na área das ferramentas digitais, pela concretização dos módulos. Esta aquisição foi possível pela atenção às explicações teóricas do tutorial e pelo empenho na realização dos trabalhos. Considero que os objetivos que me foram propostos alcançar foram conseguidos com muito sucesso e consegui verificar utilizando as 3 ferramentas nas aulas com os meus alunos. Esta acção foi bastante produtiva para mim, uma vez que não só me permitiu conhecer e explorar novas ferramentas digitais como as consegui aplicar imediatamente na minha pratica pedagógica A metodologia de e-learning foi muito vantajosa uma vez que consegui gerir o meu tempo de acordo com a minha disponibilidade 3 – REFLEXÃO CRÍTICA 3.3 – CONCLUSÕES Esta formação foi desenvolvida num trabalho cooperativo interessante entre todos os formandos e formadora que serviu para desenvolver os conhecimentos de cada um no que toca à utilização das ferramentas digitais apresentadas, evoluindo conforme os seus conhecimentos prévios, onde cada um teve oportunidade de desenvolver, aprofundar e partilhar materiais que lhes facilitam a prática da atividade docente. O trabalho elaborado que foi proposto foi muito produtivo, na medida em cada um de nós aprofundou conhecimentos e desenvolveu as ferramentas digitais que mais interesse despertaram, de acordo com os conteúdos que lecciona e partilhou com o grupo estes materiais que poderão também ser usados por outros. Mas o mais importante foi, sem dúvida, o dar a conhecer todas estas ferramentas que estão disponíveis online e que muitos de nós desconhecia a sua existência. Podemos agora, mais facilmente e com conhecimento de novas técnicas construir uma transmissão de conhecimentos, proporcionando mais motivação e incentivo dos alunos no seu processo de ensino-aprendizagem. Quando me inscrevi nesta formação, esperava adquirir um avanço significativo no meu conhecimento a nível das ferramentas digitais, o que foi plenamente concretizado. Foi uma experiência benéfica e enriquecedora para a minha vida profissional e com certeza utilizarei os conhecimentos que adquiri, num presente e futuro breve.
  3. 3. Relatório de Reflexão Crítica Cursos de Formação Contínua de Professores 4 – BIBLIOGRAFIA

×