Filosofia - Trabalho Santo Tomás de Aquino.

4.275 visualizações

Publicada em

Trabalho Feito em 2012/ 2º ano do Ensino Médio.
Colégio São Sebastião.
Trabalho de Filosofia:
Santo Tomás de Aquino.
Aluno (a): Yasmin Sodré.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.275
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia - Trabalho Santo Tomás de Aquino.

  1. 1. Professor (a): Rafael Vargas.Alunos (as): Yasmin Sodré (ADM); Laryssa Márcia (ADM); Giovanna Fahime (ADM); Thaila Noronha (INF); Déborah Oliveira (INF); Raquel Santana (INF).Turma: 2º ano ADM e INF.
  2. 2. Para Tomás de Aquino, a prova da existência de Deus, na Suma Teológica,é a das revelações entre a ciência e a fé, a filosofia e a teologia.Fundada na revelação, a teologia é a ciência suprema, da qual a filosofiaé serva ou auxiliar.A filosofia procede de acordo com a Razão, cabendo demonstrar aexistência e a natureza de Deus.Para Santo Tomás de Aquino, o Bem e o Mal consistem em agir de acordocom a natureza racional. Todo o homem é dotado de livre-arbítrio,orientado pela consciência e tem uma capacidade inata de captar,intuitivamente, os ditames da ordem moral. O primeiro postulado daordem moral é: “Faz o Bem e evita o Mal.”Santo Tomás de Aquino também assim às vezes procede referindo-seapenas ao Espírito Santo ou à graça do Espírito Santo. Mas em muitasoutras passagens de seus escritos, apoiando-se como em sua raiz nestaprofecia de Isaías e seguindo outra linha de argumentação que daíderivou desenvolvida principalmente pelos teólogos da Idade Média,desdobra a graça do Espírito Santo nos sete dons de que fala Isaías.Na sua ética, S. Tomás de Aquino parte do princípio da existência deDeus, porque nenhuma ética é possível sem uma metafísica qualquer;Aliás, este é possível problema ético dos ateístas, e a necessidade detransformação do ateísmo em naturalismo reflete a necessidade ética em“metafísica”, o que na prática significa “Religião”.
  3. 3. Primeira viaPrimeiro Motor Imóvel: Tudo o que se move é movido por alguém, é impossível uma cadeia infinita de motoresprovocando o movimento dos movidos, pois do contrário nunca se chegaria ao movimento presente, logo há queter um primeiro motor que deu início ao movimento existente e que por ninguém foi movido.Segunda viaCausa Primeira: Decorre da relação "causa-e-efeito" que se observa nas coisas criadas. É necessário que haja umacausa primeira que por ninguém tenha sido causada, pois a todo efeito é atribuída uma causa, do contrário nãohaveria nenhum efeito, pois cada causa pediria outra numa sequência infinita.Terceira viaSer Necessário: Existem seres que podem ser ou não ser (contingentes), mas nem todos os seres podem serdesnecessários se não o mundo não existiria, logo é preciso que haja um ser que fundamente a existência dosseres contingentes e que não tenha a sua existência fundada em nenhum outro ser.Quarta viaSer Perfeito: Verifica-se que há graus de perfeição nos seres, uns são mais perfeitos que outros quaisquergraduação pressupõe uma parâmetro máximo, logo deve existir um ser que tenha este padrão máximo deperfeição e que é a Causa da Perfeição dos demais seres.Quinta viaInteligência Ordenadora: Existe uma ordem no universo que é facilmente verificada, ora toda ordem é fruto deuma inteligência, não se chega à ordem pelo acaso e nem pelo caos, logo há um ser inteligente que dispôs ouniverso na forma ordenada.
  4. 4. • Durante a Idade Média (século V ao XV) a Igreja Católica conquistou e manteve grande poder. Possuía muitos terrenos (poder econômico), influenciava nas decisões políticas dos reinos (poder político), interferia na elaboração das leis (poder jurídico) e estabelecia padrões de comportamento moral para a sociedade (poder social). Como religião única e oficial, a Igreja Católica não permitia opiniões e posições contrárias aos seus dogmas (verdades incontestáveis). Aqueles que desrespeitavam ou questionavam as decisões da Igreja eram perseguidos e punidos. Na Idade Média, a Igreja Católica criou o Tribunal do Santo Ofício (Inquisição) no século XIII, para combater os hereges (contrários à religião católica). A Inquisição prendeu, torturou e mandou para a fogueira milhares de pessoas que não seguiam às ordens da Igreja. Por outro lado, alguns integrantes da Igreja Católica foram extremamente importantes para a preservação da cultura. Os monges copistas dedicaram-se a copiar e guardar os conhecimentos das civilizações antigas, principalmente, dos sábios gregos. Graças aos monges, esta cultura se preservou, sendo retomada na época do Renascimento Cultural. Enquanto parte do alto clero (bispos, arcebispos e cardeais) preocupavam-se com as questões políticas e econômicas, muitos integrantes da Igreja Católica colocavam em prática os fundamentos do cristianismo. Os monges franciscanos, por exemplo, deixaram de lado a vida material para dedicarem- se aos pobres. A cultura na Idade Média foi muito influenciada pela religião católica. As pinturas, esculturas e livros eram marcados pela temática religiosa. Os vitrais das igrejas traziam cenas bíblicas, pois era uma forma didática e visual de transmitir o evangelho para uma população quase toda formada por analfabetos. Neste contexto, o papa São Gregório (papa entre os anos de 590 e 604) criou o canto gregoriano. Era outra forma de transmitir as informações e conhecimentos religiosos através de um instrumento simples e interessante: a música.
  5. 5. • Conquistando cada vez mais adeptos à sua crença, os cristãos foram barbaramente perseguidos durante 300 anos. No entanto, a certa altura, foram aceitos pelo Império Romano, até então seu maior inimigo. Já nas últimas décadas antes do seu fim, este Império tornou o cristianismo à religião oficial dos romanos, proibindo outras crenças e rituais de serem praticados.
  6. 6. • Atualmente, a Igreja Católica é muito diferente do que era na Idade Média. Hoje, ela não tem mais todo aquele poder e não pratica atos de violência. Pelo contrário, posiciona-se em favor da paz, liberdade religiosa e do respeito aos direitos dos cidadãos. O papa, autoridade máxima da Igreja, pronuncia-se contra as guerras, terrorismo e atos violentos. Defende também a união das pessoas, principalmente dos países mais ricos, na luta contra a pobreza e a miséria.

×