Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]

1.738 visualizações

Publicada em

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]

  1. 1. A ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO À GESTANTE EM SITUAÇÃO DE USO E ABUSO DE COCAÍNA: VANTAGENS DA SAE Daniela Pereira da Rocha Santos1, Heilane Martins Sena1, Vera Lúcia Batista Borges². 1. Graduanda do curso Bacharel de Enfermagem do Centro Universitário Estácio da Bahia.2. Orientadora, Especialista em Enfermagem Obstétrica, Mestranda em Saúde da Família, Professora do curso Bacharel em Enfermagem do Centro Universitário Estácio da Bahia. RESUMO A gestação é um momento único para as mulheres, que tem um papelfundamental no crescimento e desenvolvimento desse feto. A gestante deveser acompanhada pelos profissionais de saúde princialmente o enfermeiro,tendo como foco a educação e promoção em saúde, avaliando em todas asáreas social, cultural e psicológica. Durante este período, ela vive uma fase demudanças em seu corpo acompanhada de sensações, ansiedade e medo.Com o passar dos anos aumentou-se o número de mulheres usuárias decocaína tornado-se um problema de ordem global e saúde pública. Diantedesses dados denota-se a necessidade da formulação de estratégias parainterver durante o pré-natal a identificação e os cuidados desta mulher.Estapesquisa bibliográfica busca evidenciar a importância do papel do enfermeirona assistência pré-natal à gestante em uso e abuso de cocaína.O presenteestudo foi elaborado através de um levantamento bibliográfico feito naBiblioteca Virtual em Saúde (BVS), usando como base de dados o Scielo,Medline e Lilacs, nos periódicos e livros disponíveis no acervo bibliográfico doCentro Universitário Estácio da Bahia (ESTÁCIO-FIB), e nos Manuais doMinistério da Saúde.PALAVRAS-CHAVE: Assistência de Enfermagem, Pré-Natal, Cocaína,Gestação. 1
  2. 2. ABSTRACTPregnancy is a unique time for women, which has a key role in the growth anddevelopment of the fetus. The patient must be accompanied by healthprofessionals princialmente nurses, focusing on education and healthpromotion, assessing in all social, cultural and psychological. During this time,she is in a phase of changes in your body accompanied by feelings of anxietyand fear. Over the years increased the number of women using cocaine turnedup a problem of global order and public health. Given these data indicates theneed to formulate strategies for intervertebral during the prenatal identificationand care of this woman.This literature review seeks to demonstrate the importance of the role of nursesin prenatal care to pregnant women on use and abuse of cocaine.This study was prepared by a literature survey done in the Virtual Health Library(VHL), using as the SciELO database, Medline and Lilacs in journals and booksavailable in the library of the University Center Estacio da Bahia (FIB-ESTÁCIO), and the Ministry of Health ManualsKEYWORDS: Nursing Care, Prenatal, Cocaine, Pregnancy.INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a educação em saúde vem sendo um fatorrelevante para a orientação e formação do bem estar do ser humano.Atualmente algumas pessoas não tem se sentido motivadas para cuidar dasaúde, e o enfermeiro, como um profissional com formação direcionada para apromoção e prevenção desta, desempenha um papel educativo fundamentaljunto á população, constituindo-se num facilitador na educação, principalmentede gestantes (RODRIGUES, NASCIMENTO, ARAÚJO, 2011). Segundo Rezende (2006) a gestação é um acontecimento importante navida de um casal e dos familiares, um momento único para mulher que é apessoa mais importante para o crescimento e o desenvolvimento deste feto.Caracterizada por alterações fisiológicas, físicas e emocionais decorrentes defatores hormonais e mecânicos, a gestação pode evoluir de forma consideradanormal, mas também pode apresentar intercorrências que caracterizarão agestação como de alto risco para mãe e o concepto. O uso e abuso de drogas é um problema de saúde publica que tem se 2
  3. 3. agravado devido à utilização descontrolada das consideradas ilícitas, que sãoresponsáveis por distúrbios comportamentais e sociais, levando a elevação dosíndices de violência. Dentre estas drogas, a cocaína é uma das que atingemestruturas importantes do organismo da gestante e atravessa rapidamente abarreira placentária sem sofrer metabolização hepática trazendo complicaçõesem vários órgãos do concepto (YAMAGUCHI, CARDOSO, TORRES,ANDRADE, 2008). De acordo com o Ministério da Saúde (2006), a assistência pré-nataldeve ser enfatizada porque a gestação caracteriza-se por um período deimportantes mudanças físicas, emocionais e sociais. Por isto determina que oacompanhamento iniciado pelo acolhimento, a oferta de respostas e deassistência aos agravos devem ser o objetivo principal desta atenção. A assistência pré-natal constitui-se na prestação de cuidados erealização de procedimentos em favor das mulheres grávidas e do concepto,iniciadas a partir do diagnóstico da gravidez seguindo até à hora do partoidentificando, tratando e controlando as complicações deste período(RODRIGUES, 2011). Considerando que ações desenvolvidas pelo enfermeiro durante o pré-natal devem ser organizadas e sistematizadas com vistas a oferecer umaassistência qualificada, a Resolução Cofen 272/2002 preconiza a necessidadede planejar a assistência de enfermagem e dispondo sobre a implantação daSAE (Sistematização da Assistência de Enfermagem) que deve acontecer emtoda instituição da saúde pública e privada. Neste cenário, as ações privativasdo enfermeiro são a implantação, planejamento, organização, execução eavaliação do processo de enfermagem que compreende a consulta, evolução eo relatório de enfermagem. O presente estudo tem como objetivo evidenciar a importância do papeldo enfermeiro durante o pré-natal de gestantes em uso e abuso de cocaína.Deste modo, o enfermeiro pode contribuir com a promoção e qualificação dasaúde utilizando a Sistematização da Assistência de Enfermagem comoferramenta para conduzir a gestante no seu contexto físico, psicológico esocial.METODOLOGIA 3
  4. 4. Trata-se de uma revisão bibliográfica fundamentada segundo Lakatos,Marconi (1987), o estudo é caracterizado de forma descritiva, de naturezaqualitativa e trajetória metodológica apoiando-se nas leituras exploratória eseletiva do material de pesquisa. O presente estudo foi elaborado através deum levantamento bibliográfico feito na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS),usando como base de dados o Scielo, Medline e Lilacs com descritores abaixo. Utilizaram-se limites temporais na análise das bases de dados, noperíodo de janeiro de 2005 a novembro de 2012, desenvolvidos no âmbitonacional e por abordarem aspectos relevantes neste estudo desenvolvido;artigos que abordassem aspectos sobre o tema proposto e na integra. Apósesta leitura seletiva foram evidenciados 20 artigos a serem interpretados. Além do acesso online, também foi feito o levantamento bibliográficonos periódicos, livros disponíveis no acervo bibliográfico do Centro UniversitárioEstácio da Bahia (ESTÁCIO-FIB) e (UFBA) Universidade Federal da Bahia,além dos Manuais do Ministério da Saúde. No levantamento dos dados foramcruzadas as palavras-chave: Assistência de Enfermagem, Pré-Natal, Cocaína eGestação.REVISÃO DA LITERATURA 1. GRAVIDEZ A gestação é um acontecimento fisiológico na vida de uma mulher, seucorpo foi preparado por toda a vida com tantas transformações que acontecedesde a puberdade até a maturidade sexual. A instalação da prenhez écompletada por fenômenos físico-químicos decorrentes da fecundação e deacordo com o processo hormonal resultante da espermatogênese, e daovogênese, que culminam na nidação ovular (NEME, 2006). Rezende (2006) também relata que a gravidez ocorre comoconseqüência da fecundação ocasionando transformações sistemáticas noorganismo. Tais alterações são relacionadas com as mudanças hormonais,aumento do volume do útero, com repercussões relevantes sobre todo o corpo. 4
  5. 5. Segundo o Manual Técnico Pré Natal (2006) uma das principais marcasdo inicio da gestação é o atraso menstrual ou a amenorreia para confirmação énecessário coletar dados da paciente, realizar exame físico e teste laboratorial.Dessa forma se o resultado do exame for negativo encaminhar a mesma paraconsulta de planejamento familiar, caso não deseje engravidar e se positivoiniciar o acompanhamento pré-natal. Estas mudanças protegem o funcionamento fisiológico normal damulher, preenchem as demandas metabólicas que a gestação impõe ao seuorganismo e proporciona um ambiente nutritivo para o crescimento fetal.Existem alguns sinais da gestação chamados de sinais de presunção, que sãoos sentidos pela mulher, os de probabilidade que são observados peloexaminador e os de certeza que são os comprovados com a presença do feto.(LOWDERMILK; BOBAK, 2005).2. COCAÍNA O arbusto Erythroxylon coca é um estimulante de forte ação sobre osistema nervoso central, e causa dependência química e psicológica sendoresponsável por um acontecimento extraordinário de prazer e bem estar e oseu uso estimula os principais sistemas orgânicos. Seus efeitos tem granderelação com sua potência, causando dependência após um único uso. Com ouso repetido podem surgir tolerância ou sensibilidade (KAPLAN, SADOCK,2005). Com base neste fato, Almeida (2010) considera que o consumo dacocaína pode acontecer por vários motivos, prazer, curiosidade, alivio da dor eamargura que irá aumentar após a dependência, podendo causarautodestruição e mudanças comportamentais. Existe uma grande quantidade de problemas de saúde que segundo oManual Técnico Gestação de Alto Risco (2010) se caracteriza pelo uso dedrogas ilícitas. A utilização de tais drogas no período gestacional acarretariscos e as consequências são prejudiciais ao binômio. Yamaguchi e outros colaboradores (2008) pontuam que as elevadastaxas do uso e abuso de drogas em gestantes é um tema pouco estudado,demonstrando que 38% das gestantes têm alguma orientação sobre o assunto 5
  6. 6. no pré-natal. Em 1990 realizou-se uma pesquisa na população brasileira quemostrou que de 60 milhões de mulheres em idade fértil 51% já tinham usadodrogas. Segundo Neme (2006) a cocaína cruza a placenta e é encontrada noleite materno. Os efeitos antenatais do seu uso são incomuns, incluindo ocomprometimento dos órgãos em desenvolvimento, causando defeitos como ahidronefrose, a síndrome da ausência congênita da musculatura abdominal, adoença cardíaca congênita, os defeitos do crânio e a redução dos membros.Os recém-nascidos de gestantes usuárias de cocaína possuem um alto índicede morbidade perinatal como retardo de crescimento intrauterino, partoprematuro, hemorragia, grandes chances de desenvolver problemasintelectuais e de desenvolvimento. Segundo Ziegel e Cranley (1985) os bebês nascidos de mulheresviciadas desenvolvem sinais agudos de abstinência a cocaína, podem sersintomas moderados, graves ou assintomáticos iniciando-se no primeiro dia devida, os mais comuns são irritabilidade, tremor grosseiro, choro alto e dormecom dificuldade. A terapia deve-se iniciar com o tratamento da mãe, emunidade equipada preparada para acompanhar a gestação de alto risco, o partodeve ser realizado em hospital com suporte para atender de forma qualificadaessa mulher. De maneira que o RN (recém-nascido) com essa síndrome seja tratadocom medicamento que aliviarão seus tremores, terapia de suporte fornecendoum equilíbrio com uma dieta adequada e um ambiente confortável. A droga éretirada gradualmente e o enfermeiro tem importância para proporcionar umcuidado especial nessa adaptação com o meio externo (ZIGGEL E CRANLEY,1985). De acordo com o Manual de Saúde Mental (2004) a prevenção éfundamental classificando-se em um processo de planejamento, implantação eimplementação reduzindo os riscos e aumentando os fatores de proteção.Existem trabalhos na comunidade para impedir o uso e abuso da cocaína. Aprevenção caracteriza-se pelo fortalecimento de dados sobre a droga,identificando os problemas pessoais. 6
  7. 7. 2. PRÉ-NATAL À atenção de qualidade à gestação, ao parto, puerpério e o períodoneonatal são importantes para tentar reduzir as taxas de morbimortalidadematerna, exigindo uma atenção do período garantindo o bem-estar de formaestruturada e organizada. O atendimento à mulher no ciclo gravídico- puerperalé uma atividade das ações básicas de assistência integrada à saúde da mulherdesenvolvida nos hospitais e nos centros de saúde básica. O acolhimento éfundamental na politica de humanização como um fator determinante para ocrescimento da relação da mulher e da equipe de saúde (BRASIL 2010). Por outro lado Rezende (2006) afirma que a assistência qualificada dopré-natal deverá acontecer após a confirmação da prenhez, pois já na primeiraconsulta de conhecimento da paciente o especialista deve fazer olevantamento de todos os dados clínicos e históricos dessa mulher. Realiza-sea anamnese e exame físico, nesse momento é quando o enfermeiro podedetectar alguma anormalidade nesta gestante, sendo confirmado, inicia-se umtratamento individualizado de alto risco. Segundo o Manual Técnico de Pré Natal (2006) a assistência dequalidade e humanizada se dá através de práticas acolhedoras, ausência deintervenções desnecessárias, da facilidade ao acesso á saúde pública e dosaspectos que envolvam todos os níveis de atenção como promoção,prevenção, assistência á saúde da gestante e do recém-nascido. Partindo doatendimento ambulatorial na atenção básica até o atendimento hospitalar emunidade de referência para alto risco, a gestante pode usufruir de umaassistência integral (BRASIL, 2006). A primeira consulta do pré-natal é considerada a mais importante edemanda mais tempo, pois é nesse momento que a enfermeira realiza o examefísico, coleta de dados inclusive analisa dados socioeconômicos, estado civil,antecedentes pessoais e familiares em relação à saúde, histórico sexual,obstétrico e ginecológico, renda familiar, condições de moradia e saneamentobásico. Estabelecendo um elo de confiança entre profissional e paciente, se amesma aceitar realizar acompanhamento pré-natal, durante o processo as 7
  8. 8. anotações devem ser feitas tanto no cartão da gestante quanto na ficha deevolução (BRASIL, 2006). Após a confirmação da gestação a mulher deverá ser cadastrada noSISPRENATAL na primeira consulta seja ela de enfermagem ou médicaquando receberá orientações sobre a sequência de consultas, visitasdomiciliares e palestras educativas. Nesse momento será entregue o cartão dagestante, nele constará os dados da mesma, o número do cadastro no sistemae o nome do hospital de referência para o parto e informações sobre o mesmo(BRASIL, 2006). Segundo Rezende (2006) se faz necessário à solicitação de examescomplementares na qual se destaca como os principais o hemograma, gruposanguíneo e fator Rh, glicemia, sumário de urina, reações sorológicas parasífilis (VDRL), toxoplasmose, citomegalovírus, herpes, anti-HIV, hepatite B,cultura para clamídia e gonococo e citologia cervicovaginal. Além desses o Ministério da Saúde (2006) acrescenta outros examescomo protoparasitológico geralmente solicitado na primeira consulta,colpocitologia oncótica, pois muitas mulheres só frequentam o serviço de saúdedurante o pré-natal podendo ser realizado em qualquer trimestre,bacterioscopia da secreção vaginal em torno da 30º semana gestacional namaioria dos casos realiza-se em mulheres com histórico de prematuridade,sorologia para rubéola se houver sintomas, urocultura, eletroforese dehemoglobina se suspeita de anemia falciforme e ultrassonografia obstétrica. Nas consultas posteriores deverá realizar anamnese atual precisa,verificar pressão arterial, peso, IMC (índice de massa corporal), cálculo eanotação da data provável de parto, auscultar batimentos fetais, medir alturauterina, avaliar resultados de exames laboratoriais, teste anti-HIV, movimentospercebidos pela mãe e agendamento da próxima consulta (BRASIL, 2006). Seguindo nessa mesma linha Ziegel e Granley (2000) relata sobre aimportância da atenção para o estado nutricional da gestante, pois o alimento eseus nutrientes são essenciais para a vida e o crescimento. Uma gestante deveter uma dieta equilibrada contendo todos os grupos alimentares, minerais evitaminas, pois esta dieta ajuda a manter a saúde física e contribui para umbem estar que provém de uma energia existente para suprir as necessidades 8
  9. 9. de vida ativa, pois a mulher proporciona um item indispensável para o ambienteintrauterino do concepto em desenvolvimento. O embrião ou o feto só recebeos nutrientes através da placenta, sendo assim se a mãe é subnutrida não teránutrientes adequados e pode ocorrer o retardo intrauterino. O Manual Técnico (2006) preconiza a necessidade dos municípios eestados disponibilizarem uma rede de serviços organizados para o cuidado dagestante e do recém-nascido como recursos humanos, físicos e materiaistécnicos. Devendo realizar a captação precoce da gestante na comunidade,atender as parturientes, garantir realização de exames complementares edireito á acompanhante no pré-parto, parto e pós-parto. De modo que também deve favorecer recursos humanos, físicos,materiais e técnicos necessários á atenção pré-natal, assistência ao parto e aorecém-nascido, atenção puerperal, garantia de internamento se houvernecessidade, orientar quanto ao parto normal para redução da taxa de cesáreadesnecessária e transferência da gestante ou neonato em transporte adequadoquando a vaga estiver reservada em outra unidade se necessário (BRASIL,2006). A implantação de um sistema de informação e acompanhamento doPHPN (Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento), oSISPRENATAL, foi considerada como medida fundamental, pois o mesmofiscaliza o pagamento dos incentivos financeiros e tornou-se uma ferramentacapaz de fornecer um conjunto de relatórios e indicadores planejados paramonitorar essa atenção em âmbito municipal e estadual, compartilhando paramelhorar a gestão dos serviços. Antes da implantação do PHPN, os dadosreferentes à assistência pré-natal no SUS (Sistema Único de Saúde) eramrestritos ao número absoluto de consultas, não permitindo avaliações maisdetalhadas da qualidade do cuidado pré-natal (BRASIL, 2006). Por outro lado Serruya et.al (2004) estabeleceu como estratégia, induzire auxiliar a maioria dos municípios a implementar essas ações, utilizandoalguns critérios mínimos necessários para melhorar a qualidade da assistênciacomo: realizar a primeira consulta de pré-natal até o quarto mês de gestação,garantir a realização de no mínimo seis consultas de pré-natal, sendo, uma noprimeiro, duas no segundo e três no terceiro trimestre da gestação, 9
  10. 10. complementando com uma consulta no puerperal até 42 dias após onascimento, aplicação de vacina antitetânica. No caso da grávida usuária de drogas, e principalmente de cocaínaconsiderada com uma das mais agressivas, a mulher deve ser caracterizadacomo uma gestante de alto risco, e após anamnese, histórico social,psicológico e familiar o profissional de saúde já poderá prosseguir com asconsultas especializadas de pré-natal e os encaminhamentos necessários(BRASIL, 2010). A principal barreira para se iniciar o tratamento das dependentes decocaína, é o preconceito que sofrem por parte da sociedade que é maiselevado pelo fato de estar prenha. Este é um ponto negativo que leva essasgestantes a não realizar o acompanhamento pré-natal e quando fazemgeralmente não comunicam ao profissional o seu problema com a droga(BRASIL, 2010). O SUS garante atenção integral ao dependente químico através dosCAPSad ( Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas), nesta unidade sãooferecidas atividades terapêuticas e preventivas; presta atendimento diário aosusuários dos serviços, dentro da lógica de redução de danos; gerencia oscasos, oferecendo cuidados personalizados ao usuário e sua família; atende namodalidade intensiva, semi-intensiva e não-intensiva, garante o acolhimento;oferece condições para o repouso e desintoxicação ambulatorial de usuáriosque necessitam de tais cuidados (BRASIL, 2004). Tais estratégias visam também promover saúde mediante diversasações que envolvam trabalho, cultura, lazer, esclarecimento e educação dapopulação, reinserção social dos usuários como fatores de proteção para o usoe dependência das substâncias psicoativas, buscando ao mesmo tempominimizar a influência dos riscos para tal consumo. Trabalhar a diminuição doestigma e o preconceito relativos ao uso de substâncias psicoativas medianteatividades preventivas e educativas constituem-se como formas controlar adisseminação do consumo de drogas (BRASIL, 2004).4. ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO 10
  11. 11. O enfermeiro é o profissional que gerencia e coordena todo o processode enfermagem a ser acrescido em relação á mulher e tudo que estar em voltano conjunto geral da instituição hospitalar. A paciente, suas particularidades,necessidades e recuperação integram o principal fator da assistência deenfermagem de modo que deve ser realizado com eficiência, comprometimentoprofissional de quem desenvolve visando garantir a qualidade no atendimentointegral trazendo satisfação para o individuo (BARBOSA; MELO 2008). A assistência do enfermeiro não é uma atividade mecânica, fragmentadae descontinuada devendo ter métodos que sistematizam o raciocínio e aspráticas de enfermagem, tendo um bom relacionamento interpessoal nosprincípios de respeito à vida, na dignidade humana direcionada para oexercício da cidadania e na preservação dos direitos e deveres tantoprofissional como dos pacientes assistidos (PORTO, 2009). Segundo Tannure (2009), o processo de enfermagem (PE) é um métodoutilizado para implantar na prática profissional, uma assistência sistematizadae organizada. As vantagens da Sistematização da Assistência de Enfermagem(SAE) destacam-se pela elevação da qualidade da atenção, beneficiando tantoo paciente, por meio de um atendimento individualizado, quanto o enfermeiro,por direcionar as condutas. Brunner & Suddart (2009) relata que o processo de enfermagemcaracteriza-se pelas etapas: histórico, diagnóstico, prescrição, implementaçãoe evolução que são utilizadas quando se constrói um plano de ação parasatisfazer as necessidades e obter resultados. Por outro lado Tannure (2009) afirma que o processo de enfermagem ecomposto pelas seguintes fases: investigação, diagnóstico de enfermagem,planejamento, implementação da assistência de enfermagem e avaliação deenfermagem. O histórico de enfermagem é composto pela coleta de dados para se obterinformações sobre a gestante, família e ambiente com o propósito de identificaras necessidades, tendo o cuidado de encorajar o relato de assuntos eproblemas importantes principalmente ao perceber sinais de desleixo, máhigiene, pupilas contraídas e marcas de picadas de agulhas que são sugestivosde uso de cocaína (LOWDERMILK; BOBAK 2005). 11
  12. 12. Desta forma, o autor acima informa que o enfermeiro é o primeiro a obteros dados que terão influências importantes na condução do pré-natal e naqualidade do acompanhamento da mulher. Mesmo com o comportamentotipicamente desconfiado e tímido, tal abordagem torna-se importante porquegarante as informações a respeito dos prejuízos do hábito de consumir drogasnão somente para a gestante como também para o concepto. Segundo Brunner & Suddart o histórico resulta de um agrupamento dedados como: crença, adaptações físicas e psicossociais, expectativas pessoaisdando prosseguimento a organização, analise, síntese e resumo dos dadoscoletados. O enfermeiro nessa primeira fase segundo Tannure (2009) SAE, devecoletar dados como os de estado de saúde da mulher de maneira direta quesão os afirmados pela mesma ou indireta que são obtidos através de familiaresou amigos, esses dados são classificados com objetivos são os que oprofissional consegue observar e os subjetivos os afirmados pela paciente. Emseguida devem-se validar os dados obtidos, verificar se tais dados estãocorretos comparando dados e analisando valores. Prosseguir com oagrupamento dos dados onde o enfermeiro baseia-se e m evidências,identificar os padrões e comunicar e registrar os dados. Como parte do diagnóstico de enfermagem, segundo Brunner & Suddart,(2010) é o processo de interpretação e agrupamento dos dados coletados queculmina com a tomada de decisões para oferecer um planejamentodiferenciado neste atendimento. Esta segunda etapa é quando se formula osdiagnósticos de enfermagem que se relacionam com as necessidades de cadamulher no seu contexto biológico e sócio familiar. Segundo Tannure (2009) o diagnóstico de enfermagem é quando osdados coletados na investigação são analisados e interpretadosminuciosamente, o enfermeiro deverá ter a capacidade de análise, julgamento,síntese e percepção ao interpretar os dados clínicos, o mesmo é baseado emfatos reais atuais como também os que poderão surgir como funçõesfisiológicas, comportamentais, psicossociais ou espirituais. No caso da gestante que usa algum tipo de droga ela tem seudiagnóstico variável de acordo com o seu estado geral. O enfermeiro devenestas situações esclarecer sobre a cocaína e seus efeitos, salientando que 12
  13. 13. este tipo de comportamento prejudica a si, ao feto e o recém-nascido, além deproporcionar diversos problemas comportamentais e sociais junto á sociedade.A mulher deve ser informada sobre as consequências que seu filho poderádesenvolver como a síndrome de abstinência e a dependência química,inclusive na futura vida adulta, necessitando, portanto de cuidados e tratamento(BRANDER et al., 2000). A terceira fase é o planejamento que segundo Tannure (2009) consistenas seguintes sub etapas: estabelecimento de prioridades para os problemase diagnósticos, fixação de resultados com o cliente para possível correção ouausência de problemas, registro escrito de diagnósticos de enfermagem dosresultados esperados e das prescrições de enfermagem de forma organizada. Nessa mesma linha segundo Alfaro-Lefevre (2000) essa fase é deelaboração de um plano de cuidados importante como: promover acomunicação entre os profissionais, direcionar o cuidado e a documentação,criar um registro que posteriormente poderá ser utilizado em avaliações, empesquisas e fornecer a documentação das necessidades de atendimento desaúde. Segundo Tannure (2009), o autor pontua alguns itens necessários paraos resultados esperados, ser claro e conciso, estar centrado no paciente, estarrelacionado ao titulo diagnostico, ser alcançável, conter limite de tempo e sermensurável. A implementação constitui a quarta etapa do processo de enfermagem,as prescrições são ações realizadas e documentadas pelo enfermeiro visandomonitorar o estado de saúde, minimizar riscos, resolver ou controlar umproblema, auxiliar atividades da vida diária e promover saúde. Nessasprescrições deverá conter data, ação a ser realizada e quem deve realizarcontendo a frase descritiva, devem ser completas e objetivas (ALFARO-LEFEVRE, 2000). A avaliação ou evolução é a quinta e última fase do processo deenfermagem, estar relacionada com a adequação dos recursos físicos emateriais, avaliação do processo que centraliza o foco nas atividades doenfermeiro que são observadas e julgadas, evolução baseada em mudançascomportamentais que denomina avaliação de resultados, tal avaliação consistena ação de acompanhar as respostas da paciente aos cuidados prescritos 13
  14. 14. anotados no prontuário ou formulários próprios e da observação direta e dorelato da mesma (TANNURE, 2009). A avaliação cuidadosa, deliberativa e detalhada de diversos aspectos deatenção ao individuo é um ponto fundamental para a excelência nofornecimento do atendimento de saúde. (ALFARO-LEFEVRE, 2000). De acordo com o Ministério da Saúde (2010) o cuidado com asgestantes dependentes de drogas ilícitas é muito complexo, os profissionaisdevem ter muito cuidado e considerar as características, o preconceito quesofrem pela sociedade. Terá obrigação de determinar os resultados esperados,alcançar as ações ou intervenções de enfermagem que serão realizadas faceàs respostas da pessoa, família ou coletividade humana em um momento doprocesso de saúde e doença, identificado na etapa de diagnóstico deenfermagem. Ainda nesse contexto o profissional de saúde deverá encaminhar agestante usuária de drogas para o CAPSad, onde deverá passar por umacompanhamento individual e familiar, sendo que esse tratamento poderá sepsicoterápico, medicamentoso, orientação, desintoxicação. Essa equipe éformada por 1 médico psiquiatra, 1 enfermeiro com formação em saúde mental,1 médico clinico responsável pela triagem, avaliação, acompanhamento clinicoe intercorrências, 6 profissionais de nível médio ( auxiliares, técnicos deenfermagem , técnico administrativo, artesão e técnico educacional) (BRASIL,2004).CONSIDERAÇÕES FINAIS Através da literatura revisada podemos verificar que são poucos os estudosque abordam o uso de drogas ilícitas durante o período gestacional essassubstâncias trazem sérias complicações obstétricas e neonatais. A enfermagem tem uma participação importante detectando o uso e abusode cocaína nas primeiras consultas do pré-natal assim desenvolvendo umplano de atendimento. A qualidade do pré-natal é garantida na medida em que as consultasindividuais são complementadas com as ações do enfermeiro que favorece a 14
  15. 15. gestante um conhecimento sobre as alterações ocorridas neste período deforma consciente. A partir de dados coletados nesta revisão sistemática, conclui-se que asações desenvolvidas durante o pré-natal com o envolvimento dos profissionaise principalmente do enfermeiro, têm garantido a prática da assistência atravésda SAE e suas etapas, histórico, diagnóstico, prescrição, implementação eevolução à gestante de alto risco melhorando a qualidade dos resultados. Á atenção à gestante de forma individualizada, com objetivos claros,possibilitam a mesma readquirir seu equilíbrio fisiológico, melhorar suaautoestima e desenvolver os métodos funcionais para lidar com o vício.AGRADECIMENTOSA Deus, primeiramente, por ter nos sustentado durante esses anos em meio asdificuldades;A nossa Família – pelo suporte e apoio emocional que nos sustenta;A nossa orientadora- Vera Borges pelos importantes ensinamentos tantocientífico, pessoais e espirituais;Aos Colegas e Professores do Centro Universitário Estácio/FIB – pelocompanheirismo e amizade.REFERÊNCIASAFARRO-LEFEVRE, R. Aplicação do processo de enfermagem: Promoçãodo cuidado colaborativo. 5 ed. Porto alegre: Artmed, 2005, 283pe 4 ed.Artmed 2000, 281p. 15
  16. 16. BARBOSA, Luciana Rodrigues; MELO Márcia Regina Antonietto Costa Melo.Relação entre Qualidade de Assistência de Enfermagem. Revista deEnfermagem. Ribeirão Preto 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n3/a15v61n3.pdf> Acessado em: 20/05/2012.BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamentode Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de alto risco. Brasília. Editora doMinistério da Saúde, 2010.BRASIL, Ministério da Saúde. Secretária Executiva. Departamento de AtençãoBásica. Cartilha Programa de Humanização ao Pré-Natal e Nascimento.Brasília. Editora do Ministério da Saúde, 2002.BRASIL, Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamentode Ações Programáticas Estratégias. Manual Técnico Pré-Natal e Puerpério:Atenção Qualificada e Humanizada. Brasília. Editora do Ministério da Saúde,2006.BRASIL, Ministério da Saúde. Secretária de Políticos de Saúde. Área Técnicade Saúde da Mulher. Manual de Parto, Aborto e Puerpério: AssistênciaHumanizada à Mulher. Brasília. Editora do Ministério da Saúde, 2001.BRASIL, Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamentode Atenção Básica. Saúde Mental no SUS. Brasília. Editora do Ministério daSaúde, 2004.BRUNNER & SUDDARTH; SMELTZER C. Suzanne; BARE G. Brenda.Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgico. 11 ed. Rio de Janeiro: Koogan,2009.120p.COFEN. Lei 7498: Dispões sobre a regulamentação do exercício daenfermagem. Diário Oficial da União 26/06/1986. Disponível em: <http://www.portalcofen.gov.br/sitenovo/node/4161>. Acesso em: 27 abril. 2012. 16
  17. 17. LOWDCRMILK, Dietra, Irene M. Boback. O cuidado em EnfermagemMaterna. 5 ed. Rio de Janeiro: Artmed, 2002. 205p.MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia cientifica.4 ed. São Paulo: Atlas, 1987, p.67.NEME Bussâmara. Obstetrícia Básica. 3 ed. Rio de Janeiro: Sarvier, 2005.50p.PASA, Morgana Scheffer Graciela Gema; ALMEIDA, Rosa Maria Martins.Dependência de álcool, cocaína e crack e transtornos psiquiátricos.Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n3/a16v26n3.pdf>Acessadoem: 25/10/2012.REZENDE, Jorge; MONTENEGRO, Carlos Antônio Barbosa. Obstetríciafundamental. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 689p.RODRIGUES, Edilene Matos; NASCIMENTO Rafaella Gontijo; ARAÚJOAlisson. Protocolo na assistência pré-natal ações facilidades edificuldades dos enfermeiros da estratégia de saúde da família. São Paulo,2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n5/v45n5a02.pdf>Acessado em: 25/05/2012.SADOCK, Virginia Alcott; SADOCK, Benjamin James. Compêndio dePsiquiatria- Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clinica. 9 ed. PortoAlegre: Artmed, 2009. 345p.SERRUYA, Suzanne Jacob; CECATTI José Guilherme. O Programa deHumanização no Pré-Natal e Nascimento do Ministério da Saúde noBrasil: resultados iniciais. Rio de Janeiro, 2004.Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v20n5/22.pdf Acessado em:25/06/2012. 17
  18. 18. TANNURE Meire Chucre; GONÇALES, Ana Pinheiro. SAE Sistematização daAssistência de Enfermagem. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.18p.YAMAGUCHI, Eduardo Tsuyoshi; CARDOSO Mônica Maria Siaulys; TORRESMarcelo Luís Abram; ANDRADE Arthur Guerra. Drogas de abuso e gravidez2008. Revista de Psiquiatria Clínica.Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rpc/v35s1/a10v35s1.pdf > Acessadoem: 20/05/2012.ZIEGEL, Erna; CRANLEY, Mecca. Enfermagem Obstétrica. 8 ed. Rio deJaneiro: Guanabara Koogan, 1985. 240p. 18

×