SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
HISTÓRICO DE ENFERMAGEM
PACIENTE: M. M. S.
Idade: 73 anos
Paciente do sexo feminino é admitida na área amarela da emergência do
Hospital Getúlio Vargas dia 19/02/13 com história de dispnéia e tosse produtiva
há aproximadamente 05 dias. Acompanhante relata episódio febril no dia
anterior a consulta, além de diminuição das atividades diárias e bastante
sonolência. Paciente possui histórico de tabagismo há aproximadamente 40
anos e Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), descontrolada. Inicia-se
medicação anti-hipertensiva (Adalat 20 mg diluído para SNG 12/12 hrs,).
Diagnósticada com Infecção respiratória e DPOC. É iniciado tratamento com
Hidrocortizona 100mg IV 8/8 hrs; Nebulização com 8 gts de Breotec e 15 Gotas
de Atrovent 6/6 hr, para o quadro de dispnéia e Tazocin 4,5 g em 100 ml de
Soro Fisiológico de 6/6 hrs, para a infecção respiratória, Omeprazol 40 mg IV
1/dia.
EXAME FÍSICO
M.M.S. 73 anos, E.G. Comprometido, consciente, orientada, desidratada,
hipocorada, não deambula, higiene satisfatória. Couro cabeludo integro sem
sujidade, pupilas isocóricas, fotorreagentes; pavilhão auditivo integro sem
sujidade; cavidade nasal permeável ao fluxo aéreo, instalada SNG para
gavagem, com dieta hipossódica 300 ml de 3/3 hrs. Dispneica e taquipneica,
com suporte de O2 em máscara de Venturi a 50%. Cavidade oral: lábios
hidratados, língua higienizada, arcada dentária incompleta; região cervical com
mobilidade mantida, glândula tireóidea não palpável e não visível;
expansibilidade torácica mantida; M.V. (+) com sibilos, Ausculta cardiovascular:
Bulhas Cardíacas Normofonéticas (BCNF) em 2T s/s. Abdome plano, flácido e
indolor a palpação, Ruídos Hidroaéreos (+). AVP em MSE, pérvio e hidrolisado.
MMSS e MMII sem alterações, livre de edemas. Genitália higienizada e sem
alterações. Diurese (+) Por SVD. Evacuações (+) em fralda. Conciliando sono.
PA: 160 x 110, FC: 110 Bpm ; FR: 30 irm
EVOLUÇÃO DE ENFERMAGEM
Data: 12/03/13 Horário: 10:00 hr
Paciente evolui em E.G. Comprometido, consciente, orientada, hipocorada,
agitada durante os procedimentos, não deambula, higiene satisfatória (banho
no leito). Hidrocortizona 100mg IV 8/8 hrs; Nebulização com 8 gts de Breotec e
15 Gotas de Atrovent 6/6 hr, Adalat 20 mg diluído para SNG 12/12 hrs, Soro
Fisiológico 500 ml e 2 ampolas de KCL a 19,1% (30 ml/hr), Tazocin 4,5 g em
100 ml de Soro Fisiológico de 6/6 hrs, Omeprazol 40 mg IV 1/dia, Liquemine
0,25 ml SC. Ao Exame: cabeça: couro cabeludo integro sem sujidade, pupilas
isocóricas, fotorreagentes; pavilhão auditivo integro sem sujidade; cavidade
nasal permeável ao fluxo aéreo, instalada SNG para gavagem, com dieta
hipossódica constipante 300 ml de 3/3 hrs. Dispneica com suporte de O2 em
máscara de Venturi a 50%. Cavidade oral: lábios hidratados, língua
higienizada, arcada dentária incompleta; região cervical com mobilidade
mantida, glândula tireóidea não palpável e não visível; expansibilidade torácica
mantida; M.V. (+) com roncos difusos, genitália higienizada, sem alterações;
MMSS e MMII, sem presença de edemas. Diurese (+) por SVD e Evacuações
em fraldão. Queixa-se de falta de ar. Exames diagnósticos
SSVV: PA: 140x90, FC 96 btm/m, FR:24 IRP/M
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
Déficit na oxigenação e/ou na eliminação de CO2 relacionado a agitação
e dispneia durante os procedimentos (ex: banho no leito);
Intolerância á atividade decorrente da fadiga, hipoxemia e padrão
respiratório ineficaz;
Comprometimento da troca gasosa relacionada com a desigualdade da
ventilação-perfusão;
Padrão respiratório ineficaz relacionado com alterações na profundidade
respiratória e dispneia;
Déficits de autocuidados relacionados com a fadiga secundária ao
aumento do esforço respiratório e á ventilação e oxigenação insuficiente.
Risco de solidão relacionado à privação afetiva;
Risco de Perfusão tissular ineficaz relacionado a hipóxia
PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM
O objetivo do cuidado de enfermagem para pacientes com DPOC está focado
na melhora do padrão respiratório procurando minimizar e evitar sequelas aos
demais órgãos que possam causar maiores interferências na vida do paciente
possível. Entre as ações estão:
Estabelecer uma comunicação efetiva de confiança com a paciente;
Orientar, incentivar e programar as mudanças necessárias no estilo de
vida da paciente (alimentação, parar de fumar, entre outros);
Incentivar adesão ao regime terapêutico e acompanhamento médico
periódico, enfatizando a importância do uso correto das drogas de
escolha para controle das patologias;
Estimular o contato com familiares sempre que possível procurando
fortalecer os vínculos afetivos e minimizar dúvidas em relação ao quadro
clínico do paciente, incentivando a família a fazer parte do regime
terapêutico para maior obtenção dos resultados esperados;
Manter decúbito elevado e paciente em posição de fowler e semi Fowler
principalmente no momento de realização de procedimentos;
Procurar realizar o banho no leito em curto período de tempo, com o
mínimo de esforço possível pela paciente, sempre se utilizando de
decúbitos que proporcionem melhor expansão torácica;
Estimular cliente a coordenar a respiração diafragmática
desempenhando inspiração e expiração profundas e mais lentas,
Avaliar com o fisioterapeuta a necessidade de um programa de
reabilitação pulmonar para determinar os exercícios respiratórios
específicos adequados ao paciente;
Administrar o oxigênio pelo método prescrito;
Iniciar oximetria de pulso e realizar gasometria arterial para monitorar a
saturação de oxigênio.
Ensinar o paciente a coordenar a respiração diafragmática com a
atividade sobre o cuidado com base no nível de tolerância.
Monitorar o estado respiratório, incluindo a frequência e o padrão das
respirações, sons respiratórios e sinais e sintomas de angústia
respiratória aguda.
Avaliar a eficácia do tratamento; observar se há sinais de hipoxemia.
Notificar o médico se ocorrer inquietação, ansiedade, sonolência
extrema, cianose ou taquicardia.
PROGNÓSTICO
Embora a sobrevida média de um paciente diagnosticado com DPOC é cerca
de 4 anos espera-se:
Adesão ao regime terapêutico
Suspensão de fumo
Melhora no padrão respiratório
Adesão ao programa de autocuidado com um estilo de vida mais
saudável;
Melhora nos relacionamento afetivo familiar;
Estacionamento do quadro clínico sem agravos.
CONCLUSÃO
A paciente M.M.S. foi a óbito no HGV, devidos aos agravos da doença no dia
no dia 19/03/2013 ás 24:00. O fato da DPOC ser uma doença comum, mas
pouco conhecida e divulgada fez com que este estudo de caso fosse bastante
enriquecedor para mim enquanto acadêmica, provando cada vez mais que a
chave para a resolução da maioria dos problemas de saúde da população
encontra-se atenção básica, focado na educação em saúde procurando através
da promoção e prevenção de doenças a aquisição hábitos saudáveis,
melhorando assim a qualidade de vida da população.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Ravenny Caminha
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER Karen Lira
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'joselene beatriz
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
LAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
LAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de CasoLAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
LAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de CasoEnfº Ícaro Araújo
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemAroldo Gavioli
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importânciaCélia Costa
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 

Mais procurados (20)

Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
LAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
LAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de CasoLAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
LAPAROTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Clínica Médica l
Clínica Médica lClínica Médica l
Clínica Médica l
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 

Semelhante a Assistência de Enfermagem para Paciente com DPOC

Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.Andréa Ribeiro
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemLuciane Santana
 
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...adrianomedico
 
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaCuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaAndréa Dantas
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteSarinha Sousa
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Huggalegoo
 
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)blogped1
 
Projeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemProjeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemMARCIO LOPES
 
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptxTreinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptxFernandoSakataBeliza
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaRenato Bach
 
Tratamento
TratamentoTratamento
TratamentoRannny
 
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADECASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADEuniaoquimica
 

Semelhante a Assistência de Enfermagem para Paciente com DPOC (20)

Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
Assistência de enfermagem a portadores de doenças endócrinas.
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
Practice Corner pt.pdf
Practice Corner pt.pdfPractice Corner pt.pdf
Practice Corner pt.pdf
 
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
 
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaCuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
 
Sessão de artigo
Sessão de artigoSessão de artigo
Sessão de artigo
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
Sessão Anátomo - Clínica (Maio - 2014)
 
CHECK LIST EM UTI
CHECK LIST EM UTICHECK LIST EM UTI
CHECK LIST EM UTI
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Adesão antirretroviral
Adesão antirretroviralAdesão antirretroviral
Adesão antirretroviral
 
Adesão antirretroviral HAAT
Adesão antirretroviral HAATAdesão antirretroviral HAAT
Adesão antirretroviral HAAT
 
Projeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemProjeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bem
 
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptxTreinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
 
Hipotermia Terapêutica
Hipotermia TerapêuticaHipotermia Terapêutica
Hipotermia Terapêutica
 
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTricaCuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
Cuidados Intensivos Em Terapia Intensiva PediáTrica
 
Tratamento
TratamentoTratamento
Tratamento
 
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADECASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
 

Assistência de Enfermagem para Paciente com DPOC

  • 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM HISTÓRICO DE ENFERMAGEM PACIENTE: M. M. S. Idade: 73 anos Paciente do sexo feminino é admitida na área amarela da emergência do Hospital Getúlio Vargas dia 19/02/13 com história de dispnéia e tosse produtiva há aproximadamente 05 dias. Acompanhante relata episódio febril no dia anterior a consulta, além de diminuição das atividades diárias e bastante sonolência. Paciente possui histórico de tabagismo há aproximadamente 40 anos e Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), descontrolada. Inicia-se medicação anti-hipertensiva (Adalat 20 mg diluído para SNG 12/12 hrs,). Diagnósticada com Infecção respiratória e DPOC. É iniciado tratamento com Hidrocortizona 100mg IV 8/8 hrs; Nebulização com 8 gts de Breotec e 15 Gotas de Atrovent 6/6 hr, para o quadro de dispnéia e Tazocin 4,5 g em 100 ml de Soro Fisiológico de 6/6 hrs, para a infecção respiratória, Omeprazol 40 mg IV 1/dia. EXAME FÍSICO M.M.S. 73 anos, E.G. Comprometido, consciente, orientada, desidratada, hipocorada, não deambula, higiene satisfatória. Couro cabeludo integro sem sujidade, pupilas isocóricas, fotorreagentes; pavilhão auditivo integro sem sujidade; cavidade nasal permeável ao fluxo aéreo, instalada SNG para gavagem, com dieta hipossódica 300 ml de 3/3 hrs. Dispneica e taquipneica, com suporte de O2 em máscara de Venturi a 50%. Cavidade oral: lábios hidratados, língua higienizada, arcada dentária incompleta; região cervical com mobilidade mantida, glândula tireóidea não palpável e não visível; expansibilidade torácica mantida; M.V. (+) com sibilos, Ausculta cardiovascular: Bulhas Cardíacas Normofonéticas (BCNF) em 2T s/s. Abdome plano, flácido e indolor a palpação, Ruídos Hidroaéreos (+). AVP em MSE, pérvio e hidrolisado. MMSS e MMII sem alterações, livre de edemas. Genitália higienizada e sem
  • 2. alterações. Diurese (+) Por SVD. Evacuações (+) em fralda. Conciliando sono. PA: 160 x 110, FC: 110 Bpm ; FR: 30 irm EVOLUÇÃO DE ENFERMAGEM Data: 12/03/13 Horário: 10:00 hr Paciente evolui em E.G. Comprometido, consciente, orientada, hipocorada, agitada durante os procedimentos, não deambula, higiene satisfatória (banho no leito). Hidrocortizona 100mg IV 8/8 hrs; Nebulização com 8 gts de Breotec e 15 Gotas de Atrovent 6/6 hr, Adalat 20 mg diluído para SNG 12/12 hrs, Soro Fisiológico 500 ml e 2 ampolas de KCL a 19,1% (30 ml/hr), Tazocin 4,5 g em 100 ml de Soro Fisiológico de 6/6 hrs, Omeprazol 40 mg IV 1/dia, Liquemine 0,25 ml SC. Ao Exame: cabeça: couro cabeludo integro sem sujidade, pupilas isocóricas, fotorreagentes; pavilhão auditivo integro sem sujidade; cavidade nasal permeável ao fluxo aéreo, instalada SNG para gavagem, com dieta hipossódica constipante 300 ml de 3/3 hrs. Dispneica com suporte de O2 em máscara de Venturi a 50%. Cavidade oral: lábios hidratados, língua higienizada, arcada dentária incompleta; região cervical com mobilidade mantida, glândula tireóidea não palpável e não visível; expansibilidade torácica mantida; M.V. (+) com roncos difusos, genitália higienizada, sem alterações; MMSS e MMII, sem presença de edemas. Diurese (+) por SVD e Evacuações em fraldão. Queixa-se de falta de ar. Exames diagnósticos SSVV: PA: 140x90, FC 96 btm/m, FR:24 IRP/M DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM Déficit na oxigenação e/ou na eliminação de CO2 relacionado a agitação e dispneia durante os procedimentos (ex: banho no leito); Intolerância á atividade decorrente da fadiga, hipoxemia e padrão respiratório ineficaz; Comprometimento da troca gasosa relacionada com a desigualdade da ventilação-perfusão;
  • 3. Padrão respiratório ineficaz relacionado com alterações na profundidade respiratória e dispneia; Déficits de autocuidados relacionados com a fadiga secundária ao aumento do esforço respiratório e á ventilação e oxigenação insuficiente. Risco de solidão relacionado à privação afetiva; Risco de Perfusão tissular ineficaz relacionado a hipóxia PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM O objetivo do cuidado de enfermagem para pacientes com DPOC está focado na melhora do padrão respiratório procurando minimizar e evitar sequelas aos demais órgãos que possam causar maiores interferências na vida do paciente possível. Entre as ações estão: Estabelecer uma comunicação efetiva de confiança com a paciente; Orientar, incentivar e programar as mudanças necessárias no estilo de vida da paciente (alimentação, parar de fumar, entre outros); Incentivar adesão ao regime terapêutico e acompanhamento médico periódico, enfatizando a importância do uso correto das drogas de escolha para controle das patologias; Estimular o contato com familiares sempre que possível procurando fortalecer os vínculos afetivos e minimizar dúvidas em relação ao quadro clínico do paciente, incentivando a família a fazer parte do regime terapêutico para maior obtenção dos resultados esperados; Manter decúbito elevado e paciente em posição de fowler e semi Fowler principalmente no momento de realização de procedimentos; Procurar realizar o banho no leito em curto período de tempo, com o mínimo de esforço possível pela paciente, sempre se utilizando de decúbitos que proporcionem melhor expansão torácica; Estimular cliente a coordenar a respiração diafragmática desempenhando inspiração e expiração profundas e mais lentas, Avaliar com o fisioterapeuta a necessidade de um programa de reabilitação pulmonar para determinar os exercícios respiratórios específicos adequados ao paciente;
  • 4. Administrar o oxigênio pelo método prescrito; Iniciar oximetria de pulso e realizar gasometria arterial para monitorar a saturação de oxigênio. Ensinar o paciente a coordenar a respiração diafragmática com a atividade sobre o cuidado com base no nível de tolerância. Monitorar o estado respiratório, incluindo a frequência e o padrão das respirações, sons respiratórios e sinais e sintomas de angústia respiratória aguda. Avaliar a eficácia do tratamento; observar se há sinais de hipoxemia. Notificar o médico se ocorrer inquietação, ansiedade, sonolência extrema, cianose ou taquicardia. PROGNÓSTICO Embora a sobrevida média de um paciente diagnosticado com DPOC é cerca de 4 anos espera-se: Adesão ao regime terapêutico Suspensão de fumo Melhora no padrão respiratório Adesão ao programa de autocuidado com um estilo de vida mais saudável; Melhora nos relacionamento afetivo familiar; Estacionamento do quadro clínico sem agravos. CONCLUSÃO A paciente M.M.S. foi a óbito no HGV, devidos aos agravos da doença no dia no dia 19/03/2013 ás 24:00. O fato da DPOC ser uma doença comum, mas pouco conhecida e divulgada fez com que este estudo de caso fosse bastante enriquecedor para mim enquanto acadêmica, provando cada vez mais que a chave para a resolução da maioria dos problemas de saúde da população encontra-se atenção básica, focado na educação em saúde procurando através
  • 5. da promoção e prevenção de doenças a aquisição hábitos saudáveis, melhorando assim a qualidade de vida da população.