SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
490
Primeiros 1.000 dias de vida
REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94
mais rápido crescimento e processos fundamentais para o
correto desenvolvimento que ocorrem nesses momentos. Para
que a criança consiga atingir o pleno potencial, o ambiente
em que ela vive tem que ser o mais saudável e estimulante
possível”, explica Alicia Matijasevich, médica especialista em
Pediatria e Neonatologia, mestre e doutora em Epidemiologia;
professora associada do Departamento de Medicina Preven-
tiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Pau-
lo (USP); membro do Comitê Científico do Núcleo de Ciência
pela Infância (NCPI e professora colaboradora do programa de
pós-graduação em epidemiologia da UFPel).
Problemas no desenvolvimento cognitivo, físico e so-
cial são mais frequentes em crianças de países de baixa
e média renda, fundamentalmente por elas estarem mais
sujeitas a problemas perinatais e por conviver, com maior
frequência, em ambientes familiares desfavoráveis, onde
a estimulação e o suporte social são muitas vezes inade-
quados. “No Brasil, embora não existam dados represen-
tativos do país, pesquisas de base populacional desenvol-
vidas com dados das Coortes de Nascimento de Pelotas
evidenciam que o percentual de crianças com atraso no
desenvolvimento neuropsicomotor é elevado, fundamen-
talmente entre aquelas de maior risco. Sexo masculino,
cor da pele negra e baixa escolaridade materna, assim
como baixo nível econômico da família e pobre estimula-
ção da criança apresentaram forte associação com atra-
sos no desenvolvimento cognitivo, físico e social”, reforça
Alicia Matijasevich.
Importância do aleitamento materno
A nutricionista, mestre e doutora em Ciências dos Ali-
mentos e livre-docente em Nutrição em Saúde Pública, e
Por Mariana Pantano
Os primeiros 1.000 dias de vida compreendem desde o
momento da concepção do indivíduo até os dois anos de
idade da criança. São 270 dias da gestação, mais 365 dias do
primeiro ano de vida somados aos 365 dias do segundo ano.
De acordo com a mestre, doutora e pós-doutora em
Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia da Univer-
sidade de São Paulo (USP), Jenny Abanto - que também é
responsável pela área de Saúde Bucal do Projeto de Saúde
e Nutrição Materno Infantil (Mina) dentro dos primeiros
1.000 dias de vida da Faculdade de Saúde Pública da USP,
professora dos cursos clínicos de Odontologia para Bebês
na Fundecto conveniada à Fousp e à APCD-IESP, - os pri-
meiros 1.000 dias de vida são cruciais para o crescimento
e desenvolvimento infantil, pois trata-se de um período de
‘janela de oportunidades’, no qual é possível adotar hábitos
e atitudes que irão influenciar o futuro do bebê. “Assim,
a epigenética corrobora que os efeitos do ambiente tais
como alimentação, estresse, atividade física, exposição ao
fumo e álcool, entre outros hábitos e atitudes, neste pe-
ríodo, irão causar um impacto nos indicadores de saúde e
doença em curto e longo prazo. Por tanto, nestes primeiros
1.000 dias de vida é possível determinar um futuro de vida
saudável para todos os indivíduos, e a transdisciplinaridade
baseada na prevenção é o caminho para atingir esse alvo.”
A monitorização do desenvolvimento das crianças é fun-
damental para identificar aquelas em alto risco e garantir
atendimento e suporte adequados. Na vida intrauterina e nos
primeiros anos de vida, o contexto ambiental onde a criança
está inserida tem grande influência no seu desenvolvimento
neuropsicomotor. “Nesse período, o cérebro apresenta o seu
PRIMEIROS 1.000 DIAS DE VIDA
Período é crucial para crescimento e desenvolvimento infantil, pois trata-se de
uma ‘janela de oportunidades’, na qual é possível adotar hábitos e atitudes que
irão influenciar o futuro do indivíduo
491
Matéria de capa
REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94
seis meses de vida (sem oferta de água, chás ou qualquer
outro líquido). Após os seis meses de vida, a alimentação
complementar deve ser introduzida de maneira oportuna e
adequada de acordo com as diretrizes da OMS, mantendo-
-se o aleitamento materno até pelo menos 2 anos de idade
da criança. Um grande número de compostos bioativos do
leite humano pode induzir alterações na metilação do DNA
e é possível que, sem a exposição a esses fatores, bebês ali-
mentados com fórmulas infantis possam apresentar dife-
renças na regulação de processos epigenéticos (transcrição
de genes e/ou na síntese proteica), contribuindo para um
pior perfil de saúde em longo prazo. Compostos bioativos
presentes no leite materno podem também influenciar a
composição da microbiota intestinal na infância, exercen-
do papel mediador na relação entre alimentação comple-
mentar e risco para ganho de peso excessivo, distúrbios
do metabolismo ósseo e para doenças cardiovasculares na
adolescência e vida adulta”, destaca Marly Cardoso.
Com relação aos agravos em saúde bucal, há evidência
consistente sobre a relação entre a quantidade de açúcar
consumida e o desenvolvimento de cárie. “Por exemplo,
sabe-se que a introdução muito precoce (antes do primei-
ro ano de vida) de alimentos e bebida doces está associada
à cárie precoce e severa na idade pré-escolar. Mas essa
relação não é somente limitada a essa fase da vida já que
evidências também indicam que o alto consumo de açú-
car na infância aumenta o risco de desenvolver de novas
lesões de cárie ao longo do ciclo da vida, independente-
mente do uso de fluoretos. Essa trajetória da doença cárie
professora titular do Departamento de Nutrição da Facul-
dade de Saúde Pública da USP, Marly Cardoso, coordena-
dora do Projeto Mina - Saúde e Nutrição Materno-Infantil
no Acre: coorte de nascimentos em Cruzeiro do Sul (Pro-
grama Ciência sem Fronteiras CNPq 2015-2017; Auxílio
Temático Fapesp 2017-2022 – processo 2016/00270-6) -,
destaca que embora mecanismos subjacentes não sejam
ainda totalmente esclarecidos, especula-se que exposições
adversas tanto na vida intrauterina como no início da vida
pós-natal possam afetar a saúde tanto da mãe como do
bebê ao longo do ciclo da vida e também para gerações
futuras por meio de alterações epigenéticas. “Isso poderia
explicar potenciais mecanismos por meio de modificações
de expressões gênicas e fenotípicas que incluem metilação
de DNA. O período de desenvolvimento infantil é parti-
cularmente sensível a alterações epigenéticas induzidas
por exposições adversas na gravidez como, por exemplo,
o tabagismo.”
Marly Cardoso ressalta que “a coexistência de defi-
ciências e excessos nutricionais tem sido descrita como
‘carga dupla de má-nutrição’, considerada o desafio atual
da agenda de saúde pública global. Gestantes e crianças
menores de 2 anos de idade estão entre os grupos popu-
lacionais de maior risco para deficiência de micronutrien-
tes que afetam também o desenvolvimento e metabolismo
de ossos e dentes. Mulheres grávidas necessitam de mais
vitaminas e minerais para manter e melhorar a imunida-
de, concentração sanguínea de hemoglobina e assegurar o
desenvolvimento fetal adequado. Em 2012, a OMS (Orga-
nização Mundial da Saúde) destacou a origem da defici-
ência de múltiplos micronutrientes na gravidez e na infân-
cia relacionada a acesso, práticas e consumo alimentares
inadequados e à frequência e gravidade de infecções. A
alimentação materna com predomínio de alimentos ultra-
processados (refrigerantes, embutidos, salgadinhos, bis-
coitos, guloseimas, entre outros) apresenta alta densidade
energética, aditivos químicos, alto teor de gordura, sódio
e açúcar com baixa concentração de micronutrientes. Por
sua vez, a dieta com predomínio de alimentos minima-
mente processados como frutas e hortaliças frescas, casta-
nhas, cereais, feijões e preparações caseiras, por exemplo,
oferece maior concentração e biodisponibilidade de mi-
cronutrientes e compostos bioativos naturalmente presen-
tes nesses alimentos.”
Para o bebê, o leite materno é o melhor alimento, ofe-
recendo também benefícios à saúde materna (controle de
peso após o parto e proteção para câncer de mama). “O
leite materno deve ser oferecido exclusivamente até os
Jenny Abanto
492
Primeiros 1.000 dias de vida
REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94
pode ser explicada se considerarmos que existem fortes
correlações entre preferências alimentares estabelecidas
durante a primeira infância e preferências na infância
tardia, adolescência e idade adulta jovem”, salienta Jenny
Abanto.
Alguns sabores experimentados pelo bebê na com-
posição do líquido amniótico e no leite materno podem
influenciar as escolhas da criança por determinados ali-
mentos quando ocorrer a alimentação complementar.
“O leite materno pode influenciar as preferências ali-
mentares do bebê já que o sabor muda de mamada para
mamada, e varia de acordo com a dieta da mãe. É por
este motivo que esse período de primeiros 1.000 dias
contribuirá para moldar preferências alimentares futu-
ras sendo importante ressaltar que hábitos alimentares
são fatores de risco comuns para diferentes agravos de
saúde bucal e saúde geral. Além disso, o aleitamento
materno, exclusivo e até os dois anos, não só pode in-
fluenciar preferências alimentares, mas também otimiza
o desenvolvimento harmônico da musculatura orofacial,
do sistema estomatognático e da saúde geral. À luz do
conhecimento atual, há evidências consistentes sobre os
benefícios do aleitamento materno para a saúde e capi-
tal humano que se sobrepõem a possível risco de cárie a
partir de resultados de estudos sujeitos a confundimento
residual”, reforça Jenny Abanto.
A professora coordenadora dos cursos internacionais
de imersão e especialização em Odontopediatria com
Ênfase em Bebês da APCD-IESP complementa que “mo-
tivos atualmente não faltam para tornar transdisciplinar
a nossa orientação de hábitos de dieta, visto que as me-
lhores evidências hoje indicam que o consumo de açúcar
não é somente uma das maiores causas de doenças não
transmissíveis tais como a cárie dentária, mas também
de obesidade e diabetes tanto em crianças quanto em
adultos. Atualmente, combater o fator risco comum é a
melhor estratégia. Por esse motivo, diversas entidades
de saúde pública não recomendam o consumo de açúcar
antes dos 2 anos de idade, pois o período de primeiros
1.000 dias é um período muito sensível em que ocorre a
programação metabólica e a origem desenvolvimentista
da saúde e da doença (DOHad) que determinará todo o
ciclo de vida.”
Também, a desnutrição e a falta de micronutrientes,
como determinadas vitaminas e ferro durante os perío-
dos pré, peri e pós-natal dentro dos primeiros 1.000 dias
podem ter um impacto negativo sobre o desenvolvimen-
to do esmalte decíduo, tamanho e qualidade dos dentes,
uma vez que o início da mineralização do esmalte dos
dentes decíduos começa aproximadamente entre a 13ª
e 19ª semana do período de vida intrauterino (VIU) e se
completa durante o primeiro ano de vida pós-natal. Por
sua vez, esses defeitos de desenvolvimento do esmalte
dentário (DDE) podem afetar o risco de cárie na dentição
decídua. “Sendo assim, a saúde integral da gestante é de
extrema relevância, não somente porque alguns micro-
nutrientes da dieta materna desde a gestação podem se
associar a DDE e cárie dentária, mas também porque a
doença periodontal durante a gestação aumenta o risco
para complicações obstétricas para o bebê. Desta forma,
é evidente que a saúde bucal do bebê começa no ventre
da sua mãe apontando a necessidade de um pré-natal
odontológico transdisciplinar. Na área de saúde bucal
ainda há uma escassez de estudos dentro dos primeiros
1.000 dias de vida. Atualmente, estamos finalizando a
coleta de dados do Estudo MINA-Brasil, em que a nossa
hipótese central de investigação é que exposições rela-
cionadas à práticas alimentares e condições nutricionais
materno-infantis nos primeiros mil dias de vida estão
associadas ao risco para cárie dentária, desgaste den-
tário erosivo, maloclusões e DDE na dentição decídua”,
esclarece Jenny Abanto.
A consultora internacional em amamentação (IBCLE)
e fonoaudióloga Gabriela Buccini - que tem aprimora-
mento profissional em Pesquisa em Saúde Coletiva pelo
Instituto de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de
São Paulo (2006-2008) e aperfeiçoamento profissional
José Eduardo Pelizon Pelino
José Eduardo Pelizon Pelino
José Eduardo Pelizon Pelino
Alicia Matijasevich
493
Matéria de capa
REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94
em Aleitamento Materno, especialista em Saúde Coleti-
va e em Gestão Pública; mestre e doutora em Nutrição
em Saúde Pública, e pós-doutoranda em Implementação
de Políticas Públicas e Programas de Amamentação e
Saúde materno-infantil na Yale School of Public Health
(EUA), explica que durante os primeiros 1.000 dias uma
alimentação regular e responsiva inclui o início precoce
da amamentação, amamentação exclusiva nos primeiros
seis meses de vida e amamentação continuada durante os
primeiros 2 anos de vida ou mais. “A amamentação nesse
período é primordial para otimizar dentre outros aspectos
o desenvolvimento da musculatura orofacial e do sistema
estomatognático, responsável pela execução das funções
orais de sucção, respiração, mastigação, deglutição e fo-
noarticulação. Essas funções estão intimamente relacio-
nadas ao processo de nutrição, crescimento, comunicação
e formação dentária do indivíduo.”
Funções orais (sucção, deglutição, respiração
e fala)
Didaticamente, Gabriela afirma que a sucção é um ato
reflexo no recém-nascido que nasce termo, enquanto o
processo de mamar no peito constitui-se de um movimen-
to muscular e mandibular mais complexo do que a sucção
que é aprendido pelo recém-nascido denominado de or-
denha das mamas. “Durante a ordenha das mamas, toda
musculatura da língua do recém-nascido trabalha ativa-
mente”, destaca. A fonoaudióloga conta ainda que “du-
rante a ordenha das mamas, a ponta da língua permanece
anteriorizada, o dorso para baixo e durante o processo de
receptação do leite suas bordas encontram-se elevadas,
fazendo uma “concha” ao redor do mamilo (canolamen-
to) para receber o leite. A mandíbula realiza movimentos
de elevação/abaixamento e ântero-posteriores que geram
impulsos neurais e obtém como resposta o crescimento
póstero-anterior mandibular, proporcionando um cresci-
mento orofacial harmônico”. Dessa forma, o aprendizado
de mamar no peito é um dos fatores fundamentais para
normalização do “retrognatismo natural” (diferença de 5 a
12mm da mandíbula em relação à maxila) proporcionando
um adequado desenvolvimento do sistema estomatogná-
tico e harmonia facial do recém-nascido, conclui. Sobre
a mastigação e deglutição, Gabriela conta que durante o
processo da amamentação a língua faz movimentos pe-
ristálticos desde a ponta para trás, coordenando os movi-
mentos corretamente, tonificando seus músculos em toda
a sua extensão e preparando-a para posicionar-se corre-
tamente durante a deglutição. Segundo a fonoaudióloga,
“esse exercício realizado durante a amamentação irá fa-
vorecer a função mastigatória, uma vez que os mesmos
músculos ativados nesse processo serão os responsáveis
por morder e triturar os alimentos”. E acrescenta que evi-
dências científicas apontam que quanto maior a duração
da amamentação no peito, melhor a qualidade da função
mastigatória na idade pré-escolar (3-5anos). Na mastiga-
ção correta os movimentos devem ser bilaterais, alterna-
dos e rotatórios, sendo que a criança deverá permanecer
com os lábios ocluídos durante todo processo. Sobre a
função de respiração, Gabriela nos explica que o padrão
respiratório (nasal ou bucal) sofre influência direta do
histórico de aleitamento materno. Crianças não amamen-
tadas tem um risco aumentado de desenvolver respiração
bucal. Crianças respiradoras bucais apresentam adap-
tações patológicas das características posturais e mor-
fológicas do sistema estomatognático (ou seja, posição
habitual de lábios entreaberta, língua no assoalho oral,
hiperfunção do músculo mentual durante a oclusão dos
lábios, mordida alterada, lábio inferior com eversão, assi-
metria de bochechas e palato duro alterado) e consequen-
temente no desempenho de suas funções orais. Sobre o
desenvolvimento da articulação dos sons da fala, Gabriela
enfatiza “a importância da amamentação na promoção do
equilíbrio no desenvolvimento de toda musculatura facial
e da cavidade oral do recém-nascido, o que durante seus
1.000 dias facilitará a correta articulação dos sons da fala
no período de aquisição da linguagem oral”.
O desenvolvimento das funções orais está intimamen-
Marly Augusto Cardoso
494
Primeiros 1.000 dias de vida
REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94
te interrelacionado entre si, e é um continuum durante
os primeiros 1.000 dias da criança com benefícios se es-
tendendo em qualidade de vida longitudinalmente até a
vida adulta. “Desequilíbrios no desenvolvimento de uma
das funções orais ainda nessa fase inicial da vida de uma
criança devem ser aconselhados precocemente para opor-
tunizar o ótimo desenvolvimento global da criança”, re-
força a fonoaudióloga.
Impactos fonoaudiológicos do uso de chupetas
e mamadeiras
O uso de chupetas e mamadeiras em crianças amamen-
tadas é desaconselhado pelo Ministério da Saúde no Brasil
e pela Sociedade Brasileira de Pediatria.
De acordo com Gabriela Buccini, os impactos fono-
audiológicos do uso de chupetas e mamadeiras vão des-
de sua influência no estabelecimento da amamentação
e consequentemente sua influência no desequilíbrio do
desenvolvimento das funções orais. O uso dos bicos ar-
tificiais altera a tonicidade, a força e a funcionalidade
do sistema estomatognático. O bico da chupeta ou ma-
madeira (sempre igual) não se modifica e não atende ás
singularidades anatômicas da boca de cada bebê, além de
não atender às mudanças geradas de acordo com o cres-
cimento orofacial.
As evidências sobre a influência do uso de chupeta
e mamadeiras na menor duração da amamentação são
consistentes, interferindo tanto no estabelecimento da
amamentação, potencializando dificuldades iniciais para
o estabelecimento bem como na duração total da ama-
mentação exclusiva ou continuada; privando a criança
dos benefícios proporcionados por esse ato. “Enquan-
to que a sucção não–nutritiva (chupeta) pode levar o
bebê à saciedade neural de sucção, cansaço muscular e
não saciedade, pode também modificar a configuração
oral para realização dessa atividade. A sucção nutritiva
(mamadeira) com a força da gravidade e escoamento do
leite fácil, com grande fluxo de leite (que pode piorar
com o aumento do furo desta) tem grande influência no
controle da deglutição além de favorecer a introdução
precoce da chupeta. Ambos tipos de sucção podem levar
a “confusão de bicos” - dificuldade/inabilidade em rea-
lizar a ordenha no peito após a exposição a diferentes
formatos de bicos artificiais. É importante ressaltar que
não existem evidências de vantagens no uso de bicos
com formatos anatômicos, fisiológicos ou ortodônti-
cos tanto para o sistema estomatognático quanto para
o aprendizado ou manutenção da amamentação. Além
disso, o uso de chupeta está associado a prejuízos no
desempenho das funções orais como, por exemplo, al-
terações na deglutição, função mastigação, respiração
bucal, bem como agravamento de má-oclusão e risco
aumentado de desenvolvimento de otite média aguda.
O uso de chupeta altera a cavidade oral, limitando o
balbucio, a imitação dos sons e a emissão das palavras,
levando à vocalização distorcida. O tempo e a intensida-
de de uso de chupeta podem influenciar negativamente
a aquisição, a produção dos sons e o desenvolvimento
da linguagem oral. Seu uso prolongado pode, inclusive,
afetar o nível de inteligência da criança, uma vez que
essa criança cresce num ambiente menos estimulante já
que a criança passa a ficar mais quieta, ‘calma’, sem so-
licitar o adulto ou comunicar suas necessidades. Outra
questão relacionada ao uso prolongado é associação a
vícios orais na vida adulta, como o uso do cigarro e a
obesidade”, alerta Gabriela.
Mamadeiras e chupetas são utensílios amplamente
utilizados. Famílias justificam a introdução de chupe-
tas e mamadeiras para ajudar a acalmar o bebê quando
ele está nervoso ou ansioso. “Dessa forma, é importan-
te que mães, pais e familiares sejam aconselhados sobre
os prós e contras do uso dos bicos artificiais à luz das
evidências cientificas disponíveis para que possam fazer
sua escolha de maneira empoderada e possam encontrar
equilíbrio entre as várias possibilidades em acalmar e
alimentar a criança durante seus primeiros 1.000 dias”,
finaliza a fonoaudióloga.
José Eduardo Pelizon Pelino
José Eduardo Pelizon Pelino
Gabriela dos Santos Buccini

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...
DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...
DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...
Biblioteca Virtual
 
Efeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento Infantil
Efeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento InfantilEfeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento Infantil
Efeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento Infantil
Biblioteca Virtual
 
ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015
ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015
ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Requisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolarRequisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolar
Sara Bagagem
 
189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos
189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos
189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos
Augusto Cesar
 
Dez passos para_familia
Dez passos para_familiaDez passos para_familia
Dez passos para_familia
saudefieb
 
Aleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em PrematurosAleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em Prematuros
Biblioteca Virtual
 
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dr. Benevenuto
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
ETWZA
 

Mais procurados (20)

DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...
DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...
DuraçãO Do Aleitamento Materno, Regime Alimentar E Fatores Associados Segundo...
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Gestaçã artigo
Gestaçã artigoGestaçã artigo
Gestaçã artigo
 
Síndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na InfânciaSíndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na Infância
 
Visa educação e nutrição - peso saudável
Visa   educação e nutrição - peso saudávelVisa   educação e nutrição - peso saudável
Visa educação e nutrição - peso saudável
 
Efeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento Infantil
Efeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento InfantilEfeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento Infantil
Efeito Das PráTicas Alimentares Sobre O Crescimento Infantil
 
ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015
ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015
ALEITAMENTO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Cadernos de Atenção Básica 2a edição 2015
 
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
 
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
 
Requisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolarRequisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolar
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 
Carências Nutricionais: Vitamina D e Cálcio
Carências Nutricionais: Vitamina D e CálcioCarências Nutricionais: Vitamina D e Cálcio
Carências Nutricionais: Vitamina D e Cálcio
 
189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos
189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos
189.28.128.100 nutricao docs_geral_enpacs_10passos
 
Dez passos para_familia
Dez passos para_familiaDez passos para_familia
Dez passos para_familia
 
Atividade física regular
Atividade física regularAtividade física regular
Atividade física regular
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
Aleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em PrematurosAleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em Prematuros
 
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizadoSmam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
 
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 

Semelhante a Materia capa

Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
temastransversais
 
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de JesusResumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
forumdealimetacao
 

Semelhante a Materia capa (9)

Rgo 2007-134
Rgo 2007-134Rgo 2007-134
Rgo 2007-134
 
Obesidade Infantil
Obesidade InfantilObesidade Infantil
Obesidade Infantil
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
 
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementarNutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
 
Manual nutrologia alimentacao
Manual nutrologia alimentacaoManual nutrologia alimentacao
Manual nutrologia alimentacao
 
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
 
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de JesusResumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
 
XIV ENAM - Anais do Encontro Nacional de Aleitamento Materno - Florianópolis,...
XIV ENAM - Anais do Encontro Nacional de Aleitamento Materno - Florianópolis,...XIV ENAM - Anais do Encontro Nacional de Aleitamento Materno - Florianópolis,...
XIV ENAM - Anais do Encontro Nacional de Aleitamento Materno - Florianópolis,...
 
14617a-pdmanualnutrologia-alimentacao.pdf
14617a-pdmanualnutrologia-alimentacao.pdf14617a-pdmanualnutrologia-alimentacao.pdf
14617a-pdmanualnutrologia-alimentacao.pdf
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (7)

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Materia capa

  • 1. 490 Primeiros 1.000 dias de vida REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94 mais rápido crescimento e processos fundamentais para o correto desenvolvimento que ocorrem nesses momentos. Para que a criança consiga atingir o pleno potencial, o ambiente em que ela vive tem que ser o mais saudável e estimulante possível”, explica Alicia Matijasevich, médica especialista em Pediatria e Neonatologia, mestre e doutora em Epidemiologia; professora associada do Departamento de Medicina Preven- tiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Pau- lo (USP); membro do Comitê Científico do Núcleo de Ciência pela Infância (NCPI e professora colaboradora do programa de pós-graduação em epidemiologia da UFPel). Problemas no desenvolvimento cognitivo, físico e so- cial são mais frequentes em crianças de países de baixa e média renda, fundamentalmente por elas estarem mais sujeitas a problemas perinatais e por conviver, com maior frequência, em ambientes familiares desfavoráveis, onde a estimulação e o suporte social são muitas vezes inade- quados. “No Brasil, embora não existam dados represen- tativos do país, pesquisas de base populacional desenvol- vidas com dados das Coortes de Nascimento de Pelotas evidenciam que o percentual de crianças com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor é elevado, fundamen- talmente entre aquelas de maior risco. Sexo masculino, cor da pele negra e baixa escolaridade materna, assim como baixo nível econômico da família e pobre estimula- ção da criança apresentaram forte associação com atra- sos no desenvolvimento cognitivo, físico e social”, reforça Alicia Matijasevich. Importância do aleitamento materno A nutricionista, mestre e doutora em Ciências dos Ali- mentos e livre-docente em Nutrição em Saúde Pública, e Por Mariana Pantano Os primeiros 1.000 dias de vida compreendem desde o momento da concepção do indivíduo até os dois anos de idade da criança. São 270 dias da gestação, mais 365 dias do primeiro ano de vida somados aos 365 dias do segundo ano. De acordo com a mestre, doutora e pós-doutora em Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia da Univer- sidade de São Paulo (USP), Jenny Abanto - que também é responsável pela área de Saúde Bucal do Projeto de Saúde e Nutrição Materno Infantil (Mina) dentro dos primeiros 1.000 dias de vida da Faculdade de Saúde Pública da USP, professora dos cursos clínicos de Odontologia para Bebês na Fundecto conveniada à Fousp e à APCD-IESP, - os pri- meiros 1.000 dias de vida são cruciais para o crescimento e desenvolvimento infantil, pois trata-se de um período de ‘janela de oportunidades’, no qual é possível adotar hábitos e atitudes que irão influenciar o futuro do bebê. “Assim, a epigenética corrobora que os efeitos do ambiente tais como alimentação, estresse, atividade física, exposição ao fumo e álcool, entre outros hábitos e atitudes, neste pe- ríodo, irão causar um impacto nos indicadores de saúde e doença em curto e longo prazo. Por tanto, nestes primeiros 1.000 dias de vida é possível determinar um futuro de vida saudável para todos os indivíduos, e a transdisciplinaridade baseada na prevenção é o caminho para atingir esse alvo.” A monitorização do desenvolvimento das crianças é fun- damental para identificar aquelas em alto risco e garantir atendimento e suporte adequados. Na vida intrauterina e nos primeiros anos de vida, o contexto ambiental onde a criança está inserida tem grande influência no seu desenvolvimento neuropsicomotor. “Nesse período, o cérebro apresenta o seu PRIMEIROS 1.000 DIAS DE VIDA Período é crucial para crescimento e desenvolvimento infantil, pois trata-se de uma ‘janela de oportunidades’, na qual é possível adotar hábitos e atitudes que irão influenciar o futuro do indivíduo
  • 2. 491 Matéria de capa REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94 seis meses de vida (sem oferta de água, chás ou qualquer outro líquido). Após os seis meses de vida, a alimentação complementar deve ser introduzida de maneira oportuna e adequada de acordo com as diretrizes da OMS, mantendo- -se o aleitamento materno até pelo menos 2 anos de idade da criança. Um grande número de compostos bioativos do leite humano pode induzir alterações na metilação do DNA e é possível que, sem a exposição a esses fatores, bebês ali- mentados com fórmulas infantis possam apresentar dife- renças na regulação de processos epigenéticos (transcrição de genes e/ou na síntese proteica), contribuindo para um pior perfil de saúde em longo prazo. Compostos bioativos presentes no leite materno podem também influenciar a composição da microbiota intestinal na infância, exercen- do papel mediador na relação entre alimentação comple- mentar e risco para ganho de peso excessivo, distúrbios do metabolismo ósseo e para doenças cardiovasculares na adolescência e vida adulta”, destaca Marly Cardoso. Com relação aos agravos em saúde bucal, há evidência consistente sobre a relação entre a quantidade de açúcar consumida e o desenvolvimento de cárie. “Por exemplo, sabe-se que a introdução muito precoce (antes do primei- ro ano de vida) de alimentos e bebida doces está associada à cárie precoce e severa na idade pré-escolar. Mas essa relação não é somente limitada a essa fase da vida já que evidências também indicam que o alto consumo de açú- car na infância aumenta o risco de desenvolver de novas lesões de cárie ao longo do ciclo da vida, independente- mente do uso de fluoretos. Essa trajetória da doença cárie professora titular do Departamento de Nutrição da Facul- dade de Saúde Pública da USP, Marly Cardoso, coordena- dora do Projeto Mina - Saúde e Nutrição Materno-Infantil no Acre: coorte de nascimentos em Cruzeiro do Sul (Pro- grama Ciência sem Fronteiras CNPq 2015-2017; Auxílio Temático Fapesp 2017-2022 – processo 2016/00270-6) -, destaca que embora mecanismos subjacentes não sejam ainda totalmente esclarecidos, especula-se que exposições adversas tanto na vida intrauterina como no início da vida pós-natal possam afetar a saúde tanto da mãe como do bebê ao longo do ciclo da vida e também para gerações futuras por meio de alterações epigenéticas. “Isso poderia explicar potenciais mecanismos por meio de modificações de expressões gênicas e fenotípicas que incluem metilação de DNA. O período de desenvolvimento infantil é parti- cularmente sensível a alterações epigenéticas induzidas por exposições adversas na gravidez como, por exemplo, o tabagismo.” Marly Cardoso ressalta que “a coexistência de defi- ciências e excessos nutricionais tem sido descrita como ‘carga dupla de má-nutrição’, considerada o desafio atual da agenda de saúde pública global. Gestantes e crianças menores de 2 anos de idade estão entre os grupos popu- lacionais de maior risco para deficiência de micronutrien- tes que afetam também o desenvolvimento e metabolismo de ossos e dentes. Mulheres grávidas necessitam de mais vitaminas e minerais para manter e melhorar a imunida- de, concentração sanguínea de hemoglobina e assegurar o desenvolvimento fetal adequado. Em 2012, a OMS (Orga- nização Mundial da Saúde) destacou a origem da defici- ência de múltiplos micronutrientes na gravidez e na infân- cia relacionada a acesso, práticas e consumo alimentares inadequados e à frequência e gravidade de infecções. A alimentação materna com predomínio de alimentos ultra- processados (refrigerantes, embutidos, salgadinhos, bis- coitos, guloseimas, entre outros) apresenta alta densidade energética, aditivos químicos, alto teor de gordura, sódio e açúcar com baixa concentração de micronutrientes. Por sua vez, a dieta com predomínio de alimentos minima- mente processados como frutas e hortaliças frescas, casta- nhas, cereais, feijões e preparações caseiras, por exemplo, oferece maior concentração e biodisponibilidade de mi- cronutrientes e compostos bioativos naturalmente presen- tes nesses alimentos.” Para o bebê, o leite materno é o melhor alimento, ofe- recendo também benefícios à saúde materna (controle de peso após o parto e proteção para câncer de mama). “O leite materno deve ser oferecido exclusivamente até os Jenny Abanto
  • 3. 492 Primeiros 1.000 dias de vida REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94 pode ser explicada se considerarmos que existem fortes correlações entre preferências alimentares estabelecidas durante a primeira infância e preferências na infância tardia, adolescência e idade adulta jovem”, salienta Jenny Abanto. Alguns sabores experimentados pelo bebê na com- posição do líquido amniótico e no leite materno podem influenciar as escolhas da criança por determinados ali- mentos quando ocorrer a alimentação complementar. “O leite materno pode influenciar as preferências ali- mentares do bebê já que o sabor muda de mamada para mamada, e varia de acordo com a dieta da mãe. É por este motivo que esse período de primeiros 1.000 dias contribuirá para moldar preferências alimentares futu- ras sendo importante ressaltar que hábitos alimentares são fatores de risco comuns para diferentes agravos de saúde bucal e saúde geral. Além disso, o aleitamento materno, exclusivo e até os dois anos, não só pode in- fluenciar preferências alimentares, mas também otimiza o desenvolvimento harmônico da musculatura orofacial, do sistema estomatognático e da saúde geral. À luz do conhecimento atual, há evidências consistentes sobre os benefícios do aleitamento materno para a saúde e capi- tal humano que se sobrepõem a possível risco de cárie a partir de resultados de estudos sujeitos a confundimento residual”, reforça Jenny Abanto. A professora coordenadora dos cursos internacionais de imersão e especialização em Odontopediatria com Ênfase em Bebês da APCD-IESP complementa que “mo- tivos atualmente não faltam para tornar transdisciplinar a nossa orientação de hábitos de dieta, visto que as me- lhores evidências hoje indicam que o consumo de açúcar não é somente uma das maiores causas de doenças não transmissíveis tais como a cárie dentária, mas também de obesidade e diabetes tanto em crianças quanto em adultos. Atualmente, combater o fator risco comum é a melhor estratégia. Por esse motivo, diversas entidades de saúde pública não recomendam o consumo de açúcar antes dos 2 anos de idade, pois o período de primeiros 1.000 dias é um período muito sensível em que ocorre a programação metabólica e a origem desenvolvimentista da saúde e da doença (DOHad) que determinará todo o ciclo de vida.” Também, a desnutrição e a falta de micronutrientes, como determinadas vitaminas e ferro durante os perío- dos pré, peri e pós-natal dentro dos primeiros 1.000 dias podem ter um impacto negativo sobre o desenvolvimen- to do esmalte decíduo, tamanho e qualidade dos dentes, uma vez que o início da mineralização do esmalte dos dentes decíduos começa aproximadamente entre a 13ª e 19ª semana do período de vida intrauterino (VIU) e se completa durante o primeiro ano de vida pós-natal. Por sua vez, esses defeitos de desenvolvimento do esmalte dentário (DDE) podem afetar o risco de cárie na dentição decídua. “Sendo assim, a saúde integral da gestante é de extrema relevância, não somente porque alguns micro- nutrientes da dieta materna desde a gestação podem se associar a DDE e cárie dentária, mas também porque a doença periodontal durante a gestação aumenta o risco para complicações obstétricas para o bebê. Desta forma, é evidente que a saúde bucal do bebê começa no ventre da sua mãe apontando a necessidade de um pré-natal odontológico transdisciplinar. Na área de saúde bucal ainda há uma escassez de estudos dentro dos primeiros 1.000 dias de vida. Atualmente, estamos finalizando a coleta de dados do Estudo MINA-Brasil, em que a nossa hipótese central de investigação é que exposições rela- cionadas à práticas alimentares e condições nutricionais materno-infantis nos primeiros mil dias de vida estão associadas ao risco para cárie dentária, desgaste den- tário erosivo, maloclusões e DDE na dentição decídua”, esclarece Jenny Abanto. A consultora internacional em amamentação (IBCLE) e fonoaudióloga Gabriela Buccini - que tem aprimora- mento profissional em Pesquisa em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo (2006-2008) e aperfeiçoamento profissional José Eduardo Pelizon Pelino José Eduardo Pelizon Pelino José Eduardo Pelizon Pelino Alicia Matijasevich
  • 4. 493 Matéria de capa REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94 em Aleitamento Materno, especialista em Saúde Coleti- va e em Gestão Pública; mestre e doutora em Nutrição em Saúde Pública, e pós-doutoranda em Implementação de Políticas Públicas e Programas de Amamentação e Saúde materno-infantil na Yale School of Public Health (EUA), explica que durante os primeiros 1.000 dias uma alimentação regular e responsiva inclui o início precoce da amamentação, amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida e amamentação continuada durante os primeiros 2 anos de vida ou mais. “A amamentação nesse período é primordial para otimizar dentre outros aspectos o desenvolvimento da musculatura orofacial e do sistema estomatognático, responsável pela execução das funções orais de sucção, respiração, mastigação, deglutição e fo- noarticulação. Essas funções estão intimamente relacio- nadas ao processo de nutrição, crescimento, comunicação e formação dentária do indivíduo.” Funções orais (sucção, deglutição, respiração e fala) Didaticamente, Gabriela afirma que a sucção é um ato reflexo no recém-nascido que nasce termo, enquanto o processo de mamar no peito constitui-se de um movimen- to muscular e mandibular mais complexo do que a sucção que é aprendido pelo recém-nascido denominado de or- denha das mamas. “Durante a ordenha das mamas, toda musculatura da língua do recém-nascido trabalha ativa- mente”, destaca. A fonoaudióloga conta ainda que “du- rante a ordenha das mamas, a ponta da língua permanece anteriorizada, o dorso para baixo e durante o processo de receptação do leite suas bordas encontram-se elevadas, fazendo uma “concha” ao redor do mamilo (canolamen- to) para receber o leite. A mandíbula realiza movimentos de elevação/abaixamento e ântero-posteriores que geram impulsos neurais e obtém como resposta o crescimento póstero-anterior mandibular, proporcionando um cresci- mento orofacial harmônico”. Dessa forma, o aprendizado de mamar no peito é um dos fatores fundamentais para normalização do “retrognatismo natural” (diferença de 5 a 12mm da mandíbula em relação à maxila) proporcionando um adequado desenvolvimento do sistema estomatogná- tico e harmonia facial do recém-nascido, conclui. Sobre a mastigação e deglutição, Gabriela conta que durante o processo da amamentação a língua faz movimentos pe- ristálticos desde a ponta para trás, coordenando os movi- mentos corretamente, tonificando seus músculos em toda a sua extensão e preparando-a para posicionar-se corre- tamente durante a deglutição. Segundo a fonoaudióloga, “esse exercício realizado durante a amamentação irá fa- vorecer a função mastigatória, uma vez que os mesmos músculos ativados nesse processo serão os responsáveis por morder e triturar os alimentos”. E acrescenta que evi- dências científicas apontam que quanto maior a duração da amamentação no peito, melhor a qualidade da função mastigatória na idade pré-escolar (3-5anos). Na mastiga- ção correta os movimentos devem ser bilaterais, alterna- dos e rotatórios, sendo que a criança deverá permanecer com os lábios ocluídos durante todo processo. Sobre a função de respiração, Gabriela nos explica que o padrão respiratório (nasal ou bucal) sofre influência direta do histórico de aleitamento materno. Crianças não amamen- tadas tem um risco aumentado de desenvolver respiração bucal. Crianças respiradoras bucais apresentam adap- tações patológicas das características posturais e mor- fológicas do sistema estomatognático (ou seja, posição habitual de lábios entreaberta, língua no assoalho oral, hiperfunção do músculo mentual durante a oclusão dos lábios, mordida alterada, lábio inferior com eversão, assi- metria de bochechas e palato duro alterado) e consequen- temente no desempenho de suas funções orais. Sobre o desenvolvimento da articulação dos sons da fala, Gabriela enfatiza “a importância da amamentação na promoção do equilíbrio no desenvolvimento de toda musculatura facial e da cavidade oral do recém-nascido, o que durante seus 1.000 dias facilitará a correta articulação dos sons da fala no período de aquisição da linguagem oral”. O desenvolvimento das funções orais está intimamen- Marly Augusto Cardoso
  • 5. 494 Primeiros 1.000 dias de vida REV ASSOC PAUL CIR DENT 2018;72(3):490-94 te interrelacionado entre si, e é um continuum durante os primeiros 1.000 dias da criança com benefícios se es- tendendo em qualidade de vida longitudinalmente até a vida adulta. “Desequilíbrios no desenvolvimento de uma das funções orais ainda nessa fase inicial da vida de uma criança devem ser aconselhados precocemente para opor- tunizar o ótimo desenvolvimento global da criança”, re- força a fonoaudióloga. Impactos fonoaudiológicos do uso de chupetas e mamadeiras O uso de chupetas e mamadeiras em crianças amamen- tadas é desaconselhado pelo Ministério da Saúde no Brasil e pela Sociedade Brasileira de Pediatria. De acordo com Gabriela Buccini, os impactos fono- audiológicos do uso de chupetas e mamadeiras vão des- de sua influência no estabelecimento da amamentação e consequentemente sua influência no desequilíbrio do desenvolvimento das funções orais. O uso dos bicos ar- tificiais altera a tonicidade, a força e a funcionalidade do sistema estomatognático. O bico da chupeta ou ma- madeira (sempre igual) não se modifica e não atende ás singularidades anatômicas da boca de cada bebê, além de não atender às mudanças geradas de acordo com o cres- cimento orofacial. As evidências sobre a influência do uso de chupeta e mamadeiras na menor duração da amamentação são consistentes, interferindo tanto no estabelecimento da amamentação, potencializando dificuldades iniciais para o estabelecimento bem como na duração total da ama- mentação exclusiva ou continuada; privando a criança dos benefícios proporcionados por esse ato. “Enquan- to que a sucção não–nutritiva (chupeta) pode levar o bebê à saciedade neural de sucção, cansaço muscular e não saciedade, pode também modificar a configuração oral para realização dessa atividade. A sucção nutritiva (mamadeira) com a força da gravidade e escoamento do leite fácil, com grande fluxo de leite (que pode piorar com o aumento do furo desta) tem grande influência no controle da deglutição além de favorecer a introdução precoce da chupeta. Ambos tipos de sucção podem levar a “confusão de bicos” - dificuldade/inabilidade em rea- lizar a ordenha no peito após a exposição a diferentes formatos de bicos artificiais. É importante ressaltar que não existem evidências de vantagens no uso de bicos com formatos anatômicos, fisiológicos ou ortodônti- cos tanto para o sistema estomatognático quanto para o aprendizado ou manutenção da amamentação. Além disso, o uso de chupeta está associado a prejuízos no desempenho das funções orais como, por exemplo, al- terações na deglutição, função mastigação, respiração bucal, bem como agravamento de má-oclusão e risco aumentado de desenvolvimento de otite média aguda. O uso de chupeta altera a cavidade oral, limitando o balbucio, a imitação dos sons e a emissão das palavras, levando à vocalização distorcida. O tempo e a intensida- de de uso de chupeta podem influenciar negativamente a aquisição, a produção dos sons e o desenvolvimento da linguagem oral. Seu uso prolongado pode, inclusive, afetar o nível de inteligência da criança, uma vez que essa criança cresce num ambiente menos estimulante já que a criança passa a ficar mais quieta, ‘calma’, sem so- licitar o adulto ou comunicar suas necessidades. Outra questão relacionada ao uso prolongado é associação a vícios orais na vida adulta, como o uso do cigarro e a obesidade”, alerta Gabriela. Mamadeiras e chupetas são utensílios amplamente utilizados. Famílias justificam a introdução de chupe- tas e mamadeiras para ajudar a acalmar o bebê quando ele está nervoso ou ansioso. “Dessa forma, é importan- te que mães, pais e familiares sejam aconselhados sobre os prós e contras do uso dos bicos artificiais à luz das evidências cientificas disponíveis para que possam fazer sua escolha de maneira empoderada e possam encontrar equilíbrio entre as várias possibilidades em acalmar e alimentar a criança durante seus primeiros 1.000 dias”, finaliza a fonoaudióloga. José Eduardo Pelizon Pelino José Eduardo Pelizon Pelino Gabriela dos Santos Buccini