SlideShare uma empresa Scribd logo

DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA

DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA

1 de 11
0
DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA
Sirlene Aparecida Nogueira
Pós Graduação em Psicopedagogia Institucional
São João da Boa Vista/SP
Orientadora: ProfªDra. Gabriela Maffei Moreira Malagolli
RESUMO
A dislexia do desenvolvimento é um transtorno de leitura e escrita e dentre os transtornos é o
que mais afeta o processo de aprendizagem. Uma vez diagnosticada, é fundamental a
utilização de métodos e programas de tratamentos adequados, que visem o desenvolvimento
de habilidades necessárias para que a alfabetização seja bem sucedida. Considera-se o
processamento fonológico como um pré-requisito para a aquisição e o domínio da leitura e
escrita. Neste sentido, o presente estudo se propõe abordar o método de“Alfabetização Fônica
X Construtivismo”, com a finalidade precípua de demonstrar a importância dos mesmos em
suas peculiaridades na construção do conhecimento. Principalmente em se tratando da criança
que apresenta perfil compatível quadro de dislexia do desenvolvimento. Definida como um
distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração, a dislexia é o
distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas realizadas em vários países
mostram que entre 05% e 17% da população mundial é disléxica. Ao contrário do que muitos
pensam a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção desmotivação, condição
sócia econômica ou baixa inteligência. É uma condição hereditária por alterações genéticas,
apresentado alterações no padrão neurológico.
Palavras-Chave: Dislexia, Leitura, Escrita.
1
INTRODUÇÃO
O presente estudo tem por objetivo alavancar quais são os principais problemas
encontrados pelas crianças disléxicas em sala de aula, como também quais são os sintomas, e
como devem ser feito seu diagnóstico, e posteriormente qual a melhor metodologia a ser
aplicada pelo corpo docente o Construtivismo, Método fônico ou ambos concomitantemente
afim de, melhorar o seu desempenho acadêmico, e consequentemente sua vida como um todo.
Visando a orientação de todos os envolvidos, ou seja, corpo escolar, seus familiares
diretos, para que possam caminhar juntos e obter o sucesso.
Sendo que a Dislexia é considera um dos transtornos que mais afetam a aprendizagem.
É uma dificuldade de aprendizagem de origem neurológica, caracterizada pela dificuldade no
reconhecimento e fluência corretos e por dificuldade na decodificação e soletração (Capovilla,
2003).
Essas dificuldades resultam tipicamente no déficit no componente fonológico da
linguagem que é inesperada em relação a outras habilidades cognitivas consideradas no grupo
(faixa etária).
1. A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM
A aquisição da linguagem, seja oral ou escrita, é parte integrante do cotidiano de todo
ser humano; os grandes pensadores do desenvolvimento de linguagem, como mestres e
propulsores de estudos tais como: Jean Piaget (1896-1980), Lev Vygotsky (1896- 1934),
Henri Wallon (1879-1962) formadores do grande tripé da educação, que elaboram
importantes teorias no âmbito da psicologia(cognitiva) e da educação, que evidenciam e ao
mesmo tempo impactam modos de pensar e teorizar sobre o pensamento na criança no século
XX.
Piaget destaca-se pela teoria do desenvolvimento humano e Vygotsky como Wallon,
atribuem ao desenvolvimento cognitivo da criança, fatores intrinsecamente atrelados entre o
desenvolvimento biológicos, com o meio onde ao qual ela está inserida. Apontando para que
2
toda fonte de conhecimento se tornasse possível através desta contextualização..Portanto, o
construtivismo Ferreiro (1985) é uma metodologia de ensino também entendida como uma
corrente pedagógica, que tem como principal foco o entendimento da obtenção da
aprendizagem relacionado com a interação do indivíduo com o meio.
1.1.CONSTRUTIVISMO
Através de muitas observações, pautadas na psicogênese da língua escrita, elaborou-se
valiosos estudos acerca da construção da linguagem escrita. Observou que a criança reinventa
a escrita, uma vez que precisam, inicialmente, compreender o processo e as regras de
construção da escrita.
Sendo que mesmo em momentos chamados de ensino informal, a criança constrói
elaborações internas, ou seja, interpretações que independem dos adultos, (Ferreiro, 1985), e
não podem ser entendidas como confusões perceptivas, e mesmo as garatujas já tem
significados, cabendo aos professores observar o que o educando já conhece, prestando
atenção no modo como ele interpreta os sinais ao seu redor, e não naquilo que a escola e seus
gestores acreditam que a criança deva saber.
A escrita pode ser concebida de duas formas: como transcrição gráfica de
unidades sonoras ou como uma representação de linguagem. No caso de
codificação, tanto os elementos com as relações já estão predeterminados; o
novo código não faz senão encontrar uma representação diferente para os
mesmos elementos e as mesmas relações. No caso da criação de uma
representação, nem os elementos nem as relações estão determinadas A
construção de um sistema de representação envolve um processo de
diferenciação dos elementos e relações reconhecidos ou objeto a ser
apresentado e uma seleção daqueles elementos e relações que serão retidos
na representação. Se a aprendizagem da escrita é concebida como um código
de transição, sua aprendizagem é entendida como uma técnica se for
concebida como um sistema de representação, sua aprendizagem se converte
na apropriação de um novo objeto de conhecimento, ou seja, em uma
aprendizagem conceitual (FERREIRO,1985, p.12-16).
Portanto, é necessário imaginação pedagógica para dar às crianças oportunidades ricas
e diversificadas de interagir com a linguagem escrita. No entanto Ferreiro (1985) seria
muitíssimo importante a formação psicológica para compreenderas respostas e as perguntas
3
das crianças. Como também ter a compreensão deque a aprendizagem da linguagem escrita é
muito mais que aprendizagem de um código de transcrição, e sim a construção de um
sistema de representação.
1.2.MÉTODO FÔNICO
A alfabetização Fônica de acordo com Capovilla (2003) começa pela compreensão das
unidades mínimas da escrita, ou seja, a compreensão do funcionamento do Código (ou
Principio) Alfabético e a relação entre grafemas e fonemas. O alfabeto é um Código, e este
enfatiza a importância do desenvolvimento fonológico como precursor para o processo de
aquisição completa na fluência e domínio da escrita e consequentemente da leitura,
abordagem esta que possibilita a realização de atividades de treino de leitura e consciência
fonológica de forma lúdica, sistemática e objetiva.
Os exercícios são divididos em duas partes: Consciência Fonológica e Alfabeto.
Em Consciência Fonológica, as atividades focam na percepção de partes que compõem uma
palavra, tais como sílabas, fonemas, rima e aliteração. Na parte de Alfabeto, as atividades são
voltadas para ode treino de correspondências entre as letras e os seus sons. Outras sugestões
Capovilla (2003)é a utilização também de jogos, livros e atividades que focam no treino
ortográfico e na produção escrita.
Dentre as habilidades consideradas primordiais para o processo de aquisição da leitura e
escrita, o processamento fonológico é de suma importância.
Neste sentido, Capovilla (2003) aponta que os distúrbios de processamento fonológico
são a principal causa dos problemas de leitura e escrita, tal como ocorre no quadro de Dislexia
do Desenvolvimento. Frente a tais dificuldades, atualmente tem sido criado programas de
intervenção estruturados com foco nas dificuldades de leitura e de processamento fonológico
que podem contribuir para melhora na leitura das crianças diagnosticadas com dislexia. Uma
das ferramentas também implementada por Capovilla (2010 )são os CD-ROM a Alfabetização
fônica computadorizada ,que tem tornado ainda mais lúdica e eficaz a alfabetização, bem
como a intervenção para prevenção e tratamento de problemas de leitura e escrita, indicando
um grande avanço no processo de automatização da leitura e consequentemente maior
facilidade de acessar o conteúdo do que é lido. Desta maneira, a utilização do programa
trouxe efeitos extremamente positivos.
4
2. DIAGNÓSTICO
Quanto mais cedo se for feito o diagnóstico da criança disléxica melhor, para que se
faça uma intervenção precoce, com a finalidade de serem amenizados os impactos causados
pela mesma em sua totalidade.Sendo que alguns aspectos podem ser observados desde a
educação infantil, embora a maioria dos diagnósticos sejam feitos à partir da terceira série , e
segundo (Robert Frank,2003) o sintomas apresentados são: Problemas em reconhecer ou
escrever palavras; Dificuldades em estruturar trabalhos escritos, como redações; Problemas
com ortografia; Inversão de letras;Dificuldade de memória a curto prazo;Dificuldade em
revisar ou identificar erros;Compreensão auditiva inferior à média;Problemas com
organização;Dificuldades em escrever à mão; Baixo limiar de atenção quando
escuta;Recuperação inferior de palavras; Problemas com discriminação visual;Problemas com
percepção espacial;Dificuldades em lembrar nomes;Lentidão ao fazer tarefas escolares;Pouca
noção de tempo;Dificuldade em distinguir certos sons entre vogais e consoantes;Confusões
com símbolos e com o alfabeto;Problemas em lembrar a rotina diária e Compreensão inferior
de leitura.
Portando o diagnóstico dos transtornos de Aprendizagem (Robert Frank,2003) deve ser
conduzida por uma equipe multidisciplinar e não só por um indivíduo. Porque a dislexia é
uma condição complexa, e especialistas de uma variedade de campos, incluindo médico,
neurológico,educacional,psicológico e social, são necessários para haver uma avaliação
correta.
Os sistemas de ensino invariavelmente usam uma abordagem multidisciplinar, incluindo
dados dos professores e de outros funcionários e orientadores da escola. Assim, a avaliação
não só identifica as causas das dificuldades apresentadas, como permite um encaminhamento
adequado ao tratamento para cada caso, por meio de um relatório.
Portanto, conhecendo as causas das dificuldades do indivíduo, o profissional pode
utilizar a linha terapêutica que julgar mais conveniente para o tratamento,no qual poderá ser
elaborado um Programa de Educação Individualizada (PEI),onde serão trabalhadas as suas
necessidade específicas.
5
Segundo este mesmo autor Robert Frank (2003) a dislexia não tem cura, pois não é
uma doença e sim um distúrbio de aprendizagem. No entanto, com acompanhamento
adequado, mediante uma avaliação adequada, o disléxico evoluirá. Esse tempo de
acompanhamento vai variar de disléxico para disléxico considerando-se os diferentes graus da
dislexia. Portanto, desde o princípio do acompanhamento o próprio disléxico, como os
familiares e a escola, poderão perceber as mudanças, o que será altamente positivo para sua
vida acadêmica, familiar, social e profissional.
3. CONCEITO DEDISLEXIA E CLASSIFICAÇÃO ESPECÍFICA
A Dislexia é um tipo de distúrbio de leitura , que provoca uma dificuldade específica na
aprendizagem da identificação dos símbolos gráficos (Capovilla,2003), embora a criança
apresente inteligência normal, integridade sensorial e receba estimulação e ensino adequado,
no entanto a leitura é um processo de compreensão abrangente que envolve aspectos
sensoriais, emocionais, intelectuais, fisiológicos, neurológicos, bem como culturais,
econômicos e políticos. E a correspondência entre os sons e os sinais gráficos, através da
decifração do código e a compreensão do conceito ou idéia. Tanto quanto a fala, a leitura não
é um comportamento natural, mas um processo adquirido a longo prazo e em certas
circunstância de vida que determinam o sucesso ou o fracasso na aprendizagem.
Segundo Myklebust (1998 apud José;Coelho,2008) “representando um déficit na
capacidade de simbolizar, começa a se definir a partir da necessidade que tem a criança de
lidar, receptivamente, ou expressivamente, com a representação da realidade, ou antes, com a
simbolização da realidade, ou poderíamos também dizer, com a nomeação do mundo”.
Os principais padrões de disfunção na leitura podem ser divididos em dislexias periféricas e
centrais Morais (1995) e Seymour (1987).
Nas dislexias periféricas, os distúrbios ocorrem na análise visual (e.g., dislexia visual e
dislexia de negligência), ou no reconhecimento das palavras (e.g.leitura letra -a- letra e
dislexia atencional).
Já nas dislexias centrais, os distúrbios o correm em componentes das rotas fonológica e/ou
lexical.As dislexias em que apenas uma das rotas apresenta distúrbios são denominadas de
síndromes de um único componente(Pinheiro,1995), como por exemplo as dislexias
fonológica e morfêmica.Quando ambas as rotas apresentam problemas, as dislexias são
denominadas de síndromes de componentes múltiplos, como por exemplo as dislexias
6
profundas e superficial. Segue uma breve descrição de cada um desses quadros segundo
Morais (1995)e Seymour (1995):
1. Dislexia visual: Há distúrbios no sistema de análise visual das palavras. Os Erros de leitura
mostram uma semelhança visual entre a escrita da palavra pronunciada e a da palavra alvo;2.
Dislexia de negligência: Os distúrbios também estão no sistema de análise visual. Na leitura
ocorrem erros sistematicamente em certas partes da palavra (geralmente na parte inicial);3.
Leitura letra –a- letra: Há distúrbios no reconhecimento global de palavras, ou seja, no
processamento paralelo a letras. A leitura só é feita corretamente após a soletração (em voz
alta ou não) de cada letra individual; 4. Dislexia atencional: Há dificuldades na codificação
das posições especificas das letras nas palavras, apesar da identificação paralela das letras
estarem preservadas. Pode haver migrações de letras dentro de uma mesma palavra ou
,principalmente, de uma palavra a outra durante a leitura de frases; 5. Dislexia fonológica: Há
dificuldade ma leitura pela rota fonológica e, portanto, a rota lexical é preferencialmente
usada. (Boder, 1973); 6.Dislexia morfémica ou semântica: Há dificuldades na leitura pela rota
lexical, sendo que a leitura é feita basicamente pela rota fonológica. (Boder,1973);7. Dislexia
profunda; Há sérios distúrbios no processo de conversão grafema fonema e algum distúrbio na
rota lexical. Coltheart (1987); 8. Dislexia Superficial: Há sérios distúrbios na rota lexical e
algum distúrbio na rota fonológica. Porém, atualmente há uma tendência em não diferenciar a
dislexia superficial da dislexia morfémica. Os erros demonstram efeito de regularidade e
ausência de efeito de lexicalidade. Capovilla ( 2003, p.26-28).
4. ATITUDESE ATIVIDADES POSITIVAS PARA AUXILIAR O
DISLÉXICO
Seguem algumas sugestões (Robert Frank, 2003) atitudes consideradas positivas como
atividades que podem ser trabalhadas com os disléxicos tais como: Incentivando-lo sempre ,
destacando suas conquistas, e superando os seus medos e inseguranças, proporcionar-lhe
materiais pedagógicos que saliente seus pontos fortes, principalmente incentivando-o a ler
aquilo que lhe traz prazer, tais como:livros, revistas, artigos,etc.
Deixá-lo usar instrumentos tecnológicos (onde possam lhe auxiliar nas pesquisas ou
seja:tablets; notebook;celular; gravadores; etc.Procurar fazer com que ele tenha um horário
esquematizado para suas atividades, sendo que assim conseguirá dar conta de cumprir todas
as atividade que lhe foi propostas.Buscar sempre um lugar tranqüilo e organizado para que
7
possa fazer suas lições.Oferecer-lhe mais tempo para que possam fazer suas provas, e se
possível orais com um facilitador.Não colocá-lo em condições ridículas, expondo em
situações que se sintam coagidos, respeitando suas condições peculiar.Procurar vivenciar de
maneira empírica atividades que possam lhe trazer de maneira concreta o raciocínio lógico,
através de jogos tais como: xadrez, dominó, quebra-cabeça, etc. Proporcionar-lhe passeios
em lugares que possa tem contextualização de sentidos tais como: Museus; parques temáticos,
cinemas, bibliotecas, cidades históricas etc.
CONSIDERAÇÕESFINAIS
A criança se vê continuamente envolvida, como agente observador, no
mundo “letrado”. [...] Se pensarmos que a escrita remete de maneira óbvia e
natural à linguagem, estamos supervalorizando as capacidades da criança,
que pode estar longe de ter descoberto sua natureza fonética. [...] A criança
que cresce em um meio “letrado” está exposta à influência de uma série de
ações. E quando dizemos ações, neste contexto, queremos dizer interações.
Através das interações adulto/adulto, adulto/criança e criança entre si, criam-
se as condições para a inteligibilidade dos símbolos. (FERREIRO, 1985,
P.59-61).
Apesar de haver controvérsias em se tratando de “Métodos”, e de qual seria o melhor
para a alfabetização das crianças, nesta questão pertinente em se tratando do “Disléxico”,
tudo leva a crer que o método da Alfabetização fônica evidência diante deste presente
estudo, como sendo considerada a ideal para este tipo de transtorno.
Sendo que a rota fonoaudióloga é essencial para o desenvolvimento da leitura (Share,
1995) no estágio inicial, e o processo de decodificação fonológica é fundamental para a
aquisição das representações ortográficas das palavras, o que posteriormente permitirá a
leitura via rota lexical. Nos estágios posteriores, a decodificação ainda continua sendo de
extrema importância, visto que o leitor está sempre se deparando com palavras desconhecidas.
Portanto, nada impede que ela possa ser exercitada concomitantemente com o método
do Construtivismo.
O importante é a aceitação e adaptação do próprio disléxico à linha adotada pelo
profissional. Lembrando-se das múltiplas inteligências. Como a principal característica dos
disléxicos é a dificuldade da relação entre a letra e o som (Fonema-Grafema), ele precisa ter
um acompanhamento por multiprofissionais tais como: Psicopedagogos trabalhando na
8
contextualização dos sentidos através de atividades lúdicas, em materiais concretos, como
também visando a orientação de todo corpo docente, e apoio à seus familiares para o
progresso do mesmo.
Neste contexto o acompanhamento por um fonoaudiólogo será indispensável, pois o
mesmo irá enfatizar a consciência fonológica. Onde serão trabalhados no sentido de treinar a
memória imediata, percepção visual e auditiva.
Todavia, é imprescindível que seja impulsionado a idéia da utilização de materiais
multissensoriais (Robert Frank,2003)para suprir o máximo as necessidades individuais da
criança e deixá-las usar os seus sentidos, especialmente o tato e a audição. Um exemplo
básico seria poder ler e ouvir enquanto se escreve. Outro seria, por exemplo, levá-lo à um
museu, pois, o disléxico assimila muito bem tudo que é vivenciado empiricamente.
Todavia, ainda não existe uma classificação em forma de lei específica para que melhor
ampare a criança, ou seja, o indivíduo com distúrbio de aprendizagem.
Sendo que,se houver todo um aparato legal no que concerne o apoio e com
acompanhamento adequado a criança em período propício, mediante uma avaliação adequada
a tempo de uma intervenção na idade certa, ou seja, por profissionais capacitados, e a
orientação e acompanhamento após diagnóstico, trabalhando em conjunto com o corpo
docente e seus familiares.
O disléxico evoluirá de forma consistente até obter melhorias na qualidade de vida
educacional, causando menos estresse e acúmulos de impactos negativos em sua vida, tanto
na forma acadêmica como pessoal. Sendo que este tempo de acompanhamento por
profissionais de múltiplos apoios (Robert Frank, 2003) poderá variar de disléxico para
disléxico, além de considerar os diferentes graus da dislexia.
Portanto, desde o princípio do acompanhamento o próprio disléxico, como todos os
envolvidos, que estão em seu entorno tais como:- seus familiares, corpo docente e
comunidade escolar, perceberão suas mudanças deforma positiva e gradativamente. Sendo
que é muitíssimo importante neste período também o apoio intra familiar. Principalmente,
onde todos os envolvidos devem procurar sempre exaltar as conquistas da criança,
estimulando-a em suas capacidades peculiares.
Portanto, já está previsto na lei 9.394, de 20/12/96 (Lei de Diretrizes e Bases da
Educação a partir do artigo 12, inciso I), que a escola faça a elaboração, e se atente a execução
da sua Proposta Política Pedagógica, na qual já está embutidas em seu bojo, as orientações
peculiares, em que as crianças, jovens ou adultos devam caminhar com seu grupo etário.
9
Salientando-seque o caso de retenção de série neste caso de crianças com distúrbio de
aprendizagem como é o caso do disléxico em específico, é desaconselhável, pois uma vez que
isso venha a ocorrer, poderá causar-lhe danos irreversíveis, visto que, já traz em seu histórico
tantos desafios e insucessos, e poderá até mesmo por conta disso, abandonar a vida
acadêmica, por baixa auto-estima.Lembrando-se sempre que muitas vezes ele já vem tão
desgastado por fracassos não compreendidos. Cabendo a todos bom senso.
Dislexia não é uma doença, mas sim um distúrbio hereditário (genético) e, portanto o
indivíduo nasce e morre com esse distúrbio. Destacando que o Disléxico na maioria das vezes
em testes aplicados de Inteligência cognitiva é classificado acima da média. Estudos indicam
que pessoas com dislexia podem apresentar o lado direito do cérebro maior (ABD, 2001).
Desta forma, indivíduos disléxicos podem ter suas habilidades que envolvam
criatividade mais apuradas, em comparação à pessoas sem este diagnóstico, o que explica a
ocorrência de casos entre famosos como Charles Darwin, Leonardo Da Vinci, Tom Cruise e
Walt Disney,Albert Einstein etc.
REFERÊNCIAS
BRASIL, Lei 8069 de 13/07/1990. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
(ECA).Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm.Acesso em: 8
de março 2016.
BRASIL, Lei 9394 de 20/12/96. LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO
(LDB).Disponívelem:http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf?sequ
ence=3.Acesso em:8 de março 2016.
CAPOVILLA, Alessandra Gotuzo Seabra, Capovilla, Fernando César .Problemas de Leitura
e Escrita. Como identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica. 3ª Ed. São Paulo:
Memnon. 2003.
CARTILHA DA INCLUSÃO ESCOLAR – INCLUSÃO BASEADA EM EVIDÊNCIAS
CIÊNTÍFICAS. Disponível em: <www.aprendercrianca.com.br>. Acesso em: 8 março 2016
FRANK,Robert. A Vida Secreta da Criança com Dislexia. São Paulo:M.Books Editora
Ltda. 2003.
GOVERNO. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE
EDUCAÇÃO (CEE)-ALFABETIZAÇÃO: A GUERRA DOS METODOS, O PNAIC E
AS POLITICAS PÚBLICAS LOCAIS- Disponível
10
em:<http://www.cee.se.gov.br/arquivos/Alfabetizacao_guerra_metodos.pdf>.Acesso em: 8
março 2016.
PIAGET, VYGOTSKY E WALLON: CONTRIBUIÇOES PARA OS ESTUDOS DA
LINGUAGEM– Caciana Linhares Pereira.Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n2/v17n2a10.pdf>.Acesso em: 8 março 2016.
REVISTA CRESCER- DISLEXIA PODE SER DESCOBERTA ANTES DA
ALFABETIZÇÃO.
Disponível em:<http://simaia.blogspot.com.br/2012/06/dislexia-pode-ser-descoberta-antes-
da.html>.Acesso em: 8 março 2016.
The Internacional DYSLEXIA ASSOCIATION – ABD- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE DISLEXIA – Disponível em:<http://dislexia.org.br/v1/>. Acesso em8 março 2016
.
.

Recomendados

Reconhecimento de palavras e compreensão de leitura
Reconhecimento de palavras e compreensão de leituraReconhecimento de palavras e compreensão de leitura
Reconhecimento de palavras e compreensão de leituraoficinadeaprendizagemace
 
Promoveraliteraciavol i-100523101948-phpapp02
Promoveraliteraciavol i-100523101948-phpapp02Promoveraliteraciavol i-100523101948-phpapp02
Promoveraliteraciavol i-100523101948-phpapp02Marta Pereira
 
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...
Dificuldade de aprendizagem na escrita em crianças de escola pública oriundos...oficinadeaprendizagemace
 
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de criançasDificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de crianças
Dificuldades de aprendizagem na escrita e características emocionais de criançasoficinadeaprendizagemace
 
Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico
Dislexia: dificuldades, características e diagnósticoDislexia: dificuldades, características e diagnóstico
Dislexia: dificuldades, características e diagnósticoRodrigo Almeida
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaFernanda Moliterno
 
Entrevista com silvana serrani
Entrevista com silvana serraniEntrevista com silvana serrani
Entrevista com silvana serraniKelly Cris
 
Texto artur gomes de morais
Texto artur gomes de moraisTexto artur gomes de morais
Texto artur gomes de moraisgizaflexa
 
A chave para ensinar seu filho a ler
A chave para ensinar seu filho a lerA chave para ensinar seu filho a ler
A chave para ensinar seu filho a lerLeitor Adiantado
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...Hellen Dias
 
DISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITA
DISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITADISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITA
DISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITARodrigo Almeida
 
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa  Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa helanysousa
 
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdfO conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdfRaquel Schiavon Raupp
 
O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]
O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]
O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]SILVANA Fernandes
 
Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem dificuldades que podem surgir ness...
Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem   dificuldades que podem surgir ness...Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem   dificuldades que podem surgir ness...
Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem dificuldades que podem surgir ness...Darlyane Barros
 
A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...
A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...
A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...Malu Aguiar
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e LetramentoAlfabetização e Letramento
Alfabetização e LetramentoMárcia Miranda
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosNaysa Taboada
 
Dificuldade de-leitura-e-escrita-matematica
Dificuldade de-leitura-e-escrita-matematicaDificuldade de-leitura-e-escrita-matematica
Dificuldade de-leitura-e-escrita-matematicaAdonias Aquino
 
Artigo dislexia
Artigo   dislexiaArtigo   dislexia
Artigo dislexiamkbariotto
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...EFIGÊNIA NERES
 

Mais procurados (19)

Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a Línguistica
 
Entrevista com silvana serrani
Entrevista com silvana serraniEntrevista com silvana serrani
Entrevista com silvana serrani
 
Texto artur gomes de morais
Texto artur gomes de moraisTexto artur gomes de morais
Texto artur gomes de morais
 
A chave para ensinar seu filho a ler
A chave para ensinar seu filho a lerA chave para ensinar seu filho a ler
A chave para ensinar seu filho a ler
 
Vygotsky peb 1
Vygotsky peb 1Vygotsky peb 1
Vygotsky peb 1
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
 
DISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITA
DISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITADISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITA
DISLEXIA E DISTÚRBIOS DA LEITURA E DA ESCRITA
 
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa  Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
 
Alfabetizacao livro
Alfabetizacao livroAlfabetizacao livro
Alfabetizacao livro
 
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdfO conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf
 
O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]
O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]
O Conhecimento Da Lingua Desenv Consciencia Fonologica Pdf[1]
 
Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem dificuldades que podem surgir ness...
Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem   dificuldades que podem surgir ness...Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem   dificuldades que podem surgir ness...
Aquisiçao e desenvolvimento da linguagem dificuldades que podem surgir ness...
 
A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...
A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...
A informatica-como-instrumento-de-intervencao-pedagogica-em-criancas-com-disl...
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e LetramentoAlfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
Dificuldade de-leitura-e-escrita-matematica
Dificuldade de-leitura-e-escrita-matematicaDificuldade de-leitura-e-escrita-matematica
Dificuldade de-leitura-e-escrita-matematica
 
Artigo dislexia
Artigo   dislexiaArtigo   dislexia
Artigo dislexia
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
 
ortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
ortografia ARTUR GOMES DE MORAISortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
ortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
 

Semelhante a DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA

Promover a literacia vol. i 1
Promover a literacia vol. i 1Promover a literacia vol. i 1
Promover a literacia vol. i 1dalframa
 
Como orientar os alunos com dificuldades na leitura
Como orientar os alunos com dificuldades na leituraComo orientar os alunos com dificuldades na leitura
Como orientar os alunos com dificuldades na leituraDeisilene Ramos
 
Promover a-literacia-vol-i-4-a-6-anos
Promover a-literacia-vol-i-4-a-6-anosPromover a-literacia-vol-i-4-a-6-anos
Promover a-literacia-vol-i-4-a-6-anosCarla Ganço
 
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]salaberth
 
O conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologica
O conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologicaO conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologica
O conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologicaJoão Paulo Freire
 
Brochura sobre consciência fonológica
Brochura sobre consciência fonológicaBrochura sobre consciência fonológica
Brochura sobre consciência fonológicaAna Paula Santos
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...EFIGÊNIA NERES
 
Vamosbrincararimar vol iii
Vamosbrincararimar vol iiiVamosbrincararimar vol iii
Vamosbrincararimar vol iiiAna Simão Alho
 
Aprendizagem da leitura e da escrita.pdf
Aprendizagem da leitura e da escrita.pdfAprendizagem da leitura e da escrita.pdf
Aprendizagem da leitura e da escrita.pdfMarisaDobres
 
Programa de Treino Da Consciencia Fonologica.pdf
Programa de Treino Da Consciencia Fonologica.pdfPrograma de Treino Da Consciencia Fonologica.pdf
Programa de Treino Da Consciencia Fonologica.pdfCoordenaoFundamental13
 
Programa de Treino da Consciência Fonológica .pdf
Programa de Treino da Consciência Fonológica .pdfPrograma de Treino da Consciência Fonológica .pdf
Programa de Treino da Consciência Fonológica .pdfRaul Gonçalves
 
AS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
AS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfAS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
AS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfYrtes
 
Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita  Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita angelafreire
 
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]especialpartilha
 
Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01
Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01
Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01Marta Pereira
 

Semelhante a DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA (20)

Promover a literacia vol. i 1
Promover a literacia vol. i 1Promover a literacia vol. i 1
Promover a literacia vol. i 1
 
Como orientar os alunos com dificuldades na leitura
Como orientar os alunos com dificuldades na leituraComo orientar os alunos com dificuldades na leitura
Como orientar os alunos com dificuldades na leitura
 
Promover a-literacia-vol-i-4-a-6-anos
Promover a-literacia-vol-i-4-a-6-anosPromover a-literacia-vol-i-4-a-6-anos
Promover a-literacia-vol-i-4-a-6-anos
 
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
 
O conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologica
O conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologicaO conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologica
O conhecimento da língua - desenvolver_a_consciencia_fonologica
 
Brochura sobre consciência fonológica
Brochura sobre consciência fonológicaBrochura sobre consciência fonológica
Brochura sobre consciência fonológica
 
Promover a literacia vol. i
Promover a literacia vol. iPromover a literacia vol. i
Promover a literacia vol. i
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
 
Vamosbrincararimar vol iii
Vamosbrincararimar vol iiiVamosbrincararimar vol iii
Vamosbrincararimar vol iii
 
Aprendizagem da leitura e da escrita.pdf
Aprendizagem da leitura e da escrita.pdfAprendizagem da leitura e da escrita.pdf
Aprendizagem da leitura e da escrita.pdf
 
Programa de Treino Da Consciencia Fonologica.pdf
Programa de Treino Da Consciencia Fonologica.pdfPrograma de Treino Da Consciencia Fonologica.pdf
Programa de Treino Da Consciencia Fonologica.pdf
 
Programa de Treino da Consciência Fonológica .pdf
Programa de Treino da Consciência Fonológica .pdfPrograma de Treino da Consciência Fonológica .pdf
Programa de Treino da Consciência Fonológica .pdf
 
Artigo dislexia
Artigo dislexiaArtigo dislexia
Artigo dislexia
 
AS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
AS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfAS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
AS HABILIDADES PREDITORAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
 
Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita  Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita
 
Eixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escritaEixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escrita
 
Eixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escritaEixo linguagem oral e escrita
Eixo linguagem oral e escrita
 
52820 6190
52820 619052820 6190
52820 6190
 
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
O conhecimento da_lingua_desenv_consciencia_fonologica.pdf[1]
 
Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01
Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01
Oconhecimentodalngua desenvolveraconscinciafonolgica-110301101602-phpapp01
 

Último

Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Prime Assessoria
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Prime Assessoria
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 

Último (20)

Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 

DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA

  • 1. 0 DISLEXIA X ALFABETIZAÇÃO FÔNICA Sirlene Aparecida Nogueira Pós Graduação em Psicopedagogia Institucional São João da Boa Vista/SP Orientadora: ProfªDra. Gabriela Maffei Moreira Malagolli RESUMO A dislexia do desenvolvimento é um transtorno de leitura e escrita e dentre os transtornos é o que mais afeta o processo de aprendizagem. Uma vez diagnosticada, é fundamental a utilização de métodos e programas de tratamentos adequados, que visem o desenvolvimento de habilidades necessárias para que a alfabetização seja bem sucedida. Considera-se o processamento fonológico como um pré-requisito para a aquisição e o domínio da leitura e escrita. Neste sentido, o presente estudo se propõe abordar o método de“Alfabetização Fônica X Construtivismo”, com a finalidade precípua de demonstrar a importância dos mesmos em suas peculiaridades na construção do conhecimento. Principalmente em se tratando da criança que apresenta perfil compatível quadro de dislexia do desenvolvimento. Definida como um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração, a dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas realizadas em vários países mostram que entre 05% e 17% da população mundial é disléxica. Ao contrário do que muitos pensam a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção desmotivação, condição sócia econômica ou baixa inteligência. É uma condição hereditária por alterações genéticas, apresentado alterações no padrão neurológico. Palavras-Chave: Dislexia, Leitura, Escrita.
  • 2. 1 INTRODUÇÃO O presente estudo tem por objetivo alavancar quais são os principais problemas encontrados pelas crianças disléxicas em sala de aula, como também quais são os sintomas, e como devem ser feito seu diagnóstico, e posteriormente qual a melhor metodologia a ser aplicada pelo corpo docente o Construtivismo, Método fônico ou ambos concomitantemente afim de, melhorar o seu desempenho acadêmico, e consequentemente sua vida como um todo. Visando a orientação de todos os envolvidos, ou seja, corpo escolar, seus familiares diretos, para que possam caminhar juntos e obter o sucesso. Sendo que a Dislexia é considera um dos transtornos que mais afetam a aprendizagem. É uma dificuldade de aprendizagem de origem neurológica, caracterizada pela dificuldade no reconhecimento e fluência corretos e por dificuldade na decodificação e soletração (Capovilla, 2003). Essas dificuldades resultam tipicamente no déficit no componente fonológico da linguagem que é inesperada em relação a outras habilidades cognitivas consideradas no grupo (faixa etária). 1. A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM A aquisição da linguagem, seja oral ou escrita, é parte integrante do cotidiano de todo ser humano; os grandes pensadores do desenvolvimento de linguagem, como mestres e propulsores de estudos tais como: Jean Piaget (1896-1980), Lev Vygotsky (1896- 1934), Henri Wallon (1879-1962) formadores do grande tripé da educação, que elaboram importantes teorias no âmbito da psicologia(cognitiva) e da educação, que evidenciam e ao mesmo tempo impactam modos de pensar e teorizar sobre o pensamento na criança no século XX. Piaget destaca-se pela teoria do desenvolvimento humano e Vygotsky como Wallon, atribuem ao desenvolvimento cognitivo da criança, fatores intrinsecamente atrelados entre o desenvolvimento biológicos, com o meio onde ao qual ela está inserida. Apontando para que
  • 3. 2 toda fonte de conhecimento se tornasse possível através desta contextualização..Portanto, o construtivismo Ferreiro (1985) é uma metodologia de ensino também entendida como uma corrente pedagógica, que tem como principal foco o entendimento da obtenção da aprendizagem relacionado com a interação do indivíduo com o meio. 1.1.CONSTRUTIVISMO Através de muitas observações, pautadas na psicogênese da língua escrita, elaborou-se valiosos estudos acerca da construção da linguagem escrita. Observou que a criança reinventa a escrita, uma vez que precisam, inicialmente, compreender o processo e as regras de construção da escrita. Sendo que mesmo em momentos chamados de ensino informal, a criança constrói elaborações internas, ou seja, interpretações que independem dos adultos, (Ferreiro, 1985), e não podem ser entendidas como confusões perceptivas, e mesmo as garatujas já tem significados, cabendo aos professores observar o que o educando já conhece, prestando atenção no modo como ele interpreta os sinais ao seu redor, e não naquilo que a escola e seus gestores acreditam que a criança deva saber. A escrita pode ser concebida de duas formas: como transcrição gráfica de unidades sonoras ou como uma representação de linguagem. No caso de codificação, tanto os elementos com as relações já estão predeterminados; o novo código não faz senão encontrar uma representação diferente para os mesmos elementos e as mesmas relações. No caso da criação de uma representação, nem os elementos nem as relações estão determinadas A construção de um sistema de representação envolve um processo de diferenciação dos elementos e relações reconhecidos ou objeto a ser apresentado e uma seleção daqueles elementos e relações que serão retidos na representação. Se a aprendizagem da escrita é concebida como um código de transição, sua aprendizagem é entendida como uma técnica se for concebida como um sistema de representação, sua aprendizagem se converte na apropriação de um novo objeto de conhecimento, ou seja, em uma aprendizagem conceitual (FERREIRO,1985, p.12-16). Portanto, é necessário imaginação pedagógica para dar às crianças oportunidades ricas e diversificadas de interagir com a linguagem escrita. No entanto Ferreiro (1985) seria muitíssimo importante a formação psicológica para compreenderas respostas e as perguntas
  • 4. 3 das crianças. Como também ter a compreensão deque a aprendizagem da linguagem escrita é muito mais que aprendizagem de um código de transcrição, e sim a construção de um sistema de representação. 1.2.MÉTODO FÔNICO A alfabetização Fônica de acordo com Capovilla (2003) começa pela compreensão das unidades mínimas da escrita, ou seja, a compreensão do funcionamento do Código (ou Principio) Alfabético e a relação entre grafemas e fonemas. O alfabeto é um Código, e este enfatiza a importância do desenvolvimento fonológico como precursor para o processo de aquisição completa na fluência e domínio da escrita e consequentemente da leitura, abordagem esta que possibilita a realização de atividades de treino de leitura e consciência fonológica de forma lúdica, sistemática e objetiva. Os exercícios são divididos em duas partes: Consciência Fonológica e Alfabeto. Em Consciência Fonológica, as atividades focam na percepção de partes que compõem uma palavra, tais como sílabas, fonemas, rima e aliteração. Na parte de Alfabeto, as atividades são voltadas para ode treino de correspondências entre as letras e os seus sons. Outras sugestões Capovilla (2003)é a utilização também de jogos, livros e atividades que focam no treino ortográfico e na produção escrita. Dentre as habilidades consideradas primordiais para o processo de aquisição da leitura e escrita, o processamento fonológico é de suma importância. Neste sentido, Capovilla (2003) aponta que os distúrbios de processamento fonológico são a principal causa dos problemas de leitura e escrita, tal como ocorre no quadro de Dislexia do Desenvolvimento. Frente a tais dificuldades, atualmente tem sido criado programas de intervenção estruturados com foco nas dificuldades de leitura e de processamento fonológico que podem contribuir para melhora na leitura das crianças diagnosticadas com dislexia. Uma das ferramentas também implementada por Capovilla (2010 )são os CD-ROM a Alfabetização fônica computadorizada ,que tem tornado ainda mais lúdica e eficaz a alfabetização, bem como a intervenção para prevenção e tratamento de problemas de leitura e escrita, indicando um grande avanço no processo de automatização da leitura e consequentemente maior facilidade de acessar o conteúdo do que é lido. Desta maneira, a utilização do programa trouxe efeitos extremamente positivos.
  • 5. 4 2. DIAGNÓSTICO Quanto mais cedo se for feito o diagnóstico da criança disléxica melhor, para que se faça uma intervenção precoce, com a finalidade de serem amenizados os impactos causados pela mesma em sua totalidade.Sendo que alguns aspectos podem ser observados desde a educação infantil, embora a maioria dos diagnósticos sejam feitos à partir da terceira série , e segundo (Robert Frank,2003) o sintomas apresentados são: Problemas em reconhecer ou escrever palavras; Dificuldades em estruturar trabalhos escritos, como redações; Problemas com ortografia; Inversão de letras;Dificuldade de memória a curto prazo;Dificuldade em revisar ou identificar erros;Compreensão auditiva inferior à média;Problemas com organização;Dificuldades em escrever à mão; Baixo limiar de atenção quando escuta;Recuperação inferior de palavras; Problemas com discriminação visual;Problemas com percepção espacial;Dificuldades em lembrar nomes;Lentidão ao fazer tarefas escolares;Pouca noção de tempo;Dificuldade em distinguir certos sons entre vogais e consoantes;Confusões com símbolos e com o alfabeto;Problemas em lembrar a rotina diária e Compreensão inferior de leitura. Portando o diagnóstico dos transtornos de Aprendizagem (Robert Frank,2003) deve ser conduzida por uma equipe multidisciplinar e não só por um indivíduo. Porque a dislexia é uma condição complexa, e especialistas de uma variedade de campos, incluindo médico, neurológico,educacional,psicológico e social, são necessários para haver uma avaliação correta. Os sistemas de ensino invariavelmente usam uma abordagem multidisciplinar, incluindo dados dos professores e de outros funcionários e orientadores da escola. Assim, a avaliação não só identifica as causas das dificuldades apresentadas, como permite um encaminhamento adequado ao tratamento para cada caso, por meio de um relatório. Portanto, conhecendo as causas das dificuldades do indivíduo, o profissional pode utilizar a linha terapêutica que julgar mais conveniente para o tratamento,no qual poderá ser elaborado um Programa de Educação Individualizada (PEI),onde serão trabalhadas as suas necessidade específicas.
  • 6. 5 Segundo este mesmo autor Robert Frank (2003) a dislexia não tem cura, pois não é uma doença e sim um distúrbio de aprendizagem. No entanto, com acompanhamento adequado, mediante uma avaliação adequada, o disléxico evoluirá. Esse tempo de acompanhamento vai variar de disléxico para disléxico considerando-se os diferentes graus da dislexia. Portanto, desde o princípio do acompanhamento o próprio disléxico, como os familiares e a escola, poderão perceber as mudanças, o que será altamente positivo para sua vida acadêmica, familiar, social e profissional. 3. CONCEITO DEDISLEXIA E CLASSIFICAÇÃO ESPECÍFICA A Dislexia é um tipo de distúrbio de leitura , que provoca uma dificuldade específica na aprendizagem da identificação dos símbolos gráficos (Capovilla,2003), embora a criança apresente inteligência normal, integridade sensorial e receba estimulação e ensino adequado, no entanto a leitura é um processo de compreensão abrangente que envolve aspectos sensoriais, emocionais, intelectuais, fisiológicos, neurológicos, bem como culturais, econômicos e políticos. E a correspondência entre os sons e os sinais gráficos, através da decifração do código e a compreensão do conceito ou idéia. Tanto quanto a fala, a leitura não é um comportamento natural, mas um processo adquirido a longo prazo e em certas circunstância de vida que determinam o sucesso ou o fracasso na aprendizagem. Segundo Myklebust (1998 apud José;Coelho,2008) “representando um déficit na capacidade de simbolizar, começa a se definir a partir da necessidade que tem a criança de lidar, receptivamente, ou expressivamente, com a representação da realidade, ou antes, com a simbolização da realidade, ou poderíamos também dizer, com a nomeação do mundo”. Os principais padrões de disfunção na leitura podem ser divididos em dislexias periféricas e centrais Morais (1995) e Seymour (1987). Nas dislexias periféricas, os distúrbios ocorrem na análise visual (e.g., dislexia visual e dislexia de negligência), ou no reconhecimento das palavras (e.g.leitura letra -a- letra e dislexia atencional). Já nas dislexias centrais, os distúrbios o correm em componentes das rotas fonológica e/ou lexical.As dislexias em que apenas uma das rotas apresenta distúrbios são denominadas de síndromes de um único componente(Pinheiro,1995), como por exemplo as dislexias fonológica e morfêmica.Quando ambas as rotas apresentam problemas, as dislexias são denominadas de síndromes de componentes múltiplos, como por exemplo as dislexias
  • 7. 6 profundas e superficial. Segue uma breve descrição de cada um desses quadros segundo Morais (1995)e Seymour (1995): 1. Dislexia visual: Há distúrbios no sistema de análise visual das palavras. Os Erros de leitura mostram uma semelhança visual entre a escrita da palavra pronunciada e a da palavra alvo;2. Dislexia de negligência: Os distúrbios também estão no sistema de análise visual. Na leitura ocorrem erros sistematicamente em certas partes da palavra (geralmente na parte inicial);3. Leitura letra –a- letra: Há distúrbios no reconhecimento global de palavras, ou seja, no processamento paralelo a letras. A leitura só é feita corretamente após a soletração (em voz alta ou não) de cada letra individual; 4. Dislexia atencional: Há dificuldades na codificação das posições especificas das letras nas palavras, apesar da identificação paralela das letras estarem preservadas. Pode haver migrações de letras dentro de uma mesma palavra ou ,principalmente, de uma palavra a outra durante a leitura de frases; 5. Dislexia fonológica: Há dificuldade ma leitura pela rota fonológica e, portanto, a rota lexical é preferencialmente usada. (Boder, 1973); 6.Dislexia morfémica ou semântica: Há dificuldades na leitura pela rota lexical, sendo que a leitura é feita basicamente pela rota fonológica. (Boder,1973);7. Dislexia profunda; Há sérios distúrbios no processo de conversão grafema fonema e algum distúrbio na rota lexical. Coltheart (1987); 8. Dislexia Superficial: Há sérios distúrbios na rota lexical e algum distúrbio na rota fonológica. Porém, atualmente há uma tendência em não diferenciar a dislexia superficial da dislexia morfémica. Os erros demonstram efeito de regularidade e ausência de efeito de lexicalidade. Capovilla ( 2003, p.26-28). 4. ATITUDESE ATIVIDADES POSITIVAS PARA AUXILIAR O DISLÉXICO Seguem algumas sugestões (Robert Frank, 2003) atitudes consideradas positivas como atividades que podem ser trabalhadas com os disléxicos tais como: Incentivando-lo sempre , destacando suas conquistas, e superando os seus medos e inseguranças, proporcionar-lhe materiais pedagógicos que saliente seus pontos fortes, principalmente incentivando-o a ler aquilo que lhe traz prazer, tais como:livros, revistas, artigos,etc. Deixá-lo usar instrumentos tecnológicos (onde possam lhe auxiliar nas pesquisas ou seja:tablets; notebook;celular; gravadores; etc.Procurar fazer com que ele tenha um horário esquematizado para suas atividades, sendo que assim conseguirá dar conta de cumprir todas as atividade que lhe foi propostas.Buscar sempre um lugar tranqüilo e organizado para que
  • 8. 7 possa fazer suas lições.Oferecer-lhe mais tempo para que possam fazer suas provas, e se possível orais com um facilitador.Não colocá-lo em condições ridículas, expondo em situações que se sintam coagidos, respeitando suas condições peculiar.Procurar vivenciar de maneira empírica atividades que possam lhe trazer de maneira concreta o raciocínio lógico, através de jogos tais como: xadrez, dominó, quebra-cabeça, etc. Proporcionar-lhe passeios em lugares que possa tem contextualização de sentidos tais como: Museus; parques temáticos, cinemas, bibliotecas, cidades históricas etc. CONSIDERAÇÕESFINAIS A criança se vê continuamente envolvida, como agente observador, no mundo “letrado”. [...] Se pensarmos que a escrita remete de maneira óbvia e natural à linguagem, estamos supervalorizando as capacidades da criança, que pode estar longe de ter descoberto sua natureza fonética. [...] A criança que cresce em um meio “letrado” está exposta à influência de uma série de ações. E quando dizemos ações, neste contexto, queremos dizer interações. Através das interações adulto/adulto, adulto/criança e criança entre si, criam- se as condições para a inteligibilidade dos símbolos. (FERREIRO, 1985, P.59-61). Apesar de haver controvérsias em se tratando de “Métodos”, e de qual seria o melhor para a alfabetização das crianças, nesta questão pertinente em se tratando do “Disléxico”, tudo leva a crer que o método da Alfabetização fônica evidência diante deste presente estudo, como sendo considerada a ideal para este tipo de transtorno. Sendo que a rota fonoaudióloga é essencial para o desenvolvimento da leitura (Share, 1995) no estágio inicial, e o processo de decodificação fonológica é fundamental para a aquisição das representações ortográficas das palavras, o que posteriormente permitirá a leitura via rota lexical. Nos estágios posteriores, a decodificação ainda continua sendo de extrema importância, visto que o leitor está sempre se deparando com palavras desconhecidas. Portanto, nada impede que ela possa ser exercitada concomitantemente com o método do Construtivismo. O importante é a aceitação e adaptação do próprio disléxico à linha adotada pelo profissional. Lembrando-se das múltiplas inteligências. Como a principal característica dos disléxicos é a dificuldade da relação entre a letra e o som (Fonema-Grafema), ele precisa ter um acompanhamento por multiprofissionais tais como: Psicopedagogos trabalhando na
  • 9. 8 contextualização dos sentidos através de atividades lúdicas, em materiais concretos, como também visando a orientação de todo corpo docente, e apoio à seus familiares para o progresso do mesmo. Neste contexto o acompanhamento por um fonoaudiólogo será indispensável, pois o mesmo irá enfatizar a consciência fonológica. Onde serão trabalhados no sentido de treinar a memória imediata, percepção visual e auditiva. Todavia, é imprescindível que seja impulsionado a idéia da utilização de materiais multissensoriais (Robert Frank,2003)para suprir o máximo as necessidades individuais da criança e deixá-las usar os seus sentidos, especialmente o tato e a audição. Um exemplo básico seria poder ler e ouvir enquanto se escreve. Outro seria, por exemplo, levá-lo à um museu, pois, o disléxico assimila muito bem tudo que é vivenciado empiricamente. Todavia, ainda não existe uma classificação em forma de lei específica para que melhor ampare a criança, ou seja, o indivíduo com distúrbio de aprendizagem. Sendo que,se houver todo um aparato legal no que concerne o apoio e com acompanhamento adequado a criança em período propício, mediante uma avaliação adequada a tempo de uma intervenção na idade certa, ou seja, por profissionais capacitados, e a orientação e acompanhamento após diagnóstico, trabalhando em conjunto com o corpo docente e seus familiares. O disléxico evoluirá de forma consistente até obter melhorias na qualidade de vida educacional, causando menos estresse e acúmulos de impactos negativos em sua vida, tanto na forma acadêmica como pessoal. Sendo que este tempo de acompanhamento por profissionais de múltiplos apoios (Robert Frank, 2003) poderá variar de disléxico para disléxico, além de considerar os diferentes graus da dislexia. Portanto, desde o princípio do acompanhamento o próprio disléxico, como todos os envolvidos, que estão em seu entorno tais como:- seus familiares, corpo docente e comunidade escolar, perceberão suas mudanças deforma positiva e gradativamente. Sendo que é muitíssimo importante neste período também o apoio intra familiar. Principalmente, onde todos os envolvidos devem procurar sempre exaltar as conquistas da criança, estimulando-a em suas capacidades peculiares. Portanto, já está previsto na lei 9.394, de 20/12/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação a partir do artigo 12, inciso I), que a escola faça a elaboração, e se atente a execução da sua Proposta Política Pedagógica, na qual já está embutidas em seu bojo, as orientações peculiares, em que as crianças, jovens ou adultos devam caminhar com seu grupo etário.
  • 10. 9 Salientando-seque o caso de retenção de série neste caso de crianças com distúrbio de aprendizagem como é o caso do disléxico em específico, é desaconselhável, pois uma vez que isso venha a ocorrer, poderá causar-lhe danos irreversíveis, visto que, já traz em seu histórico tantos desafios e insucessos, e poderá até mesmo por conta disso, abandonar a vida acadêmica, por baixa auto-estima.Lembrando-se sempre que muitas vezes ele já vem tão desgastado por fracassos não compreendidos. Cabendo a todos bom senso. Dislexia não é uma doença, mas sim um distúrbio hereditário (genético) e, portanto o indivíduo nasce e morre com esse distúrbio. Destacando que o Disléxico na maioria das vezes em testes aplicados de Inteligência cognitiva é classificado acima da média. Estudos indicam que pessoas com dislexia podem apresentar o lado direito do cérebro maior (ABD, 2001). Desta forma, indivíduos disléxicos podem ter suas habilidades que envolvam criatividade mais apuradas, em comparação à pessoas sem este diagnóstico, o que explica a ocorrência de casos entre famosos como Charles Darwin, Leonardo Da Vinci, Tom Cruise e Walt Disney,Albert Einstein etc. REFERÊNCIAS BRASIL, Lei 8069 de 13/07/1990. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (ECA).Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm.Acesso em: 8 de março 2016. BRASIL, Lei 9394 de 20/12/96. LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO (LDB).Disponívelem:http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf?sequ ence=3.Acesso em:8 de março 2016. CAPOVILLA, Alessandra Gotuzo Seabra, Capovilla, Fernando César .Problemas de Leitura e Escrita. Como identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica. 3ª Ed. São Paulo: Memnon. 2003. CARTILHA DA INCLUSÃO ESCOLAR – INCLUSÃO BASEADA EM EVIDÊNCIAS CIÊNTÍFICAS. Disponível em: <www.aprendercrianca.com.br>. Acesso em: 8 março 2016 FRANK,Robert. A Vida Secreta da Criança com Dislexia. São Paulo:M.Books Editora Ltda. 2003. GOVERNO. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO (CEE)-ALFABETIZAÇÃO: A GUERRA DOS METODOS, O PNAIC E AS POLITICAS PÚBLICAS LOCAIS- Disponível
  • 11. 10 em:<http://www.cee.se.gov.br/arquivos/Alfabetizacao_guerra_metodos.pdf>.Acesso em: 8 março 2016. PIAGET, VYGOTSKY E WALLON: CONTRIBUIÇOES PARA OS ESTUDOS DA LINGUAGEM– Caciana Linhares Pereira.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n2/v17n2a10.pdf>.Acesso em: 8 março 2016. REVISTA CRESCER- DISLEXIA PODE SER DESCOBERTA ANTES DA ALFABETIZÇÃO. Disponível em:<http://simaia.blogspot.com.br/2012/06/dislexia-pode-ser-descoberta-antes- da.html>.Acesso em: 8 março 2016. The Internacional DYSLEXIA ASSOCIATION – ABD- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISLEXIA – Disponível em:<http://dislexia.org.br/v1/>. Acesso em8 março 2016 . .