SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
Baixar para ler offline
ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA
ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL
Rua Oliveira Lisboa, nº 41, Barreiro, Belo Horizonte – MG – CEP 30640-470
Fone: 31 33848770 – www.metaescolatecnica.com.br
INTRODUÇÃO
Anatomia - é a ciência que estuda a estrutura do corpo de animais e plantas (macro e microscopicamente).
Fisiologia - é a ciência que estuda o funcionamento de um corpo; estuda os papéis que desempenham os órgãos no
corpo humano e a interdependência das funções nos órgãos.
Durante séculos, os conhecimentos sobre um dos mais antigos objetos da curiosidade do homem, a anatomia
humana, acumularam-se e foram se ampliando com os modernos instrumentos e técnicas.
Um desses conhecimentos é que o corpo, ou melhor, o organismo humano, se compõe de células e que estas se
combinam para formarem tecidos, os quais se associam de vários modos para constituir os distintos órgãos. Estes órgãos,
em conjunto, desempenham tarefas especificas para todo o corpo, compondo aparelhos e sistemas orgânicos.
CÉLULAS
É a menor porção estrutural e funcional que constitui o ser vivo, só podendo ser observada, na maioria dos casos,
em microscópio. Algumas células podem ser observadas sem auxílio do microscópio, como por exemplo o ovo. O ser
humano, por ser formado por várias células, é classificado como pluricelular ou metazoário.
As células no organismo humano apresentam dimensões variadas, dependendo de sua localização. Nos organismos
pluricelulares, as células se apresentam com formas e estruturas extremamente variadas.
A célula constitui-se, entre outros elementos, de: membrana citoplasmática, citoplasma e núcleo.
a) Membrana citoplasmática - é a camada mais externa, envolvendo a célula. Tem, entre outras funções, as de
sustentação e proteção da célula. Regula a entrada e saída de substâncias na célula.
b) Citoplasma - é o conteúdo celular compreendido entre o núcleo e a membrana celular. É uma substância viscosa
onde existem várias organelas (órgãos celulares), responsáveis por diversas funções da célula.
c) Núcleo - é um corpúsculo que existe imerso no citoplasma, geralmente no centro da célula. As principais funções
do núcleo são o crescimento e a reprodução celular.
Principais Organelas Celulares
a) Lisossomos - Estruturas ricas em enzimas que degradam moléculas de gorduras, proteínas e outros compostos
presentes na célula, ou seja, são as estruturas responsáveis pela digestão celular.
b) Mitocôndrias - Apresentam-se como partículas arredondadas ou alongadas. São responsáveis pela respiração
celular; por isso seu número é elevado nas células com maior capacidade energética, como as células
musculares e nervosas.
c) Ribossomos - Estão presentes em todos os tipos celulares e são extremamente pequenos, sendo visíveis
apenas pelo microscópio eletrônico. Na célula, participam do processo de elaboração de proteínas.
d) Complexo de Golgi - Apresentam-se sob a forma de vesículas achatadas e superpostas. A função precisa dessa
estrutura é desconhecida. Há indícios de que ela poderia estar relacionada á secreção e ao transporte de
partículas para dentro e para fora da célula.
2
Duração das Células
a) Lábeis - São células de ciclo vital curto; pouco especializadas; reproduzem-se intensamente durante toda a vida
do organismo. Ex.: células epiteliais.
b) Estáveis - São células de ciclo vital médio; relativamente especializadas; reproduzem-se apenas na fase de
crescimento do indivíduo ou nos processos degenerativos. Ex.: células hepáticas, células ósseas.
c) Permanentes - São células de ciclo vital longo; muito especializadas; reproduzem-se no período embrionário.
Ex.: células nervosas (neurônio).
TECIDO
O tecido é um conjunto de células de forma e função semelhantes. Principais tipos de tecidos:
1) Tecido epitelial - é constituído por células de forma regular, intimamente unidas, de modo que entre elas quase
não sobram espaços para material extracelular. Geralmente são: cilíndricas, cúbicas ou achatadas.
 Revestir o corpo, formando a epiderme. Reveste internamente órgãos ocos (mucosas), como o estomago e o
intestino. E envolve certos órgãos (serosa), como por exemplo, a pleura envolvendo os pulmões.
 Formar glândulas - As glândulas são órgãos encarregados de produzir secreções. Algumas lançam seus produtos
para fora do corpo, por meios de condutos, ou para o interior de órgãos, por meio de finos duetos. São chamadas
glândulas de secreção exócrinas. Como exemplo de glândulas exócrinas temos: glândulas lacrimais, mamarias,
salivares, sudoríparas, etc. Outras glândulas liberam suas secreções diretamente no sangue. São as chamadas
glândulas de secreção interna ou endócrinas. Seus produtos de elaboração são chamados de hormônios. Como
exemplos, podemos citar: glândula hipófise, tireóide, paratireóide, testículos, ovários, etc. O pâncreas, por ter
função endócrina e exócrina ao mesmo tempo, é considerado uma glândula mista. Como glândula endócrina. Ele
produz insulina e o glucagon, hormônios que regulam a taxa de glicose no sangue, e como glândula exócrina
produz o suco pancreático, que é lançado no intestino delgado (duodeno) para auxiliar a digestão.
2) Tecido conjuntivo - Tem como função preencher espaços entre os diversos órgãos, bem como formar a
estrutura geral de sustentação do organismo esqueleto). Classifica-se da forma que se segue:
a) Tecido conjuntivo propriamente dito - é o mais encontrado em todo o organismo, preenchendo espaços entre os
diversos órgãos. Formado por células com capacidade de se proliferar e modificar durante os processos
inflamatórios de cicatrização.
b) Tecido conjuntivo elástico - é encontrado, por exemplo, nas paredes das artérias, permitindo que ocorra
expansão pela passagem do sangue, originando a pulsação. Sua característica é a elasticidade, é encontrado
nas artérias maiores, nos ligamentos vocais da laringe, etc.
c) Tecido conjuntivo fibroso - forma, por exemplo, os tendões, que são fibras que ligam um músculo a um osso.
Sua característica é a resistência à tensão e grande flexibilidade.
d) Tecido conjuntivo adiposo - é formado por células gordurosas que se alojam ao redor de certos órgãos (coração,
rim, intestino etc.) e sob a pele (chamada de "toucinho" em alguns animais). Funciona como reserva alimentar,
como sustentação para os órgãos, proteção contra o frio e ações mecânicas.
e) Tecido conjuntivo cartilaginoso - formado por células arredondadas, chamadas de condroblastos, promovem a
sustentação do corpo, com resistência elástica à pressão. Estrutura maleável, "moldando" certas corpo. Ex.:
orelhas, nariz, traquéia, etc.
f) Tecido hematopoiético - é responsável pela produção dos elementos do sangue. Localiza-se na medula óssea,
nodos linfáticos, baço.
g) Tecido ósseo - constituído pêlos osteócitos e pela substância fundamental (osseína) que, associada aos sais
minerais, faz com que os ossos sejam rígidos, resistentes à pressão e tensão, e suportam determinada carga.
Localiza-se nos ossos, dentina e cimento dos dentes.
3) Tecido muscular -
O tecido muscular é constituído de células com capacidade de contração. As células são alongadas, também
chamadas de fibras musculares.
É responsável pêlos movimentos do organismo, como propriedades de se contrair, ou de se estender, é uma das
principais fontes de energia.
Será estudado no capítulo sobre músculos. Características especiais:
 Músculo liso: não tem fibras estriadas, ação involuntária (vísceras).
 Músculo estriado: possui fibras estriadas e ação voluntária (músculo esquelético).
 Músculo cardíaco: possui fibras estriadas e ação involuntária (coração).
3
4) Tecido nervoso - O tecido nervoso é formado por células chamadas neurônios (considerado a unidade
anatômica e funcional do sistema nervoso, é composto pelo corpo celular e seus prolongamentos).
Encontram-se ao cérebro, medula e sistema nervoso periférico, onde dirige todos os processos vitais do organismo
através de recepção, assimilação e distribuição de estímulos.
Os prolongamentos dos neurônios são chamados dendritos (vários e curtos) e axônio (único e longo).
Os neurônios que não apresentam dendritos são denominados unipolares; aqueles que apresentam um único
dendrito são bipolares e os que apresentam múltiplos dendritos são multipolares. O tecido nervoso será estudado no
capítulo sobre sistema nervoso.
Axônio: Condutor de impulsos a partir do corpo celular;
Dendritos: São prolongamentos que conduzem os impulsos para o corpo celular.
4
ÓRGÃOS E SISTEMAS
Os órgãos são formados por tecidos ou grupo de tecidos que desempenham funções específicas. Exemplos: o
intestino, o fígado, o cérebro.
Os sistemas são formados por órgãos de um mesmo tecido. Exemplo: o sistema ósseo, o sistema nervoso.
Exercícios
1) O que Robert Hooke observou ao examinar uma lâmina de cortiça e como o que chamou o que viu?
2) Correlacione a segunda coluna de acordo com a primeira.
a) Membrana citoplasmática ( ) Importante para o crescimento e reprodução celular
b) Citoplaspa ( ) Responsável pela sustentação e reprodução celular
c) Núcleo ( ) Substancia viscosa onde existe varias organelas
d) Ribossomo ( ) Elaboração de proteinas
e) Mitocôndria ( ) Digestão celular
f) Lisossomo ( ) Respiração celular
3) O conjunto de células com forma e função semelhante é denominada __________________ .
4) Quais as duas funções básicas do tecido epitelial?
5) Coloque no parêntese o número 1 para glândula exócrina, o número 2 para glândula endócrina e 3 para glândula
mista.
( ) Glândulas sudoríparas. ( ) Testículos.
( ) Glândulas pancreáticas. ( ) Glândulas mamarias.
( ) Glândulas tireóide.
6) Dê as características dos seguintes tecidos:
a) Tecido conjuntivo propriamente dito
b) Tecido conjuntivo fibroso.
c) Tecido conjuntivo cartilaginoso.
7) Os sistemas são formados por órgãos de vários tecidos. ( ) Certo. ( ) Errado.
8) As células estreladas formadoras do sistema nervoso são denominadas __________________ .
9) Os intestinos, fígado, cérebro, etc, são células, tecidos, órgãos ou sistemas? ______________ .
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA TOPOGRÁFICA
No seu conceito mais amplo, a Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o
desenvolvimento dos seres organizados.
Um excelente e amplo conceito de Anatomia foi proposto em 1981 pela American Association of Anatomists: anatomia é a
análise da estrutura biológica, sua correlação com a função e com as modulações de estrutura em resposta a fatores temporais,
genéticos e ambientais.
Tem como metas principais a compreensão dos princípios arquitetônicos da construção dos organismos vivos, a descoberta
da base estrutural do funcionamento das várias partes e a compreensão dos mecanismos formativos envolvidos no
desenvolvimento destas.
A amplitude da anatomia compreende, em termos temporais, desde o estudo das mudanças a longo prazo da estrutura, no
curso de evolução, passando pelas das mudanças de duração intermediária em desenvolvimento, crescimento e envelhecimento;
até as mudanças de curto prazo, associadas com fases diferentes de atividade funcional normal.
Em termos do tamanho da estrutura estudada vai desde todo um sistema biológico, passando por organismos inteiros e/ou
seus órgãos até as organelas celulares e macromoléculas.
A palavra Anatomia é derivada do grego anatome (ana = através de; tome = corte). Dissecação deriva do latim (dis =
separar; secare = cortar) e é equivalente etimologicamente a anatomia. Contudo, atualmente, Anatomia é a ciência,
enquanto dissecar é um dos métodos desta ciência.
Seu estudo tem uma longa e interessante história, desde os primórdios da civilização humana. Inicialmente limitada
ao observável a olho nu e pela manipulação dos corpos, expandiu-se, ao longo do tempo, graças a aquisição de
tecnologias inovadoras.
Atualmente, a Anatomia pode ser subdividida em três grandes grupos: Anatomia macroscópica, Anatomia
microscópica e Anatomia do desenvolvimento.
5
A Anatomia Macroscópica é o estudo das estruturas observáveis a olho nu, utilizando ou não recursos tecnológicos os
mais variáveis possíveis, enquanto a Anatomia Microscópica é aquela relacionada com as estruturas corporais invisíveis a
olho nu e requer o uso de instrumental para ampliação, como lupas, microscópios ópticos e eletrônicos.
Este grupo é dividido em Citologia (estudo da célula) e Histologia (estudo dos tecidos e de como estes se organizam
para a formação de órgãos).
A Anatomia do desenvolvimento estuda o desenvolvimento do indivíduo a partir do ovo fertilizado até a forma adulta.
Ela engloba a Embriologia que é o estudo do desenvolvimento até o nascimento.
Embora não sejam estanques, a complexidade destes grupos torna necessária a existência de estudos específicos.
NORMAL E VARIAÇÃO ANATÔMICA
Normal, para o anatomista, é o estatisticamente mais comum, ou seja, o que é encontrado na maioria dos casos.
Variação anatômica é qualquer fuga do padrão sem prejuízo da função. Assim, a artéria braquial mais comumente divide-
se na fossa cubital. Este é o padrão. Entretanto, em alguns indivíduos esta divisão ocorre ao nível da axila. Como não
existe perda funcional esta é uma variação.
Quando ocorre prejuízo funcional trata-se de uma anomalia e não de
uma variação.
Se a anomalia for tão acentuada que deforme profundamente a
construção do corpo, sendo, em geral, incompatível com a vida, é uma
monstruosidade.
 Variação anatômica – diferenças externas ou internas que não
causam prejuízo aos seres vivos, como timbre de voz.
 Anomalia anatômica – variação que causam prejuízo funcional,
como ter um dedo a menos nas mãos;
 Monstruosidade – variação totalmente incompatível com a vida:
anencefalia (ausência de encéfalo) é considerada monstruosidade.
Termos de Referência da Topografia Anatômica de Direção e Posição
Os termos apresentados, a seguir, são básicos
e devem ser empregados quando você estiver
referindo-se ao corpo humano. Posição anatômica:
considere o corpo humano ereto com a frente
voltada pra você. Os braços estão ao longo do
corpo, para baixo, com as palmas das mãos para
frente. Os pontos de referencia à todas as estruturas
são feitas imaginando-se o corpo em posição
anatômica. Isto é muito importante quando
consideramos os ossos e os vasos sanguíneos do
braço, por exemplo.
Direita e Esquerda: sempre usamos como
referencia o termos direita e esquerda do paciente.
Anterior e Posterior: anterior refere-se a frente
do corpo e posterior indica as costas ou dorso do
corpo. Na cabeça a face é considerada anterior e as
outras estruturas são as posteriores.
Linha Mediana: é uma linha vertical imaginaria
que divide o corpo em lado esquerdo e direito. Algo
que se aproxime ou esta na direção da linha
mediana é dito como medial e o que esta mais
afastado é dito como lateral. Lembre-se da posição
anatômica, o polegar encontra-se na lateral,
enquanto o dedo mínimo da mão é considerado
medial.
6
ANATOMIA SISTEMÁTICA
CONCEITOS:
É o estudo da estrutura de um organismo e das relações entre suas partes (SPENCE, 1991).
É ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento dos seres organizados
(DANGELO E FATTINI, 1995).
Anatomia macroscópica é o estudo da morfologia por meio de dissecação a olho nu ou com pequeno
aumento, tal como o de uma lente manual. O estudo da anatomia microscópica é o estudo da estrutura com o
auxílio de um microscópio (GRAY, 1988).
VARIAÇÃO ANATÔMICA E NORMAL:
- Diferença na constituição morfológica entre indivíduos
- Fatores gerais de variação
- Idade
- Sexo
- Raça
- Biótipo
- Evolução
POSIÇÃO ANATÔMICA:
- Posição padronizada para o estudo
- A posição anatômica é obtida quando o corpo está:
- ereto;
- pés unidos;
- membros superiores colocados ao lado do corpo;
- palmas das mãos voltadas para frente;
- dedos estendidos e polegares afastados do corpo.
TERMOS DE DIREÇÃO:
- Os termos usados para indicar direção são considerados aos pares, cada um indicando uma direção oposta
- Anterior (ventral) - refere-se à frente do corpo
- Posterior (dorsal) - refere-se à parte posterior, o dorso
- Superior (cranial) - significa voltado para a cabeça
- Inferior (caudal) - significa afastado da cabeça
- Medial – voltado para o plano mediano do corpo
- Lateral – afastado do plano medial do corpo
- Proximal – mais próximo de qualquer ponto de referência
- Distal – afastado de qualquer ponto de referência
- Superficial – localizado próximo ou na superfície do corpo
- Profundo – localizado mais afastado ou mais profundamente da superfície do corpo do que as estruturas
superficiais
TERMOS REGIONAIS:
- Os termos regionais referem-se à partes específicas do corpo
- Cervical: refere-se ao pescoço
- Torácica: região do corpo entre o pescoço e o abdome
- Lombar: região do dorso entre o tórax e a pelve
- Sacral: a região mais inferior do tronco, logo acima das nádegas
- Plantar: a sola do pé; o “peito” do pé é a face dorsal
- Palmar: a face anterior da mão; a face posterior é a face dorsal
- Axila: a depressão situada na face inferior da região de união entre o membro superior e o tronco
- Virilha: junção entre a coxa e a parede abdominal
- Braço: o segmento do membro superior entre o ombro e o cotovelo
- Antebraço: o segmento do membro superior entre o cotovelo e o pulso
- Coxa: segmento do membro inferior entre o quadril e o joelho
- Perna: segmento entre o membro inferior entre o joelho e o tornozelo
CAVIDADES DO CORPO:
- O corpo contém duas cavidades principais:
- Dorsal (posterior)
- Cavidade craniana – aloja o encéfalo
- Cavidade vertebral – que contém a medula
- Ventral (anterior)
- Cavidade torácica
- Cavidade abdominal
7
PLANOS, EIXOS E MOVIMENTOS DO CORPO:
- No estudo da anatomia é usual visualizar o corpo cortado ou seccionado em vários planos de referência. Três
planos cardinais imaginários dividem o corpo em três dimensões
PLANOS:
- Plano sagital: também conhecido como plano ântero-posterior. Divide o corpo verticalmente em metades
direita e esquerda.
- Plano frontal: também referido como coronal ou lateral. Divide o corpo em metades anterior e posterior.
- Plano horizontal ou transverso: divide o corpo em metades superior e inferior.
EIXOS:
- Eixo vertical ou longitudinal: perpendicular ao plano transverso
- Eixo sagital: perpendicular ao plano frontal
- Eixo frontal: perpendicular ao plano sagital
MOVIMENTOS:
-
- Flexão(braço frente e trás) , extensão, hiperextensão, dorsiflexão e flexão plantar: ocorrem no plano
sagital com eixo frontal
- Abdução (Braco lateralmente ao corpo), adução, elevação, flexão radial e ulnar: ocorrem no plano
frontal com eixo sagital
- Rotação medial e lateral, supinação e pronação: ocorrem no plano transverso com eixo vertical
- *Circundução: combina flexão, extensão, abdução e adução em uma articulação. Ocorre no plano diagonal
(plano de movimento orientado obliquamente aos planos tradicionais.
SISTEMA ESQUELÉTICO OU LOCOMOTOR
O sistema esquelético compõe-se de ossos, cartilagens e articulações que interligam para formar o arcabouço do
corpo e desempenhar várias funções.
Como funções do esqueleto podemos citar: proteção para os órgãos; sustentação e conformação para o corpo;
sistema de alavancas que movimentadas pêlos músculos permitem os deslocamentos do corpo; local de armazenamento
de íons Ca e P e, finalmente, local de produção de certas células do sangue.
DIVISÕES DO ESQUELETO
O esqueleto humano consiste de 206 ossos. Os ossos podem ser agrupados no esqueleto axial e no esqueleto
apendicular.
A união entre estas duas porções se faz por meio de cinturas:
- Escapular: constituída pela escápula e clavícula;
- Pélvica: constituída pêlos ossos do quadril (ílio, ísquio e púbis)
ESQUELETO AXIAL
Cabeça
Coluna vertebral
Tórax (costelas e esterno)
ESQUELETO APENDICULAR
Cintura Escapular
Membros Superiores
Cintura Pélvica
Membros Inferiores
8
ESQUEMA DO CRESCIMENTO ÓSSEO
FATORES QUE AFETAM O CRESCIMENTO ÓSSEO
- Pressão
- Hormônios (paratireóide – parato-hormônio/osteclastos) (tireóide – calcitonina/osteoblastos)
- Nutrição – Vitamina D – necessária para a absorção de cálcio da corrente sangüínea.
ESTRUTURA ESQUELÉTICA
Homem adulto possui 206 ossos, cuja variedade de forma, tamanho e estrutura interna é decorrente de sua função.
9
FUNÇÕES DO ESQUELETO:
- O esqueleto desempenha várias importantes funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e
formação de células do sangue (hemopoiese).
Suporte: o esqueleto atua como arcabouço do corpo, dando suporte aos tecidos moles e promovendo pontos de fixação
para a maioria dos músculos.
Movimento: Pelo fato de muitos músculos estarem fixados ao esqueleto, e muitos ossos se relacionarem (articularem) por
articulações móveis, o esqueleto desempenha um papel importante na determinação do tipo e extensão do movimento que
o corpo é capaz de fazer.
Proteção: O esqueleto protege de lesões muitos dos órgãos vitais internos. Através de sua estrutura aloja e protege o
cérebro, medula, órgãos torácicos, bexiga e órgãos reprodutores.
Reserva de Minerais: Cálcio, fósforo, sódio, potássio e outros minerais são estocados nos ossos do esqueleto. Estes
minerais podem ser mobilizados e distribuídos pelo sistema vascular sangüíneo para outras regiões conforme sejam
requeridas pelo corpo.
Hemopoiese (formação de células do sangue): Após o nascimento, a medula óssea vermelha de certos ossos produz as
células sangüíneas encontradas no sistema circulatório.
PRINCIPAIS TIPOS DE OSSOS
a) Ossos longos São aqueles nos quais no comprimento é muito maior que a largura e espessura. Possuem
duas extremidades dilatas chamadas de epífises e um corpo cilíndrico chamado diáfise. A extremidade superior
é denominada epífise proximal e a extremidade inferior, epífise distal. Exemplo: úmero e fêmur.
b) Ossos chatos São aqueles nos quais a largura e o comprimento são maiores que a espessura. São placas
ósseas delgadas e côncavas, como as da caixa craniana. Exemplos: escápula, ossos do crânio.
c) Ossos curtos São aqueles que possuem as três dimensões semelhantes. Possui forma mais ou menos
cúbica, sendo pequenos e irregulares. Exemplos: calcâneo e ossos do punho.
d) Ossos pneumáticos São aqueles que possuem na sua parte interna, cavidades contendo ar. Exemplos: o
osso frontal, maxilar, etmóide, apresentam cavidades ocas fechadas cheias de ar.
e) Ossos sesamóides Vários pequenos ossos distintos, chamados de ossos sesamóides, são encontrados
frequentemente nos pés e nas mãos. Estes ossos adicionais, incrustados em determinados tendões,
frequentemente estão presentes próximos a várias articulações.
f) Osso irregular São aqueles que não tem correspondência em formas geométricas conhecidas. Exemplo:
vértebras.
O ESQUELETO DA CABEÇA
O esqueleto da cabeça é constituído por uma parte superior, denominada crânio, e uma parte inferior denominada
face.
Os ossos do crânio formam uma caixa óssea resistente cuja função principal é proteger o encéfalo. Os ossos da face
formam cavidades para proteger os órgãos dos sentidos: visão, audição, gustação e olfação.
Os ossos formadores do crânio são em número de oito:
1 frontal (testa)
1 occipital parte posterior da cabeça
1 esfenóide, encravado no meio dos ossos da base do crânio
1 etmóide, entre o frontal e esfenóide
2 temporais, parte lateral da cabeça
2 parietais, alto da cabeça
Os ossos formadores da face são em número de 14:
1 vômer, lâmina óssea que divide o nariz em fossas nasais;
1 Mandíbula (maxilar inferior);
2 maxilares superiores;
2 palatinos, que formam o chamado "céu da boca";
2 zigomáticos, que formam as chamadas "maçãs do rosto";
2 cornetos inferiores, pequenas lâminas ósseas dobradas sobre si mesmas localizadas no interior das fossas nasais;
2 lacrimais, situados dentro da cavidade orbitária;
2 nasais, formando o nariz;
10
TRONCO
O esqueleto do tronco é constituído pela coluna vertebral, esterno e costela.
a) Coluna Vertebral é considerada o eixo do nosso esqueleto e da sustentação do corpo, é formada por 33
ossos individualizados, às vértebras, em disposição seriada simples uns sobre os outros, é formada pelas
seguintes regiões:
1. Região cervical - constituída por sete vértebras, formam o esqueleto do pescoço;
2. Região dorsal ou torácica - é formada por doze vértebras, as quais se articulam com as costelas:
3. Região lombar - composta de cinco vértebras, dispostas depois da última costela até os quadris.
Essa região é a que suporta a maior carga do peso do corpo, por isso, seus corpos vertebrais são largos e espessos;
4. Região sacral - resultante da soldadura de cinco vértebras achatadas, de modo a formarem um osso triangular:
5. Região coccígea - formada por quatro vértebras rudimentares igualmente soldadas que constituem a ponta da coluna
vertebral. Funções da coluna vertebral:
 Constituem o eixo do esqueleto, sustentando o corpo e a cabeça. As vértebras, empilhadas e bem ajustadas, são
fortemente ligadas entre si. Entre as vértebras existem discos intervertebrais cartilaginosos que funcionam como
amortecedores dando flexibilidade a coluna;
 Protege a medula espinhal, que fica abrigada no canal formado pêlos orifícios vertebrais: Prende firmemente, os membros
superiores e inferiores;
 Possibilita a posição vertical ao ser humano, graças as curvaturas que apresenta e funciona como uma mola. amortecendo
os braços.
11
Coluna vertebral em perfil:
(A) região cervical (7 vértebras);
(B) região dorsal (12 vértebras);
(C) região lombar (5 vértebras);
(D) região sacra (5 vértebras fusionadas,
formando um osso único
- o sacro);
(E) região coccígea (5 minúsculas
vértebras fusionadas, que formam o
cóccix).
b) Esterno (osso do peito) é um osso alongado e
achatado, situado na parte anterior do tórax,
lembrando uma espada de gladiador. Na extremidade
superior (manúbrio) apóiam-se as clavículas, e na
borda do manúbrio e o corpo do esterno se prendem
as cartilagens dos sete primeiros pares de costelas.
O esterno é dividido em três partes:
- Manúbrio
- Corpo do esterno
- Apêndice xifóide ( ou cartilagem xifóide)
c) Costelas - São ossos em forma de arcos que formam
grande parte do esqueleto torácico. São em número
de 12 pares que classificam em três grupos:
 Costelas verdadeiras São os sete primeiros pares,
que partem da coluna vertebral e terminam no osso
esterno, através de cartilagens, um para cada costela:
 Costelas falsas São os três seguintes pares de costelas que partem da coluna vertebral e ligam-se ao osso
esterno. Através de cartilagens da sétima costela verdadeira;
 Costelas flutuantes Os dois últimos pares de costelas mais curtas que as outras que partem da coluna
vertebral, não chegando ao esterno. Suas extremidades estão livres.
As costelas se fixam na parte da frente (anterior) do tronco, no esterno, e na parte de trás (posterior) na coluna
vertebral, formando uma verdadeira gaiola de proteção de estruturas vitais como coração, pulmão, fígado, baço, etc.
Ás vezes, em casos de acidente, as costelas flutuantes enterram as pontas livres no fígado ou em outros órgãos,
com conseqüências gravíssimas. Por isso é que se deve movimentar com cuidado as pessoas atropeladas
12
Esqueleto dos Membros Superiores
Cada membro superior é formado pela cintura escapular e três segmentos: braço, antebraço e mão.
a) Cintura Escapular é formada por dois ossos: clavícula e escápula.
 Clavícula - é um osso longo, situado na parte superior do tórax, um de cada lado. Sua extremidade interna se
articula com o manúbrio do esterno, enquanto que a externa se prende à escápula. A clavícula toma possível
afastar e aproximar os braços do corpo, movimentos típicos do homem e impossíveis à maior parte dos
mamíferos não dotados de cinturas;
 Escápula - é um osso chato, localizado ao lado da coluna vertebral, na parte posterior do tórax, cuja função
principal é aumentar a amplitude dos movimentos do ombro.
b) Braços primeiro segmento móvel do membro superior, é formado por um único osso, o úmero.
 Úmero - é um osso longo cuja epífise articula-se com a escápula e inferiormente articula-se com o rádio e ulna na
região do cotovelo.
c) Antebraço segundo segmento móvel do membro superior, é formado por dois ossos, rádio e ulna.
 Rádio - é um osso longo que encontra-se em direção ao polegar. Articular-se superiormente com o úmero e
inferiormente com o carpo;
 Ulna - osso longo localizado lateralmente ao rádio é o
osso da extremidade do cotovelo.
d) Mão Divide-se em três partes:
 Carpo - é constituído por oito pequenos ossos, que se
articulam uns aos outros, e funcionam
harmoniosamente;
 Metacarpo - constitui o esqueleto da palma da mão e
é formado por cinco ossos iguais que se articulam de
um lado com os ossos do carpo e do outro com as
falanges:
 Falanges - são três em cada dedo, proximal, média e
distai, com exceção do polegar que apresenta
somente falanges distai e proximal.
ESQUELETOS DOS MEMBROS INFERIORES
Cada membro inferior é formado pela cintura
pélvica e três segmentos: coxa, perna e pé.
a) Cintura Pélvica prende os membros
inferiores ao tronco. Na infância, é formado por três ossos
distintos: o ílio, o púbis e o ísquio. Estas três peças
ósseas no adulto, acham-se soldado totalmente,
constituindo um único osso, denominado osso ilíaco ou
osso pélvico.
A união do osso ilíaco, com o sacro e cóccix,
formam um grande cinturão ósseo, constituindo uma
cavidade denominada bacia.
b) Coxa 1° segmento do membro inferior, é
móvel e constituído por um único osso. o fêmur
(maior osso do corpo humano). Osso longo, o
fêmur tem uma epífise proximal, um corpo e
uma epífise distal.
A epífise proximal apresenta uma dilatação arredondada, a cabeça do fêmur coberta de cartilagem e servindo para
articulação com uma cavidade do osso ilíaco: o acetábulo. A cabeça do fêmur está presa ao resto do osso por uma porção
cilíndrica denominada de colo.
13
c) Perna é o segundo segmento móvel do membro inferior, é constituído por dois ossos: tíbia e fíbula.
Na articulação entre a perna e a coxa aparece um osso arredondado e de forma triangular, denominada patela. A
pateta funciona como um rolamento que desliza sobre as côndilas femurais.
 Tíbia: situa-se na parte medial da perna e possui epífise distai e proximal.
 Fíbula: é um osso longo também articulado com a tíbia na porção de cima.
 E em baixo com a tíbia e o pé. Situa-se lateralmente à tíbia. Na sua extremidade distal, há uma saliência
denominada maléolo lateral, que corresponde à face externa do tornozelo.
Os ossos do pé mantêm-se unidos através de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e
funcionar como alavanca.
d) Pé corresponde ao terceiro e último segmento móvel do membro inferior.Apresenta três partes: tarso, metatarso e dedos.
 Tarso: constituído por sete ossos, sendo que o calcâneo o maior deles, constitui o ponto de apoio da arcada plantar na
parte posterior;
 Metatarso: é formado por cinco ossos metartasianos, que continuam com os dedos dos pés;
 Dedos ou artelhos: possuem cada um três falanges, sendo que o primeiro dedo (halux) também possui somente
duas falanges, distal e proximal.
ARTICULAÇÕES
As articulações são formadas pela junção de dois ou mais ossos. Existem três tipos de articulações:
a) Sinartroses ou articulações imóveis - são articulações fixas encontradas no crânio e na face. Onde as
superfícies ósseas encontram-se unidas entre si por substâncias conjuntivas ou cartilaginosas.
b) Anfiartroses - são articulações semi-móveis, possuem movimentos limitados, tais como as vértebras, que
permitem os movimentos de flexão da coluna.
c) Diartroses ou articulações móveis - são as
articulações móveis. Elas possuem em sua
constituição os seguintes elementos:
 Superfíciesarticulares:revestidasdecartilagens,apresentandoa formacôncava:
 Cápsula articular: estrutura fibrosa que envolve a articulação fixando-se aos ossos pelasextremidades:
 Ligamentosarticulares:sãofeixesde tecidosquepassamde umossoa outro,reforçandoa cápsulaarticular;
 Sinovial:membranaserosadelgadaqueforrainternamentea cavidadearticulare quecontémumlíquidoqueservedelubrificante
par as articulações. O líquido excretado é denominado sinóvia ou líquido sinovial. Exemplos: articulações do joelho, cotovelo,
punho,etc.
14
FRATURAS
As fraturas são nomeadas de acordo com as várias condições do local da fratura.
Fratura Simples: as extremidades quebradas do osso não se exteriorizam através da pele;
Fratura Composta (fratura exposta): as extremidades quebradas do osso atravessam a pele;
Fratura Cominutiva: o osso é quebrado em vários fragmentos que permanecem no local da fratura;
Fratura com Afundamento: a região fratura é comprimida para dentro. Ex. fratura do crânio;
CONSOLIDAÇÃO DAS FRATURAS
As fraturas ficam sujeitas a três mudanças progressivas durante o processo de consolidação: formação do pró-calo, calo
cartilaginoso e formação de calo ósseo.
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
1 - Observe a figura abaixo:
Estas estruturas formam os: __________________________________________________________________
2 – Classifique os ossos abaixo:
a) escapula ________________________________________________________________________________
b) frontal __________________________________________________________________________________
c) rádio ___________________________________________________________________________________
d) tíbia ____________________________________________________________________________________
e) falanges ________________________________________________________________________________
3 – Citar os ossos que formam o tronco: _______________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
4 – O que são “cinturas” e onde se situam?____________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
5 – Indique as regiões da coluna vertebral. _____________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
15
6 – Indique os ossos abaixo:
1 _________________________________________________________
2 _________________________________________________________
3 _________________________________________________________
4 _________________________________________________________
5 _________________________________________________________
6 _________________________________________________________
7 _________________________________________________________
8 _________________________________________________________
Qual tipo de articulação aí encontrada? ______________________________________________
______________________________________________________________________________
A única articulação móvel da cabeça situa-se entre os números ____________ e ____________ .
6 – Observe o desenho abaixo.
a) Identifique o desenho conforme os traços ao lado:
b) O que são articulações? Como se classificam?
_____________________________________________________
c) Quais as funções realizadas pelo esqueleto?
_____________________________________________________
16
SISTEMA MUSCULAR
Introdução
As chamadas células musculares especializam-se para a contração e relaxamento. Estas células agrupam-se em
feixes para formar massas macroscópicas denominadas músculos, os quais acham-se fixados palas suas extremidades.
Assim, músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas
extremidades fixadas, ou seja, por contração.
Variedades de Músculos
A célula muscular está normalmente sob o controle do sistema nervoso. Cada músculo possui o seu nervo motor, o
qual divide-se em muitos ramos para poder controlar todas as células do músculo. As divisões mais delicadas destes
ramos (microscópicas) terminam num mecanismo especializado conhecido como placa motora. Quando o impulso nervoso
passa através do nervo, a placa motora transmite o impulso às células musculares determinando a sua contração.
Se o impulso para a contração resulta de um ato de vontade diz-se que o músculo é voluntário, se o impulso parte
de uma porção do sistema nervoso sobre o qual o indivíduo não tem controle consciente, diz-se que o músculo é
involuntário. Os músculos voluntários distinguem-se histologicamente dos músculos involuntários por apresentar estriações
transversais. Por esta razão são estriados, enquanto os involuntários são lisos. O músculo cardíaco, por sua vez,
assemelha-se ao músculo estriado, histologicamente, mas atua como músculo involuntário, além de se diferenciar dos dois
por uma série de características que lhe são próprias. Também é possível distinguir os músculos estriados dos lisos pela
topografia: os primeiros são esqueléticos, isto é, estão fixados, pelo menos por uma das extremidades, ao esqueleto, os
últimos são viscerais, isto é, são encontrados na parede das vísceras de diversos sistemas do organismo.
Funções dos Músculos
 Produzir movimentos do nosso corpo através de contração;
 Ajudar a manter a posição ereta:
 Participar do equilíbrio da temperatura corporal.
Classificação dos Músculos
1) Cutâneos - situados superficialmente e com inserção na pele;
2) Esqueléticos - com inserção óssea.
Propriedade dos Músculos
1) Contratilidade - na realização de um trabalho, o músculo se contrai tornando-se mais alto e volumoso.
2) Elasticidade - é a capacidade de se distender, e voltar ao estado anterior ao da contração.
3) Excitabilidade - é a propriedade de se contrair mais violentamente, quanto mais forte for o agente causador do
estímulo. Ex.: coração - taquicardia.
OBS.: Tonicidade muscular é a capacidade do músculo de não se manter completamente relaxado ou contraído,
(músculo em repouso - estado normal do músculo).
Estrutura Muscular
Nosso corpo apresenta duas espécies de musculatura, uma lisa e outra estriada.
a) Musculatura lisa - (involuntária) é representada pelas fibras musculares lisas que formam a parede do tubo
digestivo, dos vasos sanguíneos, da bexiga, etc. Os músculos lisos apresentam cor pálida, são relativamente
pequenos e suas fibras são lisas. São denominadas de músculos involuntários, pois suas contrações são lentas
e não dependem de nossa vontade.
b) Musculatura estriada - (voluntária) é constituída por músculos chamados geralmente de "carne", de cor
vermelha e apresentam aproximadamente a metade do peso total do corpo. Suas fibras, têm constituição
específica apresentando estrias transversais. A musculatura estriada pode ser dividida em:
- músculo estriado cardíaco - apresenta fibras estriadas, mas é de ação involuntária, encontra-se na musculatura
do coração:
- músculo estriado esquelético - de ação voluntária, pois se contraem sob impulso de nossa vontade.
Composição Química dos Músculos
 Água: abrange 75% da musculatura;
 Proteína: a actina e a miosina são os compostos protéicos principais das fibrilas (fibras muito finas) que
respondem pela capacidade de contração dos músculos;
 Lipídeos: armazenados no músculo como elemento de reserva e utilizados nas reações energéticas;
 Saia de Fósforo Nitrogenados: importante fonte de energia;
 Substâncias Minerais (sódio, potássio, cloro, magnésio e cálcio): influenciam nas transformações químicas
musculares e na sua contração;
17
 Glicogênio: armazenado em grande quantidade nas células musculares e do fígado, transformando-se em glicose
quando houver necessidade de energia para as células.
Para ocorrer a contração ou relaxamento dos músculos, é necessário a utilização de energia obtida pela degradação
do glicogênio trazido pela corrente sanguínea ou armazenado no próprio músculo.
As enzimas celulares e o O2 participam do processo de decomposição do glicogênio, cuja a transformação química irá
liberar:
- Energia;
- Calor:
- Ácido lático, creatinina e ácido fosfórico - são produtos finais do metabolismo muscular (transportados pela
corrente circulatória para os órgãos de eliminação)
Principais Músculos
Cabeça e Pescoço
I- Frontal: produz as rugas da testa.
II- Orbiculares das Pálpebras: fecham
fortemente os olhos.
III- Risório: provocam riso.
IV- Orbicular dos lábios: responsáveis pela
sucção e pelo assobio.
V- Masseter: movimentam o maxilar inferior.
VI- Esternocleideomastóideo: rotação da cabeça.
VII- Platisma: único músculo da mímica presente
no pescoço.
Tronco
I- Grande peitoral: levanta o braço para frente.
II- Dorsal: levanta o braço para trás.
III- Dentado: localiza-se entre as costelas e auxilia a inspiração.
IV- Reto do abdome: flexiona o tórax para o abdome.
V- Trapézio: situa-se na nuca e nas costas, servindo para elevar os ombros.
VI- Oblíquos externos do abdome: comprimem o intestino e realizam vários movimentos do tronco.
VII- Diafragma: é o principal músculo da respiração. Situa-se entre o tórax e o abdome. Ao se contrair, aumenta a
capacidade interna da caixa torácica, permitindo a expansão dos pulmões.
18
Membros Superiores
I- Deltóide: músculo onde se aplicam as injeções; eleva o braço lateralmente.
II- Bíceps: forma o muque; flexiona o antebraço sobre o braço.
III- Tríceps: função contrária à do bíceps, ou seja, estende o antebraço.
IV- Supinador: localiza-se no antebraço e gira a palma da mão para cima.
V- Pronador: também está no antebraço e volta a palma da mão para cima.
VI- Flexores e extensores dos dedos: situam-se no antebraço, flexionam e estendem os dedos da mão.
Membros Inferiores
I- Glúteos: formam as nádegas; servem para afastar as coxas e manter a posição ereta do homem.
II- Quadríceps: situa-se na frente da coxa; serve para flexionar a perna sobre a coxa.
III- Costureiro ou sartório: cruza diagonalmente de fora para dentro e serve para flexionar a perna sobre a coxa.
IV- Adutores da coxa: ficam na parte interna das coxas e servem para aproximá-las.
V- Gêmeos ou gastrocnêmico: formam a barriga da perna: são músculos dotados de grande força, pois permitem
elevar o corpo na ponta dos pés, juntamente com os adutores.
VI- Flexores e extensores dos dedos: servem para flexionar os dedos do pé.
Aplicações Práticas na Enfermagem
Cuidados na aplicação de injeções intramusculares:
1. Fazer a higiene com álcool no local onde será aplicada a injecão.
2. Aplicar no quadrante superior externo da região glútea conforme a figura:
Atenção: Não aplicar no braço.
3. A agulha deve ser posicionada perpendicularmente à pele e introduzida profundamente no músculo.
4. E obrigatória aspiração do êmbolo após a introdução da agulha para certificar-se de que não houve perfuração
de vaso sangüíneo. Se for aspirado sangue, interromper imediatamente a aplicação.
A injeção deve ser aplicada
lentamente.
Exercícios de Fixação
1) Quais são os locais de aplicação de injeções IM (intra muscular)?
2) E os locais de subcutânea?
3) Quais são todas as vias de administração de medicamentos?
19
SISTEMA NERVOSO
Introdução
O sistema nervoso é constituído principalmente pelo tecido nervoso. Controla e coordena todos os processos
vitais que se desenvolvem involuntariamente nos órgãos internos (atividade visceral) e também as manifestações
voluntárias que promovem o relacionamento do organismo com o meio ambiente (atividades somáticas).
 Sistema cérebro - espinhal:
Abrange o sistema nervoso central (SNC), composto pelo encéfalo. e pela medula espinhal, e o sistema nervoso periférico
(SNP), formado pêlos nervos cranianos, espinhais (ou raquidianos) e periféricos.
Considera-se o SNC os receptores e retransmissores centrais enquanto que o SNP, com suas terminações sensitivas e
motoras, são as vias de transmissão. Dessa forma, o sistema cerebro-espinhal regula as relações do organismo com o meio
externo, geralmente de forma voluntária e consciente.
 Sistema nervoso autônomo ou vegetativo:
Desmembra-se em sistema nervoso simpático e parassimpático, possuindo centros próprios no encéfalo. medula e em alguns
nervos periféricos. Regula a atividade de órgãos internos de forma autônoma, apesar de algumas vezes, trabalhar em
coordenação com as atividades somáticas.
Transmissão dos Impulsos Nervosos
Quando você espeta o dedo com uma agulha, imediatamente você o puxa, por quê? A agulha, ao perfurar o dedo,
estimulou uma célula nervosa receptora que transmitiu este estímulo célula a célula até o cérebro ou a medula. Uma
resposta é mandada de volta também célula a célula, determinando a contração muscular do seu dedo. Isto tudo em fração
de milésimos de segundo.
Os impulsos nervosos sempre são conduzidos em sentido único: passam do axônio de uma célula para os dendritos
de outra. O que garante esse fluxo é a sinapse, ponto de transmissão entre dois neurônios. Dirige todos os processos
físicos e intelectuais, que podem ser provocados voluntariamente e que são capazes de se transformar em sensações
conscientes.
20
O sistema nervoso central é um
conjunto de órgãos nervosos contidos na c
aixa craniana, que contínua com a medula
espinhal ou nervosa, contida na coluna
vertebral. O conjunto de órgãos contidos na
caixa craniana forma o chamado encéfalo
(cérebro, cerebelo e bulbo).
Encéfalo: Situado no crânio e formado
pêlos seguintes órgãos: cérebro, cerebelo,
ponte e bulbo.
Estímulo nervoso
Funcionamento do Sistema Nervoso
O mecanismo do funcionamento do sistema nervoso é complexo, mas basicamente depende da ação:
 Das vias aferentes, ou sensitivas: essas vias nervosas conduzem os impulsos originados nos receptores externos
(visuais, auditivos, olfatórios, gustativos e táteis) ou internos existentes em diversos órgãos sensíveis às
modificações químicas, à pressão ou tensão;
 Dos centros nervosos: locais de formação da resposta ao estímulo enviado pelas vias sensitivas;
 Da via eferente ou motora: são vias nervosas que conduzem a resposta voluntária ou involuntária dos centros
nervosos para o tecido muscular e glandular;
Este complexo "excitação-resposta", realizado pelas vias sensitivas e motoras e pêlos centros nervosos, constitui o
arco reflexo que é o substrato anatomofuncional do sistema nervoso.
A medula espinhal do encéfalo apresenta três membranas que os protegem e estão situados logo abaixo dos ossos
da coluna vertebral e da caixa craniana. Essas membranas são denominadas meninges:
 Dura-máter (externamente);
 Aracnóide (média);
 Pia-máter (internamente).
Entre a dura-máter e a aracnóide encontramos o espaço
sub-dural e entre a aracnóide e a pia-máter, o espaço sub-
aracnóideo. Neste, encontramos o liquor ou líquido cérebro-
espinhal, cuja principal função é a proteção mecânica do SNC.
Cérebro
O cérebro é o órgão nervoso mais volumoso do encéfalo,
ocupando quase toda a caixa craniana. Apresenta na superfície
externa, saliências denominadas circunvoluções cerebrais e
sulcos chamados de fissuras.
Apresenta também um grande sulco chamado de fissura inter-hemisférica, o qual divide o cérebro em dois hemisférios.
Por sua vez, cada um desses hemisférios, divide-se externamente por sulcos ou fissuras menores em quatro lobos.
Cada lobo recebe o nome de acordo com a região em que está localizado: lobo frontal, lobo parietal, lobo occipital e
lobo temporal.
Os lobos cerebrais apresentam três funções principais:
- Desenvolvimento da inteligência;
- Sensibilidade;
- Motricidade.
21
Estas três funções principais estão distribuídas no cérebro da seguinte maneira:
 Lobo frontal: É o centro das funções mentais superiores;
 Lobo parietal: É o centro das impressões táteis e térmicas;
 Lobo occipital: É o centro das impressões visuais;
 Lobo temporal: É o centro das impressões auditivas.
Sintomas
Os sintomas de distúrbios cerebrais e do
sistema nervoso dependem da parte afetada e
muitos deles incluem dor, perda da
sensibilidade e fraqueza. Os distúrbios cerebrais
podem causar uma ampla gama de sintomas
psicológicos e físicos, como dor de cabeça,
entorpecimento, contusão ou mesmo
alucinações.
Há regiões situadas na parte inferior do cérebro denominadas tálamo hipotálamo, relacionadas à regulação da
pressão sanguínea, à temperatura corporal, ao equilíbrio hídrico e metabolismo de carboidratos e gorduras, ao sono, etc.
Cerebelo
O cerebelo situa-se na região posterior e inferior do cérebro. É esse órgão que coordena a harmonia dos
movimentos. Outra função importante do cerebelo é a manutenção do equilíbrio do corpo.
Bulbo
Órgão intermediário entre o cérebro e a medula mede 3 cm de altura e pesa aproximadamente 8g.
Localizam-se no bulbo dois dos mais importantes centros nervosos, ou seja. o centro respiratório e o centro
cardiovascular. Esses centros localizam-se na região do bulbo denominada nó vital. Uma agulha ou estilete.
Atingindo o nó vital, acarreta morte instantânea.
Medula Espinhal
A medula é a continuação do bulbo. É umcordão nervoso de aproximadamente 45 cm de comprimento por 1 cm de
diâmetro que desce pelo interior da coluna vertebral.
A principal função da medula é transmitir os estímulos nervosos da periferia do corpo até o cérebro, bem como as
respostas produzidas pelo cérebro.
Constituem o centro nervoso responsável por uma série de atos reflexos, principalmente os relacionados com o
instinto de conservação e defesa. O caminho do impulso nervoso se chama arco reflexo.
O arco reflexo é involuntário porque a resposta
motora não depende do cérebro.
22
SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC)
Os órgãos do sistema nervoso são formados por duas substâncias: a substância cinzenta e a substância Branca.
Substância cinzenta: é formada pela reunião de vários corpos celulares das células nervosas (neurônios).
Substância branca: é formada pela reunião de vários axônios dessas células nervosas (neurônios).
A substância branca e substância cinzenta distribuem-se de modos diferentes nos quatro principais órgãos nervosos
do SNC.
O cérebro e o cerebelo são formados de substância cinzenta por fora e substância branca por dentro.
O bulbo e a medula espinhal são formados de substância
branca por fora e substância cinzenta por dentro. No cérebro, a
substância branca se encontra recoberta por uma camada de
substância cinzenta de 2 a 3 mm de espessura denominada córtex
cerebral.
No cerebelo, a substância branca penetra na substância
cinzenta, tornando um aspecto arborescente conhecido com o nome
de "árvore da vida".
No bulbo, a substância cinzenta acha-se esparsa.
Na medula espinhal, a substância cinzenta tem a forma de um
11, formando um bloco bem delimitado.
23
SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO (SNP)
Responsável pela transmissão dos estímulos do corpo ao cérebro, e vice-versa; compreende as fibras motoras e
sensitivas dos nervos espinhais e cranianos, e também os gânglios sensitivos.
Os gânglios sensitivos são formados por acúmulo de corpos celulares, o que permite a condução do impulso
nervoso da periferia ao encéfalo e à medula espinhal.
O sistema nervoso periférico é a parte do sistema nervoso formada pelo conjunto de nervos que partem do encéfalo
denominados nervos cranianos e dos nervos que partem da medula denominados nervos raquianos ou espinhais.
Nervos Cranianos
Os nervos cranianos são os que partem do encéfalo e estão distribuídos no organismo em 12 pares:
 Primeiro par: Nervo olfatório - Localiza-se na membrana interna das fossas nasais e sua função
é olfação. É um nervo
sensitivo.
 Segundo par: Nervo óptico - Localiza-se dentro do globo ocular, na retina, e sua função é a visão.
É um nervo sensitivo.
 Terceiro par: Nervo óculo-motor ou oculomotor - Localiza-se nos músculos do globo ocular e sua função é de
movimento. É um nervo motor.
 Quarto par: Nervo nuclear - Localiza-se em outro músculo do globo ocular e também tem a função de
movimento. É um nervo motor.
 Quinto par: Nervo trigêmeo (rosto) - Localiza-se na parte superior do rosto, dos dentes superiores e inferiores, e
sua função é de sensibilidade e movimento. É um nervo misto.
 Sexto par: Nervo abducente - Localiza-se em mais outro músculo do globo ocular e tem a função de movimento.
É um nervo motor.
 Sétimo par: Nervo facial - Localiza-se em músculos da face e tem funções como expressão de alegria, dor,
atenção, secreção salivar e lacrimal. É um nervo misto.
 Oitavo par: Vestíbulo coclear - Localiza-se na parte do ouvido denominado ouvido interno; vestíbulo, canais
semicirculares e caracol; tem as funções de audição e equilíbrio. É um nervo sensitivo.
 Nono par: Nervo glossofaríngeo (língua) - Localiza-se na faringe e língua. Tem as funções de gustação salivar. É
um nervo misto.
 Décimo par: Nervo vago - Localizam-se no coração, pulmão e aparelho digestivo, tem as funções de movimento
e sensibilidade. É um nervo misto.
 Décimo primeiro par: Nervo acessório - Localiza-se na nuca, tem as funções de movimento e ajuda à fonação. É
um nervo motor.
 Décimo segundo par: Nervo hipoglosso - Localiza-se na língua e tem a função de movimento. É um nervo motor.
Os nervos que conduzem os estímulos recebidos do meio ambiente até os centros nervosos (encéfalo e medula) são
denominados de sensitivos ou sensoriais, e os que transmitem ordens provenientes dos centros nervosos para o
organismo dar resposta aos estímulos são os nervos motores.
Nervos Raquidianos ou Espinhais
Os nervos raquidianos ou espinais são os que se destacam de cada lado da medula. Estão distribuídos no organismo
em 31 pares, de acordo com as regiões da coluna vertebral.
São oito pares de nervos cervicais. Existem somente sete vértebras cervicais. O primeiro nervo cervical (suboccipital)
sai do canal vertebral, abaixo do crânio e acima da primeira vértebra cervical.
Os sucessivos nervos cranianos saem da vértebra numericamente correspondente, exceto o oitavo nervo espinhal
que sai abaixo da sétima vértebra cervical.
Existem ainda doze pares de nervos espinais ou dorsais, cinco pares de lombares e cinco pares de nervos sacros,
cada um deixando o canal vertebral abaixo da vértebra numericamente correspondente. O último par de nervos espinais (o
coccígeo) sai da extremidade terminal do canal sacral.
24
Os oito pares de nervos torácicos ou dorsais se distribuem de maneira a inervar os músculos do tórax, abdômen e
certos órgãos da vida vegetativa. Os outros pares de nervos espinais (lombares, sacrais e coccígeo) ramificam-se para
inervar a porção baixa do tronco e membros inferiores.
Sistema Nervoso Autônomo (SNA)
Sistema Nervoso Autônomo: Controla as funções da musculatura lisa dos órgãos viscerais. Como o próprio nome diz,
o sistema nervoso autônomo funciona independente da nossa vontade.
Ele controla as funções da vida vegetativa, como o batimento do coração, o funcionamento do estômago, dos
intestinos, e de outros órgãos que não são influenciados pela nossa vontade.
O sistema nervoso autônomo pode ser dividido em dois sistemas de acordo com a localização dos gânglios nervosos:
I - Sistema Nervoso Simpático: Os gânglios se encontram próximos da medula espinal, geralmente distantes dos
órgãos por eles inervados. Seus nervos originam-se nas regiões torácicas e lombares da medula.
II - Sistema Nervoso Parassimpático: Os gânglios se encontram distantes da medula espinal, e muito próximos - ou
às vezes até mesmo no interior - dos órgãos por eles inervados. Seus nervos originam-se no encéfalo e na região
sacral da medula.
De modo geral, as ações do sistema nervoso simpático são antagônicas às do parassimpático, ou seja, realizam
funções contrárias.
Enquanto o sistema nervoso simpático atua sobre as diversas partes do corpo, preparando-as para as reações violentas, o
parassimpático atua antagonicamente sobre essas mesmas partes, causando relaxamento e descanso dos órgãos.
Exercícios de Fixação
1) Elabore um resumo de no máximo uma folha sobre o sistema nervoso tendo como norte:
- O que é;
- Para que serve;
- Importância;
- Principais constituintes;
- Funcionamento;
2) Pesquise quais são as patologias cerebrais e psicológicas?
25
Funções do Simpático e Parassimpático em alguns Órgãos
ÓRGÃO SIMPÁTICO PARASSIMPÁTICO
Íris Dilatação da pupila (midríase) Constrição da pupila (miose)
Glândula lacrimal Pouco efeito sobre a secreção Secreção abundante
Glândulas salivares Secreção pouco abundante Secreção abundante
Glândulas sudoríparas Secreção copiosa Inervação ausente
Músculos eretores dos pelos Ereção dos pêlos Inervação ausente
Coração Aceleração do ritmo cardíaco (taquicardia) Diminuição do ritmo cardíaco (bradicardia)
Brônquios Dilatação Constrição
Tubo digestivo Diminuição do peristaltismo e fechamento dos
esfíncteres
Aumento do peristaltismo e abertura dos esfíncteres
Bexiga Pouca ou nenhuma ação Contração da parede
Genitais masculinos Vasoconstrição; ejaculação Vasodilatação; ereção
Glândula supra-renal Secreção de adrenalina Nenhuma ação
Vasos sanguíneos das
extremidades
Vasoconstrição Nenhuma ação
SISTEMA RESPIRATÓRIO
Introdução
Precisamos de oxigênio existente no ar atmosférico para viver. O oxigênio tem, pois, que penetrar em nosso
organismo, pois todos os tecidos e células precisam dele para viver. O oxigênio penetra em nosso organismo através de
um conjunto de órgãos denominado sistema respiratório e são: cavidades nasais, faringe, laringe, traquéia e
brônquios, bronquíolos e pulmões.
Todas as células do organismo necessitam de oxigênio, algumas são mais sensíveis de que outras a uma falta de
oxigênio. As células nervosas são particularmente sensíveis; poucos minutos de privação do oxigênio podem causar lesão
irreversível das células cerebrais. Períodos mais prolongados de privação de oxigênio, são capazes de provocar a morte
ou ocasionar dano permanente do tecido.
Respiração, é o processo de introdução do oxigênio nos pulmões e eliminação de gás carbônico.
Inspiração, termo empregado para designar a entrada de ar nos pulmões.
Expiração, é o movimento em sentido inverso para eliminar gás carbônico, o aparelho respiratório compreende; nariz,
faringe, laringe, traquéia, brônquios, bronquíolos e pulmões.
A passagem do ar da atmosfera para os alvéolos pulmonares, a troca gasosa neles, e subseqüente retorno do ar para
a atmosfera são, em conjunto referidos como ventilação. Durante a ventilação o ar passa através das fossas nasais,
faringe, traquéia, brônquios e bronquíolos para os alvéolos, e então retorna. Na sua passagem para os pulmões, o ar é
umidificado, filtrado de corpos estranhos e aquecido.
A respiração é composta de duas fases, respiração externa e interna. A respiração externa consiste em trazer para os
pulmões o ar rico em oxigênio, eliminando gás carbônico. A respiração interna é o processo que leva o sangue oxigenado
aos tecidos, retirando deles os gases que devem ser eliminados.
O organismo não tem a capacidade de armazenar o
oxigênio, portanto, necessita recebê-lo constantemente. Os
pulmões, isoladamente não são capazes de captar e expelir
o ar. A respiração só se torna possível através dos
movimentos do diafragma e dos músculos intercostais.
O principal mecanismo de controle da respiração
consiste no Centro Respiratório, localizado no bulbo.
A fonação, o ato de respirar e de tossir também são
funções do sistema respiratório. A passagem de ar pelas
cordas vocais provoca sua vibração que origina os sons.
Componentes do Sistema Respiratório
Nariz
O ar exterior penetra através das narinas e chega às
cavidades nasais direita e esquerda, separadas pelo septo
nasal. Estas cavidades são forradas por uma mucosa "úmida"
e aquecida pelo sangue que circula imediatamente abaixo da
superfície. As terminações nervosas localizadas na mucosa
nasal são responsáveis pelo olfato.
Quatro pares de seios paranasais e drenam para o
interior das cavidades nasais: seios frontais, maxilares;
etmoidais e esfenoidais. A mucosa nasal reveste ainda os
seios paranasais
Faringe
A faringe é chamada vulgarmente de garganta. Tanto
o ar quanto o alimento passa através dela.
O ar proveniente das cavidades nasais chega à
faringe e passa para a laringe; o alimento proveniente da
boca atravessa a faringe para chegar até o esôfago.
De cada lado da faringe abrem-se as tubas auditivas
que se comunicam com o ouvido médio.
Dois pares de órgãos, as tonsilas e as adenóides
também se localizam na faringe.
26
Laringe
A laringe ou órgão fonador, localiza-se logo abaixo da faringe. É a estrutura tubular que liga a faringe com a traquéia,
sendo formada por cartilagens unidas por uma membrana elástica.
Uma destas cartilagens, a epiglote, forma uma espécie de válvula que fecha o orifício superior da laringe, impedindo a
passagem de alimento para o interior desse órgão.
Os dois pares de pregas, ou cordas vocais, são faixas de tecido fibroso esbranquiçado que se projeta nas paredes
laterais da laringe. Elas contêm no seu interior os ligamentos vocais e o músculo da fonação. O outro par existente acima
destas são as falsas cordas vocais, que há interferem na emissão de sons.
As verdadeiras cordas vocais têm como únicas funções a produção de sons e fonação. O ar proveniente dos pulmões
provoca a vibração das cordas vocais. As variações de tom percebidas na fala ou no canto resultam da mudança na tensão
das cordas que são controladas pela musculatura da laringe.
Os músculos da laringe estão divididos em dois grupos: aqueles que atuam sobre as cordas vocais, abrindo e
fechando a glote, aumentando ou diminuindo a tensão das pregas, e aqueles cuja função é impedir a entrada de alimento
na laringe durante a deglutição.
Traquéia
A traquéia começa na extremidade inferior da
laringe e penetra no tórax, onde termina por se dividir,
dando origem aos brônquios direito e esquerdo. É
formada por uma membrana fibrosa que envolve
vários anéis cartilaginosos.
A cartilagem confere firmeza às paredes do
órgão, evitando o seu colabamento. A traqueja é a
principal via de acesso para o ar, proveniente das
cavidades nasais, da faringe e da laringe, chegar dos
brônquios e dos pulmões.
Pulmões e Brônquios
Os brônquios primários são dois tubos que se originam da bifurcação da traquéia. O brônquio direito é mais curto, mais
calibroso e mais vertical que o da esquerda; Q brônquio esquerdo é mais longo, mais estreito e encontra-se numa posição mais
horizontal.
Esta diferença faz com que os corpos estranhos aspirados localizem-se mais no brônquio direito. Os brônquios também
possuem anéis cartilaginosos e são revestidos internamente por uma mucosa ciliada semelhante a traquéia.
Ao penetrarem nos pulmões, estes brônquios se dividem dando origem aos brônquios secundários, menores que os
primários. Estes continuam a se subdividir no interior dos pulmões, originando tubos cada vez menores, dos quais a
cartilagem vai desaparecendo progressivamente. Estes se subdividem até que seus ramos se transformem em duetos
alveolares, que conduzem aos sacos alveolares, cujas paredes apresentam inúmeras projeções globulosas denominadas
alvéolos, dispostas em grupos.
A parede dos alvéolos é permeável, permitindo que se realize com facilidade a troca de gases entre o sangue dos
capilares e o ar.
Os pulmões são órgãos da
respiração por excelência. São
esponjosos e elásticos, têm forma
cônica e localizam-se no tórax, na
cavidade pleural. Sua base mantém
contato com a superfície superior do
diafragma.
O pulmão esquerdo é mais
estreito, mais longo e menor que o
pulmão direito, e está dividido em
dois lobos (superior e inferior),
enquanto que o pulmão direito está
dividido em três lobos (superior,
médio e inferior).
Dentro de cada pulmão existem milhões de alvéolos, e duetos alveolares.
Os brônquios primários entram nos pulmões juntamente com os vasos pulmonares através do hilo, uma fenda
existente na superfície medial. Neste ponto, os brônquios, as arteriais, as veias, os vasos linfáticos, os nervos e o tecido
conjuntivo que os envolve formam um pedículo pelo qual o pulmão está suspenso dentro da cavidade torácica.
27
A pleura é uma dupla membrana serosa que envolve os
pulmões e adere à superfície externa deste, à parede do tórax e
ao diafragma. Um líquido lubrifica os dois folhetos pleurais para
que eles possam escorregar mais facilmente um sobre o outro. A
infecção da pleura pode ocasionar pleurisia condição muito
dolorosa, determinada pelo aparecimento de aderência entre os
dois folhetos.
Vários tipos de doenças e lesões podem causar distúrbios
respiratórios. Quando o sangue de uma pessoa carrega menos
oxigênio do que o normal, ele é chamado hipóxido.
Essa mesma pessoa pode apresentar-se
cianótica (ter uma coloração azulada na pele, sobretudo
nos lábios e nos leitos ungueais (polpa digital).
Fisiologia da Respiração
O ato de respirar é um fenômeno involuntário. A respiração pode ser controlada, ou voluntária apenas por um curto
período de tempo, após o qual, torna-se novamente automática ou involuntária.
A partir da necessidade que o organismo tem de receber e eliminar outros gases, o cérebro envia estímulo aos
músculos da respiração através dos nervos respiratórios.
O diafragma e os músculos intercostais expandem-se para cima e para fora. A expansão da cavidade torácica
provoca queda da pressão intrapulmonar. Para equilibrar as pressões, o ar exterior penetra pelas narinas e segue as vias
aéreas até entrar nos pulmões.
Esta é a inspiração, que resulta na absorção de oxigênio. Ao se relaxar, o diafragma sobe, e os músculos
intercostais trazem as costelas para dentro, fazendo pressão sobre os pulmões.
A pressão no interior dos pulmões aumenta, e o ar é impulsionado para fora através das vias aéreas, constituindo
este movimento de expiração.
O sangue venoso, rico em dióxido de carbono, sai do ventrículo direito do coração através da artéria pulmonar. Esta
se ramifica distribuindo-se por todas as partes do pulmão. O novo oxigênio inspirado chega no átrio esquerdo, vindo dos
pulmões, através das veias pulmonares.
O exercício ativo constitui um poderoso estimulante da respiração. As emoções, a ansiedade podem causar uma
estimulação respiratória. A dor, o medo e a raiva, usualmente, provocam aumento da freqüência e da profundidade da
respiração.
As doençasqueafetamo aparelhorespiratóriotambémcausamdificuldadesrespiratórias.
Na velhice, o tórax do indivíduo diminui de volume comprometendo-se a eficiência, sendo os idosos mais
susceptíveis às infecções respiratórias.
28
TERMINOLOGIA
 Apnéia - Parada respiratória;
 Dispnéia - Dificuldade respiratória;
 Bradipnéia - Respiração lenta;
 Taquipnéia - Respiração acelerada;
 Hipóxia - Deficiência de oxigênio no organismo.
 Cianose - Coloração azulada devido a falta de oxigênio;
Frequências Respiratórias Médias
Como nossas células respiram
O gás carbônico que chega às células penetra nas mitocôndrias, onde é utilizado na queima biológica de nutrientes.
Nesse processo a respiração celular, as moléculas de oxigênio reagem com os nutrientes, produzindo gás carbônico, água
e energia. A maior parte do gás carbônico viaja dissolvida no plasma sanguíneo. O gás carbônico, por outro lado, viaja das
hemácias combinando com a hemoglobina, uma proteína de cor vermelha.
Tosse, Espirro e Soluço
Células presentes em nossos condutos respiratórios produzem muco, uma substância viscosa que desempenha
duas importantes funções: mantém úmidas as vias respiratórias e retém partículas, bactérias e outras sujeiras que entram
com o ar inspirado. Uma vez aderidas ao muco, as sujeiras são varridas para fora do corpo graça ao movimento dos
minúsculos pelinhos - os cílios - presentes nas células que revestem as vias respiratórias.
Se partículas vindas no ar vencem a barreira do muco, irritando a mucosa nasal, espirramos. Se partículas irritantes
penetram na laringe, tossimos.
Os soluços são contrações espasmódicas do diafragma, o que nos faz espirrar aos soquinhos. Até hoje não se sabe
o que causa o soluço.
Você sabia que...
 Nossos pulmões não são iguais: o esquerdo é menor e tem dois lobos; o direito é maior e tem três lobos.
 É importante respirar pelo nariz, principalmente no inverno. Respirar pela boca é errado, pois, nesse caso, o ar não é
aquecido, umedecido e filtrado, como acontece quando respiramos pelo nariz.
29
Recém-nascido 40 – 60 / frpm
1 ano de vida 26 – 3 / frpm
2 – 3 anos de vida 20 – 26 / frpm
Adolescente 20 – 22 / frpm
Adultos 16 – 20 / frpm
Idosos 14 – 18 / frpm
Exercício De Fixação
1) Identificar as respectivas regiões topográficas, Identificar a Carina, e os órgãos.
2) Cite os orgãos da VAS e VAI?
3)Descreva a fisiologia respiratória?
30
SISTEMA EPITELIAL – TEGUMENTAR
Introdução
O tegumento comum compreende a pele e seus anexos que desempenham várias funções, tais como:
 Recobrir a superfície do corpo como um envoltório protetor;
 Participar do equilíbrio térmico através da sua rede de capilares e da excreção de suor;
 Proteger o organismo contra as agressões térmicas e a penetração de microorganismos;
 Sintetizar a vitamina D pela utilização dos raios ultravioleta do sol;
 Ser responsável pela sensibilidade superficial do corpo através das terminações nervosas para o tato, a
temperatura e a pressão;
 Eliminar substâncias tóxicas e residuais através do suor e do sebo;
 Armazenar gordura e outros componentes do metabolismo.
Recobre a superfície do corpo e. a nível das cavidades passa a denominar-se mucosa. Possui três camadas:
externa (epiderme), média (derme) e interna (hipoderme ou subcutâneo).
Epiderme: Constituída por tecido epitelial, cuja camada superior, ao se renovar constantemente é substituída pelas
células novas provindas da camada inferior. Nos locais de ação mecânica acentuada é protegida pela queratina (proteína
que contém enxofre).
Observam-se áreas grossas de queratinização na sola do pé e nas áreas de calos. Na camada epitelial inferior,
localizam-se:
- A melanina: responsável pela coloração da pele, sendo maior a sua quantidade nas raça negra;
- A camada germinativa: responsável pela renovação das células epiteliais.
Derme: Formada por tecido conjuntivo, apresenta as seguintes características:
- Mantém a pele sob constante tensão elástica;
- Promove a união da epiderme com a derme, prendendo a camada germinativa epitelial os espaços intermediários
das suas papilas;
- Forma a impressão digital (existente nos dedos, palma das mãos e dos pés), onde as papilas se projetam para a
epiderme com o formato de cristas separadas por sulcos;
- Nutre a epiderme através de sua rede de capilares;
- Possui terminações nervosas táteis.
Resumo
Funções
 Recobrir a superfície do corpo;
 Participar do equilíbrio térmico e do metabolismo;
 Proteger o organismo contra os microorganismos;
 Sintetizar vitamina D;
 Responder pela sensibilidade superficial.
Composição da Pele
 Epiderme: possui queratina nos locais de ação
mecânica acentuada, melanina que responde
pela coloração da pele, camada germinativa
que renova as células epiteliais.
 Derme: mantém a pele sob tensão elástica,
forma a impressão digital, nutre a epiderme e
possui terminações nervosas;
 Hipoderme ou subcutâneo: possui rede de capilares para a nutrição da pele, participa no equilíbrio térmico e
sanguíneo, possui reserva alimentar e de proteção contra frio e ações mecânicas.
31
Anexos da pele
 Unha:
 Pêlos: têm função protetora: encontram-se dentro do folículo piloso;
 Glândulas sebáceas: secretam o sebo que é drenado para o folículo piloso, mantém a oleosidade e a elasticidade
do pêlo e da pele;
 Glândula sudorípara: secreta o suor que mantém o equilíbrio térmico e metabólico: protege a pele contra os
microorganismos;
 Glândulas mamarias: formadas por auréola, mamilo, glândulas alveolares, ducto lactífero, seios lactíferos;
Secretam o leite.
A quantidade de suor a ser eliminada irá depender das
necessidades do organismo para:
 Manter o equilíbrio térmico através da evaporação;
 Regular o metabolismo hídrico e inorgânico;
 Proteger a pele contra as agressões microbianas, em
conjunto com o sebo.
Existem glândulas sudoríparas modificadas, cuja secreção
possui um odor característico; essas glândulas localiza-se nas axilas,
órgãos genitais externos, etc..
Glândulas Mamarias
Inicia-se na menina o desenvolvimento das mamas durante a puberdade, pois os hormônios sexuais femininos provocam
deposição de gordura no tecido subcutâneo, além do crescimento do sistema de duetos e da espessura do tegumento.
Cada mama possui de quinze a vinte glândulas alveolares ou lobos; de cada uma delas parte um dueto lactífero
para a região do mamilo.
Os ductos podem possuir dilatações (seios lactíferos) para o armazenamento de leite durante a amamentação.
O primeiro leite secretado após o parto denomina-se colostro, que contém todos os nutrientes facilmente digeríveis
pelo recém-nascido e rico em substâncias de defesa da mãe.
A porção mais saliente e pigmentada da mama denomina-se se auréola, e do seu centro eleva-se o mamilo, cuja
estrutura facilita a sucção durante o aleitamento.
SISTEMA DIGESTIVO
Introdução
O organismo para se manter vivo e funcionando necessita de suprimentos constantes de material nutritivo. Muitos
dos alimentos ingeridos precisam ser tornados solúveis e sofrer modificações químicas para que sejam absorvidos e
assimilados pelo organismo.
Os alimentos sofrerão modificações químicas até que possam ser solúveis e absorvidos pela corrente circulatória do
organismo; os alimentos não absorvidos serão eliminados na forma de fezes.
Conceito
Conjunto de órgãos adaptados para realizar funções de preensão, mastigação, deglutição, digestão e absorção dos
alimentos e a expulsão dos resíduos, eliminados sob a forma de fezes.
Digestão é a ingestão, a transformação e o aproveitamento dos alimentos pelo organismo, bem como a eliminação
dos resíduos.
Funções
 Fabricar o muco que permite o deslizamento do bolo alimentar;
 Secretar as enzimas que modificam quimicamente os nutrientes, tornando-os absorvíveis;
 Preensão, mastigação, deglutição, digestão e absorção, expulsão dos resíduos.
Divisão
O tubo digestivo é dividido em:
1 – Boca 2 – Faringe 3 – Esôfago 4 – Estômago 5 – Intestino
32
Intestino Delgado:
 Duodeno  jejuno  íleo
Intestino Grosso:
 Ceco  cólon ascendente  cólon transverso  cólon descendente  cólon sigmóide  reto
6 – Órgãos anexos
 glândulas salivares
 parótida
 sublingual
 submaxilar
- pâncreas
- fígado
1. Boca
A boca é a primeira porção do canal alimentar e
comunica-se com o externo através de uma fenda - os lábios.
É uma cavidade onde encontramos: a gengiva, os dentes, a
língua, amígdalas e as glândulas salivares.
A cavidade bucal está limitada, lateralmente pelas
bochechas, superiormente pelo palato e inferiormente por
músculos que constituem o assoalho da boca.
 Palato: teto da cavidade bucal, parte anterior ósseo, chamada
palato duro e posterior, muscular, chamado palato mole, onde
encontramos a úvula. Lateralmente encontramos duas pregas
denominadas arco palatoglosso onde encontramos a tonsila e
a palatina (amígdalas), formada por tecido linfóide, atua na
defesa do organismo produzindo anticorpos.
 Língua: é o órgão muscular revestido por mucosas e que exerce
importantes funções: na mastigação, na deglutição, como um
órgão degustativo e na articulação da palavra. No dorso da língua
encontramos as papilas linguais (responsável pelo paladar).
 Dentes:
São estruturas rijas, esbranquiçadas, implantadas em cavidades do
maxilar superior e inferior, chamadas alvéolos dentários.
Cada dente é dividido em três partes: raiz, coroa, colo.
Primeira dentição (primária) inicia-se aos 6 meses de idade = 20
dentes. Dentição permanente: 32 dentes, sendo 8 incisivos, 4
caninos. 8 pré-molares e 12 molares.
Os dentes participam no processo da mastigação e preensão dos alimentos (trituração).
2. Faringe
É um tubo muscular alongado, que faz parte do sistema respiratório e
digestivo, por onde passam o ar a caminho da traquéia e os alimentos a
caminho do esôfago
Funções:
 Deglutição - processo em que o palato mole se ergue contra a parede da faringe,
fechando a passagem para a cavidade nasal. A epiglote fecha a laringe, a língua
comprime-se contra o palato, deslocando o alimento para a faringe, que através
das contrações musculares, propulsiona o alimento para o esôfago.
 Defesa do organismo - através das células linfáticas.
 Audição - a tuba auditiva comunica-se com a faringe através do ouvido médio,
possibilitando o equilíbrio das pressões entra árduas cavidades.
33
3. Esôfago
É um tubo que mede cerca de 25 cm de comprimento, que
continua a faringe e vai até o estômago, após atravessar o m.
diafragma, pelo hiato esofágico. O esôfago se distingue em três
porções: cervical, torácica e abdominal.
A luz do esôfago aumenta durante a passagem do bolo
alimentar, o qual é impulsionado por contrações da musculatura de
sua parede - São os movimentos peristálticos. O peristaltismo
(contrações da musculatura do esôfago) é controlado pelo sistema
nervoso simpático e parassimpático.
Função: conduzir o alimento da faringe para o estômago.
4. Estômago
É uma dilatação do canal alimentar que se segue ao esôfago e se contínua no intestino. Situado logo abaixo do m.
diafragma, com sua maior porção a esquerda.
Apresenta dois orifícios: um de comunicação com o esôfago - cárdia, e o piloro que comunica com o duodeno:
porção inicial do intestino delgado.
Cárdia e Piloro - São dispositivos responsáveis pela abertura e fechamento ativos da comunicação respectivamente
com o esôfago e intestino.
O estômago é dividido em: cárdia, fundo, corpo e piloro:
- Cárdia: Corresponde à junção com o esôfago;
- Fundo: Parte superior, projeta-se em direção ao diafragma;
- Corpo: Corresponde a maior parte do estômago;
- Piloro: Parte final, continuada pelo duodeno.
As duas margens do estômago são: a curvatura maior à esquerda e a curvatura à direita. A mucosa do estômago
apresenta numerosas pregas longitudinais que desaparecem quando distendido.
A mucosa gástrica secreta 1,5 a 2,5 litros de sucos gástricos por dia, de forma automática através de estímulos
psíquicos (apetite, odores, alimentos, etc.); reflexos nervosos (estimulação das papilas); entrada do alimento no estômago.
Os elementos que compõem o suco gástrico são: Água, Ácido Clorídrico, Muco Gástrico, Enzimas (pepsina -
agem sobre as proteínas e, lipase - age sobre os lipídios).
No estômago há dois tipos peristaltismo: de mistura e propulsão.
O primeiro mistura o alimento e o segundo impulsiona o aumento através do piloro ao duodeno. Neste momento o
conteúdo do tubo digestivo passa a se chamar quimo apresentando consistência semi-líquida.
Função
 Secretar o suco gástrico que modifica a estrutura química dos alimentos e impedir o desenvolvimento das
bactérias e a fermentação;
 Misturar o alimento com as secreções gástricas através de ondas peristálticas fracas;
 Conduzir os aumentos para o intestino delgado através de ondas peristálticas fortes.
5. Intestinos
Intestino Delgado
É um tubo muscular de aproximadamente 5 metros, revestido de
mucosa com inúmeras pregas circulares que aumentam sua superfície
interna. Subdividi-se em três segmentos: duodeno, jejuno e íleo:
 Duodeno: inicia-se no óstio pilórico e termina em brusca angulação no
jejuno. É um órgão bastante fixo, colado à parede posterior do abdome e
apresenta a forma de um arco em U aberto para a esquerda, que abraça
a cabeça do pâncreas. No duodeno desembocam o dueto colédoco
(que traz a bile do fígado) e dueto pancreático ou canal de Wirsung (que
traz a secreção pancreática do pâncreas). Mede cerca de 25cm.
 Jejuno - íleo: inicia-se na flexura duodeno jejunal e termina no início do intestino grosso onde se abre pelo óstio
íleo - cecal. Apresenta numerosas alças intestinais e está preso à parede posterior do abdome.
Funções:
 Secretar suco entérico: água, sais minerais, muco e as enzimas (amilase, maltose, sacarose e lactose, lípase,
peptidases);
34
 Desdobrar e absorver os elementos
básicos dos nutrientes através das microvilosidades;
 Impelir para o intestino grosso os alimentos
não absorvidos.
No duodeno, o quimo estimula contrações
reflexas da vesícula biliar e dos canais pancreáticos,
lançando a bile e o suco pancreático na ampola de
Vater, que fica no duodeno.
No jejuno - íleo o quimo é misturado e propulsionado através dos movimentos peristálticos a se chamar quilo.
A parede do intestino delgado é formada por estruturas minúsculas denominadas MICROVILOSIDADES, nas quais
chegam os capilares sanguíneos e linfáticos que se encarregam da absorção dos nutrientes.
Intestino Grosso
É a porção terminal do canal alimentar, sendo mais calibroso e mais curto que o intestino delgado.
Apresenta dilatações - haustros, formações em fita - as tênias, e acúmulos de gordura na serosa da víscera -os
apêndices epiplóicos.
É subdividido nos segmentos: ceco, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente, cólon sigmóide e reto.
 Ceco: é o segmento inicial em fundo cego, apresenta o apêndice vermiforme ou cecal, no ponto de união das tênias.
 Cólon ascendente: segue-se .ao ceco, em direção as últimas costelas e se flete formando a flexura cólica direita.
 Cólon transverso: é bastante móvel, inicia-se na flexura cólica direita até a flexura cólica esquerda.
 Cólon descendente: inicia-se na flexura cólica esquerda e termina após um trajeto vertical.
 Cólon sigmóide: é a continuação do cólon descendente e tem trajeto sinuoso, dirigindo-se para a pelve onde é
continuado pelo reto.
 Reto: parte final do canal alimentar, possui parte estreitada denominada canal anal e se abre no exterior, através
do ânus, é o responsável pelo reflexo de defecação.
O intestino grosso recebe os restos alimentares não digeridos e não absorvidos peio intestino delgado.
Funções
 Reabsorver a água dos sucos digestivos.
 Absorver restos de nutrientes aproveitáveis.
 Eliminar as fezes (resto indigerível do bolo alimentar, que sofre ação das bactérias do intestino grosso).
O movimento peristáltico é controlado pelo sistema nervoso, sendo:
 Simpático o inibidor;
 Parassimpático o estimulador.
Os movimentos são:
 Movimentos lentos: sua função é amassar o
conteúdo fecal e misturá-lo com o muco secretado
pela mucosa do intestino grosso.
 Movimentos grandes: sua função é conduzir o
conteúdo fecal em direção ao reto, que possui um
esfíncter externo e seu relaxamento é voluntário, o
esfíncter interno é de ação involuntária.
Considerações sobre as fezes:
- Composição:
 bactérias do intestino grosso.
 descamação de células do trato gastrointestinal.
 secreções e excreções intestinais.
 resíduos alimentares não absorvidos,
normalmente formado de fibras, de grande
importância no funcionamento da eliminação das
fezes.
35
- Características das fezes:
150 a 250 gramas por dia, variando de acordo com a dieta;
consistência sólida e forma cilíndrica, variando em casos de distúrbios do sistema digestivo;
cor parda ou castanha, variando de acordo com a dieta;
odor característico ou "sui generis" variando desde um odor amonical até o odor fétido.
O sistema digestivo está sujeito a contaminações por microorganismos, através dos alimentos, das mãos, utensílios
domésticos, etc..
O sistema digestivo possui microorganismos que constituem sua flora normal, ajudando-o a realizarem suas
funções, produzem enzimas.
ÓRGÃOS ANEXOS
Glândulas Salivares
São glândulas consideradas anexos do sistema digestivo, sendo responsáveis pela produção de saliva. São elas:
parótidas sublinguais e submaxilares.
 Parótidas: situadas lateralmente na face e anteriormente ao pavilhão do ouvido externo. Abre-se na boca na altura
do 2°molar superior através do ducto parotídeo.
 Sublinguais: é a menor das três, situa-se lateral e inferiormente à língua, sua secreção é lançada na boca, por uma
série de orifícios situados no assoalho da cavidade bucal.
 Submaxilar: localiza-se abaixo da parótida, protegida pelo corpo do maxilar inferior, através de seu dueto abre-se
no assoalho da boca.
Essas glândulas secretam 1 a 1,5 litros de saliva por dia e possuem controle nervoso automático, os fatores
psíquicos e químico-físico também interferem na secreção salivar.
É composta por água (para diluir o bolo alimentar) e por enzimas (ptialina) que são responsáveis pelo início da
digestão do amido e carboidratos.
PÂNCREAS
É uma glândula alongada situada posteriormente ao estômago.
O pâncreas apresenta três partes: cabeça, corpo e cauda.
 Cabeça: à direita, dilatada, emoldurada pelo duodeno.
 Corpo: disposto transversalmente.
 Cauda: extremidade esquerda, afilada, situada próxima ao
baço. É uma glândula exócrina (produz suco pancreático) e
endócrina (produz insulina e lança na corrente circulatória).
 Insulina: substância que vai diretamente ao sangue e age
sobre a glicose.
 Suco pancreático: responsável pela neutralização da acidez do quimo que vem do estômago contendo ácido
clorídrico. O suco pancreático contém enzimas (lípase, amilase, tripsina, etc..) é levado ao duodeno pelo dueto pancreático
(canal de Wirsung) que se encontra com o ducto colédoco e desemboca no duodeno (ampola de Vater).As enzimas do
suco pancreático atuam sobre as proteínas, carboidratos e lipídios, quando associado à bile.
36
FÍGADO
É o órgão mais volumoso do sistema digestivo, localizando-se imediatamente abaixo do diafragma e á direita,
embora pequena porção ocupe também a metade esquerda do abdome.
É uma glândula que desempenha papel importante nas atividades vitais do organismo:
Funções
 Secretar a bile;
 Interferir no metabolismo dos carboidratos, gorduras e proteínas, transformando-os em elementos que possam ser
transportados pelo sangue e utilizados nos tecidos;
 Armazenar vitaminas, sais minerais e carboidratos;
 Participar no processo de formação, destruição e regulagem do volume de sangue;
 Produzir alguns elementos da coagulação: heparina, protombina;
 Destruir o hormônio estrógeno;
 Desintoxicar o organismo através da neutralização de substâncias tóxicas pelas células de Küpfer.
É divido em quatro lobos:
 Direito  Esquerdo  Quadrado  Caudado.
Os lobos direito e esquerdo são separados por uma prega do peritônio - o ligamento falciforme:
- Entre o lobo direito e o lobo quadrado se situa a vesícula biliar;
- Entre o lobo direito e o lobo caudado há um sulco que abriga a veia cava inferior.
- Entre o lobo quadrado e caudado fica a porta do fígado, por onde passam:
 A artéria hepática;
 A veia porta;
 O dueto hepático comum;
 Os nervos;
 Os vasos linfáticos.
A bile é produzida no fígado e, é constituída de:
 Sais biliares;
 Colesterol;
 Bilirrubina.
Os Sais biliares são os que realmente atuam no processo digestivo, não alteram os alimentos, ajudam na digestão
das gorduras como poderoso detergente.
O Colesterol é produto final do metabolismo celular de lípides (gorduras), em grande parte efetuado pelo fígado.
A bilirrubina é um produto de destruição das hemácias, dando as fezes a tonalidade marrom, colabora na digestão
e é eliminada com os resíduos alimentares através das fezes.
A bile sai do fígado pelo ducto hepático comum entra no dueto cístico em direção à vesícula biliar, onde é
armazenada. O esfíncter de Oddi existente no ducto colédoco no duodeno se fecha e a bile retorna à vesícula biliar.
Quando os alimentos chegam ao duodeno contendo partículas de gorduras, as células entéricas lançam na
circulação sanguínea o hormônio colecistoquinina, que faz a vesícula biliar se contrair e expulsar a bile armazenada no seu
interior para o duodeno, através do ducto colédoco, ai o esfíncter de Oddi se abre, deixando a bile fluir para o duodeno.
Resumo
O mecanismo da digestão, absorção e eliminação:
1- A digestão começa na boca, com a mastigação e a insalivação.
 Mastigação: os alimentos são triturados.
Insalivação: ocorre um fenômeno químico - a medida que a saliva se mistura com os alimentos, ptialina (enzima da
saliva) começa a transformar o amido (arroz, feijão, batata, etc.) em maltose (açúcar);
2- Depois da mastigação e insalivação - o alimento passa a se chamar bolo alimentar, que passa da boca à faringe
e desta para o estômago, é a deglutição (ato de engolir);
3- Do esôfago, o bolo alimentar terá que descer e percorrer todo o tubo digestivo;
4- Nossos órgãos estão em posição irregular, são cheios de curvas e tem válvulas. Assim a partir do esôfago a
musculatura do tubo digestivo apresenta ondas de contração, que empurram o bolo alimentar para baixo: são os
movimentos peristálticos;
37
5- No estômago o bolo alimentar se mistura com o suco gástrico. As proteínas (carnes, ovos, leite, soja, etc.) são
decompostas pela pepsina (enzima);
6- Depois desse trabalho do estômago o bolo alimentar recebe o nome de quimo;
7- Chegando ao duodeno, o quimo se mistura com o suco intestinal, recebe também o suco pancreático e a bile,
vindos através do canal colédoco do pâncreas e fígado. As gorduras são emulsionadas, facilitando o trabalho
digestivo. O bolo alimentar recebe agora o nome de quilo;
8- Nesta fase os alimentos já estão digeridos, pois o amido transformou-se em glicose e as proteínas em
aminoácidos e passarão para o sangue;
9- É o trabalho da absorção: no jejuno-íleo, as substâncias alimentares digeridas são absorvidas, isto é penetram na
mucosa intestinal, chegando ao sangue.
A mucosa intestinal possui um numero elevado de saliências cônicas - as vilosidades intestinais, elas possuem
grande quantidade de vasos capilares e são encarregadas da absorção dos alimentos;
10- O trabalho de eliminação: os restos dos alimentos são eliminados pelo intestino grosso.
A parte do bolo alimentar que não é absorvida passa para o intestino grosso, em forma semi-líquida. Corre todo
intestino grosso e vai se tornando pastosa, pois parte da água e dos sais minerais ai existentes, é absorvida durante o
percurso. Essa massa pastosa, que constitui as fezes, passa pelo reto e é eliminada pelo ânus.
EXERCÍCIOS
1) Observe o desenho ao lado e responda ao que se pede:
a) o órgão em questão é o _____________, e e realiza as seguintes funções ________________ e _____________.
b) As estruturas de números: 1, 2, 3 e 4 são respectivamente: ___________, __________, ________e _________.
c) Ele é formado por tecido ___________________, cujas células estão representadas no número ____________.
d) Citar os fenômenos químicos ocorridos em 3 e 4.
Continuação Exercícios:
De acordo com o desenho ao lado, responda:
1- Indicar os órgãos apontados pelas setas.
2- Para o estômago indicar:
 Cárdia
 Fundo
 Pequena e grande curvatura
 Piloro
 antro
3- O que é apêndicite?.
38
4- Descreva o que é absorvido no ID e no IG?
a) ID: _____________________________________
b) IG:_____________________________________
5- Marque a resposta correta:
Não pertence ao sistema digestivo.
( ) A – Fígado ( ) C - Pâncreas
( ) B – Esôfago ( ) D - Glândula hipófise
6- Com relação à bile é incorreto afirmar:
( ) A - É produzida pela vesícula biliar.
( ) B - É composta de: sais biliares, colesterol e bilirrubina.
( ) C - Age com o detergente, ajudando na digestão das gorduras.
( ) D - Contém colesterol, o qual é responsável pelas células biliares.
7- Numere a 2
a
coluna de acordo com a 1
a
:
1. Glândula salivar ( ) secreta uma substância que contém muco e ptialina
2. Fígado ( ) é uma glândula dividida em quatro lobos: direito, esquerdo, quadrado.
3. Pâncreas
( ) é uma glândula que tem três partes: cabeça, corpo e caudado
( ) produz um suco que neutraliza o ácido clorídrico no intestino.
( ) é a glândula responsável pela produção de bile.
8- Uma alimentação rica em verduras e frutos aumenta o volume das fezes. Com isso, os movimentos peristálticos
do intestino grosso.
( ) A - não são afetados
( ) C - são aumentados
( ) B - são retardados
( ) D - às vezes são retardados e outras vezes acelerados.
9- Cite as características básicas das fezes normais.
10- Identifique as estruturas ao lado:
39
SISTEMA CIRCULATÓRIO
Conceito
O sistema circulatório é um sistema fechado, sem comunicação com o exterior, constituído por Tubos, que são
chamados: vasos sanguíneos, por onde circula o Sangue e vasos linfáticos, por onde circula a Linfa, e por um órgão
central, o Coração, que impulsiona o sangue para todas as partes do corpo. É formado também por órgãos
hematopoiéticos onde são produzidas as células sanguíneas.
Função
Conduzir material nutritivo e oxigênio à todas as células do organismo e recolhendo destas, simultaneamente os
produtos finais do metabolismo como: substâncias tóxicas e gás carbônico.
Defesa do organismo através de suas células especializadas, contra substâncias estranhas e microorganismos.
Divisão
O sistema circulatório é dividido por:
1) Sistema Sanguífero:
1.1. Coração
1.2. Vasos sanguíneos: artérias, veias, capilares
1.3. Sangue
2) Sistema Linfático:
2.1 Linfa 2.2 Vasos linfáticos
3) Órgãos Hematopoiéticos
3.1 Órgãos linfóides: Baço e Timo 3.2 Medula óssea
1 - SISTEMA SANGUÍNEO
1.1 -Coração:
É um órgão muscular, oco, que funciona como bomba contrátil propulsora.
Localizado na região do mediastino (no espaço entre os pulmões, o esterno, a coluna vertebral e o diafragma).
O coração tem a forma aproximada de um cone, com a ponta dirigida para baixo.
Seu tamanho normal no adulto corresponde ao punho fechado de seu portador.
a) O coração é envolvido por uma membrana chamada
Pericárdio, nesse espaço, há um liquido aquoso’, que
permite um melhor deslizamento do coração.
b) Constituído por 3 camadas;
Epicárdio: camada externa.
Miocárdio: camada média, mais espessa, responsável pelo
movimento do coração. Suas contrações automáticas permitem
impulsionar o sangue através dos vasos sangüíneos.
Endocárdio: é uma membrana que reveste a superfície
interna das cavidades do coração.
c) O coração é dividido em quatro cavidades:
 Átrio Direito: AD
 Ventrículo Direito: VD
 Átrio Esquerdo: AE
 Ventrículo Esquerdo: VÊ
40
Os átrios não se comunicam entre si, estão separados pelo septo interatrial.
Os ventrículos também não se comunicam entre si, estão separados pelo septo interventricular.
Só existe comunicação de átrio para ventrículo, através de uma abertura chamada óstio, que possui um dispositivo
chamado valva, que impede o retorno do sangue.
Do lado esquerdo do coração passa o sangue arterial rico em oxigênio (O2) e no lado direito do coração passa o
sangue venoso, rico em gás carbônico (CO2).
 Átrio Direito (AD): a ele chegam a veia cava superior, veia cava inferior e a veia coronária, trazendo sangue
venoso de todo organismo, inclusive do músculo cardíaco. O átrio direito (AD) comunica-se com o ventrículo
direito através da valva tricúspide ou valva átrio - ventricular direita, que impede o retorno do sangue do VD para
o AD.
 Ventrículo Direito (VD): é de musculatura mais espessa que a dos átrios, dele parte a artéria pulmonar, que se
divide em Direita e Esquerda, indo cada uma, respectivamente para o pulmão direito e esquerdo, com sangue
venoso proveniente do átrio direito. Entre o Ventrículo Direito e a Artéria Pulmonar existe a valva semilunar.
 Átrio Esquerdo (AE): é de parede ligeiramente mais resistente que a do átrio direito, na sua cavidade
desembocam duas Veias Pulmonares Direitas e duas Veias Pulmonares Esquerdas, com sangue arterial.
 O átrio esquerdo (AE) comunica-se com o ventrículo esquerdo (VÊ) através da valva mitral ou valva átrio
ventricular esquerda, que também impede o retorno do sangue do VE para AE.
 Ventrículo Esquerdo (VE): recebe sangue arterial do átrio esquerdo, desta cavidade parte a artéria aorta. É a
cavidade de musculatura mais espessa. Entre o ventrículo esquerdo e a artéria aorta, existe a valva aórtica.
Função das Valvas:
Quando abertas é permitir a saída de sangue dos ventrículos para as artérias. Quando fechadas é impedir o refluxo do
sangue.
d) Fisiologia Cardíaca: Sistema de Circulação Sanguínea
 Pequena Circulação ou Circulação Pulmonar: é o percurso do sangue do ventrículo direito, passando pelos
pulmões até o átrio esquerdo, cuja função é oxigenar o sangue nos pulmões, através da troca de gás carbônico por
oxigênio.
 Descrição: o sangue venoso sai do ventrículo direito pela Artéria Pulmonar, que se ramifica em direita e esquerda,
indo respectivamente para o pulmão direito e esquerdo. Os capilares arteriais contendo sangue venoso envolvem os
alvéolos pulmonares, e a nível dos alvéolos ocorre a troca de gás carbônico por oxigênio.
 Grande Circulação ou Circulação Sistêmica: é o percurso do sangue do ventrículo esquerdo, passando por todo o
corpo, até o átrio direito.
Descrição: o sangue arterial é levado do ventrículo esquerdo para todo organismo, a fim de abastecer todas as
células com oxigênio e nutrientes. Após receber o gás carbônico e os excretes das células do organismo, retorna
átrio direito como sangue venoso pelas veias cava superior e inferior.
e) Ciclo Cardíaco: O coração funciona como uma bomba se contraindo e se dilatando.
41
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial
Anatomia Humana Essencial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4
Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4
Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4Clovis Gurski
 
Introdução à anatomia do sistema locomotor
Introdução à anatomia do sistema locomotorIntrodução à anatomia do sistema locomotor
Introdução à anatomia do sistema locomotorCaio Maximino
 
1ª sistema muscular
1ª sistema muscular1ª sistema muscular
1ª sistema muscularFilipe Matos
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaPedro Miguel
 
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia humana
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia humanaSistema cardiovascular e linfático - anatomia humana
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia humanaMarília Gomes
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologiaIeda Dorneles
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Hamilton Nobrega
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema RespiratórioSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema RespiratórioTurma Olímpica
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaHerbert Santana
 
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptxWashington Luiz Lima
 
Fisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularFisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularguestc2bec7
 

Mais procurados (20)

Sistema Muscular - Prof. Maria de Fátima
Sistema Muscular - Prof. Maria de FátimaSistema Muscular - Prof. Maria de Fátima
Sistema Muscular - Prof. Maria de Fátima
 
Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4
Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4
Sistema de transfêrencia de energia para o corpo aula 4
 
Introdução à anatomia do sistema locomotor
Introdução à anatomia do sistema locomotorIntrodução à anatomia do sistema locomotor
Introdução à anatomia do sistema locomotor
 
1ª sistema muscular
1ª sistema muscular1ª sistema muscular
1ª sistema muscular
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia humana
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia humanaSistema cardiovascular e linfático - anatomia humana
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia humana
 
Neuroanatomia
NeuroanatomiaNeuroanatomia
Neuroanatomia
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema RespiratórioSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Respiratório
 
Siatema muscular
Siatema muscularSiatema muscular
Siatema muscular
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Reação de oxidação
Reação de oxidaçãoReação de oxidação
Reação de oxidação
 
Pele e anexos
Pele e anexosPele e anexos
Pele e anexos
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
 
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
 
Fisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularFisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscular
 

Semelhante a Anatomia Humana Essencial

Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02
Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02
Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02Isabel Ribeiro
 
Tecidos do corpo humano - 8 ano
Tecidos do corpo humano  - 8 anoTecidos do corpo humano  - 8 ano
Tecidos do corpo humano - 8 anoWanderley Almeida
 
Esquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animalEsquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animalGustavo Pessoa
 
Ciência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptx
Ciência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptxCiência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptx
Ciência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptxayanakarine1
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos3a2011
 
Aula tecidos -_simplificado
Aula tecidos -_simplificadoAula tecidos -_simplificado
Aula tecidos -_simplificadogiovannimusetti
 
Aula tecidos -_simplificado (2)
Aula tecidos -_simplificado (2)Aula tecidos -_simplificado (2)
Aula tecidos -_simplificado (2)giovannimusetti
 
Aula tecidos -_simplificado (1)
Aula tecidos -_simplificado (1)Aula tecidos -_simplificado (1)
Aula tecidos -_simplificado (1)giovannimusetti
 
Aula tecidos -_simplificado (3)
Aula tecidos -_simplificado (3)Aula tecidos -_simplificado (3)
Aula tecidos -_simplificado (3)giovannimusetti
 
Biologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia AnimalBiologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia AnimalCarson Souza
 
Níveis de organização em biologia
Níveis de organização em biologiaNíveis de organização em biologia
Níveis de organização em biologiaANA LUCIA FARIAS
 
Classificação dos tecidos.pptx
Classificação dos tecidos.pptxClassificação dos tecidos.pptx
Classificação dos tecidos.pptxRanianeAlmeida
 
Aula 02 conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
Aula 02   conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemasAula 02   conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
Aula 02 conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemasHamilton Nobrega
 
Aula anatomia celula 03
Aula anatomia  celula 03Aula anatomia  celula 03
Aula anatomia celula 03Laercio Leao
 

Semelhante a Anatomia Humana Essencial (20)

Anatomia 1.pdf
Anatomia 1.pdfAnatomia 1.pdf
Anatomia 1.pdf
 
Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02
Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02
Corpohumanofinal 110318120206-phpapp02
 
Tecidos do corpo humano - 8 ano
Tecidos do corpo humano  - 8 anoTecidos do corpo humano  - 8 ano
Tecidos do corpo humano - 8 ano
 
Esquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animalEsquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animal
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
 
Ciência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptx
Ciência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptxCiência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptx
Ciência da Vida - 8° Ano - Organização do Corpo Humano.pptx
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Aula tecidos -_simplificado
Aula tecidos -_simplificadoAula tecidos -_simplificado
Aula tecidos -_simplificado
 
Aula tecidos -_simplificado (2)
Aula tecidos -_simplificado (2)Aula tecidos -_simplificado (2)
Aula tecidos -_simplificado (2)
 
Aula tecidos -_simplificado (1)
Aula tecidos -_simplificado (1)Aula tecidos -_simplificado (1)
Aula tecidos -_simplificado (1)
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Aula tecidos -_simplificado (3)
Aula tecidos -_simplificado (3)Aula tecidos -_simplificado (3)
Aula tecidos -_simplificado (3)
 
Células ppt
Células   pptCélulas   ppt
Células ppt
 
Histologia Geral
Histologia GeralHistologia Geral
Histologia Geral
 
Biologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia AnimalBiologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia Animal
 
Níveis de organização em biologia
Níveis de organização em biologiaNíveis de organização em biologia
Níveis de organização em biologia
 
Classificação dos tecidos.pptx
Classificação dos tecidos.pptxClassificação dos tecidos.pptx
Classificação dos tecidos.pptx
 
Anatofisiologia 09 (1)
Anatofisiologia 09 (1)Anatofisiologia 09 (1)
Anatofisiologia 09 (1)
 
Aula 02 conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
Aula 02   conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemasAula 02   conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
Aula 02 conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
 
Aula anatomia celula 03
Aula anatomia  celula 03Aula anatomia  celula 03
Aula anatomia celula 03
 

Último

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 

Último (12)

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 

Anatomia Humana Essencial

  • 1. ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Rua Oliveira Lisboa, nº 41, Barreiro, Belo Horizonte – MG – CEP 30640-470 Fone: 31 33848770 – www.metaescolatecnica.com.br
  • 2. INTRODUÇÃO Anatomia - é a ciência que estuda a estrutura do corpo de animais e plantas (macro e microscopicamente). Fisiologia - é a ciência que estuda o funcionamento de um corpo; estuda os papéis que desempenham os órgãos no corpo humano e a interdependência das funções nos órgãos. Durante séculos, os conhecimentos sobre um dos mais antigos objetos da curiosidade do homem, a anatomia humana, acumularam-se e foram se ampliando com os modernos instrumentos e técnicas. Um desses conhecimentos é que o corpo, ou melhor, o organismo humano, se compõe de células e que estas se combinam para formarem tecidos, os quais se associam de vários modos para constituir os distintos órgãos. Estes órgãos, em conjunto, desempenham tarefas especificas para todo o corpo, compondo aparelhos e sistemas orgânicos. CÉLULAS É a menor porção estrutural e funcional que constitui o ser vivo, só podendo ser observada, na maioria dos casos, em microscópio. Algumas células podem ser observadas sem auxílio do microscópio, como por exemplo o ovo. O ser humano, por ser formado por várias células, é classificado como pluricelular ou metazoário. As células no organismo humano apresentam dimensões variadas, dependendo de sua localização. Nos organismos pluricelulares, as células se apresentam com formas e estruturas extremamente variadas. A célula constitui-se, entre outros elementos, de: membrana citoplasmática, citoplasma e núcleo. a) Membrana citoplasmática - é a camada mais externa, envolvendo a célula. Tem, entre outras funções, as de sustentação e proteção da célula. Regula a entrada e saída de substâncias na célula. b) Citoplasma - é o conteúdo celular compreendido entre o núcleo e a membrana celular. É uma substância viscosa onde existem várias organelas (órgãos celulares), responsáveis por diversas funções da célula. c) Núcleo - é um corpúsculo que existe imerso no citoplasma, geralmente no centro da célula. As principais funções do núcleo são o crescimento e a reprodução celular. Principais Organelas Celulares a) Lisossomos - Estruturas ricas em enzimas que degradam moléculas de gorduras, proteínas e outros compostos presentes na célula, ou seja, são as estruturas responsáveis pela digestão celular. b) Mitocôndrias - Apresentam-se como partículas arredondadas ou alongadas. São responsáveis pela respiração celular; por isso seu número é elevado nas células com maior capacidade energética, como as células musculares e nervosas. c) Ribossomos - Estão presentes em todos os tipos celulares e são extremamente pequenos, sendo visíveis apenas pelo microscópio eletrônico. Na célula, participam do processo de elaboração de proteínas. d) Complexo de Golgi - Apresentam-se sob a forma de vesículas achatadas e superpostas. A função precisa dessa estrutura é desconhecida. Há indícios de que ela poderia estar relacionada á secreção e ao transporte de partículas para dentro e para fora da célula. 2
  • 3. Duração das Células a) Lábeis - São células de ciclo vital curto; pouco especializadas; reproduzem-se intensamente durante toda a vida do organismo. Ex.: células epiteliais. b) Estáveis - São células de ciclo vital médio; relativamente especializadas; reproduzem-se apenas na fase de crescimento do indivíduo ou nos processos degenerativos. Ex.: células hepáticas, células ósseas. c) Permanentes - São células de ciclo vital longo; muito especializadas; reproduzem-se no período embrionário. Ex.: células nervosas (neurônio). TECIDO O tecido é um conjunto de células de forma e função semelhantes. Principais tipos de tecidos: 1) Tecido epitelial - é constituído por células de forma regular, intimamente unidas, de modo que entre elas quase não sobram espaços para material extracelular. Geralmente são: cilíndricas, cúbicas ou achatadas.  Revestir o corpo, formando a epiderme. Reveste internamente órgãos ocos (mucosas), como o estomago e o intestino. E envolve certos órgãos (serosa), como por exemplo, a pleura envolvendo os pulmões.  Formar glândulas - As glândulas são órgãos encarregados de produzir secreções. Algumas lançam seus produtos para fora do corpo, por meios de condutos, ou para o interior de órgãos, por meio de finos duetos. São chamadas glândulas de secreção exócrinas. Como exemplo de glândulas exócrinas temos: glândulas lacrimais, mamarias, salivares, sudoríparas, etc. Outras glândulas liberam suas secreções diretamente no sangue. São as chamadas glândulas de secreção interna ou endócrinas. Seus produtos de elaboração são chamados de hormônios. Como exemplos, podemos citar: glândula hipófise, tireóide, paratireóide, testículos, ovários, etc. O pâncreas, por ter função endócrina e exócrina ao mesmo tempo, é considerado uma glândula mista. Como glândula endócrina. Ele produz insulina e o glucagon, hormônios que regulam a taxa de glicose no sangue, e como glândula exócrina produz o suco pancreático, que é lançado no intestino delgado (duodeno) para auxiliar a digestão. 2) Tecido conjuntivo - Tem como função preencher espaços entre os diversos órgãos, bem como formar a estrutura geral de sustentação do organismo esqueleto). Classifica-se da forma que se segue: a) Tecido conjuntivo propriamente dito - é o mais encontrado em todo o organismo, preenchendo espaços entre os diversos órgãos. Formado por células com capacidade de se proliferar e modificar durante os processos inflamatórios de cicatrização. b) Tecido conjuntivo elástico - é encontrado, por exemplo, nas paredes das artérias, permitindo que ocorra expansão pela passagem do sangue, originando a pulsação. Sua característica é a elasticidade, é encontrado nas artérias maiores, nos ligamentos vocais da laringe, etc. c) Tecido conjuntivo fibroso - forma, por exemplo, os tendões, que são fibras que ligam um músculo a um osso. Sua característica é a resistência à tensão e grande flexibilidade. d) Tecido conjuntivo adiposo - é formado por células gordurosas que se alojam ao redor de certos órgãos (coração, rim, intestino etc.) e sob a pele (chamada de "toucinho" em alguns animais). Funciona como reserva alimentar, como sustentação para os órgãos, proteção contra o frio e ações mecânicas. e) Tecido conjuntivo cartilaginoso - formado por células arredondadas, chamadas de condroblastos, promovem a sustentação do corpo, com resistência elástica à pressão. Estrutura maleável, "moldando" certas corpo. Ex.: orelhas, nariz, traquéia, etc. f) Tecido hematopoiético - é responsável pela produção dos elementos do sangue. Localiza-se na medula óssea, nodos linfáticos, baço. g) Tecido ósseo - constituído pêlos osteócitos e pela substância fundamental (osseína) que, associada aos sais minerais, faz com que os ossos sejam rígidos, resistentes à pressão e tensão, e suportam determinada carga. Localiza-se nos ossos, dentina e cimento dos dentes. 3) Tecido muscular - O tecido muscular é constituído de células com capacidade de contração. As células são alongadas, também chamadas de fibras musculares. É responsável pêlos movimentos do organismo, como propriedades de se contrair, ou de se estender, é uma das principais fontes de energia. Será estudado no capítulo sobre músculos. Características especiais:  Músculo liso: não tem fibras estriadas, ação involuntária (vísceras).  Músculo estriado: possui fibras estriadas e ação voluntária (músculo esquelético).  Músculo cardíaco: possui fibras estriadas e ação involuntária (coração). 3
  • 4. 4) Tecido nervoso - O tecido nervoso é formado por células chamadas neurônios (considerado a unidade anatômica e funcional do sistema nervoso, é composto pelo corpo celular e seus prolongamentos). Encontram-se ao cérebro, medula e sistema nervoso periférico, onde dirige todos os processos vitais do organismo através de recepção, assimilação e distribuição de estímulos. Os prolongamentos dos neurônios são chamados dendritos (vários e curtos) e axônio (único e longo). Os neurônios que não apresentam dendritos são denominados unipolares; aqueles que apresentam um único dendrito são bipolares e os que apresentam múltiplos dendritos são multipolares. O tecido nervoso será estudado no capítulo sobre sistema nervoso. Axônio: Condutor de impulsos a partir do corpo celular; Dendritos: São prolongamentos que conduzem os impulsos para o corpo celular. 4
  • 5. ÓRGÃOS E SISTEMAS Os órgãos são formados por tecidos ou grupo de tecidos que desempenham funções específicas. Exemplos: o intestino, o fígado, o cérebro. Os sistemas são formados por órgãos de um mesmo tecido. Exemplo: o sistema ósseo, o sistema nervoso. Exercícios 1) O que Robert Hooke observou ao examinar uma lâmina de cortiça e como o que chamou o que viu? 2) Correlacione a segunda coluna de acordo com a primeira. a) Membrana citoplasmática ( ) Importante para o crescimento e reprodução celular b) Citoplaspa ( ) Responsável pela sustentação e reprodução celular c) Núcleo ( ) Substancia viscosa onde existe varias organelas d) Ribossomo ( ) Elaboração de proteinas e) Mitocôndria ( ) Digestão celular f) Lisossomo ( ) Respiração celular 3) O conjunto de células com forma e função semelhante é denominada __________________ . 4) Quais as duas funções básicas do tecido epitelial? 5) Coloque no parêntese o número 1 para glândula exócrina, o número 2 para glândula endócrina e 3 para glândula mista. ( ) Glândulas sudoríparas. ( ) Testículos. ( ) Glândulas pancreáticas. ( ) Glândulas mamarias. ( ) Glândulas tireóide. 6) Dê as características dos seguintes tecidos: a) Tecido conjuntivo propriamente dito b) Tecido conjuntivo fibroso. c) Tecido conjuntivo cartilaginoso. 7) Os sistemas são formados por órgãos de vários tecidos. ( ) Certo. ( ) Errado. 8) As células estreladas formadoras do sistema nervoso são denominadas __________________ . 9) Os intestinos, fígado, cérebro, etc, são células, tecidos, órgãos ou sistemas? ______________ . INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA TOPOGRÁFICA No seu conceito mais amplo, a Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento dos seres organizados. Um excelente e amplo conceito de Anatomia foi proposto em 1981 pela American Association of Anatomists: anatomia é a análise da estrutura biológica, sua correlação com a função e com as modulações de estrutura em resposta a fatores temporais, genéticos e ambientais. Tem como metas principais a compreensão dos princípios arquitetônicos da construção dos organismos vivos, a descoberta da base estrutural do funcionamento das várias partes e a compreensão dos mecanismos formativos envolvidos no desenvolvimento destas. A amplitude da anatomia compreende, em termos temporais, desde o estudo das mudanças a longo prazo da estrutura, no curso de evolução, passando pelas das mudanças de duração intermediária em desenvolvimento, crescimento e envelhecimento; até as mudanças de curto prazo, associadas com fases diferentes de atividade funcional normal. Em termos do tamanho da estrutura estudada vai desde todo um sistema biológico, passando por organismos inteiros e/ou seus órgãos até as organelas celulares e macromoléculas. A palavra Anatomia é derivada do grego anatome (ana = através de; tome = corte). Dissecação deriva do latim (dis = separar; secare = cortar) e é equivalente etimologicamente a anatomia. Contudo, atualmente, Anatomia é a ciência, enquanto dissecar é um dos métodos desta ciência. Seu estudo tem uma longa e interessante história, desde os primórdios da civilização humana. Inicialmente limitada ao observável a olho nu e pela manipulação dos corpos, expandiu-se, ao longo do tempo, graças a aquisição de tecnologias inovadoras. Atualmente, a Anatomia pode ser subdividida em três grandes grupos: Anatomia macroscópica, Anatomia microscópica e Anatomia do desenvolvimento. 5
  • 6. A Anatomia Macroscópica é o estudo das estruturas observáveis a olho nu, utilizando ou não recursos tecnológicos os mais variáveis possíveis, enquanto a Anatomia Microscópica é aquela relacionada com as estruturas corporais invisíveis a olho nu e requer o uso de instrumental para ampliação, como lupas, microscópios ópticos e eletrônicos. Este grupo é dividido em Citologia (estudo da célula) e Histologia (estudo dos tecidos e de como estes se organizam para a formação de órgãos). A Anatomia do desenvolvimento estuda o desenvolvimento do indivíduo a partir do ovo fertilizado até a forma adulta. Ela engloba a Embriologia que é o estudo do desenvolvimento até o nascimento. Embora não sejam estanques, a complexidade destes grupos torna necessária a existência de estudos específicos. NORMAL E VARIAÇÃO ANATÔMICA Normal, para o anatomista, é o estatisticamente mais comum, ou seja, o que é encontrado na maioria dos casos. Variação anatômica é qualquer fuga do padrão sem prejuízo da função. Assim, a artéria braquial mais comumente divide- se na fossa cubital. Este é o padrão. Entretanto, em alguns indivíduos esta divisão ocorre ao nível da axila. Como não existe perda funcional esta é uma variação. Quando ocorre prejuízo funcional trata-se de uma anomalia e não de uma variação. Se a anomalia for tão acentuada que deforme profundamente a construção do corpo, sendo, em geral, incompatível com a vida, é uma monstruosidade.  Variação anatômica – diferenças externas ou internas que não causam prejuízo aos seres vivos, como timbre de voz.  Anomalia anatômica – variação que causam prejuízo funcional, como ter um dedo a menos nas mãos;  Monstruosidade – variação totalmente incompatível com a vida: anencefalia (ausência de encéfalo) é considerada monstruosidade. Termos de Referência da Topografia Anatômica de Direção e Posição Os termos apresentados, a seguir, são básicos e devem ser empregados quando você estiver referindo-se ao corpo humano. Posição anatômica: considere o corpo humano ereto com a frente voltada pra você. Os braços estão ao longo do corpo, para baixo, com as palmas das mãos para frente. Os pontos de referencia à todas as estruturas são feitas imaginando-se o corpo em posição anatômica. Isto é muito importante quando consideramos os ossos e os vasos sanguíneos do braço, por exemplo. Direita e Esquerda: sempre usamos como referencia o termos direita e esquerda do paciente. Anterior e Posterior: anterior refere-se a frente do corpo e posterior indica as costas ou dorso do corpo. Na cabeça a face é considerada anterior e as outras estruturas são as posteriores. Linha Mediana: é uma linha vertical imaginaria que divide o corpo em lado esquerdo e direito. Algo que se aproxime ou esta na direção da linha mediana é dito como medial e o que esta mais afastado é dito como lateral. Lembre-se da posição anatômica, o polegar encontra-se na lateral, enquanto o dedo mínimo da mão é considerado medial. 6
  • 7. ANATOMIA SISTEMÁTICA CONCEITOS: É o estudo da estrutura de um organismo e das relações entre suas partes (SPENCE, 1991). É ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento dos seres organizados (DANGELO E FATTINI, 1995). Anatomia macroscópica é o estudo da morfologia por meio de dissecação a olho nu ou com pequeno aumento, tal como o de uma lente manual. O estudo da anatomia microscópica é o estudo da estrutura com o auxílio de um microscópio (GRAY, 1988). VARIAÇÃO ANATÔMICA E NORMAL: - Diferença na constituição morfológica entre indivíduos - Fatores gerais de variação - Idade - Sexo - Raça - Biótipo - Evolução POSIÇÃO ANATÔMICA: - Posição padronizada para o estudo - A posição anatômica é obtida quando o corpo está: - ereto; - pés unidos; - membros superiores colocados ao lado do corpo; - palmas das mãos voltadas para frente; - dedos estendidos e polegares afastados do corpo. TERMOS DE DIREÇÃO: - Os termos usados para indicar direção são considerados aos pares, cada um indicando uma direção oposta - Anterior (ventral) - refere-se à frente do corpo - Posterior (dorsal) - refere-se à parte posterior, o dorso - Superior (cranial) - significa voltado para a cabeça - Inferior (caudal) - significa afastado da cabeça - Medial – voltado para o plano mediano do corpo - Lateral – afastado do plano medial do corpo - Proximal – mais próximo de qualquer ponto de referência - Distal – afastado de qualquer ponto de referência - Superficial – localizado próximo ou na superfície do corpo - Profundo – localizado mais afastado ou mais profundamente da superfície do corpo do que as estruturas superficiais TERMOS REGIONAIS: - Os termos regionais referem-se à partes específicas do corpo - Cervical: refere-se ao pescoço - Torácica: região do corpo entre o pescoço e o abdome - Lombar: região do dorso entre o tórax e a pelve - Sacral: a região mais inferior do tronco, logo acima das nádegas - Plantar: a sola do pé; o “peito” do pé é a face dorsal - Palmar: a face anterior da mão; a face posterior é a face dorsal - Axila: a depressão situada na face inferior da região de união entre o membro superior e o tronco - Virilha: junção entre a coxa e a parede abdominal - Braço: o segmento do membro superior entre o ombro e o cotovelo - Antebraço: o segmento do membro superior entre o cotovelo e o pulso - Coxa: segmento do membro inferior entre o quadril e o joelho - Perna: segmento entre o membro inferior entre o joelho e o tornozelo CAVIDADES DO CORPO: - O corpo contém duas cavidades principais: - Dorsal (posterior) - Cavidade craniana – aloja o encéfalo - Cavidade vertebral – que contém a medula - Ventral (anterior) - Cavidade torácica - Cavidade abdominal 7
  • 8. PLANOS, EIXOS E MOVIMENTOS DO CORPO: - No estudo da anatomia é usual visualizar o corpo cortado ou seccionado em vários planos de referência. Três planos cardinais imaginários dividem o corpo em três dimensões PLANOS: - Plano sagital: também conhecido como plano ântero-posterior. Divide o corpo verticalmente em metades direita e esquerda. - Plano frontal: também referido como coronal ou lateral. Divide o corpo em metades anterior e posterior. - Plano horizontal ou transverso: divide o corpo em metades superior e inferior. EIXOS: - Eixo vertical ou longitudinal: perpendicular ao plano transverso - Eixo sagital: perpendicular ao plano frontal - Eixo frontal: perpendicular ao plano sagital MOVIMENTOS: - - Flexão(braço frente e trás) , extensão, hiperextensão, dorsiflexão e flexão plantar: ocorrem no plano sagital com eixo frontal - Abdução (Braco lateralmente ao corpo), adução, elevação, flexão radial e ulnar: ocorrem no plano frontal com eixo sagital - Rotação medial e lateral, supinação e pronação: ocorrem no plano transverso com eixo vertical - *Circundução: combina flexão, extensão, abdução e adução em uma articulação. Ocorre no plano diagonal (plano de movimento orientado obliquamente aos planos tradicionais. SISTEMA ESQUELÉTICO OU LOCOMOTOR O sistema esquelético compõe-se de ossos, cartilagens e articulações que interligam para formar o arcabouço do corpo e desempenhar várias funções. Como funções do esqueleto podemos citar: proteção para os órgãos; sustentação e conformação para o corpo; sistema de alavancas que movimentadas pêlos músculos permitem os deslocamentos do corpo; local de armazenamento de íons Ca e P e, finalmente, local de produção de certas células do sangue. DIVISÕES DO ESQUELETO O esqueleto humano consiste de 206 ossos. Os ossos podem ser agrupados no esqueleto axial e no esqueleto apendicular. A união entre estas duas porções se faz por meio de cinturas: - Escapular: constituída pela escápula e clavícula; - Pélvica: constituída pêlos ossos do quadril (ílio, ísquio e púbis) ESQUELETO AXIAL Cabeça Coluna vertebral Tórax (costelas e esterno) ESQUELETO APENDICULAR Cintura Escapular Membros Superiores Cintura Pélvica Membros Inferiores 8
  • 9. ESQUEMA DO CRESCIMENTO ÓSSEO FATORES QUE AFETAM O CRESCIMENTO ÓSSEO - Pressão - Hormônios (paratireóide – parato-hormônio/osteclastos) (tireóide – calcitonina/osteoblastos) - Nutrição – Vitamina D – necessária para a absorção de cálcio da corrente sangüínea. ESTRUTURA ESQUELÉTICA Homem adulto possui 206 ossos, cuja variedade de forma, tamanho e estrutura interna é decorrente de sua função. 9
  • 10. FUNÇÕES DO ESQUELETO: - O esqueleto desempenha várias importantes funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e formação de células do sangue (hemopoiese). Suporte: o esqueleto atua como arcabouço do corpo, dando suporte aos tecidos moles e promovendo pontos de fixação para a maioria dos músculos. Movimento: Pelo fato de muitos músculos estarem fixados ao esqueleto, e muitos ossos se relacionarem (articularem) por articulações móveis, o esqueleto desempenha um papel importante na determinação do tipo e extensão do movimento que o corpo é capaz de fazer. Proteção: O esqueleto protege de lesões muitos dos órgãos vitais internos. Através de sua estrutura aloja e protege o cérebro, medula, órgãos torácicos, bexiga e órgãos reprodutores. Reserva de Minerais: Cálcio, fósforo, sódio, potássio e outros minerais são estocados nos ossos do esqueleto. Estes minerais podem ser mobilizados e distribuídos pelo sistema vascular sangüíneo para outras regiões conforme sejam requeridas pelo corpo. Hemopoiese (formação de células do sangue): Após o nascimento, a medula óssea vermelha de certos ossos produz as células sangüíneas encontradas no sistema circulatório. PRINCIPAIS TIPOS DE OSSOS a) Ossos longos São aqueles nos quais no comprimento é muito maior que a largura e espessura. Possuem duas extremidades dilatas chamadas de epífises e um corpo cilíndrico chamado diáfise. A extremidade superior é denominada epífise proximal e a extremidade inferior, epífise distal. Exemplo: úmero e fêmur. b) Ossos chatos São aqueles nos quais a largura e o comprimento são maiores que a espessura. São placas ósseas delgadas e côncavas, como as da caixa craniana. Exemplos: escápula, ossos do crânio. c) Ossos curtos São aqueles que possuem as três dimensões semelhantes. Possui forma mais ou menos cúbica, sendo pequenos e irregulares. Exemplos: calcâneo e ossos do punho. d) Ossos pneumáticos São aqueles que possuem na sua parte interna, cavidades contendo ar. Exemplos: o osso frontal, maxilar, etmóide, apresentam cavidades ocas fechadas cheias de ar. e) Ossos sesamóides Vários pequenos ossos distintos, chamados de ossos sesamóides, são encontrados frequentemente nos pés e nas mãos. Estes ossos adicionais, incrustados em determinados tendões, frequentemente estão presentes próximos a várias articulações. f) Osso irregular São aqueles que não tem correspondência em formas geométricas conhecidas. Exemplo: vértebras. O ESQUELETO DA CABEÇA O esqueleto da cabeça é constituído por uma parte superior, denominada crânio, e uma parte inferior denominada face. Os ossos do crânio formam uma caixa óssea resistente cuja função principal é proteger o encéfalo. Os ossos da face formam cavidades para proteger os órgãos dos sentidos: visão, audição, gustação e olfação. Os ossos formadores do crânio são em número de oito: 1 frontal (testa) 1 occipital parte posterior da cabeça 1 esfenóide, encravado no meio dos ossos da base do crânio 1 etmóide, entre o frontal e esfenóide 2 temporais, parte lateral da cabeça 2 parietais, alto da cabeça Os ossos formadores da face são em número de 14: 1 vômer, lâmina óssea que divide o nariz em fossas nasais; 1 Mandíbula (maxilar inferior); 2 maxilares superiores; 2 palatinos, que formam o chamado "céu da boca"; 2 zigomáticos, que formam as chamadas "maçãs do rosto"; 2 cornetos inferiores, pequenas lâminas ósseas dobradas sobre si mesmas localizadas no interior das fossas nasais; 2 lacrimais, situados dentro da cavidade orbitária; 2 nasais, formando o nariz; 10
  • 11. TRONCO O esqueleto do tronco é constituído pela coluna vertebral, esterno e costela. a) Coluna Vertebral é considerada o eixo do nosso esqueleto e da sustentação do corpo, é formada por 33 ossos individualizados, às vértebras, em disposição seriada simples uns sobre os outros, é formada pelas seguintes regiões: 1. Região cervical - constituída por sete vértebras, formam o esqueleto do pescoço; 2. Região dorsal ou torácica - é formada por doze vértebras, as quais se articulam com as costelas: 3. Região lombar - composta de cinco vértebras, dispostas depois da última costela até os quadris. Essa região é a que suporta a maior carga do peso do corpo, por isso, seus corpos vertebrais são largos e espessos; 4. Região sacral - resultante da soldadura de cinco vértebras achatadas, de modo a formarem um osso triangular: 5. Região coccígea - formada por quatro vértebras rudimentares igualmente soldadas que constituem a ponta da coluna vertebral. Funções da coluna vertebral:  Constituem o eixo do esqueleto, sustentando o corpo e a cabeça. As vértebras, empilhadas e bem ajustadas, são fortemente ligadas entre si. Entre as vértebras existem discos intervertebrais cartilaginosos que funcionam como amortecedores dando flexibilidade a coluna;  Protege a medula espinhal, que fica abrigada no canal formado pêlos orifícios vertebrais: Prende firmemente, os membros superiores e inferiores;  Possibilita a posição vertical ao ser humano, graças as curvaturas que apresenta e funciona como uma mola. amortecendo os braços. 11
  • 12. Coluna vertebral em perfil: (A) região cervical (7 vértebras); (B) região dorsal (12 vértebras); (C) região lombar (5 vértebras); (D) região sacra (5 vértebras fusionadas, formando um osso único - o sacro); (E) região coccígea (5 minúsculas vértebras fusionadas, que formam o cóccix). b) Esterno (osso do peito) é um osso alongado e achatado, situado na parte anterior do tórax, lembrando uma espada de gladiador. Na extremidade superior (manúbrio) apóiam-se as clavículas, e na borda do manúbrio e o corpo do esterno se prendem as cartilagens dos sete primeiros pares de costelas. O esterno é dividido em três partes: - Manúbrio - Corpo do esterno - Apêndice xifóide ( ou cartilagem xifóide) c) Costelas - São ossos em forma de arcos que formam grande parte do esqueleto torácico. São em número de 12 pares que classificam em três grupos:  Costelas verdadeiras São os sete primeiros pares, que partem da coluna vertebral e terminam no osso esterno, através de cartilagens, um para cada costela:  Costelas falsas São os três seguintes pares de costelas que partem da coluna vertebral e ligam-se ao osso esterno. Através de cartilagens da sétima costela verdadeira;  Costelas flutuantes Os dois últimos pares de costelas mais curtas que as outras que partem da coluna vertebral, não chegando ao esterno. Suas extremidades estão livres. As costelas se fixam na parte da frente (anterior) do tronco, no esterno, e na parte de trás (posterior) na coluna vertebral, formando uma verdadeira gaiola de proteção de estruturas vitais como coração, pulmão, fígado, baço, etc. Ás vezes, em casos de acidente, as costelas flutuantes enterram as pontas livres no fígado ou em outros órgãos, com conseqüências gravíssimas. Por isso é que se deve movimentar com cuidado as pessoas atropeladas 12
  • 13. Esqueleto dos Membros Superiores Cada membro superior é formado pela cintura escapular e três segmentos: braço, antebraço e mão. a) Cintura Escapular é formada por dois ossos: clavícula e escápula.  Clavícula - é um osso longo, situado na parte superior do tórax, um de cada lado. Sua extremidade interna se articula com o manúbrio do esterno, enquanto que a externa se prende à escápula. A clavícula toma possível afastar e aproximar os braços do corpo, movimentos típicos do homem e impossíveis à maior parte dos mamíferos não dotados de cinturas;  Escápula - é um osso chato, localizado ao lado da coluna vertebral, na parte posterior do tórax, cuja função principal é aumentar a amplitude dos movimentos do ombro. b) Braços primeiro segmento móvel do membro superior, é formado por um único osso, o úmero.  Úmero - é um osso longo cuja epífise articula-se com a escápula e inferiormente articula-se com o rádio e ulna na região do cotovelo. c) Antebraço segundo segmento móvel do membro superior, é formado por dois ossos, rádio e ulna.  Rádio - é um osso longo que encontra-se em direção ao polegar. Articular-se superiormente com o úmero e inferiormente com o carpo;  Ulna - osso longo localizado lateralmente ao rádio é o osso da extremidade do cotovelo. d) Mão Divide-se em três partes:  Carpo - é constituído por oito pequenos ossos, que se articulam uns aos outros, e funcionam harmoniosamente;  Metacarpo - constitui o esqueleto da palma da mão e é formado por cinco ossos iguais que se articulam de um lado com os ossos do carpo e do outro com as falanges:  Falanges - são três em cada dedo, proximal, média e distai, com exceção do polegar que apresenta somente falanges distai e proximal. ESQUELETOS DOS MEMBROS INFERIORES Cada membro inferior é formado pela cintura pélvica e três segmentos: coxa, perna e pé. a) Cintura Pélvica prende os membros inferiores ao tronco. Na infância, é formado por três ossos distintos: o ílio, o púbis e o ísquio. Estas três peças ósseas no adulto, acham-se soldado totalmente, constituindo um único osso, denominado osso ilíaco ou osso pélvico. A união do osso ilíaco, com o sacro e cóccix, formam um grande cinturão ósseo, constituindo uma cavidade denominada bacia. b) Coxa 1° segmento do membro inferior, é móvel e constituído por um único osso. o fêmur (maior osso do corpo humano). Osso longo, o fêmur tem uma epífise proximal, um corpo e uma epífise distal. A epífise proximal apresenta uma dilatação arredondada, a cabeça do fêmur coberta de cartilagem e servindo para articulação com uma cavidade do osso ilíaco: o acetábulo. A cabeça do fêmur está presa ao resto do osso por uma porção cilíndrica denominada de colo. 13
  • 14. c) Perna é o segundo segmento móvel do membro inferior, é constituído por dois ossos: tíbia e fíbula. Na articulação entre a perna e a coxa aparece um osso arredondado e de forma triangular, denominada patela. A pateta funciona como um rolamento que desliza sobre as côndilas femurais.  Tíbia: situa-se na parte medial da perna e possui epífise distai e proximal.  Fíbula: é um osso longo também articulado com a tíbia na porção de cima.  E em baixo com a tíbia e o pé. Situa-se lateralmente à tíbia. Na sua extremidade distal, há uma saliência denominada maléolo lateral, que corresponde à face externa do tornozelo. Os ossos do pé mantêm-se unidos através de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e funcionar como alavanca. d) Pé corresponde ao terceiro e último segmento móvel do membro inferior.Apresenta três partes: tarso, metatarso e dedos.  Tarso: constituído por sete ossos, sendo que o calcâneo o maior deles, constitui o ponto de apoio da arcada plantar na parte posterior;  Metatarso: é formado por cinco ossos metartasianos, que continuam com os dedos dos pés;  Dedos ou artelhos: possuem cada um três falanges, sendo que o primeiro dedo (halux) também possui somente duas falanges, distal e proximal. ARTICULAÇÕES As articulações são formadas pela junção de dois ou mais ossos. Existem três tipos de articulações: a) Sinartroses ou articulações imóveis - são articulações fixas encontradas no crânio e na face. Onde as superfícies ósseas encontram-se unidas entre si por substâncias conjuntivas ou cartilaginosas. b) Anfiartroses - são articulações semi-móveis, possuem movimentos limitados, tais como as vértebras, que permitem os movimentos de flexão da coluna. c) Diartroses ou articulações móveis - são as articulações móveis. Elas possuem em sua constituição os seguintes elementos:  Superfíciesarticulares:revestidasdecartilagens,apresentandoa formacôncava:  Cápsula articular: estrutura fibrosa que envolve a articulação fixando-se aos ossos pelasextremidades:  Ligamentosarticulares:sãofeixesde tecidosquepassamde umossoa outro,reforçandoa cápsulaarticular;  Sinovial:membranaserosadelgadaqueforrainternamentea cavidadearticulare quecontémumlíquidoqueservedelubrificante par as articulações. O líquido excretado é denominado sinóvia ou líquido sinovial. Exemplos: articulações do joelho, cotovelo, punho,etc. 14
  • 15. FRATURAS As fraturas são nomeadas de acordo com as várias condições do local da fratura. Fratura Simples: as extremidades quebradas do osso não se exteriorizam através da pele; Fratura Composta (fratura exposta): as extremidades quebradas do osso atravessam a pele; Fratura Cominutiva: o osso é quebrado em vários fragmentos que permanecem no local da fratura; Fratura com Afundamento: a região fratura é comprimida para dentro. Ex. fratura do crânio; CONSOLIDAÇÃO DAS FRATURAS As fraturas ficam sujeitas a três mudanças progressivas durante o processo de consolidação: formação do pró-calo, calo cartilaginoso e formação de calo ósseo. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1 - Observe a figura abaixo: Estas estruturas formam os: __________________________________________________________________ 2 – Classifique os ossos abaixo: a) escapula ________________________________________________________________________________ b) frontal __________________________________________________________________________________ c) rádio ___________________________________________________________________________________ d) tíbia ____________________________________________________________________________________ e) falanges ________________________________________________________________________________ 3 – Citar os ossos que formam o tronco: _______________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 4 – O que são “cinturas” e onde se situam?____________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 5 – Indique as regiões da coluna vertebral. _____________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 15
  • 16. 6 – Indique os ossos abaixo: 1 _________________________________________________________ 2 _________________________________________________________ 3 _________________________________________________________ 4 _________________________________________________________ 5 _________________________________________________________ 6 _________________________________________________________ 7 _________________________________________________________ 8 _________________________________________________________ Qual tipo de articulação aí encontrada? ______________________________________________ ______________________________________________________________________________ A única articulação móvel da cabeça situa-se entre os números ____________ e ____________ . 6 – Observe o desenho abaixo. a) Identifique o desenho conforme os traços ao lado: b) O que são articulações? Como se classificam? _____________________________________________________ c) Quais as funções realizadas pelo esqueleto? _____________________________________________________ 16
  • 17. SISTEMA MUSCULAR Introdução As chamadas células musculares especializam-se para a contração e relaxamento. Estas células agrupam-se em feixes para formar massas macroscópicas denominadas músculos, os quais acham-se fixados palas suas extremidades. Assim, músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por contração. Variedades de Músculos A célula muscular está normalmente sob o controle do sistema nervoso. Cada músculo possui o seu nervo motor, o qual divide-se em muitos ramos para poder controlar todas as células do músculo. As divisões mais delicadas destes ramos (microscópicas) terminam num mecanismo especializado conhecido como placa motora. Quando o impulso nervoso passa através do nervo, a placa motora transmite o impulso às células musculares determinando a sua contração. Se o impulso para a contração resulta de um ato de vontade diz-se que o músculo é voluntário, se o impulso parte de uma porção do sistema nervoso sobre o qual o indivíduo não tem controle consciente, diz-se que o músculo é involuntário. Os músculos voluntários distinguem-se histologicamente dos músculos involuntários por apresentar estriações transversais. Por esta razão são estriados, enquanto os involuntários são lisos. O músculo cardíaco, por sua vez, assemelha-se ao músculo estriado, histologicamente, mas atua como músculo involuntário, além de se diferenciar dos dois por uma série de características que lhe são próprias. Também é possível distinguir os músculos estriados dos lisos pela topografia: os primeiros são esqueléticos, isto é, estão fixados, pelo menos por uma das extremidades, ao esqueleto, os últimos são viscerais, isto é, são encontrados na parede das vísceras de diversos sistemas do organismo. Funções dos Músculos  Produzir movimentos do nosso corpo através de contração;  Ajudar a manter a posição ereta:  Participar do equilíbrio da temperatura corporal. Classificação dos Músculos 1) Cutâneos - situados superficialmente e com inserção na pele; 2) Esqueléticos - com inserção óssea. Propriedade dos Músculos 1) Contratilidade - na realização de um trabalho, o músculo se contrai tornando-se mais alto e volumoso. 2) Elasticidade - é a capacidade de se distender, e voltar ao estado anterior ao da contração. 3) Excitabilidade - é a propriedade de se contrair mais violentamente, quanto mais forte for o agente causador do estímulo. Ex.: coração - taquicardia. OBS.: Tonicidade muscular é a capacidade do músculo de não se manter completamente relaxado ou contraído, (músculo em repouso - estado normal do músculo). Estrutura Muscular Nosso corpo apresenta duas espécies de musculatura, uma lisa e outra estriada. a) Musculatura lisa - (involuntária) é representada pelas fibras musculares lisas que formam a parede do tubo digestivo, dos vasos sanguíneos, da bexiga, etc. Os músculos lisos apresentam cor pálida, são relativamente pequenos e suas fibras são lisas. São denominadas de músculos involuntários, pois suas contrações são lentas e não dependem de nossa vontade. b) Musculatura estriada - (voluntária) é constituída por músculos chamados geralmente de "carne", de cor vermelha e apresentam aproximadamente a metade do peso total do corpo. Suas fibras, têm constituição específica apresentando estrias transversais. A musculatura estriada pode ser dividida em: - músculo estriado cardíaco - apresenta fibras estriadas, mas é de ação involuntária, encontra-se na musculatura do coração: - músculo estriado esquelético - de ação voluntária, pois se contraem sob impulso de nossa vontade. Composição Química dos Músculos  Água: abrange 75% da musculatura;  Proteína: a actina e a miosina são os compostos protéicos principais das fibrilas (fibras muito finas) que respondem pela capacidade de contração dos músculos;  Lipídeos: armazenados no músculo como elemento de reserva e utilizados nas reações energéticas;  Saia de Fósforo Nitrogenados: importante fonte de energia;  Substâncias Minerais (sódio, potássio, cloro, magnésio e cálcio): influenciam nas transformações químicas musculares e na sua contração; 17
  • 18.  Glicogênio: armazenado em grande quantidade nas células musculares e do fígado, transformando-se em glicose quando houver necessidade de energia para as células. Para ocorrer a contração ou relaxamento dos músculos, é necessário a utilização de energia obtida pela degradação do glicogênio trazido pela corrente sanguínea ou armazenado no próprio músculo. As enzimas celulares e o O2 participam do processo de decomposição do glicogênio, cuja a transformação química irá liberar: - Energia; - Calor: - Ácido lático, creatinina e ácido fosfórico - são produtos finais do metabolismo muscular (transportados pela corrente circulatória para os órgãos de eliminação) Principais Músculos Cabeça e Pescoço I- Frontal: produz as rugas da testa. II- Orbiculares das Pálpebras: fecham fortemente os olhos. III- Risório: provocam riso. IV- Orbicular dos lábios: responsáveis pela sucção e pelo assobio. V- Masseter: movimentam o maxilar inferior. VI- Esternocleideomastóideo: rotação da cabeça. VII- Platisma: único músculo da mímica presente no pescoço. Tronco I- Grande peitoral: levanta o braço para frente. II- Dorsal: levanta o braço para trás. III- Dentado: localiza-se entre as costelas e auxilia a inspiração. IV- Reto do abdome: flexiona o tórax para o abdome. V- Trapézio: situa-se na nuca e nas costas, servindo para elevar os ombros. VI- Oblíquos externos do abdome: comprimem o intestino e realizam vários movimentos do tronco. VII- Diafragma: é o principal músculo da respiração. Situa-se entre o tórax e o abdome. Ao se contrair, aumenta a capacidade interna da caixa torácica, permitindo a expansão dos pulmões. 18
  • 19. Membros Superiores I- Deltóide: músculo onde se aplicam as injeções; eleva o braço lateralmente. II- Bíceps: forma o muque; flexiona o antebraço sobre o braço. III- Tríceps: função contrária à do bíceps, ou seja, estende o antebraço. IV- Supinador: localiza-se no antebraço e gira a palma da mão para cima. V- Pronador: também está no antebraço e volta a palma da mão para cima. VI- Flexores e extensores dos dedos: situam-se no antebraço, flexionam e estendem os dedos da mão. Membros Inferiores I- Glúteos: formam as nádegas; servem para afastar as coxas e manter a posição ereta do homem. II- Quadríceps: situa-se na frente da coxa; serve para flexionar a perna sobre a coxa. III- Costureiro ou sartório: cruza diagonalmente de fora para dentro e serve para flexionar a perna sobre a coxa. IV- Adutores da coxa: ficam na parte interna das coxas e servem para aproximá-las. V- Gêmeos ou gastrocnêmico: formam a barriga da perna: são músculos dotados de grande força, pois permitem elevar o corpo na ponta dos pés, juntamente com os adutores. VI- Flexores e extensores dos dedos: servem para flexionar os dedos do pé. Aplicações Práticas na Enfermagem Cuidados na aplicação de injeções intramusculares: 1. Fazer a higiene com álcool no local onde será aplicada a injecão. 2. Aplicar no quadrante superior externo da região glútea conforme a figura: Atenção: Não aplicar no braço. 3. A agulha deve ser posicionada perpendicularmente à pele e introduzida profundamente no músculo. 4. E obrigatória aspiração do êmbolo após a introdução da agulha para certificar-se de que não houve perfuração de vaso sangüíneo. Se for aspirado sangue, interromper imediatamente a aplicação. A injeção deve ser aplicada lentamente. Exercícios de Fixação 1) Quais são os locais de aplicação de injeções IM (intra muscular)? 2) E os locais de subcutânea? 3) Quais são todas as vias de administração de medicamentos? 19
  • 20. SISTEMA NERVOSO Introdução O sistema nervoso é constituído principalmente pelo tecido nervoso. Controla e coordena todos os processos vitais que se desenvolvem involuntariamente nos órgãos internos (atividade visceral) e também as manifestações voluntárias que promovem o relacionamento do organismo com o meio ambiente (atividades somáticas).  Sistema cérebro - espinhal: Abrange o sistema nervoso central (SNC), composto pelo encéfalo. e pela medula espinhal, e o sistema nervoso periférico (SNP), formado pêlos nervos cranianos, espinhais (ou raquidianos) e periféricos. Considera-se o SNC os receptores e retransmissores centrais enquanto que o SNP, com suas terminações sensitivas e motoras, são as vias de transmissão. Dessa forma, o sistema cerebro-espinhal regula as relações do organismo com o meio externo, geralmente de forma voluntária e consciente.  Sistema nervoso autônomo ou vegetativo: Desmembra-se em sistema nervoso simpático e parassimpático, possuindo centros próprios no encéfalo. medula e em alguns nervos periféricos. Regula a atividade de órgãos internos de forma autônoma, apesar de algumas vezes, trabalhar em coordenação com as atividades somáticas. Transmissão dos Impulsos Nervosos Quando você espeta o dedo com uma agulha, imediatamente você o puxa, por quê? A agulha, ao perfurar o dedo, estimulou uma célula nervosa receptora que transmitiu este estímulo célula a célula até o cérebro ou a medula. Uma resposta é mandada de volta também célula a célula, determinando a contração muscular do seu dedo. Isto tudo em fração de milésimos de segundo. Os impulsos nervosos sempre são conduzidos em sentido único: passam do axônio de uma célula para os dendritos de outra. O que garante esse fluxo é a sinapse, ponto de transmissão entre dois neurônios. Dirige todos os processos físicos e intelectuais, que podem ser provocados voluntariamente e que são capazes de se transformar em sensações conscientes. 20
  • 21. O sistema nervoso central é um conjunto de órgãos nervosos contidos na c aixa craniana, que contínua com a medula espinhal ou nervosa, contida na coluna vertebral. O conjunto de órgãos contidos na caixa craniana forma o chamado encéfalo (cérebro, cerebelo e bulbo). Encéfalo: Situado no crânio e formado pêlos seguintes órgãos: cérebro, cerebelo, ponte e bulbo. Estímulo nervoso Funcionamento do Sistema Nervoso O mecanismo do funcionamento do sistema nervoso é complexo, mas basicamente depende da ação:  Das vias aferentes, ou sensitivas: essas vias nervosas conduzem os impulsos originados nos receptores externos (visuais, auditivos, olfatórios, gustativos e táteis) ou internos existentes em diversos órgãos sensíveis às modificações químicas, à pressão ou tensão;  Dos centros nervosos: locais de formação da resposta ao estímulo enviado pelas vias sensitivas;  Da via eferente ou motora: são vias nervosas que conduzem a resposta voluntária ou involuntária dos centros nervosos para o tecido muscular e glandular; Este complexo "excitação-resposta", realizado pelas vias sensitivas e motoras e pêlos centros nervosos, constitui o arco reflexo que é o substrato anatomofuncional do sistema nervoso. A medula espinhal do encéfalo apresenta três membranas que os protegem e estão situados logo abaixo dos ossos da coluna vertebral e da caixa craniana. Essas membranas são denominadas meninges:  Dura-máter (externamente);  Aracnóide (média);  Pia-máter (internamente). Entre a dura-máter e a aracnóide encontramos o espaço sub-dural e entre a aracnóide e a pia-máter, o espaço sub- aracnóideo. Neste, encontramos o liquor ou líquido cérebro- espinhal, cuja principal função é a proteção mecânica do SNC. Cérebro O cérebro é o órgão nervoso mais volumoso do encéfalo, ocupando quase toda a caixa craniana. Apresenta na superfície externa, saliências denominadas circunvoluções cerebrais e sulcos chamados de fissuras. Apresenta também um grande sulco chamado de fissura inter-hemisférica, o qual divide o cérebro em dois hemisférios. Por sua vez, cada um desses hemisférios, divide-se externamente por sulcos ou fissuras menores em quatro lobos. Cada lobo recebe o nome de acordo com a região em que está localizado: lobo frontal, lobo parietal, lobo occipital e lobo temporal. Os lobos cerebrais apresentam três funções principais: - Desenvolvimento da inteligência; - Sensibilidade; - Motricidade. 21
  • 22. Estas três funções principais estão distribuídas no cérebro da seguinte maneira:  Lobo frontal: É o centro das funções mentais superiores;  Lobo parietal: É o centro das impressões táteis e térmicas;  Lobo occipital: É o centro das impressões visuais;  Lobo temporal: É o centro das impressões auditivas. Sintomas Os sintomas de distúrbios cerebrais e do sistema nervoso dependem da parte afetada e muitos deles incluem dor, perda da sensibilidade e fraqueza. Os distúrbios cerebrais podem causar uma ampla gama de sintomas psicológicos e físicos, como dor de cabeça, entorpecimento, contusão ou mesmo alucinações. Há regiões situadas na parte inferior do cérebro denominadas tálamo hipotálamo, relacionadas à regulação da pressão sanguínea, à temperatura corporal, ao equilíbrio hídrico e metabolismo de carboidratos e gorduras, ao sono, etc. Cerebelo O cerebelo situa-se na região posterior e inferior do cérebro. É esse órgão que coordena a harmonia dos movimentos. Outra função importante do cerebelo é a manutenção do equilíbrio do corpo. Bulbo Órgão intermediário entre o cérebro e a medula mede 3 cm de altura e pesa aproximadamente 8g. Localizam-se no bulbo dois dos mais importantes centros nervosos, ou seja. o centro respiratório e o centro cardiovascular. Esses centros localizam-se na região do bulbo denominada nó vital. Uma agulha ou estilete. Atingindo o nó vital, acarreta morte instantânea. Medula Espinhal A medula é a continuação do bulbo. É umcordão nervoso de aproximadamente 45 cm de comprimento por 1 cm de diâmetro que desce pelo interior da coluna vertebral. A principal função da medula é transmitir os estímulos nervosos da periferia do corpo até o cérebro, bem como as respostas produzidas pelo cérebro. Constituem o centro nervoso responsável por uma série de atos reflexos, principalmente os relacionados com o instinto de conservação e defesa. O caminho do impulso nervoso se chama arco reflexo. O arco reflexo é involuntário porque a resposta motora não depende do cérebro. 22
  • 23. SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC) Os órgãos do sistema nervoso são formados por duas substâncias: a substância cinzenta e a substância Branca. Substância cinzenta: é formada pela reunião de vários corpos celulares das células nervosas (neurônios). Substância branca: é formada pela reunião de vários axônios dessas células nervosas (neurônios). A substância branca e substância cinzenta distribuem-se de modos diferentes nos quatro principais órgãos nervosos do SNC. O cérebro e o cerebelo são formados de substância cinzenta por fora e substância branca por dentro. O bulbo e a medula espinhal são formados de substância branca por fora e substância cinzenta por dentro. No cérebro, a substância branca se encontra recoberta por uma camada de substância cinzenta de 2 a 3 mm de espessura denominada córtex cerebral. No cerebelo, a substância branca penetra na substância cinzenta, tornando um aspecto arborescente conhecido com o nome de "árvore da vida". No bulbo, a substância cinzenta acha-se esparsa. Na medula espinhal, a substância cinzenta tem a forma de um 11, formando um bloco bem delimitado. 23
  • 24. SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO (SNP) Responsável pela transmissão dos estímulos do corpo ao cérebro, e vice-versa; compreende as fibras motoras e sensitivas dos nervos espinhais e cranianos, e também os gânglios sensitivos. Os gânglios sensitivos são formados por acúmulo de corpos celulares, o que permite a condução do impulso nervoso da periferia ao encéfalo e à medula espinhal. O sistema nervoso periférico é a parte do sistema nervoso formada pelo conjunto de nervos que partem do encéfalo denominados nervos cranianos e dos nervos que partem da medula denominados nervos raquianos ou espinhais. Nervos Cranianos Os nervos cranianos são os que partem do encéfalo e estão distribuídos no organismo em 12 pares:  Primeiro par: Nervo olfatório - Localiza-se na membrana interna das fossas nasais e sua função é olfação. É um nervo sensitivo.  Segundo par: Nervo óptico - Localiza-se dentro do globo ocular, na retina, e sua função é a visão. É um nervo sensitivo.  Terceiro par: Nervo óculo-motor ou oculomotor - Localiza-se nos músculos do globo ocular e sua função é de movimento. É um nervo motor.  Quarto par: Nervo nuclear - Localiza-se em outro músculo do globo ocular e também tem a função de movimento. É um nervo motor.  Quinto par: Nervo trigêmeo (rosto) - Localiza-se na parte superior do rosto, dos dentes superiores e inferiores, e sua função é de sensibilidade e movimento. É um nervo misto.  Sexto par: Nervo abducente - Localiza-se em mais outro músculo do globo ocular e tem a função de movimento. É um nervo motor.  Sétimo par: Nervo facial - Localiza-se em músculos da face e tem funções como expressão de alegria, dor, atenção, secreção salivar e lacrimal. É um nervo misto.  Oitavo par: Vestíbulo coclear - Localiza-se na parte do ouvido denominado ouvido interno; vestíbulo, canais semicirculares e caracol; tem as funções de audição e equilíbrio. É um nervo sensitivo.  Nono par: Nervo glossofaríngeo (língua) - Localiza-se na faringe e língua. Tem as funções de gustação salivar. É um nervo misto.  Décimo par: Nervo vago - Localizam-se no coração, pulmão e aparelho digestivo, tem as funções de movimento e sensibilidade. É um nervo misto.  Décimo primeiro par: Nervo acessório - Localiza-se na nuca, tem as funções de movimento e ajuda à fonação. É um nervo motor.  Décimo segundo par: Nervo hipoglosso - Localiza-se na língua e tem a função de movimento. É um nervo motor. Os nervos que conduzem os estímulos recebidos do meio ambiente até os centros nervosos (encéfalo e medula) são denominados de sensitivos ou sensoriais, e os que transmitem ordens provenientes dos centros nervosos para o organismo dar resposta aos estímulos são os nervos motores. Nervos Raquidianos ou Espinhais Os nervos raquidianos ou espinais são os que se destacam de cada lado da medula. Estão distribuídos no organismo em 31 pares, de acordo com as regiões da coluna vertebral. São oito pares de nervos cervicais. Existem somente sete vértebras cervicais. O primeiro nervo cervical (suboccipital) sai do canal vertebral, abaixo do crânio e acima da primeira vértebra cervical. Os sucessivos nervos cranianos saem da vértebra numericamente correspondente, exceto o oitavo nervo espinhal que sai abaixo da sétima vértebra cervical. Existem ainda doze pares de nervos espinais ou dorsais, cinco pares de lombares e cinco pares de nervos sacros, cada um deixando o canal vertebral abaixo da vértebra numericamente correspondente. O último par de nervos espinais (o coccígeo) sai da extremidade terminal do canal sacral. 24
  • 25. Os oito pares de nervos torácicos ou dorsais se distribuem de maneira a inervar os músculos do tórax, abdômen e certos órgãos da vida vegetativa. Os outros pares de nervos espinais (lombares, sacrais e coccígeo) ramificam-se para inervar a porção baixa do tronco e membros inferiores. Sistema Nervoso Autônomo (SNA) Sistema Nervoso Autônomo: Controla as funções da musculatura lisa dos órgãos viscerais. Como o próprio nome diz, o sistema nervoso autônomo funciona independente da nossa vontade. Ele controla as funções da vida vegetativa, como o batimento do coração, o funcionamento do estômago, dos intestinos, e de outros órgãos que não são influenciados pela nossa vontade. O sistema nervoso autônomo pode ser dividido em dois sistemas de acordo com a localização dos gânglios nervosos: I - Sistema Nervoso Simpático: Os gânglios se encontram próximos da medula espinal, geralmente distantes dos órgãos por eles inervados. Seus nervos originam-se nas regiões torácicas e lombares da medula. II - Sistema Nervoso Parassimpático: Os gânglios se encontram distantes da medula espinal, e muito próximos - ou às vezes até mesmo no interior - dos órgãos por eles inervados. Seus nervos originam-se no encéfalo e na região sacral da medula. De modo geral, as ações do sistema nervoso simpático são antagônicas às do parassimpático, ou seja, realizam funções contrárias. Enquanto o sistema nervoso simpático atua sobre as diversas partes do corpo, preparando-as para as reações violentas, o parassimpático atua antagonicamente sobre essas mesmas partes, causando relaxamento e descanso dos órgãos. Exercícios de Fixação 1) Elabore um resumo de no máximo uma folha sobre o sistema nervoso tendo como norte: - O que é; - Para que serve; - Importância; - Principais constituintes; - Funcionamento; 2) Pesquise quais são as patologias cerebrais e psicológicas? 25 Funções do Simpático e Parassimpático em alguns Órgãos ÓRGÃO SIMPÁTICO PARASSIMPÁTICO Íris Dilatação da pupila (midríase) Constrição da pupila (miose) Glândula lacrimal Pouco efeito sobre a secreção Secreção abundante Glândulas salivares Secreção pouco abundante Secreção abundante Glândulas sudoríparas Secreção copiosa Inervação ausente Músculos eretores dos pelos Ereção dos pêlos Inervação ausente Coração Aceleração do ritmo cardíaco (taquicardia) Diminuição do ritmo cardíaco (bradicardia) Brônquios Dilatação Constrição Tubo digestivo Diminuição do peristaltismo e fechamento dos esfíncteres Aumento do peristaltismo e abertura dos esfíncteres Bexiga Pouca ou nenhuma ação Contração da parede Genitais masculinos Vasoconstrição; ejaculação Vasodilatação; ereção Glândula supra-renal Secreção de adrenalina Nenhuma ação Vasos sanguíneos das extremidades Vasoconstrição Nenhuma ação
  • 26. SISTEMA RESPIRATÓRIO Introdução Precisamos de oxigênio existente no ar atmosférico para viver. O oxigênio tem, pois, que penetrar em nosso organismo, pois todos os tecidos e células precisam dele para viver. O oxigênio penetra em nosso organismo através de um conjunto de órgãos denominado sistema respiratório e são: cavidades nasais, faringe, laringe, traquéia e brônquios, bronquíolos e pulmões. Todas as células do organismo necessitam de oxigênio, algumas são mais sensíveis de que outras a uma falta de oxigênio. As células nervosas são particularmente sensíveis; poucos minutos de privação do oxigênio podem causar lesão irreversível das células cerebrais. Períodos mais prolongados de privação de oxigênio, são capazes de provocar a morte ou ocasionar dano permanente do tecido. Respiração, é o processo de introdução do oxigênio nos pulmões e eliminação de gás carbônico. Inspiração, termo empregado para designar a entrada de ar nos pulmões. Expiração, é o movimento em sentido inverso para eliminar gás carbônico, o aparelho respiratório compreende; nariz, faringe, laringe, traquéia, brônquios, bronquíolos e pulmões. A passagem do ar da atmosfera para os alvéolos pulmonares, a troca gasosa neles, e subseqüente retorno do ar para a atmosfera são, em conjunto referidos como ventilação. Durante a ventilação o ar passa através das fossas nasais, faringe, traquéia, brônquios e bronquíolos para os alvéolos, e então retorna. Na sua passagem para os pulmões, o ar é umidificado, filtrado de corpos estranhos e aquecido. A respiração é composta de duas fases, respiração externa e interna. A respiração externa consiste em trazer para os pulmões o ar rico em oxigênio, eliminando gás carbônico. A respiração interna é o processo que leva o sangue oxigenado aos tecidos, retirando deles os gases que devem ser eliminados. O organismo não tem a capacidade de armazenar o oxigênio, portanto, necessita recebê-lo constantemente. Os pulmões, isoladamente não são capazes de captar e expelir o ar. A respiração só se torna possível através dos movimentos do diafragma e dos músculos intercostais. O principal mecanismo de controle da respiração consiste no Centro Respiratório, localizado no bulbo. A fonação, o ato de respirar e de tossir também são funções do sistema respiratório. A passagem de ar pelas cordas vocais provoca sua vibração que origina os sons. Componentes do Sistema Respiratório Nariz O ar exterior penetra através das narinas e chega às cavidades nasais direita e esquerda, separadas pelo septo nasal. Estas cavidades são forradas por uma mucosa "úmida" e aquecida pelo sangue que circula imediatamente abaixo da superfície. As terminações nervosas localizadas na mucosa nasal são responsáveis pelo olfato. Quatro pares de seios paranasais e drenam para o interior das cavidades nasais: seios frontais, maxilares; etmoidais e esfenoidais. A mucosa nasal reveste ainda os seios paranasais Faringe A faringe é chamada vulgarmente de garganta. Tanto o ar quanto o alimento passa através dela. O ar proveniente das cavidades nasais chega à faringe e passa para a laringe; o alimento proveniente da boca atravessa a faringe para chegar até o esôfago. De cada lado da faringe abrem-se as tubas auditivas que se comunicam com o ouvido médio. Dois pares de órgãos, as tonsilas e as adenóides também se localizam na faringe. 26
  • 27. Laringe A laringe ou órgão fonador, localiza-se logo abaixo da faringe. É a estrutura tubular que liga a faringe com a traquéia, sendo formada por cartilagens unidas por uma membrana elástica. Uma destas cartilagens, a epiglote, forma uma espécie de válvula que fecha o orifício superior da laringe, impedindo a passagem de alimento para o interior desse órgão. Os dois pares de pregas, ou cordas vocais, são faixas de tecido fibroso esbranquiçado que se projeta nas paredes laterais da laringe. Elas contêm no seu interior os ligamentos vocais e o músculo da fonação. O outro par existente acima destas são as falsas cordas vocais, que há interferem na emissão de sons. As verdadeiras cordas vocais têm como únicas funções a produção de sons e fonação. O ar proveniente dos pulmões provoca a vibração das cordas vocais. As variações de tom percebidas na fala ou no canto resultam da mudança na tensão das cordas que são controladas pela musculatura da laringe. Os músculos da laringe estão divididos em dois grupos: aqueles que atuam sobre as cordas vocais, abrindo e fechando a glote, aumentando ou diminuindo a tensão das pregas, e aqueles cuja função é impedir a entrada de alimento na laringe durante a deglutição. Traquéia A traquéia começa na extremidade inferior da laringe e penetra no tórax, onde termina por se dividir, dando origem aos brônquios direito e esquerdo. É formada por uma membrana fibrosa que envolve vários anéis cartilaginosos. A cartilagem confere firmeza às paredes do órgão, evitando o seu colabamento. A traqueja é a principal via de acesso para o ar, proveniente das cavidades nasais, da faringe e da laringe, chegar dos brônquios e dos pulmões. Pulmões e Brônquios Os brônquios primários são dois tubos que se originam da bifurcação da traquéia. O brônquio direito é mais curto, mais calibroso e mais vertical que o da esquerda; Q brônquio esquerdo é mais longo, mais estreito e encontra-se numa posição mais horizontal. Esta diferença faz com que os corpos estranhos aspirados localizem-se mais no brônquio direito. Os brônquios também possuem anéis cartilaginosos e são revestidos internamente por uma mucosa ciliada semelhante a traquéia. Ao penetrarem nos pulmões, estes brônquios se dividem dando origem aos brônquios secundários, menores que os primários. Estes continuam a se subdividir no interior dos pulmões, originando tubos cada vez menores, dos quais a cartilagem vai desaparecendo progressivamente. Estes se subdividem até que seus ramos se transformem em duetos alveolares, que conduzem aos sacos alveolares, cujas paredes apresentam inúmeras projeções globulosas denominadas alvéolos, dispostas em grupos. A parede dos alvéolos é permeável, permitindo que se realize com facilidade a troca de gases entre o sangue dos capilares e o ar. Os pulmões são órgãos da respiração por excelência. São esponjosos e elásticos, têm forma cônica e localizam-se no tórax, na cavidade pleural. Sua base mantém contato com a superfície superior do diafragma. O pulmão esquerdo é mais estreito, mais longo e menor que o pulmão direito, e está dividido em dois lobos (superior e inferior), enquanto que o pulmão direito está dividido em três lobos (superior, médio e inferior). Dentro de cada pulmão existem milhões de alvéolos, e duetos alveolares. Os brônquios primários entram nos pulmões juntamente com os vasos pulmonares através do hilo, uma fenda existente na superfície medial. Neste ponto, os brônquios, as arteriais, as veias, os vasos linfáticos, os nervos e o tecido conjuntivo que os envolve formam um pedículo pelo qual o pulmão está suspenso dentro da cavidade torácica. 27
  • 28. A pleura é uma dupla membrana serosa que envolve os pulmões e adere à superfície externa deste, à parede do tórax e ao diafragma. Um líquido lubrifica os dois folhetos pleurais para que eles possam escorregar mais facilmente um sobre o outro. A infecção da pleura pode ocasionar pleurisia condição muito dolorosa, determinada pelo aparecimento de aderência entre os dois folhetos. Vários tipos de doenças e lesões podem causar distúrbios respiratórios. Quando o sangue de uma pessoa carrega menos oxigênio do que o normal, ele é chamado hipóxido. Essa mesma pessoa pode apresentar-se cianótica (ter uma coloração azulada na pele, sobretudo nos lábios e nos leitos ungueais (polpa digital). Fisiologia da Respiração O ato de respirar é um fenômeno involuntário. A respiração pode ser controlada, ou voluntária apenas por um curto período de tempo, após o qual, torna-se novamente automática ou involuntária. A partir da necessidade que o organismo tem de receber e eliminar outros gases, o cérebro envia estímulo aos músculos da respiração através dos nervos respiratórios. O diafragma e os músculos intercostais expandem-se para cima e para fora. A expansão da cavidade torácica provoca queda da pressão intrapulmonar. Para equilibrar as pressões, o ar exterior penetra pelas narinas e segue as vias aéreas até entrar nos pulmões. Esta é a inspiração, que resulta na absorção de oxigênio. Ao se relaxar, o diafragma sobe, e os músculos intercostais trazem as costelas para dentro, fazendo pressão sobre os pulmões. A pressão no interior dos pulmões aumenta, e o ar é impulsionado para fora através das vias aéreas, constituindo este movimento de expiração. O sangue venoso, rico em dióxido de carbono, sai do ventrículo direito do coração através da artéria pulmonar. Esta se ramifica distribuindo-se por todas as partes do pulmão. O novo oxigênio inspirado chega no átrio esquerdo, vindo dos pulmões, através das veias pulmonares. O exercício ativo constitui um poderoso estimulante da respiração. As emoções, a ansiedade podem causar uma estimulação respiratória. A dor, o medo e a raiva, usualmente, provocam aumento da freqüência e da profundidade da respiração. As doençasqueafetamo aparelhorespiratóriotambémcausamdificuldadesrespiratórias. Na velhice, o tórax do indivíduo diminui de volume comprometendo-se a eficiência, sendo os idosos mais susceptíveis às infecções respiratórias. 28
  • 29. TERMINOLOGIA  Apnéia - Parada respiratória;  Dispnéia - Dificuldade respiratória;  Bradipnéia - Respiração lenta;  Taquipnéia - Respiração acelerada;  Hipóxia - Deficiência de oxigênio no organismo.  Cianose - Coloração azulada devido a falta de oxigênio; Frequências Respiratórias Médias Como nossas células respiram O gás carbônico que chega às células penetra nas mitocôndrias, onde é utilizado na queima biológica de nutrientes. Nesse processo a respiração celular, as moléculas de oxigênio reagem com os nutrientes, produzindo gás carbônico, água e energia. A maior parte do gás carbônico viaja dissolvida no plasma sanguíneo. O gás carbônico, por outro lado, viaja das hemácias combinando com a hemoglobina, uma proteína de cor vermelha. Tosse, Espirro e Soluço Células presentes em nossos condutos respiratórios produzem muco, uma substância viscosa que desempenha duas importantes funções: mantém úmidas as vias respiratórias e retém partículas, bactérias e outras sujeiras que entram com o ar inspirado. Uma vez aderidas ao muco, as sujeiras são varridas para fora do corpo graça ao movimento dos minúsculos pelinhos - os cílios - presentes nas células que revestem as vias respiratórias. Se partículas vindas no ar vencem a barreira do muco, irritando a mucosa nasal, espirramos. Se partículas irritantes penetram na laringe, tossimos. Os soluços são contrações espasmódicas do diafragma, o que nos faz espirrar aos soquinhos. Até hoje não se sabe o que causa o soluço. Você sabia que...  Nossos pulmões não são iguais: o esquerdo é menor e tem dois lobos; o direito é maior e tem três lobos.  É importante respirar pelo nariz, principalmente no inverno. Respirar pela boca é errado, pois, nesse caso, o ar não é aquecido, umedecido e filtrado, como acontece quando respiramos pelo nariz. 29 Recém-nascido 40 – 60 / frpm 1 ano de vida 26 – 3 / frpm 2 – 3 anos de vida 20 – 26 / frpm Adolescente 20 – 22 / frpm Adultos 16 – 20 / frpm Idosos 14 – 18 / frpm
  • 30. Exercício De Fixação 1) Identificar as respectivas regiões topográficas, Identificar a Carina, e os órgãos. 2) Cite os orgãos da VAS e VAI? 3)Descreva a fisiologia respiratória? 30
  • 31. SISTEMA EPITELIAL – TEGUMENTAR Introdução O tegumento comum compreende a pele e seus anexos que desempenham várias funções, tais como:  Recobrir a superfície do corpo como um envoltório protetor;  Participar do equilíbrio térmico através da sua rede de capilares e da excreção de suor;  Proteger o organismo contra as agressões térmicas e a penetração de microorganismos;  Sintetizar a vitamina D pela utilização dos raios ultravioleta do sol;  Ser responsável pela sensibilidade superficial do corpo através das terminações nervosas para o tato, a temperatura e a pressão;  Eliminar substâncias tóxicas e residuais através do suor e do sebo;  Armazenar gordura e outros componentes do metabolismo. Recobre a superfície do corpo e. a nível das cavidades passa a denominar-se mucosa. Possui três camadas: externa (epiderme), média (derme) e interna (hipoderme ou subcutâneo). Epiderme: Constituída por tecido epitelial, cuja camada superior, ao se renovar constantemente é substituída pelas células novas provindas da camada inferior. Nos locais de ação mecânica acentuada é protegida pela queratina (proteína que contém enxofre). Observam-se áreas grossas de queratinização na sola do pé e nas áreas de calos. Na camada epitelial inferior, localizam-se: - A melanina: responsável pela coloração da pele, sendo maior a sua quantidade nas raça negra; - A camada germinativa: responsável pela renovação das células epiteliais. Derme: Formada por tecido conjuntivo, apresenta as seguintes características: - Mantém a pele sob constante tensão elástica; - Promove a união da epiderme com a derme, prendendo a camada germinativa epitelial os espaços intermediários das suas papilas; - Forma a impressão digital (existente nos dedos, palma das mãos e dos pés), onde as papilas se projetam para a epiderme com o formato de cristas separadas por sulcos; - Nutre a epiderme através de sua rede de capilares; - Possui terminações nervosas táteis. Resumo Funções  Recobrir a superfície do corpo;  Participar do equilíbrio térmico e do metabolismo;  Proteger o organismo contra os microorganismos;  Sintetizar vitamina D;  Responder pela sensibilidade superficial. Composição da Pele  Epiderme: possui queratina nos locais de ação mecânica acentuada, melanina que responde pela coloração da pele, camada germinativa que renova as células epiteliais.  Derme: mantém a pele sob tensão elástica, forma a impressão digital, nutre a epiderme e possui terminações nervosas;  Hipoderme ou subcutâneo: possui rede de capilares para a nutrição da pele, participa no equilíbrio térmico e sanguíneo, possui reserva alimentar e de proteção contra frio e ações mecânicas. 31
  • 32. Anexos da pele  Unha:  Pêlos: têm função protetora: encontram-se dentro do folículo piloso;  Glândulas sebáceas: secretam o sebo que é drenado para o folículo piloso, mantém a oleosidade e a elasticidade do pêlo e da pele;  Glândula sudorípara: secreta o suor que mantém o equilíbrio térmico e metabólico: protege a pele contra os microorganismos;  Glândulas mamarias: formadas por auréola, mamilo, glândulas alveolares, ducto lactífero, seios lactíferos; Secretam o leite. A quantidade de suor a ser eliminada irá depender das necessidades do organismo para:  Manter o equilíbrio térmico através da evaporação;  Regular o metabolismo hídrico e inorgânico;  Proteger a pele contra as agressões microbianas, em conjunto com o sebo. Existem glândulas sudoríparas modificadas, cuja secreção possui um odor característico; essas glândulas localiza-se nas axilas, órgãos genitais externos, etc.. Glândulas Mamarias Inicia-se na menina o desenvolvimento das mamas durante a puberdade, pois os hormônios sexuais femininos provocam deposição de gordura no tecido subcutâneo, além do crescimento do sistema de duetos e da espessura do tegumento. Cada mama possui de quinze a vinte glândulas alveolares ou lobos; de cada uma delas parte um dueto lactífero para a região do mamilo. Os ductos podem possuir dilatações (seios lactíferos) para o armazenamento de leite durante a amamentação. O primeiro leite secretado após o parto denomina-se colostro, que contém todos os nutrientes facilmente digeríveis pelo recém-nascido e rico em substâncias de defesa da mãe. A porção mais saliente e pigmentada da mama denomina-se se auréola, e do seu centro eleva-se o mamilo, cuja estrutura facilita a sucção durante o aleitamento. SISTEMA DIGESTIVO Introdução O organismo para se manter vivo e funcionando necessita de suprimentos constantes de material nutritivo. Muitos dos alimentos ingeridos precisam ser tornados solúveis e sofrer modificações químicas para que sejam absorvidos e assimilados pelo organismo. Os alimentos sofrerão modificações químicas até que possam ser solúveis e absorvidos pela corrente circulatória do organismo; os alimentos não absorvidos serão eliminados na forma de fezes. Conceito Conjunto de órgãos adaptados para realizar funções de preensão, mastigação, deglutição, digestão e absorção dos alimentos e a expulsão dos resíduos, eliminados sob a forma de fezes. Digestão é a ingestão, a transformação e o aproveitamento dos alimentos pelo organismo, bem como a eliminação dos resíduos. Funções  Fabricar o muco que permite o deslizamento do bolo alimentar;  Secretar as enzimas que modificam quimicamente os nutrientes, tornando-os absorvíveis;  Preensão, mastigação, deglutição, digestão e absorção, expulsão dos resíduos. Divisão O tubo digestivo é dividido em: 1 – Boca 2 – Faringe 3 – Esôfago 4 – Estômago 5 – Intestino 32
  • 33. Intestino Delgado:  Duodeno  jejuno  íleo Intestino Grosso:  Ceco  cólon ascendente  cólon transverso  cólon descendente  cólon sigmóide  reto 6 – Órgãos anexos  glândulas salivares  parótida  sublingual  submaxilar - pâncreas - fígado 1. Boca A boca é a primeira porção do canal alimentar e comunica-se com o externo através de uma fenda - os lábios. É uma cavidade onde encontramos: a gengiva, os dentes, a língua, amígdalas e as glândulas salivares. A cavidade bucal está limitada, lateralmente pelas bochechas, superiormente pelo palato e inferiormente por músculos que constituem o assoalho da boca.  Palato: teto da cavidade bucal, parte anterior ósseo, chamada palato duro e posterior, muscular, chamado palato mole, onde encontramos a úvula. Lateralmente encontramos duas pregas denominadas arco palatoglosso onde encontramos a tonsila e a palatina (amígdalas), formada por tecido linfóide, atua na defesa do organismo produzindo anticorpos.  Língua: é o órgão muscular revestido por mucosas e que exerce importantes funções: na mastigação, na deglutição, como um órgão degustativo e na articulação da palavra. No dorso da língua encontramos as papilas linguais (responsável pelo paladar).  Dentes: São estruturas rijas, esbranquiçadas, implantadas em cavidades do maxilar superior e inferior, chamadas alvéolos dentários. Cada dente é dividido em três partes: raiz, coroa, colo. Primeira dentição (primária) inicia-se aos 6 meses de idade = 20 dentes. Dentição permanente: 32 dentes, sendo 8 incisivos, 4 caninos. 8 pré-molares e 12 molares. Os dentes participam no processo da mastigação e preensão dos alimentos (trituração). 2. Faringe É um tubo muscular alongado, que faz parte do sistema respiratório e digestivo, por onde passam o ar a caminho da traquéia e os alimentos a caminho do esôfago Funções:  Deglutição - processo em que o palato mole se ergue contra a parede da faringe, fechando a passagem para a cavidade nasal. A epiglote fecha a laringe, a língua comprime-se contra o palato, deslocando o alimento para a faringe, que através das contrações musculares, propulsiona o alimento para o esôfago.  Defesa do organismo - através das células linfáticas.  Audição - a tuba auditiva comunica-se com a faringe através do ouvido médio, possibilitando o equilíbrio das pressões entra árduas cavidades. 33
  • 34. 3. Esôfago É um tubo que mede cerca de 25 cm de comprimento, que continua a faringe e vai até o estômago, após atravessar o m. diafragma, pelo hiato esofágico. O esôfago se distingue em três porções: cervical, torácica e abdominal. A luz do esôfago aumenta durante a passagem do bolo alimentar, o qual é impulsionado por contrações da musculatura de sua parede - São os movimentos peristálticos. O peristaltismo (contrações da musculatura do esôfago) é controlado pelo sistema nervoso simpático e parassimpático. Função: conduzir o alimento da faringe para o estômago. 4. Estômago É uma dilatação do canal alimentar que se segue ao esôfago e se contínua no intestino. Situado logo abaixo do m. diafragma, com sua maior porção a esquerda. Apresenta dois orifícios: um de comunicação com o esôfago - cárdia, e o piloro que comunica com o duodeno: porção inicial do intestino delgado. Cárdia e Piloro - São dispositivos responsáveis pela abertura e fechamento ativos da comunicação respectivamente com o esôfago e intestino. O estômago é dividido em: cárdia, fundo, corpo e piloro: - Cárdia: Corresponde à junção com o esôfago; - Fundo: Parte superior, projeta-se em direção ao diafragma; - Corpo: Corresponde a maior parte do estômago; - Piloro: Parte final, continuada pelo duodeno. As duas margens do estômago são: a curvatura maior à esquerda e a curvatura à direita. A mucosa do estômago apresenta numerosas pregas longitudinais que desaparecem quando distendido. A mucosa gástrica secreta 1,5 a 2,5 litros de sucos gástricos por dia, de forma automática através de estímulos psíquicos (apetite, odores, alimentos, etc.); reflexos nervosos (estimulação das papilas); entrada do alimento no estômago. Os elementos que compõem o suco gástrico são: Água, Ácido Clorídrico, Muco Gástrico, Enzimas (pepsina - agem sobre as proteínas e, lipase - age sobre os lipídios). No estômago há dois tipos peristaltismo: de mistura e propulsão. O primeiro mistura o alimento e o segundo impulsiona o aumento através do piloro ao duodeno. Neste momento o conteúdo do tubo digestivo passa a se chamar quimo apresentando consistência semi-líquida. Função  Secretar o suco gástrico que modifica a estrutura química dos alimentos e impedir o desenvolvimento das bactérias e a fermentação;  Misturar o alimento com as secreções gástricas através de ondas peristálticas fracas;  Conduzir os aumentos para o intestino delgado através de ondas peristálticas fortes. 5. Intestinos Intestino Delgado É um tubo muscular de aproximadamente 5 metros, revestido de mucosa com inúmeras pregas circulares que aumentam sua superfície interna. Subdividi-se em três segmentos: duodeno, jejuno e íleo:  Duodeno: inicia-se no óstio pilórico e termina em brusca angulação no jejuno. É um órgão bastante fixo, colado à parede posterior do abdome e apresenta a forma de um arco em U aberto para a esquerda, que abraça a cabeça do pâncreas. No duodeno desembocam o dueto colédoco (que traz a bile do fígado) e dueto pancreático ou canal de Wirsung (que traz a secreção pancreática do pâncreas). Mede cerca de 25cm.  Jejuno - íleo: inicia-se na flexura duodeno jejunal e termina no início do intestino grosso onde se abre pelo óstio íleo - cecal. Apresenta numerosas alças intestinais e está preso à parede posterior do abdome. Funções:  Secretar suco entérico: água, sais minerais, muco e as enzimas (amilase, maltose, sacarose e lactose, lípase, peptidases); 34
  • 35.  Desdobrar e absorver os elementos básicos dos nutrientes através das microvilosidades;  Impelir para o intestino grosso os alimentos não absorvidos. No duodeno, o quimo estimula contrações reflexas da vesícula biliar e dos canais pancreáticos, lançando a bile e o suco pancreático na ampola de Vater, que fica no duodeno. No jejuno - íleo o quimo é misturado e propulsionado através dos movimentos peristálticos a se chamar quilo. A parede do intestino delgado é formada por estruturas minúsculas denominadas MICROVILOSIDADES, nas quais chegam os capilares sanguíneos e linfáticos que se encarregam da absorção dos nutrientes. Intestino Grosso É a porção terminal do canal alimentar, sendo mais calibroso e mais curto que o intestino delgado. Apresenta dilatações - haustros, formações em fita - as tênias, e acúmulos de gordura na serosa da víscera -os apêndices epiplóicos. É subdividido nos segmentos: ceco, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente, cólon sigmóide e reto.  Ceco: é o segmento inicial em fundo cego, apresenta o apêndice vermiforme ou cecal, no ponto de união das tênias.  Cólon ascendente: segue-se .ao ceco, em direção as últimas costelas e se flete formando a flexura cólica direita.  Cólon transverso: é bastante móvel, inicia-se na flexura cólica direita até a flexura cólica esquerda.  Cólon descendente: inicia-se na flexura cólica esquerda e termina após um trajeto vertical.  Cólon sigmóide: é a continuação do cólon descendente e tem trajeto sinuoso, dirigindo-se para a pelve onde é continuado pelo reto.  Reto: parte final do canal alimentar, possui parte estreitada denominada canal anal e se abre no exterior, através do ânus, é o responsável pelo reflexo de defecação. O intestino grosso recebe os restos alimentares não digeridos e não absorvidos peio intestino delgado. Funções  Reabsorver a água dos sucos digestivos.  Absorver restos de nutrientes aproveitáveis.  Eliminar as fezes (resto indigerível do bolo alimentar, que sofre ação das bactérias do intestino grosso). O movimento peristáltico é controlado pelo sistema nervoso, sendo:  Simpático o inibidor;  Parassimpático o estimulador. Os movimentos são:  Movimentos lentos: sua função é amassar o conteúdo fecal e misturá-lo com o muco secretado pela mucosa do intestino grosso.  Movimentos grandes: sua função é conduzir o conteúdo fecal em direção ao reto, que possui um esfíncter externo e seu relaxamento é voluntário, o esfíncter interno é de ação involuntária. Considerações sobre as fezes: - Composição:  bactérias do intestino grosso.  descamação de células do trato gastrointestinal.  secreções e excreções intestinais.  resíduos alimentares não absorvidos, normalmente formado de fibras, de grande importância no funcionamento da eliminação das fezes. 35
  • 36. - Características das fezes: 150 a 250 gramas por dia, variando de acordo com a dieta; consistência sólida e forma cilíndrica, variando em casos de distúrbios do sistema digestivo; cor parda ou castanha, variando de acordo com a dieta; odor característico ou "sui generis" variando desde um odor amonical até o odor fétido. O sistema digestivo está sujeito a contaminações por microorganismos, através dos alimentos, das mãos, utensílios domésticos, etc.. O sistema digestivo possui microorganismos que constituem sua flora normal, ajudando-o a realizarem suas funções, produzem enzimas. ÓRGÃOS ANEXOS Glândulas Salivares São glândulas consideradas anexos do sistema digestivo, sendo responsáveis pela produção de saliva. São elas: parótidas sublinguais e submaxilares.  Parótidas: situadas lateralmente na face e anteriormente ao pavilhão do ouvido externo. Abre-se na boca na altura do 2°molar superior através do ducto parotídeo.  Sublinguais: é a menor das três, situa-se lateral e inferiormente à língua, sua secreção é lançada na boca, por uma série de orifícios situados no assoalho da cavidade bucal.  Submaxilar: localiza-se abaixo da parótida, protegida pelo corpo do maxilar inferior, através de seu dueto abre-se no assoalho da boca. Essas glândulas secretam 1 a 1,5 litros de saliva por dia e possuem controle nervoso automático, os fatores psíquicos e químico-físico também interferem na secreção salivar. É composta por água (para diluir o bolo alimentar) e por enzimas (ptialina) que são responsáveis pelo início da digestão do amido e carboidratos. PÂNCREAS É uma glândula alongada situada posteriormente ao estômago. O pâncreas apresenta três partes: cabeça, corpo e cauda.  Cabeça: à direita, dilatada, emoldurada pelo duodeno.  Corpo: disposto transversalmente.  Cauda: extremidade esquerda, afilada, situada próxima ao baço. É uma glândula exócrina (produz suco pancreático) e endócrina (produz insulina e lança na corrente circulatória).  Insulina: substância que vai diretamente ao sangue e age sobre a glicose.  Suco pancreático: responsável pela neutralização da acidez do quimo que vem do estômago contendo ácido clorídrico. O suco pancreático contém enzimas (lípase, amilase, tripsina, etc..) é levado ao duodeno pelo dueto pancreático (canal de Wirsung) que se encontra com o ducto colédoco e desemboca no duodeno (ampola de Vater).As enzimas do suco pancreático atuam sobre as proteínas, carboidratos e lipídios, quando associado à bile. 36
  • 37. FÍGADO É o órgão mais volumoso do sistema digestivo, localizando-se imediatamente abaixo do diafragma e á direita, embora pequena porção ocupe também a metade esquerda do abdome. É uma glândula que desempenha papel importante nas atividades vitais do organismo: Funções  Secretar a bile;  Interferir no metabolismo dos carboidratos, gorduras e proteínas, transformando-os em elementos que possam ser transportados pelo sangue e utilizados nos tecidos;  Armazenar vitaminas, sais minerais e carboidratos;  Participar no processo de formação, destruição e regulagem do volume de sangue;  Produzir alguns elementos da coagulação: heparina, protombina;  Destruir o hormônio estrógeno;  Desintoxicar o organismo através da neutralização de substâncias tóxicas pelas células de Küpfer. É divido em quatro lobos:  Direito  Esquerdo  Quadrado  Caudado. Os lobos direito e esquerdo são separados por uma prega do peritônio - o ligamento falciforme: - Entre o lobo direito e o lobo quadrado se situa a vesícula biliar; - Entre o lobo direito e o lobo caudado há um sulco que abriga a veia cava inferior. - Entre o lobo quadrado e caudado fica a porta do fígado, por onde passam:  A artéria hepática;  A veia porta;  O dueto hepático comum;  Os nervos;  Os vasos linfáticos. A bile é produzida no fígado e, é constituída de:  Sais biliares;  Colesterol;  Bilirrubina. Os Sais biliares são os que realmente atuam no processo digestivo, não alteram os alimentos, ajudam na digestão das gorduras como poderoso detergente. O Colesterol é produto final do metabolismo celular de lípides (gorduras), em grande parte efetuado pelo fígado. A bilirrubina é um produto de destruição das hemácias, dando as fezes a tonalidade marrom, colabora na digestão e é eliminada com os resíduos alimentares através das fezes. A bile sai do fígado pelo ducto hepático comum entra no dueto cístico em direção à vesícula biliar, onde é armazenada. O esfíncter de Oddi existente no ducto colédoco no duodeno se fecha e a bile retorna à vesícula biliar. Quando os alimentos chegam ao duodeno contendo partículas de gorduras, as células entéricas lançam na circulação sanguínea o hormônio colecistoquinina, que faz a vesícula biliar se contrair e expulsar a bile armazenada no seu interior para o duodeno, através do ducto colédoco, ai o esfíncter de Oddi se abre, deixando a bile fluir para o duodeno. Resumo O mecanismo da digestão, absorção e eliminação: 1- A digestão começa na boca, com a mastigação e a insalivação.  Mastigação: os alimentos são triturados. Insalivação: ocorre um fenômeno químico - a medida que a saliva se mistura com os alimentos, ptialina (enzima da saliva) começa a transformar o amido (arroz, feijão, batata, etc.) em maltose (açúcar); 2- Depois da mastigação e insalivação - o alimento passa a se chamar bolo alimentar, que passa da boca à faringe e desta para o estômago, é a deglutição (ato de engolir); 3- Do esôfago, o bolo alimentar terá que descer e percorrer todo o tubo digestivo; 4- Nossos órgãos estão em posição irregular, são cheios de curvas e tem válvulas. Assim a partir do esôfago a musculatura do tubo digestivo apresenta ondas de contração, que empurram o bolo alimentar para baixo: são os movimentos peristálticos; 37
  • 38. 5- No estômago o bolo alimentar se mistura com o suco gástrico. As proteínas (carnes, ovos, leite, soja, etc.) são decompostas pela pepsina (enzima); 6- Depois desse trabalho do estômago o bolo alimentar recebe o nome de quimo; 7- Chegando ao duodeno, o quimo se mistura com o suco intestinal, recebe também o suco pancreático e a bile, vindos através do canal colédoco do pâncreas e fígado. As gorduras são emulsionadas, facilitando o trabalho digestivo. O bolo alimentar recebe agora o nome de quilo; 8- Nesta fase os alimentos já estão digeridos, pois o amido transformou-se em glicose e as proteínas em aminoácidos e passarão para o sangue; 9- É o trabalho da absorção: no jejuno-íleo, as substâncias alimentares digeridas são absorvidas, isto é penetram na mucosa intestinal, chegando ao sangue. A mucosa intestinal possui um numero elevado de saliências cônicas - as vilosidades intestinais, elas possuem grande quantidade de vasos capilares e são encarregadas da absorção dos alimentos; 10- O trabalho de eliminação: os restos dos alimentos são eliminados pelo intestino grosso. A parte do bolo alimentar que não é absorvida passa para o intestino grosso, em forma semi-líquida. Corre todo intestino grosso e vai se tornando pastosa, pois parte da água e dos sais minerais ai existentes, é absorvida durante o percurso. Essa massa pastosa, que constitui as fezes, passa pelo reto e é eliminada pelo ânus. EXERCÍCIOS 1) Observe o desenho ao lado e responda ao que se pede: a) o órgão em questão é o _____________, e e realiza as seguintes funções ________________ e _____________. b) As estruturas de números: 1, 2, 3 e 4 são respectivamente: ___________, __________, ________e _________. c) Ele é formado por tecido ___________________, cujas células estão representadas no número ____________. d) Citar os fenômenos químicos ocorridos em 3 e 4. Continuação Exercícios: De acordo com o desenho ao lado, responda: 1- Indicar os órgãos apontados pelas setas. 2- Para o estômago indicar:  Cárdia  Fundo  Pequena e grande curvatura  Piloro  antro 3- O que é apêndicite?. 38
  • 39. 4- Descreva o que é absorvido no ID e no IG? a) ID: _____________________________________ b) IG:_____________________________________ 5- Marque a resposta correta: Não pertence ao sistema digestivo. ( ) A – Fígado ( ) C - Pâncreas ( ) B – Esôfago ( ) D - Glândula hipófise 6- Com relação à bile é incorreto afirmar: ( ) A - É produzida pela vesícula biliar. ( ) B - É composta de: sais biliares, colesterol e bilirrubina. ( ) C - Age com o detergente, ajudando na digestão das gorduras. ( ) D - Contém colesterol, o qual é responsável pelas células biliares. 7- Numere a 2 a coluna de acordo com a 1 a : 1. Glândula salivar ( ) secreta uma substância que contém muco e ptialina 2. Fígado ( ) é uma glândula dividida em quatro lobos: direito, esquerdo, quadrado. 3. Pâncreas ( ) é uma glândula que tem três partes: cabeça, corpo e caudado ( ) produz um suco que neutraliza o ácido clorídrico no intestino. ( ) é a glândula responsável pela produção de bile. 8- Uma alimentação rica em verduras e frutos aumenta o volume das fezes. Com isso, os movimentos peristálticos do intestino grosso. ( ) A - não são afetados ( ) C - são aumentados ( ) B - são retardados ( ) D - às vezes são retardados e outras vezes acelerados. 9- Cite as características básicas das fezes normais. 10- Identifique as estruturas ao lado: 39
  • 40. SISTEMA CIRCULATÓRIO Conceito O sistema circulatório é um sistema fechado, sem comunicação com o exterior, constituído por Tubos, que são chamados: vasos sanguíneos, por onde circula o Sangue e vasos linfáticos, por onde circula a Linfa, e por um órgão central, o Coração, que impulsiona o sangue para todas as partes do corpo. É formado também por órgãos hematopoiéticos onde são produzidas as células sanguíneas. Função Conduzir material nutritivo e oxigênio à todas as células do organismo e recolhendo destas, simultaneamente os produtos finais do metabolismo como: substâncias tóxicas e gás carbônico. Defesa do organismo através de suas células especializadas, contra substâncias estranhas e microorganismos. Divisão O sistema circulatório é dividido por: 1) Sistema Sanguífero: 1.1. Coração 1.2. Vasos sanguíneos: artérias, veias, capilares 1.3. Sangue 2) Sistema Linfático: 2.1 Linfa 2.2 Vasos linfáticos 3) Órgãos Hematopoiéticos 3.1 Órgãos linfóides: Baço e Timo 3.2 Medula óssea 1 - SISTEMA SANGUÍNEO 1.1 -Coração: É um órgão muscular, oco, que funciona como bomba contrátil propulsora. Localizado na região do mediastino (no espaço entre os pulmões, o esterno, a coluna vertebral e o diafragma). O coração tem a forma aproximada de um cone, com a ponta dirigida para baixo. Seu tamanho normal no adulto corresponde ao punho fechado de seu portador. a) O coração é envolvido por uma membrana chamada Pericárdio, nesse espaço, há um liquido aquoso’, que permite um melhor deslizamento do coração. b) Constituído por 3 camadas; Epicárdio: camada externa. Miocárdio: camada média, mais espessa, responsável pelo movimento do coração. Suas contrações automáticas permitem impulsionar o sangue através dos vasos sangüíneos. Endocárdio: é uma membrana que reveste a superfície interna das cavidades do coração. c) O coração é dividido em quatro cavidades:  Átrio Direito: AD  Ventrículo Direito: VD  Átrio Esquerdo: AE  Ventrículo Esquerdo: VÊ 40
  • 41. Os átrios não se comunicam entre si, estão separados pelo septo interatrial. Os ventrículos também não se comunicam entre si, estão separados pelo septo interventricular. Só existe comunicação de átrio para ventrículo, através de uma abertura chamada óstio, que possui um dispositivo chamado valva, que impede o retorno do sangue. Do lado esquerdo do coração passa o sangue arterial rico em oxigênio (O2) e no lado direito do coração passa o sangue venoso, rico em gás carbônico (CO2).  Átrio Direito (AD): a ele chegam a veia cava superior, veia cava inferior e a veia coronária, trazendo sangue venoso de todo organismo, inclusive do músculo cardíaco. O átrio direito (AD) comunica-se com o ventrículo direito através da valva tricúspide ou valva átrio - ventricular direita, que impede o retorno do sangue do VD para o AD.  Ventrículo Direito (VD): é de musculatura mais espessa que a dos átrios, dele parte a artéria pulmonar, que se divide em Direita e Esquerda, indo cada uma, respectivamente para o pulmão direito e esquerdo, com sangue venoso proveniente do átrio direito. Entre o Ventrículo Direito e a Artéria Pulmonar existe a valva semilunar.  Átrio Esquerdo (AE): é de parede ligeiramente mais resistente que a do átrio direito, na sua cavidade desembocam duas Veias Pulmonares Direitas e duas Veias Pulmonares Esquerdas, com sangue arterial.  O átrio esquerdo (AE) comunica-se com o ventrículo esquerdo (VÊ) através da valva mitral ou valva átrio ventricular esquerda, que também impede o retorno do sangue do VE para AE.  Ventrículo Esquerdo (VE): recebe sangue arterial do átrio esquerdo, desta cavidade parte a artéria aorta. É a cavidade de musculatura mais espessa. Entre o ventrículo esquerdo e a artéria aorta, existe a valva aórtica. Função das Valvas: Quando abertas é permitir a saída de sangue dos ventrículos para as artérias. Quando fechadas é impedir o refluxo do sangue. d) Fisiologia Cardíaca: Sistema de Circulação Sanguínea  Pequena Circulação ou Circulação Pulmonar: é o percurso do sangue do ventrículo direito, passando pelos pulmões até o átrio esquerdo, cuja função é oxigenar o sangue nos pulmões, através da troca de gás carbônico por oxigênio.  Descrição: o sangue venoso sai do ventrículo direito pela Artéria Pulmonar, que se ramifica em direita e esquerda, indo respectivamente para o pulmão direito e esquerdo. Os capilares arteriais contendo sangue venoso envolvem os alvéolos pulmonares, e a nível dos alvéolos ocorre a troca de gás carbônico por oxigênio.  Grande Circulação ou Circulação Sistêmica: é o percurso do sangue do ventrículo esquerdo, passando por todo o corpo, até o átrio direito. Descrição: o sangue arterial é levado do ventrículo esquerdo para todo organismo, a fim de abastecer todas as células com oxigênio e nutrientes. Após receber o gás carbônico e os excretes das células do organismo, retorna átrio direito como sangue venoso pelas veias cava superior e inferior. e) Ciclo Cardíaco: O coração funciona como uma bomba se contraindo e se dilatando. 41