SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
IFMA-INSTITUTO FEDERAL MARANHÃO/ CAMPUS BURITICUPU
PROFESSOR ELSON SILVA
HISTOLOGIA ANIMAL
LICENCIATURA EM BIOLOGIA – 2º PERÍODO
ACADÊMICAS: Amália Beims, Denise Rodrigues, Deuvanir Sousa, Fabiana Soares,
Franciane Alencar, Karem Dalila, Kelijane Frazão e Ozenir de Almeida.
TECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEO
Definição: Tecido conjuntivo especializado
formado por células e o material
extracelular calcificado, a matriz óssea.
FUNÇÕES:
• É o principal constituinte do esqueleto
• Serve de suporte para as partes moles do corpo
• Proporciona apoio aos músculos esqueléticos
• Protege órgãos vitais (caixas craniana, torácica e
canal raquidiano)
• Depósito de cálcio, fosfato e outros íons
Células do tecido ósseo
Osteócitos: situados em cavidades ou
lacunas no interior da matriz;
Osteoblastos: produtores da parte orgânica da
matriz;
Osteoclastos: células gigantes, reabsorvem o
tecido ósseo, participando do processo de
remodelação dos ossos.
Células do tecido ósseo
Matriz óssea
Parte inorgânica: representa
50% da matriz óssea.
• Parte orgânica: formada
principalmente por colágeno tipo I
• Associação fibras e colágeno: dureza e
resistência do tecido ósseo.
Periósteo e Endósteo
Toda a superfície interna dos
ossos é revestida por células que
em conjunto constituem uma
camada denominada endósteo.
Com exceção das superfícies
articulares, toda a superfície
externa dos ossos é envolvida por
uma camada de tecido conjuntivo
denominada periósteo.
Tipos de Tecidos ósseo
Macroscopicamente: osso COMPACTO e osso ESPONJOSO
Tipos de Tecidos ósseo
Macroscopicamente: osso COMPACTO e osso ESPONJOSO
Histogênese
O tecido ósseo é formado por dois
processos.
Processo de Ossificação
Intramembranosa ou pelo processo
de Ossificação Endocondral.
Histogênese
Histogênese
Histogênese
Histogênese
Histogênese
Mais tarde, formam-se os centros
secundários de ossificação, um
em cada epífise. Esses centros
são semelhantes ao centro
primário da diáfise, mas seu
crescimento é radial em vez de
longitudinal. A porção central do
osso formado nos centros
secundários também contem
medula óssea.
Histogênese
ZONA DE REPOUSO
ZONA DE PROLIFERAÇÃO
ZONA DE CARTILAGEM HIPERTRÓFICA
ZONA DE CARTILAGEM CALCIFICADA
ZONA DE OSSIFICAÇÃO
Crescimento e remodelação
dos ossos
O crescimento e a remodelação normais
dependem de vários fatores
Suficientes quantidades de cálcio e fósforo
devem estar presentes na dieta alimentar do
indivíduo;
Deve-se obter suficiente quantidade de
vitaminas, principalmente vitamina D, que
participa na absorção do cálcio ingerido;
O corpo precisa produzir os hormônios
responsáveis pela atividade do tecido ósseo.
Crescimento e remodelação
dos ossos
PAPEL METABÓLICO DO TECIDO
ÓSSEO
• Contém 99% de cálcio do organismo;
• Mantém a calcemia pelo intercâmbio constante entre
tecido ósseo e sangue;
• Armazenado sob a forma de cristais de hidroxiopatita;
• Paratormônio – atua sobre receptores nos
osteoblastos que param de produzir colágeno e
iniciam a secreção do fator estimulador de
osteoclasto;
• Calcitonina – efeito inibidor sobre osteoclasto.
Raquitismo
Osteosteoporose
• São classificadas em:
• Sinartroses
 Sinostoses
 Sincondroses
 Sindesmoses
• Diartroses
Articulações
Articulação é a união de dois ou mais ossos para
permitir o movimento entre eles.
Sinartroses
• Ossos chatos do
crânio, e sacro
• União dos ossos
realizada por tecido
conjuntivo denso em
crianças e
adultos.
• Sincondroses
• Primeira costela com
o esterno.
• União dos ossos por
cartilagem hialina.
• Sindesmoses
• Sindesmose tíbio-
fibular e sindesmose
radio-ulnar.
• União dos ossos por
tecido conjuntivo
denso.
• Sinostoses
• Articulações dotadas de grande mobilidade;
• Também chamada de Articulações Sinoviais;
Diartroses
• Articulação Temporo-Mandibular – ATM
• Coluna vertebral
• Ombro
• Cotovelo
• Punho
• Quadril
• Joelho
• Tornozelo
São encontradas na:
Obrigada!
• JUNQUEIRA, Luiz C.; CARNEIRO, José.
Histologia Básica. 11 ed. – Rio de Janeiro :
Guanabara Koogan. 2008
• Kohji Saiki. Osteoblastos y osteoclastos -
Osteoblasts and Osteoclasts_(480p).
Disponível em:
<www.ssyoutube.com/watch?v=xhyduItcNVs>
Publicado em 5 de abr de 2013. Acessado em:
07 de maio de 2016.
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esqueléticoMaxsuell Lopes
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIALeonardo Delgado
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaAula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaHamilton Nobrega
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaCintia Colotoni
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosHamilton Nobrega
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseowhybells
 
Potencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de açãoPotencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de açãoCaio Maximino
 
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...Hamilton Nobrega
 
Anatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularAnatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularPedro Miguel
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOSheila Cassenotte
 

Mais procurados (20)

02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esquelético
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
 
Tecido óSseo
Tecido óSseoTecido óSseo
Tecido óSseo
 
04 Sistema Muscular
04   Sistema Muscular04   Sistema Muscular
04 Sistema Muscular
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
 
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaAula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Potencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de açãoPotencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de ação
 
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
 
Anatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularAnatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema Muscular
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 

Destaque (20)

Som e o Ultrassom
Som e o UltrassomSom e o Ultrassom
Som e o Ultrassom
 
Slide de histologia - tecido ósseo
Slide de histologia - tecido ósseoSlide de histologia - tecido ósseo
Slide de histologia - tecido ósseo
 
Aula Tecido Ósseo
Aula Tecido ÓsseoAula Tecido Ósseo
Aula Tecido Ósseo
 
Óleo de cozinha - Sabão Ecológico
Óleo de cozinha - Sabão EcológicoÓleo de cozinha - Sabão Ecológico
Óleo de cozinha - Sabão Ecológico
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 
Dentinogenese
DentinogeneseDentinogenese
Dentinogenese
 
Amelogenese texto
Amelogenese textoAmelogenese texto
Amelogenese texto
 
Conceitos Iniciais da Ortopedia
Conceitos Iniciais da OrtopediaConceitos Iniciais da Ortopedia
Conceitos Iniciais da Ortopedia
 
odontogênese odonto morfo 1
odontogênese   odonto morfo 1odontogênese   odonto morfo 1
odontogênese odonto morfo 1
 
Tecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdfTecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdf
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Tecido ósseo
Tecido ósseo Tecido ósseo
Tecido ósseo
 
Histologia Tecido Ósseo
Histologia Tecido ÓsseoHistologia Tecido Ósseo
Histologia Tecido Ósseo
 
Odontogênese
OdontogêneseOdontogênese
Odontogênese
 
laser
laserlaser
laser
 
Odontogênese
OdontogêneseOdontogênese
Odontogênese
 
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e CementoHistologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Sistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.pptSistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.ppt
 

Semelhante a Tecido ósseo

Bioq.clinica metab. mineral e osseo
Bioq.clinica   metab. mineral e osseoBioq.clinica   metab. mineral e osseo
Bioq.clinica metab. mineral e osseoAdele Janie
 
fisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1 2o. semestre.pptx
fisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1      2o. semestre.pptxfisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1      2o. semestre.pptx
fisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1 2o. semestre.pptxJadiellJordan
 
Aula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdf
Aula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdfAula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdf
Aula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdfTiagoNunes86467
 
tecidosseo-121024101138-phpapp01.pdf
tecidosseo-121024101138-phpapp01.pdftecidosseo-121024101138-phpapp01.pdf
tecidosseo-121024101138-phpapp01.pdfTiagoNunes86467
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOAlex Albanese
 
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptxHistologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptxVinicius Lopes
 
Tecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscularTecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscularbrandaobio
 

Semelhante a Tecido ósseo (20)

Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e CartilagensFisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
 
Bioq.clinica metab. mineral e osseo
Bioq.clinica   metab. mineral e osseoBioq.clinica   metab. mineral e osseo
Bioq.clinica metab. mineral e osseo
 
fisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1 2o. semestre.pptx
fisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1      2o. semestre.pptxfisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1      2o. semestre.pptx
fisiologia do sistema osteoarticular - TIV - ênfase 1 2o. semestre.pptx
 
Tecido ósseo certo
Tecido ósseo   certoTecido ósseo   certo
Tecido ósseo certo
 
Sistema Esquelético
Sistema EsqueléticoSistema Esquelético
Sistema Esquelético
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Aula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdf
Aula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdfAula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdf
Aula_Tecido_osseo_e_osteogenese_2009.pdf
 
Tecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdfTecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdf
 
tecidosseo-121024101138-phpapp01.pdf
tecidosseo-121024101138-phpapp01.pdftecidosseo-121024101138-phpapp01.pdf
tecidosseo-121024101138-phpapp01.pdf
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
 
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptxHistologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
 
Tecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o aTecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o a
 
Tecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscularTecido ósseo e muscular
Tecido ósseo e muscular
 
Tecido Ósseo
Tecido Ósseo Tecido Ósseo
Tecido Ósseo
 
Sistema esqueltico
Sistema esquelticoSistema esqueltico
Sistema esqueltico
 
TECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEOTECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEO
 
Sebenta
SebentaSebenta
Sebenta
 
TECIDO ÓSSEO.pptx
TECIDO ÓSSEO.pptxTECIDO ÓSSEO.pptx
TECIDO ÓSSEO.pptx
 

Mais de Amália Beims

Malária - Principais características
Malária - Principais característicasMalária - Principais características
Malária - Principais característicasAmália Beims
 
6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia
6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia
6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e BiologiaAmália Beims
 
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaBioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaAmália Beims
 
Teoria de Albert Bandura
Teoria de Albert BanduraTeoria de Albert Bandura
Teoria de Albert BanduraAmália Beims
 
Teoria de Antônio Gramsci
Teoria de Antônio GramsciTeoria de Antônio Gramsci
Teoria de Antônio GramsciAmália Beims
 
As reformas educacionais da década de 1932 a 1950
As reformas educacionais da década de 1932 a 1950As reformas educacionais da década de 1932 a 1950
As reformas educacionais da década de 1932 a 1950Amália Beims
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstataAmália Beims
 
Infecção por agentes biológicos e os efeitos para o concepto
Infecção por agentes biológicos e os efeitos para o conceptoInfecção por agentes biológicos e os efeitos para o concepto
Infecção por agentes biológicos e os efeitos para o conceptoAmália Beims
 
Principais características dos Néctons
Principais características dos NéctonsPrincipais características dos Néctons
Principais características dos NéctonsAmália Beims
 
Circulação Atmosférica
Circulação AtmosféricaCirculação Atmosférica
Circulação AtmosféricaAmália Beims
 

Mais de Amália Beims (12)

Etileno
EtilenoEtileno
Etileno
 
Malária - Principais características
Malária - Principais característicasMalária - Principais características
Malária - Principais características
 
6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia
6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia
6 Aplicativos que podem ser utilizados nas aulas de Ciências e Biologia
 
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - EcologiaBioma Mata Atlântica - Ecologia
Bioma Mata Atlântica - Ecologia
 
Teoria de Albert Bandura
Teoria de Albert BanduraTeoria de Albert Bandura
Teoria de Albert Bandura
 
Teoria de Antônio Gramsci
Teoria de Antônio GramsciTeoria de Antônio Gramsci
Teoria de Antônio Gramsci
 
As reformas educacionais da década de 1932 a 1950
As reformas educacionais da década de 1932 a 1950As reformas educacionais da década de 1932 a 1950
As reformas educacionais da década de 1932 a 1950
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
 
Infecção por agentes biológicos e os efeitos para o concepto
Infecção por agentes biológicos e os efeitos para o conceptoInfecção por agentes biológicos e os efeitos para o concepto
Infecção por agentes biológicos e os efeitos para o concepto
 
Principais características dos Néctons
Principais características dos NéctonsPrincipais características dos Néctons
Principais características dos Néctons
 
Circulação Atmosférica
Circulação AtmosféricaCirculação Atmosférica
Circulação Atmosférica
 

Último

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Tecido ósseo

  • 1. IFMA-INSTITUTO FEDERAL MARANHÃO/ CAMPUS BURITICUPU PROFESSOR ELSON SILVA HISTOLOGIA ANIMAL LICENCIATURA EM BIOLOGIA – 2º PERÍODO ACADÊMICAS: Amália Beims, Denise Rodrigues, Deuvanir Sousa, Fabiana Soares, Franciane Alencar, Karem Dalila, Kelijane Frazão e Ozenir de Almeida. TECIDO ÓSSEO
  • 2. TECIDO ÓSSEO Definição: Tecido conjuntivo especializado formado por células e o material extracelular calcificado, a matriz óssea. FUNÇÕES: • É o principal constituinte do esqueleto • Serve de suporte para as partes moles do corpo • Proporciona apoio aos músculos esqueléticos • Protege órgãos vitais (caixas craniana, torácica e canal raquidiano) • Depósito de cálcio, fosfato e outros íons
  • 3. Células do tecido ósseo Osteócitos: situados em cavidades ou lacunas no interior da matriz; Osteoblastos: produtores da parte orgânica da matriz; Osteoclastos: células gigantes, reabsorvem o tecido ósseo, participando do processo de remodelação dos ossos.
  • 5. Matriz óssea Parte inorgânica: representa 50% da matriz óssea. • Parte orgânica: formada principalmente por colágeno tipo I • Associação fibras e colágeno: dureza e resistência do tecido ósseo.
  • 6. Periósteo e Endósteo Toda a superfície interna dos ossos é revestida por células que em conjunto constituem uma camada denominada endósteo. Com exceção das superfícies articulares, toda a superfície externa dos ossos é envolvida por uma camada de tecido conjuntivo denominada periósteo.
  • 7. Tipos de Tecidos ósseo Macroscopicamente: osso COMPACTO e osso ESPONJOSO
  • 8. Tipos de Tecidos ósseo Macroscopicamente: osso COMPACTO e osso ESPONJOSO
  • 9. Histogênese O tecido ósseo é formado por dois processos. Processo de Ossificação Intramembranosa ou pelo processo de Ossificação Endocondral.
  • 14. Histogênese Mais tarde, formam-se os centros secundários de ossificação, um em cada epífise. Esses centros são semelhantes ao centro primário da diáfise, mas seu crescimento é radial em vez de longitudinal. A porção central do osso formado nos centros secundários também contem medula óssea.
  • 15. Histogênese ZONA DE REPOUSO ZONA DE PROLIFERAÇÃO ZONA DE CARTILAGEM HIPERTRÓFICA ZONA DE CARTILAGEM CALCIFICADA ZONA DE OSSIFICAÇÃO
  • 16. Crescimento e remodelação dos ossos O crescimento e a remodelação normais dependem de vários fatores Suficientes quantidades de cálcio e fósforo devem estar presentes na dieta alimentar do indivíduo; Deve-se obter suficiente quantidade de vitaminas, principalmente vitamina D, que participa na absorção do cálcio ingerido; O corpo precisa produzir os hormônios responsáveis pela atividade do tecido ósseo.
  • 18. PAPEL METABÓLICO DO TECIDO ÓSSEO • Contém 99% de cálcio do organismo; • Mantém a calcemia pelo intercâmbio constante entre tecido ósseo e sangue; • Armazenado sob a forma de cristais de hidroxiopatita; • Paratormônio – atua sobre receptores nos osteoblastos que param de produzir colágeno e iniciam a secreção do fator estimulador de osteoclasto; • Calcitonina – efeito inibidor sobre osteoclasto.
  • 20. • São classificadas em: • Sinartroses  Sinostoses  Sincondroses  Sindesmoses • Diartroses Articulações Articulação é a união de dois ou mais ossos para permitir o movimento entre eles.
  • 21. Sinartroses • Ossos chatos do crânio, e sacro • União dos ossos realizada por tecido conjuntivo denso em crianças e adultos. • Sincondroses • Primeira costela com o esterno. • União dos ossos por cartilagem hialina. • Sindesmoses • Sindesmose tíbio- fibular e sindesmose radio-ulnar. • União dos ossos por tecido conjuntivo denso. • Sinostoses
  • 22. • Articulações dotadas de grande mobilidade; • Também chamada de Articulações Sinoviais; Diartroses
  • 23. • Articulação Temporo-Mandibular – ATM • Coluna vertebral • Ombro • Cotovelo • Punho • Quadril • Joelho • Tornozelo São encontradas na:
  • 25. • JUNQUEIRA, Luiz C.; CARNEIRO, José. Histologia Básica. 11 ed. – Rio de Janeiro : Guanabara Koogan. 2008 • Kohji Saiki. Osteoblastos y osteoclastos - Osteoblasts and Osteoclasts_(480p). Disponível em: <www.ssyoutube.com/watch?v=xhyduItcNVs> Publicado em 5 de abr de 2013. Acessado em: 07 de maio de 2016. REFERÊNCIAS

Notas do Editor

  1. o corpo precisa produzir os hormônios responsáveis pela atividade do tecido ósseo: - Hormônio de crescimento (somatotrofina): secretado pela hipófise, é responsável pelo crescimento dos ossos; - Calcitonina: produzida pela tireóide, inibe a atividade osteoclástica e acelera a absorção de cálcio pelos ossos; - Paratormônio: sintetizado pelas paratireóides, aumenta a atividade e o número de osteoclastos, elevando a taxa de cálcio na corrente sanguínea; - Hormônios sexuais: também estão envolvidos nesse processo, ajudando na atividade osteoblástica e promovendo o crescimento de novo tecido ósseo. Com o envelhecimento, o sistema esquelético sofre a perda de cálcio. Ela começa geralmente aos 40 anos nas mulheres e continua até que 30% do cálcio nos ossos seja perdido, por volta dos 70 anos. Nos homens, a perda não ocorre antes dos 60 anos. Essa condição é conhecida como osteoporose. Outro efeito do envelhecimento é a redução da síntese de proteínas, o que diminui a produção da parte orgânica da matriz óssea. Como consequência, há um acúmulo de parte inorgânica da matriz. Em alguns indivíduos idosos, esse processo causa uma fragilização dos ossos, que se tornam mais susceptíveis a fraturas. O uso de aparelhos ortodônticos é um exemplo de remodelação dos ossos, neste caso, resultando na remodelação da arcada dentária. Os aparelhos exercem forças diferentes daquelas a que os dentes estão naturalmente submetidos. Nos pontos em que há pressão ocorre reabsorção óssea, enquanto no lado oposta há deposição de matriz. Assim, os dentes movem-se pelos ossos da arcada dentária e passam a ocupar a posição desejada.
  2. o corpo precisa produzir os hormônios responsáveis pela atividade do tecido ósseo: - Hormônio de crescimento (somatotrofina): secretado pela hipófise, é responsável pelo crescimento dos ossos; - Calcitonina: produzida pela tireóide, inibe a atividade osteoclástica e acelera a absorção de cálcio pelos ossos; - Paratormônio: sintetizado pelas paratireóides, aumenta a atividade e o número de osteoclastos, elevando a taxa de cálcio na corrente sanguínea; - Hormônios sexuais: também estão envolvidos nesse processo, ajudando na atividade osteoblástica e promovendo o crescimento de novo tecido ósseo. Com o envelhecimento, o sistema esquelético sofre a perda de cálcio. Ela começa geralmente aos 40 anos nas mulheres e continua até que 30% do cálcio nos ossos seja perdido, por volta dos 70 anos. Nos homens, a perda não ocorre antes dos 60 anos. Essa condição é conhecida como osteoporose. Outro efeito do envelhecimento é a redução da síntese de proteínas, o que diminui a produção da parte orgânica da matriz óssea. Como consequência, há um acúmulo de parte inorgânica da matriz. Em alguns indivíduos idosos, esse processo causa uma fragilização dos ossos, que se tornam mais susceptíveis a fraturas. O uso de aparelhos ortodônticos é um exemplo de remodelação dos ossos, neste caso, resultando na remodelação da arcada dentária. Os aparelhos exercem forças diferentes daquelas a que os dentes estão naturalmente submetidos. Nos pontos em que há pressão ocorre reabsorção óssea, enquanto no lado oposta há deposição de matriz. Assim, os dentes movem-se pelos ossos da arcada dentária e passam a ocupar a posição desejada.