SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
1
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO
EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
APELAÇÃO Nº. 1016377-58.2015.8.26.0566
EMBARGANTE: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
APELADA: VANESSA AMARAL DA SILVA
FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
por seu procurador infra-assinado, vem, respeitosamente perante Vossa
Excelência, nos autos do recurso em epígrafe, por entender, data venia , que o v.
acórdão de fls. afrontou dispositivos de Lei Federal, interpor com fulcro no art.
105, inciso III, letra "a"", da Constituição Federal, o presente RECURSO
ESPECIAL para o Excelso Superior Tribunal de Justiça, por infração dos artigos
1º, 12 e 66 da Lei Federal nº 6360/76, bem como, da Lei Federal 9.782/99 e os
artigos 19-M, I, e 19-P, §2°, I, e 19-T da Lei n° 8.080/1990, com a redação
conferida pela Lei n. 12.401/2011, bem como do art. 4º, caput e parágrafo 9º, da
Lei 8.437/92.
Nestes termos,
p. deferimento.
São José do Rio Preto, 16/11/2017.
THAIS DE LIMA B. PEREIRA ZANOVELO
PROCURADOR DO ESTADO
OAB/SP Nº 151.765
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 523
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
2
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
RECURSO ESPECIAL
EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA
APELAÇÃO Nº. 1016377-58.2015.8.26.0566
EMBARGANTE: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
APELADA: VANESSA AMARAL DA SILVA
EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL
COLENDA CÂMARA
EXCELENTÍSSIMOS MINISTROS
O v. Acórdão condenou a recorrente a fornecer ao recorrido A
SUBSTÂNCIA QUÍMICA SINTÉTICA FOSFOETANOLAMINA.
O Eg. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ao negar
provimento ao recurso do Estado afrontou, dentre outros, os comandos contidos
nos artigos 2o., 22, XXIII, 97, 196, 197 e 200, I e II, da Lei Maior e Súmula
Vinculante n. 10, na medida em que determinou a entrega de produto químico
sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA, ou seja,
cuja comercialização não é permitida no Brasil.
Inconformada com o v. acórdão recorrido, interpõe a Fazenda do
Estado o presente recurso especial diante da violação das apontadas normas da
Constituição Federal.
DO CABIMENTO DO RECURSO ESPECIAL :
Entende-se que, in casu, ocorreu o prequestionamento explícito
ou ao menos o denominado implícito, uma vez que a questão federal surgiu com a
aplicação equivocada do dispositivo acima mencionados.
Ilustres Julgadores, o respeitável Tribunal de Justiça do Estado de
São Paulo, ao negar provimento ao Apelo da Fazenda do Estado, afrontou o
comando contido nos artigos 1º, 6º parágrafo único e artigo 12 da Lei n. 6360, de
23 de setembro de 1976, artigos 2º, parágrafo 1º e 7º, inciso IV, da Lei Orgânica
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 524
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
3
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
da Saúde ( Lei n. 8080/90) e artigo 273, parágrafo 1º-B do Código Penal, alterado
pela Lei 9.677, de 2 de julho de 1998, bem como, da Lei Federal 9.782/99 e os
artigos 19-M, I, e 19-P, §2°, I, e 19-T da Lei n° 8.080/1990, com a redação
conferida pela Lei n. 12.401/2011, bem como do art. 4º, caput e parágrafo 9º, da
Lei 8.437/92.
Referida contrariedade à lei federal, autoriza, nos termos do Art.
105, III, “a”, da CF, a interposição de recurso especial
DO PREQUESTIONAMENTO
A matéria federal foi devidamente prequestionada nos presentes
autos.
PRELIMINARMENTE
I - CARÊNCIA DE AÇÃO - ILEGITIMIDADE PASSIVA DA FESP
Conforme detalhadamente exposto em defesa, a FESP não é
parte legítima para responder à ação, pois embora o recorrido procure
fundamentar seu pedido no dispositivo constitucional que assegura a assistência
integral à saúde (art. 196 da CF), é certo que ele não pleiteia a assistência
necessária ao combate de sua moléstia, mas sim, o fornecimento de
substância específica, cuja produção e dispensação não depende da
Administração Direta, ora recorrente.
A recorrente não possui meios legais para compelir o
pesquisador da USP a manufaturar a substância, muito menos ingerência
administrativa para determinar que a USP autorize o uso de sua instalações.
Com a devida vênia, o argumento exposto na sentença, segundo
o qual a FESP seria solidariamente responsável porque " é o Estado quem
garante o orçamento da USP e pode custear a matéria prima necessária à
confecção da substância, para qua não venha a faltar" carece de fundamentação
jurídica sólida e não deveria ter sido mantida em segunda instância.
A rigor, é o Estado, no sentido de Administração Direta, que, na
condição de gestor do erário, garante todos os orçamentos da Administração
Pública, inclusive dos outros poderes. Exemplificando, embora seja o
responsável pela integralização do orçamento do Poder Judicíario, o Poder
Executivo não pode intervir na gestão administrativa do Tribunal de Justiça.
Da mesma forma, embora os valores que custeiam as atividades
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 525
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
4
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
das autarquias sejam garantidos pelo Poder Executivo, o Estado e a autarquia
continuam sendo entes jurídicos distintos, não cabendo ao primeiro intervir na
gestão universitária.
Se aceitarmos a linha de raciocínio exposta no v. acórdão, toda
ação judicial contra qualquer autarquia, fundação pública de direito público ou
empresa pública também deveria ser ajuizada contra a Fazenda Pública.
Com a devida vênia, a decisão contraria princípios basilares do
Direito Administrativo ao sustentar que a corré USP, por ser uma autarquia
estadual, está sujeita indistintamente ao comando do Poder Executivo.
A Administração Direta legalmente não pode interferir na gestão
dos projetos e recursos da USP, sob pena de ferir a autonomia universitária,
princípio tão relevante que mereceu a proteção de nossa Lei Maior:
"Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-
científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial,
e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino,
pesquisa e extensão."
A ilegitimidade de parte da Fazenda conduz, no caso, até mesmo
à impossibilidade material de cumprimento do pedido, ainda que venha este E.
Tribunal a manter a procedência do pedido .
Se o pesquisador e sua equipe simplesmente deixar de produzir a
droga ou a correquerida USP resolver não entrega-la, a FESP sequer poderá
adquirir a substância pelos seus próprios meios, visto que ela não se encontra no
mercado. De nada adiantará a aplicação da pesada multa diária imposta na
sentença se a apelante simplesmente não tem como cumprir a determinação
judicial.
Repetimos, somente a corré USP detém as condições materiais
necessárias ao cumprimento da obrigação de fazer, considerando-se que possui
os meios materiais e que são os seus servidores que detém a expertise
necessária para a manipulação da substância. Não é outro o motivo pelo qual,
até o momento, é a USP que efetivamente vem cumprindo a antecipação da
tutela, sem nenhuma participação da apelante.
Inúmeras decisões do Tribunal de origem, em ações semelhantes,
tem decidido pela exclusão da Fazenda do polo passivo, pela sua impossibilidade
de produzir a substância pleiteada:
Agravo de Instrumento - Medida Cautelar Fornecimento
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 526
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
5
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
demedicamentos Paciente portador de Câncer de fígado e
nódulo na cabeça Substância antitumoral produzida pelo
Instituto de Química da USP que durante muitos anos foi
produzida e distribuída gratuitamente - Portaria IQSC
1389/2014 que vedou a produção e distribuição da referida
substância Decisão que concedeu liminar para determinar
que a agravante forneça a substância Ilegitimidade passiva
da Fazenda do Estado de São Paulo caracterizada,
porquanto a substância é exclusivamente desenvolvida e
fornecida pela Universidade de São Paulo, autarquia que é
titular de direitos e obrigações - Verossimilhança e perigo de
dano irreparável presentes Ausência de motivo para reforma
da decisão proferida, que não se mostra ilegal ou
teratológica.
Recurso da Fazenda do Estado de São Paulo provido.
Recurso da Universidade de São Paulo desprovido.
AGRAVOS DE INSTRUMENTO Nº
2191067-35.2014.8.26.0000 e 2192799 -51.2014.8.26.0000
AGRAVO DE INSTRUMENTO Pretensão de fornecimento de
fosfoetanolamina sintética, substância antitumoral produzida
pelo Instituto de Química da USP
Substância que vinha sendo distribuída ao agravante e a
outros portadores de neoplasias até o advento da Portaria
IQSC 1389/2014 que limitou sua distribuição Decisão
agravada que concedeu a antecipação dos efeitos da tutela
para determinar que a substância continue sendo fornecida
ao agravante Manutenção Perigo de dano irreparável e de
difícil reparação Juízo 'a quo' que não agiu com ilegalidade
ou abuso de poder.
Ilegitimidade passiva da Fazenda do Estado de SãoPaulo
caracterizada, tendo em vista que a substância é
exclusivamente desenvolvida e fornecida pela Universidade
de São Paulo. Recurso da Fazenda do Estado de São Paulo
provido e desprovido o recurso da
Universidade de São Paulo.
Agravos de instrumentos nº 2185973-09.2014.8.26. 0000 e
2189739-70.2014.8.26.0000
CAUTELAR INOMINADA. Substância sintéticasem registro
na ANVISA para tratamento de doença grave. Suspensão do
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 527
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
6
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
fornecimento por meio de Portaria do Diretor do Instituto de
Química de São Carlos. Decisão que defere liminar para
garantir a disponibilização. Ilegitimidade passiva da FESP.
Substância experimental produzida e disponibilizada
gratuitamente pela USP, autarquia que é titular de direitos e
obrigações, não se tratando de remédio de alto custo ou
importado. Efeito translativo dos recursos. Inteligência do art.
267, VI e §3º, do CPC.
Precedentes. Extinção ex officio do feito na origem com
relação à agravante.
AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2206428-
92.2014.8.26.0000
Agravo de Instrumento - Medida Cautelar Fornecimento
de medicamentos Paciente portador de Câncer de fígado e
nódulo na cabeça Substância antitumoral produzida pelo
Instituto de Química da USP que durante muitos anos foi
produzida e distribuída gratuitamente - Portaria IQSC
1389/2014 que vedou a produção e distribuição da referida
substância - Decisão que concedeu liminar para determinar
que a agravante forneça a substância Ilegitimidade passiva
da Fazenda do Estado de São Paulo caracterizada,
porquanto a substância é exclusivamente desenvolvida e
fornecida pela Universidade de São Paulo, autarquia que é
titular de direitos e obrigações - Verossimilhança e perigo de
dano irreparável presentes Ausência de motivo para reforma
da decisão proferida, que não se mostra ilegal ou
teratológica.
Recurso da Fazenda do Estado de São Paulo provido.
Recurso da Universidade de São Paulo desprovido.
AGRAVOS DE INSTRUMENTO Nº
2223771-04.2014.8.26.0000 2227087-25.2014.8.26. 0000
Agravo de Instrumento Ação Ordinária Direito à saúde
Recurso manejado contra decisão que deferiu a antecipação
dos efeitos da tutela, determinando a disponibilização de
substância pleiteada e produzida pelo Instituto de Química
da USP Recurso manejado pela Fazenda do Estado de São
Paulo - Provimento de rigor Ilegitimidade passiva da Fazenda
Estadual reconhecida de ofício No caso específico dos autos,
a demanda envolve o fornecimento de substância
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 528
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
7
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
desenvolvida e fornecida exclusivamente pela Universidade
de São Paulo De rigor a exclusão da agravante do polo
passivo, devendo a ação, em relação à ela, ser julgada
extinta sem julgamento do mérito, nos termos do art. 267, VI,
do CPC Recurso da FESP provido.
Agravo de Instrumento nº 2206570-96.2014.8.26.0000
AGRAVO DE INSTRUMENTO Fazenda Pública -
Obrigação de fazer Fornecimento de substância experimental
Antecipação de tutela concedida em primeiro grau O Estado
não está obrigado a fornecer tratamento experimental -
Outrossim, impossibilidade de cumprimento da obrigação por
parte do Estado Pesquisa realizada pela corré USP Entidade
dotada de “autonomia didático-científica, administrativa e de
gestão financeira e patrimonial” Inteligência do art. 207 da
CF Reforma da decisão a quo - Recurso provido.
Agravos de Instrumento: 2032192-30.2015.8.26.0000 e
2037245-89 2015.8.26.0000
Assim, ao manter o Estado no pólo passivo, o v. Acórdão ofende o
disposto no artigo 17 e 485, VI, do CPC15, já vigente quando do proferimento da
decisão (ou artigos 267, VI, e 3º do CPC73).
Destarte, ante a ilegitimidade de parte e impossibilidade material
de cumprimento do pedido, requer seja respeitada a legislação federal acima
invocada e reconhecida a ilegitimidade passiva do Estado, reformando-se o v.
Acórdão.
II - DO CERCEAMENTO DE DEFESA
No presente caso houve evidente cerceamento de defesa, visto
que a recorrente sequer teve oportunidade de pleitear a produção de provas,
diante do julgamento prematuro do feito.
Pela singularidade do caso, envolvendo a dispensação de
substância química sem registro na ANVISA e SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA,
seria fundamental a realização de prova pericial, objetivando apurar a pertinência
da substância pleiteada.
O processo não estava maduro para julgamento, sendo, pois,
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 529
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
8
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
incabível o julgamento antecipado da lide.
Neste sentido é reiterado o entendimento da jurisprudência.
Verbis:
“Sobre o cabimento ou não do julgamento antecipado não
depende da convicção antecipada do juiz, mas da natureza
da controvérsia e da situação objetiva constante dos autos.
Não é porque o magistrado já se convenceu a respeito dos
fatos que deve indeferir as provas e julgar antecipadamente.
Nem porque a tese jurídica é adversa. Somente não se
permitirá a prova se esta for, como se disse, irrelevante e
impertinente. Dois erros o juiz deve evitar, porque ele não é o
único órgão julgador, cabendo-lhe instruir adequadamente o
processo a fim de que possa ser julgado, também, em grau
de apelação; indeferir, provas pertinentes porque já se
convenceu em sentido contrário e, igualmente, indeferir
provas porque, em seu entender, a interpretação do direito
não favorece o autor. Em ambos os casos, o indeferimento
de provas ou o julgamento antecipado seria precipitado, com
cerceamento da atividade da parte, caracterizador de
nulidade. O Supremo Tribunal Federal, com razão, tem
anulado sentenças e acórdãos que incorreram em um
desses dois defeitos, ou seja, o julgamento antecipado
quando a questão era também de fato sem que se tivesse
dado a oportunidade á parte de produzir (...)
Pelo exposto, acolho o pedido preliminar e dou provimento
ao recurso para declarar a nulidade da sentença (TJ-SP
Ac. Unân. da 9ª Câm. de Direito Privado, de 14.12.2004
Ap. Civ. 343.959.4/2 Rel. Des. Silveira Netto)
DIREITO À SAÚDE. REALIZAÇÃO DE EXAME.
CERCEAMENTO DE DEFESA.
1. Ação ajuizada para obter fornecimento de medicamento
para tratamento de doença que acomete o autor. Laudo
médico contestado pela ré, com pedido de realização de
perícia técnica. 2. Direito de produção de prova não
observado durante a instrução. Cerceamento de defesa.
Afronta ao direito constitucional ao contraditório.
Jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça.
Sentença anulada. Recurso provido." (TJSP. Processo:
0015847-77.2013.8.26.0037. 5ª Câmara de Direito Público.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 530
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
9
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Rel. Des. Nogueira Diefenthäler, j. 29/09/2014)
"ORDINÁRIA OBRIGAÇÃO DE FAZER FORNECIMENTO
DE MEDICAMENTOS PROVA PERICIAL DESTINADA À
AVERIGUAÇÃO DA EFETIVA NECESSIDADE DOS
FÁRMACOS DEFERIDA, EXPEDINDO-SE, ATO
CONTÍNUO, OFÍCIO AO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
PARA A REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO MÉDICA DO
AUTOR SUPERVENIÊNCIA DE OFÍCIO-RESPOSTA NO
SENTIDO DE INVIABILIDADE DE REALIZAÇÃO DA PROVA
COM FUNDAMENTO NA AUSÊNCIA DE PROFISSIONAL
HABILITADO COM SUGESTÃO DE REALIZAÇÃO PELO
IMESC AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO DAS PARTES
QUANTO AO TEOR DO OFÍCIO, SEGUINDO-SE
SENTENCIAMENTO DO FEITO COM FUNDAMENTO NA
DISPENSA DE REALIZAÇÃO DA PERÍCIA -
CERCEAMENTO DE DEFESA CARACTERIZADO, NOS
TERMOS DA FUNDAMENTAÇÃO SENTENÇA ANULADA
REMESSA NECESSÁRIA E RECURSO VOLUNTÁRIO DA
FESP PROVIDOS PARA DETERMINAR A REMESSA DOS
AUTOS À VARA DE ORIGEM, COM OBSERVAÇÃO"
(TJSP. Apelação nº 0021612-29.2013.8.26.0037. Rel. Des.
Ferraz de Arruda, j. 21.01.2015, vu)
A ausência de abertura da fase instrutória representa ofensa ao
art. 464, par. 1º, incisos I a III, do CPC15 (ou equivalente no art. 420, par. 1º,
incisos I a III, do CPC73).
Diante de tudo o exposto, a recorrente espera que este E.Tribunal
seja sensível aos argumentos ora expendidos e anule o julgamento da instância
ordinária, para que seja reconhecida a necessidade de prova pericial no caso
vertente.
DO MÉRITO RECURSAL
Cuida-se o presente Recurso Especial de inconformismo do
Estado de São Paulo contra decisão do Tribunal de Justiça deste, que condenou o
tesouro ao fornecimento do produto de nome FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA.
Esta substância sequer é CONSIDERADA MEDICAMENTO. Não
é fornecido pela rede pública de saúde em razão de não ter sido aprovado pelo
órgão regulatório competente a ANVISA.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 531
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
10
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Contudo, é necessário repisar que o SUS disponibiliza outros
medicamentos para tratamento da doença que acomete o recorrido fornecidos de
acordo com o estabelecido pelo Ministério da Saúde.
A Lei n. 6.360/76 é bastante clara ao estabelecer que os
medicamentos, as drogas e os insumos farmacêuticos (art. 1º), inclusive os
importados, não podem ser expostos à venda ou entregues a consumo, antes de
registrados no Ministério da Saúde (art. 12), pena de se configurar infração de
natureza sanitária (art.66):
Vale relembrar sua dicção:
Art. 12 - Nenhum dos produtos de que trata esta Lei, inclusive os importados,
poderá ser industrializado, exposto à venda ou entregue ao consumo antes
de registrado no Ministério da Saúde.
Art. 66. A inobservância dos preceitos desta Lei, de seu regulamento e
normas complementares configura infração de natureza sanitária, ficando
sujeito o infrator ao processo e às penalidades previstos no Decreto-Lei nº
785, de 25 de agosto de 1969, sem prejuízo das demais cominações civis e
penais cabíveis.
E tal norma tem sua razão de ser. O registro do medicamento
perante a ANVISA objetiva garantir a sua segurança e eficácia para o uso que se
propõe, tanto do ponto de vista clínico como terapêutico.
Tanto é assim que a Lei federal n. 9.782/99 considera
medicamentos de uso humano apenas os produtos submetidos a controle e
fiscalização da ANVISA.
De sua parte, o artigo 273, parágrafo 1º-B, inciso I, do Código
Penal, com a redação que lhe deu a Lei n. 9.677, de 2 de julho de 1998, considera
crime hediondo importar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou,
de qualquer forma, distribuir ou entregar a consumo o produto sem registro,
quando exigível, no órgão de vigilância sanitária competente.
Quer isso dizer que não há como pretender obrigar o Poder
Público Estadual ao cumprimento de pretensão sabidamente ilegal.
E não se ponha em dúvida a assertiva, pois a aprovação do
fármaco pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária é imprescindível. Segundo
os termos do art. 200, incisos I e II, da Constituição Federal, compete ao Sistema
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 532
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
11
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Único de Saúde "controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de
interesse para a saúde" e "executar ações de vigilância sanitária".
Entretanto, entende a Fazenda que questão importante para o
cumprimento do julgado, a saber, a O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO
NEGOU A VIGÊNCIA DA LEI FEDERAL Nº 12.401/2011.
O v. acórdão recorrido impôs ao Estado a obrigação de fornecer à
parte autora o medicamento requerido na petição inicial, em que pese o
REPISADO ALERTA DE QUE ESSE SE TRATA DE PRODUTO NÃO
APROVADO PELA ANVISA, QUE SEQUER É MEDICAMENTO.
Rememore-se que é necessário que se façam análises rigorosas
acerca da introdução de novos fármacos no mercado, e, de forma muito especial,
para incorporação desses remédios ao SUS. Essa incorporação é realizada com
base em critérios científicos, assegurando-se que a nova tecnologia seja,
sobretudo, custo-efetiva e segura para os usuários.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil (ANVISA)
informa que o uso não autorizado é feito por conta e risco do médico que o
prescreve, e pode eventualmente vir a caracterizar um erro médico.
Na toada do que se expôs, não é razoável compelir o ente
público ao tratamento reclamado, visto que inexiste autorização da ANVISA
para que o fármaco seja utilizado com relação a essa doença e, assim,
acarreta o manejo de drogas para fins experimentais.
Ademais, tem-se a Lei 8.080/90 que, com a recente alteração
promovida pela Lei n.º 12.401, de 28 de abril de 2011, passou a dispor
exatamente sobre essa proibição:
Art. 19-T. São vedados, em todas as esferas de gestão do SUS:
I - o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de medicamento,
produto e procedimento clínico ou cirúrgico experimental, ou de uso
não autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA;
II - a dispensação, o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de
medicamento e produto, nacional ou importado, sem registro na Anvisa.
(Grifo aditado)
Assim, é evidente que a autoridade administrativa está
proibida de fornecer o referido PRODUTO, em cumprimento à legislação
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 533
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
12
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
federal sanitária acerca da matéria, e em atendimento ao princípio da legalidade
administrativa, consagrado pelo artigo 37, caput, da Constituição Federal.
Entretanto, ao impor o fornecimento de droga com finalidade
experimental, o E. Tribunal a quo desconsiderou o juízo técnico exercido pelo
Ministério da Saúde e pela ANVISA, órgão responsável pelo controle sanitário e
pela proteção à saúde da população, ao exigir que medicamento inapropriado
para a moléstia que acomete a parte autora seja fornecido pelo Estado, em clara
violação aos artigos 19-M, I, 19-Q, §2º, I, e 19-T, da Lei n. 8.080/90, com a
redação conferida pela Lei n. 12.401/2011.
A esse respeito, deve ser esclarecido que a edição da Lei n°
12.401/11 teve por finalidade limitar o ativismo judicial que, partindo de
injustificáveis omissões administrativas no atendimento de saúde pública,
alcançou extremos que chegaram a comprometer integralmente orçamentos
públicos, tendo ainda gerado privilégios não universalizáveis, alteração de filas de
atendimento e mitigação de critérios técnicos para incorporação de
medicamentos, dentre outros graves problemas na gestão da saúde pública.
Sem dúvida, a lacuna na definição do conceito de
integralidade da assistência terapêutica previsto nos artigos 198, II, da CR e 6º, I,
“d”, e 7º, II, da Lei do SUS (Lei 8.080/90), e a inexistência de regramento para
incorporação, alteração e exclusão de tecnologias ao SUS abriram espaço para
que o Judiciário, movido por um cenário de carência social, tomasse para si o
posto de principal agência de decisão sobre as políticas públicas de saúde e
escolhas alocativas realizadas nesta seara.
Diante desse cenário, a Lei n. 12.401/2011 foi editada, para
esclarecer que a integralidade da tutela estatal consiste na dispensação de
medicamentos cuja prescrição esteja em conformidade com as diretrizes
terapêuticas definidas em protocolo clínico incorporado pelo Ministério da Saúde,
ou, na inexistência de protocolo clínico, com as listas elaboradas pela União,
Estados e Municípios, com destaque explícito à necessidade de registro e uso
autorizado pela ANVISA.
É o que se verifica dos termos expressos dos artigos 19-M, I,
e 19-P, §2°, I, da Lei n. 8.080/90, introduzidos pela Lei n. 12.401/11, a seguir
transcritos:
Art. 19-M. A assistência terapêutica integral a que se refere a alínea d do
inciso I do art. 6o consiste em:
I - dispensação de medicamentos e produtos de interesse para a
saúde, cuja prescrição esteja em conformidade com as diretrizes
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 534
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
13
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
terapêuticas definidas em protocolo clínico para a doença ou o
agravo à saúde a ser tratado ou, na falta do protocolo, em conformidade
com o disposto no art. 19-P;
II - oferta de procedimentos terapêuticos, em regime domiciliar,
ambulatorial e hospitalar, constantes de tabelas elaboradas pelo gestor
federal do Sistema Único de Saúde - SUS, realizados no território nacional
por serviço próprio, conveniado ou contratado.
Art. 19-Q. A incorporação, a exclusão ou a alteração pelo SUS de novos
medicamentos, produtos e procedimentos, bem como a constituição ou a
alteração de protocolo clínico ou de diretriz terapêutica, são atribuições do
Ministério da Saúde, assessorado pela Comissão Nacional de
Incorporação de Tecnologias no SUS.
(...)
§ 2o O relatório da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no
SUS levará em consideração, necessariamente:
I - as evidências científicas sobre a eficácia, a acurácia, a efetividade e a
segurança do medicamento, produto ou procedimento objeto do processo,
acatadas pelo órgão competente para o registro ou a autorização de
uso;
Percebe-se, assim, que o não fornecimento do fármaco
pleiteado para o tratamento da parte autora não implica em qualquer
tentativa de mitigação ao seu direito à saúde. A não incorporação do referido
medicamento resulta da observância aos artigos 19-M, I e 19-Q, §2º, I e 19-T
da Lei n° 8.080/1990, em consonância com a exigência constitucional de
controle e fiscalização de medicamentos imposta pelos artigos 196 e 200, da
CRFB.
Qualquer ingerência do Poder Judiciário no sentido de se
sobrepor ao juízo técnico do Ministério da Saúde e da ANVISA deve ser
considerada ilegítima.
É relevante destacar que o próprio constituinte originário, no
artigo 197, ressaltou que as ações e serviços de saúde estariam sujeitas a
regulamentação pelo Poder Público. Nesse passo, não há como afastar que a
integralidade ambicionada pelo constituinte consiste em uma INTEGRALIDADE
REGULADA, não para limitar direitos sociais, mas para assegurar a concretização
de ações e serviços de saúde que sejam seguros, custo-efetivos e sem a
influência das indústrias farmacêuticas.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 535
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
14
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Por conseguinte, a Lei nº 12.401/2011, ao estabelecer que a
assistência terapêutica integral é limitada ao fornecimento dos medicamentos
previstos nos protocolos clínicos incorporados ao SUS e, por óbvio, que contem
com aprovação terapêutica dos órgãos sanitários, encontra-se em perfeita
consonância com a Constituição da República.
Portanto, ao impor ao Estado o fornecimento de produto cujo
uso não foi autorizado pela ANVISA para o tratamento da moléstia em questão
ignorando por completo o juízo técnico do referido órgão e do Ministério da Saúde,
para concessão de registro e autorização para uso de procedimentos e produtos
para saúde em geral, o v. acórdão recorrido violou diretamente os artigos 19-M, I,
e 19-P, §2°, I, e 19-T da Lei n° 8.080/1990, com a redação conferida pela Lei n.
12.401/2011, o que torna imperativa a sua reforma, a fim de que seja julgado
improcedente o pedido.
Vê-se, portanto, que as prescrições como a aqui tratada, que
visam a dispensação de medicamento não registrado na ANVISA, e à revelia dos
controles sanitários nacionalmente instituídos, repercutem com gravidade no
âmbito estatal.
Não bastasse tais violações, diante do ajuizamento de
milhares de ações nas quais se busca o fornecimento da substância
fosfoetanolamina sintética, a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo,
presentando o ente federativo, pleiteou "Suspensão de Tutela Antecipada"
(suspensão da execução de liminares), com pedido de efeito expansivo (a
abranger todas as decisões antecipatórias) perante o e. TJSP.
Embora o pedido tenha sido inicialmente indeferido pelo
Presidente do Tribunal, o Órgão Especial dessa Corte proveu o agravo regimental
interposto pela PGE para deferir a suspensão de tutela antecipada com efeito
expansivo (suspensão da execução de todas as liminares). Eis a ementa do
julgado:
Agravo regimental Decisão que indeferiu o pedido de
suspensão dos efeitos das tutelas antecipadas Decisões
que determinaram o fornecimento, pela Universidade de São
Paulo, da substância fosfoetanolamina sintética a portadores
de câncer Substância em estudo, cujos efeitos são
desconhecidos nos seres humanos Desconhecimento
amplo acerca de sua eficácia e possíveis efeitos colaterais
incompatível com o direito à saúde constitucionalmente
garantido Lesão, ainda, à ordem e à economia públicas
Recurso provido.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 536
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
15
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
(TJSP, AgReg na STA n. 2205847-43.2015.8.26.0000; Órgão
julgador: Órgão Especial; Relator: Sérgio Rui; Comarca: São
Carlos; Data do julgamento: 11/11/2015; Data de registro:
25/11/2015)
http://esaj.tjsp.jus.br/cpo/sg/show.do?processo.codigo=RI0030
1U512KW
De maneira prudente, destacou com propriedade o Exmo.
Desembargador Sérgio Rui, Relator designado para o acórdão:
"[...] É irresponsável, portanto, a liberação de substância
sintetizada em laboratório, denominada fosfoetanolamina,
que não é medicamento aprovado e que vem sendo
utilizada sem um mínimo de rigor científico e sem critério
por pacientes de câncer que relatam melhora genérica em
seus quadros clínicos, porque não foram realizadas
pesquisas exaurientes pelas comunidades científicas
internacional e nacional que permitam estabelecer uma
correlação segura e indubitável entre seu uso e a
hipotética evolução relatada. E não pode o Poder
Judiciário, em razão de tantas lacunas científicas e éticas,
permitir que substância de duvidosa eficácia e de
desconhecida toxicidade seja distribuída
indiscriminadamente".
Nessa trilha, ao contrário do que consta da r. Decisão, o
Estado de São Paulo não está adstrito ao cumprimento do acórdão antes do
trânsito em julgado.
O art. 4º da Lei n. 8.437/92 confere caráter vinculante à
decisão proferida na STA. Essa norma vincula os órgãos fracionários do Tribunal
à decisão tomada pelo Órgão Especial do E. TJSP. De fato, o v. Acórdão do
Órgão Especial somente pode ser revisto no âmbito próprio e através do recurso
adequado, sendo irracional sustentar-se que uma Câmara do Tribunal pudesse
afastar a decisão do Órgão Especial. Essa conclusão implicaria inegável
usurpação da competência dos Tribunais Superiores (STJ e STF), aos quais cabe,
com exclusividade e através de exame recursal, reformar a r. Decisão do Órgão
Especial do e. TJSP na STA. Lembrando que esse v. Acórdão proferido no agravo
regimental na STA expressamente se aplica a todas as liminares envolvendo a
fosfoetanolamina e não cria nenhuma exceção, não cabendo às Câmaras fazê-lo.
Ademais, o § 9º do art. 4º da Lei n. 8.437/92 estabelece de
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 537
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
16
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
maneira peremptória que a decisão STA perdurará até o trânsito em julgado da
decisão meritória na ação principal, nestes termos: § 9o A suspensão deferida
pelo Presidente do Tribunal vigorará até o trânsito em julgado da decisão de
mérito na ação principal.
Enfim, conforme frisado, o art. 4º da Lei n. 8.437/92 atribui
caráter vinculante à decisão proferida na STA, bem como estabelece a sua
duração até o trânsito em julgado da ação principal em que concedida a liminar
cuja execução foi suspensa, razão pela qual, com o devido respeito, essa norma
foi afastada pela r. Decisão recorrida sem expressa fundamentação.
Além disso, o v. Aresto olvidou-se de que o Órgão Especial do
Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, nos autos do Agravo Regimental nº
2205847-43.2015.8.26.0000, deu provimento ao agravo interposto pelo Estado de
São Paulo pelo qual foi pleitada a suspensão, COM EFEITO EXPANSIVO, das
execuções das tutelas antecipadas deferidas nas demandas correlatas.
De fato, o pedido feito pelo Estado no agravo regimental de
reforma da r. decisão recorrida, de modo que seja "concedida a liminar
anteriormente reclamada, decretando-se a suspensão, com efeito expansivo,
das execuções das tutelas antecipadas deferidas pelo MM. Juízo da Vara da
Fazenda Pública de São Carlos, até o trânsito em julgado de suas decisões finais,
a fim de cessar a grave lesão à saúde, à ordem e à economia públicas".
O agravo regimental foi provido "in totum", como se deflui da
leitura do seu voto condutor, notadamente do dispositivo ("por tais razões, pelo
meu voto, dou provimento ao agravo regimental").
Assim sendo, salvo melhor juízo, o efeito expansivo
concedido quanto do julgamento de dito agravo regimental dispensa a providência
prevista no artigo 4º, §8º, da Lei nº 8.437/92.
Para rematar, cumpre examinar o teor da novel Lei federal n.
13.269/2016, já que mencionada na fundamentação da r. Decisão recorrida.
A Lei federal indicada não resolve o problema da produção e
distribuição da substância, nem tampouco as questões ligadas à propriedade
imaterial relativa ao "know how" de produção do composto químico.
Em outros termos, a patente da fosfoetanolamina continuar a
pertencer ao dr. Gilberto Chierice e a um grupo de pesquisadores. A lei não
esclarece como e em quais condições a indústria farmacêutica poderia produzir a
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 538
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
17
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
substância. Ao que tudo indica, isso dependeria de um contrato firmado entre um
laboratório e o grupo de pesquisadores detentor da patente da substância. Nessa
relação privada não cabe ao Estado interferir, tendo em vista encontrar-se no
campo da livre iniciativa, bem como tratar-se de composto químico a respeito do
qual inexiste qualquer prova científica de eficácia. Muito pelo contrário, os estudos
iniciais levados a efeito pela União (Ministério da Ciência e Tecnologia) indicam
que em princípio se cuida de uma falsa promessa.
Ademais, o Estado não é uma indústria farmacêutica: a ele
não cabe manipular a substância e distribui-la à população. Até porque o ente
federativo estadual, até o momento, não tem qualquer prova da eficácia do
composto no combater aos diversos tipos de câncer, e nem pode interferir nos
direitos de propriedade intelectual e industrial dos pesquisadores e na relação
destes com a indústria farmacêutica.
Nesse contexto, o que a lei permite é a produção e o uso da
fosfoetanolamina sintética, porém não determina ao Estado (e nem poderia fazê-
lo) o seu fornecimento. Cabe agora aos detentores da patente negociar junto à
indústria farmacêutica a produção da substância, para produção e distribuição às
pessoas que preencherem os requisitos dos arts. 1º e 2º da lei.
Conquanto o novo diploma legislativo seja de
constitucionalidade bastante duvidosa, já que atenta contra os direitos
constitucionais fundamentais, como o direito à saúde (CF, artigos 6º e 196), o
direito à segurança e à vida (artigo 5º, caput), bem como o desrespeito ao
princípio ou atributo da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, inciso III), e já
tenha desafiado a propositura de Ação Direta de Inconstitucionalidade perante o
STF, pela Associação Médica Brasileira (ADI nº 5501), a sua existência, em si, em
nada altera a questão aqui tratada.
Melhor colocando, a Lei n. 13.269 tem por objetivo por fim à
ilicitude de produzir, manufaturar, importar, distribuir, prescrever, dispensar,
possuir ou usar a fosfoetanolamina para fins terapêuticos, independentemente da
autorização da ANVISA, excepcionando-a da regra do artigo 273, § 1º-B, inciso I,
do Código Penal e refugindo às proibições da legislação sanitária (Lei nº 6.360/76,
artigos 12 e 66).
Como consequência, todo aquele que detém o conhecimento
técnico e a expertise da produção da Fosfoetanolamina sintética estaria, a partir
de então, autorizado a sintetizá-la, dando o destino que quiser à substância, sem
o temor de estar comento alguma ilicitude.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 539
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
18
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Ocorre que o processo de síntese química da
Fosfoetanolamina não é de conhecimento público. O processo tem vários detalhes
técnicos que são guardados como verdadeiros segredos industriais, o que
impossibilita outros profissionais químicos, ainda que extremamente gabaritados,
de reproduzi-lo.
Pelo que se sabe até o momento, apenas o docente
aposentado do Instituto de Química de São Carlos, o Prof. Dr. Gilberto Orivaldo
Chierice, criador do processo de sintetização da fosfoetanolamina, e o técnico,
não docente, da Universidade de São Paulo, Salvador Claro Neto, também titular
dos respectivos depósitos de pedido de patentes, é que detêm os conhecimentos
necessários para a produção da substância.
Parece ter chegado a hora, portanto, daqueles que são
detentores da fórmula mestra da Fosfoetanolamina sintética, de celebrar os
ajustes necessários, com a indústria farmacêutica que escolherem, para sintetizar
a substância, pois a nova legislação a tanto lhes permite.
Na sequência, poderão dispor do produto da maneira que
entenderem mais conveniente, assumindo, obviamente, a integral
responsabilidade pelo ato.
Diante desse novo cenário, qualquer paciente que se sentir
lesado no direito subjetivo criado pela nova Lei 13.269, poderá se valer das
medidas judiciais competentes para obter dos detentores da fórmula mestra da
Fosfoetanolamina sintética o que reputarem necessário.
Agora, em relação ao Estado de São Paulo, a situação jurídica
lamentada na inicial, nada se altera.
Ora, o Poder Público Estadual não detém qualquer
conhecimento desse processo químico de sintetização, não lhe sendo possível
manipular e muito menos fornecer a Fosfoetanolamina sintética, como querem as
milhares de ordens liminares suspensas.
Noutra ponta, por se tratar de substância ainda carente do
necessário aval da ciência médica para ser utilizado como efetivo tratamento de
neoplasias malignas, dada a incerteza que paira sobe os seus benefícios e os
seus riscos sobre a saúde dos seres humanos, o Estado de São Paulo ainda
considera o seu uso indiscriminado, sem o necessário acompanhamento médico,
um ato atentatório à saúde e à segurança públicas, assim como uma afronta à
dignidade da pessoa humana.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 540
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
19
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Não fosse por isso, em relação ao Estado de São Paulo, por
ser ente integrante do Sistema Único de Saúde, perdura específica vedação, por
conta do contido na Lei Orgânica da Saúde.
De fato o artigo 19-T da Lei nº 8.080/90, com a redação dada
pela Lei nº 12.401/2011, estabelece:
Art. 19-T São vedados, em todas as esferas de gestão do
SUS:
I - o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de
medicamento, produto e procedimento clínico ou cirúrgico experimental, ou de uso
não autorizado pela Agência Nacional
de Vigilância Sanitária - ANVISA;
II - a dispensação, o pagamento, o ressarcimento ou o
reembolso de medicamento e produto, nacional ou importado, sem registro na
Anvisa.
Assim, embora a nova Lei possibilite o uso voluntário da
Fosfoetanolamina por pacientes acometidos de cânceres, não estão os entes
governamentais integrantes do SUS autorizados, também por Lei, a manipular e
dispensar a substância.
Com a devida vênia, a Lei n. 13.269/2016 tem destinatários
específicos: os inventores do processo de síntese da Fosfoetanolamina, pois é
somente a partir deles que será possível fazer valer o propalado direito concedido
aos pacientes com cânceres. Sem eles, nada se realiza.
Calha mencionar, ainda, o teor do art. 4º, parágrafo único, da
Lei n. 13.269/2016:
Parágrafo único. A produção, manufatura, importação,
distribuição, prescrição e dispensação da fosfoetanolamina
sintética somente são permitidas para agentes regularmente
autorizados e licenciados pela autoridade sanitária
competente.
O Estado de São Paulo não se encontra nessa situação, eis
que não foi autorizado e licenciado pela autoridade sanitária competente para a
produzir ou dispensar a substância, até porque o ente federativo não é um
laboratório ou uma indústria farmacêutica, sendo que a manipulação de
compostos químicos não se encontra dentre as suas atribuições, objetivos ou
finalidades constitucionais.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 541
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
20
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Por derradeiro, imperativo destacar que em decisão tomada
pelo Plenário do e. STF no dia 19/05/2016, a Suprema Corte suspendeu a
eficácia da Lei n. 13.269/2016 até o julgamento do mérito da ação direta de
inconstitucionalidade proposta pela Associação Médica Brasileira.
A decisão, dada a sua magnitude, foi noticiada no portal do
Pretório Excelso no mesmo dia 19/05/2016:
Notícias STF
Quinta-feira, 19 de maio de 2016
STF suspende eficácia da lei que autoriza uso da
fosfoetanolamina
Por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal
(STF) deferiu nesta quinta-feira (19) medida liminar na Ação
Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5501 para suspender a
eficácia da Lei 13.269/2016 e, por consequência, o uso da
fosfoetanolamina sintética, conhecida como “pílula do câncer”.
A lei autoriza o uso da substância por pacientes
diagnosticados com neoplasia maligna.
A Associação Médica Brasileira (AMB), autora da ação,
sustenta que diante da ausência de testes da substância em
seres humanos e de desconhecimento acerca da eficácia do
medicamento e dos efeitos colaterais, sua liberação é
incompatível com direitos constitucionais fundamentais como
o direito à saúde (artigos 6° e 196), o direito à segurança e à
vida (artigo 5°, caput), e o princípio da dignidade da pessoa
humana (artigo 1°, inciso III).
Voto do relator
“Ao suspender a exigibilidade de registro sanitário da
fosfoetanolamina sintética, o ato atacado discrepa das balizas
constitucionais concernentes ao dever estatal de reduzir o
risco de doença e outros agravos à saúde dos cidadãos”,
disse o relator, ministro Marco Aurélio, em seu voto (leia a
íntegra) pelo deferimento da liminar para suspender a eficácia
da lei até o julgamento definitivo da ação.
O relator ressaltou que, ao dever do Estado de fornecer
medicamentos à população, contrapõe-se a responsabilidade
constitucional de zelar pela qualidade e segurança dos
produtos em circulação. O Congresso Nacional, para o
ministro, ao permitir a distribuição de remédio sem o controle
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 542
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
21
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
prévio de viabilidade sanitária pela Anvisa, não cumpriu com o
dever constitucional de tutela da saúde da população. “O
direito à saúde não será plenamente concretizado sem que o
Estado cumpra a obrigação de assegurar a qualidade das
drogas distribuídas aos indivíduos mediante rigoroso crivo
científico, apto a afastar desenganos, charlatanismos e efeitos
prejudiciais ao ser humano”.
Neste ponto, de acordo com o relator, há ofensa ao postulado
da separação de Poderes, uma vez que não cabe ao
Congresso Nacional viabilizar a distribuição de qualquer
medicamento, mas sim, à Anvisa. O ministro salienta que a
aprovação do produto pela agencia é condição para
industrialização, comercialização e importação com fins
comerciais, segundo o artigo 12 da Lei 6.360/1976. “Ante a
ausência do registro, a inadequação é presumida”.
“É no mínimo temerária e potencialmente danosa a
liberação genérica do medicamento sem a realização dos
estudos clínicos correspondentes, em razão da ausência, até
o momento, de elementos técnicos assertivos da viabilidade
da substância para o bem-estar do organismo humano. Salta
aos olhos, portanto, a presença dos requisitos para o
implemento da medida acauteladora”, concluiu o relator.
Primeiro a acompanhar o relator, o ministro Luís Roberto
Barroso entendeu que a autorização de uso da
fosfoetanolamina sintética anteriormente à realização de
testes necessários para comprovar que o composto seja
seguro e eficaz coloca em risco a saúde, o bem-estar e a vida
das pessoas, “em clara afronta ao direito à saúde”. Segundo
ele, também há, na hipótese, violação à reserva de
administração, uma vez que, ao autorizar o uso da
fosfoetanolamina sem cumprimento das exigências legais de
realização de testes clínicos e de registro sanitário, “o Poder
Legislativo substitui o juízo essencialmente técnico da Anvisa,
por um juízo político, interferindo de forma indevida em
procedimento de natureza tipicamente administrativo”.
De acordo com o ministro Teori Zavascki, a atividade em
questão pertence ao Poder Executivo, por essa razão ele
considerou relevante a alegação de inconstitucionalidade. “É
certo que o legislador pode disciplinar a matéria. O Sistema
Único de Saúde (SUS) atua nos termos da lei, todavia, não
parece constitucionalmente legítimo que o legislador, além de
legislar, assuma para si uma atividade tipicamente executiva”,
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 543
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
22
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
disse o ministro, ao votar pela concessão da liminar.
No mesmo sentido, votou o ministro Luiz Fux. Ele observou
que a utilização do composto pode apresentar um perigo
inverso, uma vez que não há uma aferição exata das
consequências do uso dessa substância, com possível
violação ao direito à saúde e a uma vida digna. O ministro
citou parecer da Anvisa, segundo o qual, o uso da
fosfoetanolamina pode favorecer o abandono de tratamentos
prescritos pela medicina tradicional, os quais podem beneficiar
ou curar a doença.
A ministra Cármen Lúcia também acompanhou o relator. De
acordo com ela, os médicos são unânimes no sentido de que
há riscos na utilização do composto e alegam que ainda não
se conhecem os seus efeitos colaterais. “Acho que a
interpretação conforme a Constituição liberaria de forma
ampla e geral [o uso da substância] e sem os cuidados
previstos pela Resolução nº 38, da Anvisa, que estabelece
como um dever da própria agência a verificação de
quais pacientes podem se submeter ao uso desse
medicamento”, ressaltou a ministra, ao acrescentar que a
concessão da liminar é “para que não se veja na pílula do
câncer mais uma pílula de engano para quem já está sofrendo
com o desengano”.
O presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, uniu-se
à maioria pelo deferimento da liminar. Segundo ele, permitir ao
parlamento legislar na área da farmacologia abre um
precedente “extremamente perigoso”, que coloca em risco a
própria saúde da população. “Não me parece admissível que
hoje o Estado sobretudo no campo tão sensível que é o
campo da saúde, que diz respeito à vida e à dignidade da
pessoa possa agir irracionalmente, levando em conta razões
de ordem metafísica ou fundado em suposições que não
tenham base em evidências científicas”, destacou.
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConte
udo=317011
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConte
udo=316998
http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/adi55
01MMA.pdf
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 544
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
23
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Destaca-se do voto condutor do Relator Ministro Marco Aurélio
os seguintes argumentos:
"Observem a organicidade do Direito e o âmbito da Lei nº
13.269/2016, autorizadora da comercialização de substância
química não submetida previamente a testes clínicos em seres
humanos. Ao suspender a exigibilidade do registro sanitário da
fosfoetanolamina sintética, o ato atacado discrepa das balisas
constitucionais concernentes ao dever estatal de reduzir o
risco de doença e outros agravos á saúde dos cidadãos
artigo 196 da Constituição Federal.
(...)
A esperança depositada pela sociedade nos medicamentos,
especialmente naqueles destinados ao tratamento de doenças
com o câncer, não pode se distanciar da ciência. Foi-se o
tempo da busca desenfreada pela cura sem o correspondente
cuidado com a segurança e eficácia das substâncias. O direito
à saúde não será plenamente concretizado sem que o Estado
cumpra a obrigação de assegurar a qualidade das drogas
distribuídas aos indivíduos mediante rigoroso crivo científico,
apto a afastar desenganos, charlatanismos e efeitos
prejudiciais ao seu humano.
(...)
Na elaboração do ato impugnado, o Congresso Nacional, ao
permitir a distribuição de remédio sem o controle prévio de
viabilidade sanitária, não cumpriu com o dever constitucional
de tutela da saúde da população. Impossível é tomar essa
constatação como intromissão indevida do Supremo na esfera
de atribuição dos demais Poderes. Decorre dos elementos
objetivos verificados nesse processo, especialmente no
tocante à ausência de registro da fosfoetanolamina sintética.
A aprovação do produto no órgão do Ministério da Saúde é
condição para industrialização, comercialização e importação
com fins comerciais, segundo o artigo 12 da Lei nº
6.360/1976. O registro ou cadastro mostra-se condição para o
monitoramento, pela Agência fiscalizadora, da segurança,
eficácia e qualidade terapêutica do produto. Ante a ausência
do registro, a inadequação é presumida.
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 545
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
24
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
No caso, a lei suprime, casuisticamente, a exigência do
registro da fosfoetanolamina sintética como requisito para
comercialização, evidenciando que o legislador deixou em
segundo plano o dever constitucional de implementar políticas
públicas voltadas à garantia da saúde da população. O
fornecimento de medicamentos, embora essencial à
concretização do Estado Social de Direito, não pode ser
conduzido com o atropelo dos requisitos mínimos de
segurança para o consumo da população, sob pena de
esvaziar-se, por via traversa, o próprio conteúdo do direito
fundamental à saúde.
Vislumbro, na publicação do diploma combatido, ofensa ao
postulado da separação de Poderes. A Constituição incumbiu
o Estado, aí incluídos todos os respectivos Poderes, do dever
de zelar pela saúde da população. No entanto, considerada a
descentralização técnica necessária para a fiscalização de
atividades sensíveis, foi criada, nos termos do artigo 37, inciso
IX, do Diploma Maior, a Agência Nacional de Vigilância
Sanitária ANVISA, à qual compete, enquanto autarquia
vinculada ao Ministério da Saúde, autorizar a distribuição de
substâncias químicas, segundo protocolos cientificamente
validados
O controle dos medicamentos fornecidos à população é
efetuado, tendo em conta a imprescindibilidade de aparato
técnico especializado, por agência reguladora supervisionada
pelo Poder Executivo. A atividade fiscalizatória artigo 174 da
Constituição Federal dá-se mediante atos administrativos
concretos de liberação das substâncias, devidamente
precedidos de estudos técnicos científicos e experimentais.
Ao Congresso Nacional não cabe viabilizar, por ato abstrato e
genérico, a distribuição de qualquer medicamento.
(...)
É no mínimo temerária e potencialmente danosa a
liberação genérica do medicamento sem a realização dos
estudos clínicos correspondentes, em razão da ausência, até
o momento, de elementos técnicos assertivos da viabilidade
da substância para o bem-estar do organismo humano. Salta
aos olhos, portanto, a presença dos requisitos para o
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 546
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
25
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
implemento da medida acauteladora.
Ante o quadro, defiro a liminar pleiteada para suspender a
eficácia da Lei nº 13.269/2016, até o julgamento definitivo
desta ação direta de inconstitucionalidade".
Com bem pontuado pelo I. Ministro do STF, o artigo 12 da Lei
n.º 6.360/76, a qual estão subordinados os medicamentos no âmbito nacional, é
bastante claro ao determinar a impossibilidade de utilização de medicamentos
serem industrializados, expostos à venda ou entregues ao consumo, sem
registro prévio no Ministério da Saúde.
Ainda, o artigo 66 da Lei n.º 6360/76 prevê à aplicação de
penas ao descumprimento da mesma, in verbis:
"Art. 66. A inobservância dos preceitos desta Lei, de seu
regulamento e normas complementares configura infração de
natureza sanitária, ficando sujeito o infrator ao processo e
às penalidades previstos no Decreto-Lei nº 785, de 25 de
agosto de 1969, sem prejuízo das demais cominações civis e
penais cabíveis.
Parágrafo Único. O processo a que se refere este artigo
poderá ser instaurado e julgado pelo Ministério da Saúde ou
pelas autoridades sanitárias dos Estados, do Distrito Federal e
dos Territórios, como couber."
E tais normas têm a sua razão de ser, a sua finalidade
constitucional, tal com bem lembrado no voto condutor do I. Ministro, no fato
do registro do medicamento perante a ANVISA objetivar garantir a sua
segurança e eficácia para o uso que se propõe, tanto do ponto de vista
clínico como terapêutico.
Tanto é assim que a Lei federal n. 9.782/99 considera
medicamentos de uso humano apenas os produtos submetidos a controle e
fiscalização da ANVISA.
Nesse talante, à guisa de esclarecimento, cumpre trazer à
baila a nota técnica emitida pela ANVISA sobre a substância fosfoetanolamina,
certamente por conta da avalanche de ações pleiteando a substância, geradora
de graves riscos para a saúde pública (negritos nossos, disponível para consulta
em http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+
imprensa/menu+-+noticias+anos/2015/pesquisas+clinicas+sobre+
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 547
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
26
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
fosfoetanolamina+nao+foram+encaminhadas+a+anvisa):
"Nos últimos dias, tem circulado nas redes sociais e em outros
veículos de comunicação a informação sobre uma substância
chamada Fosfoetanolamina. Tal substância teria sido
desenvolvida por um cientista da Universidade de São Paulo
(USP), com resultados favoráveis no combate ao câncer. De
acordo com as notícias, o produto estaria sendo distribuído,
gratuitamente, aos interessados.
Antes de qualquer medicamento ser disponibilizado para uso
do Brasil, é necessária a avaliação de ensaios clínicos. Essa
análise tem por finalidade atestar a eficácia e a segurança do
produto que será registrado como medicamento no País.
Em alguns casos, a Agência pode autorizar o acesso a
medicamentos que ainda não tiveram ensaios clínicos
concluídos ou obtiveram registro na Anvisa, como no caso
de Uso Compassivo, Acesso Expandido ou por meio do
Programa de Fornecimento de Medicamento Pós-Estudo. A
venda ou distribuição de qualquer medicamento sem registro,
fora do contexto de uma pesquisa clínica aprovada ou fora de
qualquer outro programa de acesso à medicamentos
experimentais, é uma prática irregular segundo os princípios
de segurança adotados pelas principais agências reguladoras
de medicamentos do mundo.
No caso da Fosfoetanolamina, a Anvisa não recebeu
qualquer pedido de avaliação para registro desta
substância, tampouco pedido de pesquisa clínica, que é a
avaliação com pacientes humanos. Isto significa que não
há nenhuma avaliação de segurança e eficácia do produto
realizada com o rigor necessário para a sua validação
como medicamento."
Ainda, cabe anotar que, o artigo 273, parágrafo 1º-B, inciso I
do Código Penal, com a redação que lhe deu a Lei n.º 9.677/98, considera crime
hediondo importar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de
qualquer forma, distribuir ou entregar a consumo o produto sem registro, quando
exigível, no órgão de vigilância sanitária competente.
Não é demais ressaltar que a parte autora sequer juntou aos
autos prescrição médica, representando grave ofensa ao art. 333, inciso I, do
CPC73 (ou art. 373, inciso I, do CPC15).
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 548
PROCURADORIA GERAL DO ESTADO
PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO
PRETO
___________________________________________________________
27
Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239
2016.01.091662
Cristalino, assim, que a pretensão da parte autora com a
presente demanda mostra-se completamente contra legem, de modo que, caso o
Estado de São Paulo for compelido a entregar a substância pleiteada, haverá
flagrante violação ao princípio da legalidade, tendo em vista a ampla violação a
normas federais, como exposto acima.
DO REQUERIMENTO.
Posto isso, a Fazenda do Estado requer seja dado seguimento
e posterior provimento, com a finalidade de anular ou, subsidiariamente, reformar
o V. Acórdão, julgando-se improcedente o pedido da autora, ora recorrida.
São José do Rio Preto, 16 de novembro de 2017.
THAIS DE LIMA B. PEREIRA ZANOVELO
Procuradora do Estado de São Paulo
OAB/SP Nº 151.765
Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462.
Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800.
fls. 549

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Spprevliminarsentença
SpprevliminarsentençaSpprevliminarsentença
SpprevliminarsentençaFabio Motta
 
Justiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e Sanchez
Justiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e SanchezJustiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e Sanchez
Justiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e SanchezEditora 247
 
Alerta tce hospital de campanha serra talhada sertao
Alerta tce hospital de campanha serra talhada sertaoAlerta tce hospital de campanha serra talhada sertao
Alerta tce hospital de campanha serra talhada sertaoMatheusSantos699
 
Fala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 mil
Fala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 milFala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 mil
Fala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 milMarcelo Auler
 
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedênciaSentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedênciaMurilo Pinto
 
Decisão Ministro Marco Aurélio SFT
Decisão Ministro Marco Aurélio SFTDecisão Ministro Marco Aurélio SFT
Decisão Ministro Marco Aurélio SFTPortal NE10
 
Impacto pr ed_742_-_pag_35
Impacto pr ed_742_-_pag_35Impacto pr ed_742_-_pag_35
Impacto pr ed_742_-_pag_35Angelo Rigon
 
Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.
Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.
Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.Sabrina Gonçalves
 
Recurso contra desaprovação ctas 2008 paracuru
Recurso contra desaprovação ctas 2008 paracuruRecurso contra desaprovação ctas 2008 paracuru
Recurso contra desaprovação ctas 2008 paracuruFrancisco Luz
 
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...Fernando Sousa
 
Ministro do STF cassa liminar que suspendia privatização da Eletrobras
Ministro do STF cassa liminar que suspendia privatização da EletrobrasMinistro do STF cassa liminar que suspendia privatização da Eletrobras
Ministro do STF cassa liminar que suspendia privatização da EletrobrasPortal NE10
 
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunoSentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunodouglasvelasques
 
MPF - Pedido de impugnação de candidato
MPF - Pedido de impugnação de candidatoMPF - Pedido de impugnação de candidato
MPF - Pedido de impugnação de candidatotimbaubaagora
 
Requerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivas
Requerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivasRequerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivas
Requerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivasdiariodocentrodomundo
 

Mais procurados (20)

Desistência de ação Recife
Desistência de ação RecifeDesistência de ação Recife
Desistência de ação Recife
 
A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
 
Spprevliminarsentença
SpprevliminarsentençaSpprevliminarsentença
Spprevliminarsentença
 
Ronire reis
Ronire reisRonire reis
Ronire reis
 
Justiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e Sanchez
Justiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e SanchezJustiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e Sanchez
Justiça decreta prisão preventiva de médicos Ibsen e Sanchez
 
Decisão do TRF5
Decisão do TRF5Decisão do TRF5
Decisão do TRF5
 
Alerta tce hospital de campanha serra talhada sertao
Alerta tce hospital de campanha serra talhada sertaoAlerta tce hospital de campanha serra talhada sertao
Alerta tce hospital de campanha serra talhada sertao
 
Fala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 mil
Fala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 milFala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 mil
Fala de Bolsonaro leva procurador a pedir multa de R$ 100 mil
 
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SCConstitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
 
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedênciaSentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
Sentença - jornada de 5h para jornalista no serviço público - improcedência
 
Decisão Ministro Marco Aurélio SFT
Decisão Ministro Marco Aurélio SFTDecisão Ministro Marco Aurélio SFT
Decisão Ministro Marco Aurélio SFT
 
Impacto pr ed_742_-_pag_35
Impacto pr ed_742_-_pag_35Impacto pr ed_742_-_pag_35
Impacto pr ed_742_-_pag_35
 
Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.
Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.
Ed 1 2008_prf_policia rodoviaria fed.
 
Recurso contra desaprovação ctas 2008 paracuru
Recurso contra desaprovação ctas 2008 paracuruRecurso contra desaprovação ctas 2008 paracuru
Recurso contra desaprovação ctas 2008 paracuru
 
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
 
Ministro do STF cassa liminar que suspendia privatização da Eletrobras
Ministro do STF cassa liminar que suspendia privatização da EletrobrasMinistro do STF cassa liminar que suspendia privatização da Eletrobras
Ministro do STF cassa liminar que suspendia privatização da Eletrobras
 
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunoSentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
 
MPF - Pedido de impugnação de candidato
MPF - Pedido de impugnação de candidatoMPF - Pedido de impugnação de candidato
MPF - Pedido de impugnação de candidato
 
Requerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivas
Requerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivasRequerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivas
Requerimento de informações do Ministério da Economia sobre apostas esportivas
 
Aco 3.463 mc
Aco 3.463 mcAco 3.463 mc
Aco 3.463 mc
 

Semelhante a Recurso Especial contra decisão que determinou fornecimento de substância química sem registro na ANVISA

Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053
Sentença parcial procedente   0020655-77.2013.8.26.0053Sentença parcial procedente   0020655-77.2013.8.26.0053
Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053macohinadv
 
Sentençaleidaentrega
SentençaleidaentregaSentençaleidaentrega
Sentençaleidaentregaefoadv
 
ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes ComunicaoPT
 
Sentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficioSentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficioAdvocacia Toigo
 
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...Marcelo Bancalero
 
Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...
Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...
Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...Luís Carlos Nunes
 
2340393-54.2023.8.26.0000.pdf
2340393-54.2023.8.26.0000.pdf2340393-54.2023.8.26.0000.pdf
2340393-54.2023.8.26.0000.pdfVictorDias844597
 
05007 12 parecer_squeiroz
05007 12 parecer_squeiroz05007 12 parecer_squeiroz
05007 12 parecer_squeirozFernandoperisse
 
Acordão supermercado
Acordão supermercadoAcordão supermercado
Acordão supermercadodumontebello
 
Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2
Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2
Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2Tania Gurgel
 
AGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveis
AGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveisAGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveis
AGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveisPriscila Miranda
 
URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...
URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...
URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...Fabio Motta
 
Agravo do lockdown
Agravo do lockdownAgravo do lockdown
Agravo do lockdownJamildo Melo
 
Ss mendonca x pcr representacao mp iptu
Ss mendonca x pcr   representacao mp iptuSs mendonca x pcr   representacao mp iptu
Ss mendonca x pcr representacao mp iptuJamildo Melo
 
Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...
Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...
Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...Fabio Motta
 
Juiz da Publicano pede que processo vá pra Curitina
Juiz da Publicano pede que processo vá pra CuritinaJuiz da Publicano pede que processo vá pra Curitina
Juiz da Publicano pede que processo vá pra CuritinaClaudio Osti
 
Contribuição custeio saude
Contribuição custeio saudeContribuição custeio saude
Contribuição custeio saudeFabio Motta
 

Semelhante a Recurso Especial contra decisão que determinou fornecimento de substância química sem registro na ANVISA (20)

Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053
Sentença parcial procedente   0020655-77.2013.8.26.0053Sentença parcial procedente   0020655-77.2013.8.26.0053
Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053
 
Sentençaleidaentrega
SentençaleidaentregaSentençaleidaentrega
Sentençaleidaentrega
 
ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes
 
Sentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficioSentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficio
 
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
 
Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...
Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...
Supermercados Lourencini de Mauá entra na justiça para não fornecer máscaras ...
 
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
 
2340393-54.2023.8.26.0000.pdf
2340393-54.2023.8.26.0000.pdf2340393-54.2023.8.26.0000.pdf
2340393-54.2023.8.26.0000.pdf
 
05007 12 parecer_squeiroz
05007 12 parecer_squeiroz05007 12 parecer_squeiroz
05007 12 parecer_squeiroz
 
Acordão supermercado
Acordão supermercadoAcordão supermercado
Acordão supermercado
 
Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2
Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2
Multa punitiva caráter pedagógico re 602686 ag r 2
 
AGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveis
AGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveisAGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveis
AGU recorre contra liminar que suspende reajuste de impostos sobre combustíveis
 
URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...
URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...
URGENTE - STF derruba decisão do Presidente do TJSP que havia suspendido o fo...
 
Agravo do lockdown
Agravo do lockdownAgravo do lockdown
Agravo do lockdown
 
Ss mendonca x pcr representacao mp iptu
Ss mendonca x pcr   representacao mp iptuSs mendonca x pcr   representacao mp iptu
Ss mendonca x pcr representacao mp iptu
 
Agravo de instrumento origem 5053793-50.2020.8.24.0023 (1)
Agravo de instrumento   origem 5053793-50.2020.8.24.0023 (1)Agravo de instrumento   origem 5053793-50.2020.8.24.0023 (1)
Agravo de instrumento origem 5053793-50.2020.8.24.0023 (1)
 
Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...
Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...
Liminar Concedida - Advocacia do Estado alega que não tem condições financeir...
 
Juiz da Publicano pede que processo vá pra Curitina
Juiz da Publicano pede que processo vá pra CuritinaJuiz da Publicano pede que processo vá pra Curitina
Juiz da Publicano pede que processo vá pra Curitina
 
parecer pgr caso juvanete
parecer pgr caso juvaneteparecer pgr caso juvanete
parecer pgr caso juvanete
 
Contribuição custeio saude
Contribuição custeio saudeContribuição custeio saude
Contribuição custeio saude
 

Recurso Especial contra decisão que determinou fornecimento de substância química sem registro na ANVISA

  • 1. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 1 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO APELAÇÃO Nº. 1016377-58.2015.8.26.0566 EMBARGANTE: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO APELADA: VANESSA AMARAL DA SILVA FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO por seu procurador infra-assinado, vem, respeitosamente perante Vossa Excelência, nos autos do recurso em epígrafe, por entender, data venia , que o v. acórdão de fls. afrontou dispositivos de Lei Federal, interpor com fulcro no art. 105, inciso III, letra "a"", da Constituição Federal, o presente RECURSO ESPECIAL para o Excelso Superior Tribunal de Justiça, por infração dos artigos 1º, 12 e 66 da Lei Federal nº 6360/76, bem como, da Lei Federal 9.782/99 e os artigos 19-M, I, e 19-P, §2°, I, e 19-T da Lei n° 8.080/1990, com a redação conferida pela Lei n. 12.401/2011, bem como do art. 4º, caput e parágrafo 9º, da Lei 8.437/92. Nestes termos, p. deferimento. São José do Rio Preto, 16/11/2017. THAIS DE LIMA B. PEREIRA ZANOVELO PROCURADOR DO ESTADO OAB/SP Nº 151.765 Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 523
  • 2. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 2 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 RECURSO ESPECIAL EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA APELAÇÃO Nº. 1016377-58.2015.8.26.0566 EMBARGANTE: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO APELADA: VANESSA AMARAL DA SILVA EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL COLENDA CÂMARA EXCELENTÍSSIMOS MINISTROS O v. Acórdão condenou a recorrente a fornecer ao recorrido A SUBSTÂNCIA QUÍMICA SINTÉTICA FOSFOETANOLAMINA. O Eg. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ao negar provimento ao recurso do Estado afrontou, dentre outros, os comandos contidos nos artigos 2o., 22, XXIII, 97, 196, 197 e 200, I e II, da Lei Maior e Súmula Vinculante n. 10, na medida em que determinou a entrega de produto químico sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA, ou seja, cuja comercialização não é permitida no Brasil. Inconformada com o v. acórdão recorrido, interpõe a Fazenda do Estado o presente recurso especial diante da violação das apontadas normas da Constituição Federal. DO CABIMENTO DO RECURSO ESPECIAL : Entende-se que, in casu, ocorreu o prequestionamento explícito ou ao menos o denominado implícito, uma vez que a questão federal surgiu com a aplicação equivocada do dispositivo acima mencionados. Ilustres Julgadores, o respeitável Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ao negar provimento ao Apelo da Fazenda do Estado, afrontou o comando contido nos artigos 1º, 6º parágrafo único e artigo 12 da Lei n. 6360, de 23 de setembro de 1976, artigos 2º, parágrafo 1º e 7º, inciso IV, da Lei Orgânica Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 524
  • 3. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 3 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 da Saúde ( Lei n. 8080/90) e artigo 273, parágrafo 1º-B do Código Penal, alterado pela Lei 9.677, de 2 de julho de 1998, bem como, da Lei Federal 9.782/99 e os artigos 19-M, I, e 19-P, §2°, I, e 19-T da Lei n° 8.080/1990, com a redação conferida pela Lei n. 12.401/2011, bem como do art. 4º, caput e parágrafo 9º, da Lei 8.437/92. Referida contrariedade à lei federal, autoriza, nos termos do Art. 105, III, “a”, da CF, a interposição de recurso especial DO PREQUESTIONAMENTO A matéria federal foi devidamente prequestionada nos presentes autos. PRELIMINARMENTE I - CARÊNCIA DE AÇÃO - ILEGITIMIDADE PASSIVA DA FESP Conforme detalhadamente exposto em defesa, a FESP não é parte legítima para responder à ação, pois embora o recorrido procure fundamentar seu pedido no dispositivo constitucional que assegura a assistência integral à saúde (art. 196 da CF), é certo que ele não pleiteia a assistência necessária ao combate de sua moléstia, mas sim, o fornecimento de substância específica, cuja produção e dispensação não depende da Administração Direta, ora recorrente. A recorrente não possui meios legais para compelir o pesquisador da USP a manufaturar a substância, muito menos ingerência administrativa para determinar que a USP autorize o uso de sua instalações. Com a devida vênia, o argumento exposto na sentença, segundo o qual a FESP seria solidariamente responsável porque " é o Estado quem garante o orçamento da USP e pode custear a matéria prima necessária à confecção da substância, para qua não venha a faltar" carece de fundamentação jurídica sólida e não deveria ter sido mantida em segunda instância. A rigor, é o Estado, no sentido de Administração Direta, que, na condição de gestor do erário, garante todos os orçamentos da Administração Pública, inclusive dos outros poderes. Exemplificando, embora seja o responsável pela integralização do orçamento do Poder Judicíario, o Poder Executivo não pode intervir na gestão administrativa do Tribunal de Justiça. Da mesma forma, embora os valores que custeiam as atividades Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 525
  • 4. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 4 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 das autarquias sejam garantidos pelo Poder Executivo, o Estado e a autarquia continuam sendo entes jurídicos distintos, não cabendo ao primeiro intervir na gestão universitária. Se aceitarmos a linha de raciocínio exposta no v. acórdão, toda ação judicial contra qualquer autarquia, fundação pública de direito público ou empresa pública também deveria ser ajuizada contra a Fazenda Pública. Com a devida vênia, a decisão contraria princípios basilares do Direito Administrativo ao sustentar que a corré USP, por ser uma autarquia estadual, está sujeita indistintamente ao comando do Poder Executivo. A Administração Direta legalmente não pode interferir na gestão dos projetos e recursos da USP, sob pena de ferir a autonomia universitária, princípio tão relevante que mereceu a proteção de nossa Lei Maior: "Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático- científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão." A ilegitimidade de parte da Fazenda conduz, no caso, até mesmo à impossibilidade material de cumprimento do pedido, ainda que venha este E. Tribunal a manter a procedência do pedido . Se o pesquisador e sua equipe simplesmente deixar de produzir a droga ou a correquerida USP resolver não entrega-la, a FESP sequer poderá adquirir a substância pelos seus próprios meios, visto que ela não se encontra no mercado. De nada adiantará a aplicação da pesada multa diária imposta na sentença se a apelante simplesmente não tem como cumprir a determinação judicial. Repetimos, somente a corré USP detém as condições materiais necessárias ao cumprimento da obrigação de fazer, considerando-se que possui os meios materiais e que são os seus servidores que detém a expertise necessária para a manipulação da substância. Não é outro o motivo pelo qual, até o momento, é a USP que efetivamente vem cumprindo a antecipação da tutela, sem nenhuma participação da apelante. Inúmeras decisões do Tribunal de origem, em ações semelhantes, tem decidido pela exclusão da Fazenda do polo passivo, pela sua impossibilidade de produzir a substância pleiteada: Agravo de Instrumento - Medida Cautelar Fornecimento Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 526
  • 5. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 5 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 demedicamentos Paciente portador de Câncer de fígado e nódulo na cabeça Substância antitumoral produzida pelo Instituto de Química da USP que durante muitos anos foi produzida e distribuída gratuitamente - Portaria IQSC 1389/2014 que vedou a produção e distribuição da referida substância Decisão que concedeu liminar para determinar que a agravante forneça a substância Ilegitimidade passiva da Fazenda do Estado de São Paulo caracterizada, porquanto a substância é exclusivamente desenvolvida e fornecida pela Universidade de São Paulo, autarquia que é titular de direitos e obrigações - Verossimilhança e perigo de dano irreparável presentes Ausência de motivo para reforma da decisão proferida, que não se mostra ilegal ou teratológica. Recurso da Fazenda do Estado de São Paulo provido. Recurso da Universidade de São Paulo desprovido. AGRAVOS DE INSTRUMENTO Nº 2191067-35.2014.8.26.0000 e 2192799 -51.2014.8.26.0000 AGRAVO DE INSTRUMENTO Pretensão de fornecimento de fosfoetanolamina sintética, substância antitumoral produzida pelo Instituto de Química da USP Substância que vinha sendo distribuída ao agravante e a outros portadores de neoplasias até o advento da Portaria IQSC 1389/2014 que limitou sua distribuição Decisão agravada que concedeu a antecipação dos efeitos da tutela para determinar que a substância continue sendo fornecida ao agravante Manutenção Perigo de dano irreparável e de difícil reparação Juízo 'a quo' que não agiu com ilegalidade ou abuso de poder. Ilegitimidade passiva da Fazenda do Estado de SãoPaulo caracterizada, tendo em vista que a substância é exclusivamente desenvolvida e fornecida pela Universidade de São Paulo. Recurso da Fazenda do Estado de São Paulo provido e desprovido o recurso da Universidade de São Paulo. Agravos de instrumentos nº 2185973-09.2014.8.26. 0000 e 2189739-70.2014.8.26.0000 CAUTELAR INOMINADA. Substância sintéticasem registro na ANVISA para tratamento de doença grave. Suspensão do Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 527
  • 6. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 6 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 fornecimento por meio de Portaria do Diretor do Instituto de Química de São Carlos. Decisão que defere liminar para garantir a disponibilização. Ilegitimidade passiva da FESP. Substância experimental produzida e disponibilizada gratuitamente pela USP, autarquia que é titular de direitos e obrigações, não se tratando de remédio de alto custo ou importado. Efeito translativo dos recursos. Inteligência do art. 267, VI e §3º, do CPC. Precedentes. Extinção ex officio do feito na origem com relação à agravante. AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2206428- 92.2014.8.26.0000 Agravo de Instrumento - Medida Cautelar Fornecimento de medicamentos Paciente portador de Câncer de fígado e nódulo na cabeça Substância antitumoral produzida pelo Instituto de Química da USP que durante muitos anos foi produzida e distribuída gratuitamente - Portaria IQSC 1389/2014 que vedou a produção e distribuição da referida substância - Decisão que concedeu liminar para determinar que a agravante forneça a substância Ilegitimidade passiva da Fazenda do Estado de São Paulo caracterizada, porquanto a substância é exclusivamente desenvolvida e fornecida pela Universidade de São Paulo, autarquia que é titular de direitos e obrigações - Verossimilhança e perigo de dano irreparável presentes Ausência de motivo para reforma da decisão proferida, que não se mostra ilegal ou teratológica. Recurso da Fazenda do Estado de São Paulo provido. Recurso da Universidade de São Paulo desprovido. AGRAVOS DE INSTRUMENTO Nº 2223771-04.2014.8.26.0000 2227087-25.2014.8.26. 0000 Agravo de Instrumento Ação Ordinária Direito à saúde Recurso manejado contra decisão que deferiu a antecipação dos efeitos da tutela, determinando a disponibilização de substância pleiteada e produzida pelo Instituto de Química da USP Recurso manejado pela Fazenda do Estado de São Paulo - Provimento de rigor Ilegitimidade passiva da Fazenda Estadual reconhecida de ofício No caso específico dos autos, a demanda envolve o fornecimento de substância Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 528
  • 7. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 7 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 desenvolvida e fornecida exclusivamente pela Universidade de São Paulo De rigor a exclusão da agravante do polo passivo, devendo a ação, em relação à ela, ser julgada extinta sem julgamento do mérito, nos termos do art. 267, VI, do CPC Recurso da FESP provido. Agravo de Instrumento nº 2206570-96.2014.8.26.0000 AGRAVO DE INSTRUMENTO Fazenda Pública - Obrigação de fazer Fornecimento de substância experimental Antecipação de tutela concedida em primeiro grau O Estado não está obrigado a fornecer tratamento experimental - Outrossim, impossibilidade de cumprimento da obrigação por parte do Estado Pesquisa realizada pela corré USP Entidade dotada de “autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial” Inteligência do art. 207 da CF Reforma da decisão a quo - Recurso provido. Agravos de Instrumento: 2032192-30.2015.8.26.0000 e 2037245-89 2015.8.26.0000 Assim, ao manter o Estado no pólo passivo, o v. Acórdão ofende o disposto no artigo 17 e 485, VI, do CPC15, já vigente quando do proferimento da decisão (ou artigos 267, VI, e 3º do CPC73). Destarte, ante a ilegitimidade de parte e impossibilidade material de cumprimento do pedido, requer seja respeitada a legislação federal acima invocada e reconhecida a ilegitimidade passiva do Estado, reformando-se o v. Acórdão. II - DO CERCEAMENTO DE DEFESA No presente caso houve evidente cerceamento de defesa, visto que a recorrente sequer teve oportunidade de pleitear a produção de provas, diante do julgamento prematuro do feito. Pela singularidade do caso, envolvendo a dispensação de substância química sem registro na ANVISA e SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA, seria fundamental a realização de prova pericial, objetivando apurar a pertinência da substância pleiteada. O processo não estava maduro para julgamento, sendo, pois, Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 529
  • 8. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 8 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 incabível o julgamento antecipado da lide. Neste sentido é reiterado o entendimento da jurisprudência. Verbis: “Sobre o cabimento ou não do julgamento antecipado não depende da convicção antecipada do juiz, mas da natureza da controvérsia e da situação objetiva constante dos autos. Não é porque o magistrado já se convenceu a respeito dos fatos que deve indeferir as provas e julgar antecipadamente. Nem porque a tese jurídica é adversa. Somente não se permitirá a prova se esta for, como se disse, irrelevante e impertinente. Dois erros o juiz deve evitar, porque ele não é o único órgão julgador, cabendo-lhe instruir adequadamente o processo a fim de que possa ser julgado, também, em grau de apelação; indeferir, provas pertinentes porque já se convenceu em sentido contrário e, igualmente, indeferir provas porque, em seu entender, a interpretação do direito não favorece o autor. Em ambos os casos, o indeferimento de provas ou o julgamento antecipado seria precipitado, com cerceamento da atividade da parte, caracterizador de nulidade. O Supremo Tribunal Federal, com razão, tem anulado sentenças e acórdãos que incorreram em um desses dois defeitos, ou seja, o julgamento antecipado quando a questão era também de fato sem que se tivesse dado a oportunidade á parte de produzir (...) Pelo exposto, acolho o pedido preliminar e dou provimento ao recurso para declarar a nulidade da sentença (TJ-SP Ac. Unân. da 9ª Câm. de Direito Privado, de 14.12.2004 Ap. Civ. 343.959.4/2 Rel. Des. Silveira Netto) DIREITO À SAÚDE. REALIZAÇÃO DE EXAME. CERCEAMENTO DE DEFESA. 1. Ação ajuizada para obter fornecimento de medicamento para tratamento de doença que acomete o autor. Laudo médico contestado pela ré, com pedido de realização de perícia técnica. 2. Direito de produção de prova não observado durante a instrução. Cerceamento de defesa. Afronta ao direito constitucional ao contraditório. Jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça. Sentença anulada. Recurso provido." (TJSP. Processo: 0015847-77.2013.8.26.0037. 5ª Câmara de Direito Público. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 530
  • 9. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 9 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Rel. Des. Nogueira Diefenthäler, j. 29/09/2014) "ORDINÁRIA OBRIGAÇÃO DE FAZER FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS PROVA PERICIAL DESTINADA À AVERIGUAÇÃO DA EFETIVA NECESSIDADE DOS FÁRMACOS DEFERIDA, EXPEDINDO-SE, ATO CONTÍNUO, OFÍCIO AO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE PARA A REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO MÉDICA DO AUTOR SUPERVENIÊNCIA DE OFÍCIO-RESPOSTA NO SENTIDO DE INVIABILIDADE DE REALIZAÇÃO DA PROVA COM FUNDAMENTO NA AUSÊNCIA DE PROFISSIONAL HABILITADO COM SUGESTÃO DE REALIZAÇÃO PELO IMESC AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO DAS PARTES QUANTO AO TEOR DO OFÍCIO, SEGUINDO-SE SENTENCIAMENTO DO FEITO COM FUNDAMENTO NA DISPENSA DE REALIZAÇÃO DA PERÍCIA - CERCEAMENTO DE DEFESA CARACTERIZADO, NOS TERMOS DA FUNDAMENTAÇÃO SENTENÇA ANULADA REMESSA NECESSÁRIA E RECURSO VOLUNTÁRIO DA FESP PROVIDOS PARA DETERMINAR A REMESSA DOS AUTOS À VARA DE ORIGEM, COM OBSERVAÇÃO" (TJSP. Apelação nº 0021612-29.2013.8.26.0037. Rel. Des. Ferraz de Arruda, j. 21.01.2015, vu) A ausência de abertura da fase instrutória representa ofensa ao art. 464, par. 1º, incisos I a III, do CPC15 (ou equivalente no art. 420, par. 1º, incisos I a III, do CPC73). Diante de tudo o exposto, a recorrente espera que este E.Tribunal seja sensível aos argumentos ora expendidos e anule o julgamento da instância ordinária, para que seja reconhecida a necessidade de prova pericial no caso vertente. DO MÉRITO RECURSAL Cuida-se o presente Recurso Especial de inconformismo do Estado de São Paulo contra decisão do Tribunal de Justiça deste, que condenou o tesouro ao fornecimento do produto de nome FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA. Esta substância sequer é CONSIDERADA MEDICAMENTO. Não é fornecido pela rede pública de saúde em razão de não ter sido aprovado pelo órgão regulatório competente a ANVISA. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 531
  • 10. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 10 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Contudo, é necessário repisar que o SUS disponibiliza outros medicamentos para tratamento da doença que acomete o recorrido fornecidos de acordo com o estabelecido pelo Ministério da Saúde. A Lei n. 6.360/76 é bastante clara ao estabelecer que os medicamentos, as drogas e os insumos farmacêuticos (art. 1º), inclusive os importados, não podem ser expostos à venda ou entregues a consumo, antes de registrados no Ministério da Saúde (art. 12), pena de se configurar infração de natureza sanitária (art.66): Vale relembrar sua dicção: Art. 12 - Nenhum dos produtos de que trata esta Lei, inclusive os importados, poderá ser industrializado, exposto à venda ou entregue ao consumo antes de registrado no Ministério da Saúde. Art. 66. A inobservância dos preceitos desta Lei, de seu regulamento e normas complementares configura infração de natureza sanitária, ficando sujeito o infrator ao processo e às penalidades previstos no Decreto-Lei nº 785, de 25 de agosto de 1969, sem prejuízo das demais cominações civis e penais cabíveis. E tal norma tem sua razão de ser. O registro do medicamento perante a ANVISA objetiva garantir a sua segurança e eficácia para o uso que se propõe, tanto do ponto de vista clínico como terapêutico. Tanto é assim que a Lei federal n. 9.782/99 considera medicamentos de uso humano apenas os produtos submetidos a controle e fiscalização da ANVISA. De sua parte, o artigo 273, parágrafo 1º-B, inciso I, do Código Penal, com a redação que lhe deu a Lei n. 9.677, de 2 de julho de 1998, considera crime hediondo importar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribuir ou entregar a consumo o produto sem registro, quando exigível, no órgão de vigilância sanitária competente. Quer isso dizer que não há como pretender obrigar o Poder Público Estadual ao cumprimento de pretensão sabidamente ilegal. E não se ponha em dúvida a assertiva, pois a aprovação do fármaco pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária é imprescindível. Segundo os termos do art. 200, incisos I e II, da Constituição Federal, compete ao Sistema Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 532
  • 11. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 11 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Único de Saúde "controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de interesse para a saúde" e "executar ações de vigilância sanitária". Entretanto, entende a Fazenda que questão importante para o cumprimento do julgado, a saber, a O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO NEGOU A VIGÊNCIA DA LEI FEDERAL Nº 12.401/2011. O v. acórdão recorrido impôs ao Estado a obrigação de fornecer à parte autora o medicamento requerido na petição inicial, em que pese o REPISADO ALERTA DE QUE ESSE SE TRATA DE PRODUTO NÃO APROVADO PELA ANVISA, QUE SEQUER É MEDICAMENTO. Rememore-se que é necessário que se façam análises rigorosas acerca da introdução de novos fármacos no mercado, e, de forma muito especial, para incorporação desses remédios ao SUS. Essa incorporação é realizada com base em critérios científicos, assegurando-se que a nova tecnologia seja, sobretudo, custo-efetiva e segura para os usuários. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil (ANVISA) informa que o uso não autorizado é feito por conta e risco do médico que o prescreve, e pode eventualmente vir a caracterizar um erro médico. Na toada do que se expôs, não é razoável compelir o ente público ao tratamento reclamado, visto que inexiste autorização da ANVISA para que o fármaco seja utilizado com relação a essa doença e, assim, acarreta o manejo de drogas para fins experimentais. Ademais, tem-se a Lei 8.080/90 que, com a recente alteração promovida pela Lei n.º 12.401, de 28 de abril de 2011, passou a dispor exatamente sobre essa proibição: Art. 19-T. São vedados, em todas as esferas de gestão do SUS: I - o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de medicamento, produto e procedimento clínico ou cirúrgico experimental, ou de uso não autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA; II - a dispensação, o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de medicamento e produto, nacional ou importado, sem registro na Anvisa. (Grifo aditado) Assim, é evidente que a autoridade administrativa está proibida de fornecer o referido PRODUTO, em cumprimento à legislação Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 533
  • 12. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 12 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 federal sanitária acerca da matéria, e em atendimento ao princípio da legalidade administrativa, consagrado pelo artigo 37, caput, da Constituição Federal. Entretanto, ao impor o fornecimento de droga com finalidade experimental, o E. Tribunal a quo desconsiderou o juízo técnico exercido pelo Ministério da Saúde e pela ANVISA, órgão responsável pelo controle sanitário e pela proteção à saúde da população, ao exigir que medicamento inapropriado para a moléstia que acomete a parte autora seja fornecido pelo Estado, em clara violação aos artigos 19-M, I, 19-Q, §2º, I, e 19-T, da Lei n. 8.080/90, com a redação conferida pela Lei n. 12.401/2011. A esse respeito, deve ser esclarecido que a edição da Lei n° 12.401/11 teve por finalidade limitar o ativismo judicial que, partindo de injustificáveis omissões administrativas no atendimento de saúde pública, alcançou extremos que chegaram a comprometer integralmente orçamentos públicos, tendo ainda gerado privilégios não universalizáveis, alteração de filas de atendimento e mitigação de critérios técnicos para incorporação de medicamentos, dentre outros graves problemas na gestão da saúde pública. Sem dúvida, a lacuna na definição do conceito de integralidade da assistência terapêutica previsto nos artigos 198, II, da CR e 6º, I, “d”, e 7º, II, da Lei do SUS (Lei 8.080/90), e a inexistência de regramento para incorporação, alteração e exclusão de tecnologias ao SUS abriram espaço para que o Judiciário, movido por um cenário de carência social, tomasse para si o posto de principal agência de decisão sobre as políticas públicas de saúde e escolhas alocativas realizadas nesta seara. Diante desse cenário, a Lei n. 12.401/2011 foi editada, para esclarecer que a integralidade da tutela estatal consiste na dispensação de medicamentos cuja prescrição esteja em conformidade com as diretrizes terapêuticas definidas em protocolo clínico incorporado pelo Ministério da Saúde, ou, na inexistência de protocolo clínico, com as listas elaboradas pela União, Estados e Municípios, com destaque explícito à necessidade de registro e uso autorizado pela ANVISA. É o que se verifica dos termos expressos dos artigos 19-M, I, e 19-P, §2°, I, da Lei n. 8.080/90, introduzidos pela Lei n. 12.401/11, a seguir transcritos: Art. 19-M. A assistência terapêutica integral a que se refere a alínea d do inciso I do art. 6o consiste em: I - dispensação de medicamentos e produtos de interesse para a saúde, cuja prescrição esteja em conformidade com as diretrizes Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 534
  • 13. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 13 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 terapêuticas definidas em protocolo clínico para a doença ou o agravo à saúde a ser tratado ou, na falta do protocolo, em conformidade com o disposto no art. 19-P; II - oferta de procedimentos terapêuticos, em regime domiciliar, ambulatorial e hospitalar, constantes de tabelas elaboradas pelo gestor federal do Sistema Único de Saúde - SUS, realizados no território nacional por serviço próprio, conveniado ou contratado. Art. 19-Q. A incorporação, a exclusão ou a alteração pelo SUS de novos medicamentos, produtos e procedimentos, bem como a constituição ou a alteração de protocolo clínico ou de diretriz terapêutica, são atribuições do Ministério da Saúde, assessorado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. (...) § 2o O relatório da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS levará em consideração, necessariamente: I - as evidências científicas sobre a eficácia, a acurácia, a efetividade e a segurança do medicamento, produto ou procedimento objeto do processo, acatadas pelo órgão competente para o registro ou a autorização de uso; Percebe-se, assim, que o não fornecimento do fármaco pleiteado para o tratamento da parte autora não implica em qualquer tentativa de mitigação ao seu direito à saúde. A não incorporação do referido medicamento resulta da observância aos artigos 19-M, I e 19-Q, §2º, I e 19-T da Lei n° 8.080/1990, em consonância com a exigência constitucional de controle e fiscalização de medicamentos imposta pelos artigos 196 e 200, da CRFB. Qualquer ingerência do Poder Judiciário no sentido de se sobrepor ao juízo técnico do Ministério da Saúde e da ANVISA deve ser considerada ilegítima. É relevante destacar que o próprio constituinte originário, no artigo 197, ressaltou que as ações e serviços de saúde estariam sujeitas a regulamentação pelo Poder Público. Nesse passo, não há como afastar que a integralidade ambicionada pelo constituinte consiste em uma INTEGRALIDADE REGULADA, não para limitar direitos sociais, mas para assegurar a concretização de ações e serviços de saúde que sejam seguros, custo-efetivos e sem a influência das indústrias farmacêuticas. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 535
  • 14. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 14 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Por conseguinte, a Lei nº 12.401/2011, ao estabelecer que a assistência terapêutica integral é limitada ao fornecimento dos medicamentos previstos nos protocolos clínicos incorporados ao SUS e, por óbvio, que contem com aprovação terapêutica dos órgãos sanitários, encontra-se em perfeita consonância com a Constituição da República. Portanto, ao impor ao Estado o fornecimento de produto cujo uso não foi autorizado pela ANVISA para o tratamento da moléstia em questão ignorando por completo o juízo técnico do referido órgão e do Ministério da Saúde, para concessão de registro e autorização para uso de procedimentos e produtos para saúde em geral, o v. acórdão recorrido violou diretamente os artigos 19-M, I, e 19-P, §2°, I, e 19-T da Lei n° 8.080/1990, com a redação conferida pela Lei n. 12.401/2011, o que torna imperativa a sua reforma, a fim de que seja julgado improcedente o pedido. Vê-se, portanto, que as prescrições como a aqui tratada, que visam a dispensação de medicamento não registrado na ANVISA, e à revelia dos controles sanitários nacionalmente instituídos, repercutem com gravidade no âmbito estatal. Não bastasse tais violações, diante do ajuizamento de milhares de ações nas quais se busca o fornecimento da substância fosfoetanolamina sintética, a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, presentando o ente federativo, pleiteou "Suspensão de Tutela Antecipada" (suspensão da execução de liminares), com pedido de efeito expansivo (a abranger todas as decisões antecipatórias) perante o e. TJSP. Embora o pedido tenha sido inicialmente indeferido pelo Presidente do Tribunal, o Órgão Especial dessa Corte proveu o agravo regimental interposto pela PGE para deferir a suspensão de tutela antecipada com efeito expansivo (suspensão da execução de todas as liminares). Eis a ementa do julgado: Agravo regimental Decisão que indeferiu o pedido de suspensão dos efeitos das tutelas antecipadas Decisões que determinaram o fornecimento, pela Universidade de São Paulo, da substância fosfoetanolamina sintética a portadores de câncer Substância em estudo, cujos efeitos são desconhecidos nos seres humanos Desconhecimento amplo acerca de sua eficácia e possíveis efeitos colaterais incompatível com o direito à saúde constitucionalmente garantido Lesão, ainda, à ordem e à economia públicas Recurso provido. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 536
  • 15. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 15 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 (TJSP, AgReg na STA n. 2205847-43.2015.8.26.0000; Órgão julgador: Órgão Especial; Relator: Sérgio Rui; Comarca: São Carlos; Data do julgamento: 11/11/2015; Data de registro: 25/11/2015) http://esaj.tjsp.jus.br/cpo/sg/show.do?processo.codigo=RI0030 1U512KW De maneira prudente, destacou com propriedade o Exmo. Desembargador Sérgio Rui, Relator designado para o acórdão: "[...] É irresponsável, portanto, a liberação de substância sintetizada em laboratório, denominada fosfoetanolamina, que não é medicamento aprovado e que vem sendo utilizada sem um mínimo de rigor científico e sem critério por pacientes de câncer que relatam melhora genérica em seus quadros clínicos, porque não foram realizadas pesquisas exaurientes pelas comunidades científicas internacional e nacional que permitam estabelecer uma correlação segura e indubitável entre seu uso e a hipotética evolução relatada. E não pode o Poder Judiciário, em razão de tantas lacunas científicas e éticas, permitir que substância de duvidosa eficácia e de desconhecida toxicidade seja distribuída indiscriminadamente". Nessa trilha, ao contrário do que consta da r. Decisão, o Estado de São Paulo não está adstrito ao cumprimento do acórdão antes do trânsito em julgado. O art. 4º da Lei n. 8.437/92 confere caráter vinculante à decisão proferida na STA. Essa norma vincula os órgãos fracionários do Tribunal à decisão tomada pelo Órgão Especial do E. TJSP. De fato, o v. Acórdão do Órgão Especial somente pode ser revisto no âmbito próprio e através do recurso adequado, sendo irracional sustentar-se que uma Câmara do Tribunal pudesse afastar a decisão do Órgão Especial. Essa conclusão implicaria inegável usurpação da competência dos Tribunais Superiores (STJ e STF), aos quais cabe, com exclusividade e através de exame recursal, reformar a r. Decisão do Órgão Especial do e. TJSP na STA. Lembrando que esse v. Acórdão proferido no agravo regimental na STA expressamente se aplica a todas as liminares envolvendo a fosfoetanolamina e não cria nenhuma exceção, não cabendo às Câmaras fazê-lo. Ademais, o § 9º do art. 4º da Lei n. 8.437/92 estabelece de Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 537
  • 16. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 16 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 maneira peremptória que a decisão STA perdurará até o trânsito em julgado da decisão meritória na ação principal, nestes termos: § 9o A suspensão deferida pelo Presidente do Tribunal vigorará até o trânsito em julgado da decisão de mérito na ação principal. Enfim, conforme frisado, o art. 4º da Lei n. 8.437/92 atribui caráter vinculante à decisão proferida na STA, bem como estabelece a sua duração até o trânsito em julgado da ação principal em que concedida a liminar cuja execução foi suspensa, razão pela qual, com o devido respeito, essa norma foi afastada pela r. Decisão recorrida sem expressa fundamentação. Além disso, o v. Aresto olvidou-se de que o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, nos autos do Agravo Regimental nº 2205847-43.2015.8.26.0000, deu provimento ao agravo interposto pelo Estado de São Paulo pelo qual foi pleitada a suspensão, COM EFEITO EXPANSIVO, das execuções das tutelas antecipadas deferidas nas demandas correlatas. De fato, o pedido feito pelo Estado no agravo regimental de reforma da r. decisão recorrida, de modo que seja "concedida a liminar anteriormente reclamada, decretando-se a suspensão, com efeito expansivo, das execuções das tutelas antecipadas deferidas pelo MM. Juízo da Vara da Fazenda Pública de São Carlos, até o trânsito em julgado de suas decisões finais, a fim de cessar a grave lesão à saúde, à ordem e à economia públicas". O agravo regimental foi provido "in totum", como se deflui da leitura do seu voto condutor, notadamente do dispositivo ("por tais razões, pelo meu voto, dou provimento ao agravo regimental"). Assim sendo, salvo melhor juízo, o efeito expansivo concedido quanto do julgamento de dito agravo regimental dispensa a providência prevista no artigo 4º, §8º, da Lei nº 8.437/92. Para rematar, cumpre examinar o teor da novel Lei federal n. 13.269/2016, já que mencionada na fundamentação da r. Decisão recorrida. A Lei federal indicada não resolve o problema da produção e distribuição da substância, nem tampouco as questões ligadas à propriedade imaterial relativa ao "know how" de produção do composto químico. Em outros termos, a patente da fosfoetanolamina continuar a pertencer ao dr. Gilberto Chierice e a um grupo de pesquisadores. A lei não esclarece como e em quais condições a indústria farmacêutica poderia produzir a Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 538
  • 17. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 17 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 substância. Ao que tudo indica, isso dependeria de um contrato firmado entre um laboratório e o grupo de pesquisadores detentor da patente da substância. Nessa relação privada não cabe ao Estado interferir, tendo em vista encontrar-se no campo da livre iniciativa, bem como tratar-se de composto químico a respeito do qual inexiste qualquer prova científica de eficácia. Muito pelo contrário, os estudos iniciais levados a efeito pela União (Ministério da Ciência e Tecnologia) indicam que em princípio se cuida de uma falsa promessa. Ademais, o Estado não é uma indústria farmacêutica: a ele não cabe manipular a substância e distribui-la à população. Até porque o ente federativo estadual, até o momento, não tem qualquer prova da eficácia do composto no combater aos diversos tipos de câncer, e nem pode interferir nos direitos de propriedade intelectual e industrial dos pesquisadores e na relação destes com a indústria farmacêutica. Nesse contexto, o que a lei permite é a produção e o uso da fosfoetanolamina sintética, porém não determina ao Estado (e nem poderia fazê- lo) o seu fornecimento. Cabe agora aos detentores da patente negociar junto à indústria farmacêutica a produção da substância, para produção e distribuição às pessoas que preencherem os requisitos dos arts. 1º e 2º da lei. Conquanto o novo diploma legislativo seja de constitucionalidade bastante duvidosa, já que atenta contra os direitos constitucionais fundamentais, como o direito à saúde (CF, artigos 6º e 196), o direito à segurança e à vida (artigo 5º, caput), bem como o desrespeito ao princípio ou atributo da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, inciso III), e já tenha desafiado a propositura de Ação Direta de Inconstitucionalidade perante o STF, pela Associação Médica Brasileira (ADI nº 5501), a sua existência, em si, em nada altera a questão aqui tratada. Melhor colocando, a Lei n. 13.269 tem por objetivo por fim à ilicitude de produzir, manufaturar, importar, distribuir, prescrever, dispensar, possuir ou usar a fosfoetanolamina para fins terapêuticos, independentemente da autorização da ANVISA, excepcionando-a da regra do artigo 273, § 1º-B, inciso I, do Código Penal e refugindo às proibições da legislação sanitária (Lei nº 6.360/76, artigos 12 e 66). Como consequência, todo aquele que detém o conhecimento técnico e a expertise da produção da Fosfoetanolamina sintética estaria, a partir de então, autorizado a sintetizá-la, dando o destino que quiser à substância, sem o temor de estar comento alguma ilicitude. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 539
  • 18. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 18 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Ocorre que o processo de síntese química da Fosfoetanolamina não é de conhecimento público. O processo tem vários detalhes técnicos que são guardados como verdadeiros segredos industriais, o que impossibilita outros profissionais químicos, ainda que extremamente gabaritados, de reproduzi-lo. Pelo que se sabe até o momento, apenas o docente aposentado do Instituto de Química de São Carlos, o Prof. Dr. Gilberto Orivaldo Chierice, criador do processo de sintetização da fosfoetanolamina, e o técnico, não docente, da Universidade de São Paulo, Salvador Claro Neto, também titular dos respectivos depósitos de pedido de patentes, é que detêm os conhecimentos necessários para a produção da substância. Parece ter chegado a hora, portanto, daqueles que são detentores da fórmula mestra da Fosfoetanolamina sintética, de celebrar os ajustes necessários, com a indústria farmacêutica que escolherem, para sintetizar a substância, pois a nova legislação a tanto lhes permite. Na sequência, poderão dispor do produto da maneira que entenderem mais conveniente, assumindo, obviamente, a integral responsabilidade pelo ato. Diante desse novo cenário, qualquer paciente que se sentir lesado no direito subjetivo criado pela nova Lei 13.269, poderá se valer das medidas judiciais competentes para obter dos detentores da fórmula mestra da Fosfoetanolamina sintética o que reputarem necessário. Agora, em relação ao Estado de São Paulo, a situação jurídica lamentada na inicial, nada se altera. Ora, o Poder Público Estadual não detém qualquer conhecimento desse processo químico de sintetização, não lhe sendo possível manipular e muito menos fornecer a Fosfoetanolamina sintética, como querem as milhares de ordens liminares suspensas. Noutra ponta, por se tratar de substância ainda carente do necessário aval da ciência médica para ser utilizado como efetivo tratamento de neoplasias malignas, dada a incerteza que paira sobe os seus benefícios e os seus riscos sobre a saúde dos seres humanos, o Estado de São Paulo ainda considera o seu uso indiscriminado, sem o necessário acompanhamento médico, um ato atentatório à saúde e à segurança públicas, assim como uma afronta à dignidade da pessoa humana. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 540
  • 19. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 19 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Não fosse por isso, em relação ao Estado de São Paulo, por ser ente integrante do Sistema Único de Saúde, perdura específica vedação, por conta do contido na Lei Orgânica da Saúde. De fato o artigo 19-T da Lei nº 8.080/90, com a redação dada pela Lei nº 12.401/2011, estabelece: Art. 19-T São vedados, em todas as esferas de gestão do SUS: I - o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de medicamento, produto e procedimento clínico ou cirúrgico experimental, ou de uso não autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA; II - a dispensação, o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de medicamento e produto, nacional ou importado, sem registro na Anvisa. Assim, embora a nova Lei possibilite o uso voluntário da Fosfoetanolamina por pacientes acometidos de cânceres, não estão os entes governamentais integrantes do SUS autorizados, também por Lei, a manipular e dispensar a substância. Com a devida vênia, a Lei n. 13.269/2016 tem destinatários específicos: os inventores do processo de síntese da Fosfoetanolamina, pois é somente a partir deles que será possível fazer valer o propalado direito concedido aos pacientes com cânceres. Sem eles, nada se realiza. Calha mencionar, ainda, o teor do art. 4º, parágrafo único, da Lei n. 13.269/2016: Parágrafo único. A produção, manufatura, importação, distribuição, prescrição e dispensação da fosfoetanolamina sintética somente são permitidas para agentes regularmente autorizados e licenciados pela autoridade sanitária competente. O Estado de São Paulo não se encontra nessa situação, eis que não foi autorizado e licenciado pela autoridade sanitária competente para a produzir ou dispensar a substância, até porque o ente federativo não é um laboratório ou uma indústria farmacêutica, sendo que a manipulação de compostos químicos não se encontra dentre as suas atribuições, objetivos ou finalidades constitucionais. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 541
  • 20. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 20 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Por derradeiro, imperativo destacar que em decisão tomada pelo Plenário do e. STF no dia 19/05/2016, a Suprema Corte suspendeu a eficácia da Lei n. 13.269/2016 até o julgamento do mérito da ação direta de inconstitucionalidade proposta pela Associação Médica Brasileira. A decisão, dada a sua magnitude, foi noticiada no portal do Pretório Excelso no mesmo dia 19/05/2016: Notícias STF Quinta-feira, 19 de maio de 2016 STF suspende eficácia da lei que autoriza uso da fosfoetanolamina Por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deferiu nesta quinta-feira (19) medida liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5501 para suspender a eficácia da Lei 13.269/2016 e, por consequência, o uso da fosfoetanolamina sintética, conhecida como “pílula do câncer”. A lei autoriza o uso da substância por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna. A Associação Médica Brasileira (AMB), autora da ação, sustenta que diante da ausência de testes da substância em seres humanos e de desconhecimento acerca da eficácia do medicamento e dos efeitos colaterais, sua liberação é incompatível com direitos constitucionais fundamentais como o direito à saúde (artigos 6° e 196), o direito à segurança e à vida (artigo 5°, caput), e o princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1°, inciso III). Voto do relator “Ao suspender a exigibilidade de registro sanitário da fosfoetanolamina sintética, o ato atacado discrepa das balizas constitucionais concernentes ao dever estatal de reduzir o risco de doença e outros agravos à saúde dos cidadãos”, disse o relator, ministro Marco Aurélio, em seu voto (leia a íntegra) pelo deferimento da liminar para suspender a eficácia da lei até o julgamento definitivo da ação. O relator ressaltou que, ao dever do Estado de fornecer medicamentos à população, contrapõe-se a responsabilidade constitucional de zelar pela qualidade e segurança dos produtos em circulação. O Congresso Nacional, para o ministro, ao permitir a distribuição de remédio sem o controle Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 542
  • 21. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 21 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 prévio de viabilidade sanitária pela Anvisa, não cumpriu com o dever constitucional de tutela da saúde da população. “O direito à saúde não será plenamente concretizado sem que o Estado cumpra a obrigação de assegurar a qualidade das drogas distribuídas aos indivíduos mediante rigoroso crivo científico, apto a afastar desenganos, charlatanismos e efeitos prejudiciais ao ser humano”. Neste ponto, de acordo com o relator, há ofensa ao postulado da separação de Poderes, uma vez que não cabe ao Congresso Nacional viabilizar a distribuição de qualquer medicamento, mas sim, à Anvisa. O ministro salienta que a aprovação do produto pela agencia é condição para industrialização, comercialização e importação com fins comerciais, segundo o artigo 12 da Lei 6.360/1976. “Ante a ausência do registro, a inadequação é presumida”. “É no mínimo temerária e potencialmente danosa a liberação genérica do medicamento sem a realização dos estudos clínicos correspondentes, em razão da ausência, até o momento, de elementos técnicos assertivos da viabilidade da substância para o bem-estar do organismo humano. Salta aos olhos, portanto, a presença dos requisitos para o implemento da medida acauteladora”, concluiu o relator. Primeiro a acompanhar o relator, o ministro Luís Roberto Barroso entendeu que a autorização de uso da fosfoetanolamina sintética anteriormente à realização de testes necessários para comprovar que o composto seja seguro e eficaz coloca em risco a saúde, o bem-estar e a vida das pessoas, “em clara afronta ao direito à saúde”. Segundo ele, também há, na hipótese, violação à reserva de administração, uma vez que, ao autorizar o uso da fosfoetanolamina sem cumprimento das exigências legais de realização de testes clínicos e de registro sanitário, “o Poder Legislativo substitui o juízo essencialmente técnico da Anvisa, por um juízo político, interferindo de forma indevida em procedimento de natureza tipicamente administrativo”. De acordo com o ministro Teori Zavascki, a atividade em questão pertence ao Poder Executivo, por essa razão ele considerou relevante a alegação de inconstitucionalidade. “É certo que o legislador pode disciplinar a matéria. O Sistema Único de Saúde (SUS) atua nos termos da lei, todavia, não parece constitucionalmente legítimo que o legislador, além de legislar, assuma para si uma atividade tipicamente executiva”, Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 543
  • 22. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 22 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 disse o ministro, ao votar pela concessão da liminar. No mesmo sentido, votou o ministro Luiz Fux. Ele observou que a utilização do composto pode apresentar um perigo inverso, uma vez que não há uma aferição exata das consequências do uso dessa substância, com possível violação ao direito à saúde e a uma vida digna. O ministro citou parecer da Anvisa, segundo o qual, o uso da fosfoetanolamina pode favorecer o abandono de tratamentos prescritos pela medicina tradicional, os quais podem beneficiar ou curar a doença. A ministra Cármen Lúcia também acompanhou o relator. De acordo com ela, os médicos são unânimes no sentido de que há riscos na utilização do composto e alegam que ainda não se conhecem os seus efeitos colaterais. “Acho que a interpretação conforme a Constituição liberaria de forma ampla e geral [o uso da substância] e sem os cuidados previstos pela Resolução nº 38, da Anvisa, que estabelece como um dever da própria agência a verificação de quais pacientes podem se submeter ao uso desse medicamento”, ressaltou a ministra, ao acrescentar que a concessão da liminar é “para que não se veja na pílula do câncer mais uma pílula de engano para quem já está sofrendo com o desengano”. O presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, uniu-se à maioria pelo deferimento da liminar. Segundo ele, permitir ao parlamento legislar na área da farmacologia abre um precedente “extremamente perigoso”, que coloca em risco a própria saúde da população. “Não me parece admissível que hoje o Estado sobretudo no campo tão sensível que é o campo da saúde, que diz respeito à vida e à dignidade da pessoa possa agir irracionalmente, levando em conta razões de ordem metafísica ou fundado em suposições que não tenham base em evidências científicas”, destacou. http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConte udo=317011 http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConte udo=316998 http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/adi55 01MMA.pdf Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 544
  • 23. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 23 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Destaca-se do voto condutor do Relator Ministro Marco Aurélio os seguintes argumentos: "Observem a organicidade do Direito e o âmbito da Lei nº 13.269/2016, autorizadora da comercialização de substância química não submetida previamente a testes clínicos em seres humanos. Ao suspender a exigibilidade do registro sanitário da fosfoetanolamina sintética, o ato atacado discrepa das balisas constitucionais concernentes ao dever estatal de reduzir o risco de doença e outros agravos á saúde dos cidadãos artigo 196 da Constituição Federal. (...) A esperança depositada pela sociedade nos medicamentos, especialmente naqueles destinados ao tratamento de doenças com o câncer, não pode se distanciar da ciência. Foi-se o tempo da busca desenfreada pela cura sem o correspondente cuidado com a segurança e eficácia das substâncias. O direito à saúde não será plenamente concretizado sem que o Estado cumpra a obrigação de assegurar a qualidade das drogas distribuídas aos indivíduos mediante rigoroso crivo científico, apto a afastar desenganos, charlatanismos e efeitos prejudiciais ao seu humano. (...) Na elaboração do ato impugnado, o Congresso Nacional, ao permitir a distribuição de remédio sem o controle prévio de viabilidade sanitária, não cumpriu com o dever constitucional de tutela da saúde da população. Impossível é tomar essa constatação como intromissão indevida do Supremo na esfera de atribuição dos demais Poderes. Decorre dos elementos objetivos verificados nesse processo, especialmente no tocante à ausência de registro da fosfoetanolamina sintética. A aprovação do produto no órgão do Ministério da Saúde é condição para industrialização, comercialização e importação com fins comerciais, segundo o artigo 12 da Lei nº 6.360/1976. O registro ou cadastro mostra-se condição para o monitoramento, pela Agência fiscalizadora, da segurança, eficácia e qualidade terapêutica do produto. Ante a ausência do registro, a inadequação é presumida. Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 545
  • 24. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 24 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 No caso, a lei suprime, casuisticamente, a exigência do registro da fosfoetanolamina sintética como requisito para comercialização, evidenciando que o legislador deixou em segundo plano o dever constitucional de implementar políticas públicas voltadas à garantia da saúde da população. O fornecimento de medicamentos, embora essencial à concretização do Estado Social de Direito, não pode ser conduzido com o atropelo dos requisitos mínimos de segurança para o consumo da população, sob pena de esvaziar-se, por via traversa, o próprio conteúdo do direito fundamental à saúde. Vislumbro, na publicação do diploma combatido, ofensa ao postulado da separação de Poderes. A Constituição incumbiu o Estado, aí incluídos todos os respectivos Poderes, do dever de zelar pela saúde da população. No entanto, considerada a descentralização técnica necessária para a fiscalização de atividades sensíveis, foi criada, nos termos do artigo 37, inciso IX, do Diploma Maior, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA, à qual compete, enquanto autarquia vinculada ao Ministério da Saúde, autorizar a distribuição de substâncias químicas, segundo protocolos cientificamente validados O controle dos medicamentos fornecidos à população é efetuado, tendo em conta a imprescindibilidade de aparato técnico especializado, por agência reguladora supervisionada pelo Poder Executivo. A atividade fiscalizatória artigo 174 da Constituição Federal dá-se mediante atos administrativos concretos de liberação das substâncias, devidamente precedidos de estudos técnicos científicos e experimentais. Ao Congresso Nacional não cabe viabilizar, por ato abstrato e genérico, a distribuição de qualquer medicamento. (...) É no mínimo temerária e potencialmente danosa a liberação genérica do medicamento sem a realização dos estudos clínicos correspondentes, em razão da ausência, até o momento, de elementos técnicos assertivos da viabilidade da substância para o bem-estar do organismo humano. Salta aos olhos, portanto, a presença dos requisitos para o Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 546
  • 25. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 25 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 implemento da medida acauteladora. Ante o quadro, defiro a liminar pleiteada para suspender a eficácia da Lei nº 13.269/2016, até o julgamento definitivo desta ação direta de inconstitucionalidade". Com bem pontuado pelo I. Ministro do STF, o artigo 12 da Lei n.º 6.360/76, a qual estão subordinados os medicamentos no âmbito nacional, é bastante claro ao determinar a impossibilidade de utilização de medicamentos serem industrializados, expostos à venda ou entregues ao consumo, sem registro prévio no Ministério da Saúde. Ainda, o artigo 66 da Lei n.º 6360/76 prevê à aplicação de penas ao descumprimento da mesma, in verbis: "Art. 66. A inobservância dos preceitos desta Lei, de seu regulamento e normas complementares configura infração de natureza sanitária, ficando sujeito o infrator ao processo e às penalidades previstos no Decreto-Lei nº 785, de 25 de agosto de 1969, sem prejuízo das demais cominações civis e penais cabíveis. Parágrafo Único. O processo a que se refere este artigo poderá ser instaurado e julgado pelo Ministério da Saúde ou pelas autoridades sanitárias dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, como couber." E tais normas têm a sua razão de ser, a sua finalidade constitucional, tal com bem lembrado no voto condutor do I. Ministro, no fato do registro do medicamento perante a ANVISA objetivar garantir a sua segurança e eficácia para o uso que se propõe, tanto do ponto de vista clínico como terapêutico. Tanto é assim que a Lei federal n. 9.782/99 considera medicamentos de uso humano apenas os produtos submetidos a controle e fiscalização da ANVISA. Nesse talante, à guisa de esclarecimento, cumpre trazer à baila a nota técnica emitida pela ANVISA sobre a substância fosfoetanolamina, certamente por conta da avalanche de ações pleiteando a substância, geradora de graves riscos para a saúde pública (negritos nossos, disponível para consulta em http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+ imprensa/menu+-+noticias+anos/2015/pesquisas+clinicas+sobre+ Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 547
  • 26. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 26 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 fosfoetanolamina+nao+foram+encaminhadas+a+anvisa): "Nos últimos dias, tem circulado nas redes sociais e em outros veículos de comunicação a informação sobre uma substância chamada Fosfoetanolamina. Tal substância teria sido desenvolvida por um cientista da Universidade de São Paulo (USP), com resultados favoráveis no combate ao câncer. De acordo com as notícias, o produto estaria sendo distribuído, gratuitamente, aos interessados. Antes de qualquer medicamento ser disponibilizado para uso do Brasil, é necessária a avaliação de ensaios clínicos. Essa análise tem por finalidade atestar a eficácia e a segurança do produto que será registrado como medicamento no País. Em alguns casos, a Agência pode autorizar o acesso a medicamentos que ainda não tiveram ensaios clínicos concluídos ou obtiveram registro na Anvisa, como no caso de Uso Compassivo, Acesso Expandido ou por meio do Programa de Fornecimento de Medicamento Pós-Estudo. A venda ou distribuição de qualquer medicamento sem registro, fora do contexto de uma pesquisa clínica aprovada ou fora de qualquer outro programa de acesso à medicamentos experimentais, é uma prática irregular segundo os princípios de segurança adotados pelas principais agências reguladoras de medicamentos do mundo. No caso da Fosfoetanolamina, a Anvisa não recebeu qualquer pedido de avaliação para registro desta substância, tampouco pedido de pesquisa clínica, que é a avaliação com pacientes humanos. Isto significa que não há nenhuma avaliação de segurança e eficácia do produto realizada com o rigor necessário para a sua validação como medicamento." Ainda, cabe anotar que, o artigo 273, parágrafo 1º-B, inciso I do Código Penal, com a redação que lhe deu a Lei n.º 9.677/98, considera crime hediondo importar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribuir ou entregar a consumo o produto sem registro, quando exigível, no órgão de vigilância sanitária competente. Não é demais ressaltar que a parte autora sequer juntou aos autos prescrição médica, representando grave ofensa ao art. 333, inciso I, do CPC73 (ou art. 373, inciso I, do CPC15). Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 548
  • 27. PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA REGIONAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ___________________________________________________________ 27 Rua Siqueira Campos, 3105, 1º Sobreloja, Centro - CEP 15010-040, São José do Rio Preto-SP - Fone: (17) 2138-8239 2016.01.091662 Cristalino, assim, que a pretensão da parte autora com a presente demanda mostra-se completamente contra legem, de modo que, caso o Estado de São Paulo for compelido a entregar a substância pleiteada, haverá flagrante violação ao princípio da legalidade, tendo em vista a ampla violação a normas federais, como exposto acima. DO REQUERIMENTO. Posto isso, a Fazenda do Estado requer seja dado seguimento e posterior provimento, com a finalidade de anular ou, subsidiariamente, reformar o V. Acórdão, julgando-se improcedente o pedido da autora, ora recorrida. São José do Rio Preto, 16 de novembro de 2017. THAIS DE LIMA B. PEREIRA ZANOVELO Procuradora do Estado de São Paulo OAB/SP Nº 151.765 Paraconferirooriginal,acesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do,informeoprocesso1016377-58.2015.8.26.0566ecódigo72DF462. Estedocumentoécópiadooriginal,assinadodigitalmenteporTHAISDELIMABATISTAPEREIRAZANOVELOeTribunaldeJusticadoEstadodeSaoPaulo,protocoladoem16/11/2017às18:29,sobonúmeroWPRO17030229800. fls. 549