Fontes e Jornalistas,
razões de ser e agir
Grupo: Gabriela Mairink, Lívia
Paiva, Ludiana Zocolotto, Maxwel
Carvalho, Paola...
A sociedade tem uma grande necessidade de se manifestar e de se
comunicar. É uma forma de interferir no mundo, dar os fato...
Definições e tipos de
fontes.
Definição:
• Fontes são aquelas que têm algo a dizer e
informar.
• Quem fornece informações ...
Tipos:
• Tipo Zero: escrita ou gravada e com tradição de exatidão,
totalmente confiável.
• Tipo Um: pessoa que tem um hist...
Relação entre jornalistas e
fontes.
• Receptor bem informado.
• O jornalista deve-se guiar pelo interesse jornalístico e s...
- Tipos de fontes.
- Importância da fonte para o receptor.
- Dever ético dos veículos de comunicação em proteger a fonte.
...
Esta é uma leitura obrigatória para
fonte, jornalistas, profissionais de
comunicação e estudantes que se
deparam com uma s...
Como está na atualidade.
• Com o pós-guerra, houve a elaboração de um novo mundo,
surgindo assim a possibilidade da notíci...
Debate: Qual a razão de ser do jornalismo?
• Pode-se identificar a razão observando as manifestações que o
materializam, o...
Dimensão Discursiva
• Fatos que não valem pela sua materialidade, mas pelo que podem
significar na vida das pessoas.
• ‘Ex...
O cineasta Michael Moore mostra
no documentário ganhador do
Oscar de melhor filme
documentário em 2006. O que se
vê no fil...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fontes e jornalistas

149 visualizações

Publicada em

Para jornalistas em aprendizado

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fontes e jornalistas

  1. 1. Fontes e Jornalistas, razões de ser e agir Grupo: Gabriela Mairink, Lívia Paiva, Ludiana Zocolotto, Maxwel Carvalho, Paola Rautha e Rayza Martins.
  2. 2. A sociedade tem uma grande necessidade de se manifestar e de se comunicar. É uma forma de interferir no mundo, dar os fatos e causar uma discussão entre a comunidade, fazendo com que criemos um pensamento diferente e autêntico sobre o mundo globalizado. A fonte é um dos meios mais importantes do jornalismo, atrás dela conseguimos informações e novos conteúdos. Conhecer a fonte é essencial, deve-se identificá-la sempre que possível, ou ao menos fazer alguma referência, aumentando assim a credibilidade da notícia. Fontes são aquelas que têm algo a dizer e informar aos produtores das ações sociais, dos fatos e falas noticiáveis.
  3. 3. Definições e tipos de fontes. Definição: • Fontes são aquelas que têm algo a dizer e informar. • Quem fornece informações ao jornal. • Agentes geradores de notícias, reportagens, entrevistas.
  4. 4. Tipos: • Tipo Zero: escrita ou gravada e com tradição de exatidão, totalmente confiável. • Tipo Um: pessoa que tem um histórico de confiabilidade e fala com conhecimento de causa. • Tipo Dois: tem os atributos da fonte “Tipo Um”, menos o histórico de confiabilidade. • Tipo Três: a de menor confiabilidade. É bem informada, mas tem interesses políticos, econômicos, etc.
  5. 5. Relação entre jornalistas e fontes. • Receptor bem informado. • O jornalista deve-se guiar pelo interesse jornalístico e social. • Manuais: Cuidam de resolver questões diversas entre os jonalistas e as fontes. - O que é fonte. - O direito da fonte de ficar no anonimato ou ser identificada. - A veracidade da informação. - O cultivo do bom relacionamento com a fonte pelo profissional do jornalismo. - Questões como a intimidade e os riscos de submissão à fonte.
  6. 6. - Tipos de fontes. - Importância da fonte para o receptor. - Dever ético dos veículos de comunicação em proteger a fonte. • Preconceito entre fontes e jornalistas. • As fontes utilizam do seu poder. • Os jornalistas se referem às fontes com desprezo. • Jornalista inglês Samuel Buckley, criou o primeiro diário político do mundo. • Dava grande valor às fontes. • "Acurácia": Rigor na escolha das fontes.
  7. 7. Esta é uma leitura obrigatória para fonte, jornalistas, profissionais de comunicação e estudantes que se deparam com uma série de reflexões decorrentes do exercício da profissão, como censura e autocensura, transparência e manipulação, interesse público e interesses privados, todos eles resultantes da imensa responsabilidade que implica a missão de ser jornalista.
  8. 8. Como está na atualidade. • Com o pós-guerra, houve a elaboração de um novo mundo, surgindo assim a possibilidade da notícia em tempo real, com circulação instantânea. • Devido a abrangência ilimitada da difusão, os intervalos entre o momento da materialização dos fatos e a divulgação em forma de notícia foram eliminados. • No novo mundo da difusão, as fontes pensam, agem e dizem pelo que noticiam. • A linguagem jornalística deixou de ser monopólio das redações.
  9. 9. Debate: Qual a razão de ser do jornalismo? • Pode-se identificar a razão observando as manifestações que o materializam, ou seja, os próprios veículos de comunicação, como os jornais, revistas, rádios, telejornais e sites noticiosos da internet. • Mas, os autores ao retomarem a esta questão, explicam que os valores construídos a partir da Declaração dos Direitos Humanos que se baseiam a perspectiva ética do relato e do comentário jornalísticos. • Alcântara, Chaparro e Garcia afirmam que a razão de ser do jornalismo é a sociedade e os seus valores.
  10. 10. Dimensão Discursiva • Fatos que não valem pela sua materialidade, mas pelo que podem significar na vida das pessoas. • ‘Exclusão discursa’, que atinge grupos sociais desfavorecidos. • Aonde está o interesse de desvendar os casos? Será mais uma questão política e econômica? • Michael Moore, documentário ‘Tiros em Columbine’. • Além de noticiar, é preciso identificar nos acontecimentos, compreender e aflorar os conflitos que interessam à sociedade.
  11. 11. O cineasta Michael Moore mostra no documentário ganhador do Oscar de melhor filme documentário em 2006. O que se vê no filme é o uso e a fascinação que os americanos tem pelas armas, o medo e o racismo explícito em cenas narradas pelo diretor e personagem fundamental na construção da historia: o próprio Michael.

×