......

144 visualizações

Publicada em

.......

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

......

  1. 1. Trabalho realizado por Nízia Costa P.I.L.
  2. 2. Lembro-me de começar a minha primeira introdução do P.I.L. por dizer que a maioria dos livros que se encontram á venda não me chamam á atenção e por mais estranho que isto possa parecer, a leitura de cinco obras não mudou em nada o meu ponto de vista sobre o assunto. Este ano está a ser novamente um grande desafio mas felizmente devido á experiência adquirida no ano passado este ano sinto-me mais preparada. Ao longo do P.I.L. vão estar expostos a minha criativi dade e o meu gosto pela escrita. Os meus principais objectivos são ler todas as devid obras e poder constatar uma melhoria geral em relação ao ano passado. INTRODUÇÃO
  3. 3. CALENDARIZAÇÃO
  4. 4. Nunca fui como todos Nunca tive muitos amigos Nunca fui favorita Nunca fui o que meus pais queriam Nunca tive alguém que amasse Mas tive somente a mim A minha absoluta verdade Meu verdadeiro pensamento O meu conforto nas horas de sofrimento não vivo sozinha porque gosto e sim porque aprendi a ser só... POEMA ESCOLHIDO
  5. 5. No mundo sou só mais uma pétala de uma flor Uma espécie no meio de muitas Uma brisa passageira num dia de calor A dor é minha amiga pois nunca me deixa só E tal como a minha alma, a minha simples alma Que o meu amor amou, também a luz me abandono Vagueio sem rumo neste sitio a que chamam mund Na esperança de me sentir viva outra vez Nem que seja por um segundo CRIAÇÃO DE UM POEMA
  6. 6. Mãe: Que desgraça na vida aconteceu, Que ficaste insensível e gelada? Que todo o teu perfil se endureceu Numa linha severa e desenhada? Como as estátuas, que são gente nossa Cansada de palavras e ternura, Assim tu me pareces no teu leito. Presença cinzelada em pedra dura, que não tem coração dentro do peito. POEMA ESCOLHIDO Chamo aos gritos por ti - não me respondes. Beijo-te as mãos e o rosto - sinto frio. Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes Por detrás do terror deste vazio. Mãe: Abre os olhos ao menos, diz que sim! Diz que me vês ainda, que me queres. Que és a eterna mulher entre as mulheres. Que nem a morte te afastou de mim!
  7. 7. -Lembras-te de quando eu te levei ao zoo pela primeira vez? Estavas tão contente que nem querias ir embora.- disse a minha mãe durante a nossa última conversa. O rosto da minha mãezinha de tão velinho que estava já não lhe permitia sorrir pois as dobras do seu sorriso misturavam-se com as suas rugas. Foi um dia triste, dia esse em que ela tentou atenuar a minha dor contando-me histórias de quando eu era criança. Mal ela sabia de que agora também elas ficaram para me assombrar juntamente com o vazio que ficou dentro de mim quando ela me abandonou. Naquela cama de hospital eu não via a minha mãe e sim algo que se apoderou dela e fez dela o que ela se tornou. CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
  8. 8. Por mais que ela tentasse, nenhuma história foi capaz de me adverter do facto de que passado algumas horas, dias ou até semanas ela já não estaria comigo. Tentei ficar distante e manter uma postura de indiferença mas de tão distante que estava acabei por me aproximar. Falhei?Sim, falhei. Não consegui fazer com que o seu desaparecimento deste mundo fosse uma coisa banal. Quando ela deu o seu último suspiro chorei. Chorei como nunca tinha chorado antes. Mais uma vez quebrei uma promessa que lhe tinha feito, a promessa de viver como se nenhuma tragédia tivesse acontecido. Ela disse-me que estaria comigo mesmo que não fosse fisicamente mas se isso é verdade então porquê que me sinto tão só? CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
  9. 9. Cheguei a uma conclusão, uma mãe também mente. Mente para proteger, mente porque tem de ser mas acima de tudo mente porque sente que o tem de fazer para não ver os que ama sofrer. A minha mãe foi embora com um ar contente mas sei que no fundo ela sofreu e foi quando lhe fechei os olhos que o meu amor pelo mundo morreu. CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
  10. 10. Felicidade, agarrei-te Como um cão, pelo cachaço! E, contigo, em mar de azeite Afoguei-me, passo a passo... Dei à minha alma a preguiça Que o meu corpo não tivera. E foi, assim, que, submissa, Vi chegar a Primavera... Quem a colher que a arrecade (Há, nela, um segredo lento...) Ó frágil felicidade! — Palavra que leva o vento, E, depois, como se a ideia De, nos dedos, a ter tido Bastasse, por fim, larguei-a, Sem ficar arrependido... ESCOLHA DE DOIS POEMAS Miguel Torga, “Súplica” Agora que o silêncio é um mar sem ondas, E que nele posso navegar sem rumo, Não respondas Às urgentes perguntas Que te fiz. Deixa-me ser feliz Assim, Já tão longe de ti como de mim. Perde-se a vida a desejá-la tanto. Só soubemos sofrer, enquanto O nosso amor Durou. Mas o tempo passou, Há calmaria... Não perturbes a paz que me foi dada. Ouvir de novo a tua voz seria Matar a sede com água salgada. Pedro Homem de Mello, i n "Eu Hei-de Voltar um Dia"
  11. 11. Ó frágil felicidade! Não respondas Às urgentes perguntas Que te fiz. Não perturbes a paz que me foi dada. Dei à minha alma a preguiça Que o meu corpo não tivera Agora que o silêncio é um mar sem ondas, E que nele posso navegar sem rumo, E, contigo, em mar de azeite Deixa-me ser feliz Assim, Já tão longe de ti como de mim. JUNÇÃO DE DOIS POEMAS

×