SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Objectivo: Explicar o objecto de estudo da psicologia


1. ACTIVIDADES
a) Confrontar as ideias que cada um tem sobre a psicologia e o seu âmbito. Elaborar
um pequeno texto a partir, por exemplo, de um brainstorming.


b) Consultar revistas, jornais, Internet… procurando artigos que pareçam ser do
campo da psicologia. Tirar conclusões.


c) Entrevistar professores da escola, de diferentes áreas disciplinares, sobre as
relações da sua ciência com a psicologia. Elaborar um poster.


d) Analisar o texto apresentado (sobre a psicologia) e responder às suas questões.
1. Identificar as características da ciência
2. Identificar os objectivos da psicologia


e) Construir um texto sobre as principais questões desta unidade.


f) Elaborar uma síntese sobre as principais ideias trabalhadas nesta unidade. Elaborar
uma síntese global da turma ilustrando as ideias com os meios necessários. Construir,
por exemplo, um poster.




                                                                                     1
Texto
Sobre a psicologia


Por vezes, a psicologia é considerada um domínio que incide nas vidas íntimas e
secretas dos indivíduos. Por que razão a Maria detesta a mãe e o Jorge é tão tímido
com as raparigas? Questões deste género, todavia, não constituem o principal
interesse da psicologia. Existe, é claro, um ramo aplicado desta ciência que trata de
vários problemas de adaptação, mas as questões fundamentais que a psicologia
suscita são de um tipo mais geral. O seu objectivo não é descrever as características
de determinado indivíduo, mas encontrar os factos comuns a toda a humanidade.


A razão é simples. A psicologia é uma ciência e, como todas as outras ciências,
procura os princípios gerais: um único acontecimento em si mesmo pouco significa; o
que conta é o que qualquer acontecimento, ou objecto ou pessoa, tem em comum com
outros. Finalmente, a psicologia, como as demais ciências, espera fazer o percurso
inverso para compreender o acontecimento individual. Tenta descobrir, digamos,
certos princípios gerais do conflito do adolescente ou das relações mãe-filha para
explicar a razão por que o Jorge é tão tímido com as raparigas e a Maria é tão áspera
com a mãe. Uma vez obtidos esses conhecimentos, eles podem ter aplicações
práticas: ajudar o aconselhamento e a orientação e, talvez, a realizar mudanças
desejáveis. Mas, pelo menos no início, a preocupação essencial da ciência é a
descoberta de princípios gerais.


Haverá algum domínio cujo interesse essencial resida nas pessoas individuais, que se
preocupe com um Jorge e uma Maria em nada semelhantes a alguém que alguma vez
tenha vivido ou venha a viver? Esse domínio é a literatura. Os grandes romancistas e
dramaturgos deram-nos retratos de indivíduos activos e vivos existentes em
determinado tempo e lugar. Nada existe de abstracto e geral na angústia de Hamlet ou
na ambição criminosa de Macbeth. São indivíduos concretos, particulares, com
amores e medos especiais, peculiarmente seus. Mas a partir destas peculiaridades,
Shakespeare dá-nos uma visão do que é comum a toda a humanidade, o que Hamlet
e Macbeth têm em comum com todos nós. A ciência e a arte têm muito a dizer sobre a
natureza humana, mas tomam direcções opostas. A ciência tenta descobrir princípios
gerais e aplica-os, em seguida, ao caso individual. A arte concentra-se no caso
particular e utiliza-o, depois, para ilustrar o que é universal em todos nós.
                                                      Adaptado de H. Gleitman, Psicologia. 1993




                                                                                              2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (13)

Cap 01. descobrindo a filosofia
Cap 01. descobrindo a filosofiaCap 01. descobrindo a filosofia
Cap 01. descobrindo a filosofia
 
Paradigmas sociológicos e análise organizacional, segundo burrel e morgan
Paradigmas sociológicos e análise organizacional, segundo burrel e morganParadigmas sociológicos e análise organizacional, segundo burrel e morgan
Paradigmas sociológicos e análise organizacional, segundo burrel e morgan
 
V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica
V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logicaV dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica
V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica
 
V dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducaoV dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducao
 
Epistemologia do conhecimento cientifico blog
Epistemologia do conhecimento  cientifico blogEpistemologia do conhecimento  cientifico blog
Epistemologia do conhecimento cientifico blog
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
 
A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
A diversidade da psicologia
A diversidade da psicologiaA diversidade da psicologia
A diversidade da psicologia
 
Ideologia sociologia do conhecimento
Ideologia   sociologia do conhecimentoIdeologia   sociologia do conhecimento
Ideologia sociologia do conhecimento
 
Actividade, consciência e personalidade
Actividade, consciência e personalidadeActividade, consciência e personalidade
Actividade, consciência e personalidade
 
Ativ consciência e personalidade
Ativ consciência e personalidadeAtiv consciência e personalidade
Ativ consciência e personalidade
 
Atividade consciencia-e-personalidade
Atividade consciencia-e-personalidadeAtividade consciencia-e-personalidade
Atividade consciencia-e-personalidade
 

Destaque (14)

Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
06 psicologia na_actualidade
06 psicologia na_actualidade06 psicologia na_actualidade
06 psicologia na_actualidade
 
10 actividad..
10 actividad..10 actividad..
10 actividad..
 
02 primórdio..
02 primórdio..02 primórdio..
02 primórdio..
 
07 resumo -_..
07 resumo -_..07 resumo -_..
07 resumo -_..
 
03áreas+de+..
03áreas+de+..03áreas+de+..
03áreas+de+..
 
Idosos
IdososIdosos
Idosos
 
Resumo ..
Resumo   ..Resumo   ..
Resumo ..
 
09 como te_v..
09 como te_v..09 como te_v..
09 como te_v..
 
05 perguntas e_respostas_sobre_psicologia
05 perguntas e_respostas_sobre_psicologia05 perguntas e_respostas_sobre_psicologia
05 perguntas e_respostas_sobre_psicologia
 
Adultos
AdultosAdultos
Adultos
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
 
12 sintese d..
12 sintese d..12 sintese d..
12 sintese d..
 
08 sintese d..
08 sintese d..08 sintese d..
08 sintese d..
 

Semelhante a Psicologia: Estudo dos princípios gerais da humanidade

37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçaoMariaDeMatos2
 
O estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemO estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemQuitriaSilva2
 
Roteiro de estudo 1º ano - 1º trim
Roteiro de estudo   1º ano - 1º trimRoteiro de estudo   1º ano - 1º trim
Roteiro de estudo 1º ano - 1º trimSara Sarita
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anomluisavalente
 
ANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINO
ANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINOANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINO
ANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINOHebert Balieiro
 
Ficha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10ºFicha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10ºFilipe Prado
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anomluisavalente
 
2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade
2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade
2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidadeJayro Bohatchuk de Araujo
 
Aula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosAula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosANDERSON RIBEIRO
 
Aula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosAula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosANDERSON RIBEIRO
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Carlos Caldas
 
Filosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdf
Filosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdfFilosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdf
Filosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdfd92862628
 

Semelhante a Psicologia: Estudo dos princípios gerais da humanidade (20)

37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 
Tópicos especiais em filosofia
Tópicos especiais em filosofiaTópicos especiais em filosofia
Tópicos especiais em filosofia
 
O estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemO estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagem
 
Roteiro de estudo 1º ano - 1º trim
Roteiro de estudo   1º ano - 1º trimRoteiro de estudo   1º ano - 1º trim
Roteiro de estudo 1º ano - 1º trim
 
Psi edu
Psi eduPsi edu
Psi edu
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
 
ANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINO
ANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINOANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINO
ANÁLISE DO PROCESSO COGNITIVO E SUAS IMPLICAÇÕES DIDÁTICAS NO ENSINO
 
Ficha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10ºFicha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10º
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 
Os principios de psicologia
Os principios de psicologiaOs principios de psicologia
Os principios de psicologia
 
Concepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-sConcepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-s
 
2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade
2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade
2011 04-25 11-12-11-atividade_consciencia_e_personalidade
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introdução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da EducaçãoIntrodução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da Educação
 
Aula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosAula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textos
 
Aula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosAula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textos
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Apostila - SOCIAL 2
Apostila - SOCIAL 2Apostila - SOCIAL 2
Apostila - SOCIAL 2
 
Filosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdf
Filosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdfFilosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdf
Filosofia para quem não é Filósofo - Peter Gibson.pdf
 

Mais de Micas Cullen

15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitorMicas Cullen
 
14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebés14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebésMicas Cullen
 
13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piaget13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piagetMicas Cullen
 
12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidade12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidadeMicas Cullen
 
11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - síntese11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - sínteseMicas Cullen
 
10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagem10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagemMicas Cullen
 
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebéMicas Cullen
 
7 erikson e o desenvolvimento psicossocial
7   erikson e o desenvolvimento psicossocial7   erikson e o desenvolvimento psicossocial
7 erikson e o desenvolvimento psicossocialMicas Cullen
 
5 a afectividade entre mãe e bebé
5   a afectividade entre mãe e bebé5   a afectividade entre mãe e bebé
5 a afectividade entre mãe e bebéMicas Cullen
 
4 o desenvolvimento infantil e adolescente
4   o desenvolvimento infantil e adolescente4   o desenvolvimento infantil e adolescente
4 o desenvolvimento infantil e adolescenteMicas Cullen
 
3 desenvolvimento atipico
3   desenvolvimento atipico3   desenvolvimento atipico
3 desenvolvimento atipicoMicas Cullen
 
2 crianças sobredotadas
2   crianças sobredotadas2   crianças sobredotadas
2 crianças sobredotadasMicas Cullen
 
1 o inato e o adquirido as crianças selvagens
1   o inato e o adquirido as crianças selvagens1   o inato e o adquirido as crianças selvagens
1 o inato e o adquirido as crianças selvagensMicas Cullen
 
16 - Relações precoces
16 - Relações precoces16 - Relações precoces
16 - Relações precocesMicas Cullen
 
Como te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprioComo te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprioMicas Cullen
 
A importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidadeA importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidadeMicas Cullen
 
Filme voando sobre um ninho de cucos
Filme   voando sobre um ninho de cucosFilme   voando sobre um ninho de cucos
Filme voando sobre um ninho de cucosMicas Cullen
 

Mais de Micas Cullen (20)

Aptidões sociais
Aptidões sociaisAptidões sociais
Aptidões sociais
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
 
14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebés14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebés
 
13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piaget13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piaget
 
12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidade12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidade
 
11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - síntese11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - síntese
 
10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagem10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagem
 
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
 
8 adolescente
8   adolescente8   adolescente
8 adolescente
 
7 erikson e o desenvolvimento psicossocial
7   erikson e o desenvolvimento psicossocial7   erikson e o desenvolvimento psicossocial
7 erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
5 a afectividade entre mãe e bebé
5   a afectividade entre mãe e bebé5   a afectividade entre mãe e bebé
5 a afectividade entre mãe e bebé
 
4 o desenvolvimento infantil e adolescente
4   o desenvolvimento infantil e adolescente4   o desenvolvimento infantil e adolescente
4 o desenvolvimento infantil e adolescente
 
3 desenvolvimento atipico
3   desenvolvimento atipico3   desenvolvimento atipico
3 desenvolvimento atipico
 
2 crianças sobredotadas
2   crianças sobredotadas2   crianças sobredotadas
2 crianças sobredotadas
 
1 o inato e o adquirido as crianças selvagens
1   o inato e o adquirido as crianças selvagens1   o inato e o adquirido as crianças selvagens
1 o inato e o adquirido as crianças selvagens
 
16 - Relações precoces
16 - Relações precoces16 - Relações precoces
16 - Relações precoces
 
Como te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprioComo te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprio
 
A importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidadeA importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidade
 
Filme voando sobre um ninho de cucos
Filme   voando sobre um ninho de cucosFilme   voando sobre um ninho de cucos
Filme voando sobre um ninho de cucos
 

Psicologia: Estudo dos princípios gerais da humanidade

  • 1. Objectivo: Explicar o objecto de estudo da psicologia 1. ACTIVIDADES a) Confrontar as ideias que cada um tem sobre a psicologia e o seu âmbito. Elaborar um pequeno texto a partir, por exemplo, de um brainstorming. b) Consultar revistas, jornais, Internet… procurando artigos que pareçam ser do campo da psicologia. Tirar conclusões. c) Entrevistar professores da escola, de diferentes áreas disciplinares, sobre as relações da sua ciência com a psicologia. Elaborar um poster. d) Analisar o texto apresentado (sobre a psicologia) e responder às suas questões. 1. Identificar as características da ciência 2. Identificar os objectivos da psicologia e) Construir um texto sobre as principais questões desta unidade. f) Elaborar uma síntese sobre as principais ideias trabalhadas nesta unidade. Elaborar uma síntese global da turma ilustrando as ideias com os meios necessários. Construir, por exemplo, um poster. 1
  • 2. Texto Sobre a psicologia Por vezes, a psicologia é considerada um domínio que incide nas vidas íntimas e secretas dos indivíduos. Por que razão a Maria detesta a mãe e o Jorge é tão tímido com as raparigas? Questões deste género, todavia, não constituem o principal interesse da psicologia. Existe, é claro, um ramo aplicado desta ciência que trata de vários problemas de adaptação, mas as questões fundamentais que a psicologia suscita são de um tipo mais geral. O seu objectivo não é descrever as características de determinado indivíduo, mas encontrar os factos comuns a toda a humanidade. A razão é simples. A psicologia é uma ciência e, como todas as outras ciências, procura os princípios gerais: um único acontecimento em si mesmo pouco significa; o que conta é o que qualquer acontecimento, ou objecto ou pessoa, tem em comum com outros. Finalmente, a psicologia, como as demais ciências, espera fazer o percurso inverso para compreender o acontecimento individual. Tenta descobrir, digamos, certos princípios gerais do conflito do adolescente ou das relações mãe-filha para explicar a razão por que o Jorge é tão tímido com as raparigas e a Maria é tão áspera com a mãe. Uma vez obtidos esses conhecimentos, eles podem ter aplicações práticas: ajudar o aconselhamento e a orientação e, talvez, a realizar mudanças desejáveis. Mas, pelo menos no início, a preocupação essencial da ciência é a descoberta de princípios gerais. Haverá algum domínio cujo interesse essencial resida nas pessoas individuais, que se preocupe com um Jorge e uma Maria em nada semelhantes a alguém que alguma vez tenha vivido ou venha a viver? Esse domínio é a literatura. Os grandes romancistas e dramaturgos deram-nos retratos de indivíduos activos e vivos existentes em determinado tempo e lugar. Nada existe de abstracto e geral na angústia de Hamlet ou na ambição criminosa de Macbeth. São indivíduos concretos, particulares, com amores e medos especiais, peculiarmente seus. Mas a partir destas peculiaridades, Shakespeare dá-nos uma visão do que é comum a toda a humanidade, o que Hamlet e Macbeth têm em comum com todos nós. A ciência e a arte têm muito a dizer sobre a natureza humana, mas tomam direcções opostas. A ciência tenta descobrir princípios gerais e aplica-os, em seguida, ao caso individual. A arte concentra-se no caso particular e utiliza-o, depois, para ilustrar o que é universal em todos nós. Adaptado de H. Gleitman, Psicologia. 1993 2