SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Ficha D2
                           Desenvolvimento e socialização: a relação mãe-bebé
  www.espanto.info

            A relação mãe-bebé: a sua importância no desenvolvimento


                                    E tudo começa no útero…
       “Estudos feitos sobre o campo sensorial e comportamental do feto modificaram bastante a visão
do universo intra-uterino. Sabemos que este ambiente oferece muitos estímulos acústicos para o bebé
provenientes do corpo da mãe (batimentos cardíacos, voz, ruídos da digestão) e também do mundo
externo. Resultados de pesquisas sugerem que o feto é capaz de se familiarizar com sons repetidos da
fala materna e que os mesmos são associados à segurança e tem efeito tranquilizador.
        A criança que se está formando no útero não está tendo apenas os seus aspectos físicos formados.
A sua personalidade também já está sendo moldada. Esta primeira morada é muito marcante; tudo o que
acontecer à mãe - de bom e de mau - nos níveis físico, mental e emocional, fará parte da vivência e
constituição do bebé. Um susto, uma ansiedade põem em acção o sistema nervoso autónomo da mãe e
estas mudanças podem ser perturbadoras para o feto.
       Durante os meses iniciais a qualidade das primeiras conversas depende da maneira pela qual os
pais comunicam com o bebé. É importante enquanto se fala, olhá-lo bem de frente e segurar a sua nuca
firmemente para que ele se sinta protegido. Nesta interacção com o bebé é interessante aprimorar este
vínculo afectivo associando à fala, carícias, beijos, toques e olhares com a finalidade de manter contacto
e demonstrar afecto. Tudo isto facilitará o relacionamento futuro.”
                                                          http://www.viasaude.com.br/artigos/dialogo.htm



           A vinculação mãe-filho e o nascimento psicológico do ser humano
        A relação mãe-filho, tão importante para o desenvolvimento do ego da criança, inicia-se bem cedo.
Neumann salienta que sendo o ser humano incapaz de ser independente logo após o nascimento,
diferentemente dos demais animais, prorroga sua fase embrionária para além do nascimento. A fase
embrionária compreende, então, os 9 meses intra-uterinos e mais 1 ano pós-uterino. Nesta fase, a criança
vive o inconsciente da mãe, está ligada à mãe fisicamente e psicologicamente, dependendo dela para tudo.
Após esta fase, a criança inicia o seu processo de desligamento da mãe, juntamente com a formação e
fortalecimento do ego.
        Para a Psicanálise, a consciência surge a partir do inconsciente, primeiramente como pequenos
sinais fugazes, depois como pequenas ilhas que surgem ao longo do oceano até formar um arquipélago.
        Na relação mãe-filho, nos primeiros meses, a qual Neumann chamou de “relação primal mãe-
filho”, a criança vive e experimenta o corpo da mãe como sendo ela mesma e o mundo. Não possui
consciência capaz de discernimento, percepção e controle do seu próprio corpo.
        Salienta Neumann: “Para a criança nessa fase, a mãe não está nem dentro nem fora; para a criança
os seios não fazem parte de uma realidade separada de si e externa; o seu próprio corpo não é
experimentado como seu. Mãe e filho continuam tão interligados como na fase uterina, como se formasse
uma unidade; só que a unidade que formam é dual.”
        É necessário haver uma base sólida edificada com confiança e segurança durante a relação mãe-
filho, onde o ego poderá encontrar o caminho do desenvolvimento sadio.
        Embora este desenvolvimento ocorra gradualmente, há uma forte tendência, na criança, de manter-
se nesta relação simbiótica com a mãe, porque depende dela materialmente e psicologicamente. Uma
ruptura abrupta nesta relação causará danos irreparáveis ao desenvolvimento da criança. A
ausência da figura materna poderá provocar uma perda de contacto com o mundo e deficiências na
formação do ego. Para Neumann “A relação primal mãe-filho é a expressão de uma capacidade de
relacionar-se de maneira total, como fica dramaticamente demonstrado pelo facto de que, para uma
criança, a sua falta pode provocar distúrbios emocionais de ordem tal que culminam em apatia, em idiotia
e até mesmo a morte. A perda da mãe representa muitíssimo mais do que apenas a perda de uma fonte de
alimentos. Para um recém-nascido – até mesmo quando continua a ser bem alimentado – equivale à perda
da vida. A presença de uma mãe amorosa que fornece alimentação insuficiente não é de forma alguma tão


                                                                 Ficha D2 - Página 1 de 4
desastrosa quanto à de uma mãe pouco afectuosa que fornece alimento em abundância.”
       A qualidade do amor na relação primal mãe-filho estabelecerá a qualidade das relações do
indivíduo com o mundo interno e externo quando a criança se desligar da mãe. O que conta nesta relação
é a qualidade do amor e não a quantidade de amor que a mãe dispensa ao filho. O amor em excesso e
possessivo sufoca e gera
       Outros factores, não menos importantes, influenciam a qualidade da relação primal mãe-filho, por
exemplo; se a criança foi desejada ou não, se o sexo era o desejado ou não, se a mãe tem um complexo de
inferioridade em relação ao seu próprio sexo, etc.
                                                                                Vanilde Gerolim Portillo
                        http://www.portaldomarketing.com/Artigos/Relacionamento%20mae%20filho.htm


                     Consequências da privação do contacto materno
      O problema relativo à separação mãe-filho durante os primeiros anos da infância vem sendo posto
em foco no últimos tempos, merecendo menção particular o trabalho de Margaret Ribble, que após oito
anos de estudos em vários países, frequentando hospitais e outras instituições para crianças, como
orfanatos, divulgou em 1943 os resultados das suas pesquisas, dos quais se conclui que o amor e a
assistência da mãe constituem a melhor medicina para a criança. Em sua interessante publicação "The
Rights of Infants", esta autora nos mostra como certas doenças físicos atingem preferentemente crianças
de alguns lares abastados ou internados em hospitais, não obstante estarem cercados de todos os cuidados
de ordem física, enquanto poupam, em geral, aquelas outras de lares pobres, mesmo sem condições
satisfatórias de higiene, mas assistidas por uma mãe suficientemente boa.
      As observações nesse sentido hoje avolumam-se e usa-se mesmo a denominação de "criança
carenciada" ou "criança carente", para designar os pequenos seres desprotegidos da sorte, carenciados não
no sentido das conhecidas vitaminas ou dos sais minerais, e sim com carência de amor. Esse conceito se
aplica não apenas à criança separada da mãe, mas também àquela que, vivendo no seio da família, possui
mãe ou pessoa que a substitui, incapaz de cuidá-la afectuosamente.
      O bebé carenciado apresenta como características: ausência de sorriso diante de uma fisionomia
humana, diminuição do interesse e da capacidade de reacção, vivacidade quase nula, desenvolvimento
psicomotor nitidamente inferior em relação aos outros lactentes. Crianças de menos de seis meses
internadas em instituições podem apresentar aspecto infeliz, apatia, relativa imobilidade, falta de sucção
dos objectos, falta de apetite, estagnação no ganho de peso, ausência de reacções a estímulos (sorriso ou
vocalização), predisposição a episódios febris, evacuações frequentes, palidez, perturbações do sono.
Vários autores observaram a rapidez com que os sintomas criados pela hospitalização ("hospitalismo")
desaparecem quando a criança passa a receber carinho e afecto.
      O importante, entretanto, é que a carência de afecto não se restringe a provocar efeitos imediatos na
criança, senão que, quando muito intensa e prolongada acarreta determinadas perturbações na esfera
psicológica que só serão evidenciadas na sua plenitude na idade adulta, perturbações essas muitas vezes
irreversíveis, como é o caso de certas desordens da personalidade.
      Hoje há unanimidade de ponto de vista no que se refere ao seguinte: a criança privada de afeição
maternal revela, quase sempre, um retardamento físico, intelectual e social, e muito provavelmente
apresentará distúrbios da personalidade no curso ulterior da vida. Seria impossível enumerar a farta massa
de observações e experiências, muitas delas com estatísticas comprovantes. Tanto o quociente intelectual
(Q.I.) como o quociente de desenvolvimento (Q.D.) dessas crianças mostra-se consideravelmente mais
baixo que das demais ou das que serviram como testemunhas nos estudos efectuados.
      As repercussões da falta de cuidados maternais variam em função da intensidade da privação.
Quando parcial, pode acarretar grande ansiedade, necessidade excessiva de afeição e poderosos desejos
de vingança, fonte, por sua vez, de sentimentos de culpa e de estados depressivos. Tais emoções
costumam ser demasiado intensas para serem bem elaboradas pela criança, a quem falta maturidade
fisiológica e psicológica. Assim, tais reacções emocionais geralmente acabam provocando perturbações
significativas na estrutura psíquica, capazes de levar à formação de sintomas neuróticos e/ou à
instabilidades mais graves no funcionamento mental. Quando total, a carência afectiva leva a
deformações mais graves sobre o desenvolvimento da personalidade e pode comprometer definitivamente
a faculdade de estabelecer contactos afectivos.



                                                                 Ficha D2 - Página 2 de 4
Em realidade, é na infância que se estabelecem os nexos afectivos, que se formam os padrões
individuais de reacção emocional responsável pela estruturação da personalidade adulta. Numerosas
crianças carenciadas caminham para a criminalidade. Autores que estudaram a delinquências observaram
que a ausência de laços afectivos satisfatórios durante a primeira infância predispõe a criança a reagir de
maneira anti-social.
                                                                                         Danilo Perestrello
                     http://www.decio.tenenbaum.com/psicologiamedica/textos/separacao_mae_filho.htm



                                     A necessidade de afecto
       “Spitz concluiu através das suas experiências que a privação de contacto físico em crianças, por
tempo prolongado, poderá levar ao enfraquecimento e até à morte. É o que Spitz chamou de privação
afectiva e sugere que a forma mais eficaz de suprir essas carências é através da intimidade física.
Berne cita um fenómeno semelhante observado em adultos quando submetidos à privação sensorial, em
que o indivíduo pode apresentar psicose passageira ou distúrbios mentais temporários, como é o caso de
indivíduos condenados a longos períodos em solitárias, sendo este o castigo mais temido até mesmo pelos
prisioneiros endurecidos pela brutalidade física. Cita também, na sua obra "Sexo e Amor", p. 158, o
isolamento total como sendo uma das formas mais eficazes, usada como tortura, para obter confissões.
A privação emocional e sensorial poderá produzir modificações no organismo, continua Berne, citando
que se parte do "sistema reticular" não for suficientemente estimulado, as células novas podem degenerar-
se. Assim sendo, pode-se estabelecer uma ligação biológica da privação afectiva e sensorial às alterações
degenerativas e morte. A partir dessas observações, Berne estabeleceu uma ligação em que a fome de
estímulos ou de relacionamento pode ser comparada à fome de comida em termos de sobrevivência do
organismo.
       Segundo Berne, tanto biologicamente como psicológica e socialmente, estas fomes estão ligadas de
várias formas. Cita os termos tais como desnutrição, saciedade, voracidade, jejum, apetite e outros, como
sendo facilmente transferíveis do campo da nutrição para o das emoções.
       À medida que a criança se vai desenvolvendo, vai-se processando também a separação da sua mãe,
terminando assim, a fase de estreita intimidade com ela. Daí para frente o seu destino e sobrevivência
estarão constantemente em jogo. Um aspecto é a mudança social em termos de intimidade física no estilo
infantil para o estilo adulto, e, o outro aspecto é a luta constante para consegui-lo de volta. Ou seja, há
uma mudança de modo que ele aprenderá a se satisfazer com outras formas de contato físico mais subtis.
Contudo, o anseio de continuar recebendo contacto físico (como recebia quando criança) permanece.
       Harry F. Harlow em seu laboratório experimental, criou uma
imitação de uma macaca feita com uma armação de arame e outra
imitação também de armação de arame, porém, esta última foi forrada
com pano felpudo e macio. Na imitação de arame puro, ele colocou o
alimento (biberon) e na forrada de pelo não colocou nenhum tipo de
alimento. Observou que os filhotes de macacos preferiam aninharem-
se na armação forrada de pelo, indo até à outra apenas para saciarem a
fome.
       O resultado desta e de outras experiências, permitiram Harlow
concluir que a variável contacto reconfortante suplementa a

                         variável amamentação.
                                Harlow observou também, que os macacos rhesus com mães reais,
                         demonstravam comportamentos social e sexual mais adiantados dos que os
                         criados com mães substitutas, de arame com pelo, e que estes últimos
                         apresentavam comportamentos sociais e sexuais normais se diariamente tivessem
                         oportunidade de brincar no ambiente estimulador dos outros filhotes. Harlow
                         menciona que não se deve subestimar o papel desempenhado pelo
                         relacionamento dos filhotes entre si, como determinante dos ajustamentos na
                         adolescência e idade adulta. Harlow também sugere que a afectividade dos
                         filhotes entre si seja essencial para que o animal possa responder de maneira


                                                                 Ficha D2 - Página 3 de 4
positiva ao contacto físico com os seus semelhantes, sendo que esses contactos entre si, são
provavelmente, tanto no homem quanto no macaco, factores preponderantes na identificação dos papéis
sexuais.”
                                                                                José Silveira Passos
                                            http://www.josesilveira.com/teoriacariasspitzharlow.htm



                                    O início da socialização
      Quando os chamamentos da criança são atendidos, ela experimenta sensações agradáveis, sente-se
amada, segura, desejada. Estes sentimentos são um excelente começo de vida, funcionam como motores
do desenvolvimento de capacidades essenciais para o sucesso social, tais como a autoconfiança, a
iniciativa, a independência e a responsabilidade.
      Na comunicação que se estabelece entre filho e mãe está já em embrião o esforço de comunicação
com o meio ambiente. O sorriso da criança, a imitação de sons e os gestos em direcção às coisas são
formas incipientes de interacção com o universo social, inicialmente concentrado e reduzido à figura da
mãe.
      Segundo Spitz, entre as três e as seis semanas, o bebé sorri para outras pessoas e ao ouvir a voz
humana. Trata-se, segundo ele, da primeira manifestação de sociabilidade do bebé.
      A atmosfera afectiva e estimulante em que se procura desenvolver a sensibilidade da criança é uma
exigência das últimas décadas, na medida em que necessidades sociais impuseram uma nova estrutura e
dinâmica à estrutura familiar. Tal como o pai, a mãe tem uma ocupação profissional que não pode
abandonar para se dedicar inteiramente, como no passado, aos cuidados maternais.
      Aliás, a decisão de ser mãe implica já uma série de factores que, em tempos idos, não faziam
qualquer sentido. A decisão de ter um filho é um forte investimento por parte do casal, na medida em que
tem de reorganizar a sua vida económica, profissional, social e afectiva, de modo a criar condições
favoráveis a que a entrada do filho no mundo seja um acontecimento gratificante quer para este quer para
os progenitores.
      Esta questão é hoje crucial porque o papel que a mulher desejaria desempenhar como mãe entra em
conflito com outros papéis sociais que tem de desempenhar. A responsabilidade de criar, cuidar e educar
um filho tem de ser partilhada pelo pai e pela mãe, havendo mesmo casos em que os cuidados matemos
são assumidos mais pelo pai do que pela mãe.
      Em função disto, quando se fala na relação mãe-filho, tem de entender-se como uma relação entre a
criança e um adulto significativo, aquele que lhe proporciona as experiências precoces mais estimulantes
e positivas, que com ele passa mais tempo e lhe dispensa maior atenção e afecto.
                                                                             M.A. Abrunhosa e M. Leitão




                                              Actividades:

      1. A relação mãe-filho é fundamental para o desenvolvimento do ser humano. Explique porquê,
         tendo em conta os dados apresentados nesta ficha.
      2. A vinculação afectiva do bebé com a mãe é uma necessidade básica do ser humano. Quais as
         consequências de uma ausência de vinculação mãe-filho?
      3. É conhecido o ditado de origem bíblica “nem só de pão vive o homem”. Tendo em conta o
         sentido deste ditado comente o texto “a necessidade de afecto”.




                                                               Ficha D2 - Página 4 de 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

John Bowlby e a Teoria do Apego
John Bowlby e a Teoria do ApegoJohn Bowlby e a Teoria do Apego
John Bowlby e a Teoria do ApegoThiago de Almeida
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoSilvia Marina Anaruma
 
Teoria do apego john bowlby
Teoria do apego    john bowlbyTeoria do apego    john bowlby
Teoria do apego john bowlbyAclecio Dantas
 
Educar na era planetária trabalho02
Educar na era planetária  trabalho02Educar na era planetária  trabalho02
Educar na era planetária trabalho02Edson Demarch
 
Educação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e TrabalhoEducação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e Trabalholucavao2010
 
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo UniãoEducação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo Uniãogrupouniao
 
Adolescentes dependentes de Internet
Adolescentes dependentes de Internet Adolescentes dependentes de Internet
Adolescentes dependentes de Internet Cínthia Demaria
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaSusana Henriques
 
ABUSO DE CRIANÇAS
ABUSO DE CRIANÇASABUSO DE CRIANÇAS
ABUSO DE CRIANÇASAlbino Gomes
 
Indisciplina em contexto escolar
Indisciplina em contexto escolarIndisciplina em contexto escolar
Indisciplina em contexto escolarProgramaEscolasTEIP
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRaQuel Oliveira
 
Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias
Vícios Digitais: o papel da escola  frente ao uso consciente das  tecnologias Vícios Digitais: o papel da escola  frente ao uso consciente das  tecnologias
Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias Universidade Estadual do Ceará
 

Mais procurados (20)

Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
 
Teorias de Ensino
Teorias de EnsinoTeorias de Ensino
Teorias de Ensino
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
 
John Bowlby e a Teoria do Apego
John Bowlby e a Teoria do ApegoJohn Bowlby e a Teoria do Apego
John Bowlby e a Teoria do Apego
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
 
Teoria do apego john bowlby
Teoria do apego    john bowlbyTeoria do apego    john bowlby
Teoria do apego john bowlby
 
Educar na era planetária trabalho02
Educar na era planetária  trabalho02Educar na era planetária  trabalho02
Educar na era planetária trabalho02
 
Educação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e TrabalhoEducação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e Trabalho
 
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo UniãoEducação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Adolescentes dependentes de Internet
Adolescentes dependentes de Internet Adolescentes dependentes de Internet
Adolescentes dependentes de Internet
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
 
ABUSO DE CRIANÇAS
ABUSO DE CRIANÇASABUSO DE CRIANÇAS
ABUSO DE CRIANÇAS
 
Indisciplina em contexto escolar
Indisciplina em contexto escolarIndisciplina em contexto escolar
Indisciplina em contexto escolar
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologia
 
Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias
Vícios Digitais: o papel da escola  frente ao uso consciente das  tecnologias Vícios Digitais: o papel da escola  frente ao uso consciente das  tecnologias
Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
 

Destaque

4 o desenvolvimento infantil e adolescente
4   o desenvolvimento infantil e adolescente4   o desenvolvimento infantil e adolescente
4 o desenvolvimento infantil e adolescenteMicas Cullen
 
5 a afectividade entre mãe e bebé
5   a afectividade entre mãe e bebé5   a afectividade entre mãe e bebé
5 a afectividade entre mãe e bebéMicas Cullen
 
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitorMicas Cullen
 
10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagem10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagemMicas Cullen
 
7 erikson e o desenvolvimento psicossocial
7   erikson e o desenvolvimento psicossocial7   erikson e o desenvolvimento psicossocial
7 erikson e o desenvolvimento psicossocialMicas Cullen
 
1 o inato e o adquirido as crianças selvagens
1   o inato e o adquirido as crianças selvagens1   o inato e o adquirido as crianças selvagens
1 o inato e o adquirido as crianças selvagensMicas Cullen
 
2 crianças sobredotadas
2   crianças sobredotadas2   crianças sobredotadas
2 crianças sobredotadasMicas Cullen
 
13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piaget13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piagetMicas Cullen
 
11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - síntese11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - sínteseMicas Cullen
 
12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidade12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidadeMicas Cullen
 
3 desenvolvimento atipico
3   desenvolvimento atipico3   desenvolvimento atipico
3 desenvolvimento atipicoMicas Cullen
 
14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebés14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebésMicas Cullen
 
Processos relacionais e grupais roteiro
Processos relacionais e grupais   roteiroProcessos relacionais e grupais   roteiro
Processos relacionais e grupais roteiroMarcelo Anjos
 
O que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalO que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalMarcelo Anjos
 
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacionalDossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacionalMarcelo Anjos
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótiposMarcelo Anjos
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chaveMarcelo Anjos
 
A comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalA comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalMarcelo Anjos
 

Destaque (20)

4 o desenvolvimento infantil e adolescente
4   o desenvolvimento infantil e adolescente4   o desenvolvimento infantil e adolescente
4 o desenvolvimento infantil e adolescente
 
5 a afectividade entre mãe e bebé
5   a afectividade entre mãe e bebé5   a afectividade entre mãe e bebé
5 a afectividade entre mãe e bebé
 
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
15 - Bowlby e o estudo de vinculação mae-bebe ou progenitor
 
10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagem10 - Relato criança selvagem
10 - Relato criança selvagem
 
7 erikson e o desenvolvimento psicossocial
7   erikson e o desenvolvimento psicossocial7   erikson e o desenvolvimento psicossocial
7 erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
1 o inato e o adquirido as crianças selvagens
1   o inato e o adquirido as crianças selvagens1   o inato e o adquirido as crianças selvagens
1 o inato e o adquirido as crianças selvagens
 
2 crianças sobredotadas
2   crianças sobredotadas2   crianças sobredotadas
2 crianças sobredotadas
 
13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piaget13 - O desenvolvimento - piaget
13 - O desenvolvimento - piaget
 
11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - síntese11 - Psic.desenvolvimento - síntese
11 - Psic.desenvolvimento - síntese
 
12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidade12 - Gestação e personalidade
12 - Gestação e personalidade
 
8 adolescente
8   adolescente8   adolescente
8 adolescente
 
3 desenvolvimento atipico
3   desenvolvimento atipico3   desenvolvimento atipico
3 desenvolvimento atipico
 
14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebés14 - Comportamentos atípicos em bebés
14 - Comportamentos atípicos em bebés
 
Processos relacionais e grupais roteiro
Processos relacionais e grupais   roteiroProcessos relacionais e grupais   roteiro
Processos relacionais e grupais roteiro
 
O que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalO que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocional
 
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacionalDossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
 
A comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalA comunicação interpessoal
A comunicação interpessoal
 

Semelhante a 9 doc.16 a - a relação mãe-bebé

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilhoPaula de Almeida
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2Daniel Romeiro
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...Raphaela Marques
 
Formacao e rompimento dos lacos afetivos
Formacao e rompimento dos lacos afetivosFormacao e rompimento dos lacos afetivos
Formacao e rompimento dos lacos afetivosJéssica Petersen
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasAna Lopes
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Kátia Rumbelsperger
 
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoBaixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoVan Der Häägen Brazil
 
Crianças com nee
Crianças com neeCrianças com nee
Crianças com neeMekinho20
 
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria CarrilhoPsicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria CarrilhoMaria Carrilho
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculoDavis Mehlinsky
 
Guia -separação do casal
Guia -separação do casal Guia -separação do casal
Guia -separação do casal Ana Campelos
 
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaAleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaProama Projeto Amamentar
 
Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP
Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP
Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a 9 doc.16 a - a relação mãe-bebé (20)

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
 
Formacao e rompimento dos lacos afetivos
Formacao e rompimento dos lacos afetivosFormacao e rompimento dos lacos afetivos
Formacao e rompimento dos lacos afetivos
 
Trabalho de ai 11k
Trabalho de ai   11kTrabalho de ai   11k
Trabalho de ai 11k
 
11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a crianças
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoBaixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
 
Crianças com nee
Crianças com neeCrianças com nee
Crianças com nee
 
Curso Teoria do Apego
Curso Teoria do ApegoCurso Teoria do Apego
Curso Teoria do Apego
 
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908
 
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria CarrilhoPsicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
Psicologia do desenvolvimento humano - Maria Carrilho
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculo
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Guia -separação do casal
Guia -separação do casal Guia -separação do casal
Guia -separação do casal
 
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaAleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP
Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP
Amamentação e sexualidade - novo documento científico da SBP
 
Sexualidade & Amamentação
Sexualidade & Amamentação Sexualidade & Amamentação
Sexualidade & Amamentação
 

Mais de Micas Cullen

16 - Relações precoces
16 - Relações precoces16 - Relações precoces
16 - Relações precocesMicas Cullen
 
Como te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprioComo te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprioMicas Cullen
 
A importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidadeA importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidadeMicas Cullen
 
Filme voando sobre um ninho de cucos
Filme   voando sobre um ninho de cucosFilme   voando sobre um ninho de cucos
Filme voando sobre um ninho de cucosMicas Cullen
 
Brainstorming o que é a psicologia
Brainstorming   o que é a psicologiaBrainstorming   o que é a psicologia
Brainstorming o que é a psicologiaMicas Cullen
 
06 psicologia na_actualidade
06 psicologia na_actualidade06 psicologia na_actualidade
06 psicologia na_actualidadeMicas Cullen
 

Mais de Micas Cullen (17)

Aptidões sociais
Aptidões sociaisAptidões sociais
Aptidões sociais
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
 
Adultos
AdultosAdultos
Adultos
 
Idosos
IdososIdosos
Idosos
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
16 - Relações precoces
16 - Relações precoces16 - Relações precoces
16 - Relações precoces
 
Como te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprioComo te vês a ti próprio
Como te vês a ti próprio
 
A importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidadeA importancia da psicologia na actualidade
A importancia da psicologia na actualidade
 
Filme voando sobre um ninho de cucos
Filme   voando sobre um ninho de cucosFilme   voando sobre um ninho de cucos
Filme voando sobre um ninho de cucos
 
Brainstorming o que é a psicologia
Brainstorming   o que é a psicologiaBrainstorming   o que é a psicologia
Brainstorming o que é a psicologia
 
12 sintese d..
12 sintese d..12 sintese d..
12 sintese d..
 
09 como te_v..
09 como te_v..09 como te_v..
09 como te_v..
 
10 actividad..
10 actividad..10 actividad..
10 actividad..
 
08 sintese d..
08 sintese d..08 sintese d..
08 sintese d..
 
07 resumo -_..
07 resumo -_..07 resumo -_..
07 resumo -_..
 
06 psicologia na_actualidade
06 psicologia na_actualidade06 psicologia na_actualidade
06 psicologia na_actualidade
 

9 doc.16 a - a relação mãe-bebé

  • 1. Ficha D2 Desenvolvimento e socialização: a relação mãe-bebé www.espanto.info A relação mãe-bebé: a sua importância no desenvolvimento E tudo começa no útero… “Estudos feitos sobre o campo sensorial e comportamental do feto modificaram bastante a visão do universo intra-uterino. Sabemos que este ambiente oferece muitos estímulos acústicos para o bebé provenientes do corpo da mãe (batimentos cardíacos, voz, ruídos da digestão) e também do mundo externo. Resultados de pesquisas sugerem que o feto é capaz de se familiarizar com sons repetidos da fala materna e que os mesmos são associados à segurança e tem efeito tranquilizador. A criança que se está formando no útero não está tendo apenas os seus aspectos físicos formados. A sua personalidade também já está sendo moldada. Esta primeira morada é muito marcante; tudo o que acontecer à mãe - de bom e de mau - nos níveis físico, mental e emocional, fará parte da vivência e constituição do bebé. Um susto, uma ansiedade põem em acção o sistema nervoso autónomo da mãe e estas mudanças podem ser perturbadoras para o feto. Durante os meses iniciais a qualidade das primeiras conversas depende da maneira pela qual os pais comunicam com o bebé. É importante enquanto se fala, olhá-lo bem de frente e segurar a sua nuca firmemente para que ele se sinta protegido. Nesta interacção com o bebé é interessante aprimorar este vínculo afectivo associando à fala, carícias, beijos, toques e olhares com a finalidade de manter contacto e demonstrar afecto. Tudo isto facilitará o relacionamento futuro.” http://www.viasaude.com.br/artigos/dialogo.htm A vinculação mãe-filho e o nascimento psicológico do ser humano A relação mãe-filho, tão importante para o desenvolvimento do ego da criança, inicia-se bem cedo. Neumann salienta que sendo o ser humano incapaz de ser independente logo após o nascimento, diferentemente dos demais animais, prorroga sua fase embrionária para além do nascimento. A fase embrionária compreende, então, os 9 meses intra-uterinos e mais 1 ano pós-uterino. Nesta fase, a criança vive o inconsciente da mãe, está ligada à mãe fisicamente e psicologicamente, dependendo dela para tudo. Após esta fase, a criança inicia o seu processo de desligamento da mãe, juntamente com a formação e fortalecimento do ego. Para a Psicanálise, a consciência surge a partir do inconsciente, primeiramente como pequenos sinais fugazes, depois como pequenas ilhas que surgem ao longo do oceano até formar um arquipélago. Na relação mãe-filho, nos primeiros meses, a qual Neumann chamou de “relação primal mãe- filho”, a criança vive e experimenta o corpo da mãe como sendo ela mesma e o mundo. Não possui consciência capaz de discernimento, percepção e controle do seu próprio corpo. Salienta Neumann: “Para a criança nessa fase, a mãe não está nem dentro nem fora; para a criança os seios não fazem parte de uma realidade separada de si e externa; o seu próprio corpo não é experimentado como seu. Mãe e filho continuam tão interligados como na fase uterina, como se formasse uma unidade; só que a unidade que formam é dual.” É necessário haver uma base sólida edificada com confiança e segurança durante a relação mãe- filho, onde o ego poderá encontrar o caminho do desenvolvimento sadio. Embora este desenvolvimento ocorra gradualmente, há uma forte tendência, na criança, de manter- se nesta relação simbiótica com a mãe, porque depende dela materialmente e psicologicamente. Uma ruptura abrupta nesta relação causará danos irreparáveis ao desenvolvimento da criança. A ausência da figura materna poderá provocar uma perda de contacto com o mundo e deficiências na formação do ego. Para Neumann “A relação primal mãe-filho é a expressão de uma capacidade de relacionar-se de maneira total, como fica dramaticamente demonstrado pelo facto de que, para uma criança, a sua falta pode provocar distúrbios emocionais de ordem tal que culminam em apatia, em idiotia e até mesmo a morte. A perda da mãe representa muitíssimo mais do que apenas a perda de uma fonte de alimentos. Para um recém-nascido – até mesmo quando continua a ser bem alimentado – equivale à perda da vida. A presença de uma mãe amorosa que fornece alimentação insuficiente não é de forma alguma tão Ficha D2 - Página 1 de 4
  • 2. desastrosa quanto à de uma mãe pouco afectuosa que fornece alimento em abundância.” A qualidade do amor na relação primal mãe-filho estabelecerá a qualidade das relações do indivíduo com o mundo interno e externo quando a criança se desligar da mãe. O que conta nesta relação é a qualidade do amor e não a quantidade de amor que a mãe dispensa ao filho. O amor em excesso e possessivo sufoca e gera Outros factores, não menos importantes, influenciam a qualidade da relação primal mãe-filho, por exemplo; se a criança foi desejada ou não, se o sexo era o desejado ou não, se a mãe tem um complexo de inferioridade em relação ao seu próprio sexo, etc. Vanilde Gerolim Portillo http://www.portaldomarketing.com/Artigos/Relacionamento%20mae%20filho.htm Consequências da privação do contacto materno O problema relativo à separação mãe-filho durante os primeiros anos da infância vem sendo posto em foco no últimos tempos, merecendo menção particular o trabalho de Margaret Ribble, que após oito anos de estudos em vários países, frequentando hospitais e outras instituições para crianças, como orfanatos, divulgou em 1943 os resultados das suas pesquisas, dos quais se conclui que o amor e a assistência da mãe constituem a melhor medicina para a criança. Em sua interessante publicação "The Rights of Infants", esta autora nos mostra como certas doenças físicos atingem preferentemente crianças de alguns lares abastados ou internados em hospitais, não obstante estarem cercados de todos os cuidados de ordem física, enquanto poupam, em geral, aquelas outras de lares pobres, mesmo sem condições satisfatórias de higiene, mas assistidas por uma mãe suficientemente boa. As observações nesse sentido hoje avolumam-se e usa-se mesmo a denominação de "criança carenciada" ou "criança carente", para designar os pequenos seres desprotegidos da sorte, carenciados não no sentido das conhecidas vitaminas ou dos sais minerais, e sim com carência de amor. Esse conceito se aplica não apenas à criança separada da mãe, mas também àquela que, vivendo no seio da família, possui mãe ou pessoa que a substitui, incapaz de cuidá-la afectuosamente. O bebé carenciado apresenta como características: ausência de sorriso diante de uma fisionomia humana, diminuição do interesse e da capacidade de reacção, vivacidade quase nula, desenvolvimento psicomotor nitidamente inferior em relação aos outros lactentes. Crianças de menos de seis meses internadas em instituições podem apresentar aspecto infeliz, apatia, relativa imobilidade, falta de sucção dos objectos, falta de apetite, estagnação no ganho de peso, ausência de reacções a estímulos (sorriso ou vocalização), predisposição a episódios febris, evacuações frequentes, palidez, perturbações do sono. Vários autores observaram a rapidez com que os sintomas criados pela hospitalização ("hospitalismo") desaparecem quando a criança passa a receber carinho e afecto. O importante, entretanto, é que a carência de afecto não se restringe a provocar efeitos imediatos na criança, senão que, quando muito intensa e prolongada acarreta determinadas perturbações na esfera psicológica que só serão evidenciadas na sua plenitude na idade adulta, perturbações essas muitas vezes irreversíveis, como é o caso de certas desordens da personalidade. Hoje há unanimidade de ponto de vista no que se refere ao seguinte: a criança privada de afeição maternal revela, quase sempre, um retardamento físico, intelectual e social, e muito provavelmente apresentará distúrbios da personalidade no curso ulterior da vida. Seria impossível enumerar a farta massa de observações e experiências, muitas delas com estatísticas comprovantes. Tanto o quociente intelectual (Q.I.) como o quociente de desenvolvimento (Q.D.) dessas crianças mostra-se consideravelmente mais baixo que das demais ou das que serviram como testemunhas nos estudos efectuados. As repercussões da falta de cuidados maternais variam em função da intensidade da privação. Quando parcial, pode acarretar grande ansiedade, necessidade excessiva de afeição e poderosos desejos de vingança, fonte, por sua vez, de sentimentos de culpa e de estados depressivos. Tais emoções costumam ser demasiado intensas para serem bem elaboradas pela criança, a quem falta maturidade fisiológica e psicológica. Assim, tais reacções emocionais geralmente acabam provocando perturbações significativas na estrutura psíquica, capazes de levar à formação de sintomas neuróticos e/ou à instabilidades mais graves no funcionamento mental. Quando total, a carência afectiva leva a deformações mais graves sobre o desenvolvimento da personalidade e pode comprometer definitivamente a faculdade de estabelecer contactos afectivos. Ficha D2 - Página 2 de 4
  • 3. Em realidade, é na infância que se estabelecem os nexos afectivos, que se formam os padrões individuais de reacção emocional responsável pela estruturação da personalidade adulta. Numerosas crianças carenciadas caminham para a criminalidade. Autores que estudaram a delinquências observaram que a ausência de laços afectivos satisfatórios durante a primeira infância predispõe a criança a reagir de maneira anti-social. Danilo Perestrello http://www.decio.tenenbaum.com/psicologiamedica/textos/separacao_mae_filho.htm A necessidade de afecto “Spitz concluiu através das suas experiências que a privação de contacto físico em crianças, por tempo prolongado, poderá levar ao enfraquecimento e até à morte. É o que Spitz chamou de privação afectiva e sugere que a forma mais eficaz de suprir essas carências é através da intimidade física. Berne cita um fenómeno semelhante observado em adultos quando submetidos à privação sensorial, em que o indivíduo pode apresentar psicose passageira ou distúrbios mentais temporários, como é o caso de indivíduos condenados a longos períodos em solitárias, sendo este o castigo mais temido até mesmo pelos prisioneiros endurecidos pela brutalidade física. Cita também, na sua obra "Sexo e Amor", p. 158, o isolamento total como sendo uma das formas mais eficazes, usada como tortura, para obter confissões. A privação emocional e sensorial poderá produzir modificações no organismo, continua Berne, citando que se parte do "sistema reticular" não for suficientemente estimulado, as células novas podem degenerar- se. Assim sendo, pode-se estabelecer uma ligação biológica da privação afectiva e sensorial às alterações degenerativas e morte. A partir dessas observações, Berne estabeleceu uma ligação em que a fome de estímulos ou de relacionamento pode ser comparada à fome de comida em termos de sobrevivência do organismo. Segundo Berne, tanto biologicamente como psicológica e socialmente, estas fomes estão ligadas de várias formas. Cita os termos tais como desnutrição, saciedade, voracidade, jejum, apetite e outros, como sendo facilmente transferíveis do campo da nutrição para o das emoções. À medida que a criança se vai desenvolvendo, vai-se processando também a separação da sua mãe, terminando assim, a fase de estreita intimidade com ela. Daí para frente o seu destino e sobrevivência estarão constantemente em jogo. Um aspecto é a mudança social em termos de intimidade física no estilo infantil para o estilo adulto, e, o outro aspecto é a luta constante para consegui-lo de volta. Ou seja, há uma mudança de modo que ele aprenderá a se satisfazer com outras formas de contato físico mais subtis. Contudo, o anseio de continuar recebendo contacto físico (como recebia quando criança) permanece. Harry F. Harlow em seu laboratório experimental, criou uma imitação de uma macaca feita com uma armação de arame e outra imitação também de armação de arame, porém, esta última foi forrada com pano felpudo e macio. Na imitação de arame puro, ele colocou o alimento (biberon) e na forrada de pelo não colocou nenhum tipo de alimento. Observou que os filhotes de macacos preferiam aninharem- se na armação forrada de pelo, indo até à outra apenas para saciarem a fome. O resultado desta e de outras experiências, permitiram Harlow concluir que a variável contacto reconfortante suplementa a variável amamentação. Harlow observou também, que os macacos rhesus com mães reais, demonstravam comportamentos social e sexual mais adiantados dos que os criados com mães substitutas, de arame com pelo, e que estes últimos apresentavam comportamentos sociais e sexuais normais se diariamente tivessem oportunidade de brincar no ambiente estimulador dos outros filhotes. Harlow menciona que não se deve subestimar o papel desempenhado pelo relacionamento dos filhotes entre si, como determinante dos ajustamentos na adolescência e idade adulta. Harlow também sugere que a afectividade dos filhotes entre si seja essencial para que o animal possa responder de maneira Ficha D2 - Página 3 de 4
  • 4. positiva ao contacto físico com os seus semelhantes, sendo que esses contactos entre si, são provavelmente, tanto no homem quanto no macaco, factores preponderantes na identificação dos papéis sexuais.” José Silveira Passos http://www.josesilveira.com/teoriacariasspitzharlow.htm O início da socialização Quando os chamamentos da criança são atendidos, ela experimenta sensações agradáveis, sente-se amada, segura, desejada. Estes sentimentos são um excelente começo de vida, funcionam como motores do desenvolvimento de capacidades essenciais para o sucesso social, tais como a autoconfiança, a iniciativa, a independência e a responsabilidade. Na comunicação que se estabelece entre filho e mãe está já em embrião o esforço de comunicação com o meio ambiente. O sorriso da criança, a imitação de sons e os gestos em direcção às coisas são formas incipientes de interacção com o universo social, inicialmente concentrado e reduzido à figura da mãe. Segundo Spitz, entre as três e as seis semanas, o bebé sorri para outras pessoas e ao ouvir a voz humana. Trata-se, segundo ele, da primeira manifestação de sociabilidade do bebé. A atmosfera afectiva e estimulante em que se procura desenvolver a sensibilidade da criança é uma exigência das últimas décadas, na medida em que necessidades sociais impuseram uma nova estrutura e dinâmica à estrutura familiar. Tal como o pai, a mãe tem uma ocupação profissional que não pode abandonar para se dedicar inteiramente, como no passado, aos cuidados maternais. Aliás, a decisão de ser mãe implica já uma série de factores que, em tempos idos, não faziam qualquer sentido. A decisão de ter um filho é um forte investimento por parte do casal, na medida em que tem de reorganizar a sua vida económica, profissional, social e afectiva, de modo a criar condições favoráveis a que a entrada do filho no mundo seja um acontecimento gratificante quer para este quer para os progenitores. Esta questão é hoje crucial porque o papel que a mulher desejaria desempenhar como mãe entra em conflito com outros papéis sociais que tem de desempenhar. A responsabilidade de criar, cuidar e educar um filho tem de ser partilhada pelo pai e pela mãe, havendo mesmo casos em que os cuidados matemos são assumidos mais pelo pai do que pela mãe. Em função disto, quando se fala na relação mãe-filho, tem de entender-se como uma relação entre a criança e um adulto significativo, aquele que lhe proporciona as experiências precoces mais estimulantes e positivas, que com ele passa mais tempo e lhe dispensa maior atenção e afecto. M.A. Abrunhosa e M. Leitão Actividades: 1. A relação mãe-filho é fundamental para o desenvolvimento do ser humano. Explique porquê, tendo em conta os dados apresentados nesta ficha. 2. A vinculação afectiva do bebé com a mãe é uma necessidade básica do ser humano. Quais as consequências de uma ausência de vinculação mãe-filho? 3. É conhecido o ditado de origem bíblica “nem só de pão vive o homem”. Tendo em conta o sentido deste ditado comente o texto “a necessidade de afecto”. Ficha D2 - Página 4 de 4