LINHAS DO DESTINO
1
A Deus, que me abençoa de várias formas.
A minha esposa, por todos esses anos de lutas.
A Nair, pela c...
L.P.OWEN
2
Capitulo 1
A ROTINA
O dia estava amanhecendo o movimento costumeiro de
todas as manhãs já era notado.
Enquanto ...
LINHAS DO DESTINO
3
- Tenho cinco aulas - respondeu o garoto.
Luís sempre se questionava porque seu pai lhe perguntava
sob...
L.P.OWEN
4
Durante o trajeto, que durava aproximadamente 15
minutos até a escola, conversaram sobre vários assuntos.
Ana d...
LINHAS DO DESTINO
5
Com um corpo escultural, em seus 1,75m e 65kg, faziam-
na uma mulher admirada.
Sempre bem vestida com ...
L.P.OWEN
6
entregou-lhe uma prancheta com os prontuários dos
enfermos que seriam medicados.
Normalmente tinham uma breve c...
LINHAS DO DESTINO
7
- Bom dia! - Disse sorrindo - Como está se sentindo Caio?
- Mais ou menos, estou com um pouco de dor. ...
L.P.OWEN
8
Neste momento no alto-falante, ouviu seu nome sendo
chamado. Sua presença era solicitada na sala de
emergências...
LINHAS DO DESTINO
9
Olhou para a garota, viu um rosto com feições delicadas.
Apesar de estar suja de sangue, com alguns he...
L.P.OWEN
10
Estava exausta de tanto ficar em pé, não via a hora de
chegar e tomar um banho de imersão. Enquanto fazia o
tr...
LINHAS DO DESTINO
11
- Está bem mamãe. Como foi seu dia? - Perguntou
sorrindo.
- Foi muito cansativo, mas compensador porq...
L.P.OWEN
12
contaminação, apesar do uso de roupas diferentes, não
gostava de ficar muito tempo sem o banho.
Luís estava ac...
LINHAS DO DESTINO
13
Aquelas palavras foram como alento para a alma de Ana
fazendo lágrimas rolar. Desejou responder, mas ...
L.P.OWEN
14
trabalhar. Enquanto se maquiava, Roberto despediu-se e
saiu.
Quando descobriu que Luís, desta vez, estava prep...
LINHAS DO DESTINO
15
Capitulo dois
UM ANJO NA TERRA
Dona Raquel, expressão serena, olhos castanhos-escuros
de brilho inten...
L.P.OWEN
16
- Estou bem minha querida. Você como está? –
Retribuindo o sorriso.
- Tudo ótimo. Graças a Deus. – Respondeu s...
LINHAS DO DESTINO
17
Portanto, pare de culpar-se. Continue fazendo o seu
melhor, mesmo que você não ache, o importante é q...
L.P.OWEN
18
Andando pelo corredor viu um homem sentado num
banco da sala reservada aos pacientes, que aguardavam
para inte...
LINHAS DO DESTINO
19
- O meu é Carlos. - Respondeu ainda meio desconfiado se
aquela mulher frágil pudesse resolver seu pro...
L.P.OWEN
20
- Talvez o seu problema seja maior do que o que vi
ontem. – Continuou sua narração.
- Ao chegar aqui fiquei sa...
LINHAS DO DESTINO
21
um carro que estava em alta velocidade. - Não esperou
comentário algum somente continuou sua narrativ...
L.P.OWEN
22
Sua esposa Olga fazia de tudo para ajudar no
orçamento, trabalhava como diarista, por vezes cozinhava,
lavava ...
LINHAS DO DESTINO
23
Capitulo três
UM NOVO RUMO
Ana pediu para Carlos sentar-se na cadeira de roda para
ser conduzido ao q...
L.P.OWEN
24
- Está ocupada? – A pergunta que sempre fazia para
poder ser breve.
- Sempre estou ocupada, você sabe disso, d...
LINHAS DO DESTINO
25
Capitulo quatro
UMA LINHA TÊNUE
No CTI Gabriel lutava por sua sobrevivência. Os
encarregados de seu t...
L.P.OWEN
26
No leito de Gabriel, parou por mais tempo, segurou sua
mão e ficou assim por algum tempo fazendo suas preces
m...
LINHAS DO DESTINO
27
Capitulo cinco
UM SUSTO
À hora do almoço Ana retirou seu avental e foi em direção
ao estacionamento p...
L.P.OWEN
28
Capitulo seis
NOVO AMIGO
Antes de ir embora dona Raquel aproveitou para passar no
quarto do senhor Carlos enco...
LINHAS DO DESTINO
29
Capítulo sete
DESILUSÃO
Quando Ana chegou ao hospital para visitar Roberto, foi
ao quarto indicado. A...
L.P.OWEN
30
- Há quanto tempo vocês estão juntos? – Perguntou
sentindo vontade de quebrar-lhe o pescoço, mas mantendo
o co...
LINHAS DO DESTINO
31
Capítulo oito
A NOTÍCIA
Luís fazia suas tarefas. Ficou surpreso quando viu sua mãe
chegando naquele h...
L.P.OWEN
32
volta ao hospital fui informada que ele havia sofrido um
acidente e estava internado, mas não corria perigo.
-...
LINHAS DO DESTINO
33
Ana concordou. Deu-lhe um beijo e antes de deixar o
quarto e entrar no banho ouviu:
- Tenho uma coisa...
L.P.OWEN
34
- Você será responsável por todos os cuidados, banho,
comida, limpeza da sujeira que ele fizer, dos passeios e...
LINHAS DO DESTINO
35
O dia amanheceu bonito, o outono estava chegando ao
final. Apesar de ensolarado, a temperatura estava...
L.P.OWEN
36
Capítulo nove
OUTRO DIA
Ana foi para o trabalho, o trânsito, como sempre, muito
intenso. As pessoas com os ner...
LINHAS DO DESTINO
37
As duas entraram no hospital. Raquel foi para a capela
fazer suas orações, Ana seguiu para a sala de ...
L.P.OWEN
38
Capítulo dez
O PASSADO
Ana foi em direção ao seu setor verificar os prontuários
médicos dos pacientes e inicio...
LINHAS DO DESTINO
39
Fazia uns cinco anos desde que falecera e desde então sua
mãe se mudara para o interior próximo ao se...
L.P.OWEN
40
- O senhor fez lembrar-me de alguém muito importante.
- Disse Ana para deixá-lo mais tranquilo.
- Quem era ess...
LINHAS DO DESTINO
41
ter um filho, mas vieram três mulheres, então torci para ter
um neto e ganhei uma neta. Pode você acr...
L.P.OWEN
42
conhecem e a adoram. - Disse Ana com muita
admiração – Tenho certeza de que Deus ouviu suas
orações.
- Quem el...
LINHAS DO DESTINO
43
Capítulo onze
A LEMBRANÇA
Ao sair pensou em procurá-la e descobrir algo sobre ela,
onde morava, se ti...
L.P.OWEN
44
em melhores condições físicas. Nenhum era deixado
para traz num gesto de solidariedade e amor ao próximo.
- Qu...
LINHAS DO DESTINO
45
Capitulo doze
UM OMBRO AMIGO
Ao retornar a sala de preparo de medicação encontrou
Márcia e percebeu q...
L.P.OWEN
46
Ana notou que ela tinha um papel na mão, reconheceu
ser o resultado de um exame utilizado no hospital, mas
não...
LINHAS DO DESTINO
47
As duas ficaram conversando por algum tempo. Márcia
fez algumas confidências à Ana.
- Tenho um sonho ...
L.P.OWEN
48
receberam demonstrações de carinho daqueles que um
dia necessitaram dos seus carinhos.
Algumas pessoas já tinh...
LINHAS DO DESTINO
49
Capitulo treze
HORA DA VISITA
Luís estava à porta da escola quando Ana chegou.
- Como foi sua manhã m...
L.P.OWEN
50
Os dois entraram no restaurante. Luís pediu um lanche
natural e um suco de laranja, Ana gostou da ideia e
reso...
LINHAS DO DESTINO
51
Capitulo catorze
O FILHO CRESCEU
Roberto ao ver seu filho ficou contente. Perguntou como
estavam as c...
L.P.OWEN
52
Falou sobre o amor que sentia pelo pai, mas também
sobre a intenção de morar com sua mãe. Disse que não
teria ...
LINHAS DO DESTINO
53
visitas seriam constantes. Seriam mais amigos do que
antes.
Mais uma vez Luís lembrou-se das manhãs q...
L.P.OWEN
54
Capitulo quinze
AMIZADE
Raquel aproximou-se do leito de Gabriel e perguntou,
sabendo que não teria nenhuma res...
LINHAS DO DESTINO
55
Seu semblante tinha uma luz própria e os olhos castanhos
possuíam um brilho que só os sonhadores poss...
L.P.OWEN
56
- No que posso ajudar minha querida? – Sabia que essa
pergunta abria muitas portas.
Ana não tinha visto dona R...
LINHAS DO DESTINO
57
- Não tenha pressa, minha querida, seu grande amor está
apenas esperando o momento certo para te enco...
L.P.OWEN
58
Capitulo dezesseis
NOVO MEMBRO NA FAMÍLIA
Não via a hora de chegar em casa. O dia fora extenuante e
cheio de e...
LINHAS DO DESTINO
59
Como ele previra sua mãe ficou apaixonada pelo
cãozinho. Imediatamente ela abraçou-o, beijou-o, fez u...
L.P.OWEN
60
Compraram casinha, caminha, comedouro, bebedouro,
enfim tudo o que Tobias não usaria.
Foram para um restaurant...
LINHAS DO DESTINO
61
Capitulo dezessete
UMA BOA NOITE
Carlos, apesar das visitas que recebera estava ansioso.
Quando a enf...
L.P.OWEN
62
- Já chegou com boa noite Cinderela? – Disse Márcia
sorrindo.
Flávia apenas sorriu, depois de medicar a chefe ...
LINHAS DO DESTINO
63
Capitulo dezoito
O QUE SONHAMOS
Ana chegou mais cedo no hospital, queria estar ao lado da
amiga, como...
L.P.OWEN
64
- Sou eu seu bobo. - Respondeu Márcia.
- Pela primeira vez esta gata vai dar uma volta comigo.
- Claro que não...
LINHAS DO DESTINO
65
- Boa sorte! Pode estar certo que vou esperar para cuidar
do pós-operatório, fazendo o senhor ficar b...
L.P.OWEN
66
Capitulo dezenove
O CONVITE
Dona Raquel foi para a capela pedir a Deus saúde para
todos os enfermos.
- Não acr...
LINHAS DO DESTINO
67
- Então está combinado. - Ana parecia uma criança de
tamanha felicidade.
Quando soube que a cirurgia ...
L.P.OWEN
68
Capitulo vinte
O DESABAFO
Raquel visitava todos os enfermos, algumas vezes
contando casos engraçados, noutras,...
LINHAS DO DESTINO
69
- Hoje, ao chegar aqui, pensei em encontrá-lo em
condições diferentes. Confesso que estou triste, por...
L.P.OWEN
70
Sentou-se ao lado de Carlos, calmamente começou a
conversar com ele. Falava sobre a melhora de sua
aparência, ...
LINHAS DO DESTINO
71
Capitulo vinte e um
A NACIONALIDADE
No corredor, Raquel encontrou Ana, que sem o uniforme
estava mais...
L.P.OWEN
72
Durante o caminho Ana falou sobre a vontade, dela e de
Márcia, de viajarem à Itália.
O que fez Raquel se lembr...
LINHAS DO DESTINO
73
Capitulo vinte e dois
A CONCEPÇÃO
Antonieta, uma menina de 15 anos vive um drama ao
saber que o estup...
L.P.OWEN
74
Colocou próximo ao seu rosto ameaçando-a. Disse caso
ela não fizesse o que ele queria, seria comida dos peixes...
LINHAS DO DESTINO
75
Quando terminou, ele prometeu que mataria toda sua
família se contasse para alguma pessoa.
Entrou vár...
L.P.OWEN
76
orientar Antonieta. Por isso não causou desconfiança a
seus pais o pedido que Antonieta fez de ir visitá-la.
LINHAS DO DESTINO
77
Capitulo vinte e três
O PLANO
Ao chegar na fazenda foi recebida com muito carinho e
alegria. Angelina...
L.P.OWEN
78
revoltada Angelina ficava com o cafajeste. As duas
planejaram a melhor maneira de solucionar o problema.
Angel...
LINHAS DO DESTINO
79
Antonieta comentou sobre a desconfiança de sua mãe, mas
ela não sabia exatamente o que havia de errad...
L.P.OWEN
80
- Está ótimo, trabalhando muito. Como sempre
reclamando da situação, que está cada vez mais difícil.
Angelina ...
LINHAS DO DESTINO
81
Tanto imploraram que ele acabou por ouvi-las. Para não
causar mais tragédia na família resolveu que a...
L.P.OWEN
82
Na manhã seguinte ela acordou radiante e feliz. O dia
estava lindo, a temperatura agradável, Carlo preparou a
...
LINHAS DO DESTINO
83
Capitulo vinte e quatro
O PEDIDO
O sol escondia-se no horizonte quando desceram da
charrete e cumprim...
L.P.OWEN
84
Quando surgiu oportunidade, Carlo falou sobre o real
motivo de sua visita. O pedido feito ao senhor Gino que
s...
LINHAS DO DESTINO
85
Seu Gino olhou para a filha e notou a felicidade
estampada no seu rosto. Deu autorização para que fos...
L.P.OWEN
86
Capitulo vinte e cinco
O GRANDE MOMENTO
À medida que o tempo passava, o corpo de Antonieta
sofria algumas modi...
LINHAS DO DESTINO
87
Capitulo vinte e seis
A CONFISSÃO
Ao chegarem, Ana viu um bilhete de Luís sobre a mesa,
nele estava e...
L.P.OWEN
88
- Qual era sua idade nessa época? - Perguntou Ana
lembrando-se do seu sofrimento com a perda do pai.
- Tinha 1...
LINHAS DO DESTINO
89
- Amei uma pessoa, mas não era hora de estarmos juntos.
Não encontrei outra tampa. - Riram gostosamen...
L.P.OWEN
90
- Ela descobriu que era sua mãe? - Ana estava com os
olhos marejados pensando na saudade que sua mãe fazia.
Ap...
LINHAS DO DESTINO
91
- Todos os dias fazia minha visita pra ela. Quando
perguntei quem mais a teria visitado. Fui informad...
L.P.OWEN
92
aproveitado a chance de cuidar de alguém tão especial
que Ele me deu”.
- “Agora, na sua infinita misericórdia,...
LINHAS DO DESTINO
93
- Quando a abracei, antes mesmo de conseguir dizer, que
não tinha nada a perdoar, ela segurou minha m...
L.P.OWEN
94
O almoço estava quase pronto quando Luís chegou
fazendo a maior bagunça com Tobias.
- Olá mamãe! - Disse Luís ...
LINHAS DO DESTINO
95
- “Raquel iluminava o ambiente”. – Pensou.
Luís ficou meio enciumado quando seu cãozinho Tobias
pulou...
L.P.OWEN
96
Capitulo vinte e sete
UM LUGAR AGRADÁVEL
A noite estava muito agradável, as luzes da cidade
atrapalhavam o bri...
LINHAS DO DESTINO
97
Na entrada, algumas fotos colocadas sobre um móvel
chamaram a atenção de Ana.
Raquel aproveitou para ...
L.P.OWEN
98
Capitulo vinte e oito
SEGUINDO O CONSELHO
Na manhã seguinte, depois de tomarem um café da manhã
bem reforçado,...
LINHAS DO DESTINO
99
um terreno espaçoso onde as galinhas, patos e pássaros de
diversas espécies dividiam aquele pequeno p...
L.P.OWEN
100
Ana ao ver sua mãe vindo em sua direção, tão bela e
graciosa, sentiu orgulho de ser sua filha. Ao se abraçare...
LINHAS DO DESTINO
101
Depois dos cumprimentos foram à casa vizinha, onde
Fábio, seu irmão e a esposa Leila moravam. Foi ma...
L.P.OWEN
102
Ao final da tarde quando já iam sair Ana perguntou a
sua mãe se gostaria de passar alguns dias com ela.
Marta...
LINHAS DO DESTINO
103
Capitulo vinte e nove
DESCOBRINDO O SEGREDO
A felicidade de Marta era visível, desde o falecimento d...
L.P.OWEN
104
de frente para o outro e quisermos dar um passo à
frente, não conseguiremos”.
Ana percebeu o motivo pelo qual...
LINHAS DO DESTINO
105
Capitulo trinta
UM DILEMA
Raquel foi ao hospital visitar o pessoal. Assim que entrou
foi direto à ca...
L.P.OWEN
106
Repentinamente Gabriel muda de assunto
completamente.
- O que aconteceu com meus pais? - Perguntou com olhar
...
LINHAS DO DESTINO
107
- Vou procurar a pessoa responsável para saber o que
aconteceu, depois volto para falar o que descob...
L.P.OWEN
108
- Será transferido para o quarto, à medida que seu
estado melhorar poderá começar a prepará-lo para
conhecer ...
LINHAS DO DESTINO
109
Gabriel concordou. O acordo foi firmado com um aperto
de mão. Nesse momento o garoto sentiu uma sens...
L.P.OWEN
110
Raquel sentiu seus olhos marejarem. Como previra ele
seria o grande mensageiro de Deus para uma pessoa que
ti...
LINHAS DO DESTINO
111
Capitulo trinta e um
A RECEITA
Raquel saiu com a sensação de que a Providência já
começara a agir. A...
L.P.OWEN
112
- A senhora sempre levantando o astral da gente. -
Disse Márcia ao perceber o que ela pretendia.
- É por isso...
LINHAS DO DESTINO
113
- Prometo que vou perturbar o doutor Guilherme até que
ele me dê alta. Também não vejo a hora de pod...
L.P.OWEN
114
Capitulo trinta e dois
LADO A LADO
Quando chegou ao quarto de Carlos ele estava recostado
no travesseiro. Ela...
LINHAS DO DESTINO
115
- O que é uma condição melhor de vida? – Ela emendou
outras perguntas - será que não é estar ao lado...
L.P.OWEN
116
- Como vai meu camarada, vamos dar uma volta na
minha máquina envenenada?
Gabriel apenas sorriu timidamente.
...
LINHAS DO DESTINO
117
- Acabou o seu sossego senhor Carlos, agora terá mais um
hóspede. Espero que não ronque alto, não go...
L.P.OWEN
118
Capitulo trinta e três
O INÍCIO DA AMIZADE
Quando todos saíram e ficaram apenas os dois. Carlos
iniciou a con...
LINHAS DO DESTINO
119
- Sim tenho três filhas, mas já estão casadas. Você é
casado Gabriel?
- Claro que não. Tenho apenas ...
L.P.OWEN
120
me chamar porque meu pai tinha matado minha mãe
por ciúmes, em seguida se matou. Todos aqui esconderam
de mim...
LINHAS DO DESTINO
121
contaram antes para que você pudesse lutar para sarar o
mais rápido possível. Ser o homem que a sua ...
L.P.OWEN
122
Capitulo trinta e quatro
A DECLARAÇÃO
Márcia sentia-se cada vez mais forte, quando o doutor
Guilherme, para b...
LINHAS DO DESTINO
123
- Claro que aceito! – A comida hospitalar é sem gosto.
- Agora você sabe como os enfermos se sentem ...
L.P.OWEN
124
Capitulo trinta e cinco
UM PRÍNCIPE DE MACA
Ana chegou feliz para o trabalho. Não via a hora de dar
um beijo ...
LINHAS DO DESTINO
125
outras apenas para serem medicadas. Enfim era uma
bagunça organizada e gratificante.
Sua mãe, agora ...
L.P.OWEN
126
kg, todo ensanguentado, com suspeita de fraturas
múltiplas de costela e fêmur, entre outras coisas.
Já tinha ...
LINHAS DO DESTINO
127
Quando Ana soube do ocorrido ficou preocupada e curiosa
ao mesmo tempo. Foi ao setor de internação p...
L.P.OWEN
128
- Nossa nem havia percebido que já é esse horário.
Tenho que verificar os dados de um paciente a senhora
está...
LINHAS DO DESTINO
129
telefone, endereço, para comunicar-se com algum familiar.
O telefone que constava era residencial.
-...
L.P.OWEN
130
Já fazia tempo que João vinha a São Paulo, desde que
Paulo havia construído a casa da praia e convidou-o a
mo...
LINHAS DO DESTINO
131
Capitulo trinta e seis
AS NOVIDADES
O dia passou tão rápido, que Ana não teve tempo para o
lanche. A...
L.P.OWEN
132
- Tive tanto trabalho e não deu tempo para nada.
Tenho tantas novidades que não sei por onde começo.
- Experi...
LINHAS DO DESTINO
133
enfaixada, vai ter que me dar comidinha na boca, assim
achei melhor que fosse aqui.
- Você está com ...
L.P.OWEN
134
conversar com minha mãe e o Luís para saber como
foi o dia deles.
- OK! Antes que me esqueça preciso que você...
LINHAS DO DESTINO
135
Capitulo trinta e sete
A SEPARAÇÃO
Gabriel superava as expectativas, sua recuperação era
muito boa e...
L.P.OWEN
136
Carlos muitas vezes ao imaginar o que passava no
pensamento de seu amigo, de tudo quanto sofrera, de toda
rai...
LINHAS DO DESTINO
137
- Realmente sua habilidade é reconhecida por todos, mas
pensando bem, preferimos ir andando que é mu...
L.P.OWEN
138
O que deveria ser uma felicidade para Carlos
transformou-se em pesadelo, porque não queria deixar
Gabriel soz...
LINHAS DO DESTINO
139
- Estava sendo egoísta a senhora tem razão, pensando
bem, temos que dar graças a Deus por estarmos v...
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
LINHAS DO DESTINO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

LINHAS DO DESTINO

364 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LINHAS DO DESTINO

  1. 1. LINHAS DO DESTINO 1 A Deus, que me abençoa de várias formas. A minha esposa, por todos esses anos de lutas. A Nair, pela capa e incentivo. A Sueli por ler meus rascunhos. A todos, que contribuíram para um sonho virar realidade.
  2. 2. L.P.OWEN 2 Capitulo 1 A ROTINA O dia estava amanhecendo o movimento costumeiro de todas as manhãs já era notado. Enquanto Ana terminava de preparar a mesa para o café da manhã, Luís colocava seu material escolar na bolsa. Roberto, como sempre, estava pronto. O terno bem alinhado. A camisa combinando com a gravata, os sapatos limpos e engraxados, sem contar o perfume que exalava. Da cozinha ouvia-se o ruído de mesa sendo arrumada e o cheiro do café invadia o restante da casa. - Querida, hoje meu dia vai ser corrido, terei reuniões e devo chegar por volta das vinte horas - disse Roberto. Ana e Luís nem se preocupavam em responder, porque sabiam que chegaria muito mais tarde. - Quantas matérias têm hoje meu filho? - Perguntou Roberto.
  3. 3. LINHAS DO DESTINO 3 - Tenho cinco aulas - respondeu o garoto. Luís sempre se questionava porque seu pai lhe perguntava sobre seus afazeres se não tinha a menor intenção de ouvi- lo. Sempre que iniciava a resposta seu pai já estava dando um beijo de despedida em sua mãe, fechando a porta ao sair. Já fazia tempo que seu pai já não era mais o mesmo. Lembrou-se do campinho que fizeram atrás da garagem. O dia em que a grama fora colocada. A pintura das traves, até o tempo de espera para que a grama fixasse no solo. Apenas usado por duas ou três vezes. Notou também que sua mãe já não desfrutava da companhia do pai, que já estivesse acostumada não ligando mais. No início chegou a ouvi-la chorar, mas o tempo passou apenas via sua indiferença aumentar a cada dia. - Meu filho, você já terminou seu café? Estamos atrasados!
  4. 4. L.P.OWEN 4 Durante o trajeto, que durava aproximadamente 15 minutos até a escola, conversaram sobre vários assuntos. Ana deixou Luís no portão de entrada da escola e seguiu em direção ao centro da cidade a caminho do trabalho. Não era nada fácil, mas gratificante. As pessoas de quem cuidava estavam sofrendo, a única forma de aliviar suas dores era tratá-las com muito carinho e respeito e isso ela tinha de sobra. No começo tinha pensado em desistir porque presenciara a morte de um garoto. Pensou na dor da mãe e ficou muito abalada. Márcia, sua grande amiga, disse a ela que o melhor era pensar nas pessoas que ela estava ajudando a salvar. Foi por isso que Ana conseguiu superar essa fase. Ana era uma mulher culta e de uma beleza que até chegava a impressionar, seus cabelos castanho-escuros contrastava com os olhos azuis em formato de amêndoa.
  5. 5. LINHAS DO DESTINO 5 Com um corpo escultural, em seus 1,75m e 65kg, faziam- na uma mulher admirada. Sempre bem vestida com seu uniforme impecavelmente limpo, com caimento perfeito, causava admiração em todas as pessoas, até de suas colegas de trabalho. Por mais que era admirada mantinha-se humilde, os elogios não lhe subiam à cabeça. Estudou enfermagem, uma de suas paixões. Quando atendia algum enfermo sempre o fazia com muito carinho. O sentimento de gratidão, que todos sentiam por ela, era enorme. Após trinta minutos dirigindo chegou finalmente no estacionamento reservado para os funcionários do hospital. Como sempre, cumprimentou o porteiro seu José com seu sorriso contagiante. Na sala reservada às enfermeiras, Márcia encontrou a enfermeira Chefe, que a cumprimentou e imediatamente
  6. 6. L.P.OWEN 6 entregou-lhe uma prancheta com os prontuários dos enfermos que seriam medicados. Normalmente tinham uma breve conversa, mas, neste dia, o hospital estava com um volume de internações e emergências muito elevado e não tiveram tempo nem mesmo para um pequeno diálogo. No corredor viu acompanhantes que choravam, outros que andavam de um lado para o outro, não conseguindo esconder a expectativa de alguma notícia do estado de saúde de seus entes. Nesse momento pedia a Deus que a ajudasse a diminuir o sofrimento de seus semelhantes. Pedia forças para suportar todas as dificuldades daquele dia. Entrou no quarto do 1º paciente do dia para verificação de rotina, era um garoto com oito anos de idade, que quebrou o braço e permanecia em observação. Tinha caído de uma altura de 3 metros ao subir em uma árvore para salvar seu gato.
  7. 7. LINHAS DO DESTINO 7 - Bom dia! - Disse sorrindo - Como está se sentindo Caio? - Mais ou menos, estou com um pouco de dor. Quem é você? - Meu nome é Ana, vou cuidar de você e se precisar de alguma coisa é só apertar esse botão ao seu lado e virei o mais rápido que puder. - Agora te darei um remédio para diminuir a dor. - Falou sorrindo. Enquanto preparava a medicação aproveitou para conversar e distraí-lo um pouco. - Você tem irmão? - Só tenho uma irmã e o seu nome é Sara. Ela tem três anos. - Você ajuda a mamãe a cuidar dela? - Às vezes sim, mas ela fica mais com minha mãe. – Tomou o remédio fazendo uma careta de nojo. - Prontinho Caio! Daqui a pouco o remédio fará efeito e a dor vai sumir. Logo você estará bonzinho.
  8. 8. L.P.OWEN 8 Neste momento no alto-falante, ouviu seu nome sendo chamado. Sua presença era solicitada na sala de emergências. Ana despede-se de Caio e imediatamente sai para atender ao chamado. Quando chega, o ambiente que encontra é parecido com um campo de guerra, um verdadeiro caos. Médicos e enfermeiras se dividiram em equipes para atenderem algumas pessoas envolvidas em um acidente grave entre dois ônibus e três automóveis. Os feridos chegavam a todo o momento. Mal entrou na sala e o doutor Félix imediatamente solicitou seu auxílio para atender uma garota que apresentava pequenos cortes na cabeça, braço direito com fratura exposta e perna esquerda também com fratura. Estava em estado de choque e os médicos se desdobravam para estabilizá-la.
  9. 9. LINHAS DO DESTINO 9 Olhou para a garota, viu um rosto com feições delicadas. Apesar de estar suja de sangue, com alguns hematomas, não pode deixar de perceber que era apenas uma adolescente. Assim que encostou junto à maca onde se encontrava a garota, tomou as providências necessárias e iniciou o atendimento com a atenção voltada a tudo que o doutor Félix dizia. Executava com grande perícia todos os procedimentos, tinha tanto amor pela profissão e o fazia com muita competência. À medida que o paciente era atendido imediatamente a equipe se ocupava de outros casos menos graves. Após doze horas de trabalho intenso, com um sorriso nos lábios pensou como a equipe fizera um ótimo trabalho. Agora poderiam ir para casa com a sensação de dever cumprido.
  10. 10. L.P.OWEN 10 Estava exausta de tanto ficar em pé, não via a hora de chegar e tomar um banho de imersão. Enquanto fazia o trajeto de volta, procurava se desligar de tanto sofrimento pelos quais tantas pessoas estavam passando no hospital, ouvindo um pouco de música. Para relaxar gostava de ouvir músicas clássicas, elas tinham o poder de transformar e transportar seus pensamentos, aliviando suas tensões. Ao chegar a casa, situada num bairro tranquilo, com ruas arborizadas, calçadas gramadas, sem muros em volta, com apenas roseiras e jardins bem cuidados dividindo os terrenos. Subiu a escada em direção ao quarto de Luís, como sempre fazia. Quando o beijou ouviu a pergunta de sempre. - Mamãe! Trouxe alguma surpresa? - Não tive tempo de sair. Você poderia ao menos perguntar como foi meu dia.
  11. 11. LINHAS DO DESTINO 11 - Está bem mamãe. Como foi seu dia? - Perguntou sorrindo. - Foi muito cansativo, mas compensador porque conseguimos salvar muitas pessoas. Como foi o seu dia filho? - Tirando a escola foi tudo bom. – Respondeu como todos os dias. - Não diga isso filho é maravilhoso estudar e você vai precisar dos estudos mais tarde para poder ter um bom trabalho. - Você estudou tanto e agora trabalha muito. Ana não sabia o que responder estava exausta e Luís tinha alguma razão, porque não davam atenção suficiente para ele. De alguma maneira, estava influenciando em sua educação. Pediu um momento para o filho e foi tomar um banho. No ambiente hospitalar existem diversos tipos de
  12. 12. L.P.OWEN 12 contaminação, apesar do uso de roupas diferentes, não gostava de ficar muito tempo sem o banho. Luís estava acostumado e esperou pacientemente. Quando terminou, Ana sentou-se ao lado do filho. A conversa foi iniciada com muita tranquilidade e franqueza. - Meu filho! Disse com voz suave. Você tem toda razão de reclamar, de dizer que não tem nossa atenção, que trabalhamos muito e não conversamos o suficiente. Precisamos mudar essa situação, então vamos por mão na massa. A partir de agora, vamos nos falar mais, nem que seja via tambor, ou fumaça. – Disse sorrindo. Os dois riram um pouco, quando pararam, se abraçaram permanecendo assim por longo tempo. Os únicos barulhos que se ouvia eram de suas respirações e corações. Fazia muito tempo que não se abraçavam assim. Luís quebrou o silêncio. - Sabe mamãe, eu te amo tanto. – Enquanto falava apertava o abraço.
  13. 13. LINHAS DO DESTINO 13 Aquelas palavras foram como alento para a alma de Ana fazendo lágrimas rolar. Desejou responder, mas não conseguiu, apenas abraçou-o mais forte. - Sei que você esta passando por um momento delicado. – Disse ele. - Papai não quer mais vir para casa só fica arrumando desculpas. Estarei com você para o que precisar. Seu trabalho é muito desgastante, mas não tem problema, por mais difícil que seja teu dia e tudo pareça difícil, estarei esperando. Ana não aguentou, por mais forte que gostaria de aparentar, não conseguiu segurar a emoção e chorou. Mesmo sendo apenas um garoto com seus 14 anos, sentiu- se segura e amada nos braços de seu filho. Naquela noite nem viu a hora que seu marido chegou, mas não deu importância, estava feliz porque tivera momentos inesquecíveis com seu filho. Na manhã seguinte Ana levantou-se, como de costume no mesmo horário, tomou seu banho e preparou-se para ir
  14. 14. L.P.OWEN 14 trabalhar. Enquanto se maquiava, Roberto despediu-se e saiu. Quando descobriu que Luís, desta vez, estava preparando seu café, apressou-se em descer para aproveitar esse momento com o filho. A mesa estava posta com muito carinho, apenas duas xícaras colocadas, sorriu e aproveitou para conversarem. Os assuntos foram variados, a conversa prolongou-se até a porta do colégio. Despediram-se com um beijo e Ana seguiu para um novo dia de trabalho. Feliz, sentia-se uma nova mulher.
  15. 15. LINHAS DO DESTINO 15 Capitulo dois UM ANJO NA TERRA Dona Raquel, expressão serena, olhos castanhos-escuros de brilho intenso e cabelos castanhos. Uma senhora de aparência bondosa e gestos delicados. Todos os dias ela passava pelo hospital para visitar as pessoas que lá estavam. Os funcionários conheciam e respeitavam seu trabalho. Raquel sempre com uma palavra de amor e esperança para quem às vezes não tinha e não esperava mais nada. Como sempre, chegou com seu jeito calmo cumprimentando todos como se fossem seus filhos, por instinto, ela sabia quem mais precisava de uma palavra de apoio. - Bom dia dona Raquel, como a senhora está? - Perguntou Márcia.
  16. 16. L.P.OWEN 16 - Estou bem minha querida. Você como está? – Retribuindo o sorriso. - Tudo ótimo. Graças a Deus. – Respondeu sem muita convicção. - Sabe minha querida. - Iniciou dona Raquel com seu jeito especial - Muitas vezes acordamos com a sensação de que não fizemos e não demos o melhor de nós. Ficamos remoendo esse sentimento e não dividimos o fardo com ninguém. Com o tempo ele fica tão pesado que mal conseguimos suportá-lo. Digo com sinceridade, damos apenas o que temos no momento e isso é o nosso melhor. Sem saber como nem por que Márcia percebeu que dona Raquel estava dizendo algo que há muito a fazia sofrer. Quando se aproximou, abraçou-a com ternura e começou a chorar desesperadamente. - Sei que você fez o melhor que podia. - Disse com voz doce. - Não precisa culpar-se. Tenho a certeza absoluta, quando vejo o quanto se dedica aos enfermos daqui.
  17. 17. LINHAS DO DESTINO 17 Portanto, pare de culpar-se. Continue fazendo o seu melhor, mesmo que você não ache, o importante é que o Papai do céu sabe que sim. – Antes de seguir seu caminho completou. - Pode acreditar sou sua fã incondicional. Aquelas palavras aliviaram o peso que Márcia estava carregando há algum tempo. Como sempre fazia, Raquel passou pela capela do hospital, fez sua oração. Enquanto estava lá aproveitou para agradecer e pedir novas graças para os enfermos. Certa vez alguém lhe perguntou por que ela frequentava tanto a capela. Respondeu apenas que fazia vários pedidos para os enfermos. - Com um sorriso franco disse: - Eu peço a Deus. Ele sabe que não tenho como pagar, mas assim mesmo Ele sempre me atende. Volto para agradecer. Depois de alguns instantes levantou-se e foi cuidar dos pacientes.
  18. 18. L.P.OWEN 18 Andando pelo corredor viu um homem sentado num banco da sala reservada aos pacientes, que aguardavam para internação. Foi em sua direção, ao chegar mais perto disse sorrindo. - Em que posso ajudar? Carlos nem olhou para ela, apenas respondeu que ninguém poderia ajudá-lo. Raquel não era de desistir facilmente. Apesar da frieza com que foi recebida, sentou-se ao seu lado e ali ficou quieta. Imóvel como uma estátua. Carlos - um homenzarrão - vendo que aquela pequena senhora não estava disposta a desistir olhou para o lado e resolveu conversar um pouco. - Como a senhora se chama? - Perguntou ainda meio sem jeito para conversar. - Meu nome é Raquel e o seu?
  19. 19. LINHAS DO DESTINO 19 - O meu é Carlos. - Respondeu ainda meio desconfiado se aquela mulher frágil pudesse resolver seu problema. “- Quem ela pensa que é?” – Pensou. Raquel não hesitou, falou com firmeza, porem com muito carinho. - Sei o que está pensando - Disse sorrindo. - Se sabe então me diga? - Desafiou Carlos ainda amargo. - O que essa mulher pode fazer por mim? - Disse ela calmamente. Mesmo sentindo o espanto de Carlos, continuou com o monólogo sem olhar para seu interlocutor. - Venho aqui todos os dias, conheci e a cada novo dia conheço mais pessoas, cada uma com problema maior que o do outro. Quando penso ter encontrado o maior problema de todos, dou alguns passos, não demora muito, acabo por conhecer um problema ainda maior. Virando-se para Carlos e com a voz doce continuou.
  20. 20. L.P.OWEN 20 - Talvez o seu problema seja maior do que o que vi ontem. – Continuou sua narração. - Ao chegar aqui fiquei sabendo do caso do garoto Gabriel, que está em coma devido a um atropelamento que sofreu. – Carlos ouvia olhando para o chão, mas atento. - Há suspeitas de estar paralítico. O que é pior, quando sair do hospital, não tem ninguém que possa cuidar dele. – Raquel falava tranquilamente. - Tudo aconteceu porque o pai tinha ciúmes de sua mãe, ao invés de ir trabalhar, ficou de tocaia aguardando que algum homem viesse ao encontro de sua esposa. - Não apareceu ninguém, porque não havia quem viesse visitá-la. Ele entrou na casa interrogando-a, como não conseguiu uma confissão matou sua amada em seguida se matou. - Quando o garoto soube do ocorrido fugiu da escola e foi em disparada para casa. Ao atravessar a rua foi pego por
  21. 21. LINHAS DO DESTINO 21 um carro que estava em alta velocidade. - Não esperou comentário algum somente continuou sua narrativa. - Desculpe-me por incomodá-lo com o problema do garoto, o senhor já tem a sua cruz, que também deve ser pesada para ser carregada. – Finalizou - Ao invés de ajudá-lo sou eu quem está desabafando. Depois ficou calada novamente, como se já soubesse, sentiu a mão de Carlos tocar na sua e o pedido de perdão por ter sido tão rude. Ela simplesmente ergueu a mão de Carlos, deu um beijo e disse: - Fique com Deus. – Saiu tranquilamente. Carlos ficou sentado por alguns instantes pensando no que tinha acontecido, sobre seus problemas, agora com a saúde precisando de cuidados, devido aos vários abusos cometidos durante a sua vida, ficaria internado sem previsão para sua alta. A situação no trabalho ficou difícil com o agravamento de seu quadro clínico resultando no seu afastamento.
  22. 22. L.P.OWEN 22 Sua esposa Olga fazia de tudo para ajudar no orçamento, trabalhava como diarista, por vezes cozinhava, lavava e passava para fora. Assim obtinha algum dinheiro extra que servia para complementar o orçamento. Estava tão mergulhado em seus pensamentos que não notou a enfermeira e o enfermeiro à sua frente para levá-lo para seu quarto onde ficaria internado para o tratamento.
  23. 23. LINHAS DO DESTINO 23 Capitulo três UM NOVO RUMO Ana pediu para Carlos sentar-se na cadeira de roda para ser conduzido ao quarto. Nesse momento ele fez seu pedido a Deus, para que o amparasse. Sem que Carlos soubesse, Deus já tinha mandado seus Anjos para cuidar dele. Depois de acomodá-lo no quarto, Ana foi à sala de preparo e iniciou os procedimentos de pré-operatório prescrito, pelo médico, para o senhor Carlos. Quando se preparava para retornar ao quarto de Carlos seu telefone tocou. - Alô – atendeu enquanto ajeitava tudo na bandeja. - Tudo bem? – Quis saber Roberto. - O que você quer? – Perguntou, mas tinha ideia sobre o assunto.
  24. 24. L.P.OWEN 24 - Está ocupada? – A pergunta que sempre fazia para poder ser breve. - Sempre estou ocupada, você sabe disso, diga o que quer, tenho um paciente para medicar. - Gostaria de almoçar com você hoje, posso passar por aí? Ana já sabia o que ele pretendia e concordou. Sua vontade era acertar tudo o mais rápido possível. Desligou o aparelho e ficou pensando por alguns instantes, sabia que seria inevitável. Sentiu apenas alívio, voltou a concentrar-se no trabalho e foi medicar Carlos.
  25. 25. LINHAS DO DESTINO 25 Capitulo quatro UMA LINHA TÊNUE No CTI Gabriel lutava por sua sobrevivência. Os encarregados de seu tratamento estavam empenhados em salvá-lo, para tanto, não mediam esforços. Quando ocorria uma melhora no quadro clinico, por menor que fosse todos vibravam. Ao passar pelo CTI, Raquel, antes de entrar, vestiu a roupa especial para ser utilizada no local e entrou. Em todos os leitos fez suas preces. Disse algumas palavras de esperança para cada um dos enfermos, mesmo para os que estavam inconscientes e não poderiam ouvi-la. Viu o leito agora vazio, onde há pouco tempo era ocupado por um homem que lutara bravamente pela vida, mas acabou falecendo. Lembrou-se e sentiu saudades do grande guerreiro que dirigiu a ela as últimas palavras - “obrigado por ter sido meu anjo durante esse tempo”.
  26. 26. L.P.OWEN 26 No leito de Gabriel, parou por mais tempo, segurou sua mão e ficou assim por algum tempo fazendo suas preces mentalmente. Antes de sair falou: - “Vamos Gabriel, já é hora de acordar estamos esperando para cuidar de você”. Saiu, foi visitar os que estavam nos quartos e enfermarias.
  27. 27. LINHAS DO DESTINO 27 Capitulo cinco UM SUSTO À hora do almoço Ana retirou seu avental e foi em direção ao estacionamento para aguardar a chegada de Roberto. O tempo passou como de costume, ele não apareceu. Mesmo acostumada com seus atrasos resolveu ligar para saber o motivo, mas não foi atendida. Seu horário já estava esgotando. Resolveu tomar um lanche e voltar ao trabalho. Durante a tarde ligou varias vezes sem sucesso. Quando tinha desistido, recebeu um recado sobre o acidente que Roberto tinha sofrido e o hospital onde se encontrava internado, mas foi informada de que passava bem. Foi ao encontro de Márcia no final da tarde e pediu autorização para ir até o hospital visitar seu marido.
  28. 28. L.P.OWEN 28 Capitulo seis NOVO AMIGO Antes de ir embora dona Raquel aproveitou para passar no quarto do senhor Carlos encontrou um homem completamente diferente daquele de algum tempo atrás. Conversaram sobre vários assuntos e ela pôde conhecê-lo melhor e passar a admirá-lo. Quando se despediu teve a certeza de ter encontrado um novo amigo.
  29. 29. LINHAS DO DESTINO 29 Capítulo sete DESILUSÃO Quando Ana chegou ao hospital para visitar Roberto, foi ao quarto indicado. Acabou sendo recebida por uma garota aparentemente muito mais nova que ela, que ao vê-la vestida de branco, achou tratar - se de uma funcionária do hospital. Ao ser apresentada, a garota percebeu que era hora de deixar os dois a sós para conversarem e saiu. Ana portou- se como se não tivesse notado a presença de Lívia. - Você está precisando de algo? - Perguntou Ana. - Estou bem! Obrigado. - Disse sem jeito. - Queria ter conversado antes com você - disse ele - infelizmente ocorreu o acidente e não deu para almoçarmos e esclarecer nossa situação.
  30. 30. L.P.OWEN 30 - Há quanto tempo vocês estão juntos? – Perguntou sentindo vontade de quebrar-lhe o pescoço, mas mantendo o controle. - Faz algum tempo, um ano aproximadamente – respondeu sem graça. - Já tinha uma ideia da situação – disse ela com tranquilidade. - Vim somente saber como está para dizer ao Luís quando chegar a casa. - Continuou como se falasse para um estranho. - Você está sendo bem cuidado. Quando estiver em condições pode pedir o divórcio, assim acertamos tudo. Saiu dali com vontade de chorar, tinha raiva, queria tê-lo estrangulado com o tubo do soro ou dar-lhe uma injeção para aumentar a dor.
  31. 31. LINHAS DO DESTINO 31 Capítulo oito A NOTÍCIA Luís fazia suas tarefas. Ficou surpreso quando viu sua mãe chegando naquele horário. - O que aconteceu mamãe? – Perguntou enquanto dava um beijo de boas vindas. - Tenho algo muito importante para falar com você, gostaria que prestasse atenção – falou tranquilamente. - Está certo que combinamos nos falar mais, mas não precisa exagerar - disse Luís para alegrar mais o ambiente. Quando viu que sua mãe não sorriu de sua piada percebeu que o caso era mais serio do que imaginava, atendeu imediatamente. - Você sabe que o relacionamento entre mim e seu pai faz algum tempo que não está bem. Hoje cedo ele ligou para almoçarmos juntos, mas não apareceu. Quando cheguei de
  32. 32. L.P.OWEN 32 volta ao hospital fui informada que ele havia sofrido um acidente e estava internado, mas não corria perigo. - O almoço que teríamos seria para acertarmos nossa situação e separarmos definitivamente. - Sei que você ama seu pai e acho maravilhoso, não vou ficar entre você e ele, mas vamos nos divorciar e espero que compreenda. Luís ouviu sua mãe com muita atenção. Já imaginava que isso aconteceria mais cedo ou mais tarde, porque fazia muito tempo que seus pais não se beijavam de verdade. Não demonstravam qualquer sentimento de carinho um pelo outro. Era só aparência. - Já esperava isso a qualquer momento. – Disse demonstrando maturidade. - Entendo sua posição, mesmo assim gostaria de ter uma conversa com ele para acertarmos algumas coisas. Poderia levar-me para visitá- lo?
  33. 33. LINHAS DO DESTINO 33 Ana concordou. Deu-lhe um beijo e antes de deixar o quarto e entrar no banho ouviu: - Tenho uma coisa para falar com a senhora - disse Luís aproveitando o momento. Sua mãe apenas olhou para ele e aguardou. - Sabe mamãe – iniciou preparando o caminho para fazer o pedido - meu amigo Francisco tem uma cachorra. Ela teve cria de seis filhotes... - Ele te ofereceu um. - Interrompeu Ana. - Disse-lhe que pediria sua permissão e depois falaria com ele. – Deu uma pausa criando coragem. - Posso ficar com um? Luís ficava em casa sozinho, ela achou interessante ter uma companhia, mas antes de dar permissão fez algumas objeções. - Então vamos definir algumas obrigações. – Sorrindo continuou.
  34. 34. L.P.OWEN 34 - Você será responsável por todos os cuidados, banho, comida, limpeza da sujeira que ele fizer, dos passeios e etc. – Disse para terminar. - Ele será sua responsabilidade. Combinado? Luís respondeu afirmativamente. Ana perguntou quanto custaria. - Será um presente – Luís respondeu sorrindo. - Qual a raça dele? - Perguntou ela. - É um Lavrador, tenho certeza de que a senhora vai gostar - respondeu Luís ao abraçá-la. Mais tarde conversaram por um bom tempo sobre onde ficaria a casinha, que nome seria dado. Apesar da separação eminente, ninguém estava preocupado ou sentindo a falta de Roberto. Combinaram para o final de semana a compra do material necessário para o conforto do animal.
  35. 35. LINHAS DO DESTINO 35 O dia amanheceu bonito, o outono estava chegando ao final. Apesar de ensolarado, a temperatura estava muito agradável. Os dois acordaram dispostos, saíram cedo para iniciarem uma nova jornada. - Levarei você na hora do almoço ao hospital onde seu pai está depois você me liga para buscá-lo no término do meu turno. - Disse antes de deixá-lo na escola e sair para o trabalho.
  36. 36. L.P.OWEN 36 Capítulo nove OUTRO DIA Ana foi para o trabalho, o trânsito, como sempre, muito intenso. As pessoas com os nervos à flor da pele e o dia ainda estava no início. Ela sabia que o ambiente hospitalar também é muito estressante. Procurava melhorar seu ânimo antes de chegar ao trabalho, para isso, a música clássica era excelente. Ao chegar encontrou dona Raquel, as duas seguiram conversando. O tema foi sobre o garoto Gabriel. - Fiz uma visita ao garoto Gabriel e apesar de ainda estar inconsciente, tenho a certeza de que logo estará recebendo alta. – Disse Raquel com seu entusiasmo habitual. - Também estou torcendo muito por ele. – Ana não pôde deixar de se lembrar de Luís. - Acredito que logo estará de alta.
  37. 37. LINHAS DO DESTINO 37 As duas entraram no hospital. Raquel foi para a capela fazer suas orações, Ana seguiu para a sala de enfermagem.
  38. 38. L.P.OWEN 38 Capítulo dez O PASSADO Ana foi em direção ao seu setor verificar os prontuários médicos dos pacientes e iniciou pelo quarto 32. Preparou os medicamentos indicados para o paciente e foi em direção ao quarto indicado. - Bom dia! - Disse Ana com um sorriso nos lábios. - Bom dia! - Respondeu Carlos. - Como está se sentindo hoje senhor Carlos? - Estou melhor graças a Deus, mas vou sentir ainda mais quando sair daqui, apesar de ser cuidado por uma bela princesa. Contarei para o pessoal só para deixá-los morrendo de inveja, vai ser ótimo. - Riu como uma criança. Carlos devia ter a idade de seu pai. Ana, ao ser chamada de princesa lembrou-se dele e uma saudade tomou conta de seu coração.
  39. 39. LINHAS DO DESTINO 39 Fazia uns cinco anos desde que falecera e desde então sua mãe se mudara para o interior próximo ao seu irmão. Raramente viam-se. Nem nos aniversários de Luís teve a presença da mãe. Havia algo a ser resolvido por elas, mas não sabia exatamente o que seria. Desde pequena essa divisão em sua casa podia ser notada, sua mãe sempre preocupada com o seu irmão e seu pai fazia dela o seu xodó, nunca entendeu porque isso aconteceu. - “Talvez porque seus pais não estavam mais se entendendo e para se agredirem cada um escolheu um filho para servir de pretexto”. - Pensou. Até algum tempo antes do falecimento de seu pai Ana e seu irmão se davam bem, mas aos poucos sua mãe fez com que seu irmão se afastasse. Através de chantagens emocionais conseguiu transformá-lo em seu escravo. Ao voltar à realidade olhou para seu Carlos e sentiu que estava preocupado com ela.
  40. 40. L.P.OWEN 40 - O senhor fez lembrar-me de alguém muito importante. - Disse Ana para deixá-lo mais tranquilo. - Quem era essa pessoa importante? - Perguntou em tom muito carinhoso. - Meu pai. Ele costumava chamar-me de minha princesa, foi por isso. - Conte-me; como era ele? - Era um homem bom, sempre sorrindo não importava o que estivesse acontecendo, por isso não tinha rugas – sorriu - dizia que sorria para economizar alguns músculos. -Trabalhou muito para dar educação e sustento para mim e meu irmão. Alguns anos atrás ele faleceu. Mas não é hora de pensar em coisas tristes. O senhor vai ser operado, logo vai ter alta. - Disse Ana com tanto entusiasmo que contagiou Carlos. - Gostaria que você conhecesse minhas três filhas. Carmem a mais velha, Débora a do meio e Sílvia a mais nova. A mais velha tem 23 anos, 15 e 13. Meu sonho era
  41. 41. LINHAS DO DESTINO 41 ter um filho, mas vieram três mulheres, então torci para ter um neto e ganhei uma neta. Pode você acreditar nisso? - Disse sorrindo. – Nasci para estar rodeado de mulheres. Repentinamente voltou a ficar tenso. - O que houve senhor Carlos? – Perguntou carinhosamente. - Não é nada apenas um pouco preocupado com a cirurgia que vou fazer, preferiria ser o médico agora. - Os dois riram novamente. - Vou ficar bem, quero visitar o Gabriel quando puder dar minhas voltas. - Sabe minha querida – Disse confidenciando. - Quando vim para ser internado, estava desesperado. Fiquei sabendo sobre o caso dele através de dona Raquel que para me amparar mostrou que outros tinham problemas e alguns bem maiores que o meu. Então pedi a Deus por ele. - Realmente dona Raquel é uma mulher maravilhosa com quem adoro conversar, de ficar ao seu lado. Todos aqui a
  42. 42. L.P.OWEN 42 conhecem e a adoram. - Disse Ana com muita admiração – Tenho certeza de que Deus ouviu suas orações. - Quem ela é, onde mora? – Perguntou Carlos. Ana achou esta a mais difícil de todas as perguntas. - Para ser sincera não posso responder, por incrível que pareça, sempre conversamos sobre o pessoal de quem cuidamos. No fim esquecemo-nos de perguntar essas coisas – respondeu pensativa. Ana ficou estarrecida por ter descoberto, somente agora, algo tão importante. Conhecia dona Raquel há algum tempo, conversava com ela várias vezes por semana, mas não sabia praticamente nada sobre ela. - Será que tem parente? - Disse Carlos em tom sério. - Não sei. - Respondeu com um sentimento de culpa por nunca tê-la convidado para um almoço. Despediu-se de Carlos desejando-lhe sorte e saiu.
  43. 43. LINHAS DO DESTINO 43 Capítulo onze A LEMBRANÇA Ao sair pensou em procurá-la e descobrir algo sobre ela, onde morava, se tinha parentes enfim o que pudesse. - Quantas pessoas passam por nossas vidas – pensou Ana – e não sabemos nada sobre elas, sobre suas necessidades, seus sonhos, medos, suas paixões, seus problemas. Simplesmente não sabemos se apenas um abraço é o suficiente para melhorar sua vida. Lembrou-se de algo que vira na televisão sobre a procissão do Sírio de Nazaré, aonde uma multidão vinha segurando numa corda enorme que se estendia a partir do Sírio de Nazaré. Cada fiel se desdobrava para segurar-se nela. A multidão era tão grande que se compactavam parecendo um bloco único de pessoas. Todos os que porventura iam perdendo as forças e caiam exaustos pelo caminho, eram imediatamente seguros pelos que estavam
  44. 44. L.P.OWEN 44 em melhores condições físicas. Nenhum era deixado para traz num gesto de solidariedade e amor ao próximo. - Quem sabe se nossa caminhada não é como essa corda que segue o Sírio de Nazaré - pensou Ana -. Quem sabe os que se aproximam de nós não são os que deveremos segurar ou sermos seguros por eles. – Seguiu seu trabalho pensando no assunto.
  45. 45. LINHAS DO DESTINO 45 Capitulo doze UM OMBRO AMIGO Ao retornar a sala de preparo de medicação encontrou Márcia e percebeu que algo estava errado. Márcia estava no canto, quando Ana chegou perto, tocou em seu ombro, ela não conseguiu segurar e chorou. Ana não disse nada apenas abraçou-a. Ficou calada ao seu lado até que tivesse condições de dizer algo. Depois de alguns minutos conseguiu acalmar-se e conversar sobe o que acontecera. - Você está melhor? - Perguntou Ana. - Já passou. Obrigada por compreender. - Sem problemas. Se precisar de algo que possa fazer é só avisar. - Obrigada já estou melhor. - Disse terminando de enxugar as lágrimas.
  46. 46. L.P.OWEN 46 Ana notou que ela tinha um papel na mão, reconheceu ser o resultado de um exame utilizado no hospital, mas não fez comentário algum. Esperou que Márcia tomasse a iniciativa de contar. O silencio foi curto Márcia resolveu desabafar. - Hoje recebi o resultado dos exames. Vou fazer uma cirurgia para retirada de um nódulo no seio. O doutor Guilherme disse que após a cirurgia vai fazer biopsia. - Quando será a cirurgia? - A internação será hoje à tarde. Provavelmente amanhã cedo a cirurgia. Tudo vai depender dos resultados dos exames. - O que posso fazer por você? - Se puder cuidar de mim durante seu turno ficaria muito grata. - Vou cuidar de você, pode estar certa disso. - Disse Ana sorrindo.
  47. 47. LINHAS DO DESTINO 47 As duas ficaram conversando por algum tempo. Márcia fez algumas confidências à Ana. - Tenho um sonho de fazer uma viagem pela Itália para conhecer a terra de meus ancestrais. Fiz algumas economias para um curso e aprender a língua, até pesquisei sobre os costumes, museus e as cidades que pretendo visitar como Verona, Bérgamo entre outras. Agora vou ter que adiar um pouco. - Calma! Não fez a cirurgia e pensa em desistir da viagem? – Disse Ana para dar ânimo à amiga. - Afinal quantas pessoas que estavam em situações de muita dificuldade, acabaram dando a volta por cima? - Você mesma cuidou de muitas delas. - Completou – Então, fique tranquilas que vai dar tudo certo. Márcia e Ana estiveram unidas antes para tratar de pessoas que precisavam de cuidados. Revezavam-se para que o paciente não ficasse um minuto sem atendimento. Assim puderam salvar muitas pessoas. Em várias ocasiões
  48. 48. L.P.OWEN 48 receberam demonstrações de carinho daqueles que um dia necessitaram dos seus carinhos. Algumas pessoas já tinham perguntado sobre o grau de parentesco das duas, elas respondiam: - Apenas carne e unha.
  49. 49. LINHAS DO DESTINO 49 Capitulo treze HORA DA VISITA Luís estava à porta da escola quando Ana chegou. - Como foi sua manhã mamãe? – Perguntou sorridente. - Boa e a sua? Teve prova? Foi bem? – Antes que pudesse fazer outra pergunta Luís respondeu. - Deixa responder somente trinta e cinco perguntas por vez. - Disse sorrindo. - Desculpe-me. Vamos comer algo antes de irmos visitar seu pai, porque depois não vai dar tempo. A Márcia mandou um beijo pra você. – Completou. - Obrigado! Como está ela? - Hoje ficou sabendo que tem nódulo no seio, amanhã será operada. Esta ansiosa. - Vai dar tudo certo, tenho certeza de que ela vai dar a volta por cima rapidinho. - Deus te ouça Luís.
  50. 50. L.P.OWEN 50 Os dois entraram no restaurante. Luís pediu um lanche natural e um suco de laranja, Ana gostou da ideia e resolveu fazer o mesmo pedido. Depois do lanche foram para o hospital. Ao chegarem, receberam o cartão para visitantes. - Agora é com você. Vou retornar para o trabalho, qualquer problema é só ligar. Deu um beijo no filho e saiu.
  51. 51. LINHAS DO DESTINO 51 Capitulo catorze O FILHO CRESCEU Roberto ao ver seu filho ficou contente. Perguntou como estavam as coisas. - Está tudo ótimo. - Falou com tranquilidade. - Como você chegou aqui? - Minha mãe me trouxe. Como você está? - Perguntou Luís. - Estou bem! Roberto aproveitou para apresentar Lívia, sua namorada. Comentou sobre o encontro que teve com Ana para esclarecer a situação do casal. Os dois ficaram conversando por longo tempo, Luís aproveitou para resolver como seria o relacionamento entre eles após a separação.
  52. 52. L.P.OWEN 52 Falou sobre o amor que sentia pelo pai, mas também sobre a intenção de morar com sua mãe. Disse que não teria problema algum para visitá-lo quando quisesse. Roberto explicou tudo a respeito do relacionamento entre ele e Ana. Falou sobre quando conheceu Lívia e se apaixonou por ela. - Eu e sua mãe merecemos uma nova chance de voltarmos a ser felizes. Luís apesar da pouca idade era um garoto maduro, fazia algumas colocações que deixava os mais velhos de boca aberta. - Não quero julgar nada, desejo que vocês sejam felizes. Para ser sincero, hoje foi o dia que mais tempo conversando. – Sorriu e disse: - Quando quiser visitar-me é só aparecer. Luís ficou até o final do horário de visita. Quando se despediram, seu pai abraçou-o e fez promessa de que as
  53. 53. LINHAS DO DESTINO 53 visitas seriam constantes. Seriam mais amigos do que antes. Mais uma vez Luís lembrou-se das manhãs quando seu pai perguntava sobre sua vida, mas não escutava a resposta. Agora era ele quem estava de saída.
  54. 54. L.P.OWEN 54 Capitulo quinze AMIZADE Raquel aproximou-se do leito de Gabriel e perguntou, sabendo que não teria nenhuma resposta, mas isso não importava: - Como está meu garoto? - Sem esperar continuou. - Está melhorando a cada dia. Logo você poderá responder-me. - Sei que é difícil. Tudo está tão confuso pra você, mas quando voltar ficará tudo bem, estarei aqui para te ajudar. Assim passava seus momentos, encorajando aqueles que precisavam de apoio. Todos tinham uma grande admiração por Raquel, mas não faziam ideia de sua vida particular. Quando chegava aos lugares, as pessoas logo notavam sua presença, não pela aparência, mas pela paz, tranquilidade e alegria de viver que transmitia.
  55. 55. LINHAS DO DESTINO 55 Seu semblante tinha uma luz própria e os olhos castanhos possuíam um brilho que só os sonhadores possuem. Apesar das marcas do tempo, seu rosto mantinha os traços da juventude, de formato alongado, nariz levemente arrebitado e os lábios bem definidos que fazia mais belo o seu sorriso. Certa vez alguém lhe perguntou como ela era quando mais nova e como resposta apenas disse: “Mais jovem”. De humor maravilhoso, por mais que a situação fosse estressante não perdia a fibra e a delicadeza, tratando todos com igualdade, mas com firmeza quando necessário. Raquel saiu da UTI preocupada com Gabriel, apesar de ter deixado o coma profundo, não estava de todo consciente. Resolveu ir onde mais gostava de refletir – na Capela. Enquanto orava sentiu a presença de alguém no banco de trás, ao olhar viu Ana de joelhos e olhos fechados. Resolveu aproximar-se.
  56. 56. L.P.OWEN 56 - No que posso ajudar minha querida? – Sabia que essa pergunta abria muitas portas. Ana não tinha visto dona Raquel na capela. Abriu os olhos viu um sorriso por ela já conhecido e amado. - Não tinha visto a senhora. Vim apenas conversar um pouco com Deus. Estou preocupada com a Márcia. Segui seu exemplo, vim fazer uma oração e pedir para que ela fique curada. A senhora, o que a preocupa? - Às vezes ao invés de pedir, venho agradecer e meditar para tentar entender as coisas que nos preocupam. – Como se buscasse na memória. - Ainda não vi a Márcia hoje, não sabia que ela estava enferma. - Ela vai fazer uma cirurgia amanha, então resolvi pedir por ela. - Seremos duas a pedir. Você quer iniciar? - Disse Raquel sentando ao lado de Ana. Depois da oração ficaram conversando. Ana contou sobre sua separação.
  57. 57. LINHAS DO DESTINO 57 - Não tenha pressa, minha querida, seu grande amor está apenas esperando o momento certo para te encontrar. – Disse dona Raquel sorrindo. Despediram-se. Ana voltou para o trabalho, ainda tinha muito por fazer. O início da noite estava agradável, às luzes davam um colorido todo especial. Ana estava sentindo-se muito bem. Concluiu que a separação foi a melhor escolha para ambos. Era uma mulher atraente, muitas vezes teve de usar a diplomacia para desvencilhar-se dos galanteadores que não paravam de importuná-la.
  58. 58. L.P.OWEN 58 Capitulo dezesseis NOVO MEMBRO NA FAMÍLIA Não via a hora de chegar em casa. O dia fora extenuante e cheio de emoções. Agora necessitava recarregar a bateria e um banho era o que mais queria. Quando chegou em casa foi recebida com muito entusiasmo por Luís. Estava muito contente por ter vindo de ônibus para casa. - Como foi sua tarde? – Falou alegremente. - Bem obrigada. Qual o motivo da recepção? Luís levantou-se foi até a lavanderia, quando retornou Ana não se conteve quando viu aquele bichinho de olhos meigos e brilhantes olhando para ela. - Que coisa linda! Imediatamente pegou o filhote da mão de Luís. - Ele é muito fofo!
  59. 59. LINHAS DO DESTINO 59 Como ele previra sua mãe ficou apaixonada pelo cãozinho. Imediatamente ela abraçou-o, beijou-o, fez uma tremenda festa. - Que nome você vai dar? - Perguntou Ana. - Qual a senhora prefere? - Replicou. - O cachorro é seu. Você lembra? – Fez a mesma careta que costumava fazer para repreendê-lo. - Ele tem cara de Tobias. Que tal? – Ficou esperando a bronca. - Adorei! Realmente é a cara dele. - Ufa! Pensei que não fosse gostar. - Aproveitando a oportunidade perguntou. - Está combinado, o nome dele será Tobias. Quando poderemos ir comprar coleira, casinha e etc.? - Vou tomar um banho, depois iremos. – Respondeu Ana. Antes que deixasse os dois ouviu. - Mamãe, eu te amo. – Também te amo. – Respondeu feliz do alto da escada.
  60. 60. L.P.OWEN 60 Compraram casinha, caminha, comedouro, bebedouro, enfim tudo o que Tobias não usaria. Foram para um restaurante e jantaram felizes. Luís comentou que a família, apesar de tudo, não tinha diminuído.
  61. 61. LINHAS DO DESTINO 61 Capitulo dezessete UMA BOA NOITE Carlos, apesar das visitas que recebera estava ansioso. Quando a enfermeira da noite chegou para medicá-lo esqueceu um pouco dos problemas e conseguiu relaxar. - Como esta se sentindo senhor Carlos? - Perguntou Flávia. - Ansioso para que tudo acabe logo. - Fique tranquilo que vai dar tudo certo. Quando menos esperar, já estará recebendo alta. - Antes de sair informou. - Se precisar de algo é só tocar a campainha, vou estar numa sala ao lado. - Obrigado. – Foi a única coisa que se lembrou. Carlos não soube o que tinha tomado, mas a ansiedade diminuiu. Conseguiu dormir mais tranquilo. Quando Flávia chegou ao quarto de Márcia e a cumprimentou, o comentário foi espontâneo.
  62. 62. L.P.OWEN 62 - Já chegou com boa noite Cinderela? – Disse Márcia sorrindo. Flávia apenas sorriu, depois de medicar a chefe do departamento, as duas conversaram por alguns instantes. Não demorou muito e Márcia dormiu calmamente.
  63. 63. LINHAS DO DESTINO 63 Capitulo dezoito O QUE SONHAMOS Ana chegou mais cedo no hospital, queria estar ao lado da amiga, como prometera, foi à primeira pessoa que Márcia viu naquela manhã e ficou muito feliz por isso. - Sonhei que estávamos viajando juntas para Itália, pudemos ir a vários museus, conhecemos o Vaticano foi maravilhoso. Disse Márcia. - Agora é capaz de ser possível, já que estamos solteiras. – Ana falou enquanto ajudava a amiga a preparar-se para a cirurgia. Enquanto esperavam as duas fizeram planos para o futuro. Quando Rui, enfermeiro encarregado de transportar os pacientes encontrou as duas colegas de trabalho, brincou para descontrair. - Bom dia! Por onde anda o paciente? – Fugiu? - Disse sorrindo.
  64. 64. L.P.OWEN 64 - Sou eu seu bobo. - Respondeu Márcia. - Pela primeira vez esta gata vai dar uma volta comigo. - Claro que não, quem gosta de dar uma voltinha de maca? - Riu mostrando uma de suas qualidades, o humor. - Está nervosa? - Perguntou Rui. - Claro que estou! - Ainda bem que está nervosa, imagine se fosse o médico. – Rui mostrou sua dentadura perfeita num sorriso contagiante. Ana desejou sorte para a amiga e acompanhou-a até que atravessou a porta para a sala de preparo. No corredor pensou em dona Raquel, na segurança que transmitia a todos os que se aproximavam. Antes que pudesse deixar o corredor viu Carlos, sendo trazido para ser operado. - Como vai princesa? Vão consertar meu coração, assim vou poder amar mais. - Sorriu.
  65. 65. LINHAS DO DESTINO 65 - Boa sorte! Pode estar certo que vou esperar para cuidar do pós-operatório, fazendo o senhor ficar bom logo. - Então estamos combinados. - Até daqui a pouco. - Disse Ana enquanto a maca desaparecia. Ana dirigiu-se para iniciar seu turno. Pacientes necessitavam de seus cuidados. Começou a pensar novamente em Dona Raquel.
  66. 66. L.P.OWEN 66 Capitulo dezenove O CONVITE Dona Raquel foi para a capela pedir a Deus saúde para todos os enfermos. - Não acredito! - Exclamou Ana ao ver dona Raquel que até levou um susto. – Estava pensando na senhora. - Como está, minha filha? - Agora estou bem! - Disse alegre. - Nossa! O que a faz tão feliz? - Quero convidá-la para conhecer minha casa e passar o dia com a gente. Não aceito o não como resposta. - Desse jeito sou obrigada a dizer sim. - Venho buscá-la amanhã as 09h00min horas, só preciso saber onde mora. - Para facilitar sua vida, me apanhe aqui no hospital, assim aproveito e faço uma visita rápida para o pessoal.
  67. 67. LINHAS DO DESTINO 67 - Então está combinado. - Ana parecia uma criança de tamanha felicidade. Quando soube que a cirurgia de Márcia tinha terminado, foi até o corredor que dava acesso a sala de cirurgia. Ficou esperando que ela saísse. Não demorou muito para que Rui passasse por ela levando Márcia na maca em direção ao quarto. Ana pegou sua mão, apesar de estar sob o efeito da anestesia, Márcia ficou feliz de saber que sua amiga estava esperando por ela.
  68. 68. L.P.OWEN 68 Capitulo vinte O DESABAFO Raquel visitava todos os enfermos, algumas vezes contando casos engraçados, noutras, casos sérios. Desta forma, conseguia fazer todos pensarem positivamente. Assim ajudavam a si mesmos e aos médicos. Nem sempre as coisas caminhavam como gostaria. Por isso sofria calada. Depois de fazer sua ronda foi visitar um paciente que aprendeu a admirar. Entrou no CTI não viu melhora esperada no estado de Gabriel. Segurou a mão do garoto, ficou quieta por algum tempo. Em tom suave, mas firme, iniciou sua conversa solitária de sempre. - Às vezes temos que tomar uma decisão entre desistir ou continuar. Sei que não depende só de nós, mas se desejamos já é um grande passo para conseguimos.
  69. 69. LINHAS DO DESTINO 69 - Hoje, ao chegar aqui, pensei em encontrá-lo em condições diferentes. Confesso que estou triste, porque não sinto que queira sair dessa situação e tenha que encarar a realidade. - Muitas vezes desistimos porque acreditamos não ter forças para superar os obstáculos, não damos a oportunidade para Deus nos mostrar o que tem para nós. - Posso dizer que depende apenas de você, basta querer. Lembre-se que Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos. Fez suas orações deu um beijo na mão de Gabriel e saiu. Após a cirurgia de coração, que tinha durado mais do que deveria, Carlos foi levado para o CTI, até que pudesse ir para o quarto novamente. Por ironia do destino estava ao lado de Gabriel. Apenas uma divisória os separava. No dia seguinte cedinho lá estava Raquel em companhia daqueles que sempre esperavam sua visita. Ao entrar no CTI viu Carlos em um dos leitos e foi até ele.
  70. 70. L.P.OWEN 70 Sentou-se ao lado de Carlos, calmamente começou a conversar com ele. Falava sobre a melhora de sua aparência, de sua saúde e a possibilidade de ter uma vida mais saudável e feliz. Fez suas preces, pediu para que ele rezasse também e pedisse a Deus que o ajudasse a se restabelecer o mais breve possível. - As coisas estão se encaminhando para sua felicidade. - Disse com um sorriso ao sair.
  71. 71. LINHAS DO DESTINO 71 Capitulo vinte e um A NACIONALIDADE No corredor, Raquel encontrou Ana, que sem o uniforme estava mais bonita ainda. As duas foram fazer uma visita a Márcia que já estava mais acordada do que a última vez. - Bom dia! - Disse Ana sorrindo. - Bom dia! Hoje não é seu dia de folga? - Perguntou Márcia. - A senhora não descansa, dona Raquel? – Completou. - Vir aqui é estar com meus amigos e com aqueles que precisam. Hoje vou passar o dia com a Ana. Na verdade gostaria que você pudesse vir com a gente. - Vou deixar para a próxima vez. - Respondeu. Ficaram conversando por um bom tempo, depois se despediram. Ao saírem, foram contempladas com um dia maravilhosamente ensolarado e temperatura agradável.
  72. 72. L.P.OWEN 72 Durante o caminho Ana falou sobre a vontade, dela e de Márcia, de viajarem à Itália. O que fez Raquel se lembrar de seu passado, retornar no tempo e contar sua história. Disse ter nascido na cidade de Pescara, situada na região dos Abruzos, as margens do mar Adriático, Itália, mas acabou vindo para o Brasil logo depois do seu nascimento, por isso não conhecia o lugar.
  73. 73. LINHAS DO DESTINO 73 Capitulo vinte e dois A CONCEPÇÃO Antonieta, uma menina de 15 anos vive um drama ao saber que o estupro que sofrera do filho do dono da fazenda onde seu pai trabalhava como administrador resultara em uma gravidez indesejada. Os momentos de terror, que passou algumas semanas antes, quando foi surpreendida próximo do riacho, onde costumava pescar todas às tardes, não saiam de seus pensamentos. Ao perceber que Giuseppe um rapaz de 20 anos vinha em sua direção, sorriu e cumprimentou-o como sempre fizera, mas ficou preocupada ao notar que o brilho no seu olhar estava diferente. Giuseppe sentou ao lado de Antonieta. Iniciou uma conversa sem pé sem cabeça. Repentinamente, agarrou-a e com o braço em volta do seu pescoço sacou uma faca.
  74. 74. L.P.OWEN 74 Colocou próximo ao seu rosto ameaçando-a. Disse caso ela não fizesse o que ele queria, seria comida dos peixes do lago. A garota tentou desvencilhar-se, mas o rapaz era muito forte com 1,90 m e 80 kg, não conseguiu, pois era muito menor do que ele com 1,60 m e 50 kg. Ele rasgou suas roupas com uma ferocidade e à medida que ela tentava escapar era espancada com violência. Lutou até perder suas forças. Mesmo quase desfalecida, implorava para que ele não consumasse o ato, mas não foi ouvida. Foram momentos que ficaram gravados na sua mente. A partir desse instante o ódio instalou-se imediatamente no seu coração. Não conseguia tirar da sua mente as cenas daquele homem alucinado em cima dela com os dentes cerrados, os olhos vidrados, uma dor insuportável que sentiu devido à violência com que foi penetrada.
  75. 75. LINHAS DO DESTINO 75 Quando terminou, ele prometeu que mataria toda sua família se contasse para alguma pessoa. Entrou várias vezes no lago para se lavar, mas não conseguiu sentir-se limpa. Por mais que fizesse, continuava com a mesma sensação de nojo. As ameaças de Giuseppe foram muito claras, a segurança de seus familiares estava em jogo. Ela não sabia o que fazer. A família de Giuseppe era muito poderosa na cidade. Se contasse para qualquer pessoa seus pais poderiam sofrer algum atentado. Caso seu pai viesse a descobrir, ele a mataria. A única pessoa em quem confiava era Angelina casada com seu primo Carlo. Moravam numa cidade não muito próxima. Normalmente costumava visitá-la para conversar e pedir-lhe algum conselho. Angelina era jovem, inteligente. Sabia como
  76. 76. L.P.OWEN 76 orientar Antonieta. Por isso não causou desconfiança a seus pais o pedido que Antonieta fez de ir visitá-la.
  77. 77. LINHAS DO DESTINO 77 Capitulo vinte e três O PLANO Ao chegar na fazenda foi recebida com muito carinho e alegria. Angelina ficava sozinha o dia todo. Quando recebia uma visita, ficava muito feliz, principalmente sua prima por quem tinha muito carinho. Antonieta estava tão ansiosa para desabafar com alguma pessoa que não deu tempo para que sua prima perguntasse sobre seus pais. Falou que estava com problemas sérios, precisava de ajuda para solucioná-los, mas antes, queria ter a promessa que ela guardaria segredo. A seriedade de Antonieta fez Angelina compreender que sua prima estava passando por uma situação muito difícil. Resolveu concordar. A garota contou entre choro, acesso de raiva, tudo o que ocorrera. À medida que os fatos eram narrados, mais
  78. 78. L.P.OWEN 78 revoltada Angelina ficava com o cafajeste. As duas planejaram a melhor maneira de solucionar o problema. Angelina comentou seu plano para Antonieta. A garota foi convencida da necessidade da inclusão e aprovação de Carlo, não queria esconder nada dele, seria mais uma pessoa a ajudá-las. Quando foi perguntada sobre o que faria com o bebe, Antonieta somente disse não querer ficar com ele, se tivesse condições faria o aborto. Angelina estremeceu com a palavra, já tivera alguns espontâneos. Não conseguia mais engravidar. Tentou acalmá-la para poder ganhar tempo, mas Antonieta não estava disposta a mudar de ideia. Apesar de entender o sentimento da prima disse que poderia cuidar dele, sugeriu que ela não tomasse decisões precipitadas.
  79. 79. LINHAS DO DESTINO 79 Antonieta comentou sobre a desconfiança de sua mãe, mas ela não sabia exatamente o que havia de errado ou, se sabia, não fizera nenhum comentário ou pergunta. Naquela tarde ao chegar em casa, Carlo encontrou Angelina e Antonieta à sua espera. Beijou a esposa, cumprimentou a visitante com um caloroso abraço, afinal era a única de seus parentes que costumava visitá-los. - Como você cresceu, já está quase uma mulher! – Exclamou Carlo sem saber dos acontecimentos. Pediu licença e foi tomar um banho. Ao retornar foi em direção a sala de jantar onde foi servido seu prato predileto de espaguete com frango ensopado e uma jarra de vinho produzido por ele. - Você faz as orações. – Disse Carlo para Antonieta. Conversaram sobre vários assuntos, dentre eles os problemas da agricultura. - Como está o tio? – Perguntou Carlo.
  80. 80. L.P.OWEN 80 - Está ótimo, trabalhando muito. Como sempre reclamando da situação, que está cada vez mais difícil. Angelina comentou sobre os dias de solidão, a falta que fazia uma companhia. À medida que o assunto prosseguia, amadurecia a ideia de trazê-la para morar com eles. Contou também sobre o desejo de morarem no Brasil após as colheitas e venda da fazenda. - O que esperam encontrar lá? Como vão viver? - Antonieta perguntou por quê tinha vontade de ir para o Brasil. - Não será tão rápido assim. No começo moraremos com amigos, trabalharemos na lavoura. - Carlo comentou. - Teremos tanto trabalho para fazer que não sinta solidão. Angelina falou sobre o ocorrido com Antonieta. A ira de Carlo ia aumentando. Quando a narrativa de sua esposa terminou levantou-se. - Vou caçar esse animal e arrancarei sua pele. – Disse tremendo de raiva.
  81. 81. LINHAS DO DESTINO 81 Tanto imploraram que ele acabou por ouvi-las. Para não causar mais tragédia na família resolveu que acataria suas ideias. Angelina pediu permissão para que Antonieta viesse morar com eles durante esses meses que antecederia a viajem do casal. Carlo respondeu, que por ele não teria problema, mas a palavra final seria dada pelos pais de Antonieta. Carlo pensou, na vontade de ter um filho, no sentimento de culpa de sua esposa, nas vezes que a ouviu chorar durante as madrugadas. A solidão que ela sentia enquanto ele estava no trabalho. - A viagem será longa, temos que sair cedo, para antes do anoitecer, estarmos lá. Quando ouviu as palavras do marido, abraçou-o, beijou-o. Naquela noite entregou-se ao amor como nunca acontecera antes.
  82. 82. L.P.OWEN 82 Na manhã seguinte ela acordou radiante e feliz. O dia estava lindo, a temperatura agradável, Carlo preparou a charrete deixando-a bem confortável, a caminhada seria árdua. Ao longo do caminho existiam algumas fazendas. A estrada, ora passava entre as árvores, ora em locais de difícil acesso, com alguns penhascos em suas margens. As árvores floridas, a temperatura agradável indicava que a primavera estava apenas começando. No início da tarde pararam para um breve descanso.
  83. 83. LINHAS DO DESTINO 83 Capitulo vinte e quatro O PEDIDO O sol escondia-se no horizonte quando desceram da charrete e cumprimentaram os pais de Antonieta. Dona Nina preparou um jantar especial para os recém-chegados. Seu Gino e Carlo colocavam as notícias em dia enquanto esperavam o jantar. As mulheres foram todas para a cozinha, onde Angelina conversou com dona Nina aproveitando o momento para convencê-la a deixar, que sua filha morasse com o casal. Não sentiu que tivesse o apoio de dona Nina, mas teve a certeza que não criaria problemas. Na sala o assunto em pauta era a situação, que estava caminhando para mais uma crise. O dinheiro escasso e o aumento do desemprego geravam uma grande incerteza quanto ao futuro.
  84. 84. L.P.OWEN 84 Quando surgiu oportunidade, Carlo falou sobre o real motivo de sua visita. O pedido feito ao senhor Gino que sua filha morasse com o casal por algum tempo. Falou sobre sua preocupação de deixar a esposa sozinha, enquanto ele permanecia na lavoura. Que sua esposa chorava pelos cantos, reclamando o fato de não poder ter filhos. Seu Gino não disse nada, o semblante não demonstrava sentimento algum, fazendo com que tivesse dúvidas quanto ao consentimento do tio. Isto fazia Carlo ficar mais apreensivo. O silêncio era total. Chegando a ser constrangedor. O único som que se fazia ouvir era o dos passarinhos no pomar procurando um lugar para dormir e as mulheres conversando na cozinha. Nesse momento Antonieta entrou na sala para perguntar se o jantar poderia ser servido.
  85. 85. LINHAS DO DESTINO 85 Seu Gino olhou para a filha e notou a felicidade estampada no seu rosto. Deu autorização para que fosse servido o jantar. Novamente o silêncio foi instalado. Seu Gino era uma pessoa honesta de enorme coração, tranquilo, mas de decisões muito bem pensadas. O jantar transcorreu alegre, após os agradecimentos costumeiros devoraram as delicias que dona Nina tinha preparado. Os assuntos eram variados. Em alguns momentos falavam sobre colheita, noutro sobre a perspectiva da viagem de Marco e Angelina para o Brasil. Ao final do jantar seu Gino deu a notícia que todos esperavam. Permitiu que sua filha fosse morar com eles. No dia seguinte bem cedo já estavam a caminho de casa novamente, tinham um longo caminho, mas estavam felizes.
  86. 86. L.P.OWEN 86 Capitulo vinte e cinco O GRANDE MOMENTO À medida que o tempo passava, o corpo de Antonieta sofria algumas modificações importantes e sua revolta aumentava. Angelina passava o tempo conversando com a garota para acalmá-la e levar até o final sua gravidez. Apesar da contrariedade, da raiva que sentia atendeu sua prima, mas sua decisão de não querer sequer ver a criança estava mantida. No final da tarde, de outono, Antonieta começou a sentir as contrações anunciando a chegada do bebê. A mais entusiasmada, era com certeza Angelina, que não deixou por um segundo a garota. Carlo ouviu o choro de uma criança que acabara de chegar ao mundo.
  87. 87. LINHAS DO DESTINO 87 Capitulo vinte e seis A CONFISSÃO Ao chegarem, Ana viu um bilhete de Luís sobre a mesa, nele estava escrito, que estava na casa de seu amigo Júnior. Levou o Tobias para a mãe dele conhecê-lo. Voltaria antes do almoço. As duas riram com o bilhete e iniciaram a preparação do almoço. Raquel continuou sua narração. - Depois do meu nascimento fui entregue para um casal que viera morar aqui no Brasil. Eles registraram-me como sua filha. - Ana a ouvia em silêncio. - Minha infância foi muito feliz. Éramos pobres, mas havia amor entre nós. Quando papai Vitor morreu foi terrível. Tinha saído para o trabalho na lavoura, onde era meeiro, acabou não voltando. Teve um enfarto fulminante, não conseguiram salvá-lo.
  88. 88. L.P.OWEN 88 - Qual era sua idade nessa época? - Perguntou Ana lembrando-se do seu sofrimento com a perda do pai. - Tinha 15 anos. Depois de alguns meses minha mãe Sofia começou a ter a saúde abalada. Não demorou e também faleceu. – Deu uma pequena pausa para tomar fôlego e continuou. - Passei a morar sozinha numa casinha na cidade. Trabalhei em serviços diversos como lavar e passar. - Algum tempo depois acabei recebendo uma herança de um casal que não conhecia até então. Descobri, tempos depois, serem Carlo e Angelina, que infelizmente nunca tive oportunidade de conhecer. Eles me deixaram além de uma quantia razoável a casa onde moro atualmente, uma carta onde contaram todo o drama de minha mãe. - A senhora nunca se casou? - Perguntou Ana enxugando uma lagrima que rolava pelo rosto. Raquel apenas sorriu e respondeu com o bom humor que era sua característica.
  89. 89. LINHAS DO DESTINO 89 - Amei uma pessoa, mas não era hora de estarmos juntos. Não encontrei outra tampa. - Riram gostosamente. - Eu também ainda não encontrei o meu príncipe – sorriu e completou. – Pensei ter encontrado um, mas virou sapo. - Apesar de morar sozinha acabei com um monte de filhos, maridos, mães, avôs e avós. Comecei a cuidar de pessoas e desde então não parei mais. - O que aconteceu com sua mãe Antonieta? - Durante muitos anos não tive notícias dela, ou melhor, não sabia que ela existia. Somente depois do falecimento de meus pais, quando recebi a carta fiquei sabendo de sua existência, que vivia no Brasil, mas não sabia onde. - Ela tinha casado com um rapaz que conhecera pouco depois do meu nascimento. Viveram juntos 45 anos, mas não tiveram filhos. - A senhora chegou a encontrá-la? - Sim cuidei dela durante alguns anos.
  90. 90. L.P.OWEN 90 - Ela descobriu que era sua mãe? - Ana estava com os olhos marejados pensando na saudade que sua mãe fazia. Apesar das desavenças, gostaria de poder conviver mais com ela. - Como sempre fiz, após a morte de meus pais adotivos, visitava orfanatos, asilos, hospitais. Numa dessas visitas a um asilo vi uma senhora que me fazia sentir algo diferente tínhamos os traços parecidos, mas nunca pensei na possibilidade de ser minha mãe. Como nunca me preocupei com isso, não me passou pela cabeça que pudesse ser ela. - Ela tinha diabetes, por isso, outros tipos de complicações na saúde apareceram. Sua visão estava a cada dia pior, sua circulação também. Um dia ao chegar para visitá-la no asilo, fiquei sabendo que tinha sido levada e estava internada no hospital onde você trabalha.
  91. 91. LINHAS DO DESTINO 91 - Todos os dias fazia minha visita pra ela. Quando perguntei quem mais a teria visitado. Fui informada que não havia, nem no asilo. - Como era a única pessoa que a visitava, um dia ao chegar, fui autorizada a ficar o tempo que quisesse porque ela teria apenas algumas horas então fui até ela e perguntei se queria que trouxesse um padre para se confessar. - Olhou-me, com voz suave disse. - “Venha mais perto, minha filha, porque gostaria que você presenciasse minha confissão a Deus”. - Segurou minha mão e começou a contar sobre as coisas que tinha passado ao longo dos anos. Sobre a solidão que sentira durante vários anos até o dia que nos encontramos. - Contou sobre seus pais, sua infância, onde moravam, tudo o que lembrou. Começou sua confissão. - “Quero iniciar, pedindo perdão a Deus, porque não tinha entendido seus desígnios. Pedir perdão a Deus, por não ter
  92. 92. L.P.OWEN 92 aproveitado a chance de cuidar de alguém tão especial que Ele me deu”. - “Agora, na sua infinita misericórdia, me concedeu este momento de resgatar o que tinha perdido. - Gostaria de além de pedir perdão a Deus, pedir perdão para você, minha filha, pelo mal que fiz. – Lágrimas rolavam pelo seu rosto”. - “Quando ainda sequer tinha nascido. De não tê-la amado como deveria. De abandoná-la, dando-a para que outros pudessem criá-la. Enganei-me, porque depois, descobri que tinha morrido naquele instante. Passei a sentir sua falta. Lamentei durante toda minha vida não ter a presença de um anjo que me fora dado por Deus”. - “Gostaria de te pedir perdão por tudo, te dizer que desde a primeira vez que te revi senti meu coração bater diferente. Não importa o que aconteça, a única coisa que gostaria de saber se você me perdoa”.
  93. 93. LINHAS DO DESTINO 93 - Quando a abracei, antes mesmo de conseguir dizer, que não tinha nada a perdoar, ela segurou minha mão com mais força e fechou os olhos. - Foi assim que nos despedimos. A última página de nossa história tinha sido escrita ali. - Além de mim, algumas poucas pessoas do asilo foram ao velório, mas não vi ninguém diferente, nenhum parente. Nesse momento Ana não conseguiu segurar a emoção e começou a soluçar como uma criança. Depois de algum tempo, já refeita, contou sobre os problemas de relacionamento com sua mãe. Raquel abraçou-a com ternura e comentou. - Faça uma visita para sua mãe, conversem, na maioria das vezes, os motivos são sempre banais, mal-entendido. Nada que não possa ser resolvido simplesmente deixando o orgulho de lado. – Concluiu – O orgulho é um dos motivos para as desavenças. As duas ficaram abraçadas por um bom tempo.
  94. 94. L.P.OWEN 94 O almoço estava quase pronto quando Luís chegou fazendo a maior bagunça com Tobias. - Olá mamãe! - Disse Luís sorrindo segurando Tobias pela coleira. Quando viu que tinha visita ficou meio sem jeito, mas foi socorrido por Ana. - Esta é Raquel, todos os dias ela vai ao hospital para visitar os doentes. - Muito prazer disse Luís. - O prazer é todo meu. - Raquel sorriu. - Quem é esse cãozinho lindo? - Esse é o Tobias o mais novo morador desta casa. – Comentou com orgulho. - Mas ele é muito lindo, tem uma cara meiga. O almoço estava delicioso e muito agradável e Ana ficou reparando no jeito, no som de sua voz quando falava a conversa que tinha com Luís, enfim todos os trejeitos dela era exatamente como todos diziam no hospital.
  95. 95. LINHAS DO DESTINO 95 - “Raquel iluminava o ambiente”. – Pensou. Luís ficou meio enciumado quando seu cãozinho Tobias pulou no colo de Raquel e não quis mais sair. Após o almoço foram para a sala. Ana contou um pouco de sua vida, as coisas que aconteceram em seu casamento e como terminou. Conversaram durante um longo tempo, quando perceberam já estava anoitecendo. - Nossa! – Exclamou Raquel – As horas passaram. - Nem eu. - Completou Ana. - Foi tão bom o dia, fazia muito tempo que não passava por momentos tão agradáveis. - Também senti como muito tempo não sentia. Adorei estar aqui, estava tudo perfeito, mas agora está na hora de ir, tenho que me preparar para a semana. Ana prontificou-se a levá-la para casa. Convidou Luís para ir junto.
  96. 96. L.P.OWEN 96 Capitulo vinte e sete UM LUGAR AGRADÁVEL A noite estava muito agradável, as luzes da cidade atrapalhavam o brilho das estrelas e da lua. O céu estava muito limpo, a temperatura tinha baixado um pouco, mas ainda continuava agradável. O trajeto foi tranquilo, ao chegarem, Raquel convidou Ana e Luís para conhecerem sua casa e tomarem um café. Era uma casa simples com o portão de madeira, pintado na cor verde musgo. O jardim bem cuidado, com flores de diversas cores e qualidades, enfeitava toda frente construída com tijolo aparente. Caminharam alguns metros por entre as flores e plantas. Uma varanda surgiu como um passe de mágica. Sob uma janela a namoradeira de balanço. Ao lado uma mesinha com uma toalha branca e um vaso com algumas flores do jardim davam um toque especial ao ambiente.
  97. 97. LINHAS DO DESTINO 97 Na entrada, algumas fotos colocadas sobre um móvel chamaram a atenção de Ana. Raquel aproveitou para mostrar seus pais adotivos e num local especial a foto de Antonieta. Ana percebeu o quão especial era Raquel. Deu um abraço tão apertado na amiga, que ela ficou sem saber o por quê. Percebeu que era algo importante para Ana e retribui o gesto de carinho. A simpatia que Ana sentia por Raquel também passou a ter por Antonieta. Era algo inexplicável, desde quando Raquel contou sua história, sentiu um profundo respeito por elas. Os três sentaram na sala, enquanto conversavam, apreciavam o delicioso sabor do café preparado pela anfitriã. Quando iam saindo, Ana comentou. - Você nem imagina quanto adorei esse dia. - Disse sorrindo. - Também adorei. – Respondeu Raquel.
  98. 98. L.P.OWEN 98 Capitulo vinte e oito SEGUINDO O CONSELHO Na manhã seguinte, depois de tomarem um café da manhã bem reforçado, saíram em direção à estrada que levava a cidade onde sua mãe morava. Não era tão distante, com o trânsito livre poderiam chegar em pouco mais de duas horas. O dia estava ensolarado, mas a temperatura continuava agradavelmente em torno de 20ºC. A estrada, apesar de sinuosa, era bem sinalizada e bem conservada, tornando a viagem agradável. O ar da serra fazia os pulmões absorverem um pouco mais de Oxigênio. Ao chegarem na cidade, mesmo depois de algum tempo, Ana não notou nenhuma mudança. Sua mãe morava numa chácara dentro da cidade, com árvores frutíferas de várias espécies, jardim bem cuidado e
  99. 99. LINHAS DO DESTINO 99 um terreno espaçoso onde as galinhas, patos e pássaros de diversas espécies dividiam aquele pequeno paraíso. A casa era ampla, com varanda em toda volta. Havia redes de descanso presas entre a parede e as colunas que sustentavam o telhado. Ao fundo uma piscina cercada por um gramado muito bem tratado. Outra coisa que chamava a atenção era a horta plantada ao lado da casa. Quando ouviu o barulho de carro parando na porta, dona Marta olhou pela janela. Ao ver Ana, largou tudo, correu ao seu encontro. Dona Marta era uma mulher de beleza incontestável, inteligente, com personalidade forte. Tinha o dom da arte manual, em tudo o que fazia tinha o seu bom gosto. Como sempre, mantinha o cuidado com sua aparência. O local apesar de toda a beleza era simples.
  100. 100. L.P.OWEN 100 Ana ao ver sua mãe vindo em sua direção, tão bela e graciosa, sentiu orgulho de ser sua filha. Ao se abraçarem, não conseguiam conter as lágrimas. - Estava com muita saudade de você, mamãe, por isso vim ver-te. – Disse Ana chorando. Marta não aguentou a emoção e chorou. Lembrando-se do tempo quando Ana era pequena. Somente depois de alguns minutos conseguiu responder. - Eu também estava com muita saudade de você minha filha. Você não imagina a felicidade de poder te abraçar, dizer que te amo mais do que eu mesma. - Quando te vi entrando por aquele portão voltei alguns anos da minha vida de tão parecida que somos. Talvez, seja por isso que brigamos e sofremos depois. As duas conversaram sobre vários assuntos. Luís, que até então, não tinha cumprimentado a avó deu e recebeu um abraço caloroso.
  101. 101. LINHAS DO DESTINO 101 Depois dos cumprimentos foram à casa vizinha, onde Fábio, seu irmão e a esposa Leila moravam. Foi mais um momento de felicidade, de abraços e choro. Como nos bons tempos a paz reinou naquele lar. Luís conheceu melhor seu tio. - Só está faltando aqui Tobias. - Disse Luís. - Quem é o Tobias? - Perguntaram os três ao mesmo tempo. - É o mais novo morador de casa. – Explicou Ana - Um cão Lavrador, muito gracioso. Contou também sobre sua separação de Roberto, a cirurgia de Márcia, enfim colocou todos os assuntos em dia. Quase ao mesmo tempo Marta, Fábio e Leila deram a noticia sobre a vinda do bebe. Leila estava grávida há dez semanas, como era o primeiro filho estavam ansiosos por sua chegada. A conversa estava animada, mas o tempo era implacável, passava como uma velocidade inacreditável.
  102. 102. L.P.OWEN 102 Ao final da tarde quando já iam sair Ana perguntou a sua mãe se gostaria de passar alguns dias com ela. Marta ficou em dúvida, por causa dos animais que mantinha na chácara. Eles eram sua companhia. Fábio se propôs a cuidar de tudo enquanto estivesse fora. - OK! Minha filha, me de alguns instantes para colocar algumas roupas na mala e iremos.
  103. 103. LINHAS DO DESTINO 103 Capitulo vinte e nove DESCOBRINDO O SEGREDO A felicidade de Marta era visível, desde o falecimento de seu marido não voltara a São Paulo, cidade onde nascera e amava. Uma cidade grandiosa sob todos os aspectos maus e bons. A maior cidade do Brasil e da América Latina. Isso fazia sentir-se orgulhosa. Depois de todos os preparativos iniciaram o regresso. Ana não escondia a felicidade de ter sua mãe por perto. Neste momento, lembrou-se do que Raquel dissera, sobre os motivos que levavam as pessoas a brigarem, perderem a amizade o amor. - “A maior parte das brigas acontecem porque queremos que a outra pessoa faça o que falamos, não aceitamos o seu ponto de vista, isso é o mesmo que estarmos colados
  104. 104. L.P.OWEN 104 de frente para o outro e quisermos dar um passo à frente, não conseguiremos”. Ana percebeu o motivo pelo qual brigara com sua mãe “o orgulho” de não ceder em nada. Quando teve a iniciativa de dar um passo a traz resolveram-se todas as diferenças.
  105. 105. LINHAS DO DESTINO 105 Capitulo trinta UM DILEMA Raquel foi ao hospital visitar o pessoal. Assim que entrou foi direto à capela, fez suas orações. Em seguida foi ao Centro de Tratamento Intensivo. Ao entrar, teve algumas surpresas. Carlos tinha sido transferido para o quarto, Gabriel, saído do coma, também seria transferido para um quarto. Quando Raquel chamou seu nome, o garoto sorriu como se reconhecesse quem o chamava. - Como você está Gabriel? - Perguntou sem esperar pela resposta. - Meu nome é Raquel, visito você sempre que posso. - Obrigado. - Disse o garoto. - Você precisa se esforçar, se quiser melhorar, só assim sairá mais rápido daqui, também gostaria de te apresentar uma pessoa muito especial, ele tem torcido por você.
  106. 106. L.P.OWEN 106 Repentinamente Gabriel muda de assunto completamente. - O que aconteceu com meus pais? - Perguntou com olhar fixo nos olhos de Raquel aguardando uma resposta. Nesse momento ela não sabia o que responder, não tinha ideia sobre o que haviam contado para ele. Procurou com olhar pelo médico responsável, mas ele estava ocupado em outra sala, como não havia tempo para confirmações, resolveu perguntar-lhe sobre o que Gabriel sabia. - Sei que estou aqui deitado com um montão de coisas ligadas, quando pergunto por quê minha mãe não vem visitar-me eles dizem que ainda não pode vir. Raquel descobriu o que mais temia, não tinham dito nada sobre os acontecimentos, mas não sabia se poderia agravar seu estado de saúde contando a verdade. Pensou em como ganhar algum tempo para poder certificar-se do real estado do garoto.
  107. 107. LINHAS DO DESTINO 107 - Vou procurar a pessoa responsável para saber o que aconteceu, depois volto para falar o que descobri. – Em tom de cumplicidade perguntou - Você está de acordo? Depois da resposta afirmativa, deu um beijo no garoto, saiu o mais rápido que pôde para falar com o médico responsável por seu tratamento. Instante depois conversava com o doutor Robson e ele confirmou o que ela temia, caso Gabriel soubesse do ocorrido com sua família, poderia ter complicações no seu quadro. Por hora deveriam manter alguma restrição sobre o que dizer para ele. - O que faremos? – Disse procurando achar uma solução. - Não podemos simplesmente ignorar suas perguntas. - Ele tem saudades de sua mãe e está com medo de ficar sozinho. - Para ser sincero - respondeu o doutor - não sei como lidar com essa questão.
  108. 108. L.P.OWEN 108 - Será transferido para o quarto, à medida que seu estado melhorar poderá começar a prepará-lo para conhecer a verdade. - Disse ela com convicção. - Contar-lhe por etapas, para ganhamos mais tempo. – Concordou o doutor. Raquel teve uma ideia e resolveu contar para o doutor que achou excelente. - OK! Vou tentar acalmá-lo, a partir de amanhã falarei aos poucos com ele. Raquel despediu-se do médico e voltou para dar a boa noticia a Gabriel. - Falei com o doutor e ele informou que está preocupado em achar um quarto para você, depois vai verificar o que aconteceu com seus pais e me informar. – Novamente em tom de confidência. - Vamos combinar o seguinte – Disse baixinho - prometo que vou cuidar de você até que tudo se resolva você me promete que vai fazer o possível para sarar logo.
  109. 109. LINHAS DO DESTINO 109 Gabriel concordou. O acordo foi firmado com um aperto de mão. Nesse momento o garoto sentiu uma sensação diferente. - Você é quem segurava minha mão? - Perguntou repentinamente. - Você se lembra do que dizia para você? – Falou com suavidade. - Lembro de alguém me segurando, falando comigo, me dizendo algo que não conseguia entender, mas sabia que eram coisas boas. Sentia que algo me segurava não me deixava ir aonde eu queria. - Para onde você queria ir? - Não sei exatamente, mas às vezes me sentia muito triste, com medo. De repente tudo parecia mudar me sentia feliz. – Continuou sério - Em alguns momentos pensava na minha mãe. Ela me abraçava me acalmava.
  110. 110. L.P.OWEN 110 Raquel sentiu seus olhos marejarem. Como previra ele seria o grande mensageiro de Deus para uma pessoa que tinha muito por ensinar e aprender. - Deixa dar a boa notícia para um amigo que também torce por você.
  111. 111. LINHAS DO DESTINO 111 Capitulo trinta e um A RECEITA Raquel saiu com a sensação de que a Providência já começara a agir. Ao passar pelo quarto, onde Márcia estava, entrou e cumprimentou-a. - Olá minha filha! Como você está? - Estou melhorando a cada dia. – Notou a alegria estampada no rosto de Raquel. – Pelo visto a senhora esta muito feliz. - Quando vocês estão bem, eu também estou. – Respondeu. - Como foi o dia de vocês ontem? – Referiu-se a visita na casa de Ana. – Espero, que tenha sido divertido. - Foi muito bom, conversamos, ela contou sobre a vida dela, eu sobre a minha Ana disse que vocês planejam fazer uma viagem à Itália.
  112. 112. L.P.OWEN 112 - A senhora sempre levantando o astral da gente. - Disse Márcia ao perceber o que ela pretendia. - É por isso e para isso que vivo. - Sorriu maliciosamente, - Gostaria de oferecer um almoço pra vocês na minha casa, mostrar alguns objetos que tenho da Itália, creio que vão gostar. - Desde quando a conheci adotei-a como minha segunda mãe, Ana como uma irmã que nunca tive. – Segurando a mão de Raquel continuou - Às vezes penso por que temos mais afinidades com as pessoas que conhecemos fora de casa do que com nossos familiares. - É simples! - Respondeu Raquel. - Começamos a crescer, nosso orgulho acaba crescendo com a gente. Ao invés de conversarmos, discutimos. - Você precisa ter alta logo, minha filha, afinal tem muitas pessoas precisando do seu carinho.
  113. 113. LINHAS DO DESTINO 113 - Prometo que vou perturbar o doutor Guilherme até que ele me dê alta. Também não vejo a hora de poder trabalhar novamente. - Agora preciso ir andando. – Disse Raquel - Prometi procurar um lugar para o Gabriel, alguém para fazer companhia para ele. – Tenho a impressão de que a senhora já tem alguém em mente. – Interrompeu Márcia sorrindo. Raquel piscou e saiu. Antes que ela se afastasse muito ouviu “Eu te amo”.
  114. 114. L.P.OWEN 114 Capitulo trinta e dois LADO A LADO Quando chegou ao quarto de Carlos ele estava recostado no travesseiro. Ela percebeu que algo estava errado. Ele estava com o semblante triste demonstrando preocupação. Novamente sentou-se ao seu lado, ali permaneceu quieta sem dizer absolutamente nada. Carlos tentou sorrir, melhorar sua aparência, mas foi surpreendido por uma frase bastante curiosa. - Como está sua aparência por dentro? - Perguntou Raquel olhando-o de soslaio. - Está bem. - Respondeu sem jeito. - O que aconteceu para te deixar tão triste por fora? – Sua voz era doce. - Estar aqui, de não arranjar um emprego, de não poder dar uma condição melhor de vida para minha família.
  115. 115. LINHAS DO DESTINO 115 - O que é uma condição melhor de vida? – Ela emendou outras perguntas - será que não é estar ao lado de quem se ama? - Poder ajudar outras pessoas, mesmo que seja com um abraço, uma conversa, manter a família unida e feliz? Carlos ficou admirado de ver como a vida pode ser simplificada. Dona Raquel sempre mostrava o que poderia ser feito. - Na verdade vim aqui para verificar se o senhor permite que alojemos o Gabriel nesse quarto. Ele precisa sair do CTI, então, achei bom para o senhor ter alguém com quem conversar. - Por mim não há problema algum, afinal terei quem perturbar. – Disse mais alegre. - Falarei com o doutor Robson para providenciar a transferência mais rápida possível. Quando Rui chegou com a maca para levar Gabriel para o quarto, imediatamente, foi fazendo festa com ele.
  116. 116. L.P.OWEN 116 - Como vai meu camarada, vamos dar uma volta na minha máquina envenenada? Gabriel apenas sorriu timidamente. - Vou mostrar o corredor mais legal para fazer racha, verá que é uma beleza. - Da até para dar uns cavalos de pau. - Prefiro continuar quase inteiro. - Disse Gabriel sorrindo. - Então vamos lá. Você prefere com ou sem emoção? - Prefiro com tranquilidade e segurança. – Respondeu sem hesitar. - Então aqui vamos nós. Tirem as macas, as cadeiras de rodas da frente por que estamos passando. Gabriel ria com as palhaçadas de Rui, que procurava tranquilizar todos os enfermos. Por isso sempre recebia elogios e presentes, mas como ele dizia era palhaço por natureza. Gostava de fazer as brincadeiras apenas em troca de um simples sorriso. Ao chegarem no quarto, Carlos já estava esperando. Rui foi dizendo.
  117. 117. LINHAS DO DESTINO 117 - Acabou o seu sossego senhor Carlos, agora terá mais um hóspede. Espero que não ronque alto, não goste de ouvir música num volume muito alto. - Acredito que ele não goste de música alta, mas sim de músicas boas. – Carlos emendou sorrindo. - Não acredite nisso, porque as informações que obtive eram de que ele gosta dessas músicas barulhentas. Gabriel ainda um pouco acanhado não disse nada apenas sorriu. Depois de acomodar o garoto Rui foi se despedindo. - Bem minha missão já está cumprida agora é com os senhores. Por favor, não troquem os frascos de soro nem é permitido usar o suporte como cabide. Todos riram o ambiente ficou mais alegre quando Raquel chegou para perguntar se estava tudo bem o quarto parecia um campo de futebol em final de campeonato. Ela sabia que essa convivência seria boa para ambos.
  118. 118. L.P.OWEN 118 Capitulo trinta e três O INÍCIO DA AMIZADE Quando todos saíram e ficaram apenas os dois. Carlos iniciou a conversa, a princípio timidamente, mas aos poucos foi fluindo naturalmente. - Não tivemos tempo para apresentações, meu nome é Carlos, muito prazer. - O meu é Gabriel. O que aconteceu para estar aqui no hospital? - Fiz muitas bobagens na minha vida, ficava com raiva de tudo, vivia de cara feia. Não que esteja mais bonita agora. Acabei tendo um problema, foi necessário fazer uma cirurgia no coração. Agora estou recuperando-me. O doutor falou para eu parar de ser teimoso e tudo estará resolvido, mas não consigo preciso de alguém que me policie. - O senhor tem filhos?
  119. 119. LINHAS DO DESTINO 119 - Sim tenho três filhas, mas já estão casadas. Você é casado Gabriel? - Claro que não. Tenho apenas onze anos. - Hoje em dia é moda casar tão cedo, então, achei que fosse casado. Gabriel ria a todo instante, nascia ali um vínculo afetivo muito forte. O tempo era preenchido com bom humor, tão bom que a melhora dos dois era vista em cada momento que o médico passava para consulta. Numa das conversas Carlos perguntou o que estava acontecendo, porque notara que o garoto ficou triste de uma hora para outra. Gabriel procurou dissimular, mas Carlos sabia exatamente o que era. - Você não gostaria de conversar um pouco a respeito? – Carlos procurou não forçar. Depois de alguns instantes o silêncio foi quebrado. - Agora pouco me lembrei do que ocorreu antes do meu acidente. Estava na escola quando algum conhecido veio
  120. 120. L.P.OWEN 120 me chamar porque meu pai tinha matado minha mãe por ciúmes, em seguida se matou. Todos aqui esconderam de mim a verdade, por isso ninguém falava nada sobre o que aconteceu. Quando perguntei mudaram de assunto. Agora descobri que já não posso mais fazer nada pela minha mãe, que estou aqui sem saber o que será daqui para frente. - Não tenho ideia de como você esta se sentindo, mas sei o que é sentir saudades, afinal antes de ser pai já era filho. Mesmo hoje, ainda tenho muita saudade de minha mãe, mas procuro lembrar de coisas alegres que fizemos. De coisas que ela fazia para me agradar. Assim a saudade diminui e continuo seguindo pra frente. – Continuou - É difícil agora que tudo é tão recente. Com o tempo não será mais essa saudade dolorida, mas somente saudade. Se precisar de um amigo para te ajudar a suportar esses momentos pode contar comigo afinal é para isso que os amigos servem. – Concluiu - Acredito que não te
  121. 121. LINHAS DO DESTINO 121 contaram antes para que você pudesse lutar para sarar o mais rápido possível. Ser o homem que a sua mãe sempre imaginou que será. - Não sei o que será daqui para frente, meus pais já não existem, não conheço parente próximo, não sei o que fazer. - Vamos fazer o seguinte você se preocupa em sarar, depois nos vamos verificar o que podemos fazer. Caso você queira, poderá morar em minha casa até você casar, como fizeram minhas filhas. O garoto ficou mais tranquilo depois da conversa com Carlos o assunto que se seguiu foi sobre esporte.
  122. 122. L.P.OWEN 122 Capitulo trinta e quatro A DECLARAÇÃO Márcia sentia-se cada vez mais forte, quando o doutor Guilherme, para brincar com ela, fez alguns comentários misteriosos, achou não estar tão bem quanto julgava. - Bom dia Márcia, como tem passado? – Ele estava feliz em poder cuidar do seu grande amor. - Muito bem doutor, mas com vontade de voltar a trabalhar, afinal não nasci para ficar doente, mas para cuidar deles. - Sei disso, mas ainda vai demorar um pouco. - Por quê? - Perguntou assustada. - Algum problema? - Sim! – Respondeu com um sorriso nos lábios. - Um problema de ordem técnica. – Tomando coragem falou. - Vai ter alta agora, com a condição de permitir que a leve para jantar, antes que diga, isso é uma chantagem, não aceito não como resposta.
  123. 123. LINHAS DO DESTINO 123 - Claro que aceito! – A comida hospitalar é sem gosto. - Agora você sabe como os enfermos se sentem quando vamos cuidar deles. – Disse Guilherme. - É verdade, vou lembrar-me desses dias e procurar fazer melhor ainda do que fazia. - O jantar fica marcado para terça-feira, se não se importa. Na quarta vou a um congresso, ficarei fora durante uma semana. - Disse ele. - Gosta de comida italiana? – Perguntou sorrindo. – Amo! - Então está combinado.
  124. 124. L.P.OWEN 124 Capitulo trinta e cinco UM PRÍNCIPE DE MACA Ana chegou feliz para o trabalho. Não via a hora de dar um beijo em Márcia e Raquel. Contar todas as novidades do final de semana, mas quando foi ao quarto, onde Márcia estava, foi surpreendida com a presença de outra paciente. Depois de informar-se descobriu que ela recebera alta, já estava a caminho de casa. Apesar da surpresa ficou ainda mais feliz, quando encontrou dona Raquel no corredor convidou-a para almoçarem juntas, queria contar sobre os novos acontecimentos. À medida que o tempo passava o trabalho aumentava. O número de pacientes atendidos era muito grande. Não dava tempo nem para tomar um copo de água. Eram pessoas que chegavam precisando de cuidados especiais,
  125. 125. LINHAS DO DESTINO 125 outras apenas para serem medicadas. Enfim era uma bagunça organizada e gratificante. Sua mãe, agora em companhia de seu filho, fazia com que ela se sentisse mais segura. Caso ocorresse qualquer problema ela poderia resolver ou ligar, além disso, Luís sentia mais proteção. Ainda mais agora, que a amizade dos dois tinha sido fortalecida depois que a avó confessou estar com muita saudade dele, no tempo em que estavam separados. Pouco antes da hora do almoço, chegou uma viatura do resgate trazendo um paciente em estado grave. Vítima de colisão, não havia morrido porque seu carro tinha todos os itens de segurança. Mesmo assim, requeria cuidados especiais. O carro ficara completamente destruído indo direto para o ferro velho. Ao chegar à sala de emergência, Ana pôde ver um homem com seus 1,90 m de altura pesando aproximadamente 90
  126. 126. L.P.OWEN 126 kg, todo ensanguentado, com suspeita de fraturas múltiplas de costela e fêmur, entre outras coisas. Já tinha sido atendido pelo pessoal que o socorrera. No momento, estava sendo atendido pela equipe médica do hospital. A atenção que todos dedicavam era de dar orgulho a qualquer um da equipe. Logo que foi medicado e limpo, conduziram-no para fazer exames mais detalhados. Felizmente não havia nenhum tipo de problema interno. O maior seria a cirurgia no fêmur para colocação de alguns pinos, os restantes eram pequenos cortes ocasionados por vidros e outros materiais. A cirurgia foi coordenada pelo doutor Mota e os resultados foram excelentes. Após o término, o médico foi até a sala de espera para comunicar aos familiares o estado de saúde do paciente, mas para sua surpresa não havia ninguém.
  127. 127. LINHAS DO DESTINO 127 Quando Ana soube do ocorrido ficou preocupada e curiosa ao mesmo tempo. Foi ao setor de internação para saber se havia algum parente do paciente na recepção, mas lembrou-se, que não sabia o nome dele, resolveu perguntar para a atendente. - Bom dia Sílvia! - Disse com seu sorriso estonteante. - Olá Ana! Como vai? Faz tempo que não nos vemos. O que posso fazer por você? - É verdade, faz muito tempo, estamos sempre correndo. Preciso saber algumas informações a respeito do paciente que foi trazido pelo pessoal do resgate. - Um minuto e dou-te. Ana estava tão preocupada com o trabalho que havia esquecido o horário. Quando sentiu um toque se virou para olhar, viu Raquel. - Eu estava procurando por você, então, avisaram-me onde você estava. – Disse Raquel. Quando Ana olhou para o relógio ficou desesperada.
  128. 128. L.P.OWEN 128 - Nossa nem havia percebido que já é esse horário. Tenho que verificar os dados de um paciente a senhora está com muita fome? - Claro que não, se você estiver muito ocupada almoçamos outro dia sem problema algum. - Hoje as coisas complicaram muito. Acredito que só farei um lanche, mas tenho tanto para contar, te agradecer o conselho que me deu para ir falar com minha mãe ela veio passar uns dias aqui comigo. – Estava radiante quando comentou. - Fico feliz por você. Sei que será mais feliz ainda, afinal a felicidade sempre está à procura de nós, ou melhor, está dentro de nós. Raquel deu um beijo carinhoso em Ana e saiu. Sílvia apareceu com a ficha de informação do homem internado. Ao pegá-la Ana verificou que se tratava de um homem de 40 anos, divorciado, seu nome Paulo A. Silva. Procurou outros dados que constavam na ficha como
  129. 129. LINHAS DO DESTINO 129 telefone, endereço, para comunicar-se com algum familiar. O telefone que constava era residencial. - Alô! Quem fala? – Ana perguntou, uma voz feminina respondeu. - Aqui é Doralice quem quer saber? - Meu nome é Ana, gostaria de falar com algum parente do senhor Paulo. - O senhor Paulo não tem parente aqui só no litoral. - Como posso falar com eles? - Posso ligar para o senhor João, ele entrará em contato com você. - Se você puder te agradeço. - Um minuto que vou pegar papel e lápis para anotar seu telefone e endereço. Depois de despedir-se de Ana, com o endereço do hospital em mãos, Dora, imediatamente ligou para o senhor João, informou o que tinha acontecido com Paulo.
  130. 130. L.P.OWEN 130 Já fazia tempo que João vinha a São Paulo, desde que Paulo havia construído a casa da praia e convidou-o a morar lá. Como era um sonho de muito tempo, não pensou duas vezes. Agora voltaria a cidade onde vivera grande parte se sua existência. Conhecia o hospital, não teria dificuldades para chegar. O que não sabia é que ele tinha mudado. Acostumou-se com o sossego do litoral, visitar uma cidade tão populosa tão cheia de vida se tornara algo assustador, mas não media esforços quando o assunto era Paulo.
  131. 131. LINHAS DO DESTINO 131 Capitulo trinta e seis AS NOVIDADES O dia passou tão rápido, que Ana não teve tempo para o lanche. Ao assinar o relatório, resolveu passar na casa de Márcia para ver como ela estava. Foi ao estacionamento, ao entrar em seu automóvel colocou uma música suave para relaxar. O início da noite estava agradável, mas o trânsito estava como sempre muito intenso. Quando, pelo interfone, ouviu a voz de outra pessoa, Ana lembrou que Márcia tinha saído naquele dia do hospital, precisava de alguém para os afazeres domésticos. - Eu sabia que vinha me ver. – Disse Márcia quando a amiga entrou. - Que saudade eu senti de você parece que o dia não passava. Tinha certeza de que viria, por isso fiquei mais ansiosa.
  132. 132. L.P.OWEN 132 - Tive tanto trabalho e não deu tempo para nada. Tenho tantas novidades que não sei por onde começo. - Experimente começar pelo início. - Disse rindo. - No sábado quando estive com dona Raquel, conversamos sobre diversos assuntos. Um foi sobre o relacionamento que estava tendo com minha mãe. Ela disse algo que ficou gravado na minha mente. No dia seguinte resolvi procurar minha mãe para me desculpar, no fim fizemos as pazes, acertamos todos os conflitos. Como dona Raquel diz tudo é questão de uma boa conversa. Hoje o dia estava tão corrido que não consegui almoçar, acabei fazendo um lanche. – Com olhar de moleca perguntou - Você o que me conta, estou vendo um brilho diferente nos seus olhos. - O Guilherme vem jantar aqui amanhã. – Já tirou até o título de doutor dele? - Emendou Ana - Ele te pediu em namoro? - Ainda não, mas acredito que pedirá afinal mais dica do que dei impossível. Ele queria ir num restaurante, mas
  133. 133. LINHAS DO DESTINO 133 enfaixada, vai ter que me dar comidinha na boca, assim achei melhor que fosse aqui. - Você está com segundas intenções em jantar aqui, porque não parece que você está com faixa. Tomara que tudo dê certo. Já faz muito tempo que estão na paquera, vocês se merecem. - Quase ia esquecendo – comentou Ana - hoje foi internado um homem daqueles de balançar a estrutura de qualquer mulher e adivinhe... Solteiríssimo. Ele foi operado. Foi muito bem cuidado, é claro! - Pelo brilho dos seus olhos, já começou balançando você. - Márcia sorriu. – Será muito bem tratado se depender de você. - Digamos que minha autoestima está um pouco em baixa. Mas adoraria cuidar dele. - Quando olhou o relógio. Levou um susto, já era tarde. Levantou-se para sair. - Nossa! Como as horas estão passando. O papo está bom, mas tenho que ir, amanhã o dia será cheio. Preciso
  134. 134. L.P.OWEN 134 conversar com minha mãe e o Luís para saber como foi o dia deles. - OK! Antes que me esqueça preciso que você venha trocar os curativos. – Disse Márcia. - Só me ligar quando você quiser estarei à disposição.
  135. 135. LINHAS DO DESTINO 135 Capitulo trinta e sete A SEPARAÇÃO Gabriel superava as expectativas, sua recuperação era muito boa e o dia da alta estava mais próximo do que se imaginava. Carlos sabia que o garoto teria um futuro muito melhor do que tivera até o momento. Apesar da morte dos pais. Soube que ele presenciara sua mãe sendo espancada pelo pai, por ciúmes. O que deveria ser um lar era um inferno. Gabriel contou-lhe que muitas vezes, quando chegava em casa, cenas dignas de horror eram vistas. Um festival de pancadaria, ele sem poder fazer nada apenas sofria. Prometera a sua mãe que teria uma profissão, ganharia muito dinheiro e daria a ela uma vida mais feliz longe de tudo. O que ele não sabia era que o destino tinha reservado outros caminhos para todos, que não poderia cumprir sua promessa.
  136. 136. L.P.OWEN 136 Carlos muitas vezes ao imaginar o que passava no pensamento de seu amigo, de tudo quanto sofrera, de toda raiva que provavelmente sentia do pai por ter feito isso com sua vida e de sua mãe, chegou a chorar. Não entendia por que aconteciam essas coisas, por que o destino era tão cruel em deixar uma criança passar sozinha por tudo isso, sem ninguém que amenizasse a sua dor, pra consolar e amparar. Perdido em seus pensamentos quase não reparou na pessoa que abria a porta do quarto. Rui acabara de chegar com uma cadeira de roda e quando cumprimentaram os dois, o comentário feito por Carlos foi instantâneo. - Lá vem o taxista. - O que é isso senhor Carlos? Sou o maior piloto de maca e cadeira de rodas do pedaço. Minha fama já atravessou os muros do complexo hospitalar e esta conquistando outras fronteiras.
  137. 137. LINHAS DO DESTINO 137 - Realmente sua habilidade é reconhecida por todos, mas pensando bem, preferimos ir andando que é muito mais seguro. – Completou. - Não se preocupe com nada, pode deixar comigo, sei tudo sobre pilotar VSM. – V o quê? – Perguntaram ao mesmo tempo. - Veículos sem motores. - Quem vai ser o felizardo a ter mais emoção por hoje? - Perguntou Carlos. - Desta vez, é o senhor mesmo seu Carlos. - Não sei por que não mantive minha boca calada. - A risada foi generalizada, Gabriel ria tanto que quase não conseguia falar. - Por que devo sentar nessa cadeira maluca? - Não quer dar uma volta? - Claro que não Rui. - O senhor está de alta, já pode ir para casa.
  138. 138. L.P.OWEN 138 O que deveria ser uma felicidade para Carlos transformou-se em pesadelo, porque não queria deixar Gabriel sozinho. - Deve ter acontecido algum engano. - Disse indignado. Nesse momento entra dona Raquel, como sempre fazia sua visita matinal. - Bom dia para todos! – Disse ela. - Hoje não está sendo um bom dia. Está dando alta sem meu consentimento. – Resmungou Carlos. - Se o senhor está bom o melhor é ir para casa, porque lá seu restabelecimento total será mais rápido. Há outras pessoas necessitando de atendimento. - Sei disso, mas gostaria de sair no mesmo dia que o Gabriel. - As coisas nem sempre são como queremos, mas como tem que ser. Tenho certeza que o Gabriel vai se esforçar também para sair rapidamente. O senhor poderá visitá-lo quando quiser.
  139. 139. LINHAS DO DESTINO 139 - Estava sendo egoísta a senhora tem razão, pensando bem, temos que dar graças a Deus por estarmos vivos. Sei que mais cedo do que possa parecer estaremos juntos novamente. - Pode ficar certo que me cuidarei para ter alta também. - Disse Gabriel querendo ajudar o amigo. Apesar de estar saindo com mais saúde, podendo fazer coisas que antes não podia, Carlos estava por um lado alegre de voltar para casa, por outro, triste de deixar um novo amigo que havia conquistado seu coração pela coragem, pela educação e companheirismo. Mesmo disfarçando, não conseguiu enganar o garoto, que ao abraçá-lo deu-lhe um beijo que o fez ficar sem voz para dizer um até logo. Engoliu a seco, deu um sorriso amarelo, mas nÀ®

×