SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
USO DE AGROTÓXICO E
MORTANDADE EM ABELHAS
Fernanda Galvão
Larah Alcântara
Luara Neres
Keven Caires de Oliveira Gomes
Disciplina: Apicultura / Professor: Adailton Ferreira
LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989
Art. 2º Para os efeitos desta Lei, consideram-se:
I - agrotóxicos e afins:
a) os produtos e os agentes de processos físicos,
químicos ou biológicos, destinados ao uso nos
setores de produção, no armazenamento e
beneficiamento de produtos agrícolas, nas
pastagens, na proteção de florestas, nativas ou
implantadas, e de outros ecossistemas e também
de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja
finalidade seja alterar a composição da flora ou da
fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de
seres vivos considerados nocivos;
USO DO AGROTÓXICO
● Dentre os animais que participam de
polinização as abelhas se destacam;
● Apresentam diversidade morfológica e
comportamental especializado;
● Poliniza 73% das espécies vegetais no mundo;
● Com incremento de 35% na produção agrícola;
POLINIZAÇÃO DAS ABELHAS
ANALISANDO UM POUCO NO BRASIL
2010 a 2017 2020
MAIOR
CONSUMIDOR
IMAPACTO DO USO DO AGROTÓXICO
ECONOMIA
COM O USO DE AGROTÓXICO
SEM O AGROTÓXICO
USO DE AGROTÓXICO E MEIO AMBIENTE
01 02 03
CLASSIFICAÇÃO DOS AGROTÓXICOS
AGROTÓXICO NO BRASIL
70% 28% 7 L
FONTE: ABRASCO
OS PRINCIPAIS AGROTÓXICOS
APLICADOS NO BRASIL
01
02
03
04
05
GLIFOSATO MANCOZEB ATRAZINA
2,4-D ACEFATO
FONTE: Inca, UFFS, Aend e Ipea. 2021
PRINCIPAIS ELEMENNTOS QUÍMICOS DOS AGROTÓXICO
CLASSIFICAÇÃO DOS AGROTÓXICOS
ESTUDOS DE INSETICIDAS EM ABELHAS
INFLUÊNCIA DE INSETICIDAS NAS ABELHAS
● Em suas doses letais, a maioria dos inseticidas exerce seus efeitos
tóxicos nos insetos através de alterações na fisiologia do sistema
nervoso, levando à morte;
● Causam efeitos subletais, originando alterações cognitivas que
desencadearam prejuízos na manutenção da colmeia;
● Redução da movimentação e da mobilidade, diminuição da capacidade
de comunicação e de aprendizagem, dificuldades de retorno à colônia;
EFEITO DOS INSETICIDAS SOBRE O COMPORTAMENTO DAS ABELHAS
INFLUÊNCIA DE INSETICIDAS
NAS ABELHAS
INSETICIDAS
ESTIMULOS
NERVOSOS
NEUROTÓXICOS MORTE DA
ABELHA
PRINCIPAIS COMPOSTOS QUÍMICOS DE
INSETICIDAS QUE AFETAM AS ABELHAS
01
02
03
04
05
ORGANOFOSFORADO
FIPRONIL
PIRETRÓIDES
NEONICOTINÓIDE
CARBAMATOS
DESAPARECIMENTO DAS ABELHAS
DESAPARECIMENTO DOS POLINIZADORES
DOS AGROECOSSISTEMAS
01
DESAPARECIMENTO POLINIZAÇÃO BARNETT et al.
02 03
ALTA SENSIBILIDADE DAS ABELHAS A AGROTÓXICOS
CLAUDIANOS
ET AL. 2006
● Abelhas mortas em torno da colmeia;
● Redução no número de postura;
● Diminuição da atividade de forrageamento;
● Defensividade em excesso;
● Incapacidade de substituição da rainha;
○ Má formação das larvas;
COMO IDENTIFICAR ABELHAS CONTAMINADAS
● Registro legal do apiário;
● Mesmo em Área de proteção permanente;
● A apicultura se encaixa em atividade de baixo impacto ambiental;
● Notificação da existência dos apiários;
● Os aplicadores saibam da existência;
● De acordo com o IBAMA os aplicadores devem notificar com antecedência
de 48hrs antes a todos apicultores;
MEDIDAS PARA PREVENIR A MORTE DO
ENXAME
● Em caso de intoxicação realizar um B.O.;
● Caso não exista realizar na Polícia Civil;
● Importantes para documentos de comprovação;
● Cole de prova de materiais;
● Importante uma contra-prova;
O QUE FAZER EM CASO DE MORTE DE ENXAME
DESAPARECIMENTO DAS ABELHAS
LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS -
MATA (RS)
LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS -
MATA (RS)
LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS -
MATA (RS)
LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS -
MATA (RS)
LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS -
MATA (RS)
É de extrema importância identificar o alcance dos agrotóxicos no
ambiente e entender o impacto que os mesmos têm sobre a
diversidade dos polinizadores e, consequentemente, sobre o
processo de polinização. O uso indiscriminado e irracional de
agrotóxicos está submetendo os polinizadores a situações de
estresse severo, que pode gerar prejuízos econômicos, fato
evidenciado pela constante queda da densidade de abelhas nos
arredores dos campos agrícolas em várias partes do mundo.
CONSIDERAÇÃO IMPORTANTE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Karlla Costa
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasMarcos Ferreira
 
Organofosforados e Carbamatos
Organofosforados e CarbamatosOrganofosforados e Carbamatos
Organofosforados e CarbamatosGeagra UFG
 
Apresentação cultivo protegido
Apresentação   cultivo protegidoApresentação   cultivo protegido
Apresentação cultivo protegidoAndrei Sampedro
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamentoLucas Camilo
 
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)Luis Deleprane
 
Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.
Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.
Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.Brenda Bueno
 
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável ANCP Ribeirão Preto
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisExagro
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manual de silvicultura
Manual de silvicultura Manual de silvicultura
Manual de silvicultura
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolas
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
Organofosforados e Carbamatos
Organofosforados e CarbamatosOrganofosforados e Carbamatos
Organofosforados e Carbamatos
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
 
Apresentação cultivo protegido
Apresentação   cultivo protegidoApresentação   cultivo protegido
Apresentação cultivo protegido
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
 
Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.
Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.
Bovinocultura de corte e leite nos Sistemas ILP, IPF e ILPF.
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
 
Vacina No Idoso
Vacina No IdosoVacina No Idoso
Vacina No Idoso
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
 

Semelhante a USO DE AGROTÓXICO E MORTANDADE EM ABELHAS

Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Roosevelt Almado
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESRocha Neto
 
Oppa br-ce
Oppa br-ceOppa br-ce
Oppa br-cerfoltran
 
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)Eduardo Rocha
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfCarmenRamos248457
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEGeagra UFG
 
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalApresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalMaria Cristina Marques Mota
 
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...ApiculturaeAgricultura
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Diogo Provete
 
Cultivo de cogumelos senai
Cultivo de cogumelos   senaiCultivo de cogumelos   senai
Cultivo de cogumelos senaiJorge Fernandez
 
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Semelhante a USO DE AGROTÓXICO E MORTANDADE EM ABELHAS (20)

Circular 64
Circular 64Circular 64
Circular 64
 
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
 
Oppa br-ce
Oppa br-ceOppa br-ce
Oppa br-ce
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
 
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
AVES Relação com a Agricultura (Métodos de Controle)
 
Moluscos de interesse agrícola
Moluscos de interesse agrícolaMoluscos de interesse agrícola
Moluscos de interesse agrícola
 
Pontal Verde-Azul
Pontal Verde-AzulPontal Verde-Azul
Pontal Verde-Azul
 
Boas praticas cogumelos
Boas praticas cogumelosBoas praticas cogumelos
Boas praticas cogumelos
 
Agrotóxicos
AgrotóxicosAgrotóxicos
Agrotóxicos
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Furadan 350 fs
Furadan 350 fsFuradan 350 fs
Furadan 350 fs
 
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalApresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
 
Epamig braquiaria
Epamig braquiariaEpamig braquiaria
Epamig braquiaria
 
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
 
Cultivo de cogumelos senai
Cultivo de cogumelos   senaiCultivo de cogumelos   senai
Cultivo de cogumelos senai
 
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
 

Mais de Keven Caires

RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXESRESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXESKeven Caires
 
Seminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARIS
Seminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARISSeminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARIS
Seminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARISKeven Caires
 
RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...
RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...
RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...Keven Caires
 
Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...
Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...
Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...Keven Caires
 
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...Keven Caires
 
Síndrome da Vaca Gorda
Síndrome da Vaca GordaSíndrome da Vaca Gorda
Síndrome da Vaca GordaKeven Caires
 
Raças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdf
Raças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdfRaças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdf
Raças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdfKeven Caires
 
Comportamento social da Abelhas
Comportamento social da AbelhasComportamento social da Abelhas
Comportamento social da AbelhasKeven Caires
 
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raçasCavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raçasKeven Caires
 
PARASITOS DE CARPINOS
PARASITOS DE CARPINOSPARASITOS DE CARPINOS
PARASITOS DE CARPINOSKeven Caires
 
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...Keven Caires
 

Mais de Keven Caires (11)

RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXESRESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
RESÍDUO DA INDÚSTIRA ALIMENTÍCIA COMO SUBSTITUTO DO MILHO PARA PEIXES
 
Seminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARIS
Seminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARISSeminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARIS
Seminário piscicultura Doenças DACTYLOGRYRUS e FLEXIBACTER COLUMNARIS
 
RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...
RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...
RESERVA LEGAL ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIEN...
 
Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...
Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...
Reserva Legal; APP – Área de Preservação Permanente; APA – Área de Proteção A...
 
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
 
Síndrome da Vaca Gorda
Síndrome da Vaca GordaSíndrome da Vaca Gorda
Síndrome da Vaca Gorda
 
Raças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdf
Raças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdfRaças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdf
Raças Guzerá e Brahman - seminário sobre raças.pdf
 
Comportamento social da Abelhas
Comportamento social da AbelhasComportamento social da Abelhas
Comportamento social da Abelhas
 
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raçasCavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
 
PARASITOS DE CARPINOS
PARASITOS DE CARPINOSPARASITOS DE CARPINOS
PARASITOS DE CARPINOS
 
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
PACU (Piractus mesopotamicus) e BLACK-BASS (mircopterus salmoide) - Espécie n...
 

USO DE AGROTÓXICO E MORTANDADE EM ABELHAS

  • 1. USO DE AGROTÓXICO E MORTANDADE EM ABELHAS Fernanda Galvão Larah Alcântara Luara Neres Keven Caires de Oliveira Gomes Disciplina: Apicultura / Professor: Adailton Ferreira
  • 2. LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989 Art. 2º Para os efeitos desta Lei, consideram-se: I - agrotóxicos e afins: a) os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos;
  • 4. ● Dentre os animais que participam de polinização as abelhas se destacam; ● Apresentam diversidade morfológica e comportamental especializado; ● Poliniza 73% das espécies vegetais no mundo; ● Com incremento de 35% na produção agrícola; POLINIZAÇÃO DAS ABELHAS
  • 5. ANALISANDO UM POUCO NO BRASIL 2010 a 2017 2020 MAIOR CONSUMIDOR
  • 6. IMAPACTO DO USO DO AGROTÓXICO ECONOMIA COM O USO DE AGROTÓXICO SEM O AGROTÓXICO
  • 7. USO DE AGROTÓXICO E MEIO AMBIENTE 01 02 03
  • 9. AGROTÓXICO NO BRASIL 70% 28% 7 L FONTE: ABRASCO
  • 10. OS PRINCIPAIS AGROTÓXICOS APLICADOS NO BRASIL 01 02 03 04 05 GLIFOSATO MANCOZEB ATRAZINA 2,4-D ACEFATO FONTE: Inca, UFFS, Aend e Ipea. 2021
  • 15. ● Em suas doses letais, a maioria dos inseticidas exerce seus efeitos tóxicos nos insetos através de alterações na fisiologia do sistema nervoso, levando à morte; ● Causam efeitos subletais, originando alterações cognitivas que desencadearam prejuízos na manutenção da colmeia; ● Redução da movimentação e da mobilidade, diminuição da capacidade de comunicação e de aprendizagem, dificuldades de retorno à colônia; EFEITO DOS INSETICIDAS SOBRE O COMPORTAMENTO DAS ABELHAS
  • 16. INFLUÊNCIA DE INSETICIDAS NAS ABELHAS INSETICIDAS ESTIMULOS NERVOSOS NEUROTÓXICOS MORTE DA ABELHA
  • 17. PRINCIPAIS COMPOSTOS QUÍMICOS DE INSETICIDAS QUE AFETAM AS ABELHAS 01 02 03 04 05 ORGANOFOSFORADO FIPRONIL PIRETRÓIDES NEONICOTINÓIDE CARBAMATOS
  • 19. DESAPARECIMENTO DOS POLINIZADORES DOS AGROECOSSISTEMAS 01 DESAPARECIMENTO POLINIZAÇÃO BARNETT et al. 02 03
  • 20. ALTA SENSIBILIDADE DAS ABELHAS A AGROTÓXICOS CLAUDIANOS ET AL. 2006
  • 21. ● Abelhas mortas em torno da colmeia; ● Redução no número de postura; ● Diminuição da atividade de forrageamento; ● Defensividade em excesso; ● Incapacidade de substituição da rainha; ○ Má formação das larvas; COMO IDENTIFICAR ABELHAS CONTAMINADAS
  • 22. ● Registro legal do apiário; ● Mesmo em Área de proteção permanente; ● A apicultura se encaixa em atividade de baixo impacto ambiental; ● Notificação da existência dos apiários; ● Os aplicadores saibam da existência; ● De acordo com o IBAMA os aplicadores devem notificar com antecedência de 48hrs antes a todos apicultores; MEDIDAS PARA PREVENIR A MORTE DO ENXAME
  • 23. ● Em caso de intoxicação realizar um B.O.; ● Caso não exista realizar na Polícia Civil; ● Importantes para documentos de comprovação; ● Cole de prova de materiais; ● Importante uma contra-prova; O QUE FAZER EM CASO DE MORTE DE ENXAME
  • 25. LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS - MATA (RS)
  • 26. LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS - MATA (RS)
  • 27. LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS - MATA (RS)
  • 28. LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS - MATA (RS)
  • 29. LAUDO TÉCNICO SOBRE A MORTANDADE DE ABELHAS - MATA (RS)
  • 30. É de extrema importância identificar o alcance dos agrotóxicos no ambiente e entender o impacto que os mesmos têm sobre a diversidade dos polinizadores e, consequentemente, sobre o processo de polinização. O uso indiscriminado e irracional de agrotóxicos está submetendo os polinizadores a situações de estresse severo, que pode gerar prejuízos econômicos, fato evidenciado pela constante queda da densidade de abelhas nos arredores dos campos agrícolas em várias partes do mundo. CONSIDERAÇÃO IMPORTANTE

Notas do Editor

  1. Os agrotóxicos são substâncias fundamentais para a humanidade, considerando o aumento demográfico e a redução de perdas em culturas agrícolas que proporcionam. Possuem diversos usos e classificações e, com isso, muitas preocupações envolvem seu uso aos impactos socioambientais que podem causar. LINK: https://conseqconsultoria.com.br/impacto-do-uso-de-agrotoxicos/?gclid=CjwKCAiAmuKbBhA2EiwAxQnt7-oE8ZrE_t1ca_HfwQrLMkGxaW2O1XhWKCbtCe4JN5ptuaFzZb63CRoCNekQAvD_BwE IMAGEM: https://s1.static.brasilescola.uol.com.br/be/conteudo/images/1-agrotoxicos.jpg
  2. Analisando um pouco no Brasil, vemos que de 2010 a 2017 o crescimento do uso de agrotóxicos foi aproximadamente de 50%. Isso tornou o país, nesse mesmo ano, o maior consumidor de agrotóxicos do mundo (de acordo com o Ibama). Em 2019 esse insumo movimenta cerca de US $10 bilhões por ano com cerca de 450 agrotóxicos diferentes, com base no Mapa.
  3. A principal motivação para o uso de agrotóxicos é a alta demanda de alimentos! Com isso, há a necessidade de espaços de plantio mais férteis e mais produtivos. No Brasil, esse uso se intensifica cada vez mais no intuito de prevenir e eliminar pragas que não permitem o melhor desenvolvimento de plantações. Isso é um fator que tem incentivado o desenvolvimento de agrotóxicos e alguns componentes para seu melhor uso. O fator econômico se destaca nesse assunto, principalmente no que visa atender essa alta demanda do mercado conjuntamente do melhor aproveitamento dos produtos cultivados. De fato, o uso de agrotóxicos pode trazer alguns impactos prejudiciais às saúdes ambiental e humana, mas o impacto ambiental é muito significativo para a realidade atual. De acordo com estudos, a redução de agrotóxico pode gerar um caos à realidade econômica e populacional, maiores ainda que os benefícios ambientais consequentes de seu não uso.  Logo, as perdas na produção e a infertilidade de terras dificultaria o atendimento à atual demanda produtiva de produtos agrícolas. Alguns fatores que inviabilizariam que muitos consumidores usufruíssem do produto final, essencial para a subsistência populacional, são: Desemprego Maiores gastos financeiros e com recursos naturais Maiores perdas produtivas pelas pragas e condições de produção Menor oferta de produtos
  4. USO DE AGROTÓXICOS E O MEIO AMBIENTE Outro ponto a se atentar em relação ao uso de agrotóxicos é seu impacto sobre o meio ambiente, desde a contaminação do solo, das águas e do ar (pela contaminação pelas vias respiratórias). A maior contaminação ocorre no próprio solo das plantações devido à aplicação direta nas plantas. Os componentes do agrotóxico chegam ao solo e consequentemente encontram águas subterrâneas ou chegam aos rios e lagos pelas águas da chuva. Com isso, se torna prejudicial para espécies marinhas e até mesmo para o reservatório de abastecimento de água dos municípios. Os agrotóxicos ao chegarem no solo, com o tempo, diminuem sua fertilidade, podendo ter impactos na própria lavoura. E, conforme o uso dos agrotóxicos é feito em grande escala, as pragas ganham resistência ao seu uso e os agricultores usam defensivos agrícolas cada vez mais fortes, o que aumenta o impacto.
  5. Tipos de agrotóxicos Os principais tipos de agrotóxicos utilizados são: Inseticidas: usados para controlar os insetos e pragas das plantações. Exemplos: fosfato de alumínio e arsenato de cálcio. Herbicidas: utilizados para matar as plantas que são consideradas danosas para as plantações. Exemplos: arsenito de sódio e cloreto de sódio. Fumigantes: usadas para controlar as bactérias do solo que podem afetar as plantações. Exemplos: brometo de metila e cloropicrina. Fungicidas: usados para controlar os fungos que crescem em locais de plantio. Exemplos: acetato de fenilmercúrio e ciclo-hexamida. Acaricidas: usados para controlar os ácaros. Exemplos: Dicofol e Tetradifon. Nematicidas: utilizados para controlar nematoides. Exemplos: Diclofention e Fensulfotion. Formicidas: usados no combate às formigas. Exemplos: Citromax e Maldrex.
  6. O glifosato é o agrotóxico mais vendido no Brasil e no mundo. O herbicida é utilizado para eliminar as plantas daninhas antes do início da safra, sendo capaz de controlar mais de 150 espécies. Seu uso foi popularizado na agricultura brasileira a partir da introdução da soja transgênica, resistente à substância. Sua utilização no País é autorizada também nas lavouras de outros grãos e cereais, frutas e pastagem. Devido a estudos que relacionam o glifosato ao câncer, o produto está banido na Alemanha e Áustria. O 2,4-D é um herbicida aplicado para aumentar a eficiência na aplicação contra plantas daninhas que desenvolveram resistência ao glifosato, como a buva, espécie que atinge os cultivos de soja e do feijão. No Brasil, o agrotóxico pode ser utilizado em diversos cultivos de grãos e cereais, cana-de-açúcar, eucalipto e pastagem. Nos EUA e na União Europeia seu uso é restrito ao trigo, cevada, aveia, centeio e triticale. O fungicida mais antigo do mercado, o Mancozeb começou a ser utilizado na década de 1940. Ele consegue controlar a ferrugem asiática, doença que atinge as lavouras de soja e já causou prejuízos bilionários aos produtores rurais. Misturado a produtos mais modernos — para garantir a sua eficácia — pode ser usado no Brasil em plantações de frutas, verduras, grãos, cereais, fumo, flores, eucalipto e cana-de-açúcar. O acefato é um inseticida considerado “coringa” pelos agrônomos, pois é capaz de eliminar diversas espécies de pragas, além de melhorar a eficiência de outros agrotóxicos. O produto foi banido da União Europeia devido ao risco de morte de aves e espécies marinhas. Na agricultura brasileira, é bastante utilizado contra o percevejo, inseto que afeta as culturas de grãos, e o bicudo-do-algodoeiro, uma das principais pragas do algodão, mas também pode ser aplicada em cultivos de frutas e verduras.  Mais barata que o 2,4-D, a atrazina também é utilizada para controlar plantas daninhas resistentes ao glifosato. O registro no Brasil permite a aplicação em plantações de abacaxi, cana-de-açúcar, milho, milheto, pinus, seringueira, sisal e sorgo. Na União Europeia, o agrotóxico é proibido devido à preocupação com a possível contaminação dos lençóis freáticos e os impactos na reprodução de sapos.
  7. Dos cerca de 115 elementos químicos conhecidos atualmente, 11 podem estar presentes nas formulações dos agrotóxicos, dentre eles: bromo (Br), carbono (C), cloro (Cl), enxofre (S), fósforo (P), hidrogênio (H), nitrogênio (N) e oxigênio (O), e são os mais frequentemente encontrados, conferindo características específicas aos agrotóxicos. LINK: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_1/03-QS-02-11.pdf IMAGEM: https://p2.trrsf.com/image/fget/cf/648/0/images.terra.com/2019/01/28/105327396gettyimages-637948446.jpg
  8. Esse enquadramento é realizado com testes em laboratórios, com dosagens dos agrotóxicos expostas a animais para que seja estabelecida qual dosagem é letal. Outra forma de classificá-los é em relação à periculosidade ambiental, distinguidos em classes também de I a IV, sendo I altamente perigoso ao meio ambiente e IV como pouco perigoso. Para chegar a essa classificação são analisadas as composições dos agrotóxicos, propriedades físico-químicas e interação com o ambiente. LINK: https://www.todamateria.com.br/agrotoxicos/ IMAGEM: https://www.todamateria.com.br/agrotoxicos/
  9. Os primeiros estudos sobre toxicologia de inseticidas para abelhas datam da década de 1940 e tiveram início nos Estados Unidos e Europa. No Brasil, as primeiras pesquisas a respeito da toxicidade de inseticidas para abelhas aconteceram a partir de 1970 (MALASPINA, 1979). Por causa da importância econômica da A. mellifera africanizada, os estudos de toxicologia de inseticidas para abelhas realizados no Brasil tendem a focar essa espécie como modelo (cerca de 70%), sendo ainda escassos esses estudos com abelhas nativas. LINK https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/69299/1/Roberta.pdf Link imagem https://img.freepik.com/fotos-premium/investigacion-cientifica-sobre-abejas-meliferas-prueba-laboratorio-abeja_651462-451.jpg?w=740
  10. Em suas doses letais, a maioria dos inseticidas exerce seus efeitos tóxicos nos insetos através de alterações na fisiologia do sistema nervoso, levando à morte por hiperexcitação ou paralisação das atividades. Os agrotóxicos, além do efeito de toxicidade que leva à morte, em baixas concentrações causam efeitos subletais, originando alterações cognitivas que desencadearão prejuízos na manutenção da Redução da movimentação e da mobilidade, diminuição da capacidade de comunicação e de aprendizagem, dificuldades de retorno à colônia, no comportamento de forrageamento e na polinização foram observados em abelhas tratadas com doses subletais de inseticidas (BORTOLLI et al., 2003; DECOURTYE et al., 2005).
  11. Segundo Malaspina et al. (2008), os inseticidas podem afetar as abelhas principalmente por três modos de intoxicação: a) contato; b) ingestão e c) fumigação e, seus efeitos variam de morte causada por toxicidade aguda e efeitos a longo prazo provocando danos no funcionamento da colônia e diminuição da longevidade dos indivíduos. Link: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/69299/1/Roberta.pdf
  12. Os inseticidas organofosforados compõem uma das classes mais importantes usadas no controle de pragas, juntamente com os carbamatos e piretróides, e respondem por cerca de 40% do mercado de agrotóxicos. São ésteres derivados dos ácidos fosfórico, fosfônico, fosfínico e fosforâmídico (Lira, 2010). Os organofosforados apresentam toxicidade variável de baixa à alta para animais superiores e são, normalmente, bem mais tóxicos para vertebrados do que os organoclorados. Esses agrotóxicos causam severos danos ao sistema nervoso dos indivíduos contaminados, inibindo irreversivelmente a ação da enzima acetilcolinesterase (Coutinho et al., 2005). Neste tipo de inibição as enzimas são definitivamente inativadas, destruindo seus grupos funcionais essenciais, sendo progressiva, ou seja, aumentando com o tempo, até atingir seu máximo (Lira, 2010). A toxicidade dos agrotóxicos organofosforados às abelhas Apis mellifera L. é relatada por diversas pesquisas. Smirle (1993) verificou que esses inseticidas interferem na divisão de trabalho da colmeia, diminuindo a longevidade do enxame em até 20%. Pettis et al O Fipronil é um inseticida que pertence à classe dos pirazóis, os quais são compostos heterocíclicos aromáticos (Neto et al., 2008). Em países europeus, como a França, o inseticida Fipronil foi proibido por apresentar alta toxicidade para muitos animais, especialmente às abelhas, causando baixas de até 40% nos apiários franceses (Souza, 2009). Contudo, no Brasil, o Fipronil ainda é muito utilizado em culturas de batata, cana-de-açúcar, milho, algodão, arroz, eucalipto, soja, cevada, feijão, pastagens e trigo (Mapa, 2012). Os piretróides são neurotoxinas lipofílicas, rapidamente absorvidas pelo trato gastrointestinal após a administração oral, ou pelo trato respiratório por meio da inalação de pó ou spray. Após absorvidos, os piretróides espalham-se por todo corpo. A toxicidade e o mecanismo de ação do piretróide dependerão de sua estrutura química (Soderlund et al., 2002). Atualmente, talvez seja o inseticida mais utilizado no mundo no controle de pragas e doenças agrícolas (Freitas; Pinheiro, 2010). No Brasil, o Imidacloprido é registrado para uso em grande número de culturas, podendo ser utilizado em sementes de algodão, amendoim, arroz, aveia, cevada, feijão, milho, soja e trigo. Os neonicotinóides são caracterizados por afetar a mobilidade das abelhas, causar tremores, movimentos descoordenados e hiperatividade Os agrotóxicos da classe dos carbamatos são ésteres do ácido carbâmico. A ação tóxica dessa classe de inseticidas está associada à inibição da acetilcolinesterase de maneira reversível
  13. A causa do sumiço repentino em massa também já é conhecida: a aplicação indevida e indiscriminada de defensivos agrícolas. Compostos químicos – como inseticidas, fungicidas, herbicidas e acaricidas – contaminam as abelhas que saem da colônia em busca de pólen e acabam atingindo toda a colmeia. O estudo aponta que, uma vez dentro da colônia, tais compostos são ingeridos pelas larvas, comprometendo sua longevidade e o funcionamento da colônia como um todo . LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  14. O desaparecimento dos polinizadores dos agroecossistemas deve-se principalmente ao uso incorreto e excessivo de agrotóxicos, que coloca em risco colônias de abelhas de matas próximas que visitam esse local ou que polinizam áreas de cultivo, pois seus resíduos ficam nas flores e contaminam o néctar e o pólen. Preocupados com o desaparecimento de abelhas, Barnett et al. (2007) realizaram um levantamento a respeito do envenenamento das abelhas A. mellifera por inseticidas no Reino Unido entre 1989 e 2003 e constataram que esses foram causados, na maioria, por uso incorreto ou uso de produtos proibidos. LINK https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/69299/1/Roberta.pdf
  15. ●O sequenciamento do genoma das abelhas A. mellifera revelou possíveis explicações para a alta sensibilidade das abelhas a agrotóxicos. Comparado ao genoma de Drosophila sp. e Anopheles sp., as abelhas têm menos da metade do número de genes que codificam enzimas de desintoxicação, incluindo as enzimas monooxigenases do citocromo P450 (P450), glutationa-s-transferase e carboxilesterases (CLAUDIANOS et al., 2006). Menor número de genes envolvidos na imunidade também foi encontrado 13 em abelhas, cerca de um terço comparado ao genoma de Drosophila sp. e Anopheles sp. (EVANS et al., 2006). IMAGENS; https://pt.wikipedia.org/wiki/Abelha-europeia#/media/Ficheiro:Apis_mellifera_-_Brassica_napus_-_Valingu.jpg https://pt.wikipedia.org/wiki/Anopheles#/media/Ficheiro:AnophelesGambiaemosquito.jpg https://pt.wikipedia.org/wiki/Drosophila#/media/Ficheiro:Drosophila_melanogaster_Proboscis.jpg
  16. Mesmo em baixos níveis de concentração, os agrotóxicos podem resultar em efeitos letais, sendo crescente o registro de morte de enxames após pulverização aéreas em áreas de monocultivos de soja, cana-de-açúcar, laranja, algodão, dentre outros. É importante o criador de abelhas fazer observações e ficar atento aos seguintes comportamentos do enxame que podem representar intoxicação por agrotóxicos: abelhas mortas no entorno das caixas; redução no número de postura; diminuição da atividade de forrageamento; defensividade em excesso, incapacidade de substituição da rainha; mortandade e má formação das larvas.
  17. O primeiro passo a ser adotado é o registro legal de seu apiário/meliponário, principalmente se os mesmos estiverem localizados em áreas de APP (Área de Proteção Permanente), tendo em vista que o Novo Código Florestal, Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012 respalda a introdução de atividades de baixo impacto como é o caso da apicultura e meliponicultura. A segunda medida a ser tomada é a notificação da existência dos apiários/meliponário para que os aplicadores dos agrotóxicos saibam de sua presença e adote as medidas para proteção das abelhas. De acordo com a determinação do Ibama, por exemplo, para a pulverização aérea com os agrotóxicos que contenham lmidacloprido, Tiametoxam e Fipronil, os aplicadores deverão informar com antecedência de 48 horas a todos os criadores de abelhas em um raio de até seis quilômetros do local onde ocorrerá a pulverização. A notificação da existência dos apiários e meliponário poderá ser feita de duas formas: através de uma notificação extrajudicial e/ou registro através do CTF (Cadastro Técnico Federal). É importante dirigir um desses documentos à Secretaria de Defesa Agropecuária do Estado e/ou município, para que esta fique ciente da existência do apiário/meliponário, bem como os demais interessados.
  18. Caso os apiários/meliponário sejam atingidos por pulverização e ocorra a morte de abelhas é necessária a realização de Boletim de Ocorrência na Polícia Ambiental ou na inexistência desta, o boletim deve ser feito na Polícia Civil. É importante que o criador de abelhas tenha em mãos algum documento que comprove a posse ou permissão para uso da área do apiário/meliponário. É necessário solicitar da autoridade competente, no ato do registro do boletim, que a mesma proceda com a coleta de provas materiais, tais como abelhas mortas, solo, plantas do entorno. As amostras devem ser congeladas e imediatamente encaminhadas ao laboratório acreditado. É importante que o criador de abelhas também recolha material como contraprova. Outra medida a ser adotada é a realização de denúncia no Ministério Público Federal através do site: www.cidadaompf.mp.br.
  19. Segundo a Agência Fapesp, é notório que diversas espécies de abelhas estão desaparecendo em todo o planeta, sendo que na Europa e Estados Unidos esse fenômeno tem sido observado desde o ano 2000; e no Brasil, pelo menos, desde 2005. No Rio Grande do Sul, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foi registrada a perda de aproximadamente cinco mil colmeias – algo equivalente a 400 milhões de abelhas. E, segundo os biólogos brasileiros, não estão sumindo apenas os indivíduos da espécie Apis mellifera, abelha de origem europeia e principal responsável pela produção comercial de mel. Nas matas brasileiras, conforme a Fapesp, há centenas de espécies selvagens possivelmente afetadas. De acordo com os estudiosos, o impacto econômico previsto é imenso, pois grande parte da agricultura depende do trabalho de polinização realizado por esses insetos. É o caso, por exemplo, de todas as frutas comestíveis. LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  20. Segundo a Agência Fapesp, é notório que diversas espécies de abelhas estão desaparecendo em todo o planeta, sendo que na Europa e Estados Unidos esse fenômeno tem sido observado desde o ano 2000; e no Brasil, pelo menos, desde 2005. No Rio Grande do Sul, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foi registrada a perda de aproximadamente cinco mil colmeias – algo equivalente a 400 milhões de abelhas. E, segundo os biólogos brasileiros, não estão sumindo apenas os indivíduos da espécie Apis mellifera, abelha de origem europeia e principal responsável pela produção comercial de mel. Nas matas brasileiras, conforme a Fapesp, há centenas de espécies selvagens possivelmente afetadas. De acordo com os estudiosos, o impacto econômico previsto é imenso, pois grande parte da agricultura depende do trabalho de polinização realizado por esses insetos. É o caso, por exemplo, de todas as frutas comestíveis. LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  21. Segundo a Agência Fapesp, é notório que diversas espécies de abelhas estão desaparecendo em todo o planeta, sendo que na Europa e Estados Unidos esse fenômeno tem sido observado desde o ano 2000; e no Brasil, pelo menos, desde 2005. No Rio Grande do Sul, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foi registrada a perda de aproximadamente cinco mil colmeias – algo equivalente a 400 milhões de abelhas. E, segundo os biólogos brasileiros, não estão sumindo apenas os indivíduos da espécie Apis mellifera, abelha de origem europeia e principal responsável pela produção comercial de mel. Nas matas brasileiras, conforme a Fapesp, há centenas de espécies selvagens possivelmente afetadas. De acordo com os estudiosos, o impacto econômico previsto é imenso, pois grande parte da agricultura depende do trabalho de polinização realizado por esses insetos. É o caso, por exemplo, de todas as frutas comestíveis. LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  22. Segundo a Agência Fapesp, é notório que diversas espécies de abelhas estão desaparecendo em todo o planeta, sendo que na Europa e Estados Unidos esse fenômeno tem sido observado desde o ano 2000; e no Brasil, pelo menos, desde 2005. No Rio Grande do Sul, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foi registrada a perda de aproximadamente cinco mil colmeias – algo equivalente a 400 milhões de abelhas. E, segundo os biólogos brasileiros, não estão sumindo apenas os indivíduos da espécie Apis mellifera, abelha de origem europeia e principal responsável pela produção comercial de mel. Nas matas brasileiras, conforme a Fapesp, há centenas de espécies selvagens possivelmente afetadas. De acordo com os estudiosos, o impacto econômico previsto é imenso, pois grande parte da agricultura depende do trabalho de polinização realizado por esses insetos. É o caso, por exemplo, de todas as frutas comestíveis. LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  23. Segundo a Agência Fapesp, é notório que diversas espécies de abelhas estão desaparecendo em todo o planeta, sendo que na Europa e Estados Unidos esse fenômeno tem sido observado desde o ano 2000; e no Brasil, pelo menos, desde 2005. No Rio Grande do Sul, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foi registrada a perda de aproximadamente cinco mil colmeias – algo equivalente a 400 milhões de abelhas. E, segundo os biólogos brasileiros, não estão sumindo apenas os indivíduos da espécie Apis mellifera, abelha de origem europeia e principal responsável pela produção comercial de mel. Nas matas brasileiras, conforme a Fapesp, há centenas de espécies selvagens possivelmente afetadas. De acordo com os estudiosos, o impacto econômico previsto é imenso, pois grande parte da agricultura depende do trabalho de polinização realizado por esses insetos. É o caso, por exemplo, de todas as frutas comestíveis. LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  24. Segundo a Agência Fapesp, é notório que diversas espécies de abelhas estão desaparecendo em todo o planeta, sendo que na Europa e Estados Unidos esse fenômeno tem sido observado desde o ano 2000; e no Brasil, pelo menos, desde 2005. No Rio Grande do Sul, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foi registrada a perda de aproximadamente cinco mil colmeias – algo equivalente a 400 milhões de abelhas. E, segundo os biólogos brasileiros, não estão sumindo apenas os indivíduos da espécie Apis mellifera, abelha de origem europeia e principal responsável pela produção comercial de mel. Nas matas brasileiras, conforme a Fapesp, há centenas de espécies selvagens possivelmente afetadas. De acordo com os estudiosos, o impacto econômico previsto é imenso, pois grande parte da agricultura depende do trabalho de polinização realizado por esses insetos. É o caso, por exemplo, de todas as frutas comestíveis. LINK https://alavoura.com.br/pecuaria/apicultura/acao-de-agrotoxicos-reduz-vida-de-abelhas-em-ate-50/
  25. Caso os apiários/meliponário sejam atingidos por pulverização e ocorra a morte de abelhas é necessária a realização de Boletim de Ocorrência na Polícia Ambiental ou na inexistência desta, o boletim deve ser feito na Polícia Civil. É importante que o criador de abelhas tenha em mãos algum documento que comprove a posse ou permissão para uso da área do apiário/meliponário. É necessário solicitar da autoridade competente, no ato do registro do boletim, que a mesma proceda com a coleta de provas materiais, tais como abelhas mortas, solo, plantas do entorno. As amostras devem ser congeladas e imediatamente encaminhadas ao laboratório acreditado. É importante que o criador de abelhas também recolha material como contraprova. Outra medida a ser adotada é a realização de denúncia no Ministério Público Federal através do site: www.cidadaompf.mp.br.