SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
PLANEJAMENTO
REPRODUTIVO
PROF. ENF. CARLOS EDUARDO
GONÇALVES
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
• Decidir SE e QUANDO engravidar, assim como QUANTOS
filhos ter e COMO tê-los é um direito de todo cidadão. A
garantia de acesso ao planejamento familiar voluntário tem o
potencial de ampliar a autonomia das mulheres e, ainda,
reduzir em um terço as mortes maternas e em até 20% as
mortes infantis
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 Um pouco da história ... no brasil, anos de 1960 e 1970, as políticas
internacionais de controle da natalidade foram apresentadas como
políticas de “planejamento familiar” ou “paternidade responsável”.
Naquele período, as ações de planejamento familiar consistiram,
basicamente, em ações de distribuição maciça de métodos
contraceptivos entre mulheres em idade fértil (pílulas, DIU,
diafragmas etc.) – Principalmente entre aquelas de classes menos
favorecidas que não poderiam obtê-los com recursos próprios – e na
prática sistemática de esterilização cirúrgica de mulheres. (Bonan,
2002)
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 Nos anos 1980, década da transição democrática e do
contexto da expansão de direitos, o governo brasileiro se
posicionou oficialmente sobre o planejamento familiar,
rejeitando a perspectiva do controle demográfico e do
exercício da sexualidade atrelado à reprodução.
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 O planejamento familiar, como política pública, enfatizava a
atenção à concepção (com a abordagem da infertilidade) e a
contracepção de forma livre e consciente. Por essa razão, o
programa destacava o papel fundamental das ações
educativas e a necessária mudança das relações entre os
profissionais de saúde e as mulheres, que deveriam ser vistas
como sujeitos e não objetos da ação profissional
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 O conceito de planejamento reprodutivo é mais recente e
reforça o pressuposto de que as pessoas devam ter
assegurado os seus direitos sexuais e reprodutivos
independente do desejo de constituir famílias.
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 O planejamento reprodutivo só é possível quando há decisão
com base em informações seguras sobre a fecundidade, o
conhecimento sobre o corpo e o acesso aos recursos para
levar adiante uma escolha.
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 SE A ESCOLHA É ENGRAVIDAR e se há dificuldades para
conceber naturalmente, mulheres e homens devem ter acesso
à investigação e ao tratamento de problemas de saúde que
dificultam a fertilidade, inclusive o acesso às tecnologias de
alta complexidade.
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO
 SE A ESCOLHA É EVITAR a gravidez, mulheres e homens
devem ter acesso às informações e aos métodos
contraceptivos reversíveis, bem como à esterilização cirúrgica
voluntária (laqueadura tubária e vasectomia), conforme os
critérios da lei federal n◦ 9.263/96(lei do planejamento
familiar).
EXIGÊNCIAS
• A lei de planejamento familiar, de 1996, estabelece que a
esterilização ( laqueadura, vasectomia) só é permitida em
pessoas capazes, maiores de 25 anos, ou se forem mais
jovem que tenham pelo menos dois filhos vivos.
REFORMULAÇÃO
• Foi sancionada a lei 14.443, de 2 de setembro de 2022, que
reduz de 25 para 21 anos a idade mínima de mulheres e
homens para realizarem esterilização, não dependendo mais
de autorização de cônjuge para o procedimento. Para
mulheres, fica permitida a laqueadura no parto.
• A lei mantém o prazo mínimo de 60 dias entre a manifestação
da vontade e o ato cirúrgico.
MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS
 Há vários tipos de métodos contraceptivos disponíveis no
mercado, como a camisinha masculina, camisinha feminina, o
DIU (dispositivo intrauterino), contracepção hormonal injetável,
contracepção hormonal oral (pílula anticoncepcional),
contracepção cirúrgica, contracepção de emergência, entre
outros.
MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS
 Entre os métodos contraceptivos, há os que são reversíveis e
os que são irreversíveis. Os métodos reversíveis, também
chamados de temporários, são aqueles que, ao interromper o
uso, é possível engravidar. Os métodos irreversíveis, também
conhecidos como definitivos, são aqueles que exigem uma
intervenção cirúrgica, como vasectomia, para os homens; e
laqueadura tubária, para as mulheres.
TABELINHA
 A tabelinha é um método que se baseia no cálculo dos dias
em que provavelmente estará mais apta a engravidar, caso
tenha relações sexuais desprotegidas. Assim, pode ser
utilizada tanto para este fim quanto para a contracepção.
TABELINHA
 A mulher geralmente está fértil no meio do ciclo menstrual,
quando ocorre a ovulação. Como a grande maioria dos ciclos
variam entre 28 e 31 dias, do 14º ao 16º dia são os dias mais
férteis. Assim, para evitar a gravidez, você e seu parceiro não
devem ter relações sexuais nestes dias.
TABELINHA
• Para ciclo de 28 dias
TABELINHA
 Para ciclo de 30 dias
CAMISINHA
A camisinha é uma forma muito
eficaz de prevenir doenças
sexualmente transmissíveis e a
gravidez se for utilizada de
maneira correta.
CAMISINHAS
 Primeiramente devemos esclarecer que existem camisinhas
masculinas e femininas. Ambas se relacionam com a proteção
contra doenças sexualmente transmissíveis e gravidez, no
entanto, as masculinas são as mais utilizadas, uma vez que
elas podem ser mais facilmente colocadas e apresentam custo
menor que a feminina.
CAMISINHA
 As camisinhas são chamadas popularmente de métodos de
barreira. Essa denominação é dada porque elas evitam a
passagem do sêmen, impossibilitando seu contato com o
sistema reprodutor feminino e com o óvulo.
CAMISINHA
 Vale destacar também que algumas vezes o sêmen não é o
responsável por transmitir a doença. No aparelho reprodutor
feminino, também pode haver organismos causadores de
doenças, sendo assim, ao usar camisinha, o pênis não entra
em contato com a vagina, o que evita a transmissão de
doenças.
DIAFRAGMA
 Diafragma é um método contraceptivo
de barreira que possui o formato de
cúpula e deve ser inserido no interior
da vagina de modo a cobrir o colo do
útero.
 Pode permanecer, no máximo, 24
horas no corpo da mulher.
 Deve ser colocado de 15 a 30 minutos
antes da relação sexual. Algumas
mulheres fazem o uso contínuo do
método.
DIU
 O DIU, um método contraceptivo
bastante eficaz, consiste em uma
pequena estrutura em formato de
T que é inserida no interior do
útero da mulher.
DIU
 O DIU é uma pequena estrutura em formato de um T que é
colocada no interior do útero da mulher. Esse dispositivo é
colocado por um médico, que o insere pela vagina, sendo
esse procedimento rápido e praticamente sem dor. Se for
necessária, anestesia pode ser aplicada. Após colocado no
interior do útero, o DIU fica com um ou dois fios que se
estendem do colo do útero até parte da vagina.
DIU DE COBRE
 O DIU de cobre é uma estrutura de plástico flexível que possui
porções recobertas por fios de cobre. Esse método previne a
gravidez por causar mudanças no endométrio e no muco
cervical, o que impede que os espermatozoides cheguem até
o óvulo.
 Esse método previne a gravidez com muita eficácia. Estima-se
que as taxas de gravidez sejam inferiores a 1 em 100
mulheres por ano.
CONTRACEPTIVOS HORMONAIS
• Contraceptivos orais (COs) mimetizam hormônios ovarianos.
Depois de ingeridos, eles inibem a liberação do hormônio
liberador de gonadotrofinas (GnRH) pelo hipotálamo, inibindo
assim a liberação dos hormônios da hipófise que estimulam a
ovulação. Cos também afetam a mucosa do útero e causam
espessamento do muco cervical, tornando-o impermeável aos
espermatozoides.
CONTRACEPTIVOS HORMONAIS
Anticoncepcionais orais combinados
• Para a maioria dos contraceptivos orais de combinação, uma
pílula ativa (estrogênio mais progesterona) é tomada
diariamente durante 21 a 24 dias. Em seguida, uma pílula
(placebo) inativa é tomada diariamente por 4 a 7 dias para
permitir a interrupção do sangramento. Em alguns produtos, a
pílula placebo contém ferro e folato (ácido fólico).
CONTRAINDICAÇÕES
• < 21 dias pós-parto ou < 42 dias após o parto, se o risco de
tromboembolia venosa é alto
• Fumar mais de 15 cigarros/dia em mulheres > 35 anos de idade
• Câncer de mama atual ou anterior
• Cirrose descompensada grave, adenoma hepatocelular ou
câncer hepático
• A tromboembolia venosa (trombose venosa profunda ou
embolia pulmonar), mutação trombogênica, ou lúpus
eritematoso sistêmico com o estado de anticorpos.
CONTRAINDICAÇÕES
• Enxaqueca com aura ou enxaqueca de qualquer tipo em
mulheres > 35
• Hipertensão
• Doença cardíaca isquêmica
• Miocardiopatia periparto
• Diabetes por > 20 anos ou com doença vascular (p. Ex.,
Neuropatia, nefropatia, retinopatia)
• Distúrbios cardíacos valvares com complicações
CONTRAINDICAÇÕES
Etinilestradiol 0,03 mg +
Levonorgestrel 0,15 mg Noretisterona 0,35 mg
BENEFÍCIOS DOS COs
• Câncer endometrial em 60% após pelo menos 10 anos de uso
• Câncer de ovário em cerca de 50% após 5 anos de uso e 80%
após ≥ 10 anos de uso
• Também diminuem o risco de cistos ovarianos
funcionais, tumores ovarianos benignos, sangramento uterino
anormal devido à disfunção
ovulatória, dismenorreia, transtorno disfórico pré-
menstrual, anemia por deficiência de ferro e doenças
mamárias benignas.
CONTRACEPTIVOS INFETÁVEIS
• O acetato de medroxiprogesterona
de depósito (DMPA) é uma
formulação injetável do acetato de
medroxiprogesterona de longa
duração em uma suspensão
cristalina.
CONTRACEPTIVOS
INFETÁVEIS
Mensais (combinado)
• Enantato de norestisterona 50
mg + valerato de estradiol 5 mg
MÉTODO DE EMERGÊNCIA
Levonorgestrel 0,75 mg
• O tratamento iniciado dentro de 72 horas após uma relação
sexual sem proteção reduz o risco de gravidez em pelo menos
75%.
ADESIVO CUTÂNEO
• O adesivo anticoncepcional, também chamado de patch, é um
material aderente que deve ser colado na pele da mulher e
permanecer na mesma posição por uma semana. Esse
método contraceptivo possui em sua fórmula a combinação de
dois hormônios: progestogênio e o estrogênio, que são
liberados na circulação de forma contínua por sete dias.
ADESIVO CUTÂNEO
• O primeiro adesivo deve ser colocado no
primeiro dia da menstruação. Os adesivos
vêm em três unidades para serem usados
de forma consecutiva. Após as três
semanas de uso, é necessário fazer uma
semana de pausa.
AULA 4  PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx

sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptxpamelacastro71
 
Anticoncepcionais Orais e Histerectomia
Anticoncepcionais Orais e HisterectomiaAnticoncepcionais Orais e Histerectomia
Anticoncepcionais Orais e HisterectomiaJessica Gonçalves
 
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03Rodrigo Exteca
 
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptxSAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptxItauanaAlmeida1
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulherDessa Reis
 
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarPrograma de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarProfessor Robson
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarUnis
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarUnis
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarUnis
 
Métodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneosMétodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneosrebecabobona
 
Métodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneosMétodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneosrebecabobona
 
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Cms Nunes
 
Anticoncepcionais aula
Anticoncepcionais aulaAnticoncepcionais aula
Anticoncepcionais aulalesartori
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosEli Masc
 
Micaela tavares 813 educa+º+úo sexual
Micaela  tavares 813 educa+º+úo sexualMicaela  tavares 813 educa+º+úo sexual
Micaela tavares 813 educa+º+úo sexualAngela Boucinha
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivosturbokira
 

Semelhante a AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx (20)

sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892.pptx
 
Anticoncepcionais Orais e Histerectomia
Anticoncepcionais Orais e HisterectomiaAnticoncepcionais Orais e Histerectomia
Anticoncepcionais Orais e Histerectomia
 
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
 
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptxSAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
SAÚDE DA MULHER TECNORT.pptx
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarPrograma de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 
Métodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneosMétodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneos
 
Métodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneosMétodos anticoncepcionais momentâneos
Métodos anticoncepcionais momentâneos
 
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos Contraceptivos.ppt
Métodos Contraceptivos.pptMétodos Contraceptivos.ppt
Métodos Contraceptivos.ppt
 
Anticoncepcionais aula
Anticoncepcionais aulaAnticoncepcionais aula
Anticoncepcionais aula
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Micaela tavares 813 educa+º+úo sexual
Micaela  tavares 813 educa+º+úo sexualMicaela  tavares 813 educa+º+úo sexual
Micaela tavares 813 educa+º+úo sexual
 
Anticoncepção
AnticoncepçãoAnticoncepção
Anticoncepção
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 

Mais de EduardoFatdukbrGonal

AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxAULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxEduardoFatdukbrGonal
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxEduardoFatdukbrGonal
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxEduardoFatdukbrGonal
 
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptxAULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptxEduardoFatdukbrGonal
 

Mais de EduardoFatdukbrGonal (7)

AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxAULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 
AULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptxAULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptx
 
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptxAULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
 
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptxAULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
 
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptxAULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
 

Último

Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 

Último (17)

Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 

AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx

  • 2. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO • Decidir SE e QUANDO engravidar, assim como QUANTOS filhos ter e COMO tê-los é um direito de todo cidadão. A garantia de acesso ao planejamento familiar voluntário tem o potencial de ampliar a autonomia das mulheres e, ainda, reduzir em um terço as mortes maternas e em até 20% as mortes infantis
  • 3. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  Um pouco da história ... no brasil, anos de 1960 e 1970, as políticas internacionais de controle da natalidade foram apresentadas como políticas de “planejamento familiar” ou “paternidade responsável”. Naquele período, as ações de planejamento familiar consistiram, basicamente, em ações de distribuição maciça de métodos contraceptivos entre mulheres em idade fértil (pílulas, DIU, diafragmas etc.) – Principalmente entre aquelas de classes menos favorecidas que não poderiam obtê-los com recursos próprios – e na prática sistemática de esterilização cirúrgica de mulheres. (Bonan, 2002)
  • 4. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  Nos anos 1980, década da transição democrática e do contexto da expansão de direitos, o governo brasileiro se posicionou oficialmente sobre o planejamento familiar, rejeitando a perspectiva do controle demográfico e do exercício da sexualidade atrelado à reprodução.
  • 5. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  O planejamento familiar, como política pública, enfatizava a atenção à concepção (com a abordagem da infertilidade) e a contracepção de forma livre e consciente. Por essa razão, o programa destacava o papel fundamental das ações educativas e a necessária mudança das relações entre os profissionais de saúde e as mulheres, que deveriam ser vistas como sujeitos e não objetos da ação profissional
  • 6. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  O conceito de planejamento reprodutivo é mais recente e reforça o pressuposto de que as pessoas devam ter assegurado os seus direitos sexuais e reprodutivos independente do desejo de constituir famílias.
  • 7. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  O planejamento reprodutivo só é possível quando há decisão com base em informações seguras sobre a fecundidade, o conhecimento sobre o corpo e o acesso aos recursos para levar adiante uma escolha.
  • 8. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  SE A ESCOLHA É ENGRAVIDAR e se há dificuldades para conceber naturalmente, mulheres e homens devem ter acesso à investigação e ao tratamento de problemas de saúde que dificultam a fertilidade, inclusive o acesso às tecnologias de alta complexidade.
  • 9. PLANEJAMENTO REPRODUTIVO  SE A ESCOLHA É EVITAR a gravidez, mulheres e homens devem ter acesso às informações e aos métodos contraceptivos reversíveis, bem como à esterilização cirúrgica voluntária (laqueadura tubária e vasectomia), conforme os critérios da lei federal n◦ 9.263/96(lei do planejamento familiar).
  • 10. EXIGÊNCIAS • A lei de planejamento familiar, de 1996, estabelece que a esterilização ( laqueadura, vasectomia) só é permitida em pessoas capazes, maiores de 25 anos, ou se forem mais jovem que tenham pelo menos dois filhos vivos.
  • 11. REFORMULAÇÃO • Foi sancionada a lei 14.443, de 2 de setembro de 2022, que reduz de 25 para 21 anos a idade mínima de mulheres e homens para realizarem esterilização, não dependendo mais de autorização de cônjuge para o procedimento. Para mulheres, fica permitida a laqueadura no parto. • A lei mantém o prazo mínimo de 60 dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico.
  • 12. MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS  Há vários tipos de métodos contraceptivos disponíveis no mercado, como a camisinha masculina, camisinha feminina, o DIU (dispositivo intrauterino), contracepção hormonal injetável, contracepção hormonal oral (pílula anticoncepcional), contracepção cirúrgica, contracepção de emergência, entre outros.
  • 13. MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS  Entre os métodos contraceptivos, há os que são reversíveis e os que são irreversíveis. Os métodos reversíveis, também chamados de temporários, são aqueles que, ao interromper o uso, é possível engravidar. Os métodos irreversíveis, também conhecidos como definitivos, são aqueles que exigem uma intervenção cirúrgica, como vasectomia, para os homens; e laqueadura tubária, para as mulheres.
  • 14. TABELINHA  A tabelinha é um método que se baseia no cálculo dos dias em que provavelmente estará mais apta a engravidar, caso tenha relações sexuais desprotegidas. Assim, pode ser utilizada tanto para este fim quanto para a contracepção.
  • 15. TABELINHA  A mulher geralmente está fértil no meio do ciclo menstrual, quando ocorre a ovulação. Como a grande maioria dos ciclos variam entre 28 e 31 dias, do 14º ao 16º dia são os dias mais férteis. Assim, para evitar a gravidez, você e seu parceiro não devem ter relações sexuais nestes dias.
  • 18. CAMISINHA A camisinha é uma forma muito eficaz de prevenir doenças sexualmente transmissíveis e a gravidez se for utilizada de maneira correta.
  • 19. CAMISINHAS  Primeiramente devemos esclarecer que existem camisinhas masculinas e femininas. Ambas se relacionam com a proteção contra doenças sexualmente transmissíveis e gravidez, no entanto, as masculinas são as mais utilizadas, uma vez que elas podem ser mais facilmente colocadas e apresentam custo menor que a feminina.
  • 20. CAMISINHA  As camisinhas são chamadas popularmente de métodos de barreira. Essa denominação é dada porque elas evitam a passagem do sêmen, impossibilitando seu contato com o sistema reprodutor feminino e com o óvulo.
  • 21. CAMISINHA  Vale destacar também que algumas vezes o sêmen não é o responsável por transmitir a doença. No aparelho reprodutor feminino, também pode haver organismos causadores de doenças, sendo assim, ao usar camisinha, o pênis não entra em contato com a vagina, o que evita a transmissão de doenças.
  • 22. DIAFRAGMA  Diafragma é um método contraceptivo de barreira que possui o formato de cúpula e deve ser inserido no interior da vagina de modo a cobrir o colo do útero.  Pode permanecer, no máximo, 24 horas no corpo da mulher.  Deve ser colocado de 15 a 30 minutos antes da relação sexual. Algumas mulheres fazem o uso contínuo do método.
  • 23. DIU  O DIU, um método contraceptivo bastante eficaz, consiste em uma pequena estrutura em formato de T que é inserida no interior do útero da mulher.
  • 24. DIU  O DIU é uma pequena estrutura em formato de um T que é colocada no interior do útero da mulher. Esse dispositivo é colocado por um médico, que o insere pela vagina, sendo esse procedimento rápido e praticamente sem dor. Se for necessária, anestesia pode ser aplicada. Após colocado no interior do útero, o DIU fica com um ou dois fios que se estendem do colo do útero até parte da vagina.
  • 25. DIU DE COBRE  O DIU de cobre é uma estrutura de plástico flexível que possui porções recobertas por fios de cobre. Esse método previne a gravidez por causar mudanças no endométrio e no muco cervical, o que impede que os espermatozoides cheguem até o óvulo.  Esse método previne a gravidez com muita eficácia. Estima-se que as taxas de gravidez sejam inferiores a 1 em 100 mulheres por ano.
  • 26. CONTRACEPTIVOS HORMONAIS • Contraceptivos orais (COs) mimetizam hormônios ovarianos. Depois de ingeridos, eles inibem a liberação do hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH) pelo hipotálamo, inibindo assim a liberação dos hormônios da hipófise que estimulam a ovulação. Cos também afetam a mucosa do útero e causam espessamento do muco cervical, tornando-o impermeável aos espermatozoides.
  • 27. CONTRACEPTIVOS HORMONAIS Anticoncepcionais orais combinados • Para a maioria dos contraceptivos orais de combinação, uma pílula ativa (estrogênio mais progesterona) é tomada diariamente durante 21 a 24 dias. Em seguida, uma pílula (placebo) inativa é tomada diariamente por 4 a 7 dias para permitir a interrupção do sangramento. Em alguns produtos, a pílula placebo contém ferro e folato (ácido fólico).
  • 28. CONTRAINDICAÇÕES • < 21 dias pós-parto ou < 42 dias após o parto, se o risco de tromboembolia venosa é alto • Fumar mais de 15 cigarros/dia em mulheres > 35 anos de idade • Câncer de mama atual ou anterior • Cirrose descompensada grave, adenoma hepatocelular ou câncer hepático • A tromboembolia venosa (trombose venosa profunda ou embolia pulmonar), mutação trombogênica, ou lúpus eritematoso sistêmico com o estado de anticorpos.
  • 29. CONTRAINDICAÇÕES • Enxaqueca com aura ou enxaqueca de qualquer tipo em mulheres > 35 • Hipertensão • Doença cardíaca isquêmica • Miocardiopatia periparto • Diabetes por > 20 anos ou com doença vascular (p. Ex., Neuropatia, nefropatia, retinopatia) • Distúrbios cardíacos valvares com complicações
  • 30. CONTRAINDICAÇÕES Etinilestradiol 0,03 mg + Levonorgestrel 0,15 mg Noretisterona 0,35 mg
  • 31. BENEFÍCIOS DOS COs • Câncer endometrial em 60% após pelo menos 10 anos de uso • Câncer de ovário em cerca de 50% após 5 anos de uso e 80% após ≥ 10 anos de uso • Também diminuem o risco de cistos ovarianos funcionais, tumores ovarianos benignos, sangramento uterino anormal devido à disfunção ovulatória, dismenorreia, transtorno disfórico pré- menstrual, anemia por deficiência de ferro e doenças mamárias benignas.
  • 32. CONTRACEPTIVOS INFETÁVEIS • O acetato de medroxiprogesterona de depósito (DMPA) é uma formulação injetável do acetato de medroxiprogesterona de longa duração em uma suspensão cristalina.
  • 33. CONTRACEPTIVOS INFETÁVEIS Mensais (combinado) • Enantato de norestisterona 50 mg + valerato de estradiol 5 mg
  • 34. MÉTODO DE EMERGÊNCIA Levonorgestrel 0,75 mg • O tratamento iniciado dentro de 72 horas após uma relação sexual sem proteção reduz o risco de gravidez em pelo menos 75%.
  • 35. ADESIVO CUTÂNEO • O adesivo anticoncepcional, também chamado de patch, é um material aderente que deve ser colado na pele da mulher e permanecer na mesma posição por uma semana. Esse método contraceptivo possui em sua fórmula a combinação de dois hormônios: progestogênio e o estrogênio, que são liberados na circulação de forma contínua por sete dias.
  • 36. ADESIVO CUTÂNEO • O primeiro adesivo deve ser colocado no primeiro dia da menstruação. Os adesivos vêm em três unidades para serem usados de forma consecutiva. Após as três semanas de uso, é necessário fazer uma semana de pausa.