SlideShare uma empresa Scribd logo

DIALISE PERITONEAL POWER.pptx

D
D

A diálise peritoneal é um procedimento médico utilizado para tratar a insuficiência renal quando os rins já não conseguem filtrar e eliminar adequadamente os resíduos do corpo. Aqui está uma descrição básica do processo: 1. *Acesso ao Peritônio:* - Um cateter é inserido na cavidade abdominal (peritônio) por meio de uma pequena incisão cirúrgica. Este cateter serve como acesso para a diálise. 2. *Introdução do Líquido de Diálise:* - Um líquido de diálise é introduzido no peritônio através do cateter. Esse líquido, chamado dializado, contém uma mistura de água, eletrólitos e açúcares. 3. *Processo de Filtração:* - O peritônio atua como uma membrana natural que permite que os resíduos e o excesso de líquidos no sangue passem para o líquido de diálise. 4. *Tempo de Retenção:* - O líquido de diálise permanece no peritônio por um período específico (chamado tempo de retenção), durante o qual ocorre a troca de resíduos e líquidos. 5. *Drenagem do Líquido Usado:* - Após o tempo de retenção, o líquido de diálise, agora carregado com resíduos e toxinas, é drenado do peritônio através do cateter. 6. *Ciclos de Diálise:* - Este processo é repetido em ciclos ao longo do dia, geralmente várias vezes. Cada ciclo pode durar várias horas, e a diálise peritoneal pode ser realizada de forma contínua ou intermitente. *Tipos de Diálise Peritoneal:* 1. *Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua (CAPD):* - O paciente realiza manualmente as trocas de líquido de diálise várias vezes ao dia. 2. *Diálise Peritoneal Automatizada (APD):* - Uma máquina chamada cicladora é usada para realizar as trocas automaticamente durante a noite enquanto o paciente dorme. *Vantagens:* - Pode ser realizada em casa, oferecendo maior flexibilidade e conforto. - Menos restrições dietéticas em comparação com a hemodiálise. *Considerações:* - Requer um comprometimento significativo do paciente para seguir o regime de diálise. - Existe o risco de infecções associadas ao cateter e outras complicações. A escolha entre a diálise peritoneal e outros métodos, como a hemodiálise, depende da situação clínica do paciente e de suas preferências. Uma equipe médica especializada guiará o paciente através do processo e fornecerá o suporte necessário durante o tratamento.

DIALISE PERITONEAL POWER.pptx

1 de 16
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE PRIVADA DE ANGOLA
FACULDADE DE CIÊNCIAS DE SAUDE
DIÁLISE PERITONEAL
Turma: Med 23
Grupo 5
Curso: Medicina
IIº ano
Docente
Daniel Castellon
Integrantes do
grupo
Agnelo Octávio
Délcia Sobrinho
Delmira André
Isabel Fernandes
Jéssica Manuel
Maria de Lourdes
Maria Freitas
Introdução
• Os rins são responsáveis por diversas funções no organismo do ser
humano, dentre elas, a filtração do sangue para eliminação das toxinas,
a citar: ureia, creatinina e amônia. Quando estas toxinas se elevam
podem trazer danos irreversíveis à saúde do indivíduo, podendo levar a
óbito quando não excretadas na quantidade adequada para o bom
funcionamento do corpo.
Objetivos
• Objetivo geral
• Abordar sobre a diálise peritoneal
• Objetivos específicos
• Conceituar a diálise peritoneal
• Descrever o procedimento da diálise e seu envolvimento no derrame
pleural
Conceito
•
• A diálise peritoneal é uma técnica de substituição da função renal alternativa à
hemodiálise. Geralmente, é utilizada no estádio 5D da insuficiência renal
crónica, isto é na fase mais avançada dessa insuficiência. Nas situações de
insuficiência renal aguda grave é muito rara a sua utilização, encontrando-se bem
definido o papel da hemodiálise e de técnicas dialíticas contínuas como a
hemofiltração venovenosa nessas situações agudas. (PINHEIRO, 2022)
• A diálise peritoneal utiliza o peritônio como uma membrana permeável natural por meio da
qual se equilibram água e solutos. Em comparação com hemodiálise, a diálise peritoneal é:
• Menos fisiologicamente estressante
• Não requer acesso vascular
• Pode ser feita em casa
• Permite aos pacientes maior flexibilidade
Entretanto, a diálise peritoneal requer muito mais envolvimento do paciente do que em um
centro de hemodiálise. A manutenção de técnica estéril é importante. Do total estimado do fluxo
de sangue esplâncnico em repouso de 1.200 mL/minuto, apenas cerca de 70 mL/minuto entra
em contacto com o peritôneo, assim o equilíbrio do soluto ocorre muito mais lentamente do que
na hemodiálise.
Anúncio

Recomendados

A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem Cleiton Ribeiro Alves
 
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02Guinho Santos
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealSonara Pereira
 
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptxDiálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptxMIRIAN FARIA
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISERafael Lima
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a DIALISE PERITONEAL POWER.pptx

Colégio alfa hemodialize
Colégio alfa hemodializeColégio alfa hemodialize
Colégio alfa hemodializeThiago Oliveira
 
Trabalho Colecistectomia; (1).pptx
Trabalho Colecistectomia; (1).pptxTrabalho Colecistectomia; (1).pptx
Trabalho Colecistectomia; (1).pptxRayllaRodrigues2
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasBruno Cavalcante Costa
 
Embolização/Quimioembolização
Embolização/Quimioembolização Embolização/Quimioembolização
Embolização/Quimioembolização Uiliam Santos
 
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialiticoAvelino Lopes
 
Terapias de substituição renal
Terapias de substituição renalTerapias de substituição renal
Terapias de substituição renalJulio Cesar Matias
 
Drenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomiaDrenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomiaAmanda Moura
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Sondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptxSondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptxSemuso
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaPatricia Nunes
 
Cateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical IntermitenteCateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical Intermitenteaverbeck
 

Semelhante a DIALISE PERITONEAL POWER.pptx (20)

Saúde do Adulto
Saúde do AdultoSaúde do Adulto
Saúde do Adulto
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Colégio alfa hemodialize
Colégio alfa hemodializeColégio alfa hemodialize
Colégio alfa hemodialize
 
Doenças Renais
Doenças RenaisDoenças Renais
Doenças Renais
 
Trabalho Colecistectomia; (1).pptx
Trabalho Colecistectomia; (1).pptxTrabalho Colecistectomia; (1).pptx
Trabalho Colecistectomia; (1).pptx
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Embolização/Quimioembolização
Embolização/Quimioembolização Embolização/Quimioembolização
Embolização/Quimioembolização
 
DRC (1).pptx
DRC (1).pptxDRC (1).pptx
DRC (1).pptx
 
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
 
Terapias de substituição renal
Terapias de substituição renalTerapias de substituição renal
Terapias de substituição renal
 
Drenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomiaDrenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomia
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Sondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptxSondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptx
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
efeito da drenagem
 efeito da drenagem efeito da drenagem
efeito da drenagem
 
Cateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical IntermitenteCateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical Intermitente
 
Slad de colicitisti vesicula
Slad de colicitisti vesiculaSlad de colicitisti vesicula
Slad de colicitisti vesicula
 

DIALISE PERITONEAL POWER.pptx

  • 1. UNIVERSIDADE PRIVADA DE ANGOLA FACULDADE DE CIÊNCIAS DE SAUDE DIÁLISE PERITONEAL Turma: Med 23 Grupo 5 Curso: Medicina IIº ano Docente Daniel Castellon
  • 2. Integrantes do grupo Agnelo Octávio Délcia Sobrinho Delmira André Isabel Fernandes Jéssica Manuel Maria de Lourdes Maria Freitas
  • 3. Introdução • Os rins são responsáveis por diversas funções no organismo do ser humano, dentre elas, a filtração do sangue para eliminação das toxinas, a citar: ureia, creatinina e amônia. Quando estas toxinas se elevam podem trazer danos irreversíveis à saúde do indivíduo, podendo levar a óbito quando não excretadas na quantidade adequada para o bom funcionamento do corpo.
  • 4. Objetivos • Objetivo geral • Abordar sobre a diálise peritoneal • Objetivos específicos • Conceituar a diálise peritoneal • Descrever o procedimento da diálise e seu envolvimento no derrame pleural
  • 5. Conceito • • A diálise peritoneal é uma técnica de substituição da função renal alternativa à hemodiálise. Geralmente, é utilizada no estádio 5D da insuficiência renal crónica, isto é na fase mais avançada dessa insuficiência. Nas situações de insuficiência renal aguda grave é muito rara a sua utilização, encontrando-se bem definido o papel da hemodiálise e de técnicas dialíticas contínuas como a hemofiltração venovenosa nessas situações agudas. (PINHEIRO, 2022)
  • 6. • A diálise peritoneal utiliza o peritônio como uma membrana permeável natural por meio da qual se equilibram água e solutos. Em comparação com hemodiálise, a diálise peritoneal é: • Menos fisiologicamente estressante • Não requer acesso vascular • Pode ser feita em casa • Permite aos pacientes maior flexibilidade Entretanto, a diálise peritoneal requer muito mais envolvimento do paciente do que em um centro de hemodiálise. A manutenção de técnica estéril é importante. Do total estimado do fluxo de sangue esplâncnico em repouso de 1.200 mL/minuto, apenas cerca de 70 mL/minuto entra em contacto com o peritôneo, assim o equilíbrio do soluto ocorre muito mais lentamente do que na hemodiálise.
  • 7. Como é feita a diálise peritoneal? • O processo ocorre no peritônio do paciente e tem como objetivo substituir a sua função renal. A diálise peritoneal é responsável por remover as impurezas e excessos de líquido no sangue, com auxílio de um filtro natural chamado peritônio. Ele consiste em uma membrana porosa e semipermeável que cobre os principais órgãos do abdômen. O espaço entre esses órgãos é chamado de cavidade peritoneal. Em primeiro momento, um pequeno e fino tubo denominado cateter é implantado pela parede abdominal próximo ao umbigo por meio de uma pequena cirurgia, com anestesia local, até a cavidade peritoneal, de maneira indolor e permanente.
  • 8. A utilização do cateter permite, após este período, a passagem da solução de diálise até a cavidade peritoneal, realizando a drenagem em contato com o sangue, levando consigo as toxinas como a ureia, creatinina, potássio e o excesso de líquido no corpo em casos de dificuldade da função natural dos rins.
  • 9. Há dois tipos de diálise peritoneal: A Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua e a Diálise Peritoneal Automatizada. • Há dois tipos de diálise peritoneal: A Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua e a Diálise Peritoneal Automatizada. • Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua: Também conhecida como CAPD ou DPAC, é a modalidade mais comum de diálise peritoneal. É realizada diariamente e de forma manual pelo próprio paciente ou familiar, sendo uma boa opção para idosos, crianças e aqueles para as quais a hemodiálise não se mostrou propícia ou possível. Esse tratamento não exige de máquina, o paciente pode colocar e retirar o líquido de diálise do abdômen ou ser auxiliado por alguém. Geralmente pode ser realizado em casa, em um local limpo e bem iluminado.
  • 10. • Diálise Peritoneal Automática: Também conhecida como DPA, possui certa semelhança à Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua (CAPD/DPAC). A diferença é que o cateter é ligado diretamente a uma máquina que infunde e drena o líquido, efetuando as trocas necessárias. Antes de dormir, o paciente se conecta à máquina que faz as trocas de forma automática de acordo com a prescrição médica. O método é executado normalmente no período da noite, enquanto o paciente dorme, possibilitando mais liberdade a ele durante o dia. Caso seja necessário, as trocas podem ser programadas de “forma manual” durante o dia.
  • 11. Ambos os procedimentos necessitam de um treinamento para executarem a técnica de forma eficaz e segura. Tanto o paciente quanto a pessoa que irá ajudá-lo na diálise serão treinados para exercerem alguns procedimentos básicos do processo, tais como lavar as mãos antes de tocar nos cateteres, limpar os locais de saída, utilizar máscaras cirúrgicas ao fazer trocas e verificar as bolsas de solução em casos de possíveis contaminações. A intercorrência mais comum é a infecção no peritônio, além dessa, outras complicações são de grande relevância citar, a exemplo: fadiga, deambulação prejudicada, constipação, dor aguda, e volume de líquidos em excesso, etc. A depressão e a ansiedade, distúrbios de humor, também se fazem presentes no rol de complicações que podem atingir os pacientes em tratamento de DP.
  • 12. A dialises peritoneal também é uma das causas do derrame pleural. Transudato O derrame transudativo é causado por uma doença subjacente ou por alguma doença que afeta a pressão normal dos pulmões. Por consequência, compromete a capacidade dos vasos sanguíneos do tórax de removerem o excesso de fluído dentro do espaço pleural. (RICHARD, 2021) Dentre as doenças mais comuns que causam essa condição, destacam-se a insuficiência cardíaca, a cirrose e a atelectasia. No entanto, ele também pode ser causado por:  Sindrome nefrótica;  Insuficiência renal avançada;  Hipotireoidismo descompensado;
  • 13.  Diálise peritoneal. Além disso, outra característica importante desse tipo de derrame é que o seu líquido pleural possui uma coloração mais clara e transparente, não possui células e há baixa concentração de proteínas. O derrame pleural não é especificamente uma doença, mas sim uma manifestação comum de várias outras patologias. Por esse motivo, o problema só será resolvido quando a doença que o está causando for controlada. Sendo assim, infecções podem ser tratadas por antibióticos, insuficiência renal com hemodiálise, doenças autoimunes com imunossupressores, entre outros.
  • 14. Conclusão Concluímos que, a preservação da função renal dos doentes é muito importante em diálise peritoneal. Permite efetuar um menor número de tratamentos ou ciclos diários e uma permanência maior nesta técnica. A qualidade de vida em diálise peritoneal parece ser superior relativamente à hemodiálise. Permite maior autonomia dos doentes e estes não referem dependência relativamente aos profissionais de saúde, médicos e enfermeiros, bem como das máquinas de hemodiálise. Os familiares e eventuais cuidadores dos doentes em diálise peritoneal são peças importantes no sucesso e benefícios da técnica. Sempre que possível, no entanto, é implementada a técnica de auto- diálise para uma melhor realização pessoal e autonomia do doente.
  • 15. Referências Bibliográficas • VIEIRA, Frederique Henrique Lima, Dialises peritoneal e derrame pleural. https://eventos.set.edu.br/al_sempesq/article/view/14957. 2021 • Richard W. Light MD, Vanderbilt University Medical Center Revisado/Corrigido: jan 2021 • CASTRO, Rui. https://www.saudebemestar.pt/pt/medicina/nefrologia/dialise- peritoneal/, 2019 • LAZARRETI, Arthur. https://nefroclinicas.com.br/como-e-feita-a-dialise- peritoneal/, 2022 • PINHEIRO, Pedro. https://www.mdsaude.com/nefrologia/dialise-peritoneal/, 2022