SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
DDR5
Claudio Jorge Eckert Junior
Gian Paulo Vieira
Lisiane Reips
Prof. Jefferson James Cunha de Souza
SUMÁRIO
• Introdução
• História
• Tecnologia
• Aplicação
• Conclusão
• Bibliografia
Introdução
Neste trabalho serão abordados conceitos sobre a
memória RAM (Random Acess Memory), tipo DDR, a
sua história, evolução, tecnologia e utilização.
A sua história tratará do surgimento da memória
DDR, sua evolução com o passar dos anos e melhoria
da tecnologia empregada em sua construção.
História
A memória RAM é um componente essencial, não
apenas nos computadores mas também em
equipamentos como smartphones ou tablets.
RAM (Random Access Memory) ou memória volátil,
é um componente eletrônico que armazena dados de
forma temporária, durante a execução do sistema
operativo, fazendo com que esses dados possam ser
rapidamente acessados pelo processador.
História
Esta é considerada a memória principal do sistema
e, além disso, as velocidades de leitura e escrita são
superiores em relação a outro tipo de armazenamento.
Ao contrário da memória não-volátil, a memória
volátil apenas permite armazenar dados enquanto
estiver alimentada eletricamente. Assim, cada vez que
o computador for desligado, todos os dados presentes
na memória serão apagados definitivamente.
História
A memória RAM começou por ser assíncrona, ou
seja, operava ao seu próprio ritmo, independentemente
dos ciclos de relógio (clock) da motherboard, logo, não
existia sintonia com o processador.
No início dos anos 90, o clock de memória foi
sincronizado através da introdução de memórias SDR
SDRAM (Single Data Rate Synchronous Dynamic
Random Access Memory), mas rapidamente atingiram
o seu limite, uma vez que o controlador de memória
apenas realizava uma leitura por ciclo.
História
História
Por volta do ano 2000, foram introduzidas as
conhecidas memórias DDR SDRAM (Dual Data Rate),
mais rápidas por realizarem duas leituras por cada
ciclo. Desde então, as memórias DDR evoluíram por
três vezes, DDR2, DDR3 e DDR4.
Cada iteração melhorou vários aspectos como o
tempo de ciclo, largura de banda e ainda reduziu o
consumo de energia. No entanto, cada versão não é
compatível com as anteriores, tendo em conta que os
dados são manipulados em maiores proporções.
História
História
DDR: a primeira geração de memórias DDR,
lançada no ano de 2002, possui maior largura de banda
do que a anterior SDR. Efetivamente, isso acontece
porque a taxa de transferência é dobrada, sem
necessidade de aumentar o clock de memória.
História
Nota: Por questões de marketing, todas as gerações
de memórias DDR são promovidas como sendo duas
vezes superior ao valor original.
Exemplificando, DDR-200, DDR-266, DDR-333 e
DDR-400 são assim catalogadas, no entanto, os buffers
de E/S (Entrada e Saída) do modulo de memória
operam a 100MHz, 133MHz, 166MHz e 200MHz,
respectivamente.
História
História
DDR 2: o padrão DDR foi melhorado continuamente
por forma a atender às necessidades de memória de
alto desempenho.
Implementadas em 2004, as memórias DDR2
sofreram melhorias de largura de banda, clock de
memória e consumo de energia.
Enquanto que o buffer de prefetch da primeira
geração era de 2 bits, aqui passou a ser de 4 bits.
História
História
DDR 3: em 2007 surgem as sucessoras das
memórias DDR2. Essencialmente, a melhoria foi feita
na base da anterior, consumo energético reduzido em
cerca de 40%, buffer prefetch de 8 bits, etc.
Infelizmente, as latências (quantidade de pulsos de
clock que o módulo leva para iniciar as transferências
de dados) aumentaram significativamente, existindo
apenas um ganho de desempenho entre 2-5% em
comparação com as anteriores (arquiteturas que
suportam DDR2 e DDR3).
História
Além disso, foram adicionadas duas funções, ASR
(Automatic Self-Refresh) e SRT (Self-Refresh
Temperature), que controlam a frequência da memória
de acordo com a variação da temperatura.
História
História
DDR 4: lançadas em 2014, são bastante eficientes
em termos energéticos, visto que operam a uma tensão
de 1,2 V além de proporcionarem elevadas taxas de
transferência.
Foram adicionadas algumas funções, como DBI
(Data Bus Inversion), CRC (Cyclic Redundancy Check)
e paridade CA, o que permitiu melhorar a integridade
do sinal da memória DDR4, bem como a estabilidade
de transmissão/acesso a dados.
História
História
DDR 5: o futuro das memórias - as memórias DDR5
encontram-se em desenvolvimento e estão previstas
para o ano de 2020. Estima-se que sejam duas vezes
mais rápidas que as DDR4 e tenham o dobro da
capacidade. Além disso, serão mais econômicas no
que diz respeito ao consumo de energia.
História
Estima-se que as memórias DIMM Optane venham
substituir as DDR. Estas conseguem reter os dados
mesmo se um computador for desligado, algo que as
DDR não conseguem. Será mais um passo rumo ao
futuro.
Tecnologia
Algumas das especificações e características que
podem ser citadas sobre a DDR5 até o momento:
● Dobro de densidade e largura de banda
comparada a DDR4;
● Melhorias no consumo de energia;
● Capacidade de versão miniaturizada de baixo
consumo para sistemas mobile;
Tecnologia
● São esperadas velocidades de 4266 até
6400MHz, uma redução de 1.2V (DDR4) para
1.1 (DDR5) e também a utilização de dois
módulos independentes de 32/40bit por canal;
● Suporte a taxas de dados de até 6,4 GB/s,
oferecendo um máximo de 51,2 GB/s;
● Além disso, as DDR5 vão permitir que os
reguladores de tensão atuem pela memória ao
invés da placa-mãe.
Aplicação
A DDR 5 oferecerá o dobro de velocidade da
geração anterior, facilitando a produção de dies de
16Gb e a arquitetura de empilhamento vertical.
A sua aplicação, no mundo dos gamers, irá
melhorar, tornando mais rápido e ágil o tempo de
resposta ao usuário. Também irá auxiliar no
armazenamento e edição dos arquivos temporários.
Conclusão
25
Conforme o constante avanço da tecnologia,
podemos afirmar que a cada nova geração de
memória, a eficiência e a velocidade aumentam,
facilitando a vida do usuário.
Notamos também que não há uma definição
concreta de qual é a melhor geração de memória, uma
vez que tudo depende da aplicabilidade de cada uma.
Bibliografia
https://pplware.sapo.pt/gadgets/hardware/conheca-
evolucao-memorias-ram/
https://www.jedec.org/
https://www.eteknix.com/rambus-claims-first-working-
ddr5/
https://adrenaline.uol.com.br/2017/09/22/52063/rambus-
comeca-a-testar-ddr5-em-laboratorio-memorias-chegam-em-
2019/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SSD - Solid State Drive
SSD - Solid State DriveSSD - Solid State Drive
SSD - Solid State DriveVagner Leal
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionaisvini_campos
 
Processadores - CPU
Processadores - CPUProcessadores - CPU
Processadores - CPURoney Sousa
 
Aula 05 - Como funciona o Computador
Aula 05 - Como funciona o ComputadorAula 05 - Como funciona o Computador
Aula 05 - Como funciona o ComputadorSuzana Viana Mota
 
Sistema operacional introdução
Sistema operacional introduçãoSistema operacional introdução
Sistema operacional introduçãoCleber Ramos
 
Aula 04 arquitetura de computadores
Aula 04   arquitetura de computadoresAula 04   arquitetura de computadores
Aula 04 arquitetura de computadoresDaniel Moura
 
Introdução à Arquitetura de Computadores
Introdução à Arquitetura de ComputadoresIntrodução à Arquitetura de Computadores
Introdução à Arquitetura de ComputadoresMauro Pereira
 
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaLista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaSuzana Viana Mota
 
Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...
Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...
Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...Wellington Oliveira
 
Ac mod 3 ficha de revisões 1
Ac   mod 3 ficha de revisões 1Ac   mod 3 ficha de revisões 1
Ac mod 3 ficha de revisões 1edlander
 
Aula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivosAula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivoscamila_seixas
 
3° unidade (placa mãe)
3° unidade (placa mãe)3° unidade (placa mãe)
3° unidade (placa mãe)André Lopes
 

Mais procurados (20)

Slide placa mãe
Slide placa mãeSlide placa mãe
Slide placa mãe
 
SSD - Solid State Drive
SSD - Solid State DriveSSD - Solid State Drive
SSD - Solid State Drive
 
Slide disco rigido
Slide disco rigidoSlide disco rigido
Slide disco rigido
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
Processadores - CPU
Processadores - CPUProcessadores - CPU
Processadores - CPU
 
Memória Ram - Aula Completa
Memória Ram - Aula CompletaMemória Ram - Aula Completa
Memória Ram - Aula Completa
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Aula 05 - Como funciona o Computador
Aula 05 - Como funciona o ComputadorAula 05 - Como funciona o Computador
Aula 05 - Como funciona o Computador
 
Montando o Computador
Montando o ComputadorMontando o Computador
Montando o Computador
 
Sistema operacional introdução
Sistema operacional introduçãoSistema operacional introdução
Sistema operacional introdução
 
Aula 04 arquitetura de computadores
Aula 04   arquitetura de computadoresAula 04   arquitetura de computadores
Aula 04 arquitetura de computadores
 
Introdução à Arquitetura de Computadores
Introdução à Arquitetura de ComputadoresIntrodução à Arquitetura de Computadores
Introdução à Arquitetura de Computadores
 
Arquitetura de-computadores-apostila-avançada completa
Arquitetura de-computadores-apostila-avançada completaArquitetura de-computadores-apostila-avançada completa
Arquitetura de-computadores-apostila-avançada completa
 
Aula 01 instalação de hardware
Aula 01 instalação de hardwareAula 01 instalação de hardware
Aula 01 instalação de hardware
 
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaLista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
 
Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...
Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...
Evolução e Desempenho de Computadores - Arquitetura e Organização de Computad...
 
Ac mod 3 ficha de revisões 1
Ac   mod 3 ficha de revisões 1Ac   mod 3 ficha de revisões 1
Ac mod 3 ficha de revisões 1
 
Aula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivosAula 3: Introdução a sistema de arquivos
Aula 3: Introdução a sistema de arquivos
 
Barramentos
Barramentos Barramentos
Barramentos
 
3° unidade (placa mãe)
3° unidade (placa mãe)3° unidade (placa mãe)
3° unidade (placa mãe)
 

Semelhante a DDR5

Semelhante a DDR5 (20)

Memorias edo ddr 1 2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1 2 e 3 e dual channelMemorias edo ddr 1 2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1 2 e 3 e dual channel
 
Artigo memórias
Artigo memóriasArtigo memórias
Artigo memórias
 
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channelMemorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
Memorias edo ddr 1,2 e 3 e dual channel
 
Aula 04 instalação de hardware
Aula 04 instalação de hardwareAula 04 instalação de hardware
Aula 04 instalação de hardware
 
Memórias Modernas
Memórias ModernasMemórias Modernas
Memórias Modernas
 
Imei
ImeiImei
Imei
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 09 - Memórias do Computador
Aula 09 - Memórias do ComputadorAula 09 - Memórias do Computador
Aula 09 - Memórias do Computador
 
Tipos de memórias
Tipos de memóriasTipos de memórias
Tipos de memórias
 
Memórias digitais1
Memórias digitais1Memórias digitais1
Memórias digitais1
 
Memórias de armazenamento
Memórias de armazenamentoMemórias de armazenamento
Memórias de armazenamento
 
Pesquisa sobre tipos de memorias
Pesquisa sobre tipos de memoriasPesquisa sobre tipos de memorias
Pesquisa sobre tipos de memorias
 
Trabalho sobre as memórias ram
Trabalho sobre as memórias ramTrabalho sobre as memórias ram
Trabalho sobre as memórias ram
 
5 memória
5 memória5 memória
5 memória
 
Memorias dual channel
Memorias dual channelMemorias dual channel
Memorias dual channel
 
Arquitectura de memória
Arquitectura de memóriaArquitectura de memória
Arquitectura de memória
 
Aula 06 memória ram
Aula 06   memória ramAula 06   memória ram
Aula 06 memória ram
 
ApresentaçãO Tipos De Memorias
ApresentaçãO  Tipos De MemoriasApresentaçãO  Tipos De Memorias
ApresentaçãO Tipos De Memorias
 
Tipos de ram ddr1, 2 & 3
Tipos de ram   ddr1, 2 & 3Tipos de ram   ddr1, 2 & 3
Tipos de ram ddr1, 2 & 3
 
Hardware
HardwareHardware
Hardware
 

Mais de Claudio Eckert

Escalonamento de processos em sistemas virtualizados
Escalonamento de processos em sistemas virtualizadosEscalonamento de processos em sistemas virtualizados
Escalonamento de processos em sistemas virtualizadosClaudio Eckert
 
Redes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdmRedes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdmClaudio Eckert
 
ULA Unidade Lógica Aritmética
ULA Unidade Lógica AritméticaULA Unidade Lógica Aritmética
ULA Unidade Lógica AritméticaClaudio Eckert
 
Roteamento Intra-SA e Inter-SA
Roteamento Intra-SA e Inter-SARoteamento Intra-SA e Inter-SA
Roteamento Intra-SA e Inter-SAClaudio Eckert
 

Mais de Claudio Eckert (10)

Itil e cobit
Itil e cobitItil e cobit
Itil e cobit
 
Escalonamento de processos em sistemas virtualizados
Escalonamento de processos em sistemas virtualizadosEscalonamento de processos em sistemas virtualizados
Escalonamento de processos em sistemas virtualizados
 
Redes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdmRedes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdm
 
Trabalho flip flop
Trabalho flip flopTrabalho flip flop
Trabalho flip flop
 
ULA Unidade Lógica Aritmética
ULA Unidade Lógica AritméticaULA Unidade Lógica Aritmética
ULA Unidade Lógica Aritmética
 
RAD - Métodos ágeis
RAD - Métodos ágeisRAD - Métodos ágeis
RAD - Métodos ágeis
 
RAD - Métodos ágeis
RAD - Métodos ágeisRAD - Métodos ágeis
RAD - Métodos ágeis
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Roteamento Intra-SA e Inter-SA
Roteamento Intra-SA e Inter-SARoteamento Intra-SA e Inter-SA
Roteamento Intra-SA e Inter-SA
 
MPS.BR
MPS.BRMPS.BR
MPS.BR
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 

Último (20)

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 

DDR5

  • 1. DDR5 Claudio Jorge Eckert Junior Gian Paulo Vieira Lisiane Reips Prof. Jefferson James Cunha de Souza
  • 2. SUMÁRIO • Introdução • História • Tecnologia • Aplicação • Conclusão • Bibliografia
  • 3. Introdução Neste trabalho serão abordados conceitos sobre a memória RAM (Random Acess Memory), tipo DDR, a sua história, evolução, tecnologia e utilização. A sua história tratará do surgimento da memória DDR, sua evolução com o passar dos anos e melhoria da tecnologia empregada em sua construção.
  • 4. História A memória RAM é um componente essencial, não apenas nos computadores mas também em equipamentos como smartphones ou tablets. RAM (Random Access Memory) ou memória volátil, é um componente eletrônico que armazena dados de forma temporária, durante a execução do sistema operativo, fazendo com que esses dados possam ser rapidamente acessados pelo processador.
  • 5. História Esta é considerada a memória principal do sistema e, além disso, as velocidades de leitura e escrita são superiores em relação a outro tipo de armazenamento. Ao contrário da memória não-volátil, a memória volátil apenas permite armazenar dados enquanto estiver alimentada eletricamente. Assim, cada vez que o computador for desligado, todos os dados presentes na memória serão apagados definitivamente.
  • 6. História A memória RAM começou por ser assíncrona, ou seja, operava ao seu próprio ritmo, independentemente dos ciclos de relógio (clock) da motherboard, logo, não existia sintonia com o processador. No início dos anos 90, o clock de memória foi sincronizado através da introdução de memórias SDR SDRAM (Single Data Rate Synchronous Dynamic Random Access Memory), mas rapidamente atingiram o seu limite, uma vez que o controlador de memória apenas realizava uma leitura por ciclo.
  • 8. História Por volta do ano 2000, foram introduzidas as conhecidas memórias DDR SDRAM (Dual Data Rate), mais rápidas por realizarem duas leituras por cada ciclo. Desde então, as memórias DDR evoluíram por três vezes, DDR2, DDR3 e DDR4. Cada iteração melhorou vários aspectos como o tempo de ciclo, largura de banda e ainda reduziu o consumo de energia. No entanto, cada versão não é compatível com as anteriores, tendo em conta que os dados são manipulados em maiores proporções.
  • 10. História DDR: a primeira geração de memórias DDR, lançada no ano de 2002, possui maior largura de banda do que a anterior SDR. Efetivamente, isso acontece porque a taxa de transferência é dobrada, sem necessidade de aumentar o clock de memória.
  • 11. História Nota: Por questões de marketing, todas as gerações de memórias DDR são promovidas como sendo duas vezes superior ao valor original. Exemplificando, DDR-200, DDR-266, DDR-333 e DDR-400 são assim catalogadas, no entanto, os buffers de E/S (Entrada e Saída) do modulo de memória operam a 100MHz, 133MHz, 166MHz e 200MHz, respectivamente.
  • 13. História DDR 2: o padrão DDR foi melhorado continuamente por forma a atender às necessidades de memória de alto desempenho. Implementadas em 2004, as memórias DDR2 sofreram melhorias de largura de banda, clock de memória e consumo de energia. Enquanto que o buffer de prefetch da primeira geração era de 2 bits, aqui passou a ser de 4 bits.
  • 15. História DDR 3: em 2007 surgem as sucessoras das memórias DDR2. Essencialmente, a melhoria foi feita na base da anterior, consumo energético reduzido em cerca de 40%, buffer prefetch de 8 bits, etc. Infelizmente, as latências (quantidade de pulsos de clock que o módulo leva para iniciar as transferências de dados) aumentaram significativamente, existindo apenas um ganho de desempenho entre 2-5% em comparação com as anteriores (arquiteturas que suportam DDR2 e DDR3).
  • 16. História Além disso, foram adicionadas duas funções, ASR (Automatic Self-Refresh) e SRT (Self-Refresh Temperature), que controlam a frequência da memória de acordo com a variação da temperatura.
  • 18. História DDR 4: lançadas em 2014, são bastante eficientes em termos energéticos, visto que operam a uma tensão de 1,2 V além de proporcionarem elevadas taxas de transferência. Foram adicionadas algumas funções, como DBI (Data Bus Inversion), CRC (Cyclic Redundancy Check) e paridade CA, o que permitiu melhorar a integridade do sinal da memória DDR4, bem como a estabilidade de transmissão/acesso a dados.
  • 20. História DDR 5: o futuro das memórias - as memórias DDR5 encontram-se em desenvolvimento e estão previstas para o ano de 2020. Estima-se que sejam duas vezes mais rápidas que as DDR4 e tenham o dobro da capacidade. Além disso, serão mais econômicas no que diz respeito ao consumo de energia.
  • 21. História Estima-se que as memórias DIMM Optane venham substituir as DDR. Estas conseguem reter os dados mesmo se um computador for desligado, algo que as DDR não conseguem. Será mais um passo rumo ao futuro.
  • 22. Tecnologia Algumas das especificações e características que podem ser citadas sobre a DDR5 até o momento: ● Dobro de densidade e largura de banda comparada a DDR4; ● Melhorias no consumo de energia; ● Capacidade de versão miniaturizada de baixo consumo para sistemas mobile;
  • 23. Tecnologia ● São esperadas velocidades de 4266 até 6400MHz, uma redução de 1.2V (DDR4) para 1.1 (DDR5) e também a utilização de dois módulos independentes de 32/40bit por canal; ● Suporte a taxas de dados de até 6,4 GB/s, oferecendo um máximo de 51,2 GB/s; ● Além disso, as DDR5 vão permitir que os reguladores de tensão atuem pela memória ao invés da placa-mãe.
  • 24. Aplicação A DDR 5 oferecerá o dobro de velocidade da geração anterior, facilitando a produção de dies de 16Gb e a arquitetura de empilhamento vertical. A sua aplicação, no mundo dos gamers, irá melhorar, tornando mais rápido e ágil o tempo de resposta ao usuário. Também irá auxiliar no armazenamento e edição dos arquivos temporários.
  • 25. Conclusão 25 Conforme o constante avanço da tecnologia, podemos afirmar que a cada nova geração de memória, a eficiência e a velocidade aumentam, facilitando a vida do usuário. Notamos também que não há uma definição concreta de qual é a melhor geração de memória, uma vez que tudo depende da aplicabilidade de cada uma.