SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 90
Imagens para  «O Sentimento dum Ocidental» de Cesário Verde Burghard Baltrusch  http://uvigo.academia.edu/BurghardBaltrusch
JOSÉ JOAQUIM CESÁRIO VERDE  (1855 - 1886) Cf. Esboço biobibliográfico em  http://estudoslusofonos.blogspot.com/p/autorases.html
 
 
I AVE MARIAS  Nas nossas ruas, ao anoitecer,  Ha tal soturnidade, ha tal melancholia,  Que as sombras, o bulicio, o Tejo, a maresia  Despertam-me um desejo absurdo de soffrer.
 
Claude Monet,  Le Parlement, Effet de Brouillard , 1903,  Museum of Fine-Arts, St Petersburg, Florida O ceu parece baixo e de neblina,  O gaz extravasado enjôa-me, perturba;  E os edificios, com as chaminés, e a turba  Toldam-se d'uma côr monotona e londrina.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Batem os carros de aluguer, ao fundo,  Levando á via ferrea os que se vão. Felizes!  Occorrem-me em revista exposições, paizes:  Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!
Lisboa. Estação de Sta Apolónia, vista exterior - 3º quartel do séc. XIX Estação principal do caminho de ferro do norte e leste Gravura, B. Lima/Pedrozo, 1866 in  Arquivo Pitoresco , vol. 9, 1866, p. 1 BN J. 156 B.
“ Estação de São Lázaro", Claude Monet
Semelham-se a gaiolas, com viveiros,  As edificações sómente emmadeiradas:  Como morcegos, ao cair das badaladas,  Saltam de viga em viga os mestres carpinteiros.
Voltam os calafates, aos magotes,  De jaquetão ao hombro, enfarruscados, seccos;  Embrenho-me, a scismar, por boqueirões, por beccos,  Ou érro pelos caes a que se atracam botes.
E evoco, então, as chronicas navaes:  Mouros, baixeis, heroes, tudo resuscitado!  Lucta Camões no Sul, salvando um livro a nado!  Singram soberbas naus que eu não verei jámais!
E o fim da tarde inspira-me; e incommoda!  De um couraçado inglez vogam os escaleres;  E em terra n'um tinir de louças e talheres  Flammejam, ao jantar, alguns hoteis da moda.  Lisboa, Hotel Central, séc. XIX
N'um trem de praça arengam dois dentistas;  Um tropego arlequim braceja n'umas andas;  Os cherubins do lar fluctuam nas varandas;  Ás portas, em cabello, enfadam-se os logistas!
Vasam-se os arsenaes e as officinas;  Reluz, viscoso, o rio, apressam-se as obreiras;  E n'um cardume negro, herculeas, galhofeiras,  Correndo com firmeza, assomam as varinas.
Vem sacudindo as ancas opulentas!  Seus troncos varonis recordam-me pilastras;  E algumas, á cabeça, embalam nas canastras  Os filhos que depois naufragam nas tormentas.
 
Varinas, Lisboa 1905
Greve das varinas, início séc. XX
Trechos dos painéis da Gare Marítima de Alcântara, da autoria de Almada Negreiros.
Descalças! Nas descargas de carvão,  Desde manhã á noite, a bórdo das fragatas;  E apinham-se n'um bairro aonde miam gatas,  E o peixe pôdre géra os focos de infecção!  Descarga de carvão, séc. XIX
II NOITE FECHADA
A prisão do Aljube, em Lisboa Toca-se as grades, nas cadeias. Som  Que mortifica e deixa umas loucuras mansas!  O aljube, em que hoje estão velhinhas e creanças,  Bem raramente encerra uma mulher de «dom»!
E eu desconfio, até, de um aneurisma  Tão morbido me sinto, ao accender das luzes;  Á vista das prisões, da velha sé, das cruzes,  Chora-me o coração que se enche e que se abysma.
A espaços, illuminam-se os andares,  E as tascas, os cafés, as tendas, os estancos  Alastram em lençol os seus reflexos brancos;  E a lua lembra o circo e os jogos malabares.
Duas egrejas, n'um saudoso largo,  Lançam a nodoa negra e funebre do clero:  N'ellas esfumo um ermo inquisidor severo,  Assim que pela Historia eu me aventuro e alargo.  “ O Inquisidor”,  Diogo de Macedo  www.ci.uc.pt/artes
Na parte que abateu no terremoto,  Muram-se as construcções rectas, eguaes, crescidas;
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
Ruínas do Convento do Carmo em Lisboa
A Lisboa anterior ao terramoto é descrita nos textos da época como caótica, com ruas e becos que não obedeciam a qualquer plano prévio. Descreviam-na ainda como nojenta, as bacias com dejectos eram despejadas no Tejo, e contava-se que estava sempre a ser fustigada por incêndios.
Planta do centro da cidade de Lisboa antes do terramoto de 1755  com os projectos dos novos arruamentos sobrepostos Eugénio dos Santos e Carlos Mardel,  (circa 1760)
Affrontam-me, no resto, as ingremes subidas,  E os sinos d'um tanger monastico e devoto.
Inauguração do Largo de Camões em 1867 Mas, n'um recinto publico e vulgar,  Com bancos de namoro e exiguas pimenteiras,  Bronzeo, monumental, de proporções  guerreiras,  Um épico d'outr'ora ascende, n'um  pilar!
 
Largo de Camões, 1902 Largo de Camões, 1900
E eu sonho o Colera, imagina a Febre,  N'esta accumulação de corpos enfezados;  Sombrios e espectraes recolhem os soldados;  Inflamma-se um palacio em face de um casebre.  Death's Dispensary  [Dispensário da Morte]; gravura de George John Pinwell,  publicada numa revista inglesa,  durante a epidemia de cólera de 1866. Representação da febre amarela
Partem patrulhas de cavallaria  Dos arcos dos quarteis que foram já conventos;  Edade-média! A pé, outras, a passos lentos,  Derramam-se por toda a capital, que esfria.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Convento do Carmo no século XIX
Triste cidade! Eu temo que me avives  Uma paixão defunta! Aos lampeões distantes,  Enlutam-me, alvejando, as tuas elegantes,  Curvadas a sorrir ás montras dos ourives.
 
 
Costureiras trabalhando, 1884, origem desconhecida,  Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto E mais: as costureiras, as floristas  Descem dos magasins, causam-me sobresaltos;  Custa-lhes a elevar os seus pescoços altos  E muitas d'ellas são comparsas ou coristas.
 
Edgar Degas (1834-1917), As Engomadeiras
E eu, de luneta de uma lente só,  Eu acho sempre assumpto a quadros revoltados:
Entro na brasserie; ás mesas de emigrados,  Ao riso e á crua luz joga-se o dominó.
III AO GAZ
E saio. A noite peza, esmaga. Nos  Passeios de lagedo arrastam-se as impuras.  Ó molles hospitaes! Sae das embocaduras  Um sopro que arripia os hombros quasi nús.
Passeio de lajedo, século XIX
«as impuras»  prostituição no século XIX
José Malhoa, p intura a óleo sobre tela, Museu de José Malhoa das Caldas da Rainha.
Cercam-me as lojas, tépidas. Eu penso  Ver cirios lateraes, ver filas de capellas,  Com santos e fieis, andores, ramos, velas,  Em uma cathedral de um comprimento immenso.
As burguezinhas do Catholocismo  Resvalam pelo chão minado pelos canos;  E lembram-me, ao chorar doente dos pianos,  As freiras que os jejuns matavam de hysterismo.
 
N'um cutileiro, de avental, ao torno,  Um forjador maneja um malho, rubramente;  E de uma padaria exhala-se, inda quente,  Um cheiro salutar e honesto a pão no forno.  Padaria Independente  Lisboa, Fábrica da Bempostinha  1º quartel do século XIX  Faiança policroma  Proveniente do revestimento parietal da padaria Independente, Rua da Graça, nº 80
E eu que medito um livro que exarcebe,  Quizera que o real e a analyse m'o dessem;  Casas de confecções e modas resplandecem;  Pelas vitrines ólha um ratoneiro imberbe.
Longas descidas! Não poder pintar  Com versos magistraes, salubres e sinceros,  A esguia diffusão dos vossos reverberos,  E a vossa pallidez romantica e lunar!
Que grande cobra, a lubrica pessoa,  Que espartilhada escolhe uns chales com debuxo!  Sua excellencia attráe, magnetica, entre luxo,  Que ao longo dos balcões de mogno se amontoa.
 
E aquella velha, de bandós! Por vezes,  A sua traîne imita um leque antigo, aberto,  Nas barras verticaes, a duas tintas. Perto,  Escarvam, á victoria, os seus mecklemburguezes.
Desdobram-se tecidos estrangeiros;  Plantas ornamentaes seccam nos mostradores;  Flócos de pós de arroz pairam suffocadores,  E em nuvems de setins requebram-se os caixeiros,
Mas tudo cança! Apagam-se nas frentes  Os candelabros, como estrellas, pouco a pouco;  Da solidão regouga um cauteleiro rouco;  Tornam-se mausoléos as armações fulgentes.
«Dó da miseria!... Compaixão de mim!...»  E, nas esquinas, calvo, eterno, sem repouso,  Pede-me sempre esmola um homemzinho idoso,  Meu velho professor nas aulas de latim!
Por baixo, que portões! Que arruamentos!  Um parafuso cáe nas lages, ás escuras:  Collocam-se taipaes, rangem as fechaduras,  E os olhos d'um caleche espantam-me, sangrentos.
IV HORAS MORTAS
O tecto fundo de oxygenio, d'ar,  Estende-se ao comprido, ao meio das trapeiras;  Vem lagrimas de luz dos astros com olheiras,  Enleva-me a chimera azul de transmigrar.
Por baixo, que portões! Que arruamentos!  Um parafuso cáe nas lages, ás escuras:  Collocam-se taipaes, rangem as fechaduras,  E os olhos d'um caleche espantam-me, sangrentos.
E eu sigo, como as linhas de uma pauta  A dupla correnteza augusta das fachadas;
Pois sobem, no silencio, infaustas e trinadas,  As notas pastoris de uma longiqua flauta.
Poppies Blooming (1873), Claude Monet, Musée d’Orsay, Paris
Se eu não morresse, nunca! E eternamente  Buscasse e conseguisse a perfeição das cousas!
Esqueço-me a prever castissimas esposas,  Que aninhem em mansões de vidro transparente!
José Ferraz de Almeida Júnior (Brasil, 1850-1899), óleo sobre tela
Ó nossos filhos! Que de sonhos ageis,  Pousando, vos trarão a nitidez ás vidas!
Gustav Klimt (Viena, 1862-1918).  Cf. ideal da  femme fragile . Eu quero as vossas mães e irmãs estremecidas,  N'umas habitações translucidas e frageis.
Eu quero as vossas mães e irmãs estremecidas,  N'umas habitações translucidas e frageis.  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Cf. Tennessee Williams:  The Glass Menagerie
Ah! Como a raça ruiva do porvir,  E as frótas dos avós, e os nómadas ardentes,  Nós vamos explorar todos os continentes  E pelas vastidões aquaticas seguir!  “ [Trata-se do] esboço e da promessa de uns anti-Lusíadas que, como tal, igualmente e definitivamente rasuram a presença tutelar de Camões.”(David Mourão Ferreira 1995)
 
Mas se vivemos, os emparedados,  Sem arvores, no valle escuro das muralhas!...  Julgo avistar, na treva, as folhas das navalhas  E os gritos de soccorro ouvir estrangulados.
José Malhoa, Os Bêbados  ou  Festejando o São Martinho  (1907). Pintura a óleo sobre tela, Museu de José Malhoa das Caldas da Rainha. E n'estes nebulosos corredores  Nauseam-me, surgindo, os ventres das tabernas;  Na volta, com saudade, e aos bordos sobre as pernas,  Cantam, de braço dado, uns tristes bebedores.
Eu não receio, todavia, os roubos;  Afastam-se, a distancia, os dubios caminhantes;  E sujos, sem ladrar, osseos, febris, errantes,  Amarelladamente, os cães parecem lobos.
E os guardas, que revistam as escadas,  Caminham de lanterna e servem de chaveiros;  Por cima, as immoraes, nos seus roupões ligeiros,  Tossem, fumando sobre a pedra das sacadas.
E, enorme, n'esta massa irregular  De predios sepulchraes, com dimensões de montes,  A Dôr humana busca os amplos horisontes,  E tem marés, de fel, como um sinistro mar!
Claude Monet, Roche a Belle-Ile, 1886
Claude Monet, Impression Sunrise, 1872 oil on canvas 48x63cm, Musee Marmottan, Paris
Imagens para «O Sentimento dum Ocidental»  de Cesário Verde Burghard Baltrusch  http://uvigo.academia.edu/BurghardBaltrusch

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasNeizy Mandinga
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaMargarida Rodrigues
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Marisa Ferreira
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Carlos Pina
 

Mais procurados (20)

Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
 

Destaque

O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental1103sancho
 
Ave Marias, de Cesário Verde
Ave Marias, de Cesário VerdeAve Marias, de Cesário Verde
Ave Marias, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeMariaVerde1995
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeMariaVerde1995
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 

Destaque (7)

O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 
Ave Marias, de Cesário Verde
Ave Marias, de Cesário VerdeAve Marias, de Cesário Verde
Ave Marias, de Cesário Verde
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário Verde
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 

Semelhante a Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde

Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdfAnalise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdfAlzira Padrão Figueiredo
 
sentimento dum ocidental.docx
sentimento dum ocidental.docxsentimento dum ocidental.docx
sentimento dum ocidental.docxDaniela729051
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)1103sancho
 
Os Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de QueirósOs Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de QueirósCristina Martins
 
Manifesto do futurismo
Manifesto do futurismoManifesto do futurismo
Manifesto do futurismoRut Silva
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)luisprista
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixãowiyofog561
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugalma.no.el.ne.ves
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoÉrika Lúcia
 
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatujaJosé de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatujaFrancis Monteiro da Rocha
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixãowiyofog561
 
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxo_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxMaria Cardoso
 
Imensidade de um labirito moderno - Final Version
Imensidade de um labirito moderno - Final VersionImensidade de um labirito moderno - Final Version
Imensidade de um labirito moderno - Final VersionCaroline Souza
 

Semelhante a Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde (20)

Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdfAnalise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
 
A Lisboa de Eça e de Cesário
A Lisboa de Eça e de CesárioA Lisboa de Eça e de Cesário
A Lisboa de Eça e de Cesário
 
sentimento dum ocidental.docx
sentimento dum ocidental.docxsentimento dum ocidental.docx
sentimento dum ocidental.docx
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
 
Os Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de QueirósOs Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de Queirós
 
Manifesto do futurismo
Manifesto do futurismoManifesto do futurismo
Manifesto do futurismo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
 
O mandarim
O mandarimO mandarim
O mandarim
 
José de Alencar - A alma do lázaro
José de Alencar - A alma do lázaroJosé de Alencar - A alma do lázaro
José de Alencar - A alma do lázaro
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatujaJosé de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
José de Alencar - Alfarrábios - O garatuja
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxo_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 
Imensidade de um labirito moderno - Final Version
Imensidade de um labirito moderno - Final VersionImensidade de um labirito moderno - Final Version
Imensidade de um labirito moderno - Final Version
 

Mais de Burghard Baltrusch

O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais
O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais
O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais Burghard Baltrusch
 
Palestra Michel Yakini em Vigo
Palestra Michel Yakini em VigoPalestra Michel Yakini em Vigo
Palestra Michel Yakini em VigoBurghard Baltrusch
 
Expressões idiomáticas brasil
Expressões idiomáticas brasilExpressões idiomáticas brasil
Expressões idiomáticas brasilBurghard Baltrusch
 
Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”
Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”
Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”Burghard Baltrusch
 
A mulher na obra de josé saramago
A mulher na obra de josé saramagoA mulher na obra de josé saramago
A mulher na obra de josé saramagoBurghard Baltrusch
 
Antropofagia e Tradução Cultural I
Antropofagia e Tradução Cultural IAntropofagia e Tradução Cultural I
Antropofagia e Tradução Cultural IBurghard Baltrusch
 
História abreviada do Brasil no Século XX
História abreviada do Brasil no Século XXHistória abreviada do Brasil no Século XX
História abreviada do Brasil no Século XXBurghard Baltrusch
 
Breve História do Brasil no Século XX
Breve História do Brasil no Século XXBreve História do Brasil no Século XX
Breve História do Brasil no Século XXBurghard Baltrusch
 
Fernando Pessoa: O Banqueiro Anarquista
Fernando Pessoa: O Banqueiro AnarquistaFernando Pessoa: O Banqueiro Anarquista
Fernando Pessoa: O Banqueiro AnarquistaBurghard Baltrusch
 

Mais de Burghard Baltrusch (14)

O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais
O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais
O Ano de 1993 de José Saramago e as ilustrações de Graça Morais
 
Palestra Michel Yakini em Vigo
Palestra Michel Yakini em VigoPalestra Michel Yakini em Vigo
Palestra Michel Yakini em Vigo
 
Expressões idiomáticas brasil
Expressões idiomáticas brasilExpressões idiomáticas brasil
Expressões idiomáticas brasil
 
Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”
Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”
Exposição “25 de Abril | Imagem e Texto”
 
A mulher na obra de josé saramago
A mulher na obra de josé saramagoA mulher na obra de josé saramago
A mulher na obra de josé saramago
 
Fernão Mendes Pinto
Fernão Mendes PintoFernão Mendes Pinto
Fernão Mendes Pinto
 
Antropofagia e Tradução Cultural I
Antropofagia e Tradução Cultural IAntropofagia e Tradução Cultural I
Antropofagia e Tradução Cultural I
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
 
História abreviada do Brasil no Século XX
História abreviada do Brasil no Século XXHistória abreviada do Brasil no Século XX
História abreviada do Brasil no Século XX
 
Breve História do Brasil no Século XX
Breve História do Brasil no Século XXBreve História do Brasil no Século XX
Breve História do Brasil no Século XX
 
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
 
África lusófona
África lusófonaÁfrica lusófona
África lusófona
 
Acordo Ortográfico 2009
Acordo Ortográfico 2009Acordo Ortográfico 2009
Acordo Ortográfico 2009
 
Fernando Pessoa: O Banqueiro Anarquista
Fernando Pessoa: O Banqueiro AnarquistaFernando Pessoa: O Banqueiro Anarquista
Fernando Pessoa: O Banqueiro Anarquista
 

Último

Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 

Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde

  • 1. Imagens para «O Sentimento dum Ocidental» de Cesário Verde Burghard Baltrusch http://uvigo.academia.edu/BurghardBaltrusch
  • 2. JOSÉ JOAQUIM CESÁRIO VERDE (1855 - 1886) Cf. Esboço biobibliográfico em http://estudoslusofonos.blogspot.com/p/autorases.html
  • 3.  
  • 4.  
  • 5. I AVE MARIAS Nas nossas ruas, ao anoitecer, Ha tal soturnidade, ha tal melancholia, Que as sombras, o bulicio, o Tejo, a maresia Despertam-me um desejo absurdo de soffrer.
  • 6.  
  • 7. Claude Monet, Le Parlement, Effet de Brouillard , 1903, Museum of Fine-Arts, St Petersburg, Florida O ceu parece baixo e de neblina, O gaz extravasado enjôa-me, perturba; E os edificios, com as chaminés, e a turba Toldam-se d'uma côr monotona e londrina.
  • 8.
  • 9. Batem os carros de aluguer, ao fundo, Levando á via ferrea os que se vão. Felizes! Occorrem-me em revista exposições, paizes: Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!
  • 10. Lisboa. Estação de Sta Apolónia, vista exterior - 3º quartel do séc. XIX Estação principal do caminho de ferro do norte e leste Gravura, B. Lima/Pedrozo, 1866 in Arquivo Pitoresco , vol. 9, 1866, p. 1 BN J. 156 B.
  • 11. “ Estação de São Lázaro", Claude Monet
  • 12. Semelham-se a gaiolas, com viveiros, As edificações sómente emmadeiradas: Como morcegos, ao cair das badaladas, Saltam de viga em viga os mestres carpinteiros.
  • 13. Voltam os calafates, aos magotes, De jaquetão ao hombro, enfarruscados, seccos; Embrenho-me, a scismar, por boqueirões, por beccos, Ou érro pelos caes a que se atracam botes.
  • 14. E evoco, então, as chronicas navaes: Mouros, baixeis, heroes, tudo resuscitado! Lucta Camões no Sul, salvando um livro a nado! Singram soberbas naus que eu não verei jámais!
  • 15. E o fim da tarde inspira-me; e incommoda! De um couraçado inglez vogam os escaleres; E em terra n'um tinir de louças e talheres Flammejam, ao jantar, alguns hoteis da moda. Lisboa, Hotel Central, séc. XIX
  • 16. N'um trem de praça arengam dois dentistas; Um tropego arlequim braceja n'umas andas; Os cherubins do lar fluctuam nas varandas; Ás portas, em cabello, enfadam-se os logistas!
  • 17. Vasam-se os arsenaes e as officinas; Reluz, viscoso, o rio, apressam-se as obreiras; E n'um cardume negro, herculeas, galhofeiras, Correndo com firmeza, assomam as varinas.
  • 18. Vem sacudindo as ancas opulentas! Seus troncos varonis recordam-me pilastras; E algumas, á cabeça, embalam nas canastras Os filhos que depois naufragam nas tormentas.
  • 19.  
  • 21. Greve das varinas, início séc. XX
  • 22. Trechos dos painéis da Gare Marítima de Alcântara, da autoria de Almada Negreiros.
  • 23. Descalças! Nas descargas de carvão, Desde manhã á noite, a bórdo das fragatas; E apinham-se n'um bairro aonde miam gatas, E o peixe pôdre géra os focos de infecção! Descarga de carvão, séc. XIX
  • 25. A prisão do Aljube, em Lisboa Toca-se as grades, nas cadeias. Som Que mortifica e deixa umas loucuras mansas! O aljube, em que hoje estão velhinhas e creanças, Bem raramente encerra uma mulher de «dom»!
  • 26. E eu desconfio, até, de um aneurisma Tão morbido me sinto, ao accender das luzes; Á vista das prisões, da velha sé, das cruzes, Chora-me o coração que se enche e que se abysma.
  • 27. A espaços, illuminam-se os andares, E as tascas, os cafés, as tendas, os estancos Alastram em lençol os seus reflexos brancos; E a lua lembra o circo e os jogos malabares.
  • 28. Duas egrejas, n'um saudoso largo, Lançam a nodoa negra e funebre do clero: N'ellas esfumo um ermo inquisidor severo, Assim que pela Historia eu me aventuro e alargo. “ O Inquisidor”, Diogo de Macedo www.ci.uc.pt/artes
  • 29. Na parte que abateu no terremoto, Muram-se as construcções rectas, eguaes, crescidas;
  • 30.
  • 31.  
  • 32. Ruínas do Convento do Carmo em Lisboa
  • 33. A Lisboa anterior ao terramoto é descrita nos textos da época como caótica, com ruas e becos que não obedeciam a qualquer plano prévio. Descreviam-na ainda como nojenta, as bacias com dejectos eram despejadas no Tejo, e contava-se que estava sempre a ser fustigada por incêndios.
  • 34. Planta do centro da cidade de Lisboa antes do terramoto de 1755 com os projectos dos novos arruamentos sobrepostos Eugénio dos Santos e Carlos Mardel, (circa 1760)
  • 35. Affrontam-me, no resto, as ingremes subidas, E os sinos d'um tanger monastico e devoto.
  • 36. Inauguração do Largo de Camões em 1867 Mas, n'um recinto publico e vulgar, Com bancos de namoro e exiguas pimenteiras, Bronzeo, monumental, de proporções guerreiras, Um épico d'outr'ora ascende, n'um pilar!
  • 37.  
  • 38. Largo de Camões, 1902 Largo de Camões, 1900
  • 39. E eu sonho o Colera, imagina a Febre, N'esta accumulação de corpos enfezados; Sombrios e espectraes recolhem os soldados; Inflamma-se um palacio em face de um casebre. Death's Dispensary [Dispensário da Morte]; gravura de George John Pinwell, publicada numa revista inglesa, durante a epidemia de cólera de 1866. Representação da febre amarela
  • 40. Partem patrulhas de cavallaria Dos arcos dos quarteis que foram já conventos; Edade-média! A pé, outras, a passos lentos, Derramam-se por toda a capital, que esfria.
  • 41.
  • 42. Convento do Carmo no século XIX
  • 43. Triste cidade! Eu temo que me avives Uma paixão defunta! Aos lampeões distantes, Enlutam-me, alvejando, as tuas elegantes, Curvadas a sorrir ás montras dos ourives.
  • 44.  
  • 45.  
  • 46. Costureiras trabalhando, 1884, origem desconhecida, Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto E mais: as costureiras, as floristas Descem dos magasins, causam-me sobresaltos; Custa-lhes a elevar os seus pescoços altos E muitas d'ellas são comparsas ou coristas.
  • 47.  
  • 48. Edgar Degas (1834-1917), As Engomadeiras
  • 49. E eu, de luneta de uma lente só, Eu acho sempre assumpto a quadros revoltados:
  • 50. Entro na brasserie; ás mesas de emigrados, Ao riso e á crua luz joga-se o dominó.
  • 52. E saio. A noite peza, esmaga. Nos Passeios de lagedo arrastam-se as impuras. Ó molles hospitaes! Sae das embocaduras Um sopro que arripia os hombros quasi nús.
  • 53. Passeio de lajedo, século XIX
  • 54. «as impuras» prostituição no século XIX
  • 55. José Malhoa, p intura a óleo sobre tela, Museu de José Malhoa das Caldas da Rainha.
  • 56. Cercam-me as lojas, tépidas. Eu penso Ver cirios lateraes, ver filas de capellas, Com santos e fieis, andores, ramos, velas, Em uma cathedral de um comprimento immenso.
  • 57. As burguezinhas do Catholocismo Resvalam pelo chão minado pelos canos; E lembram-me, ao chorar doente dos pianos, As freiras que os jejuns matavam de hysterismo.
  • 58.  
  • 59. N'um cutileiro, de avental, ao torno, Um forjador maneja um malho, rubramente; E de uma padaria exhala-se, inda quente, Um cheiro salutar e honesto a pão no forno. Padaria Independente Lisboa, Fábrica da Bempostinha 1º quartel do século XIX Faiança policroma Proveniente do revestimento parietal da padaria Independente, Rua da Graça, nº 80
  • 60. E eu que medito um livro que exarcebe, Quizera que o real e a analyse m'o dessem; Casas de confecções e modas resplandecem; Pelas vitrines ólha um ratoneiro imberbe.
  • 61. Longas descidas! Não poder pintar Com versos magistraes, salubres e sinceros, A esguia diffusão dos vossos reverberos, E a vossa pallidez romantica e lunar!
  • 62. Que grande cobra, a lubrica pessoa, Que espartilhada escolhe uns chales com debuxo! Sua excellencia attráe, magnetica, entre luxo, Que ao longo dos balcões de mogno se amontoa.
  • 63.  
  • 64. E aquella velha, de bandós! Por vezes, A sua traîne imita um leque antigo, aberto, Nas barras verticaes, a duas tintas. Perto, Escarvam, á victoria, os seus mecklemburguezes.
  • 65. Desdobram-se tecidos estrangeiros; Plantas ornamentaes seccam nos mostradores; Flócos de pós de arroz pairam suffocadores, E em nuvems de setins requebram-se os caixeiros,
  • 66. Mas tudo cança! Apagam-se nas frentes Os candelabros, como estrellas, pouco a pouco; Da solidão regouga um cauteleiro rouco; Tornam-se mausoléos as armações fulgentes.
  • 67. «Dó da miseria!... Compaixão de mim!...» E, nas esquinas, calvo, eterno, sem repouso, Pede-me sempre esmola um homemzinho idoso, Meu velho professor nas aulas de latim!
  • 68. Por baixo, que portões! Que arruamentos! Um parafuso cáe nas lages, ás escuras: Collocam-se taipaes, rangem as fechaduras, E os olhos d'um caleche espantam-me, sangrentos.
  • 70. O tecto fundo de oxygenio, d'ar, Estende-se ao comprido, ao meio das trapeiras; Vem lagrimas de luz dos astros com olheiras, Enleva-me a chimera azul de transmigrar.
  • 71. Por baixo, que portões! Que arruamentos! Um parafuso cáe nas lages, ás escuras: Collocam-se taipaes, rangem as fechaduras, E os olhos d'um caleche espantam-me, sangrentos.
  • 72. E eu sigo, como as linhas de uma pauta A dupla correnteza augusta das fachadas;
  • 73. Pois sobem, no silencio, infaustas e trinadas, As notas pastoris de uma longiqua flauta.
  • 74. Poppies Blooming (1873), Claude Monet, Musée d’Orsay, Paris
  • 75. Se eu não morresse, nunca! E eternamente Buscasse e conseguisse a perfeição das cousas!
  • 76. Esqueço-me a prever castissimas esposas, Que aninhem em mansões de vidro transparente!
  • 77. José Ferraz de Almeida Júnior (Brasil, 1850-1899), óleo sobre tela
  • 78. Ó nossos filhos! Que de sonhos ageis, Pousando, vos trarão a nitidez ás vidas!
  • 79. Gustav Klimt (Viena, 1862-1918). Cf. ideal da femme fragile . Eu quero as vossas mães e irmãs estremecidas, N'umas habitações translucidas e frageis.
  • 80.
  • 81. Ah! Como a raça ruiva do porvir, E as frótas dos avós, e os nómadas ardentes, Nós vamos explorar todos os continentes E pelas vastidões aquaticas seguir! “ [Trata-se do] esboço e da promessa de uns anti-Lusíadas que, como tal, igualmente e definitivamente rasuram a presença tutelar de Camões.”(David Mourão Ferreira 1995)
  • 82.  
  • 83. Mas se vivemos, os emparedados, Sem arvores, no valle escuro das muralhas!... Julgo avistar, na treva, as folhas das navalhas E os gritos de soccorro ouvir estrangulados.
  • 84. José Malhoa, Os Bêbados ou Festejando o São Martinho (1907). Pintura a óleo sobre tela, Museu de José Malhoa das Caldas da Rainha. E n'estes nebulosos corredores Nauseam-me, surgindo, os ventres das tabernas; Na volta, com saudade, e aos bordos sobre as pernas, Cantam, de braço dado, uns tristes bebedores.
  • 85. Eu não receio, todavia, os roubos; Afastam-se, a distancia, os dubios caminhantes; E sujos, sem ladrar, osseos, febris, errantes, Amarelladamente, os cães parecem lobos.
  • 86. E os guardas, que revistam as escadas, Caminham de lanterna e servem de chaveiros; Por cima, as immoraes, nos seus roupões ligeiros, Tossem, fumando sobre a pedra das sacadas.
  • 87. E, enorme, n'esta massa irregular De predios sepulchraes, com dimensões de montes, A Dôr humana busca os amplos horisontes, E tem marés, de fel, como um sinistro mar!
  • 88. Claude Monet, Roche a Belle-Ile, 1886
  • 89. Claude Monet, Impression Sunrise, 1872 oil on canvas 48x63cm, Musee Marmottan, Paris
  • 90. Imagens para «O Sentimento dum Ocidental» de Cesário Verde Burghard Baltrusch http://uvigo.academia.edu/BurghardBaltrusch