SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
SÍNTESE
Português 12.º Ano – 2011/12
A nostalgia de uma infância mítica
No caso da infância, e inegável que Pessoa dela sentia uma grande saudade, mas trata-se de uma
saudade, de uma nostalgia imaginada intelectualmente trabalhada e literariamente sentida como
"um sabor de infância triste". O poeta afirma, igualmente, numa carta a JOÃO Gaspar Simões de 11
de dezembro de 1931, que a saudade é atitude literária símbolo de pureza, inconsciência, sonho,
paraíso perdido.
No entanto, não podemos deixar de reconhecer que o tom de lamento que perpassa nalguns dos seus
poemas resulta do constante confronto com a criança que outrora foi, numa Lisboa sonhada, mas ao
mesmo tempo real porque familiar, palco dos primeiros cinco anos da sua vida, marcados pela forte
relação afetiva com a mãe.
Insatisfeito com o presente e incapaz de o viver em plenitude, Pessoa refugia-se numa infância,
regra geral, desprovida de experiencia biográfica e submetida a um processo de intelectualização.
Os poemas que ilustram este fascínio pela infância são:
"Quando as crianças brincam" - A evocação da infância surge como motivo de criação poética:
 O real (a brincadeira das crianças) como pretexto para uma reflexão introspetiva - "Quando
as crianças brincam / E eu as oiço brincar";
 Infância como um Tempo onírico - "E toda aquela infância / Que não tive me vem”;
 A identificação da infância como um tempo de felicidade apenas pressentida;
 a articulação passado / presente / futuro: o jogo dos tempos verbais -"fui"; "serei"; "sou";
 a permanência da dualidade pensar / sentir - "Quem sou ao menos sinta / Isto no coração".
Pobre velha musical" - O ouvir da "Pobre velha musical" faz convergir o passado e o presente:
 o presente marcado pela nostalgia do passado - "Enche-se de lágrimas / meuolhar parado.";
 a perceção de dois modos de ouvir - "Recordo outro ouvir-te.";
 o desejo violento de recuperar o passado - "Com que ânsia tão raiva / Quero aquele
outrora!";
 a permanente incapacidade de ser feliz - "E eu era feliz? Não sei: I Fui-o outrora agora" -
sublinhada pelo oximoro.
"O menino da sua mãe" - 0 sujeito poético parte da imagem de um soldado morto e abandonado
no campo de batalha para exprimir o dramatismo de uma vivência familiar:
 o contraste entre as expectativas da mãe e da criada velha e a realidade;
 a precocidade da morte;
 a intemporalidade da situação dramática evocada;
 a fugacidade dos momentos de felicidade.
"Não sei, ama, onde era," - O sujeito poético evoca o universo simbólico dos contos infantis, dos
reis e das princesas para, a partir dele, expressar a saudade de um tempo de felicidade:
 a simbologia do tempo e do espaço referidos - "Sei que era primavera IEo jardim do rei...";
 a estrutura dramática e o desdobramento do sujeito poético presente no dialogo entre um
""eu" feminino e a ama;
 os lamentos presentes no discurso parentético das quatro primeiras estrofes, reveladores da
dor de crescer e pensar - "(Filha, os sonhos são dores...)" e da inevitabilidade da morte -
"(Filha, o resto é morrer...)";
 a dor de pensar – “Penso e fico a chorar”
Pobre velha música!
Não sei porque agrado,
Enche-se de lágrimas
Meu olhar parado.
Recordo outro ouvir-te.
Não sei se te ouvi
Nessa minha infância
Que me lembra em ti.
Com que ânsia tão raiva
Quero aquele outrora!
E eu era feliz? Não sei:
Fui-o outrora agora.
Inicialmente Pessoa introduz-nos ao tema do poema,
lembrando a "velha música", provavelmente tocada
pela sua mãe na sua infância, talvez ainda antes de
sair de Lisboa para Durban. A lembrança, embora
seja talvez de um período feliz, traz-lhe uma grande
tristeza, porque está associada a uma idade perdida,
que nunca mais regressará. O início do poema traduz
também o uso de duas figuras de estilo,
personificação e hipérbole (a "pobre e velha
música"). A parte final do poema parece conter uma
anástrofe: troca da ordem das palavras, quando
normalmente se diria "o meu olhar parado enche-se
de lágrimas".
Pessoa, ao recordar, no entanto, sente uma
estranheza comum. O facto é que é ele que sente,
mas quem na realidade sentiu verdadeiramente o
sentido da música foi ele mas numa outra idade. A
lembrança é como se fosse uma experiência em
segunda mão, que só pode ser estranha à verdade do
que se sente. O "outro" era ele enquanto criança, e
ele recorda-se dele próprio enquanto criança a ouvir
a música. Há aqui, mesmo que de maneira menos
óbvia, uma antítese entre passado e presente.
Pessoa deseja o regresso ao passado, mas sabe esse
regresso impossível. Mas simultaneamente ele tem
consciencia que mesmo que conseguisse regressar
não conseguiria ser feliz agora. O seu desejo
projecta-se num plano temporal impossível de
realizar: ele ser criança então, mas adulto agora, ao
mesmo tempo. O paradoxo é explicíto quando ele diz:
"fui-o outrora agora”.
Não sei, ama, onde era,
Nunca o saberei...
Sei que era Primavera
E o jardim do rei...
(Filha, quem o soubera!...).
Que azul tão azul tinha
Ali o azul do céu!
Se eu não era a rainha,
Porque era tudo meu?
(Filha, quem o adivinha?).
E o jardim tinha flores
De que não me sei lembrar...
Flores de tantas cores...
Penso e fico a chorar...
(Filha, os sonhos são dores...).
Qualquer dia viria
Qualquer coisa a fazer
Toda aquela alegria
Mais alegria nascer
(Filha, o resto é morrer...).
Conta-me contos, ama...
Todos os contos são
Esse dia, e jardim e a dama
Que eu fui nessa solidão...
Trata-se de um diálogo entre uma senhora
nobre (uma princesa?) e a sua ama. Claro
que é um diálogo imaginado, e quase se
diria que um diálogo influenciado pelo
então recém-falecido amigo Mário de
Sá-Carneiro (falecera em Abril de 1916, em
Paris). Tanto Sá-Carneiro como Pessoa
guardavam imagens das suas amas.
Veja-se por exemplo a seguinte
passagem:
"Tenho frio de mais. Estou tão cansado no
meu abandono. Vai buscar, O Vento, a
minha Mãe. Leva-me na Noite para a casa
que não conheci... Torna a dar- me ó
Silêncio imenso, a minha ama e o meu
berço e a minha canção com que dormia..."

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Telma Carvalho
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
Sofia_Afonso
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 

Mais procurados (20)

Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O das Quinas"
 
Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetual
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 

Semelhante a A nostalgia da infância

Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
estado
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 4
Apresentação para décimo segundo ano, aula 4Apresentação para décimo segundo ano, aula 4
Apresentação para décimo segundo ano, aula 4
luisprista
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda LaraDe Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
catiasgs
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
Diogo Tavares
 
PrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda LaraPrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda Lara
catiasgs
 

Semelhante a A nostalgia da infância (20)

Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Gato que brincas na rua
Gato que brincas na ruaGato que brincas na rua
Gato que brincas na rua
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 42
 
Pessoa ortónimo o enigma do ser
Pessoa ortónimo   o enigma do serPessoa ortónimo   o enigma do ser
Pessoa ortónimo o enigma do ser
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 4
Apresentação para décimo segundo ano, aula 4Apresentação para décimo segundo ano, aula 4
Apresentação para décimo segundo ano, aula 4
 
Álvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª FaseÁlvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª Fase
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda LaraDe Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
 
Fanzine AMEOPOEMA Edição 063
Fanzine AMEOPOEMA Edição 063Fanzine AMEOPOEMA Edição 063
Fanzine AMEOPOEMA Edição 063
 
Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Poemas e poesias a poesia tem tudo a ver com tudo
Poemas e poesias a poesia tem tudo a ver com tudoPoemas e poesias a poesia tem tudo a ver com tudo
Poemas e poesias a poesia tem tudo a ver com tudo
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaré
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
 
Mário Quintana
Mário QuintanaMário Quintana
Mário Quintana
 
PrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda LaraPrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda Lara
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

A nostalgia da infância

  • 1. SÍNTESE Português 12.º Ano – 2011/12 A nostalgia de uma infância mítica No caso da infância, e inegável que Pessoa dela sentia uma grande saudade, mas trata-se de uma saudade, de uma nostalgia imaginada intelectualmente trabalhada e literariamente sentida como "um sabor de infância triste". O poeta afirma, igualmente, numa carta a JOÃO Gaspar Simões de 11 de dezembro de 1931, que a saudade é atitude literária símbolo de pureza, inconsciência, sonho, paraíso perdido. No entanto, não podemos deixar de reconhecer que o tom de lamento que perpassa nalguns dos seus poemas resulta do constante confronto com a criança que outrora foi, numa Lisboa sonhada, mas ao mesmo tempo real porque familiar, palco dos primeiros cinco anos da sua vida, marcados pela forte relação afetiva com a mãe. Insatisfeito com o presente e incapaz de o viver em plenitude, Pessoa refugia-se numa infância, regra geral, desprovida de experiencia biográfica e submetida a um processo de intelectualização. Os poemas que ilustram este fascínio pela infância são: "Quando as crianças brincam" - A evocação da infância surge como motivo de criação poética:  O real (a brincadeira das crianças) como pretexto para uma reflexão introspetiva - "Quando as crianças brincam / E eu as oiço brincar";  Infância como um Tempo onírico - "E toda aquela infância / Que não tive me vem”;  A identificação da infância como um tempo de felicidade apenas pressentida;  a articulação passado / presente / futuro: o jogo dos tempos verbais -"fui"; "serei"; "sou";  a permanência da dualidade pensar / sentir - "Quem sou ao menos sinta / Isto no coração". Pobre velha musical" - O ouvir da "Pobre velha musical" faz convergir o passado e o presente:  o presente marcado pela nostalgia do passado - "Enche-se de lágrimas / meuolhar parado.";  a perceção de dois modos de ouvir - "Recordo outro ouvir-te.";  o desejo violento de recuperar o passado - "Com que ânsia tão raiva / Quero aquele outrora!";  a permanente incapacidade de ser feliz - "E eu era feliz? Não sei: I Fui-o outrora agora" - sublinhada pelo oximoro. "O menino da sua mãe" - 0 sujeito poético parte da imagem de um soldado morto e abandonado no campo de batalha para exprimir o dramatismo de uma vivência familiar:  o contraste entre as expectativas da mãe e da criada velha e a realidade;  a precocidade da morte;  a intemporalidade da situação dramática evocada;  a fugacidade dos momentos de felicidade. "Não sei, ama, onde era," - O sujeito poético evoca o universo simbólico dos contos infantis, dos reis e das princesas para, a partir dele, expressar a saudade de um tempo de felicidade:  a simbologia do tempo e do espaço referidos - "Sei que era primavera IEo jardim do rei...";  a estrutura dramática e o desdobramento do sujeito poético presente no dialogo entre um ""eu" feminino e a ama;  os lamentos presentes no discurso parentético das quatro primeiras estrofes, reveladores da dor de crescer e pensar - "(Filha, os sonhos são dores...)" e da inevitabilidade da morte - "(Filha, o resto é morrer...)";  a dor de pensar – “Penso e fico a chorar”
  • 2. Pobre velha música! Não sei porque agrado, Enche-se de lágrimas Meu olhar parado. Recordo outro ouvir-te. Não sei se te ouvi Nessa minha infância Que me lembra em ti. Com que ânsia tão raiva Quero aquele outrora! E eu era feliz? Não sei: Fui-o outrora agora. Inicialmente Pessoa introduz-nos ao tema do poema, lembrando a "velha música", provavelmente tocada pela sua mãe na sua infância, talvez ainda antes de sair de Lisboa para Durban. A lembrança, embora seja talvez de um período feliz, traz-lhe uma grande tristeza, porque está associada a uma idade perdida, que nunca mais regressará. O início do poema traduz também o uso de duas figuras de estilo, personificação e hipérbole (a "pobre e velha música"). A parte final do poema parece conter uma anástrofe: troca da ordem das palavras, quando normalmente se diria "o meu olhar parado enche-se de lágrimas". Pessoa, ao recordar, no entanto, sente uma estranheza comum. O facto é que é ele que sente, mas quem na realidade sentiu verdadeiramente o sentido da música foi ele mas numa outra idade. A lembrança é como se fosse uma experiência em segunda mão, que só pode ser estranha à verdade do que se sente. O "outro" era ele enquanto criança, e ele recorda-se dele próprio enquanto criança a ouvir a música. Há aqui, mesmo que de maneira menos óbvia, uma antítese entre passado e presente. Pessoa deseja o regresso ao passado, mas sabe esse regresso impossível. Mas simultaneamente ele tem consciencia que mesmo que conseguisse regressar não conseguiria ser feliz agora. O seu desejo projecta-se num plano temporal impossível de realizar: ele ser criança então, mas adulto agora, ao mesmo tempo. O paradoxo é explicíto quando ele diz: "fui-o outrora agora”. Não sei, ama, onde era, Nunca o saberei... Sei que era Primavera E o jardim do rei... (Filha, quem o soubera!...). Que azul tão azul tinha Ali o azul do céu! Se eu não era a rainha, Porque era tudo meu? (Filha, quem o adivinha?). E o jardim tinha flores De que não me sei lembrar... Flores de tantas cores... Penso e fico a chorar... (Filha, os sonhos são dores...). Qualquer dia viria Qualquer coisa a fazer Toda aquela alegria Mais alegria nascer (Filha, o resto é morrer...). Conta-me contos, ama... Todos os contos são Esse dia, e jardim e a dama Que eu fui nessa solidão... Trata-se de um diálogo entre uma senhora nobre (uma princesa?) e a sua ama. Claro que é um diálogo imaginado, e quase se diria que um diálogo influenciado pelo então recém-falecido amigo Mário de Sá-Carneiro (falecera em Abril de 1916, em Paris). Tanto Sá-Carneiro como Pessoa guardavam imagens das suas amas. Veja-se por exemplo a seguinte passagem: "Tenho frio de mais. Estou tão cansado no meu abandono. Vai buscar, O Vento, a minha Mãe. Leva-me na Noite para a casa que não conheci... Torna a dar- me ó Silêncio imenso, a minha ama e o meu berço e a minha canção com que dormia..."