SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
NEUROCIÊNCIA APLICADA A EDUCAÇÃO: TENDÊNCIA OU MODISMO?
Ana Cristina Feitoza1
Resumo
Na emergência de se repensar o sistema nacional de educação com ações que contribuam
para amenizar o recorrente fracasso escolar, toda a inovação é bem-vinda. E é nesse afã
por inovações que a área de educação recorre à neurociência como uma possibilidade de
se alcançar esse objetivo por décadas perseguido por toda a classe de educadores,
coordenadores e gestores escolar. Com a ascensão da neurociência, transpondo as
fronteiras da área médica, um leque de possibilidades em formação docente tem surgido
como proposta de integração da neurociência com a educação. Muito se tem criado em
cursos e literaturas que colocam neurociência em tudo, abrindo um sem fim de neuro
“alguma coisa” com promessas de respostas a todos os questionamentos oriundos dos
educadores. Essa proposta de neurociência aplicada à educação traz um movimento
multidisciplinar onde em algumas grades ofertadas pelos cursos, mesclam-se disciplinas
similares às ministradas em pedagogia, psicologia e psicopedagogia. Essas áreas do
conhecimento sozinhas não conseguem permear todo o universo do educando; se faz
necessário uma integração entre as mesmas estendendo-se para outras como a
fonoaudiologia, a psiquiatria, a neurologia e afins, para um real entendimento do processo
de aprendizagem do educando, suas dificuldades e deficiências e quais ações tomar para
resolução dos problemas detectados. A ideia de que neurociência voltada para a educação
é a integração dessas áreas, faz com que se reduza tudo ao termo neurociência e se acabe
por utilizá-lo em várias outras áreas nos cursos de formação. Esse movimento acelerado de
incluir neurociência em tudo acaba por gerar uma certa insegurança e desconfiança quando
a essa aplicabilidade: Tendência ou Modismo?
Palavras-chave: Neurociência, educação, fracasso escolar, formação
A neurociência é uma área que até poucos anos estava relacionada
exclusivamente a área da saúde. Através de estudos, pesquisas e da própria prática do
pessoal da saúde, sentiu-se a necessidade de ampliar as áreas para essa atuação tendo em
vista o estudo do cérebro ser muito abrangente. A finalidade desse artigo é descobrir a
neurociência, à parte de suas rotulações, e pensar o cérebro para além das suas funções
físicas e orgânicas como um grande mecanismo que refere ao ser humano em todas as
áreas da sua existência: matéria, psique e espírito (alma) sem a intenção de explorar a
tríade que o compõe e buscar possibilidades nas suas contribuições para a educação, para
o educando e para o educador, fugindo do risco de um modismo que mais confunde do que
agrega com a possiblidade ainda, de descobrí-la como tendência para uma nova educação.
O trabalho do educador na aplicação do processo ensino-aprendizagem faz com
que, por vezes, ele se depare com situações de dificuldades cognitivas que estão além da
sua possibilidade de atendimento e compreensão devido a sua formação que não é
específica para esse fim. Uma ação conjunta multiáreas do conhecimento como a
pedagogia, a psicologia, a psicopedagogia, a fonoaudiologia e demais áreas afins se faz
necessária quando da intervenção para auxilio, orientação e encaminhamento desse
educando com dificuldades, a princípio, cognitivas. Diz-se a princípio porque um diagnóstico
é algo moroso e requer práticas mais específicas do que um simples parecer baseado na
impressão que o educador possa ter desse aluno. Além dessas áreas já citadas, a
1
Pedagoga/Neuropedagoga. Discente em especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela
Universidade Anhembi Morumbi - UAM. E-mail: anna.cf2008@gmail.com
necessidade de buscar mais detalhadamente a possível origem do problema cognitivo
desses educandos, trouxe a neurociência para a área de educação.
Com os diversos avanços científicos e tecnológicos, a neurociência abriu suas
fronteiras para além da área de exatas e biológicas, deixando seu contexto limitado às áreas
da neurologia, psicologia e biologia, para ampliá-lo como ferramenta para as áreas de
humanas, como exemplo, a educação.
O estudo da neurociência na educação, ou como ferramenta para a formação do
educador começa a se expandir no mundo e na américa latina de uma forma muito rápida e
abrangente criando dessa forma, um leque de possibilidades de cursos de formação com
esse fim.
A necessidade de se explicar o porquê das ações e das dificuldades humanas
transforma a neurociência num trunfo milagroso capaz de explicar todas as ações e
intenções do cérebro e por conseguinte, do educando, tornando-se assim, uma
possibilidade de ação / intervenção. Seria uma verdade incontestável se o ser humano fosse
tão previsível quanto as teorias podem supor, mas a complexidade do comportamento
humano, das suas capacidades, das suas habilidades e das deficiências o torna mais amplo
do que a própria abrangência da neurociência. Essa promessa ainda em acompanhada da
expectativa de esse conhecimento neurocientífico proporcionar inovação nas práticas de
ensino e nas metodologias utilizadas para o processo do ensino aprendizagem.
Muitos dos escritores e pesquisadores do tema neurociência x educação citam
como ponto de apoio para suas publicações, sua experiência e formação na área da saúde,
seja como psicólogo, biólogo, neurologista e atividades afins, e que tais conhecimentos
contribuíram como facilitadores para a compreensão e argumentação do uso da
neurociência na educação. Mas antes de falarmos sobre, vamos buscar a definição do que é
a Neurociência
Mas o que vem a ser neurociência?
É um termo que se refere ao estudo do cérebro de maneira ampla. Segundo a
revista Infoescola, “a neurociência investiga o funcionamento do sistema nervoso, em seu
estado normal ou patológico, principalmente os elementos anatômicos e fisiológicos do
cérebro, relacionando-os com outras disciplinas, como a teoria da informação, a semiótica, a
lingüística, e outras que se ocupam da observação das reações comportamentais, dos
mecanismos de aprendizado e aquisição do conhecimento humano.” Alguns cursos de
neurociência ligados à área da saúde, definem a que a neurociência pode se subdividir em
molecular, celular, sistêmica, comportamental e cognitiva. A neurociência cognitiva dentre os
materiais que se encontram publicados, é a neurociência que relaciona-se com a educação
e que fomenta para alguns, o termo neuroeducação ou neuropedagogia.
A divulgação desse boom que é a neurociência em nosso cotidiano, faz menção
de conclusões tais como: a interferência da emoção no processo de retenção da
informação, da necessidade da motivação para a aprendizagem, da mudança contínua do
cérebro em toda a sua existência, da consolidação da aprendizagem associada a um
conhecimento prévio, como fruto das pesquisas e investigações neurológicas da
neurociência. Contudo, os grandes teóricos da psicologia que embasaram muitas das
teorias da educação, através de estudos e experiências, muitas de forma empírica, já
trouxeram essas afirmações que são a base na formação dos educadores atuais. Questões
como emoção, motivação, atenção, a influência do meio e memória, são retratadas nas
teorias de Piaget, Vygostky, Wallon e Ausubel. Essa constatação não tem a pretensa ideia
de desqualificar a neurociência, o que seria um ato insano, mas o de alertar e questionar se
realmente estamos fazendo bom uso e divulgação da neurociência em prol da educação.
A inovação da educação com o uso da neurociência tem sido mostrada como uma
ferramenta que auxilia no “aprender a aprender”, mas essa teoria também é do Vygostky.
Essa fase de estruturação da neurociência e da descoberta da sua real
aplicação tem usurpado de várias áreas do conhecimento, como a pedagogia, a
psicopedagogia e a psicologia entre as principais, que até os cursos ofertados se perdem
nas suas grades e trazem como propostas inovadoras ações já praticadas nas áreas
existentes. O diagnóstico e as intervenções para os problemas de aprendizagem tratados
pela psicopedagogia; os atendimentos às questões psíquicas e emocionais atendidas pela
psicologia e as didáticas aplicáveis para o aprender de forma significativa, já faz parte do
cotidianos desses profissionais. A preocupação de se esclarecer essas informações é que
nessa demanda em que tudo é neurociência têm-se agido como se ela fosse uma fórmula
mágica capaz de resolver todas as mazelas da educação atual, ou, indo mais longe,
reduzindo o ser humano a uma fração biológica e explicável onde fórmulas bem definidas
resolverão todo o problema da aprendizagem e do ser em seu todo. Não podemos esquecer
que a neurociência refere-se a estudos e pesquisas relacionadas ao cérebro que podem ser
mapeado, estudado e referenciado dentro de critérios pré-estabelecidos, contudo, o ser
humano tem o outro lado, a psiqué, que embora tenha uma ação direta no cérebro, pela sua
subjetividade, não pode ser mapeada e reduzida a um único critério, e esse é o maior
desafio da ciência.
A utilização da neurociência na formação dos educadores, segundo Ramon M.
Cosenza, médico, doutor em ciências e professor do Instituto de Ciências Biológicas da
Universidade Federal e Minas Gerais em seu livro “Como o Cérebro Aprende”, é um urgente
desafio para a área pois “a formação fundamentalmente humanística da maioria dos
educadores no brasil, é essencial para a compreensão da educação mas insuficiente para o
atendimento da demanda da aprendizagem para a vida e sociedade neste milênio. (...) O
progresso do conhecimento neste milênio só será possível a partir de uma perspectiva
transdisciplinar onde as diversas áreas do conhecimento utilizarão seus pressupostos para
avançar em direção a um conhecimento novo.” Cosenza afirma que nesse enfoque o
aproveitamento da neurociência na educação poderia ser como uma ferramenta na
abordagem das dificuldades escolares e nas suas intervenções corretivas.
Em uma entrevista para a revista Galileo o intelectual britânico Raymmond Tallis
afirma que “Neurociência para tudo é bobagem” e utiliza o termo de “neuromania” para
definir a tendência de achar que tudo que somos deve-se ao cérebro e que neuroatividade é
o mesmo que nossa consciência. Ele fala dos riscos da volta da ideia de se formular leis e
conceitos éticos baseados nas teorias científicas criadas a partir do cérebro; uma forma de
alienação utilizada pelos nazistas. Prova dessa possivel “neuromania” é encontrarmos
ofertas de cursos de neurociências para marketing, moda, administração, computação,
direito e uma diversidade de outras áreas que trazem o termo como diferencial, sendo este
diferencial a estimulação do cérebro, preparação de conteúdos que foquem as áreas, mas,
de forma aprimorada pelo estudo do cérebro. Essas ofertas fomentam a declaração dada
acima por Raymmond Tallis.
Vale observar que essa miscelânea de cursos oferecidos trazem outra confusão
quanto a titulação de seus ingressantes que entram com expectativas de se formar
neuropedagogos, neurocientistas, neuroeducadores e afins, e nem todos os cursos formam
neuros; a maioria forma especialista em neurociência “para algo”
Uma curiosidade é que nas inovações trazidas pela neurociência na educação encontram-
se publicações que tratam da cognição por gênero se utilizando da neurociência como base
para compreender as diferenças biológicas e psíquicas entre meninas e meninos
acreditando-se que, com esse conhecimento seja possível regular a prática do ensino com
as necessidades específicas de cada um, que trata de dois assuntos emergentes em nossa
sociedade (gênero e neurociência) e sugere ainda que, a partir do conhecimento do cérebro,
o educador consiga repensar suas atividades e sua didática para com esses alunos.
A tendência da neurociência como um instrumento no universo da educação, se superado
esse modismo onde tudo é neurociência por menor o sentido que faça a sua associação
com o tema eleito, abrirá oportunidades para estudos em que se possa comparar
neurocientificamente alunos em condições diferentes de aprendizagem para uma
abordagem mais assertiva no seu processo de ensino-aprendizagem. Deixo a indagação de
qual a possível abordagem dos cursos de formação em Neurociência direcionados à
educação, sem mitificar a neurociência como a solução para resolver de vez o problema do
fracasso escolar; sem que invada outras áreas do conhecimento como por exemplo a
psicopedagogia e a psicologia; e sem que educadores com sua formação direcionada para
os aspectos cognitivos saiam por ai querendo “clinicar” como neuro “alguma coisa”. É fato
que ter conhecimento de neurociência é de grande valia para o entendimento de quem é
este educando e para a compreensão do seu processo cognitivo, mas há de se considerar
que o biológico (cérebro) também se constrói da vivência social e que, mais do que usar as
nomenclaturas partes do cérebro (como lobos, cerebelo e afins) para explanar uma
situação, precisamos entender e usufruir desta área como grande aliada para práticas
docentes mais assertivas e que antes de qualquer outra intenção colabore efetivamente
para o desenvolvimento sócio-psicoemocional e cognitivo do educando proporcionando
desta forma uma aprendizagem real e significativa. Permanece a lacuna sobre a relação
cérebro mente; até onde os estudos neurocientíficos conseguem explicar e comprovar a
psiqué humana e se essa tendência realmente não é uma moda que como tantas outras que
intuíram revolucionar a área de educação, passaram, deixando uma lacuna com mais
perguntas que respostas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COZENZA, Ramon Moreira; GUERRA, Leonor B. Neurociência e Educação. Ano 1. Editora
Artmed. São Paulo, 2011
RELVAS, Marta Pires. Neurociência e Educação: Potencialidades dos Gêneros Humanos na
Sala de Aula. 2º edição. Editora WAK. São Paulo. 2010
GUERRA, Leonor Bezerra. ‘Como as Neurociências contribuem para a formação escolar?,
Revista FGR em revista, Edição 05, Ano 4, 6-9, Outubro/2010. Disponível em
http://www.fgr.org.br/site/revistas/revista_5edicao.pdf
TALLIS RAYMMOND. “Neurociência para tudo é bobagem”. Revista Galileo Eletrônica.
Disponível em http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI272312-17770,00-
NEUROCIENCIA+PARA+TUDO+E+BOBAGEM.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Arivaldom
 
Relatório da sequênca didática sobre cantigas de roda
Relatório da sequênca didática sobre cantigas de rodaRelatório da sequênca didática sobre cantigas de roda
Relatório da sequênca didática sobre cantigas de rodaManuela Amancio Amancio
 
Sílvia projeto animais aquáticos-1º ano- 2011
Sílvia  projeto animais aquáticos-1º ano- 2011Sílvia  projeto animais aquáticos-1º ano- 2011
Sílvia projeto animais aquáticos-1º ano- 2011silviacerqueira1
 
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2Graça Sousa
 
Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1SimoneHelenDrumond
 
História de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de ÁguaHistória de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de Águaelisabetemfc
 
Portfólio luciana andrade
Portfólio luciana andradePortfólio luciana andrade
Portfólio luciana andradefamiliaestagio
 
Dança da Serpente
 Dança da Serpente Dança da Serpente
Dança da SerpentePathy Leo
 
Leilão de jardim - Cecilia Meireles
Leilão de jardim - Cecilia MeirelesLeilão de jardim - Cecilia Meireles
Leilão de jardim - Cecilia MeirelesCamila Araújo
 
Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...
Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...
Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...Claudia Martins
 
Combate ao-bullying-escolar
Combate ao-bullying-escolarCombate ao-bullying-escolar
Combate ao-bullying-escolarcarolrezende02
 
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013Helena de Brum
 
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/ROPROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/ROPenha Kiffer
 
PASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsx
PASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsxPASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsx
PASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsxJoiceArajo6
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProfessora Cida
 

Mais procurados (20)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Relatório da sequênca didática sobre cantigas de roda
Relatório da sequênca didática sobre cantigas de rodaRelatório da sequênca didática sobre cantigas de roda
Relatório da sequênca didática sobre cantigas de roda
 
Sistematização Dia Internacional da Mulher
Sistematização Dia Internacional da MulherSistematização Dia Internacional da Mulher
Sistematização Dia Internacional da Mulher
 
Maleta+de+leitura
Maleta+de+leituraMaleta+de+leitura
Maleta+de+leitura
 
Sílvia projeto animais aquáticos-1º ano- 2011
Sílvia  projeto animais aquáticos-1º ano- 2011Sílvia  projeto animais aquáticos-1º ano- 2011
Sílvia projeto animais aquáticos-1º ano- 2011
 
História A caixa maluca
História A caixa malucaHistória A caixa maluca
História A caixa maluca
 
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
 
Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1Apostila quem canta seus males espanta vol1
Apostila quem canta seus males espanta vol1
 
História de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de ÁguaHistória de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de Água
 
Portfólio luciana andrade
Portfólio luciana andradePortfólio luciana andrade
Portfólio luciana andrade
 
Dança da Serpente
 Dança da Serpente Dança da Serpente
Dança da Serpente
 
Leilão de jardim - Cecilia Meireles
Leilão de jardim - Cecilia MeirelesLeilão de jardim - Cecilia Meireles
Leilão de jardim - Cecilia Meireles
 
Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...
Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...
Ok projeto multidisciplinar releituras do livro as três partes aprenda as for...
 
Combate ao-bullying-escolar
Combate ao-bullying-escolarCombate ao-bullying-escolar
Combate ao-bullying-escolar
 
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
 
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/ROPROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
 
PASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsx
PASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsxPASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsx
PASSA OU REPASSA 1º ANO.ppsx
 
Como fosse dinheiro
Como fosse dinheiroComo fosse dinheiro
Como fosse dinheiro
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardim
 
Projeto fabulas
Projeto fabulasProjeto fabulas
Projeto fabulas
 

Semelhante a Neurociência Aplicada à Educação: Modismo ou Tendência?

Neurociências em benefício da educação! neuropsicopedagogia clínica
Neurociências em benefício da educação!  neuropsicopedagogia clínicaNeurociências em benefício da educação!  neuropsicopedagogia clínica
Neurociências em benefício da educação! neuropsicopedagogia clínicaAndre Silva
 
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdfPRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdfDemirOliveira
 
A NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdf
A NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdfA NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdf
A NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdfakixeroxserviosoline
 
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.Renata de Moura Guedes
 
Ufrgs neurociências na formação básica do professor
Ufrgs neurociências na formação básica do professorUfrgs neurociências na formação básica do professor
Ufrgs neurociências na formação básica do professorAna Lúcia Hennemann
 
96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacaosimonevilas
 
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaFundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaInstituto Consciência GO
 
Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...
Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...
Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...RenataDias766070
 
Fundamentos da Psicopedagogia
Fundamentos da PsicopedagogiaFundamentos da Psicopedagogia
Fundamentos da Psicopedagogiapsicologiainside
 
Psicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicosPsicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicosLeide Antonino
 
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...GELCINEIA POLIZELLO
 
Psicologias[1]
Psicologias[1]Psicologias[1]
Psicologias[1]Rildo45
 

Semelhante a Neurociência Aplicada à Educação: Modismo ou Tendência? (20)

Neurociências em benefício da educação! neuropsicopedagogia clínica
Neurociências em benefício da educação!  neuropsicopedagogia clínicaNeurociências em benefício da educação!  neuropsicopedagogia clínica
Neurociências em benefício da educação! neuropsicopedagogia clínica
 
Neuropsicopedagogia clínica
Neuropsicopedagogia clínicaNeuropsicopedagogia clínica
Neuropsicopedagogia clínica
 
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdfPRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
PRÁTICAS INTERVERTIVAS NA NEUROPSICOPEDAGOGIA.PDF.pdf
 
A NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdf
A NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdfA NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdf
A NEUROCIENCIA APLICADA AO ENSINO DE HISTÓRIA.pdf
 
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.
 
Ufrgs neurociências na formação básica do professor
Ufrgs neurociências na formação básica do professorUfrgs neurociências na formação básica do professor
Ufrgs neurociências na formação básica do professor
 
96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao96069702 neurociencias-neuroeducacao
96069702 neurociencias-neuroeducacao
 
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaFundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
 
Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...
Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...
Psicomotricidade no contexto da neuroaprendizagem: contribuições à ação psico...
 
Pal006
Pal006Pal006
Pal006
 
Presentación ppt tac1
Presentación ppt tac1Presentación ppt tac1
Presentación ppt tac1
 
Monografia neuropedagogia of.doc
Monografia neuropedagogia of.docMonografia neuropedagogia of.doc
Monografia neuropedagogia of.doc
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Fundamentos da Psicopedagogia
Fundamentos da PsicopedagogiaFundamentos da Psicopedagogia
Fundamentos da Psicopedagogia
 
Fundamentos da Psicopedagogia
Fundamentos da PsicopedagogiaFundamentos da Psicopedagogia
Fundamentos da Psicopedagogia
 
Psicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicosPsicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicos
 
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
O planejamento de uma intervenção psicopedagógica para a melhoria das dificul...
 
Neurociencia e a
Neurociencia e aNeurociencia e a
Neurociencia e a
 
Psicologias[1]
Psicologias[1]Psicologias[1]
Psicologias[1]
 
Textos sobre neurociência
Textos sobre neurociênciaTextos sobre neurociência
Textos sobre neurociência
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 

Neurociência Aplicada à Educação: Modismo ou Tendência?

  • 1. NEUROCIÊNCIA APLICADA A EDUCAÇÃO: TENDÊNCIA OU MODISMO? Ana Cristina Feitoza1 Resumo Na emergência de se repensar o sistema nacional de educação com ações que contribuam para amenizar o recorrente fracasso escolar, toda a inovação é bem-vinda. E é nesse afã por inovações que a área de educação recorre à neurociência como uma possibilidade de se alcançar esse objetivo por décadas perseguido por toda a classe de educadores, coordenadores e gestores escolar. Com a ascensão da neurociência, transpondo as fronteiras da área médica, um leque de possibilidades em formação docente tem surgido como proposta de integração da neurociência com a educação. Muito se tem criado em cursos e literaturas que colocam neurociência em tudo, abrindo um sem fim de neuro “alguma coisa” com promessas de respostas a todos os questionamentos oriundos dos educadores. Essa proposta de neurociência aplicada à educação traz um movimento multidisciplinar onde em algumas grades ofertadas pelos cursos, mesclam-se disciplinas similares às ministradas em pedagogia, psicologia e psicopedagogia. Essas áreas do conhecimento sozinhas não conseguem permear todo o universo do educando; se faz necessário uma integração entre as mesmas estendendo-se para outras como a fonoaudiologia, a psiquiatria, a neurologia e afins, para um real entendimento do processo de aprendizagem do educando, suas dificuldades e deficiências e quais ações tomar para resolução dos problemas detectados. A ideia de que neurociência voltada para a educação é a integração dessas áreas, faz com que se reduza tudo ao termo neurociência e se acabe por utilizá-lo em várias outras áreas nos cursos de formação. Esse movimento acelerado de incluir neurociência em tudo acaba por gerar uma certa insegurança e desconfiança quando a essa aplicabilidade: Tendência ou Modismo? Palavras-chave: Neurociência, educação, fracasso escolar, formação A neurociência é uma área que até poucos anos estava relacionada exclusivamente a área da saúde. Através de estudos, pesquisas e da própria prática do pessoal da saúde, sentiu-se a necessidade de ampliar as áreas para essa atuação tendo em vista o estudo do cérebro ser muito abrangente. A finalidade desse artigo é descobrir a neurociência, à parte de suas rotulações, e pensar o cérebro para além das suas funções físicas e orgânicas como um grande mecanismo que refere ao ser humano em todas as áreas da sua existência: matéria, psique e espírito (alma) sem a intenção de explorar a tríade que o compõe e buscar possibilidades nas suas contribuições para a educação, para o educando e para o educador, fugindo do risco de um modismo que mais confunde do que agrega com a possiblidade ainda, de descobrí-la como tendência para uma nova educação. O trabalho do educador na aplicação do processo ensino-aprendizagem faz com que, por vezes, ele se depare com situações de dificuldades cognitivas que estão além da sua possibilidade de atendimento e compreensão devido a sua formação que não é específica para esse fim. Uma ação conjunta multiáreas do conhecimento como a pedagogia, a psicologia, a psicopedagogia, a fonoaudiologia e demais áreas afins se faz necessária quando da intervenção para auxilio, orientação e encaminhamento desse educando com dificuldades, a princípio, cognitivas. Diz-se a princípio porque um diagnóstico é algo moroso e requer práticas mais específicas do que um simples parecer baseado na impressão que o educador possa ter desse aluno. Além dessas áreas já citadas, a 1 Pedagoga/Neuropedagoga. Discente em especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Anhembi Morumbi - UAM. E-mail: anna.cf2008@gmail.com
  • 2. necessidade de buscar mais detalhadamente a possível origem do problema cognitivo desses educandos, trouxe a neurociência para a área de educação. Com os diversos avanços científicos e tecnológicos, a neurociência abriu suas fronteiras para além da área de exatas e biológicas, deixando seu contexto limitado às áreas da neurologia, psicologia e biologia, para ampliá-lo como ferramenta para as áreas de humanas, como exemplo, a educação. O estudo da neurociência na educação, ou como ferramenta para a formação do educador começa a se expandir no mundo e na américa latina de uma forma muito rápida e abrangente criando dessa forma, um leque de possibilidades de cursos de formação com esse fim. A necessidade de se explicar o porquê das ações e das dificuldades humanas transforma a neurociência num trunfo milagroso capaz de explicar todas as ações e intenções do cérebro e por conseguinte, do educando, tornando-se assim, uma possibilidade de ação / intervenção. Seria uma verdade incontestável se o ser humano fosse tão previsível quanto as teorias podem supor, mas a complexidade do comportamento humano, das suas capacidades, das suas habilidades e das deficiências o torna mais amplo do que a própria abrangência da neurociência. Essa promessa ainda em acompanhada da expectativa de esse conhecimento neurocientífico proporcionar inovação nas práticas de ensino e nas metodologias utilizadas para o processo do ensino aprendizagem. Muitos dos escritores e pesquisadores do tema neurociência x educação citam como ponto de apoio para suas publicações, sua experiência e formação na área da saúde, seja como psicólogo, biólogo, neurologista e atividades afins, e que tais conhecimentos contribuíram como facilitadores para a compreensão e argumentação do uso da neurociência na educação. Mas antes de falarmos sobre, vamos buscar a definição do que é a Neurociência Mas o que vem a ser neurociência? É um termo que se refere ao estudo do cérebro de maneira ampla. Segundo a revista Infoescola, “a neurociência investiga o funcionamento do sistema nervoso, em seu estado normal ou patológico, principalmente os elementos anatômicos e fisiológicos do cérebro, relacionando-os com outras disciplinas, como a teoria da informação, a semiótica, a lingüística, e outras que se ocupam da observação das reações comportamentais, dos mecanismos de aprendizado e aquisição do conhecimento humano.” Alguns cursos de neurociência ligados à área da saúde, definem a que a neurociência pode se subdividir em molecular, celular, sistêmica, comportamental e cognitiva. A neurociência cognitiva dentre os materiais que se encontram publicados, é a neurociência que relaciona-se com a educação e que fomenta para alguns, o termo neuroeducação ou neuropedagogia. A divulgação desse boom que é a neurociência em nosso cotidiano, faz menção de conclusões tais como: a interferência da emoção no processo de retenção da informação, da necessidade da motivação para a aprendizagem, da mudança contínua do cérebro em toda a sua existência, da consolidação da aprendizagem associada a um conhecimento prévio, como fruto das pesquisas e investigações neurológicas da neurociência. Contudo, os grandes teóricos da psicologia que embasaram muitas das teorias da educação, através de estudos e experiências, muitas de forma empírica, já trouxeram essas afirmações que são a base na formação dos educadores atuais. Questões como emoção, motivação, atenção, a influência do meio e memória, são retratadas nas teorias de Piaget, Vygostky, Wallon e Ausubel. Essa constatação não tem a pretensa ideia de desqualificar a neurociência, o que seria um ato insano, mas o de alertar e questionar se realmente estamos fazendo bom uso e divulgação da neurociência em prol da educação. A inovação da educação com o uso da neurociência tem sido mostrada como uma ferramenta que auxilia no “aprender a aprender”, mas essa teoria também é do Vygostky.
  • 3. Essa fase de estruturação da neurociência e da descoberta da sua real aplicação tem usurpado de várias áreas do conhecimento, como a pedagogia, a psicopedagogia e a psicologia entre as principais, que até os cursos ofertados se perdem nas suas grades e trazem como propostas inovadoras ações já praticadas nas áreas existentes. O diagnóstico e as intervenções para os problemas de aprendizagem tratados pela psicopedagogia; os atendimentos às questões psíquicas e emocionais atendidas pela psicologia e as didáticas aplicáveis para o aprender de forma significativa, já faz parte do cotidianos desses profissionais. A preocupação de se esclarecer essas informações é que nessa demanda em que tudo é neurociência têm-se agido como se ela fosse uma fórmula mágica capaz de resolver todas as mazelas da educação atual, ou, indo mais longe, reduzindo o ser humano a uma fração biológica e explicável onde fórmulas bem definidas resolverão todo o problema da aprendizagem e do ser em seu todo. Não podemos esquecer que a neurociência refere-se a estudos e pesquisas relacionadas ao cérebro que podem ser mapeado, estudado e referenciado dentro de critérios pré-estabelecidos, contudo, o ser humano tem o outro lado, a psiqué, que embora tenha uma ação direta no cérebro, pela sua subjetividade, não pode ser mapeada e reduzida a um único critério, e esse é o maior desafio da ciência. A utilização da neurociência na formação dos educadores, segundo Ramon M. Cosenza, médico, doutor em ciências e professor do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal e Minas Gerais em seu livro “Como o Cérebro Aprende”, é um urgente desafio para a área pois “a formação fundamentalmente humanística da maioria dos educadores no brasil, é essencial para a compreensão da educação mas insuficiente para o atendimento da demanda da aprendizagem para a vida e sociedade neste milênio. (...) O progresso do conhecimento neste milênio só será possível a partir de uma perspectiva transdisciplinar onde as diversas áreas do conhecimento utilizarão seus pressupostos para avançar em direção a um conhecimento novo.” Cosenza afirma que nesse enfoque o aproveitamento da neurociência na educação poderia ser como uma ferramenta na abordagem das dificuldades escolares e nas suas intervenções corretivas. Em uma entrevista para a revista Galileo o intelectual britânico Raymmond Tallis afirma que “Neurociência para tudo é bobagem” e utiliza o termo de “neuromania” para definir a tendência de achar que tudo que somos deve-se ao cérebro e que neuroatividade é o mesmo que nossa consciência. Ele fala dos riscos da volta da ideia de se formular leis e conceitos éticos baseados nas teorias científicas criadas a partir do cérebro; uma forma de alienação utilizada pelos nazistas. Prova dessa possivel “neuromania” é encontrarmos ofertas de cursos de neurociências para marketing, moda, administração, computação, direito e uma diversidade de outras áreas que trazem o termo como diferencial, sendo este diferencial a estimulação do cérebro, preparação de conteúdos que foquem as áreas, mas, de forma aprimorada pelo estudo do cérebro. Essas ofertas fomentam a declaração dada acima por Raymmond Tallis. Vale observar que essa miscelânea de cursos oferecidos trazem outra confusão quanto a titulação de seus ingressantes que entram com expectativas de se formar neuropedagogos, neurocientistas, neuroeducadores e afins, e nem todos os cursos formam neuros; a maioria forma especialista em neurociência “para algo” Uma curiosidade é que nas inovações trazidas pela neurociência na educação encontram- se publicações que tratam da cognição por gênero se utilizando da neurociência como base para compreender as diferenças biológicas e psíquicas entre meninas e meninos acreditando-se que, com esse conhecimento seja possível regular a prática do ensino com as necessidades específicas de cada um, que trata de dois assuntos emergentes em nossa sociedade (gênero e neurociência) e sugere ainda que, a partir do conhecimento do cérebro, o educador consiga repensar suas atividades e sua didática para com esses alunos.
  • 4. A tendência da neurociência como um instrumento no universo da educação, se superado esse modismo onde tudo é neurociência por menor o sentido que faça a sua associação com o tema eleito, abrirá oportunidades para estudos em que se possa comparar neurocientificamente alunos em condições diferentes de aprendizagem para uma abordagem mais assertiva no seu processo de ensino-aprendizagem. Deixo a indagação de qual a possível abordagem dos cursos de formação em Neurociência direcionados à educação, sem mitificar a neurociência como a solução para resolver de vez o problema do fracasso escolar; sem que invada outras áreas do conhecimento como por exemplo a psicopedagogia e a psicologia; e sem que educadores com sua formação direcionada para os aspectos cognitivos saiam por ai querendo “clinicar” como neuro “alguma coisa”. É fato que ter conhecimento de neurociência é de grande valia para o entendimento de quem é este educando e para a compreensão do seu processo cognitivo, mas há de se considerar que o biológico (cérebro) também se constrói da vivência social e que, mais do que usar as nomenclaturas partes do cérebro (como lobos, cerebelo e afins) para explanar uma situação, precisamos entender e usufruir desta área como grande aliada para práticas docentes mais assertivas e que antes de qualquer outra intenção colabore efetivamente para o desenvolvimento sócio-psicoemocional e cognitivo do educando proporcionando desta forma uma aprendizagem real e significativa. Permanece a lacuna sobre a relação cérebro mente; até onde os estudos neurocientíficos conseguem explicar e comprovar a psiqué humana e se essa tendência realmente não é uma moda que como tantas outras que intuíram revolucionar a área de educação, passaram, deixando uma lacuna com mais perguntas que respostas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COZENZA, Ramon Moreira; GUERRA, Leonor B. Neurociência e Educação. Ano 1. Editora Artmed. São Paulo, 2011 RELVAS, Marta Pires. Neurociência e Educação: Potencialidades dos Gêneros Humanos na Sala de Aula. 2º edição. Editora WAK. São Paulo. 2010 GUERRA, Leonor Bezerra. ‘Como as Neurociências contribuem para a formação escolar?, Revista FGR em revista, Edição 05, Ano 4, 6-9, Outubro/2010. Disponível em http://www.fgr.org.br/site/revistas/revista_5edicao.pdf TALLIS RAYMMOND. “Neurociência para tudo é bobagem”. Revista Galileo Eletrônica. Disponível em http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI272312-17770,00- NEUROCIENCIA+PARA+TUDO+E+BOBAGEM.html