Processamento de Grãos          Flávio A. P. SantosDepartamento de Zootecnia - ESALQ/USP        fapsanto@esalq.usp.br
Brasil: milho e sorgo        • % da MS:                       • % da MS: NRC•  mido : A                        72,0       ...
AMIDO       •  localização nos vegetais:–  endosperma dos grãos; tubérculos; raízes e caules dos vegetais
Digestão de Amido em RuminantesLocal             Produto absorvido         PerdasRúmen             AGV + Lactato       CH4...
Otimizar o uso de grãos de cereais em ruminantes               O que é otimizar??        Minimizar o teor de amido nas fez...
Principal limitação à digestão do amido ?. Presença de matrizes proteicas envolvendo o grânulo de                         ...
Principal limitação à digestão do amido ?. Presença de matrizes proteicas envolvendo o grânulo de amido       . sorgo > mi...
Principal limitação à digestão do amido ?. Presença de matrizes proteicas envolvendo o grânulo de                         ...
Vitreosidade x digestão do amido  Fonte: Correa et al. (2002)
Como romper ou quebrar a matriz proteica ?   PROCESSAMENTO DOS GRÃOS
Processamento Úmido    •  Ensilagem de grãos    •  Floculação de grãos
Processamento Úmido•  Ensilagem de grãos   •  Colheita precoce - 28-35% de umidade seguido de moagem ou      laminação e a...
Silagem de grãos úmidos•  Ácidos orgânicos•  Enzimas proteolíticas       •  Solubilização da matriz proteica
Silagem de grãos úmidos•  Teor de N solúvel:      •  Milho moído ou laminado:   10 – 15% do NT      •  Silagem de MU lamin...
Silagem de grãos úmidos•  Teor de umidade•  Tempo de ensilagem•  Tamanho de partículas
Silagem de grãos úmidos          Teor de umidade do grão x tamanho de partículas x tempo:                          MOÍDO  ...
Processamento Úmido       Floculação
Gerador              de vapor                 30-50 min. Vapor                 18% umidade do grão                 dist...
Processamento x sítios de digestão do amido de milho                                         PROCESSAMENTO DE MILHO       ...
NDT do MILHO, % (NRC,1996)
Incremento do valor energético do milho•  Zinn et al., (2002):    –  Floculação correta do grão:        •  + 15% NEm      ...
NDT do MILHO DENTADO, % (Zinn et al., 2002)
Desempenho AnimalMétodos de processamento de milho dentado
Milho moído fino x milho Laminado                         GPD                 CMS            GPD/CMSProcessamento         ...
Silagem de milho úmido x milho laminado seco – 1995-2011                          Concentrado   Variação em   Variação em ...
Floculação x Laminação a seco do milho -1995 - 2011                          Concentrado na ração,   Variação em CMS,   Va...
EUA•  Literatura norte americana - número considerável de trabalhos         Dentado ou mole                       Taurinos
BRASIL• Brasil – carência de informações         “Flint”ou duro              Zebuínos
BRASILEfeito do processamento deve ser maior no milho duro que no dentado !
Brasil                       Silagem de milho úmido x milho moído fino                           Teor de ração            ...
ESALQ
Milho Floculado    Nelore   Milho Ensilado   Milho Moído Fino   Canchim   Milho LaminadoPeres (2011)
Método de processamento x grupo genético                                         Milho                           Raça     ...
Milho Laminado     Uréia - 0,5% da MS Milho Floculado    Uréia - 1,0% da MS Milho Moído Fino   Uréia - 1,5% da MSPeres (20...
180 tourinhos Nelore               • PV inicial = 343 kg                 •  8 – 24 meses                  1               ...
Resultados -                                   processamento                                                              ...
Resultados –                 nível uréia                                       Uréia                Efeito          Variáv...
Resultados –       1,5% uréia                                           Milho               Variáveis                     ...
Milho Floculado                   Bagaço - 12% da MSMilho EnsiladoMilho Moído Fino                   Bagaço - 20% da MSMil...
192 tourinhos Nelore                  • PV inicial = 403 kg                    •  8 – 24 meses                     1      ...
Resultados -                     processamento                                    Tratamentos aVariáveis               L  ...
PROCESSAMENTO X TEOR DE AMIDO FECAL                                    Tratamentos a                           L        M ...
Resultados –                              % Bagaço de cana                                     Tratamentos aVariáveis     ...
116 tourinhos Nelore                          • PV inicial = 373 kg                            •  8 – 24 meses            ...
Milho Inteiro com 0% Bag.                             Milho Inteiro com 3% Bag.                             Milho Inteiro ...
Resultados                                                            Tratamentos                                         ...
TratamentosItem                                  MI0    MI3       MI6        MI6- OPT   F-6EL observada da ração, Mcal/kgM...
216 TOURINHOS NELORE    12% Bagaço  88% Concentrado           Milho Moído     0% PC                           25% PC      ...
TRATAMENTOS - MF   Variáveis               0PC      25PC        50PC      75PC   PVI, kg                  351      351    ...
TRATAMENTOS - MM   Variáveis                0PC      25PC        50PC      75PC   PVI, kg                  351       350  ...
MF                        MM   Variáveis               0PC            50PC       0PC           50PC   PVI, kg             ...
ESALQ: EFEITO DA FLOCULAÇÃO NA EA                                   EXPERIMENTO  Variáveis                   2        3   ...
RECEITA EXTRA COM A FLOCULAÇÃO / BOI                   MI 6%                      Custo da floculação (R$/ton)Preço do mil...
10 flavio-processamento de grãos - 24-04-12
10 flavio-processamento de grãos - 24-04-12
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

10 flavio-processamento de grãos - 24-04-12

683 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10 flavio-processamento de grãos - 24-04-12

  1. 1. Processamento de Grãos Flávio A. P. SantosDepartamento de Zootecnia - ESALQ/USP fapsanto@esalq.usp.br
  2. 2. Brasil: milho e sorgo • % da MS: • % da MS: NRC•  mido : A 72,0 •  mido : 66,8 A •  roteína: 12,0 P •  roteína: P 9,8 •  DN: F 16,1 •  DN: F 9,0 •  E: E 3,1 •  E: E 4,3 •  inzas: C 2,0•  inzas: C 1,6 •  utros: O 3,3 •  DT: N 88,0 •  DT: N 82,0
  3. 3. AMIDO •  localização nos vegetais:–  endosperma dos grãos; tubérculos; raízes e caules dos vegetais
  4. 4. Digestão de Amido em RuminantesLocal Produto absorvido PerdasRúmen AGV + Lactato CH4 + calorIntestino Del. GlucoseIntestino G. AGV + Lactato CH4 + calor + micr.
  5. 5. Otimizar o uso de grãos de cereais em ruminantes O que é otimizar?? Minimizar o teor de amido nas fezes 1 a 26% de amido nas fezes 99,4 a 82,0%
  6. 6. Principal limitação à digestão do amido ?. Presença de matrizes proteicas envolvendo o grânulo de amido . Estrutura da matriz proteica: “favo de mel”
  7. 7. Principal limitação à digestão do amido ?. Presença de matrizes proteicas envolvendo o grânulo de amido . sorgo > milho > cevada > trigo > aveia > mandioca
  8. 8. Principal limitação à digestão do amido ?. Presença de matrizes proteicas envolvendo o grânulo de amido milho duro > milho dentado
  9. 9. Vitreosidade x digestão do amido Fonte: Correa et al. (2002)
  10. 10. Como romper ou quebrar a matriz proteica ? PROCESSAMENTO DOS GRÃOS
  11. 11. Processamento Úmido •  Ensilagem de grãos •  Floculação de grãos
  12. 12. Processamento Úmido•  Ensilagem de grãos •  Colheita precoce - 28-35% de umidade seguido de moagem ou laminação e armazenamento anaeróbio •  Reconstituição - adição de água até 28-32% seguido de moagem ou laminação e armazenamento anaeróbio
  13. 13. Silagem de grãos úmidos•  Ácidos orgânicos•  Enzimas proteolíticas •  Solubilização da matriz proteica
  14. 14. Silagem de grãos úmidos•  Teor de N solúvel: •  Milho moído ou laminado: 10 – 15% do NT •  Silagem de MU laminado: 50 – 60% do NT •  Silagem de UM moído: 60 – 80% do NT
  15. 15. Silagem de grãos úmidos•  Teor de umidade•  Tempo de ensilagem•  Tamanho de partículas
  16. 16. Silagem de grãos úmidos Teor de umidade do grão x tamanho de partículas x tempo: MOÍDO LAMINADO Umidade, % 18 -22 23 – 26 >27 18 -22 3 – 26 >27DMI, kg 1,13 1,32 1,27 9,04 8,64 8,29GPD, kg 8,82 9,03 8,19 1,02 1,01 1,16DMI/GPD 8,10 7,20 6,50 9,0 8,6 7,2EM, Mcal/kg MS 3,07 3,20 3,48 2,91 3,00 3,29 Owens et al. (1997)
  17. 17. Processamento Úmido Floculação
  18. 18. Gerador de vapor   30-50 min. Vapor   18% umidade do grão   distância entre os rolosRolos para   Densidade – g/l   310 a 360 g/llaminação
  19. 19. Processamento x sítios de digestão do amido de milho PROCESSAMENTO DE MILHO ÍTEM INTEIRO LAMINADO ENSILADO ÚMIDO FLOCULADODigest. Ruminal, % 68,34 63,80 86,55 84,05Digest. Int. Delgado, % 64,64 58,83 94,86 92,48Digest. Int. Grosso, % 32,09 56,32 24,80 20,47Digest. T. D. Total, % 87,08 91,03 99,25 99,09 Owens e Soderlund (2007)
  20. 20. NDT do MILHO, % (NRC,1996)
  21. 21. Incremento do valor energético do milho•  Zinn et al., (2002): –  Floculação correta do grão: •  + 15% NEm •  + 18% NEg –  NRC (1996): •  Subestima NEg do milho floculado em 3,8% •  Superestima NEg do milho laminado a seco em 5,5%
  22. 22. NDT do MILHO DENTADO, % (Zinn et al., 2002)
  23. 23. Desempenho AnimalMétodos de processamento de milho dentado
  24. 24. Milho moído fino x milho Laminado GPD CMS GPD/CMSProcessamento kg/d Kg/cab Corona et al., (2005) 7,91 1,36 LS 0,17 7,75 1,31 MF 0,17 10,54 1,92 Macken et al., (2006) LS 0,182 10,45 1,97 MF 0,189*
  25. 25. Silagem de milho úmido x milho laminado seco – 1995-2011 Concentrado Variação em Variação em Variação em Referência % da MS CMS, % GPD, % GPD/CMS, % Ladely et al. (1995) 90,0 -15,8 0 +17,7* Ladely et al. (1995) 90,0 -6,2 +2,6 +11,3* Huck et al. (1998) 90,0 -3,8 -1,1 +3,4 Scott et al. (2003) 92,5 -6,6 -2,0 +5,0* Scott et al. (2003) 92,5 -0,9 +0,5 +1,8 Corrigan et al. (2009) 92,5 -9,9 +1,2 +12,3 Média 91,2 -7,2 +1,2 +8,6
  26. 26. Floculação x Laminação a seco do milho -1995 - 2011 Concentrado na ração, Variação em CMS, Variação em GPD, Variação em GPD/CMS, Referência % da MS % % %Huck et al. (1998) 85,0 0 +7,7 +8,6*Barajas & Zinn (1998) 88,0 -10,1 +8,2 +19,8*Brown et al. (2000) 90,0 -1,2 +17,7 +19,8*Brown et al. (2000) 90,0 0 +8,2 +7,8*Scott et al. (2003) 92,5 0 +3,4 +4,3*Scott et al. (2003) 92,5 0 +10,2 +8,4*Macken et al. (2004) 93,0 -1,5 + 15,4 + 16,6*Corona et al. (2005) 88,0 -8,0 +4,4 +17,6*La Brune et al. (2008) 92,0 -0,9 +14,0 +12,1*Leibovich et al. (2009) 97,4 - 6,8 +1,3 + 9,0*Corrigan et al. (2009) 92,5 -8,9 +0,6 + 11,7* Média 91,0 -3,4 +8,3 +12,3
  27. 27. EUA•  Literatura norte americana - número considerável de trabalhos Dentado ou mole Taurinos
  28. 28. BRASIL• Brasil – carência de informações “Flint”ou duro Zebuínos
  29. 29. BRASILEfeito do processamento deve ser maior no milho duro que no dentado !
  30. 30. Brasil Silagem de milho úmido x milho moído fino Teor de ração Diferença Diferença GPD/CMS,Referência Diferença CMS, % % da MS GPD, % %Silva et al., (2007) 60 -18 -1 +17,73Henrique et al. (2007) 88 -1,77 +7,14 +6,25Henrique et al. (2007) 80 -3,6 +5,48 +5,5Costa et al. (2002) 60 -6,5 +7,89 +15,4Média 72 -7,46 + 4,87 + 11,10
  31. 31. ESALQ
  32. 32. Milho Floculado Nelore Milho Ensilado Milho Moído Fino Canchim Milho LaminadoPeres (2011)
  33. 33. Método de processamento x grupo genético Milho Raça Variáveis F MF L SGU Ne Can CMS (kg) 6,53 7,97 9,00 9,02 8,04 8,22 Amido (%) 9,49C 15,76B 22,78A 21,92A 18,42ª 16,55b Digestibilidade do 94,78A 89,91B 83,43C 84,12C 87,16b 88,96a amido (%)Peres (2011)
  34. 34. Milho Laminado Uréia - 0,5% da MS Milho Floculado Uréia - 1,0% da MS Milho Moído Fino Uréia - 1,5% da MSPeres (2011)
  35. 35. 180 tourinhos Nelore • PV inicial = 343 kg •  8 – 24 meses 1 (% MS) Feno: 12 Milho : 78 – 79 Melaço: 6 Uréia: 0,5 - 1,5 Min/Vit: 2,5Peres (2011)
  36. 36. Resultados - processamento Milho Variáveis Floculado Moído fino Laminado PCI (kg) 343,2 343,1 342,9 PCF (kg) 486,7 480,5 459,6 CMS (kg) 7,99ª 8,51b 8,18ª GPD (kg/dia) 1,42ª 1,36ª 1,16b EA (GPD/CMS) 0,177ª 0,160b 0,141c Amido Fecal (% MS) 11,61ª 18,75b 24,78c Digestibilidade do amido (%) 93,30ª 87,45b 81,19cLetras diferentes na mesma linha representam médias diferentes (p ≤ 0,05)Peres (2011)
  37. 37. Resultados – nível uréia Uréia Efeito Variáveis 0,5 1,0 1,5 PCI (kg) 343,1 343,0 343,1 PCF (kg) 462,7 474,5 489,6 CMS (kg) 8,03 8,03 8,63 L GPD (kg/dia) 1,18 1,30 1,45 L EA (GPD/CMS) 0,148 0,163 0,168 L Amido fecal (%) 20,08 18,31 16,75 LDigestibilidade do amido (%) 85,66 87,26 89,02 LPeres (2011)
  38. 38. Resultados – 1,5% uréia Milho Variáveis Floculado Moído fino Laminado CMS (kg) 8,87 8,62 8,41 GPD (kg/dia) 1,68 1,41 1,26 EA (GPD/CMS) 0,190 0,160 0,150Peres (2011)
  39. 39. Milho Floculado Bagaço - 12% da MSMilho EnsiladoMilho Moído Fino Bagaço - 20% da MSMilho Laminado Carareto (2011)
  40. 40. 192 tourinhos Nelore • PV inicial = 403 kg •  8 – 24 meses 1 (% MS) Bag: 12 – 20 Milho : 69 – 77 Melaço: 6 Uréia: 1,7 – 1,9 Min/Vit: 3,3Carareto (2011)
  41. 41. Resultados - processamento Tratamentos aVariáveis L M SGU FL EPM PPC inicial, kg 403,22 403,29 403,04 403,43 0,269 NSPC final, kg 511,4c 514,7bc 523,7ab 527,2a 3,153 0,0059GPD, kg/d 1,09b 1,12b 1,21a 1,25a 0,031 0,0057IMS, kg 10,18a 9,37b 9,41b 9,26b 0,168 0,0034EA, gpd/ims 0,108c 0,121b 0,129ab 0,136a 0,004 <0,001RC, % 54,86b 55,7a 54,92b 55,6a 0,170 0,0025AOL, cm2 62,47 63,75 62,96 62,46 0,896 NSELm (mcal/kg/MS) 1,58c 1,73b 1,821ab 1,93a 0,0386 <0,001ELg(mcal/kg/MS) 0,97c 1,11b 1,18ab 1,28a 0,0339 <0,001 Carareto (2011)
  42. 42. PROCESSAMENTO X TEOR DE AMIDO FECAL Tratamentos a L M SGU FL EPM Valor P% amido fezes 20,03a 9,68b 10,20b 3,42c 1,27 <0,001DTA 1(%) 85,73c 94,44b 93,32b 98,28a 1,06 <0,001 Carareto (2011)
  43. 43. Resultados – % Bagaço de cana Tratamentos aVariáveis 12 20 EPM PPC inicial, kg 403,14 403,35 0,1905 NSPC final, kg 523,66 514,89 2,2298 0,0112GPD, kg/d 1,21 1,12 0,0223 0,0057IMS, kg 9,32 9,79 0,1191 0,0034EA, gpd/ims 0,131 0,116 0,0028 <0,001RC, % 56 55 0,1206 <0,001AOL, cm2 63,25 62,57 0,6333 NSEGS, mm 6,95 5,88 0,2458 NSEL manutenção (mcal/kg/MS) 1,830 1,690 0,027 <0,001EL ganho de peso(mcal/kg/MS) 1,199 1,075 0,024 <0,001 Carareto (2011)
  44. 44. 116 tourinhos Nelore • PV inicial = 373 kg •  8 – 24 meses 1 (% MS) Bagaço: 0x3x6 Milho : 79 – 85 Peletizado: 15Marques et al. (2011)
  45. 45. Milho Inteiro com 0% Bag. Milho Inteiro com 3% Bag. Milho Inteiro com 6% Bag. Milho Inteiro com 6% Bag. + Optigen Milho Floculado com 6% Bag.Marques et al. (2011)
  46. 46. Resultados Tratamentos Níveis MI0 MI3 MII6 MI6-Opt MF6 forragem * MF6 x MI* EPM PCI, kg 373 373 373 373 373 PCF, kg 476,03 507,92 504,29 500,25 503,18 0,0035 0,4396 11,02 IMS, kg 8,42 10,51 10,16 10,15 8,44 0,0001 0,0001 0,3 GPD, kg 1,197 1,587 1,555 1,504 1,556 0,0027 0,3118 0,11GPD/IMS 0,143 0,152 0,153 0,149 0,184 0,3272 0,0019 0,014 PCQ, kg 273,91 290,17 293,85 288,07 289,72 0,0048 0,5142 6,64 RC, % 57,53 57,13 58,32 57,47 57,54 0,8209 0,9012 0,67AOL,cm2 77,56 79,66 79,53 79,5 79,45 0,283 0,8172 1,47EGS,mm 4,45 5,29 4,81 5,04 5,1 0,2318 0,6400 0,39.*níveis de forragem: efeito quadrático; contraste entre MF6 e MIMI = milho grão inteiro; MF = milho floculadoMarques et al. (2011)
  47. 47. TratamentosItem MI0 MI3 MI6 MI6- OPT F-6EL observada da ração, Mcal/kgManutenção 1.87 1.85 1.87 1.84 2.19Ganho 1.23 1.22 1.23 1.20 1.51EL da ração, observado/esperadoManutenção 0.79 0.80 0.83 0.82 0.92Ganho 0.85 0.87 0.91 0.89 1.03 Marques et al. (2011)
  48. 48. 216 TOURINHOS NELORE 12% Bagaço 88% Concentrado Milho Moído 0% PC 25% PC Milho Floculado 50% PC Gouvêa (2012) 75% PC
  49. 49. TRATAMENTOS - MF Variáveis 0PC 25PC 50PC 75PC PVI, kg 351 351 350 350 PVF, kg 536ab 507d 528abcd 513cd IMS, kg 8,19d 8,02d 8,48cd 8,60cd GPD, kg 1,80ab 1,52d 1,70abcd 1,58d GPD/IMS 0,222a 0,190bc 0,200b 0,184bcCarareto (não publicado)
  50. 50. TRATAMENTOS - MM Variáveis 0PC 25PC 50PC 75PC PVI, kg 351 350 350 348 PVF, kg 515cd 530abc 541a 523abcd IMS, kg 8,89bcd 9,84ab 10,20a 9,16bc GPD, kg 1,60cd 1,74abc 1,85a 1,70abcd GPD/IMS 0,180c 0,176c 0,180c 0,186bcCarareto (não publicado)
  51. 51. MF MM Variáveis 0PC 50PC 0PC 50PC PVI, kg 351 350 351 350 PVF, kg 536ab 528abcd 515cd 541a IMS, kg 8,19d 8,48cd 8,89bcd 10,20a GPD, kg 1,80ab 1,70abcd 1,60cd 1,85a GPD/IMS 0,222a 0,200b 0,180c 0,180cCarareto (não publicado)
  52. 52. ESALQ: EFEITO DA FLOCULAÇÃO NA EA EXPERIMENTO Variáveis 2 3 4 5 5*LAM/ MOÍDO/ INTEIRO 0,141 0,108 O,152 0,180 0,180 FLOCULADO 0,177 0,136 0,184 0,222 0,200AUMENTO, % + 25,5 + 25,9 +21,0 +23,3 +11,1
  53. 53. RECEITA EXTRA COM A FLOCULAÇÃO / BOI MI 6% Custo da floculação (R$/ton)Preço do milho Líquido R$/ton R$/boi R$20,00 R$30,00 R$40,00 R$50,00 200,00 197,00 + 31,00 + 24,00 + 18,00 + 11,00 300,00 119,00 + 48,00 + 38,00 + 31,00 + 25,00 400,00 42,00 + 56,00 + 50,00 + 43,00 + 37,00 Simulado com base nos dados do Exp. 4: MI 6% x F 6%; R$/@ = 95,00

×