SlideShare uma empresa Scribd logo
A AIDS é sem dúvida a DST mais temida por todos. Porém, existem outras doenças sexualmente transmissíveis
que prejudicam a saúde podendo até mesmo levar à morte. Vamos conhecer um pouco sobre esses vilões e
como podemos nos proteger deles.


 O que são DST
 As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de
 camisinha com uma pessoa que esteja infectada, e geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimen-
 tos, bolhas ou verrugas. As mais conhecidas são gonorreia e sífilis.

 Algumas DST podem não apresentar sintomas, tanto no homem quanto na mulher. E isso requer que, se fizerem
 sexo sem camisinha, procurem o serviço de saúde para consultas com um profissional de saúde periodicamente.
 Essas doenças quando não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves, como
 infertilidades, câncer e até a morte.
 Usar preservativos em todas as relações sexuais (oral, anal e vaginal) é o método mais eficaz para a redução do
 risco de transmissão das DST, em especial do vírus da aids, o HIV. Outra forma de infecção pode ocorrer pela
 transfusão de sangue contaminado ou pelo compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente no uso de
 drogas injetáveis. A aids e a sífilis também podem ser transmitidas da mãe infectada, sem tratamento, para o
 bebê durante a gravidez, o parto. E, no caso da aids, também na amamentação.

 O tratamento das DST melhora a qualidade de vida do paciente e interrompe a cadeia de
 transmissão dessas doenças. O atendimento e o tratamento são gratuitos nos serviços de saúde

Por que alertar o parceiro                                                            SE LIGA!!
                                                                                     A CAMISINHA
O controle das doenças sexualmente transmissíveis (DST) não se dá somen-          MASCULINA e a
te com o tratamento de quem busca ajuda nos serviços de saúde. Para            CAMISINHA FEMININA são
interromper a transmissão dessas doenças e evitar a reinfecção, é                as únicas formas de se
fundamental que os parceiros sejam     testados e tratados com orienta-        proteger das DST inclusive
ções de um profissional de saúde.                                              do HIV/Aids. USE SEMPRE,
                                                                               em todas as relações sexu-
Os parceiros devem ser alertados sempre que uma DST é diagnosticada. É           ais, antes de qualquer
importante repassar a eles informações sobre as formas de contágio, o risco          contato sexual.
de infecção, a necessidade de atendimento em uma unidade de saúde e
a importância de evitar contato sexual até que o parceiro seja tratado e orientado.
Sintomas das DST
As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são muitas e podem ser causadas por diferentes agentes. Ape-
sar disso, elas podem ter sintomas parecidos. Veja, abaixo, os principais sintomas das doenças mais comuns.

Sintomas: Corrimento pelo colo do útero e/ou vagina (branco, cinza ou amarelado), pode causar coceira, dor
ao urinar e/ou dor durante a relação sexual, cheiro ruim na região.
DST prováveis: Tricomoníase, gonorreia, clamídia.

Sintomas: Corrimento pelo canal de onde sai a urina, que pode ser amarelo purulento ou mais claro - às ve-
zes, com cheiro ruim, além de poder apresentar coceira e sintomas urinários, como dor ao urinar e vontade
de urinar constante.
DST prováveis: Gonorreia, clamídia, tricomoníase, micoplasma, ureoplasma.

Sintomas: Presença de feridas na região genital (pode ser uma ou várias), dolorosas ou não, antecedidas ou
não por bolhas pequenas, acompanhadas ou não de “íngua” na virilha.
DST prováveis: Sífilis, cancro mole, herpes genital, donovanose, linfogranuloma venéreo.




“As mulheres são mais suscetíveis a infecção e desenvolvem complicações com maior
   frequencia do que os homens, sendo portanto a morbidade das DST maior nas
                                     mulheres. ”


Sintomas: Dor na parte baixa da barriga (conhecido como baixo ventre ou "pé da barriga") e durante a
relação sexual.
DST prováveis: Gonorreia, clamídia, infecção por outras bactérias.

Sintomas: Verrugas genitais ou “crista de galo” (uma ou várias), que são pequenas no início e podem crescer
rapidamente e se parecer como uma couve-flor.
DST prováveis: Infecção pelo papilomavírus humano (HPV)

Não sinta vergonha de conversar com o profissional de saúde e tirar todas as dúvidas sobre sexo ou
qualquer coisa diferente que esteja percebendo ou sentindo. É direito de todo brasileiro buscar
esclarecimento e informações durante o atendimento de saúde.

Dúvidas frequentes
 HIV e AIDS
 Atualmente, ainda há a distinção entre grupo de risco e grupo de não risco?
 Essa distinção não existe mais. No começo da epidemia, pelo fato da aids atingir, principalmente, os homens
 homossexuais, os usuários de drogas injetáveis e os hemofílicos, eles eram, à época, considerados grupos de
 risco. Atualmente, fala-se em comportamento de risco e não mais em grupo de risco, pois o vírus passou a se
 espalhar de forma geral, não mais se concentrando apenas nesses grupos específicos. Por exemplo, o núme-
 ro de heterossexuais infectados por HIV tem aumentado proporcionalmente com a epidemia nos últimos anos,
 principalmente entre mulheres.

 O que se considera um comportamento de risco, que possa vir a ocasionar uma infecção pelo vírus da
 aids (HIV)?
 Relação sexual (homo ou heterossexual) com pessoa infectada sem o uso de preservativos; compartilhamento
 de seringas e agulhas, principalmente, no uso de drogas injetáveis; reutilização de objetos perfurocortantes
 com presença de sangue ou fluidos contaminados pelo HIV.
Qual o tempo de sobrevida de um indivíduo portador do HIV?
  O tempo de sobrevida (ou seja, os anos de vida pós-infecção) é indefinido e varia de indivíduo para indivíduo.
  Por exemplo, algumas pessoas começaram a usar o coquetel em meados dos anos noventa e ainda hoje gozam
  de boa saúde. Outras apresentam complicações mais cedo e têm reações adversas aos medicamentos. Há, ain-
  da, casos de pessoas que, mesmo com os remédios, têm infecções oportunistas (infecções que se instalam,
  aproveitando-se de um momento de fragilidade do sistema de defesa do corpo, o sistema imunológico).

  Doenças sexualmente transmissíveis

  As chances de se contrair uma DST através do sexo oral são menores do que sexo com penetração?
  O fato é que nenhuma das relações sexuais sem proteção é isenta de risco - algumas DST têm maior risco que
  outras. A transmissão da doença depende da integridade das mucosas das cavidades oral ou vaginal. Indepen-
  dente da forma praticada, o sexo deve ser feito sempre com camisinha.

  Toda ferida ou corrimento genital é uma DST?
  Não necessariamente. Além das doenças sexualmente transmissíveis, existem outras causas para úlceras ou cor-
  rimentos genitais. Entretanto, a única forma de saber o diagnóstico correto é procurar um serviço de saúde.

   É possível estar com uma DST e não apresentar sintomas?
  Sim. Muitas pessoas podem se infectar com alguma DST e não ter reações do organismo durante semanas, até
  anos. Dessa forma, a única maneira de se prevenir efetivamente é usar a camisinha em todas as relações sexu-
  ais e procurar regularmente o serviço de saúde para realizar os exames de rotina. Caso haja alguma exposição
  de risco (por exemplo, relação sem camisinha), é preciso procurar um profissional de saúde para receber o
  atendimento adequado.

  Quais as providências a serem tomadas em caso de suspeita de infecção por alguma Doença Sexualmente
  Transmissível?
  Na presença de qualquer sinal ou sintoma de possível DST, é recomendado procurar um profissional de saúde,
  para o diagnóstico correto e indicação do tratamento adequado.
  Por que, em algumas situações, o preservativo estoura durante o ato sexual?
  Quanto à possibilidade de o preservativo estourar durante o ato sexual, pesquisas sustentam que os rompimen-
  tos devem-se muito mais ao uso incorreto do preservativo que por falha estrutural do produto em si.
  O que fazer quando a camisinha estoura?
  A ruptura da camisinha implica risco real de contrair uma DST. Independentemente do sexo do parceiro, o certo
  é interromper a relação, realizar uma higienização e iniciar o ato sexual novamente com um novo preservativo.
  A higiene dos genitais deve ser feita da forma habitual (água e sabão), sendo desnecessário o uso de substâncias
  químicas, que podem inclusive ferir pele e mucosas, aumentando o risco de contágio pela quebra de barreiras
  naturais de proteção ao vírus. A presença de lesão nas mucosas genitais, caso signifique uma doença
  sexualmente transmissível, como a gonorreia, implica um risco adicional, pois a possibilidade de aquisição da
  aids aumenta. Na relação anal, mesmo quando heterossexual, o risco é maior, pois a mucosa anal é mais frágil
  que a vaginal.
  A camisinha é mesmo impermeável ao vírus da aids?
  A impermeabilidade dos preservativos é um dos fatores que mais preocupam as pessoas. Em um estudo realiza-
  do nos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, esticou-se o látex do preservativo, ampliando-o 2 mil
  vezes ao microscópio eletrônico, e não foi encontrado nenhum poro. Outro estudo examinou as 40 marcas de
  camisinha mais utilizadas em todo o mundo, ampliando-as 30 mil vezes (nível de ampliação que possibilita a
  visão do HIV) e nenhuma apresentou poros. Por causa disso, é possível afirmar que a camisinha é impermeável
  tanto ao vírus da aids quanto às doenças sexualmente transmissíveis.




Fonte:
www.aids.gov.br
www.dst.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisMichaLolxD
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)Fernanda Gonçalves
 
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sidaDoenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sidaRicardo Pais
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveisap3bmachado
 
Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.Ana Catarina Mateus
 
37583177 dst-sida
37583177 dst-sida37583177 dst-sida
37583177 dst-sidaPelo Siro
 
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!leliaklausner
 
Prevencoes das DSTs
Prevencoes das DSTsPrevencoes das DSTs
Prevencoes das DSTsJulima18
 
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008renalinhares
 

Mais procurados (20)

Folder de ds ts
Folder de ds tsFolder de ds ts
Folder de ds ts
 
Folder cacaueiro2
Folder cacaueiro2Folder cacaueiro2
Folder cacaueiro2
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)
 
Ist's e aids
Ist's e aidsIst's e aids
Ist's e aids
 
Cartilha dst aids
Cartilha dst aidsCartilha dst aids
Cartilha dst aids
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
 
Ist
IstIst
Ist
 
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sidaDoenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
 
Prevenções das ISTs
Prevenções das ISTsPrevenções das ISTs
Prevenções das ISTs
 
Aids e vida.
Aids e vida.Aids e vida.
Aids e vida.
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.Doencas sexualmente transmissiveis.
Doencas sexualmente transmissiveis.
 
37583177 dst-sida
37583177 dst-sida37583177 dst-sida
37583177 dst-sida
 
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
 
Seminário aids 8 ano
Seminário aids  8 anoSeminário aids  8 ano
Seminário aids 8 ano
 
Dst 8º ano
Dst   8º anoDst   8º ano
Dst 8º ano
 
Prevencoes das DSTs
Prevencoes das DSTsPrevencoes das DSTs
Prevencoes das DSTs
 
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
 

Destaque

Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...
Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...
Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...Ministério da Saúde
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsSaúde Hervalense
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasstcnsaidjv
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveisR C
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisTCHOKAN
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisstcnsaidjv
 
Trabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sTrabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sguest2e51e6
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisMichele Pó
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)xandaobyte
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveislipe98
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...SlideShare
 

Destaque (14)

Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...
Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...
Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DSTs e aids com foco no ca...
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 
Trabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sTrabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST's
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
DST
DSTDST
DST
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 

Semelhante a DST

Uma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa XdUma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa Xdpedroines141520
 
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEISSOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEISJonathan Coelho
 
Sida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho CiênciasSida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho CiênciasMelissa Matos
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIemanueltstegeon
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisMarina
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente TransmissiveisDoenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente TransmissiveisIgorSilva14
 
Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...
Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...
Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...enferikarodrigues
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereiraSANTOS Odirley
 
ISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptx
ISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptxISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptx
ISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptxEdsonSobrinho6
 
Trabalho combate contra a aids edi
Trabalho combate contra a aids  ediTrabalho combate contra a aids  edi
Trabalho combate contra a aids ediEMEF João da silva
 
Sida susana, ines , joana p.
Sida susana, ines , joana p.Sida susana, ines , joana p.
Sida susana, ines , joana p.Teresa S
 

Semelhante a DST (20)

Uma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa XdUma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa Xd
 
Dst
DstDst
Dst
 
Aids (1)
Aids (1)Aids (1)
Aids (1)
 
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DSTO QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
 
Palestra Sexualidade
Palestra SexualidadePalestra Sexualidade
Palestra Sexualidade
 
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEISSOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
 
Sida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho CiênciasSida - Trabalho Ciências
Sida - Trabalho Ciências
 
Tudo Sobre Dst
Tudo Sobre DstTudo Sobre Dst
Tudo Sobre Dst
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Tudo_dentro_cartilha.pdf
Tudo_dentro_cartilha.pdfTudo_dentro_cartilha.pdf
Tudo_dentro_cartilha.pdf
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente TransmissiveisDoenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente Transmissiveis
 
Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...
Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...
Cartilha_Infeccoes_Sexualmente_Transmissiveis_IST_compressed20200610132403(1)...
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 
ISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptx
ISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptxISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptx
ISTxDST - Alcoolismo - Tabagismo - Alimentação Saudavel.pptx
 
Dst para c.n.
Dst para c.n.Dst para c.n.
Dst para c.n.
 
APRESENTAÇÃO ISTS.ppt
APRESENTAÇÃO ISTS.pptAPRESENTAÇÃO ISTS.ppt
APRESENTAÇÃO ISTS.ppt
 
APRESENTAÇÃO ISTS.ppt
APRESENTAÇÃO ISTS.pptAPRESENTAÇÃO ISTS.ppt
APRESENTAÇÃO ISTS.ppt
 
Trabalho combate contra a aids edi
Trabalho combate contra a aids  ediTrabalho combate contra a aids  edi
Trabalho combate contra a aids edi
 
Sida susana, ines , joana p.
Sida susana, ines , joana p.Sida susana, ines , joana p.
Sida susana, ines , joana p.
 

Mais de Barbaraqsms

Tabagismo total 1
Tabagismo total 1Tabagismo total 1
Tabagismo total 1Barbaraqsms
 
Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1Barbaraqsms
 
Cancer de mama completo
Cancer de mama completoCancer de mama completo
Cancer de mama completoBarbaraqsms
 
Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1Barbaraqsms
 
Cuidados com os dentes
Cuidados com os dentesCuidados com os dentes
Cuidados com os dentesBarbaraqsms
 
Dia mundial de combate a AIDS
Dia mundial de combate a AIDSDia mundial de combate a AIDS
Dia mundial de combate a AIDSBarbaraqsms
 

Mais de Barbaraqsms (11)

Vacinação
Vacinação Vacinação
Vacinação
 
Vacinação
Vacinação Vacinação
Vacinação
 
Vacinação
Vacinação Vacinação
Vacinação
 
Tabagismo total 1
Tabagismo total 1Tabagismo total 1
Tabagismo total 1
 
Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1
 
Cancer de mama completo
Cancer de mama completoCancer de mama completo
Cancer de mama completo
 
Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1Cuidados com os dentes 1
Cuidados com os dentes 1
 
Cuidados com os dentes
Cuidados com os dentesCuidados com os dentes
Cuidados com os dentes
 
Publicação3
Publicação3Publicação3
Publicação3
 
DST
DSTDST
DST
 
Dia mundial de combate a AIDS
Dia mundial de combate a AIDSDia mundial de combate a AIDS
Dia mundial de combate a AIDS
 

DST

  • 1. A AIDS é sem dúvida a DST mais temida por todos. Porém, existem outras doenças sexualmente transmissíveis que prejudicam a saúde podendo até mesmo levar à morte. Vamos conhecer um pouco sobre esses vilões e como podemos nos proteger deles. O que são DST As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de camisinha com uma pessoa que esteja infectada, e geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimen- tos, bolhas ou verrugas. As mais conhecidas são gonorreia e sífilis. Algumas DST podem não apresentar sintomas, tanto no homem quanto na mulher. E isso requer que, se fizerem sexo sem camisinha, procurem o serviço de saúde para consultas com um profissional de saúde periodicamente. Essas doenças quando não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves, como infertilidades, câncer e até a morte. Usar preservativos em todas as relações sexuais (oral, anal e vaginal) é o método mais eficaz para a redução do risco de transmissão das DST, em especial do vírus da aids, o HIV. Outra forma de infecção pode ocorrer pela transfusão de sangue contaminado ou pelo compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente no uso de drogas injetáveis. A aids e a sífilis também podem ser transmitidas da mãe infectada, sem tratamento, para o bebê durante a gravidez, o parto. E, no caso da aids, também na amamentação. O tratamento das DST melhora a qualidade de vida do paciente e interrompe a cadeia de transmissão dessas doenças. O atendimento e o tratamento são gratuitos nos serviços de saúde Por que alertar o parceiro SE LIGA!! A CAMISINHA O controle das doenças sexualmente transmissíveis (DST) não se dá somen- MASCULINA e a te com o tratamento de quem busca ajuda nos serviços de saúde. Para CAMISINHA FEMININA são interromper a transmissão dessas doenças e evitar a reinfecção, é as únicas formas de se fundamental que os parceiros sejam testados e tratados com orienta- proteger das DST inclusive ções de um profissional de saúde. do HIV/Aids. USE SEMPRE, em todas as relações sexu- Os parceiros devem ser alertados sempre que uma DST é diagnosticada. É ais, antes de qualquer importante repassar a eles informações sobre as formas de contágio, o risco contato sexual. de infecção, a necessidade de atendimento em uma unidade de saúde e a importância de evitar contato sexual até que o parceiro seja tratado e orientado.
  • 2. Sintomas das DST As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são muitas e podem ser causadas por diferentes agentes. Ape- sar disso, elas podem ter sintomas parecidos. Veja, abaixo, os principais sintomas das doenças mais comuns. Sintomas: Corrimento pelo colo do útero e/ou vagina (branco, cinza ou amarelado), pode causar coceira, dor ao urinar e/ou dor durante a relação sexual, cheiro ruim na região. DST prováveis: Tricomoníase, gonorreia, clamídia. Sintomas: Corrimento pelo canal de onde sai a urina, que pode ser amarelo purulento ou mais claro - às ve- zes, com cheiro ruim, além de poder apresentar coceira e sintomas urinários, como dor ao urinar e vontade de urinar constante. DST prováveis: Gonorreia, clamídia, tricomoníase, micoplasma, ureoplasma. Sintomas: Presença de feridas na região genital (pode ser uma ou várias), dolorosas ou não, antecedidas ou não por bolhas pequenas, acompanhadas ou não de “íngua” na virilha. DST prováveis: Sífilis, cancro mole, herpes genital, donovanose, linfogranuloma venéreo. “As mulheres são mais suscetíveis a infecção e desenvolvem complicações com maior frequencia do que os homens, sendo portanto a morbidade das DST maior nas mulheres. ” Sintomas: Dor na parte baixa da barriga (conhecido como baixo ventre ou "pé da barriga") e durante a relação sexual. DST prováveis: Gonorreia, clamídia, infecção por outras bactérias. Sintomas: Verrugas genitais ou “crista de galo” (uma ou várias), que são pequenas no início e podem crescer rapidamente e se parecer como uma couve-flor. DST prováveis: Infecção pelo papilomavírus humano (HPV) Não sinta vergonha de conversar com o profissional de saúde e tirar todas as dúvidas sobre sexo ou qualquer coisa diferente que esteja percebendo ou sentindo. É direito de todo brasileiro buscar esclarecimento e informações durante o atendimento de saúde. Dúvidas frequentes HIV e AIDS Atualmente, ainda há a distinção entre grupo de risco e grupo de não risco? Essa distinção não existe mais. No começo da epidemia, pelo fato da aids atingir, principalmente, os homens homossexuais, os usuários de drogas injetáveis e os hemofílicos, eles eram, à época, considerados grupos de risco. Atualmente, fala-se em comportamento de risco e não mais em grupo de risco, pois o vírus passou a se espalhar de forma geral, não mais se concentrando apenas nesses grupos específicos. Por exemplo, o núme- ro de heterossexuais infectados por HIV tem aumentado proporcionalmente com a epidemia nos últimos anos, principalmente entre mulheres. O que se considera um comportamento de risco, que possa vir a ocasionar uma infecção pelo vírus da aids (HIV)? Relação sexual (homo ou heterossexual) com pessoa infectada sem o uso de preservativos; compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente, no uso de drogas injetáveis; reutilização de objetos perfurocortantes com presença de sangue ou fluidos contaminados pelo HIV.
  • 3. Qual o tempo de sobrevida de um indivíduo portador do HIV? O tempo de sobrevida (ou seja, os anos de vida pós-infecção) é indefinido e varia de indivíduo para indivíduo. Por exemplo, algumas pessoas começaram a usar o coquetel em meados dos anos noventa e ainda hoje gozam de boa saúde. Outras apresentam complicações mais cedo e têm reações adversas aos medicamentos. Há, ain- da, casos de pessoas que, mesmo com os remédios, têm infecções oportunistas (infecções que se instalam, aproveitando-se de um momento de fragilidade do sistema de defesa do corpo, o sistema imunológico). Doenças sexualmente transmissíveis As chances de se contrair uma DST através do sexo oral são menores do que sexo com penetração? O fato é que nenhuma das relações sexuais sem proteção é isenta de risco - algumas DST têm maior risco que outras. A transmissão da doença depende da integridade das mucosas das cavidades oral ou vaginal. Indepen- dente da forma praticada, o sexo deve ser feito sempre com camisinha. Toda ferida ou corrimento genital é uma DST? Não necessariamente. Além das doenças sexualmente transmissíveis, existem outras causas para úlceras ou cor- rimentos genitais. Entretanto, a única forma de saber o diagnóstico correto é procurar um serviço de saúde. É possível estar com uma DST e não apresentar sintomas? Sim. Muitas pessoas podem se infectar com alguma DST e não ter reações do organismo durante semanas, até anos. Dessa forma, a única maneira de se prevenir efetivamente é usar a camisinha em todas as relações sexu- ais e procurar regularmente o serviço de saúde para realizar os exames de rotina. Caso haja alguma exposição de risco (por exemplo, relação sem camisinha), é preciso procurar um profissional de saúde para receber o atendimento adequado. Quais as providências a serem tomadas em caso de suspeita de infecção por alguma Doença Sexualmente Transmissível? Na presença de qualquer sinal ou sintoma de possível DST, é recomendado procurar um profissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamento adequado. Por que, em algumas situações, o preservativo estoura durante o ato sexual? Quanto à possibilidade de o preservativo estourar durante o ato sexual, pesquisas sustentam que os rompimen- tos devem-se muito mais ao uso incorreto do preservativo que por falha estrutural do produto em si. O que fazer quando a camisinha estoura? A ruptura da camisinha implica risco real de contrair uma DST. Independentemente do sexo do parceiro, o certo é interromper a relação, realizar uma higienização e iniciar o ato sexual novamente com um novo preservativo. A higiene dos genitais deve ser feita da forma habitual (água e sabão), sendo desnecessário o uso de substâncias químicas, que podem inclusive ferir pele e mucosas, aumentando o risco de contágio pela quebra de barreiras naturais de proteção ao vírus. A presença de lesão nas mucosas genitais, caso signifique uma doença sexualmente transmissível, como a gonorreia, implica um risco adicional, pois a possibilidade de aquisição da aids aumenta. Na relação anal, mesmo quando heterossexual, o risco é maior, pois a mucosa anal é mais frágil que a vaginal. A camisinha é mesmo impermeável ao vírus da aids? A impermeabilidade dos preservativos é um dos fatores que mais preocupam as pessoas. Em um estudo realiza- do nos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, esticou-se o látex do preservativo, ampliando-o 2 mil vezes ao microscópio eletrônico, e não foi encontrado nenhum poro. Outro estudo examinou as 40 marcas de camisinha mais utilizadas em todo o mundo, ampliando-as 30 mil vezes (nível de ampliação que possibilita a visão do HIV) e nenhuma apresentou poros. Por causa disso, é possível afirmar que a camisinha é impermeável tanto ao vírus da aids quanto às doenças sexualmente transmissíveis. Fonte: www.aids.gov.br www.dst.com.br