DST

910 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
910
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DST

  1. 1. A AIDS é sem dúvida a DST mais temida por todos. Porém, existem outras doenças sexualmente transmissíveisque prejudicam a saúde podendo até mesmo levar à morte. Vamos conhecer um pouco sobre esses vilões ecomo podemos nos proteger deles. O que são DST As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de camisinha com uma pessoa que esteja infectada, e geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimen- tos, bolhas ou verrugas. As mais conhecidas são gonorreia e sífilis. Algumas DST podem não apresentar sintomas, tanto no homem quanto na mulher. E isso requer que, se fizerem sexo sem camisinha, procurem o serviço de saúde para consultas com um profissional de saúde periodicamente. Essas doenças quando não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves, como infertilidades, câncer e até a morte. Usar preservativos em todas as relações sexuais (oral, anal e vaginal) é o método mais eficaz para a redução do risco de transmissão das DST, em especial do vírus da aids, o HIV. Outra forma de infecção pode ocorrer pela transfusão de sangue contaminado ou pelo compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente no uso de drogas injetáveis. A aids e a sífilis também podem ser transmitidas da mãe infectada, sem tratamento, para o bebê durante a gravidez, o parto. E, no caso da aids, também na amamentação. O tratamento das DST melhora a qualidade de vida do paciente e interrompe a cadeia de transmissão dessas doenças. O atendimento e o tratamento são gratuitos nos serviços de saúdePor que alertar o parceiro SE LIGA!! A CAMISINHAO controle das doenças sexualmente transmissíveis (DST) não se dá somen- MASCULINA e ate com o tratamento de quem busca ajuda nos serviços de saúde. Para CAMISINHA FEMININA sãointerromper a transmissão dessas doenças e evitar a reinfecção, é as únicas formas de sefundamental que os parceiros sejam testados e tratados com orienta- proteger das DST inclusiveções de um profissional de saúde. do HIV/Aids. USE SEMPRE, em todas as relações sexu-Os parceiros devem ser alertados sempre que uma DST é diagnosticada. É ais, antes de qualquerimportante repassar a eles informações sobre as formas de contágio, o risco contato sexual.de infecção, a necessidade de atendimento em uma unidade de saúde ea importância de evitar contato sexual até que o parceiro seja tratado e orientado.
  2. 2. Sintomas das DSTAs doenças sexualmente transmissíveis (DST) são muitas e podem ser causadas por diferentes agentes. Ape-sar disso, elas podem ter sintomas parecidos. Veja, abaixo, os principais sintomas das doenças mais comuns.Sintomas: Corrimento pelo colo do útero e/ou vagina (branco, cinza ou amarelado), pode causar coceira, dorao urinar e/ou dor durante a relação sexual, cheiro ruim na região.DST prováveis: Tricomoníase, gonorreia, clamídia.Sintomas: Corrimento pelo canal de onde sai a urina, que pode ser amarelo purulento ou mais claro - às ve-zes, com cheiro ruim, além de poder apresentar coceira e sintomas urinários, como dor ao urinar e vontadede urinar constante.DST prováveis: Gonorreia, clamídia, tricomoníase, micoplasma, ureoplasma.Sintomas: Presença de feridas na região genital (pode ser uma ou várias), dolorosas ou não, antecedidas ounão por bolhas pequenas, acompanhadas ou não de “íngua” na virilha.DST prováveis: Sífilis, cancro mole, herpes genital, donovanose, linfogranuloma venéreo.“As mulheres são mais suscetíveis a infecção e desenvolvem complicações com maior frequencia do que os homens, sendo portanto a morbidade das DST maior nas mulheres. ”Sintomas: Dor na parte baixa da barriga (conhecido como baixo ventre ou "pé da barriga") e durante arelação sexual.DST prováveis: Gonorreia, clamídia, infecção por outras bactérias.Sintomas: Verrugas genitais ou “crista de galo” (uma ou várias), que são pequenas no início e podem crescerrapidamente e se parecer como uma couve-flor.DST prováveis: Infecção pelo papilomavírus humano (HPV)Não sinta vergonha de conversar com o profissional de saúde e tirar todas as dúvidas sobre sexo ouqualquer coisa diferente que esteja percebendo ou sentindo. É direito de todo brasileiro buscaresclarecimento e informações durante o atendimento de saúde.Dúvidas frequentes HIV e AIDS Atualmente, ainda há a distinção entre grupo de risco e grupo de não risco? Essa distinção não existe mais. No começo da epidemia, pelo fato da aids atingir, principalmente, os homens homossexuais, os usuários de drogas injetáveis e os hemofílicos, eles eram, à época, considerados grupos de risco. Atualmente, fala-se em comportamento de risco e não mais em grupo de risco, pois o vírus passou a se espalhar de forma geral, não mais se concentrando apenas nesses grupos específicos. Por exemplo, o núme- ro de heterossexuais infectados por HIV tem aumentado proporcionalmente com a epidemia nos últimos anos, principalmente entre mulheres. O que se considera um comportamento de risco, que possa vir a ocasionar uma infecção pelo vírus da aids (HIV)? Relação sexual (homo ou heterossexual) com pessoa infectada sem o uso de preservativos; compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente, no uso de drogas injetáveis; reutilização de objetos perfurocortantes com presença de sangue ou fluidos contaminados pelo HIV.
  3. 3. Qual o tempo de sobrevida de um indivíduo portador do HIV? O tempo de sobrevida (ou seja, os anos de vida pós-infecção) é indefinido e varia de indivíduo para indivíduo. Por exemplo, algumas pessoas começaram a usar o coquetel em meados dos anos noventa e ainda hoje gozam de boa saúde. Outras apresentam complicações mais cedo e têm reações adversas aos medicamentos. Há, ain- da, casos de pessoas que, mesmo com os remédios, têm infecções oportunistas (infecções que se instalam, aproveitando-se de um momento de fragilidade do sistema de defesa do corpo, o sistema imunológico). Doenças sexualmente transmissíveis As chances de se contrair uma DST através do sexo oral são menores do que sexo com penetração? O fato é que nenhuma das relações sexuais sem proteção é isenta de risco - algumas DST têm maior risco que outras. A transmissão da doença depende da integridade das mucosas das cavidades oral ou vaginal. Indepen- dente da forma praticada, o sexo deve ser feito sempre com camisinha. Toda ferida ou corrimento genital é uma DST? Não necessariamente. Além das doenças sexualmente transmissíveis, existem outras causas para úlceras ou cor- rimentos genitais. Entretanto, a única forma de saber o diagnóstico correto é procurar um serviço de saúde. É possível estar com uma DST e não apresentar sintomas? Sim. Muitas pessoas podem se infectar com alguma DST e não ter reações do organismo durante semanas, até anos. Dessa forma, a única maneira de se prevenir efetivamente é usar a camisinha em todas as relações sexu- ais e procurar regularmente o serviço de saúde para realizar os exames de rotina. Caso haja alguma exposição de risco (por exemplo, relação sem camisinha), é preciso procurar um profissional de saúde para receber o atendimento adequado. Quais as providências a serem tomadas em caso de suspeita de infecção por alguma Doença Sexualmente Transmissível? Na presença de qualquer sinal ou sintoma de possível DST, é recomendado procurar um profissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamento adequado. Por que, em algumas situações, o preservativo estoura durante o ato sexual? Quanto à possibilidade de o preservativo estourar durante o ato sexual, pesquisas sustentam que os rompimen- tos devem-se muito mais ao uso incorreto do preservativo que por falha estrutural do produto em si. O que fazer quando a camisinha estoura? A ruptura da camisinha implica risco real de contrair uma DST. Independentemente do sexo do parceiro, o certo é interromper a relação, realizar uma higienização e iniciar o ato sexual novamente com um novo preservativo. A higiene dos genitais deve ser feita da forma habitual (água e sabão), sendo desnecessário o uso de substâncias químicas, que podem inclusive ferir pele e mucosas, aumentando o risco de contágio pela quebra de barreiras naturais de proteção ao vírus. A presença de lesão nas mucosas genitais, caso signifique uma doença sexualmente transmissível, como a gonorreia, implica um risco adicional, pois a possibilidade de aquisição da aids aumenta. Na relação anal, mesmo quando heterossexual, o risco é maior, pois a mucosa anal é mais frágil que a vaginal. A camisinha é mesmo impermeável ao vírus da aids? A impermeabilidade dos preservativos é um dos fatores que mais preocupam as pessoas. Em um estudo realiza- do nos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, esticou-se o látex do preservativo, ampliando-o 2 mil vezes ao microscópio eletrônico, e não foi encontrado nenhum poro. Outro estudo examinou as 40 marcas de camisinha mais utilizadas em todo o mundo, ampliando-as 30 mil vezes (nível de ampliação que possibilita a visão do HIV) e nenhuma apresentou poros. Por causa disso, é possível afirmar que a camisinha é impermeável tanto ao vírus da aids quanto às doenças sexualmente transmissíveis.Fonte:www.aids.gov.brwww.dst.com.br

×