Seminário ac 19 pdf

568 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Seminário ac 19 pdf

  1. 1. Universidade Estadual de Santa Cruz Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências- PPGEC Disciplina: Alfabetização Científica em sala de aula: Conceitos e Práticas Reconceptualizing the teaching of controversial issues Reconceituar o ensino de temas controversos Autores: Chris Oulton; Justin Dillon e Marcus M. Grace. Discentes: Acta Maiara E. Maciel Edcleide Novais Hadassa M. S. Carmo Keici Almeida
  2. 2. A natureza da controvérsia Todas as sociedades têm questões que podem ser consideradas controversas. O que é uma questão controversa • Número significativo de pessoas discutem sobre elas sem chegar a uma conclusão.
  3. 3. • Sustentados por diferenças de crenças ou entendimento sobre o assunto. • A base para a controvérsia pode decorrer de diferenças de um ou mais dos seguintes fatores: crenças religiosas, como o aborto, e questões morais, como a engenharia genética.
  4. 4. Para Dearden: uma questão é controversa se ​​pontos de vista contrários podem ser mantidos sobre ela sem que estes sejam contrários à razão. Pode ser o caso, por exemplo, onde a evidência é insuficiente, a fim de decidir a controvérsia, ou, quando os resultados dependem de eventos futuros que não podem ser previstos com certeza, e onde o julgamento sobre a questão depende de como pesar ou dar valor para as várias informações que se sabe sobre o assunto. (1981: 38) Tradução nossa
  5. 5. Stradling (1985: 9) define questões controversas como: Essas questões sobre as quais nossa sociedade está claramente dividida dentro de grupos significativos, com explicações conflitantes. Tradução nossa Valores
  6. 6. Lynch e McKenna (1990) Argumentam que vemos o mundo usando o nossos próprios esquemas ou visão de mundo particular. Essa visão é construída desde o nascimento em resposta à nossas interações sociais e culturais com o mundo. Formal e propositadamente através educação, e de forma irregular através das experiências. Estas interações constituem a base para a forma como nós interpretamos, ou "vemos" o mundo à nossa volta. Assim, um marxista e um capitalista irá interpretar o mesmo problema de outra forma, "vendo" causas diferentes conduzindo ao evento e sugerindo soluções diferentes. Tradução nossa
  7. 7. Para Oulton, Dillon & Grace (2004) o ensino sobre questões controversas da ciência deve levar em consideração explícita de sua natureza, destacando em especial que: • Grupos da sociedade têm pontos de vista diferentes sobre eles. • Grupos baseam as suas opiniões sobre diferentes conjuntos de informações ou eles interpretam a mesma informação de maneiras diferentes. • As interpretações podem ocorrer por causa da diferente forma que os indivíduos entendem ou "veem" o mundo.
  8. 8. • Visões de mundo diferentes pode ocorrer porque os indivíduos aderem a diferentes sistemas de valores. • Questões controversas nem sempre podem ser resolvidos através do recurso a razão, lógica ou experiência. • As questões controversas podem ser resolvidos à medida que mais informações se tornam disponíveis.
  9. 9. Febre Aftosa • A propagação da doença rapidamente, o Governo impôs uma política de restrição movimentos dentro e fora fazendas. • O abate de todos os animais infectados e, eventualmente, o abate de animais, infectados ou não, em fazendas vizinhas.
  10. 10. • Evidências científicas que foram usadas para apoiar ambos os lados do argumento. • Grupos de proteção animal: Vacinação - valorizando efetivamente questões de proteção dos animais acima economia. X
  11. 11. • No final, o Governo aderiu ao abate e queima. No entanto, ele também criou uma investigação sobre a maneira em que o surto tinha sido tratado, o abate, a queima e a possibilidade de utilização de vacinação no futuro. • O surto de febre aftosa fornece um exemplo de diferentes pontos de vista sendo mantida sobre um problema do governo, agricultores, cientistas, grupos de bem-estar animal e por grupos dentro o público. • Estes pontos de vista divergentes implica em ênfases diferentes (com base em uma série de valores) colocadas por indivíduos sobre as necessidades da sociedade, dos agricultores e dos animais.
  12. 12. Ciência, educação científica e questões controversas • Muitas questões controversas têm uma base na ciência. • Embora estas questões têm uma base na ciência, que muitas vezes são intrinsecamente ligada às preocupações sociais, políticas ou econômicas. – A engenharia genética – Fontes de energia – Bem-estar animal
  13. 13. Organismos geneticamente modificados Cientistas que se esforçam para ajudar a alimentar o mundo Empresas internacionais que tentam ganhar dinheiro “Cientistas loucos" tentando inventar monstros de Frankenstein.
  14. 14. Cross e Price(1992): a natureza da ciência como um processo que leva à produção da teoria científica e ...[ciência], como instituição, [que é] as organizações de cientistas e os principais locais onde a ciência é feita. (Tradução nossa)
  15. 15. • Solomon (1993): “A maioria dos filósofos contemporâneos veem a construção do conhecimento científico como um assunto muito mais falível e humano do que uma dependência estrita sobre o "veredito da Natureza" através da experimentação desinteressada ou argumento lógico.” (Tradução nossa)
  16. 16. Pode ser que a aparente falta de confiança nos cientistas está ligada à maneira irrealista em que a ciência (processo e conteúdo) e os cientistas às vezes são apresentados através da educação científica e da mídia.
  17. 17. Reino Unido Incompreensão pública da natureza da ciência O papel dos cientistas O potencial e as limitações da ciência na resolução de problemas Está levando a uma desconfiança preocupante da ciência e cientistas, em especial aqueles que prestam assessoria ao Governo .
  18. 18. Cross e Price (1996) = Camino e Calcagno (1995) A questão mais delicada ainda tem de ser enfrentada, que é está incentivando [ ciência ] professores para mudar suas formas de pensar. Isto implica , em primeiro lugar, tentar convencer os professores a abandonar a segurança de ver a ciência disciplina como um objeto e neutro em favor da idéia de que o conhecimento é 'a- disciplinar ", transitório e carregado com valores. (1995 ) (Tradução nossa)
  19. 19. Por que trabalhar temas controversos? • Os estudantes se encontram com dilemas morais antes e depois que eles deixam a escola . • Auxiliar os seus alunos a lidar com questões de valor • Aprender a fazer julgamentos que são próprios verdadeiramente • Bem como aprender a assumir a responsabilidade por suas próprias vidas.
  20. 20. Para uma reconceituação do ensino de temas controversos • Inclusão dos aspectos políticos, sociais e econômicos dos temas controversos; Natureza de questões controversas Cidadãos cientificamente alfabetizados Implicações Pedagógicas
  21. 21. • Desafio: o aluno explorar diferentes perspectivas sobre um problema; • Professor sustenta suas abordagens pedagógicas: I) O foco dever ser a racionalidade II) Uma visão equilibrada sobre o assunto III) O professor deve se manter neutro Desacordo generalizado
  22. 22. - Racionalidade não fornece uma base adequada para a discussão (Ashton e Watson, 1998, p. 190) -Visão equilibrada do tema É em si um conceito contestado Stradling (1985) Professor Julgamentos subjetivos Preocupações com ensino Doutrinação
  23. 23. - Variedade de abordagens pedagógicas(Henderson e Lally 1988; McBee 1996; Pence 1990; Reiss, 1993); -“Neutralidade processual” Stenhouse (1983) -“Imparcialidade comprometida” Kelly (1986) Professores devem fazer a sua posição explícita no início do exercício
  24. 24. Questões da Pedagogia •Repensar a postura do professor: refletir sobre abordagens de ensino. -“Role-play” e Simulações: explorar as perspectivas de outras pessoas - Geddis (1991) : questão do tempo - Camino e Calgagno (1995): ‘role-play’ / formação do professor Centro dessas atividades!
  25. 25. Dewhurst (1992) : não é um processo simples Natureza dos dilemas moraes tem um componente afetivo Visão simplista da dramatização: aluno sentir empatia pelo ponto de vista do outro. -Questionar a utilidade da estretagégia Compreensão do evento como um processo e não como uma forma de desenvolver sua compreensão da questão
  26. 26. -Discussões de classe: forma eficaz Nos protocolos de discurso civil / Modelos - Objetivo dos debates e preocupações Solomon (2001) sugere que a ênfase deve estar na discussão, ao contrário da discussão e debate, já que a discussão é mais susceptível de conduzir a auto- reflexão e um esclarecimento de valores - Novos formatos, por exemplo ‘incidentes críticos’ -Reconceituar o ensino à luz de uma melhor compreensão da natureza da controvérsia
  27. 27. O que estamos procurando em termos de resultados dos alunos ? • As escolas devem encorajar os indivíduos a desenvolver de forma independente os seus próprios pontos de vista e opiniões • Ser incutida em normas sociais • Devem ser estimulados a refletir criticamente sobre a natureza das questões controversas (uma visão crítica social)
  28. 28. A posição que as escolas adotam depende de qual questão está sendo discutida. Culturas geneticamente modificadas pode ser aceitável em todas as escolas. Debate aberto sobre a moralidade do aborto é improvável que seja incentivada em uma escola católica. Necessária abordagem anti-racista no caso de racismo em todas as escolas da Inglaterra.
  29. 29. A sociedade se beneficiaria se a educação científica... 1. Adotar uma visão mais positiva e realista da ciência e seu potencial para a resolução de conflitos do que é atualmente comum; 2. Desenvolver habilidades críticas em relação à reflexão; 3. Aceitar menos automaticamente opiniões recebidas; 4. Reconhecer a natureza provisória do conhecimento científico e estar disposto a desenvolver o seu pensamento ao longo do tempo; 5. Desenvolver sua vontade e capacidade para encontrar mais informações; e 6. Oferecer uma melhor argumentação em apoio à posição que atualmente detêm, incluindo os aspectos filosóficos e éticos como apropriadas.
  30. 30. Um modelo pedagógico alternativo Abordagens que: • Se concentrem sobre a natureza da controvérsia e questões controversas; • Motivem os alunos a reconhecer que a postura de uma pessoa sobre uma questão será afetada por sua visão de mundo; • Enfatizem a importância dos professores e alunos refletirem criticamente;
  31. 31. • Ofereçam aos alunos as competências e habilidades; • Promovam abertura de espírito; • Motivem os professores a compartilhar com os alunos suas opiniões;
  32. 32. Controvérsia em torno da febre aftosa • Sugestão para alunos de 14-19. Usando um artigo de jornal como um ponto de partida, a professora pergunta aos alunos o que eles sabem sobre a febre aftosa. Essas ideias são recolhidas na folha e o professor preenche eventuais lacunas óbvias para que os alunos têm uma compreensão sobre a doença. A classe, então, será encorajada a discutir em pequenos grupos os prós e contras da vacinação como forma de controle da doença. Então, realiza um debate com a classe e vota a favor ou contra o uso de vacinação. Como lição de casa, escrever um pequeno texto argumentando a favor ou contra a vacinação.
  33. 33. • Em seguida, fornecer a classe cinco formas como o surto deve ser tratado. • Grupos - Governo do Reino Unido, National Farmers 'Union, uma organização da agricultura biológica, um grupo de bem-estar animal, o governo holandês.
  34. 34. No nosso modelo alternativo... O professor... Levanta questões para discussão: • 1. Quem está no grupo? • 2. Como são financiadas? • 3. Quem é que eles representam? • 4. Que eles estão tentando alcançar, como uma organização? • 5. Que valores / filosofia ou posição ética é explícito em materiais de divulgação da organização? • 6. Que evidência eles estão usando no debate sobre febre aftosa? • 7. Será que eles indicam os limites para as suas provas? • 8. Qual é a fonte de suas provas? • 9. Será que eles apresentam argumentos contrários? • 10. Quão forte você acha que o seu argumento é? • 11. O que eles querem nos fazer crer? • 12. Quais são as consequências do seu argumento?
  35. 35. Como resultado... • Cada grupo apresentará as suas conclusões como um cartaz, folheto ou breve apresentação. • Como lição de casa, os alunos compõem uma questão crítica que gostaria de fazer a um representante de cada organização se fossem entrevistá-los num programa de notícias de televisão.
  36. 36. • O foco seria na qualidade e na eficácia do argumento e apresentações em vez de uma resolução do problema.
  37. 37. Considerações finais • Reforma radical no currículo. Existem muitas barreiras para o desenvolvimento do currículo nesta área. Tomando em conjunto os citados por Clarke (1992), McBee (1996), Werner (1998) e Thornton (2000): • A complexidade da questão de conhecimento do professor sobre o tema;
  38. 38. Considerações finais • Preocupação de que a complexidade do tema irá torná-lo muito demorado para tratar de forma abrangente; • A pressão para ensinar outros aspectos mais “importantes" do currículo; e • O medo de que o professor seja acusado de parcialidade.
  39. 39. Por que trabalhar temas controversos em sala de aula? Como esses temas se relacionam com os processos de AC?
  40. 40. Referência Chris Oulton, Justin Dillon & Marcus M . Grace (2004): Reconceptualizing the teaching of controversial issues, International Journal of Science Education, 26:4, 411-423

×