Trabalho infantil e escravo

7.437 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre o Trabalho Infantil e o Trabalho Escravo no Brasil, nos dias atuais.

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.437
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho infantil e escravo

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE DIREITOS HUMANOS – PDH ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE E CIDADANIA POLO MORRINHOS/GO CICLO DE PALESTRAS PROFESSORA MARISTELA CRESTANI ANDRADE ALUNA – SANDRA CLÁUDIA DE SOUZA BASTOS
  2. 2. Trabalho Infantil e Trabalho Escravo
  3. 3. "Eu queria ter vida boa...andando de bicicleta por todo lugar" ( Fernando, 12 anos, Cortês/PE) “ Acordo às três da madrugada e saio para trabalhar. Não consigo dormir direito, fico cansado demais e não tenho coragem para estudar...” (Claudenilson, 13 anos. Município de Palmares/ PE) “ Eu só sonho coisa boa... mas na vida não acontece o que sonho...só o contrário... Minha diversão...!!? Chegar em casa, tomar banho, comer e, dormir, tou cansado demais...” (Carlos Adriano, 15 anos. Município de Cortês/PE)
  4. 4. A agricultura é a atividade que emprega maior número de crianças e adolescentes no Brasil. Na foto, garoto trabalhando em canavial nos arredores de Piracicaba (SP). 1997.
  5. 5. Estatuto da Criança e do Adolescente
  6. 6. Estatuto da Criança e do Adolescente Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 <ul><li>O ECA proíbe o trabalho de menores de 16 anos, e entre 14 e 16 anos só permite na condição de aprendiz (formação técnico-profissional); </li></ul><ul><li>Exige o acesso e a frequência dos aprendizes ao ensino regular; </li></ul><ul><li>Proíbe aos adolescentes o trabalho noturno ou em condições insalubres, perigosas ou penosas. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>A economia colonial no Brasil nos séculos XVI e XVII, caracterizou-se pela mão-de-obra escrava. </li></ul><ul><li>Mais de 100 anos se passaram após a Abolição da Escravatura e ainda há trabalho escravo no nosso país. </li></ul><ul><li>Para cada adulto existe uma criança ou adolescente trabalhando nos canaviais brasileiros. </li></ul>
  8. 8. Entrevista com Arthur Ramos do Nascimento, Mestrando de Direito Agrário da UFG, sobre o trabalho escravo no Brasil.
  9. 9. <ul><li>As vítimas da escravidão do século XXI têm todas as idades: trabalhadores adultos, idosos, mulheres, crianças e adolescentes. </li></ul><ul><li>Na escravidão moderna não há tráfico nem comercialização, como acontecia na época colonial, mas a privação da liberdade continua sendo a principal característica da prática. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Segundo a entrevista apresentada no vídeo as condições atuais dos trabalhadores são ainda piores do que as sofridas pelos negros até o século XIX, pois, o indivíduo é tratado como descartável. </li></ul><ul><li>Os negros eram valiosos para seus senhores, hoje se algum trabalhador morre, ele é facilmente substituído. </li></ul>
  11. 11. “ A segunda abolição só vai acontecer com a mobilização de todas as forças sociais e políticas. Sem a união da sociedade inteira, os indivíduos desumanos, muitas vezes na pele de produtores rurais, continuarão a explorar a miséria alheia.” ( Pedro Miskalo) O que caracteriza o Trabalho Escravo no Brasil é a impunidade.
  12. 12. Referências: MOTA, Myriam Becho. BRAICK, Patrícia Ramos. História: das cavernas ao terceiro milênio. Vol.2 – Da conquista da América ao século XIX. 1ª edição – São Paulo: Moderna, 2005. PINHEIRO, Douglas Antônio Rocha. Características dos Direitos Humanos Fundamentais. In: Fundamentos Históricos, Filosóficos e Jurídicos dos Direitos Humanos. UFG, 2010. http://www.youtube.com/watch?v=xoN8RlKutqU , acesso em 13/06/11 http://www.youtube.com/watch?v=7eoHk088B48 , acesso em 13/06/11 http://www.pime.org.br/mundoemissao/justicasocialbrasil.htm , acesso em 13/06/11 http://www.uel.br/revistas/germinal/n2-062008.htm , acesso em 13/06/11

×