A RevPAR

1.248 visualizações

Publicada em

Faz-se necessário o entendimento de algumas métricas usadas na gestão hoteleira, de onde vêem e qual a sua real importância. Fica mais fácil entendê-las quando conhecemos suas origens, e quando se colocam números que geram as dúvidas.

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
780
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A RevPAR

  1. 1. Águia Consultoria “Não há hotéis que não deem lucro, existem é hotéis mal Administrados”. consultoria@ruiventura.com.br http://ruisventura.blogspot.com.br/ Fone: +55 41 9269 9401 A RevPAR RevPAR, assim como RevPASH e alguns outros, porque são representados desta forma Rev=Revenue (receitas) P=Per – A- Available – R=Room, como podemos ver as três últimas letras são iniciais de palavras por isso a sua representação em Maiúscula, o mesmo acontece com Rev – P.A.S.H. - Per Available Seat Hour, este segundo é a melhor e mais fiel unidade métrica que deve ser usada para a boa gestão e rentabilidade de restaurantes. Vamos deixar as outras “abreviaturas” conhecidas já que muitas delas são absolutamente criadas para impressionar. Mas aqui nós vamos esclarecer a RevPAR, é uma métrica que foi criada com o aparecimento dos condo hotéis, ou que simplesmente por grandes investidores que não têm tempo a perder, o investidor tem 10 milhões de US$ para investir e alguém lhe oferece um hotel, como investidor ele tem pressa precisa procurar negócios e seu tempo é precioso, então precisa de um dado e pergunta, quanto cada um desses apartamentos me rende. E assim nasce a RevPAR, pessoalmente não me passa pela cabeça que esta métrica seja levada a sério por gestores hoteleiros com consciência e focados em resultados, não estou dizendo que não se use, estou dizendo que é temeridade leva-lo em conta com resultado sem outros parâmetros. Senão vejamos, hoje tenho dados concretos e são produto de nosso trabalho: Um hotel com 70 UHs tem 43,6% de ocupação. E R$: 698.342,57 de faturamento mensal. Temos então: ( ) Ocupação:- 43,6% ( )
  2. 2. Águia Consultoria “Não há hotéis que não deem lucro, existem é hotéis mal Administrados”. consultoria@ruiventura.com.br http://ruisventura.blogspot.com.br/ Fone: +55 41 9269 9401 RevPAR = Temos então Quem não gostaria de ter esse índice no RevPAR R$: 332,53 no seu resultado, eu sei que muitos têm, ou será que não? Nós trabalhamos com o RevPOR, se for para escolher esta métrica, mas para mim este vem acompanhada de outras 6, mas a principal e a que pode até em alguns momentos me valer sozinha é o GOPPAR – ou seja, o “Lucro operacional Bruto por apartamento disponível”, aqui sim temos um valor muito mais real. Ainda assim permitam-me colocar: Apartamento disponível é aquele que existe e dormiu vazio, bem na melhor das hipóteses temos uma unidade que além de não dar receita (Revenue) dá prejuízo e é preciso entender que diária como o próprio nome diz é “diária” a que você não vendeu hoje, pode até vender o apartamento amanhã, mas perdeu uma diária, ou seja, não gerou receita. Vamos ver o que acontece com o RevPOR ou (Receita total por apartamento ocupado), ou vendido do hotel do exemplo: Temos o RevPOR: – Para encurtar, gostaria de ter esse resultado como receita média por apartamento ocupado? E não se trata de um “all inclusive”. Pois é, porém nós fomos chamados para descobrir, porque com estes números “resultado real” não eram suficientes para pagar as contas, ou seja, o Hotel dava prejuízo. Tínhamos tempo para impedir o fechamento do hotel, apenas 4 meses, no dia em que fez cinco meses que tínhamos por lá passado, (e deixando a receitinha) recebemos um telefonema de agradecimento, pois o Hotel não só está dando resultado como não mais vai fechar.
  3. 3. Águia Consultoria “Não há hotéis que não deem lucro, existem é hotéis mal Administrados”. consultoria@ruiventura.com.br http://ruisventura.blogspot.com.br/ Fone: +55 41 9269 9401 Não é milagre, são sugestões e caminhos mostrados por quem FEZ, e sabe como FAZER... Há!!! Só para constar, no hotel em questão, não havia desvios, falo sim de apropriação indébita, embora parecesse num primeiro momento, era deficiência de gestão. Quando temos uma planilha de custo realmente bem fundamentada, e nossos consultados todos têm assim como os que participam de nossos cursos de Revenue Management pleno, sabe que existe o custo do apartamento que ficou vazio, e o custo do apartamento que foi vendido, este número varia, e em que pese o custo por unidade ocupada varie muito pouco, o custo por unidade propriamente dito varia muito, algo em cerca de 20% para cima ou para baixo com uma alteração de cerca de 12 a 15% de ocupação. Este número pode ser muito expressivo, para nós sempre é, pois que estamos tratando com um percentual. Então falar de ocupação versus RevPAR e outras métricas não faz grande sentido quando o foco é a administração focada em rentabilidade. No mínimo o GOPPAR, no mínimo, mas há outros.

×