Educação no brasil da colônia ao império

26.714 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.714
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
347
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação no brasil da colônia ao império

  1. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA DO BRASIL: colônia e império
  2. 2. <ul><li>1808 – A família real portuguesa transfere-se para o Brasil </li></ul><ul><li>1820 – Dom João VI retorna a Portugal </li></ul><ul><li>1822 – Proclamação da independência pelo príncipe regente que assume o nome de D. Pedro I </li></ul><ul><li>1824 – 1ª constituição do Brasil </li></ul><ul><li>1831 – Dom Pedro, por razões da política nacional e da situação de Portugal, abdica do trono em favor de seu filho. </li></ul><ul><li>1840 – Início do II reinado </li></ul><ul><li>1870 – Termina a guerra do Paraguai </li></ul><ul><li>1888 – Abolição da escravatura </li></ul><ul><li>1889 – Proclamação da república </li></ul>
  3. 3. EDUCAÇÃO: PERÍODO JOANINO TRANSFORMAÇÕES CULTURAIS <ul><li>CRIAÇÃO DA IMPRENSA RÉGIA (1808): ATÉ ENTÃO AS PUBLICAÇÕES ERAM PROIBIDAS. </li></ul><ul><li>BIBLIOTECA (1810), FUTURA BIBLIOTECA NACIONAL. </li></ul><ul><li>JARDIM BOTÂNICO DO RIO (1810): INCENTIVOU OS ESTUDOS DE BOTÂNICA E ZOOLOGIA </li></ul>
  4. 4. EDUCAÇÃO: PERÍODO JOANINO PRIMEIRAS MEDIDAS EDUCACIONAIS <ul><li>ACADEMIA REAL DA MARINHA, ACADEMIA REAL MILITAR E ESCOLA POLITÉCNICA (1874): ESTUDOS DE ENGENHARIA PARA A CARREIRA MILITAR. </li></ul><ul><li>CURSOS MÉDICOS-CIRÚRGICOS: FORMAÇÃO DE MÉDICOS PARA A MARINHA E O EXÉRCITO. </li></ul>
  5. 5. EDUCAÇÃO NO IMPÉRIO O ENSINO ELEMENTAR <ul><li>1823 DURANTE A ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE OS DEPUTADOS APROVARAM UMA LEI QUE NUNCA FOI CUMPRIDA. </li></ul><ul><li>PRINCÍPIO DE LIBERDADE DE ENSINO SEM RESTRIÇÕES E A INTENÇÃO DE “INSTRUÇÃO PRIMÁRIA GRATUITA A TODOS OS CIDADÃOS”. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>1827 – É INSTITUÍDA A LEI QUE “DETERMINA A CRIAÇÃO DE ESCOLAS DE PRIMEIRAS LETRAS EM TODAS AS CIDADES, VILAS, E LUGAREJOS ”(art. 1º) E, NO art. 11 QUE ESTABELECE “ESCOLAS DE MENINAS NAS CIDADES E VILAS MAIS POPULOSAS”. ESSA LEI FRACASSOU POR CAUSAS ECONÔMICAS, TÉCNICAS E POLÍTICAS. O PRIMEIRO PROJETO APRESENTADO PELA COMISSÃO DE INSTRUÇÃO FOI ENGAVETADO E ESQUECIDO ANTES DE SER APROVADO. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>EMBORA HOUVESSE REFERÊNCIA A UM “SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO” NA CONSTITUIÇÃO DE 1824 ESSE PROJETO NUNCA FOI CONTEMPLADO. </li></ul><ul><li>SEM A EXIGÊNCIA DE CONCLUSÃO DO CURSO PRIMÁRIO PARA O ACESSO A OUTROS NÍVEIS, A ELITE EDUCAVA SEUS FILHOS EM CASA, COM PRECEPTORES. OUTRAS VEZES, OS PAIS SE REUNIAM PARA CONTRATAR PROFESSORES QUE DESSEM AULAS EM CONJUNTO PARA SEUS FILHOS EM ALGUM LUGARA ESCOLHIDO E SEM VÍNCULO COM O ESTADO. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>DE 1819 A 1854 FOI IMPLANTADO O MÉTODO MÚTUO OU MONITORIAL SEM MUITO SUCESSO, O FRACASSO DA EXPERIÊNCIA SE DEU POR VÁRIAS CAUSAS: FALTA DE SALAS AMPLAS PARA ABRIGAR GRANDE NÚMERO DE ALUNOS; FALTAVAM BANCOS, QUADROS, FICHAS, SINETAS, COMPÊNDIOS, ETC. ERAM ESCOLAS NORMAIS ONDE OS PROFESSORES ERAM MAL REMUNERADOS E DESPREPARADOS. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>EM 1834, O ENSINO ELEMENTAR, O SECUNDÁRIO E O DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES FORAM DESCENTRALIZADOS, PASSANDO PARA A INICIATIVA E RESPONSABILIDADE DAS PROVÍNCIAS </li></ul><ul><li>SEGUNDO FERNANDO DE AZEVEDO, CITADO POR ARANHA, MARIA LÚCIA, “A TAXA DE ANALFABETISMO NO BRASIL ATINGIA EM 1890 A CIFRA DE 67,2%, HERANÇA DO PERÍODO IMPERIAL QUE A REPÚBLICA NÃO CONSEGUIRIA REDUZIR SENÃO A 60,1%, ATÉ 1920.” </li></ul>
  10. 10. EDUCAÇÃO NO IMPÉRIO O ENSINO SECUNDÁRIO <ul><li>SEGUNDO FERNANDO DE AZEVEDO: “A EDUCAÇÃO TERIA DE ARRASTAR-SE, ATRAVÉS DE TODO O SÉCULO XIX, INORGANIZADA, ANÁRQUICA, INCESSANTEMENTE DESAGREGADA”. </li></ul><ul><li>SEGUNDO ARANHA O GOLPE DE MISERICÓRDIA QUE PREJUDICOU DE VEZ A EDUCAÇÃO BRASILEIRA FOI O ATO ADICIONAL DE 1834 (EMENDA A CONSTITUIÇÃO). </li></ul>
  11. 11. <ul><li>EM 1837 FOI FUNDADO NO RIO DE JANEIRO O COLÉGIO D. PEDRO II QUE FICOU SOB A JURISDIÇÃO DA COROA. ERA DESTINADO A FORMAÇÃO DA ELITE INTELECTUAL E A SERVIR DE PADRÃO DE ENSINO PARA O RESTO DO PAÍS. ESSE COLÉGIO ERA O ÚNICO AUTORIZADO A REALIZAR EXAMES PARACELADOS PARA CONFERIR GRAU DE BACHAREU, INDISPENSÁVEL PARA O ACESSO AOS CURSOS SUPERIORES. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>GRANDE INFLUÊNCIA DO SEMINÁRIO DE OLINDA FUNDADO POR AZEREDO COUTINHO EM 1798, DAS IDÉIAS ILUMINISTAS NO BRASIL. </li></ul><ul><li>TENTATIVA DE REFORMA LEÔNCIO DE CARVALHO </li></ul><ul><li>ENQUANTO NO RESTO DO MUNDO A EDUCAÇÃO SE SECULARIZAVA, NO BRASIL, NO SÉCULO XIX, AUMENTAVA A INFLUÊNCIA DAS ESCOLAS CATÓLICAS SOBRE O ENSINO. </li></ul><ul><li>ALGUMAS INICIATIVAS LEIGAS FORAM BASTANTE FRUTÍFERAS, COMO É O CASO DA “SOCIEDADE DE CULTO À CIÊNCIA, FUNDADA POR MAÇONS”. </li></ul>
  13. 13. EDUCAÇÃO NO IMPÉRIO O ENSINO SUPERIOR <ul><li>NUM PRIMEIRO MOMENTO OS JOVENS SAIAM DO BRASIL PARA FAZER O CURSO SUPERIOR NA EUROPA. </li></ul><ul><li>APÓS A CHEGADA DE DOM JOÃO VI OS CURSOS ESTAVAM VOLTADOS PARA A FORMAÇÃO DA ELITE MILITAR E OS QUE NÃO ERAM PARA MILITARES VISAVAM A FORMAÇÃO DE PADRES. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>A ATENÇÃO ESPECIAL DO IMPÉRIO AO ENSINO SUPERIOR REFORÇAVA O CARÁTER ELITISTA E ARISTOCRÁTICO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA, QUE PRIVILEGIAVA O ACESSO AOS NOBRES, AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRAS E A UMA CAMADA INTERMEDIÁRIA SURGIDA DA AMPLIAÇÃO DOS QUADROS ADMINISTRATIVOS E BUROCRÁTICOS </li></ul>

×