SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
UNIVERSIDADE FEDERAL DO
MARANHÃO
CAMPUS DE GRAJAÚ
CURSO : LICENCIATURA
INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS
Disciplina: História e política
educacional
Percurso da história e politica educacional
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
PERCURSO DA HISTÓRIA e
POLITICA EDUCACIONAL
Os primórdios da escolarização
no Brasil
O início da escolarização brasileira
In: História da Educação Brasileira. Rio de Janeiro: UCB,
2007.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
O inicio de tudo ...
 O período de início da escolarização em
nosso país, refere-se ao período do Brasil -
Colônia e do Brasil – império
 NO PERÍODO COLONIAL – Surgiu os
JESUITAS como principais professores, que
se tornam responsáveis até os dias atuais.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Mas, como era antes da chegada dos
padres Jesuítas?
 Na época entendia-se que não havia
necessidade de se preparar o individuo para
as tarefas que a sociedade exigia.
 As crianças e os jovens indígenas aprendiam
participando diretamente das atividades
tribais, o que garantia a formação necessária
para a vida adulta.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Com a vinda dos Jesuítas dá-se continuidade
ao processo de imposição cultural, baseada no
modelo europeu vigente.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
A ESCOLA JESUÍTICA
ENFATIZAVA, TRÊS GRANDES
OBJETIVOS
Catequizar
os índios Propagar a
fé Cristã
Divulgar a
cultura
européia
A educação jesuítica na vertente de
Hilsdorf (2005) Panorama social-
histórico e político.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
[...] nobreza e clero querem defender a estrutura
social triplo e hierarquizada – os que lutam, os
que rezam e os que trabalham – definida pelos
teólogos do século XII, e manter seus
privilégios, aceitando as restrições da Igreja à
acumulação de capital e à livre produção e livre
contratação da força de trabalho praticadas pela
burguesia(HILSDORF, 2005).
Período jesuítico: 1549 - 1759
- A Companhia de Jesus: Missão, difundir a
fé católica;
 Objetivos: conversão dos indígenas, por
meio da catequese e instrução;
- As escolas jesuítas eram regulamentadas
por um documento, escrito por Inácio de
Loiola, o Ratio Studiorum;
- A obra educacional desenvolvida pelos
jesuítas era mantida pela coroa;
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Nesse contexto de acordo com
Hilsdorf ...
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Percebemos que a educação jesuíta pode ser
interpretada a partir de dois grandes objetivos:
a colonização (Estado) e o missionário (Igreja).
Assim, a missão jesuíta tem como projeto
manter e propagar a fé católica em uma fase
em que ela é contestada pela Reforma, pelas
religiões orientais e dos povos do Novo Mundo,
mas também internamente.
As práticas e conteúdos que os jesuítas
desenvolveram de acordo com as regras codificadas
na Ratio Studiorum.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Studia inferiora:
• Letras humanas, de grau médio,
com duração de três anos e
constituído por gramática,
humanidades e retórica. Forma o
alicerce de toda a estrutura do
ensino e se baseia
exclusivamente na literatura
clássica greco-latina.
• Filosofia e ciências (ou curso de
artes), também com duração de
três anos, tem por finalidade
formar o filósofo e oferece as
disciplinas de lógica, introdução
às ciências, cosmologia,
psicologia, física, metafísica e
filosofia moral
Studia superiora:
• Teologia e ciências
sagradas, com duração de
quatro anos, coroa os
estudos e visa à formação do
padre.
• Nas classes de gramática, o
latim é ensinado até o
perfeito domínio da língua.
• Os alunos estudam as
principais obras greco-latinas
e aperfeiçoam a capacidade
de expressão e estilo, mas
permanecem muitos presos
aos padrões clássicos.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Os jesuítas se tornam famosos pelo empenho em
institucionalizar o colégio como local por excelência da
formação religiosa, intelectual e moral das crianças e jovens. A
fim de atingir esses objetivos instauram rígida disciplina,
aplicada nos novos internatos criados para garantir proteção e
vigilância.
Além de controlar a admissão dos alunos, concedem
férias bem curtas para evitar que o contato com a família
afrouxasse os hábitos morais adquiridos.
Mesmo quando se trata de externato, o olhar dos mestres
segue os alunos, exigindo o afastamento da vida mundana
e recriminando as famílias que não assumem o encargo
dessa vigilância.
A obediência é considerada virtude não só de alunos,
como também de padres, submetidos a rígida disciplina de
trabalho, sem inovações personalistas.
Reforma Pombalina: de 1759 a 1808
 Em 1759, os jesuítas são expulsos pelo
Marquês de Pombal (Sebastião José de
Carvalho e Melo) e são criadas as Aulas
Régias de latim, grego e filosofia.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
 Motivos:
Enriquecimento dos Jesuítas no Brasil;
Formação do chamado “Império Temporal
Cristão”;
Educação Cristã para a Companhia e não
para os interesses do país;
 O objetivo de Pombal era substituir a escola
da Companhia de Jesus porque esta servia
aos interesses da fé e também era detentora
de um poder econômico que deveria ser
devolvido ao governo.
 criar uma escola útil aos fins do Estado;
 Novidade: educação laica;
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
A reforma de Pombal
Com a reforma de Pombal -
organização do ensino
 Aulas régias: autônomas e isoladas, com
professor único e uma não se articulava com as
outras;
 A qualidade do ensino ministrado pelas Aulas
Régias ficava ainda mais comprometida devido
à própria condição do pessoal docente.
Professores mal pagos, vitalícios e improvisados
formavam o magistério
 Resultado do reforma: as aulas régias pouco
alterou a realidade educacional no Brasil,
tampouco se constituiu numa oferta de
educação popular, ficando restrita às elites
locais; cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Concluindo, o ensino brasileiro ao
final do período colonial pode ser
caracterizado por um retrocesso
pedagógico representado pelas Aulas
Régias que em nenhum momento
substituiu o organizado sistema
jesuítico de ensino.
Para Fernando de Azevedo, foi “a primeira
grande e desastrosa reforma de ensino no
Brasil”. cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Vinda da família real portuguesa para a
colônia. Período Joanino: 1808-1821
A partir de 1808, com a vinda da família real
portuguesa para o Brasil – a colônia virou
metrópole - houve a valorização do ensino
técnico;
- D. João VI abriu Academias Militares,
Escolas de Direito e Medicina;
- A Preocupação: formar os dirigentes do país;
- Foco no ensino superior;
- Escolas de primeiras letras esquecida.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
A EDUCAÇÃO NO PERÍODO REPUBLICANO
Período Imperial: 1822 - 1888
- Processo de Independência do Brasil;
- Abertura dos portos;
- • Instalação da imprensa, museu, biblioteca e
academias;
- Dívida externa: Inglaterra;
- Em 1824 é outorgada a primeira Constituição
brasileira. Sobre a educação, o Art. 179 da
Constituição afirmava que a "instrução primária é
gratuita para todos os cidadãos”;
-
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
A EDUCAÇÃO NO PERÍODO
REPUBLICANO
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
 O período republicano marca a presença da
preocupação, tanto de intelectuais quanto de
políticos, com as taxas elevadas de
analfabetismo. Segundo Ghiraldelli (2000), no
ano de 1920, 75% da população eram
analfabeta.
 A classe política possuía um grande interesse
ao combater o analfabetismo, visto que os
analfabetos não podiam votar.
Em termos pedagógicos, três correntes
representam os diferentes setores da sociedade
da época
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Pedagogia Libertária
baseava-se em: educação de
base científica; dicotomia
entre educação e instrução;
educação moral mais prática;
adaptação do ensino ao nível
psicológico das crianças; co-
educação; livre expressão;
contato com a natureza;
produção de textos críticos
etc.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Pedagogia Tradicional
ligada às oligarquias dirigentes e à Igreja.
A disciplina rígida, a competição,
individual ou coletiva, entre outros,
caracterizavam esta corrente, que sofreu
importante influência da pedagogia dos
jesuítas.Foi também influenciada pelas
teorias pedagógicas americanas e
alemãs, fundamentadas no pensamento
do filósofo alemão Johann Friedrich
Herbart
Pedagogia Nova
baseada nos estudos de John Dewey, enfatizou os métodos ativos de
ensino-aprendizagem, a liberdade e interesse das crianças, o trabalho
em equipe e a prática dos trabalhos manuais. O centro do processo
ensino-aprendizagem passava a ser o aluno e não mais o professor,
como na Pedagogia Tradicional.
A EDUCAÇÃO NO PERÍODO
REPUBLICANO Período Imperial: 1822 - 1888
 Entre as poucas iniciativas do governo referentes ao
ensino primário, podemos lembrar da criação de uma
escola no Rio de Janeiro que deveria utilizar o método
Lancaster, ou seja, o ensino mútuo ou monitorial. O
objetivo da introdução deste método seria atenuar a falta
de professores.
 Prática pedagógica: para suprir a falta de professores
institui-se o Método Lancaster, (ensino mútuo), em que
um aluno treinado (decurião) ensina um grupo de dez
alunos (decúria) sob a rígida vigilância de um inspetor.
 A disciplina seria obtida através da ação repressora dos
inspetores e também através de prêmios e castigos.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
 Um Ato Adicional à Constituição promulgado em
1834, colocou o ensino primário sob a
responsabilidade das Províncias, desobrigando
o Estado Nacional de cuidar desse nível de
ensino;
 Em 1835 surgiu a primeira Escola Normal do país,
em Niterói.
 Podemos, assim, concluir que...
a vinda da Família Real e a independência
significaram a perpetuação de um modelo educacional
preocupado especialmente com a formação das elites
dirigentes.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Primeira República: 1889-1929
 A Constituição de 1891, pouco tratou da
educação, pois cabia aos estados legislar
sobre a educação primária e secundária;
 Até a década de 1930, os assuntos ligados à
educação eram tratados pelo Departamento
Nacional do Ensino ligado ao Ministério da
Justiça. Somente em 1931 foi criado o
Ministério da Educação.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Período da segunda república: 1930 - 1936
 A Revolução de 30 foi o marco referencial para
a entrada do Brasil no mundo capitalista de
produção.
 Mudanças sociais;
 A nova realidade brasileira passou a exigir uma
mão-de-obra especializada e para tal era
preciso investir na educação;
 - É a partir da década de 1930 que a educação
passa a ser tratada como questão nacional.
 Em 1932 um grupo de educadores lança à
nação o Manifesto dos Pioneiros da Educação
Nova, redigido por Fernando de Azevedo e
assinado por outros conceituados educadores
da época.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
A educação na Constituição de 1934
A nova Constituição dispõe, pela primeira
vez, de uma capítulo especial sobre a
Educação, estabelecendo que: “a educação
é direito de todos, devendo ser ministrada
pela família e pelos Poderes Públicos”.
A Constituição de 1934 determinou que a
União e os municípios deveriam aplicar nunca
menos de 10% e os estados 20% da
arrecadação de impostos “na manutenção e
desenvolvimento dos sistemas educacionais”
(art. 156); cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Tentativa de criar um sistema nacional
de educação.
 A Constituição de 1934 dedicou um capítulo
inteiro ao tema, trazendo à União a
responsabilidade de "traçar as diretrizes da
educação nacional" (art. 5) e
 "fixar o plano nacional de educação,
compreensivo do ensino em todos os graus e
ramos, comuns e especializados e coordenar
e fiscalizar a sua execução, em todo o
território do País. " (art. 150);
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Estado Novo: 1937-1945
- Com o Estado Novo é outorgada uma nova
Constituição (1937);
 Essa Constituição, desobriga o Estado, em
nível federal, estadual e municipal, da
manutenção e expansão do ensino público;
 A Constituição enfatiza o ensino pré-
vocacional e profissional – servir ao
mercado;
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Nova República: 1946-1963
 Volta a figurar a vinculação orçamentária;
 Na Carta de 1946, voltou a figurar a vinculação
orcamentária que fixou em 20% a obrigação
mínima dos estados e municípios e 10% da
União.
 Volta a figurar na Constituição que "a
educação é direito de todos”;
 Em 1948 foi encaminhado à Câmara Federal
o anteprojeto da LDB – aprovado em 1961
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
 Com a 1º LDB tivemos a chance de
organizar o sistema nacional de educação -
mas essa oportunidade foi perdida, pois a
LDB fixou como sistema apenas os
estaduais.
 Essa lei garantiu a educação como um
direito de todos, porém o Estado não era
obrigado a ofertar a educação básica.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Regime Militar – 1964-1985
 O regime retirou a vinculação orçamentária;
 Com o Golpe Militar, o ensino em todas as áreas da
educação brasileira passaram a ser rigidamente
vigiadas pelos comandantes das Forças Armadas;
 Professores foram presos e demitidos; -
Universidades foram invadidas;
 Estudantes foram presos e feridos, nos confronto
com a polícia, e alguns foram mortos; - A União
Nacional dos Estudantes proibida de funcionar;
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. São Paulo:
Moderna, 1989.
BREJON, Moysés. (org.) Estrutura e funcionamento do ensino de
1o e 2o graus: leituras. 7. ed. São Paulo: Pioneiras, 1976.
PILLETTI, Nelson. Estrutura e funcionamento do ensino de 1o grau.
22. ed. São Paulo: Ática, 1996.
________ . História da educação no Brasil. 6. ed. São Paulo: Ática,
1996.
RIBEIRO, Maria Luísa Santos. História da educação brasileira: a
organização escolar. 13. ed. São Paulo: Autores Associados, 1993.
ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil. 13.
ed. Petrópolis: Vozes, 1991.
SILVA, Francisco de Assis. História do Brasil. São Paulo: Moderna,
1992.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Até aqui foi nos slides, agora é
continuar o percurso Histórico
Com Maria Lúcia de Arruda
Aranha.
cristinatorresferreira@gmail.com
Profª Cristina Torres
Texto 01

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroEstrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroLucas Sebastião Barbosa
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISJose Wilson Melo
 
A educação no brasil
A educação no brasilA educação no brasil
A educação no brasilcsjmaranhao
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteKelly da Silva
 
Historia da educacao no Brasil
Historia da educacao no BrasilHistoria da educacao no Brasil
Historia da educacao no Brasilluciano kingerski
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculoNatália Luz
 
Estrutura e funcionamento do ensino
Estrutura e funcionamento do ensino Estrutura e funcionamento do ensino
Estrutura e funcionamento do ensino Darlan Campos
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoHerbert Santana
 
Didática
DidáticaDidática
Didáticagadea
 
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptIntrodução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptDaniela Barroso
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraEdneide Lima
 
Slide hist. educação no brasil
Slide hist. educação no brasilSlide hist. educação no brasil
Slide hist. educação no brasilSilvana Tenfen
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosLinda-maria12
 

Mais procurados (20)

Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional BrasileiroEstrutura do Sistema Educacional Brasileiro
Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
A educação no brasil
A educação no brasilA educação no brasil
A educação no brasil
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Historia da educacao no Brasil
Historia da educacao no BrasilHistoria da educacao no Brasil
Historia da educacao no Brasil
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Estrutura e funcionamento do ensino
Estrutura e funcionamento do ensino Estrutura e funcionamento do ensino
Estrutura e funcionamento do ensino
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento pptIntrodução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
Introdução ao ensino superior. estrutura e funcionamento ppt
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
Políticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas EducacionaisPolíticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas Educacionais
 
Slide hist. educação no brasil
Slide hist. educação no brasilSlide hist. educação no brasil
Slide hist. educação no brasil
 
História da educação universal e educação brasileira
História da educação universal e educação brasileiraHistória da educação universal e educação brasileira
História da educação universal e educação brasileira
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 

Destaque

Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1Darlan Campos
 
Políticas Públicas de Educação
Políticas Públicas de EducaçãoPolíticas Públicas de Educação
Políticas Públicas de EducaçãoCleverson Sobrenome
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilferaps
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoRalf Siebiger
 
Políticas públicas educacionais aula 2
Políticas públicas educacionais   aula   2Políticas públicas educacionais   aula   2
Políticas públicas educacionais aula 2Darlan Campos
 
Política, planejamento e legislação educacional
Política, planejamento e legislação educacionalPolítica, planejamento e legislação educacional
Política, planejamento e legislação educacionalFrancismar Lopes
 
Políticas educacionais
Políticas educacionaisPolíticas educacionais
Políticas educacionaismkbariotto
 
Políticas públicas para a qualidade da educação brasileira
Políticas públicas para a qualidade da educação brasileiraPolíticas públicas para a qualidade da educação brasileira
Políticas públicas para a qualidade da educação brasileirakellciasukita
 
A atual politica educacional brasileira
A atual politica educacional brasileiraA atual politica educacional brasileira
A atual politica educacional brasileiraMoacyr Anício
 
Apostila políticas básicas da educação habilitação senador pompeu - pdf
Apostila políticas básicas da educação   habilitação senador pompeu - pdfApostila políticas básicas da educação   habilitação senador pompeu - pdf
Apostila políticas básicas da educação habilitação senador pompeu - pdfProf. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento EducacionalSimone Lucas
 
2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.Sandra Luccas
 
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Financiamento da Educação - Evento PNE
Financiamento da Educação - Evento PNEFinanciamento da Educação - Evento PNE
Financiamento da Educação - Evento PNEUBIRAJARA COUTO LIMA
 
O financiamento da educação e o novo Plano Nacional
O  financiamento da educação  e o novo Plano NacionalO  financiamento da educação  e o novo Plano Nacional
O financiamento da educação e o novo Plano NacionalDeputado Paulo Rubem - PDT
 
Para entender o financiamento da educação no brasil
Para entender o financiamento da educação no brasilPara entender o financiamento da educação no brasil
Para entender o financiamento da educação no brasilAlessandroRubens
 
História da Educação: Conceito histórico
História da Educação: Conceito históricoHistória da Educação: Conceito histórico
História da Educação: Conceito históricoVadeilza Castilho
 
política social e políticas públicas
política social e políticas públicaspolítica social e políticas públicas
política social e políticas públicasLeonardo Rocha
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteValéria Shoujofan
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolarJoao Balbi
 

Destaque (20)

Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1
 
Políticas Públicas de Educação
Políticas Públicas de EducaçãoPolíticas Públicas de Educação
Políticas Públicas de Educação
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
 
Políticas públicas educacionais aula 2
Políticas públicas educacionais   aula   2Políticas públicas educacionais   aula   2
Políticas públicas educacionais aula 2
 
Política, planejamento e legislação educacional
Política, planejamento e legislação educacionalPolítica, planejamento e legislação educacional
Política, planejamento e legislação educacional
 
Políticas educacionais
Políticas educacionaisPolíticas educacionais
Políticas educacionais
 
Políticas públicas para a qualidade da educação brasileira
Políticas públicas para a qualidade da educação brasileiraPolíticas públicas para a qualidade da educação brasileira
Políticas públicas para a qualidade da educação brasileira
 
A atual politica educacional brasileira
A atual politica educacional brasileiraA atual politica educacional brasileira
A atual politica educacional brasileira
 
Apostila políticas básicas da educação habilitação senador pompeu - pdf
Apostila políticas básicas da educação   habilitação senador pompeu - pdfApostila políticas básicas da educação   habilitação senador pompeu - pdf
Apostila políticas básicas da educação habilitação senador pompeu - pdf
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
 
2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.
 
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar   b...
Apostila políticas públicas e legislação sobre educação em gestão escolar b...
 
Financiamento da Educação - Evento PNE
Financiamento da Educação - Evento PNEFinanciamento da Educação - Evento PNE
Financiamento da Educação - Evento PNE
 
O financiamento da educação e o novo Plano Nacional
O  financiamento da educação  e o novo Plano NacionalO  financiamento da educação  e o novo Plano Nacional
O financiamento da educação e o novo Plano Nacional
 
Para entender o financiamento da educação no brasil
Para entender o financiamento da educação no brasilPara entender o financiamento da educação no brasil
Para entender o financiamento da educação no brasil
 
História da Educação: Conceito histórico
História da Educação: Conceito históricoHistória da Educação: Conceito histórico
História da Educação: Conceito histórico
 
política social e políticas públicas
política social e políticas públicaspolítica social e políticas públicas
política social e políticas públicas
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 

Semelhante a História Educação Brasil

Fundamentos históricos, políticos e legislação educacional
Fundamentos históricos, políticos e legislação educacionalFundamentos históricos, políticos e legislação educacional
Fundamentos históricos, políticos e legislação educacionalSimoneHelenDrumond
 
O ensino secundário
O ensino secundárioO ensino secundário
O ensino secundárioIsis Bezerra
 
História da Educação.ppt
História da Educação.pptHistória da Educação.ppt
História da Educação.pptZoraide6
 
História da Educação.ppt
História da Educação.pptHistória da Educação.ppt
História da Educação.pptRégio Quirino
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilPatricia Nunes
 
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)LEONARDO RODRIGUES DA SILVA
 
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educaçãoFundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educaçãoKáttia Gonçalves
 
20 marlete schaffrath
20 marlete schaffrath20 marlete schaffrath
20 marlete schaffrathjhecioosaki
 
ATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃO
ATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃOATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃO
ATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃOleledepaula
 
2ª aula educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 2015
2ª aula   educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 20152ª aula   educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 2015
2ª aula educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 2015heder oliveira silva
 
_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt
_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt
_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.pptIgor Sampaio Pinho
 
Didática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate AtualidadeDidática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate AtualidadeJulio Siqueira
 
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimentoHistória da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimentoKadu Sp
 
A constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superior
A constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superiorA constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superior
A constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superiorCristiane Tavares
 
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbraOs estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbraCristiane Tavares
 
Digiorgi e yoshie qualidade da escola
Digiorgi  e yoshie   qualidade da escolaDigiorgi  e yoshie   qualidade da escola
Digiorgi e yoshie qualidade da escolaThaís Gomes
 
Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...
Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...
Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...Sara Leal
 

Semelhante a História Educação Brasil (20)

Fundamentos históricos, políticos e legislação educacional
Fundamentos históricos, políticos e legislação educacionalFundamentos históricos, políticos e legislação educacional
Fundamentos históricos, políticos e legislação educacional
 
O ensino secundário
O ensino secundárioO ensino secundário
O ensino secundário
 
História da Educção.ppt
História da Educção.pptHistória da Educção.ppt
História da Educção.ppt
 
História da Educação.ppt
História da Educação.pptHistória da Educação.ppt
História da Educação.ppt
 
História da Educação.ppt
História da Educação.pptHistória da Educação.ppt
História da Educação.ppt
 
História da Educação.ppt
História da Educação.pptHistória da Educação.ppt
História da Educação.ppt
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasil
 
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
Concepções historicas-da-educação-ii-professor-leonardo (1)
 
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educaçãoFundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
Fundamentos históricos sociológicos e filosóficos da educação
 
20 marlete schaffrath
20 marlete schaffrath20 marlete schaffrath
20 marlete schaffrath
 
ATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃO
ATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃOATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃO
ATPS HISTORIA DA EDUCAÇÃO
 
2ª aula educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 2015
2ª aula   educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 20152ª aula   educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 2015
2ª aula educadores e educandos - prof. heder - 09 a13 de março 2015
 
_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt
_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt
_ciencia__tecnologia_e_educacao_no_brasil-ppt.ppt
 
Didática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate AtualidadeDidática De 1549 Ate Atualidade
Didática De 1549 Ate Atualidade
 
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimentoHistória da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
 
A constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superior
A constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superiorA constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superior
A constituição da nacionalidade brasileira através do ensino superior
 
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbraOs estatutos de 1772 da universidade de coimbra
Os estatutos de 1772 da universidade de coimbra
 
Digiorgi e yoshie qualidade da escola
Digiorgi  e yoshie   qualidade da escolaDigiorgi  e yoshie   qualidade da escola
Digiorgi e yoshie qualidade da escola
 
Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...
Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...
Jovens de baixa renda e acesso ao ensino superior público: Avanços e dilemas ...
 
Didatica
DidaticaDidatica
Didatica
 

Mais de CRIS TORRES

Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...CRIS TORRES
 
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...CRIS TORRES
 
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2 Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2 CRIS TORRES
 
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIAPalestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIACRIS TORRES
 
Aula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogiaAula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogiaCRIS TORRES
 
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE” DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE” CRIS TORRES
 
50 dicas para 2014
50 dicas para 201450 dicas para 2014
50 dicas para 2014CRIS TORRES
 
Reflexão e atitude
Reflexão e atitudeReflexão e atitude
Reflexão e atitudeCRIS TORRES
 
Orientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisaOrientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisaCRIS TORRES
 
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...CRIS TORRES
 
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA CRIS TORRES
 
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...CRIS TORRES
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoCRIS TORRES
 
O PARFOR no Estado do Maranhão
O PARFOR  no Estado do MaranhãoO PARFOR  no Estado do Maranhão
O PARFOR no Estado do MaranhãoCRIS TORRES
 
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRECOMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRECRIS TORRES
 
Psicologia genética piaget
Psicologia genética   piagetPsicologia genética   piaget
Psicologia genética piagetCRIS TORRES
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discênciaCRIS TORRES
 
Parâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionaisParâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionaisCRIS TORRES
 
Os professores diante do saber
Os professores diante do saberOs professores diante do saber
Os professores diante do saberCRIS TORRES
 

Mais de CRIS TORRES (20)

Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
Artigo cursos presenciais de formação de professores da educação básica no mu...
 
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
Cursos presenciais de formação de professores da educação básica no município...
 
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2 Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
Mensagem aos formandos curso pedagogia 2010 2
 
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIAPalestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
Palestra aula da saudade Curso PEDAGOGIA
 
Aula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogiaAula da saudade pedagogia
Aula da saudade pedagogia
 
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE” DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
DESENVOLVIMENTO DE PORTFÓLIO “ARAGUAÍNA ON-LINE”
 
50 dicas para 2014
50 dicas para 201450 dicas para 2014
50 dicas para 2014
 
Reflexão e atitude
Reflexão e atitudeReflexão e atitude
Reflexão e atitude
 
Orientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisaOrientações para projeto de pesquisa
Orientações para projeto de pesquisa
 
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
As contribuições do Programa de Formação de Professores para a Educação Básic...
 
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA Aula da saudade Ed.Física   Grajaú - MA
Aula da saudade Ed.Física Grajaú - MA
 
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
 
O PARFOR no Estado do Maranhão
O PARFOR  no Estado do MaranhãoO PARFOR  no Estado do Maranhão
O PARFOR no Estado do Maranhão
 
SALVE O LIVRO
SALVE O LIVROSALVE O LIVRO
SALVE O LIVRO
 
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRECOMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
COMO SE PRÉ-INSCREVER NA PLATAFORMA FREIRE
 
Psicologia genética piaget
Psicologia genética   piagetPsicologia genética   piaget
Psicologia genética piaget
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
 
Parâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionaisParâmetros curriculares nacionais
Parâmetros curriculares nacionais
 
Os professores diante do saber
Os professores diante do saberOs professores diante do saber
Os professores diante do saber
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 

História Educação Brasil

  • 1. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CAMPUS DE GRAJAÚ CURSO : LICENCIATURA INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS Disciplina: História e política educacional Percurso da história e politica educacional
  • 3. Os primórdios da escolarização no Brasil O início da escolarização brasileira In: História da Educação Brasileira. Rio de Janeiro: UCB, 2007. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 4. O inicio de tudo ...  O período de início da escolarização em nosso país, refere-se ao período do Brasil - Colônia e do Brasil – império  NO PERÍODO COLONIAL – Surgiu os JESUITAS como principais professores, que se tornam responsáveis até os dias atuais. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 5. Mas, como era antes da chegada dos padres Jesuítas?  Na época entendia-se que não havia necessidade de se preparar o individuo para as tarefas que a sociedade exigia.  As crianças e os jovens indígenas aprendiam participando diretamente das atividades tribais, o que garantia a formação necessária para a vida adulta. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 6. Com a vinda dos Jesuítas dá-se continuidade ao processo de imposição cultural, baseada no modelo europeu vigente. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres A ESCOLA JESUÍTICA ENFATIZAVA, TRÊS GRANDES OBJETIVOS Catequizar os índios Propagar a fé Cristã Divulgar a cultura européia
  • 7. A educação jesuítica na vertente de Hilsdorf (2005) Panorama social- histórico e político. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres [...] nobreza e clero querem defender a estrutura social triplo e hierarquizada – os que lutam, os que rezam e os que trabalham – definida pelos teólogos do século XII, e manter seus privilégios, aceitando as restrições da Igreja à acumulação de capital e à livre produção e livre contratação da força de trabalho praticadas pela burguesia(HILSDORF, 2005).
  • 8. Período jesuítico: 1549 - 1759 - A Companhia de Jesus: Missão, difundir a fé católica;  Objetivos: conversão dos indígenas, por meio da catequese e instrução; - As escolas jesuítas eram regulamentadas por um documento, escrito por Inácio de Loiola, o Ratio Studiorum; - A obra educacional desenvolvida pelos jesuítas era mantida pela coroa; cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 9. Nesse contexto de acordo com Hilsdorf ... cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres Percebemos que a educação jesuíta pode ser interpretada a partir de dois grandes objetivos: a colonização (Estado) e o missionário (Igreja). Assim, a missão jesuíta tem como projeto manter e propagar a fé católica em uma fase em que ela é contestada pela Reforma, pelas religiões orientais e dos povos do Novo Mundo, mas também internamente.
  • 10. As práticas e conteúdos que os jesuítas desenvolveram de acordo com as regras codificadas na Ratio Studiorum. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres Studia inferiora: • Letras humanas, de grau médio, com duração de três anos e constituído por gramática, humanidades e retórica. Forma o alicerce de toda a estrutura do ensino e se baseia exclusivamente na literatura clássica greco-latina. • Filosofia e ciências (ou curso de artes), também com duração de três anos, tem por finalidade formar o filósofo e oferece as disciplinas de lógica, introdução às ciências, cosmologia, psicologia, física, metafísica e filosofia moral Studia superiora: • Teologia e ciências sagradas, com duração de quatro anos, coroa os estudos e visa à formação do padre. • Nas classes de gramática, o latim é ensinado até o perfeito domínio da língua. • Os alunos estudam as principais obras greco-latinas e aperfeiçoam a capacidade de expressão e estilo, mas permanecem muitos presos aos padrões clássicos.
  • 11. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres Os jesuítas se tornam famosos pelo empenho em institucionalizar o colégio como local por excelência da formação religiosa, intelectual e moral das crianças e jovens. A fim de atingir esses objetivos instauram rígida disciplina, aplicada nos novos internatos criados para garantir proteção e vigilância. Além de controlar a admissão dos alunos, concedem férias bem curtas para evitar que o contato com a família afrouxasse os hábitos morais adquiridos. Mesmo quando se trata de externato, o olhar dos mestres segue os alunos, exigindo o afastamento da vida mundana e recriminando as famílias que não assumem o encargo dessa vigilância. A obediência é considerada virtude não só de alunos, como também de padres, submetidos a rígida disciplina de trabalho, sem inovações personalistas.
  • 12. Reforma Pombalina: de 1759 a 1808  Em 1759, os jesuítas são expulsos pelo Marquês de Pombal (Sebastião José de Carvalho e Melo) e são criadas as Aulas Régias de latim, grego e filosofia. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres  Motivos: Enriquecimento dos Jesuítas no Brasil; Formação do chamado “Império Temporal Cristão”; Educação Cristã para a Companhia e não para os interesses do país;
  • 13.  O objetivo de Pombal era substituir a escola da Companhia de Jesus porque esta servia aos interesses da fé e também era detentora de um poder econômico que deveria ser devolvido ao governo.  criar uma escola útil aos fins do Estado;  Novidade: educação laica; cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres A reforma de Pombal
  • 14. Com a reforma de Pombal - organização do ensino  Aulas régias: autônomas e isoladas, com professor único e uma não se articulava com as outras;  A qualidade do ensino ministrado pelas Aulas Régias ficava ainda mais comprometida devido à própria condição do pessoal docente. Professores mal pagos, vitalícios e improvisados formavam o magistério  Resultado do reforma: as aulas régias pouco alterou a realidade educacional no Brasil, tampouco se constituiu numa oferta de educação popular, ficando restrita às elites locais; cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 15. Concluindo, o ensino brasileiro ao final do período colonial pode ser caracterizado por um retrocesso pedagógico representado pelas Aulas Régias que em nenhum momento substituiu o organizado sistema jesuítico de ensino. Para Fernando de Azevedo, foi “a primeira grande e desastrosa reforma de ensino no Brasil”. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 16. Vinda da família real portuguesa para a colônia. Período Joanino: 1808-1821 A partir de 1808, com a vinda da família real portuguesa para o Brasil – a colônia virou metrópole - houve a valorização do ensino técnico; - D. João VI abriu Academias Militares, Escolas de Direito e Medicina; - A Preocupação: formar os dirigentes do país; - Foco no ensino superior; - Escolas de primeiras letras esquecida. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 17. A EDUCAÇÃO NO PERÍODO REPUBLICANO Período Imperial: 1822 - 1888 - Processo de Independência do Brasil; - Abertura dos portos; - • Instalação da imprensa, museu, biblioteca e academias; - Dívida externa: Inglaterra; - Em 1824 é outorgada a primeira Constituição brasileira. Sobre a educação, o Art. 179 da Constituição afirmava que a "instrução primária é gratuita para todos os cidadãos”; - cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 18. A EDUCAÇÃO NO PERÍODO REPUBLICANO cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres  O período republicano marca a presença da preocupação, tanto de intelectuais quanto de políticos, com as taxas elevadas de analfabetismo. Segundo Ghiraldelli (2000), no ano de 1920, 75% da população eram analfabeta.  A classe política possuía um grande interesse ao combater o analfabetismo, visto que os analfabetos não podiam votar.
  • 19. Em termos pedagógicos, três correntes representam os diferentes setores da sociedade da época cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 20. Pedagogia Libertária baseava-se em: educação de base científica; dicotomia entre educação e instrução; educação moral mais prática; adaptação do ensino ao nível psicológico das crianças; co- educação; livre expressão; contato com a natureza; produção de textos críticos etc. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres Pedagogia Tradicional ligada às oligarquias dirigentes e à Igreja. A disciplina rígida, a competição, individual ou coletiva, entre outros, caracterizavam esta corrente, que sofreu importante influência da pedagogia dos jesuítas.Foi também influenciada pelas teorias pedagógicas americanas e alemãs, fundamentadas no pensamento do filósofo alemão Johann Friedrich Herbart Pedagogia Nova baseada nos estudos de John Dewey, enfatizou os métodos ativos de ensino-aprendizagem, a liberdade e interesse das crianças, o trabalho em equipe e a prática dos trabalhos manuais. O centro do processo ensino-aprendizagem passava a ser o aluno e não mais o professor, como na Pedagogia Tradicional.
  • 21. A EDUCAÇÃO NO PERÍODO REPUBLICANO Período Imperial: 1822 - 1888  Entre as poucas iniciativas do governo referentes ao ensino primário, podemos lembrar da criação de uma escola no Rio de Janeiro que deveria utilizar o método Lancaster, ou seja, o ensino mútuo ou monitorial. O objetivo da introdução deste método seria atenuar a falta de professores.  Prática pedagógica: para suprir a falta de professores institui-se o Método Lancaster, (ensino mútuo), em que um aluno treinado (decurião) ensina um grupo de dez alunos (decúria) sob a rígida vigilância de um inspetor.  A disciplina seria obtida através da ação repressora dos inspetores e também através de prêmios e castigos. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 22.  Um Ato Adicional à Constituição promulgado em 1834, colocou o ensino primário sob a responsabilidade das Províncias, desobrigando o Estado Nacional de cuidar desse nível de ensino;  Em 1835 surgiu a primeira Escola Normal do país, em Niterói.  Podemos, assim, concluir que... a vinda da Família Real e a independência significaram a perpetuação de um modelo educacional preocupado especialmente com a formação das elites dirigentes. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 23. Primeira República: 1889-1929  A Constituição de 1891, pouco tratou da educação, pois cabia aos estados legislar sobre a educação primária e secundária;  Até a década de 1930, os assuntos ligados à educação eram tratados pelo Departamento Nacional do Ensino ligado ao Ministério da Justiça. Somente em 1931 foi criado o Ministério da Educação. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 24. Período da segunda república: 1930 - 1936  A Revolução de 30 foi o marco referencial para a entrada do Brasil no mundo capitalista de produção.  Mudanças sociais;  A nova realidade brasileira passou a exigir uma mão-de-obra especializada e para tal era preciso investir na educação;  - É a partir da década de 1930 que a educação passa a ser tratada como questão nacional.  Em 1932 um grupo de educadores lança à nação o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, redigido por Fernando de Azevedo e assinado por outros conceituados educadores da época. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 25. A educação na Constituição de 1934 A nova Constituição dispõe, pela primeira vez, de uma capítulo especial sobre a Educação, estabelecendo que: “a educação é direito de todos, devendo ser ministrada pela família e pelos Poderes Públicos”. A Constituição de 1934 determinou que a União e os municípios deveriam aplicar nunca menos de 10% e os estados 20% da arrecadação de impostos “na manutenção e desenvolvimento dos sistemas educacionais” (art. 156); cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 26. Tentativa de criar um sistema nacional de educação.  A Constituição de 1934 dedicou um capítulo inteiro ao tema, trazendo à União a responsabilidade de "traçar as diretrizes da educação nacional" (art. 5) e  "fixar o plano nacional de educação, compreensivo do ensino em todos os graus e ramos, comuns e especializados e coordenar e fiscalizar a sua execução, em todo o território do País. " (art. 150); cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 27. Estado Novo: 1937-1945 - Com o Estado Novo é outorgada uma nova Constituição (1937);  Essa Constituição, desobriga o Estado, em nível federal, estadual e municipal, da manutenção e expansão do ensino público;  A Constituição enfatiza o ensino pré- vocacional e profissional – servir ao mercado; cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 28. Nova República: 1946-1963  Volta a figurar a vinculação orçamentária;  Na Carta de 1946, voltou a figurar a vinculação orcamentária que fixou em 20% a obrigação mínima dos estados e municípios e 10% da União.  Volta a figurar na Constituição que "a educação é direito de todos”;  Em 1948 foi encaminhado à Câmara Federal o anteprojeto da LDB – aprovado em 1961 cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 29.  Com a 1º LDB tivemos a chance de organizar o sistema nacional de educação - mas essa oportunidade foi perdida, pois a LDB fixou como sistema apenas os estaduais.  Essa lei garantiu a educação como um direito de todos, porém o Estado não era obrigado a ofertar a educação básica. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 30. Regime Militar – 1964-1985  O regime retirou a vinculação orçamentária;  Com o Golpe Militar, o ensino em todas as áreas da educação brasileira passaram a ser rigidamente vigiadas pelos comandantes das Forças Armadas;  Professores foram presos e demitidos; - Universidades foram invadidas;  Estudantes foram presos e feridos, nos confronto com a polícia, e alguns foram mortos; - A União Nacional dos Estudantes proibida de funcionar; cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 31. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. São Paulo: Moderna, 1989. BREJON, Moysés. (org.) Estrutura e funcionamento do ensino de 1o e 2o graus: leituras. 7. ed. São Paulo: Pioneiras, 1976. PILLETTI, Nelson. Estrutura e funcionamento do ensino de 1o grau. 22. ed. São Paulo: Ática, 1996. ________ . História da educação no Brasil. 6. ed. São Paulo: Ática, 1996. RIBEIRO, Maria Luísa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 13. ed. São Paulo: Autores Associados, 1993. ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. SILVA, Francisco de Assis. História do Brasil. São Paulo: Moderna, 1992. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres
  • 32. Até aqui foi nos slides, agora é continuar o percurso Histórico Com Maria Lúcia de Arruda Aranha. cristinatorresferreira@gmail.com Profª Cristina Torres Texto 01