Editorial

Administrar
com maestria para crescer de
forma sustentável

E

m sua quarta edição, a Revista
Canavieiros abord...
Indice
EXPEDIENTE

Capa

CONSELHO EDITORIAL:
Antonio Eduardo Tonielo
Augusto César Strini Paixão
Clóvis Aparecido Vanzella...
Entrevista

Julio Maria Martins Borges
diretor-executivo da JOB - Economia e Planejamento

Crescimento
para toda cadeia pr...
Entrevista
CANAVIEIROS: Algumas previsões referentes à produção de cana, açúcar e álcool, apontam que nos próximos
dez ou ...
Ponto de Vista

O Bolsa Família
e o Bolso das Famílias

T

ravestido de um programa de transferên
cia de renda, o Bolsa Fa...
Artigo

Investimentos
Agrícolas
*João Guilherme Sabino Ometto

A

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agr...
Notícias
Copercana

Supermercado Copercana
e Granol juntos em prol do meio ambiente
Carla Rossini

A

Granol, empresa que ...
Notícias
Copercana

Copercana
inicia comercialização de sementes forrageiras
Carla Rossini

O objetivo é atender os cooper...
Notícias
Canaoeste
visão estratégica sobre o mercado
para seus produtos”, disse.

Ortolan
abordará perspectivas em Londres...
Notícias
Canaoeste

Hospital Netto Campello
inaugura nova maternidade
Carla Rossini

Nova infra-estrutura oferece à mulher...
Notícias
Canaoeste

Consecana
Conselho dos Produtores de Cana, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo

CIRCULAR Nº 10/06
D...
Notícias
Cocred

Cocred:
atendimento diferenciado aos cooperados
Carla Rossini

Cooperativa de crédito apresenta seus prod...
Notícias
Cocred
nha de crédito que converte em espécie os títulos de transações comerciais, como cheque pré-datado, duplic...
Notícias
Cocred
PORQUE AINDA
PAGAR TARIFAS
ABUSIVAS?
Márcio Meloni*

N

os últimos tempos, uma das principais pau
tas publ...
Reportagem de Capa

BIODIESEL:
É UM BOM NEGÓCIO
INVESTIR?
Cristiane Barão

Biodiesel pode se tornar uma nova fonte de rend...
mercado potencial para a comercialização de 800 milhões de litros
de biodiesel por ano, enquanto que,
para o B-5, a demand...
Reportagem de Capa
Testes com
O potencial para a produção de
biodiesel é grande. Ortolan observa
que um sexto das áreas oc...
Destaque

Região amplia
representatividade política
Cristiane Barão

A região de Ribeirão Preto conseguiu elevar sua repre...
Destaque

FIESP
cria Conselho Superior do Agronegócio
Cristiane Barão

Produtores de cana também fazem parte do órgão

A

...
Antes da Porteira

Codornas dividem espaço
com a cana na Fazenda Santa Maria
Carla Rossini

A coturnicultura, ou criação d...
Antes da Porteira
produzidas 92,5 milhões de dúzias de
ovos de codorna com 5.572.068 aves
no Estado.
A coturnicultura é a ...
Informações setoriais

Chuvas

de

Setembro

e Prognósticos Climáticos
Graças a Deus as chuvas “voltaram”. No quadro abaix...
Informações setoriais
quanto às áreas plantadas após abril, brotações das soqueiras em muitas áreas
recém-colhidas que, co...
Culturas de Rotação

PLANEJAR
É PRECISO
Marino Guerra

Para se conseguir uma boa renda com a rotação de cultura na hora de...
Pragas e Doenças

Controle biológico
da cigarrinha:
uma técnica distante dos produtores
Marino Guerra

Elevado custo no co...
Novas Tecnologias

Plantio mecanizado:
a ´bola tecnológica´ da vez?
Marino Guerra

Nova forma de plantio dá seus primeiros...
Como toda nova tecnologia, o plantio mecanizado ainda é uma realidade
para poucos, principalmente em se tratando de fornec...
Eventos

ORPLANA
realizou encontro de produtores na
Fenasucro/Agrocana
Cristiane Barão

Evento integrou programação das fe...
Agende-se
Novembro

de 2006 e

Eventos

2007

Novembro
De 06 a 10 de novembro - 5ª S.E.C.A.V. – Semana de Ciências Agrária...
Biblioteca

Cultura

Cultivando
a Língua Portuguesa
Esta coluna tem a intenção de
esclarecer, de maneira didática,
algumas...
Repercutiu
“Os números mostram que mesmo com as barreiras, embargos e tarifas
impostas por alguns países, o agronegócio br...
Arrendo Fazenda 460 Ha para cana-deaçúcar

ção estimada em 300.000 cx, R$ 60.000/
alqueire;

Localizada a 26 km de João Pi...
Ed04out06
Ed04out06
Ed04out06
Ed04out06
Ed04out06
Ed04out06
Ed04out06
Ed04out06
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ed04out06

440 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ed04out06

  1. 1. Editorial Administrar com maestria para crescer de forma sustentável E m sua quarta edição, a Revista Canavieiros aborda o biodiesel para o pequeno e médio produtor de cana que produz amendoim e soja como rotação. A reportagem traz as opiniões do diretor-presidente da Biocapital Consultoria Empresarial, Roberto Engels e do presidente da Orplana e Canaoeste, Manoel Ortolan, sugerindo ao governo federal que crie formas de estimular a participação dos pequenos e médios produtores no sistema de produção de biodiesel. Nas páginas 5 e 6, a Canavieiros traz, na integra, a entrevista com o diretor-executivo da JOB – Economia e Planejamento, Júlio Maria Martins Borges, que fala sobre as perspectivas do maior crescimento sustentável que o setor sucroalcooleiro passará até 2015. Júlio afirma a importância para o setor em administrar com maestria os riscos de mercado, além de buscar constantemente a melhoria de sua mão-de-obra com o objetivo de acompanhar as exigências do aumento da demanda. O presidente da Orplana e Canaoeste, Manoel Ortolan, expõe sua opinião sobre o Bolsa Família, programa social do governo federal. Segundo ele, o Bolsa Família foi transformado em um poderoso instrumento de propaganda do governo e reduzido a um simples projeto de subsistência para 11,1 milhões de famílias carentes. Também dentro da editoria “Ponto de Vista”, um artigo do vice-presidente da Fiesp, coordenador do Comitê da Cadeia Produtiva do Agronegócio da entidade e membro do Conselho Universitário da Universidade de São Paulo, João Guilherme Sabino Ometto, que fala sobre investimentos agrícolas. Os principais fatos que aconteceram no sistema Copercana/Canaoeste/Cocred no mês de outubro são apresentados em seis páginas. Nas páginas da Copercana é apresentando o projeto GranDiesel, uma parceria do Supermercado Copercana e da Granol, que trans- forma óleo usado em frituras em biodiesel. Nas páginas da Canaoeste, destacamos a inauguração da nova maternidade do Hospital Netto Campello. A Cocred apresenta, em suas páginas, serviços e produtos que estão à disposição dos cooperados. Representação política. A matéria de destaque aborda a representatividade política da região de Ribeirão Preto após a eleição. A ampliação da bancada do agronegócio na Câmara Federal, principalmente no setor sucroalcooleiro, com as eleições de Duarte Nogueira (ex-secretário estadual de Agricultura), Arnaldo Jardim (coordenador das Frentes Parlamentares pela Habitação, Cooperativismo e da Energia Limpa e Renovável) e com a reeleição de Mendes Thame (presidente da AMCESP - Associação de Apoio aos Municípios Canavieiros do Estado de São Paulo) à Câmara Federal. Uma criação muito delicada faz parte do Antes da Porteira desta edição. A coturnicultura, ou criação de codornas é o hobby de uma cooperada. Apaixonada pelas pequenas aves desde criança, ela investiu na produção e industrialização dos ovos. Na editoria Culturas de Rotação, orientação aos produtores na hora de fazer a reforma do canavial. A matéria sobre Pragas e Doenças informa sobre o controle biológico da Cigarrinha-da-Raiz. Plantio Mecanizado: “A Bola da Vez”, é o tema da reportagem sobre Novas Tecnologias que apresenta características dos novos implementos para o produtor se orientar na hora da escolha. Essas informações e muito mais estão distribuídas nas 40 páginas da quarta edição da Revista Canavieiros. Boa leitura. Conselho Editorial Revista Canavieiros - Outubro de 2006 03
  2. 2. Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson BIODIESEL: É UM BOM NEGÓCIO INVESTIR? Uma nova opção de investimento para o produtor de cana EQUIPE DE JORNALISMO: Carla Rossini – MTb 39.788 Cristiane Barão – MTb 31.814 Marino Guerra – MTb 39.180 20 OUTRAS DESTAQUES Entrevista 24 DESTAQUE Julio M. Martins Borges 28 Crescimento par toda a cadeia produtiva 05 Ponto de Vista 30 31 Manoel Carlos de Azevedo Ortolan 32 O Bolsa Família e o Bolso das Famílias INFORMAÇÕES SETORIAIS CULTURAS DE ROTAÇÃO PRAGAS E DOENÇAS NOVAS TECNOLOGIAS 08 REVISÃO GRAMATICAL: Igor Fernando Ardenghi DIAGRAMAÇÃO: SPM Comunicação FOTOS: Carla Rossini Marino Guerra CAPA: Carla Rossini COMERCIAL E PUBLICIDADE: Aline Rodrigues revistacanavieiros@copercana.com.br DEPARTAMENTO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO: Aline Rodrigues, Artur Sandrin, Carla Rossini, Daniel Pelanda, Letícia Pignata, Marino Guerra, Roberta Faria da Silva, Tatiana Sicchieri 34 EVENTOS Copercana Supermercado Copercana e Granol juntos em prol do meio ambiente 35 AGENDE-SE Notícias 36 CULTURA TIRAGEM: 6.000 exemplares Canaoeste Hospital Netto Campello inaugura nova maternidade 37 REPERCUTIU Notícias 38 CLASSIFICADOS A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Notícias 10 14 16 Cocred Atendimento diferenciado aos cooperados Antes da Porteira Produtora de cana-de-açúcar investe na criação de codornas 04 26 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 IMPRESSÃO: São Francisco Gráfica e Editora ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP CEP: 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311
  3. 3. Entrevista Julio Maria Martins Borges diretor-executivo da JOB - Economia e Planejamento Crescimento para toda cadeia produtiva Marino Guerra É essa visão que um dos gurus do setor sucroalcooleiro, o economista Julio Maria Martins Borges, tem sobre as perspectivas do maior crescimento sustentável que o setor passará até 2015. Foto: divulgação JOB Com um currículo que lhe dá gabarito de ser um dos maiores analistas do agronegócio brasileiro, Júlio acredita que o fornecedor de cana terá uma participação ativa nessa expansão. Ao contrário do que muitos pensam, o professor do Departamento de Economia da USP enxerga que, em decorrência do valor da cana-de-açúcar variar conforme os preços de açúcar e álcool no mercado, os industriais vão acabar optando em receber a matéria-prima de produtores independentes em virtude da divisão do risco de mercado. O diretor-executivo da JOB - Economia e Planejamento, também apresenta, com números, o tamanho do crescimento do setor e comenta sobre os obstáculos que ele passará para que essa expansão seja bem sucedida. perfil Julio Maria Martins Borges, diretor-executivo da JOB – Economia e Planejamento, atuou como economista na assessoria de planejamento e controle da Universidade de Brasília e na Hidroservice Engenharia em São Paulo. Além disso, foi economista, por sete anos, do Grupo Copersucar e responsável pela Assessoria da Diretoria do mesmo grupo durante treze anos. Possui larga experiência profissional em análises e estudos econômicos relacionados à agroindústria canavieira e energia, bem como em avaliação da política econômica do governo e seu impacto nos resultados dos negócios. Atuou como membro do Conselho Consultivo de Tecnologia do Centro de Tecnologia da Copersucar-CTC, representando a diretoria desta empresa. É membro da Câmara Consultiva de Açúcar e Álcool da Bolsa de Mercadorias e Futuros (Bm&f) e árbitro do Juízo Arbitral da mesma instituição. É graduado em Economia e pósgraduado em Planejamento Econômico e Social na Universidade de Brasília. Tem mestrado em Economia pelo Instituto de Pesquisas Econômicas (IPE) da Universidade de São Paulo (USP). Como professor do Departamento de Economia da USP elaborou diversos trabalhos acadêmicos publicados no Brasil e no exterior. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 05
  4. 4. Entrevista CANAVIEIROS: Algumas previsões referentes à produção de cana, açúcar e álcool, apontam que nos próximos dez ou quinze anos teremos que dobrar o volume produzido atualmente. O senhor confirma essas previsões? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Daqui a dez anos o setor deve dobrar sua produção em relação aos números da safra 05/06. CANAVIEIROS: Quais seriam os motivos desse aumento? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Os motivos que vão levar a esse crescimento é a crescente demanda de açúcar e álcool combustível tanto no mercado interno como no externo CANAVIEIROS: Dentre os produtos derivados da cana-de-açúcar, qual é o mais consumido e qual será o que deve alavancar a produção? CANAVIEIROS: Quais serão os principais desafios? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: É muito importante que o setor saiba administrar com maestria os riscos de mercado, além de buscar constantemente a melhoria de sua mãode-obra com o objetivo de acompanhar as exigências do aumento na demanda. CANAVIEIROS: Quantas unidades industriais serão necessárias para atender a demanda por álcool e açúcar? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Além dos 90 projetos que estão em andamento, o Brasil deverá construir mais 60 unidades industriais, totalizando 150 novas usinas e destilarias até 2015. CANAVIEIROS: Na sua opinião quais são os obstáculos do setor que podem atrapalhar essa projeção de crescimento? CANAVIEIROS: Em se tratando de mercado externo, o Brasil será capaz de atender o crescimento da demanda mundial? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: No caso do açúcar, o Brasil já tem e terá para os próximos dez anos capacidade para atender a demanda externa. Já no caso do álcool, o Brasil poderá atender essa demanda na medida em que aconteçam excedentes exportáveis, ou seja, a prioridade do álcool seria o mercado interno. De acordo com nosso cenário de previsão de demanda de combustíveis, o Brasil poderia exportar no máximo cerca de 10 bilhões de litros por ano. CANAVIEIROS: Existe alguma possibilidade do fornecedor de cana desaparecer da cadeia produtiva caso as Unidades Industriais forem controladas por grandes grupos? CANAVIEIROS: Como o setor deve se preparar para conseguir alcançar essa produção? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Para acompanhar o aumento na demanda, a cadeia produtiva de açúcar e álcool terá que investir para aumentar a capacidade instalada e buscar alcançar a máxima eficiência técnica e econômica. Desta forma, irá garantir a competitividade de que necessita. 06 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Como disse na resposta acima, o setor precisa saber administrar os riscos a que qualquer mercado está sujeito. Pode inviabilizar os investimentos previstos, por exemplo, uma queda sustentada no médio prazo do preço do açúcar, em decorrência de um aumento na oferta mundial ou até mesmo uma queda na demanda por álcool, tendo em vista uma redução no preço mundial do petróleo ou até mesmo a entrada de um novo e mais interessante combustível alternativo. JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Nenhuma possibilidade. O produtor independente completa as necessidades de investimento das unidades industriais a partir do momento em que reduz a necessidade de maiores investimentos na lavoura e reduz o risco do negócio na implantação de novas unidades industriais, pois os riscos de mercado são, em certa medida, repassados ao fornecedor de cana. Ao contrário, eu vejo o fornecedor de cana com grandes chances de virar produtor de açúcar e álcool, como já está acontecendo em alguns casos. CANAVIEIROS: Em valores, qual é o investimento total que o setor terá que fazer para conseguir cumprir a produção? CANAVIEIROS: Como os produtores de cana independentes podem aproveitar esse bom momento e ficar com uma boa fatia desse mercado? JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Para a construção das 150 novas unidades industriais, tanto na parte agrícola como na industrial, terá que ser feito um investimento por volta de R$ 70 bilhões. Isso sem levar em consideração os investimentos em melhorias tecnológicas nas unidades que já estão funcionando. JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: O segmento dinâmico do mercado será o álcool, mas o açúcar também deverá crescer, só que com taxas bem menores. JÚLIO MARIA MARTINS BORGES: Através de um movimento organizado, conjunto e solidário. Seja como parceiro de usinas, acompanhando a expansão através de novos projetos, seja através de cooperativas e associações, buscando a construção de unidades industriais de sua propriedade.
  5. 5. Ponto de Vista O Bolsa Família e o Bolso das Famílias T ravestido de um programa de transferên cia de renda, o Bolsa Família foi transformado em um poderoso instrumento de propaganda do governo e reduzido a um simples projeto de subsistência para 11,1 milhões de famílias carentes. Está muito longe de se tornar uma eficiente ação de distribuição de renda e de incentivo à melhoria das condições de vida dos seus beneficiados. Vejamos. Os programas de concessão de bolsas são muito comuns em entidades e empresas que têm a preocupação de incentivar seus funcionários e colaboradores a ingressar em universidades ou cursos de especialização. E, ao final, os dois lados são beneficiados: ganha a empresa, que poderá contar com mãode-obra qualificada, e também o bolsista, que poderá melhorar sua atuação profissional, agregando valor à sua atividade e melhorando sua remuneração. (fevereiro de 2002) e o Cartão Alimentação (fevereiro de 2003).Até dezembro o governo irá desembolsar R$ 8,3 bilhões para manter o programa e, para isso, terá de cortar investimentos em outras áreas também importantes. Ninguém é contra programas de transferência de renda para famílias em situação de risco, mas além de oferecer o peixe, o governo deve ensinar a pescar. O mais coerente seria a implantação de projetos voltados ao bolso das famílias. E como isso seria possível? Por meio do empenho do governo em investir nos setores estratégicos para o país, como infra-estrutura, saúde, educação e no estímulo ao setor produtivo, garantindo a participação dos pequenos e médios produtores e empreendedores. Além de promover o desenvolvimento econômico e a geração de renda, é preciso garantir que ela seja distribuída. O setor sucroalcooleiro, por exemplo, é Já no Bolsa Família, a única uma das cadeias produtivas com finalidade é transferir o benefício, melhores horizontes, mas seu *Manoel Carlos que varia de R$ 15 a R$ 95,00 por crescimento precisa ser equivade Azevedo Ortolan mês, sem que haja, por outro lado, lente para todos os seus elos. No uma ação efetiva do governo para Programa Nacional para a Produestimular o empreendedorismo, o crescimento ção de Biodiesel, também é necessário que haja econômico e a geração de postos de trabalho estímulos para que os pequenos e médios produpara oferecer oportunidades para essas famílias. tores de cana possam participar e, dessa forma, O Bolsa Família deveria ser um programa garantir que a renda seja distribuída. De nada adiemergencial, com início e fim definidos, como são anta crescer, se a renda fica concentrada nas mãos as ações que buscam assistir às pessoas em si- de poucos. tuação de risco. Uma vez superada essa condição extrema, os beneficiados são desligados do A distribuição de renda é bem diferente da programa que, gradativamente, deixa de existir. distribuição de benesses, que acaba ocorrendo quando a única intenção do governo é se benefiA realidade é que há uma carga exagerada de ciar de programas que não oferecem oportunidapropaganda sobre o programa e o grande bene- des para as pessoas melhorarem sua condição de ficiado acaba sendo o governo, às vésperas das vida. O Bolsa Família criou uma legião de depeneleições. O Bolsa Família unificou os programas dentes do governo, que preferiu recorrer ao de transferência de renda criados a partir de 2001, assistencialismo a buscar meios para promover o que eram o Bolsa Escola (junho de 2001), o Bolsa desenvolvimento e a geração de emprego e a efeAlimentação (setembro de 2001), o Auxílio Gás tiva distribuição de renda. *presidente da Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo) 08 Revista Canavieiros - Outubro de 2006
  6. 6. Artigo Investimentos Agrícolas *João Guilherme Sabino Ometto A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), de modo muito pertinente, está defendendo um novo modelo de cooperação público-privada para a produção rural, bem como a adoção de políticas governamentais em apoio ao setor. Em 2006, “Investir na Agricultura para Garantir a Segurança Alimentar” foi o tema do Dia Mundial da Alimentação, celebrado pela entidade em 16 de outubro, data de sua fundação, em 1945. Reflexão sobre o assunto e estímulo às medidas sugeridas por esse importante organismo multilateral seriam passos importantes na luta contra a fome. A FAO alerta que continua sendo reduzida a ajuda internacional à agricultura. Isto é muito preocupante! O valor recuou de US$ 9 bilhões, no início dos anos 80, para menos de US$ 5 bilhões, na virada do século. Contraponto: 854 milhões de pessoas em todo o mundo continuam subnutridas. Assim, o investimento na produção rural é imprescindível para reverter o quadro. O conteúdo desta afirmação, embora seja o mais claro exemplo do óbvio ululante, infelizmente não se tem traduzido em ações concretas e políticas públicas capazes de fazer frente à dimensão do desafio. Nesse sentido, a primeira e urgente lição de casa é identificar os gargalos a serem superados nos países subdesenvolvidos e nos emergentes, dentre eles o Brasil. No que diz respeito diretamente à produção, os principais problemas, que fogem ao controle dos produtores e exigem políticas públicas adequadas, são os seguintes: falta de crédito, posse insegura de terra, baixos preços e relações de negócios pouco desenvolvidas. Estas dificuldades, em maior ou menor escala, atingem pequenos, médios e grandes produtores. No entanto, há um obstáculo igualmente grave para todos. Trata-se da debilidade da infra-estrutura, como a falta de boas estradas, ferrovias, armazenamento e logística. A esses diagnósticos da FAO, creio ser importante acrescentar a carência de pesquisa e inovação e/ou a dificuldade de acesso dos produtores aos avanços do conhecimento. Dentre as soluções apontadas pela FAO, está o advento de um moderno modelo de cooperação entre os setores publico e privado para o desenvolvimento rural. Tal processo inclui novas formas de ampliar a sinergia entre produtores e toda a cadeia do agronegócio, estabelecimento e execução de padrões e classificações, melhoria do clima do investimento (olha os juros altos aí, gente...) em prol da agricultura e avanços da infra-estrutura no campo, incluindo água, estradas, comunicações e energia. Apesar da premência de se produzir mais alimentos, o setor público, em expressiva parcela do mundo em desenvolvimento, tem sido pouco ágil em responder às mudanças e demandas do setor rural suscitadas pela globalização. Prova inconteste destas distorções encontra-se em informação do Bando Mundial (Bird), de que apenas 4% de toda a riqueza produzida no Planeta são gerados pelas atividades agropecuárias, embora estas empreguem 43% da população economicamente ativa. O Bird também informa que os governos dos países desenvolvidos destinam US$ 330 bilhões por ano em subsídios à agropecuária, atropelando, dessa forma, a competitividade do setor nas nações emergentes e subdesenvolvidas. Esta questão, que tem pontuado a Rodada Doha, é outro item a ser superado na agenda do mundo contra a fome. Dados de outro estudo da FAO, relativo ao período compreendido entre 1990 e 2002, evidenciam que, em numerosos países, a dificuldade de acesso aos alimentos agravou-se, em especial na América Central e, de maneira grave, na África subsahariana, onde há quase 50 milhões de desnutridos, ou cerca de 55% da população. A boa notícia é que, nos mesmos 10 anos, o quadro melhorou em nosso país, com a queda de ocorrência da desnutrição de 12% para 9% dos habitantes. Em termos nominais, contudo, estamos falando de um contingente de 17 milhões de brasileiros, o equivalente a toda a população do Chile. Ou seja, não há tempo a perder! *João Guilherme Sabino Ometto, engenheiro (EESC/USP), é vice-presidente da Fiesp, coordenador do Comitê da Cadeia Produtiva do Agronegócio da entidade e membro do Conselho Universitário da Universidade de São Paulo. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 09
  7. 7. Notícias Copercana Supermercado Copercana e Granol juntos em prol do meio ambiente Carla Rossini A Granol, empresa que é capaz de esmagar 1,9 milhão de toneladas de grãos e refinar 250 mil toneladas de óleo bruto por ano, lançou, junto aos Supermercados Copercana, o projeto GranDiesel, que consiste em transformar o óleo usado para frituras em biodiesel, combustível que pode abastecer ônibus, caminhões, barcos e geradores de eletricidade. Ricardo diz que o projeto vem sendo realizado há quase um ano. “Estamos realizando esse projeto há um bom tempo e a aceitação dos clientes é muito boa. Começamos com 500 litros, hoje estamos arrecadando uma média de 2 mil litros por mês. In- nativa para economizar nas suas compras já que deixa de jogar fora o óleo que usou para trocar por um novo. É benefício para os clientes e para o meio ambiente”, afirmou. O gerente também ressaltou a importância da participação de pastelarias, bares e restaurantes que Esse projeto contribuirá significativamente para a diminuição da poluição, além de gerar combustíveis, contribuir para o desenvolvimento da agricultura, criar empregos e diminuir a dependência brasileira de petróleo importado, pois o biodiesel é 100% renovável e 100% natural. Através da parceria, o Supermercado Copercana instalou um ‘ponto’ para troca de óleo usado pelo novo, ou um pano de limpeza. Para participar, os clientes devem levar duas garrafas pet de dois litros de óleo usado e trocar por uma lata de 900ml de óleo refinado de soja, produzido pela Granol. Cada garrafa pet de 2 litros também pode ser trocada por um pano de limpeza, fabricado através de um processo de alta tecnologia que recupera as fibras que seriam desperdiçadas no beneficiamento tradicional do algodão. De acordo com o gerente comercial do Supermercado Copercana, Luís Ricardo Meloni, o projeto é da Granol, o supermercado é o parceiro. “Como o biodiesel está em evidência, nós aceitamos a proposta, que é uma boa opção para ajudar na conservação do meio ambiente, além de ser um benefício aos nossos consumidores”, disse. 10 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 Luís Ricardo Meloni, gerente comercial da Copercana, comenta o sucesso do projeto GranDiesel vestimos na divulgação através de cartazes, faixas, publicamos no jornal de ofertas, tudo para incentivar os consumidores a participarem do projeto”, afirma. Ele ressaltou também o retorno econômico do projeto para os participantes. “Hoje, a população tem uma alter- utilizam bastante óleo e podem se beneficiar com o projeto. “Estamos dispostos a prestar esse serviço independente da quantidade, trocamos os produtos sem burocracia. A matriz e as filiais de nossos supermercados (Pontal, Pitangueiras e Serrana) comemoram com sucesso esse fantástico projeto da Granol que vem dando certo”, acrescenta.
  8. 8. Notícias Copercana Copercana inicia comercialização de sementes forrageiras Carla Rossini O objetivo é atender os cooperados que lidam com pastagens N o mês de outubro os cooperados da Copercana passam a contar com mais um produto nas lojas de ferragens: as sementes forrageiras. O intuito é oferecer aos cooperados pecuaristas opções de sementes para formação de pastagens. No início do mês, a Copercana reuniu os gerentes e vendedores das lojas de ferragens para um treinamento sobre como orientar o cooperado na hora de escolher a forrageira. “Estamos capacitando os nossos funcionários para que eles possam atender e orientar os cooperados na hora da compra”, explicou o gerente comercial da Copercana, Luís Ricardo Meloni. Sempre atendendo as solicitações dos cooperados, as lojas de ferragens da Copercana possuem uma completa linha de produtos e equipamentos para facilitar os anseios dos produtores rurais. Pastejo Rotacionado Nelson Bernardi Júnior - Veterinário da Copercana A utilização de pastagens como fonte de volumoso é sem dúvida a forma mais barata de alimentar o rebanho. Um pasto bem manejado é uma fonte de alimento excelente e, para algumas categorias animais, dispensa o uso de concentrado. O pastejo rotacionado é uma das tecnologias que contribuem para melhorar a exploração do potencial das pastagens tropicais. Neste sistema a área total é dividida em vários piquetes e os lotes pastejam um a um, deixando o restante da área em descanso. O período de pastejo em cada piquete deve variar de 1 a no máximo 7 dias, e o período de descanso, dependendo da espécie forrageira e da época do ano, de 28 a 45 dias. Como vantagens, além de conseguir uma maior taxa de lotação, fornece aos animais uma forragem de melhor qualidade. A taxa de lotação é aumentada porque a eficiência de colheita do capim pelos animais é melhorada, dada a uniformidade do pastejo. Além disso, como as áreas ficam em descanso por um certo período, não há pisoteio nem consumo da brotação, aumentando sensivelmente a produção de massa. Consegue-se um aumento em torno de 25% na taxa de lotação. O período de descanso varia em função da espécie forrageira e da época do ano. A tabela abaixo fornece estas informações para algumas espécies: O período de pastejo deve variar de 1 a 7 dias, no máximo, sendo ideal não trabalhar com mais de 5 dias. Este valor deve ser definido pelo ritmo de crescimento do capim, devendo ser de 1 dia num sistema intensivo com altos níveis de adubação, e maiores quando o sistema é mais extensivo. A qualidade e disponibilidade de mão de obra que irá manejar o sistema também devem ser levadas em conta. Quanto menor o período de pastejo, melhor a otimização do sistema, porém uma dedicação maior é exigida da pessoa responsável. O investimento em cercas para efetuar esta divisão também é um fator importante. O uso de cerca elétrica é uma alternativa barata e eficaz. O seu custo gira em torno de um terço do custo de uma cerca convencional. Muitos pecuaristas não acreditam na sua funcionalidade, mas isto se deve a uma instalação errada do sistema. Com a instalação adequada e bem dimensionada, os resultados são excelentes. Para saber mais sobre o uso desta tecnologia, consulte o Departamento de Veterinária da Copercana. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 11
  9. 9. Notícias Canaoeste visão estratégica sobre o mercado para seus produtos”, disse. Ortolan abordará perspectivas em Londres Cristiane Barão Presidente da Canaoeste e Orplana será palestrante em encontro da WABCG/ ISO O presidente da Canaoeste e da Orplana, Manoel Carlos de Azevedo Ortolan, abordará as perspectivas para o setor sucroalcooleiro brasileiro durante a 26ª sessão do Conselho da WABCG (Associação Mundial dos Produtores de Cana e Beterraba Açucareira) e o 17º Encontro informal da ISO (Organização Mundial do Açúcar, da sigla em inglês), de 16 a 20 de novembro, na Alemanha e na Inglaterra. cipação de representantes da Austrália e da África. Os encontros são promovidos em conjunto pelas duas entidades. De 16 a 19 de novembro, as reuniões acontecerão em Hannover, na Alemanha, e terão como tema “Como a pesquisa poderá mudar a agricultura de amanhã?”. Já no dia 20, o encontro será em Londres, onde acontece a participação de Ortolan, às 16 horas, com o tema “Brasil: fornecedor mundial de açúcar e etanol?”, dentro do painel “Quais os principais players do mercado mundial de amanhã?”, que também terá a parti- Segundo ele, por ser o principal player no mercado internacional, o Brasil acaba se tornando um referencial para os demais países. “Com a reforma do regime do açúcar na Europa, que prevê a retirada dos subsídios europeus para a produção e exportação, o Brasil poderá ampliar sua participação no mercado mundial, que hoje já é de 40%. Além desses encontros proporcionarem a troca de experiências e informações, permitem também que os países tenham uma “O Brasil é o maior produtor e exportador de açúcar e tem todas as condições para se firmar como um grande fornecedor de etanol e, por isso, há um grande interesse por parte dos demais países produtores em saber como se dará o crescimento da produção brasileira e em que intensidade”, afirma Ortolan. Em sua exposição, Ortolan falará sobre o crescimento na produção de cana, açúcar e álcool até 2010, os investimentos já anunciados para a instalação de novas unidades de produção, além da participação dos produtores independentes no processo de expansão do setor. A última reunião da WABCG ocorreu em Ribeirão Preto, em julho do ano passado, a convite da Orplana, que se filiou à entidade em 2004. Foi a primeira vez que a entidade realizou uma sessão do seu conselho no Brasil. Fundada em 1981, a WABCG reúne representantes de associações de produtores de mais de 30 países. É o único fórum internacional que permite aos produtores de cana e beterraba açucareira se reunirem para discutir as dificuldades e a troca de experiências e soluções. O conselho da WABCG é formado por representantes de todas as organizações de produtores filiados. Eles se reúnem uma vez por ano, e a cada três anos realizam a Conferência Mundial dos Produtores de Cana e Beterraba Açucareira. Participantes da reunião da WABCG realizada em Ribeirão Preto, em julho de 2005 12 Revista Canavieiros - Outubro de 2006
  10. 10. Notícias Canaoeste Hospital Netto Campello inaugura nova maternidade Carla Rossini Nova infra-estrutura oferece à mulher e ao recém-nascido o que há de mais moderno e eficiente na área médico-hospitalar A chegada do bebê em perfeitas condições é um sonho que durante nove meses acompanha as futuras mamães. Todas querem o que há de melhor e mais confortável para a nova pessoinha que fará parte de suas vidas. Pensando no bem-estar das mulheres e na segurança aos recém-nascidos, o Hospital Netto Campello inaugurou, no dia 20 de setembro, a sua nova maternidade. Através do atendimento altamente especializado, tecnológico e humano, as novas instalações contribuem para o aprimoramento profissional e a melhoria da qualidade de vida. Quartos confortáveis, salas de parto (com mesas e cadeiras especiais), além dos berçários que contém a mais UTI NEO NATAL E PEDIÁTRICA Projetada dentro dos mais rígidos critérios de humanização, a Unidade de Terapia Intensiva Neo Natal e Pediátrica do Hospital Netto Campello promove o atendimento especializado voltado para as crianças e seus familiares. Seu corpo clínico é formado por uma equipe multidisciplinar com 8 especialistas em UTI Neo Natal e Pedi- 14 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 moderna tecnologia aplicada em equipamentos e instalações, tudo aliado a uma equipe de ginecologistas, obstetras, pediatras e enfermeiros capacitados para prestar um atendimento de qualidade e excelência. Maternidade “O nosso berçário foi construído no mesmo andar do quarto da mãe. Uma das opções do berçário é o alojamento conjunto, que tem a finalidade de manter o recémnascido o mais próximo possível dos pais”, afirma o presidente do hospital, Manoel Ortolan. Ele ainda com- átrica contando com o apoio de exames complementares, laboratoriais e radiológicos. Num ambiente tranqüilo, afastado de ruídos e fontes de luz, todos os leitos possuem monitoramento completo e individual, por meio de monitores cardíacos, monitores de saturação de oxigênio, pressão nãoinvasiva e aparelhos de ventilação. A amamentação é estimulada, como forma de proteção contra infecções e regurgitações alimentares, evitando alterações respiratórias. A presença diária dos pais e avós é estimulada, fundamental para o fortalecimento do bebê, que ganha peso mais rápido e fica menos tempo internado. Os profissionais do setor incentivam o aconchego do colo materno, em que o recém-nascido recebe ca- pleta, “isso com a disponibilidade de uma adequada supervisão médica e de enfermagem, favorecendo e incentivando o aleitamento materno e, assim, fortalecendo o vínculo familiar desde o início da vida do bebê”, acrescenta. UTI MÓVEL Atendendo todos os associados de Sertãozinho e região, a UTI Móvel do H.N.C. é o meio mais eficaz de remoção de pacientes. Ela é equipada com os mais modernos equipamentos médicos de monitoração, sustentação e tratamento, entre eles, monitor cardíaco, desfibrilador com placas multi-função, kit para pequenas cirurgias e ‘intubação’, tudo isso para garantir a segurança dos pacientes. lor, amor e está perto do peito. O método ‘Mãe Canguru’ tem favorecido o desenvolvimento das crianças que estão prontas para deixar a incubadora.
  11. 11. Notícias Canaoeste Consecana Conselho dos Produtores de Cana, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo CIRCULAR Nº 10/06 DATA: 29 de setembro de 2006 A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de SETEMBRO de 2006. O preço médio do kg de ATR para o mês de SETEMBRO é de R$ 0,3733 Os preços levantados pela ESALQ/CEPEA de faturamento do açúcar e do álcool, anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, nos meses de MAIO a SETEMBRO e acumulados até SETEMBRO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) e os do álcool anidro e hidratado destinado à industria (AAI e AHI), incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e VHP) e do álcool anidro e hidratado, carburante e destinados ao mercado externo, são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de MAIO a SETEMBRO e acumulados até SETEMBRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 03/05, são os seguintes:
  12. 12. Notícias Cocred Cocred: atendimento diferenciado aos cooperados Carla Rossini Cooperativa de crédito apresenta seus produtos e serviços aos cooperados Q uando a Cooperativa de Cré dito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho foi fundada, na década de 60, ninguém podia imaginar o quanto ela seria importante para facilitar a vida dos produtores rurais da região. Com o passar dos anos, a Cocred foi crescendo e se solidificando, e hoje é a única cooperativa de crédito que possui a certificação de qualidade ISO 9001. “A Cocred vem buscando o aperfeiçoamento nos seus serviços e produtos para garantir um atendimento diferenciado aos seus cooperados”, afirma o gerente geral da Cocred, Marcio Fernando Meloni. Toda sua estrutura está voltada a levar segurança, comodidade e satisfação aos seus mais de 4 mil cooperados, tudo isso com os produtos e serviços que oferece, sempre com as con- dições mais vantajosas correntistas. Veja: aos ção, você conhece a rentabilidade do seu investimento, definida de acordo com o prazo e taxa escolhida. Aplicações Financeiras Conta Corrente • SUPERAPLIC É uma modalidade de aplicação que proporciona um retorno acima da média do mercado, graças a um sistema exclusivo desenvolvido pela COCRED, em que o aplicador recebe remuneração acima da variação do CDI e tem liquidez diária após carência de trinta dias. • RDC É uma modalidade de operação compromissada, que rende um percentual da taxa DI. Caracteriza-se como uma aplicação de renda fixa, que acompanha as taxas de juros do mercado financeiro no qual a COCRED assume o compromisso de pagar a rentabilidade contratada. No início da opera- Ter conta corrente na Cocred é diferente de ter uma em outro banco. O cooperado pode fazer todo tipo de movimentação bancária, como depósitos, saques, remessa de valores por meio de DOC, TED, DEC, ter talões de cheques, conta garantida e limite de cheque especial, cartão de crédito e débito. Tudo isto sem tarifa de cadastro, talões de cheques, extrato, cheque em formulário contínuo, abertura de crédito e lançamento de conta corrente. Além de não pagar tarifas, ao contrário, ganhar com isso. Venha conhecer. Custódia de pré-datados cheques O cliente da Cocred pode manter uma carteira de cheques pré-datados, com a emissão de borderô de cobrança. A Cocred faz a cobrança para o cliente nas datas de vencimento e ainda transforma a carteira, ou parte dela, em desconto, antecipando o valor a receber. Cobrança Simples A Cocred também disponibiliza uma carteira de cobrança simples (duplicatas, faturas, notas promissórias etc.), por meio de boletos compensáveis em todo o território nacional, com tarifas que cobrem apenas os custos. A carteira também pode ser utilizada como desconto, antecipando o valor a receber. Desconto de recebíveis Joana Marisa Sanches Perticarrari: correntista da Cocred há mais de dez anos 16 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 Na Cocred o cliente pode contar com descontos de recebíveis, uma li-
  13. 13. Notícias Cocred nha de crédito que converte em espécie os títulos de transações comerciais, como cheque pré-datado, duplicata e nota promissória rural, para pessoas físicas, jurídicas e produtores do setor agropecuário. Financiamentos Não é preciso esperar para realizar seus sonhos, pois a Cocred financia veículos novos e usados, aparelhos eletroeletrônicos e equipamentos de informática. Disponibilizando uma linha de crédito pessoal que não exige comprovação do direcionamento do recurso e o capital de giro, uma modalidade de crédito que atende às necessidades emergenciais do cooperado. Financiamento de custeio, investimento e comercialização São modalidades de crédito destinadas a favorecer o oportuno e adequado custeio da produção e a comercialização de produtos agropecuários. Incentivar a introdução de métodos racionais no sistema de produção, visando o aumento da produtividade, a melhoria do padrão de vida das populações rurais e a adequada defesa do solo, estimular os investimentos rurais, inclusive para armazenamento, beneficiamento e industrialização dos produtos agropecuários, quando efetuado pelo produtor na sua propriedade rural por suas cooperativas ou por pessoa jurídica equiparada aos produtores, favorecer o setor rural, notadamente no que se refere a pequenos e médios produtores, dividindo-se em: sas próprias da fase posterior à coleta do produto, ou converter, em espécie, os títulos oriundos de sua venda ou entrega pelos produtores ou suas cooperativas. Linhas Finame de Crédito / A Cocred oferece, aos seus cooperados, linhas de crédito do BNDES, que financiam a compra de máquinas e equipamentos e demais investimentos para as mais diversas fases da produção. Melhores informações com seu gerente Cocred. OuroVerde Card de, tem até 40 dias para pagar a fatura sem juros, financia suas compras com as melhores taxas, faz saque no Banco 24 Horas, tem fatura simplificada, central de atendimento e quatro opções de vencimento no mês. O OuroVerde Card múltiplo é para todo correntista da Cocred e, além das vantagens da versão de crédito, pode ser usado para todo tipo de movimentação bancária. E para sua comodidade, o OuroVerde Card é aceito nos estabelecimentos credenciados, nos departamentos Copercana e onde houver a bandeira Cabal. Seguro Em parceria com a Copercana, a Cocred lançou seu cartão múltiplo e de crédito, o OuroVerde Card, que veio para facilitar e modernizar ainda mais as transações bancárias e comerciais do usuário, correntista ou não, da Cocred. Lançado com a bandeira Cabal, o OuroVerde Card dá uma série de vantagens ao usuário, abrindo todas as oportunidades para os melhores negócios. O usuário do cartão não paga anuida- Cliente Cocred é cliente tranqüilo. São treze seguros diferentes à disposição dos correntistas: residencial, automóvel, auto-frota, vida individual, vida em grupo, canavial, multi-risco rural, colheita garantida de soja e milho, equipamentos agrícolas, fazendas, empresarial/comércio e serviços. Todos contratados com as mais conceituadas seguradoras do mercado e em parceira com a Copercana Seguros. • Custeio Crédito destinado a cobrir despesas normais dos ciclos produtivos; • Investimento Crédito destinado à aplicação em bens ou serviços cujo desfrute se estenda por vários períodos de produção; • Comercialização Crédito destinado a cobrir despe- Posto de Atendimento ao Cooperado da Cocred, em Sertãozinho
  14. 14. Notícias Cocred PORQUE AINDA PAGAR TARIFAS ABUSIVAS? Márcio Meloni* N os últimos tempos, uma das principais pau tas publicadas pelos cadernos de economia dos principais jornais brasileiros é, sem dúvida, a quebra de recordes consecutivos de lucro dos bancos comerciais. A primeira sensação que se tem é a de que essas instituições financeiras estão aproveitando a política monetária atual, que mantém a taxa de juros alta com o objetivo de conter a inflação, para obter lucros nunca antes imaginados na comercialização de seu produto, o dinheiro. Mas um estudo publicado pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) mostra que a cobrança de tarifas por serviços bancários representa 14% das receitas do sistema financeiro, em 2002 esse valor era de 9%. Segundo o mesmo levantamento, entre 2000 e 2005, as receitas com a prestação de serviços bancários avançaram 122,04% frente a um crescimento de 48,59% da despesa com pessoal e 50,6% da inflação do período. Para justificar os altos números apresentados pela Anefac, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) declarou que as tarifas bancárias são a justa contraposição para serviços prestados a um cliente ou usuário do sistema financeiro e comparou os valores cobrados com as taxas referentes ao uso de energia elétrica, saneamento básico e transporte. Essas informações mostram a grande diferença de filosofia que há entre o cooperativismo de crédito e o sistema bancário comercial, em que a cobrança mínima de tarifas referentes aos serviços bancários é uma dos grandes benefícios dos cooperados que trabalham com a instituição financeira e deixa evidente que só escolhe pelo pagamento abusivo das tarifas, tendo a opção de trabalhar com uma cooperativa de crédito, quem realmente esteja disposto a contribuir com os recordes consecutivos de lucro dos bancos comerciais. *Gerente Geral da Cocred, presidente da Cred Copercana e diretor do ramo de crédito da OCESP. 18 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 Balanço Patrimonial BALANCETE MENSAL - AGOSTO/2006 Valores em Reais
  15. 15. Reportagem de Capa BIODIESEL: É UM BOM NEGÓCIO INVESTIR? Cristiane Barão Biodiesel pode se tornar uma nova fonte de renda aos produtores de cana, amendoim e soja J á utilizado em larga escala em países da Europa, o biodiesel deve tomar impulso no Brasil com a proximidade do prazo em que a sua mistura ao diesel mineral passará a ser obrigatória. A partir de janeiro de 2008, todo o óleo diesel comercializado nos postos deverá ter adição mínima de 2% de 20 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 biodiesel, chamado de B2, passando a 5% em 2013. O biodiesel é o resultado de uma reação química que resulta da mistura de óleos vegetais (soja, girassol, mamona, palma, amendoim) ou gordura animal com um álcool. Dessa combi- nação também resultam a glicerina e o farelo de oleaginosas, que pode ser usado na alimentação animal. Sua mistura ao diesel fóssil reduz a emissão de poluentes, sem prejuízo ao rendimento do veículo. Além da questão ambiental, há a vantagem econô-
  16. 16. mercado potencial para a comercialização de 800 milhões de litros de biodiesel por ano, enquanto que, para o B-5, a demanda mínima estimada pelo governo é de 2 bilhões de litros. Para atingir essa produção, o governo federal criou incentivos para a participação de agricultores familiares na produção de matérias-primas como forma de inclusão social. No entanto, a produção ainda é pequena, de cerca de 100 milhões de litros/ano. Diante dessas perspectivas, o biodiesel é um bom investimento para o pequeno e médio produtor de cana que produz amendoim como rotação? Na opinião do diretor-presidente da Biocapital Consultoria Empresarial, Roberto Engels, a curto e médio prazo, a produção de biodiesel pode ser um bom negócio para esses produtores. No entanto, a longo prazo ele acredita que existirão culturas mais específicas para o biodiesel, com custo de produção menor que o de óleos que também podem ser destinados ao consumo humano, como é o caso dos derivados do amendoim e da soja, por exemplo. Para Engels, a formação de cooperativas de produtores facilita o processo de venda dos grãos para as esmagadoras, além de reduzir os custos. mica: com a mistura, o Brasil poderia reduzir a importação do diesel mineral. Hoje, o Brasil importa 10% do diesel que utiliza e o consumo anual do combustível chega a 38,2 bilhões de litros. O uso comercial do B2 cria um A Biocapital possui uma unidade de produção de biodiesel em Charqueada, na região de Piracicaba, com produção anual de 60 mil toneladas por ano. A indústria possui um processo flexível que permite utilizar como matéria-prima qualquer óleo vegetal ou gordura animal. “Até 2008, a intenção da Biocapital é expandir a produção para 300 mil toneladas/ano”, diz. Em abril, a indústria assinou um protocolo de intenções com secretarias do governo do Estado para promover o plantio de oleaginosas para a produção de biodiesel em assentamentos paulistas. Segundo Engels, existem vários projetos para a instalação de unidades produtoras em andamento, mas são poucas as plantas que iniciaram o processo de obtenção de licença ambiental. Além da Biocapital, haverá uma outra planta em Lins, da Bertin. Outros projetos em andamento incluem a Fertibom, em Catanduva, a Granol em Campinas e a Ponte di Ferro, em Taubaté. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, também acredita que o biodiesel seja uma alternativa que se abre para os produtores de cana, que plantam soja e amendoim em rotação, desde que haja uma política de governo que estabeleça mecanismos para assegurar a participação dos pequenos e médios produtores. Ele acredita que os investimentos em plantas para a produção de biodiesel deverão tomar fôlego depois que o governo federal definir, de maneira mais clara, uma política de desoneração tributária que contemple todas as regiões do país. É que para o biodiesel produzido a partir da mamona, palma ou, então, pela agricultura familiar nas regiões Norte, Nordeste ou em ambientes Semi-Árido, há incentivos tributários. Já para outras partes do Brasil, como no Sul, Sudeste e Centro-Oeste, a produção de biodiesel está submetida a uma carga fiscal idêntica à do diesel mineral, o que desestimula os investimentos no biocombustível. “O governo federal deveria criar formas de estimular também a participação dos pequenos e médios produtores no sistema de produção de biodiesel, como ocorreu durante a implantação do Proálcool”, afirma Ortolan. Ele se refere à regra que estabelecia que 40% de toda a cana processada pela usina deveriam ser fornecidas por pequenos e médios produtores. “O biodiesel deve ser um projeto integrado, baseado na instalação de pequenas e médias indústrias e que, ao redor delas, estejam os pequenos e médios produtores de matéria-prima, organizados em associações ou cooperativas para produção em escala”, ressalta. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 21
  17. 17. Reportagem de Capa Testes com O potencial para a produção de biodiesel é grande. Ortolan observa que um sexto das áreas ocupadas com cana estará em reforma e, assim, há uma área potencial (cerca de 1 milhão de hectares) para o cultivo de oleaginosas que A utilização poderão ser destinadas à produção de biodiesel. No entanto, ele acredita que, para o investimento ser seguro, é preciso ficar de olho nos rumos que o governo dará ao programa para produção de uso de biodiesel. em outros países O biodiesel já é utilizado comercialmente nos Estados Unidos e em países da União Européia. A Alemanha é responsável por mais da metade da produção européia de combustíveis e já conta com centenas de postos que vendem o biodiesel puro (B100), com plena garantia dos fabricantes de veículos. O total produzido na Europa já ultrapassa 1 bilhão de litros por ano, ten- do crescido à taxa anual de 30% entre 1998 e 2002. Em 2010, de acordo com a diretiva 30 do Parlamento Europeu, de maio de 2003, o percentual de combustíveis renováveis consumidos deverá ser de 5,75%. Entretanto, o continente tem restrições quanto à área de cultivo disponível para oleaginosas e a capacidade industrial, o que abre oportunidades ao Brasil para exportar seu combustível. B30 O grupo PSA Peugeot Citroën divulgou no último dia 6, em Ribeirão Preto, os resultados da primeira fase de testes, realizada no País, com um Peugeot 206 e um Citroën Xsara Picasso, que rodaram um total de quase 200 mil quilômetros com o B30, mistura de 30% de biodiesel de Miguel Dabdoub, coordenador do Ladetel da USP de Ribeirão Preto soja e 70% de diesel de petróleo. Os carros, enviados para a França, no último mês de junho, foram desmontados pelos engenheiros da Peugeot Citroën, que concluíram que não é necessária adaptação alguma nos motores e peças para que os veículos rodem com a mistura. Com os resultados da primeira fase de testes com o biodiesel brasileiro, a montadora anunciou a segunda fase, que envolverá biodiesel feito a partir de outras oleaginosas e que abastecerão seis carros novos: um Peugeot 206, um Citroën Xsara Picasso, dois Peugeot Partner e dois Citroën Berlingo. Além do B-30 de soja, será usado o B-30 de palma (dendê) e um B-30 misto, com um 25% de mamona e 75% de soja. O biodiesel usado nos testes é produzido no Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Limpas (Ladetel), da USP de Ribeirão Preto, coordenado pelo professor Miguel Dabdoub. Ele coordenou a pesquisa que permite a produção de biodiesel (com álcool de cana) com alta eficiência. Os demais países utilizam o metanol, altamente tóxico e derivado do petróleo. Vista aérea da Unidade de Produção de Biodiesel, em Charqueada - SP 22 Revista Canavieiros - Outubro de 2006
  18. 18. Destaque Região amplia representatividade política Cristiane Barão A região de Ribeirão Preto conseguiu elevar sua representatividade política, elegendo três deputados federais e três estaduais. Para a Câmara Federal foram eleitos: Duarte Nogueira (PSDB), Antonio Palocci (PT) e Arnaldo Jardim (PPS) e para a Assembléia Legislativa, Rafael Silva (PDT) e Baleia Rossi (PMDB) foram reeleitos, enquanto Darcy Vera (PFL) foi eleita para o primeiro mandato. A ntes, a região contava apenas com um deputado federal, Corauci Sobrinho, que disputou uma cadeira de deputado estadual, mas não conseguiu se eleger. Como estaduais, a região contava com Baleia Rossi, Rafael Silva, Adilson Barroso, Duarte Nogueira e Arnaldo Jardim, estes dois últimos agora irão para a Câmara dos Deputados. Adilson Barroso, que foi eleito em 2002 pelo PRONA, ficou como suplente do seu novo partido, o PSC. Em Ribeirão Preto, maior colégio eleitoral da região, com 370 mil eleitores, houve surpresa em relação às votações de Darcy Vera, Fernando Chiarelli e Antonio Palocci. Darcy Vera Bancada do agronegócio saiu de Ribeirão praticamente eleita, com 98.403 dos 140.702 votos que recebeu, foi a mulher mais bem votada do Estado. Nas demais regiões Outra surpresa foi Fernando Chiarelli, segundo candidato a deputado federal mais votado, com 34.461, atrás de Duarte Nogueira, que somou 41.653 votos em Ribeirão Preto. Chiarelli recebeu mais votos do que Antonio Palocci, que foi prefeito de Ribeirão Preto por duas vezes e ministro da Fazenda do governo Lula, afastado por causa da quebra ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa. Foi eleito com 152.246 votos, dos quais 16.187 foram de Ribeirão Preto. Araraquara elegeu o ex-prefeito Roberto Massafera (PSDB) para a Assembléia Legislativa e reelegeu Dimas Ramalho (PPS) como deputado federal. São Carlos e Pirasununga reelegeram os deputados federais Lobbe Neto (PSDB) e Nelson Marquezelli (PTB), respectivamente, enquanto Barretos terá Uebe Rezek (PMDB) na Assembléia Legislativa. Franca conseguiu reeleger dois deputados estaduais: Roberto Engler (PSDB) e Gilson de Souza (PFL), e elegeu Dr. Ubiali (PSB) como deputado federal. navieira, mas grande parte foi eleita. Isso demonstrou a coesão dos produtores de cana em torno de candidatos identificados com o setor e que, certa- mente, farão um grande trabalho em favor do agronegócio”, disse o presidente da Canaoeste e da Orplana, Manoel Carlos de Azevedo Ortolan. A região também ampliou a bancada de parlamentares ligados ao agronegócio na Câmara Federal, principalmente o setor sucroalcooleiro, com as eleições de Duarte Nogueira (ex-secretário estadual de Agricultura), Arnaldo Jardim (coordenador das Frentes Parlamentares pela Habitação, Cooperativismo e da Energia Limpa e Renovável) e com a reeleição de Mendes Thame (presidente da AMCESP Associação de Apoio aos Municípios Canavieiros do Estado de São Paulo) à Câmara Federal. “Não conseguimos eleger todos os candidatos que têm ligações estreitas principalmente com a classe ca24 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 Duarte Nogueira Arnaldo Jardim Mendes Thame
  19. 19. Destaque FIESP cria Conselho Superior do Agronegócio Cristiane Barão Produtores de cana também fazem parte do órgão A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) instalou, no último dia 09, o Conselho Superior do Agronegócio, tendo como primeiro presidente o ex-ministro Roberto Rodrigues. O conselho é formado por 60 representantes de todas as cadeias produtivas, desde o elo primário da produção até a ponta das gôndolas. Seu objetivo é incentivar a maior integração de toda a cadeia produtiva, acompanhando desde a matéria-prima até o produto final nos supermercados, ou seja, desde os produtores até o consumidor final. “Assumo o conselho com um conceito que sempre defendi, de que a agricultura é o motor do desenvolvimento do país. Espero que agora este motor seja aquecido”, completou o ex-ministro, durante a solenidade de posse. Segundo ele, o Brasil é o país que reúne todas as condições de conduzir a transição entre a civilização do petróleo para a da agroenergia e de se consolidar como o celeiro do mundo, graças ao seu potencial na produção de alimentos. De acordo com Rodrigues, as ações que visam ao desenvolvimento do setor de alimentos e energia no Brasil serão prioridades e ressaltou também que, apesar da excelência brasileira na produção de etanol, ainda falta investimento na área. “Os países desenvolvidos perceberam o quão viável é a produção de energia alternativa e já começaram a realizar investimentos no setor. Se não abrirmos os olhos, seremos facilmente ultrapassados”, disse Rodrigues. A Orplana foi convidada a fazer parte do conselho, dada a sua importância na cadeia produtiva do agronegócio sucroalcooleiro. A organização congrega hoje 24 associações Roberto Rodrigues, primeiro presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp de produtores independentes de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso. “A participação da Orplana no Conselho Superior do Agronegócio é de grande importância para a organização porque será mais um foro para discutirmos nossas prioridades e darmos a nossa contribuição ao agronegócio como um todo. Só temos de agradecer e saudar a iniciativa da Fiesp e do IRS (Instituto Roberto Simonsen)”, afirmou o presidente da organização, Manoel Carlos de Azevedo Ortolan. Durante a posse do ex-ministro, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, adiantou que o Comitê de Agronegócio da entidade (Agroindústria e Alimentação) será transformado em Departamento. “Caberá ao Conselho trabalhar nas estratégias e ao Departamento, nas ações”, disse. “Acredito que o crescimento econômico só será alcançado com uma indústria e uma agricultura desenvolvidas”, concluiu. Paulo Skaf, presidente da Fiesp Revista Canavieiros - Outubro de 2006 25
  20. 20. Antes da Porteira Codornas dividem espaço com a cana na Fazenda Santa Maria Carla Rossini A coturnicultura, ou criação de codornas, virou hobby na vida da cooperada, que investe na produção e comercialização de seus ovos Silvia segura uma das pequenas aves de sua criação A criação de codornas não é uma prática muito comum na vida dos produtores de cana-de-açúcar, principalmente na região de abrangência do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. Mas, a cooperada Silvia Maria Consoni Crosta, que desde criança é apaixonada por aves, resolveu investir na criação dessas pequenas aves. Proprietária da Fazenda Santa Maria, no município de São Simão, Silvia 26 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 conta que iniciou sua criação há oito anos, com o objetivo de dar mais “vida” à propriedade. “Como a fazenda estava completamente ocupada com a cana, resolvi começar uma criação de aves para dar vida às minhas terras”, afirma sorridente a agricultora. Ela começou a criação com três mil codornas, logo percebeu que a atividade, além de prazerosa, podia render bons resultados, principalmente na produção de ovos. Hoje, Silvia cria 25 mil aves que produzem 10,5 mil ovos por dia. Depois de processados, a produção diária é de 150 quilos dos ovinhos que são vendidos em conserva. Nos últimos anos, o consumo de ovos de codorna tem crescido bastante, e o Estado de São Paulo tem sido destaque na produção. Segundo dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Economia e Estatística, em 2002 foram
  21. 21. Antes da Porteira produzidas 92,5 milhões de dúzias de ovos de codorna com 5.572.068 aves no Estado. A coturnicultura é a segunda renda da família Consoni Crosta. Silvia e os filhos, Rogério e Ricardo, plantam a cana-de-açúcar como principal fonte de renda. Cooperados há mais de dez anos, eles utilizam os serviços oferecidos pela Copercana para dar suporte na lavoura, e como tudo na Fazenda Santa Maria é harmonioso, os agricultores já deram um jeitinho de unir o útil ao agradável. Rogério conta que aproveita as cascas dos ovos processados e o esterco produzido pelas aves junto com palha de amendoim para fazer um composto que serve como adubo nas lavouras de cana. “No ano passado, produzimos cem toneladas desse composto que adubou 17 hectares de cana”, afirma Rogério. Mas nem tudo é festa para os criadores. Silvia conta que se sente prejudicada com a concorrência desleal. “Nem todos os criadores seguem as normas do SISP e isso dificulta na comercialização, já que alguns conseguem preços melhores”, diz. Quem faz parte do SISP – Serviço de Inspeção do Estado de São Paulo recebe periodicamente a visita de um fiscal o qual supervisiona todos os procedimentos que estão sendo efetuados de acordo com as exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. “E tudo isso tem um custo alto já que visamos às boas práticas de fabricação”, conta. Para manter a produção, Silvia possui oito pessoas empregadas e capacitadas, entre elas, uma médica veterinária que cuida do manejo das aves e supervisão do produto final, ou seja, os ovos em conserva. A cozinha atende a todas as exigências da legislação e por isso, ela consegue um produto diferenciado e com mais qualidade para o consumidor final. AS CODORNAS As codornas são de origem européia e asiática, tendo sido levadas para o Japão por volta de 1900 onde foram realizados vários cruzamentos, e que resultaram na Coturnix japonica, que é a codorna doméstica que conhecemos. No Brasil, a criação para produção de carne e ovos teve início em 1910, pelos japoneses e chineses, e estima-se que hoje o número dessas aves esteja em torno de seis milhões. “As aves são delicadas e precisam do manejo adequado. É preciso ter muita cautela com a temperatura e a luz que deve ser introduzida durante 17 horas por dia”, afirma a veterinária Marlene Pontoglio Andreo. As codorninhas da Fazenda Santa Maria são compradas com apenas 1 dia de vida das incubadoras de Mogi das Cruzes. Na fazenda, elas recebem os cuidados necessários para se desenvolverem e com 45 dias começam a botar. Com um ciclo de vida de aproximadamente 12 meses, as aves se alimentam de ração. “Elas consomem 25 gramas de ração por dia”, afirma a veterinária. Os ovos são processados e vendidos em conserva Revista Canavieiros - Outubro de 2006 27
  22. 22. Informações setoriais Chuvas de Setembro e Prognósticos Climáticos Graças a Deus as chuvas “voltaram”. No quadro abaixo, as chuvas que foram anotadas durante o mês de setembro de 2006 na região de abrangência da CANAOESTE. Locais mm chuvas médias históricas Açúcar Guarani AgroClimatologia FCAV UNESP-Jaboticabal Algodoeira Donegá - Dumont Andrade Açúcar e Álcool Barretos - IAC/Ciiagro Central Energética Moreno CFM - Faz Três Barras - Pitangueiras Cia Energética Santa Elisa (Sede) E E Citricultura - Bebedouro Faz Santa Rita - Terra Roxa Franca - IAC/Ciiagro IAC-Centro Apta Cana-Ribeirão Preto São Simão - IAC/Ciiagro Usina da Pedra Usina Ibirá - Santa Rosa do Viterbo Usina Batatais Usina M B - Morro Agudo Usina São Francisco 46 38 52 34 51 45 42 55 35 66 41 44 47 32 45 54 83 43 52 66 67 46 30 66 56 52 63 60 41 52 59 58 55 74 64 63 Médias das observações 47 As médias das chuvas observadas em setembro “ficaram” um pouco aquém das consideradas como históricas, com exceção da Cia Energética Santa Elisa, Fazenda Santa Rita e Usina MB. 57 Mapa 1: Água Disponível no Solo no período de 18 a 20 de setembro de 2006. Engº AGRÔNOMO OSWALDO ALONSO Consultor Agronômico CANAOESTE O mapa 1 mostra que, até meados de setembro, o índice de Água Disponível no Solo ainda se encontrava em nível crítico em quase toda área canavieira do Estado de São Paulo. Entretanto, na região de abrangência da CANAOESTE, em função das últimas chuvas, observadas desde meados de abril e muito poucas de maio até 20 de setembro, estão trazendo sérias preocupações aos produtores 28 Revista Canavieiros - Outubro de 2006
  23. 23. Informações setoriais quanto às áreas plantadas após abril, brotações das soqueiras em muitas áreas recém-colhidas que, com queima prévia, apresentam também severos ataques por elasmo. Mapa 2: Água Disponível no Solo ao final de setembro de 2005. Mapa 3: Água Disponível no Solo ao final de setembro de 2006. Ao final de setembro de 2006 (mapa 3), com exceção das Regiões Sul, Central do estado de São Paulo e partes das de Barretos e Assis, é possível notar que os índices de Água Disponível no Solo mostram-se opostos do que ocorreu no final de setembro do ano anterior (mapa 2). Porém, no final setembro deste ano, a área (abrangência) de condições mais desfavoráveis mostra-se maior que as observadas no mesmo período do ano passado, deixando evidente que o retrato climático deste ano, desde o final de abril, é bem diferente ao da média histórica. C om o fim de subsidiar em planejamentos de atividades futuras, o Departamento Técnico da CANAOESTE resume o prognóstico climático para a Região Centro Sul do Brasil, que poderão ocorrer durante os meses de outubro a dezembro de 2006. Prognósticos estes, de consenso entre o INMET - Instituto Nacional de Meteorologia e INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. - As temperaturas à Superfície (TSM) do Oceano Pacífico Equatorial encontram-se ligeiramente acima da normalidade, resultando em condições favoráveis à ocorrência do fenômeno “El Nino”, inicialmente previsto como fraco, mas com tendência a se tornar moderado até o início de 2007; - Mesmo que de baixa a média confiabilidade, os prognósticos de consenso INPE/INMET apontam que: - As temperaturas serão próximas a ligeiramente acima das médias históricas nos estados das Regiões Centro Oeste/Sudeste e próximas às normais nos estados da Região Sul; - As chuvas previstas para o trimestre outubro/dezembro poderão ser: próximas às normais nos estados da Região Centro Oeste; “dentro” a abaixo das médias históricas nos estado do Sudeste; e, entre próximo a acima da normalidade nos estados da Região Sul. Exemplificando, na região de abrangência da CANAOESTE as chuvas poderão ser, como médias históricas anotadas pelo Centro Apta - IAC - Ribeirão Preto, de 125mm em outubro, 175mm em novembro e 270mm em dezembro. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 29
  24. 24. Culturas de Rotação PLANEJAR É PRECISO Marino Guerra Para se conseguir uma boa renda com a rotação de cultura na hora de reformar o canavial é preciso realizar um bom planejamento N o ano passado, a área canavieira paulista ocupou cerca de 3,3 milhões de hectares, sendo que 317 mil hectares foram destinados para um novo plantio de cana-deaçúcar. Ao fazer a reforma do canavial, muitos produtores optam em plantar alguma cultura de verão com o objetivo de melhorar a qualidade do solo e também criar uma renda-extra. Mas para obter sucesso nessa empreitada, é preciso fazer um rigoroso planejamento que vai desde a escolha da cultura até a decisão da área que será plantada. to da Canaoeste, Cléber Moraes, muitos produtores não se preocupam com a quantidade de nitrogênio que o seu solo ganhou com a leguminosa plantada, aplicando muitas vezes uma quantidade de adubo maior que a necessária. As duas rotações de culturas mais conhecidas e indicadas para se fazer é a plantação de soja e amendoim, isso porque elas fazem parte do grupo das leguminosas, categoria em que suas características agronômicas agregam e acumulam nitrogênio no solo que será utilizado pela cana-de-açúcar, gerando economia ao produtor na aplicação de adubo para o novo canavial. Cléber também orienta aos produtores rurais analisarem como está o preço, as variedades disponíveis e a estrutura de maquinário para a colheita, isso com o objetivo de obter uma safra rentável, não atrasando o plantio do novo canavial. Foto: divulgação CASE Segundo o gerente de planejamen- 30 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 “O produtor que plantar soja ou amendoim como rotação de cultura precisa fazer uma análise do solo e aplicar a quantidade certa de adubos para que assim não exista desperdício de insumo e, junto a isso, aumentar seu custo de produção”, explica Cléber. “Se o produtor perceber que a estrutura disponível para a colheita ficará sobrecarregada e com isso acarretar um atraso do plantio da cana-de-açú- car, é preferível que o produtor diminua sua área destinada para a rotação, pois se plantado tardio, o novo canavial pode ser afetado pela ‘podridão abacaxi’ em decorrência da proximidade cada vez maior do inverno, e com isso o aumento do frio e a diminuição do tempo de sol durante o dia” recomenda Cléber. Melhoria no fluxo de caixa: O plantio bem planejado de alguma leguminosa pode gerar ao produtor rural um bom fluxo de caixa, pois no momento do plantio da lavoura de cana-de-açúcar (que precisa acontecer entre fevereiro e abril), o fornecedor pode ficar sem recursos, pois entregou sua produção no ano anterior. Nesse momento ele pode comercializar sua produção de grãos, que acabou de ser colhida, originando uma entrada de recursos importantes para investimentos no novo canavial.
  25. 25. Pragas e Doenças Controle biológico da cigarrinha: uma técnica distante dos produtores Marino Guerra Elevado custo no controle de qualidade para a realização do correto manuseio, dosagem e aplicação torna a prática inviável a pequenos e médios produtores de cana C om a permanência da palha de cana no campo, em conseqüência ao corte mecanizado, a ‘cigarrinha-da-raiz’ vem se transformando numa das principais pragas dos canaviais, isso em decorrência ao excelente ambiente que essa praga tem para o seu desenvolvimento e reprodução. Foto: divulgação Biocontrol Segundo dados científicos, o nível para o início de práticas de controle é de duas ou três ninfas por metro linear de sulco, caso a quantidade encontrada pelo monitoramento seja entre cinco a oito ninfas por metro linear, o local já se encontra no nível de dano econômico. Desde então, várias práticas de controle vêm sendo implantadas, tendo destaque, em decorrência de seu menor custo, a utilização do controle biológico através da aplicação do fungo Metarhizium anisopliae. Mas o bom desempenho dessa prática depende de uma série de fatores que podem interferir na qualidade do produto como: temperatura, umidade, luminosidade e PH do solo. Fatores que acabam levando a viabilidade do fungo apenas se a compra for em grande quantidade ou se o consumo corresponda à necessidade de instalação de uma produção própria, o que a torna inviável para pequenos e médios fornecedores de cana. nibilidade do agente de controle biológico (o fungo entomopatogênico Matahrizium anisopliae) para aplicação na qualidade exigida para sua eficácia. Tal disponibilidade exigiu, num primeiro momento, a instalação de laboratórios próprios das usinas ou terceirizados por elas, de forma que apenas mais recentemente existe um mercado com produtos biológicos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para o controle da cigarrinha”, explica Thomaz. Outro fator, como a baixa produção do fungo, também é considerado uma das características que dificulta o controle biológico em pequenos e médios canaviais, como explica o pesquisador do IEA (Instituto de Economia Agrícola), Thomaz Fronzaglia. “Uma alternativa que facilita esse processo é a busca da cooperação nas associações de fornecedores regionais ou cooperativas, inclusive na criação de laboratórios que produzam os agentes biológicos necessários para manter os canaviais com um bom desempenho econômico e ambiental”, finaliza o pesquisador Thomaz Fronzaglia. “É necessário considerar a dispo- Segundo o pesquisador, a única forma de viabilizar a utilização do fungo é através da união dos produtores rurais. Tendo em vista a grande dificuldade do fornecedor em utilizar o modo de controle biológico, uma das práticas mais comuns entre eles é a adoção do controle químico, em que inseticidas a base de Thiametrhoxam e Imidacloprid também combatem a cigarrinha de forma eficiente. No caso do controle químico, o produtor também acompanha uma redução gradativa do valor dos produtos em relação à volta da infestação das cigarrinhas. Para se ter idéia, os inseticidas específicos para o caso registraram uma queda de 50% no seu valor se comparado com o início da década. Já a redução dos inseticidas e defensivos em geral foi entre 15% e 20%. Outra maneira de proteção contra o ataque das ‘cigarrinhas-da-raiz’ é a escolha de uma variedade resistente à praga. Entre o mapa varietal do Estado de São Paulo, as variedades RB 72454, SP 813250, RB 855536, SP 80-1842, RB 835486 e SP 80-1816 apresentam maior índice de ataque se comparada com a SP 79-1011. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 31
  26. 26. Novas Tecnologias Plantio mecanizado: a ´bola tecnológica´ da vez? Marino Guerra Nova forma de plantio dá seus primeiros passos na busca por uma eficiência maior, mas ainda há muita evolução pela frente produtor rural que teve a opor tunidade de visitar a Agrishow e a Agrocana desse ano pôde conhecer as primeiras plantadoras mecanizadas do mercado, implementos que realizam automaticamente todas as operações do plantio de cana-de-açúcar de uma só vez. Dentre suas características de plantio, o novo implemento possui diversas vantagens frente ao modo manual ou semi-mecanizado, como explicam os pesquisadores do Centro de Engenharia do IAC (Instituto Agronômico), Jair Rosas e Moisés Storino. Eles afirmam que, do ponto de vista agronômico, o plantio mecanizado possui as seguintes vantagens: 1) Manutenção do teor de água do solo adequado à germinação das gemas dos rebolos, uma vez que a plantadora abre o sulco de plantio, distribui os rebolos e fecha o sulco imediatamente, reduzindo assim à perda de água por evaporação. 2) O fato de a plantadora efetuar o sulcamento de plantio elimina a preocupação quanto ao paralelismo que deve existir entre os sulcos. Esse paralelismo é necessário para a execução de todas as operações agrícolas da cultura e, especialmente, a colheita. Também elimina a necessidade de ser efetuada a marcação de sulcos. 3) A máquina possibilita a aplicação de torta de filtro na operação de plantio, de agroquímicos para tratamento fitosanitário dos rebolos, reduzindo assim operações mecanizadas na lavoura. 4) A redução de operações mecanizadas na lavoura resulta em menor compactação do solo em função da redução do tráfego, que é realizado exa- 32 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 tamente em um momento que o solo contém um maior conteúdo de água (necessário ao plantio), mas que, ao mesmo tempo, é um fator que influencia a maior compactação. 5) Ao depositar os rebolos no fundo do sulco, a máquina efetua também a sua cobertura com terra e, por meio de rodas compactadoras, promove um contato íntimo rebolo/solo. Contendo o solo um teor de água adequado, há maior garantia para a germinação das gemas. Ocorre uma tendência para emprego de rodas compactadoras utilizadas nas semeadoras-adubadoras de cereais, de maior largura e que cumprem bem essa finalidade. O uso de rodas compactadoras na plantadora de canade-açúcar elimina a necessidade da operação isolada de cobertura dos rebolos, também chamada de cobrição. 6) A manutenção do teor de água no solo determinada pela não exposição do sulco aberto durante dias ga- rante uma germinação mais rápida das gemas, resultando ainda em menor consumo de água na implantação da cultura. O gestor de transferência de tecnologia do CTC (Centro de Tecnologia Canavieira), José Guilherme Perticarrari, tem a mesma visão dos pesquisadores do IAC sobre as vantagens do plantio mecanizado, mas enxerga algumas desvantagens que podem gerar grandes problemas no canavial onde ele for utilizado. “As desvantagens agronômicas são inúmeras, desde os altos índices de danos mecânicos causados às gemas nas operações de colheita da muda/transbordo/plantio, até a perda de vigor na brotação, perda de produtividade, redução da longevidade do canavial, entre outras”, explica José Guilherme. Foto: divulgação DMB O
  27. 27. Como toda nova tecnologia, o plantio mecanizado ainda é uma realidade para poucos, principalmente em se tratando de fornecedores de cana. Segundo informações da Usina São José da Estiva, localizada no município de Novo Horizonte, a área viável para se investir no plantio mecanizado de cana picada é 1,2 mil hectares, ou seja, área de cultivo referente a uma produção média de 75 mil toneladas por safra. José Guilherme Perticarrari, do CTC, vai além e acredita na viabilidade apenas em alguns cenários esporádicos. “O sistema de plantio mecanizado nunca deve ser adotado pelo balizamento econômico. Se considerados os custos de todos os equipamentos e a mão-de-obra necessária nos dois sistemas de plantio (mecanizado X manual) o mecanizado leva pequena vantagem, mas ela é neutralizada pela maior quantidade de mudas necessárias neste sistema de plantio. Estes valores são relativos e, dependendo da situação, os investimentos iniciais para o sistema de plantio mecanizado são muito elevados e economicamente inviáveis. Na prática, o mais sensato é partir para a adoção do sistema de plantio mecanizado como última opção, ou seja, quando o percentual de colheita mecanizada da propriedade (fornecedor ou usina) já estiver num nível tão alto que os problemas de sazonalidade de demanda de mão de obra no período de colheita/plantio sejam críticos, e/ou o número de equipamentos existentes para a colheita de cana inteira manual seja tão baixo que a compra/ terceirização de veículos de transporte e carregadoras para o plantio convencional”, explica o pesquisador do CTC. Os pesquisadores do IAC acreditam que o mercado da plantadora mecânica vai voltar para as novas unidades que estão em construção. “Fácil é concluir que o plantio mecanizado, nesse momento, não corresponde a uma atividade destinada a pequenos e médios fornecedores de cana. E mais, de um modo geral, para que o sistema de plantio mecanizado Foto: divulgação DMB apresente requisitos de atividade econômica, ou seja, seja rentável e, ao mesmo tempo, viável no ponto de vista operacional, considerando-se a logística que deve ser observada nessas operações, para cada plantadora deve corresponder a, no mínimo, ao trabalho de duas colhedoras de mudas. No caso em que haja proximidade do talhão-viveiro, facilidade no transporte de mudas e outros fatores, cada colhedora pode corresponder à operação de três plantadoras mecanizadas. Nesse momento é difícil e prematuro prever em que ponto da evolução tecnológica a plantadora mecanizada estará disponível para o pequeno e o médio produtor. Isso por uma questão de prioridades. Novas usinas estão sendo instaladas na região oeste do Estado de São Paulo e Estados vizinhos, como Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e, principalmente, Paraná. O plantio mecanizado em larga escala será um fator condicionante e imprescindível na implementação desses projetos”, analisam Jair Rosas e Moisés Storino.
  28. 28. Eventos ORPLANA realizou encontro de produtores na Fenasucro/Agrocana Cristiane Barão Evento integrou programação das feiras, no último dia 22 A Orplana (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro Sul do Brasil), realizou no último dia 22, o 6º Encontro dos Produtores de Cana como parte da programação da Fenasucro e Agrocana. O evento reuniu cerca de 300 participantes. O evento contou com três apresentações. A primeira, teve como tema “Novos Paradigmas da Agroindústria da Cana-de-açúcar”, e contou com a participação do engenheiro Pedro de Assis, da P.A Sys – Engenharia e Sistema Ltda. Em seguida, o diretor-técnico da ASFORAMA e o consultor José Tadeu Coleti abordou a “Terceirização da matéria-prima: experiência de Iturama”. A última apresentação ficou por conta do produtor Jorge Morelli, parceiro do grupo Zillo Lorenzetti, que proferiu a palestra que teve como tema “Parceria agrícola: fatores determinantes para o sucesso do empreendimento”. O vice-prefeito de Sertãozinho, Nério Costa; o deputado federal, Mendes Thame; o presidente da Canaoeste e Orplana, Manoel Ortolan e o vice-presidente da Orplana, José Coral De acordo com o presidente da Orplana, Manoel Ortolan, em meio à crise no agronegócio, a cana é a cadeia produtiva que apresenta as melhores oportunidades e os produtores têm de estar preparados para fazerem parte do processo de expansão. “O fato é que o setor vai crescer muito e rapidamente, daí a necessidade de sermos ágeis. Os produtores estão buscando novas áreas para expandir e ocupar espaço no processo de crescimento”, disse. Cerca de 300 produtores participaram do evento 34 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 A Orplana completou 30 anos de fundação em junho e congrega 24 associações de produtores independentes de cana de diferentes regiões de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso. A organização representa 13 mil fornecedores, na maioria pequenos e médios.
  29. 29. Agende-se Novembro de 2006 e Eventos 2007 Novembro De 06 a 10 de novembro - 5ª S.E.C.A.V. – Semana de Ciências Agrárias e Veterinárias Temas dos cursos: Atualização em produção de cana-de-açúcar e Controle biológico de pragas (na prática) Local: Hotel Nacional Inn Vilage e Centro Nacional de Convenções (Cenacon) Av. Presidente Kennedy, 1835 - Lagoinha - Ribeirão Preto, SP Realização: Centro Universitário Moura Lacerda Informações e Inscrições: (16) 2101-1015 ou pelo site www.mouralacerda.edu.br/eventos Inscrições até o dia 04/11: Obs.: a pessoa inscrita recebe gratuitamente o livro do respectivo curso. O sistema Copercana / Canaoeste e Cocred apoiará a 5ª S.E.C.A.V. Dias 21 e 22 de novembro - 7º C.B.A. – Congresso Brasileiro Agroindustrial Horário: das 08:00hs às 18:00hs Tema: A Usina da Revolução – Um painel sobre a nova era do setor Local: Centro de Eventos Taiwan – Ribeirão Preto / SP Realização: STAB (Sociedade dos Técnicos Açucareiros do Brasil) Organização: Support Eventos Informações: (16) 21014125 - (16) 21014126 – Fax: (16) 21014127 E-mail: eventos@support-ass.com.br De 27 a 29 de Novembro - Feira Internacional de Agroenergia e Biocombustíveis – Enerbio/2006 Local: Complexo Alvorada - Blue Tree Park Brasília - Brasília - Distrito Federal Promoção: BrasilAgro E-mail: info@enerbio.com.br - Site: www.enerbio.com.br Informações: (11) 4154-2366 ou (16) 3617-4006 EVENTOS 2007 De: 06 a 08 de março de 2007 - FEICANA E FEIBIO 2007 Local: Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado – Araçatuba – SP Informações: Safra Eventos - (18) 3624 9655 De: 19 a 22 de março de 2007 - 11º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE CANA-DE-AÇÚCAR * Exposição de Produtos e Serviços para o setor sucroalcooleiro Local: Centro de Convenções de Pernambuco – Olinda-PE E-mail: stab@stabsetentrional.org.br Informações: (81) 3467 2594 Fax (81) 3466 4893 De: 18 a 21 de setembro de 2007 - FENASUCRO & AGROCANA 2007 Local: Centro de Eventos Zanini – Sertãozinho – SP E-mail: multipluseventos@multipluseventos.com.br Informações: (16) 2132 8936 Revista Canavieiros - Setembro de 2006 35
  30. 30. Biblioteca Cultura Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de esclarecer, de maneira didática, algumas dúvidas a respeito do português Adoro animais, principalmente, cachorros!!! Outro dia, ouvi espantada: --“A cachorra da minha sogra mordeu o meu vizinho...” Lamentável o fato. Prezados amigos leitores precisamos tomar certos cuidados com o Português tanto na escrita como na fala... Veja a redundância, a falta de clareza, o duplo sentido da frase acima. Não está estruturada adequadamente, portanto corre-se o risco de tornar a mensagem ambígua com um duplo entendimento. Omissões, à vezes, complicam e causam confusões. Melhor seria dizer: “A cachorra que mordeu o meu vizinho é da minha sogra...” Ele “entrou de sócio” na empresa... ...e logo deverá sair!!! O correto é: Ele “entrou COMO sócio” na empresa... Maria “deu um chego” à Exposição tão famosa ontem. Não sei como conseguiu... Alguns deslizes comprometem o Português. Vamos evitá-los, por gentileza. O correto é: Maria FOI à Exposição ontem... Maria FOI ao Shopping... Maria FOI à Feira... Além de comprometer a Língua Portuguesa os deslizes podem, também , empobrecer a fala. Veja só, prezado amigo leitor, alguns exemplos: USE: a notícia foi divulgada (e, não “a notícia vazou”); desfazer-se do estoque (e, não “desovar o estoque”); de vez em quando (e, não “de vez enquando”)... PARA VOCÊ PENSAR: “O homem começa a envelhecer quando as lamentações tomam lugar dos sonhos”. John Barrymore RENATA CARONE SBORGIA “Ninguém tem a felicidade garantida. A vida simplesmente dá a cada pessoa tempo e espaço. Depende de você enchê-los de alegria.” S. Brown “A alegria não está nas coisas: está em nós”. Goethe 36 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, MBA em Direito e Gestão Educacional, Escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” CONTROLE DE PRAGAS DA CANA-DE-AÇÚCAR - BOLETIM TÉCNICO BIOCONTROL 1 Desde os primórdios das civilizações, quando o homem deixou de ser nômade e passou a viver em comunidades e a exercer atividades agrárias teve que combater o que chamou de “pragas”, ou seja, animais que se alimentavam de suas plantações. Sendo assim, a agricultura moderna leva em conta os fatores ambientais e econômicos para definir o conceito de ‘indivíduos-praga’: organismos que a partir de certo nível causa prejuízos econômicos ao homem. Um modo de se combater esses ‘indivíduos-praga’ é usando o método de controle biológico, que são outros organismos vivos conhecidos como inimigos naturais ou agentes de controle biológico. Esses agentes pertencem a diversos grupos, como microorganismos (fungos, bactérias, vírus etc), lesmas, planárias, aranhas, insetos, peixes, anfíbios, aves e mamíferos. A cultura da cana-de-açúcar brasileira vem saindo na frente no controle biológico das pragas que atacam esta cultura, apresentando dois dos maiores programas de controle conhecidos na atualidade: a vespinha Cotesia flavipes e as cigarrinhas, M. fimbriolata e Mahanarva posticata – inimigas naturais da broca da-cana. A obra presente, portanto, aborda as variações destes agentes de controle, suas aplicações e outras recomendações úteis para o produtor rural de cana-de-açúcar. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros, podem procurar a Biblioteca da Canaoeste em Sertãozinho – Rua Augusto Zanini, nº 1461 ou pelo telefone (16) 3946 3300 Ramal 2016.
  31. 31. Repercutiu “Os números mostram que mesmo com as barreiras, embargos e tarifas impostas por alguns países, o agronegócio brasileiro continua competitivo e apresentando superávits recordes”. Do ministro Luís Carlos Guedes Pinto, sobre os recordes alcançados tanto nas exportações quanto no superávit comercial alçados no mês de setembro. Fonte: Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Imprensa. “Não queremos mais chorar leite derramado ou bomba já estourada. Vamos fazer uma guerra para levar à frente nossa obsessão com o crescimento econômico". De Paulo Skaf, presidente da Fiesp, na 1ª reunião do recém-criado Comitê de Assuntos Legislativos e Políticos, dia 08/10, na qual foi decidido que intenção é aproveitar os primeiros seis meses do próximo governo (seja ele qual for) para forçar a aprovação de matérias que desonerem o setor produtivo. Fonte: Folha on line DIABETES Uma pesquisa mostrou que o indivíduo que ingere uma colher de manteiga de amendoim ou uma porção de amendoim cinco ou mais vezes na semana reduz o risco em 21% e 27% de desenvolver os dois tipos de diabetes, respectivamente. Essas descobertas sugerem benefícios potenciais de um consumo de amendoim e manteiga de amendoim para a redução do risco de diabetes. (ALBANY, 2002) "O Brasil não só inovou no desenvolvimento desse combustível alternativo (etanol) como se tornou líder mundial dessa indústria. O país pode ensinar o resto do mundo a ter um melhor entendimento na solução de problemas relacionados aos combustíveis fósseis. Prova disso é o sucesso dos carros flexs." Al Gore, ex-vice presidente dos Estados Unidos em entrevista a Revista Veja, edição de 12 de outubro, se referindo a importância de se investir na ecologia ANTIOXIDANTES Um estudo feito pela University of Florida em 2001, foram analisados os teores antioxidantes de 12 variedades diferentes de amendoim, e descobriram uma quantidade tão grande de antioxidantes quanto a maioria das frutas, como por exemplo, o morango (CREDIDIO, 2006). Arlington (2002) concluiu em seu estudo que, amendoins e seus óleos vegetais podem ajudar na redução do risco de Mal de Alzheimer. Sendo que os mesmos benefícios não foram observados para a vitamina E suplementada, dando atenção para a ingestão de antioxidantes de uma dieta saudável, em vez de um frasco de suplementos. Revista Canavieiros - Outubro de 2006 37
  32. 32. Arrendo Fazenda 460 Ha para cana-deaçúcar ção estimada em 300.000 cx, R$ 60.000/ alqueire; Localizada a 26 km de João Pinheiro, MG, sendo 5 km do asfalto (BR 040); Benfeitorias: 2 casas, energia da Cemig (15 kva), curral, toda cercada, pomar, topografia plana, solo arenoso vermelho, desmatada, diversas aguadas, divisa com 2 ribeirões, altitude media 800 m, índice pluviométrico 1227 mm/a, temperatura média 22º c; próxima a duas destilarias de álcool; Produtividade média em 5 cortes: 80 ton/ha; Área disponível p/ plantio de 315 ha, com produção estimada de 25.000 ton/safra; Valor do arrendo: 4.200 ton/safra. 193 alq. toda em cana, a 12 km da usina, 4 km do asfalto, na região de Leme, R$ 6.000.000,00 (seis milhões de reais). Em caso de interesse, entre em contato com o Sr. Dagoberto Corrarello, pelo telefone: (19) 34211459 ou pelo e-mail: dcorrarello@itelefonica.com.br Fazenda plantada com eucalipto Botucatu-SP - no asfalto Fazenda com 350 alq, plantada 320 alq com eucalipto de várias idades, inclusive alguns já em idade de corte, em Botucatu-SP, no asfalto, próximo a Eucatex. Preço: R$36.000,00 p/alq. Em caso de interesse, entre em contato com o Sr: João Garcia, pelo telefone:(17) 3523.3057 - 9615.1200 ou pelo email: bolsine.joao@terra.com.br VENDO 260 alq. com laranja na região de Botucatu, R$ 70.000,00/alqueire. Safra sem contrato; 184 alq. com cana a 5 km da Usina, relevo plano-colheita toda mecanizada, terra de cultura, R$ 60.000,00/alqueire; 154 alq. com 30 alqueires com laranja, próximo a usina, R$ 50.000,00/alqueire; 200 alq. com laranja, toda formada, produ- 38 Revista Canavieiros - Outubro de 2006 Em caso de interesse, entre em contato com o Sr. José Paulo Prado, pelo telefone:(019) 35415318 ou 97584054 ou pelo e-mail: zptratores@yahoo.com.br. VENDO ÁREA DE LAZER Em caso de interesse, entre em contato com o Sr. José Paulo Prado, pelo telefone:(019) 35415318 ou 97584054 ou pelo e-mail: terraverdeimoveis@yahoo.com.br. VENDO Dois Ford 4630/4 ano 95 e 97 + MF 275 simples ano 88, ambos com rodagem fina, único dono, nota fiscal de origem, R$ 84.000,00; A 200 mts. da igreja matriz, do supermercado Gimenes, farmácias, bancos, lotérica, restaurantes, lanchonetes, clubes e correio. Terreno com 900,00 mts2. Área construída 170,00 mts2. Piscina de concreto e azulejo (8,00 x 4,00 x 1,20m.) R$ 130.000,00- PITANGUEIRAS/SP Contatos pelos telefones (16) 3952 1522 e 3952 2580, com Paulo Pereira e Luis Pereira. CBT 8440 ano 86, motor MWM, carregadeira Motocana, trator trabalhando, R$ 18.000,00; VENDO IMÓVEL CBT 2105 ano 80, carregadeira Motocana, motor Perkins, R$ 18.000,00; CBT 1090 ano 74, carregadeira Motocana, motor Perkins, R$ 18.000,00; Próprio para loteamento e/ ou empreendimento de casas populares. Área no perímetro urbano. 102.000,00 mts2. PITANGUEIRAS/SP Preço: R$ 8,00 (oito reais) o metro quadrado. Carregadeira de cana MF 290/4 ano 95, com torque, carregadeira Motocana, maquina em excelente estado, R$ 45.000,00; Trator Engesa modelo 815 (143 cv) ano 86, motor Mercedes, trator trabalhando, R$ consulte por fone ou email; MF 5320/4 (120 cv) ano 2002, cabinado com ar condicionado, completo, R$ 100.000,00; CBT 2105/4 ano 86, motor Mercedes, sem hidráulico e tomada de força, ideal para lamina, R$ 26.000,00; Colheitadeira NH 4040 ano 87, plataforma de soja, maquina em excelente estado, R$ 35.0000,00. Aceita troca com carro, trator, F-1000 ou F-4000. Contatos pelos telefones: (16) 39521522 e 39526527, com Paulo Pereira e Manoel Henrique. Vendo Sítio São Gabriel ÓTIMO PREÇO No município de Jacuí- MG (entre São Sebastião do Paraíso e Guaxupé) Ótima localização; 2,5 alqueires ; "casa com: 04 quartos, sala, copa, banheiro, cozinha com fogão a gás e a lenha ,varanda nas laterais e à frente do imóvel", Criação de gado (pequena quantidade); fartura em água de córrego e em cisterna . Contato com Mateus pelos telefones (16) 3945-0148/8123-1506

×