Tinha Do Couro Cabeludo

21.219 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
52
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tinha Do Couro Cabeludo

  1. 1. Trabalho De Dermato
  2. 2. A tinha do Couro Cabeludo É própria da criança e muito rara no adulto. É a chamada tinta tonsurante e se caracteriza clinicamente pela presença de placas de tonsura, que se evidenciam pela presença de pêlos cortados rente ao couro cabeludo. Na tinha microscópica, as placas costumam ser maiores e em número reduzido, enquanto a tinha tricofítica dá origem às placas menores, porém mais numerosas, com a presença eventual no interior de tonsuras de alguns fios de cabelos normais. A evolução da tinea capitis é caracteristicamente crônica; há, entretanto, uma variedade aguda, com intensa reação inflamatória, elevada, geralmente em placa única, bem delimitada, dolorosa e com pústulas: é a denominada Kerion Celsi ou simplesmente quérion, usualmente causada por dermatófitos geofílicos ou zoofílicos. A tinha do couro cabeludo pode associar-se com o aparecimento de mícides no tronco ou, menos freqüentemente, em outros locais; as lesões assumem quase sempre o aspecto de pálpulas foliculares
  3. 3. Tinha do couro cabeludo , causada por espécies de Microsporum e Trichophyton , que pode ocasionalmente comprometer também os supercílios e os cílios , às vezes ocorrendo em epidemia. Dependendo do agente etiológico, ela pode variar de uma infecção subclínica não-inflamatória escamosa benigna a uma doença inflamatória marcada por erupções eritematopapulares escamosas com pêlos soltos e quebrados causando áreas de alopecia que podem tornar-se gravemente inflamadas com a formação de kérions ulcerativos profundos que muitas vezes resultam em inflamação de quelóide , cicatrização e alopecia permanente. (Dorland, 28ª ed)  
  4. 4. O que causa a Tinha ? Causada por diferentes fungos, que provocam perda de cabelo localizada . Há o surgimento de placas, que podem ficar inflamadas e até infeccionar. O tratamento é simples – basta tomar antibióticos orais –, desde que o problema seja descoberto precocemente. Caso contrário, pode haver perdas permanentes de cabelo, principalmente quando a inflamação é exagerada
  5. 5. Depois da candidose que acomete crianças e adultos, quais são as micoses mais freqüentes? São as tinhas, micoses que se manifestam tanto nas crianças quanto nos adultos. Elas acometem freqüentemente o couro cabeludo das crianças, provocando queda de cabelos na área afetada. Nas imagens 03 A e 03 B, aparece uma lesão típica da tinha com bordos regulares e descamação de pele.   Os pais sempre perguntam como a criança pegou esse tipo de micose. Pegou de outra criança ou de animais de estimação que vivem dentro da casa. Por isso, é importante verificar se o cachorro da família apresenta falhas de pêlo. Embora adultos raramente tenham a doença, pessoas com AIDS ou com o sistema imune debilitado por qualquer outro motivo podem apresentar esse tipo de infecção fúngica.
  6. 6. Qual a diferença entre a lesão provocada pela tinha e a lesão característica da alopecia areata, quadro em que ocorre também a queda de cabelo em algumas regiões do couro cabeludo? A principal diferença é a descamação que ocorre na micose e não ocorre na alopecia areata (ou “pelada” como é comumente chamada). Quanto à queda de cabelo, é bastante parecida nos dois casos.   Em outras palavras: na alopecia areata, a pele do couro cabeludo é brilhante e não há descamação; na região das tinhas, porém, formam-se casquinhas parecidas com a caspa.
  7. 7. Como é feito o tratamento das tinhas? Quando as tinhas acometem o corpo inteiro, o tratamento exige a indicação de remédios por via oral. Quando estão localizadas só nos pés ou só na virilha, bastam antimicóticos de uso local. O tratamento é simples e deve ser mantido por duas ou três semanas para evitar que a micose se instale novamente. O problema é que, muitas vezes, é abandonado antes do tempo, porque a lesão costuma melhorar em dez dias e as pessoas acham que estão curadas.

×