Correção teste4 jan

3.608 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.608
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
165
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Correção teste4 jan

  1. 1. Ficha de AvaliaçãoCorreção GEOGRAFIA A 11º Ano: Turma E 2012/01/18 I A figura 1 representa as unidades geomorfológicas que constituem o território português continental. 1. As unidades geomorfológicas podem enunciar- se pela seguinte ordem cronológica, da mais recente para a mais antiga… A. Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orlas Sedimentares Ocidental e Meridional; Maciço Antigo. B. Orla Sedimentar Ocidental; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orla Sedimentar Meridional; Maciço Antigo. C. Maciço Antigo; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orlas Sedimentares Ocidental e Meridional. D. Orla Sedimentar Meridional; Orla Sedimentar Ocidental; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Maciço Antigo. 2. A Bacia Sedimentar do Tejo e Sado é constituída Fig. 1 – Unidades Geomorfológicas de Portugal continental. por rochas sedimentares, dominando… A. Areias e argilas. B. Basaltos e calcários microcristalinos. C. Arenitos e mármores. D. Granitos e xistos. 1 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  2. 2. 3. No Maciço Antigo, a secção norte distingue-se da secção sul porque… A. Apresenta um relevo aplanado e de baixa altitude. B. Aí se localizam as maiores reservas da União Europeia de ferro e caulino. C. É constituída dominantemente por rochas de origem magmática plutónica. D. Integra a maior cordilheira da Península Ibérica, onde se destaca a serra de Monchique.4. As Orlas Sedimentares correspondem a unidades geomorfológicas… A. Caracterizadas pela existência de formas de relevo muito acidentadas. B. Dominadas por extensas peneplanícies, resultantes da acumulação de sedimentos fluviais. C. Onde dominam calcários arenitos e argilas. D. Que tiveram origem em fenómenos vulcânicos, pelo que aí dominam basaltos e granitos.5. É no Maciço Antigo que se localizam as… A. Principais pedreiras de calcário para fins industriais. B. Mais importantes minas de sal-gema. C. Principais jazidas de recursos minerais metálicos. D. Maiores explorações de areias para exportação. IIOs recursos do subsolo, tendo em vista as respetivas características físicas equímicas, podem classificar-se em diferentes tipos.1. Entre os minerais metálicos mais explorados no nosso país, contam-se… A. Ferro, volfrâmio e urânio. B. Diatomito, quartzo e cobre. C. Estanho, cobre e volfrâmio. D. Calcário microcristalino, barite e titânio.2. A mina Neves Corvo constitui, atualmente, a maior reserva da União Europeia de… A. Ferro. B. Tungsténio. C. Urânio. D. Cobre. 2As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  3. 3. 3. O sal-gema constitui um importante recurso mineral não metálico, que se explora em minas localizadas na secção norte do Maciço Antigo. Esta afirmação é… A. Verdadeira, porque a principal mina em exploração localiza-se na Urgeiriça. B. Verdadeira, porque se trata de um mineral de origem magmática. C. Falsa, porque as minas em funcionamento estão localizadas nas Orlas Sedimentares Ocidental e Meridional. D. Falsa, porque se trata de um recurso hidromineral explorado na secção sul do Maciço Antigo.4. As rochas industriais mais exploradas em Portugal são… A. Ardósia e xisto. B. Areia e saibro. C. Argila e margas. D. Calcário sedimentar e granito.5. A área mais importante de extração de mármores em Portugal localiza-se no Alentejo, na faixa… A. Alvito, Redondo, Vila Viçosa. B. Estremoz, Reguengos, Serpa. C. Estremoz, Borba, Vila Viçosa D. Borba, Moura, Serpa. 3As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  4. 4. III Observa atentamente o gráfico da figura 2. Fig. 2 – Evolução do valor de produção na indústria extrativa. (Fonte: DGE)1. Descreve a evolução do valor de produção da indústria extrativa.Resp. - O valor tem vindo, globalmente, a aumentar, salientando-se, a partir de2003, a importância da produção dos minerais metálicos e a quebra registada aonível da produção das rochas industriais.2. Apresenta três causas que justificam a evolução do valor da produção das águas minerais e de nascente.Resp. – Melhoria do nível de vida da população; mudança de hábitos deconsumo; preocupação com a qualidade da água consumida…3. Justifica a evolução do valor de produção dos minerais metálicos até 2003 e após essa data, considerando os minerais explorados, o contexto comercial e a tecnologia de exploração.Resp. – Até 2003, o valor de produção dos minerais metálicos manteve-seestável, mas a partir dessa data aumentou de forma muito significativa, devido àsubida da cotação desse recurso a nível mundial e à melhoria do desempenhoregistado na exploração, na sequência da introdução de técnicas e tecnologiasmais sofisticadas, que tornaram o produto mais competitivo. 4As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  5. 5. 4. As águas termais incluem-se num subsector dos recursos hidrotermais que tem manifestado tendência para se expandir. Comenta a afirmação, referindo: - a evolução da importância das estâncias termais; - o esforço de revitalização das termas, tendo em vista o desenvolvimento regional.Resp. – As estâncias termais, muito procuradas para fins terapêuticos,começaram a entrar em decadência em meados do século XX, no decurso daevolução da medicina e da farmacopeia. Atualmente, assiste-se, novamente, àprocura de estâncias termais, não só para fins medicinais mas também comoespaços de lazer, afastados do bulício do turismo massificado. Desta forma,muitas estâncias estão a ser revitalizadas e são encaradas como âncoras para odesenvolvimento regional, oferecendo emprego à população, divulgando aregião, promovendo a preservação do património e atraindo novos serviços. Asnovas termas poderão, assim, ajudar a estancar o despovoamento e a dinamizareconomicamente e culturalmente as regiões. IVAs cidades são lugares de concentração de população, não se utilizando para asua classificação critérios universais.1. Em Portugal o critério utilizado para classificar os aglomerados populacionais como sendo cidade: A. Consiste na funcionalidade dominante (sector terciário). B. Conjuga o total de habitantes com a existência de um certo número de equipamentos e infraestruturas. C. Relaciona-se com a extensão espacial da aglomeração. D. Tem a ver com a capacidade reivindicativa dos cidadãos.2. Em Portugal, o número mínimo de habitantes que um aglomerado deve ter para ascender à categoria de centro urbano é de: A. 5000. B. 10 000. C. 15 000. D. 50 000. 5As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  6. 6. 3. A diferenciação do espaço urbano em áreas funcionais é condicionado pela(o): A. Conjunto de características ambientais dos diferentes lugares. B. Diferente grau de acessibilidade dos diversos lugares. C. Maior ou menor concentração de monumentos históricos. D. Dinamismo económico dos vários espaços.4. Área funcional é toda a superfície do espaço urbano: A. Onde domina o sector terciário. B. Equipada com infraestruturas de apoio ao comércio. C. Que apresenta certa homogeneidade ao nível da função dominante. D. Com elevado grau de acessibilidade.5. O CBD: A. Caracteriza-se pela predominância do sector residencial da classe alta. B. Tem vindo a desaparecer nas cidades com maior dinamismo económico. C. Distingue-se pela concentração de um conjunto restrito de atividades ligadas ao comércio a retalho. D. Localiza-se nas áreas de maior acessibilidade. VObserva a figura 31. Define taxa de urbanização.Resp. – ver manual (pág.253 – glossário)2. Descreve a distribuição da taxa de urbanização em Portugal continental.Resp. – A população urbana tende a concentrar-se nos concelhos do litoral, com especialdestaque para os da Área Metropolitana doPorto, da Área Metropolitana de Lisboa e dolitoral algarvio. No interior prevalecem osconcelhos de população rural, assinalando-se,contudo, a concentração de população urbanaem algumas capitais de distrito. Fig. 3 – Taxa de urbanização por concelho. (Fonte: INE) 6As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  7. 7. 3. Explica o aumento nos valores da taxa de urbanização, registado em Portugal, a partir de meados do século XX.Resp. – O processo de industrialização em Portugal intensificou-se a partir dadécada de 60 do século XX e fez-se sentir com especial intensidade nos distritosdo litoral, onde existia mais mão-de-obra disponível, mais serviços de apoio àindústria e maior facilidade de transportes e comunicações. No interior, apersistência de uma agricultura tradicional de baixo rendimento e baixaprodutividade incentivou o êxodo rural. Os distritos do litoral conheceram,nesse período, um impulso no crescimento demográfico e económico, imparávelaté aos dias de hoje.4. A figura põe em evidência o processo de litoralização a que se assiste em Portugal. 4.1. Comenta a afirmação. Resp. – A resposta deve ser estruturada apresentando: - definição do conceito de litoralização; - identificação das Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa, como sendo áreas de maior concentração populacional e de atividades económicas; - referência à bipolarização da rede urbana; - relação do processo de litoralização com a intensificação das assimetrias regionais (litoral sobrepovoado/interior despovoado e envelhecido). VIConsidera o Doc. 1. DOC. 1 Comércio e serviços: da Baixa lisboeta às novas centralidadesO centro terciário de comércio e serviços ocupa há muito a Baixa. Começou nos anos 60 amigrar para norte pela Avenida da Liberdade (serviços) e pela Almirante Reis (comércioespecializado), para, depois de meados dos anos 70, se fixar na zona das Avenidas Novas,que sofreram uma profunda alteração morfo-funcional com a substituição dos imóveishabitacionais por edifícios de escritórios. A zona da Marquês de Pombal – Avenidas Novas éhoje um verdadeiro bairro de negócios central onde se encontra a maior concentração deserviços e empresas. Entretanto, a Baixa perdeu funções e atratividade deixando de ser ocentro da região urbana, para ser apenas um centro. Parte da Administração Pública doPaís e do município mantém-se nas praças do Comércio – Município, mas a sede do governoe muitos ministérios há anos que se dispersam pela cidade. De modo semelhante, o municípiode Lisboa tem a maior parte dos serviços fora da Baixa, em larga medida concentrados noCampo Grande.O centro financeiro que se posicionava imediatamente a norte do centro administrativo está a(re)constituir-se bem mais a norte no rebordo do centro terciário das avenidas em edifícios 7As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  8. 8. modernos (eixo Av. João XXI –Berna, com prolongamentos para a Av. Das Forças Armadasonde se localiza a Bolsa de Valores), não obstante a permanência de sedes e edifícios derepresentação dos bancos mais antigos na parte meridional da Baixa. Adaptado de: Teresa Barata Salgueiro, «Desenvolvimento Urbano de Lisboa», Revista de Estudos Regionais, RLVT, 2º Semestre de 2002.1. Explica a forma tradicional de organização das atividades no CBD, tendo em conta os fatores que a influenciam.2. Comenta a afirmação destacada, justificando as novas tendências de localização terciária nos centros urbanos.3. Refere alguns problemas com que se debatem as áreas centrais de muitas cidades.4. Aponta soluções para a resolução dos problemas referidos na alínea anterior.Resp. – ver correção da ficha 16 do caderno de atividades publicada no blogue. 8As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira

×