Gestão Esporte Clube S/A: Discutindo a gestão dos objetivos e
resultados desse negócio peculiar que é o futebol.
Anderson ...
Independente do que prioriza a organização que vive do futebol, o bom
desempenho financeiro é aspecto que deve ser conside...
Afinal, como em todo tipo de negócio, a melhora na renda é um objetivo chave,
assim, o desempenho financeiro é de extrema ...
eletrônicos... SãoPaulo: Fipecafi , 2004. Disponível em: <http://www.congressousp.fi
pecafi .org/artigos42004/336.pdf>. Ac...
Szymanski, S. A market test for discrimination in the English Professional Soccer
Leagues. Journal of Political Economy, v...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Discutindo a gestão dos objetivos e resultados desse negócio peculiar que é o futebol.

133 visualizações

Publicada em

Os clubes de futebol ao longo dos anos e de maneira muito gradual começaram a alterar a forma como percebem tal esporte, deixando de se basearem somente em valores e tradições para se tornarem organizações que enfatizam critérios de eficiência, rentabilidade e competitividade (RODRIGUES e SILVA, 2009). Consequentemente essas organizações esportivas vem se convertendo em empresas complexas, intrinsecamente preocupadas com questões economicas, financeiras. Quanto à estrutura organizacional, já não são tão diferentes de outras empresas do setor privado e operam em semelhantes estruturas jurídicas e de governança. Desta forma, a importância social do futebol tem aumentado a medida que o esporte profissional torna-se uma parte estável nas estruturas economicas orientadas para o lucro.

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Discutindo a gestão dos objetivos e resultados desse negócio peculiar que é o futebol.

  1. 1. Gestão Esporte Clube S/A: Discutindo a gestão dos objetivos e resultados desse negócio peculiar que é o futebol. Anderson Leonardo de Castro Seabra Os clubes de futebol ao longo dos anos e de maneira muito gradual começaram a alterar a forma como percebem tal esporte, deixando de se basearem somente em valores e tradições para se tornarem organizações que enfatizam critérios de eficiência, rentabilidade e competitividade (RODRIGUES e SILVA, 2009). Consequentemente essas organizações esportivas vem se convertendo em empresas complexas, intrinsecamente preocupadas com questões economicas, financeiras. Quanto à estrutura organizacional, já não são tão diferentes de outras empresas do setor privado e operam em semelhantes estruturas jurídicas e de governança. Desta forma, a importância social do futebol tem aumentado a medida que o esporte profissional torna-se uma parte estável nas estruturas economicas orientadas para o lucro. No entanto, apesar da sua popularidade, o esporte ainda não recebe o tratamento profissional que seu impacto economico sugere. No contexto do Brasil, onde o jogo bonito encontra-se num território mais social e emocional que empresarial, ainda encontram-se muitas lacunas a serem exploradas. Ademais, igualmente como acontece com todos os setores da economia, o negócio do futebol está operando em um clima econômico difícil. Em decorrência desta transformação, advém então, a necessidade de uma gestão mais profissional voltada principalmente para a obtenção de resultados financeiros e econômicos. Adicionalmente, os recentes debates pré e pós Copa do Mundo acerca da profissionalização da gestão do futebol no país podem está a revelar outra tendência para a forma que o esporte é conduzido. Embora o objetivo prioritário dos clubes de futebol seja, em teoria, a obtenção de títulos (LEONCINI; SILVA, 2000; MYSKIW, 2006), Fernandes (2000) enfatiza a lucratividade como finalidade de qualquer organização e Soriano (2010) e Barros, Assaf e Earp (2010) completam afirmando que o desempenho financeiro deve estar conectado ao esportivo. Desta forma, passa a ser semelhante o desafio dos clubes esportivos e das empresas, que é implementar modernas técnicas administrativas, adotando métodos de gestão que permitam às mesmas serem competitivas. Apesar dessas similaridades citadas com as organizações de outros setores da economia, os clubes de futebol são empresas incomuns. São organizações julgadas pelo que acontece dentro e fora do campo de jogo. Ademais elas existem em um espaço emocional e social peculiar, onde as relações entre organização (os times) e partes interessadas (torcedores, comunidade, patrocinadores) são reconhecidamente fortes. Não é novidade que elas possam interferir no comportamento empresarial e de tomada de decisão: por exemplo, os objetivos do clubes de futebol, em particular o desejo de sucesso de campo, são susceptíveis de ter implicações para a tomada de decisões de negócios, observam Rezende e Pereira (2005, p. 1). É facilmente notável que parte dos torcedores ainda não se importa com os gastos e arrecadação de receitas, e sim com os títulos e as contratações de jogadores. Tudo isso acima mencionado leva a um dilema que torna o negócio do futebol ainda mais singular: É mais importante maximizar os lucros/receitas ou maximizar os títulos? Não se deve esquecer que os clubes disputam títulos e, assim sendo, a gestão estratégica do clube de futebol procura gerir de forma eficaz os recursos, para obter a maximização das receitas e o controle de custos simultaneamente à obtenção de títulos (PEREIRA et al, 2004). O ideal não seria administrar para conquistar ambos os objetivos?
  2. 2. Independente do que prioriza a organização que vive do futebol, o bom desempenho financeiro é aspecto que deve ser considerado para sobrevivência de um clube ou de uma liga, assim como também é uma parte importante da boa governança. Isso tem a ver com a capacidade de avaliar as informações financeiras, gerir os fundos efetivamente e implementar boas práticas. Muitas vezes, os organismos de futebol ou clubes nomeiam um diretor financeiro com alguma experiência em contabilidade para assumir esta responsabilidade. No entanto, cada membro do conselho deve ter um entendimento de contas de um clube e relatórios financeiros. Este conhecimento vai ajudar com o planejamento estratégico, prestação de contas, governança corporativa e gestão de risco eficaz como defende Omondi (2010). Porém essa não é a realidade da maioria dos clubes de futebol no Brasil. E mesmo após sucessivas mudanças de gestão, os problemas que têm atormentado essas equipes há anos ainda são evidentes. As raízes dos problemas estão nos anos de gerências inconsequentes de diretores que buscam conquistas imediatas a qualquer preço em detrimento do sucesso a longo prazo levando os clubes a se afogarem em dívidas, sangrarem dinheiro em contratações e esvaziar os estádios. Se os principais clubes de elite fossem negócios comuns em outros setores já estariam falidos. Neste sentido estamos diante de uma necessidade real de um modelo de avaliação e mensuração de desempenho que irá considerar as especificidades do clube de futebol como um negócio, dado que a análise dos fatores internos e externos de uma organização, além do relacionamento entre essas variáveis, é de fundamental importância para o seu gerenciamento , uma vez que possibilita interação adequada entre os componentes (FREZATTI, 1999). A maioria das pesquisas em recursos econômicos e financeiros do futebol analisam a relação entre o desempenho esportivo e renda, esperando-os a ser positivo. Com exceção de Gerrard (2002) e Noll (2002), grande parte destes trabalhos avaliou e encontrou, a partir de métodos empíricos, correlações estatisticamente significativas entre salários e desempenho esportivo (SZYMANSKI; KUYPERS, 1999; ANDREFF, 2007; SHACKLETON, 2000; GUZMÁN; MORROW, 2007; KUPER; SZYMANSKI, 2010; BARROS; GARCIA-DEL-BARRIO; EACH, 2009; BARROS; LEACH, 2007; BARROS; LEACH, 2006; POZZI, 1999;) Contudo, não há evidência que confirme se desempenho em campo é a causa definidora dos níveis de receita e consequentemente do sucesso financeiro, ou se estas receitas, juntamente com estrutura de fundos, são eles próprios a origem de melhores performances seja no futebol inglês, seja no Brasil. Em qualquer caso, nós podemos argumentar a existência de uma relação que poderia constituir um círculo virtuoso: bom desempenho implica um maior volume de negócios e fundos que podem ser investidos na melhoria os resultados desportivos. Apesar das diferentes atitudes, uma demanda para a sinergia de esportes e resultados financeiros é evidente, e sempre foi mais ou menos presente em todos os clubes. Assim, ambos, sucesso no esporte e sucesso financeiro representam os dois principais fatores para avaliar a eficiência de um clube de futebol (Barros & Leach, 2006). Barros et al. (2010) sublinham a importância da otimização de esportes e resultados financeiros, e a importância crescente da avaliação da eficiência, principalmente devido ao fato da hipotética existência de uma relação direta entre os resultados desportivos de um clube e sua posição financeira no longo prazo . Desse cenário, advém então a necessidade urgente de uma gestão mais profissional voltada principalmente para a obtenção de resultados financeiros e econômicos. Neste sentido estamos diante de uma necessidade real de um modelo de gestão que irá considerar as especificidades dos clube de futebol como um negócio.
  3. 3. Afinal, como em todo tipo de negócio, a melhora na renda é um objetivo chave, assim, o desempenho financeiro é de extrema relevância para os clubes. Quanto mais renda um clube de futebol gerar, maior será sua capacidade de investir em seus ativos. Portanto, dinheiro, ou mais consideravelmente a busca de mais dinheiro, inegavelmente motiva os clubes a alcançar avanços em competições, muito mais que o status de vitorioso e o espírito vencedor. Referências Barajas, A, Fernandez-Jardon, C & Crolley, L. (2005). Does sports performance influence revenues and economic results in Spanish football? MPRA Paper No. 3234. Barros, C.P. & Leach, S. (2006). Performance evaluation of the English Premier Football League with data envelopment analysis. Applied Economics, Vol. 38, No. 12, 1449-1458. Gerrard, B. (2002). Going down, going down, going down: the economics of relegation. Comunicacion al 10th EASM Congress. Jyvaskyla, 4-7 September. Deloitte & Touche (2000). Annual review of football finance. A review of the 1998- 1999 season. Deloitte & Touche, august. Dobson, S. & Goddard, J. (2001). The economics of football. Cambridge University Press. Guzman, I. and Morrow, S. (2003). Measuring efficiency and productivity in professional football teams: Evidence from the English Premier League. LEONCINI, Márvio Pereira. Entendendo o Negócio Futebol: Um Estudo sobre a Transformação do modelo de Gestão estratégica dos Clubes de Futebol. São Paulo: Tese de Doutorado da USP, 2001. Leoncini, M. P.; Silva, M. T. A Gestão estratégica de clubes de futebol vista através do caso Manchester United. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ENEGEP, 20., 2000. São Paulo. Anais... São Paulo, 2000. Noll, R. G. (2002). The economics of promotion and relegation in sports leagues: the cases of English football. Journal of Sport Economics, 3(2), May. Omondi, E. (2010) Strategic Planning of football clubs in the Kenyan Premier League. Unpublished MBA project UON. PEREIRA, Carlos Alberto et al. A gestão estratégica de clubes de futebol: uma análise da correlação entre performance esportiva e resultado operacional. . In: CONGRESSO USP DECONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 4. 2004, São Paulo. Anais
  4. 4. eletrônicos... SãoPaulo: Fipecafi , 2004. Disponível em: <http://www.congressousp.fi pecafi .org/artigos42004/336.pdf>. Acesso em: 29.Out. 2015. PERRUCI, Felipe Falcone. Clube-empresa: o modelo brasileiro para transformação dos clubes de futebol em sociedades empresárias. Dissertação (Mestrado em Direito) – Curso de Mestrado da Faculdade de Direito Milton Campos, Faculdade de Direito Milton Campos, Nova Lima, 2006. Disponível em: <http://www.mcampos.br/posgraduacao/mestrado/dissertacoes/ felipefalconeperrucci.pdf>. Acesso em: 29.Out. 2015. Pozzi, L. F. Futebol empresa. In: COSTA, M. R. et al. Futebol: espetáculo do século. São Paulo: Musa, 1999. REZENDE, Amaury José; PEREIRA, Carlos Alberto. A gestão de contratos de jogadores de futebol: uma análise das decisões identifi cadas no caso do Clube Atlético Paranaense. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS, 9., 2005, Florianópolis. Anais Eletrônicos...Florianópolis: ABC, 2005. Disponível em: <http://www.abcustos.org.br/texto/viewpublic?ID_TEXTO=599>. Acesso em: 29.Out. 2015. RODRIGUES, Marcio Silva; SILVA, Rosimeri Carvalho da. A estrutura empresarial nos clubes de futebol. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 16, n. 48, jan/mar. 2009. Disponível em: <http://www.erevistas.csic.es/ficha_articulo.php?url=oai_revista454:63&oai_iden=oai_ revista454>. Acesso em: 29.Out. 2015. Samagaio, A. and Couto, E. (2010). Sporting, financial and stock market performance in English football: an empirical analysis of structural relationships SILVA, Claudio Vicente Di Gioia Ferreira. Administração esportiva: uma comparação da competitividade do futebol brasileiro com o futebol europeu (G-5) usando métodos quantitativos. 2006. 106 f. Dissertação (Mestrado profi ssionalizante em Administração) – Programa de Pós-graduação e Pesquisa em Administração e Economia, Faculdade de Economia e Finanças IBMEC, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.ibmecrj.br/sub/RJ/fi les/ADM_claudiosilva_nov.pdf>. Acesso em: 29.Out. 2015.. ______; CAMPOS FILHO, Luiz Alberto Nascimento. Gestão de Clubes de Futebol Brasileiros: Fontes Alternativas de Receita. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, Rio de Janeiro, ano I, v. 1, nº 3, p. 195-209, dez. 2006. Disponível em: <http://www.uff.br/sg/index.php/sg/article/ view/SGV1N3A2/20>. Acesso em: 29.Out. 2015. Sloane, P. (1971). The economics of professional football: the football club as a utility maximiser. Scottish Journal of Political Economy, 17. SHACKLETON, J. R. Football as a business. Football Studies, v. 3, n. 1, p. 80-89, 2000.
  5. 5. Szymanski, S. A market test for discrimination in the English Professional Soccer Leagues. Journal of Political Economy, v. 108, n. 3, p. 590-603, 2000. ______; KUYPERS, T. Winners and losers: the business strategy of football. Londres: Penguin Group, 1999. Szymanski S. (2001a). Income inequality, competitive balance and the attractiveness of team sports: some evidence and a natural experiment from English soccer. Economic Journal, 111. Szymanski S. (2001b). Competitive balance and income redistribution in team sports. Imperial College Management School discussion paper. Szymanski, S. & Kuypers, T. (1999). Winners and Losers: the business strategy of football. Penguin, Harmondsworth. Vrooman, J. (2007). Theory of the beautiful game: the unification of European football. Scottish Journal of Political Economy, Vol. 54, No. 3. ROCHA, C. M.; BASTOS, F. C. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 25, n. esp., p. 91-103, dez. 2011

×