HIV/SIDA & Desenvolvimento Rural em Mocambique

462 visualizações

Publicada em

Uma pequena analise sobre HIV/SIDA e Desenvolvimento rural em Mocambique

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
462
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HIV/SIDA & Desenvolvimento Rural em Mocambique

  1. 1. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 0 Índice Geral Conteúdo Pág. CAPÍTULO I – APRESENTAÇÃO….......………………………………………………………………………………………..1 1.Introdução ............................................................................................................................................1 1.1.Objectivos .....................................................................................................................................1 1.1.1Geral........................................................................................................................................1 1.1.2.Específicos.............................................................................................................................1 1.2.Metodologia..................................................................................................................................2 CAPÍTULO II – REVISÃO DA LITERATURA...................................................................................3 2.1.Desenvolvimento ..........................................................................................................................3 2.2.Desenvolvimento Rural ................................................................................................................4 2.3.HIV/SIDA - Vírus da Imunodeficiência Humana/Síndrome da Imunodeficiência ......................4 2.4.Visão Geral sobre o HIV/SIDA em Moçambique ........................................................................5 CAPÍTULO III- ANÁLISE DO IMPACTO DO HIV/SIDA NO DESENVOLVIMENTO RURAL....5 3.1.Causas de Expansão do HIV/SIDA nas Zonas rurais ...................................................................5 3.2.O impacto do HIV/SIDA nas zonas rurais....................................................................................8 4.2.1.Impacto do HIV/SIDA ao nível familiar e comunitário rural................................................8 4.2.2.Impacto do HIV/SIDA a nível nacional...............................................................................11 4.3.O Papel da Igreja.........................................................................................................................12 5.Conclusões.........................................................................................................................................14 5.3.Recomendações...........................................................................................................................14 6.Referencias Bibliográficas.................................................................................................................16
  2. 2. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 1 CAPÍTULO I – APRESENTAÇÃO 1.Introdução Moçambique é um país cuja maior percentagem (80%) da população encontra-se localizada nas zonas rurais dos quais 77% dedica-se basicamente da agricultura de subsistência para a sua sobrevivência. De igual modo é nestas zonas onde há maiores taxas de analfabetismo, factor este que motivou o Governo a tomá-lo como o polo de desenvolvimento (PEN, 2010). É neste mesmo polo de desenvolvimento (zonas rurais), onde encontram-se indivíduos com mais vulnerabilidade de contrair e expandir o HIV/SIDA devido a várias causas como a falta de informação adequada, aspectos socioculturais, crenças, migrações, aspectos financeiros etc. Portanto, o presente trabalho de pesquisa vem no âmbito da cadeira de PLADER1 disseminada na UEM-ESNEC2 , procurar analisar o impacto do HIV/SIDA em relação ao desenvolvimento rural e por fim propor planos de mitigação que possam ajudar directa ou indirectamente a minimizar a contracção desta doença no seio das famílias rurais com vista ao desenvolvimento de Moçambique, visto que, somente partindo das zonas rurais é que se pode-se alcançar o bem-estar da sociedade. 1.1.Objectivos 1.1.1Geral Analisar o impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento rural em Moçambique. 1.1.2.Específicos Conceituar desenvolvimento, desenvolvimento rural e HIV/SIDA; Descrever a situação actual do HIV/SIDA em Moçambique; Identificar impacto do HIV/SIDA nas zonas rurais; Levantar propostas que visam mitigar o impacto do HIV/SIDA na comunidade rural. 1 Planeamento e Desenvolvimento Rural 2 Universidade Eduardo Mondlane – Escola Superior de Negócios e Empreendedorismo
  3. 3. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 2 1.2.Metodologia Nesta subsecção é descrita toda metodologia bem como as ferramentas que foram utilizadas no processo de colecta de dados com vista a realização do trabalho de pesquisa em pauta. Para realização do presente trabalho de pesquisa, tomou-se como base a pesquisa bibliográfica que segundo Munguambe (2008), é aquela que resulta à partir de material já elaborado tais como livros, artigos científicos, documentos etc. Portanto, neste trabalho de pesquisa foram usados artigos científicos, manuais e assim como na consulta de documentos oficiais, planos, programas e políticas do Governo de Moçambique em formato electrónico disponíveis em sites credíveis na internet com matéria ligada ao assunto (HIV/SIDA e desenvolvimento rural), dos quais os autores serão devidamente citados ao longo do mesmo. Além disso, houve a consulta de manuais orientadores para elaboração de trabalhos de pesquisa.
  4. 4. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 3 CAPÍTULO II – REVISÃO DA LITERATURA 2.1.Desenvolvimento Desenvolvimento é um termo que não possui uma única definição e, no âmbito das ciências sociais, políticas e económicas causa certas controvérsias (Begnini, 2006). Antigamente o termo desenvolvimento era equiparado com crescimento económico mas, nos dias de hoje esse termo é concebido de outras maneiras. Por exemplo para Jorge e Moreira (1995) citado pelo mesmo autor anteriormente destacado, embora desenvolvimento e crescimento económico estejam interligados ambos são distintos na medida em que o crescimento económico está mais virado a melhorias no sistema produtivo, enquanto o desenvolvimento económico está directamente ligado à população, onde se podem perceber melhorias no que tange à saúde, nutrição, educação, habitação e redução nos níveis de pobreza, desigualdade e desemprego. Portanto, assim, uma região que cresce não significa que necessariamente se desenvolve. Desenvolvimento pode ser visto como um processo de expansão das liberdades ou capacidades humanas que as pessoas possam desfrutar, isto é, o aumento da capacidade de os indivíduos fazerem escolhas (Sen, 2007). De acordo com Doner (1972) citado por Sambo (2008), desenvolvimento deve ser concebido em sentido amplo, como a expansão de oportunidades e o aumento das capacidades humanas necessárias para explorar estas oportunidades”. Fernandes (2007) citado por Begnini (2006), indica três princípios que se associam ao conceito de desenvolvimento: Acesso de toda população a certo grau de satisfação das suas necessidades básicas (alimentação, saúde, habitação, educação); Igualdade de oportunidades entre os indivíduos; Respeito ao processo de desenvolvimento, visto que, segundo o autor, não haverá desenvolvimento quando as decisões dependerem somente de instâncias exteriores ao estado nacional. Pode-se então notar que as concepções dos autores acima aflorados em relação ao conceito do desenvolvimento são convergentes. Portanto, numa situação em que os indivíduos não têm a possibilidade de escolher o que beber, comer, vestir, onde passar o final-de-semana ou o
  5. 5. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 4 tempo de lazer; não são de exteriorizar outputs das suas massas cinzentas3 em relação a tomadas de decisão do seu governo, pode-se então afirmar que se está distante da concepção de desenvolvimento. Ir por exemplo a um centro comercial como a Shoprite e comprar em função do seu bolso e não pelos seus desejos que vem depois das necessidades em relação ao produto é um outro indicador da ausência de desenvolvimento. 2.2.Desenvolvimento Rural Após a concepção do termo desenvolvimento pode-se então procurar fundamentos que sustentam o desenvolvimento rural embora seja difícil ainda conceituar o termo rural. Desenvolvimento rural para Ploeget al. (2000) citado por Begnini (2006), pode ser entendido como uma combinação entre forças internas e externas de determinada região, onde actores das áreas rurais envolvem-se na criação de novos produtos e serviços tendo em vista novos mercados, buscando reduzir custos a partir da implementação tecnológica. É uma reorganização da agricultura em termos regionais da economia rural como um todo. Portanto, o desenvolvimento rural é composto por um conjunto de acções que concretiza mudanças em determinado ambiente rural. 2.3.HIV/SIDA - Vírus da Imunodeficiência Humana/Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Matsinhe (2006), na sua obra sobre a dinâmica da resposta moçambicana ao HIV/SIDA descreve que, o fenómeno HIV/SIDA veio a superfície de forma proeminente nos princípios da década de 80, mobilizando de uma forma excepcional e sem precedentes, diversos sectores da sociedade, entre organismos governamentais e não governamentais, redes de amizades, comunidades cientificas, agencias e outros Ussivane (2007). O debate em torno do HIV/SIDA como vírus causador do SIDA é controverso, dai que, as origens do HIV, enquanto vírus, e do SIDA, enquanto condição médica, merecem consideração separada. Portanto, é importante realçar que existe diferença entre a infecção por HIV e pelo SIDA. De acordo com Ussivane (2007), infecção por HIV significa que, apesar da ausência de sintomas da doença, o vírus está presente no organismo, e uma pessoa infectada pode infectar a outras através do contacto sexual ou através da transfusão de sangue ou ainda através do 3 Pensamentos ou pontos de vista no tangente a política dos governantes.
  6. 6. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 5 leite materno, portanto, uma pessoa infectada pelo vírus pode desenvolver gradualmente o SIDA. Segundo mesma autora, o SIDA é a fase final da infecção por HIV. Neste estágio, o vírus enfraquece gravemente os mecanismos de defesa do organismo contra doenças e a pessoa infectada sofre de doenças que reduzem a sua esperança de vida, a menos que tenha acesso a medicamentos ARV4 que combatem o vírus. De salientar que estes medicamentos ainda não constituem uma cura visto que, somente podem prolongar a esperança de vida por alguns anos. 2.4.Visão Geral sobre o HIV/SIDA em Moçambique De acordo com o Banco Mundial5 , Moçambique situa-se provavelmente até hoje entre os oito países com maior taxa de prevalência estimada de HIV/SIDA em adultos idade produtiva. Segundo os mesmos, dados de vigilância epidemiológica de 2007 mostram que a prevalência de HIV/SIDA em Moçambique é de 16%, duas vezes superior à da média subsahariana de 7,2 por cento. As previsões projectadas na altura mostravam que as taxas de esperança de vida e mortalidade infantil, bem como as estruturas da população no país se deteriorem rapidamente devido a doença, descendo a esperança de vida para 37 anos em 2013. CAPÍTULO III- ANÁLISE DO IMPACTO DO HIV/SIDA NO DESENVOLVIMENTO RURAL 3.1.Causas de Expansão do HIV/SIDA nas Zonas rurais O HIV /SIDA como qualquer uma outra doença é algo que se transmite a uma pessoa através de certos vectores que o possibilitem. Portanto, para uma melhor compreensão em relação ao tema em seguida são mencionadas e descritas algumas das causas que mais surtem efeito no processo de expansão do HIV / SIDA em Moçambique dando mais foco concretamente nas 4 Os anti-retrovirais são medicamentos que atenuam os efeitos do vírus do HIV no organismo humano e prolongam a vida quando acompanhados de uma boa alimentação e boas condições de higiene. Quando isso não acontece eles próprios tornam-se prejudiciais a saúde, aumentando a degradação do organismo e causando a morte (Ussivane, 2007). 5 World Bank, February 2008. “Mozambique Beating the Odds: Sustaining Inclusion in a Growing Economy – A Mozambique Poverty, Gender and Social Assessment.”
  7. 7. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 6 zonas rurais. Uma análise combinada de fontes indica que os principais factores impulsionadores da epidemia estão associados aos seguintes factores: Informação O Levantamento Demográfico e de Saúde (LDS) realizado em Moçambique em 2003 indica que havia altos níveis de conhecimento sobre HIV/SIDA no país (93,7% em áreas rurais e 99,1% em áreas urbanas). No entanto, apenas 38% (rurais) e 57,6 % (urbanas) das pessoas têm consciência de práticas de sexo seguras (uso do preservativo e limitação de parceiros), e há ainda consideráveis obstáculos à discussão do HIV/SIDA com parceiros. Apenas 45% das pessoas em áreas rurais e 60% em áreas urbanas discutiram a questão do HIV com os seus parceiros. (World Bank, 2008). Artur (2007), fundamenta mais o trabalho feito pelo LDS (2003), afirmando que em muitos países Africanos como Moçambique a informação nas zonas rurais em relação ao HIV/SIDA é quase inexistente. A qualidade de informação onde ela chega e a maneira/ métodos não adequados usados para transmitir é igualmente um problema que faz com que a doença prevaleça e se expanda. Aspectos sociais e Culturais De acordo com (World Bank, 2008), o rápido crescimento das taxas de prevalência em Moçambique reclama muito maiores esforços no sentido de se prevenir a infecção alterando comportamentos sexuais de risco, particularmente dos homens mais velhos. O que leva a estas conclusões é o facto de existir uma complexa mistura de factores socioeconómicos, culturais, religiosos e biológicos. Apesar de não ter sido feito nenhum estudo sistemático para avaliar determinantes da vulnerabilidade das mulheres ao HIV no país, informação disponível indica que os níveis de escolaridade, diferenças de género no acesso a recursos, violência, poligamia são alguns dos factores culturais e socioeconómicos que aumentam a vulnerabilidade da mulher. Artur (2007), sustenta ainda afirmando que questões socias e culturais existentes nas zonas rurais fazem com que haja grande resistência por parte da população rural (sobretudo homens) para mudar de comportamento e incorporar novos valores. O que tem-se notado é que a maior parte dos homens rurais continuam praticando o sexo sem protecção, tendo muitas parceiras o que de certa forma aumenta a probabilidade de contaminação. Isso
  8. 8. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 7 acontece frequentemente porque a educação social e cultural de maior parte dos homens em sociedades africanas como a de Moçambique é a de que o homem deve ser fisicamente e emocionalmente mais forte, assumir mostrar sua virilidade, o que lhes faz enredar pelo comportamento de risco. Nas suas relações muitos homens africanos obrigam as mulheres a prática de sexo de contacto directo acreditando que isto dá mais prazer. As mulheres que em Africa duma forma geral tem pouca educação, pouco acesso a informação e são educados culturalmente a satisfazer o seu marido são muito dependentes dos seus parceiros masculinos e, tem pouco poder negocial para que os seus parceiros pratiquem sexo seguro e sejam fiéis. Crenças A crença por sexo de contacto directo é apenas uma de entre várias crenças que os homens sobre africanos têm. Outras crenças incluem ter raparigas de menor idade como parceiras, assumindo que elas tem menor probabilidade de estarem contaminadas pelo vírus que as mais adultas e sexualmente mais activas assim pode-se perpetuar o hábito de fazer sem protecção. Outros homens já contaminados acreditam que manter relações sexuais com mulheres virgens curará a doença e assim sendo, empenham-se em procurar encontrar virgens e pagam o preço que for necessário (Gupta, 2000) citado por Artur (2007). Questões Financeiras Nas zonas rurais se existirem famílias já debilitadas financeiramente elas, estarão provavelmente mais vulneráveis a homens infectados. Segundo O`Reilly (2000) citado pelo mesmo autor acima mencionado, fez-se uma entrevista a 1600 crianças na Zâmbia dos quais foram encontradas nas zonas mais pobres 25% das raparigas até aos 10 anos já tinham mantido relações sexuais e dos que tinham até 16 anos 60%, igualmente já tinham tido. Migrações As migrações são um outro grande motivo para a prevalência do HIV. Muitos homens em Moçambique especificamente os da zona Sul, emigram para países vizinhos como é o caso da Africa do Sul a procura de emprego e melhores condições de vida. Uma vez lá solitários ou carentes, outras vezes nervosos mas, com dinheiro nos seus bolcos, acabam procurando prostitutas e quando fazem sexo sem protecção a probabilidade de contraírem a doença em
  9. 9. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 8 causa é bem existente. Portanto, caso esses emigrantes contraiam e em seguida voltam ao seu país de origem poderão provavelmente infectar seus parceiros moçambicanos (Artur, 2007). 3.2.O impacto do HIV/SIDA nas zonas rurais De acordo com o estudo feito pela FAO (2007), num dos seus trabalhos alusivos ao HIV/SIDA no tangente a prevenção e mitigação do impacto do mesmo em Moçambique, foi possível notar que a doença surte efeitos negativos em vários níveis em Moçambique comprometendo assim o desenvolvimento do mesmo. Dentre vários níveis abrangidos pela doença, destacam-se a baixo os mais relevantes. Impacto no sector público Impacto no sector de negócios privados; Impacto do HIV/SIDA na família e na economia informal; Impacto do HIV/SIDA na macroeconomia do País; Impacto do HIV/SIDA nas Famílias; Impacto Fiscal do HIV/SIDA; Impacto do HIV/SIDA na Produtividade e; Impacto do HIV/SIDA no PIB e no Produto Médio. Segundo Artur (2007), apesar de este fenómeno no geral abranger varias vertentes, o impacto do HIV/SIDA em relação a famílias rurais tem se fazendo mais sentir ao nível do agregado familiar em relação a outros níveis, portanto, mais em frente se fará uma breve descrição em relação ao impacto do mesmo dando mais atenção ao nível familiar. 4.2.1.Impacto do HIV/SIDA ao nível familiar e comunitário rural O grande problema com as mortes causadas pelo HIV é o facto de ser bastante silencioso, ou seja, é difícil conhecer as pessoas que morrem devido a doença. As esposas não admitem que os seus maridos estão doentes de HIV /SIDA e assim os homens optam por tomar mesma posição não admitindo que suas esposas padecem desta doença. Esta posição sempre é tomada quando se trata de um familiar. Por outro lado, dada a alta estigmatização e descriminação que ocorre nas cidades, muitos que contraem a doença optam por sair das cidades para as zonas rurais alegando ir ao encontro da cura que não conseguem achar nas zonas urbanas. A ida ou retorno as zonas
  10. 10. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 9 rurais as vilas ou aldeias proporciona um problema que afecta o desenvolvimento rural, visto que, quando um(a) filho (a)/pai/mãe chega (está) doente na aldeia, a família faz de tudo para salva-lo. Contudo, no processo da salvação a família gasta suas poupanças tentando encontrar a cura. Uma vez esgotadas suas poupanças sem sucessos, acabam optando pelo plano B correspondente a venda de bens, sobretudo gado, depois outros bens como bicicletas e como fim a família vai empobrecendo cada vez mais. Além disso, no momento em que os membros da família estão esvaziando seus recursos em termos de bens, poupanças, etc tentando salvar a vida do seu ente querido, os mesmos despendem bastante tempo nos cuidados com o doente, reduzindo o seu tempo na produção. Segundo a UNAIDS/ECO (2006) citado por Artur (2007), um estudo realizado em Zimbabwe mostrou que com a doença e morte do chefe do agregado a produção de milho baixou em 61%. Por outro lado, famílias que cultivavam culturas de rendimento mas, bastante exigentes em termos de mão-de-obra acabam passando a produzir culturas de sustento e pouco exigentes em termos de força de trabalho que por sua vez proporcionava um declínio no referente ao bem-estar. Ao nível da família nota-se igualmente que, se é o pai que esta doente de Sida e morre passado certo tempo, provavelmente um tempo depois será seguido pela mãe que terá contraído o vírus do marido. Para trás ficam as crianças órfãs que normalmente passam a viver com seus avós. Visto que os avós já terão gasto provavelmente tudo que tinham (poupanças, bens, etc) na tentativa de salvar seus parentes filho/ filha que eram igualmente pai / mãe das crianças órfãs, as crianças passam portanto passam a viver em condições desagradáveis ou difíceis, o que faz com que em muitos casos passem a ser crianças da rua, as raparigas por imperativos6 podem passar a prostituir-se na tentativa de arrecadar alguns trocados para satisfazer suas distintas necessidades fisiológicas, e igualmente os rapazes podem optar por cometer crimes com mesmo objectivo. O autor salienta que este é um cenário provável de acontecer, não que necessariamente aconteça com os órfãos. De acordo com o mesmo autor, expõe um outro cenário que acontece quando o marido morre mas, a mulher não contrai a doença. O que tem mais se notado em Africa especificamente nas zonas rurais como Moçambique por exemplo, é que, muitos casos em que o marido morre o ritual que se segue é que, sua família reclama todos os bens que ele tinha! Isto é, as poupanças, os bens, todo o património em geral. Portanto, a viúva que era esposa do falecido juntamente com seus filhos órfãos de pai são deixados em muitos casos numa situação 6 Que tem caracter de ordem; exprime uma acção como uma ordem, etc, Costa et al, 1952:924).
  11. 11. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 10 paupérrima7 e como resultado pode levar as crianças a levar uma vida que nem a do cenário anterior. Em outras situações a viúva deve “ser limpa do azar que matou o marido”. Ser limpa nas zonas rurais concretamente em países em via de desenvolvimento significa que a viúva obrigatoriamente deve manter relações sexuais normalmente com um dos irmãos do falecido, ou alguém indicado pela família do marido para conduzir o ritual (praticar sexo com a viúva). No acto do sexo normalmente é praticado sem protecção em muitos casos a pessoa indicada para fazer o trabalho deverá ser pago e existe uma probabilidade do mesmo estar infectado ou ser infectado. Em suma, o contexto socio-económico e cultural em que a mulher vive torna-se mais vulnerável ao HIV mas também é a que mais sofre com o impacto do mesmo. Na verdade o impacto do HIV/SIDA ao nível familiar e comunitário é tremendo e pode ser sintetizado entre outras formas como ilustra a figura que se segue. É de frisar que é possível que haja outras componentes que possam fazer ligação no esquema, portanto, o leitor não deve se sentir limitado. 7 Falta de meios básicos de subsistência; miséria… (Costa et al, 1952).
  12. 12. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 11 Fig.1: Impacto do HIV / SIDA a nível familiar e comunitário Fonte: Adaptado de Gillespie et al (2001) citado por Artur (2007) e melhorado pelo Grupo. 4.2.2.Impacto do HIV/SIDA a nível nacional O HIV/SIDA para Artur (2007:43), é um fenómeno que constitui do momento uma das maiores ameaças no desenvolvimento das nações pobres. Todos os sectores da sociedade estão sendo directos ou indirectamente infectados pelo vírus. Segundo mesmo autor, muitos quadros seniores de empresas, docentes, produtores agrícolas, gestores, camponeses são sero – positivos e enquanto não houver cura para a doença, os países acabaram acabarão por perde-los o que representará um duro golpe para as espectativas sejam elas socias ou económicas. Por exemplo, quando os índices de sero prevalência de alguns países forem bastantes elevados, os investidores ficarão desestimulados por receio de perderem seus investimentos, visto que, os seguros das empresas e individuais poderão aumentar em termos de valores e, serão necessários novos investimentos em termos de recursos humanos. Enquanto isso, a sociedade como um todo vai-se ressentindo dos Venda de poupanças físicas Trabalho comunitário reduzido Cuidados com machamba reduz Adulto deixa de trabalhar Mais tempo para cuidar do adulto que crianças Adultos não trabalham longas horas Consumo alimentar reduz Mudança para culturas que requerem pouca mão-de-obra Redes socias locais afectadas Perca de conhecimento Área de produção reduzida Crianças deixam de estudar Fragmentação da família Despesas com funeral DOENTE DE HIV / SIDA DOENTE MORRE Despesas com cuidados de saúde aumentam
  13. 13. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 12 efeitos colaterais da doença, tais como o aumento da pobreza (rural), prostituição, criminalidade entre outros. O relatório da MISAU8 (2003) fala da redução da produtividade, com implicações na redução de exportações mas com aumento de importações que implica uma redução do PIB9 , um aumento de inflação e o aumento do custo de vida. Por outro lado, o país terá de desviar fundos que seriam usados noutros sectores e os mesmos passam a ser focalizados nos cuidados de saúde ligados ao HIV. Em relação específica ao sector da agricultura e desenvolvimento rural, a perca de mão-de- obra nos agregados, redução do tempo de trabalho para cuidar dos doentes, ir aos funerais etc, vai com certeza significar uma redução na produção agrícola e na comercialização rural. Por outro lado como foi dito anteriormente, os recursos poupados ao longo do tempo poderão ser vendidos, o que vai significar no geral um empobrecimento no país, visto que para alcançar a agricultura é necessário que se comece do meio rural de modo a criar igualdades entre o urbano e o rural. 4.3.O Papel da Igreja Uma questão pertinente quando se aborda sobre o HIV / SIDA é o papel da igreja. Artur (2007), quando falava do papel da igreja em relação ao HIV / SIDA, o autor antes deu um exemplo de uma passagem que teve quando conversava com seu amigo. A passagem dizia que “Os Europeus vieram para Africa com as bíblias e encontraram riqueza natural, mas a volta deixaram as bíblias para os africanos e levaram a riqueza. O pensamento do autor juntamente com seu amigo fez com que o mesmo tirasse algumas conclusões no que concerne ao HIV, visto que, os africanos são bastante apegados a crenças incluído as ligadas a bíblia. Por este motivo, a igreja desempenha uma função bastante importante na educação da sociedade em relação ao fenómeno maléfico. As pessoas podem não acreditar no que ouvem pelas rádios, televisão, jornais, etc., mas, acreditam bastante no que padres e bispos, etc. Portanto, a mensagem destas figuras e a igreja no seu todo tem um poder bastante elevado. No entanto, é necessário que as igrejas comecem a se envolver activamente no combate a este mal. Porém, grande dilema é que as igrejas apenas podem transmitir parte da informação ligadas ao problema em causa. Podem também aconselhar as pessoas a se absterem do sexo 8 Ministério da Saúde 9 Produto Interno Bruto
  14. 14. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 13 mas, nunca poderão ou pelo menos nos dias de hoje não podem, por razões de princípios defendidos, aconselharem as pessoas a fazer sexo seguro, ou seja, fazer sexo com uso do preservativo. Este é um problema de difícil solução mas importante, uma vez que, cada vez mais as pessoas, sobretudo os jovens, não se abstém o que torna o valor das mensagens menos relevante e, que é preciso começar a procurar outras mensagens.
  15. 15. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 14 5.Conclusões Após o exposto, pode-se perceber que o HIV/SIDA é considerado um obstáculo ao crescimento e desenvolvimento económico de qualquer nação principalmente nos países do terceiro mundo como Moçambique devido ao facto de afectar negativamente toda a estrutura demográfica dos agregados familiares bem como afecta gravemente o bem-estar socio- económico das respectivas comunidades. Pode-se também entender que dentre várias ela é a ameaça mais grave ao desenvolvimento em Moçambique é o HIV/SIDA e pandemia está a ameaçar minar todos os resultados conseguidos pelo Governo ao longo da última década. Os agregados familiares que praticam a agricultura de subsistência são atingidos de forma mais violenta do que outros visto que, eles têm que suportar o desaparecimento de membros activos na produção, a descida de rendimentos, a diminuição dos seus bens, redução das suas economias, pois estas são viradas aos cuidados de saúde e despesas com funerais. Uma vez considerado o distrito como polo do desenvolvimento e é neste mesmo local onde há mais prevalência do HIV/SIDA, é necessário que o governo juntamente com parceiros sejam eles internos ou externos tomem devidas providencias de modo a minimizar a situação que tem vindo a surtir efeitos negativos no que tange ao desenvolvimento de Moçambique. 5.3.Recomendações Para que os projectos e programas sejam eficazes é importante que eles sejam orientados aos agregados familiares com maiores necessidades. De realçar que não está aqui se dizendo que deve-se esquecer as famílias que não estão afectadas pelo vírus. Por conseguinte, é importante que os programas se consagrem a um grupo de agregados familiares mais alargado e definido de acordo com indicadores sobre pobreza e sobre o SIDA. A melhor forma de consegui-lo é trabalhar por intermédio das comunidades, de modo que sejam elas próprias a identificar os agregados familiares que estão mais necessitados. Para redução da sua expansão do HIV/SIDA nas zonas rurais as comunidades rurais precisam de mais e melhor informação a respeito da doença, tendo em conta que o nível de escolaridade das famílias rurais é baixo, as mensagens a respeito da mesma devem ser pré- testadas para assegurar que elas são apropriadas antes de serem transmitidas.
  16. 16. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 15 Deve-se abordar os mitos e os factos sobre o HIV/SIDA, e a maioria dos matérias de informação, educação e comunicação devem ser traduzidos em línguas locais. Na divulgação dessas mensagens há que ter em atenção a linguagem (uso da língua local) e veículos de comunicação considerados apropriados tais como a exemplificação, o teatro, programas de radio, jornais escritos em língua local, televisão, médicos tradicionais, padres, pastores e pessoas mais influentes na comunidade.
  17. 17. Impacto do HIV/SIDA no desenvolvimento Rural Edelmiro De Jesus Namburete & Elódia Neli Chiúre 16 6.Referencias Bibliográficas 1. Artur, L. (2007). Desenvolvimento Rural. UEM 2. Begnini (2006). Desenvolvimento Rural: Os Municípios E As Mesorregiões Catarinenses. Paraná – UNIOESTE. 3. Costa, A. Et al. (1952). Dicionário Editora. Portugal: Porto editora 4. FAO HIV/AIDS PROGRAMME. (2007). Prevenir e mitigar o impacto do VIH/SIDA. Moçambique 5. Munguambe, S. (2008). Métodos e Técnicas de Investigação Económica. UEM- ESNEC 6. Sen, A (2007). Desenvolvimento Como Liberdade, Schwarcz. São Paulo 7. PEN. (2010). Plano Estratégico Nacional de Resposta ao HIV e SIDA, 2010-2014. Maputo 8. Ussivane, A.E.I. (2007). O impacto do HIV/SIDA na Segurança Alimentar e Nutricional das Famílias Rurais em Moçambique. Maputo- UEM. Faculdade de economia 9. World Bank. (2008). Relatório da Situação de HIV/SIDA e Nutrição em Moçambique, Maputo

×