Caminho para a servidão em quadrinhos

144 visualizações

Publicada em

O Caminho para a Servidão é um livro do economista austríaco F. A. Hayek publicado originalmente na década de 1940. Nele, Hayek chama a atenção sobre os perigos da tirania que inevitavelmente resulta do controle governamental sobre as decisões econômicas, este, por sua vez, representado pelo planejamento central.
Os quadrinhos forma originalmente publicado pela revista Look e a versão aqui apresentada foi traduzida de um encarte publicado pela General Motors, Detroit, na série ‘Thought Starter’ (nro. 118.)
O livro completo pode ser baixado aqui: http://www.mises.org.br/files/literature/O%20CAMINHO%20DA%20SERVID%C3%83O%20-%20WEB.pdf
Traduzido por Fernando Monteiro D’Andrea – Setembro/2016

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caminho para a servidão em quadrinhos

  1. 1. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O A Guerra força o “planejamento nacional” Para permitir a mobilização total da economia do país, você, de maneira feliz, desiste de muitas liberdades. Você sabe que isso foi forçado pelos inimigos do seu país.
  2. 2. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Muitos querem o planejamento siga... Argumentos para um ‘grupo de planejamento em tempos de paz’ começam antes de a guerra acabar. Os planejadores do tempo de guerra que querem permanecer no poder encorajam a idéia.
  3. 3. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Os Planejadores prometem utopias... Um plano para os fazendeiros dá certo nas áreas rurais, o plano para os trabalhadores da indústria se torna popular nas cidades, etc. Muitos novos planejadores começam a trabalhar
  4. 4. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O e não concordam em UMA utopia Com a paz, um novo legislativo é criado, mas a unidade vinda de ‘vencer a guerra’ acabou. Os ‘planejadores’ dificilmente se entendem. Cada um tem seu plano de coração e não vai largá-lo.
  5. 5. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Os cidadãos também não concordam Quando os planejadores finalmente chegam a um plano temporário meses depois, os cidadãos começam a discordar. O que o fazendeiro gosta, o trabalhador da fábrica não gosta.
  6. 6. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Planejadores odeiam forçar acordos... A maioria dos planejadores são idealistas que buscam o melhor e não suportam o uso da força. Eles esperam algum milagre para que todos concordem com o seu plano de retalhos.
  7. 7. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Eles tentam ‘vender’ o plano para todos ... Num esforço mal sucedido para educar as pessoas para que elas tenham visões uniformes do mundo, os ‘planejadores’ estabelecem a máquina de propaganda – que o ditador que virá achará muito útil
  8. 8. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Os crédulos entram num acordo... No meio tempo, a confusão nacional aumenta e leva a encontros de protesto. Os menos educados – extasiados e convencidos por uma oratória tocante, formam um partido
  9. 9. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O A confiança nos ‘planejadores’ diminui ... Quanto mais eles improvisam, maiores são os problemas para os negócios normais. Todos sofrem. As pessoas agora sentem – de forma correta – que os ‘planejadores’ não são capazes de fazer nada! Precisamos de um homem que faça os planos funcionarem!
  10. 10. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Um ‘homem forte’ recebe o poder... Em desespero, os ‘planejadores’ autorizam o novo líder do partido a tirar um plano da cartola e forçar sua obediência. Mais à frente eles se livrarão dele, ou assim eles pensam.
  11. 11. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O O Partido domina o país por completo... Nesse momento a confusão é tão grande que a obediência ao novo líder deve ser obtida a qualquer custo. Talvez até você entre no partido para ajudar a união nacional.
  12. 12. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Um Alvo negativo une o partido... O passo inicial de qualquer ditador é inflamar a maioria numa causa comum contra alguma minoria. Na Alemanha este alvo foram os judeus.
  13. 13. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Ninguém se opõe aos planos do líder... Seria suicídio; uma nova polícia secreta é totalmente despudorada. A habilidade para forçar a obediência sempre se torna a virtude número 1 no ‘estado planejado’. Agora toda a liberdade se foi.
  14. 14. A sua profissão é ‘planejada’... As escolhas de trabalho mais abrangentes até então propostas pelos agora defuntos ‘planejadores’ agora se revelam uma grande farsa. Os ‘planejadores’ nunca conseguiram fazer isso, nem nunca conseguirão. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Mas eu não sou carpinteiro, sou hidráulico.
  15. 15. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O O seu salário é ‘planejado’... As divisões da escala de salários deverão ser arbitrárias e rígidas. Para administrar um ‘estado planejado’ de um quartel general central é tosco, injusto e ineficiente. TESOUREIRO
  16. 16. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Seu pensamento é ‘planejado’... Na ditadura criada sem intenção pelos planejadores, não há lugar para a diferença de opinião. Cartazes, rádio, imprensa – todos te dizem as mesmas mentiras.
  17. 17. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Seus momentos de lazer serão ‘planejados’... Não é coincidência que os esportes e a diversão em geral tenha sido cuidadosamente ‘planejada’ em todas as nações sob esses regimes. Depois que começam os planejadores não conseguem parar.
  18. 18. O C A M I N H O D A S E R V I D Ã O Sua disciplina é ‘planejada’... Se você for demitido, provavelmente será por um esquadrão de fuzilamento. O que antes era um erro agora se tornou um crime contra o Estado. Assim termina o caminho para a Servidão.
  19. 19. O Caminho para a Servidão em quadrinhos. Originalmente publicado pela revista Look. Reproduzido de um encarte publicado pela General Motors, Detroit, na série ‘Thought Starter’ (nro. 118.) Traduzido por Fernando Monteiro D’Andrea – Setembro/2016 www.dodandrea.com

×