Diz93

535 visualizações

Publicada em

Diz Jornal

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diz93

  1. 1. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com
  2. 2. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 2 Cultura Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para 900 mil leitores trabalhar juntos e a química entre eles continua perfeita. Por mais que a pelí- cula apresente uma cadência um pouco mais lenta que a de “Drive”, a densida- de continua presente. Destaque para a fotografia que é maravilhosa. Eu não tenho nada contra filmes de vampiros. Aliás, vejo todos. E me sur- preendi positivamente no Festival do Rio. Imagine um filme de vampiros nada convencional. Esqueça todas as pieguices adolescentes que estão na moda e inclua, no filme, Tom Hiddles- ton (“Thor” e “Meia-Noite em Paris”) e Tilda Swinton (“Precisamos Falar Sobre o Kevin” e “Adaptação”). Enfim, “Only lovers left alive” foi uma grata surpresa dirigida por Jim Jarmusch (“Flores Par- tidas” e “Sobre Café e Cigarros”). No elenco muito bem orquestrado, ainda brilham Mia Wasikowska (“Alice no País das Maravilhas” e “Segredos de San- gue”) e John Hurt (“V de Vingança” e “O Homem Elefante”). E, para corroborar ainda mais a infor- mação de que o Festival estava maravi- lhoso, conto ainda que assisti à um filme no qual Woody Allen (“Hannah e Suas Irmãs” e “Vicky Cristina Barcelona”) incorpora um ca- fetão. Sim, isso mesmo! E quem dirige “Fa- ding Gigolo” é o talentoso ator-roteirista-di- retor John Turturro (“E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?” e “Faça a Coisa Certa”), que também protagoniza a trama. De forma geral, o filme explora a premissa de que quando necessário, Final de ano chegando e, com ele, o Fes- tival de Cinema do Rio. Não tem época mais gostosa na Cidade Maravilhosa. Filme bom todo dia, toda hora. Muitas novi- dades. Produções que só chegarão ao grande público meses depois. É tempo de fome in- saciável pela sétima arte. É tempo de muito entretenimento. Clímax! É um verdadeiro êx- tase para os cinéfilos de plantão. Gostaria de ter ido todos os dias e de ter visto muito mais filmes do que consegui. Dos que assisti, creio que guardarei boa lembrança de todos. Assisti à “Como Não Perder Essa Mulher?” (“Don Jon”, no original) e gostei bastante. O menino Joseph Gordon-Levitt, que passei a admirar em “500 Dias com Ela” e conhe- ci na série “30 Rock From The Sun”, fez sua estreia como roteirista e diretor. Além disso, ele também protagoniza a trama, dando vida a um viciado em pornografia que tenta se satis- fazer sexualmente também na “vida real”, di- gamos assim. Fãs de Scarlett Johansson (“Ma- tch Point” e “Moça com Brinco de Pérola”), Julianne Moore (“Magnólia” e “As Horas”), Channing Tatum (“Querido John” e “Magic Mike”) e Anne Hathaway (“Os Miseráveis” e “Amor e Outras Drogas”). Vocês não podem perder. Outra produção que conferi foi “Apenas Deus perdoa” (“Only God Forgives”, no original). E, pra mim, é imperdível. E já explico o motivo: trata-se do reencontro do diretor e do pro- tagonista do filme “Drive”, ou seja, Nicolas Winding Refn e Ryan Gosling (“Amor a Toda Prova” e “Diário de Uma Paixão”) voltam a quebramos alguns parâmetros. Melhor dizen- do: em tempos de crise, algumas pessoas re- correm até a prostituição para conseguir uma graninha. E, nesse caso, Turturro encarna o “agenciado” de Allen. A comédia romântica é fantástica e prende a atenção da platéia. Palmas também para o resto do elenco, com destaque para Sofía Vergara (“Quatro Irmãos” e “Noite de Ano Novo”), Liev Schreiber (“A Soma de Todos os Medos” e “Hurricane: O Furacão”) e Sharon Stone (“Instinto Selva- gem” e “Invasão de Privacidade”). Assisti também ao trabalho de Allen por de- trás das câmeras, dirigindo “Blue Jasmine”. Depois de anos filmando na Europa, Allen volta a gravar nos Estados Unidos em gran- de estilo com Cate Blanchett (“O Senhor dos Anéis” e “O Curioso Caso de Benjamin But- ton”) e Alec Baldwin (“Os Infiltrados” e “Pe- arl Harbor”) como protagonistas. A narrativa gira em torno de uma mulher que gozava de uma ótima condição financeira ao lado de um marido abastado, quando, de repente, os bens são confiscados e a vida boa termina. O destaque da película, sem dúvida é Blanchett que além de linda, está leve e precisa no pa- pel. Nota dez! Como é possível notar, o Festival foi incrível. Repleto de filmes fantásticos, novidades mil que pintarão nas grandes salas de cinema nos próximos meses. Há estreias já garantidas, como a de “Gravidade”, que estreou no Fes- tival e que chega ao circuito neste final de se- mana. Assim como “Diana” – produção pro- tagonizada por Naomi Watts que encarna a Princesa de Gales, Diana Spencer – que tem como data prevista de estreia o próximo dia 25 de outubro. Enfim, foram dias maravilho- sos, repletos de filmes para todos os gostos, produções diversas que me levaram ao delí- rio. Ah, como é bom esse finalzinho de ano! Agora, terei que esperar o próximo Festival... Em 2014! Até lá! Êxtase * O Coffee Season Fes- tival, no Engenho do Mato, Região Rural de Niterói, trouxe o aro- ma de inúmeras marcas desse produto que vi- rou mania na cidade. O “Escritores ao ar Livro”, convidado a participar do evento se fez presente. * Para comemorar o centenário de nascimento do poetinha Vinícius de Moraes, a Biblioteca Pública de Niterói (Praça da República, s/nº – Centro) exibirá, dia 18 de outubro, 6ª feira, às 11horas, o documentário “Vinícius de Moraes”, de Miguel Faria Jr, e, às 15h, leitura dramatizada. Entrada franca. * A exposição “A Colheita”, de Ana Castilhos, acontece no Viva Rô (Rua Apolônia Pinto, 505 - Mury - Nova Friburgo), com vernissage em 17 de outubro, 5ª feira, às 19 horas; a exposição fica até 24 de novembro. Mais informações: Tel.: (22) 2542-1890. Vale um passeio a Friburgo e conferir! * As instituições li- terárias de Niterói continuam se reno- vando. A ANL-Aca- demia Niteroiense de Letras empossou a poeta e artista plástica Luzia Veloso (foto); e o Instituto Histórico e Geográ- fico de Niterói agora possui dois nomes de destaque da ci- dade: Pedro Vasquez e Alberto Araújo. Fôlego e vida nova para a cultura. * O italianíssimo Julio Vanni convida para a inauguração do Instituto Italiano de Cultura/IIC (Av. Presidente Roosevelt, nº 1.063 - São Francisco - Niterói), dia 16 de outubro, 4ª feira, às 19 horas. * O tradicional Baile do Médico da Associação Mé- dica Fluminense/ AMF será dia 25 de outubro, 6ª feira, às 21 horas, no Praia Clube São Francisco (Estrada Leopoldo Fróes, nº 700), com show do cantor Elymar Santos. * Vem aí, em novembro, a exposi- ção NIKITIKITIKERU, na Glia (Rua Nilo Peçanha, 142 - Ingá), em ho- menagem aos 440 nos da cidade de Niterói. Aguardem! Coffee Season Festival Elymar Santos
  3. 3. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 3 Documento dizjornal@gmail.com Edição na internet para 900 mil leitores E Agora, Como Fica? Os últimos fatos ocorridos na política, especialmente a inesperada junção de Marina Silva (criando um partido) e o governador pernambucano Eduardo Campos (PSB), após as tramas para impedir a Marina de concorrer à presidência da República, causaram migrações de po- líticos para novos partidos (o Solidariedade e o PROS), mudando a configuração da disputa eleitoral e o comportamento a seguir. Estas transformações afetam todos os níveis, com fortes reflexos na políticas estaduais e municipais. Muitos se perguntam, como pode um fato nacional repercutir num município, na mais doméstica política bairrista? Muito. Incluindo a ascensão de figuras aparentemente fora do jogo político e a decretação de possíveis derrotas, com a impossibilidade de reeleição de alguns deputados e governadores. No Rio de Janeiro já se esperava al- gumas transformações e algumas previsibilidades visto a decadência explícita do governador Sérgio Cabral, su- jeito a novas intempéries, até judiciais, pois o seu inseparável amigo e parceiro Fernando Cavendish, da Delta Construtora, é alvo de investigações pela Polícia Federal, e já avisou que “não vai para o inferno sozinho”. Como muitas “obras” do governo do Estado foram “executadas” pela construtora, espera-se que possam sobrar responsabilidades solidárias, e o governador enfrente dificuldades ainda maiores que as existentes. Ele, num ato de desesperado, tenta eleger o vice-governador Pezão e lançar seu filho, Marco Antonio, can- didato a deputado federal. O jovem mal se expressa, e somente com muita influência de bastidores e um “caminhão de dinheiro” po- derá elegê-lo. O ex-governador e atual deputado Anthony Garotinho (PR) desponta como favorito, seguido de Marcelo Crivella (PRB) e do se- nador Lindberg Farias (PT). A novidade nesta disputa foi o aparecimento da candidatura de deputado Miro Teixeira, pelo PROS. Esta candidatura vem envolta de conflitos: o PROS nasceu aderindo à presidente Dilma, enquan- to Miro Teixeira apoiava a criação da Rede de Sustentabilidade da Marina Silva. Ele já decla- rou que irá apoiar a Marina onde ela estiver. Ou seja: ameaças de desencontros e conflitos estão apontados no horizonte do PROS no Rio de Janeiro. O Solidariedade, com a liderança do deputa- do Paulinho da Força Sindical, foi quem mais conquistou deputados e já nasce com muita força, inclusive com ramificações municipais. Em Niterói, transferiram-se para o partido o presidente da Câmara dos Vereadores, Paulo Bagueira (ex-PPS) e com ele o suplente do PPS, João Gustavo; o 1º suplente PP, Carlos Magaldi, que também é ex-vereador e tem um eleitorado representativo. Deverá ir também o vereador Emanuel Rocha (PDT) e assim que sanarem as dificuldades estruturais do vereador José Vicente, no PPS, ele também irá para o Solidariedade. O PPS em Niterói ficará reduzido ao mandato do vereador Pau- lo Henrique, com prejuízos significativos para a campanha à reeleição do deputado Comte Bittencourt. O PDT no Estado caminha trôpego e deca- dente, especialmente depois da “gestão Car- los Lupi”. Foram sucessivos erros, denúncias e derrotas, que envolvem bravatas como a declaração que “só sairia do Ministério do Trabalho a balas”, e acabou numa ridícula declaração de “amor” e pedidos de descul- pas a presidente Dilma. São melancólicas e desastradas atitudes que provam a incapaci- dade gerencial do Carlos Lupi, para ser pre- sidente de um partido histórico como o PDT e a insuficiência de conhecimentos e susten- tação intelectual para ser Ministro de Estado. Com estas trapalhadas, atualmente o seu grupo ameaça deixar o governo, antes que seja despejado. Neste declínio, o diretório municipal de Niterói, que luta internamente pela liderança entre deputado e secretário de Cabral, Felipe Peixoto, e o vereador Gallo. Neste embate tende a dissolução e poderá sucumbir. Se mantiver a atual disputa irá fa- talmente empurrar o vereador Gallo para ou- tro partido, provavelmente o Solidariedade. Somente o retorno de Jorge Roberto Silveira à política com seu grupo assumindo o partido haveria uma chance de sobrevivência do dire- tório. Caso contrário, o destino será incerto e solitário para o deputado estadual Felipe Peixoto, candidato a deputado federal. Felipe, tem que torcer para que a justiça não pegue o governador Sérgio Cabral, a quem está muito ligado. Caso haja mais uma derrota do go- vernador, a eleição de Felipe Peixoto estará seriamente ameaçada. O PSD, do deputado Sergio Zveiter, com a entrada do deputado estadual e candidato a federal Wagner Montes, no partido, oxigenou. Os muitos votos do deputado e apresentador de TV irá fortalecer e garantir a reeleição de Sergio Zveiter. Já o ex-deputado e secretário de Saúde, Chico D’Angelo, virá candidato a reeleição pelo PT ao mandato federal. Apoiado pela máquina petista será eleito. Se houver falhas neste apoio, enfrentará dificuldades. Não se- ria justo uma manobra de abandono da sua candidatura. Ele, honradamente, apoiou o prefeito de Niterói após a disputa pela vaga de candidato a prefeito e vem desempenhan- do com muita luta a condição de secretário de Saúde do município, que já encontrou com muitas dificuldades. Ele trabalha incan- savelmente para sanar as deficiências e muitos avanços podem ser creditados a sua gestão. O PSOL no Estado vai provavelmente aumen- tar a sua bancada. Marcelo Freixo vai continu- ar puxando votos e de Niterói, Flavio Serafini, que teve 50 mil votos para prefeito no último pleito, deverá se eleger deputado estadual. O deputado federal Chico Alencar também vai continuar puxando votos, e em Niterói vai ajudar a eleição a federal do vereador Paulo Eduardo Gomes.Ele foi o vereador mais bem votado da história da cidade e é considerada certa a sua eleição. O atual deputado federal Jean Wyllys deverá também ser reeleito. Ainda não declarada, mas provável, candi- datura a deputado do presidente da Câmara de Niterói, Paulo Bagueira. O que ainda não se sabe, é se será estadual ou federal. Esta é uma candidatura compreensível e justifica a sua saída do PPS. É o seu projeto político que cresce a passos largos. No seu antigo partido (PPS) ele já havia atingido o seu teto. Se pre- tendesse se candidatar a deputado estadual iria confrontar com os mesmos eleitores do presidente do partido e deputado estadual Comte Bittencourt. Ao mesmo tempo, fica mais clara a aspiração de Bagueira de ser can- didato a prefeito de Niterói na eleição seguin- te, ou ficar livre para negociar com o PT, sem a declarada oposição de Comte Bittencourt, ao executivo municipal. Teremos ainda a candidatura a deputado es- tadual do atual secretário de educação mu- nicipal, Waldeck Carneiro. Ele é aplicado, se elegeu muito bem como vereador nas últimas eleições; e é sabidamente o candidato predi- leto do prefeito de Niterói. Vai contar com o apoio da estrutura e é um forte candidato. Falta um ano para a eleição. Muitos acidentes e novos fatos vão determinar os destinos des- tas candidaturas, mas sorrateiramente existem muitas candidaturas ainda não apresentadas, como a do vereador de Niterói José Vicen- te (hoje no PPS), do médico Pedro Ângelo Bittencourt, da jornalista Karla Simões, apoia- da pela deputada federal Lilian Sá, pelo PR. E outros tantos desconhecidos que irão se aventurar da forma mais amadora possível. Afinal, todos têm o mesmo direito a candi- datar-se, mas política é prática para “profis- sionais”. Carlos Lupi, José Vicente e Jorge Roberto. É como se fosse certeza de Jorge Roberto, ap- ertando a mão de Lupi aguardando a derrota do seu partido. Bagueira, Gallo e Paulo Eduardo Chico D’Angelo Neilton Mulin e Garotinho
  4. 4. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com As associações pelos ani- mais aprovaram a medida. Em junho, a Voz Internacio- nal dos Vegetarianos para os Animais (Viva, na sigla em inglês) tinha apresentado à Amazon um relatório com "as provas do sofrimento ignóbil causado pela pro- dução de foie gras" e uma petição assinada por 10 mil clientes do site e simpati- zantes da organização ambientalista. Outros países europeus, como a Itália, já proibiram o foie gras em seus territórios por causa da crueldade contra patos e gansos du- rante a produção. Em São Paulo, a Câmara Municipal aprovou na quinta-feira passada, dia 3, um projeto de lei que proíbe a comercialização de “foie gras” nos restaurantes da cidade. 4 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. Rua Otavio Carneiro 143/704 Niterói/RJ. Diretor Responsável: Edgard Fonseca Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição e circulação: Ernesto Guadelupe Diagramação: Erisvelton Santana Impressão: Tribuna RJ Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz End: Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ Tel: 3628-0552 | 36285252 | 9613-8634 Correspondência para Administração Rua Domingues de Sá, 274/1103 Icaraí-Niterói - CEP 24.220-091 dizjornal@gmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! NutriçãoEdição na internet para 900 mil leitores clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara Petrucci Proibida a Venda de “Foie Gras” A Amazon, uma das maiores empresas de comércio eletrônico do mundo, anunciou na úl- tima segunda-feira, dia 07, que proibirá em seu site britânico a venda de foie gras - o fígado de pato ou ganso supera- limentado, de maneira forçada e brutal. A de- cisão da filial inglesa foi adotada em conjunto com outras medidas ambientalistas e já causou repercussões na França, onde o alimento é um considerado um ícone da gastronomia. Além de todos os itens "que contêm foie gras" o site baniu "todos os produtos à base de ba- leia, golfinhos, tubarão-elefante (incluindo o marfim) ou outros animais ameaçados de extinção". Netinho Volta Para Bahia O cantor Neti- nho seguiu na tarde da última, terça-feira, 08, para Salvador, para continuar o trabalho de fisioterapia e fo- noaudiologia em casa. A equipe do Prof. Dr. Ro- berto Kalil Filho, que acompanha Prêmio UFF de Literatura Tendo como homenageado Vinícius de Moraes, a séti- ma edição do “Prêmio UFF de Literatura” divulga a lista dos autores cujas poesias, contos e crônicas integra- rão a antologia a ser lança- da no dia 17 de dezembro, quando será conhecido o resultado final do concurso literário promovido pela Universidade Federal Fluminense. Entre os 60 selecionados nas ca- tegorias, estão Benito Petraglia, Cecília Gui- marães, Cristina Lobo, Winter Bastos, João Carlos Viegas, Melyssa Ortiz, Afonso Ma- chado, Giselda Penteado Di Guglielmo, Jac- queline Salgado, Carlos Benites, entre outros. O anúncio do primeiro lugar de cada uma das três categorias, que ganhará o “Troféu Ita- puca”, será um laptop, e ocorrerá durante cerimônia realizada no auditório da Academia Fluminense de Letras, no prédio da Biblioteca Pública de Niterói. O concurso tem o patrocínio, da Fundação Euclides da Cunha e da Pró-Reitoria de Ex- tensão da UFF. Informações: comunicacao@editora.uff.br. o cantor desde a sua internação no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, realizou uma sé- rie de exames e decidiu que Netinho já podia continuar a reabilitação em casa. Netinho estava em São Paulo sob os cuida- dos da equipe do Prof. Dr. Roberto Kalil Fi- lho desde o dia 10 de maio. Agora em casa, Netinho, ainda sob a supervisão do Dr. Kalil, continuará sua reabilitação, mas ainda não ini- ciará a sua rotina profissional.  As equipes que o acompanharam foram che- fiadas pelos Profs. Drs. Roberto Kalil Filho, Marcel Cerqueira, Raul Cutait, David Uip, Marcos Stávale e Milberto Scaff. A Armadilha dos Refrigerantes Zero Q uem nunca trocou o refrigerante nor- mal pelo zero naquele aniversário com um bolo delicioso de chocolate com recheio de brigadeiro na intenção de di- minuir a ingestão calórica, amenizar o “pé na jaca" do momento? Eu mesma fiz isso muitas vezes, achando que estava eliminando parte da culpa e adotava o refrigerante zero em algumas refeições tam- bém, me iludindo, achando que não havia problema. Que triste engano... Para começar, a quanti- dade de químicos presentes nestes produtos já comprometem a absorção de muitos nu- trientes em uma refeição, auxilia na desmine- ralização do organismo (o que é péssimo); se tiver cafeína então, diga tchau para a vitamina C da sua comida. Mas, não é o assunto de hoje, venho falar do sódio do refrigerante zero. Para ele ser zero, o sódio deste refrigerante é maior para real- çar o sabor. O que a gente não sabia é que a glicose (o açúcar, produto final de um carboi- drato para ser convertido em energia no nosso organismo), ela é "sódio dependente". O que isso significa? Estou simplificando ao máximo, vamos lá: para a glicose ir para a célula e se tornar energia, ela precisa do sódio. Quem carrega, quem leva a glicose para a célula é ele. Então, quando ingerimos algo com muito sódio, mesmo sendo "zero", a nossa absorção de glicose, presente nos alimentos é muito maior. Você, que como eu antes de começar a estu- dar nutrição, fazia esse “truque” achando que estava "abafando", se enganou! Ou melhor, to- dos nós nos enganamos. O refrigerante zero enganou todo mundo e mais alguma coisa! O melhor a fazer e esquecer esta bebida da sua dieta; mas, se não conseguir, opte pelo comum (se não houver alguma patologia que traga restrição para saúde, é claro) e sem in- gestão concomitante de alimentos. Simplificando: quanto mais natural for a sua alimentação, mais saudável será e melhor proveito o seu organismo vai ter. Boa sorte e atenção. Nem tudo que parece bom é verda- deiro, e o marketing é a ciência de fazer tudo parecer “azul”, quando os verdadeiros tons podem ser cinza e tudo pode se transformar em “cinzas”! Até a próxima.
  5. 5. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 5 InternetJuliana Demier - juliana.demier@gmail.com Edição na internet para 900 mil leitores ORAÇÃOASANTO EXPEDITO Festa 19 de abril. Comemora-se todo dia 19 Se vc. está com algum , precisa de , peça a Santo Expedito. Ele é o Santo dos Negócios que precisam de pronta solução e cuja invocação nunca é tardia. Problema Difícil e aparentemente sem Solução Ajuda Urgente ORAÇÃO Obrigado. : Meu Santo Expedito da Causas Justas e Urgentes, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero. Intercedei junto ao Nosso Senhor Jesus Cristo! Vós que sois o Santo dos Aflitos, Vós que sois o Santo das Causas Urgentes, protegei-me, ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade. Atendei o meu pedido: (fazer o pedido) Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis, protegei-me de todos que possam me prejudicar; Protegei minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a Paz a Tranqüilidade Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos que têm fé. Rezar 1 Padre Nosso,1 Ave Maria e Fazer o sinal da cruz. “para que os pedidos sejam atendidos é necessário que sejam justos”. Agradeço a Santo Expedito a Graça Alcançada.Santo Expedito Acesse o Nosso Site: www.dizjornal.com Curta Nossa Fanpage www.facebook.com/dizjornal O Mundo Submarino da Internet U m cabo de comunicações sub- marino tem um diâmetro de 69 milímetros (2,7 polegadas), que transporta 99% de todo o tráfego interna- cional (ou seja, internet, telefonia e dados privados) e conecta todos os continentes da Terra, com exceção da Antártica. Esses cabos de fibra óptica são incrí- veis! Atravessam os oceanos por cen- tenas de milhares de quilômetros. O mapa de todos os cabos submarinos em todo o mundo está acessível.  É uma captura de tela do site  http://www.sub- marinecablemap.com/,  um site interati- vo que permite dar zoom e localizar cada cabo submarino conhecido no mundo. In- formações sobre a empresa que detém o cabo e os vários pontos de desembar- que de cada cabo, também é fornecida. Originalmente, os cabos submarinos eram simples ponto-a-ponto. Com o desenvol- vimento de tecnologia foi desenvolvida a unidades submarinas de ramificação (USR), que nada mais é do que ligar mais de um destino em um cabo único. Sistemas de cabos modernos têm suas fi- bras dispostas em um anel de auto-cura para aumentar a sua redun- dância, com as seções submarinas seguindo caminhos diferentes no fundo do oceano. O sistema funciona perfeitamente e de- monstra o sucesso a longo prazo, livre de erros de transmissão e com rotas de até 6.000Km com 100 Gbps através do Oce- ano Atlântico, ou seja, em um cabo típico pode deslocar dezenas de terabits por se- gundo no exterior. As velocidades melhora- ram rapidamente nos últimos anos, com 40 Gbit / s oferecido nessa rota. Quais são os efeitos ambientais de colocar um cabo de telecomunicações no fundo do mar? Como isso afeta o fundo do oceano e os animais que vivem lá? Apesar de literal- mente milhões de quilômetros de cabos de comunicações foram colocados no fundo do mar ao longo do século passado, alguns artigos revisados ​​por especialistas científi- cos documentaram os efeitos desses cabos na vida marinha. Pesquisadores da MBARI e o Monterey Bay National Marine Sanctu- ary descreve uma pesquisa biológica única de um cabo no fundo do mar profundo fora Califórnia central. Esta pesquisa constatou que o cabo teve apenas pequenos impactos sobre os animais que vivem no fundo do mar. A partir de 2006, as ligações via satélite representavam apenas 1% do tráfego inter- nacional, enquanto o restante foi levado por cabo submarino. A fiabilidade dos cabos submarinos é alta, especialmente quando (como mencionado acima) caminhos múl- tiplos estão disponíveis, no caso de uma ruptura do cabo. Além disso, a capacidade total de carga de cabos submarinos está nas terabits por segundo, enquanto os satélites normalmente oferecem apenas megabits por segundo e exibi maior latência. No en- tanto, um típico multi-terabit, sistema de cabo submarino transoceânico custa várias centenas de milhões de dólares para cons- truir. Interino Laio Brener
  6. 6. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 6 Edgard Fonseca edgard.fonseca22@gmail.com Edição na internet para 900 mil leitores C ontrariamente ao que muitos pen- sam e esperam, a CPI dos Ônibus de Niterói não foi criada para ser um Tribunal de Inquisição e uma “Tempo- rada de Caça às Bruxas”. Os muitos e mui- tos anos de submissão e subserviência dos políticos aos empresários de ônibus criaram na população uma espécie de descrença e expectativa de cobrança vingativa. A verdade, é que por ter sido, por todo tempo, uma “terra de ninguém” e as vozes eram caladas ao primeiro sinal de mudan- ça de tom, acreditou-se que esta CPI seria abafada e posta à margem como sempre foi qualquer iniciativa de questionamento. É que, tendo sempre a maioria, ou quase totalidade dos vereadores sob o contro- le, nunca se discutiu com imparcialidade e transparência como se estabeleciam os padrões de comportamento, que determi- navam a qualidade dos serviços e os pre- ços que seriam cobrados, independente da vontade, insatisfação e possíveis questiona- mentos da população em relação aos trans- portes públicos. Era realmente um feudo intocável, embo- ra fosse uma concessão, uma exploração empresarial de um serviço público que é regiamente pago. Mas, ao contrário que se possa supor, esta CPI tem uma marca importante: a possibilidade de discutir pa- drões, tarifas e compromissos, sem que seja na base da “goela a baixo”. Não acredito que se vá conquistar grandes mudanças, entretanto, se estabeleceu um fato históri- co, que é um marco de mudanças paulati- nas ao longo de uma vasta negociação que se iniciou a partir desta CPI. Nasceu sob o signo da descrença e da ar- rogância desafiadora daqueles que estavam A CPI dos Ônibus de Niterói acostumados a mandar sem questionamen- to, na base do “vai ser assim, nós manda- mos e pronto”. Mas, para sorte da cidade, foi eleito um ve- reador jovem, sem amarras e nem depen- dência econômica. Tornou-se presidente da CPI dos Ônibus e está fazendo valer o voto que lhe foi confiado. O jovem Bruno Lessa conquistou o mandato através de seus es- forços e de amigos, sem financiamento de terceiros e sem dever satisfações aos pode- rosos. Somou-se a este fato, mais três ve- readores de militância ideológica, que são os integrantes da bancada do PSOL. Aí se pergunta: se uniram, PSDB com o PSOL? Para alguns propósitos, sim. Foram agendas pontuais e de necessidade absoluta da po- pulação e da transparência das ações. Não foram impostas questões programáticas e de afinidades, pois bem se sabe que são partidos bem diferentes, um do outro. Mas, pela independência e de ideais do vereador Bruno Lessa (PSDB), com o ide- alismo aguerrido da bancada do PSOL, re- sultou numa soma positiva, embora muitas vezes possam discordar e travar combates, mas, no campo das ideias, democratica- mente. Está sendo uma boa e alvissareira experiência, que só contribui para a cidade. A bem da verdade, nestes últimos 38 anos que vivo em Niterói, nunca tinha visto mo- mento igual. Quem, em outros tempos ima- ginaria Zeca Mocarzel, João da Ingá ou um ex-procurador do município sentados depondo numa CPI? Nunca vi circunstância parecida e isto é muito bom e demostra o crescimento, ma- turidade nas relações de poder, e não há qualquer demérito para nenhum dos depo- entes. Pelo contrário. Demostra o empenho de estabelecer parâmetros verdadeiros e transparentes. Todos devem ser elogiados por suas contribuições e demostrações de desprendimento e ausência do que ocultar. Se nada acontecer doravante, já foi uma imensa vitória desta CPI. Estabeleceu-se pela primeira vez as verdadeiras funções da casa parlamentar do município de Niterói. Os demais integrantes da CPI, o vereador Gallo, que é o relator, os vereadores José Vicente e Verônica Lima, apesar das dis- cordâncias nos debates, têm contribuído bastante para o desenrolar imparcial e res- peitoso que está transcorrendo nesta CPI. Fica-nos a satisfação de ver nascer uma li- derança, com a independência e a confia- bilidade lastreada por ideais. O vereador Bruno Lessa, em pouco tempo de mandato, já fez muito mais que muitos que passaram por esta casa e já se foram com pouco ou sem nada acrescentar. Em tempos de descrença na classe políti- ca é uma alternativa ao novo pensamento e uma oportunidade de mudança. Que venha a juventude! Ex-Procurador na CPI dos Ônibus Oex-procurador-geral do município no governo passado, Bruno Nave- ga, será o depoente da próxima reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os transportes públi- cos em Niterói, na segunda-feira, dia 14. A CPI dos Ônibus também aprovou o envio de dois novos requerimentos: um ao secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes, e outro ao atual prefeito de Niterói. Os membros da CPI querem informações técnicas e financeiras sobre os bilhetes únicos estadual e municipal. Imposto da Pobreza Luiz Paulino Moreira Leite, presidente da Associação Comer- cial de Niterói criticou a aprovação do projeto de lei, pela Assembleia Legislativa, que estende até 2018 o Fundo Especial de Combate à Pobreza. Por acordo entre o setor empresarial e o governo, feito em 2010, o imposto deveria ser cobrado até 2014. O Governador Sérgio Cabral sancionou a lei estendendo o prazo. Para Luiz Paulino, o chamado Imposto da Pobreza inibe o desen- volvimento do Estado do Rio e pune o empresariado com uma das mais altas cargas tributárias do país. Considera que o Rio de Janeiro não possui cidades em estado de pobreza extrema, como no Nordeste, e é o terceiro maior arrecadador de ICMS do País, com médias acima de R$25 bilhões. Realmente. Ele tem toda razão! Julio Lopes Bruno Navega Sergio Gomes Bruno Lessa e Verônica Lima Luiz Paulino
  7. 7. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 7 Dr. Helder Machado Urologia Tratamento de Cálculo Renal a Raio Laser Rua Dr. Celestino, 26 Centro - Niterói. Tels:2620-2084 /2613-1747 Clínica Atendemos UNIMED eParticular Atendimento 24H pelo tels: 8840-0001e9956-1620 Edição na internet para 900 mil leitores ZAPS... .… Dia 19, sábado, às 9h, a Hayasa, con- cessionária da Honda, em Pendotiba, dará um curso de mecânica bá- sica para mulheres. Às 12h30, palestra “Mu- lher que se Ama, se Cuida - Você Conhece suas Mamas?”, com a mastologista Thereza Cypreste. … Dia 16 de outu- bro, será realizado o V Encontro de Admi- nistradores (Encad) em Niterói, promovido pelo Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro (CRA- RJ), com a palestra: “A contabilidade cria valor para os Administrado- res?”. Estarão presen- tes Wagner Siqueira, presidente do CRA-RJ, e Leocir Dal Pai, re- presentante da Região Grande Niterói. Cidadão de Que? Nada pessoal contra o ministro e sena- dor Marcelo Crivella (PSC), mas, por uma questão de propósitos objetivos, o que fez por Niterói para receber o título de “Ci- dadão Niteroiense”? Em que pese o senador ser um homem instruído e na sua trajetória política não ter se envolvido em polêmicas transações, e até que se prove o contrário, é um homem de bem, não o habilita a ser “ungido” com tal homenagem; assim como outros, incluindo a presidente da República, Dilma Rousseff, que provavelmente vai ter dificuldade de apontar Niterói no mapa com alguma rapidez. Esta prática de distribuir títulos de cida- dania, sem qualquer motivo ou propósito justificável, se não apenas por motivações políticas, para não dizer “puxar o saco”, desmerece a homenagem e os seus propó- sitos. O autor da proposta, o pastor Ronaldo (PTN), que foi conduzido ao mandato, pela infeliz circunstância do assassinato do ve- reador Lúcio do Nevada, nestes dez meses de mandato parlamentar, ainda não disse o que veio fazer... Exceto ter assinado um re- querimento para a CPI dos Ônibus e, sem explicação convincente, ter retirado a assi- natura, após “um telefonema do gabinete A Rainha da Bateria da Viradouro Amodelo Raíssa Machado foi coroada como Rainha da Bateria Unidos do Viradouro de Niterói. Ela foi prestigiada por diversas rainhas de bateria de outras escolas, entre elas Viviane Araújo, da Unidos do Salgueiro, Ana Paula Evange- lista, da Mocidade Independente de Pa- dre Miguel e Solange Gomes, Rainha da Escola de Samba Porto da Pedra, de São Gonçalo. Dandara Oliveira, ex-rainha da Viradou- ro, passou a faixa para Raíssa Machado e Viviane Araújo colocou a coroa na nova rainha da escola de Niterói. Raíssa Machado, hoje integra-se a socie- dade niteroiense pois ela é casada com o presidente da Câmara dos Vereadores de Niterói, Paulo Bagueira. É uma das maio- res expressões de beleza na cidade, e pessoa de grande simplicidade e simpatia. Somente em Niterói Você vai pela rua, quase as dez da noite, e se depara com um motoqueiro fantasma. O capacete do cara era uma caveira com olhos vermelhos e a moto parecia uma penteadeira de vadia extravagante. Todos os brilhos, perfumes baratos, chifres, talcos e tamancos. Uma zona ambulante. Somente em Niterói e ainda não é carnaval! do prefeito”. Ele é um híbrido de PM e pas- tor, e como vereador tem deixado muito a desejar... O senador Crivella, que segundo pesquisas recentes, se habilita a concorrer ao governo do Estado nas próximas eleições, virá para dividir os votos dos evangélicos, tirando es- paço do deputado Garotinho, gerando mais um palanque no Rio para a presidente Dil- ma. Ele é bispo da Igreja Universal e parente do bispo Edir Macedo, da Rede Record de TV. Cidadão Niteroiense? Façam-me o favor... Gabriel Petrucci Marcelo Crivella Sergio Gomes Sergio Gomes
  8. 8. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 8 Renda Fina Aniversariantes da Edição Anna Clara Scurman Alkamir Issa Antonio Gonçalves Claudia Titoni Kátia Ferreira Edição na internet para 900 mil leitores Casamento de Aline e Marcio Vasquez Marcio e Aline Vasquez Marcio e Aline Vasquez Marcio e Aline Vasquez durante a festa na Carpie Diem O casal entre amigos, capitaneados por Richard Sonsol Fotos Julio Cesar Cerino
  9. 9. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 9 Terapeuta Holística thatiana.ncunha@gmail.com T! News contato@erisveltonsantana.com erisveltonsantana.com E! Games Conto de Fadas para Adultos e Crianças N em todos os games rece- bem o mesmo tratamento de suas produtoras. Não recebem a divulgação necessária, talvez por descrença no seu su- cesso, falta de verbas ou motivos circunstanciais. Esse é o caso de “Puppeteer” um game incrível a ser lançado no fim do ano. Ingênuo, doce e fofo, o game que não é ape- nas para crianças, traz muitos desa- fios e um frescor a esse mundo dominado pelas sequências. Em um mundo muito distante, existe um reino mágico que está devastado pela crueldade do Rei Urso da Lua. No jogo, os gamers irão visitar o lado escuro da lua ao lado de Kutaro, um menino muito esperto que acaba se tornando um herói, mas, vive perdendo a cabeça – literal- mente. “Puppeteer” é um jogo de plataforma bem no estilo de "Sonic" e "Super Ma- rio Bros.", mas com um grande toque de originalidade. O game da Sony finge ser um teatro de bonecos, com direito a nar- rador (em português), plateia e mudan- ças de atos com o abrir e fechar de cortinas. No game, a princesa da lua é traída e tem seus ob- jetos mágicos roubados. De posse deles, o vilão se proclama o novo rei e pas- sa a roubar as almas das crianças e transformá-las em fantoches. Um desses fantoches é o herói do jogo, “Kutaro”, um me- nino que perde a cabeça. A história se desenvolve e mostra esse universo fan- tástico e sempre faz ques- tão de colocar o jogador como um especta- dor da plateia, torcendo pelo herói, rindo das piadas e até ficando aflito com certas situa- ções que são mostradas. Acompanhamos as aventuras de “Kutaro” e os novos amigos que vão surgindo, como a bruxa Ezma Potts, a Princesa do Sol e o pirata Capitão Gaff – cada um mais carismático e maluco que o outro. Os cenários de "Puppeteer" são uma atração à parte. São diferentes e vão deixar o gamer ansioso para ver o que espera na próxima esquina. Além, é claro, dos “chefes”, por- que todo game de plata- forma que se preze sabe que os inimigos devem ser incríveis nesse tipo de game; e nisso “Puppetter” não deixa a desejar, mes- mo. Vale ainda destacar que game possui uma dublagem perfeita, com vo- zes e personagens que se encaixam magica- mente. E só aproveitar e entrar nesse mundo incrível, mágico e encantador. Até a próxima! Os Benefícios da Meditação S ensação de paz, bem- estar e tranquilidade. Essas são apenas algu- mas das inúmeras sensações que a prática da meditação pode trazer para o ser hu- mano. Do latim “meditare”, meditar é voltar a atenção para o centro, desligar-se do mundo exterior, concentrar-se no presente. Sem as lamenta- ções do passado e a angústia do futuro. Ao contrário que algumas pessoas pensam, meditar não é esvaziar a mente e sim ter o controle, conforme explica o líder espiritual Dalai Lama no livro “Transformando a Mente”: “nossos pensamentos estão constantemente cor- rendo atrás disso ou daquilo porque não temos a disciplina de concentrar a atenção. Portanto, através da meditação, o que po- demos alcançar é a capacidade de voltar nossa mente para qualquer objeto determi- nado e focalizar a atenção nele, de acordo com nossa vontade”. Iniciada na Índia e difundida em toda a Ásia, a prática começou a se popularizar no oci- dente com o guru Maharishi Mahesh Yogi, que nos anos 1960 convenceu os Beatles a atravessar o planeta para aprender a me- ditar. Existem diversos tipos de meditação, as passivas e as ativas. Nas passivas, usa-se somente a mente, é mais calma. Já na ativa, há um movimento do corpo, e neste caso, é preciso ter cuidado e procurar um médi- co antes de começar a prática. Não apenas sensações, mas a meditação traz ainda mais bene- fícios para seus pra- ticantes. Nos últimos anos, pesquisadores ocidentais começaram a entender por que, afinal, meditar funciona para tantos problemas de saúde diferentes. Um estudo realizado na Universidade da Califór- nia, EUA, revelou que a meditação amplia as defesas do organismo, ocasionando uma me- lhora em lidar com o estresse. Segundo o es- tudo, durante a prática, a enzima telomerase (ligada ao sistema imunológico) tem sua ação intensificada. Porém, cientistas alertam que a meditação sozinha não resolve, e sim um dos mecanismos usados pelo corpo para aumen- tar o bem-estar do indivíduo. Além disso, pessoas que meditam todos os dias há mais de dez anos têm uma diminuição na produção de adrenalina e cortisol, hormô- nios associados a distúrbios como o estresse, ansiedade, déficit de atenção, hiperatividade e experimentam um aumento na produção de endorfinas, ligadas à sensação de felicidade. Já a Universidade da Califórnia em Los Ange- les, mediu o acúmulo de gordura nas artérias de 30 pessoas com pressão alta. Depois de meditar 20 minutos, duas vezes por dia, ao longo de sete meses, a quantidade estava me- nor, enquanto que ela não havia sido alterada no grupo de controle. Namastê!
  10. 10. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com 10 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Os Protestos Há algo coexistindo entre a demo- cracia, a liberdade, o vandalismo e o banditismo. Esta semana os pro- testos que vinham acontecendo no Rio de Janeiro e agora, São Paulo, e creio que aca- barão varrendo o país de norte a sul. Adianto que sou francamente favorável ao protesto, seja ele por causas múltiplas ou específicas. Tenho apreço porque dá o recado de que o povo brasileiro não está tão desligado assim nos assuntos nacionais e este papo de que somente gostamos de carnaval, futebol e samba, francamente, já era. Muitos políticos não sabem o que es- tão fazendo e o perigo que correm porque com este povo não se brinca. Em nossa Niterói, os mesmos protestos contra Jorge Roberto Silveira, hoje estão batendo à porta de Rodrigo Neves. Em frente a prefeitura do governo Jorge Roberto era comum ouvirmos nos carros de som dos protestos um sonoro “Acorda prefeito!”. E não é que nesta semana havia outro carro de som, desta vez dos briosos professores, que gritavam “Acorda, Rodrigo! Mostra a sua cara!”. Enfim, neste caso, o prefeito Rodrigo Neves também não apareceu e a Rua Visconde de Sepetiba ficou interditada até o início da tarde. Os protestos, quando são absolutamente pacíficos, chamam mais a atenção do que aqueles que se transformam em atos de vandalismo. O brasileiro, assim como o mundo todo, não gosta de bandido, de vân- dalos e de margi- nais que nada mais fazem do que se aproveitar do movi- mento legítimo das massas para roubar e destruir. As manifestações dos professores no Rio foram absolu- tamente pacíficas. Depois que acaba- ram, a violência e destruição começaram por outros grupos que nada tinham a ver com os professores. Todo mundo um dia se exalta. Mas, nestes casos, a exaltação ocorre sem premedita- ção, porque é fruto de um lampejo de ig- norância. O que vimos na TV, é puro vandalismo de 5ª categoria. Algo premeditado e com fins de obter lucro, com roubos, e também, destruição do patrimônio público, detonan- do também lojas que foram arrombadas e saqueadas. São Paulo reagiu prendendo um casal sob o enquadramento na Lei da Segurança Na- cional. Vamos ver quantos dias ficarão sob a guarda da Justiça, pois pelo visto, eles não têm antecedentes e são réus primários. Assim, com a reação do Estado ou não, as manifestações continuam dando lucros para os bandidos, para variar. É o que acontece no Brasil. Como as Leis internacionais não se mis- turam, claro, porque cada país tem a sua, a brasileira presa na Rússia vai responder trancafiada, contrariando os “pensamentos juristas” dos brasileiros. Acho que o Gre- enpeace vai pensar duas vezes na próxima vez que tentar atuar na Rússia porque é um país que vive uma daquelas democracias que tem os pés mergulhados no totalitaris- mo e, como consequência, as leis são du- ríssimas contra aqueles que protestam ou são contra a tal “democracia”. Os vândalos se aproveitam da nossa des- preparada polícia militar, que não teve o treinamento adequado e não identifica os pontos perigosos das manifestações, abor- da inocentes com arrogância e não conse- gue chegar perto dos vândalos. Isto é falta de preparo. É prepotência do Governo em não enviar seus policiais para treinamentos em outros países acostuma- dos com manifestações. Isso não será de- monstração de fraqueza ou incompetência, mas de inteligência e organização. Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com SEUS PROBLEMAS NÃO PRECISAM VIRAR UMA NOVELA. EXIJA. RECLAME. DENUNCIE. CONTE COM O ALÔ ALERJ. Venha para o Nova Auto Europeu Velocímetros, Contagiros, Marcadores de Gasolina, Temperatura e Pressão do Óleo. Bombas de Gasolina para injeção eletrônica, Reguladores de Pressão, Motores de Passo. Troca na hora de: Velocímetros e Bóias de Tanque. * Alarmes de Controle Remoto * Trava e Vidro Elétrico * Relógios Elétricos Rua Marechal Deodoro, 295 - Loja 103/104, Centro - Niterói- RJ. Tels: 2621-5702 / 2717-3881 BLA! BLA! BLA! PORRADA! PORRADA! PORRADA, E MAIS P !ORRADA! PORRADA! BLA!BLA! BLA! CAô! Caô! BLA! .TIRO E BOMBA!BLA! BLA! PORRADA!.. BLA! BLA! BLA! PORRADA! PORRADA! PORRADA, E MAIS PORRADA! PORRADA! BLA!BLA! BLA! CAô!! Caô! BLA! TIRO E BOMBA!BLA! BLA! PORRADA!...
  11. 11. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com Pela Cidade 11 Edição na internet para 900 mil leitores Aprovado Projeto de Lei de Bruno Lessa Foi aprovado na Câmara Munici- pal de Niterói, o projeto de lei 127/13 do vereador Bruno Lessa (PSDB) que modifica o Código de Limpeza Urbana 1.212/1993. Pelo texto fica acrescido um pa- rágrafo único ao artigo 14 - que prevê multa para quem for pego jogando lixo nas ruas, que esse valor arrecadado seja destinado a investimento em mobiliário urbano relativo à coleta de lixo como ca- çambas, lixeiras e contêiner. “O objetivo inicial era fazer em Niterói uma legislação como a da cidade do Rio de Janeiro. Um projeto polêmico, mas digno de aplausos. Porém, uma pesquisa no acervo legislativo mostrou que essa lei já existia. Um pioneirismo no ponto de vista legislati- vo. O meu projeto quer também fazer com que acenda no poder público a necessidade de maior fiscalização na aplicação dessas multas”, explica. Para o parlamentar, a grande quantidade de lixo nas ruas é acima de tudo um problema de saúde. “Quando chove, os logradouros abarrotados de lixo ocasionam alagamentos Passageiros da Solidão: Ensaio Aponta Laços Entre Lygia Fagundes Telles e Edward Hopper No próximo dia 17, será o lan- çamento de “Sombras Silenciosas:estranheza e solidão” em Lygia Fagundes Telles e Edward Hopper (Edi- tora da UFF, 209p.), às 18h, na Livraria Icaraí (Rua Miguel de Frias 9, Icaraí, Nite- rói). No ensaio, Mabel Knust Pedra oferece uma leitura singular do encontro entre a literatura e a pintura, a partir da percepção de temáticas comuns a ambos os artistas. Em Sombras Silenciosas, Mabel Knust Pe- dra encontra e traduz a paixão pela leitura e personagens da prosa de Lygia Fagundes Telles em ressonância com o impacto visual das telas de Edward Hopper. A densidade estética e a atmosfera, em semelhanças Postos de Recadastramento Biométrico no Barreto Dois ônibus do Tri- bunal Regional Elei- toral do Rio de Janeiro ficarão à disposição dos eleitores de Niterói no Horto do Barreto até o dia 31 de outubro - quan- do termina o recadastra- mento biométrico na ci- dade. O atendimento será feito de segunda à sexta- feira, das 9h às 17h. No último domingo, os coletivos atenderam 111 eleitores. Com a permanência dos ônibus no Horto do Barreto até o final deste mês, o TRE-RJ amplia para cinco os locais de atendimento da biometria. Os eleitores de Niterói po- dem fazer o recadastramento nos postos decorrentes de entupimento dos bueiros, contribuindo para a propagação de doen- ças.” Dados da Companhia de Limpeza de Ni- terói afirmam que todos os dias são cole- tados, aproximadamente, 200 toneladas de resíduos públicos. Durante a votação, o projeto foi elogiado por outros vereadores e após a aprovação, em duas votações com dispensa de interstí- cio, aguarda a sanção, ou não, do prefeito para que seja promulgado. instalados no Ginásio Caio Martins, em Icaraí; no Fórum da Região Oceânica, em Pendotiba; na Central de Atendimento ao Eleitor, no Centro de Niterói; e no Centro Cultural da Justiça Eleitoral, no Centro do Rio de Janeiro. Outras informações no site do TRE-RJ, www.tre-rj.jus.br/biometria. consideradas intimistas, sombrias e claus- trofóbicas, tornaram-se chama e inspiração. Na obra de Mabel, faz-se presente o en- contro entre eternos viajantes, passageiros da solidão, revelados em instantâneos de dolorosa banalidade, denominados por ela como um silencioso “theatrum mundi”. Vistoria Predial Obrigatória Vistoria predial é o tema principal do Encontro Especial de Síndicos, que o Sincond (Sindicato dos Con- domínios de Niterói e São Gonçalo) vai realizar dia 9 de novembro próximo, das 9h às 17h30m, no SENAC – NITERÓI (Rua Almirante Teffé, n° 680). A ficha de inscrição para síndicos e admi- nistradores de condomínio interessados em participar do evento, que terá vagas limitadas, pode ser preenchida através da internet, em http://www.sincond.com.br/encontr/. No dia do evento, os participantes deverão le- var dois quilos de alimentos não perecíveis ou uma lata de leite em pó para doação a insti- tuições sociais filantrópicas através do Banco Rio de Alimentos. Duas leis, a estadual 6.400, de 5 de março de 2013, e a municipal 2.963/2012, determi- nam que os condomínios residenciais, comerciais e mistos realizem periodica- mente a vistoria de estru- turas, fachadas, empenas, marquises, telhados e até contenção de encostas, além das instalações elétri- cas e hidráulicas e as con- dições de prevenção de incêndio em todos os Condomínios. Essas leis ainda dependem de regulamenta- ção, mas independentemente disso, é reco- mendável que os Condomínios promovam a autovistoria dos imóveis, contratando espe- cialistas, das várias especialidades, creden- ciados pelo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea-RJ). A medida é impor- tante, pois visa garantir a segurança predial e evitar que síndicos sejam responsabilizados em caso de acidentes, incêndio ou prejuízos a terceiros. Mabel Knust Pedra
  12. 12. Niterói 12/10 a 26/10/13 www.dizjornal.com Em Foco dizjornal@gmail.com 12 Edição na internet para 900 mil leitores O Inferno no Centro de Niterói S e alguém já passou pela Avenida Amaral Peixoto, após a meia-noite, certamente percebeu a imensa de- sordem e sujeira inconcebível. É o que se poderia chamar de “filial do inferno”. A quantidade de lixo produzida pelos mora- dores de rua, que se misturam aos restos de comida e aos excrementos “in natura”, exalando o mau cheiro, de fezes e amônia. É o retrato da nossa triste realidade social e a presença de um povo que aparece e se multiplica na mais perfeita desordem. O lixo acumulado nas ruas do Centro de Ni- terói, deixado junto às calçadas e amontoados principalmente perto das “bocas de lobos” ou galerias de águas pluviais, além de provo- car alagamentos em dias de chuva, causa um mau cheiro insuportável. O que se observa é a forma como o lixo de todo o tipo vai sendo deixado nas ruas, sem armazenamento ou depositado em sacos, permitindo que seja espalhado muitas vezes remexido por catadores e pessoas que “ga- rimpam” buscando material para a venda. A situação é também muito grave na Rua Visconde do Uruguai, onde os detritos tem atraído ratos e insetos, e deixando um as- pecto horrível. A via é muito movimentada e tem um comércio efervescente, sendo roteiro para restaurantes e bares, que re- cebem autoridades, turistas e gente de di- versas procedências. O centro da cidade de Niterói está entre- gue ao “povo de rua”; muitos deles falando idiomas africanos e latinos, especialmente pessoas bolivianas e argentinas. A droga é uma constante, sendo usada por menores, cheirando cola e solventes e usu- ários de crack se espalham na Rua Cadete Xavier, atrás do Edifício Tower. É terra de ninguém, sem policiamento, sem segurança para quem se aventura passar após as oito horas da noite. Como um celeiro de sub-demônios perdi- dos no coração da cidade, Niterói esta apo- drecida e completamente infeliz. Represen- ta a desarmonia consentida e conivente. É o centro, ou o epicentro de um incontrolável furacão social, sem limites e sem perdão.

×