Rcc ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração

10.512 visualizações

Publicada em

RCC

Publicada em: Educação
0 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.512
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
392
Comentários
0
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rcc ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração

  1. 1. COMISSÃO DE FORMAÇÃO GRUPO DE ORAÇÃO Alides Destri Mariotti Ronaldo José de Sousa.
  2. 2. 2 APRESENTAÇÃO Este texto quer aprofundar a reflexão sobre o Grupo de Oração nos seus três momentos distintos: núcleo de serviço, reunião de oração e grupo de perseverança, pretendendo dar uma visão geral das características e estrutura do grupo como um todo, bem como de sua condução. Na transmissão deste conteúdo, a espiritualidade deve ser motivada pelos seguintes textos: a) “Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, Mãe de Jesus, e os irmãos dele” (At 1, 14). b) “Pois a promessa é para vós, para os vossos filhos e para todos os que ouviram de longe o apelo do Senhor, nosso Deus” (At 2, 39). c) “Perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, nas reuniões em comum, na fração do pão e nas orações” (At 2, 42). A confecção dessa apostila caracterizou-se por um trabalho participativo dos membros da Comissão de Formação do Conselho Nacional, a partir do material já editado pela Secretaria Paulo Apóstolo. Os autores – Alides Destri Mariotti (Ensinos 1, 3, 6 e 7) e Ronaldo José de Sousa (Ensinos 2, 4 e 5) - contaram, sobretudo, com as sugestões e ressalvas dos revisores Luiz Virgílio Néspoli e Helena Lopez Rio Machado, que enriqueceram o texto e corrigiram equívocos. É hora de buscar a vivência da identidade da RCC em todas as suas dimensões! Identidade que se expressa numa experiência do derramamento do Espírito Santo, gerando verdadeira transformação de vida, como diz o Santo Padre: “O movimento carismático católico é um dos numerosos frutos do Concílio Vaticano II que, como um novo Pentecostes, suscitou na vida da Igreja um extraordinário florescimento de agregações e movimentos, particularmente sensíveis à ação do Espírito. Como não dar graças pelos preciosos frutos espirituais que a Renovação gerou na vida da Igreja e de tantas pessoas? Quantos fiéis leigos – homens, mulheres, jovens, adultos e anciãos – puderam experimentar na própria vida o maravilhoso poder do Espírito e dos seus dons! Quantas pessoas redescobriram a fé, o gosto da oração, a força e a beleza da Palavra de Deus, traduzindo tudo isto num generoso serviço à missão da Igreja! Quantas vidas mudaram de maneira radical!”1 . ENSINO 1: O GRUPO DE ORAÇÃO 1. Introdução O Grupo de Oração é a célula fundamental da Renovação Carismática Católica e caracteriza-se por três momentos distintos: núcleo de serviço, reunião de oração e grupo de perseverança. Pessoas engajadas na RCC, líderes e servos, através de encontros, orações e formação buscam “fazer acontecer um processo poderoso de renovação espiritual, que transforma a vida pessoal do cristão e todos os seus relacionamentos com Deus, com a família, com a Igreja e a comunidade2 . Grupo de Oração é uma comunidade carismática presente numa diocese, paróquia, capela, colégio, universidade, presídio, empresa, fazenda, condomínio, residência, etc, que cultiva a oração, a partilha e todos os outros aspectos da vivência do Evangelho, a partir da experiência do batismo no Espírito Santo, que tem na reunião de oração sua expressão principal de evangelização querigmática e que, conforme sua especificidade e mantendo sua identidade, se insere no conjunto da pastoral diocesana ou paroquial, em espírito de comunhão, participação, obediência e serviço. “O objetivo do grupo de oração é levar os participantes a experimentar o pentecostes pessoal, a crescer e chegar à maturidade da vida cristã plena do Espírito, segundo os desejos de Jesus: ‘Eu vim para que as ovelhas tenham vida e a tenham em abundância’ (Jo 10,10b)”3 Aqui, o Grupo de Oração será estudado em seus três momentos distintos: núcleo de serviço, reunião de oração e grupo de perseverança, com base em Atos 2, 1-47. Observe-se o quadro abaixo: O GRUPO DE ORAÇÃO 1. JOÃO PAULO II. Colaborai com o Espírito numa nova efusão de amor e esperança. 2. PEDRINI, Alírio J. Grupos de oração, p. 13. 3. Ibid., p. 14.
  3. 3. 3 Atos 2 - Igreja Primitiva Grupo de Oração Primeiro Momento At 2, 1-4 Os apóstolos e discípulos, reunidos com Maria, a Mãe de Jesus, experimentam o derramamento do Espírito Santo e são transformados por Ele. Esta comunidade apostólica sai do cenáculo para realizar a missão e formar a Igreja com a multidão. Núcleo de serviço – os servos que lideram o grupo devem experimentar e testemunhar o batismo no Espírito Santo. Eles são responsáveis pelo Grupo de Oração como um todo. Daí a necessidade da formação dos diversos serviços: acolhimento, pregação, pastoreio, cura, intercessão, aconselhamento, formação, música, ação social, juventude, casais, etc. Segundo Momento Atos 2, 5-41 A multidão se ajunta na porta do cenáculo, vê a transformação dos apóstolos, tem seus corações compungidos, deseja e é batizada. Reunião de oração - momento em que a multidão é evangelizada, experimenta a ação de Deus, testemunha os carismas e tem seu coração tocado. O centro deste momento é o louvor e a pregação com poder. Terceiro Momento Atos 2, 42-47 A Igreja Primitiva persevera: - Na doutrina dos apóstolos - Na comunhão fraterna - Na fração do pão - Nas orações. Forma-se, assim, a comunidade cristã, onde não havia necessitados. Grupo de perseverança - Os que foram evangelizados devem ser conduzidos aos grupos de perseverança para crescerem na doutrina, na fraternidade, na participação da Eucaristia e na vida de oração. O início da caminhada pode ser feito através de um Seminário de Vida no Espírito. Este grupo é celeiro de onde sairão aqueles que serão formados para assumirem serviços necessários ao Grupo de Oração. É necessário discorrer, de forma prática, sobre cada momento do Grupo de Oração e sobre como levar os seus participantes à vivência do batismo no Espírito Santo, para uma vida de santidade e serviço. Mas, antes, é preciso descrever a missão do coordenador do Grupo de Oração. “Tudo o que fizerdes, fazei-o de bom coração, como para o Senhor e não para os homens, certos de que recebereis, como recompensa, a herança das mãos do Senhor. Servi a Cristo, Senhor” (Col 3,23-24). 2. O Coordenador do Grupo de Oração Cada grupo de oração deve ter um coordenador que, junto com o núcleo de serviço, num trabalho conjunto, é responsável por ele: “O papel do chefe consiste, principalmente, em dar exemplo de oração na própria vida. Com esperança fundada e solicitude cuidadosa, toca ao chefe assegurar que o multiforme patrimônio da vida de oração na Igreja seja conhecido e aplicado por aqueles que procuram renovação espiritual, meditação sobre a Palavra de Deus, uma vez que a ignorância da Escritura é ignorância de Cristo (...) Deveis estar interessados em proporcionar comida sólida para a alimentação espiritual, partindo o pão da verdadeira doutrina..”4 . É importantíssimo que o coordenador seja uma pessoa de intimidade com Deus, de intensa vida de oração e de escuta, para que Jesus seja o Senhor do Grupo de Oração e o Espírito Santo o conduza. O líder a serviço é aquele que orienta e conduz. Liderança não é dominação; a liderança espiritual é diferente da liderança humana. Coordenar não é fazer tudo, não é autoritarismo, mas sim distribuir os trabalhos, ouvindo a vontade do Senhor na oração, para colocar cada pessoa na atividade certa. O modelo de líder é Jesus. Por isso, ele deve estar sempre a serviço5 . A prioridade do serviço é o amor. O coordenador, conhecendo as necessidades das pessoas que participam do Grupo de Oração, agindo com toda a sabedoria e discernimento do Espírito, deve buscar a unidade do grupo. “Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste” (Jo 17,21). O coordenador não deve fazer nada mecânica ou superficialmente. A obra é do Senhor e, por isso, é necessário fazer tudo com amor e por amor. Para isso, deve pedir os dons do Espírito Santo, principalmente os da Sabedoria, Entendimento e Discernimento: “A sabedoria do coordenador alimenta- se permanentemente de sua experiência de Deus e do relacionamento pessoal e profundo com Ele... 4. JOÃO PAULO II citado em RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA, Liderança na RCC, p. 54. 5 Cf. Mt 20,25-28
  4. 4. 4 Aliás, a experiência de Deus Pai, de Jesus vivo e do Espírito Santo é o fundamento da vida cristã e a graça maior do batismo no Espírito Santo.”6 É importante que o coordenador observe outros coordenadores e troque experiências, bem como visite outros grupos para absorver os frutos da oração comunitária de maneira mais livre, sem que esteja na condução da reunião. Experiências bem sucedidas podem enriquecer outros grupos de oração. Em resumo, são características do bom coordenador:  aberto, acolhedor, não se abate facilmente, é artífice da unidade e da paz;7  organizado, obediente, de boa intenção;8  tem consideração com os outros;9  caminha no Espírito;10  trabalha em equipe, não centraliza as atividades;  tem domínio, encorajando os tímidos, controlando os faladores;  tem zelo, ordem, compromisso e pontualidade;  tem uma mentalidade aberta à ação do Espírito Santo, que quer transformar sem cessar;  é conhecedor da doutrina da Igreja. Ainda, é necessário que o coordenador:  dê oportunidade a todos;  apóie e reconheça o crescimento do irmão;  faça servos líderes, melhores que ele;  não resista às mudanças;11 Cabe também ao coordenador discernir com o núcleo de serviço as necessidades do Grupo de Oração e, a partir daí:  Usar criatividade nas reuniões de oração;  Proporcionar seminários, retiros de primeira experiência, aprofundamentos de finais de semana;  Encaminhar para eventos da RCC e outros;  Aproveitar todas as oportunidades para o crescimento, a perseverança e a santidade de cada um. O coordenador é um líder. O Grupo de Oração precisa de sua liderança fiel ao Senhor, sábia e santa. “Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi a vós e vos constituí para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. Eu assim vos constituí, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda” (Jo 15,16). 3. O núcleo de serviço: primeiro momento do Grupo de Oração O Grupo de Oração não se resume à reunião de oração, embora esse seja o seu momento peculiar. Há necessidade de se ter uma caminhada programada para ele; saber das necessidades dos participantes e como fazer para supri-las de forma contínua e com qualidade. Um bom planejamento para o Grupo de Oração abrange todos os serviços e ministérios, e assim pode-se trabalhar de forma coordenada porque cada um sabe o que fazer, e todos sabem para onde estão indo. Inclui também mecanismos para desenvolver o crescimento e a perseverança dos membros, introduzindo-os numa experiência comunitária e catequética. Todo grupo de oração carismático tem sua coesão, boa ordem, planejamento e continuidade assegurados pelo núcleo de serviço, que é um pequeno grupo de servos que assume o grupo todo em sua espiritualidade e estrutura. As finalidades do núcleo são12 : a) Avaliar o que Deus fez em cada reunião de oração, não dizendo “foi bom” ou “deveria ter sido melhor”, mas discernindo em oração o que Deus disse. Pode-se avaliar como foi a reunião respondendo, com todo o núcleo, a alguns questionamentos, tais como: “Houve ensinamento?”, “Os louvores foram 6. PEDRINI, Alírio J. Grupos de oração, p. 25-26. 7 Cf. 2 Tim 1, 6-9 8 Cf. Bar 6,59-62 9 Cf. I Tes 5,12-13 10 Cf. Gl 5,24-26 11 Cf. Rm 12,2 12. Cf. NOGUEIRA, Emmir et al. Grupo de oração, p. 7.
  5. 5. 5 cheios de amor e alegria?”, “Os cantos foram ungidos e levaram o povo a louvar?”, “Como foi a acolhida?”, “Houve profecias?”, “Houve testemunhos?”, “Como foi a evangelização?”, etc; b) Acompanhar e assistir os fiéis que estão no grupo em suas necessidades pessoais (doenças, dificuldades de oração, perda de paciência, ausência das reuniões, etc) encaminhando-os aos serviços (intercessão, cura e libertação, cura interior, grupo de perseverança, etc). c) Revezar-se na condução da reunião de oração, sempre em um clima de fraternidade e cooperação. d) Interceder constantemente pelo Grupo de Oração do qual faz parte. e) Preparar as reuniões do Grupo de Oração, distribuindo os serviços e responsabilidades, escolhendo, preparando a pregação e rezando por aqueles que desempenharão alguma função. Os membros do núcleo de serviço do Grupo de Oração devem ser bem formados e profundamente dados à oração, treinados no discernimento comunitário, obedientes e dispostos a dar a vida no serviço do Senhor. Como o próprio nome diz, núcleo de serviço é um serviço do Grupo de Oração13 ; é um grupo de pessoas a serviço dos irmãos. As pessoas que o integram devem assumi-lo como um chamado especial do Espírito. Fazer parte do núcleo não é condição de destaque, mas posto de serviço aos irmãos, para que Jesus seja o destaque em suas vidas. O objetivo do núcleo de serviço é louvar, orar, interceder pelo grupo, discernir e aplicar a orientação para o grupo. Sua missão é evangelizar e formar os membros do grupo e levá-los a uma profunda experiência com Deus, de vida no Espírito Santo e para a Igreja. “Que os homens nos considerem, pois, como simples operários de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. Ora, o que se exige dos administradores é que sejam fiéis” (I Cor 4,1-2). O perfil ideal do participante do núcleo inclui:  constância nas reuniões de oração;  frutos de conversão;  responsabilidade;  maturidade humana e espiritual;  carisma de liderança;  senso eclesial;  relativa aceitação comunitária, entre outras características. Nem sempre a pessoa que “reza mais” ou aquela mais “espiritual” é a mais indicada para fazer parte do núcleo. No geral, o coordenador deve escolher seus auxiliares em oração e com bastante cautela e discernimento. Geralmente as pessoas precisam de algum tempo de caminhada no Grupo de Oração antes de fazerem parte do núcleo de serviço. As pessoas menos indicadas para pertencerem ao núcleo de serviço são: as que têm algum desequilíbrio emocional/psíquico ou carências afetivas muito fortes; as que se relacionam mal e perturbam a paz; pessoas autoritárias, imaturas no uso dos carismas ou que tenham restrições à doutrina da Igreja. Também é preciso tomar cuidado com aquelas que se utilizam do núcleo para solução de problemas pessoais ou para se auto-afirmarem. 3.1. A reunião do núcleo de serviço A reunião do núcleo é o momento da experiência de Pentecostes, como que a repetição do cenáculo vivido pelos primeiros cristãos14 . Na reunião do núcleo, cada participante vai ficar motivado e vai motivar o Grupo de Oração a partir de sua experiência. A reunião de oração deve transbordar a experiência que o núcleo de serviço teve, pois S. Pedro, em seu discurso, afirmou que o Espírito Santo estava sendo derramado e era possível ver o ouvir isto15 . Daí brota a pregação, que supera as expectativas de todo o povo. Então, a experiência do núcleo é base para toda motivação do povo. A motivação é o amor de Deus. O núcleo tem que rezar para que o Pentecostes se repita para ele e para todos aqueles que são chamados de acordo com a vontade de Deus16 . 13 Cf. At 6,1-7 14 Cf. At 2,1-4 15 Cf. At 2, 33 16 Cf. At 2, 39
  6. 6. 6 O núcleo de serviço do Grupo de Oração deve reunir-se semanalmente, com dia e horário definidos, para melhor exercer seu apostolado17 e deve haver sigilo absoluto do que ali for tratado (cf. Sl 140,3). Antes de mais nada, rezar, rezar e rezar; insistir, a exemplo dos apóstolos após a libertação de Pedro e João, que o Senhor derrame nova e abundantemente seu Santo Espírito e que renove as manifestações dos carismas. 4. Ministérios no Grupo de Oração O termo “ministério” é amplamente usado na Renovação Carismática para designar de uma maneira geral os diversos serviços do Grupo de Oração. São estes os mais comuns: ministério de cura, ministério de música, ministério de intercessão, ministério de pregação, entre outros. Um ministério é um serviço específico dentro do Grupo de Oração. É um trabalho para servir à comunidade cristã, uma maneira de exercitar o apostolado. Cada batizado é chamado a crescer, amadurecer continuamente, dar cada vez mais fruto na descoberta cada vez maior de sua vocação, para vivê-la no cumprimento da própria missão. "Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor" (1 Cor 12, 5). Fazendo esta afirmação, São Paulo coloca todos os ministérios - serviços - em submissão a Jesus Cristo e dentro de um contexto de comunhão eclesial.18 As equipes ou ministérios devem ser formados na medida da necessidade e da realidade de cada Grupo de Oração. Seus membros devem ser escolhidos em oração e de acordo com os vários dons que surgem. Para cada necessidade há pessoas ungidas pelo Espírito para seu atendimento: “Temos dons diferentes, conforme a graça que nos foi conferida. Aquele que tem o dom de profecia, exerça-o conforme a fé. Aquele que é chamado ao ministério, dedique-se ao ministério. Se tem o dom de ensinar, que ensine; o dom de exortar, que exorte; aquele que distribui as esmolas, faça-o com simplicidade; aquele que preside, presida com zelo; aquele que exerce a misericórdia, que o faça com afabilidade” (Rm 12,6-8). “A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito; a outro, a fé, pelo mesmo Espírito; a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo Espírito; a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas” (1 Cor 12, 7-10). As pessoas que formarão as diversas equipes, para os diversos serviços do Grupo de Oração devem ser recrutadas dentre aquelas que já se identifiquem com a espiritualidade da RCC e que possuam alguma experiência dos carismas e sejam disponíveis. Deus chama cada um dos seus fiéis a exercer um serviço específico dentro da sua Igreja, com a finalidade de cada vez mais edificar o Corpo de Cristo. Cada batizado deve desempenhar a missão que Deus lhe deu e para a qual o capacitou com o objetivo de que todos cheguem à unidade da fé e à plenitude do conhecimento de Cristo e assim sejam novas criaturas. 4.1. Cada ministério é sustentado por um carisma específico Os ministros exercem seu serviço participando do ministério de Jesus. Portanto, ministério é um serviço prestado à comunidade com a capacitação dos carismas. “Ministério é, antes de tudo, um carisma, ou seja, um dom do Alto, do Pai, pelo Filho, no Espírito, que torna seu portador apto a desempenhar determinadas atividades, serviços e ministérios em ordem à salvação”19 . Todos os cristãos têm os carismas do Espírito Santo na medida da necessidade da comunidade, mas exercem um ministério específico que depende mais de um carisma do que de outro. Por exemplo, o ministro de cura necessita muito mais do carisma de cura; o coordenador de grupo de oração necessita da palavra de sabedoria e do discernimento e assim por diante. No entanto, apesar de serem estes os carismas mais específicos destes ministérios, nenhum carisma existe ou pode ser exercido isoladamente. Seja qual for o ministério ao qual o Senhor nos chama, necessitaremos sempre do auxílio de todos os carismas para exercê-lo com o poder de Deus. Ao instituir seus ministros, Deus os capacita para exercerem sua missão, que sempre terá como 17 Cf. 1 Cor 14, 33 18 Cf. também Ef 4, 11-16 19. CNBB. Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas, n. 84.
  7. 7. 7 objetivo a glorificação de Deus e a conversão dos seus filhos. Por isso, Ele dota seus ministros dos dons, dos talentos e das aptidões que eles vão precisar para exercer os ministérios, de tal forma que possam contar sempre com a sua graça, a fim de não cair na tentação da auto-suficiência e de um exercício simplesmente humano de serviço à Igreja. “Mas, só pode ser considerado ministério o carisma que, na comunidade e em vista da missão na Igreja e no mundo, assume a forma de serviço bem determinado”20 4.2. A autoridade do ministro é exercida na autoridade de Jesus A autoridade do ministro vem da autoridade de Jesus Cristo. É um dom do Espírito Santo; e isto é que faz a diferença entre a sua e as outras autoridades. Não é uma simples delegação de poder, mas o ministro participa da missão de Jesus. Ele está exercendo o seu ministério, não mais como alguém que exerce uma função ou serviço, mas como o próprio Jesus exerceria.21 Portanto, o ministro ao exercer seu serviço hoje, conta com o mesmo poder de Jesus Cristo. O poder é de Jesus; então, nada de orgulho, nada de se achar o melhor, o mais santo. O ministro deve saber separar as coisas e reconhecer que toda a obra boa que realiza vem de Jesus e por mais que realize grandes e muitas coisas, é sempre servo inútil.22 Um servo olha não para as obras de suas mãos, mas para o Autor que é Deus. Nunca deve atribuir a si os méritos das obras que realiza, mas unicamente a Ele. 4.3. O Espírito Santo é a fonte dos ministérios É importante a consciência de que todos os serviços prestados ao Reino de Deus, em nome de Jesus Cristo, são, em última análise, de origem divina, acontecem sob a ação do Espírito Santo. É Ele quem dá a força para testemunhar Jesus Cristo "até os confins da terra".23 Os ministros devem realizar suas tarefas sob o influxo do Espírito Santo. É Ele que os cumula de carismas; sem Ele a missão será de baixa eficiência, fraco desempenho, ausência de criatividade, de zelo e de perseverança. O Espírito Santo comunica ao ministro sua força e o capacita para a ação de servir à comunidade. Foi o que aconteceu com os apóstolos e os discípulos de Jesus em Pentecostes24 ; com os diáconos, após a oração feita sobre eles25 ; e com Paulo, após a imposição das mãos de Ananias26 . Com a ação do Espírito Santo, todos se tornaram intrépidos ministros do Senhor. O desinteressado e oblativo exercício dos ministérios torna-os fontes de santificação para quem os exerce. 5. Fundamentação doutrinária A título de “fundamentação doutrinária” seguem em destaque alguns trechos do Magistério da Igreja, para consulta e aprofundamento: a) “Munidos de tantos e tão salutares meios, todos os cristãos de qualquer condição ou estado são chamados pelo Senhor, cada um por seu caminho, à perfeição da santidade pela qual é perfeito o próprio Pai”27 . b) “A Igreja sempre venerou as divinas Escrituras, da mesma forma como o próprio Corpo do Senhor, já que principalmente na Sagrada Liturgia, sem cessar toma da mesa tanto da palavra de Deus quanto do Corpo do Cristo o pão da vida, e o distribui aos fiéis. Sempre as teve e tem, juntamente com a Tradição, como suprema regra de sua fé porque inspiradas por Deus e consignadas por escrito de uma vez para sempre, comunicam imutavelmente a palavra do próprio Deus e fazem ressoar através das palavras dos Profetas e Apóstolos a voz do Espírito Santo”28 c) “Impõe-se pois a todos os cristãos o dever luminoso de colaborar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e acolhida por todos os homens em toda a parte. Para exercerem tal apostolado, o Espírito Santo – que opera a santificação do povo de Deus através do ministério e dos sacramentos – confere ainda dons peculiares aos fiéis (cf. 1 Cor 12, 7), ‘distribuindo-os a todos, um por um, conforme quer’ (1 Cor 12, 11), de maneira que ‘cada qual, segundo a graça que recebeu, também a ponha a serviço de outrem’ e sejam eles próprios ‘como bons dispensadores da graça multiforme de 20. Ibid., n. 85. 21 Cf.. Jo 15, 16 22 Cf. Lc 17, 10 23 Cf. At 1, 8 24 Cf. At 2, 1-13 25 Cf. At 6, 1-7 26 Cf. At 9, 10-30 27 Lumen Gentium, 11 28 Dei Verbum, 21
  8. 8. 8 Deus’ (1 Ped 4, 10), para a edificação de todo o corpo na caridade (cf. Ef 4, 16). Da aceitação destes carismas, mesmo dos mais simples, nasce em favor de cada um dos fiéis o direito e o dever de exercê-los para o bem dos homens e a edificação da Igreja, dentro da Igreja e do mundo, na liberdade do Espírito Santo, que ‘sopra onde quer’ (Jo 3,8), e ao mesmo tempo na comunhão com os irmãos em Cristo”29 . d) “A formação dos fiéis leigos tem como objetivo fundamental a descoberta cada vez mais clara da própria vocação e a disponibilidade cada vez maior para vivê-la no cumprimento da própria missão. Deus chama-me e envia-me como trabalhador para a sua vinha; chama-me e envia-me a trabalhar para o advento do seu Reino na história: esta vocação e missão pessoal define a dignidade e a responsabilidade de cada fiel leigo e constitui o ponto forte de toda ação formativa, em ordem ao reconhecimento alegre e agradecido de tal dignidade e ao cumprimento fiel e generoso de tal responsabilidade. Com efeito, Deus, na eternidade pensou em nós e amou-nos como pessoas únicas e irrepetíveis, chamando cada um de nós pelo próprio nome, como o bom Pastor que ‘chama pelo nome as suas ovelhas’ (Jo 10, 3). Mas, o plano eterno de Deus só se revela a cada um de nós na evolução histórica da nossa vida e das suas situações, e, portanto, só gradualmente: num certo sentido, dia a dia”30 . e) “A graça é antes de tudo e principalmente o dom do Espírito que nos justifica e nos santifica. Mas a graça compreende igualmente os dons que o Espírito nos concede para nos associar à sua obra, para nos tornar capazes de colaborar com a salvação dos outros e com o crescimento do corpo de Cristo, a Igreja. São as graças sacramentais dons próprios dos diferentes sacramentos. São além disso as graças especiais, designadas também “carismas”, segundo a palavra grega empregada por S. Paulo, e que significa favor, dom gratuito, benefício. Seja qual for o seu caráter, às vezes extraordinário, como o dom dos milagres ou das línguas, os carismas se ordenam à graça santificante e têm como meta o bem comum da Igreja. Acham-se a serviço da caridade, que edifica a Igreja”31 . 6. Conclusão Até aqui se discorreu sobre o primeiro momento do Grupo de Oração: o núcleo de serviço. Os ensinos seguintes (2, 3, 4 e 5) farão referências aos diversos aspectos da reunião de oração, que é o segundo momento. RESUMO 1. Introdução Grupo de Oração é uma comunidade carismática que cultiva a oração, a partilha e todos os outros aspectos da vivência do Evangelho, a partir da experiência do batismo no Espírito Santo. O grupo de oração é a célula fundamental da Renovação Carismática Católica e caracteriza-se por três momentos distintos: núcleo de serviço, reunião de oração e grupo de perseverança. 2. O Coordenador do Grupo de Oração Cada grupo de oração deve ter um coordenador que, junto com o núcleo de serviço, num trabalho conjunto, é responsável por ele. É importantíssimo que o coordenador seja uma pessoa de intimidade com Deus, de intensa vida de oração e de escuta, para que Jesus seja o Senhor do Grupo de Oração e o Espírito Santo o conduza. Liderança não é dominação; a liderança espiritual é diferente da liderança humana. Coordenar não é fazer tudo, não é autoritarismo, mas sim distribuir os trabalhos. O modelo de líder é Jesus. Por isso, ele deve estar sempre a serviço32 . São características do bom coordenador:  aberto, acolhedor, não se abate facilmente, é artífice da unidade e da paz33 ;  organizado, obediente, de boa intenção34 ; 29 Apostolicam Actuositatem, 3 30 Christifidelis Laici, 58 31 Catec. 2003 32 Cf. Mt 20,25-28 33 Cf. 2 Tim 1, 6-9
  9. 9. 9  tem consideração com os outros35 ;  caminha no Espírito36 ;  trabalha em equipe, não centraliza as atividades;  tem domínio, encorajando os tímidos, controlando os faladores;  tem zelo, ordem, compromisso e pontualidade;  tem uma mentalidade aberta à ação do Espírito Santo, que quer transformar sem cessar;  é conhecedor da doutrina da Igreja. Ainda, é necessário que o coordenador:  dê oportunidade a todos;  apóie e reconheça o crescimento do irmão;  faça servos líderes, melhores que ele;  não resista às mudanças37 ; 3. O núcleo de serviço: primeiro momento do Grupo de Oração Todo grupo de oração carismático tem sua coesão, boa ordem, planejamento e continuidade assegurados pelo núcleo de serviço, que é um pequeno grupo de servos que assume o grupo todo em sua espiritualidade e estrutura. As finalidades do núcleo são: a) avaliar o que Deus fez em cada reunião de oração; b) acompanhar e assistir os fiéis que estão no Grupo em suas necessidades pessoais; c) revezar-se na condução da reunião de oração; d) interceder constantemente pelo Grupo de Oração do qual faz parte. e) preparar as reuniões do Grupo de Oração; Os membros do núcleo de serviço do Grupo de Oração devem ser bem formados e profundamente dados à oração, treinados no discernimento comunitário, obedientes e dispostos a dar a vida no serviço do Senhor. O perfil ideal do participante do núcleo inclui:  constância nas reuniões de oração;  frutos de conversão;  responsabilidade;  maturidade humana e espiritual;  carisma de liderança;  senso eclesial;  relativa aceitação comunitária, entre outras características. As pessoas menos indicadas para pertencer ao núcleo de serviço são: as que têm algum desequilíbrio emocional/psíquico ou carências afetivas muito fortes; as que se relacionam mal e perturbam a paz; pessoas autoritárias, imaturas no uso dos carismas ou que tenham restrições à doutrina da Igreja. 3.2. A reunião do núcleo de serviço A reunião do núcleo é o momento da experiência de Pentecostes, como que a repetição do cenáculo vivido pelos primeiros cristãos38 . O núcleo de serviço do Grupo de Oração deve reunir-se semanalmente, com dia e horário definidos, para melhor exercer seu apostolado39 e deve haver sigilo absoluto do que ali for tratado40 . 4. Ministérios no Grupo de Oração O termo “ministério” é amplamente usado na Renovação Carismática para designar de uma maneira geral os 34 Cf. Bar 6,59-62 35 Cf. I Tes 5,12-13 36 Cf. Gl 5,24-26 37 Cf. Rm 12,2 38 Cf. At 2,1-4 39 Cf. 1 Cor 14,33 40 Cf. Sl 140,3
  10. 10. 10 diversos serviços do Grupo de Oração. Um ministério é um serviço específico dentro do Grupo de Oração. As equipes ou ministérios devem ser formados na medida da necessidade e da realidade de cada Grupo de Oração. Seus membros devem ser escolhidos em oração e de acordo com os vários dons que surgem. ENSINO 2 - A REUNIÃO DE ORAÇÃO: CONCEITO, FINALIDADES E CARACTERÍSTICAS 1. Introdução O segundo momento do Grupo de Oração é a reunião de oração. A reunião de oração é um meio privilegiado para comunicação do batismo no Espírito Santo e a conseqüente experiência de Deus. É, portanto, um dos principais momentos da dinâmica da Renovação Carismática Católica. A reunião de oração é informal, marcada antes de tudo pela espontaneidade dos participantes e pela abertura ao Espírito. Por isso mesmo, não existem esquemas rígidos nem propostas definidas para o seu desenrolar. No entanto, a reunião de oração não se desenvolve de maneira indefinida e sem direção. Há um conjunto de orientações que imprime a ordem e o respeito, proporcionando melhor ambiente para a atuação livre do Espírito Santo, evitando excessos e eventuais desvios. Portanto, o que se segue não tem a finalidade de enquadrar ou padronizar as reuniões, mas de auxiliar em sua condução e melhorar seus resultados. 2. Conceito Reunião de oração é o momento em que os participantes do Grupo de Oração se encontram, semanalmente, para a oração, especialmente o louvor. Esse momento é aberto para outras pessoas que poderão, a partir dele, começaram a fazer parte do Grupo de Oração, iniciando uma caminhada de conversão e crescimento perseverante na fé. Por isso mesmo, é comum que os participantes da reunião de oração sejam bastante diversos, a exemplo da multidão no dia de Pentecostes41 . Além dos perseverantes membros do grupo (aqueles que estão na reunião todas as semanas), é comum se introduzirem nela: curiosos, ociosos, desesperados, depressivos, revoltados, entre outros. Alguns vão à reunião por livre vontade, sem motivo aparente, ou simplesmente porque foram convidados; outros, notadamente os jovens, vão por causa da animação; outros, ainda, estão buscando algo para si ou para outrem (cura física, libertação das drogas ou da bebida, conversão de um parente ou amigo, etc). A reunião de oração é, por assim dizer, um momento pentecostal: com os corações compungidos42 , os fiéis são levados à vivência da fé, na fraternidade e no comprometimento missionário. Nela, os carismas devem ser manifestados sem restrições, pois fazem parte do “ver e ouvir” que convence aqueles que estão chegando. A reunião de oração não é43 : a) Uma aula Não se trata de um momento de ensino bíblico, teológico ou moral. Não se pode dizer nem mesmo que a reunião é um aprofundamento catequético, a não ser como realidade vivencial. O essencial é a experiência do batismo no Espírito, do louvor e da conversão. Portanto, apesar do seu caráter instrutivo e de se reservar um momento específico para a pregação, o mais importante da reunião de oração é a sua dinâmica de falar e ouvir Deus. b) Um grupo de discussão A reunião de oração não é para discussão política, social ou mesmo religiosa, por mais importantes que sejam tais assuntos. Existem ou devem ser criados espaços propícios para esse tipo de debate. Sobretudo em pequenos grupos, é comum que no momento da pregação ou fora dele, pessoas ansiosas por dizer algo ou com nível maior de politização, introduzam questões que podem gerar tumulto ou provocar o desinteresse da maioria dos presentes. A liderança da reunião deve acautelar-se contra tais coisas e conter habilidosamente essas pessoas. 41 Cf. At 2, 1-13 42 Cf. At 2, 37 43. Cf. FLORES, José H. Prado. As reuniões de oração, p. 12-13.
  11. 11. 11 c) Uma sessão de terapia A reunião de oração não é um momento criado para descarregar tensões emocionais adquiridas durante a semana. Algumas pessoas fazem do tempo de oração semanal uma espécie de sessão terapêutica, para repor energias. Embora possa fazer parte da reunião, a retomada do vigor e do ânimo ou até a cura das emoções, isso acontece no próprio desenrolar da oração, quando a pessoa louva e experimenta a presença de Deus e não por rezar o tempo todo na expectativa de receber um favor. “O mais importante não deve ser nem mesmo a cura do Senhor, mas o Senhor que cura. O que se há de buscar em primeiro lugar não é a saúde, mas a santidade. (...) Se temos confiança na Palavra do Senhor, certos de que é mais fácil passarem o céu e a terra do que ela deixar de cumprir-se, confiaremos a Ele todas as nossas preocupações, porque Ele se preocupa conosco44 . Ele é tão bom que nos responderá antes mesmo que o chamemos, o solucionará até o problemas que nós mesmos ignoramos que existam em nossas vidas”45 . d) Uma reunião social A reunião de oração não pode se transformar numa simples ocasião para encontro de amigos, para tratar de assuntos de interesse comum ou para tomar lanche e chá. A reunião tem finalidades muito bem definidas, centradas na pessoa de Jesus. 3. Finalidades Podem ser indicadas pelo menos quatro finalidades principais de uma reunião de oração: a) Louvar o Senhor46 Apesar de não se prescindir de outros tipos de oração (petição, intercessão, cura, etc), o louvor exerce um certo primado na reunião. A experiência da Renovação Carismática Católica é uma experiência de resgate da oração centralizada na pessoa de Jesus muito mais que nas necessidades do orante. Por isso, o louvor ocupa lugar privilegiado. Nele, o Senhor atua derramando graças. O louvor é como que o preparo para que o Senhor comunique a sua palavra de forma atual, por meio das profecias. “O centro da reunião de oração é Cristo, a alma é o Espírito Santo, e sua finalidade é adorar, louvar e glorificar o Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é também nosso Pai”47 . b) Para proporcionar a experiência do batismo no Espírito Essa finalidade não deve ser colocada em plano secundário. Tampouco, o batismo no Espírito Santo deve ser considerado ponto ulterior a uma etapa de formação. Portanto, a reunião deve favorecer o derramamento do Espírito, proporcionando aos participantes uma experiência de Deus. Essa experiência é quase sempre manifestada no interior das pessoas e constitui-se em ponto de partida para sua vida de conversão. Apesar disso, o batismo no Espírito não deve ser confundido com uma experiência meramente subjetiva, embora possa trazer consigo uma boa carga de emotividade48 . c) Evangelizar querigmaticamente A reunião de oração tem, por sua própria natureza, a facilidade em comunicar querigmaticamente o Evangelho, sobretudo o amor de Deus e a salvação. Uma reunião conduzida na unção do Espírito pode fazer com que as pessoas descubram e sintam que Deus as ama incondicionalmente e que foi capaz de dar o próprio Filho para resgatá-las do pecado. “Assim, toda reunião de oração é uma manifestação salvífica de Deus”49 . d) Construir a comunidade cristã50 A reunião de oração também tem a finalidade de inserir as pessoas numa realidade comunitária. Ela constrói laços, gerando a necessidade da partilha e da comunhão. Assim, a reunião de oração induz a uma 44 Cf. 1 Pd 5,7 45. FLORES, op. cit., p. 13. 46. Cf. Ibid., p. 7-8. 47. Ibid., p. 8. 48. Cf., a propósito, O Espírito Santo na vida da Igreja, In. Ronaldo José de SOUSA, O impacto da Renovação Carismática 49. FLORES, José H. Prado. As reuniões de oração, p. 8 50. Cf. Ibid., p. 8-9.
  12. 12. 12 experiência religiosa mais freqüente e comprometida, seja no próprio Grupo de Oração ou numa outra realidade comunitária eclesial. 4. Características É possível destacar como principais características de uma autêntica reunião de oração: a) Centralizada na pessoa de Jesus Conforme foi referido, “o centro de cada reunião de oração é o Senhor Jesus. Ele é o pólo de atração da comunidade e a fonte donde emana toda a sua força”51 . Uma autêntica reunião de oração é cristocêntrica, eliminando toda perspectiva meramente individualista. b) Carismática52 A reunião de oração deve ser essencialmente carismática, tendo como princípio dinâmico o Espírito Santo. A Renovação Carismática Católica caracteriza-se pelo uso abundante dos carismas. Portanto, será comum nas reuniões a oração em línguas, as profecias, as curas e também os outros carismas53 , todos ordenados à caridade. Os dirigentes da reunião de oração não devem resistir aos carismas, por medo ou indefinição. Isso seria recusar o poder de Deus. Os carismas são elementos normais da oração; “ao contrário, a sua ausência é que seria de estranhar. Quando não aparecem esses sinais do Espírito, devemos analisar qual é o obstáculo que impede essa demonstração. A fé nos deve levar a deixar manifestar todos os seus dons e frutos”54 . Reuniões de oração sem carismas transformam-se em círculos oracionais comuns, talvez bastante frutuosos, porém fora do contexto pentecostal próprio da RCC. “E não podemos ter um grupo de oração carismático se não queremos ter os dons do Espírito Santo, o poder do alto em ação”55 . c) Fraterna e alegre A reunião de oração deve ter uma atmosfera de fraternidade e alegria, pela qual as pessoas se sentem acolhidas, amadas e felizes durante o tempo em que ali estiverem. Esse clima é que faz com que, muitas vezes, aqueles que vêm à reunião pela primeira vez, sintam o desejo de voltar. “A alegria, às vezes explosiva, às vezes serena e profunda, é uma outra nota distintiva das reuniões de oração”56 . d) Espontânea e expressiva Como dito, o encontro de oração é informal. A reunião não é uma solenidade, embora possa ter momentos com esse caráter. Sua marca é a espontaneidade dos participantes que, na liberdade do Espírito, sentem-se à vontade para louvar em voz alta, cantar, bendizer e gesticular. Os gestos livres tornam a reunião expressiva, de maneira que os bons sentimentos interiores dos participantes sejam “comunicados” e suscitem outras atitudes interiores. A expressividade é também traço característico da reunião de oração na Renovação Carismática57 . “Sempre que o homem ora, põe em jogo seu espírito, sua alma e seu corpo. É o homem inteiro que se dirige a Deus, que o escuta e se compromete com Ele. Por isso, levantar as mãos, aplaudir, mover-se e até dançar, são diversas manifestações da oração do homem...”58 . e) Ordenada Apesar de expressiva e espontânea, a reunião de oração deve ser marcada pela ordem59 . Por isso, toda reunião de oração, por menor que seja, deve ter um dirigente principal. Mesmo a equipe que o auxilia não deve “passar por cima” dos seus direcionamentos. A função da equipe auxiliar é “descobrir a vontade do Senhor para a assembléia e, ao mesmo tempo, ser um apoio de oração para o dirigente principal. Esta equipe serve também como filtro para as profecias, testemunhos, visões e todo o tipo de manifestações carismáticas 51. Ibid., p. 7. 52. Cf. Ibid., p. 15-18. 53 Cf. I Cor 12, 4-11 54. Ibid., p. 17. 55. CHAGAS, Cipriano. Grupos de oração carismáticos, p. 10. 56. FLORES, J. H. Prado. As reuniões de oração, p. 19. 57. Cf. Ronaldo José de SOUSA, O Evangelho na subjetividade humana. In.: O Impacto da Renovação Carismática, p. 25-35. 58. FLORES, J.H. Prado. As reuniões de oração, p. 23. 59 Cf. 1 Cor 14, 26-40
  13. 13. 13 que surgem durante a reunião”60 . Portanto, a equipe auxiliar ajuda o dirigente no discernimento dos passos a serem dados, mas deve sempre sugerir e não encobrir, para não comprometer a autoridade do dirigente e confundir a assembléia. O dirigente, por sua vez, deve ouvir sempre os seus auxiliares, sabedor de que não domina o Espírito, mas precisa da ajuda dos irmãos no serviço. O ritmo imprimido pelo dirigente e sua equipe não deve impedir a ação do Espírito, mas, pelo contrário, facilitá-la. Os dirigentes devem tomar cuidado para não monopolizar a oração, inibindo a participação de todos. É também importante que se respeite o horário para o início e para o fim, evitando-se assim problemas com outros compromissos, sobretudo os familiares. 5. Conclusão A reunião de oração é o momento em que os participantes do Grupo de Oração, juntamente com outras pessoas, se reúnem para a oração. Tem como finalidades principais: louvar o Senhor, proporcionar a experiência do batismo no Espírito Santo, evangelizar querigmáticamente e construir a comunidade. Para estar no contexto pentecostal da Renovação Carismática Católica, a reunião precisa ser: centralizada na pessoa de Jesus, carismática, fraterna e alegre, espontânea e expressiva, mas, sobretudo, ordenada. 60. Ibid., p. 56-57. RESUMO 1. Introdução O segundo momento do Grupo de Oração é a reunião de oração. A reunião de oração é informal, marcada antes de tudo pela espontaneidade dos participantes e pela abertura ao Espírito. Por isso mesmo, não existem esquemas rígidos nem propostas definidas para o seu desenrolar. No entanto, a reunião de oração não se desenvolve de maneira indefinida e sem direção. 2. Conceito Reunião de oração é o momento em que os participantes do Grupo de Oração se encontram, semanalmente, para a oração, especialmente o louvor. Além dos perseverantes membros do grupo (aqueles que estão na reunião todas as semanas), é comum se introduzirem nela: curiosos, ociosos, desesperados, depressivos, revoltados, entre outros.
  14. 14. 14 A reunião de oração é, por assim dizer, um momento pentecostal: com os corações compungidos61 , os fiéis são levados à vivência da fé, na fraternidade e no comprometimento missionário. Nela, os carismas devem ser manifestados sem restrições, pois fazem parte do “ver e ouvir” que convence àqueles que estão chegando. A reunião de oração não é: a) uma aula b) um grupo de discussão c) uma sessão de terapia d) uma reunião social 3. Finalidades Podem ser indicadas pelo menos quatro finalidades principais de uma reunião de oração: a) para louvar o Senhor b) para proporcionar a experiência do batismo no Espírito c) para evangelizar querigmaticamente d) para construir a comunidade cristã 4. Características É possível destacar como principais características de uma autêntica reunião de oração: a) centralizada na pessoa de Jesus b) carismática c) fraterna e alegre d) espontânea e expressiva e) ordenada ENSINO 3 – OS SERVIÇOS NA REUNIÃO DE ORAÇÃO 1. Introdução Todo Grupo de Oração deve possuir pessoas que se responsabilizem pela realização da reunião, que é a porta de entrada, onde a evangelização querigmática se realiza. Essas pessoas devem ser organizadas em equipes de serviços específicos, receberem formação adequada e terem momentos de oração. As pessoas que se sentem chamadas a estes serviços, devem fazer uma boa experiência no uso dos carismas. Existem várias equipes que atuam na reunião de oração. Aqui será feita uma breve abordagem sobre aquelas mais comuns. 2. Algumas equipes de serviço da reunião de oração a) Equipe de Arrumação Encarregada de preparar o ambiente para um grande momento de louvor, que é a reunião de oração. Cuida da arrumação e disposição das cadeiras, da caixinha de pedidos de oração, da mesa ou ambão para o pregador, da preparação do altar e decoração do ambiente (quando necessário), a fim de propiciar um lugar limpo e acolhedor aos que chegam e criar um clima favorável à fraternidade. Ao final do encontro, deixa a sala arrumada e limpa. b) Equipe de Acolhimento e Recepção O acolhimento e a recepção parecem óbvios, mas nem sempre sua importância é reconhecida. Convém que os dirigentes do grupo designem pessoas para este ministério, formando a equipe de recepção. A cada reunião, os membros dessa equipe estarão às portas para acolher desde o início as pessoas que vão chegando, dando-lhes as boas-vindas. 61 Cf. At 2, 37
  15. 15. 15 Esse contato pessoal é muito importante. Como São Paulo diz: “Entre vós imitamos a mãe que acalenta o filho ao colo. (...) Fomos falar a cada um como de pai para filho...” (1 Tes 2,7-12). Essa atmosfera de fraternidade e de amor será mais facilmente criada por meio do contato pessoal e da amabilidade com que se recebem os que vão chegando, seja num grupo pequeno, seja numa grande assembléia. Os componentes dessa equipe devem ser pessoas com carismas de relacionamento com os outros, chamadas pelo Senhor, para colocar seus dons naturais a serviço dos irmãos. c) Ministério de Música (Secretaria Davi) A música é muito importante na reunião de oração. Ajuda muito começar a reunião com cantos alegres e rápidos, gestos, palmas e movimentação. Muitos chegam deprimidos e cansados e tais cantos ajudam a relaxar e a fazer desaparecerem obstáculos. A música é um poderoso instrumento usado por Deus para trazer pessoas para mais perto dele. Todos nós temos experimentado isso em encontros de oração, conferências e outras reuniões cristãs. A música pode expressar adoração e louvor diferentemente de todos os outros meios. É muito importante que o Grupo de Oração tenha um ministério de música organizado ou que pelo menos tenha um grupo de pessoas que assuma a responsabilidade pelos cantos da reunião. O principal objetivo de uma equipe de música é, obviamente, ministrar o Amor de Deus, sua Palavra e seu Espírito ao povo. Com muita freqüência, a música é vista como mera tarefa a ser executada. Mas essa atitude impede que Deus a use como efetivamente deseja fazê-lo. A música é um ministério, no verdadeiro sentido da palavra. Ela pode evangelizar, ensinar, inspirar, encorajar. É uma parte vital da reunião e deve receber atenção cuidadosa. Existem duas características necessárias aos membros do ministério de música: obediência e humildade. A obediência se dá no entrosamento entre o ministério de música e a coordenação. A humildade consiste em reconhecer que sem o Senhor nada se pode fazer. É Ele quem faz a obra. Não importa saber muito ou pouco, todos precisam ter humildade. Mais do que saber as músicas, o ponto importante é saber comunicar o Amor de Deus às pessoas. As vozes dos ministros que lideram o louvor devem sobressair aos instrumentos. Por mais belo que seja o som do instrumento musical, seu fim não é substituir a voz humana, e sim acompanhá-la. Por isso, deve-se evitar que um som muito forte domine a voz. Se o grupo não possuir instrumentos, pode-se encorajar o povo a cantar juntos em harmonia. É importante ensinar as músicas às pessoas para que o canto saia bonito e bem feito para o Senhor, porém, sem perfeccionismo. Um músico ungido servirá mais do que liderará, e concentrar-se-á em auxiliar o povo a louvar e adorar o Senhor. A música deve facilitar o louvor e a adoração. Um bom ministério de música cuidará de dosar convenientemente a palavra, o canto e o silêncio. d) Equipe para Crianças (Secretaria Samuel) O Grupo de Oração deve se preparar para ter uma equipe que ficará com as crianças no horário da reunião de oração. A equipe não somente “cuidará” das crianças para que não “atrapalhem” a condução do louvor. Há que se fazer um cuidadoso planejamento de evangelização também para as crianças, com o objetivo de ensiná-las a louvar e orar, formando um “grupinho de oração” ou uma “escolinha”, levando em conta suas necessidades, de acordo com as idades. Os servos encarregados de desempenhar este serviço devem possuir o carisma da alegria, da paciência, do amor aos pequeninos, da animação e muita criatividade e domínio, pois assim conseguirão manter a boa ordem e despertarão nas crianças o gosto pela oração e pelo louvor, de forma espontânea. e) Ministério de Intercessão (Secretaria Moisés) “Acima de tudo, recomendo que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade, para que possamos viver uma vida calma e tranqüila, com toda a piedade e honestidade. Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando as mãos puras, superando todo ódio e ressentimento” (I Tm 2,1-2.8).
  16. 16. 16 Embora o serviço da intercessão se dê fora da reunião de oração, convém fazer algumas referências a ele, pela importância que tem no desenrolar da própria reunião e na condução de todo o Grupo de Oração. Intercessão é a oração daquele que fala a Deus dos problemas dos homens. É a oração de quem oferece a generosidade do seu coração em favor dos outros. O intercessor coloca-se como canal aberto à vontade de Deus, para que nele e através dele, o Espírito Santo possa agir. Os intercessores formam o exército do Senhor Jesus. A exemplo de Moisés, que chamado e enviado para levar o povo cativo e oprimido, dedicou-se a ele como intercessor, o ministério de intercessão ora pelo povo sofrido e cativo do pecado. A equipe de intercessão é composta de pessoas que se sentem chamadas a exercerem tal ministério. É preciso evitar cair na tentação de colocar para a intercessão aquelas pessoas que, à primeira vista, “não sabem fazer outra coisa”, como: tocar instrumentos, cantar, pregar, aconselhar, etc. O ministério de intercessão é tão sério quanto todos os outros; as pessoas que o exercem devem ser preparadas para tal, prontas para exercerem o discernimento, com eficaz vida de oração pessoal e comunitária. Os intercessores fortalecem-se através do estudo da Palavra, da escuta de Deus, da Eucaristia, da penitência, da adoração ao Santíssimo e, principalmente, possuem um amor que se entrega, confia e sustenta a fragilidade do outro. O momento de oração do ministério de intercessão é voltado para as necessidades de todas as pessoas do Grupo de Oração. Esquecem-se as necessidades pessoais e ora-se pelo grupo, oferecendo-se a si mesmo como um vaso de bênçãos em favor do outro. Os servos intercessores reúnem-se pelo menos uma vez por semana diante do sacrário (sempre que possível) para abastecerem-se e assim poderem doar-se. Nessa reunião, ora-se pelas necessidades do Grupo de Oração e também pelos pedidos feitos durante a reunião de oração e pelos pedidos diocesanos, estaduais e nacionais. Pode haver uma pessoa responsável pelo grupo de intercessão. f) Ministério da Palavra (Secretaria Pedro) Todo grupo de oração deve possuir uma equipe de pregadores que ministra o ensino, a instrução e a proclamação querigmática da Palavra de Deus. Nesse ministério devem estar os servos que possuem o dom de ensinar, de falar sob a unção do Espírito. “Prega a Palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda a paciência e empenho de instruir...Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério” (2 Tm 4,2.5). g) Ministério de Cura e Libertação (Secretaria Rafael) “Agora o Senhor enviou-me para curar-te e livrar-te... Eu sou o anjo Rafael, um dos sete que assistimos na presença do Senhor” (Tb 12, 14-15). Os servos da equipe de cura e libertação são, antes de tudo, profundos intercessores. Devem ser pessoas de intimidade com Deus, conhecimento e afinidade com Sua Palavra e terem experiência e bom uso dos carismas, principalmente o carisma de cura e libertação. As pessoas que freqüentam as reuniões de oração e o Grupo de Oração como um todo são geralmente feridas e doentes. Há necessidade, portanto, de dar-lhes atendimento. É esse o trabalho da equipe de cura e libertação. Essa equipe pode prestar atendimento às pessoas antes ou depois da reunião de oração (ou durante, se houver algum caso que assim o necessite). Também o atendimento pode ser feito noutros dias, em horários previamente marcados. Além desses ministérios apresentados, ainda há outros de grande importância dentro do Grupo de Oração, tais como, SOS oração, cercos de Jericó, visitas aos doentes e às famílias, aconselhamento, etc. 3. Conclusão
  17. 17. 17 A Igreja de Jesus necessita de mulheres e homens novos, renovados no Espírito Santo, que acreditam no Cristo Salvador, esperam nas suas promessas e dão frutos abundantes por sua união a Cristo62 . O Espírito Santo já começou esta obra maravilhosa de transformação e o coração daqueles que se sentem tocados está inquieto. Por isso, é preciso ler e reler, meditar e “ruminar” a Palavra: “Estou persuadido de que Aquele que iniciou em vós esta obra excelente lhe dará o acabamento até o dia de Jesus Cristo” (Fl 1,6). “O Senhor completará o que em meu auxílio começou” (Sl 137,8a). “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a constroem” (Sl 126, 1a). RESUMO 1. Introdução Todo Grupo de Oração deve possuir pessoas que se responsabilizem pela realização da reunião, que é a porta de entrada, onde a evangelização querigmática se realiza. Essas pessoas devem ser organizadas em equipes de serviços específicos, receberem formação adequada e terem momentos de oração. 2. Algumas equipes de serviço da reunião de oração a) Equipe de Arrumação Encarregada de preparar o ambiente para um grande momento de louvor, que é a reunião de oração. b) Equipe de Acolhimento e Recepção A cada reunião, os membros dessa equipe estarão às portas para acolher desde o início as pessoas que vão chegando, dando-lhes as boas-vindas. Os componentes dessa equipe devem ser pessoas com carismas de relacionamento com os outros, chamadas pelo Senhor, para colocar seus dons naturais a serviço dos irmãos. c) Ministério de Música (Secretaria Davi) A música é um poderoso instrumento usado por Deus para trazer pessoas para mais perto dele. O principal objetivo de uma equipe de música é, obviamente, ministrar o Amor de Deus, sua Palavra e seu Espírito ao povo. É muito importante que o Grupo de Oração tenha um ministério de música organizado ou que pelo menos tenha um grupo de pessoas que assuma a responsabilidade pelos cantos da reunião. Existem duas características necessárias aos membros do ministério de música: obediência e humildade. As vozes dos ministros que lideram o louvor devem se sobressair aos instrumentos. Por mais belo que seja o som do instrumento musical, seu fim não é substituir a voz humana, e sim acompanhá-la. d) Equipe para Crianças (Secretaria Samuel) O Grupo de Oração deve se preparar para ter uma equipe que ficará com as crianças no horário da reunião de oração. A equipe não somente “cuidará” das crianças para que não “atrapalhem” a condução do louvor. Há que se fazer um cuidadoso planejamento de evangelização também para as crianças. e) Ministério de Intercessão (Secretaria Moisés) Embora o serviço da intercessão dê-se fora da reunião de oração, convém fazer algumas referências a ele, pela importância que tem no desenrolar da própria reunião e na condução de todo o Grupo de Oração. Intercessão é a oração daquele que fala a Deus dos problemas dos homens. É a oração de quem oferece a generosidade do seu coração em favor dos outros. A equipe de intercessão é composta de pessoas que se sentem chamadas a exercerem tal ministério. 62 Cf. Jo 15
  18. 18. 18 É preciso evitar cair na tentação de colocar para a intercessão aquelas pessoas que, à primeira vista, “não sabem fazer outra coisa”, como: tocar instrumentos, cantar, pregar, aconselhar, etc. O ministério de intercessão é tão sério quanto todos os outros; as pessoas que o exercem devem ser preparadas para tal, prontas para exercerem o discernimento, com eficaz vida de oração pessoal e comunitária. O momento de oração do ministério de intercessão é voltado para as necessidades de todas as pessoas do Grupo de Oração. f) Ministério da Palavra (Secretaria Pedro) Todo grupo de oração deve possuir uma equipe de pregadores que ministra o ensino, a instrução e a proclamação querigmática da Palavra de Deus. Nesse ministério devem estar os servos que possuem o dom de ensinar, de falar sob a unção do Espírito. g) Ministério de Cura e Libertação (Secretaria Rafael) As pessoas que freqüentam as reuniões de oração e o Grupo de Oração como um todo são geralmente feridas e doentes. Há necessidade, portanto, de dar-lhes atendimento. É esse o trabalho da equipe de cura e libertação. Essa equipe pode prestar atendimento às pessoas antes ou depois da reunião de oração (ou durante, se houver algum caso que assim o necessite). Também o atendimento pode ser feito noutros dias, em horários previamente marcados. 3. Conclusão Além desses ministérios apresentados, ainda há outros de grande importância dentro do Grupo de Oração, tais como, SOS oração, cercos de Jericó, visitas aos doentes e às famílias, aconselhamento, etc. A Igreja de Jesus necessita de mulheres e homens novos, renovados no Espírito Santo, que acreditam no Cristo Salvador, esperam nas suas promessas e dão frutos abundantes por sua união a Cristo63 . ENSINO 4: PREPARAÇÃO E CONDUÇÃO DA REUNIÃO DE ORAÇÃO 1. Introdução Os responsáveis pela preparação e condução da reunião de oração são os membros do núcleo de serviço do Grupo de Oração ou, mais raramente, aqueles por estes designados. Esse processo envolve diversos aspectos pertinentes ao núcleo, expostos e discutidos aqui mesmo nesse conjunto64 . Aqui cabe referir-se à reunião de oração como tal, o seu momento principal e decisivo, a sua ambientação e o desenrolar dos cantos, gestos, palavras e mensagens. Evidentemente, as referências são genéricas, evitando qualquer tipo de legalismo ou padronização e, ao mesmo tempo, procurando respeitar as realidades distintas e a liberdade do Espírito em suas moções. 2. Preparação A preparação da reunião de oração é um dos itens de grande importância. Alguns líderes, sob pretexto de que confiam na ação do Espírito Santo, vão para a reunião sem nenhum tipo de elaboração, achando que “no fim vai dar tudo certo”. A Palavra de Deus tem um apelo muito forte a esse respeito: “Não negligencies o carisma que está em ti (...) Põe nisto toda a diligência e empenho, de tal modo que se torne manifesto a todos o teu aproveitamento” (1 Tm 4,14-15). É necessário dedicar esforço e carinho na preparação da reunião, dando liberdade para que o Espírito Santo possa mudar tudo, adequando à vontade do Pai. Assim, a preparação do local, a arrumação das cadeiras, colocação de mensagens evangelizadoras (na forma de cartazes ou pequenos folhetos deixados nos bancos ou cadeiras), a disposição da mesa e dos equipamentos de som (quando houver), a limpeza e a higiene do local, tudo deve estar perfeito antes que cheguem os primeiros participantes. É comum se observar que as pessoas já estão sentadas e a equipe de música ainda está afinando instrumentos, escolhendo cantos ou mesmo instalando os equipamentos. Seria 63 Cf. Jo 15 21. Cf. Ensino 1.
  19. 19. 19 bom evitar essa situação, pois ela pode quebrar o clima de espiritualidade que deve reinar desde o começo até o fim da reunião. Aquilo que estiver ao alcance para tornar tudo agradável e perfeito, para que as finalidades sejam obtidas, deve ser feito. Chegar até os corações e movê-los, isto é obra do Espírito Santo e Ele o fará tanto mais quanto se fizer bem a parte de ambientação e preparo. Entre os aspectos preliminares à reunião de oração, três coisas são particularmente importantes: a) Intercessão Normalmente, os grupos dispõem de uma equipe ou ministério que intercedem pela reunião de oração noutro dia da semana. A equipe antecipa os pedidos pelo bom êxito da reunião de oração, rogando para que todos os seus elementos (oração, pregação, música, testemunhos, etc) sejam conduzidos pelo Espírito Santo. Além disso, pede pelos participantes da reunião, para que estejam abertos às graças que Deus quer derramar sobre eles65 e que vão ser distribuídas na reunião, através da pregação, das orações, do acolhimento, etc. A intercessão ajuda no discernimento do Núcleo, através de palavras e moções dadas por Deus. Porém, a equipe intercessora não deve interferir diretamente na preparação da reunião, tomando iniciativas ou dando ordens que suponha virem de Deus. Qualquer palavra, moção, profecia ou ciência deve ser encaminhada ao coordenador do grupo. O coordenador discerne a aplicação ou não do que veio da intercessão. b) Rhema A reunião de oração é bastante livre e inédita. O Espírito pode conduzi-la de modo a fazer Sua vontade de forma imprevista pelos dirigentes. Porém, freqüentemente o núcleo de serviço, em sua reunião, recebe de Deus uma moção em forma de rhema, que deverá ser um princípio norteador da oração. Dessa forma, o dirigente e sua equipe vão para a condução sabendo de antemão qual o caminho a seguir, embora não saibam que passos devem ser dados. O rhema auxilia na preparação e ambientação da reunião. Por exemplo, se na reunião do núcleo o Senhor recorda a palavra bíblica: “Respondeu Jesus: ‘Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete’” (Mt 18,22). De antemão, podem ser escolhidos cantos relacionados ao perdão e à fraternidade; a equipe de acolhimento poderá receber as pessoas com um “perdoai-vos” em vez de “boa noite”; cartazes e mensagens relacionados ao tema poderão ser afixados no local; os dirigentes poderão preparar dinâmicas que facilitem a oração de perdão; o pregador daquela reunião será orientado sobre o rhema e preparará seu ensino de acordo com ele. Enfim, todo o conjunto da reunião estará em torno de um núcleo central. Isso facilitará em muito a compreensão e posterior vivência da mensagem da parte dos que vierem à reunião. c) Oração antecedente da Equipe É conveniente que se encontrem uma ou meia hora antes do início da reunião de oração: o dirigente principal, a equipe auxiliar, o ministério de música, o responsável pelo ensino daquele dia e, eventualmente, a equipe de acolhimento. Durante esse tempo, eles se preparam para conduzir em unidade aquela reunião. “Essa é a ocasião para pedir ao Senhor que faça deles um só Corpo - para pedir a liberação do Espírito Santo sobre eles e o encontro. Eles (...) rezam uns pelos outros para que todos sejam canais visíveis de Seu amor curador”66 . 3. Condução 3.1. Preliminares A reunião de oração, de certo modo, já se inicia quando os primeiros participantes chegam. Esse tempo é usado para ambientar e formar fraternidade através da acolhida e de outros elementos, como distribuição de mensagens ou diálogos informais. 65 Cf. Mt 6, 32b 66. DE GRANDIS, Robert. Vem e segue-me, p. 63.
  20. 20. 20 Alguns colocam o ministério de música em ação já desde esse momento, cantando músicas animadas e introduzindo as pessoas no clima de alegria e louvor. “Uma alternativa é colocar fitas de música animada como fundo para a chegada das pessoas”67 . 3.2. Animação Normalmente, a reunião propriamente dita começa com cantos animados, para fazer com que as pessoas abandonem as preocupações e tensões que trouxeram de casa. “Em geral, as pessoas vêm aos encontros deprimidas, sem nem mesmo dar-se conta da extensão do peso que sentem”68 . É preciso evitar muita agitação e buscar um ambiente propício à oração. Em alguns casos se observa que a animação acaba por causar constrangimentos àqueles que são mais tímidos ou que estão vindo pela primeira vez. A animação inicial pode ser feita por um ministro de música ou pelo próprio dirigente da reunião. Em qualquer dos casos, devem-se evitar interrupções bruscas das músicas animadas para entrar nas músicas lentas. Às vezes, a animação cansa um pouco as pessoas, deixando-as agitadas e com dificuldades de silenciar interiormente. O ideal é que se passe das músicas ritmadas para algumas moderadas, para depois virem as lentas. O movimento seria: Primeiro – músicas animadas; Segundo – músicas moderadas; Terceiro – músicas lentas. O ministro ou dirigente vai passando de umas para outras sem quebrar a seqüência, de maneira que a assembléia nem perceba o encadeamento da reunião, mas desfrute do clima agradável que ele cria. 3.3. A oração: o papel do dirigente O dirigente da reunião de oração é, por assim dizer, o responsável por introduzir as pessoas na presença de Deus. Por isso, deve estar aberto às moções do Espírito para aquele instante, discernindo quais os passos a serem dados e emitindo ordens curtas e concretas nesse sentido. “Sua liderança assemelha-se à de um regente de orquestra – quais as partes que ele deve deixar que se destaquem e quais as que deve manter em silêncio até outro momento do encontro. O líder não pode ser apenas passivo, pois alguém mais, de alguma outra forma não definida, poderá acabar na realidade liderando o grupo”69 . O dirigente deve se convencer de que ali, na reunião de oração, não é o momento de uma oração pessoal. Alguns começam a rezar de acordo com suas próprias necessidades ou, quando muito, rezam o tempo todo em nome da assembléia, como se fosse um intercessor entre ela e Deus, deixando as pessoas presentes como meros espectadores. O dirigente deve estar atento às ações e reações da assembléia, o modo como cantam, rezam, aderem ou não às ordens emitidas. Quando a oração não estiver decorrendo satisfatoriamente, é preciso discernir o que está acontecendo e o que fazer para alterar a situação. Às vezes, as pessoas estão oprimidas por alguma coisa e, por isso, por mais que se diga, elas não louvam com fluência nem se sentem inseridas no contexto da reunião. Nesse caso, o dirigente proporá, de acordo com a moção de Deus, uma oração de libertação, um ato penitencial, uma canção ou outra coisa inspirada. Isso poderá devolver às pessoas o interesse e a espontaneidade na oração. “A profundidade do círculo de oração dependerá, em grande parte, da fé corajosa do dirigente. Ele deve, é claro, ter prudência, mas nunca ter medo (...). Deve ter coragem para tomar decisões, controlar situações e, sobretudo, para manifestar o plano de Deus”70 Em algumas reuniões podem ocorrer problemas, como as atitudes exaltadas ou emotivas demais da parte de uma ou mais pessoas. Às vezes, alguém pode emitir palavras ou moções supostamente vindas de Deus, mas que são meros devaneios de sua subjetividade, acabando por atrapalhar a reunião, desviando a atenção dos outros do eixo central e proveitoso da oração. Esses casos devem ser contornados pelo dirigente com discernimento, bom senso e, sobretudo, com caridade. Não se devem fazer exortações ásperas nem tomar atitudes extremas, como, por exemplo, mandar calar a boca. Mas também não se pode 67. Ibid., p. 63. 68. Ibid., p. 64. 69. WALSH, Vicent M. Conduzi o meu povo, p. 20. 70. FLORES, J.H. Prado. As reuniões de oração, p. 50.
  21. 21. 21 permitir que uma ou duas pessoas confundam o sentido e o objetivo da reunião. O dirigente deve agir destramente, para não conturbar a oração. A mesma destreza é necessária quando alguém critica ou contesta algo diretamente no momento da oração ou pregação. Nesses casos, “o melhor será o líder dar respostas simples e diretas e, então, voltar prontamente à atividade de louvar e partilhar”71 . Certamente, é bom lembrar-se aqui da promessa do Senhor: “Naquele momento ser-vos-á inspirado o que haveis de dizer” (Mt 10, 19b). No contexto da reunião de oração, também é preciso evitar: a) Introduções longas Supondo que a moção seja para que a assembléia louve ao Senhor coletivamente e em português, o dirigente poderá dizer: “Vamos agora louvar ao Senhor com nossas palavras. Dizer que Ele é bom, é maravilhoso, que não há Deus como Ele. Louvá-lo porque Ele nos salvou, Ele nos deu a paz, libertou-nos dos vícios, devolveu a harmonia às nossas famílias. Vamos louvá-lo porque Ele é poderoso, porque realiza prodígios e milagres em nosso meio, porque sua sabedoria é infinita, etc, etc”. Quando ele terminar, as pessoas já estarão sem vontade de louvar; ou então, não se lembrarão mais de nenhum motivo que já não tenha sido dito pelo dirigente; ou, ainda, estarão sentadas e com os olhos abertos. Do contrário, se o dirigente fizer uma introdução breve: “Vamos levantar os nossos braços e louvar ao Senhor com alegria por tudo o que Ele é e faz nas nossas vidas”. Assim, todos haverão de louvar e a reunião prosseguirá normalmente. As introduções mais longas só cabem em circunstâncias peculiares, por força da moção do Espírito. b) Ordens incompreensíveis É preciso que as ordens dadas sejam claras, de maneira que todos entendam o que devem fazer; do contrário, a assembléia ficará confusa e tumultuada. Por exemplo, se o dirigente disser: “Fique frente a frente com seu irmão da direita e orem um pelo outro”. Ora, todos virarão para a direita e cada um não saberá se deve voltar-se ou esperar que a pessoa da frente se volte. Como obedecer a uma ordem como essa?: “Vamos, irmãos, louvar o Senhor por sua bondade, pedir que Ele nos abençoe nessa noite, interceder por aqueles que não estão aqui, para que se convertam. Rezemos ao Senhor”. Há três indicações contidas numa só: louvar o Senhor por sua bondade, pedir que nos abençoe e interceder pelos que não estão na reunião. Qual das três seguir? A menos que a pessoa tenha facilidade em sistematizar, para fazer uma coisa após outra e dar-lhes sentido, ficará confusa. Alguns louvarão, outros pedirão, outros intercederão. Porém, muitos não farão nenhuma coisa nem outra, porque não entenderão a ordem. c) Fragmentação das moções O ideal é que a reunião seja relativamente conexa em suas partes. O dirigente que não obedece a um núcleo central de moção é como um franco atirador que dispara em várias direções, sem determinar o alvo. Nesse aspecto, é muito comum que, durante a manifestação dos carismas, sejam pronunciadas várias palavras bíblicas, mensagens proféticas, palavras de ciência e sabedoria. Algumas estarão fora do contexto da oração e refletem mais os sentimentos e necessidades das pessoas que as pronunciaram. O mesmo pode acontecer com simples orações individuais. O dirigente deve, no Espírito e com habilidade, examinar tudo e ficar com o que é bom e propício para aquele momento, dando os próximos direcionamentos a partir daquelas palavras e moções mais oportunas e autênticas. No caso de palavras bíblicas durante a oração, “a atitude dos ouvintes, em vez de procurar os textos na sua bíblia, há de ser a de concentrar toda a sua atenção em escutar a Palavra, deixando-a penetrar como a chuva que entranha na terra, fecunda-a e a faz germinar”72 . Em função do caráter livre e espontâneo da reunião de oração, pode haver momentos em que a assembléia, introduzida na presença do Senhor, sinta-se como que autônoma para rezar. Esse é o momento 71. DE GRANDIS, Robert. Vem e segue-me, p. 62. 72. FLORES, J.H. Prado As reuniões de oração, p. 33.
  22. 22. 22 do dirigente “recuar” e permitir que as pessoas sigam os impulsos do Espírito nelas mesmas. Isso acontece, por exemplo, num longo momento de oração em línguas, em que a assembléia insiste no louvor ininterrupto. Sempre que a oração atingir esse nível, o dirigente interferirá menos, apenas quando houver necessidade de uma nova motivação. Ele colocará a oração de volta no caminho certo, quando perceber que ela está se desviando para outra conotação. O dirigente deve propor a oração conforme o momento que o povo está vivendo. Daí a reunião de oração não ter um esquema rígido e fixo. 3.4. Sucedentes Após a oração, segue-se a pregação e, logo após esta, apêndices como: avisos, testemunhos, outros. É bastante salutar que a reunião, no seu final, seja sintetizada em sua mensagem ou ação principal73 . Isso ajuda os participantes a compreenderem e aplicarem na vida o que Deus realizou e propôs naquele momento. A síntese também serve como recurso de memorização, o que facilita a retenção da mensagem. Outras sugestões podem ser dadas, de elementos que se sucedem à oração e pregação com o intuito de possibilitar ou enriquecer a vivência da reunião de oração: - propostas de uma direção para a semana: leitura orientada da Bíblia, de um livro, de um tema, etc; - panfletos com os eventos da RCC, com o funcionamento do Grupo de Oração, da Paróquia, Capela, etc; - convidar para a próxima reunião de oração; - panfletos indicando os serviços do Grupo de Oração (formação, acompanhamento, juventude, casais, música...) como oportunidade de engajamento dos participantes. 4. Conclusão A reunião de oração será mais proveitosa tanto quanto for bem preparada e dirigida, criando assim melhores condições para a ação do Espírito. Para dirigir bem uma oração é necessário, antes de tudo, ter o carisma confirmado para esse ministério. Além disso, a facilidade em dirigir reuniões dependerá do nível de intimidade que o líder tem com a própria oração. Pessoas de intensa vida de oração terão mais afinidade e abertura ao Espírito e conduzirão melhor as reuniões. Vicent Walsh fala de três qualidades necessárias a um dirigente: estabilidade emocional, vida profunda no Espírito e sensibilidade à ação de Deus no encontro74 . Outrossim, “o Espírito Santo é soberano e o que Ele pode querer fazer numa reunião de oração talvez seja algo nunca antes realizado, algo diferente do que já conhecemos e, no entanto, se é obra sua, é tão importante que não lhe devemos opor nenhum obstáculo”75 . RESUMO 1. Introdução Os responsáveis pela preparação e condução da reunião de oração são os membros do núcleo de serviço do Grupo de Oração ou, mais raramente, aqueles por estes designados. 2. Preparação É necessário dedicar esforço e carinho na preparação da reunião, dando liberdade para que o Espírito Santo possa mudar tudo, adequando à vontade do Pai. Entre os aspectos preliminares à reunião de oração, três coisas são particularmente importantes: a) Intercessão b) Rhema c) Oração antecedente da Equipe 3. Condução 3.1. Preliminares 73. Ibid, p. 61-62. 74. Cf. Conduzi o meu povo, p. 17-18 75. CHAGAS, Cipriano. Grupos de oração carismáticos, p. 2.
  23. 23. 23 A reunião de oração, de certo modo, já se inicia quando os primeiros participantes chegam. 3.2. Animação A animação inicial pode ser feita por um ministro de música ou pelo próprio dirigente da reunião. Em qualquer dos casos, deve-se evitar interrupções bruscas das músicas animadas para entrar nas músicas lentas. O movimento seria: Primeiro – músicas animadas; Segundo – músicas moderadas; Terceiro – músicas lentas. É preciso evitar muita agitação e buscar um ambiente propício à oração. 3.3. A oração: o papel do dirigente O dirigente da reunião de oração é, por assim dizer, o responsável por introduzir as pessoas na presença de Deus. O dirigente deve estar atento às ações e reações da assembléia, o modo como cantam, rezam, aderem ou não às ordens emitidas. Quando a oração não estiver decorrendo satisfatoriamente, é preciso discernir o que está acontecendo e o que fazer para alterar a situação. No contexto da reunião de oração, também é preciso evitar: a) Introduções longas b) Ordens incompreensíveis c) Fragmentação das moções 3.4. Sucedentes Após a oração, segue-se a pregação e, logo após esta, apêndices como: avisos, testemunhos, outros. É bastante salutar que a reunião, no seu final, seja sintetizada em sua mensagem ou ação principal. 4. Conclusão A reunião de oração será mais proveitosa tanto quanto for bem preparada e dirigida, criando assim melhores condições para a ação do Espírito. Para dirigir bem uma oração é necessário, antes de tudo, ter o carisma confirmado para esse ministério. Outrossim, o Espírito Santo é soberano e o que Ele pode querer fazer numa reunião de oração talvez seja algo nunca antes realizado, algo diferente do que já conhecemos e, no entanto, se é obra sua, é tão importante que não lhe devemos opor nenhum obstáculo. ENSINO 5: ELEMENTOS DA REUNIÃO DE ORAÇÃO 1. Introdução Alguns elementos da reunião de oração merecem destaque, pela importância que têm em seu conjunto. Não é imperativo que todos estejam presentes em todas as reuniões, mas normalmente estão em maior ou menor grau e devem ser aproveitados adequadamente. O enfoque maior será sobre o louvor e a pregação, por se tratarem dos dois pólos principais da reunião de oração. 2. Elementos 2.1. O louvor76 “O louvor é a forma de oração que reconhece o mais imediatamente possível que Deus é Deus. Canta-o pelo que Ele mesmo é, dá-lhe glória, mais do que pelo que Ele faz, por aquilo que Ele é. Participa da bem-aventurança dos corações puros dos que o amam na fé antes de o verem na glória. Por ela, o Espírito se associa ao nosso espírito para atestar que somos filhos de Deus, dando testemunho do 76. Cf. PEDRINI, Alirio J. Experiência de Deus, p.119-121 e DE GRANDIS, Robert. Louvai a Deus diariamente, P. 46-47.
  24. 24. 24 Filho único em quem somos adotados e por quem glorificamos o Pai. O louvor integra as outras formas de oração...”77 . A reunião de oração é um momento propício para aprender a louvar a Deus. Nunca é demais louvar o Senhor. Ao louvar a Deus, as pessoas libertam-se para confiar plenamente no Pai que ama incondicionalmente, desviando a atenção delas mesmas e concentrando-se em Jesus. Deus habita nos louvores de seu povo. O louvor deve ser dado a Deus mesmo quando as situações são dolorosas, humilhantes, até desastrosas. Não é difícil louvar quando as circunstâncias são favoráveis, é natural louvar pelas coisas ‘boas’. É normal ser grato, alegrar-se no momento do sucesso, da prosperidade, da boa saúde e da fama. Mas São Paulo diz que é necessário render “graças, sem cessar e por todas as coisas, a Deus Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo”78 . A inspiração para o louvor é reação espontânea e/ou cultivada a partir da percepção da grandeza e bondade de Deus. “Por ele (então) ofereçamos a Deus sem cessar sacrifícios de louvor, isto é, o fruto dos lábios que celebram o seu nome” (Hb 13,15). Que se pretendeu dizer com ‘sacrifício de louvor’? No Antigo Testamento, sacrifício requeria morte. Um animal era morto. Mas, no ‘sacrifício de louvor’, é o ego da pessoa que precisa morrer. É necessário sacrificar o próprio julgamento, a própria opinião, a própria avaliação quanto àquilo que é correto e bom. É necessário louvar a Deus por todas as coisas. A experiência de Deus e a oração de louvor caminham de mãos dadas. Quem convive com o Deus vivo, conhecido por experiência, sente-se naturalmente impelido a louvá-lo, por descobrir sempre mais como Ele é maravilhoso e quão grandes são suas obras. Quem proclama os louvores do Deus vivo, manifesta sua experiência de Deus e, ao mesmo tempo, cresce nela. Forma-se, assim, o círculo virtuoso: quanto mais experiências do Deus vivo, maior o louvor. E, quanto mais se louva, maior a consciência da experiência de Deus. Em que consiste louvar? Louvar é elogiar alguém por alguma qualidade, virtude, obra ou realização que desperta admiração. Louvor é, portanto, fazer elogios ao Deus vivo por algo que nele causa admiração ou encantamento. Como se percebe, o louvor é uma atitude muito simples. Na reunião de oração, os tipos mais comuns de louvor são os individuais e os coletivos. No louvor individual, convém que a pessoa que o faz por primeiro não diga palavras muito difíceis ou frases enfeitadas, para não inibir aqueles que só sabem fazer louvores bem simples. “O importante não é dizer frases literalmente bem elaboradas, nem cheias de profundo conteúdo teológico, pois não se trata de impressionar, nem doutrinar a comunidade; o importante é abrir simplesmente o coração para Deus”79 . Essas intervenções também não devem ser demasiadamente longas e cansativas. A confiança para participar em voz alta nasce da familiaridade que o ambiente proporciona, mas também “graças à experiência que o Espírito Santo nos concede de nos sentirmos filhos de Deus, e da capacidade que nos dá de gritar: Abba, Papai”80 . Em qualquer caso, a oração individual ajuda a desinibir o participante. 2.2. A oração em línguas Quanto mais espontânea a oração em línguas, melhor será o clima do louvor. Por isso, o dirigente deve conduzir e não induzir ou “forçar a barra” com orações estridentes ao microfone. É o Espírito que, antes de qualquer pessoa, move cada um para que use o dom. No entanto, não há problemas em incentivar ou pedir para que as pessoas orem em línguas. É bom evitar a expressão “linguagem dos anjos”, sem respaldo bíblico ou teológico. O ministério de música pode ajudar a assembléia, procurando dar tonalidade à oração, sem, contudo, impor uma melodia. A tonalidade ajuda a fazer com que a oração em línguas não se torne gritante e sem harmonia. O essencial, no entanto, é deixar que o próprio Espírito ore nas pessoas e imprima a ressonância que quiser. “Os muitos cantos diferentes se harmonizam num só, cheio de paz ou de poder, em que cada um é instrumento incomparável dirigido pelo próprio Espírito”81 . 77. Catec., n. 2.639. 78 Cf. Ef 5,20 79. FLORES, J. H. Prado. As reuniões de oração, p. 20. 80. Ibid., p. 40. 81. CHAGAS, Cipriano. Grupos de oração carismáticos, p. 19.
  25. 25. 25 Durante o louvor ou a oração em línguas o Senhor pode revelar – através de palavra de ciência – as curas e libertações que está realizando. O dirigente deve proclamar para a assembléia e assim, suscitar os testemunhos. 2.3. O canto A música é um elemento fundamental para a reunião de oração. Porém, se não for adequada, pode comprometer o desenrolar das expressões de louvor da assembléia. Há um evidente perigo de a reunião se transformar numa espécie de festival de músicas, sobretudo quando se tem um ministério que supervaloriza o preparo técnico. O melhor ministério de música é aquele orante e ungido que, num só coração com as demais equipes de serviço da reunião, tem a preocupação de ajudar as pessoas a se colocarem na presença de Deus. O ministério de música deve estar em obediência e comunhão com o dirigente principal da reunião. O dirigente é a autoridade naquela hora. Por isso, durante a oração não é bom inserir cantos sem que ele saiba quando e quais, a menos que um ministro de música julgado experiente e em unidade suficiente seja encarregado disso previamente. De qualquer modo, o ministério de música deverá ter sempre alguém à frente durante a reunião, que responde por ele junto ao dirigente principal. Não é preciso dizer que as letras dos cantos devem estar em consonância com as moções da reunião. “A música mesma (...) deve ir-se adaptando ao ambiente, ao tom que está tomando a oração”82 . Um canto ou mesmo um ritmo mal colocado pode desviar completamente o rumo da reunião de oração. Padre Joãozinho83 observa que a reunião de oração emana do culto Eucarístico e ali encontra seu sentido. Por isso, conclui que na reunião o canto “será tanto mais santo quanto mais intimamente estiver ligado ao momento da ação litúrgica que se estiver revivenciando”84 . É oportuno observar aqui, então, algumas formas e expressões do canto na reunião de oração85 : a) Canção com palmas: as palmas devem ser um complemento da oração, por isso, espontâneas e alegres. As Escrituras estão cheias deste tipo de oração86 . b) Canção com as mãos levantadas: é expressão que manifesta nossa dependência de Deus87 . c) Canção de júbilo: a experiência profunda de Deus às vezes é tão intensa que é preciso gritar. É fruto do Espírito 88 d) Canção de prostração: manifesta adoração. Pode ser deitado ou de joelhos. É uma maneira de proclamar que Jesus é o Senhor89 . e) Canção com danças: por muito tempo não havia lugar para ela nas celebrações. É bom, santo e bíblico orar com danças como fazia o Rei Davi90 . No Brasil, a posição dos Bispos é favorável: “A introdução da dança litúrgica na procissão de entrada, onde for conveniente e a juízo e consentimento do Bispo Diocesano, poderá ser de grande proveito para criar o clima de celebração festiva da fé”91 . f) Canção de luta: denuncia o homem velho. O exemplo maior é o canto de Maria: “Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes” (Lc 1, 52). Esse canto anuncia a grandeza de um Deus que faz maravilhas pelos seus. g) Canção de regozijo: era o grito através do qual Israel pedia a proteção de Deus. “Toda multidão dos discípulos tomada de alegria, começou a louvar a Deus em altas vozes, por todas as maravilhas que tinha visto” (Lc 19, 37). h) Louvor instrumental: tocar diante do Senhor por si só já é uma oração. A música instrumental só será santa se brotar de um coração renovado, o amor e o júbilo são expressos nos sons dos instrumentos. 82. Ibid., p. 16. 83. Cf. ALMEIDA, João Carlos. Cantar em espírito e verdade, p. 88. 84. Ibid., p.89. 85. Cf. Ibid, p. 89-94. 86 Cf., por exemplo, Sl 46, 2; Sl 97,8 87 Cf. Sl 133,2; 140,2; 62,5 88 Cf. Sl 46, 1; 80,2; 99,1 89 Cf, Sl 94,6 90 Cf. 2 Sm 6, 14 91. CNBB, Animação da vida litúrgica no Brasil, p.75.
  26. 26. 26 2.4. O silêncio O dirigente deve estar atento para proporcionar momentos de silêncio durante a reunião de oração. Alguns momentos propícios para isso são: após a oração em línguas (para favorecer as profecias), após as profecias (para assimilação das palavras mais fortes) e ao final da oração. O silêncio ajuda a “balancear” a reunião, tornando-a ainda mais dinâmica. De modo algum reflete monotonia e cansaço. “Em toda reunião deve haver momentos de silêncio fecundo e cheio da presença do Senhor. Não um silêncio vazio, tímido e tenso, mas o silêncio que favorece a comunicação de Deus conosco. Muitas vezes nos queixamos de que Deus não nos fala, mas talvez não tenhamos nos dado conta de que somos nós que não lhe damos a oportunidade de fazê-lo”92 . 2.5. Ato penitencial93 O perdão dos pecados é dado por Deus a quem reconhece seus erros. “Se reconhecemos os nossos pecados, (Deus aí está) fiel e justo para nos perdoar os pecados e para nos purificar de toda iniquidade” (1 Jo 1, 9). Jesus deixou o sacramento da Penitência, a confissão. Os pecados graves precisam passar pela absolvição sacramental, dada pelo sacerdote; os pecados veniais, leves, podem também, ser perdoados de outros modos, como numa celebração penitencial apropriada, sempre que o pecador pedir sinceramente perdão a Deus; também por jejuns, esmolas, penitências e boas obras realizadas nesta intenção, acompanhada do desejo de verdadeira conversão. Servindo-se do próprio fluxo da reunião de oração, o dirigente terá a oportunidade de fazer a cura espiritual acontecer pelo perdão. Pode, também, programar orações de cura espiritual através de atos penitenciais especificamente preparados. Para que o perdão aconteça é necessário que aquele que pecou: a) reconheça o seu pecado; b) arrependa-se; c) peça perdão a Deus, sinceramente; d) proponha-se a vencer e evitar o pecado; e) proponha-se à reparação (ex: devolver o que roubou, perdoar a quem o ofendeu, pedir perdão a quem ofendeu, etc.). Deus está sempre esperando e pronto para perdoar. “Se vossos pecados forem escarlates, tornar-se-ão brancos como a neve! Se forem vermelhos como a púrpura, ficarão brancos como a lã !” (Is 1, 18b). 2.6. A Pregação A pregação é um momento dos mais importantes da reunião de oração. Ela motiva o povo a rezar e faz aumentar a fé. A pregação visa atingir o coração, leva a experimentar a misericórdia de Deus que se manifesta em seu Filho Jesus. Nos Atos dos Apóstolos, conforme vemos em Atos 2, é esta a seqüência: Pedro, cheio do Espírito Santo, se destaca dos demais e com voz forte anuncia o Evangelho aos que se ajuntavam ali que, com os corações atingidos, perguntam o que devem fazer para receber, também eles, o dom do Espírito. Pedro faz a pregação. O povo reage e pergunta. Ele faz uma proposta de conversão e tudo vai acontecendo. Assim deve acontecer nas reuniões de oração. A pregação motiva e o povo reage, pedindo, louvando, cantando. A Palavra de Deus anunciada deve tocar e levar o povo a reagir através da oração, do louvor, do canto, da disposição do coração para receber o Espírito Santo. Ensina o Concílio Vaticano II: “Impõe-se pois a todos os cristãos o dever luminoso de colaborar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e acolhida por todos os homens em toda a parte. (...) Para exercerem tal apostolado, o Espírito Santo – que opera a santificação do povo de Deus através do ministério e dos sacramentos – confere ainda dons peculiares aos fiéis (cf. 1 Cor 12,7) ‘distribuindo-os a todos, um por um, conforme quer’ (1 Cor 12,11). (...) Da aceitação destes carismas, mesmo dos mais simples, nasce em favor de cada um dos fiéis o direito e o dever de 92. FLORES, J. H. Prado. As reuniões de oração, p. 31. 93. Cf. PEDRINI, Alírio J. Grupos de oração, p. 41ss.
  27. 27. 27 exercê-los para o bem dos homens e a edificação da Igreja, dentro da Igreja e do mundo, na liberdade do Espírito Santo (...).94 (grifo nosso) A pregação leva as pessoas a conhecerem Jesus. “Porém, como invocarão aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue?” (Rm 10, 14). Ela deve ser preferencialmente querigmática, com algumas exceções. A diferença básica das mensagens, em especial a querigmática e a catequética, consiste no fato de que a primeira (o querigma = do grego KERISSEN = proclamar, gritar, anunciar) é anúncio da fé cristã, que apresenta o Deus vivo, tendo como centro Jesus morto e ressuscitado. Já a mensagem catequética visa a ensinar aqueles que abraçaram a fé, doutrinando-os. O querigma é o tocar dos sinos, enquanto que a catequese é o ressoar. Ou ainda, podemos dizer que o tempo do querigma é hoje, é o momento da salvação; já o tempo da catequese é a partir de hoje, ou seja, será um ensino progressivo e gradual da fé e suas razões. 2.6.1. O querigma O conteúdo do querigma não deve ser mudado – Jesus é o mesmo ontem, hoje e sempre. Porém, na pregação ele pode ser adaptado à realidade. O querigma tem uma divisão sistemática e didática, embora a mensagem central seja sempre o enfoque de Jesus morto e ressuscitado – Jesus Salvador: a) Amor de Deus – mostra a face paterna/materna de Deus; que Ele ama incondicionalmente a todos os homens, com amor eterno. Um bom exemplo é a parábola do filho pródigo. Para ler e meditar: Lc 15,11- 30; Is 43; Is 49,14-16; I Jo3,1; I Jo 4,7-8; Os 11,1-4. b) Pecado – o homem ao afastar-se de Deus caiu no pecado. “O homem tentado pelo Diabo, deixou morrer em seu coração a confiança em seu Criador e, abusando da sua liberdade, desobedeceu ao mandamento de Deus. Foi nisto que consistiu o primeiro pecado do homem. Todo pecado, daí em diante, será uma desobediência a Deus e uma falta de confiança em sua bondade”95 . Para ler e meditar: Os 5,3-4; Sl 52,2-4; Sl 50; Rm 3,23; Rm 5,12; Gal 5,19. c) Salvação – Jesus morto e ressuscitado remiu o mundo, dando-nos de novo livre acesso ao Pai. Para ler e meditar: Jo 3,16; I Jo 4,9-10; Rm 5,6-11; Rm 5,18-20; Hb 9,11-14; Hb 9,26-28. d) Fé e conversão – ao ouvir a proposta de salvação, cabe ao homem respondê-la, aceitando-a numa adesão de fé, dispondo-se a uma mudança de valores e de vida, passando a caminhar conforme os ensinamentos cristãos. Para ler e meditar: Hb 11,1-2; Gal 5,11; Ef 3,8; II Tm 3,14; Eclo 17,21-24; Dt 4,29- 31. e) Espírito Santo – É o Espírito Santo que toca e muda o coração do homem, que o fortalece, que revela as verdades e o leva a adorar o Pai em verdade. Daí a necessidade de pedir o batismo no Espírito, para receber a capacidade de viver a vida nova proposta. Para ler e meditar: Mt 28,19; Jo 15,26; I Cor 3,16-17; Rm 8,26-27. f) Comunidade – a Trindade é comunidade. Para ser igual ao Pai, como Jesus pediu, o homem tem que viver em comunidade. Para ler e meditar: Jo 17,20-23; Atos 2,42; Ef 4,1-6; I Pe 1,22. 2.6.2. O pregador O pregador é aquele que tem a consciência de que Deus se deixa encontrar, porque já O encontrou. Não há como falar de Deus, sem conhecê-Lo. A Igreja recomenda aos que se consagram ao ministério da palavra (podem ser incluídos aqui os pregadores do grupo de oração), que “se apeguem às Escrituras, mediante assídua leitura sacra e diligente estudo, para que não venha a ser ‘vão pregador da palavra de Deus externamente, quem não escuta interiormente’”96 . Também na Sagrada Tradição e no Magistério da Igreja o pregador deve buscar o conhecimento de Deus, apoiando-se na sabedoria dos santos doutores e na sã doutrina. Como ensina São Paulo: “Ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa. Nosso 94. Apostolicam Actuositatem, n.. 3. 95. Catecismo da Igreja Católica, n. 397. 96. Dei Verbum, n. 25.

×