SlideShare uma empresa Scribd logo
VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA
Capítulo 2 – Igreja
KLAUS NEWMAN
MÓDULO BÁSICO DE FORMAÇÃO
RCC GOIÁS
VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA
RCC GOIÁS
CIC 766-767
VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA
RCC GOIÁS
APRESENTAÇÃO DO ENSINO
TEMA:
A VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA.
ITENS A SEREM
APRESENTADOS:
A IGREJA NO MUNDO ANTIGO;
A IGREJA NA IDADE MÉDIA;
A IGREJA NA IDADE MODERNA;
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NO MUNDO ANTIGO
A Igreja nasce no Império Romano;
 Estradas;
 Direito;
 Comunicação;
 Exército;
 Latim;
 Grego;
O Concílio de Jerusalém:
 Atos 15
Cismas (questões disciplinares) e Heresias (questões doutrinárias).
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NO MUNDO ANTIGO
A partir do século II, a Patrística
Período Imperador Acontecimento na Igreja
54 a 68 Nero
- Pedro e Paulo são martirizados;
- Muitos cristãos são mortos distração para os romanos.
98 a 117 Trajano
- Morte a quem se proclamasse cristão;
- Santo Inácio de Antioquia (98-117) é entregue aos leões no Coliseu. O
santo era discípulo de João e defendia a unidade da Igreja, a primazia da
Sé Romana, a divindade de Jesus contra o docetismo, e a guarda do
domingo;
- São Justino Mártir (100-165), morreu decapitado e defendia a guarda
do domingo, a celebração da Eucaristia como culto perpétuo do cristão.
161 a 180 Marco Aurélio
- Condenação e martírio de inúmeros cristãos;
- São Policarpo de Esmirna (69-155), martirizado na fogueira;
- Santo Irineu (130-202), combateu fortemente o Gnoticismo.
180 a 193 Cômodo - Vários cristãos foram martirizados.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NO MUNDO ANTIGO
A partir do século II, a Patrística
Período Imperador Acontecimento na Igreja
193 a 211 Sétimo Severo
- Martirizadas Felicidade e Perpétua por decapitação por não renunciarem
a fé cristã;
- Tertuliano (160-220), introdutor do termo Trindade e pessoas no estudo
da Trindade e também defende a Igreja como Mãe;
- Clemente de Alexandria (150 a 215), defendeu a vivência fraterna e a
repartição das riquezas entre os homens;
- Orígenes, defendia o batismo dos recém-nascidos, o primado de Pedro, a
virgindade perpétua de Maria.
249 a 251 Décio
- Para animar o exército e os civis, o imperador obrigou a todos fazerem
sacrifícios aos deuses. Os cristãos que se recusavam eram martirizados.
253 a 260 Valeriano
- Proibição de culto e reuniões dos cristãos, obrigando-os a oferecer
sacrifícios aos deuses;
- Cipriano de Cartago, foi fiel ao Papa Cornélio e uniu os bispos a Roma
contra o anti-papa Novaciano;
- O papa Sixto e seu assistente diácono Lourenço, que foram martirizados.
Lourenço apresentou os pobres como a grande riqueza da Igreja.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NO MUNDO ANTIGO
A partir do século II, a Patrística
Período Imperador Acontecimento na Igreja
261 a 283 Galiano
- Publicação do Édito de Tolerância.
284 a 305 Diocleciano
- Maior perseguição aos cristãos já registrada;
- Cosme e Damião, médicos, são martirizados;
- Eulália de Mérida, virgem, torturada e morta aos 12 anos;
- Pantaleão de Nicomédia, decapitado aos 23 anos;
- Inês de Roma, decapitada;
306 a 337 Constantino
- Em 313 foi promulgado o Édito de Milão, dando liberdade de
culto aos cristãos;
- Surge a heresia do Arianismo, no qual o presbítero Ario defendia
que Deus era apenas Pai, e que Jesus havia sido adotado como
Filho;
- Concílio de Nicéia (325), onde foi elaborado o Símbolo da Fé
(Credo).
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NO MUNDO ANTIGO
A partir do século II, a Patrística
Século V, o Império Romano se divide (Oriente e Ocidente) e no século VI a comunicação no Mar Mediterrâneo é interrompida.
Período Imperador Acontecimento na Igreja
379 a 395 Teodósio I
- Assinou o Édito de Tessalônica, tornando o cristianismo a religião oficial
do Império Romano;
- Hilário de Poitiers (300-368) defendia a Trindade;
- Gregório Nazianzeno (329-389) defendia a Trindade;
- Basílio de Cesaréia (329-379) defendia a consubstancialidade entre o Pai e
o Filho;
- Gregório de Nissa (330-395) defendia Jesus como verdadeiro Deus e
verdadeiro homem, assim Maria é a Theotokos;
- Ambrósio de Milão (340-397), batizou Agostinho;
- São Jerônimo (347-420) tradutor da bíblia;
- São João Crisóstomo (349-407), pai da Doutrina Social da Igreja;
- Santo Agostinho de Hipona (354-430), grande doutor da Trindade.
527 a 565 Justiniano I
- Últimos resquícios de resistência foram aniquilados.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NA IDADE MÉDIA
Primeira Idade Média (Séc VII até o Papa Gregório VII)
 Tristeza pela perda do Oriente e da África, mas alegria pela
conversão dos germânicos;
 O “Grande Cisma”:
 Em 1054, comissão do papa Leão IX visita o patriarca Miguel
Cerulário;
 O patriarca é excomungado e o “Grande Cisma” acontece;
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NA IDADE MÉDIA
Primeira Idade Média (Séc VII até o Papa Gregório VII)
 Divergências entre Ocidente e Oriente:
a) Os gregos (orientais) eram intelectuais, os latinos dados a prática;
b) Após o séc. IV os documentos são escritos em latim e quando traduzidos para
o grego nem sempre eram fiéis;
c) O calendário da páscoa divergia entre ambos;
d) Na Eucaristia, a matéria era o pão ázimo para os latinos e o pão fermentado
para os gregos;
e) O celibato sacerdotal só era observado no Ocidente e a barba importante para
os Orientais;
g) Os Orientais não aceitavam que o Espírito Santo procede do Filho também.
 Com o Sistema feudal, a Igreja passa a influenciar no poder temporal.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NA IDADE MÉDIA
Alta Idade Média (Séc XI até o Séc XII)
 Fatos importantes (século XII, XIII, XIV):
 Construção de catedrais;
 Surgimento de Universidades;
 Início do período chamado de
Escolástica, onde busca-se a harmonia
entre a fé e a razão;
 É criado o Conclave dos Cardeais para
Eleição do papa, o Direito Canônico.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NA IDADE MÉDIA
Baixa Idade Média (1300 até 1500)
 Um período de verdadeiros desafios para a Igreja:
- Uma reflexão profunda sobre a existência do mundo. É a ascensão da
Antropologia;
- A civilização e a burguesia adquirem grande importância para o futuro;
- A vida eclesiástica encontrava-se numa fase de certezas abaladas (não de fé);
- O "Grande Cisma do Ocidente“ (Este Cisma foi resolvido no Concílio de
Constança, onde os 3 reclamantes do papado foram obrigados a renunciar e
Martinho V foi eleito papa em 1417, restaurando a unidade da Igreja);
- Com a conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453, o resto
do Império Bizantino caiu sob a dominação muçulmana;
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NA IDADE MODERNA
Consequências da Reforma
 O homem se distancia da comunidade;
 Inúmeras divisões da cristandade;
 Criação de seitas e comunidades com doutrinas e costumes diferentes:
 Na Suíça, Calvino e Zwinglio iniciam o movimento que dá origem a Igreja
Reformada, que se expandiu na Suíça, Alemanha, França e Holanda.
 Na Escócia, John Knox inicia um movimento que dá origem a Igreja Presbiteriana;
 Na Inglaterra, após o episódio em que o rei Henrique VIII rompe com Roma por
não obter a declaração de nulidade do seu matrimônio com a rainha Catarina de
Aragão para casar-se com Ana Bojena, é criada a Igreja Anglicana. O primeiro-
ministro do rei, Thomas More, foi executado por se manter fiel a fé Católica.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
A IGREJA NA IDADE MODERNA
A Contra-Reforma (O Concílio de Trento para a unidade)
Terceira Fase (1562-1565)
 O santo Sacrifício da Missa;
 O Sacramento da Ordem e o do Matrimônio;
 O purgatório, as imagens, a invocação dos santos;
 Resoluções sobre os religiosos e as religiosas;
 Entre os frutos da contra-reforma, podemos citar as novas
ordens bastante ativas como os jesuítas e capuchinhos, a
retomada das missões na Ásia e na África e o início das
missões na América.
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCEITO DE IGREJA
RCC GOIÁS
CONCLUSÃO
RECAPITULANDO
-A Igreja nasce do peito aberto de Jesus na cruz, no Império
Romano, num período de perseguição e de muito testemunho e
martírio;
-Enfrenta inúmeros desafios na Idade Média, inclusive o “Grande
Cisma” e a questão da Inquisição, tão deturpada nos dias de hoje.
-Na Idade Moderna, vemos ouro desafio, a Reforma. Porém, com
grande sabedoria e discernimento o Concílio de Trento une a Igreja
em torno da verdade.
DÚVIDAS?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capitulo 4 a vida de oração
Capitulo 4   a vida de oraçãoCapitulo 4   a vida de oração
Capitulo 4 a vida de oração
Klaus Newman
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
Capitulo 3 o caminho da oração
Capitulo 3   o caminho da oraçãoCapitulo 3   o caminho da oração
Capitulo 3 o caminho da oração
Klaus Newman
 
Livro Catequese com estilo catecumenal - Padre Lelo
Livro Catequese com estilo catecumenal - Padre LeloLivro Catequese com estilo catecumenal - Padre Lelo
Livro Catequese com estilo catecumenal - Padre Lelo
Vitor Nunes Rosa
 
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
Ramon Gimenez
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
Francisco Rodrigues
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
Francisco Rodrigues
 
Capitulo 1 Conceito de Igreja
Capitulo 1   Conceito de IgrejaCapitulo 1   Conceito de Igreja
Capitulo 1 Conceito de Igreja
Klaus Newman
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Capitulo 4 Elementos da Reunião de Oração
Capitulo 4   Elementos da Reunião de OraçãoCapitulo 4   Elementos da Reunião de Oração
Capitulo 4 Elementos da Reunião de Oração
Klaus Newman
 
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedadeSlides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
José Vieira Dos Santos
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Capítulo 1 O Grupo de Oração
Capítulo 1  O Grupo de OraçãoCapítulo 1  O Grupo de Oração
Capítulo 1 O Grupo de Oração
Klaus Newman
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Presentepravoce SOS
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Rcc ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração
Rcc   ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oraçãoRcc   ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração
Rcc ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração
costanombre
 
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
José Luiz Silva Pinto
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
IRINEU FILHO
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 

Mais procurados (20)

Capitulo 4 a vida de oração
Capitulo 4   a vida de oraçãoCapitulo 4   a vida de oração
Capitulo 4 a vida de oração
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Capitulo 3 o caminho da oração
Capitulo 3   o caminho da oraçãoCapitulo 3   o caminho da oração
Capitulo 3 o caminho da oração
 
Livro Catequese com estilo catecumenal - Padre Lelo
Livro Catequese com estilo catecumenal - Padre LeloLivro Catequese com estilo catecumenal - Padre Lelo
Livro Catequese com estilo catecumenal - Padre Lelo
 
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
 
O catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católicaO catecismo da igreja católica
O catecismo da igreja católica
 
Capitulo 1 Conceito de Igreja
Capitulo 1   Conceito de IgrejaCapitulo 1   Conceito de Igreja
Capitulo 1 Conceito de Igreja
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Capitulo 4 Elementos da Reunião de Oração
Capitulo 4   Elementos da Reunião de OraçãoCapitulo 4   Elementos da Reunião de Oração
Capitulo 4 Elementos da Reunião de Oração
 
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedadeSlides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Capítulo 1 O Grupo de Oração
Capítulo 1  O Grupo de OraçãoCapítulo 1  O Grupo de Oração
Capítulo 1 O Grupo de Oração
 
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianosOs sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
Os sacramentos-de-iniciação-cristã-salesianos
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Rcc ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração
Rcc   ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oraçãoRcc   ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração
Rcc ministério de formação - apostila - 3 - grupos de oração
 
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
 

Destaque

Capitulo 3 A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...
Capitulo 3   A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...Capitulo 3   A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...
Capitulo 3 A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...
Klaus Newman
 
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
Capitulo 6   O Leigo ComprometidoCapitulo 6   O Leigo Comprometido
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
Klaus Newman
 
Capitulo 3 a pedagogia da santidade
Capitulo 3   a pedagogia da santidadeCapitulo 3   a pedagogia da santidade
Capitulo 3 a pedagogia da santidade
Klaus Newman
 
Capitulo 2 liderança
Capitulo 2   liderançaCapitulo 2   liderança
Capitulo 2 liderança
Klaus Newman
 
Capitulo 2 o Pensamento Social no Novo Testamento
Capitulo 2   o Pensamento Social no Novo TestamentoCapitulo 2   o Pensamento Social no Novo Testamento
Capitulo 2 o Pensamento Social no Novo Testamento
Klaus Newman
 
Capitulo 6 apostolado, compromisso e santidade - cópia
Capitulo 6   apostolado, compromisso e santidade - cópiaCapitulo 6   apostolado, compromisso e santidade - cópia
Capitulo 6 apostolado, compromisso e santidade - cópia
Klaus Newman
 
Capitulo 2 felizes e santos
Capitulo 2   felizes e santosCapitulo 2   felizes e santos
Capitulo 2 felizes e santos
Klaus Newman
 
Capitulo 4 as duas dimensoões da liderança
Capitulo 4   as duas dimensoões da liderançaCapitulo 4   as duas dimensoões da liderança
Capitulo 4 as duas dimensoões da liderança
Klaus Newman
 
Capitulo 3 o líder cristão
Capitulo 3   o líder cristãoCapitulo 3   o líder cristão
Capitulo 3 o líder cristão
Klaus Newman
 
Capitulo 5 as virtudes sobrenaturais e os dons de santificação
Capitulo 5   as virtudes sobrenaturais e os dons de santificaçãoCapitulo 5   as virtudes sobrenaturais e os dons de santificação
Capitulo 5 as virtudes sobrenaturais e os dons de santificação
Klaus Newman
 
Capitulo 7 santificando o mundo
Capitulo 7   santificando o mundoCapitulo 7   santificando o mundo
Capitulo 7 santificando o mundo
Klaus Newman
 
Capitulo 4 caminhos para a santidade
Capitulo 4   caminhos para a santidadeCapitulo 4   caminhos para a santidade
Capitulo 4 caminhos para a santidade
Klaus Newman
 
Capitulo 1 o ensino social no antigo testamento
Capitulo 1   o ensino social no antigo testamentoCapitulo 1   o ensino social no antigo testamento
Capitulo 1 o ensino social no antigo testamento
Klaus Newman
 
Capitulo 1 Simão Pedro e Paulo Apóstolo
Capitulo 1   Simão Pedro e Paulo ApóstoloCapitulo 1   Simão Pedro e Paulo Apóstolo
Capitulo 1 Simão Pedro e Paulo Apóstolo
Klaus Newman
 
Capitulo 8 os frutos na caminhada de santificação
Capitulo 8   os frutos na caminhada de santificaçãoCapitulo 8   os frutos na caminhada de santificação
Capitulo 8 os frutos na caminhada de santificação
Klaus Newman
 
Capitulo 5 o líder a serviço
Capitulo 5   o líder a serviçoCapitulo 5   o líder a serviço
Capitulo 5 o líder a serviço
Klaus Newman
 
Capitulo 6 santificados no sofrimento
Capitulo 6   santificados no sofrimentoCapitulo 6   santificados no sofrimento
Capitulo 6 santificados no sofrimento
Klaus Newman
 
Capitulo 7 tentações do líder
Capitulo 7   tentações do líderCapitulo 7   tentações do líder
Capitulo 7 tentações do líder
Klaus Newman
 
Capitulo 8 o desânimo e a improvisação
Capitulo 8   o desânimo e a improvisaçãoCapitulo 8   o desânimo e a improvisação
Capitulo 8 o desânimo e a improvisação
Klaus Newman
 
Capitulo 5 A Economia Sacramental
Capitulo 5   A Economia SacramentalCapitulo 5   A Economia Sacramental
Capitulo 5 A Economia Sacramental
Klaus Newman
 

Destaque (20)

Capitulo 3 A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...
Capitulo 3   A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...Capitulo 3   A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...
Capitulo 3 A Igreja no Século XX e Início do Novo Milênio (passando pelos 1...
 
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
Capitulo 6   O Leigo ComprometidoCapitulo 6   O Leigo Comprometido
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
 
Capitulo 3 a pedagogia da santidade
Capitulo 3   a pedagogia da santidadeCapitulo 3   a pedagogia da santidade
Capitulo 3 a pedagogia da santidade
 
Capitulo 2 liderança
Capitulo 2   liderançaCapitulo 2   liderança
Capitulo 2 liderança
 
Capitulo 2 o Pensamento Social no Novo Testamento
Capitulo 2   o Pensamento Social no Novo TestamentoCapitulo 2   o Pensamento Social no Novo Testamento
Capitulo 2 o Pensamento Social no Novo Testamento
 
Capitulo 6 apostolado, compromisso e santidade - cópia
Capitulo 6   apostolado, compromisso e santidade - cópiaCapitulo 6   apostolado, compromisso e santidade - cópia
Capitulo 6 apostolado, compromisso e santidade - cópia
 
Capitulo 2 felizes e santos
Capitulo 2   felizes e santosCapitulo 2   felizes e santos
Capitulo 2 felizes e santos
 
Capitulo 4 as duas dimensoões da liderança
Capitulo 4   as duas dimensoões da liderançaCapitulo 4   as duas dimensoões da liderança
Capitulo 4 as duas dimensoões da liderança
 
Capitulo 3 o líder cristão
Capitulo 3   o líder cristãoCapitulo 3   o líder cristão
Capitulo 3 o líder cristão
 
Capitulo 5 as virtudes sobrenaturais e os dons de santificação
Capitulo 5   as virtudes sobrenaturais e os dons de santificaçãoCapitulo 5   as virtudes sobrenaturais e os dons de santificação
Capitulo 5 as virtudes sobrenaturais e os dons de santificação
 
Capitulo 7 santificando o mundo
Capitulo 7   santificando o mundoCapitulo 7   santificando o mundo
Capitulo 7 santificando o mundo
 
Capitulo 4 caminhos para a santidade
Capitulo 4   caminhos para a santidadeCapitulo 4   caminhos para a santidade
Capitulo 4 caminhos para a santidade
 
Capitulo 1 o ensino social no antigo testamento
Capitulo 1   o ensino social no antigo testamentoCapitulo 1   o ensino social no antigo testamento
Capitulo 1 o ensino social no antigo testamento
 
Capitulo 1 Simão Pedro e Paulo Apóstolo
Capitulo 1   Simão Pedro e Paulo ApóstoloCapitulo 1   Simão Pedro e Paulo Apóstolo
Capitulo 1 Simão Pedro e Paulo Apóstolo
 
Capitulo 8 os frutos na caminhada de santificação
Capitulo 8   os frutos na caminhada de santificaçãoCapitulo 8   os frutos na caminhada de santificação
Capitulo 8 os frutos na caminhada de santificação
 
Capitulo 5 o líder a serviço
Capitulo 5   o líder a serviçoCapitulo 5   o líder a serviço
Capitulo 5 o líder a serviço
 
Capitulo 6 santificados no sofrimento
Capitulo 6   santificados no sofrimentoCapitulo 6   santificados no sofrimento
Capitulo 6 santificados no sofrimento
 
Capitulo 7 tentações do líder
Capitulo 7   tentações do líderCapitulo 7   tentações do líder
Capitulo 7 tentações do líder
 
Capitulo 8 o desânimo e a improvisação
Capitulo 8   o desânimo e a improvisaçãoCapitulo 8   o desânimo e a improvisação
Capitulo 8 o desânimo e a improvisação
 
Capitulo 5 A Economia Sacramental
Capitulo 5   A Economia SacramentalCapitulo 5   A Economia Sacramental
Capitulo 5 A Economia Sacramental
 

Semelhante a Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja

Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
DenisAurlio2
 
11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx
PIB Penha - SP
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
Tiago Silva
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
PIB Penha
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
M7 ensino 03 04
M7 ensino 03 04M7 ensino 03 04
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
Nuno Faustino
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
PIB Penha
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
JosJunqueira1
 
Cristandade Ocidental
Cristandade OcidentalCristandade Ocidental
Cristandade Ocidental
Tiago Soares
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
seixasmarianas
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
Marilia Pimentel
 
Documentário o estado do vaticano.
Documentário o estado do vaticano.Documentário o estado do vaticano.
Documentário o estado do vaticano.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Péricles Penuel
 

Semelhante a Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja (20)

Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
M7 ensino 03 04
M7 ensino 03 04M7 ensino 03 04
M7 ensino 03 04
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
Cristandade Ocidental
Cristandade OcidentalCristandade Ocidental
Cristandade Ocidental
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 
Documentário o estado do vaticano.
Documentário o estado do vaticano.Documentário o estado do vaticano.
Documentário o estado do vaticano.
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 

Mais de Klaus Newman

Capitulo 1 esta é a vontade de deus a vossa santificação
Capitulo 1   esta é a vontade de deus a vossa santificaçãoCapitulo 1   esta é a vontade de deus a vossa santificação
Capitulo 1 esta é a vontade de deus a vossa santificação
Klaus Newman
 
Capitulo 6 a oração do senhor
Capitulo 6   a oração do senhorCapitulo 6   a oração do senhor
Capitulo 6 a oração do senhor
Klaus Newman
 
Capitulo 5 ser amigo de deus
Capitulo 5   ser amigo de deusCapitulo 5   ser amigo de deus
Capitulo 5 ser amigo de deus
Klaus Newman
 
Capitulo 2 as formas de oração
Capitulo 2   as formas de oraçãoCapitulo 2   as formas de oração
Capitulo 2 as formas de oração
Klaus Newman
 
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
Capitulo 1   a Oração na Vida cristãCapitulo 1   a Oração na Vida cristã
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
Klaus Newman
 
Processo formativo da rcc
Processo formativo da rccProcesso formativo da rcc
Processo formativo da rcc
Klaus Newman
 

Mais de Klaus Newman (6)

Capitulo 1 esta é a vontade de deus a vossa santificação
Capitulo 1   esta é a vontade de deus a vossa santificaçãoCapitulo 1   esta é a vontade de deus a vossa santificação
Capitulo 1 esta é a vontade de deus a vossa santificação
 
Capitulo 6 a oração do senhor
Capitulo 6   a oração do senhorCapitulo 6   a oração do senhor
Capitulo 6 a oração do senhor
 
Capitulo 5 ser amigo de deus
Capitulo 5   ser amigo de deusCapitulo 5   ser amigo de deus
Capitulo 5 ser amigo de deus
 
Capitulo 2 as formas de oração
Capitulo 2   as formas de oraçãoCapitulo 2   as formas de oração
Capitulo 2 as formas de oração
 
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
Capitulo 1   a Oração na Vida cristãCapitulo 1   a Oração na Vida cristã
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
 
Processo formativo da rcc
Processo formativo da rccProcesso formativo da rcc
Processo formativo da rcc
 

Último

1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (20)

1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja

  • 1. VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA Capítulo 2 – Igreja KLAUS NEWMAN MÓDULO BÁSICO DE FORMAÇÃO RCC GOIÁS
  • 2. VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA RCC GOIÁS CIC 766-767
  • 3. VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA RCC GOIÁS APRESENTAÇÃO DO ENSINO TEMA: A VISÃO HISTÓRICA DA IGREJA. ITENS A SEREM APRESENTADOS: A IGREJA NO MUNDO ANTIGO; A IGREJA NA IDADE MÉDIA; A IGREJA NA IDADE MODERNA;
  • 4. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NO MUNDO ANTIGO A Igreja nasce no Império Romano;  Estradas;  Direito;  Comunicação;  Exército;  Latim;  Grego; O Concílio de Jerusalém:  Atos 15 Cismas (questões disciplinares) e Heresias (questões doutrinárias).
  • 5. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NO MUNDO ANTIGO A partir do século II, a Patrística Período Imperador Acontecimento na Igreja 54 a 68 Nero - Pedro e Paulo são martirizados; - Muitos cristãos são mortos distração para os romanos. 98 a 117 Trajano - Morte a quem se proclamasse cristão; - Santo Inácio de Antioquia (98-117) é entregue aos leões no Coliseu. O santo era discípulo de João e defendia a unidade da Igreja, a primazia da Sé Romana, a divindade de Jesus contra o docetismo, e a guarda do domingo; - São Justino Mártir (100-165), morreu decapitado e defendia a guarda do domingo, a celebração da Eucaristia como culto perpétuo do cristão. 161 a 180 Marco Aurélio - Condenação e martírio de inúmeros cristãos; - São Policarpo de Esmirna (69-155), martirizado na fogueira; - Santo Irineu (130-202), combateu fortemente o Gnoticismo. 180 a 193 Cômodo - Vários cristãos foram martirizados.
  • 6. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NO MUNDO ANTIGO A partir do século II, a Patrística Período Imperador Acontecimento na Igreja 193 a 211 Sétimo Severo - Martirizadas Felicidade e Perpétua por decapitação por não renunciarem a fé cristã; - Tertuliano (160-220), introdutor do termo Trindade e pessoas no estudo da Trindade e também defende a Igreja como Mãe; - Clemente de Alexandria (150 a 215), defendeu a vivência fraterna e a repartição das riquezas entre os homens; - Orígenes, defendia o batismo dos recém-nascidos, o primado de Pedro, a virgindade perpétua de Maria. 249 a 251 Décio - Para animar o exército e os civis, o imperador obrigou a todos fazerem sacrifícios aos deuses. Os cristãos que se recusavam eram martirizados. 253 a 260 Valeriano - Proibição de culto e reuniões dos cristãos, obrigando-os a oferecer sacrifícios aos deuses; - Cipriano de Cartago, foi fiel ao Papa Cornélio e uniu os bispos a Roma contra o anti-papa Novaciano; - O papa Sixto e seu assistente diácono Lourenço, que foram martirizados. Lourenço apresentou os pobres como a grande riqueza da Igreja.
  • 7. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NO MUNDO ANTIGO A partir do século II, a Patrística Período Imperador Acontecimento na Igreja 261 a 283 Galiano - Publicação do Édito de Tolerância. 284 a 305 Diocleciano - Maior perseguição aos cristãos já registrada; - Cosme e Damião, médicos, são martirizados; - Eulália de Mérida, virgem, torturada e morta aos 12 anos; - Pantaleão de Nicomédia, decapitado aos 23 anos; - Inês de Roma, decapitada; 306 a 337 Constantino - Em 313 foi promulgado o Édito de Milão, dando liberdade de culto aos cristãos; - Surge a heresia do Arianismo, no qual o presbítero Ario defendia que Deus era apenas Pai, e que Jesus havia sido adotado como Filho; - Concílio de Nicéia (325), onde foi elaborado o Símbolo da Fé (Credo).
  • 8. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NO MUNDO ANTIGO A partir do século II, a Patrística Século V, o Império Romano se divide (Oriente e Ocidente) e no século VI a comunicação no Mar Mediterrâneo é interrompida. Período Imperador Acontecimento na Igreja 379 a 395 Teodósio I - Assinou o Édito de Tessalônica, tornando o cristianismo a religião oficial do Império Romano; - Hilário de Poitiers (300-368) defendia a Trindade; - Gregório Nazianzeno (329-389) defendia a Trindade; - Basílio de Cesaréia (329-379) defendia a consubstancialidade entre o Pai e o Filho; - Gregório de Nissa (330-395) defendia Jesus como verdadeiro Deus e verdadeiro homem, assim Maria é a Theotokos; - Ambrósio de Milão (340-397), batizou Agostinho; - São Jerônimo (347-420) tradutor da bíblia; - São João Crisóstomo (349-407), pai da Doutrina Social da Igreja; - Santo Agostinho de Hipona (354-430), grande doutor da Trindade. 527 a 565 Justiniano I - Últimos resquícios de resistência foram aniquilados.
  • 9. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NA IDADE MÉDIA Primeira Idade Média (Séc VII até o Papa Gregório VII)  Tristeza pela perda do Oriente e da África, mas alegria pela conversão dos germânicos;  O “Grande Cisma”:  Em 1054, comissão do papa Leão IX visita o patriarca Miguel Cerulário;  O patriarca é excomungado e o “Grande Cisma” acontece;
  • 10. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NA IDADE MÉDIA Primeira Idade Média (Séc VII até o Papa Gregório VII)  Divergências entre Ocidente e Oriente: a) Os gregos (orientais) eram intelectuais, os latinos dados a prática; b) Após o séc. IV os documentos são escritos em latim e quando traduzidos para o grego nem sempre eram fiéis; c) O calendário da páscoa divergia entre ambos; d) Na Eucaristia, a matéria era o pão ázimo para os latinos e o pão fermentado para os gregos; e) O celibato sacerdotal só era observado no Ocidente e a barba importante para os Orientais; g) Os Orientais não aceitavam que o Espírito Santo procede do Filho também.  Com o Sistema feudal, a Igreja passa a influenciar no poder temporal.
  • 12. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NA IDADE MÉDIA Alta Idade Média (Séc XI até o Séc XII)  Fatos importantes (século XII, XIII, XIV):  Construção de catedrais;  Surgimento de Universidades;  Início do período chamado de Escolástica, onde busca-se a harmonia entre a fé e a razão;  É criado o Conclave dos Cardeais para Eleição do papa, o Direito Canônico.
  • 13. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NA IDADE MÉDIA Baixa Idade Média (1300 até 1500)  Um período de verdadeiros desafios para a Igreja: - Uma reflexão profunda sobre a existência do mundo. É a ascensão da Antropologia; - A civilização e a burguesia adquirem grande importância para o futuro; - A vida eclesiástica encontrava-se numa fase de certezas abaladas (não de fé); - O "Grande Cisma do Ocidente“ (Este Cisma foi resolvido no Concílio de Constança, onde os 3 reclamantes do papado foram obrigados a renunciar e Martinho V foi eleito papa em 1417, restaurando a unidade da Igreja); - Com a conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453, o resto do Império Bizantino caiu sob a dominação muçulmana;
  • 17. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NA IDADE MODERNA Consequências da Reforma  O homem se distancia da comunidade;  Inúmeras divisões da cristandade;  Criação de seitas e comunidades com doutrinas e costumes diferentes:  Na Suíça, Calvino e Zwinglio iniciam o movimento que dá origem a Igreja Reformada, que se expandiu na Suíça, Alemanha, França e Holanda.  Na Escócia, John Knox inicia um movimento que dá origem a Igreja Presbiteriana;  Na Inglaterra, após o episódio em que o rei Henrique VIII rompe com Roma por não obter a declaração de nulidade do seu matrimônio com a rainha Catarina de Aragão para casar-se com Ana Bojena, é criada a Igreja Anglicana. O primeiro- ministro do rei, Thomas More, foi executado por se manter fiel a fé Católica.
  • 19. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS A IGREJA NA IDADE MODERNA A Contra-Reforma (O Concílio de Trento para a unidade) Terceira Fase (1562-1565)  O santo Sacrifício da Missa;  O Sacramento da Ordem e o do Matrimônio;  O purgatório, as imagens, a invocação dos santos;  Resoluções sobre os religiosos e as religiosas;  Entre os frutos da contra-reforma, podemos citar as novas ordens bastante ativas como os jesuítas e capuchinhos, a retomada das missões na Ásia e na África e o início das missões na América.
  • 21. CONCEITO DE IGREJA RCC GOIÁS CONCLUSÃO RECAPITULANDO -A Igreja nasce do peito aberto de Jesus na cruz, no Império Romano, num período de perseguição e de muito testemunho e martírio; -Enfrenta inúmeros desafios na Idade Média, inclusive o “Grande Cisma” e a questão da Inquisição, tão deturpada nos dias de hoje. -Na Idade Moderna, vemos ouro desafio, a Reforma. Porém, com grande sabedoria e discernimento o Concílio de Trento une a Igreja em torno da verdade. DÚVIDAS?