C:\Fakepath\Trabalho De Ap Andre E Joao Luis Publicar

399 visualizações

Publicada em

Powerpoint sobre a Solidariedade

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

C:\Fakepath\Trabalho De Ap Andre E Joao Luis Publicar

  1. 2. RACISMO Racismo em Portugal
  2. 3. <ul><li>Em Portugal, o racismo é um crime conforme o código penal português, sendo uma circunstância de agravo importante como causa de um crime. No entanto, poucos são os relatórios e as estatísticas acerca da situação em Portugal no que concerne à discriminação racista, apesar de haver registo de alguns casos de violência na história recente do país. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>A população portuguesa, embora bastante semelhante, é também composta por algumas minorias, tais como as minorias Africanas . Devido ao passado expansivo de Portugal, que o país lida com diferenças culturais, étnicas e religiosas, entre outras. Nas colónias portuguesas não vigoravam políticas oficiais de segregação ou de negação , o que indica alguma tolerância a diferentes realidades. </li></ul>
  4. 5. Racismo em Angola
  5. 6. <ul><li>Temos vindo a verificar um aumento do racismo em Angola, sobretudo na cidade de Luanda. Não é só com o aproximar das eleições, o seu crescimento tem vindo a sentir-se desde as primeiras eleições em 1992. Brancos e negros angolanos têm vindo a ser atacados, sobretudo pelos colegas de trabalho que desejam o lugar de chefe que ocupam, sem que para o efeito tenham as capacidades necessárias. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Na rua, são olhados com desconfiança, &quot;vai para a tua terra, seu tuga, kangundu da tuji&quot; ou &quot; vai para a terra do teu pai, seu mulato&quot;. Os desterrados levam pela mesma bitola, não escapam aos insultos, ameaças. Para a população em geral, todos os brancos são ladrões. Como não podem se virar contra o poder instituído há que descarregar a sua frustração na cor da pele do outro. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Dizia, eu, que esperava que o tempo conseguisse fazer esquecer tudo isto e a verdadeira harmonia entre estas duas raças fosse possível a médio prazo, a curto prazo era mais o meu desejo, mas uma coisa é gostar e outra é acontecer. Pelo andar da carruagem, parece que, nem a longo prazo. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Há uns anos atrás tinha escrito uma crónica, onde referia que quinhentos anos de opressão a um povo são difíceis de apagar. A nível da intelectualidade as diferenças tendem a atenuar-se, a diluírem-se mais facilmente, mas nas populações a integração é mais complicada. Por muito que se queira ou explique, o branco é sempre olhado como parente do antigo colono. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Por muito que se queira ou explique, o branco é sempre olhado como parente do antigo colono. Dizia, eu, que esperava que o tempo conseguisse fazer esquecer tudo isto e a verdadeira harmonia entre estas duas raças fosse possível a médio prazo, a curto prazo era mais o meu desejo, mas uma coisa é gostar e outra é acontecer. Pelo andar da carruagem, parece que, nem a longo prazo. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>TRABALHO REALIZADO POR: </li></ul><ul><li>ANDRÉ MARTINS N º 2 </li></ul><ul><li>JOÃO LUIS Nº16 </li></ul>

×